Você está na página 1de 382

Rolamentos FAG

Rolamentos de esferas · Rolamentos


Rolamentos de rolos · Caixas · Acessórios Rolamentos

Rolamentos FAG Ltda. Catálogo WL 41 520/3 PB

Rolamentos de esferas · Rolamentos de rolos · Caixas · Acessórios


Rolamentos FAG
Rolamentos FAG
Rolamentos de esferas · Rolamentos de rolos · Caixas · Acessórios

WL 41 520/3 PB/97/1/01
Designações, iniciadas com números Designações, iniciadas com letras

Página Página
10 Rolamento autocompensador de esferas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 251 AH2 · AH22 · AH23 · Bucha de desmontagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 569
112 Rolamento autocompensador de esferas com anel interno largo . . . . . . 251 AH240 · AH241 · AH3 ·
AH30 · AH31· AH32 ·
12 · 13 Rolamento autocompensador de esferas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 251 AH33 · AH38 · AH39
160 · 161 Rolamento fixo de esferas, de uma carreira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 155 Arcanol Graxa para rolamentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 679
162 Rolamento de fixação rápida (tipo S) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 514 B70 · B719 · B72 Rolamentos para fusos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 207
202 · 203 Rolamento de rolos esféricos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 355 BND Caixa, inteiriça . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 663
213 Rolamento autocompensador de rolos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 371 DH Vedação para caixa SNV . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 675
22 Rolamento autocompensador de esferas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 251 DK Tampa para caixa S30 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 676
222 · 223 Rolamento autocompensador de rolos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 371 DK.F112 Tampa para mancal flangeado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 669
23 Rolamento autocompensador de esferas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 251 DKV · DKVT Tampa para caixa SNV . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 676
230 · 231 · 232 · 233 Rolamento autocompensador de rolos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 377 F112 · F5 Mancal flangeado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 669
2344 · 2347 Rolamento axial de esferas, de escora dupla . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 481 F162 Mancal monobloco (tipo S) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 527
239 Rolamento autocompensador de rolos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 385 F2 Mancal flangeado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 527
240 · 241 Rolamento autocompensador de rolos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 377 F362 · F562 · F762 Mancal monobloco (tipo S) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 527
292 · 293 · 294 Rolamento axial autocompensador de rolos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 503 FB2 Mancal flangeado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 547
302 · 303 Rolamento de rolos cônicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 329 FBB2 Mancal flangeado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 555
313 Rolamento de rolos cônicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 329 FE Anel de bloqueio para caixa F5 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 671
32 Rolamento de contato angular de esferas, de duas carreiras . . . . . . . . . 195 FJST Tira de feltro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 677
320 · 322 · 323 · 329 Rolamento de rolos cônicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 329 FL162 Mancal monobloco (tipo S) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 535
33 Rolamento de contato angular de esferas, de duas carreiras . . . . . . . . . 195 FL2 Mancal flangeado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 535
330 · 331 · 332 Rolamento de rolos cônicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 329 FL362 · FL562 · FL762 Mancal monobloco (tipo S) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 535
362 Rolamento de fixação rápida (tipo S) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 514 FRM Anel de bloqueio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 674
511 · 512 · 513 · 514 Rolamento axial de esferas de escora simples . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 449 FSV Vedação de feltro para caixa SNV . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 625
522 · 523 Rolamento axial de esferas de escora dupla . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 463 H2 · H23 · H240 · H241 · Bucha de fixação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 562
532 · 533 Rolamento axial de esferas de escora simples, H3 · H30 · H31 · H32 ·
com placa de assentamento esférica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 449 H33 · H38 · H39
542 · 543 Rolamento axial de esferas de escora dupla, HCS70 · HCS719 Rolamento para fusos híbridos de cerâmica, vedado . . . . . . . . . . . . . . 229
com placa de assentamento esférica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 463 HJ2 · HJ22 · HJ23 · HJ3 Anel de encosto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 277
562 Rolamento de fixação rápida (tipo S) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 514 HM · HM30 · HM31 Porca de extração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 583
60 Rolamento fixo de esferas, de uma carreira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 153 HSS70 · HSS719 Rolamento para fusos de alta velocidade, vedado . . . . . . . . . . . . . . . . 221
618 Rolamento fixo de esferas, de uma carreira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 175 K Rolamento de rolos cônicos com medidas em polegadas . . . . . . . . . . . 347
62 Rolamento fixo de esferas, de uma carreira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 153 KH · KHM Rolamento de rolos cônicos com medidas em polegadas . . . . . . . . . . . 347
622 · 623 Rolamento fixo de esferas, de uma carreira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 155 KIKU Esferas, fornecidas a peso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 593
63 · 64 Rolamento fixo de esferas, de uma carreira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 153 KL · KLM Rolamento de rolos cônicos com medidas em polegadas . . . . . . . . . . . 347
72 · 73 Rolamento fixo de esferas, de uma carreira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 185 KM Rolamento de rolos cônicos com medidas em polegadas . . . . . . . . . . . 347
7602 · 7603 Rolamento axial de contato angular de esferas, de escora simples . . . . . 473 KM · KML Porca de eixo, de extração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 581
762 Rolamento fixo de esferas com anel externo esférico (tipo S) . . . . . . . . 514 KU Esfera . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 597
811 · 812 Rolamento axial de rolos cilíndricos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 493 LOE2 · LOE3 Caixa, bipartida . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 653
LOE5 · LOE6 Caixa, bipartida . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 649

FAG 2 3 FAG
Designações, iniciadas com letras

Página
MB · MBL
MS30 · MS31
Arruela de segurança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 586
Grampo de segurança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 589
Rolamentos FAG
N2 · N3 Rolamento de rolos cilíndricos, de uma carreira . . . . . . . . . . . . . . . . . 277 Rolamentos de esferas ·
NCF29 · NCF30 Rolamento de rolos cilíndricos, de uma carreira, sem gaiola . . . . . . . . 317
NJ2 · NJ22 · NJ23 Rolamento de rolos cilíndricos, de uma carreira . . . . . . . . . . . . . . . . . 277
Rolamentos de rolos ·
NJ23 (VH) Rolamento de rolos cilíndricos, de uma carreira, sem gaiola . . . . . . . . 317 Caixas · Acessórios
NJ3 Rolamento de rolos cilíndricos, de uma carreira . . . . . . . . . . . . . . . . . 277
NN30 Rolamento de rolos cilíndricos, de duas carreiras . . . . . . . . . . . . . . . . 307
NNC49 Rolamento de rolos cilíndricos, de duas carreiras, sem gaiola . . . . . . . . 321
NNF50 Rolamento de rolos cilíndricos, de duas carreiras, sem gaiola, vedado . . 321 Catálogo WL 41 520/3 PB
NU10 · NU19 · NU2 · Rolamento de rolos cilíndricos, de uma carreira . . . . . . . . . . . . . . . . . 277
NU22 · NU23 · NU3 Edição 1999
NUP2 · NUP22 · Rolamento de rolos cilíndricos, de uma carreira . . . . . . . . . . . . . . . . . 277
NUP23 · NUP3
P162 Mancal monobloco (tipo S) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 519
P2 Mancal flangeado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 519
P362 · P562 · P762 Mancal monobloco (tipo S) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 519
QJ2 · QJ3 Rolamento de quatro pistas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 241
RSV Disco de regulagem para caixa SNV . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 613
S30 Caixa, bipartida . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 643
S60 · S62 · S63 Rolamento fixo de esferas, de uma carreira de aço inoxidável . . . . . . . . 155
SB2 Caixa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 543
SD31 Caixa, bipartida . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 645
SNV Caixa, bipartida . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 625
T Rolamento de rolos cônicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 329
TSV Anel de labirinto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 625
U2 · U3 Contraplaca . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 449
VR3 Caixa, inteiriça . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 657
VRE3 Mancal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 657
VRW3 Eixo para mancal VRE3 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 657
ZRO Rolo cilíndrico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 599

ROLAMENTOS FAG LTDA.


Av. das Nações Unidas, 21612 – Santo Amaro
04795-913 – São Paulo – SP
Fone (011) 5525 8622 · Telefax: (011) 5522 8901
Telex 1157572 fagbr

FAG 4 5 FAG
Acerca deste catálogo Acerca deste catálogo

Programa de rolamentos FAG O programa FAG por setores falha, o material, a lubrificação, a magnitude da Divisão do catálogo
O presente catálogo contêm um extrato do pro- Para determinados setores, a FAG elaborou pro- carga, o tipo construtivo do rolamento e a lim- No primeiro capítulo “Estruturação dos mancais
grama de rolamentos da FAG, para a Aplicação gramas especiais (vide também as páginas 693 e peza. De-monstra que, com uma película de filme de rolamentos”, o construtor encontra , em
Industrial Original (OEM), a distribuição e a seguintes). lubrificante completamente separada, uma lim- seqüência prática, as indicações necessárias para
demanda de reposição. peza máxima e uma carga realmente próxima à uma elaboração segura e econômica de seus assen-
Estes programas contêm, além dos rolamentos realidade, é possível obter a durabilidade perma-
Com os produtos geralmente de série deste normalizados, uma infinidade de execuções espe- tamentos. Aqui estão reunidas as informações
nente. Com o sistema de cálculos aperfeiçoado válidas para todos os tipos construtivos de rola-
catálogo, podem ser cobertos quase que todos os ciais, com ôs quais podem ser solucionados pro- pela FAG nos anos 90, também é possível dimen-
casos de aplicação. Para que os rolamentos, caixas blemas de assentamentos de forma funcional e mentos, p.ex. dimensionamento, dados dos rola-
sionar com segurança mancais com lubrificantes mentos, peças contíguas, lubrificação e manu-
e acessórios necessários em seu mercado estejam econômica. contaminados.
rapidamente disponíveis, adaptamos permanen- tenção, montagem e desmontagem.
Em caso de necessidade entre, o quanto antes, em A aptidão dos rolamentos para altas velocidades,
temente o nosso programa de estoque. contato com o nosso Serviço de Assistência Explicações específicas sobre os tipos construtivos
geralmente é determinada pela temperatura em se encontram no segundo capítulo do catálogo
As suas vantagens são: Técnica. Aproveite o amplo conhecimento de serviço permitida. Nas tabelas dos rolamentos são
nossos especialistas na tecnologia de aplicação. “Programa FAG de rolamentos normalizados”.
– preços de acordo com às necessidades do mencionados os números de rotação de referên- Dimensões, medidas para a montagem, capacida-
mercado cia, determinados por critérios exatamente defi- de de carga, índices de números de rotação e
– curto prazo de entrega nidos e uniformes (condições de referência), demais informações técnicas são descritas nas
baseados na DIN 732 parte I (esboço). Se as con- tabelas de rolamentos do segundo capítulo.
– fornecimento a longo prazo dições de serviço, carga, viscosidade do óleo e
– planejamento a longo prazo temperatura permitida se desviarem das condições Observe também o amplo Programa de Serviços
de referência, pode ser determinado o número de da FAG para um aumento da segurança em ser-
– manutenção simplificada do estoque viço (páginas 685 e seguintes).
O atual programa FAG de produção se encontra rotações termicamente permitido segundo um
sistema derivado da DIN 732 parte II (esboço). Em mais um capítulo, apresentamos os
em nossa lista de preços em vigor. Programas da FAG por Setores que se referem a
O limite de rotações considera, ao contrário, os
Dirija as suas consultas ao seu parceiro FAG Constante avanço tecnológico – Cálculo de vida limites mecânicos, por exemplo a velocidade de condições especiais em cada uma das máquinas.
(quanto aos endereços vide as páginas 709 e aperfeiçoado – Novos índices de números de deslizamento em vedações de contato ou a rigidez Os programas por setores contêm tanto rolamen-
seguintes). rotação – Catálogo em CD-ROM das peças do rolamento. Após consulta à FAG, tos normalizados como também tipos construti-
No Programa Global de rolamentos FAG ocorre pode ser permitido ultrapassá-la. vos e execuções especiais de rolamentos.
um constante avanço tecnológico. Este catálogo O catálogo de rolamentos eletrônico da FAG na O seu parceiro FAG (vide os endereços nas
demonstra as melhorias de qualidade alcançadas versão 1.1 se baseia neste catálogo impresso. O páginas 709 e seguintes) o orientará com prazer
nos últimos anos. Isto se manifesta de forma mais programa em CD-ROM oferece ao usuário muito na escolha de rolamentos e caixas adequadas. Ele
clara no novo sistema de cálculos, oriundo dos mais eficiência e vantagens. Ele é guiado em também tem à sua disposição publicações especí-
conhecimentos adquiridos pelas pesquisas da diálogo seguro e rapidamente ao melhor resulta- ficas, mencionadas em diversos pontos do texto.
FAG relacionadas com o dimensionamento dos do, economizando muito trabalho e tempo na Estas publicações o informarão, em parte, sobre
Programa FAG de rolamentos normalizados rolamentos e com o cálculo da vida nominal dos busca, seleção e cálculo dos rolamentos. Todas as temas da tecnologia de rolamentos como monta-
O ponto central do catálogo é formado pelos mesmos. informações podem ser acessadas por ajuda on- gem e desmontagem, lubrificação e manutenção,
rolamentos em dimensões DIN/ISO. Isto possibi- Já no início dos anos 80 a FAG publicou os mais line, como texto, fotos, desenhos, diagramas, cálculo de vida, etc., mas também sobre temas
lita ao construtor resolver a maior parte de seus novos conhecimentos acerca da vida efetivamente tabelas ou como animação em quadros com específicos, que fogem ao âmbito deste catálogo.
problemas de mancais, de forma rápida e econô- atingível de rolamentos. O sistema FAG para o movimento.
mica. cálculo ampliado de vida, daí derivado, se baseia Se encontrará à disposição sob consulta também
Além disto, a FAG oferece outros tipos construti- em prescrições de Normas Internacionais, abran- um CD-ROM, com o qual será possível a seleção
vos de rolamentos, com um diâmetro externo gentes pesquisas da FAG e em experiências práti- de rolamentos para um mancal, um eixo ou um
entre 3 milímetros e 4,25 metros. cas. Este cálculo considera a probabilidade de conjunto de eixos.

Todos os dados foram elaborados e verificados cuidadosamente.


Todavia não podemos assumir nenhuma responsabilidade por
eventuais erros ou omissões. Reservamo-nos o direito de intro-
duzir modificações decorrentes do avanço tecnológico.

© by FAG 1999. Qualquer cópia ou reprodução mesmo sendo


parcial, só poderá ser feita com o nosso consentimento.
Impresso na Alemanha por Weppert GmbH & Co. KG,
Schweinfurt.

FAG 6 7 FAG
Índice

O Departamento OEM e Comercialização da Página Página


FAG Kugelfischer Georg Schäfer AG supre clien- Estruturação dos mancais de rolamentos Lubrificação e manutenção
tes de aplicação original em máquinas e instala- Influências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10 Estrutura do filme lubrificante . . . . . . . . . . . 127
ções, como também clientes do ramo de distri- Seleção do método de lubrificação . . . . . . . . 127
buição e reposição de rolamentos, acessórios cor- Seleção do tipo construtivo Escolha da graxa adequada . . . . . . . . . . . . . 129
respondentes e serviços. Um grande conhecimen- Suprimento dos rolamentos com graxa . . . . . 130
to em rolamentos, uma competente Assessoria de Carga radial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
Carga axial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15 Escolha do óleo adequado . . . . . . . . . . . . . . 131
Aplicação e um amplo Serviço aos Clientes para Suprimento dos rolamentos com óleo . . . . . 132
uma maior segurança no trabalho, fazem da FAG Compensação linear dentro do próprio
rolamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16 Armazenamento dos rolamentos . . . . . . . . . 134
um parceiro indispensável de seus clientes. O Limpeza de rolamentos sujos . . . . . . . . . . . . 135
desenvolvimento e o pós-desenvolvimento de Compensação linear por assento corrediço . . . 16
nossos produtos é orientado pelas exigências da Rolamentos separáveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
Precisão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17 Montagem e desmontagem
futura prática em serviço. O perfil de exigências é
formulado em conjunto com os nossos técnicos Compensação de erros de alinhamento . . . . . 18 Montagem e desmontagem . . . . . . . . . . . . . 135
de pesquisa e de aplicação juntamente com os Números de rotação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18 Tabela: ferramentas e métodos . . . . . . . . . . . 136
fabricantes e usuários de máquinas. Esta é a base Giro silencioso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18 Preparação para a montagem e desmontagem 138
para soluções técnicas e econômicas. Furo cônico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19 Montagem dos rolamentos
Rolamentos vedados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19 em assentamentos cilíndricos . . . . . . . . . . . . 138
A produção é feita na Alemanha, na Itália, em Rigidez . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19 Montagem de rolamentos com furo cônico . 140
Portugal, na Índia, na Coréia, como também nos Atrito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19 Desmontagem de rolamentos
EUA. A comercialização é feita por filiais e distri- Tabela: tipos construtivos e suas características . 20 de assentamentos cilíndricos . . . . . . . . . . . . 142
buidores em quase todos os países do mundo. Desmontagem de rolamentos
Seleção e disposição dos rolamentos com furo cônico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 142
Mancal fixo-livre . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
Mancal ajustado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27 Programa de Rolamentos FAG normalizados
Mancal flutuante . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29 Rolamentos fixos de esferas . . . . . . . . . . . . . 146
Rolamentos de contato angular de esferas . . . 178
Dimensionamento Rolamentos para fusos . . . . . . . . . . . . . . . . 200
Rolamentos solicitados estaticamente . . . . . . . 30 Rolamentos de quatro pistas . . . . . . . . . . . . 236
Rolamentos solicitados dinamicamente . . . . . 31 Rolamentos autocompensadores de esferas . . 246
Carga mínima do rolamento . . . . . . . . . . . . . 33 Rolamentos de rolos cilíndricos . . . . . . . . . . 270
Cálculo ampliado da duração da vida . . . . . . . 40 Rolamentos de rolos cônicos . . . . . . . . . . . . 322
Rolamentos de rolos esféricos . . . . . . . . . . . 350
Dados dos rolamentos Rolamentos autocompensadores de rolos . . . 364
Rolamentos axiais de esferas . . . . . . . . . . . . 444
Dimensões principais . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50 Rolamentos axiais de contato angular
Dimensões de canto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52 de esferas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 468
Tolerâncias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54 Rolamentos axiais de rolos cilíndricos . . . . . 488
Folga dos rolamentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74 Rolamentos axiais autocompensadores
Material dos rolamentos . . . . . . . . . . . . . . . . 83 de rolos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 498
Execução das gaiolas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83 Rolamentos para mancais monobloco . . . . . 510
Aptidão para altas temperaturas . . . . . . . . . . . 86 Buchas de fixação, buchas de desmontagem,
Aptidão para altas rotações . . . . . . . . . . . . . . 87 acessórios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 558
Atrito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96 Esferas, rolos cilíndricos . . . . . . . . . . . . . . . 592
Caixas para rolamentos . . . . . . . . . . . . . . . . 602
Configuração das peças contíguas Graxa para rolamentos Arcanol . . . . . . . . . . 678
Ajustes, assentamentos . . . . . . . . . . . . . . . . 100 Embalagens . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 682
Rugosidade dos assentamentos . . . . . . . . . . . 103 Programa FAG de Serviços . . . . . . . . . . . . . 685
Pistas em assentamentos diretos . . . . . . . . . . 121
Fixação axial dos rolamentos . . . . . . . . . . . . 122 Programa FAG por setores . . . . . . . . . . . . . 693
Vedação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 124 Parceiros FAG . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 709

FAG 8 9 FAG
Estruturação dos mancais de rolamentos Estruturação dos mancais de rolamentos
Influências Influências dos Programas de PC como meio auxiliar

Estruturação dos mancais de rolamentos – Carga e número de rotações – Lubrificação e manutenção casos de aplicação, também se encontram dis-
As metas importantes na estruturação dos man- – Há elevada carga axial ou radial? São previstas condições para a lubrificação dos poníveis publicações específicas, sobre as quais há
cais de rolamentos são uma longa durabilidade, A direção se modifica? Qual o número de rolamentos, seja por banho ou por circulação indicações em várias partes do catálogo.
uma alta confiabilidade e economia. Para atingi- rotações? Há mudança no sentido da rotação? de óleo? Há necessidade ou não de evitar a
las, o projetista deve lançar em uma lista descriti- Qual o tempo de trabalho? Ocorrem cho- saída do lubrificante do mancal, para garantir
a qualidade do processo de fabricação, p.ex. na Programas de PC como meio auxiliar
va todas as condições e exigências que influam no ques? Como deve ser considerada a conju-
gação da carga e da rotação no dimensio- fabricação de produtos alimentícios? Existe O Catálogo Eletrônico de Rolamentos da FAG
mancal. Ao fazer o projeto não devem ser selecio-
namento? previsão de central de lubrificação, caso neces- na versão 1.1 se baseia sobre o presente catálogo
nados só o tipo construtivo certo, a execução e a
sária? Existem exigências de ausência de impresso. O programa em CD-ROM oferece ao
disposição dos rolamentos mas também as partes – Espaço disponível manutenção? usuário ainda mais eficiência e vantagens. Ele é
contíguas como o eixo, a caixa, as peças de O espaço é predeterminado? Alguma dimen- conduzido em diálogo, de forma segura e rápida,
fixação, a vedação e, especialmente, a lubrificação são pode ser modificada sem influir no funcio- – Montagem e desmontagem economizando-se com isto muito tempo e tra-
devem ser coordenadas com as influências indica- namento da máquina? São necessários dispositivos especiais para a balho ao procurar, selecionar e calcular os rola-
das na lista descritiva. montagem? Que tipo de assentamento tem o
– Temperatura mentos.
Os passos para a estruturação de um mancal são anel interno: sobre eixo cilíndrico ou cônico?
Qual é a temperatura ambiente? Pode-se con- Os rolamentos serão fixados diretamente sobre Código para pedidos: CD41520/3D-E
dados, geralmente, na mesma seqüência.
tar com um aquecimento ou uma refrigeração o eixo ou serão utilizadas buchas de fixação e A pedidos, também estará disponível um
Inicialmente procura-se obter uma visão global, a
externa? Quais as deformações lineares causa- desmontagem? A desmontagem é freqüente, CD-ROM que possibilita a escolha de rolamen-
mais correta possível, de todas as influências.
das por dilatações térmicas (rolamento livre)? como p.ex. em mancais de laminadores? tos e o seu cálculo para um mancal, um eixo e
Sendo estas conhecidas, parte-se para o tipo cons-
trutivo, disposição e tamanho dos rolamentos, – Condições ambientais – Dados comerciais um conjunto de eixos.
verificando-se ainda as alternativas. No desenho Existe uma grande umidade do ar? Deve o Qual é a necessidade? Quando deverão os Este e outros programas para PC para o cálculo
do projeto é então fixado o mancal inteiro, ou mancal ser protegido contra uma contami- rolamentos estar disponíveis? Podem ser usa- de rolamentos são descritos no capítulo
seja, além dos rolamentos (dimensões principais, nação elevada? Atuam meios agressivos? São dos rolamentos de execução padrão, para “Programa de Serviços FAG”, às páginas 689 e
tolerâncias, folgas, gaiolas, designações) também transmitidas vibrações aos rolamentos? pronta entrega (vide a lista de preços)? Para seguintes.
as peças contíguas (ajustes, fixação, vedação) e a – Disposição dos eixos casos especiais, são necessárias variantes ou
lubrificação. Também a montagem e desmonta- Os eixos são na vertical, horizontal ou inclina- execuções especiais? O preço e os prazos de
gem devem ser coordenadas. Para a escolha do dos? entrega lhe serão indicados pelo distribuidor
mancal mais econômico são então comparadas as FAG.
alternativas, em que medida foram consideradas – Rigidez das peças contíguas
as influências previstas e quais os riscos totais Deve ser considerada uma deformação da As influências mencionadas acima deverão ser
envolvidos. caixa? Deve ser considerada uma inclinação consideradas no projeto dos mancais, incluindo:
dos mancais por flexões dos eixos? – a seleção e tipo do rolamento
– Vida – a escolha da disposição
Qual a vida requerida? O mancal pode ser – a determinação do tamanho (vida útil,
comparado a um já comprovado (vida nomi- segurança estática)
Influências nal Lh, capacidade de carga dinâmica fL)?
Deverá ser usado o cálculo de vida ampliado – a fixação dos dados dos rolamentos
Devem ser conhecidos os seguintes dados: em função de condições de serviço específicas? – a estruturação das peças contíguas
– A máquina/aparelho e os locais de aplicação Qual o tempo de funcionamento da máquina? – a lubrificação e a manutenção
dos rolamentos (mediante um esboço) – Precisão – a montagem e a desmontagem
– As condições de trabalho (cargas, rotação, Existem exigências elevadas quanto à precisão
espaço disponível, temperatura, condições Na maioria dos casos, o trabalho ao projetar um
de giro como, p.ex. em mancais de máquinas- mancal é facilitado, pois podem ser utilizados os
ambientais, disposição dos eixos, rigidez das ferramenta?
peças contíguas) conhecimentos adquiridos em mancais equivalen-
– Ruído tes. As indicações deste catálogo se referem a estas
– Exigências (vida, precisão, ruído, atrito e tem- É exigido um giro silencioso como, p.ex. em aplicações.
peratura em serviço, lubrificação e manu- motores elétricos de aparelhos domésticos?
tenção, montagem e desmontagem) Mancais recém desenvolvidos ou condições extre-
– Atrito e temperatura em serviço mas exigem, muitas vezes, a elaboração de cálcu-
– Dados comerciais (prazos, quantidades) É tolerada somente uma pequena perda na los complexos e medidas construtivas, que não
Antes de iniciar a construção do mancal, ainda potência do mancal? A elevação da temperatu- podem entrar no âmbito deste catálogo. Casos
deverá ser feita uma análise em relação a cada ra é limitada para não colocar em risco a pre- como estes devem ser discutidos com o Departa-
influência, segundo o esquema: cisão? mento de Serviços Técnicos da FAG. Para muitos

FAG 10 11 FAG
Tipo construtivo do rolamento Tipo construtivo do rolamento
Rolamentos de esferas Rolamentos de rolos

Seleção do tipo construtivo


O programa de fornecimento da FAG compreen-
de uma grande variedade de tipos construtivos,
dentre os quais o projetista pode escolher aquele
que se mostre mais adequado ao campo de apli-
cação. Conforme o tipo dos corpos rolantes, os
rolamentos se classificam em rolamentos de
esferas e de rolos (Vide tabela).
▼ Rolamentos de esferas ▼ Rolamentos de rolos

Rolamento fixo de esferas Rolamento de contato angular de esferas Rolamento de contato angular de esferas Rolamento de rolos cilíndricos Rolamento de rolos cilíndricos Rolamento de rolos cilíndricos
de uma carreira de uma carreira de duas carreiras de uma carreira de duas carreiras de duas carreiras, sem gaiola

Rolamento de quatro pistas Rolamento autocompensador de esferas Rolamento de rolos cônicos Rolamento de rolos esféricos Rolamento autocompensador de rolos E

Rolamento axial de esferas Rolamento axial de esferas Rolamento axial de contato angular de Rolamento axial de rolos cilíndricos Rolamento axial autocompensadores
escora simples de escora dupla esferas de escora dupla de rolos

FAG 12 13 FAG
Tipo construtivo do rolamento Tipo construtivo dos rolamentos
Carga radial Carga axial

No quadro às páginas 20 a 23 estão resumidas as Carga radial Carga axial


características mais importantes dos diversos tipos Os rolamentos destinados a admitir cargas predo- Os rolamentos em que prevalece a carga axial
construtivos de rolamentos. Estas características, minantemente radiais são conhecidos por rola- (rolamentos axiais) têm um ângulo de contato
no entanto, são somente orientativas, pois na mentos radiais. Têm um ângulo de contato nominal α0 > 45°. Os rolamentos axiais de esferas
decisão por um determinado tipo construtivo α0  45°. Os rolamentos de rolos são adequados e aqueles axiais de contato angular de esferas
devem ser considerados diversos critérios. Muitas para admitir solicitações radiais mais elevadas que podem, dependendo de sua execução, admitir
exigências são cobertas pelos rolamentos fixos de os rolamentos de esferas de mesmo tamanho. forças axiais tanto em uma como em ambas as
esferas, pois admitem cargas radiais médias e tam- direções. Quando houver cargas axiais especial-
bém cargas axiais, são aptos para altos números Os rolamentos de rolos cilíndricos das séries N e
NU só admitem cargas radiais. Os rolamentos mente altas, são preferidos os rolamentos axiais de
de rotações e giram silenciosamente. Os rolamen- rolos cilíndricos ou axiais autocompensadores de
tos fixos de esferas também existem com placas radiais dos demais tipos construtivos admitem
tanto cargas radiais como axiais. rolos.
de vedação ou de blindagem. Por seu custo van-
tajoso, os rolamentos fixos de esferas são os mais Os rolamentos axiais autocompensadores de rolos
amplamente difundidos. e axiais de contato angular de esferas de escora
simples admitem cargas axiais e radiais com-
Dados mais específicos sobre as propriedades dos binadas. Os demais tipos de rolamentos se
tipos construtivos e sobre as execuções possíveis se prestam somente para cargas axiais.
encontram nos textos preliminares de cada capí-
tulo da parte de tabelas.

▼ Rolamentos radiais com um ângulo de contato nominal α0  45° para carga preponderantemente radial: ▼ Rolamentos axiais com um ângulo de contato nominal α0 > 45° para carga preponderantemente axial
a = fixo de esferas, b = de contato angular de esferas, c = de rolos cilíndricos NU, d = de rolos cônicos, a = axial fixo de esferas, b = axial de contato angular de esferas, c = axial de rolos cilíndricos, d = axial autocompensador
e= autocompensador de rolos de rolos

α
=9 α>
α0
0
α>
=9
0° 0 45
α0=0° α0 =< 45° α0=0° α0 =< 45° α0 =< 45°
0° 0 45
° °

a b c d e a b c d

FAG 14 15 FAG
Tipo construtivo dos rolamentos Tipo construtivo dos rolamentos
Compensação linear Rolamentos separáveis · Precisão

Compensação linear dentro do próprio Compensação linear por assento corrediço Rolamentos separáveis Precisão
rolamento Também os rolamentos não separáveis, como os Como rolamentos separáveis são denominados Na maioria das aplicações é suficiente uma pre-
Para o apoio de um eixo, geralmente é usado um fixos de esferas e os autocompensadores de rolos, aqueles, cujos anéis podem ser montados separa- cisão normal de medidas e precisão de giro dos
rolamento fixo e um livre. O rolamento livre são aplicados como rolamentos livres. Um dos damente. Isto vem a ser vantajoso para um ajuste rolamentos (classe de tolerância PN). Para exigên-
compensa tolerâncias lineares axiais e dilatações dois recebe um ajuste livre, sem peça adjacente de fixo de ambos os anéis. Os rolamentos separáveis cias mais elevadas como, p.ex. fusos de máquinas-
térmicas. apoio axial, para que ele possa se deslocar sobre o são os de quatro pistas, de contato angular de ferramenta, são necessários rolamentos com uma
Os rolamentos livres ideais são os rolamentos de seu assentamento. esferas de duas carreiras com anel interno biparti- precisão maior. Para atender a estes casos, são
rolos cilíndricos dos tipos NU e N. Nestes rola- do, de rolos cilíndricos, de rolos cônicos, axiais padronizadas as classes de tolerância P6, P6X, P5,
mentos a compensação linear ocorre dentro do fixos de esferas, axiais de rolos cilíndricos e os P4 e P2.
próprio rolamento. Os anéis recebem ajustes axiais autocompensadores de rolos. Existe ainda, em tipos construtivos específicos, as
interferentes. Não separáveis são, em contrapartida, p.ex. os classes de tolerância P4S, SP e UP, conforme nor-
rolamentos fixos de esferas, de contato angular de mas internas da FAG. (vide a publicação n° AC
esferas de uma carreira, de rolos esféricos e os 41 130 “Rolamentos de alta precisão”. Na parte
autocompensadores de rolos. preliminar das tabelas, se encontram discrimina-
das quais as classes de tolerância disponíveis.

▼ Um ajuste livre no furo da caixa permite um desloca- ▼ Rolamentos separáveis de rolos cilíndricos (a), de rolos cônicos (b) e axiais de esferas (c)
mento (s) do rolamento fixo de esferas (a) ou do auto-
compensador de rolos (b)

s s

a b a b c

▼ O rolamento de rolos cilíndricos permite um ▼ Um ajuste livre do rolamento fixo de esferas (a) ou do ▼ Rolamentos não separáveis fixos de esferas (a), autocompensadores de esferas (b) e autocompensadores de rolos (c)
deslocamento axial (s) dentro do próprio rolamento autocompensador de rolos (b) sobre o eixo permite um
deslocamento axial (s)

s
s s

a b a b c

FAG 16 17 FAG
Tipo construtivo dos rolamentos Tipo construtivo dos rolamentos
Compensação de erros de alinhamento · Número de rotação · Giro silencioso Furo cônico · Rolamentos vedados · Rigidez · Atrito

Compensação de erros de alinhamento Números de rotação Furo cônico recebem de fábrica um enchimento de graxa, se
Ao usinar os assentamentos de um eixo ou de Os números de rotação mencionados nas tabelas Os rolamentos com furo cônico podem ser mon- encontram discriminados no capítulo
uma caixa, podem ocorrer erros de alinhamento fornecem uma indicação quanto à aptidão dos tados diretamente sobre um assentamento de eixo “Suprimento dos rolamentos com graxa”, página
especialmente se os assentos não forem usinados rolamentos para a alta rotação. A rotação máxima cônico, como p.ex. os rolamentos de rolos cilín- 130. Os exemplos mais conhecidos são os rola-
em uma só fixação. Também surgem desalinha- é atingida por tipos de rolamentos com atrito dricos de uma ou de duas carreiras em execução mentos fixos de esferas das execuções .2RSR
mentos se forem usadas caixas individuais, sejam particularmente reduzido, que sob carga radial de precisão. Ao montar estes rolamentos pode ser (vedações de ambos os lados) e .2ZR (blindagem
elas normais ou com flange. De forma semelhan- permanente são os fixos de esferas e sob carga ajustada uma folga radial definida. de ambos os lados).
te se manifestam inclinações dos anéis entre si, combinada os de contato angular de esferas. ▼ Rolamentos com furo cônico: a = de rolos cilíndricos de duas carreira, b = autocompensadores de esferas
ocasionadas por deflexões do eixo devido ao Geralmente a aptidão para a rotação é auxiliada com bucha de fixação, c = autocompensador de rolos com bucha de desmontagem
excesso de solicitação em serviço. por uma precisão de medidas e de giro mais ele-
Os rolamentos com adaptabilidade angular, sejam vada dos rolamentos e partes adjacentes, lubrifi-
eles autocompensadores de esferas, de rolos esféri- cação a frio, construções e materiais especiais das
cos e autocompensadores de rolos axiais ou gaiolas.
radiais, compensam desvios angulares e oscilações. Para os rolamentos axiais são permitidos números
Os rolamentos possuem uma pista esférico cônca- de rotação mais baixos que para os radiais. Para
va no anel externo, nô qual o anel interno pode maiores detalhes vide o capítulo “Aptidão para
oscilar junto com a coroa de corpos rolantes. A alto número de rotações”(página 87).
adaptabilidade angular destes rolamentos depende
do seu tipo construtivo, de seu tamanho, assim
como da carga incidente. Giro silencioso
Os rolamentos de fixação rápida e os axiais de Em motores elétricos pequenos, máquinas para
esferas com contraplacas possuem uma superfície escritório e nos eletrodomésticos etc., geralmente a b c
de apoio esférica, o que possibilita a ajustagem na é exigido um giro silencioso. Para esta finalidade
superfície côncava contrária, quando da monta- são, antes de tudo, indicados os rolamentos fixos Em exigências mais reduzidas quanto à precisão Rigidez
gem. de esferas. Estes rolamentos giram tão silenciosa- de giro, sobretudo os rolamentos autocompensa-
Os valores para os ângulos de ajuste admissíveis se mente que não há a necessidade de uma execução Sob rigidez é entendida a força a ser aplicada
dores de esferas, de rolos esféricos e autocompen- para se obter uma determinada deflexão, em
encontram nos textos antes das tabelas dos tipos especial. Neste caso é vantajoso um ajuste axial sadores de rolos com furo cônico são montados
construtivos correspondentes. dos rolamentos. razão da elasticidade do rolamento. Procura-se
sobre um assentamento de eixo cilíndrico, com atingir uma elevada rigidez dos rolamentos nos
buchas de fixação e de desmontagem. A monta- mancais de fusos-mestre de máquinas-ferramenta
▼ Rolamentos com adaptabilidade angular: gem e desmontagem destes rolamentos é extre- e em mancais de pinhão. A rigidez dos rolamen-
de rolos esféricos (a), autocompensadores de rolos (b), axiais autocompensadores de rolos (c), de fixação mamente facilitada.
rápida (d), e rolamentos axiais de esferas com contraplaca (e) têm uma superfície de apoio esférica tos de rolos é superior à dos rolamentos de
esferas , pelas condições de contato entre os cor-
Rolamentos vedados pos rolantes e as pistas. Para ser obtida uma
A FAG fornece uma série de rolamentos com maior rigidez, os rolamentos para fusos são,
vedações de um ou de ambos os lados. Estes rola- p.ex., pré-carregados com molas (vide também a
mentos com vedações de contato (vide também a publicação FAG AC 41 130).
página 125) ou com blindagens sem contato
(vide também a página 124), possibilitam cons-
truções simples. Os rolamentos vedados, que Atrito
a b c
Para a temperatura em serviço de um mancal,
▼ Rolamento fixo de esferas vedado de ambos os lados além da admissão e dissipação do calor, o atrito
com anéis de vedação (a) e anéis de blindagem (b)
do rolamento é especialmente importante.
Particularmente baixos em atrito são, p.ex. os
rolamentos fixos de esferas, os de contato angular
de esferas de uma carreira e os rolamentos de
rolos cilíndricos com gaiola sob carga radial. Em
compensação, pode-se contar com um atrito
mais elevado nos rolamentos com vedações de
contato, nos de rolos cilíndricos sem gaiola e nos
d e a b axiais de rolos. Para o cálculo do momento de
atrito, vide também a página 96.

FAG 18 19 FAG
Tipo construtivo dos rolamentos
Tabela: tipos construtivos e suas características

Aptidão Características
com restrições
muito boa

Aptidão para alto número


Compensação de erros
Rolamentos separaveis
em ambas as direções
Capacidade de carga

Capacidade de carga

Compensação linear

Compensação linear
dentro do rolamento

ou ambos os lados
boa impróprio

Precisão elevada

Vedação em um

Rolamento livre
de alinhamento

Rolamento fixo
elevada rigidez
Giro silencioso
por ajuste livre

reduzido atrito
Furo cônico
de rotação
normal/possível

radial

axial
Topo construtivo

fixo de esferas

de contato angular de
esferas
a c a a a

de contato angular de
esferas
de duas carreiras

para fusos

a c a a a

de quatro pistas

autocompensador de
esferas
d

de rolos cilíndricos
NU, N
f

NJ

b b

NUP, NJ + HJ

b b

NN

NCF, NJ23VH

NNC, NNF

rolamentos individuais e rolamentos a) montagem aos pares b) sob reduzida carga axial na disposição em c) aptidão reduzida na montagem aos pares d) também com buchas de fixação e desmontagem e) exclusivamente solicitação axial
na disposiçáo em Tandem em uma direção. Tandem em uma direção f) muito bom nas séries estreitas

FAG 20 21 FAG
Tipo construtivo dos rolamentos
Tabela: tipos construtivos e suas características

Aptidão
Características
muito boa com restrições

Aptidão para alto número


Compensação de erros
Rolamentos separaveis
em ambas as direções
Capacidade de carga

Capacidade de carga

Compensação linear

Compensação linear
dentro do rolamento

ou ambos os lados
boa impróprio

Precisão elevada

Vedação em um

Rolamento livre
de alinhamento

Rolamento fixo
elevada rigidez
Giro silencioso
por ajuste livre

reduzido atrito
Furo cônico
de rotação
normal/possível

radial

axial
Tipo construtivo

de rolos cônicos

a c a a a

de rolos esféricos

autocompensador de rolos

axial fixo de esferas

axial de contato angular de


esferas
c a a

axial de rolos cilíndricos

axial autocompensador de
rolos

de fixação rápida

rolamentos individuais e rolamentos a) montagem aos pares c) Aptidão reduzida na montagem aos pares g) Os rolamentos de fixação rápida e os axiais de esferas
na disposição em Tandem em uma direção d) também com buchas de fixação e de com contraplaca compensam erros de alinhamento
desmontagem

FAG 22 23 FAG
Disposição dos rolamentos Disposição dos rolamentos
Mancal fixo-livre Mancal fixo-livre

Seleção da disposição dos rolamentos Os rolamentos para fusos da execução universal


▼ Exemplos para uma disposição – rolamento fixo livre
Para o apoio e guia de um eixo giratório são UL têm, na montagem nas disposições X ou O,
necessários, no mínimo, dois rolamentos, dispos- uma leve pré-carga (execuções com uma pré-carga
tos a uma determinada distância. Conforme a maior, sob consulta).
aplicação, há a possibilidade de seleção de um Também os rolamentos de rolos cônicos ajustados
mancal fixo-livre, um mancal ajustado ou um como rolamentos fixos (execução N11) facilitam
mancal flutuante. a montagem. São ajustados com uma folga axial
correspondente, de modo que não necessitam de
ajustes posteriores.
Mancal fixo-livre
Em caixas de engrenagens, às vezes é montado
Em um eixo, apoiado em dois rolamentos radiais, um rolamento de quatro pistas ao lado de um
as distâncias dos assentamentos no eixo e na caixa rolamento de rolos cilíndricos, de modo a formar
nem sempre combinam, devido às tolerâncias de um mancal rígido. O rolamento de quatro pistas,
usinagem. As distâncias se modificam também cujo anel externo não tem apoio radial, só pode
pelo aquecimento em serviço. Estas diferenças são transmitir forças axiais. As forças radiais são a. Rolamento fixo: Rolamento livre: b. Rolamento fixo: Rolamento livre: c. Rolamento fixo: Rolamento livre:
compensadas pelo rolamento livre. admitidas pelo de rolos cilíndricos. fixo de fixo de autocompensa- autocompensador fixo de de rolos
esferas esferas dor de rolos de rolos esferas cilíndricos NU
Os rolamentos livres ideais são os de rolos cilín- Sob a ação de forças radiais reduzidas, também
dricos dos tipos construtivos N e NU, pois per- pode ser usado como rolamento fixo, um rola-
mitem que a coroa de rolos se desloque sobre a mento de rolos cilíndricos do tipo NUP.
pista do anel sem rebordo.
Todos os outros tipos de rolamentos, como p.ex.,
os fixos de esferas e os autocompensadores de
rolos, agem como rolamentos livres desde que um
dos anéis possua um ajuste deslizante. O anel car-
regado de forma fixa (vide a tabela na página
104) normalmente recebe um ajuste deslizante o
qual é, na maioria das vezes, o anel externo. O
rolamento fixo, ao contrário, guia o eixo em senti-
do axial e transmite cargas axiais externas. Para
evitar tensões axiais em eixos com mais de dois
rolamentos, usa-se ajustar só um deles como livre. d) Rolamento fixo: Rolamento livre: e) Rolamento fixo: Rolamento livre: f) Rolamento fixo: Rolamento livre:
autocompensa- de rolos cilíndricos de contato de rolos cilíndricos de quatro pistas de rolos cilíndricos
O tipo construtivo selecionado para ser o rola- dor de rolos NU angular de
esferas
NU e rolamento de NU
rolos cilíndricos
mento fixo depende da magnitude das forças
axiais e de quão precisa deva ser a guia do eixo.
Um rolamento de contato angular de esferas de
duas carreiras propicia, p. ex., uma guia axial
mais precisa do que com um rolamento fixo de
esferas ou um autocompensador de rolos.
Também um par de rolamentos de contato angu-
lar de esferas ou de rolos cônicos ajustado de
forma simétrica oferece uma guia axial muito
estreitada.
Praticamente vantajosos são os rolamentos de
contato angular de esferas na execução universal.
Os rolamentos podem ser conjugados tanto nas
disposições em O, X ou Tandem, sem arruelas de
ajuste. Estes rolamentos são ajustados de forma g) Rolamento fixo: Rolamento livre: h) Rolamento fixo: Rolamento livre:
que,na montagem de qualquer destas disposições, dois rolamentos de rolos cilíndricos de rolos de rolos
apresentam uma reduzida folga axial (execução de rolos NU cilíndricos NUP cilíndricos NU
cônicos
UA), sem folga (execução UO) ou uma leve pré-
carga (UL).

FAG 24 25 FAG
Disposição dos rolamentos Disposição dos rolamentos
Mancal fixo-livre Mancal ajustado

Mancal ajustado
▼ Par de rolamentos de contato angular de esferas na execução universal como rolamentos fixos
a = disposição em O, b = disposição em X Um mancal ajustado é formado, via de regra, por
dois rolamentos de contato angular de esferas ou
de rolos cônicos. Durante a montagem, um dos
anéis é deslocado de modo que o mancal apresen-
te a folga desejada ou tenha a pré-carga neces-
sária. Esta possibilidade de ajuste torna o mancal
apropriado principalmente nos casos em que seja
necessária uma guia estreitada, como nos mancais
de pinhões com engrenagens helicoidais ou nos
mancais de fusos em máquinas-ferramenta.
Na disposição em O, o vértice do ângulo forma-
do pelas linhas de pressão S aponta para fora,
a b enquanto que na disposição em X este vértice se
encontra voltado para dentro. A base de apoio H,
ou seja, a distância entre os vértices dos ângulos
de contato é maior em uma disposição em O do
que na disposição em X, motivo pelo qual a dis-
▼ Rolamentos para fusos na execução universal como rolamentos fixos posição em O apresenta um jogo de basculamen-
a = disposição em O, b = disposição em X, c = disposição em Tandem-O to menor.

a b c

▼ Mancal ajustado na disposição em O (a)


Mancal ajustado na disposição em X (b)

▼ Par de rolamentos de rolos cônicos como rolamentos fixos


a = disposição em O, b = disposição em X

S S S S

H H

a b a b

FAG 26 27 FAG
Disposição dos rolamentos Disposição dos rolamentos
Mancal ajustado Mancal ajustado · Mancal flutuante

Ao efetuar o ajuste da folga axial, deve ser consi- rolos R, ou seja, os pontos de intersecção da Os mancais ajustados também são obtidos medi- Mancal flutuante
derada a dilatação térmica. Na disposição em X extensão da pista do anel externo com o eixo do ante pré-carga com molas. Este tipo de ajuste O mancal flutuante é uma solução econômica,
(a), uma queda de temperatura provoca sempre rolamento coincidirem (b), a folga ajustada do elástico compensa as dilatações térmicas e é uti- quando não for exigida uma guia axial estreitada
uma diminuição da folga (partindo do pressupos- rolamento se manterá. lizado quando os mancais parados correm o risco do eixo. A estrutura do mancal é semelhante ao
to de que a matéria-prima, tanto do rolamento Se, entretanto, em uma distância curta entre os de vibrações. ajustado só que neste, o eixo pode se deslocar
como do eixo e da caixa, seja a mesma e as tem- rolamentos, os cones dos rolos se cortarem (c) ou, pela folga axial S em relação à caixa. O valor para
peraturas dos anéis internos e do eixo, respectiva- quando a distância dos rolamentos for maior, não S é determinado de tal forma em relação à pre-
mente dos anéis externos e da caixa, sejam idênti- se encontrarem (d), a folga axial pode se tornar cisão de guia exigida, que mesmo em condições
cas. maior ou menor, em conseqüência da dilatação térmicas adversas o mancal não fique tensionado
Em contrapartida, distingue-se três casos na dis- térmica. axialmente.
posição em O. Se os vértices dos ângulos dos Os tipos construtivos de rolamentos apropriados
para mancais flutuantes são os fixos de esferas e
os autocompensadores de esferas ou de rolos. Nos
▼ Mancal ajustado com rolamentos de rolos cônicos na disposição em X (a) e os seus vértices do cone dos rolos ▼ Rolamentos fixos de esferas ajustados e pré-carregados dois rolamentos, um dos anéis – geralmente o
Mancal ajustado com rolamentos de rolos cônicos na disposição em O por mola de disco externo – tem que ser ajustado de forma deslizan-
onde os vértices dos cones dos rolos coincidem (b)
onde os vértices dos cones dos rolos se cortam (c) te.
onde os vértices dos cones dos rolos não se encontram (d)
Nos mancais flutuantes formados com rolamen-
tos de rolos cilíndricos da série NJ, a compen-
sação linear ocorre dentro do próprio rolamento.
Tanto o anel externo como o interno podem ser
ajustados firmemente.
Os rolamentos de rolos cônicos e os de contato
R S S R
angular de esferas não são apropriados para man-
cais flutuantes, porque precisam ser ajustados
para que girem de forma correta.

R ▼ Exemplos para um mancal flutuante


S S S R R S a = dois rolamentos fixos de esferas, b = dois rolamentos autocompensadores de rolos, c = dois rolamentos de rolos
cilíndricos NJ, s = folga axial

s s

b c

S R R S

a b c
d

FAG 28 29 FAG
Dimensionamento Dimensionamento
Rolamentos solicitados estaticamente · Rolamentos solicitados dinamicamente Rolamentos solicitados estaticamente · Rolamentos solicitados dinamicamente

Dimensionamento Rolamentos solicitados estaticamente P0 = X0 · Fr + Y0 · Fa [kN] A carga dinâmica equivalente P [kN] é um fator
O projeto completo da máquina ou do aparelho Quando se trata de solicitação estática, calcula-se calculado, ou seja, uma carga radial constante em
já determina, em muitos dos casos, o diâmetro do o fator de esforços estáticos fs para comprovar que Onde tamanho e direção, em rolamentos radiais ou
furo dos rolamentos. Para uma determinação final o rolamento selecionado possui uma capacidade uma carga axial em rolamentos axiais. O resulta-
P0 carga estática equivalente [kN] do de P é a mesma duração de vida quanto à
das demais dimensões principais e do tipo cons- de carga estática suficiente. Fr carga radial [kN]
trutivo deve, entretanto, ser constatado através carga combinada realmente atuante.
C0 Fa carga axial [kN]
de um cálculo de dimensionamento se as exigên- fs = X0 fator radial P = X · Fr + Y · Fa [kN]
cias quanto à vida útil, à segurança estática e à P0
Y0 fator axial Sendo:
economia estão satisfeitas. Neste cálculo, a solici- Onde
Os valores para X0 e Y0 bem como indicações P carga estática equivalente [kN]
tação do rolamento é comparada à sua capacidade fs = fator de esforços estáticos para o cálculo da carga estática equivalente estão Fr carga radial [kN]
de carga. C0 = capacidade de carga estática [kN] mencionados nas tabelas para os diversos tipos de Fa carga axial [kN]
Na tecnologia dos rolamentos há uma diferen- P0 = carga estática equivalente kN] rolamentos ou em seu preâmbulo. X fator radial [kN]
ciação entre uma solicitação dinâmica e uma O fator de esforços estáticos fs é um valor de Y fator axial [kN]
estática. segurança contra deformações elásticas elevadas,
nos pontos de contato dos corpos rolantes. Para Os valores para X e Y e também as indicações
Na solicitação estática o rolamento não apresenta
rolamentos que devam ter um giro particular- para calcular a carga dinâmica equivalente estão
ou há só um pequeno movimento relativo
mente suave e silencioso, deverá ser alcançado um indicados nas tabelas dos diversos tipos de rola-
(n < 10 rpm). Nestes casos, deve ser verificada a
fator elevado de esforços estáticos. Se as exigên- mentos ou no texto preliminar de cada capítulo.
segurança contra deformações plásticas muito ele-
vadas das pistas e dos corpos rolantes. cias que se referirem à suavidade de giro forem O expoente de duração de vida nominal p é dife-
A maioria dos rolamentos é solicitada dinamica- menores, bastarão fatores fs menores. De um renciado para rolamentos de esferas ou de rolos.
mente. Nestes, os anéis giram um em relação ao modo geral, devem ser atingidos os seguintes p = 3 para rolamentos de esferas
outro. Com o cálculo do dimensionamento, é valores:
10
controlada a segurança contra uma fadiga prema- fs = 1,5 ... 2,5 para exigências elevadas p= para
für rolamentos de rolos
Rollenlager
tura do material das pistas e dos corpos rolantes. fs = 1,0 ... 1,5 para exigências normais 3
A vida nominal L10 conforme DIN ISO 281 rara- fs = 0,7 ... 1,0 para exigências reduzidas.
mente indica a duração realmente atingível. Os valores correspondentes aos rolamentos axiais
Construções econômicas exigem, no entanto, que autocompensadores de rolos e aos de alta precisão
a capacidade de rendimento dos rolamentos seja estão dados na parte das tabelas.
Se a rotação do rolamento for constante, a vida
aproveitada ao máximo. Quanto mais for este o A capacidade de carga estática C0 [kN] se encon-
Rolamentos solicitados dinamicamente nominal pode ser expressa em horas:
caso, mais importante é um correto dimensio- tra indicada nas respectivas tabelas dos rolamen-
namento dos rolamentos. Comprovado de forma tos. Uma carga desta magnitude (nos rolamentos O cálculo normalizado (DIN ISO 281) para os L ⋅10 6
positiva tem sido o sistema de cálculo do dimen- radiais uma carga radial e nos axiais uma carga rolamentos dinamicamente solicitados tem por L h10 = L h =
n ⋅60
[h ]
sionamento desenvolvido pela FAG, no qual são axial e central), provoca uma pressão de superfície base a fadiga do material (formação de pittings),
consideradas as influências de serviço e ambien- p0 calculada, no centro do ponto de contato mais como causa da falha. A fórmula para o cálculo de sendo:
tais. O sistema se baseia na DIN ISO 281 e nos carregado entre os corpos rolantes e a pista de: vida nominal é: Lh10 = Lh duração de vida nominal [h]
conhecimentos da FAG trazidos ao conhecimento – 4600 N/mm2 em todos os rolamentos auto- p L vida nominal [106 rotações]
público em 1981, resultantes da pesquisa acerca
da durabilidade dos rolamentos. Este sistema foi
compensadores de esferas
– 4200 N/mm2 em todos os outros rolamentos
 C
L 10 = L =   10
 P [6 rotações]
[106 Umdrehungen ] n rotação (freqüência de giro) [rpm]
tão melhorado que possibilita uma estruturação de esferas onde
segura de mancais, mesmo com lubrificação con- – 4000 N/mm2 em todos os rolamentos de rolos.
taminada. A carga ocasionada por C0 produz, no ponto L10 = L vida nominal [106 rotações] Simplificando-se a fórmula, teremos:
As capacidades dinâmica e estática mencionadas onde incide a maior carga, uma deformação plás- C capacidade dinâmica [kN]
neste catálogo se aplicam a rolamentos de aço tica total dos corpos rolantes e da pista da ordem P carga dinâmica equivalente [kN] L ⋅500⋅ 33 13 ⋅60
p expoente de duração da vida Lh =
cromo temperados em estado padrão para tempe- de 1/10000 do diâmetro do corpo rolante. n ⋅60
raturas de serviços usuais de até 100 °C. A dureza A carga equivalente P0 [kN] é um valor calculado, L10 é a vida nominal em milhões de rotações,
p
mínima das pistas e dos corpos rolantes corres- ou seja, uma carga radial nos rolamentos radiais e atingida ou superada por, no mínimo, 90% de L h  C   33 13 
ponde a 58 HRC. uma carga axial e central nos rolamentos axiais. um lote significativo de rolamentos iguais. =   ⋅ 
500  P   n 
Sob temperaturas mais elevadas, a dureza do P0 ocasiona a mesma solicitação no ponto central A capacidade dinâmica C [kN] conforme
material se reduz e com isto, a capacidade de de contato onde incide a maior carga entre os DIN/ISO281-1993 consta nas tabelas para cada
carga do rolamento. Nestes casos, é recomendável corpos rolantes e a pista como a solicitação real- Lh 33 13 C
rolamento. Uma carga desta magnitude resulta = ⋅
p p
ou
der
contatar o Serviço de Aplicação da FAG. mente atuante. em uma vida nominal L10 de 106 rotações. 500 n P

FAG 30 31 FAG
Dimensionamento Dimensionamento
Rolamentos solicitados dinamicamente Rolamentos solicitados dinamicamente

Neste contexto significam: Para transformar fL em Lh usa-se, para rolamentos Para simplificar, consta o expoente 3 nas fórmulas A carga mínima dos rolamentos axiais está dada
de esferas, a tabela à pág. 34, para rolamentos de para rolamentos de esferas e de rolos. no preâmbulo da parte de tabelas. Quanto a
Lh rolos e agulhas a tabela à pág. 35. dúvidas acerca da carga mínima dos rolamentos,
fL = p
índice dinâmico
dynamische Kennzahl Se a carga for sujeita a alterações mas a rotação
500 Com os valores fL e Lh obtém-se os parâmetros permanecer constante, teremos: dirija-se ao nosso Serviço Técnico.
Isto é fL = 1 para uma vida nominal de 500 horas para o dimensionamento, somente para aqueles Um super dimensionamento dos rolamentos
casos onde a comparaçáo entre os rolamentos pode levar a uma duração da vida menor. Nestes
+ P2 ⋅ 2 + ...[kN ]
q1 3 q
P = 3 P1 ⋅
3
33 13 testados em campo é possível. 100 100 rolamentos existe o perigo de deslizamento e uma
fn =
p
fator de rotação
Drehzahlfaktor solicitação elevada do lubrificante. O deslizamen-
n Para uma mais precisa determinação da vida útil,
também os efeilos da lubrificação, temperatura e to pode danificar as superfícies funcionais, por
Ou seja, fn = 1 em uma rotação de 33 1/3 rpm. Se, a uma rotação constante, a carga crescer de um engraxamento ou pela formação de micro pit-
limpeza devem ser levados em consideração (ver
Veja na página 34 os valores fn para rolamentos pág. 41). forma linear de um valor Pmin para um valor tings. Para um mancal ser econômico e seguro,
de esferas e na página 35, os correspondentes aos máximo Pmax, obtém-se: deve ser aproveitada toda a sua capacidade de
de rolos. carga. Para isto é necessário que ao projetá-lo, se
P min + 2P max considere outras grandezas de influência, além da
A equação da vida nominal fica, portanto, com a
forma simplificada:
Carga e rotação variáveis P=
3
[ kN ] capacidade de carga, como é o caso do cálculo de
Se, no decorrer do tempo houver alteraçóes na vida.
C carga ena rotação de um rolamento solicitado
fL = · fn
P dinamicamente, este fato deve ser considerado no
Sendo cálculo da carga equivalente. Neste caso, aproxi- Pmax
ma-se a curva do gráfico obtido mediante uma Observações
P
fL fator dinâmico série de cargas isoladas e rotaçóes com uma Os métodos de cálculo e símbolos acima expostos
C capacidade de carga dinâmica [kN] Pmin
duração determinada q %. Neste caso, obtém-se a correspondem às indicações DIN ISO 76 e 281.
P carga dinâmica equivalente earga dinâmica equivalente P, aplicando-se a Carga A título de simplificação são utilizados nas fór-
fn fator de rotação seguinte fórmula: P mulas e tabelas para os rolamentos radiais e axiais,
[ kN ]
Tempo
os símbolos C e C0 para a capacidade de carga
dinâmica e estática assim como P e P0 para a
Fator dinâmico fL carga dinâmica e estática equivalente. A Norma
+ P2 ⋅ 2 ⋅ 2 + ...[kN ]
n1 q1 3 n q diferencia:
P = 3 P1 ⋅ ⋅
O fator fL a ser alcançado resulta de experiências 3
O cálculo ampliado de vida (vide à página 40)
com aplicações de rolamentos iguais ou seme- nm 100 nm 100 não deve ser calculado com o valor médio da Cr fator de carga radial dinâmica
lhantes, que tenham demonstrado comprovada e a rotação média (rpm), da seguinte fórmula: carga dinâmica equivalente. O melhor é determi- Ca fator de carga axial dinâmica
eficiência na prática. nar o valor Lhna para cada duração sob condições C0r fator de carga radial estática

[ ]
Nas tabelas às páginas 36 a 39, foram compilados q1 q constantes e, baseado nestas, obter-se a vida C0a fator de carga axial estática
n m = n1 ⋅ + n 2 ⋅ 2 + ... min −1 atingível usando a fórmula da página 49. Pr carga radial dinâmica equivalente
os valores fL a serem atingidos para inúmeras apli- 100 100
cações. Estes valores levam em consideração não Pa carga axial dinâmica equivalente
somente um período suficientemente longo de P0r carga radial estática equivalente
P2
funcionamento até a fadiga, mas também outras P0a carga axial estática equivalente
P1 P3
exigências como o peso reduzido em construções P Carga mínima dos rolamentos No intuito de simplificar, deixou-se de indicar os
leves, adaptação às peças contíguas, picos de carga Carga Evitação de super dimensionamento índices “r” e “a” junto a “C” e ”P”, haja visto não
extrema e outras (veja também outras publicações P P4 existir, na prática, margem para dúvidas quanto à
para aplicações especiais). Os valores fL são corri- [ kN ] Sob uma carga muito baixa – por exemplo em pertinência dos fatores de carga e cargas equiva-
gidos de acordo com a evolução tecnológica. alta rotação em giro de teste – pode surgir desliz- lentes para rolamentos radiais ou axiais.
amento que, com uma lubrificação deficiente
Ao se estabelecer comparações com aplicações pode provocar danificações. Como uma carga A DIN ISO 281 restringe-se à indicação da
comprovadas na prática, deve-se naturalmente n4 duração da vida nominal L10 e à vida ampliada
n1 mínima para rolamentos radiais recomendamos:
determinar a magnitude do esforço segundo o n3 Lna em 106 rotações. A partir destes dados é pos-
mesmo método de cálculo. Nas tabelas estão nm
n2
para rolamentos de esferas sível ser deduzida a duração de vida nominal em
indicados, além dos valores fL a serem alcançados, Rotação com gaiola: P/C = 0,01, horas Lh e Lhna (vide também às páginas 31 e 40).
também os dados comumente utilizados no cál-
n para rolamentos de rolos Na prática, é costume se tomar por base Lh, Lhna
[ min-1 ]
culo. Nos casos em que se utiliza fatores adicio- com gaiola: P/C = 0,02, e em especial o fator dinâmico (fL). Devido a isto
nais, o valor fz se encontra indicado. Ao invés de q1 q2 q3 q4 Franção de para rolamentos sem gaiola: P/C = 0,04 foram incluídos neste catálogo, como comple-
se utilizar P, calcula-se com fz ·P. Do valor fL obti- tempo q (P é a carga dinâmica equivalente e C a capacida- mentos valiosos, valores orientativos para fL e
100%
do, determina-se a vida nominal Lh. de de carga dinâmica). fórmulas para Lh e Lhna.

FAG 32 33 FAG
Dimensionamento Dimensionamento
Vida nominal Lh e fator de rotação fn para rolamentos de esferas Vida nominal Lh e fator de rotação fn para rolamentos de rolos

10
Lh Lh
▼ Valores fL para rolamentos de esferas fL = 3 ▼ Valores fL para rolamentos de rolos fL = 3
500 500
Lh fL Lh fL Lh fL Lh fL Lh fL Lh fL Lh fL Lh fL Lh fL Lh fL

h h h h h h h h h h

100 0,585 420 0,944 1700 1,5 6500 2,35 28000 3,83 100 0,617 420 0,949 1700 1,44 6500 2,16 28000 3,35
110 0,604 440 0,958 1800 1,53 7000 2,41 30000 3,91 110 0,635 440 0,962 1800 1,47 7000 2,21 30000 3,42
120 0,621 460 0,973 1900 1,56 7500 2,47 32000 4 120 0,652 460 0,975 1900 1,49 7500 2,25 32000 3,48
130 0,638 480 0,986 2000 1,59 8000 2,52 34000 4,08 130 0,668 480 0,988 2000 1,52 8000 2,3 34000 3,55
140 0,654 500 1 2200 1,64 8500 2,57 36000 4,16 140 0,683 500 1 2200 1,56 8500 2,34 36000 3,61

150 0,669 550 1,03 2400 1,69 9000 2,62 38000 4,24 150 0,697 550 1,03 2400 1,6 9000 2,38 38000 3,67
160 0,684 600 1,06 2600 1,73 9500 2,67 40000 4,31 160 0,71 600 1,06 2600 1,64 9500 2,42 40000 3,72
170 0,698 650 1,09 2800 1,78 10000 2,71 42000 4,38 170 0,724 650 1,08 2800 1,68 10000 2,46 42000 3,78
180 0,711 700 1,12 3000 1,82 11000 2,8 44000 4,45 180 0,736 700 1,11 3000 1,71 11000 2,53 44000 3,83
190 0,724 750 1,14 3200 1,86 12000 2,88 46000 4,51 190 0,748 750 1,13 3200 1,75 12000 2,59 46000 3,88

200 0,737 800 1,17 3400 1,89 13000 2,96 48000 4,58 200 0,76 800 1,15 3400 1,78 13000 2,66 48000 3,93
220 0,761 850 1,19 3600 1,93 14000 3,04 50000 4,64 220 0,782 850 1,17 3600 1,81 14000 2,72 50000 3,98
240 0,783 900 1,22 3800 1,97 15000 3,11 55000 4,79 240 0,802 900 1,19 3800 1,84 15000 2,77 55000 4,1
260 0,804 950 1,24 4000 2 16000 3,17 60000 4,93 260 0,822 950 1,21 4000 1,87 16000 2,83 60000 4,2
280 0,824 1000 1,26 4200 2,03 17000 3,24 65000 5,07 280 0,84 1000 1,23 4200 1,89 17000 2,88 65000 4,31

300 0,843 1100 1,3 4400 2,06 18000 3,3 70000 5,19 300 0,858 1100 1,27 4400 1,92 18000 2,93 70000 4,4
320 0,862 1200 1,34 4600 2,1 19000 3,36 75000 5,31 320 0,875 1200 1,3 4600 1,95 19000 2,98 80000 4,58
340 0,879 1300 1,38 4800 2,13 20000 3,42 80000 5,43 340 0,891 1300 1,33 4800 1,97 20000 3,02 90000 4,75
360 0,896 1400 1,41 5000 2,15 22000 3,53 85000 5,54 360 0,906 1400 1,36 5000 2 22000 3,11 100000 4,9
380 0,913 1500 1,44 5500 2,22 24000 3,63 90000 5,65 380 0,921 1500 1,39 5500 2,05 24000 3,19 150000 5,54

400 0,928 1600 1,47 6000 2,29 26000 3,73 100000 5,85 400 0,935 1600 1,42 6000 2,11 26000 3,27 200000 6,03

10
33 13 33 13
▼ Valores fn para rolamentos de esferas fn = 3 ▼ Valores fn para rolamentos de rolos fn = 3
n n
n fn n fn n fn n fn n fn n fn n fn n fn n fn n fn

rpm rpm rpm rpm rpm rpm rpm rpm rpm rpm

10 1,49 55 0,846 340 0,461 1800 0,265 9500 0,152 10 1,44 55 0,861 340 0,498 1800 0,302 9500 0,183
11 1,45 60 0,822 360 0,452 1900 0,26 10000 0,149 11 1,39 60 0,838 360 0,49 1900 0,297 10000 0,181
12 1,41 65 0,8 380 0,444 2000 0,255 11000 0,145 12 1,36 65 0,818 380 0,482 2000 0,293 11000 0,176
13 1,37 70 0,781 400 0,437 2200 0,247 12000 0,141 13 1,33 70 0,8 400 0,475 2200 0,285 12000 0,171
14 1,34 75 0,763 420 0,43 2400 0,24 13000 0,137 14 1,3 75 0,784 420 0,468 2400 0,277 13000 0,167

15 1,3 80 0,747 440 0,423 2600 0,234 14000 0,134 15 1,27 80 0,769 440 0,461 2600 0,270 14000 0,163
16 1,28 85 0,732 460 0,417 2800 0,228 15000 0,131 16 1,25 85 0,755 460 0,455 2800 0,265 15000 0,16
17 1,25 90 0,718 480 0,411 3000 0,223 16000 0,128 17 1,22 90 0,742 480 0,449 3000 0,259 16000 0,157
18 1,23 95 0,705 500 0,405 3200 0,218 17000 0,125 18 1,2 95 0,73 500 0,444 3200 0,254 17000 0,154
19 1,21 100 0,693 550 0,393 3400 0,214 18000 0,123 19 1,18 100 0,719 550 0,431 3400 0,25 18000 0,151

20 1,19 110 0,672 600 0,382 3600 0,21 19000 0,121 20 1,17 110 0,699 600 0,42 3600 0,245 19000 0,149
22 1,15 120 0,652 650 0,372 3800 0,206 20000 0,119 22 1,13 120 0,681 650 0,41 3800 0,242 20000 0,147
24 1,12 130 0,635 700 0,362 4000 0,203 22000 0,115 24 1,1 130 0,665 700 0,401 4000 0,238 22000 0,143
26 1,09 140 0,62 750 0,354 4200 0,199 24000 0,112 26 1,08 140 0,65 750 0,393 4200 0,234 24000 0,139
28 1,06 150 0,606 800 0,347 4400 0,196 26000 0,109 28 1,05 150 0,637 800 0,385 4400 0,231 26000 0,136

30 1,04 160 0,593 850 0,34 4600 0,194 28000 0,106 30 1,03 160 0,625 850 0,378 4600 0,228 28000 0,133
32 1,01 170 0,581 900 0,333 4800 0,191 30000 0,104 32 1,01 170 0,613 900 0,372 4800 0,225 30000 0,13
34 0,993 180 0,57 950 0,327 5000 0,188 32000 0,101 34 0,994 180 0,603 950 0,366 5000 0,222 32000 0,127
36 0,975 190 0,56 1000 0,322 5500 0,182 34000 0,0993 36 0,977 190 0,593 1000 0,36 5500 0,216 34000 0,125
38 0,957 200 0,55 1100 0,312 6000 0,177 36000 0,0975 38 0,961 200 0,584 1100 0,35 6000 0,211 36000 0,123

40 0,941 220 0,533 1200 0,303 6500 0,172 38000 0,0957 40 0,947 220 0,568 1200 0,341 6500 0,206 38000 0,121
42 0,926 240 0,518 1300 0,295 7000 0,168 40000 0,0941 42 0,933 240 0,553 1300 0,333 7000 0,201 40000 0,119
44 0,912 260 0,504 1400 0,288 7500 0,164 42000 0,0926 44 0,92 260 0,54 1400 0,326 7500 0,197 42000 0,117
46 0,898 280 0,492 1500 0,281 8000 0,161 44000 0,0912 46 0,908 280 0,528 1500 0,319 8000 0,193 44000 0,116
48 0,886 300 0,481 1600 0,275 8500 0,158 46000 0,0898 48 0,896 300 0,517 1600 0,313 8500 0,19 46000 0,114

50 0,874 320 0,471 1700 0,27 9000 0,155 50000 0,0874 50 0,885 320 0,507 1700 0,307 9000 0,186 50000 0,111

FAG 34 35 FAG
Dimensionamento Dimensionamento
Valores orientativos para fL e dados para o cálculo Valores orientativos para fL e dados para o cálculo

Aplicação Valor fL Dados para o cálculo Aplicação Valor fL Dados para o cálculo
a ser a ser
alcançado alcançado

Veículos automotores Acionamento


Construção naval
Motocicletas 0,9 ... 1,6 Regime de torque máximo com rotação do motor, conside-
Carros de passageiros: acionamento 1 ... 1,3 rando-se o momento de torção a ser transmitido. O valor Rolamento de empuxo do hélice do navio 3 ... 4 Empuxo nominal da hélice, n° de rotações nominal
Rolamentos protegidos contra sujeira: médio de fL é obtido dos valores individuais fL1,fL2 e fL3, ... Rolamento do eixo da hélice do navio 4 ... 6 Peso proporcional do eixo, n° de rotações nominal, fz = 2
câmbio 0,7 ... 1 relativos às diferentes velocidades da caixa de câmbio por Grandes redutores marítimos 2,5 ... 3,7 Potência nominal, n° de rotações nominal
Carros de passageiros: rolamentos de rodas 1,4 ... 2,2 frações de tempo q1, q2, q3 ... (%) Pequenos redutores marítimos 2 ... 3 Potência nominal, n° de rotações nominal
Caminhões leves 1,6 ... 2 Reversores para barcos 1,5 ... 2,5 Potência nominal, n° de rotações nominal
Caminhões médios 1,8 ... 2,2
Caminhões pesados 2 ... 2,6 3 100
Ônibus 1,8 ... 2,8 fL = Rolamentos do leme do navio
q1 q q
3
+ 23 + 33 + ...
fL1 fL2 fL3 Solicitados estaticamente por: esforço do leme,
peso do leme, esforço de acionamento
Rolamentos de roda, por exemplo para veículos coletivos

Carga de eixo estática Kstat em velocidade média. Máquinas agrícolas


Valor fL médio (vide acima), resultante das três seguintes
condições de rodagem: Tratores agrícolas 1,5 ... 2 Vide veículos automotores
em linha reta, boa pista, com Kstat; Máquinas automotrizes 1,5 ... 2 Vide veículos automotores
em linha reta, com pista irregular, com Kstat · fz Máquinas de uso sazonal 1 ... 1,5 Potência máxima, n° de rotações nominal
em curva, com Kstat · fz · m.

Tipo de veiculo fator fz Maquinaria de terraplanagem


adicional
Tratores de esteira, carregadeiras 2 ... 2,5 Vide veículos automotores
Carros de passageiros, ônibus, motocicletas 1,3 Escavadeiras/mecanismo propulsor 1 ... 1,5 Valor médio de acionamento hidroestático
Furgão, caminhão, cavalos mecânicos 1,5 Escavadeiras/mecanismo giratório 1,5 ... 2 Número médio de rotações
Caminhão fora de estrada, trator agrícola 1,5 ... 1,7 Rolos compressores vibratórios,
compactadores 1,5 ... 2,5 Força centrífuga · fz (fator adicional fz = 1,1 ... 1,3)
Excitadores 1 ... 1,5
O fator m considera a aderência ao solo

Tipo de rodas m Motores elétricos

Rodas dirigíveis 0,6 Motores para aparelhos eletrodomésticos 1,5 ... 2 Peso do rotor · fz; n° de rotações nominal
Rodas não dirigíveis 0,35 Motores de série 3,5 ... 4,5 Fator adicional fz = 1,5 ... 2 para motores estacionários
Motores de grande porte 4 ... 5 fz = 1,5 ... 2,5 para motores de tração
Motores de tração 3 ... 3,5 Com acionamento por pinhão: esforços generalizados
Motores de combustão interna 1,2 ... 2 Esforços máximos (pressão dos gases, força de inércia)
no ponto morto superior com carga máxima
Laminadores, equipamentos siderúrgicos
Fator fz:
Laminadores 1 ... 3 Pressão média de laminação, velocidade de laminação
Sistema Motor ciclo Otto Motor Diesel (Valor fL conforme o tipo de laminador e o programa de
laminação)
Dois tempos 0,35 0,5 Acionamento de laminadores 3 ... 4 Potência nominal, n° de rotações nominal
Quatro tempos 0,3 0,4 Mesas de rolos 2,5 ... 3,5 Peso do material a laminar, choques, velocidade de laminação
Máquinas de fundição por centrifugação 3,5 ... 4,5 Peso, desbalanceamento, n° de rotações nominal

Veículos ferroviários
Convertedor
Mancais de rolamentos para Carga estática sobre o eixo com fator de correção fz
vagões de extração 2,5 ... 3,5 (depende da velocidade máxima, tipo de veículo e super Solicitação estática por peso máximo
estrutura da via permanente).
Bondes 3,5 ... 4
Vagões de passageiros 3 ... 3,5 Tipo de veículo fz Máquinas-ferramenta
Vagões de carga 3 ... 3,5
Vagões de minério 3 ... 3,5 Vagões de minério, Fusos de tornos, de fresadoras 3 ... 4,5 Potência de corte, potência de acionamento, pré-carga
Carros tração 3,5 ... 4 de extração, de siderurgia 1,2 ... 1,4 Fusos de furadeiras 3 ... 4 Peso da peça, n° de rotações em serviço
Locomotivas / rolamento externo 3,5 ... 4 Vagões de carga, de passageiros Fusos de retificadoras 2,5 ... 3,5
Locomotivas / rolamento interno 4,5 ... 5 carros de tração, bondes 1,2 ... 1,5 Fusos de porta-peças de retificadoras 3,5 ... 5
Locomotivas 1,3 ... 1,8
Caixas de engrenagem de
Caixa de engrenagens de veículos 3 ... 4,5 Grupos de carga com os correspondentes números médios máquinas-ferramenta 3 ... 4 Potência nominal, n° de rotações nominal
ferroviários de rotação, valor fL médio (vide também acionamento de Prensas/Volante 3,5 ... 4 Peso do volante, n° de rotações nominal
veículos automotores). Prensas/eixo excêntrico 3 ... 3,5 Potência de prensagem, fração de tempo, n° de rotações nominal
Ferramentas elétricas e de ar comprimido 2 ... 3 Potência de corte e acionamento, n° de rotações nominal

FAG 36 37 FAG
Dimensionamento Dimensionamento
Valores orientativos para fL e dados para o cálculo Valores orientativos para fL e dados para o cálculo

Aplicação Valor fL Dados para o cálculo Aplicação Valor fL Dados para o cálculo
a ser a ser
alcançado alcançado

Máquinas de beneficiamento de madeira Máquinas de papel e impressoras


Fusos de tupias e eixos de plainas 3 ... 4 Força de corte e de acionamento, n° de rotações nominal
Rolamentos principais de serras de fita 3,5 ... 4 Forças de inércia, n° de rotações nominal Máquinas de papel/parte úmida 5 ... 5,5 Tração de peneira, tração de feltro, peso dos cilindros,
Rolamentos de biela de serras de fita 2,5 ... 3 Forças de inércia, n° de rotações nominal força de compressão, n° de rotações nominal
Serra circular 2 ... 3 Força de acionamento e de corte, n° de rotações nominal Máquinas de papel/parte secadora 5,5 ... 6,5
Máquinas de papel/parte refinadora 5 ... 5,5
Máquinas de papel/calandras 4,5 ... 5
Acionamento em máquinas em geral Impressoras 4 ... 4,5 Peso dos cilindros, força de compressão,
n° de rotações nominal
Redutores universais 2 ... 3 Potência nominal, n° de rotações nominal
Motores de acionamento 2 ... 3 Potência nominal, n° de rotações nominal
Engrenagens de grande porte, estacionárias 3 ... 4,5 Potência nominal, n° de rotações nominal
Máquinas têxteis
Equipamentos de transporte Fiadeiras, fusos de teares 3,5 ... 4,5 Desbalanceamento, n° de rotações nominal
e de extração Máquinas de malharia 3 ... 4 Força de acionamento, desbalanceamento, força de inércia,
Acionamento de correias/mineração n° de rotações nominal
de superfície 4,5 ... 5,5 Potência nominal, n° de rotações nominal
Transportadoras/mineração de superfície 4,5 ... 5 Peso da correia e da carga, n° de rotações em serviço
Rolos de apoio de correias transportadoras
em geral 2,5 ... 3,5 Peso da correia e da carga, n° de rotações em serviço Máquinas para processamento de plástico
Transportadoras de correias 4 ... 4,5 Força da correia, peso da correia e da carga, n° de rotações
em serviço Extrusoras 3 ... 3,5 Pressão máxima de injeção, n° de rotações em serviço.
Escavadeira de roda de pás/mecanismo Em máquinas de injeção de plásticos deve ser verificada
de propulsão 2,5 ... 3,5 Potência nominal, n° de rotações nominal também a capacidade de carga estática
Escavadeira de roda de pás/roda de pás 4,5 ... 6 Resistência de solo, peso, n° de rotações nominal Calandras de borracha e de material plástico 3,5 ... 4,5 Pressão média de laminação, n° médio de rotações
Escavadeira de roda de pás/acionamento (temperatura)
da roda de pás 4,5 ... 5,5 Potência nominal, n° de rotações nominal
Polia de cabos transportadores 4 ... 4,5 Esforço do cabo, n° de rotações nominal (DIN 22 410)
Rolos de cabos 2,5 ... 3,5 Esforço do cabo, n° de rotações nominal
Transmissão por correias e cabos Força periférica fz (devido à pré-carga e aos choques)

Bombas, sopradores, compressores Transmissão por corrente fz = 1,5


Correias em V fz = 2 ... 2,5
Ventiladores, sopradores 3,5 ... 4,5 Empuxo axial, resp. radial, peso do rotor, desbalanceamento Correias de fibra fz = 2 ... 3
Sopradores de grande porte 4 ... 5 Desbalanceamento = peso do rotor · fz; n° de rotações nominal Correias de couro fz = 2,5 ... 3,5
Fator adicional fz = 0,5 para sopradores de ar fresco Cintas de aço fz = 3 ... 4
fz = 0,8 ... 1 para sopradores de gases quentes Correias dentadas fz = 1,5 ... 2
Bombas de pistão 3,5 ... 4,5 Potência nominal, n° de rotações nominal
Bombas centrífugas 3 ... 4,5 Empuxo axial, peso do rotor, n° de rotações nominal
Bombas hidráulicas axiais de pistão e
bombas hidráulicas radiais de pistão 1 ... 2,5 Pressão nominal, n° de rotações nominal
Bombas de engrenagens 1 ... 2,5 Pressão de serviço, n° de rotações nominal
Compressores 2 ... 3,5 Pressão de serviço, força de inércia, n° de rotações nominal

Centrífugas, misturadores
Centrífugas 2,5 ... 3 Peso, desbalanceamento, n° de rotações nominal
Misturadores de maior porte 3,5 ... 4 Peso, força de acionamento, n° de rotações nominal

Britadores, moinhos, peneiras e outros


Britadores de mandíbulas 3 ... 3,5 Potência de acionamento, raio de excentricidade, n° de
rotações nominal
Britador de cone, britador de rolos 3 ... 3,5 Força de trituração · n° de rotações nominal
Moinhos de percussão, moinhos de martelos
moinhos de impacto 4 ... 5 Peso do rotor · n° de rotações nominal; fz = 2 ... 2,5
Moinhos tubulares 4 ... 5 Peso total, n° de rotações nominal; fz = 1,5 ... 2,5
Moinhos vibratórios 2 ... 3 Força centrífuga · fz ; n° de rotações nominal fz = 1,2 ... 1,3
Moinhos verticais de rolos e pistas 4 ... 5 Força de compressão · fz; fz = 1,5 ... 3
Peneiras vibratórias 2,5 ... 3 Força centrífuga · n° de rotações nominal; fz = 1,2
Prensas de briquetagem 3,5 ... 4 Força de compressão, n° de rotações nominal
Roletes para fornos giratórios 4 ... 5 Carga dos roletes · fz; n° de rotações nominal
Fator para cargas excêntricas fz = 1,2 ... 1,3
Em casos de cargas mais elevadas, examinar também a
capacidade de carga estática

FAG 38 39 FAG
Dimensionamento Dimensionamento
Cálculo ampliado da duração da vida Cálculo ampliado da duração da vida

Cálculo ampliado da duração da vida Fator a1 para a probabilidade de falha Método FAG do cálculo ampliado da duração Duração da vida atingível Lna, Lhna
A vida nominal L ou Lh difere mais ou menos da As falhas dos rolamentos devidas à fadiga estão da vida
vida atingível dos rolamentos na prática. Das sujeitas as leis de probabilidade estatística, motivo Experiências extensas e sistemáticas feitas em Lna = a1 · a23 · L [106 rotações]
condições de serviço, a equação L = (C/P)p consi- pelo qual, a probabilidade de falha deve ser consi- laboratório corroboradas por conhecimentos obti- e
dera apenas a carga. Em realidade, porém, a vida derada no cálculo da duração da vida. dos na prática, possibilitam quantificar hoje a Lhna = a1 · a23 · Lh [h]
atingível depende ainda de uma série de outras Normalmente, calcula-se com 10% de probabili- influência das mais variadas condições de serviço
influências como, p.ex. da espessura da película dade de falha. A vida L10 é a vida nominal. sobre a vida atingível pelos rolamentos.
lubrificante, da limpeza na fenda de lubrificação, Para poder abarcar as probabilidades de falha O método de cálculo para a determinação da vida Sendo
da aditivação dos lubrificantes e do tipo constru- entre 10% e 1% é utilizado o fator a1, conforme atingível se apoia na ISO 281 e considera as a1 o fator para a probabilidade de falha
tivo do rolamento. a tabela abaixo: influências da magnitude de carga, a espessura da (vide à página 40)
Por isto, a Norma DIN ISO 281 incluiu, adicio- película lubrificante, aditivos dos lubrificantes, a23 o fator para o material e as condições de
nalmente à duração da vida nominal a “duração contaminações na fresta de lubrificação e o tipo serviço. Devido à sua interdependência, a
atingível modificada da vida”, não tendo, entre- ▼ Fator a1 construtivo do rolamento. FAG reuniu os fatores a2 e a3 mencionados
tanto, indicado ainda um valor numérico para o Probilidade Se houver mudanças das influências durante o na DIN ISO 281 no fator a23, sendo:
fator que considera as condições em serviço. Ao de falha 10 5 4 3 2 1
% tempo de serviço, para cada quota de tempo a23 = a2 · a3
contrário, no sistema de cálculos da FAG, as con- deverá ser determinado o valor de Lhna e daí, a
dições em serviço podem ser quantificadas nume- L duração da vida nominal [106 rotações]
Duraçãõ da vida vida atingível aplicando-se a fórmula à página 49.
ricamente pelo fator a23. Como um critério para até a fadiga L10 L5 L4 L3 L2 L1 Lh duração da vida nominal [h]
o dimensionamento também é considerado o Este método de cálculo demonstra que os rola-
fator fs*. Este é uma medida para as tensões de mentos têm durabilidade permanente, se forem
Fator a1 1 0,62 0,53 0,44 0,33 0,21 cumpridas as seguintes premissas:
pressão máximas que surgem nos contatos Fator a23
rolantes. – máxima limpeza na película lubrificante corres-
pondente a V = 0,3 (vide à página 46) O fator a23 para a determinação da duração da
vida atingível Lna ou Lhna (vide o parágrafo
– uma separação completa das superfícies pela anterior), é obtido da relação
Duração atingível (modificada) da vida Fator a2 para a matéria-prima película lubrificante
a23 = a23II · s
Segundo DIN ISO 281 a duração atingível O fator a2 considera as características do material – uma solicitação correspondente a fs*  8
(modificada) da vida é obtida segundo a seguinte e seu tratamento térmico. A Norma só permite Sendo
fs* = C0/P0*
fórmula: fatores a2 > 1 para rolamentos de aço com alto a23II o valor básico (diagrama da página 45)
grau de pureza. C0 é a capacidade de carga estática [kN]
Lna = a1 · a2 · a3 · L [106 rotações] P0* é a carga equivalente do rolamento [kN] s o fator de limpeza (diagramas da
Ou expresso em horas: que é determinada através da equação página 47)
Lhna = a1 · a2 · a3 · Lh [h] P0* = X0 · Fr + Y0 · Fa [kN] O fator a23 considera as influências do material,
tipo construtivo do rolamento, solicitação, lubri-
Onde: onde X0 e Y0 são fatores das tabelas dos rola- ficação e limpeza, vide o esquema da página 42,
Lna a duração atingível (modificada) da vida mentos em cima.
[106 rotações] e O ponto de partida para a determinação do fator
Lhna a duração atingível da vida [h] Fator a3 para as condições de serviço
Fr é a força radial dinâmica [kN] a23 é o diagrama da página 45. O campo mais
a1 o fator para a probabilidade de falha O fator a3 considera as condições de serviço, Fa é a força axial dinâmica [kN] importante para a prática é o campo II do diagra-
a2 o fator para o material principalmente a situação da lubrificação no ma, que vale para limpeza normal (valor básico
a3 o fator para as condições em serviço número de rotações em serviço e a temperatura Através do índice de solicitação fs* é feita uma
relação entre a solicitação do rolamento e o de a23 para s = 1)
L, Lh a duração da vida nominal em serviço. A Norma ainda não considera valores
[106 rotações] resp. [h] numéricos para este fator. desenvolvimento usual na construção de Com uma limpeza melhor ou pior, será calculado
máquinas. com um fator s > 1, resp. s < 1.

FAG 40 41 FAG
Dimensionamento Dimensionamento
Cálculo ampliado da duração da vida Cálculo ampliado da duração da vida

▼ Esquema para a determinação de a23 ▼ Viscosidade de referência ν1 1 000


2
C0 capacidade de carga estática (pág. 41) t Temperatura de serviço
P0* carga equivalente do rolamento (pág. 41) ν40 Viscosidade nominal 500 5
fs* índice de solicitação (pág. 41) ν Viscosidade de serviço (Diagrama pág. 43 embaixo)
K = K1 + K2 fator de determinação (diagramas pág. 44) n Número de rotações em serviço 10
a23II valor básico (diagrama página 45) dm Diâmetro médio
s fator de limpeza (diagramas da página 47) ν1 Viscosidade de referência (Diagrama pág. 43 em cima) 20
κ Relação de viscosidade 200

-1
]
V Fator de contaminação (tabela da pág. 46)

in
Viscosidade da referência ν1 mm

[m
50

s
100

n
100
200
50
C0 t n
ν40
500
P0* dm
20 10
00
20
0
50 0
fs* = C0 / P0* ν ν1 10 10 00
000
20
000
κ = ν / ν1 5 5 0
100 000
000
3
(D-d)/2 10 20 50 100 200 500 1 000
D+d
K V Diâmetro médio do rolamento dm =
2
mm
ISO 4406
▼ Diagrama V-T para óleos minerais 120
Viscosidade [mm2/s]
110 à 40 °C
a23II · s = a23 100
90 15
10 00
80 00
6 8
46 0
70 0
Relação de viscosidade κ A viscosidade em serviço ν de um óleo lubrifi-

32 0
0
22 50 0
60
No eixo de abcissas do diagrama da página 45 cante é obtida do diagrama V-T (vide à página

1 0
Temperatura em serviço t [°C]
está indicada a relação de viscosidade κ como 43, embaixo) com o auxílio da temperatura em

1
serviço t e da viscosidade (nominal) do óleo a 50
medida para a formação da película lubrificante.

68
40 °C.

46
Para graxas, usa-se para ν a viscosidade em ser- 40

32
viço do óleo básico.
κ = ν/ν1

22
Sugestões para a viscosidade do óleo e para a 30
ν viscosidade em serviço da película lubrificante

15
seleção do óleo, vide também à página 131.
no contato de rolagem
Em rolamentos altamente solicitados e com gran-
ν1 viscosidade de referência na dependência do

10
des parcelas de deslizamento (fs* < 4) a tempera- 20
diâmetro e do número de rotações tura do rolamento nas áreas de contato dos cor-
pos rolantes é até 20 K mais alta que a tempera-
tura medida no anel do rolamento parado (sem
A viscosidade de referência ν1 é determinada influência de aquecimento externo). Isto é em 10
4 6 8 10 20 30 40 60 100 200 300
através do diagrama da página 43, em cima, com parte considerado, colocando-se a metade do
o auxílio do diâmetro médio do rolamento valor da viscosidade ν obtida do diagrama V-T na Viscosidade em serviço ν [mm2/s]
(D + d)/2 e do número de rotações em serviço. fórmula κ = ν/ν1.

FAG 42 43 FAG
Dimensionamento Dimensionamento
Cálculo ampliado da duração da vida Cálculo ampliado da duração da vida

Valor básico a23II Com K > 6, só pode ser esperado um fator a23 no ▼ Valor básico a23II para a determinação do fator a23
Para poder determinar com mais precisão o valor campo III, quando se deverá almejar um valor de
K menor e mediante uma melhora das condições, κ = ν/ν1 relação de viscosidade
básico a23II no diagrama, página 45, é necessário ν Viscosidade do lubrificante em serviço, vide à página 42
ter-se o fator determinante K = K1 + K2. alcançar o campo II definido. ν1 Viscosidade de referência, vide à página 42

O valor de K1 pode ser obtido do diagrama Se for lubrificado com a quantidade certa e com K = K1 + K2 Fator determinante para o valor básico a23II
acima, na dependência do tipo construtivo do uma graxa bem adequada, podem ser seleciona- Vide à página 44

rolamento e do índice de solicitação fs*. dos valores K2, como para óleos bem aditivados.
A escolha correta da graxa é muito importante
K2 depende da relação de viscosidade κ e do em rolamentos com grandes parcelas de desliza-
índice fs*. Os valores do diagrama (abaixo) valem mento e nos de grande porte, altamente solicita-
para lubrificantes não aditivados ou para lubrifi- dos. Na determinação do valor a23II e, sem um
cantes com aditivos, cuja eficiência especial não conhecimento preciso da aptidão da graxa, deverá 20
tenham sido testados em rolamentos. ser aplicado o limite inferior do campo II. Isso
Com K = 0 até 6, a23II se situa em uma das curvas vale principalmente quando não se pode manter
no campo II do diagrama, página 45. os intervalos de lubrificação. 10

I
5
▼ Fator determinante K1, na dependência do índice fs* e do tipo construtivo do rolamento

4 a Rolamento fixo de esferas


d b Rolamento de rolos cônicos,
rolamento de rolos cilíndricos
3 c Rolamento autocompensa- 2
dor de rolos,
c rolamento axial autocompen-
sador de rolos 3),
2 rolamento axial de rolos a23II K=0
K1 cilíndricos 1), 3) 1
b
d Rolamentos de rolos cilíndri- K=1
1 cos sem gaiola 1), 2)

0,5 K=2
a II
0 K=3 III
0 2 4 6 8 10 12
fs* K=4
1)
V < 1 só é atingível em combinação com filtragem fina do lubrificante, de outra forma usar K1 ≥ 6. 0,2 5
2)
Considere na determinação de ν: o atrito é no mínimo o dobro do que nos rolamentos com gaiola. K=
Isto leva a temperaturas mais altas do rolamento.
6
3)
Considerar a carga mínima (página 500). K=
▼ Fator determinante K2, na dependência do índice fs* para lubrificantes não aditivados e para lubrificantes com aditivos,
0,1
cuja eficiência especial não tenham sido testados em rolamentos. 0,05 0,1 0,2 0,5 1 2 5 10
ν
κ=0,2** K2 se torna 0 em lubrificantes κ= ν
7 com aditivos para os quais haja 1
κ=0,25 uma comprovação positiva.
6 **
κ=0
5 ,3**
κ= Campo Limites do cálculo de duração da vida
4 0,3
5** I: Transição para a durabilidade permanente A falha do material também é considerada somente como
κ= Premissa: máxima limpeza na fresta de lubrificação causa de falha no cálculo ampliado da duração da vida, O
K2 3 κ= 0,4 e cargas não muito elevadas, lubrificante adequado cálculo ampliado da vida obtido só pode corresponder à
κ= 0,7 ** “duração da vida efetiva do rolamento”, se o prazo de
2 κ= 1
** Com κ  0,4 o desgaste se II: Limpeza normal na fresta de lubrificação utilização do lubrificante ou a duração da vida limitada por
κ= 2 propaga no rolamento, se (com aditivos comprovados em rolamentos, também, desgaste não for menor que a duração até a fadiga.
1 4
não for impedido por aditivos são possíveis valores de a23 > 1 com κ < 0,4 a23)
0 apropriados.
III: Condições de lubrificação inadequadas,
0 2 4 6 8 10 12 Contaminação do lubrificante,
fs* Lubrificantes inadequados

FAG 44 45 FAG
Dimensionamento Dimensionamento
Cálculo ampliado da duração da vida Cálculo ampliado da duração da vida

Fator de limpeza s transversal do rolamento, do tipo de contato no minadas classes de pureza de óleo ISO. Desta abrasão especialmente redutores da duração da
O fator de limpeza s quantifica a influência da contato rolante e do grau de pureza do óleo. forma, um grau de pureza 15/12 conforme ISO vida, os valores de medição deverão ser elevados
contaminação na duração da vida. Para a deter- Se, na área de contato mais solicitada de um rola- 4406 significa que, em 100 ml de líquido se em uma até duas classes de pureza, antes de deter-
minação de s, é necessário obter-se a grandeza de mento, forem sobrerroladas partículas duras a encontram entre 16000 e 32000 partículas > 5 µm minar a grandeza de contaminação V. Ao con-
contaminação V (vide abaixo). partir de um determinado tamanho, as impres- e entre 2000 e 4000 partículas > 15 µm. A dife- trário, se for comprovado que a maioria é de partí-
Para uma limpeza normal (V = 1) sempre vale 1, sões deixadas nas áreas de contato de rolagem rença entre uma classe e outra reside no dobro, culas macias, como madeira, fibras ou tinta no
ou seja a23II = a23. levam a uma fadiga prematura do material. resp. na metade da quantidade das partículas. lubrificante, o valor de medição da contagem de
Em uma limpeza melhorada (V = 0,5) e em uma Quanto menor for a área de contato tanto mais Especialmente as partículas com uma dureza partículas pode ser correspondentemente reduzido.
limpeza máxima (V = 0,3), obtém-se, partindo nociva é a ação de um determinado tamanho de > 50 HRC agem como redutoras da duração da
vida nos rolamentos. Estas partículas são de aço ▼ Classes de pureza do óleo segundo ISO 4406 (exceto)
do valor fs* (vide à página 41) e, na dependência partículas.
temperado, areia e resíduos de material de Quantidade de partículas por 100 ml Código
da relação de viscosidade · da área direita do dia- Portanto, os rolamentos pequenos reagem com acima de 5 µmacima de 15 µm
grama, página 47, um fator de limpeza de s  1. mais sensibilidade com o mesmo grau de conta- abrasão. Principalmente os últimos são extrema- mais do que e até mais do que e até
Com κ  0,4, vale s = 1. minação que os maiores e os rolamentos com mente danosos.
500000 1000000 64000 130000 20/17
Com V = 2 (lubrificante moderadamente conta- contato fixo (rolamentos de esferas) com mais Se, como em muitos casos de aplicação técnica, a 250000 500000 32000 64000 19/16
minado) e V = 3 (lubrificante fortemente conta- sensibilidade do que os de contato linear (rola- maior parcela dos materiais estranhos contidos nas 130000 250000 16000 32000 18/15
minado) se torna s < 1 da área b do diagrama à mentos de rolos). amostras de óleo estiver localizada na faixa de 64000 130000 8000 16000 17/14
32000 64000 4000 8000 16/13
página 47. A diminuição dos valores de s por A classe de pureza do óleo necessária conforme redução da duração da vida, a classe de pureza obti- 16000 32000 2000 4000 15/12
altos valores de V atua tanto mais forte quanto ISO 4406 é uma grandeza mensurável para o da com a contagem de partículas, pode ser compa- 8000 16000 1000 2000 14/11
menos seja solicitado o rolamento. grau de contaminação de um lubrificante. Para a rada diretamente com os valores contidos na tabela 4000
2000
8000
4000
500
250
1000
500
13/10
12/9
sua determinação, é usado o método padronizado à página 46. Se, entretanto, no exame do resíduo 1000 2000 130 250 11/8
Grandeza determinante V para a avaliação da para a contagem de partículas. Neste, a quanti- do filtro, for verificado que se trata quase que, 1000 2000 64 130 11/7
limpeza dade de todas as partículas > 5 µm e de todas p.ex., exclusivamente de contaminação mineral 500 1000 32 64 10/6
250 500 32 64 9/6
A grandeza determinante V depende do corte as partículas > 15 µm são classificadas em deter- como areia de fundição ou grãos de material de
▼ Valores orientativos para a grandeza determinante de contaminação V ▼ Diagrama para a determinação do fator de limpeza s
Contato pontual Contato linear a diagrama para limpeza melhorada (V = 0,5) até máxima (V = 0,3)
classe de pureza valores orientativos classe de pureza valores orientativos b diagrama para lubrificante moderadamente contaminado (V = 2) e lubrificante altamente contaminado (V = 3)
(D-d)/2 V do óleo exigida para a taxa de resíduo do óleo exigida para a taxa de resíduo
conforme no filtro conforme conforme no filtro conforme

κ=2,5

κ=1,5

κ=0,8
κ=3,5

κ=0,9
mm ISO 44061) ISO 4572 ISO 44061) ISO 4572

κ=3

κ=2

κ=1
κ=4
0,3 11/8 β3  200 12/9 β3  200
0,5 12/9 β3  200 13/10 β3  75 V=1 V = 0,5 V = 0,3
 12,5 1 14/11 β6  75 15/12 β6  75 κ=0,7
2 15/12 β6  75 16/13 β12  75
3 16/13 β12  75 17/14 β25  75
0,3 12/9 β3  200 13/10 β3  75 κ=0,6
0,5 13/10 β3  75 14/11 β6  75
> 12,5 ... 20 1 15/12 β6  75 16/13 β12  75
2 16/13 β12  75 17/14 β25  75 κ=0,5
3 18/14 β25  75 19/15 β25  75
0,3 13/10 β3  75 14/11 β6  75
0,5 14/11 β6  75 15/12 β6  75 a
> 20 ... 35 1 16/13 β12  75 17/14 β12  75
2 17/14 β25  75 18/15 β25  75 2,5 3 4 5 6 7 8 9 10 12 14 16 20 1 2 3 5 10 15 20 30
3 19/15 β25  75 20/16 β25  75 Índice de solicitação fs* Fator de limpeza s
0,3 14/11 β6  75 14/11 β6  75 1
0,5 15/12 β6  75 15/12 β12  75 V=1 0,7
> 35 1 17/14 β12  75 18/14 β25  75

Fator de limpeza s
0,5
2 18/15 β25  75 19/16 β25  75 V=2
3 20/16 β25  75 21/17 β25  75 0,3
A classe de pureza do óleo como medida para a probabilidade de sobrerrolagem de partículas redutoras da duração da vida 0,2
nos rolamentos pode ser determinada por amostras p.ex. por fabricantes de filtros e institutos. Deverá ser observada uma
coleta apropriada de amostras (vide p.ex. DIN 51170). Também aparelhos de medição “on-line” se encontram hoje em dia à V=3
disposição. As classes de pureza são atingidas quando a quantidade total do óleo em circulação passar uma vez pelo filtro 0,1 Um fator de limpeza s > 1 só é atingível em
em poucos minutos. Para garantir uma boa limpeza dos mancais, é necessário um processo de enxágüe antes da colocação rolamentos sem gaiola, quanto ficar excluído
em funcionamento dos mesmos. qualquer desgaste no contato rolo/rolo, através
Uma taxa de resíduo β3  200 (ISO 4572) significa, p.ex. que no assim chamado teste “multi-pass”, de 200 partículas  3 µm 0,05 de um lubrificante altamente viscoso e com
só uma passa pelo filtro. Filtros maiores que β25  75 não deverão ser usados, pelas conseqüências negativas para os b máxima limpeza (pureza do óleo de no mínimo
demais agregados também instalados no circuito do óleo. 0,03 11/7 segundo ISO 4407)
1
) Só devem ser consideradas as partículas cuja dureza seja > 50 HRC.

FAG 46 47 FAG
Dimensionamento Dimensionamento
Cálculo ampliado da duração da vida Cálculo ampliado da duração da vida

Para atingir a pureza do óleo exigida, deverá haver Limpeza máxima Limpeza normal Duração da vida atingível sob condições em
uma determinada taxa de resíduo no filtro. Esta Na prática, a limpeza máxima existe em A limpeza normal é admitida para condições pre- serviço variáveis
é uma medida para a capacidade de separação do sentes muitas vezes : Se a carga, a rotação e as grandezas usuais que
filtro em partículas de tamanho definido. A taxa – rolamentos, engraxados de fábrica e vedados
contra a poeira por discos de vedação ou de – vedação boa, adaptada ao ambiente influenciam a vida do rolamento forem variáveis,
de resíduo no filtro ßx é a relação entre todas as terá que ser determinada para cada quota de
partículas > x µm antes do filtro com as partículas blindagem. No desenvolvimento da duração – limpeza durante a montagem
da vida permanente, na maioria o limite é tempo q (%), com condições de serviço constan-
> x µm depois do filtro. Abaixo se encontra uma – pureza do óleo correspondente a V = 1 tes, a vida ampliada (atingível) separadamente
representação esquemática. dado pela durabilidade do lubrificante.
– Manutenção das épocas de troca do óleo reco- (Lhna, Lhna2,...). Para a duração em serviço com-
Uma taxa de resíduo no filtro ß3  200, signifi- – Lubrificação com graxa pelo usuário. Ele cuida pleta, a vida atingível é calculada segundo a
para que a limpeza existente no fornecimento mendadas
ca, p.ex. que no teste “multi-pass”(ISO 4572) de fórmula:
200 partículas  3 µm, só uma única consegue seja mantida durante o tempo total em ser-
passar pelo filtro. viço, montando os rolamentos sob máxima Lubrificante altamente contaminado
limpeza em caixas limpas, lubrifica com graxa 100
Com o uso de um filtro com uma determinada Nesta faixa, podem ser calculados os fatores a23 L hna =
limpa e toma as providências para evitar a q1 q2 q
taxa de resíduo não se pode concluir automatica- entrada de qualquer sujeira no rolamento. para partículas de sujeira correspondentes à gran- + + 3 + ...
mente pela classe de pureza do óleo. deza de contaminação V = 3 (tabela, página 46). L hna1 L hna2 L hna3
– Rolamentos com lubrificação por circulação Há que melhorar as condições de serviço!
de óleo, quando, antes da colocação em ser- Limites do cálculo do tempo de duração
Avaliação da limpeza viço dos rolamentos montados com limpeza, o Causas possíveis para altas contaminações:
sistema de circulação de óleo é enxagüado – a caixa não foi ou foi muito mal limpa (resí- Mesmo no cálculo ampliado da vida é considera-
De acordo com o estado de conhecimento atual, da somente a fadiga do material como causa da
é razoável a seguinte classificação dos valores V (encher com óleo novo passado em filtro fino) duos de areia de fundição, partículas do pro-
e ficam garantidas classes de pureza de óleo cesso de acabamento). falha. A duração real da vida de um rolamento só
(as três mais importantes estão em negrito): pode equivaler à vida calculada, desde que não
correspondentes a V = 0,3 durante todo o – a abrasão de peças desgastadas atinge o circui-
V = 0,3 limpeza máxima tempo em serviço, vide a tabela à página 46. seja inferior à durabilidade do lubrificante ou à
V = 0,5 limpeza elevada to de óleo da máquina. vida limitada pelo desgaste do material.
V = 1 limpeza normal – entram partículas estranhas no rolamento
V = 2 lubrificante moderadamente contaminado devido a uma vedação insuficiente.
V = 3 lubrificante fortemente contaminado Cálculo de rolamentos em PC
– água infiltrada, mesmo água de condensação
causa corrosão em repouso ou piora as pro- O catálogo de rolamentos eletrônico da FAG, na
priedades do lubrificante. versão 1.1 se baseia no presente catálogo impres-
▼ Taxa de resíduo no filtro x so. Mas o programa em CD-ROM oferece ao
usuário muito mais eficiência e vantagens. Ele é
As condições descritas valem para os valores conduzido ao melhor resultado, de forma segura
angulares de V, que via de regra devem ser coloca- e rápida, em forma de diálogo economizando
dos no cálculo. Os valores intermediários de muito trabalho e tempo na escolha, na seleção e
V = 0,5 (limpeza melhorada) e V = 2 (lubrifican- nos cálculos dos rolamentos. Todas as infor-
te moderadamente contaminado) só deverão ser mações disponíveis podem ser vistas on-line em
Nivel de Taxa de Nível de contaminação após filtro usados quando o usuário tiver suficiente experiên- forma de texto, fotos, desenhos, diagramas, tabe-
contaminação resíduo cia para poder julgar a limpeza com precisão. las ou em figuras com animação.
antes do filtro Adicionalmente, as partículas provocam desgaste. Também estará disponível um CD-ROM com o
A FAG combinou a têmpera das peças de tal qual será possível a seleção de rolamentos para
βx = 2 500 000 modo que os rolamentos com reduzidas parcelas um mancal, um eixo ou um conjunto de eixos.
de deslizamento (p.ex. rolamentos radiais de
βx = 20 50 000 esferas e de rolos cilíndricos) com V = 0,3 ainda
1 000 000 por muito tempo, dificilmente mostram desgaste.
partículas βx = 75 13 000 Os rolamentos axiais de rolos cilíndricos, de rolos
> x µm
cilíndricos sem gaiolas e todos os rolamentos com
βx = 200 5 000 altas parcelas de deslizamento reagem muito mais
a contaminações duras e pequenas. Aqui uma fil-
tragem muito fina do lubrificante pode evitar um
desgaste crítico.

FAG 48 49 FAG
Características dos rolamentos Características dos rolamentos
Dimensões principais, sistemas de denominação Dimensões principais, sistemas de denominação

Características dos rolamentos tos de rolos cônicos em dimensões métricas e a ▼ Exemplos para a identificação da série do rolamento e do diâmetro do furo na designação básica, segundo DIN 623
Para que todas as influências contidas na ISO 104 para os rolamentos axiais. Os planos
descrição do projeto possam ser consideradas, dimensionais das normas ISO foram absorvidas Rolamento fixo de esferas Rolamento de contato
angular de esferas
devem ser fixadas as demais características e dados na DIN 616 e DIN ISO 355 (rolamentos de Série de largura 0
Série de largura 0
rolos cônicos com dimensões métricas). Série de diâmetro
da execução do rolamento, além do tipo constru- 06 · 5  30 mm de furo Série de diâmetro
tivo apropriado e do tamanho do rolamento, Nos planos de medidas da norma DIN 616, vári- 05 · 5  25 mm de furo
como p.ex.: os diâmetros externos e larguras são alocados a 6206
cada furo de rolamento. As séries usuais de diâ- 7305B
– tolerâncias (pág. 54)
metro são 8, 9, 0, 1, 2, 3, 4 (nesta ordem, com
– folga do rolamento (pág. 74) diâmetros crescentes). Em cada série de diâmetros
– material do rolamento (pág. 83) há diversas séries de largura como, p.ex. 0, 1, 2,
– execução da gaiola (pág. 83) 3, 4 (correspondendo uma largura maior a cada
número crescente). Rolamento de rolos cônicos Rolamento de rolos cilíndricos
– vedação (pág. 124) Série de largura 0 Rebordos no anel externo
No número de dois algarismos para a série de Série de diâmetro 2 Série de largura 2
Também as características de rendimento, como a medidas, o primeiro corresponde à série de largu- 09 · 5  45 mm de furo Série de diâmetro 3
aptidão para altas temperaturas (página 86) e para ra (nos rolamentos axiais à altura) e o segundo 14 · 5  70 mm de furo
um alto número de rotações (página 87) se indica a série de diâmetro. 30209A NU2314E
encontram estreitamente ligadas à execução do
rolamento. No plano de medidas para os rolamentos de rolos
cônicos com dimensões métricas segundo DIN
ISO 355, um dos algarismos (2, 3, 4, 5, 6) indica
Dimensões principais, sistemas de designação a faixa do ângulo de contato. Quanto maior o
Os rolamentos são elementos de máquinas utili- algarismo, tanto maior o ângulo de contato. As ▼ Designação dos rolamentos de rolos cônicos com dimensões métricas segundo DIN ISO 355
záveis universalmente, prontos para a montagem, séries de diâmetros e de larguras são identificadas
devido ao fato de suas dimensões principais por duas letras. Exemplo: T 3 D B 045
usuais serem normalizadas. Em casos de divergências com relação ao plano de
Furo do rolamento em mm
As normas ISO correspondentes a cada tipo de medidas, como nos rolamentos integrais das séries
rolamento são: a ISO 15 para os radiais (exceto 2344 e 2347, esta característica é informada nos
Relação entre a largura e a
os de rolos cônicos), a ISO 355 para os rolamen- textos preliminares às tabelas de medidas. seção transversal
T
Série de
largura (D - d) 0,95

de até

A reservado
B 0,50 . . . 0,68
▼ Detalhe do plano de medidas ISO 15 para rolamentos radiais C 0,68 . . . 0,80
D 0,80 . . . 0,88
E 0,88 . . . 1,00
Letra indicativa para rolamentos
Série de diâmetro 0 Série de diâmetro 2 Série de diâmetro 3 Série de diâmetro 4 de rolos cônicos
Série de largura Série de largura Série de largura Série de largura
0 1 2 3 4 0 1 2 3 0 1 2 3 0 2 Faixa de ângulo de contato Relação entre o diâmetro
externo e o furo
Série de dimensões Série de dimensões Série de dimensões Série de dimensões
D
00 10 20 30 40 02 12 22 32 03 13 23 33 04 24 Série de- Faixa do Série
ângulos ângulo de d 0,77
de contato diâmetro

de até de até

1 reservado A reservado
2 10° ... 13°52’ B 3,40 . . . 3,80
3 13°52’ . . . 15°59’ C 3,80 . . . 4,40
4 15°59’ . . . 18°55’ D 4,40 . . . 4,70
5 18°55’ . . . 23° E 4,70 . . . 5,00
6 23° ... 27° F 5,00 . . . 5,60
7 27° ... 30° G 5,60 . . . 7,00

FAG 50 51 FAG
Características dos rolamentos
Dimensões de canto

Limites das dimensões de canto Rolamentos radiais Rolamentos de rolos cônicos Rolamentos axiais
r2smax r4smax r2smax
Símbolos r1smax, r3smax maior dimensão de canto no r2s r4s r2s
r1s, r3s dimensão de canto no sentido radial sentido radial r1smax rsmin r3smax rsmin r1smax rsmin
r2s, r4s dimensão de canto no sentido axial r2smax, r4smax maior dimensão de canto no
rsmin *) símbolo genérico para a sentido axial
rsmin r1smax rsmin r1smax rsmin r1smax
menor dimensão de canto r1smin, r1s r3s r1s
rsmin rsmin rsmin
r2smin, r3smin, r4smin
rsmin r1s rsmin r1s rsmin r1s
r2s r2s r2s
D d r2smax D d r2smax Dg dw r2smax
Dimensão de canto dos rolamentos radiais (exceto os de rolos cônicos)
Medidas em mm
rsmin 0,1 0,15 0,2 0,3 0,6 1 1,1 1,5 2 2,1 2,5 3 4 5 6 7,5 9,5 12 15 19
Diâmetro nominal de 40 40 50 120 120 80 220 280 100 280 280
do furo d até 40 40 50 120 120 80 220 280 100 280 280

r1smax 0,2 0,3 0,5 0,6 0,8 1 1,3 1,5 1,9 2 2,5 2,3 3 3 3,5 3,8 4 4,5 3,8 4,5 5 5 5,5 6,5 8 10 12,5 15 18 21 25
r2smax 0,4 0,6 0,8 1 1 2 2 3 3 3,5 4 4 5 4,5 5 6 6,5 7 6 6 7 8 8 9 10 13 17 19 24 30 38

Dimensão de canto dos rolamentos de rolos cônicos


Anel interno
Medidas em mm
rsmin 0,3 0,6 1 1,5 2 2,5 3 4 5 6
Diâmetro nominal de 40 40 50 120 250 120 250 120 250 120 250 400 120 250 400 180 180
do furo d até 40 40 50 120 250 120 250 120 250 120 250 400 120 250 400 180 180

r1smax 0,7 0,9 1,1 1,3 1,6 1,9 2,3 2,8 3,5 2,8 3,5 4 3,5 4 4,5 4 4,5 5 5,5 5 5,5 6 6,5 6,5 7,5 7,5 9
r2smax 1,4 1,6 1,7 2 2,5 3 3 3,5 4 4 4,5 5 5 5,5 6 5,5 6,5 7 7,5 7 7,5 8 8,5 8 9 10 11

Anel externo
Medidads em mm
rsmin 0,3 0,6 1 1,5 2 2,5 3 4 5 6

Diâmetro externo de 40 40 50 120 250 120 250 120 250 120 250 400 120 250 400 180 180
nominal D até 40 40 50 120 250 120 250 120 250 120 250 400 120 250 400 180 180

r3smax 0,7 0,9 1,1 1,3 1,6 1,9 2,3 2,8 3,5 2,8 3,5 4 3,5 4 4,5 4 4,5 5 5,5 5 5,5 6 6,5 6,5 7,5 7,5 9

r4smax 1,4 1,6 1,7 2 2,5 3 3 3,5 4 4 4,5 5 5 5,5 6 5,5 6,5 7 7,5 7 7,5 8 8,5 8 9 10 11

Rolamentos de rolos cônicos com medidas em polegadas (ISO 1123)


Dimensão de canto dos rolamentos axiais Anel interno Anel externo
Medidas em mm Medidas em mm
Diâmetro nominal de 50,8 101,6 Medida nominal do de 101,6 168,3 266,7
Medidas em mm do furo d até 50,8 101,6 254 diâmetro externo D até 101,6 168,3 266,7 355,6
rsmin 0,1 0,15 0,2 0,3 0,6 1 1,1 1,5 2 2,1 3 4 5 6 7,5 9,5 12 15 19

r1smax, r2smax 0,2 0,3 0,5 0,8 1,5 2,2 2,7 3,5 4 4,5 5,5 6,5 8 10 12,5 15 18 21 25 rsmin (vide as tabelas de medidas) rsmin (vide as tabelas de medidas)
Desvios em mm Desvios em mm

r1smax rsmin rsmin rsmin r3smax rsmin rsmin rsmin rsmin


+0,4 +0,5 +0,65 +0,6 +0,65 +0,85 +1,7
*) Nas tabelas de medidas é indicado o limite inferior rsmin para a dimensão de canto conforme ISO 582 e DIN 620 parte 6. r2smax rsmin rsmin rsmin r4smax rsmin rsmin rsmin rsmin
De acordo com este valor limite se orientam os raios das caneluras nos eixos e nos rebaixos das caixas +0,9 +1,25 +1,8 +1,05 +1,15 +1,35 +1,7

FAG 52 53 FAG
Características dos rolamentos
Tolerâncias

Tolerâncias Simbologia de tolerâncias Diâmetro externo ∆Ts = Ts - T, ∆T1s = T1s - T1, ∆T2s = T2s - T2
As tolerâncias de medida e de giro dos rolamen- DIN ISO 1132, DIN 620 D diâmetro externo nominal desvio de uma largura total individual
tos são padronizados em DIN 620. As tabelas em relação à medida nominal
Ds diâmetro externo individual medido em
(páginas 56 a 73) também contêm valores de Diâmetro do furo um ponto *) Hs, H1s, H2s, H3s, H4s
tolerância que ultrapassam a faixa fixada em altura total medida em um ponto de um
DIN 620 parte 2 (edição de 02.88) e DIN 620 d diâmetro nominal do furo (diâmetro Dmp diâmetro externo médio; média rolamento axial
parte 3 (edição 06.82). menorteórico em furo cônico) aritmética do maior e do menor diâmetro
externo, medidos em um plano radial *) ∆Hs =Hs-H, ∆H1s=H1s-H1, ∆H2s=H2s-H2, ...
As definições para as medidas e as tolerâncias são ds diâmetro individual do furo medido em desvio de uma largura total individual de
dadas pela DIN ISO 1132. umponto ∆Dmp = Dmp – D um rolamento axial em relação à medida
dmp 1. diâmetro médio do furo; média desvio do diâmetro externo médio em nominal
Os rolamentos da classe de tolerância PN (tole- relação ao diâmetro nominal
rância normal) cumprem normalmente as exigên- aritmética dos diâmetros de furo maior
cias usuais da indústria de máquinas para a quali- e menor medidos em um plano radial ∆Ds = Ds – D
dade dos assentamentos. 2. diâmetro médio teórico em furos desvio de um diâmetro externo individual
cônicos; média aritmética do maior e em relação ao diâmetro nominal Precisão de giro
Para as máquinas-ferramenta, aparelhos de
medição, etc. Geralmente são feitas exigências do menor diâmetros do furo VDp variação do diâmetro externo; diferença Kia precisão radial de giro do anel interno
muito altas em precisão de trabalho, números de d1mp maior diâmetro médio teórico em furos entre o maior e o menor diâmetro do rolamento montado (desvio radial)
rotação e giro silencioso. Para isto a norma prevê cônicos, média aritmética do maior e do externo, medidos em um plano radial Kea precisão radial de giro do anel externo
as classes de tolerância ... P6, P6X, P5, P4 e P2. menor diâmetro do furo VDmp = Dmpmax – Dmpmin do rolamento montado (desvio radial)
Além das classes de tolerâncias normalizadas, a ∆dmp = dmp – d variação do diâmetro externo médio; Sd precisão de giro da face lateral do anel
FAG produz rolamentos de precisáo também nas desvio do diâmetro médio do furo em diferença entre o maior e o menor interno em relação ao furo (desvio
classes de tolerâncias P4S, SP (Super-precisáo) e relação ao diâmetro nominal diâmetro externo médio. lateral)
UP (Ultra-precisáo). ∆ds = ds – d SD variação da inclinação da superfície
desvio do diâmetro individual do furo em cilíndrica externa relativa à face lateral de
relação ao diâmetro nominal referência (desvio lateral)
∆d1mp = d1mp – d1 Sia precisão de giro da face lateral em
desvio do maior diâmetro médio de um relação à pista do anel interno do
furo cônico em relação ao diâmetro rolamento montado (desvio axial)
nominal Sea precisão de giro da face lateral em
Vdp = variação do diâmetro do furo; diferença relação à pista do anel externo do
entre o maior e o menor diâmetro do Largura e altura rolamento montado (desvio axial)
furo medidos em um plano radial Bs, Cs largura medida em um ponto do anel Si variação de espessura do anel de eixo de
Vdmp = dmpmax – dmpmin interno ou externo, respectivamente um rolamento axial (desvio axial em
variação do diâmetro médio do furo; ∆Bs = Bs – B, ∆Cs = Cs – C rolamentos axiais)
diferença entre o maior e o menor desvio de uma medida da largura do anel Se variação de espessura do anel de caixa de
diâmetro médio do furo interno ou externo em relação à medida um rolamento axial (desvio axial em
nominal rolamentos axiais)
VBs = Bsmax – Bsmin, VCs = Csmax – Csmin
variação da largura do anel interno ou
externo; diferença entre a maior e a
menor largura do anel
Ts largura total de um rolamento de rolos
cônicos medida em um ponto
T1s largura total na montagem do cone com
a capa padrão
T2s largura total na montagem da capa com o *) Na Norma a altura total dos rolamentos axiais
cone padrão é definida como T.

FAG 54 55 FAG
Características dos rolamentos
Tolerâncias

Tolerâncias dos rolamentos radiais (exceto os de rolos cônicos)

Anel interno Anel externo


Medidas em mm Medidas em mm

Diâmetro nominal de 2,5 10 18 30 50 80 120 180 250 315 400 500 630 800 1000 1250 1600 Diâmetro externo de 6 18 30 50 80 120 150 180 250 315 400 500 630 800 1000 1250 1600 2000
do furo até 10 18 30 50 80 120 180 250 315 400 500 630 800 1000 1250 1600 2000 nominal até 18 30 50 80 120 150 180 250 315 400 500 630 800 1000 1250 1600 2000 2500

Classe de tolerância PN (tolerância normal) Classe de tolerância PN (tolerância normal)


Tolerâncias em µm Tolerância em µm

Furo cilíndrico 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Desvio ∆Dmp 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0


Desvio ∆dmp –8 –8 –10 –12 –15 –20 –25 –30 –35 –40 –45 –50 –75 –100 –125 –160 –200 –8 –9 –11 –13 –15 –18 –25 –30 –35 –40 –45 –50 –75 –100 –125 –160 –200 –250

Variaçâo Série de diâ- Variaçâo Série de diâ-


Vdp metros 7 · 8 · 9 10 10 13 15 19 25 31 38 44 50 56 63 VDp metros 7 · 8 · 9 10 12 14 16 19 23 31 38 44 50 56 63 94 125

0·1 8 8 10 12 19 25 31 38 44 50 56 63 0·1 8 9 11 13 19 23 31 38 44 50 56 63 94 125

2·3·4 6 6 8 9 11 15 19 23 26 30 34 38 2·3·4 6 7 8 10 11 14 19 23 26 30 34 38 55 75

Variaçâo Vdmp 6 6 8 9 11 15 19 23 26 30 34 38 Rolamentos ve-


dados 2 · 3 · 4 10 12 16 20 26 30 38
Furo, conicidade 1:12 +15 +18 +21 +25 +30 +35 +40 +46 +52 +57 +63 +70 +80 +90 +105 +125 +150
Desvio ∆dmp 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Variaçâo VDmp 6 7 8 10 11 14 19 23 26 30 34 38 55 75

Desvio ∆d1mp – +15 +18 +21 +25 +30 +35 +40 +46 +52 +57 +63 +70 +80 +90 +105 +125 +150 Desvio radial Kea 15 15 20 25 35 40 45 50 60 70 80 100 120 140 160 190 220 250
∆dmp 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Variaçâo Vdp 10 10 13 15 19 25 31 38 44 50 56 As tolerâncias de largura ∆Cs e VCs são idênticas a ∆Bs e VBs para o respectivo anel interno.

Furo, conicidade 1:30 +15 +20 +25 +30 +35 +40 +45 +50 +75 +100 +125 +160 +200
Desvio ∆dmp 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Desvio ∆d1mp – +35 +40 +50 +55 +60 +65 +75 +85 +100 +100 +115 +125 +150
∆dmp 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Variaçâo Vdp 19 25 31 38 44 50 56 63

Desvio da 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
largura ∆Bs –120 –120 –120 –120 –150 –200 –250 –300 –350 –400 –450 –500 –750 –1000 –1250 –1600 –2000

Variação da
largura VBs 15 20 20 20 25 25 30 30 35 40 50 60 70 80 100 120 140

Desvio radial Kia 10 10 13 15 20 25 30 40 50 60 65 70 80 90 100 120 140

Classe de tolerância P6 Classe de tolerância P6


Desvio ∆dmp 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Desvio ∆Dmp 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
–7 –7 –8 –10 –12 –15 –18 –22 –25 –30 –35 –40 –50 –65 –80 –100 –130 –7 –8 –9 –11 –13 –15 –18 –20 –25 –28 –33 –38 –45 –60 –80 –100 –140 –180

Variação Série de diâ- Variaçâo Série de diâ-


Vdp metros 7 · 8 · 9 9 9 10 13 15 19 23 28 31 38 44 50 VDp metros 7 · 8 · 9 9 10 11 14 16 19 23 25 31 35 41 48 56 75

0·1 7 7 8 10 15 19 23 28 31 38 44 50 0·1 7 8 9 11 16 19 23 25 31 35 41 48 56 75

2·3·4 5 5 6 8 9 11 14 17 19 23 26 30 2·3·4 5 6 7 8 10 11 14 15 19 21 25 29 34 45

Variação Vdmp 5 5 6 8 9 11 14 17 19 23 26 30 Rolamentos


vedados
Desvio da 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0·1·2·3·4 9 10 13 16 20 25 30
largura ∆Bs –120 –120 –120 –120 –150 –200 –250 –300 –350 –400 –450 –500 –750 –1000 –1250 –1600 –2000
Variaçâo VDmp 5 6 7 8 10 11 14 15 19 21 25 29 34 45
Variação da
largura VBs 15 20 20 20 25 25 30 30 35 40 45 50 55 60 70 70 80 Desvio radial Kea 8 9 10 13 18 20 23 25 30 35 40 50 60 75 100 100 100 120

Desvio radial Kia 6 7 8 10 10 13 18 20 25 30 35 40 50 60 80 80 100

As tolerâncias de largura ∆Bs para os rolamentos de contato angular e para fusos na execução universal estão à página 181 As tolerâncias de largura ∆Cs e VCs são idênticas a ∆Bs e VBs para o respectivo anel interno.

FAG 56 57 FAG
Características dos rolamentos
Tolerâncias

Tolerâncias dos rolamentos radiais (exceto os de rolos cônicos)

Anel interno Anel externo


Medidas em mm Medidas em mm
Diâmetro
Diâmetro nominal de 2,5 10 18 30 50 80 120 180 250 315 400 500 630 externo de 6 18 30 50 80 120 150 180 250 315 400 500 630 800 1000 1250
do furo até 10 18 30 50 80 120 180 250 315 400 500 630 800 nominal até 18 30 50 80 120 150 180 250 315 400 500 630 800 1000 1250 1600

Classe de tolerância P5 Classe de tolerância P5


Toleràncias em µm Tolerâncias em µm

Desvio ∆dmp 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Desvio ∆Dmp 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0


–5 –5 –6 –8 –9 –10 –13 –15 –18 –23 –27 –33 –40 –5 –6 –7 –9 –10 –11 –13 –15 –18 –20 –23 –28 –35 –40 –50 –65

Variação Série de diâ- Variação Série de diâ-


Vdp metros 7 · 8 · 9 5 5 6 8 9 10 13 15 18 23 VDp metros 7 · 8 · 9 5 6 7 9 10 11 13 15 18 20 23 28 35

0·1·2·3·4 4 4 5 6 7 8 10 12 14 18 0·1·2·3·4 4 5 5 7 8 8 10 11 14 15 17 21 26

Variação Vdmp 3 3 3 4 5 5 7 8 9 12 Variação VDmp 3 3 4 5 5 6 7 8 9 10 12 14 18

Desvio de 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Variação da
largura ∆Bs –40 –80 –120 –120 –150 –200 –250 –300 –350 –400 –450 –500 –750 largura VCs 5 5 5 6 8 8 8 10 11 13 15 18 20 25 30 40

Variação de Desvio radial Kea 5 6 7 8 10 11 13 15 18 20 23 25 30 35 50 65


largura VBs 5 5 5 5 6 7 8 10 13 15 17 20 30
Variação da
Desvio radial Kia 4 4 4 5 5 6 8 10 13 15 17 20 25 inclinação SD 8 8 8 8 9 10 10 11 13 13 15 18 20 30 40 50

Desvio lateral Sd 7 7 8 8 8 9 10 11 13 15 17 20 30 Desvio axial Sea 8 8 8 10 11 13 14 15 18 20 23 25 30 40 55 70

Desvio axial Sia 7 7 8 8 8 9 10 13 15 20 23 25 30


As tolerâncias de largura ∆Cs e VCs são idênticas a ∆Bs e VBs para o respectivo anel interno.
Os desvios axiais Sea valem para rolamentos de esferas (exceto os autocompensadores de
Os desvios axiais Sia valem para os rolamentos de esferas (exceto os autocompensadores de esferas) esferas).

Classe de tolerância P4 Classe de tolerância P4


Desvio ∆dmp, 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Desvio ∆Dmp, 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
∆ds*) –4 –4 –5 –6 –7 –8 –10 –12 –15 –19 –23 –26 –34 ∆Ds *) –4 –5 –6 –7 –8 –9 –10 –11 –13 –15 –20 –25 –28 –35 –40 –55

Variação Série de diâ- Variação Série de diâ-


Vdp metros 7 · 8 · 9 4 4 5 6 7 8 10 12 VDp metros 7 · 8 · 9 4 5 6 7 8 9 10 11 13 15

0·1·2·3·4 3 3 4 5 5 6 8 9 0·1·2·3·4 3 4 5 5 6 7 8 8 10 11

Variação Vdmp 2 2 2,5 3 3,5 4 5 6 Variação VDmp 2 2,5 3 3,5 4 5 5 6 7 8

Desvio da 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Variação da
largura ∆Bs –40 –80 –120 –120 –150 –200 –250 –300 –350 –400 –450 –500 –750 largura VCs 2,5 2,5 2,5 3 4 5 5 7 7 8 9 10 12 15 20 25

Variação da Desvio radial Kea 3 4 5 5 6 7 8 10 11 13 14 17 20 25 30 40


largura VBs 2,5 2,5 2,5 3 4 4 5 6 7 8 9 10 15
Variação da
Desvio radial Kia 2,5 2,5 3 4 4 5 6 8 8 10 10 12 15 inclinaçãp SD 4 4 4 4 5 5 5 7 8 10 10 12 14 20 25 30

Desvio lateral Sd 3 3 4 4 5 5 6 7 7 8 9 10 15 Desvio axial Sea 5 5 5 5 6 7 8 10 10 13 15 18 22 28 35 45

Desvio axial Sia 3 3 4 4 5 5 7 8 10 12 13 15 20


As tolerâncias de largura ∆Cs é idêntica à ∆Bs para o respectivo anel interno.
Os desvios axiais Sea valem para os rolamentos de esferas (exceto os autocompensadores de
As tolerâncias axiais Sia valem para os rolamentos de esferas (exceto os autocompensadores de esferas).
esferas)
*) Estes valores ∆ds e ∆Ds valem só para a série de diâmetros 0 – 1 – 2 – 3 – 4.
Para as tolerâncias de largura ∆Bs para rolamentos de contato angular da execução universal
vide à página 181.

FAG 58 59 FAG
Características dos rolamentos
Tolerâncias

Tolerâncias dos rolamentos para fusos

Anel interno Anel externo

Medidas em mm Medidas em mm
Diâmetro
Diâmetro nominal de 10 18 30 50 80 120 150 180 externo de 18 30 50 80 120 150 180 250 315
do furo até 10 18 30 50 80 120 150 180 250 nominal até 30 50 80 120 150 180 250 315 400

Classe de tolerância P4S Classe de tolerância P4S


Tolerâncias em µm Tolerâncias em µm

Desvio ∆dmp 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Desvio ∆Dmp 0 0 0 0 0 0 0 0 0


–4 –4 –5 –6 –7 –8 –10 –10 –12 –5 –6 –7 –8 –9 –10 –11 –13 –15

Desvio da 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Variação da
largura ∆Bs –40 –80 –120 –120 –150 –200 –250 –250 –300 largura VCs 2,5 2,5 3 4 5 5 7 7 8

Variação da Desvio radial Kea 2,5 2,5 4 5 5 5 7 7 8


largura VBs 2,5 2,5 2,5 3 4 4 5 5 6

Desvio lateral SD 1,5 1,5 1,5 2,5 2,5 2,5 4 5 7


Desvio radial Kia 1,5 1,5 2,5 2,5 2,5 2,5 2,5 5 5

Desvio axial Sea 2,5 2,5 4 5 5 5 7 7 8


Desvio lateral Sd 1,5 1,5 1,5 1,5 1,5 2,5 2,5 4 5

Desvio axial Sia 1,5 1,5 2,5 2,5 2,5 2,5 2,5 5 5

As tolerâncias de largura ∆Bs para os rolamentos para fusos, vide à página 202. A tolerância de largura ∆Cs é idêntica a ∆Bs do respectivo anel interno.

FAG 60 61 FAG
Características dos rolamentos
Tolerâncias

Tolerâncias dos rolamentos radiais (exceto os de rolos cônicos)

Anel interno Anel externo


Medidas em mm Medidas em mm
Diâmetro
Diâmetro nominal de 18 30 50 80 120 180 250 315 400 500 630 800 1000 externo de 30 50 80 120 150 180 250 315 400 500 630 800 1000 1250
do furo até 30 50 80 120 180 250 315 400 500 630 800 1000 1250 nominal até 50 80 120 150 180 250 315 400 500 630 800 1000 1250 1600

Classe de tolerância SP (rolamentos com duas carreiras de rolos cilíndricos) Classe de tolerância SP (rolamentos com duas carreiras de rolos cilíndricos)
Tolerâncias em µm Tolerâncias em µm

Furo cilíndrico, 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Desvio ∆Dmp, ∆Ds 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0


desvio ∆dmp, ∆ds –6 –8 –9 –10 –13 –15 –18 –23 –27 –30 –40 –50 –65 –7 –9 –10 –11 –13 –15 –18 –20 –23 –28 –35 –40 –50 –65

Variação Vdp 3 4 5 5 7 8 9 12 14 Variação VDp 4 5 5 6 7 8 9 10 12 14 18

Furo cônico, +10 +12 +15 +20 +25 +30 +35 +40 +45 +50 +65 +75 +90 Desvio radial Kea 5 5 6 7 8 10 11 13 15 17 20 25 30 30
desvio ∆ds 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
Variação da
Variação da Vdp 3 4 5 5 7 8 9 12 14 inclinação SD 8 8 9 10 10 11 13 13 15 18 20 30 40 50
inclinação
Desvio ∆d1mp-∆dmp +4 +6 +6 +8 +8 +10 +12 +12 +14 Desvio axial Sea 8 10 11 13 14 15 18 20 23 25 30 40 55 70
0 0 0 0 0 0 0 0 0

Desvio da 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 As tolerâncias de largura ∆Cs e VCs são idênticas a ∆Bs e VBs para o respectivo
largura ∆Bs –100 –120 –150 –200 –250 –300 –350 –400 –450 –500 –750 –1000 –1250 anel interno.

Variação da
largura VBs 5 5 6 7 8 10 13 15 17 20 30 33 40

Desvio radial Kia 3 4 4 5 6 8 8 10 10 12 15 17 20

Desvio lateral Sd 8 8 8 9 10 11 13 15 17 20 23 30 40

Desvio axial Sia 8 8 8 9 10 13 15 20 23 25 30 40 50

Classe de tolerância UP (rolamentos com duas carreiras de rolos cilíndricos) Classe de tolerância UP (rolamentos com duas carreiras de rolos cilíndricos)
Furo cilíndrico, 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Desvio ∆Dmp,∆Ds 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
desvio ∆dmp, ∆ds –5 –6 –7 –8 –10 –12 –15 –19 –23 –26 –34 –40 –55 –5 –6 –7 –8 –9 –10 –12 –14 –17 –20 –25 –30 –36 –48

Variação Vdp 2,5 3 3,5 4 5 6 8 10 12 Variação VDp 3 3 4 4 5 5 6 7 9 10 13

Furo cônico, +6 +7 +8 +10 +12 +14 +15 +17 +19 +20 +22 +25 +30 Desvio radial Kea 3 3 3 4 4 5 6 7 8 9 11 12 15 19
desvio ∆ds 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
Variação da
Variação da Vdp 2,5 3 3,5 4 5 6 8 10 12 inclinação SD 2 2 3 3 3 4 4 5 5 6 7 10 12 15
inclinação
Desvio ∆d1mp-∆dmp +2 +3 +3 +4 +4 +5 +6 +6 +7 Desvio axial Sea 4 4 5 6 7 9 9 12 12 14 17 21 26 34
0 0 0 0 0 0 0 0 0

Desvio da 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 As tolerâncias de largura ∆Cs e VCs são idênticas a ∆Bs e VBs para o respectivo
largura ∆Bs –25 –30 –40 –50 –60 –75 –100 –100 –100 –125 –125 –125 –125 anel interno.

Variação da
largura VBs 1,5 2 3 3 4 5 5 6 7 8 11 12 15

Desvio radial Kia 1,5 2 2 3 3 4 4 5 5 6 7 9 10

Desvio lateral Sd 3 3 4 4 5 6 6 7 8 9 11 12 15

Desvio axial Sia 3 3 3 4 6 7 8 9 10 12 18 19 23

FAG 62 63 FAG
Características dos rolamentos
Tolerâncias

Tolerâncias dos rolamentos cônicos com medidas métricas

Anel interno Anel externo


Medidas em mm Medidas em mm
Diâmetro
Diâmetro nominal de 10 18 30 50 80 120 180 250 315 400 500 630 800 externo de 18 30 50 80 120 150 180 250 315 400 500 630 800 1000 1250
do furo até 18 30 50 80 120 180 250 315 400 500 630 800 1000 nominal até 30 50 80 120 150 180 250 315 400 500 630 800 1000 1250 1600

Classe de tolerância PN (tolerância normal) Classe de tolerância PN (tolerância normal)


Tolerâncias em µm Tolerâncias em µm

Desvio ∆dmp 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Desvio ∆Dmp 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0


–12 –12 –12 –15 –20 –25 –30 –35 –40 –45 –50 –75 –100 –12 –14 –16 –18 –20 –25 –30 –35 –40 –45 –50 –75 –100 –125 –160

Variação Vdp 12 12 12 15 20 25 30 35 40 45 50 75 100 Variação VDp 12 14 16 18 20 25 30 35 40 45 50 75 100 125 160

Vdmp 9 9 9 11 15 19 23 26 30 VDmp 9 11 12 14 15 19 23 26 30 34 38

Desvio de 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Desvio da
largura ∆Bs –120 –120 –120 –150 –200 –250 –300 –350 –400 –450 –500 –750 –1000 largura ∆Cs A tolerância de largura ∆Cs é idêntica a ∆Bs do respectivo anel interno.

Desvio radial Kia 15 18 20 25 30 35 50 60 70 70 85 100 120 Desvio radial Kea 18 20 25 35 40 45 50 60 70 80 100 120 120 120 120

Desvio de +200 +200 +200 +200 +200 +350 +350 +350 +400 +400 +500 +600 +750
largura ∆Ts 0 0 0 0 –200 –250 –250 –250 –400 –400 –500 –600 –750

∆T1s +100 +100 +100 +100 +100 +150 +150 +150 +200
0 0 0 0 –100 –150 –150 –150 –200

∆T2s +100 +100 +100 +100 +100 +200 +200 +200 +200
0 0 0 0 –100 –100 –100 –100 –200

Classe de tolerância P6X Classe de tolerância P6X


Desvio ∆dmp 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Desvio ∆Dmp 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
–12 –12 –12 –15 –20 –25 –30 –35 –40 –12 –14 –16 –18 –20 –25 –30 –35 –40 –45 –50

Variação Vdp 12 12 12 15 20 25 30 35 40 Variação VDp 12 14 16 18 20 25 30 35 40 45 50

Vdmp 9 9 9 11 15 19 23 26 30 VDmp 9 11 12 14 15 19 23 26 30 34 38

Desvio de 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Desvio da 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
largura ∆Bs –50 –50 –50 –50 –50 –50 –50 –50 –50 largura ∆Cs –100 –100 –100 –100 –100 –100 –100 –100 –100 –100 –100

Desvio radial Kia 15 18 20 25 30 35 50 60 70 Desvio radial Kea 18 20 25 35 40 45 50 60 70 80 100

Variação da +100 +100 +100 +100 +100 +150 +150 +200 +200
largura ∆Ts 0 0 0 0 0 0 0 0 0

∆T1s +50 +50 +50 +50 +50 +50 +50 +100 +100
0 0 0 0 0 0 0 0 0

∆T2s +50 +50 +50 +50 +50 +100 +100 +100 +100
0 0 0 0 0 0 0 0 0

Rolamentos sem flange das séries 320X, 329, 330, 331, 332 (d  200 mm)
têm tolerância P6X.

FAG 64 65 FAG
Características dos rolamentos
Tolerâncias

Tolerâncias dos rolamentos cônicos com medidas métricas

Anel interno Anel externo


Medidas em mm Medidas em mm
Diâmetro
Diâmetro nominal de 10 18 30 50 80 120 180 250 315 400 500 630 externo de 18 30 50 80 120 150 180 250 315 400 500 630 800
do furo até 18 30 50 80 120 180 250 315 400 500 630 800 nominal até 30 50 80 120 150 180 250 315 400 500 630 800 1000

Classe de tolerância P5 Classe de tolerância P5


Tolerâncias em µm Tolerâncias em µm

Desvio ∆dmp 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Desvio ∆Dmp 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0


–7 –8 –10 –12 –15 –18 –22 –25 –30 –35 –40 –75 –8 –9 –11 –13 –15 –18 –20 –25 –28 –33 –38 –45 –60

Variação Vdp 5 6 8 9 11 14 17 Variação VDp 6 7 8 10 11 14 15 19 22

Vdmp 5 5 5 6 8 9 11 VDmp 5 5 6 7 8 9 10 13 14

Desvio da 0 0 0 0 0 0 0 Desvio da
largura ∆Bs –200 –200 –240 –300 –400 –500 –600 largura ∆Cs A tolerância de largura ∆Cs é idêntica a ∆Bs do respectivo anel interno.

Desvio radial Kia 5 5 6 7 8 11 13 Desvio radial Kea 6 7 8 10 11 13 15 18 20 23 25 30 35

Desvio lateral Sd 7 8 8 8 9 10 11 13 15 17 20 30 Variação da


inclinação SD 8 8 8 9 10 10 11 13 13 15 18 20 30
Desvio da +200 +200 +200 +200 +200 +350 +350 +350 +400 +400 +500 +600
largura ∆Ts –200 –200 –200 –200 –200 –250 –250 –250 –400 –400 –500 –600

Classe de tolerância P4 Classe de tolerância P4


Desvio ∆dmp, ∆ds 0 0 0 0 0 0 0 Desvio ∆Dmp, ∆Ds 0 0 0 0 0 0 0 0 0
–5 –6 –8 –9 –10 –13 –15 –6 –7 –9 –10 –11 –13 –15 –18 –20

Variação Vdp 4 5 6 7 8 10 11 Variação VDp 5 5 7 8 8 10 11 14 15

Vdmp 4 4 5 5 5 7 8 VDmp 4 5 5 5 6 7 8 9 10

Desvio da 0 0 0 0 0 0 0 Desvio da
largura ∆Bs –200 –200 –240 –300 –400 –500 –600 largura ∆Cs A tolerância de largura ∆Cs é idêntica a ∆Bs do respectivo anel interno.

Desvio radial Kia 3 3 4 4 5 6 8 Desvio radial Kea 4 5 5 6 7 8 10 11 13

Desvio lateral Sd 3 4 4 5 5 6 7 Variação da


inclinação SD 4 4 4 5 5 5 7 8 10
Desvio axial Sia 3 4 4 4 5 7 8
Desvio axial Sea 5 5 5 6 7 8 10 10 13
Desvio da +200 +200 +200 +200 +200 +350 +350
largura ∆Ts –200 –200 –200 –200 –200 –250 –250

FAG 66 67 FAG
Características dos rolamentos
Tolerâncias

Tolerâncias dos rolamentos cônicos com medidas em polegadas

Anel interno Anel externo


Medidas em mm Medidas em mm
Diâmetro
Diâmetro nominal de 81 102 127 305 508 610 915 1220 externo de 305 610 915 1220
do furo até 81 102 127 305 508 610 915 1220 nominal até 305 610 915 1220

Tolerância normal Classe de tolerância normal


Tolerâncias em µm Tolerâncias em µm

Desvio ∆dmp +13 +25 +25 +25 +50 +50 +75 +100 +125 Desvio ∆Dmp +25 +50 +75 +100 +125
0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Desvio da largura com Desvio radial Kea Tolerância normal dos rolamentos de rolos cônicos com medidas métricas
medidas métricas ∆Bs Tolerância normal dos rolamentos de rolos cônicos com medidas métricas

Desvio radial Kia Tolerância normal dos rolamentos de rolos cônicos com medidas métricas

Desvio da largura dos


rolamentos de +200 +200 +350 +350 +375 +375 +375 +375 +375
uma carreira ∆Ts 0 0 –250 –250 –375 –375 –375 –375 –375

Medidas em mm Medidas em mm
Diâmetro
Diâmetro nominal de 150 250 315 500 externo de 150 250 315 500 630
do furo até 150 250 315 500 710 nominal até 150 250 315 500 630 900

Tolerância Q3 Classe de tolerância Q3


Tolerâncias em µm Tolerâncias em µm

Desvio ∆dmp +11 +13 +13 +20 +25 Desvio ∆Dmp +11 +13 +13 +20 +25 +38
0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Desvio da 0 0 0 0 0 Variação da
largura ∆Bs –250 –300 –350 –400 –600 largura VCs 2 3 5 7 10 20

Variação da Desvio radial Kea 4 4 4 7 9 18


largura VBs 2 3 5 7 10
Variação da
Desvio radial Kia 4 4 4 7 9 inclinação SD 4 6 7 8 10 20

Desvio lateral Sd 4 6 7 8 10

Desvio axial Sia 4 6 8 10 13

Desvio da largura dos


rolamentos de +200 +200 +200 +200 +380
uma carreira ∆Ts –200 –200 –200 –200 –380

FAG 68 69 FAG
Características dos rolamentos
Tolerâncias

Tolerâncias dos rolamentos axiais

Anel de eixo Anel de caixa


Medidas em mm Medidas em mm
Diâmetro Diâmetro
nominal de 18 30 50 80 120 180 250 315 400 500 630 800 1000 externo de 18 30 50 80 120 180 250 315 400 500 630 800 1000 1250
do furo até 18 30 50 80 120 180 250 315 400 500 630 800 1000 1250 nominal até 30 50 80 120 180 250 315 400 500 630 800 1000 1250 1600

Classe de tolerância PN (tolerância normal) Classe de tolerância PN (tolerância normal)


Tolerâncias em µm Tolerâncias em µm

Desvio ∆dmp 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Desvio ∆Dmp 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0


–8 –10 –12 –15 –20 –25 –30 –35 –40 –45 –50 –75 –100 –125 –13 –16 –19 –22 –25 –30 –35 –40 –45 –50 –75 –100 –125 –160

Variação Vdp 6 8 9 11 15 19 23 26 30 34 38 Variação VDp 10 12 14 17 19 23 26 30 34 38 55 75

Variação da Si 10 10 10 10 15 15 20 25 30 30 35 40 45 50 Variação da
espessura espessura Se a variação da espessura Se para o anel de caixa é idêntica a Si para o anel de eixo.

Desvio do anel +70 +70 +85 +100 +120 +140 +140 +160 +180 +180 Desvio do anel 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
de apoio ∆du 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 de apoio ∆Du –30 –35 –45 –60 –75 –90 –105 –120 –135 –180

Classe de tolerância P6 Classe de tolerância P6


Desvio ∆dmp 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Desvio ∆Dmp 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
–8 –10 –12 –15 –20 –25 –30 –35 –40 –45 –50 –75 –100 –125 –13 –16 –19 –22 –25 –30 –35 –40 –45 –50 –75 –100 –125 –160

Variação Vdp 6 8 9 11 15 19 23 26 30 34 38 Variação VDp 10 12 14 17 19 23 26 30 34 38 55 75

Variação da Si 5 5 6 7 8 9 10 13 15 18 21 25 30 35 Variação da
espessura espessura Se a variação da espessura Se para o anel de caixa é idêntica a Si para o anel de eixo.

Classe de tolerância P5 Classe de tolerância P5


Desvio ∆dmp 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Desvio ∆Dmp 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
–8 –10 –12 –15 –20 –25 –30 –35 –40 –45 –50 –75 –100 –125 –13 –16 –19 –22 –25 –30 –35 –40 –45 –50 –75 –100 –125 –160

Variação Vdp 6 8 9 11 15 19 23 26 30 34 38 Variação VDp 10 12 14 17 19 23 26 30 34 38 55 75

Variação da Si 3 3 3 4 4 5 5 7 7 9 11 13 15 18 Variação da
espessura espessura Se a variação da espessura Se para o anel de caixa é idêntica a Si para o anel de eixo.

Classe de tolerância P4 Classe de tolerância P4


Desvio ∆dmp 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Desvio ∆Dmp 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
–7 –8 –10 –12 –15 –18 –22 –25 –30 –35 –40 –50 –70 –100 –8 –9 –11 –13 –15 –20 –25 –28 –33 –38 –45 –70 –90 –125

Variação Vdp 5 6 8 9 11 14 17 19 23 26 30 Variação VDp 6 7 8 10 11 15 19 21 25 29 34

Variação da Si 2 2 2 3 3 4 4 5 5 6 7 8 8 9 Variação da
espessura espessura Se a variação da espessura Se para o anel de caixa é idêntica a Si para o anel de eixo.

Classe de tolerância SP (Rolamentos axiais de contato angular de esferas, séries 2344 e 2347) Classe de tolerância SP (Rolamentos axiais de contato angular de esferas, séries 2344 e 2347)
Desvio ∆dmp 0 0 0 0 0 0 0 0 Desvio ∆Dmp –24 –28 –33 –37 –41 –46 –50 –55
–8 –10 –12 –15 –18 –22 –25 –30 –43 –50 –58 –66 –73 –82 –90 –99

Variação Vdp 6 8 9 11 14 17 Variação VDp 6 8 9 10 12

Variação da Si 3 3 4 4 5 5 7 7 Variação da
espessura espessura Se a variação da espessura Se para o anel de caixa é idêntica a Si para o anel de eixo.

Variação da +50 +75 +100 +125 +150 +175 +200 +250


altura ∆Hs –150 –200 –250 –300 –350 –400 –450 –600

FAG 70 71 FAG
Características dos rolamentos
Tolerâncias

Altura dos rolamentos axiais Altura dos rolamentos axiais


Medidas em mm
Diâmetro
nominal de 30 50 80 120 180 250 315 400 500 630 800 1000
do furo até 30 50 80 120 180 250 315 400 500 630 800 1000 1250
H3
Classes de tolerância PN . . . P4
H H
Tolerâncias em µm

Rolamento axial de esferas Rolamento axial de rolos Rolamento axial de rolos Desvio ∆Hs +20 +20 +20 +25 +25 +30 +40 +40 +50 +60 +70 +80 +100
de escora dupla, cilíndricos –250 –250 –300 –300 –400 –400 –400 –500 –500 –600 –750 –1000 –1400
com contraplacas
∆H1s +100 +100 +100 +150 +150 +150 +200 +200 +300 +350 +400 +450 +500
–250 –250 –300 –300 –400 –400 –400 –500 –500 –600 –750 –1000 –1400

∆H2s +150 +150 +150 +200 +200 +250 +350 +350 +400 +500 +600 +700 +900
–400 –400 –500 –500 –600 –600 –700 –700 –900 –1100 –1300 –1500 –1800

∆H3s +300 +300 +300 +400 +400 +500 +600 +600 +750 +900 +1100 +1300 +1600
H1 H2 –400 –400 –500 –500 –600 –600 –700 –700 –900 –1100 –1300 –1500 –1800

∆H4s +20 +20 +20 +25 +25 +30 +40 +40 +50 +60 +70 +80 +100
–300 –300 –400 –400 –500 –500 –700 –700 –900 –1200 –1400 –1800 –2400
Rolamento axial de esferas Rolamento axial de rolos
com contraplaca de escora dupla

H2
H4

Rolamento axial de esferas Rolamento axial


de escora dupla autocompensador de rolos

FAG 72 73 FAG
Características dos rolamentos Características dos rolamentos
Folga dos rolamentos Folga dos rolamentos

Folga dos rolamentos A folga do rolamento não montado e a folga do Redução da folga radial causada por diferenças
A folga é a medida pela qual um anel do rola- em sentido radial (folga radial) ou axial (folga mesmo montado, na temperatura de serviço são de temperatura
mento pode ser deslocado, em relação ao outro, axial). diferentes (folga ou “jogo” em serviço). Para que A redução da folga radial ∆Grt devida as diferenças
o eixo seja guiado com precisão, a folga em ser- de temperatura ∆t [K] corresponde em apoios não
viço deve ser a menor possível. ajustados, a aproximadamente:
▼ Interdependência entre as folgas radial e axial ▼ Folga dos rolamentos A folga do rolamento montado é diminuída, na
nos rolamentos fixos de esferas Ga = folga axial, Gr = folga radial montagem, pelos ajustes interferentes dos anéis.
Esta deve ser, portanto, maior que a folga em ∆Grt = ∆t · α · (d + D)/2 [mm],
80
Gr serviço. Além disto, a folga radial em serviço
60 normalmente é menor, quando o anel interno se
50 onde:
aquece mais do que o externo, como acontece
40 1 Ga
geralmente. α = 0,000011 K–1 coeficiente linear de dilatação
30 2 do aço
A Norma DIN 620 determina valores para a d = furo do rolamento [mm]
20 5 folga radial dos rolamentos. A folga radial normal D = diâmetro externo do rolamento [mm]
10
(grupo de folgas CN) foi determinada de maneira
que, com ajustes normais e condições normais de Pode-se contar com uma modificação maior da
20 µ
m
Ga 10
serviço, possa ser garantida uma folga em serviço folga radial se houver uma adução ou uma
Gr=
Gr 8 apropriada. Considera-se como ajustes normais supressão de calor ao mancal. A folga radial dimi-
50 nui quando for aduzido calor através do eixo ou
6
5 100 suprimido através da caixa. Uma folga radial
4 maior é decorrente da adução de calor pela caixa
200
3 Eixo Caixa ou pela supressão de calor pelo eixo. Acelerar
2 Rolamento de esferas j5...k5 H7...J7 rapidamente até a rotação de serviço causa dife-
10 renças maiores de temperatura entre os anéis do
Rolamento de rolos k5...m5 H7...M7 rolamento, do que durante o estado de per-
manência. Para que os rolamentos não sejam ten-
20 sionados devem ser acelerado devagar ou então
30
Condições de montagem e de serviço diferentes, escolhida uma folga radial maior do que seria
d p.ex. ajustes com interferência para os dois anéis necessária teoricamente para o rolamento em
40 ou uma diferença de temperatura > 10 K, exigem temperatura de serviço.
50
60 grupos de folga maiores. O grupo de folga ade-
80
▼ Em alguns tipos de rolamentos, a folga radial e a axial
quado a cada caso é fixado baseado nas caracterís-
100 são interdependentes. ticas dos ajustes.
Série do rolamento 160 60 62 63 64
mm Os sufixos para os grupos de folga conforme
Tipo Ga/Gr DIN 620 são:
200 De contato angular de uma C2 folga radial menor que a normal (CN) Redução da folga radial por ajustes interferentes
carreira de esferas, das séries 1,2 Por aproximação, a expansão da pista do anel
d = furo do rolamento [mm] 72B e 73B e ajustados aos pares C3 folga radial maior que a normal (CN)
Gr = folga radial [µm] interno pode ser assumida em 80% da sobreme-
Ga = folga axial [µm] de quatro pistas 1,4 C4 folga radial maior que C3 dida de ajuste e a contração da pista do anel
de contato angular de duas carreiras Para os tipos de construção mais importantes, as externo com 70% desta sobremedida, (desde que
de esferas, das séries 32 e 33 1,4 folgas dos rolamentos em estado não montado, o eixo seja de aço inteiriço, e as paredes da caixa
séries 32B e 33B 2
Exemplo: constam nas tabelas às páginas 76 a 82. As tabelas de aço de espessura normal). Para cálculos mais
Rolamento fixo de esferas 6008.C3 com d = 40 mm autocompensadores de esferas 2,3 · Y0*) também contêm valores que vão além da faixa precisos há programas de computador disponíveis
Folga radial antes de montado: de 15 a 33 µm
Folga radial efetiva: Gr = 24 µm de rolos cônicos de
fixada pela Norma DIN 620, parte 4 (edição (vide o capítulo Programa de Serviços FAG, às
uma carreira 4,6 · Y0*) 08.87). páginas 685 e seguintes).
Tolerâncias de montagem: eixo k5
caixa J6 de rolamentos cônicos, ajustados
redução da folga radial ao montar: 14 µm aos pares (N11CA) 2,3 · Y0*)
folga radial depois de montado: 24 µm – 14 µm = 10 µm
autocompensadores de rolos 2,3 · Y0*)
do diagrama resulta Ga/Gr = 13

folga axial: Ga = 13 · 10 µm = 130 µm *) valor Y0 das tabelas

FAG 74 75 FAG
Características dos rolamentos
Folga dos rolamentos

Folga radial dos rolamentos fixos de esferas FAG com furo cilíndrico
Medidas em mm
Diâmetro nominal
do furo de 2,5 6 10 18 24 30 40 50 65 80 100 120 140 160 180 200 225 250 280 315 355 400 450 500 560 630 710 800 900 1000 1120 1250 1400
do rolamento até 6 10 18 24 30 40 50 65 80 100 120 140 160 180 200 225 250 280 315 355 400 450 500 560 630 710 800 900 1000 1120 1250 1400 1600

Folga em µm

Classe de folga min 0 0 0 0 1 1 1 1 1 1 2 2 2 2 2 4 4 4 8 8 8 10 10 20 20 30 30 30 40 40 40 60 60


C2 max 7 7 9 10 11 11 11 15 15 18 20 23 23 25 30 32 36 39 45 50 60 70 80 90 100 120 130 150 160 170 180 210 230

Classe de folga min 2 2 3 5 5 6 6 8 10 12 15 18 18 20 25 28 31 36 42 50 60 70 80 90 100 120 130 150 160 170 180 210 230
CN (normal) max 13 13 18 20 20 20 23 28 30 36 41 48 53 61 71 82 92 97 110 120 140 160 180 200 220 250 280 310 340 370 400 440 480

Classe de folga min 8 8 11 13 13 15 18 23 25 30 36 41 46 53 63 73 87 97 110 120 140 160 180 200 220 250 280 310 340 370 400 440 480
C3 max 23 23 25 28 28 33 36 43 51 58 66 81 91 102 117 132 152 162 180 200 230 260 290 320 350 390 440 490 540 590 640 700 770

Classe de folga min 14 18 20 23 28 30 38 46 53 61 71 81 91 107 120 140 152 175 200 230 260 290 320 350 390 440 490 540 590 640 700 770
C4 max 29 33 36 41 46 51 61 71 84 97 114 130 147 163 187 217 237 260 290 330 370 410 460 510 560 620 690 760 840 910 1000 1100

Folga radial dos rolamentos autocompensadores de esferas Folga axial dos rolamentos de contato angular de esferas das séries 32, 32B, 33, 33B
Medidas em mm Medidas em mm
Diâmetro nominal Diâmetro nominal
do furo de 6 10 14 18 24 30 40 50 65 80 100 120 140 do furo de 6 10 18 24 30 40 50 65 80 100 120
do rolamento até 6 10 14 18 24 30 40 50 65 80 100 120 140 160 do rolamento até 10 18 24 30 40 50 65 80 100 120 140

com furo cilíndrico Folga em µm

Folga em µm Classe de folga min 1 1 2 2 2 2 3 3 3 4 4


C2 max 11 12 14 15 16 18 22 24 26 30 34
Classe de folga min 1 2 2 3 4 5 6 6 7 8 9 10 10 15
C2 max 8 9 10 12 14 16 18 19 21 24 27 31 38 44 Classe de folga min 5 6 7 8 9 11 13 15 18 22 25
CN (normal) max 21 23 25 27 29 33 36 40 46 53 59
Classe de folga min 5 6 6 8 10 11 13 14 16 18 22 25 30 35
CN (normal) max 15 17 19 21 23 24 29 31 36 40 48 56 68 80 Classe de folga min 12 13 16 18 21 23 26 30 35 42 48
C3 max 28 31 34 37 40 44 48 54 63 73 82
Classe de folga min 10 12 13 15 17 19 23 25 30 35 42 50 60 70
C3 max 20 25 26 28 30 35 40 44 50 60 70 83 100 120 Classe de folga min 25 27 28 30 33 36 40 46 55 65 74
C4 max 45 47 48 50 54 58 63 71 83 96 108
Classe de folga min 15 19 21 23 25 29 34 37 45 54 64 75 90 110
C4 max 25 33 35 37 39 46 53 57 69 83 96 114 135 161

com furo cônico


Folga em µm Folga axial dos rolamentos de contato angular de esferas da série 33DA
Classe de folga min 7 9 12 14 18 23 29 35 40 45 Folga em µm
C2 max 17 20 24 27 32 39 47 56 68 74
Classe de folga min 5 6 7 8 9 11 13 15 18 22 25
Classe de folga min 13 15 19 22 27 35 42 50 60 65 C2 max 22 24 25 27 29 33 36 40 46 53 59
CN (normal) max 26 28 35 39 47 57 68 81 98 110
Classe de folga min 11 13 14 16 18 22 25 29 35 42 48
Classe de folga min 20 23 29 33 41 50 62 75 90 100 CN (normal) max 28 31 32 35 38 44 48 54 63 73 82
C3 max 33 39 46 52 61 75 90 108 130 150
Classe de folga min 20 23 24 27 30 36 40 46 55 65 74
Classe de folga min 28 33 40 45 56 69 84 100 120 140 C3 max 37 41 42 46 50 58 63 71 83 96 108
C4 max 42 50 59 65 80 98 116 139 165 191

FAG 76 77 FAG
Características dos rolamentos
Folga dos rolamentos

Folga axial dos rolamentos de quatro pistas


Medidas em mm
Diâmetro nominal
do furo de 18 40 60 80 100 140 180 220 260 300 355 400 450 500 560 630 710 800 900
do rolamento até 18 40 60 80 100 140 180 220 260 300 355 400 450 500 560 630 710 800 900 1000

Folga em µm

Classe de folga min 20 30 40 50 60 70 80 100 120 140 160 180 200 220 240 260 280 300 330 360
C2 max 60 70 90 100 120 140 160 180 200 220 240 270 290 310 330 360 390 420 460 500

Classe de folga min 50 60 80 90 100 120 140 160 180 200 220 250 270 290 310 340 370 400 440 480
CN (normal) max 90 110 130 140 160 180 200 220 240 280 300 330 360 390 420 450 490 540 590 630

Classe de folga min 80 100 120 130 140 160 180 200 220 260 280 310 340 370 400 430 470 520 570 620
C3 max 120 150 170 180 200 220 240 260 300 340 360 390 430 470 510 550 590 660 730 780

Folga radial dos rolamentos de rolos cilíndricos de uma e de duas carreiras


Medidas em mm
Diâmetro nominal
do furo de 24 30 40 50 65 80 100 120 140 160 180 200 225 250 280 315 355 400 450 500 560 630 710 800 900 1000 1120 1250 1400 1600 1800
do rolamento até 24 30 40 50 65 80 100 120 140 160 180 200 225 250 280 315 355 400 450 500 560 630 710 800 900 1000 1120 1250 1400 1600 1800 2000

com furo cilíndrico


Folga em µm

Classe de folga min 5 5 5 5 5 10 10 10 10 10 10 15 15 15 20 20 20 25 25 25 25 30 30 35 35 35 50 60 60 70 80 100


C1NA1) max 15 15 15 18 20 25 30 30 35 35 40 45 50 50 55 60 65 75 85 95 100 110 130 140 160 180 200 220 240 270 300 320

Classe de folga min 0 0 5 5 10 10 15 15 15 20 25 35 45 45 55 55 65 100 110 110 120 140 145 150 180 200 220 230 270 330 380 400
C2 max 25 25 30 35 40 45 50 55 60 70 75 90 105 110 125 130 145 190 210 220 240 260 285 310 350 390 430 470 530 610 700 760

Classe de folga min 20 20 25 30 40 40 50 50 60 70 75 90 105 110 125 130 145 190 210 220 240 260 285 310 350 390 430 470 530 610 700 760
CN (normal) max 45 45 50 60 70 75 85 90 105 120 125 145 165 175 195 205 225 280 310 330 360 380 425 470 520 580 640 710 790 890 1020 1120

Classe de folga min 35 35 45 50 60 65 75 85 100 115 120 140 160 170 190 200 225 280 310 330 360 380 425 470 520 580 640 710 790 890 1020 1120
C3 max 60 60 70 80 90 100 110 125 145 165 170 195 220 235 260 275 305 370 410 440 480 500 565 630 690 770 850 950 1050 1170 1340 1480

Classe de folga min 50 50 60 70 80 90 105 125 145 165 170 195 220 235 260 275 305 370 410 440 480 500 565 630 690 770 850 950 1050 1170 1340 1480
C4 max 75 75 85 100 110 125 140 165 190 215 220 250 280 300 330 350 385 460 510 550 600 620 705 790 860 960 1060 1190 1310 1450 1660 1840

com furo cônico


Folga em µm

Classe de folga min 10 15 15 17 20 25 35 40 45 50 55 60 60 65 75 80 90 100 110 120 130 140 160 170 190 210 230 250 270 300 320 340
C1NA1) max 20 25 25 30 35 40 55 60 70 75 85 90 95 100 110 120 135 150 170 190 210 230 260 290 330 360 400 440 460 500 530 560

Classe de folga min 15 20 20 25 30 35 40 50 55 60 75 85 95 105 115 130 145 165 185 205 230 260 295 325 370 410 455 490 550 640 700 760
C2 max 40 45 45 55 60 70 75 90 100 110 125 140 155 170 185 205 225 255 285 315 350 380 435 485 540 600 665 730 810 920 1020 1120

Classe de folga min 30 35 40 45 50 60 70 90 100 110 125 140 155 170 185 205 225 255 285 315 350 380 435 485 540 600 665 730 810 920 1020 1120
CN (normal) max 55 60 65 75 80 95 105 130 145 160 175 195 215 235 255 280 305 345 385 425 470 500 575 645 710 790 875 970 1070 1200 1340 1480

Classe de folga min 40 45 55 60 70 85 95 115 130 145 160 180 200 220 240 265 290 330 370 410 455 500 565 630 700 780 865 960 1070 1200 1340 1480
C3 max 65 70 80 90 100 120 130 155 175 195 210 235 260 285 310 340 370 420 470 520 575 620 705 790 870 970 1075 1200 1330 1480 1660 1840

Classe de folga min 50 55 70 75 90 110 120 140 160 180 195 220 245 270 295 325 355 405 455 505 560 620 695 775 860 960 1065 1200 1330 1480 1660 1840
C4 max 75 80 95 105 120 145 155 180 205 230 245 275 305 335 365 400 435 495 555 615 680 740 835 935 1030 1150 1275 1440 1590 1760 1980 2200

1
) A folga C1NA têm os rolamentos de rolos cilíndricos de uma e de duas carreiras das classes de tolerância SP e UP.

FAG 78 79 FAG
Características dos rolamentos
Folga dos rolamentos

Folga radial dos rolamentos autocompensadores de rolos


Medidas em mm
Diâmetro nominal
do furo de 18 24 30 40 50 65 80 100 120 140 160 180 200 225 250 280 315 355 400 450 500 560 630 710 800 900 1000 1120 1250 1400
do rolamento até 24 30 40 50 65 80 100 120 140 160 180 200 225 250 280 315 355 400 450 500 560 630 710 800 900 1000 1120 1250 1400 1600

com furo cilíndrico


Folga em µm

Classe de folga min 10 15 15 20 20 30 35 40 50 60 65 70 80 90 100 110 120 130 140 140 150 170 190 210 230 260 290 320 350 380
C2 max 20 25 30 35 40 50 60 75 95 110 120 130 140 150 170 190 200 220 240 260 280 310 350 390 430 480 530 580 630 700

Classe de folga min 20 25 30 35 40 50 60 75 95 110 120 130 140 150 170 190 200 220 240 260 280 310 350 390 430 480 530 580 630 700
CN (normal) max 35 40 45 55 65 80 100 120 145 170 180 200 220 240 260 280 310 340 370 410 440 480 530 580 650 710 770 840 910 1020

Classe de folga min 35 40 45 55 65 80 100 120 145 170 180 200 220 240 260 280 310 340 370 410 440 480 530 580 650 710 770 840 910 1020
C3 max 45 55 60 75 90 110 135 160 190 220 240 260 290 320 350 370 410 450 500 550 600 650 700 770 860 930 1050 1140 1240 1390

Classe de folga min 45 55 60 75 90 110 135 160 190 220 240 260 290 320 350 370 410 450 500 550 600 650 700 770 860 930 1050 1140 1240 1390
C4 max 60 75 80 100 120 145 180 210 240 280 310 340 380 420 460 500 550 600 660 720 780 850 920 1010 1120 1220 1430 1560 1700 1890

Com furo cônico


Folga em µm

Classe de folga min 15 20 25 30 40 50 55 65 80 90 100 110 120 140 150 170 190 210 230 260 290 320 350 390 440 490 540 600 660 740
C2 max 25 30 35 45 55 70 80 100 120 130 140 160 180 200 220 240 270 300 330 370 410 460 510 570 640 710 780 860 940 1060

Classe de folga min 25 30 35 45 55 70 80 100 120 130 140 160 180 200 220 240 270 300 330 370 410 460 510 570 640 710 780 860 940 1060
CN (normal) max 35 40 50 60 75 95 110 135 160 180 200 220 250 270 300 330 360 400 440 490 540 600 670 750 840 930 1020 1120 1220 1380

Classe de folga min 35 40 50 60 75 95 110 135 160 180 200 220 250 270 300 330 360 400 440 490 540 600 670 750 840 930 1020 1120 1220 1380
C3 max 45 55 65 80 95 120 140 170 200 230 260 290 320 350 390 430 470 520 570 630 680 760 850 960 1070 1190 1300 1420 1550 1750

Classe de folga min 45 55 65 80 95 120 140 170 200 230 260 290 320 350 390 430 470 520 570 630 680 760 850 960 1070 1190 1300 1420 1550 1750
C4 max 60 75 85 100 120 150 180 220 260 300 340 370 410 450 490 540 590 650 720 790 870 980 1090 1220 1370 1520 1650 1800 1960 2200

FAG 80 81 FAG
Características dos rolamentos Características dos rolamentos
Folga dos rolamentos Material · gaiolas

Material dos rolamentos Execução das gaiolas


Folga radial dos rolamentos de rolos esféricos
A alta eficiência dos rolamentos é influenciada, As funções principais das gaiolas são:
Medidas em mm
Diâmetro nominal em grande parte, pelo material neles utilizado. – Separar os corpos rolantes, para manter o atri-
do furo de 30 40 50 65 80 100 120 140 160 180 225 250 280 315 O material para os anéis e para os corpos rolantes to e a geração de calor tão baixos quanto pos-
do rolamento até 30 40 50 65 80 100 120 140 160 180 225 250 280 315 355
dos rolamentos FAG é, via de regra, um aço sível.
com furo cilíndrico cromo de baixa liga, temperado. Trata-se de um – Manter a mesma distância dos corpos rolantes
Folga em µm
aço de alta qualidade com elevada pureza. Para entre si, para que a carga seja distribuída de
rolamentos sujeitos a golpes e solicitados a dobra- forma uniforme.
Classe de folga min 2 3 3 4 5 7 10 15 20 25 30 35 40 40 45 mentos e esforços alternados também é usado aço
C2 max 9 10 13 15 20 25 30 35 40 45 50 55 60 70 75
cementado (fornecimento sob consulta). – Evitar que, em rolamentos separáveis ou bas-
Classe de folga min 9 10 13 15 20 25 30 35 40 45 50 55 60 70 75 culáveis, os corpos rolantes se desprendam
CN (normal) max 17 20 23 27 35 45 50 55 65 70 75 80 85 100 105 Principalmente pela qualidade melhorada dos
aços para rolamentos, a FAG pôde elevar sensivel- – Guiar os corpos rolantes na zona livre de carga
Classe de folga min 17 20 23 27 35 45 50 55 65 70 75 80 85 100 105 As gaiolas dos rolamentos são subdivididas em
C3 max 28 30 35 40 55 65 70 80 95 100 105 110 115 135 140 mente a capacidade de carga nos últimos anos.
Resultados de pesquisas da FAG e a experiência maciças ou de chapa.
Classe de folga min 28 30 35 40 55 65 70 80 95 100 105 110 115 135 140 prática confirmam que os rolamentos feitos do
C4 max 40 45 50 55 75 90 95 110 125 130 135 140 145 170 175
aço atual atingem a durabilidade permanente, As gaiolas de chapa são feitas, em sua maioria, de
desde que não sejam submetidos a cargas muito aço sendo que, para alguns rolamentos, também
elevadas e sejam operados em condições de lim- sejam feitas de latão. Em comparação com as
peza e de lubrificação favoráveis. gaiolas maciças de metal elas apresentam a vanta-
com furo cônico gem do peso mais reduzido. Pela razão de preen-
Os anéis dos rolamentos e os corpos rolantes dos
Folga em µm rolamentos FAG são termicamente tratados, de cher menos a fenda entre os anéis interno e exter-
modo que tenham, via de regra, uma estabilidade no, o lubrificante atinge o interior do rolamento
Classe de folga min 9 10 13 15 20 25 30 35 40 45 50 55 60 70 75
C2 max 17 20 23 27 35 45 50 55 65 70 75 80 85 100 105 dimensional até 150°C. Para temperaturas mais com mais facilidade. O lubrificante é armazenado
altas é necessário um tratamento térmico especial na gaiola. Normalmente uma gaiola de chapa de
Classe de folga min 17 20 23 27 35 45 50 55 65 70 75 80 85 100 105
CN (normal) max 28 30 35 40 55 65 70 80 95 100 105 110 115 135 140 (vide o capítulo “Aptidão para altas temperaturas” aço só é indicada na designação do rolamento,
à página 86). quando ela não for execução padrão do rolamento.
Classe de folga min 28 30 35 40 55 65 70 80 95 100 105 110 115 135 140
C3 max 40 45 50 55 75 90 95 110 125 130 135 140 145 170 175 A aplicação em meios corrosivos exige aço para As gaiolas maciças são produzidas de metal, resi-
Classe de folga min 40 45 50 55 75 90 95 110 125 130 135 140 145 170 175 rolamentos com uma resistência elevada à cor- na fenólica ou plástico.
C4 max 55 60 65 75 95 120 125 140 155 160 165 170 175 205 210 rosão. Os rolamentos padrão de “aço inoxidável”
(conforme DIN 17440) têm o prefixo S e o As gaiolas maciças de metal são usadas quando
sufixo W203B (vide também os rolamentos fixos houver altas exigências quanto à rigidez da gaiola
de esferas de aço inoxidável, à página 150). As ou sob altas temperaturas.
suas dimensões principais e a sua capacidade de As gaiolas maciças também são usadas quando for
carga são idênticas aos de rolamentos de aço tem- necessária uma guia no rebordo. As gaiolas guia-
perado. Para que a resistência à corrosão mais ele- das no rebordo, para os rolamentos de alta veloci-
vada permaneça ativa, as superfícies não podem dade, muitas vezes são produzidas de materiais
ser danificadas nem na montagem, nem durante leves como ligas leves ou resina sintética, para que
o serviço (p.ex. por corrosão de contato). Para a as forças de massa fiquem reduzidas.
escolha, o Depto. de Serviços Técnicos da FAG As gaiolas maciças de Poliamida 66 são produzi-
deverá ser consultado. das pelo método de injeção. A injeção permite a
A FAG produz esferas de nitreto de silício (cerâ- obtenção de formas da gaiola que possibilitam
mica) para os rolamentos híbridos para fusos. As construções com uma alta capacidade de carga. A
esferas de nitreto de silício (cerâmica) são muito elasticidade e o peso baixo da poliamida se mos-
mais leves que as esferas de aço, reduzindo as tram favoráveis nas solicitações por golpes, eleva-
forças centrífugas e o atrito. Os rolamentos híbri- das acelerações e retardamento, bem como desa-
dos permitem os mais altos números de rotação, linhamentos dos anéis do rolamento entre si. As
mesmo lubrificados com graxa, alta durabilidade gaiolas de poliamida têm boas características de
e temperaturas em serviço baixas. deslizamento e de giro de emergência.

FAG 82 83 FAG
Características dos rolamentos Características dos rolamentos
Gaiolas Gaiolas

▼ Exemplos de gaiolas para rolamentos


As gaiolas de Poliamida 66 reforçada com fibra de Também o óleo envelhecido pode influir na dura-
Gaiolas de chapa de aço: gaiola tamboreada (a) e rebitada (b) para rolamentos fixos de esferas, gaiola tipo janela (c) para vidro são adequadas para suportar temperaturas bilidade da gaiola sob altas temperaturas, sendo
rolamentos autocompensadores de rolos. constantes de até 120 °C. Em uma lubrificação importante observar os prazos para a troca do
Gaiolas maciças de latão: rebitada (d) para rolamentos fixos de esferas, tipo janela (e) para rolamentos de contato angular
de esferas e de nervuras rebitadas (f) para rolamentos de rolos cilíndricos. com óleo, os aditivos nele contidos podem afetar óleo.
Gaiolas maciças de poliamida reforçada com fibra de vidro: tipo janela (g) para rolamentos fixos de esferas e tipo janela (h) a durabilidade da gaiola. O diagrama mostra a
para rolamentos de rolos cilíndricos.
interdependência entre a duração da gaiola, a
temperatura constante do rolamento parado e o
tipo de lubrificante.

a b c

▼ A durabilidade das gaiolas tipo janela, de Poliamida PA66-GF25. As curvas valem para uma temperatura constante.
Se a ação da alta temperatura não for constante, a durabilidade das gaiolas se situa acima.
1 = Graxa lubrificante para rolamentos K conforme DIN 51825, óleo de motor ou óleo lubrificante para máquina,
2 = óleo para transmissão, 3 = óleo hipóide.

160
°C
150

140

Temperatura constante t doanel do rolamento parado


1
130
2
120
d e f
110 3

100

90

80

70
500 1 000 2 000 5 000 10 000 h 30 000
Durabilidade da gaiola
g h

FAG 84 85 FAG
Características dos rolamentos Características dos rolamentos
Gaiolas · Aptidão para altas temperaturas Aptidão para altas temperaturas · Aptidão para altas rotações

Uma outra característica de diferenciação das Aptidão para altas temperaturas Com a utilização de materiais sintéticos para altas Aptidão para altas rotações
gaiolas é o tipo de guia. A maioria das gaiolas são Os rolamentos FAG com até 240 mm de diâme- temperaturas, deverá ser tomado o cuidado pois Critérios para o número de rotações atingível
guiadas pelos corpos rolantes, não sendo esta pro- tro externo são tratados termicamente para que os materiais fluorados de alto rendimento des-
priedade identificada através de sufixo. Quando prendem gases e vapores tóxicos em temperaturas Normalmente o limite de rotações atingível é
permaneçam com a forma estável em temperatu- determinado pela temperatura em serviço permi-
guiadas pelo anel externo, recebem o sufixo A. As ras de até 150 °C. As temperaturas em serviço de aprox. 300 °C. Isto pode ocorrer se, ao des-
gaiolas que são guiadas pelo anel interno recebem montar um rolamento, for utilizado um maçarico. tida. Esta depende do calor de atrito gerado no
mais altas, acima de 150 °C, exigem um trata- rolamento, um calor eventualmente aduzido do
o sufixo B. mento especial. As designações dos rolamentos A FAG utiliza materiais fluorados (FKM, FPM,
p.ex. Viton®) ou lubrificantes fluorados como a exterior e do calor dissipado do mancal. O tipo
Nas condições normais de trabalho, a execução da tratados desta forma, recebem os sufixos S1 ... S4 construtivo e o tamanho do rolamento, a precisão
gaiola não é de grande importância, tanto que é (DIN 623). As exceções são indicadas nas expli- graxa para rolamentos Arcanol L79V. Se não for
possível evitar as altas temperaturas, devem ser do rolamento e das peças contíguas, a folga do
escolhida a execução mais econômica como a cações antes das tabelas dos diversos capítulos do rolamento, a execução da gaiola, a lubrificação e a
gaiola padrão. As gaiolas padrão que, em uma catálogo. observadas as precauções válidas para os materiais
fluorados, contidas em folha de dados de segu- solicitação têm grande influência sobre o limite
série de rolamentos podem ser distintas conforme de rotações atingível.
o tamanho do rolamento, são descritas mais rança, fornecida sob consulta.
Sufixos S1 S2 S3 S4 Nas tabelas de medidas, está mencionada para a
detalhadamente nas tabelas de medidas. Só para
condições de trabalho especiais deverá ser escolhi- Temperatura 200 °C 250 °C 300 °C 350 °C maioria dos rolamentos, a rotação de referência
da uma gaiola específica para o caso. máxima em (térmica). Esta é determinada pela FAG segundo
serviço o método para as condições de referência, contido
na DIN 732, parte 1 (esboço).
Os rolamentos FAG com um diâmetro externo A DIN 732, parte 2 (esboço), contém um méto-
acima de 240 mm, geralmente são estáveis até do para a determinação do número de rotações
200 °C. permitido termicamente para os casos, nos quais
as condições de serviço forem diferentes das con-
Os rolamentos com gaiolas de Poliamida 66 dições de referência, p.ex. a solicitação, a viscosi-
reforçada com fibra de vidro são adequadas para dade do óleo ou o limite de temperatura permiti-
suportar temperaturas de até 120 °C. Em uma do. Para isto, a FAG coloca à disposição diagra-
lubrificação com óleo, os aditivos nele contidos mas simples, vide à página 89.
podem afetar a durabilidade da gaiola. Também
um óleo envelhecido, submetido à altas tempera- O limite de rotações, que pode desviar da
▼ As gaiolas dos rolamentos podem ser guiadas pelos turas, pode influir na durabilidade da gaiola, rotação de referência para cima ou para baixo, ao
corpos rolantes (acima) ou nos rebordos (abaixo) motivo pelo qual devem ser mantidos os prazos contrário, considera somente limites mecânicos e
para a troca do óleo, vide também pág. 85. deve ser considerado como limite máximo de
rotação em serviço.
Nos rolamentos vedados, a temperatura permitida
ainda fica na dependência das exigências quanto à Basicamente deve ser observado que, sob um alto
durabilidade da graxa que os preenche e da ação número de rotações e sob elevadas acelerações, a
das vedações de contato. solicitação não pode ser muito baixa, vide tam-
bém “Solicitação mínima dos rolamentos” à
Os rolamentos vedados FAG, normalmente são página 33.
lubrificados com uma graxa à base de sabão de
lítio, especialmente testada e de alto rendimento. Limite de rotações
Estas graxas suportam, por períodos curtos de
tempo, temperaturas de +120 °C. A partir de Decisivos para o limite de rotações são os limites
uma temperatura constante de +70 °C deve-se mecânicos, como a rigidez das partes do rolamen-
prever uma redução na durabilidade das graxas to ou a velocidade de deslizamento das vedações
padrão à base de sabão de lítio. de contato.
Muitas vezes uma durabilidade suficientemente O limite de rotações é dado nas tabelas dos rola-
longa é obtida, sob temperaturas elevadas, só com mentos também para aqueles, para os quais se-
graxas especiais. Também será necessário verificar, gundo a Norma, não haja sido definido qualquer
nestes casos, se as vedações terão que ser de mate- rotação de referência, como p.ex. para rolamentos
rial resistente ao calor, pois o limite de aplicação com vedações de contato. O valor para o limite
das vedações usuais se situa ao redor de +110 °C. de rotações nestes casos vale para uma solicitação
correspondente a P/C ≈ 0,1, uma temperatura
em serviço de 70 °C, lubrificação por imersão em
óleo e condições usuais de montagem.

FAG 86 87 FAG
Características dos rolamentos Características dos rolamentos
Aptidão para altas rotações Aptidão para altas rotações

Se nas tabelas dos rolamentos for indicado um limi- Rotação em serviço termicamente permitida Diagramas para os parâmetros de carga fp Diagramas para o parâmetro de lubrificação fν40
te de rotação inferior ao de referência, isto indica A rotação em serviço termicamente permitida nzul Os parâmetros de carga fp são representados na Na parte inferior dos diagramas 2 (rolamentos
p.ex. uma rigidez limitada da gaiola. Nestes casos é a rotação na qual a temperatura média, sob as dependência do diâmetro médio do rolamento radiais de esferas) e 4 (rolamentos radiais de
não se deve aproveitar o valor mais alto. condições reais de serviço, atinge o valor permiti- dm = (D + d)/2 e da relação P/C0 (carga dinâmica rolos) é determinada a relação de rotação
O limite de rotação só pode ser ultrapassado do. Ela é obtida pela multiplicação da rotação de equivalente/capacidade de carga estática). fN = fp · ft · fν40 através do parâmetro de lubrifi-
após consulta à FAG. referência nΘr com a relação de rotação fN. O diagrama 1 contém as curvas para todos os cação fν40 para viscosidades nominais ν40 de 10 a
nzul = nΘr · fN rolamentos de esferas radiais, o diagrama 3 para 1500 mm2/s
Rotação de referência A determinação de fN está descrita na DIN 732, todos os rolamentos de rolos radiais e o diagrama Através de 6 diagramas separados, no centro
A rotação de referência nΘr está definida na DIN parte 2 (atualmente em esboço). 5, todos os rolamentos axiais de rolos. resp. em baixo, será considerado que, para os
732 parte 1 (esboço) como a rotação, na qual se A FAG se apoia nela, porém usa diagramas, ao rolamentos axiais de rolos cilíndricos a Norma
ajusta a temperatura de referência. Existe então um invés de fórmulas para os rolamentos radiais de indica uma viscosidade em serviço de ν70 =
equilíbrio entre a força de atrito surgida no rola- esferas, os rolamentos radiais de rolos e os rola- Diagrama para o parâmetro de temperatura ft 48 mm2/s (o que corresponde a uma viscosidade
mento e os fluxos de calor dissipados pelo mesmo. mentos axiais de rolos, de modo a facilitar a O produto do parâmetro de temperatura ft pelo nominal ν40 de 204 mm2/s) e para os rolamentos
determinação. valor fp anteriormente determinado se obtém dos axiais autocompensadores de rolos, entretanto,
As condições de referência normalmente se orien-
A relação de rotação fN é obtida aproximadamen- diagramas 2, 4 e 6 (sempre da parte superior) uma viscosidade ν70 = 24 mm2/s (corresponden-
tam nas condições em serviço surgidas nos rola-
te do produto de um parâmetro de carga fp, um para as temperaturas dos anéis externos dos rola- do a uma viscosidade nominal ν40 de 84 mm2/s).
mentos usuais. Valem para todos os tipos constru-
tivos e tamanhos de rolamentos. Não se aplicam parâmetro de temperatura ft e um parâmetro de mentos, entre 30 °C e 110 °C. Na lubrificação com graxa, se usa a viscosidade
aos rolamentos para fusos, de quatro pistas, de lubrificação fν40. Os diagramas são semelhantes para todos os tipos do óleo básico.
rolos esféricos e axiais de esferas. As condições de fN = fp · ft · fν40 construtivos de rolamentos abrangidos pela Para cálculos mais precisos, se encontra à sua dis-
referência são selecionadas de tal forma que se Sempre deverá ser verificado se a rotação em ser- Norma. posição o nosso catálogo em CD-ROM e o nosso
obtém as mesmas rotações de referência, seja na viço termicamente permitida não excede o limite Serviço de Orientação Técnica.
lubrificação com óleo ou com graxa. de rotação (vide o capítulo “Limite de rotação”).

Condições de referência – Rolamentos em execução normal, ou seja,


– Uma temperatura de referência de 70 °C me- com precisão normal, folga normal e sem
vedações de contato. Exemplos para a utilização dos diagramas
dida no anel externo. Temperatura de referên-
cia das cercanias do rolamento de 20 °C. – Montagem dos rolamentos com o anel exter-
– Uma solicitação de referência de 5% da capa- no parado, sobre um eixo na horizontal e Rolamentos Produto fp · ft = 1,4
cidade de carga estática C0; nos rolamentos com os ajustes de montagem usuais, para que Rolamento fixo de esferas 6216 (do diagrama 2, em cima) com fp = 0,94 até a
radiais, uma pura solicitação radial e, nos os rolamentos tenham folga normal. (80 x 140 x 26 mm)
– A distribuição usual de solicitação no rola- intersecção com a curva de temperatura de
rolamentos axiais uma solicitação axial cen- dm = D + d)/2 = 110 mm 90 °C
tralmente atuante. mento, ou seja, sem que haja estorvo por
– Uma lubrificação com graxa dos rolamentos erros de alinhamento ou inclinação, por Rotação de referência = 6300 rpm
radiais com graxa à base de sabão de lítio com deformação das peças contíguas, por forças Limite de rotação 11000 rpm Relação de rotação fN = 1,4
óleo básico mineral sem aditivos EP (viscosi- centrífugas dos corpos rolantes, por tensão
indevida ou uma folga muito grande em ser- (do diagrama 2, em baixo) com fp · ft = 1,4 até
dade básica do óleo de 22 mm2/s a 70 °C); a Relação de solicitação a intersecção com a curva para o parâmetro de
carga da graxa corresponde a 30% do espaço viço.
– Dissipação do calor do mancal por áreas de P/C0 = 0,1 lubrificação fν40 = 36 mm2/s
livre do rolamento.
– Uma lubrificação com óleo dos rolamentos referência padronizadas, que dependem do
radiais com um óleo mineral de uso comerci- tipo construtivo do rolamento; daí será deter- Rotação em serviço termicamente permitida
minada a densidade do fluxo de calor especí- Viscosidade nominal
al, sem aditivos EP; viscosidade cinemática de
12 mm2/s (a 70 °C); lubrificação por imersão fica do rolamento, dissipada através do assen- ν40 = 36 mm2/s Produto de fN pela rotação de referência, ou
to do rolamento. Há uma dissipação adicio- seja de 1,4 · 6300 rpm, são atingíveis
em óleo com o nível do óleo até o meio do 8800 rpm, que é menor que o limite de rotação
corpo rolante inferior. nal de calor nos rolamentos axiais com lubri-
ficação por circulação de óleo. Fica pressupos- Parâmetro de carga fp = 0,94 (11000 rpm).
– Uma lubrificação com óleo (exclusivamente
por circulação de óleo) dos rolamentos axiais to que a densidade do fluxo de calor específi- (do diagrama 1) com P/C0 = 0,1 para rolamen-
com um óleo mineral de uso comercial sem ca do rolamento seja de 20 kW/m2, para os tos fixos de esferas e um dm = 110 mm
aditivos EP; uma viscosidade cinemática (a rolamentos axiais de rolos cilíndricos e para
70 °C) de 48 mm2/s para rolamentos axiais os rolamentos axiais autocompensadores de
rolos. Temperatura do anel externo
de rolos cilíndricos e de 24 mm2/s para rola-
mentos axiais autocompensadores de rolos. t = 90 °C

FAG 88 89 FAG
Características dos rolamentos Características dos rolamentos
Aptidão para altas rotações Aptidão para altas rotações

▼ Diagrama 1: parâmetro de carga fp para rolamentos radiais de esferas, para a determinação da rotação em serviço ▼ Diagrama 2: parâmetro de temperatura ft (em cima), parâmetro de lubrificação fν40 e relação de rotação fN (em baixo) para
termicamente permitida rolamentos radiais de esferas, para a determinação da rotação em serviço termicamente permitida

fp · ft
P/C0 = 0,05 2,5 2,0 1,5 1,0 0,5
1,0 2,0

1,8
Parâmetro de carga fp
P/C 1,6
0 = 0,
1
1,4
1,2
0,95 P/C t = 110 °C t = 90 °C t = 70 °C t = 50 °C t = 30 °C
0 =0 1,0
,2 Par
P/C âm 0,8
etro
0 =0 de
,1 tem
0,6

fp
P/ per
C atu
0 =0 ra f
0,9 ,3 t 0,4

P/ 0,2
C
0 =0
,5 0
0,85 P/C f ν40
0 =0 ção
ica
P/ ,1 brif
C d e lu
0,8
0 =0 etro 0,5
,2 râm 2 /s
P/
C Pa mm
0 =0 00
,8 = 15
P/ ν40 2 /s
fp C 1,0
0 =0
,3 0 mm
0,7 22
P/
C 2 /s
0 =0 m
,2 m 1,5
68 2 /s
P/C m
m
0,6 0 =0 36 2 /s
,5 m
P/ m
C
22

fN = fp · ft · fν40
0 =0 2,0
,3
P/C

/s
0,5

m2
0 =0

m
,8

10
P/C 2,5
0,4 0 =0
,5
P/C
0,3 0 = 0,
8
3,0
0,2

0,1
10 20 30 40 50 60 80 100 200 300 400 600 mm 1000

dm

FAG 90 91 FAG
Características dos rolamentos Características dos rolamentos
Aptidão para altas rotações Aptidão para altas rotações

▼ Diagrama 3: parâmetro de carga fp para rolamentos radiais de rolos, para a determinação da rotação em serviço ▼ Diagrama 4: parâmetro de temperatura ft (em cima), parâmetro de lubrificação fν40 e relação de rotação fN (em baixo) para
termicamente permitida rolamentos radiais de rolos para a determinação da rotação em serviço termicamente permitida

fp · ft
2,5 2,0 1,5 1,0 0,5
2,0
1,8
1,9 * 1,6

01
1,8

0,
1,7 Parâmetro de carga fp 1,4

=
01 t = 110 °C t = 90 °C t = 70 °C t = 50 °C t = 30 °C
0
1,6 C 0,
P/
= 1,2
1,5 C0 Pa
1 râm
P/ 0,0 etro 1,0
= de
1,4 C0 tem
P/

fp
0,8
,01 per
=0 atu
ra f
1,3 C0 0,6
P/ t

0,4
1,2
0,2
fp 0
1,1

f ν40 0,5
ção
rifica
P/C0 = 0,05 l ub
1,0 de
tro 2 /s 1,0
â me mm
* P ar 50
0
=1
ν4
0,95 0

1,5
2 /s

fN = fp · ft · fν40
0,9 m
m
0
22
0,85
2 /s
P/C m 2 /s
2,0
0,8 P/C 0= 0,1 m m
0 = 0,1 68 m
P/C 36
0 = 0,1
0,7 P/C 2 /s
0 = 0,1 m 2,5
m
0,6 P/C =
0 0,2
22 2 /s
m
0,5 P/C0 = m
0,2 10
0,4 P/C0 =
0,2
* 3,0
0,3
0,2
0,1
20 30 40 50 60 70 80 100 200 300 400 600 mm 1000 *
dm
* Rolamentos de rolos cilíndricos, sem gaiola

FAG 92 93 FAG
Características dos rolamentos Características dos rolamentos
Aptidão para altas rotações Aptidão para altas rotações

▼ Diagrama 5: parâmetro de carga fp para rolamentos axiais de rolos, para a determinação da rotação em serviço ▼ Diagrama 6: parâmetro de temperatura ft para rolamentos axiais de rolos (em cima), parâmetro de lubrificação fν40 e
termicamente permitida relação de rotação fN (em baixo) para rolamentos axiais autocompensadores de rolos, (meio), e para rolamentos axiais de
rolos cilíndricos (em baixo), para a determinação da rotação em serviço termicamente permitida

fp · f t
2,5 2,0 1,5 1,0 0,5
10,0 2,0
9,0
1,8
8,0 Parâmetro de carga fp
1,6
7,0
1,4
6,0 t = 110 °C t = 90 °C t = 70 °C t = 50 °C t = 30 °C
1,2
5,0 Par
âm 1,0
etro
de
4,0 tem 0,8
per
atu
ra f 0,6

fp
t
3,0
P/C 0 = 0,01 0,4
0,2
0
2,0 0,01 en-
o f ν4 m p
0
P/C 0 = c açã utoco
r i f i a 0,5
lub xiais

fN = fp · ft · fν40
fp de a
e tro ntos
âm me s
Par rola e rolo 1,0
a
par ores d 2 /s
m
P/C0 = 0,05 sad 00 m
15 2 /s
1,5
1,0 =
ν40 m
0m 84 mm2/s
22 2,0
2 /s 36 mm2/s
0,95 mm 2,5
10

0,9 3,0
0
0,85
0
f ν4 s 0,5
0,8 ção rolo
fica s de

fN = fp · ft · fν40
r i
lub xiai
de a 1,0
0,7 e tro entos
r â m am
P/C0 = 0,1 Pa a rol s 2 /s
r m
0,6 pa drico 00 m 1,5
P/C0 = 0,1 lí n 1 5
ci 0 = 680 mm2/s
0,5 ν4 204 mm2/s 2,0
P/C0 = 0,2 68 mm2/s
0,4
P/C0 = 0,2 10 mm2/s
0,3 2,5
0,2
0,1 3,0
20 30 40 50 60 70 80 100 200 300 400 500 600 mm 1000
dm

FAG 94 95 FAG
Características dos rolamentos Características dos rolamentos
Atrito Atrito

Atrito A parcela do momento de atrito independente de ▼ Coeficiente f0 para o cálculo de M0


▼ Coeficiente de atrito µ de diversos rolamentos com
O atrito nos rolamentos é reduzido. Nos diversos P/C ≈ 0,1 para uma determinação aproximada do solicitação M0 depende da viscosidade em serviço (para lubrificação em banho de óleo)

tipos construtivos de rolamentos, entretanto, as momento de atrito M ν do lubrificante e da rotação n. A viscosidade


condições de atrito são distintas pois, além do Tipo construtivo do rolamento Coeficiente de atrito µ em serviço é, por sua vez, influenciada pelo atrito Tipo contrutivo do rolamento Coeficiente f0
atrito de rolagem ,ainda surgem diferentes parce- do rolamento através da temperatura do mesmo. Série
Rolamento fixo de esferas 0,0015 Além disto, sobre M0, atuam o tamanho do rola-
las de atrito por deslizamento. Acresce ainda o Rolamento de contato angular Rolamentos fixo de esferas 1,5...2
atrito de lubrificação. O calor gerado pelo atrito de uma carreira 0,002 mento (dm) e a largura dos contatos de rolagem.
Rolamento de contato angular Rolamentos de contato angular
atua sobre a temperatura em serviço do mancal. de duas carreiras 0,0024 Calculamos M0 através das fórmula: de uma carreira de esferas
Rolamento de quatro pistas 0,0024
Um atrito de rolagem ocorre pela rolagem dos Rolamento autocompensador M0 = f0 · 10–7 · (ν · n)2/3 · dm3 [N mm] 72 2
73 3
corpos rolantes sobre as pistas, um atrito por des- de esferas 0,0013 Sendo
lizamento nas áreas de guia dos corpos rolantes Rolamento de rolos cilíndricos 0,0013
Rolamento de rolos cilíndricos, Rolamentos de contato angular
na gaiola, nas áreas de guia dos rebordos da gaiola sem gaiola 0,002
f0 o coeficiente, que considera o tipo de duas carreiras de esferas
como também – nos rolamentos de rolos –nas Rolamento de rolos cônicos 0,0018 construtivo do rolamento e o tipo 32 3,5
Rolamento autocompensador de lubrificação (vide a tabela) 33 6
áreas frontais e nos rebordos. O atrito de lubrifi- de rolos 0,002
cação surge pelo atrito interno do lubrificante nas Rolamento axial de esferas 0,0015 ν [mm2/s] a viscosidade em serviço Rolamentos de quatro pistas 4
Rolamento axial de rolos cilíndricos 0,004
áreas de contato e no trabalho de respingo e de Rolamento axial autocompensador do óleo, resp. do óleo básico da Rolamentos autocompensadores de esferas
amaciamento do lubrificante. de rolos 0,002 graxa 12 1,5
13 2
n [rpm] a rotação do rolamento 22 2,5
dm [mm] (D+d)/2 o diâmetro médio do 23 3

Momento de atrito rolamento Rolamentos de rolos cilíndricos com gaiola


Cálculo do momento de atrito 2, 3, 4, 10 2
O momento de atrito M é a resistência que o 22 3
rolamento cria contra o seu movimento. O momento de atrito M de um rolamento 23 4
depende da solicitação, da rotação e da viscosida- 30 2,5
de do lubrificante. Pode-se diferenciar uma parce-
Determinação aproximada do momento de la M0, independente de solicitação e uma parcela
Rolamentos de rolos cilíndricos, sem gaiola
atrito: Os coeficientes f0 da tabela valem para lubrifi- NCF29V 6
M1, dependente de solicitação. Sob uma solici- cação com óleo, na qual o nível do óleo atinge até NCF30V 7
Sob as condições NNC49V 11
tação elevada e uma rotação reduzida, pode surgir o meio do corpo rolante inferior. Para as séries NJ23VH 12
– solicitação média (P/C ≈ 0,1) para M0 e M1, uma considerável parcela de atrito mais largas do mesmo tipo construtivo, são apli- NNF50V 13

– relação de viscosidade  ≈ 1 misto. Com uma película de lubrificação portan- cados valores de f0 mais altos. Se os rolamentos
Rolamentos de rolos cônicos
te, que se ajusta sob condições normais de ser- radiais girarem sobre eixos verticais, sob carga 302, 303, 313 3
– faixa média de rotação viço, o momento de atrito M total é formado só radial, deverá ser calculado com o dobro dos valo- 329, 320, 322, 323 4,5
– carga preponderantemente radial nos rolamen- de M0 e M1, ou seja: res mencionados na tabela, como também quan- 330, 331, 332 6
tos radiais, carga puramente axial nos rola- M = M0 + M1 [N mm] do houver uma carga alta de óleo refrigerante ou Rolamentos autocompensadores de rolos
mentos axiais um grau de carga muito grande de graxa (ou 213, 222 3,5...4
No cálculo do momento de atrito de rolamentos seja, mais graxa do que possa ser deslocada late- 223, 230, 239 4,5
se obtém aproximadamente o momento de de rolos cilíndricos axialmente carregados, tam- 231, 232 5,5...6
atrito M da equação ralmente). 240, 241 6,5...7
bém deverá ser considerado uma parcela de atrito
M = µ · F · d/2 misto, veja a fórmula no fim deste capítulo Os rolamentos engraxados com graxa nova, têm Rolamentos axiais de esferas
(página 98). valores f0, na fase de amaciamento, como os rola- 511, 512, 513, 514 1,5
Onde mentos lubrificados com óleo. Depois da distri- 522, 523 2
M [Nmm] momento de atrito total Os rolamentos com altas parcelas de deslizamen- buição da graxa, deverá ser aplicado só a metade
to, como os rolamentos de rolos cilíndricos sem do valor f0 da tabela. Ele então será tão reduzido
Rolamentos axiais de rolos cilíndricos
µ coeficiente de atrito (tabela) gaiola, os rolamentos de rolos cônicos, os rola- 811 3
como na lubrificação com quantidades mínimas 812 4
F [N] carga do rolamento resultante mentos autocompensadores de rolos e os rola- de óleo. Na lubrificação com uma graxa correta-
F =  Fr2 + Fa2 mentos axiais, giram após a fase de amaciamento mente selecionada para o caso de aplicação, o
Rolamentos axiais autocompensadores de rolos
292E 2,5
fora da área de atrito misto, quando forem cum- momento de atrito M0 ocorre, em sua maioria, da 293E 3
d [mm] diâmetro do furo do rolamento pridas as seguintes condições: resistência interna de atrito do óleo básico. 294E 3,3
Os coeficientes de atrito constantes da tabela não n · ν/(P/C)0,5 ≥ 9000
podem ser aplicados com condições de serviço
diferentes (intensidade da carga, rotação, viscosi- n [rpm] rotação
dade). Em casos como estes, o momento de atrito ν [mm2/s] viscosidade em serviço do óleo,
é calculado conforme o parágrafo seguinte. resp. do óleo básico da graxa

FAG 96 97 FAG
Características dos rolamentos Características dos rolamentos
Atrito Atrito

A parcela do momento de atrito depende da Quanto maior forem os rolamentos, tanto meno- O coeficiente fa, que depende da carga axial e do ser considerado um aumento considerável para o
solicitação M1. É obtido do atrito de rolagem e res são os corpos rolantes em relação ao diâmetro estado de lubrificação pode ser obtido do diagra- momento de atrito calculado. Nos rolamentos
do atrito de deslizamento nos rebordos e nas áreas médio do rolamento dm. Na faixa dos rolamentos ma abaixo. pequenos, lubrificados com graxa, o fator pode
de guia da gaiola. Ao calcular M1 com os coefi- grandes, podem ser obtidos momentos de atrito Com os detalhes mencionados, o momento de eqüivaler a 8 (p.ex. 6201.2RSR com graxa padrão
cientes f1 da tabela a seguir, é pressuposto que M1 maiores com as fórmulas, do que na prática. atrito de um mancal pode ser avaliado com uma após a distribuição), nos rolamentos maiores o
haja uma película separadora nos contatos rolan- suficiente precisão. Na prática, as variações são fator pode ser 3 (p.ex. 6216.2RSR, nas mesmas
tes ( = ν/ν1 ≥ 1). possíveis, quando não puder ser atingida a lubrifi- condições). O momento de atrito das vedações
M1 é calculado através de cação total desejada e surgir atrito misto. Em ser- depende também da classe de consistência da
M1 = f1 · P1 · dm [N mm] viço, nem sempre se consegue atingir o estado de graxa e do número de rotação.
Sendo Na determinação do momento de atrito de rola- lubrificação ideal. O momento de atrito e a temperatura em serviço
mentos de rolos cilíndricos também solicitados O momento de arranque dos rolamentos na par- de mancais de rolamentos podem ser determina-
f1 coeficiente para a grandeza da axialmente, deverá ser somado Ma a M0 e M1.
solicitação, vide a tabela tida das máquinas pode se situar bem acima dos dos rápida e confortavelmente com o catálogo
Aqui portanto vale valores calculados, principalmente no frio e quan- eletrônico FAG, vide também o capítulo
P1 [N] a solicitação correspondente a M1,
vide a tabela M = M0 + M1 + Ma [N mm] do os rolamentos tiverem vedações de contato. “Programa de Serviços FAG”. O método de cál-
e Para o momento de atrito de rolamentos com culo é descrito na publicação N° WL 81115
dm [mm] (D+d)/2 diâmetro médio do “Lubrificação dos rolamentos”.
rolamento anéis de blindagem de contato integrados, deve
Ma = fa · 0,06 · Fa · dm [N mm]
▼ Fatores para o cálculo do momento de atrito dependente da solicitação de carga M1 ▼ Coeficiente de atrito fa para a determinação do momento de atrito dependente de solicitação axial Ma, de rolamentos
de rolos cilíndricos axialmente carregados
1
Tipo construtivo do rolamento f1*) P1 )
Parâmetros necessários para a determinação:
Rolamentos fixo de esferas (0,0005...0,0009)˙(P0*/C0)0,5 Fr ou 3,3 Fa · 0,1 Fr 2) Fb = 0,0048 para rolamentos com gaiolas
= 0,0061 para rolamentos sem gaiola
Rolamentos de contato angular de esferas dm [mm] diâmetro médio do rolamento = 0,5 (D + d)
de uma carreira, α = 15° 0,0008 (P0*/C0)0,5 Fr ou 3,3 Fa · 0,1 Fr 2
)
de uma carreira, α = 25° 0,0009 (P0*/C0)0,5 Fr ou 1,9 Fa · 0,1 Fr 2
) ν [mm2/s] viscosidade em serviço do óleo, resp. do óleo básico da graxa
de uma carreira, α = 40° 0,001 (P0*/C0)0,33 Fr ou 1,0 Fa · 0,1 Fr 2
) n [rpm] número de rotação do anel interno
de duas carreiras ou de uma justapostos, 0,001 (P0*/C0)0,33 Fr ou 1,4 Fa · 0,1 Fr 2
) Fa [N] solicitação axial
D [mm] diâmetro externo do rolamento
Rolamentos de quatro pistas 0,001 (P0*/C0)0,33 1,5 Fa + 3,6 Fr d [mm] furo do rolamento

Rolamentos autocompensadores de esferas 0,0003 (P0*/C0)0,4 Fr ou 1,37 Fa/e – 0,1 Fr 2)


0,2
Rolamentos de rolos cilíndricos
3
com gaiola 0,0002...0,0004 Fr ) 0,15
sem gaiola 0,00055 Fr 3)

Rolamentos de rolos cônicos


de uma carreira 0,0004 2 Y Fa ou Fr 2) 0,1
de duas carreiras ou de uma carreira justapostos 0,0004 1,21 Fa/e ou Fr 2)

Rolamentos autocompensadores de rolos


Série 213, 222 0,0005 (P0*/C0)0,33
Série 223 0,0008 (P0*/C0)0,33 1,6 Fa/e, se Fa/Fr > e 0,05
Série 231, 240 0,0012 (P0*/C0)0,5
Série 230, 239 0,00075 (P0*/C0)0,5 Fr {1 + 0,6 [Fa/(e · Fr)]3} fa
Série 232 0,0016 (P0*/C0)0,5 se Fa/Fr ≤ e
Série 241 0,0022 (P0*/C0)0,5
0,03
Rolamentos axiais de esferas 0,0012 (Fa/C0)0,33 Fa

Rolamentos axiais de rolos cilíndricos 0,0015 Fa 0,02


Rolamentos axiais autocompensadores de rolos 0,00023...0,00033 Fa (sendo Fr ≤ 0,55 Fa)

*) usar o valor maior para as séries mais largas 0,014


1
) Se P1 < Fr, deverá ser calculado com Fr
2
) Deverá ser usado o valor maior dos dois
3
) Só sob solicitação axial. Em rolamentos de rolos cilíndricos solicitados adicionalmente deverá ser adicionado Ma ao 0,01
momento de atrito M1: M = M0 + M1 + Ma
0,5 1 2 3 4 5 6 7 8 10 20 30 40
Símbolos de fórmula usados:
P0* [N] carga equivalente, determinada por forças dinâmicas, vide à página 41 1
C0 [N] capacidade de carga estática fb · dm · ν · n · · (D2 - d2)
Fa [N] componente axial da solicitação dinâmica do rolamento Fa2
Fr [N] componente radial da solicitação dinâmica do rolamento
Y, e fatores (vide o texto anterior a cada tipo construtivo de rolamentos)

FAG 98 99 FAG
Configuração das peças contíguas Configuração das peças contíguas
Ajustes · Assentamentos Ajustes · Assentamentos

Configuração das peças contíguas – um anel de um rolamento livre deve se ajustar Valores orientativos para a usinagem dos pela deformação elástica do eixo e da caixa.
Os rolamentos devem ser fixados, conforme a sua às dilatações do eixo e da caixa, isto é, ser assentos dos rolamentos Para atingir as tolerâncias de forma cilíndrica t1 e
função, sobre os eixos ou na caixa em direção axialmente deslocável. Somente nos rolamen- O grau de precisão para as tolerâncias de diâme- t3 na prática, recomendamos para os cursos de
radial, axial ou tangencial. A fixação radial e tos de rolos cilíndricos N e NU, este ajuste tro dos assentamentos sobre o eixo e caixa podem medição (largura do assentamento):
tangencial normalmente é obtida por aderência, ocorre no próprio rolamento. ser obtidos das tabelas “Valores orientativos para Retilinidade 0,8 · t1, resp. 0,8 · t3
ou seja, por ajuste interferente dos anéis. Em – montagem e desmontagem simples. a tolerância de usinagem”, à página 103 e “tole- Circularidade 0,8 · t1, resp. 0,8 · t3
sentido axial os rolamentos, via de regra, são pre- Com base nas primeiras duas exigências, os anéis râncias básicas ISO”, à página 102. Paralelismo 1,6 · t1, resp. 1,6 · t3
sos por porcas, pelas tampas das caixas ou dos tanto o interno como o externo dos rolamentos Os graus de precisão para a tolerância da forma Os rolamentos com furo cônico são ajustados
eixos, anéis distanciadores ou anéis de retenção. radiais, deverão fundamentalmente receber um cilíndrica das superfícies de ajuste (t1 e t3) e para diretamente sobre o eixo conicamente conforma-
ajuste interferente. Mas se um rolamento livre o desvio axial dos encostos (t2 e t4) devem ser do ou sobre buchas de fixação e desmontagem. O
(veja o capítulo “Disposição dos rolamentos”) selecionados em uma classe IT melhor do que os assentamento fixo do anel interno não é determi-
tiver que ser axialmente deslocável, ou se rola- graus de precisão das tolerâncias de diâmetro nado pela tolerância dos eixos como nos rolamen-
mentos separáveis tiverem que ser montados e correspondentes. tos com furo cilíndrico, mas pelo deslocamento
desmontados - pelo menos para um dos anéis – As tolerâncias de posição t5 e t6 para um segundo axial sobre o assento cônico.
isto não pode ser realizado. Será então decisivo se assentamento sobre o eixo, resp. na caixa – Para os assentamentos de buchas de fixação e de
Ajustes, assentamentos este anel recebe carga fixa ou rotativa. Para um expressas pela coaxialidade conforme DIN ISO desmontagem são permitidas tolerâncias de diâ-
As tolerâncias ISO para os eixos e as caixas (ISO anel que fica parado em direção à carga (carga 1101 – devem ser orientadas na adaptabilidade metro mais amplas do que nos assentamentos
286), juntamente com as tolerâncias dmp para o fixa) pode ser permitido um ajuste deslizante (a angular do rolamento (vide os textos explicativos cilíndricos e as tolerâncias de forma devem ser
furo e Dmp para o diâmetro externo dos rola- usinagem do eixo conforme g, e a da caixa, con- dos tipos construtivos dos rolamentos). Também mantidas mais estreitadas do que as tolerâncias de
mentos (DIN 620) resultam no ajuste. As tole- forme G, H ou J).O outro anel, no entanto, que deverão ser considerados os erros de alinhamento diâmetros.
râncias ISO são fixadas na forma de campos de gira relativamente à direção da carga (carga rotati-
tolerância, sendo determinadas pela sua posição va), basicamente receberá um ajuste interferente.
em relação à linha 0 (= posição de tolerância) e O esquema das condições de carga e de movi-
pelo seu tamanho (qualidade de tolerância, vide a mento se encontram à página 104.
tabela à página 102). A posição de tolerância é Nos rolamentos de rolos cilíndricos dos tipos N e t1 t5 A t6 B B
identificada por letras (maiúsculas para a caixa, NU, ambos os anéis podem ser ajustados com A
minúsculas para o eixo). Uma representação interferência, pois a compensação do comprimen-
esquemática dos ajustes para rolamentos mais to ocorre dentro do próprio rolamento e porque t3
usuais se encontra à página 103. os anéis podem ser montados separadamente.
Para a escolha do ajuste, devem ser considerados d d D D
Solicitações mais elevadas, principalmente golpes, t4 B
os seguintes pontos de vista: exigem uma sobremedida de ajuste maior e a
– os anéis dos rolamentos devem estar bem manutenção de tolerâncias de forma mais estreita-
apoiados em toda a sua circunferência, para da.
que se possa aproveitar toda a sua capacidade t2 A
Os ajustes fixos e uma diferença de temperatura
de carga. entre os anéis interno e externo diminuem a folga
– os anéis não podem se movimentar sobre as radial dos rolamentos, o que deve ser considerado
peças contrárias pois senão, os assentamentos quando da escolha da folga (vide o capítulo
serão danificados. “Folga dos rolamentos”, à página 74).

FAG 100 101 FAG


Configuração das peças contíguas Configuração das peças contíguas
Ajustes · Assentamentos Ajustes · Assentamentos · Rugosidade

▼ Tolerância básica ISO (qualidades IT), segundo DIN ISO 286 ▼ Ajustes principais para rolamentos

Medida nominal em mm

de 1 3 6 10 18 30 50 80 120 180 250 315 400 500 630 800 1000 1250 1600 2000 2500

E8
até 3 6 10 18 30 50 80 120 180 250 315 400 500 630 800 1000 1250 1600 2000 2500 3150
Furo da

F7
caixa

F6

H8
Valores em µm

G7

H7
G6
+

JS7
H6

JS6
J7
H5

JS5
∆Dmp

JS4
K7
J6
IT0 0,5 0,6 0,6 0,8 1 1 1,2 1,5 2 3 4 5 6

K6
K5
M7
Linha zero
IT1 0,8 1 1 1,2 1,5 1,5 2 2,5 3,5 4,5 6 7 8 Diâmetro

M6
-

N6
IT2 1,2 1,5 1,5 2 2,5 2,5 3 4 5 7 8 9 10 nominal

N7

P6
P7

R6
S6
IT3 2 2,5 2,5 3 4 4 5 6 8 10 12 13 15

IT4 3 4 4 5 6 7 8 10 12 14 16 18 20
∆Dmp = Tolerância do
IT5 4 5 6 8 9 11 13 15 18 20 23 25 27 29 32 36 42 50 60 70 86 diâmetro externo
do rolamento
IT6 6 8 9 11 13 16 19 22 25 29 32 36 40 44 50 56 66 78 92 110 135

IT7 10 12 15 18 21 25 30 35 40 46 52 57 63 70 80 90 105 125 150 175 210


∆dmp = Tolerância do
IT8 14 18 22 27 33 39 46 54 63 72 81 89 97 110 125 140 165 195 230 280 330 furo do rolamento
IT9 25 30 36 43 52 62 74 87 100 115 130 140 155 175 200 230 260 310 370 440 540

s7
r7
s6
p7
r6
p6
p5
IT10 40 48 58 70 84 100 120 140 160 185 210 230 250 280 320 360 420 500 600 700 860

n6
m6
+

m5

n5
n4
k6
∆dmp

k5
js5
k4
js4
js3
IT11 60 75 90 110 130 160 190 220 250 290 320 360 400 440 500 560 660 780 920 1100 1350 Linha zero

j5
j6
h3
h4
h5
IT12 100 120 150 180 210 250 300 350 400 460 520 570 630 700 800 900 1050 1250 1500 1750 2100 Diâmetro

h6
g6
h7
- nominal

f6
Diâmetro do eixo

Ajuste livre Ajuste transitório Ajuste fixo

Assentos para anéis de rolamentos axiais


Os rolamentos axiais, que só admitem solicitações Rugosidade dos assentamentos
▼ Valores orientativos para a tolerância de usinagem e a
axiais, não podem ser guiados radialmente rugosidade dos assentamentos dos rolamentos A rugosidade dos assentamentos deve ser ajustada
(exceção: rolamentos axiais de rolos cilíndricos, à classe de tolerância dos rolamentos. O valor
Classe de tolerância Assenta- Tolerância Classe de
nos quais existe o grau de liberdade em direção dos rolamentos mento de rugosi- médio de rugosidade Ra não pode ser grande
radial por causa das pistas planas). Isto não é pos- usinagem dade
demais, para que a perda da sobremedida perma-
sível nos rolamentos axiais com pistas côncavas, neça dentro dos limites. Os valores orientativos
como p.ex. os rolamentos axiais rígidos de esferas Normal, P6X Exo IT6 (IT5) N5...N7
de rugosidade correspondem à DIN 5425, edição
e, portanto, precisa ser criado através de um Caixa IT7 (IT6) N6...N8 de 11.84.
assento livre do anel parado. Para o anel rotativo
normalmente é selecionado um ajuste fixo. Se os P5 Eixo IT5 N5...N7
rolamentos axiais, além das solicitações axiais Caixa IT6 N6...N8 ▼ Classe de rugosidade conforme DIN ISO 1302
ainda admitirem solicitações radiais, como p.ex. Classe de N3 N4 N5 N6 N7 N8 N9 N10
P4, P4S, SP Eixo IT4 N4...N6
os rolamentos axiais autocompensadores de rolos, rugosidade
deverão ser escolhidos assentamentos como para Caixa IT5 N5...N7
rolamentos radiais. UP Eixo IT3 N3...N5 Valores em µm
As superfícies de encosto das peças adjacentes têm Caixa IT4 N4...N6 Valor médio de
que estar dispostas verticalmente ao eixo giratório rugosidade Ra 0,1 0,2 0,4 0,8 1,6 3,2 6,3 12,5
(tolerância do desvio axial conforme IT5 ou Profundidade de
As maiores classes de rugosidade são escolhidas para
melhor), para que a carga se distribua uniforme- diâmetros maiores. rugosidade Rz ≈ Rt 1 1,6 2,5 6,3 10 25 40 63
mente sobre todos os corpos rolantes.

FAG 102 103 FAG


Configuração das peças contíguas Configuração das peças contíguas
Ajustes · Assentamentos Tolerâncias de eixo

▼ Distinção entre carga rotativa e carga fixa Rolamentos radiais com furo cilíndrico
Cinética do Exemplo Esquema Espécie Ajuste Tipo de carga Tipo construtivo Diâmetro Deslocamento Tolerância
rolamento de carga do rolamento do eixo carga

o anel interno Carga fixa para o Rolamentos de todos os rolamento livre com g6 (g5)
gira anel interno esferas e de rolos tamanhos anel interno deslocável
eixo
o anel externo carregado carga rotativa anel interno: rolamento de contato angular de esferas h6 (j6)
permanece imóvel com sobre o anel é admissível e rolos cônicos com anel interno ajustado
um peso interno um ajuste
a direção da carga com Carga rotativa para Rolamentos de até 40 mm carga normal j6 (j5)
permanece invariável peso interferência o anel interno ou esferas
carga até 100 mm carga reduzida j6 (j5)
e indeterminada
o anel interno carga normal e elevada k6 (k5)
permanece imóvel cubo de roda carga fixa anel externo:
com sobre o anel é admissível até 200 mm carga reduzida k6 (k5)
o anel externo acentuado externo um ajuste
gira desbalan- com carga normal e elevada m6 (m5)
ceamento deslizante
a direção da carga acima de carga normal m6 (m5)
gira com 200 mm
o anel externo desbalan- carga elevada, golpes n6 (n5)
ceamento
Rolamentos de até 60 mm carga reduzida j6 (j5)
Cinética do Exemplo Esquema Espécie Ajuste rolos
rolamento de carga carga normal e elevada k6 (k5)

até 200 mm carga reduzida k6 (k5)


o anel interno roda dianteiro
permanece imóvel de um carga normal m6 (m5)
automóvel
o anel externo roldana de carga fixa anel interno: carga elevada n6 (n5)
gira correia trans- sobre é admissível
portadora o anel interno um ajuste até 500 mm carga normal m6 (n6)
a direção da carga (apoio do deslizante
permanece invariável cubo) peso carga elevada, golpes p6

e acima de carga normal n6 (p6)


o anel interno 500 mm
gira carga elevada p6

o anel externo centrífuga carga rotativa anel externo:


permanece imóvel peneira sobre o anel é nexessário
vibratória externo um ajuste
a direção da carga com
gira com desbalan- interferência
o anel interno ceamento Rolamentos axiais
Tipo de carga Tipo construtivo Diâmetro do Condições de Tolerância
do rolamento eixo serviço
Tabelas para tolerâncias e ajustes
Lado passa +6 18 Interferência ou folga em caso Carga axial Rolamento axial de esferas todos os tamanhos j6
Recomendações para as tolerâncias de eixos e de de coincidência dos lados passa
caixas se encontram às páginas 105 e 114. Rolamentos axiais de esferas
de escora dupla
todos os tamanhos k6
Eixo Ø 40 10 Interferência ou folga provável
Os valores para as tolerâncias (tabelas nas páginas j5
Rolamentos de rolos cilíndricos todos os tamanhos h6 (j6)
106 a 120) valem para eixos maciços de aço e Lado não Interferência ou folga em caso com anel de eixo
para caixas fundidas. No cabeçalho das tabelas passa –5 5 de coincidência dos lados não
passa Coroa de rolos cilíndricos todos os tamanhos h8
constam, sob as medidas nominais dos diâmetros,
as tolerâncias normais para o diâmetro do furo ou Os números em negrito significam interferência Carga combinada Rolamentos axiais autocompensa- todos os tamanhos carga fixa para j6
do diâmetro externo dos rolamentos radiais (exce- Os outros números no grupo de 3 significam folga dores de rolos o anel
de eixo
to os de rolos cônicos). Abaixo estão mencionadas
as medidas dos campos de tolerância mais usuais até 200 mm carga rotativa
para o anel
j6 (k6)
para a montagem de rolamentos. Como interferência ou folga provável é indicado acima de 200 mm de eixo k6 (m6)
Em cada quadrinho constam 5 números, obede- o valor obtido, quando as medidas efetivas estive-
cendo ao seguinte esquema: rem distanciadas a 1/3 do lado passa.

FAG 104 105 FAG


Configuração das peças contíguas
Ajustes do eixo

Medidas em in mm

Medida nominal do eixo de 3 6 10 18 30 50 65 80 100 120 140 160 180 200 225
até 6 10 18 30 50 65 80 100 120 140 160 180 200 225 250

Tolerâncias em µm (Tolerância normal)

Desvio de diâmetro 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
do furo do rolamento dmp –8 –8 –8 –10 –12 –15 –15 –20 –20 –25 –25 –25 –30 –30 –30

Esquema ∆dmp
do ajuste
Eixo Tolerância do eixo, interferência ou folga do ajuste em µm
-0+
2 5 8 10 13 15 15 16 16 18 18 18 20 20 20
f6 –10 8 –13 11 –16 15 –20 17 –25 22 –30 26 –30 26 –36 30 –36 30 –43 34 –43 34 –43 34 –50 40 –50 40 –50 40
–18 18 –22 22 –27 27 –33 33 –41 41 –49 49 –49 49 –58 58 –58 58 –68 68 –68 68 –68 68 –79 79 –79 79 –79 79

4 3 2 3 3 5 5 8 8 11 11 11 15 15 15
g5 –4 0 –5 2 –6 3 –7 3 –9 5 –10 4 –10 4 –12 4 –12 4 –14 3 –14 3 –14 3 –15 2 –15 2 –15 2
–9 9 –11 11 –14 14 –16 16 –20 20 –23 23 –23 23 –27 27 –27 27 –32 32 –32 32 –32 32 –35 35 –35 35 –35 35

4 3 2 3 3 5 5 8 8 11 11 11 15 15 15
g6 –4 1 –5 3 –6 4 –7 5 –9 6 –10 6 –10 6 –12 6 –12 6 –14 6 –14 6 –14 6 –15 5 –15 5 –15 5
–12 12 –14 14 –17 17 –20 20 –25 25 –29 29 –29 29 –34 34 –34 34 –39 39 –39 39 –39 39 –44 44 –44 44 –44 44

8 8 8 10 12 15 15 20 20 25 25 25 30 30 30
h5 0 4 0 3 0 3 0 4 0 4 0 6 0 6 0 8 0 8 0 11 0 11 0 11 0 13 0 13 0 13
–5 5 –6 6 –8 8 –9 9 –11 11 –13 13 –13 13 –15 15 –15 15 –18 18 –18 18 –18 18 –20 20 –20 20 –20 20

8 8 8 10 12 15 15 20 20 25 25 25 30 30 30
h6 0 3 0 2 0 2 0 2 0 3 0 4 0 4 0 6 0 6 0 8 0 8 0 8 0 10 0 10 0 10
–8 8 –9 9 –11 11 –13 13 –16 16 –19 19 –19 19 –22 22 –22 22 –25 25 –25 25 –25 25 –29 29 –29 29 –29 29

11 12 13 15 18 21 21 26 26 32 32 32 37 37 37
j5 +3 7 +4 7 +5 8 +5 9 +6 10 +6 12 +6 12 +6 14 +6 14 +7 18 +7 18 +7 18 +7 20 +7 20 +7 20
–2 2 –2 2 –3 3 –4 4 –5 5 –7 7 –7 7 –9 9 –9 9 – 11 11 – 11 11 – 11 11 – 13 13 – 13 13 – 13 13

14 15 16 19 23 27 27 33 33 39 39 39 46 46 46
j6 +6 8 +7 9 +8 10 +9 11 +11 14 +12 16 +12 16 +13 19 +13 19 +14 22 +14 22 +14 22 +16 26 +16 26 +16 26
–2 2 –2 2 –3 3 –4 4 –5 5 –7 7 –7 7 –9 9 –9 9 – 11 11 – 11 11 – 11 11 – 13 13 – 13 13 – 13 13

11 11 12 15 18 22 22 28 28 34 34 34 40 40 40
js5 +2,5 6 +3 6 +4 6 +4,5 9 +5,5 10 +6,5 13 +6,5 13 +7,5 16 +7,5 16 +9 20 +9 20 +9 20 +10 23 +10 23 +10 23
– 2,5 3 –3 3 –4 4 – 4,5 5 – 5,5 6 – 6,5 7 – 6,5 7 – 7,5 8 – 7,5 8 –9 9 –9 9 –9 9 – 10 10 – 10 10 – 10 10

12 13 14 17 20 25 25 31 31 38 38 38 45 45 45
js6 +4 7 +4,5 7 +5,5 8 +6,5 9 +8 11 +9,5 13 +9,5 13 +11 17 +11 17 +12,5 21 +12,5 21 +12,5 21 +14,5 25 +14,5 25 +14,5 25
–4 4 – 4,5 5 – 5,5 6 – 6,5 7 –8 8 – 9,5 10 – 9,5 10 – 11 11 – 11 11 – 12,5 13 – 12,5 13 – 12,5 13 – 14,5 15 – 14,5 15 – 14,5 15

14 15 17 21 25 30 30 38 38 46 46 46 54 54 54
k5 +6 9 +7 10 +9 12 +11 15 +13 17 +15 21 +15 21 +18 26 +18 26 +21 32 +21 32 +21 32 +24 37 +24 37 +24 37
+1 1 +1 1 +1 1 +2 2 +2 2 +2 2 +2 2 +3 3 +3 3 +3 3 +3 3 +3 3 +4 4 +4 4 +4 4

17 18 20 25 30 36 36 45 45 53 53 53 63 63 63
k6 +9 11 +10 12 +12 14 +15 17 +18 21 +21 25 +21 25 +25 31 +25 31 +28 36 +28 36 +28 36 +33 43 +33 43 +33 43
+1 1 +1 1 +1 1 +2 2 +2 2 +2 2 +2 2 +3 3 +3 3 +3 3 +3 3 +3 3 +4 4 +4 4 +4 4

17 20 23 27 32 39 39 48 48 58 58 58 67 67 67
m5 +9 13 +12 15 +15 18 +17 21 +20 24 +24 30 +24 30 +28 36 +28 36 +33 44 +33 44 +33 44 +37 50 +37 50 +37 50
+4 4 +6 6 +7 7 +8 8 +9 9 +11 11 +11 11 +13 13 +13 13 +15 15 +15 15 +15 15 +17 17 +17 17 +17 17

20 23 26 31 37 45 45 55 55 65 65 65 76 76 76
m6 +12 15 +15 17 +18 20 +21 23 +25 27 +30 34 +30 34 +35 42 +35 42 +40 48 +40 48 +40 48 +46 56 +46 56 +46 56
+4 4 +6 6 +7 7 +8 8 +9 9 +11 11 +11 11 +13 13 +13 13 +15 15 +15 15 +15 15 +17 17 +17 17 +17 17

Exemplo: Eixo Ø 40 j5

Lado passa +6 18 Interferência ou folga em caso de coincidência dos lados passa


10 Provável interferência ou folga
Lado não passa –5 5 Interferência ou folga em caso de coincidência dos lados não passa
Os números em negrito significam interferência
Os números normais no grupo de 3 significam folga

FAG 106 107 FAG


Configuração das peças contíguas
Ajustes do eixo

Medidas em mm

Medida nominal do eixo de 250 280 315 355 400 450 500 560 630 710 800 900 1000 1120 1250
até 280 315 355 400 450 500 560 630 710 800 900 1000 1120 1250 1600

Tolerâncias em µm (Tolerância normal)

Desvio do diâmetro 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
do furo do rolamento dmp –35 –35 –40 –40 –45 –45 –50 –50 –75 –75 –100 –100 –125 –125 –160

Esquema ∆dmp
do ajuste
Eixo Tolerância do eixo, interferência ou folga do ajuste em µm
-0+
21 21 22 22 23 23 26 26 5 5 14 14 27 27 50
f6 –56 44 –56 44 –62 47 –62 47 –68 51 –68 51 –76 58 –76 58 –80 47 –80 47 –86 39 –86 39 –98 38 –98 38 –110 29
–88 88 –88 88 –98 98 –98 98 –108 108 –108 108 –120 120 –120 120 –130 130 –130 130 –146 146 –146 146 –164 164 –164 164 –188 188

18 18 22 22 25 25 28 28 51 51 74 74 97 97 130
g5 –17 1 –17 1 –18 0 –18 0 –20 1 –20 1 –22 1 –22 1 –24 15 –24 15 –26 29 –26 29 –28 41 –28 41 –30 60
–40 40 –40 40 –43 43 –43 43 –47 47 –47 47 –51 51 –51 51 –56 56 –56 56 –62 62 –62 62 –70 70 –70 70 –80 80

18 18 22 22 25 25 28 28 51 51 74 74 97 97 130
g6 –17 4 –17 4 –18 3 –18 3 –20 3 –20 3 –22 4 –22 4 –24 9 –24 9 –26 24 –26 24 –28 33 –28 33 –30 41
–49 49 –49 49 –54 54 –54 54 –60 60 –60 60 –66 66 –66 66 –74 74 –74 74 –82 82 –82 82 –94 94 –94 94 –108 108

35 35 40 40 45 45 50 50 75 75 100 100 125 125 160


h5 0 16 0 16 0 18 0 18 0 21 0 21 0 23 0 23 0 39 0 39 0 55 0 55 0 69 0 69 0 90
–23 23 –23 23 –25 25 –25 25 –27 27 –27 27 –29 29 –29 29 –32 32 –32 32 –36 36 –36 36 –42 42 –42 42 –50 50

35 35 40 40 45 45 50 50 75 75 100 100 125 125 160


h6 0 13 0 13 0 15 0 15 0 17 0 17 0 18 0 18 0 33 0 33 0 48 0 48 0 61 0 61 0 81
–32 32 –32 32 –36 36 –36 36 –40 40 –40 40 –44 44 –44 44 –50 50 –50 50 –56 56 –56 56 –66 66 –66 66 –78 78

42 42 47 47 52 52
j5 +7 23 +7 23 +7 25 +7 25 +7 28 +7 28
– 16 16 – 16 16 – 18 18 – 18 18 – 20 20 – 20 20

51 51 58 58 65 65 72 72 100 100 128 128 158 158 199


j6 +16 29 +16 29 +18 33 +18 33 +20 37 +20 37 +22 40 +22 40 +25 58 +25 58 +28 76 +28 76 +33 94 +33 94 +39 120
– 16 16 – 16 16 – 18 18 – 18 18 – 20 20 – 20 20 – 22 22 – 22 22 – 25 25 – 25 25 – 28 28 – 28 28 – 33 33 – 33 33 – 39 39

47 47 53 53 59 59 65 65 91 91 118 118 146 146 185


js5 +11,5 27 +11,5 27 +12,5 32 +12,5 32 +13,5 35 +13,5 35 +14,5 38 +14,5 38 +16 55 +16 55 +18 73 +18 73 +21 90 +21 90 +25 115
– 11,5 12 – 11,5 12 – 12,5 13 – 12,5 13 – 13,5 14 – 13,5 14 – 14,5 15 – 14,5 15 – 16 16 – 16 16 – 18 18 – 18 18 – 21 21 – 21 21 – 25 25

51 51 58 58 65 65 72 72 100 100 128 128 158 158 199


js6 +16 29 +16 29 +18 33 +18 33 +20 37 +20 37 +22 40 +22 40 +25 58 +25 58 +28 76 +28 76 +33 94 +33 94 +39 120
– 16 16 – 16 16 – 18 18 – 18 18 – 20 20 – 20 20 – 22 22 – 22 22 – 25 25 – 25 25 – 28 28 – 28 28 – 33 33 – 33 33 – 39 39

62 62 69 69 77 77 79 79 107 107 136 136 167 167 210


k5 +27 43 +27 43 +29 47 +29 47 +32 53 +32 53 +29 53 +29 53 +32 71 +32 71 +36 91 +36 91 +42 111 +42 111 +50 140
+4 4 +4 4 +4 4 +4 4 +5 5 +5 5 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

71 71 80 80 90 90 94 94 125 125 156 156 191 191 238


k6 +36 49 +36 49 +40 55 +40 55 +45 62 +45 62 +44 62 +44 62 +50 83 +50 83 +56 104 +56 104 +66 127 +66 127 +78 159
+4 4 +4 4 +4 4 +4 4 +5 5 +5 5 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

78 78 86 86 95 95 105 105 137 137 170 170 207 207 258


m5 +43 59 +43 59 +46 64 +46 64 +50 71 +50 71 +55 78 +55 78 +62 101 +62 101 +70 125 +70 125 +82 151 +82 151 +98 188
+20 20 +20 20 +21 21 +21 21 +23 23 +23 23 +26 26 +26 26 +30 30 +30 30 +34 34 +34 34 +40 40 +40 40 +48 48

87 87 97 97 108 108 120 120 155 155 190 190 231 231 286
m6 +52 65 +52 65 +57 72 +57 72 +63 80 +63 80 +70 88 +70 88 +80 113 +80 113 +90 138 +90 138 +106 167 +106 167 +126 207
+20 20 +20 20 +21 21 +21 21 +23 23 +23 23 +26 26 +26 26 +30 30 +30 30 +34 34 +34 34 +40 40 +40 40 +48 48

Exemplo: Eixo Ø 560 m6

Lado passa +70 120 Interferência ou folga em caso de coincidência dos lados passa
88 Provável interferência ou folga
Lado não passa + 26 26 Interferência ou folga em caso de coincidência dos lados não passa
Os números em negrito significam interferência
Os números normais no grupo de 3 significam folga

FAG 108 109 FAG


Configuração das peças contíguas
Ajustes do eixo

Medidas em mm

Medida nominal do eixo de 3 6 10 18 30 50 65 80 100 120 140 160 180 200 225
até 6 10 18 30 50 65 80 100 120 140 160 180 200 225 250

Tolerâncias em µm (Tolerância normal)

Desvio do diâmetro 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
do furo do rolamento dmp –8 –8 –8 –10 –12 –15 –15 –20 –20 –25 –25 –25 –30 –30 –30

Esquema ∆dmp
do ajuste
Eixo Tolerância do eixo, interferência ou folga do ajuste em µm
-0+
21 24 28 34 40 48 48 58 58 70 70 70 81 81 81
n5 +13 17 +16 19 +20 23 +24 28 +28 32 +33 39 +33 39 +38 46 +38 46 +45 56 +45 56 +45 56 +51 64 +51 64 +51 64
+8 8 +10 10 +12 12 +15 15 +17 17 +20 20 +20 20 +23 23 +23 23 +27 27 +27 27 +27 27 +31 31 +31 31 +31 31

24 27 31 38 45 54 54 65 65 77 77 77 90 90 90
n6 +16 19 +19 21 +23 25 +28 30 +33 36 +39 43 +39 43 +45 51 +45 51 +52 60 +52 60 +52 60 +60 70 +60 70 +60 70
+8 8 +10 10 +12 12 +15 15 +17 17 +20 20 +20 20 +23 23 +23 23 +27 27 +27 27 +27 27 +31 31 +31 31 +31 31

28 32 37 45 54 66 66 79 79 93 93 93 109 109 109


p6 +20 23 +24 26 +29 31 +35 37 +42 45 +51 55 +51 55 +59 65 +59 65 +68 76 +68 76 +68 76 +79 89 +79 89 +79 89
+12 12 +15 15 +18 18 +22 22 +26 26 +32 32 +32 32 +37 37 +37 37 +43 43 +43 43 +43 43 +50 50 +50 50 +50 50

32 38 44 53 63 77 77 92 92 108 108 108 126 126 126


p7 +24 25 +30 30 +36 35 +43 43 +51 51 +62 62 +62 62 +72 73 +72 73 +83 87 +83 87 +83 87 +96 101 +96 101 +96 101
+12 12 +15 15 +18 18 +22 22 +26 26 +32 32 +32 32 +37 37 +37 37 +43 43 +43 43 +43 43 +50 50 +50 50 +50 50

31 36 42 51 62 75 77 93 96 113 115 118 136 139 143


r6 +23 25 +28 30 +34 35 +41 44 +50 53 +60 64 +62 66 +73 79 +76 82 +88 97 +90 99 +93 102 +106 116 +109 119 +113 123
+15 15 +19 19 +23 23 +28 28 +34 34 +41 41 +43 43 +51 51 +54 54 +63 63 +65 65 +68 68 +77 77 +80 80 +84 84

35 42 49 59 71 86 88 106 109 128 130 133 153 156 160


r7 +27 28 +34 34 +41 40 +49 49 +59 59 +71 71 +73 73 +86 87 +89 90 +103 107 +105 109 +108 112 +123 128 +126 131 +130 135
+15 15 +19 19 +23 23 +28 28 +34 34 +41 41 +43 43 +51 51 +54 54 +63 63 +65 65 +68 68 +77 77 +80 80 +84 84

Exemplo: Eixo Ø 200 n6

Lado passa +60 90 Interferência ou folga em caso de coincidência dos lados passa
70 Provável interferência ou folga
Lado não passa + 31 31 Interferência ou folga em caso de coincidência dos lados não passa
Os números em negrito significam interferência
Os números normais no grupo de 3 significam folga

Tolerâncias de eixo para buchas de fixação e de desmontagem

Tolerâncias de eixo em µm

IT5 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
h7/ 2 –12 2,5 –15 3 –18 4 –21 4,5 –25 5,5 –30 6,5 –30 6,5 –35 7,5 –35 7,5 –40 9 –40 9 –40 9 –46 10 –46 10 –46 10

IT5 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
h8/ 2 –18 2,5 –22 3 –27 4 –33 4,5 –39 5,5 –46 6,5 –46 6,5 –54 7,5 –54 7,5 –63 9 –63 9 –63 9 –72 10 –72 10 –72 10

IT6 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
h9/ 2 –30 4 –36 4,5 –43 5,5 –52 6,5 –62 8 –74 9,5 –74 9,5 –87 11 –87 11 –100 12,5 –100 12,5 –100 12,5 –115 14,5 –115 14,5 –115 14,5

Os algarismos em itálico, indicam uma orientação para a tolerância de forma


cilíndrica t1 (DIN ISO 1101)

FAG 110 111 FAG


Configuração das peças contíguas
Ajustes do eixo

Medidas em mm

Medida nominal do eixo de 250 280 315 355 400 450 500 560 630 710 800 900 1000 1120 1250
até 280 315 355 400 450 500 560 630 710 800 900 1000 1120 1250 1600

Tolerâncias em µm (Tolerância normal)

Desvio do diâmetro 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
do furo do rolamento dmp –35 –35 –40 –40 –45 –45 –50 –50 –75 –75 –100 –100 –125 –125 –160

Esquema ∆dmp
do ajuste
Eixo Tolerância do eixo, interferência ou folga do ajuste em µm
-0+
92 92 102 102 112 112 123 123 157 157 192 192 233 233 288
n5 +57 73 +57 73 +62 80 +62 80 +67 88 +67 88 +73 96 +73 96 +82 121 +82 121 +92 147 +92 147 +108 177 +108 177 +128 218
+34 34 +34 34 +37 37 +37 37 +40 40 +40 40 +44 44 +44 44 +50 50 +50 50 +56 56 +56 56 +66 66 +66 66 +78 78

101 101 113 113 125 125 138 138 175 175 212 212 257 257 316
n6 +66 79 +66 79 +73 88 +73 88 +80 97 +80 97 +88 106 +88 106 +100 133 +100 133 +112 160 +112 160 +132 193 +132 193 +156 237
+34 34 +34 34 +37 37 +37 37 +40 40 +40 40 +44 44 +44 44 +50 50 +50 50 +56 56 +56 56 +66 66 +66 66 +78 78

123 123 138 138 153 153 172 172 213 213 256 256 311 311 378
p6 +88 101 +88 101 +98 113 +98 113 +108 125 +108 125 +122 140 +122 140 +138 171 +138 171 +156 204 +156 204 +186 247 +186 247 +218 299
+56 56 +56 56 +62 62 +62 62 +68 68 +68 68 +78 78 +78 78 +88 88 +88 88 +100 100 +100 100 +120 120 +120 120 +140 140

143 143 159 159 176 176 198 198 243 243 290 290 350 350 425
p7 +108 114 +108 114 +119 127 +119 127 +131 139 +131 139 +148 158 +148 158 +168 199 +168 199 +190 227 +190 227 +225 273 +225 273 +265 330
+56 56 +56 56 +62 62 +62 62 +68 68 +68 68 +78 78 +78 78 +88 88 +88 88 +100 100 +100 100 +120 120 +120 120 +140 140

161 165 184 190 211 217 244 249 300 310 366 376 441 451
r6 +126 138 +130 142 +144 159 +150 165 +166 183 +172 189 +194 212 +199 217 +225 258 +235 268 +266 314 +276 324 +316 377 +326 387
+94 94 +98 98 +108 108 +114 114 +126 126 +132 132 +150 150 +155 155 +175 175 +185 185 +210 210 +220 220 +250 250 +260 260

181 185 205 211 234 240 270 275 330 340 400 410 480 490
r7 +146 152 +150 156 +165 173 +171 179 +189 198 +195 204 +220 230 +225 235 +255 278 +265 288 +300 337 +310 347 +355 403 +365 413
+94 94 +98 98 +108 108 +114 114 +126 126 +132 132 +150 150 +155 155 +175 175 +185 185 +210 210 +220 220 +250 250 +260 260

Exemplo: Eixo Ø 560 p6

Lado passa +122 172 Interferência ou folga em caso de coincidência dos lados passa
140 Provável interferência ou folga
Lado não passa + 78 78 Interferência ou folga em caso de coincidência dos lados não passa
Os números em negrito significam interferência
Os números normais no grupo de 3 significam folga

Tolerâncias de eixo para buchas de fixação e de desmontagem

Tolerâncias de eixo em µm

IT5 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
h7/ 2 –52 11,5 –52 11,5 –57 12,5 –57 12,5 –63 13,5 –63 13,5 –70 14,5 –70 14,5 –80 16 –80 16 –90 18 –90 18 –105 21 –105 21 –125 25

IT5 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
h8/ 2 –81 11,5 –81 11,5 –89 12,5 –89 12,5 –97 13,5 –97 13,5 –110 14,5 –110 14,5 –125 16 –125 16 –140 18 –140 18 –165 21 –165 21 –195 25

IT6 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
h9/ 2 –130 16 –130 16 –140 18 –140 18 –155 20 –155 20 –175 22 –175 22 –200 25 –200 25 –230 28 –230 28 –260 33 –260 33 –310 39

Os algarismos em itálico, indicam uma orientação para a tolerância de forma


cilíndrica t1 (DIN ISO 1101)

FAG 112 113 FAG


Configuração das peças contíguas Configuração das peças contíguas
Tolerâncias da caixa Ajustes da caixa

Medidas em mm
Rolamentos radiais
Medida nominal de 6 10 18 30 50 80
Tipo de carga Deslocamento Condições de serviço Tolerância do furo da caixa até 10 18 30 50 80 120
carga
Tolerâncias em µm (Tolerância normal)

Carga fixa para o Rolamento livre com anel externo A qualidade da tolerância é H7 (H6)*) Desvio do diâmetro 0 0 0 0 0 0
anel externo facilmente deslocável determinada pelo grau de externo do rolamento Dmp –8 –8 –9 –11 –13 –15
precisão de giro necessário
∆Dmp
Anel externo, geralmente deslocável, Alta precisão de giro H6 (J6) Esquema do ajuste
rolamento de contato angular de esferas necessária Caixa Tolerância do furo da caixa, interferência ou folga do ajuste em µm
e rolamento de rolos cônicos com anel +0-
externo ajustado Precisão de giro normal H7 (J7) 25 32 40 50 60 72
E8 +47 35 +59 44 +73 54 +89 67 +106 79 +126 85
Aquecimento vindo do eixo G7**) +25 55 +32 67 +40 82 +50 100 +60 119 +72 141

Carga rotativa para Carga reduzida Caso seja requerida uma K7 (K6) 13 16 20 25 30 36
o anel externo ou alta precisão F7 +28 21 +34 25 +41 30 +50 37 +60 44 +71 53
carga indeterminada Carga normal, golpes de giro, K6, M6, N6 e P6 M7 (M6) +13 36 +16 42 +20 50 +25 61 +30 73 +36 86
Carga elevada, golpes N7 (N6) 5 6 7 9 10 12
G6 +14 11 +17 12 +20 14 +25 18 +29 21 +34 24
Carga elevada, fortes golpes, P7 (P6) +5 22 +6 25 +7 29 +9 36 +10 42 +12 49
caixas com paredes finas
5 6 7 9 10 12
G7 +20 13 +24 15 +28 17 +34 21 +40 24 +47 29
+5 28 +6 32 +7 37 +9 45 +10 53 +12 62
*) G7 para caixas de ferro fundido cinzento, quando diâmetro externo do rolamento D > 250 mm
e a diferença de temperatura entre o anel externo e caixa for > 10 K 0 0 0 0 0 0
**) F7 para caixas de ferro fundido cinzento, quando diâmetro externo do rolamento D > 250 mm H6 +9 6 +11 6 +13 7 +16 9 +19 11 +22 12
e a diferença de temperatura entre o anel externo e caixa for > 10 K 0 17 0 19 0 22 0 27 0 32 0 37

0 0 0 0 0 0
H7 +15 8 +18 9 +21 10 +25 12 +30 14 +35 17
0 23 0 26 0 30 0 36 0 43 0 50

0 0 0 0 0 0
H8 +22 10 +27 12 +33 14 +39 17 +46 20 +54 23
0 30 0 35 0 42 0 50 0 59 0 69

4 5 5 6 6 6
J6 +5 2 +6 1 +8 2 +10 3 +13 5 +16 6
–4 13 –5 14 –5 17 –6 21 –6 26 –6 31

7 8 9 11 12 13
J7 +8 1 +10 1 +12 1 +14 1 +18 2 +22 4
Rolamentos axiais –7 16 –8 18 –9 21 – 11 25 – 12 31 – 13 37

4,5 5,5 6,5 8 9,5 11


Tipo de carga Tipo de construção Condições de serviço Tolerância JS6 6 +4,5 2 +5,5 1 +6,5 0 +8 1 +9,5 0 +11 1
– 4,5 12,5 – 5,5 13,5 – 6,5 15,5 –8 19 – 9,5 22,5 – 11 26

7,5 9 10,5 12,5 15 17,5


Carga axial Rolamentos axiais de esferas Precisão de giro normal E8 JS7 7 +7,5 1 +9 0 +10,5 1 +12,5 1 +15 1 +17,5 1
Alta precisão de giro H6 – 7,5 15,5 –9 17 – 10,5 19,5 – 12,5 23,5 – 15 28 – 17,5 32,5
Rolamentos axiais de rolos cilíndricos H7 (K7) 7 9 11 13 15 18
com anel de caixa K6 +2 1 +2 3 +2 4 +3 4 +4 4 +4 6
–7 10 –9 10 – 11 11 – 13 14 – 15 17 – 18 19
Coroa axial de rolos cilíndricos H10
10 12 15 18 21 25
Rolamentos axiais Carga normal E8 K7 +5 2 +6 3 +6 5 +7 6 +9 7 +10 8
Autocompensadores de rolos Carga elevada G7 – 10 13 – 12 14 – 15 15 – 18 18 – 21 22 – 25 25
Carga combinada Rolamentos axiais H7
carga fixa para o anel autocompensadores de rolos
de caixa Exemplo: Caixa Ø 100 K6

Carga combinada Rolamentos axiais K7 Lado passa +4 18 Interferência ou folga em caso de coincidência dos lados passa
carga rotativa para o anel autocompensadores de rolos 6 Provável interferência ou folga
de caixa Lado não passa – 18 19 Interferência ou folga em caso de coincidência dos lados não passa
Os números em negrito significam interferência
Os números normais no grupo de 3 significam folga

FAG 114 115 FAG


Configuração das peças contíguas
Ajustes da caixa

Medidas em mm

Medida nominal de 120 150 180 250 315 400 500 630 800 1000 1250 1600 2000
do furo da caixa até 150 180 250 315 400 500 630 800 1000 1250 1600 2000 2500

Tolerâncias em µm (Tolerância normal)

Desvio do diâmetro 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
externo do rolamento Dmp –18 –25 –30 –35 –40 –45 – 50 – 75 – 100 – 125 – 160 – 200 – 250

∆Dmp
Esquema do ajuste
Caixa Tolerância do furo da caixa, interferência ou folga do ajuste em µm
+0-
85 85 100 110 125 135 145 160 170 195 220 240 260
E8 +148 112 +148 114 +172 134 +191 149 +214 168 +232 182 +255 199 +285 227 +310 250 +360 292 +415 338 +470 384 +540 436
+85 166 +85 173 +100 202 +110 226 +125 254 +135 277 +145 305 +160 360 +170 410 +195 485 +220 575 +240 670 +260 790

43 43 50 56 62 68 76 80 86 98 110 120 130


F7 +83 62 +83 64 +96 75 +108 85 +119 94 +131 104 +146 116 +160 132 +176 149 +203 175 +235 205 +270 237 +305 271
+43 101 +43 108 +50 126 +56 143 +62 159 +68 176 +76 196 +80 235 +86 276 +98 328 +110 395 +120 470 +130 555

14 14 15 17 18 20 22 24 26 28 30 32 34
G6 +39 28 +39 31 +44 35 +49 39 +54 43 +60 48 +66 54 +74 66 +82 78 +94 93 +108 109 +124 130 +144 154
+14 57 +14 64 +15 74 +17 84 +18 94 +20 105 +22 116 +24 149 +26 182 +28 219 +30 268 +32 324 +34 394

14 14 15 17 18 20 22 24 26 28 30 32 34
G7 +54 33 +54 36 +61 40 +69 46 +75 50 +83 56 +92 62 +104 76 +116 89 +133 105 +155 125 +182 149 +209 175
+14 72 +14 79 +15 91 +17 104 +18 115 +20 128 +22 142 +24 179 +26 216 +28 258 +30 315 +32 382 +34 459

0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
H6 +25 14 +25 17 +29 20 +32 22 +36 25 +40 28 +44 32 +50 42 +56 52 +66 64 +78 79 +92 98 +110 120
0 43 0 50 0 59 0 67 0 76 0 85 0 94 0 125 0 156 0 191 0 238 0 292 0 360

0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
H7 +40 19 +40 22 +46 25 +52 29 +57 32 +63 36 +70 40 +80 52 +90 63 +105 77 +125 95 +150 117 +175 142
0 58 0 65 0 76 0 87 0 97 0 108 0 120 0 155 0 190 0 230 0 285 0 350 0 425

0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
H8 +63 27 +63 29 +72 34 +81 39 +89 43 +97 47 +110 54 +125 67 +140 80 +165 97 +195 118 +230 143 +280 177
0 81 0 88 0 102 0 116 0 129 0 142 0 160 0 200 0 240 0 290 0 355 0 430 0 530

7 7 7 7 7 7
J6 +18 7 +18 10 +22 13 +25 15 +29 18 +33 21
–7 36 –7 43 –7 52 –7 60 –7 69 –7 78

14 14 16 16 18 20
J7 +26 5 +26 8 +30 9 +36 13 +39 14 +43 16
– 14 44 – 14 51 – 16 60 – 16 71 – 18 79 – 20 88

12,5 12,5 14,5 16 18 20 22 25 28 33 39 46 55


JS6 +12,5 1 +12,5 3 +14,5 5 +16 7 +18 6 +20 8 +22 10 +25 17 +28 24 +33 31 +39 40 +46 52 +55 65
– 12,5 30,5 – 12,5 37,5 – 14,5 44,5 – 16 51 – 18 58 – 20 65 – 22 72 – 25 100 – 28 128 – 33 158 – 39 199 – 46 246 – 55 305

20 20 23 26 28,5 31,5 35 40 45 52 62 75 87
JS7 +20 1 +20 1 +23 2 +26 3 +28,5 3 +31,5 4 +35 5 +40 12 +45 18 +52 24 +62 32 +75 42 +87 54
– 20 38 – 20 45 – 23 53 – 26 61 – 28,5 68,5 – 31,5 76,5 – 35 85 – 40 115 – 45 145 – 52 177 – 62 222 – 75 275 – 87 337

21 21 24 27 29 32 44 50 56 66 78 92 110
K6 +4 7 +4 4 +5 4 +5 5 +7 4 +8 4 0 12 0 8 0 4 0 2 0 1 0 6 0 10
– 21 22 – 21 29 – 24 35 – 27 40 – 29 47 – 32 53 – 44 50 – 50 75 – 56 100 – 66 125 – 78 160 – 92 200 – 110 250

28 28 33 36 40 45 70 80 90 105 125 150 175


K7 +12 9 +12 6 +13 8 +16 7 +17 8 +18 9 0 30 0 28 0 27 0 28 0 30 0 33 0 34
– 28 30 – 28 37 – 33 43 – 36 51 – 40 57 – 45 63 – 70 50 – 80 75 – 90 100 – 105 125 – 125 160 – 150 200 – 175 250

Exemplo: Caixa Ø 560 K6

Lado passa 0 44 Interferência ou folga em caso de coincidência dos lados passa


12 Provável interferência ou folga
Lado não passa – 44 50 Interferência ou folga em caso de coincidência dos lados não passa
Os números em negrito significam interferência
Os números normais no grupo de 3 significam folga

FAG 116 117 FAG


Configuração das peças contíguas
Ajustes da caixa

Medidas em mm

Medida nominal de 6 10 18 30 50 80 120 150 180 250 315 400 500 630 800
do furo da caixa até 10 18 30 50 80 120 150 180 250 315 400 500 630 800 1000

Tolerâncias em µm (Tolerância normal)

Desvio do diâmetro 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
externo do rolamento Dmp –8 –8 –9 –11 –13 –15 – 18 –2 5 – 30 – 35 – 40 – 45 – 50 –75 –100

Esquema do ajuste
∆Dmp
Caixa Tolerância do furo da caixa, interferência ou folga do ajuste em µm
+0-
12 15 17 20 24 28 33 33 37 41 46 50 70 80 90
M6 –3 6 –4 9 –4 10 –4 11 –5 13 –6 16 –8 19 –8 16 –8 17 –9 19 –10 21 –10 22 –26 38 –30 38 –34 38
–12 5 –15 4 –17 5 –20 7 –24 8 –28 9 –33 10 –33 17 –37 22 –41 26 –46 30 –50 35 –70 24 –80 45 –90 66

15 18 21 25 30 35 40 40 46 52 57 63 96 110 124
M7 0 7 0 9 0 11 0 13 0 16 0 18 0 21 0 18 0 21 0 23 0 25 0 27 –26 56 –30 58 –34 61
–15 8 –18 8 –21 9 –25 11 –30 13 –35 15 –40 18 –40 25 –46 30 –52 35 –57 40 –63 45 –96 24 –110 45 –124 66

16 20 24 28 33 38 45 45 51 57 62 67 88 100 112
N6 –7 10 –9 14 –11 17 –12 19 –14 22 –16 26 –20 31 –20 28 –22 31 –25 35 –26 37 –27 39 –44 56 –50 58 –56 60
–16 1 –20 1 –24 2 –28 1 –33 1 –38 1 –45 2 –45 5 –51 8 –57 10 –62 14 –67 18 –88 6 –100 25 –112 44

19 23 28 33 39 45 52 52 60 66 73 80 114 130 146


N7 –4 11 –5 14 –7 18 –8 21 –9 25 –10 28 –12 33 –12 30 –14 35 –14 37 –16 41 –17 44 –44 74 –50 78 –56 83
–19 4 –23 3 –28 2 –33 3 –39 4 –45 5 –52 6 –52 13 –60 16 –66 21 –73 24 –80 28 –114 6 –130 25 –146 44

21 26 31 37 45 52 61 61 70 79 87 95 122 138 156


P6 –12 15 –15 20 –18 24 –21 28 –26 34 –30 40 –36 47 –36 44 –41 50 –47 57 –51 62 –55 67 –78 90 –88 96 –100 104
–21 4 –26 7 –31 9 –37 10 –45 13 –52 15 –61 18 –61 11 –70 11 –79 12 –87 11 –95 10 –122 28 –138 13 –156 0

24 29 35 42 51 59 68 68 79 88 98 108 148 168 190


P7 –9 16 –11 20 –14 25 –17 30 –21 37 –24 42 –28 49 –28 46 –33 54 –36 59 –41 66 –45 72 –78 108 –88 126 –100 127
–24 1 –29 3 –35 5 –42 6 –51 8 –59 9 –68 10 –68 3 –79 3 –88 1 –98 1 –108 0 –148 28 –168 13 –190 0

Exemplo: Caixa Ø 100 M7

Lado passa 0 35 Interferência ou folga em caso de coincidência dos lados passa


18 Provável interferência ou folga
Lado não passa – 35 15 Interferência ou folga em caso de coincidência dos lados não passa
Os números em negrito significam interferência
Os números normais no grupo de 3 significam folga

FAG 118 119 FAG


Configuração das peças contíguas Configuração das peças contíguas
Ajustes da caixa Assentamentos diretos

Medidas em mm Pistas em assentamentos diretos Também os aços para revenimento são utilizáveis,
Medida nominal de 1000 1250 1600 2000 Nos rolamentos de rolos cilíndricos sem o anel como o Cf 54 (mat. N° 1.1219) ou o 43 CrMo4
do furo da caixa até 1250 1600 2000 2500 interno ou o externo (execução RNU ou RN, (mat. N° 1.3563). Estes aços podem ser tempera-
Tolerâncias em µm (Tolerância normal) fornecida sob consulta) os rolos giram direta- dos ao calor ou por método indutivo. Como
mente sobre o eixo temperado e retificado ou na uma fórmula aproximativa para a profundidade
Desvio do diâmetro 0 0 0 0
caixa. mínima de revenimento Rhtmin vale:
externo do rolamento Dmp –125 –160 –200 –250
As pistas devem ter uma dureza entre 58 e Rhtmin = (0,1 ... 0,18) Dw
∆Dmp
Esquema do ajuste 64 HRC com um valor médio de rugosidade
Caixa
+0-
Tolerância do furo da caixa, interferência ou folga do ajuste em µm Ra ≤ 0,2 mm, para que seja aproveitada a capaci- sendo Dw o diâmetro dos corpos rolantes.
106 126 150 178 dade total de carga do rolamento. Também os
M6 –40 45 –48 47 –58 52 –68 58 anéis de encosto e os rebordos terão que ser tem- Os valores mais altos deverão ser usados com
–106 85 –126 112 –150 142 –178 182
perados. uma resistência menor do núcleo e/ou sob eleva-
145 173 208 243 das solicitações.
M7 –40 68 –48 78 –58 91 –68 102
–145 85 –173 112 –208 142 –178 182 Como material para as pistas foram comprovados Se a dureza da superfície das pistas for menor
os aços para rolamentos conforme DIN 17230, que 58 HRC o rolamento não atinge a sua total
132 156 184 220
N6 –66 67 –78 77 –92 86 –110 100 p.ex. o aço para rolamentos 100 Cr 6 (mat. n° capacidade de carga. Neste caso, a capacidade de
–132 59 –156 82 –184 108 –220 140 1.3505) como também os aços cementados, p.ex. carga C e a capacidade de carga estática C0
171 203 242 285 17 MnCr 5 (mat. N° 1.3521) ou 16 CrNiMo 6 devem ser reduzidas pelo fator fH, conforme o
N7 –66 94 –78 108 –92 125 –110 144 (mat. N° 1.3531). diagrama.
–171 59 –203 82 –242 108 –285 140

186 218 262 305 Nos aços cementados, a profundidade mínima de ▼ Fator fH para atender à dureza das pistas
P6 –120 121 –140 139 –170 164 –195 185
–186 5 –218 20 –262 30 –305 55 cementação (Ehtmin) das pistas retificadas depen- 1,0
de da carga, do diâmetro dos corpos rolantes e da 0,8
225 265 320 370
P7 –120 148 –140 159 –170 203 –195 229 resistência do núcleo do aço utilizado. Como
–225 5 –265 20 –320 30 –370 55 aproximados, valem os valores: 0,6
0,5
0,4
Ehtmin = (0,07 ... 0,12) Dw.
0,3
fH
Sendo Dw o diâmetro dos corpos rolantes 0,2

Os valores mais altos valem para uma resistência


menor do núcleo e/ou sob elevadas solicitações. 0,1
15 20 25 30 35 40 45 50 55 58 HRC
A profundidade de cementação deve ser de, no Dureza da superficie das pistas
mínimo, 0,3 mm.

FAG 120 121 FAG


Configuração das peças contíguas Configuração das peças contíguas
Assentamentos diretos · Fixação axial Fixação axial

As pistas devem ser retificadas sem apresentar Fixação axial dos rolamentos ▼ Fixação axial positiva de um rolamento fixo de esferas Mancais ajustados ou na disposição flutuante
ondulações. Com uma rugosidade média No que se refere à tarefa de guia, distingue-se e de um anel externo de um rolamento de rolos cilíndricos
Como os rolamentos ajustados ou na disposição
Ra > 0,2 µm não se pode aproveitar a capacidade entre rolamentos fixos, livres, ajustados ou na flutuante só transmitem forças axiais em um
total dos rolamentos. disposição flutuante (vide o capítulo Seleção de sentido, os anéis necessitam de encosto só de um
Nos assentamentos diretos, as tolerâncias de diâ- disposição, à página 24). A fixação axial dos lado. A guia contrária é admitida por um segun-
metro do eixo e da caixa são as que determinam anéis dos rolamentos é feita de acordo com a dis- do rolamento, disposto de forma simétrica.
a folga do rolamento. Nos preâmbulos de cada posição dos mesmos. Como elementos de apoio são utilizadas porcas
capítulo constam indicações mais detalhadas de eixo, anéis roscados, tampas ou anéis
quanto à folga dos rolamentos. distanciadores. Nos mancais flutuantes, o deslo-
Mancais com rolamentos fixos ou livres camento lateral é limitado através de encostos de
A tabela a seguir contém os valores orientativos Rolamento fixo Rolamento livre
para as tolerâncias de usinagem e de forma das Os rolamentos fixos têm que admitir forças axiais eixo ou de caixa, tampas, anéis de retenção, etc.
pistas para um assentamento direto, com exigên- mais ou menos elevadas, o que deve ser conside-
cias normais e elevadas quanto à precisão de giro. rado quando da fixação axial. No eixo e na caixa
devem ser previstos encostos, anéis retentores, ▼ Rolamento de rolos cilíndricos da execução NJ, montado Medidas de Montagem
como rolamento livre, sendo que o rebordo do anel
tampas de caixa, capas de eixo, porcas, etc. interno evita o deslocamento axial para um dos lados Os anéis dos rolamentos só podem encostar nos
Os rolamentos livres só devem transmitir forças rebordos do eixo e da caixa e não no rebaixo. O
axiais pequenas quando houver dilatação térmica. maior raio rg da peça contrária rsmin tem que ser,
A fixação axial deverá evitar, então, só o desloca- portanto, menor que a menor dimensão de canto
mento dos anéis para o que, geralmente, é sufi- rsmin do rolamento (vide pág. 52).
ciente um ajuste interferente. Nos rolamentos A altura do rebordo da peça contrária deverá ser
não separáveis, só um dos anéis deverá ter este de tal forma que, mesmo com a maior dimensão
ajuste, pois o outro é seguro pelos corpos rolan- de canto, ainda permaneça uma superfície de
tes. apoio com uma largura suficiente (DIN 5418).
Nas tabelas dos rolamentos estão indicadas as
medidas máximas do raio rg e o diâmetro dos
encostos. No preâmbulo do capítulo respectivo
constam eventuais peculiaridades, como p.ex. nos
rolamentos de rolos cilíndricos, nos de rolos
▼ Valores orientativos para a usinagem das pistas em assentamentos diretos cônicos e nos axiais.
Precisão de giro Pista Tolerância de Cilindricidade Precisão de giro Precisão de giro ▼ Fixação axial em mancais ajustados
usinagem dos encostos das pistas
(DIN ISO 1101)

Rolamentos
radiais
normal Eixo IT6 IT3 IT3
2
▼ Medidas de montagem conforme DIN 5418
Caixa IT6 IT3 IT3
2
rs
alta Eixo IT4 IT1 IT1
2 rg
▼ Fixação axial em mancais flutuantes h
Caixa IT5 IT2 IT2 a = folga de guia; a < b (b= fenda do labirinto axial)
2 rs

a a
Rolamentos rs h
axiais
normal IT5 rg
rs
alta IT4

As qualidades IT para uma elevada precisão de giro deverão ser previstas também para alto número de rotações e com folga b
radial reduzida.

FAG 122 123 FAG


Configuração das peças contíguas Configuração das peças contíguas
Vedação Vedação

Vedação Basicamente, as vedações se diferenciam em Com eixos na horizontal e lubrificados com óleo, com graxa. Antes da montagem eles são embebi-
A vedação exerce uma função predominante vedações de contato e vedações não de contato. são apropriados anéis protetores contra salpicos dos com óleo e vedam bem contra a poeira. Sob
sobre a duração da vida de um mancal. Se, por (c) para evitar a saída do óleo. A abertura de condições ambientais desfavoráveis, podem ser
um lado deve manter o lubrificante dentro do dreno do óleo na parte inferior do local de ajustados dois anéis de feltro lado a lado.
rolamento, por outro deve evitar a penetração de Vedações não de contato vedação deve ser suficientemente grande, para Para a vedação em uma lubrificação com óleo
impurezas. Nas vedações não de contato não surgem atritos, que a sujeira não possa fechá-la. são, antes de tudo, aplicados discos radiais de
As contaminações podem agir de modos diversos: além daquele causado pelo lubrificante. As Anéis centrífugos (d) girando junto, protegem a vedação de eixo (b). A guarnição provida de um
– um grande número de partículas muito vedações não se desgastam e permanecem funcio- fenda de vedação quando houver uma contami- lábio é prensada por uma mola, contra a superfí-
pequenas, agindo como abrasivos, provocam nando por muito tempo. Como não geram calor, nação maior. cie do eixo. Se a intenção for evitar principalmen-
um desgaste do rolamento. O aumento da as vedações não de contato são adequadas tam- Discos redutores de retenção (e) agem para que a te a saída do lubrificante, o lábio é ajustado do
folga ou o desenvolvimento crescente do ruído bém para um alto número de rotações. graxa permaneça nas proximidades do rolamento. lado interno do mancal. Um anel de vedação,
indicam o término da duração da vida de um Simples, mas de grande eficiência, é uma fenda O colar de graxa que se forma na fenda de com um lábio vedante adicional, evita também a
rolamento. estreita de vedação entre o eixo e a caixa (a). vedação protege o rolamento das impurezas. penetração de sujeira. Os lábios vedantes do
– partículas maiores, duras e que causam Um efeito vedante bem maior têm os labirintos Anéis lamelares de aço (f ), que se flexionam tanto material usual, borracha nitrílica (NBR) em uma
impressões (laminadas) reduzem a duração da (b), cujas fendas são preenchidas com graxa. Em para dentro como para fora, necessitam de pouco lubrificação com óleo, se prestam a velocidades
vida até a fadiga, porque se formam pittings ambientes que apresentem sujeira, de tempos em espaço para a montagem. Evitam a saída da graxa periféricas de até 12 m/s.
nos pontos de impressão pelas altas solici- tempos se pressiona graxa, por dentro, na fenda e são usados como pré-vedação contra respingos Uma vedação de lábio axialmente atuante é o
tações dos rolamentos. de vedação. de água. anel-V (c). Este anel de borracha inteiriço é des-
Elementos vedantes , que ocupam pouco espaço, locado sobre o eixo até que o lábio encoste axial-
▼ Vedações sem contato
são os anéis de blindagem (g) montados em um mente na parede da caixa, funcionando ao
a = de fenda, b = de labirinto, c = anéis protetores contra salpicos, d = anéis centrífugos, e = discos de retenção mesmo tempo como um disco centrífugo. Estas
f = anéis lamelares, g = rolamentos com blindagens (à esquerda .2ZR, à direita .ZR) h = rolamento com vedações RSD (.2RSD) ou em ambos os lados do rolamento. Os rola-
mentos com duas blindagens (sufixo .2ZR, nos vedações axiais de lábios são insensíveis a desloca-
rolamentos pequenos .2Z) são fornecidos de mentos radiais ou a leves inclinações do eixo. Os
fábrica com uma carga de graxa. anéis-V rotativos servem na lubrificação com
graxa para velocidades periféricas de até 12 m/s e
Nas vedações RSD (h) o lábio vedante forma aqueles fixos, em velocidades de até 20 m/s. Em
uma pequena fenda junto ao anel interno. O atri- velocidades acima de 8 m/s, o anel-V deve ter
to é tão reduzido como nos rolamentos com anéis apoio axial e a partir de 12 m/s ainda ser fixado
de blindagem, mas têm a vantagem de que o radialmente. Os anéis-V são muito usados como
rebordo elástico externo veda muito bem na ran- pré-vedações para manter as contaminações afa-
hura do anel externo. Isto é importante no anel stadas do anel de vedação radial do eixo.
a b externo giratório, pois, devido a influência da
força centrífuga, o óleo básico da graxa é lançado Uma vedação eficaz na lubrificação com graxa é
fora do sabão e sairia do anel externo, através do obtida também com discos de vedação elásticos
assento metálico não estanque (ZR, .2ZR, .2Z) (d). Os discos de chapa fina são fixados na face
dos anéis de blindagem. Com as vedações RSD, lateral, seja do anel interno ou do externo, e
os números de rotação dos anéis externos são repousam elasticamente, de forma axial, sobre o
dominados até o limite permitido. anel contrário.
Os rolamentos com um ou dois discos de vedação
(e) possibilitam construções simples. São apropria-
Vedações de contato dos para uma vedação contra a poeira, sujeira,
c d e As vedações de contato (veja o resumo à página umidade do ar e pequenas diferenças de pressão. A
126) se ajustam com uma certa pressão (na maior FAG fornece rolamentos sem necessidade de
parte radial) na superfície da pista. A pressão deve manutenção, com dois anéis de vedação e uma
ser mantida tão baixa quanto possível, para que o carga de graxa (veja também o capítulo “Supri-
momento de atrito e a temperatura não se elevem mento dos rolamentos com graxa”, à página 130).
demais. Estes também são influenciados pelo A execução RSR, feita de borracha nitrílica (NBR)
estado do lubrificante nas pistas, pela rugosidade é a mais comum das vedações usadas nos rolamen-
das mesmas e pela velocidade de deslizamento, tos fixos de esferas e encosta com pressão radial no
bem como pelo desgaste da vedação. Os anéis de anel interno retificado. A execução RS nos rola-
feltro (a) são elementos de vedação simples, bem mentos fixos de esferas pequenos, veda contra um
f g h
comprovados, principalmente na lubrificação chanfro no anel interno.

FAG 124 125 FAG


Configuração das peças contíguas Lubrificação e manutenção
Vedação Película lubrificante · Método de lubrificação

▼ Vedações de contato Lubrificação e manutenção óleos minerais com aditivos EP mostram valores
a = anéis ou tiras de feltro, b = anéis radiais de vedação do eixo, c = anéis-V, d = discos de vedação elásticos α nesta faixa.
e = rolamentos com anéis de vedação (à esq. .2RSR, à dir. .2RS) Estrutura da película lubrificante Na influência marcante do coeficiente pressão-
A lubrificação dos rolamentos tem, principalmen- viscosidade sobre a relação de viscosidade, como
te, a tarefa de evitar o desgaste e a fadiga prema- p.ex. com diéster, fluorocarbono ou óleo de sili-
tura, a fim de assegurar uma duração suficiente cone, devem ser considerados os fatores de
da vida. Além disto, a lubrificação deve colaborar correção B1 e B2, para a relação de viscosidade .
para obter propriedades de giro favoráveis, como Aí vale:
uma geração reduzida de ruído e um baixo atrito.
A película lubrificante gerada entre as peças que B1,2 =  · B1 · B2
transmitem a carga deve evitar o contato metáli-  = relação de viscosidade com óleo mineral
a co. A espessura desta película é determinada B1 = fator de correção para o comportamento
mediante o auxílio da teoria de lubrificação pressão-viscosidade
elastohidrodinâmica (conforme a publicação FAG = óleo sintético / óleo mineral
WL 81115 “Lubrificação dos rolamentos”). B2 = fator de correção para densidade diferente
Um método simplificado derivado desta teoria, = óleo sintético / óleo mineral
descreve o estado de lubrificação pela relação O diagrama à página 128, em baixo, mostra a
entre a viscosidade em serviço  e a viscosidade decorrência da densidade  sobre a temperatura
de referência 1, que é dependente da rotação n e para óleos minerais. A decorrência para um óleo
do diâmetro médio do rolamento dm, conforme o sintético pode ser avaliado, quando a densidade 
diagrama à página 43, em cima. a 15 °C for conhecida.
b
A vida nominal dos rolamentos conforme DIN
ISO 281 se refere ao fato de que a viscosidade em
serviço n do óleo utilizado seja, no mínimo, tão Seleção do método de lubrificação
elevada quanto a viscosidade de referência 1. Ao projetar uma máquina deve ser determinado,
Com o diagrama à página 43 pode ser determina- de início, se os rolamentos serão lubrificados com
da a viscosidade em serviço para óleos minerais, a óleo ou com graxa. Em casos especiais, também é
partir da viscosidade a 40 °C e da temperatura possível a lubrificação com elementos sólidos
em serviço. (veja a publicação FAG WL 81115 “Lubrificação
A influência da viscosidade em serviço divergindo dos rolamentos”).
c da viscosidade de referência e a limpeza na pelícu-
la lubrificante sobre a vida até a fadiga, é demons-
trada pelo cálculo ampliado da vida (página 40). Lubrificação com graxa
A lubrificação com graxa é aplicada em 90% de
A viscosidade do óleo lubrificante se modifica todos os rolamentos, pois apresenta as seguintes
pela pressão no contado de rolagem. Considera-se: vantagens:
 = o · ep – reduzido custo construtivo
 viscosidade dinâmica sob pressão p [Pa s] – bom apoio das vedações, proporcionado pela
o viscosidade dinâmica sob pressão graxa
d normal [Pa s] – alta durabilidade com uma baixa manutenção
e (= 2,71828) base dos logaritmos Sob condições ambientais e de serviço normais,
naturais muitas vezes é possível uma lubrificação para a
 coeficiente de pressão-viscosidade [m2/N] vida (“for-life”).
p pressão [N/m2] Deve ser prevista uma relubrificação a intervalos
Isto é considerado no cálculo do estado de lubri- regulares, quando houver alta solicitação (rotação,
ficação segundo a teoria EHD para lubrificantes. temperatura, carga). Para tanto, devem ser previs-
O comportamento da pressão-viscosidade de tos canais para suprir e drenar a graxa e um depó-
alguns lubrificantes é mostrado no diagrama à sito para a graxa envelhecida e, quando os inter-
página 128, em cima. A faixa a–b para óleos valos forem curtos, eventualmente uma bomba e
e
minerais é a base para o diagrama a23. Também os um regulador da graxa.

FAG 126 127 FAG


Lubrificação e manutenção Lubrificação e manutenção
Película lubrificante · Método de lubrificação Método de lubrificação · Seleção da graxa

▼ Coeficiente de pressão-viscosidade  como função da viscosidade cinemática , válido para a faixa de pressão
Lubrificação com óleo Escolha da graxa adequada
de 0 a 2000 bar Um método de lubrificação com óleo se oferece As graxas são diferenciadas pelos espessantes e
a–b óleos minerais quando as peças adjacentes da máquina já são pelos óleos básicos que as compõem. Via de regra,
e diéster supridas com óleo. A dissipação do calor é neces- os óleos básicos das graxas seguem a orientação
g éster triarilfosfato
h flúor carbono sária quando houver altas cargas, altas rotações ou dada à lubrificação com óleo.
i poliglicol um aquecimento do mancal devido a influências As graxas usuais contêm sabões metálicos como
k, l silicone
externas. espessantes e um óleo básico de origem mineral,
h Na lubrificação com quantidades pequenas (lubri- encontrando-se disponíveis nas mais diversas clas-
4,0 ficação por quantidades mínimas), seja por gote- ses de penetração (classes NLGI). Em relação às
jamento, névoa ou por ar-óleo, o atrito por influências ambientais como a temperatura e a
Coeficiente de pressão-viscosidade α · 108

“chapisco” e, com isto, os atritos no rolamento umidade, estas graxas mostram comportamentos
2
m /N são mantidos bem reduzidos. diferentes. O diagrama abaixo apresenta um
g esquema para auxiliar na seleção da graxa segun-
Na utilização do ar como meio de transporte,
é obtido um suprimento dirigido e um fluxo do a carga e a rotação.
3,0
a auxiliar à vedação. Os significados são:
Uma lubrificação por injeção de óleo em maiores P/C medida para a carga específica
b quantidades, possibilita um suprimento correto P carga dinâmica equivalente [kN]
em todos os pontos de contato dos rolamentos de C capacidade de carga dinâmica [kN]
l
2,0 alta velocidade, proporcionando uma boa refrige- ka fator para o tipo construtivo do rolamento
k i ração. n rotação [rpm]
dm diâmetro médio do rolamento [mm]
e

▼ Seleção da graxa segundo as condições de carga e o índice de rotação ka · n · dm


1,0 2
1 2 3 4 6 8 10 20 30 40 60 100 mm /s 300
Viscosidade cinemática ν Faixa N
0,9 0,6
Faixa de serviço normal
0,6 0,4 Graxa K conforme DIN 51825
▼ Dependência da densidade  dos óleos minerais da temperatura t

P/C nos rolamentos radialmente carregados


Faixa HL

P/C nos rolamentos axialmente carregados


1,00
Faixa de cargas elevadas
0,98 0,98 0,3 0,2 Graxas KP conforme DIN 51825 ou
g·c outras apropriadas
g/cm3 m -3
0,96 a 15 HL
˚C
0,94
0,94 Faixa HN
0,92 0,15 0,1
0,92 Faixa de elevadas rotações
0,90 Graxas para rolamentos de alta velocidade
0,90 Para tipos construtivos de rolamentos com
0,88 um ka > 1, graxas KP conforme DIN 51825
0,88 0,09 0,06 p.2 ou outras graxas equivalentes.
Densidade ρ

0,86 N
0,86
0,84 0,06 0,04 Valores ka
0,84
0,82 HN ka = 1 fixos de esferas, de contato angular
de esferas, de quatro pistas, auto-
0,80 compensadores de esferas, de rolos
0,03 0,02 cilíndricos radialmente carregados e
0,78 axiais de esferas.

0,76 0,02 0,013 ka = 2 autocompensadores de rolos, de


rolos cônicos.
0,74 50 000 100 000 200 000 400 000 1 000 000
0 15 50 ˚C 100 ka = 3 de rolos cilíndricos axialmente
ka · n · dm [rpm · mm] carregados e aqueles sem gaiola.
Temperatura t

FAG 128 129 FAG


Lubrificação e manutenção Lubrificação e manutenção
Seleção da graxa · Suprimento com graxa Suprimento com graxa · Seleção do óleo

Em aplicações próximas à curva limite, a tempe- – preencher totalmente, os rolamentos que ▼ Intervalos para a relubrificação sob condições ambientais favoráveis. Durabilidade F10 para as graxas padrão à base de
ratura de permanência geralmente é alta, motivo giram devagar (n · dm < 50 000 rpm · mm) e sabão de lítio, conforme DIN 51825, a 70 °C, com uma probabilidade de falha de 10%.
pelo qual são necessárias graxas para temperaturas as suas caixas.
mais altas. Veja maiores detalhes para a seleção da Nos rolamentos girando em altas velocidades é 100 000
graxa na publ. FAG WL 81115 “Lubrificação de necessária uma distribuição da graxa, vide a publi-
rolamentos”. cação WL 81115 “Lubrificação dos rolamentos”. 50 000
As graxas Arcanol para rolamentos FAG são lubri- A durabilidade da graxa é o tempo decorrido 30 000
ficantes comprovados que permitem cumprir desde o início de funcionamento até que ocorra
quase que todas as exigências feitas à lubrificação 20 000
uma falha como consequência de insuficiência da
de rolamentos. Dados químico-físicos, instruções lubrificação. Com F10 se identifica a curva da
de aplicação e dados sobre disponibilidade, con- 10 000
durabilidade de uma determinada graxa para uma
sulte as páginas 679 a 681, como também a probabilidade de falha de 10% e que é obtida por
publicação FAG WL 81116 “Arcanol – a graxa tf [h] 5 000
experiências de laboratório, p.ex. com o aparelho Intervalo
testada para rolamentos”. para testes de graxas para rolamentos FAG FE9. 3 000
O valor F10 muitas vezes é desconhecido para o 2 000
Suprimento dos rolamentos com graxa usuário e, portanto, a FAG dá como valor orien-
Nos rolamentos lubrificados para a vida, aprox. tativo para a durabilidade mínima de graxas
1 000
30% do espaço interno vago é preenchido com padrão, o período de lubrificação tf. Por razões de
graxa. Este volume se distribui durante as primei- segurança, o prazo para relubrificação (vide
500
ras horas de serviço e, a partir de então, o rola- abaixo) deve ser fixado a intervalos bem mais cur-
mento gira só com 30% a 50% do atrito inicial. tos que o prazo de lubrificação. 300
A FAG fornece inúmeros rolamentos já com uma A curva de relubrificação no diagrama à página 200
carga de graxa: 131, dá uma segurança suficiente também para as 20 30 50 70 100 150 200 300 500 700 1 000 1 500 2 000
graxas que só cumpram as exigências mínimas da kf · n · dm [103 rpm · mm]
– fixos de esferas das execuções .2ZR (.2Z), Norma DIN 51825. O intervalo de lubrificação
.2RSR (.2RS) E .2RSD. depende do índice kf · n · dm. Tipo construtivo do rolamento kf Tipo construtivo do rolamento kf
– de contato angular de duas carreiras de esferas Para alguns tipos construtivos de rolamentos
das execuções B.TVH, .2ZR e .2RSR estão indicados fatores kf de grandeza diferente, fixo de esferas de uma carreira 0,9 . . . 1,1 rolamentos de rolos de uma carreira 3 . . . 3,5*)
– rolamentos para fusos de alta velocidade das dos quais, os mais elevados devem ser aplicados de duas carreiras 1,5 cilíndricos de duas carreiras 3,5
séries HSS70 e HSS719, como também os para as séries de rolamentos com maior capacida- de contato angular de uma carreira 1,6 sem gaiola 25
de esferas de duas carreiras 2 axiais de rolos cilíndricos 90
rolamentos híbridos de cerâmica das séries de de carga e os mais baixos, para as séries meno- para fusos  = 15° 0,75 de rolos cônicos 4
HCS70 e HCS719. res. O diagrama se aplica a graxas à base de sabão  = 25° 0,9 de rolos esféricos 10
de quatro pistas 1,6 autocompensadores de rolos sem rebordos “E” 7...9
– rolamentos autocompensadores de esferas na de lítio a uma temperatura, medida no anel exter- autocompensador de esferas 1,3 . . . 1,6 autocompensadores de rolos com rebordo
execução .2RS no, de até 70 °C, com uma carga média corres- axial de esferas 5...6 central 9 . . . 12
axial de contato angular
– rolamentos de duas carreiras de rolos cilíndri- pondente a P/C < 0,1. Cargas e temperaturas de esferas de duas carreiras 1,4 *) para rolamentos com carga axial constante; para
cos, sem gaiola, séries NNF50B.2LS.V e mais altas encurtam o prazo de relubrificação. O carga axial alternada, kf vale 2
NNF50C.2LS.V intervalo reduzido de relubrificação tfq é o produ-
– rolamentos de fixação rápida das séries 162, to do período de lubrificação tf pelos fatores de
362, 562, 762.2RSR redução f1 a f6 (vide a publicação FAG n° 81115).
Se a durabilidade da graxa for sensivelmente mais Seleção do óleo apropriado Viscosidade do óleo recomendada
Se forem usados os rolamentos FAG ainda sem curta do que a expectativa de vida do rolamento, São adequados para a lubrificação de rolamentos, A vida atingível até a fadiga e a garantia contra
graxa, o usuário deverá aplicá-la. Recomendações: torna-se necessária uma relubrificação ou a troca principalmente os óleos minerais e sintéticos. Os desgaste são tanto mais altas quanto melhor as
– preencher o rolamento com graxa para que da graxa. Como em uma relubrificação a graxa óleos lubrificantes à base de óleo minerais são os superfícies de contato estiverem separadas por uma
todas as superfícies funcionais recebam graxa envelhecida só é reposta em parte por nova, é mais usados, devendo cumprir, no mínimo, com película lubrificante. Para se obter isto, deverá ser
com segurança. necessário se fixar um prazo mais curto para a as exigências da Norma DIN 51501. Óleos espe- escolhido um óleo com uma alta viscosidade em
– preenchimento dos espaços próximos ao rola- relubrificação do que aquele para a lubrificação ciais, muitas vezes sintéticos, são usados sob con- serviço. Uma viscosidade em serviço  = ν/ν1 =
mento só com uma quantidade, para que a (usualmente de 0,5 a 0,7 · tf). dições de serviço extremas ou sob exigências espe- 3...4 possibilita atingir uma vida longa (ν = visco-
graxa expelida do rolamento ainda tenha A efetuar uma relubrificação não se pode excluir a ciais à estabilidade do óleo. Os valores caracterís- sidade em serviço, ν1 = viscosidade de referência,
espaço. mistura de graxas diferentes. Sem inconvenientes ticos de óleos e a ação de aditivos podem ser para a determinação vide à página 42). Os óleos
– rolamentos com rotação muito alta (n · dm > são as misturas de graxas à base do mesmo sabão. obtidos da publicação FAG WL 81115 altamente viscosos, entretanto, não oferecem
500 000 rpm · mm) só preencher parcialmen- A miscibilidade das graxas pode ser obtida da “Lubrificação de rolamentos”. somente vantagens. Com uma viscosidade mais
te (20% a 30% do espaço vazio). publicação FAG WL 81115. alta, aumenta também o atrito do lubrificante.

FAG 130 131 FAG


Lubrificação e manutenção Lubrificação e manutenção
Seleção do óleo · Suprimento com óleo Suprimento com óleo

Tanto em temperatura baixa como normal, Nos óleos para altas temperaturas, a par do limite ▼ Nível do óleo na lubrificação por imersão ▼ Quantidade de óleo e intervalos para a troca,
podem surgir problemas com a adução e drena- da temperatura de aplicação e também o compor- dependendo do furo do rolamento
gem do óleo. Para evitá-los, deve ser selecionado tamento V/T tem um significado importante. A
um óleo com tal viscosidade que propicie uma escolha é feita com base nas propriedades do óleo.
elevada vida até a fadiga, mas também um supri- Vide a publicação FAG WL 81115 DA s
se
300 me
mento satisfatório dos rolamentos com óleo. “Lubrificação de rolamentos”. mm 2-3
200 leo
Às vezes, p.ex. com rolamentos em eixos de saída doó
girando devagar, não se consegue atingir a viscosi- Suprimento dos rolamentos com óleo ca
tro
dade de serviço. Nestes casos também pode ser de
Os rolamentos podem ser lubrificados por imer- 100
rva
lo ses
usado um óleo com uma viscosidade menor que a e me
são, por quantidades mínimas ou por recirculação d Int 0-1
2
indicada, mas este deverá conter aditivos EP Furo 60 1
de óleo. Quando for prevista a lubrificação por
atuantes e ter a sua aptidão comprovada através imersão, o óleo deverá ser conduzido aos mancais
do rola-
mento 40
de um teste na máquina de ensaio FE8 da FAG. através de aparelhos. No sistema por imersão,
De outro modo, pode-se contar com uma também conhecido por banho de óleo, o rola-
redução do giro até a fadiga e com o surgimento mento se encontra mergulhado, em parte imerso 20
de desgaste nas superfícies funcionais ( vide o cál- no óleo. O nível do óleo nos eixos horizontais
culo ampliado de vida, à página 40). Deverá ser deve ser tal, que atinja até à metade ou por
observada a compatibilidade de óleos minerais inteiro o corpo rolante inferior do rolamento, 10
altamente aditivados com os materiais das 0,2 0,4 0,6 1,0 2 4 6 8 10 l 20
quando em repouso. Com o rolamento girando,
vedações e das gaiolas (vide à página 85). o óleo é levado em parte pelos corpos rolantes e Quantidade de óleo
pela gaiola e distribuído pela circunferência do
Seleção do óleo conforme as condições de serviço rolamento. Nos rolamentos com um corte trans-
Sob condições normais de serviço (pressão atmos- versal assimétrico, que transportam o óleo, têm
férica, temperatura de no máximo 100 °C com que ser previstos canais de retorno para o mesmo,
imersão em banho de óleo e temperatura de no para se formar uma circulação. Com um alto
máximo 150 °C com circulação de óleo, relação número de rotações, um nível de óleo acima do
de solicitação P/C < 0,1, rotação até o limite), corpo rolante inferior gera uma temperatura mais
podem ser usados os óleos não ligados, de pre- alta, devido ao trabalho de chapisco. Se o índice
ferência não inibidos (proteção contra corrosão e de rotação n · dm se situar abaixo de 150000 ▼ Quantidades de óleo na lubrificação por recirculação
envelhecimento, identificação L conforme DIN rpm · mm, o rolamento pode ser inteiramente
51 502). Se não puder ser mantida a viscosidade submerso. A lubrificação por imersão é normal-
prescrita, deverão ser previstos óleos com aditivos mente utilizada em rotações n · dm de até 300000 É necessária uma
quantidade maior
EP apropriados. rpm · mm. O nível de óleo deve ser regularmente de óleo para a
c1 c2
Sob altos números de rotação (ka · n · dm > controlado. 100 b1 dissipação do calor
500 000 rpm · mm) é vantajoso o uso de um Para valores indicativos para os prazos de troca do 50
l/min b2
óleo estável à corrosão, não espumante, com uma óleo, sob condições normais, temperatura do 20
Desnecessária
relação viscosidade--temperatura apropriada. Na rolamento de até 80 °C, reduzida contaminação 10 a1 a dissipação
fase inicial, quando a temperatura geralmente é veja o diagrama da página 133, em cima. As 5 de calor
a2
baixa é evitado um atrito por chapisco alto, e caixas com quantidades reduzidas de óleo exigem 2
com isto, um aquecimento; na temperatura de uma troca de óleo mais constante. No período 1
Quanti- 0,5 a Para lubrificação
permanência mais elevada, permanece uma visco- inicial, a troca do óleo pode ser necessária depois dade 0,2
c com quantidade
sidade suficiente para garantir a lubrificação. de um prazo muito curto, devido à temperatura de óleo de óleo suficiente
0,1
Se os rolamentos forem altamente solicitados mais alta e pela sujeira maior causada por partícu- b b Acima do limite
0,05 para rolamentos
(P/C > 0,1) ou a viscosidade em serviço ν for las de abrasão. com construção
0,02
menor do que a viscosidade de referência ν1, Na lubrificação por recirculação, o óleo, depois 0,01
simétrica
deverão ser usados óleos com aditivos anti-desgas- de passar pelo rolamento, é dirigido a um recipi- c Acima do limite
0,005 para rolamentos
a
te (óleos EP, identificação P conforme DIN ente e novamente encaminhado ao rolamento, 0,002 com construção
51502). A aptidão de aditivos EP é diferenciada e tornando um filtro absolutamente indispensável, 0,001 assimétrica
na maioria, dependente da temperatura. A efi- pelo fato de contaminações na fenda lubrificante 10 20 50 100 200 500 1 000 mm 3 000
a1, b1, c1: D/d  1,5
ciência só pode ser avaliada mediante um teste no influírem fortemente na duração da vida (veja a Diâmetro externo do rolamento D a2, b2, c2: D/d  1,5
rolamento (Bancada de Ensaio FE8 da FAG). página 40).

FAG 132 133 FAG


Lubrificação e manutenção Lubrificação e manutenção
Suprimento com óleo · Armazenagem Armazenagem · Limpeza · Montagem

As quantidades recirculantes (vide o diagrama à – diferenças de temperaturas diurnas/noturnas O tempo permitido para o prazo de armazena- Montagem e desmontagem
página 133) são adaptadas às condições de ser- ≤8K gem não pode ser visto como limite rígido. As Os rolamentos são elementos de máquinas alta-
viço. Para os rolamentos com um corte transversal – umidade relativa do ar ≤ 65% graxas para rolamentos, como misturas de óleo, mente solicitáveis, cujas peças são de extrema pre-
assimétrico (como os de contato angular de espessantes e aditivos podem modificar as suas cisão. Para poder aproveitar ao máximo a sua efi-
esferas, de rolos cônicos ou os axiais autocompen- Prazos permitidos para a armazenagem dos propriedades físico-químicas, durante a armaze- ciência é necessário considerar a montagem e a
sadores de rolos), são permitidos volumes maiores rolamentos nagem e, portanto, deverão ser usadas logo. Com desmontagem ao determinar o tipo construtivo e
do que para aqueles com o corte transversal Sob conservação normal, os rolamentos podem uma armazenagem cuidadosa, ou seja, cumprindo a execução, bem como a configuração das peças
simétrico, devido à sua ação transportadora. As ser guardados até 5 anos, se forem cumpridas as todas as condições citadas acima, temperatura contíguas.
quantidades maiores se tornam necessárias, tam- condições citadas anteriormente. Caso contrário ambiente reduzida, embalagens cheias, fechadas e
bém, quando partículas abrasivas ou calor tiverem exclusão de ar, a maioria das graxas lubrificantes A utilização de métodos e ferramentas de monta-
pode ser esperado um prazo de armazenagem gem adequados, cuidados e limpeza no local da
que ser dissipados. mais curto. ainda são utilizáveis após 5 anos, senão houver
Nos rolamentos girando a altas velocidades, o mudanças registradas. montagem são premissas indispensáveis para que
Se o prazo de armazenagem for ultrapassado, é se obtenha uma longa duração de vida. Na tabela
óleo é injetado na fenda entre a gaiola e o anel do recomendado, antes da utilização do rolamento, Temperaturas mais altas e espaços vazios nas
rolamento. A lubrificação por injeção mediante à página 136, são visualizados os métodos mecâ-
efetuar uma inspeção sobre o seu estado de con- embalagem devem ser evitados, já que propiciam nicos, térmicos *) ou hidráulicos que podem ser
grandes quantidades de óleo é aliada a altas per- servação e de eventual corrosão. Sob consulta, a uma perda de óleo da graxa. Em caso de dúvidas,
das de potência; o aquecimento dos rolamentos, aplicados na montagem e na desmontagem de
FAG presta assistência para a avaliação de riscos é recomendada uma prova fisico-química sobre a rolamentos dos mais variados tipos e tamanhos.
só a grande custo, é mantido dentro dos limites. para uma armazenagem posterior ou uma uti- alteração da graxa. Sob consulta, a FAG presta
O limite máximo de rotações do índice (n · dm = Os pontos de vista principais durante a monta-
lização de rolamentos mais velhos. assistência para a avaliação do risco de uma arma- gem e os métodos usuais são abordados a seguir.
106 rpm · mm nos rolamentos apropriados como, Uma conservação especial, que permite uma zenagem mais longa ou a utilização de graxas
p.ex. nos rolamentos para fusos) pode ser sensi- armazenagem por períodos mais longos ou mais mais velhas. Indicações mais precisas sobre a montagem e a
velmente sobrepassado usando-se uma lubrifi- curtos do que a normal é aplicada em casos espe- desmontagem estão contidas na publicação FAG
cação por injeção. Se forem guardadas embalagens semi-utilizadas, a WL 80100 “Montagem de rolamentos”.
ciais. superfície da graxa deverá ser alisada, a embala-
Com uma lubrificação por quantidades mínimas Os rolamentos vedados de ambos os lados (.2ZR) gem fechada hermeticamente e colocadas de A publicação FAG WL 80200 “Métodos e apare-
de óleo é possível atingir um momento de atrito ou com anéis de vedação (.2RSR), desde que pos- forma que o espaço vazio fique para cima. lhos para a montagem e a manutenção de rola-
reduzido e, com isto, uma temperatura em ser- sível, não devem ser armazenados por mais tempo mentos” contém o programa FAG corresponden-
viço baixa. A quantidade suficiente de óleo para o que o limite do prazo. As graxas de seu preenchi- te.
suprimento depende muito do tipo construtivo mento podem alterar as suas propriedades físico- A FAG já oferece há anos como serviço, um efi-
do rolamento. Os rolamentos de rolos cilíndricos químicas por envelhecimento. Mesmo que a ciente diagnóstico de danos. Com os aparelhos de
de duas carreiras, p.ex., precisam de volumes capacidade mínima de rendimento fique conser- medição eletrônicos portáteis FAG, o usuário
extremamente pequenos, ao contrário de rola- vada, as reservas de segurança da graxa lubrifican- Limpeza de rolamentos sujos pode, ele mesmo, manter as suas máquinas e
mentos com ação transportadora como os de con- te podem ter sido diminuídas (vide também o Para a limpeza de rolamentos podem ser usados instalações, vide também o capítulo “Programa de
tato angular de esferas, que necessitam de quant- capítulo a seguir). querosene, dewatering-fluids, soluções para lim- Serviços FAG”, à página 685 e seguintes.
idades maiores, veja também a publicação FAG
WL 81115. As rotações atingíveis se situam ao peza aquosas neutras e alcalinas. Deverá ser obser-
redor dos índices de 1,5 · 106 rpm · mm. Armazenagem das graxas para rolamentos vado que o querosene, a benzina, o álcool e os
FAG Arcanol (veja também a página 679) dewatering-fluids são inflamáveis e os meios alca-
Armazenagem dos rolamentos Do mesmo modo, as condições de armazenagem linos são corrosivos.
O material de conservação e a embalagem dos para os rolamentos valem também para as graxas A utilização de hidrogênio clorado é sujeito a ris-
rolamentos FAG são combinados para manter as para rolamentos Arcanol. Complementando, vale: cos de fogo, explosões e decomposição, além de
características dos rolamentos pelo maior tempo – temperatura entre +6 até +40 °C, se possível ser danosa para a saúde. Estes riscos, como méto-
possível. Para tanto, também é preciso que se temperatura ambiente dos de proteção adequados, são minuciosamente
cumpram determinadas condições para a arma- – embalagens cheias fechadas, originais descritos no formulário ZH1/425 da Associação
zenagem e o manuseio. Períodos de armazenagem permitidos para as dos Sindicatos de Empregados.
Durante a armazenagem não podem atuar meios graxas Arcanol para rolamentos. Para a limpeza deverão ser usados pincéis, escovas
agressivos como p.ex., gases, névoa ou aerosóis de – 2 anos para graxas lubrificantes com classe de ou panos que não soltem fiapos. Para evitar uma
ácidos, lixívias ou sais. Também deverá ser evitada a consistência ≥ 2 corrosão, os rolamentos limpos devem ser imedia-
luz solar direta pois, além da ação nefasta dos raios – 1 ano para graxas lubrificantes com classe de *) Se, por exemplo, na desmontagem de um rolamento for utilizado
tamente conservados após a evaporação dos meios um maçarico e for atingida uma temperatura de 300°C ou mais,
ultra-violetas, também pode influir nas variações de consistência < 2 de limpeza usados. Se os rolamentos apresentarem podem ser gerados gases e vapores tóxicos dos materiais fluorados. A
temperatura na embalagem. Para evitar a formação Durante estes prazos, as graxas para rolamentos resíduos coqueificados de óleo ou de graxa, reco- FAG utiliza materiais fluorados para vedações de borracha fluorada
de água por condensação são permitidas: Arcanol são perfeitamente armazenáveis à tempe- menda-se uma limpeza prévia e um tratamento (FKM, FPM e Viton‚) ou lubrificantes fluorados, como a graxa Arcanol
L79V. Desde que não seja possível evitar as altas temperaturas, devem
– temperaturas de + 6 a + 25 °C, por curto ratura ambiente, em embalagens originais fecha- com solvente de limpeza aquoso, fortemente alca- ser tomadas as precauções diante dos materiais fluorados, cujos folhetos
tempo 30 °C das, sem perda de eficiência. lino. são fornecidos sob consulta.

FAG 134 135 FAG


Montagem e desmontagem
Tabela: ferramentas e métodos

▼ Tabela: ferramentas e métodos para a montagem e a desmontagem de rolamentos · Símbolos

Tipo construtivo do rolamento Furo do Tamanho Montagem Desmontagem Símbolos


rolamento
com sem método com aque- sem aque- Método
aquecimento aquecimento hidráulico cimento cimento hidráulico

Fixos de esferas de rolos


cônicos cilíndrico pequeno banho de óleo

de contato angular de rolos


para fusos esféricos placa de aquecimento
médio
autocom-
de quatro pistas pensadores
de rolos cabine de ar
quente
autocompensadores grande
de esferas

dispositivo de aquecimento
de rolos cilíndricos cilíndrico pequeno por indução

espiral
médio indutiva

anel aquecedor

grande
martelo e
casquilho
axiais de esferas cilíndrico pequeno
prensas mecânicas
e hidráulicas
axiais de contato angular de esferas
médio
axiais de rolos cilíndricos chave de
gancho duplo

axiais autocompensadores de rolos grande porca e chave


de gancho

autocompensadores de esferas
autocompensadores de esferas cônico pequeno
com bucha de fixação porcas e parafusos
de montagem
de rolos esféricos
de rolos esféricos com bucha de fixação
autocompensadores de rolos médio
autocompensadores de rolos com bucha capa de eixo
de fixação
autocompensadores de rolos com bucha
de desmontagem
bucha de bucha de grande
prensa de êmbolo
fixação desmontagem anular

de rolos cilíndricos, de duas carreiras cônico pequeno martelo e


punção

médio dispositivo extrator

método hidráulico
grande

FAG 136 137 FAG


Montagem e desmontagem Montagem e desmontagem
Preparação para a montagem e a desmontagem · Montagem em assentamentos cilíndricos Montagem em assentamentos cilíndricos

Preparação para a montagem e a desmontagem Montagem de rolamentos em assentamentos ▼ Nos rolamentos de rolos cilíndricos, os anéis são ▼ um rolamento fixo de esferas montado com uma prensa
Dados minuciosos para a montagem e desmonta- cilíndricos montados separadamente (ajuste fixo) hidráulica
gem de rolamentos constam das publicações FAG A todo o custo deverão ser evitados golpes de
WL 80100 “Montagem de rolamentos” e martelo sobre os anéis do rolamento. Nos rola-
WL 80200 “Métodos e aparelhos para a monta- mentos não separáveis, a força de montagem deve
gem e a manutenção de rolamentos”. ser aplicada no anel com ajuste fixo, que também
Antes de iniciar a montagem baseada nos dese- será o primeiro a ser montado. Os anéis dos rola-
nhos do projeto deve-se estar familiarizado com a mentos separáveis, no entanto, podem ser monta-
construção. A seqüência das diferentes etapas no dos um a um.
serviço é fixada esquematicamente, além das tem- Os rolamentos com um diâmetro de furo de
peraturas de aquecimento necessárias, as forças de aprox. 80 mm, podem ser colocados frios sobre
montagem e as quantidades de graxa. Nos ser- os assentos fixos usuais, para o que servem pren-
viços maiores, o montador recebe uma instrução sas hidráulicas ou mecânicas. Se não houver uma
de montagem, descrevendo os diversos passos. prensa disponível, o rolamento pode ser fixado
Esta instrução contém também os detalhes quan- com o auxílio de um martelo e de uma bucha.
to aos meios de transporte, dispositivos para a Adequado é, p.ex., o jogo de ferramentas FAG ▼ Deslocamento simultâneo do rolamento sobre o eixo e colocação na caixa com o auxílio de:
montagem, ferramentas de medição, tipo e volu- 172013 (vide a publicação FAG WL 80200). a) disco de montagem sem torneamento interior para rolamentos de rolos esféricos e
b) disco de montagem com torneamento interno para alguns rolamentos autocompensadores de esferas
me do lubrificante e uma descrição detalhada do Nos rolamentos com adaptabilidade angular,
processo de montagem. pode ser evitado um empenamento do anel exter-
Antes da montagem, o montador verificará se o no por meio de um disco, que se apoia nos dois
rolamento previsto corresponde às indicações anéis do rolamento. Nos rolamentos com gaiolas
dadas no desenho, o que exige um conhecimento ou corpos rolantes salientes (p.ex. alguns auto-
básico acerca da composição da designação, compensadores de esferas) este disco deverá ser
objeto do capítulo “Dados do rolamento”, torneado.
página 50. Se estiver previsto um assento fixo no eixo e o
A proteção anticorrosiva dos rolamentos FAG dispêndio para um deslocamento mecânico se
embalados se comporta de forma neutra perante tornar muito alto, os rolamentos com furo cilín-
as graxas padrão mais utilizadas (graxas à base de drico serão aquecidos para a montagem. O dia-
sabão de lítio e óleo mineral) e não precisa ser grama à página 139 indica a temperatura de a b
removida antes da montagem, sendo eliminada só aquecimento (°C) necessária para uma montagem
das superfícies de assentamento e de encosto. sem dificuldades, dependendo do furo do rola- ▼ Diagrama para averiguar a temperatura de aquecimento dos rolamentos
mento. Os dados valem para uma sobremedida
Nos furos cônicos dos rolamentos, entretanto, máxima de ajuste, uma temperatura ambiente de 120
deve ser tirada a proteção anticorrosiva, para a 20 °C e, por questões de segurança, uma sobre- °C
obtenção de um ajuste firme. Veja o capítulo temperatura de 30 K. 110
“Limpeza de rolamentos sujos” à página 135.
Os rolamentos devem ser protegidos, sobretudo, ▼ Se o anel interno de um rolamento não separável 100
da sujeira e da umidade, para evitar danificações receber um ajuste fixo, prensa-se o rolamento inicial-
das pistas, o que exige um local de montagem mente sobre o eixo. Em seguida, introduz-se o rolamento
junto com o eixo na caixa ( folga de ajuste)
limpo e livre de poeira. Não devem ficar perto de 90 Tolerância do eixo
Tempera-
retificadoras e deve ser evitado o uso de ar com- tura de p6 (p5)
primido. Tanto o eixo como a caixa devem estar aque- 80
cimento n6 (n5)
limpos, eliminando-se todos os resquícios de m6 (m5)
tinta, como também a areia de fundição de peças 70 k6 (k5)
fundidas. Nas peças torneadas devem ser removi-
das as rebarbas ou os cantos afiados.
60
Todas as peças pertencentes ao mancal devem ser
verificadas quanto à precisão de forma e de medi-
das. 50
50 100 200 300 400 mm 500
Diâmetro do furo d

FAG 138 139 FAG


Montagem e desmontagem Montagem e desmontagem
Montagem em assentamentos cilíndricos · Montagem de furos cônicos Montagem de furos cônicos

Para um aquecimento rápido, seguro e limpo são Montagem de rolamentos com furo cônico ▼ Nos rolamentos autocompensadores de rolos, a folga
especialmente apropriados os aparelhos de aqueci- Os rolamentos com furo cônico são montados radial (Gr) deve ser medida sobre ambas as carreiras de rolos.
mento indutivo. Estes aparelhos são usados prin- diretamente sobre o assentamento cônico do eixo
cipalmente nas montagens em série. A FAG ofe- ou com uma bucha de fixação ou de desmonta-
rece seis aparelhos indutivos. O menor aparelho gem sobre um eixo cilíndrico. O assento fixo
AWG.MINI é usado para rolamentos com furos a ocorre por um deslocamento axial firme do anel
partir de 20 mm, com um peso limite de 20 kg. Gr Gr
interno. Como uma medida para o assentamento
A faixa de aplicação do aparelho maior AWG40 fixo, controla-se a diminuição da folga radial,
começa com 85 mm de furo, para um peso máxi- decorrente da expansão do anel interno, ou
mo de 800 kg por rolamento. A descrição se mede-se o curso do deslocamento axial. Os valo-
encontra na FAG-TI n° WL 80-47. res para a diminuição da folga radial e o curso de
Os dispositivos indutivos são usados para des- deslocamento axial constam à página 368. Como
montar e fixar os anéis internos de rolamentos de recurso para a medição da folga radial em rola-
rolos cilíndricos, com um furo a partir de mentos maiores, são adequados, p.ex., os cálibres
100 mm, que tenham só um ou nenhum rebordo FAG 172031 e 172032.
fixo. Para maiores detalhes, veja a publicação Os rolamentos pequenos (com até 80 mm de
FAG WL 80107 “Dispositivos FAG para a mon- furo) podem ser deslocados sobre o assentamento
tagem indutiva”. cônico do eixo ou da bucha mediante uma porca
Um método alternativo é aquecer os rolamentos de eixo. Para a fixação da porca é usada uma
sobre uma placa de aquecimento. Cobre-se o chave de gancho da série FAG HN, detalhadas na ▼ Montagem de rolamentos com furo cônico
rolamento com uma chapa, virando-o por diver- publicação FAG WL 80200. Também buchas de a) em um eixo cônico com uma porca de eixos
sas vezes. Neste caso é imprescindível um contro- desmontagem pequenas são fixadas com uma b) sobre uma bucha de fixação, com uma porca de bucha de fixação
c) sobre uma bucha de desmontagem com a porca de eixo
le termostático, como o instalado nas placas de porca de eixo na fenda entre o eixo e o furo do d) sobre uma bucha de desmontagem com porca de eixo e parafusos de pressão e
aquecimento FAG 172017 e 172108 (consulte a anel interno. e) sobre um eixo cônico com uma prensa de êmbolo anular
publicação FAG WL 80200). Para a fixação de rolamentos de tamanho médio
Um método seguro e limpo é o aquecimento dos já são necessárias consideráveis forças de aperto.
rolamentos em gabinetes-estufa térmicos ou de ar As porcas de aperto com parafusos de pressão
quente. O processo em geral é aplicado em rola- facilitam estas montagens (não adequadas para
mentos pequenos e médios, sendo o tempo de rolamentos autocompensadores de rolos da exe-
aquecimento relativamente longo. cução E).
Rolamentos de todos os tipos e tamanhos, desde Na montagem de rolamentos maiores é recomen-
que não vedados, engraxados ou de precisão, dável o uso de um dispositivo hidráulico, tanto
podem ser aquecidos em banhos de óleo. É de para deslocar o rolamento como para prensar
interesse ter uma regulagem termostática (tempe- uma bucha. Encontram-se disponíveis bombas
ratura entre 80 e 100 °C). Para que haja um anulares de pressão para todas as roscas usuais
aquecimento uniforme o rolamento é apoiado de buchas e de eixos (vide a publicação FAG
a b c
sobre uma grelha ou suspenso no banho. As des- WL 80103 “Prensa de êmbolo anular”).
vantagens do sistema são os riscos de acidentes, Pelo método hidráulico, a montagem e principal-
poluição ambiental através dos vapores do óleo, mente a desmontagem de rolamentos com um
inflamabilidade do óleo quente e o risco de con- diâmetro de furo a partir de 160 mm fica grande-
taminação dos rolamentos. mente facilitada (veja a página 142, uma des-
crição detalhada consta da publicação WL 80102
“Método hidráulico para a montagem e a des-
montagem de rolamentos”). Para a montagem é
recomendado um óleo com uma viscosidade de
75 mm2/s a 20 °C (viscosidade nominal a 40 °C :
32 mm2/s).

d e

FAG 140 141 FAG


Montagem e desmontagem Montagem e desmontagem
Desmontagem de assentamentos cilíndricos · Desmontagem de furos cônicos Desmontagem de furos cônicos

Desmontagem de rolamentos de assentamentos ▼ Dispositivo de desmontagem com três braços reguláveis,


▼ Desmontagem de rolamentos com furo cônico
cilíndricos para sacar rolamentos separáveis
a) de um rolamento autocompensador de rolos com bucha de fixação. Usando-se um punção metálico, o anel interno é
removido da bucha.
Se estiver prevista a reutilização dos rolamentos, a b) de um rolamento autocompensador de esferas com bucha de fixação. Usando-se um anel ou uma bucha evita-se o
risco de um deslizamento.
ferramenta de desmontagem deve ser aplicada no c) de uma bucha de desmontagem com uma porca de extração
anel com ajuste firme. Nos rolamentos não d) com uma porca e parafusos de pressão, que comprimem o anel interno sobre uma arruela
e) de uma bucha de desmontagem com a prensa de êmbolo anular. A bucha, que sobrepassa, é apoiada por um anel de
separáveis, o mancal primeiramente é desmonta- paredes espessas.
do através do anel ajustado com assento móvel e f) de um rolamento autocompensador de rolos sobre uma bucha de desmontagem, usando o método hidráulico.
depois removido o anel que esteja assentado com Injetar óleo entre as superfícies de ajuste. A bucha se solta repentinamente, portanto deixar a porca sobre o eixo
ajuste interferente.
Para desmontar rolamentos pequenos são adequa-
dos os dispositivos de desmontagem mecânicos
ou as prensas hidráulicas. A desmontagem fica
facilitada se houver ranhuras para desmontagem,
tanto no eixo como na caixa, de tal forma que a ▼ Dispositivo indutivo para desmontar anéis internos de
ferramenta possa ser aplicada diretamente no anel rolamentos de rolos cilíndricos
fixo. Existem dispositivos especiais para casos em
que faltem as ranhuras de desmontagem. a b c
Os dispositivos de desmontagem indutiva se usam
principalmente para remover os anéis de rolamen-
tos cilíndricos que tenham sido contraídos sobre o
eixo. O aquecimento ocorre rapidamente, de
forma que os anéis se soltam facilmente sem que
haja uma transmissão de muito calor para o eixo.
Também com a ajuda do método hidráulico (vide
a página 143) podem ser tirados os anéis de rola-
mentos cilíndricos.
d e f
Para os anéis internos dos rolamentos de rolos
cilíndricos sem rebordos ou que tenham só um
rebordo fixo, podem ser usados os anéis aquecedo- Os rolamentos que estão fixados com buchas de dendo a uma viscosidade nominal de 46 mm2/s a
res de liga leve com fendas. Estes anéis são aqueci- desmontagem são desmontados com o auxílio de 40 °C). A corrosão de contato pode ser dissolvida
dos sobre uma placa elétrica a temperaturas entre uma porca de fixação. Nos rolamentos de grande por aditivos antiferruginosos adicionados ao óleo.
200 e 300 °C, adaptados sobre o anel do rolamen- porte, se tornam necessárias forças elevadas.
to a ser removido e apertados. Ao se soltar o Nos furos cônicos dos rolamentos é suficiente
Podem ser usadas então porcas de extração com bombear óleo entre as superfícies de ajuste.
assentamento sobre o eixo, tira-se ambos os anéis, ▼ Anéis aquecedores servem para a desmontagem de parafusos de pressão, sendo que, é colocada uma
separando-se o anel do rolamento logo em segui- anéis internos de rolamentos de rolos cilíndricos Como a união de ajuste se solta repentinamente,
arruela entre o anel interno do rolamento e os o movimento axial do rolamento ou da bucha
da, para que este não sofra um superaquecimento. parafusos de pressão. deve ser limitado por uma porca ou por um
Se não houver um aparelho indutivo e faltarem A desmontagem de buchas se torna mais simples batente.
ranhuras de óleo para o sistema hidráulico, os e econômica usando prensas de êmbolo anular.
anéis internos de rolamentos separáveis também
podem ser aquecidos à chama, de preferência Para facilitar a desmontagem de rolamentos de
grande porte, usa-se o método hidráulico, bom- ▼ Disposição dos canais de óleo no método hidráulico,
com um anel queimador. No entanto, é neces- para a desmontagem de um rolamento autocompensa-
sário um cuidado extremo, pois os anéis são beando-se óleo entre as fendas de ajuste e possibi- dor de rolos de sobre um assentamento cônico do eixo
sensíveis a um aquecimento irregular e a um litando, sem perigo, o deslocamento das peças
superaquecimento localizado. ajustadas, sem o risco de uma danificação das
superfícies e sem a necessidade de maiores
Desmontagem de rolamentos com furo cônico esforços. (0,3...0,4) B
Se os rolamentos se encontrarem montados sobre Os eixos cônicos devem estar providos de ranhu-
um eixo com assentamento cônico ou sobre uma Solta-se então o anel interno do eixo ou da bucha ras e furos para o bombeamento do óleo. Para a B
bucha de fixação, solta-se primeiramente a trava com um martelo e um batente. Se for aplicada formação de pressão, bastam injetores de óleo.
da porca de eixo ou da bucha, voltando-se a uma prensa, apoia-se a bucha de fixação e tira-se Na desmontagem usa-se um óleo com uma visco-
porca pelo curso de deslocamento. o rolamento. sidade de aprox. 150 mm2/s a 20 °C (correspon-

FAG 142 143 FAG


Rolamentos fixos de esferas
160, 161, 60, S60, 618, 62, .2ZR (.2Z) .2RSR (.2RS)
S62, 622, 623, 63, S63, 64

Rolamentos de contato angular de esferas,


de uma carreira
Rolamentos de contato angular de esferas,
72B, 73B 32B, 33B 32, 33 33DA 32B.2ZR 32B.2RSR
33B.2ZR 33B.2RSR de duas carreiras

Rolamentos para fusos

B70, B719, B72 disposição disposição em O disposição em X


HCS70, HCS719 em tandem
HSS70, HSS719

Rolamentos de quatro pistas

QJ2, QJ3 N2

Rolamentos autocompensadores de esferas


com furo cilíndrico e cônico,
bucha de fixação
12, 13 22.2RS 12K, 13K 22K.2RS 112 bucha de fixação
22, 23 23.2RS 22K, 23K

Rolamentos de rolos cilíndricos,


de uma carreira
Rolamentos de rolos cilíndricos,
NU10, 19 NJ2, 22 NUP2, 22 N2, 3 NN30ASK
2, 22, 23, 3 23, 3 23, 3 de duas carreiras

Rolamentos de rolos cilíndricos,


sem gaiola
NJ23VH NCF29V NNCV49V NNF50B.2LS.V
NCF30V NNF50C.2LS.V

Rolamentos de rolos cônicos


Rolamentos de rolos cônicos, ajustados
Rolamentos de rolos cônicos
302, 303, 313, 320, 322 313N11CA K, KH, KHM, KL, KLM, KM
323, 329, 330, 331, 332, T...... (com medidas em polegadas) com medidas em polegadas

Rolamentos de rolos esféricos, com furo


cilíndrico e cônico,
Bucha de fixação
202, 203 202K bucha de fixação
203K

Rolamentos autocompensadores de rolos,


com furo cilíndrico e cônico,
213, 222, 223, 230, 231 213K, 222K, 223K, 230K bucha de fixação bucha de desmontagem
Bucha de fixação, bucha de desmontagem
232, 233, 239, 240, 241 231K, 232K, 239K
240K30, 241K30
Rolamentos FAG fixos de esferas Rolamentos FAG fixos de esferas
Normas · Execuções básicas · Tolerâncias · Folga · Gaiolas · Adaptabilidade angular ·
Aptidão para alta rotação · Tratamento térmico

Os rolamentos fixos de esferas de uma carreira ▼ Gaiolas padrão dos rolamentos fixos de esferas
suportam cargas radiais e axiais e são adequados Série Gaiola de chapa Gaiola maciça de
para rotações elevadas. Os rolamentos fixos de de aço
Índice do furo
latão (M)
esferas não são separáveis.
A adaptabilidade angular é relativamente reduzi- 60 até 30, 34 32, de 36
62 até 30 a partir de 32
da. Os rolamentos fixos de esferas vedados são 63 até 24 a partir de 26
livres de manutenção e possibilitam construções 64 até 14 a partir de 15
160 até 52 a partir de 56
simples. 161 00, 01
618 a partir de 64
Normas 622 até 10
623 até 10
Rolamentos fixos de esferas de uma carreira
DIN 625 Parte 1. Outras execuções de gaiolas, p.ex. de poliamida, sob consulta.
Com tais gaiolas a aptidão para alta rotação e altas tempera-
turas como também as capacidades de carga podem desviar
Execuções básicas das indicações para os rolamentos com gaiolas standard.
Os rolamentos fixos de esferas existem tanto na Adaptabilidade angular
execução básica aberta como também com anéis A adaptabilidade angular dos rolamentos fixos de
de vedação ou discos de blindagem de ambos os esferas é relativamente reduzida; os assentamentos
lados, vide à página 148. Por motivos de técnica devem estar rigorosamente alinhados. Um desa-
de fabricação, os rolamentos abertos também têm linhamento conduz a um giro desfavorável das
os rebaixos para os anéis de vedação e discos de esferas e causam exigências adicionais ao rolamen-
blindagem nos anéis interno e externo. to que reduzem a vida útil. Para que as solici-
tações adicionais fiquem nos limites, os rolamen-
tos fixos de esferas – dependendo da solicitação –
só permitem ângulos de ajuste relativamente
pequenos.
▼ Ângulos de ajuste em minutos
Série Solicitação Solicitação
baixa elevada

62, 622, 63, 623, 64 5’...10’ 8’...16’


rolamento fixo de esferas rolamento fixo de esferas com 618, 160, 60 2’...6’ 5’...10’
aberto sem rebaixos rebaixo no anel externo (exemplo)
Aptidão para alta rotação
Tolerâncias Indicações gerais sobre a aptidão para altas
Os rolamentos fixos de esferas de uma carreira da rotações, vide às páginas 87 e seguintes. A rotação
execução básica têm tolerâncias normais. Sob de referência pode ser ultrapassada até o nível do
consulta fornecemos também rolamentos com limite de rotação, quando as condições de serviço
tolerâncias estreitadas. o permitirem. Para a consideração de condições
Tolerâncias: rolamentos radiais, página 56. de serviço especiais, calcula-se a rotação em ser-
viço termicamente permitida. Se nas tabelas a
Folga rotação de referência for mais alta que o limite de
Os rolamentos fixos de esferas de uma carreira da rotação, o valor mais alto não pode ser aproveita-
execução básica têm folga normal. Sob consulta, do. As limitações para os rolamentos vedados
fornecemos rolamentos com folga radial maior. estão no capítulo correspondente à página 148.
Folga radial: rolamentos fixos de esferas de uma Tratamento térmico
carreira, página 76. Os rolamentos fixos de esferas FAG têm o trata-
mento térmico para que possam ser aplicados em
Gaiolas uma temperatura em serviço de até 150 °C. Os
Os rolamentos fixos de esferas sem sufixo de gaio- rolamentos com diâmetro externo superior a
la têm como execução básica uma gaiola de chapa 240 mm são dimensionalmente estáveis até
de aço. Os rolamentos fixos de esferas com gaio- 200 °C. Para os rolamentos vedados (vide à pági-
las maciças de latão, guiadas pelas esferas, são na 148) deverá ser observado o limite de apli-
reconhecidos pelo sufixo M. cação válido.

FAG 146 147 FAG


Rolamentos FAG fixos de esferas Rolamentos FAG fixos de esferas
Rolamentos vedados · Carga equivalente Carga equivalente

Rolamentos vedados
▼ Fator f0 para rolamentos fixos de esferas
Além de rolamentos abertos, a FAG fornece tam-
bém aqueles com anéis de vedação (vedações de Índice do Fator f0
furo
contato) ou com discos de blindagem (vedações Série do rolamento
não de contato), de ambos os lados. Estes rola- 618 160 161 60 62 622 63 623 64
mentos contêm, de fábrica, uma carga de graxa
de qualidade testada por diretrizes da FAG. Sob 3 12,9
consulta, fornecemos também rolamentos sem 4 12,2 13,2
5 13,2 13
graxa com vedação de um lado. 6 13
Vedações de contato de ambos os lados 7 13 12,4
Nos rolamentos com blindagens (sufixo .2ZR,ou (Exemplo .2RSR)
nos rolamentos com até 22 mm de diâmetro 8 12,4 13
9 13 12,4
externo, .2Z) o limite de rotação é menor do que Acerca do comportamento de rolamentos veda- 00 12,4 12,4 12,1 12,1 11,3
para os rolamentos abertos. dos, sob altas temperaturas, vide a página 86; o
01 13 13 12,3 12,2 11,1
02 13,9 13,9 13,1 13,1 12,1 12,1
limite de temperatura inferior é de –30 °C. 03 14,3 14,3 13,1 13,1 12,3 12,2 12,4
Mais detalhes sobre vedações, vida às páginas 125 04 14,9 13,9 13,1 13,1 12,4 12,1 11
05 15,4 14,5 13,8 13,8 12,4 12,4 12,1
e seguintes. 06 15,2 14,8 13,8 13,8 13 13 12,2
07 15,6 14,8 13,8 13,8 13,1 13,1 12,1
Carga dinâmica equivalente 08 16 15,3 14 14 13 13 12,2
09 15,9 15,4 14,3 14,1 13 13 12,1
P = X · Fr + Y · Fa [kN] 10 16,1 15,6 14,3 14,3 13 13 13,1
11 16,1 15,4 14,3 12,9 13,2
Com uma carga axial mais elevada, o ângulo de 12 16,3 15,5 14,3 13,1 13,2
Vedações não de contato de ambos os lados contato aumenta nos rolamentos fixos de esferas. 13 16,4 15,7 14,3 13,2 12,3
(exemplo .2ZR) Os valores X e Y dependem da relação f0 · Fa/C0, 14 16,2 15,5 14,4 13,2 12,1
vide a tabela abaixo. O fator f0 está contido na 15 16,4 15,7 14,7 13,2 12,2
Os rolamentos com vedações não de contato 16 16,4 15,6 14,6 13,2 12,3
tabela à página 149. C0 é a capacidade de carga 17 16,4 15,7 14,7 13,1 12,3
RSD (descrição vide à página 125) têm um com- estática. Se um rolamento fixo de esferas for
portamento de atrito tão vantajoso como os rola- 18 16,3 15,6 14,5 13,9 12,2
montado com um ajuste normal, isto significa 19 16,5 15,7 14,4 13,9
mentos com vedações não de contato ZR. Com o uma usinagem do eixo conforme j5 ou k5 e a 20 16,5 15,9 14,4 13,8
anel interno parado e o externo girando, a perda 21 16,3 15,8 14,3 13,8
caixa segundo J6, valerão os valores da tabela 22 16,3 15,6 14,3 13,8
de lubrificante dos rolamentos com vedações abaixo.
RSD é menor do que aqueles com vedações ZR. 24 16,5 15,9 14,8 13,5
26 16,4 15,8 14,5 13,6
Os rolamentos fixos de esferas com vedações 28 16,5 16 14,8 13,6
RSD são fornecidos sob consulta. Carga estática equivalente 30 16,4 16 15,2 13,7
Fa 32 16,5 16 15,2 13,9
Nos rolamentos com vedações de contato (.2RSR, P0 = Fr [kN] para  0,8
ou nos rolamentos com até 22 mm de diâmetro Fr 34 16,4 15,7 15,3 13,9
36 16,3 15,6 15,3 13,9
externo .2RS) o lábio de vedação limita o número 38 16,4 15,8 15 14
Fa 40 16,3 15,6 15,3 14,1
de rotações de forma que, nas tabelas, só é dado o P0 = 0,6 · Fr + 0,5 · Fa [kN] para  0,8 44 16,3 15,6 15,2 14,1
limite de rotações. Fr
48 16,5 15,8 15,2 14,2
52 16,4 15,7 15,2
56 16,5 15,9 15,3
▼ Fatores radial e axial dos rolamentos fixos de esferas 60 16,4 15,7
64 15,9 16,5 15,9
Folga normal Folga C3 Folga C4
68 15,9 16,3 15,8
f0 · Fa Fa Fa Fa Fa Fa Fa 72 15,8 16,4 15,9
e e e e e e e e e
C0 Fr Fr Fr Fr Fr Fr 76 16 16,5
80 15,9
X Y X Y X Y X Y X Y X Y 84 15,9
88 15,8
0,3 0,22 1 0 0,56 2 0,32 1 0 0,46 1,7 0,4 1 0 0,44 1,4 92 16
0,5 0,24 1 0 0,56 1,8 0,35 1 0 0,46 1,56 0,43 1 0 0,44 1,31 96 16
0,9 0,28 1 0 0,56 1,58 0,39 1 0 0,46 1,41 0,45 1 0 0,44 1,23 /500 15,9
1,6 0,32 1 0 0,56 1,4 0,43 1 0 0,46 1,27 0,48 1 0 0,44 1,16 /530 15,9
3 0,36 1 0 0,56 1,2 0,48 1 0 0,46 1,14 0,52 1 0 0,44 1,08 /560 . . .
6 0,43 1 0 0,56 1 0,54 1 0 0,46 1 0,56 1 0 0,44 1 /850 15,8

FAG 148 149 FAG


Rolamentos FAG fixos de esferas
Rolamentos de aço inoxidável · Sufixos · Medidas de montagem

Rolamentos de aço inoxidável Sufixos


A FAG fornece os rolamentos fixos de esferas M gaiola maciça de latão,
abertos e vedados de ambos os lados (.2RSR) guiada pelas esferas
também de aço inoxidável X 65 Cr 13 (material .2RS, 2RSR dois anéis de vedação
n° 1.3541 M). As esferas são de aço-cromo de
alta liga X 102 CrMo 17 (material n° 1.3543). .W203B rolamentos de aço inoxidável
Os rolamentos têm o prefixo S e o sufixo .2Z,. 2ZR duas blindagens
W203B.
Exemplo S6204.2RSR.W203B Medidas de montagem
Os rolamentos resistentes à corrosão da série S60, Indicações em geral quanto às medidas de monta-
S62 e S63 têm as medidas principais e a capaci- gem constam à página 123.
dade de carga como os rolamentos das mesmas
séries de medidas de aço para rolamentos tempe- Nas tabelas dos rolamentos estão indicadas as
rado. medidas máximas rg e o diâmetro dos ressaltos.
Os rolamentos de aço inoxidável são insensíveis e
resistentes à água, vapor de água, alcalinos, revela-
dores fotográficos e, condicionalmente, contra os
ácidos. Principalmente a resistência contra os áci-
dos é limitada pelos rolamentos vedados de
ambos os lados com anéis de vedação RSR de
borracha nitrilo-butadieno (NBR). Deverão ser
observadas a temperatura e a concentração do
ácido.
Para que a resistência maior à corrosão destes
rolamentos permaneça atuante, as superfícies
não podem ser danificadas na montagem e em
serviço.

FAG 150
Rolamentos FAG fixos de esferas Os rolamentos podem atingir a durabilidade
permanente, desde que C0/P0*  8, vide pág. 41.
de uma carreira
rs rs rs rs rg
rg

rs rs rs rs
rg rg
H d J D H1 d J D H1 d J D H1 d J D
D1 D3 D1 D3

B B B B

2ZR (2Z) 2RSR (2RS)

Eixo Dimensão Peso Capacidade Limite de Rotação de Designação Medida de montagem


 de carga rotação referência
din. est.
d D B rs H H1 J C C0 Rolamento D1 D3 rg
min    min máx máx
mm kg kN rpm FAG mm

3 3 10 4 0,15 7,7 8,2 5 0,001 0,64 0,22 53000 67000 623 4,4 8,6 0,15
3 10 4 0,15 7,7 8,2 5 0,001 0,64 0,22 45000 67000 623.2Z 4,4 8,6 0,15
3 10 4 0,15 7,7 8,2 5 0,001 0,64 0,22 32000 623.2RS 4,4 8,6 0,15

4 4 13 5 0,2 10,5 11,2 7 0,003 1,29 0,49 45000 53000 624 5,8 11,2 0,2
4 13 5 0,2 10,5 11,2 7 0,004 1,29 0,49 38000 53000 624.2Z 5,8 11,2 0,2
4 13 5 0,2 10,5 11,2 7 0,003 1,29 0,49 26000 624.2RS 5,8 11,2 0,2

4 16 5 0,3 12,5 13,4 8,5 0,006 1,73 0,67 43000 43000 634 6,4 13,6 0,3
4 16 5 0,3 12,5 13,4 8,5 0,006 1,73 0,67 36000 43000 634.2Z 6,4 13,6 0,3
4 16 5 0,3 12,5 13,4 8,5 0,006 1,73 0,67 24000 634.2RS 6,4 13,6 0,3

5 5 16 5 0,3 12,5 13,4 8,5 0,005 1,32 0,44 43000 43000 625 7,4 13,6 0,3
5 16 5 0,3 12,5 13,4 8,5 0,005 1,32 0,44 36000 43000 625.2Z 7,4 13,6 0,3
5 16 5 0,3 12,5 13,4 8,5 0,005 1,32 0,44 24000 625.2RS 7,4 13,6 0,3

5 19 6 0,3 15,5 16,7 10,8 0,008 2,55 1,04 38000 40000 635 7,4 16,6 0,3
5 19 6 0,3 15,5 16,7 10,8 0,009 2,55 1,04 32000 40000 635.2Z 7,4 16,6 0,3
5 19 6 0,3 15,5 16,7 10,8 0,008 2,55 1,04 22000 635.2RS 7,4 16,6 0,3

6 6 19 6 0,3 15,5 16,7 10,6 0,008 2,55 1,04 38000 38000 626 8,4 16,6 0,3
6 19 6 0,3 15,5 16,7 10,6 0,009 2,55 1,04 32000 38000 626.2Z 8,4 16,6 0,3
6 19 6 0,3 15,5 16,7 10,6 0,008 2,55 1,04 22000 626.2RS 8,4 16,6 0,3

7 7 19 6 0,3 15,5 16,7 10,6 0,007 2,55 1,04 38000 38000 607 9 17 0,3
7 19 6 0,3 15,5 16,7 10,6 0,008 2,55 1,04 32000 38000 607.2Z 9 17 0,3
7 19 6 0,3 15,5 16,7 10,6 0,007 2,55 1,04 22000 607.2RS 9 17 0,3

7 22 7 0,3 18 19,1 12,4 0,011 3,25 1,37 36000 34000 627 9,4 19,6 0,3
7 22 7 0,3 18 19,1 12,4 0,012 3,25 1,37 30000 34000 627.2Z 9,4 19,6 0,3
7 22 7 0,3 18 19,1 12,4 0,011 3,25 1,37 20000 627.2RS 9,4 19,6 0,3

8 8 22 7 0,3 18 19,1 12,4 0,01 3,25 1,37 36000 36000 608 10 20 0,3
8 22 7 0,3 18 19,1 12,4 0,011 3,25 1,37 30000 36000 608.2Z 10 20 0,3
8 22 7 0,3 18 19,1 12,4 0,01 3,25 1,37 20000 608.2RS 10 20 0,3

9 9 24 7 0,3 19,6 20,5 14 0,015 3,65 1,63 36000 32000 609 11 22 0,3
9 24 7 0,3 19,6 20,5 14 0,016 3,65 1,63 30000 32000 609.2ZR 11 22 0,3
9 24 7 0,3 19,6 20,5 14 0,015 3,65 1,63 20000 609.2RSR 11 22 0,3

9 26 8 0,3 21,4 22,5 14,7 0,02 4,55 1,96 34000 30000 629 11,4 23,6 0,3
9 26 8 0,3 21,4 22,5 14,7 0,021 4,55 1,96 28000 30000 629.2ZR 11,4 23,6 0,3
9 26 8 0,3 21,4 22,5 14,7 0,021 4,55 1,96 19000 629.2RSR 11,4 23,6 0,3

Também podem ser fornecidas outras execuções, consulte-nos.


FAG 152 153 FAG
Rolamentos FAG fixos de esferas Os rolamentos podem atingir a durabilidade
permanente, desde que C0/P0*  8, vide pág. 41.
de uma carreira
rs rs rs rs rg
rg

rs rs rs rs
rg rg
H d J D H1 d J D H1 d J D H1 d J D
D1 D3 D1 D3

B B B B

2ZR 2RSR

Eixo Dimensão Peso Capacidade Limite de Rotação de Designação Medida de montagem


 de carga rotação referência
din. est.
d D B rs H H1 J C C0 Rolamento D1 D3 rg
min    min máx máx
mm kg kN rpm FAG mm

10 10 26 8 0,3 21,4 22,5 14,7 0,019 4,55 1,96 34000 32000 6000 12 24 0,3
10 26 8 0,3 21,4 22,5 14,7 0,019 4,55 1,96 34000 32000 S6000.W203B 12 24 0,3
10 26 8 0,3 21,4 22,5 14,7 0,02 4,55 1,96 28000 32000 6000.2ZR 12 24 0,3
10 26 8 0,3 21,4 22,5 14,7 0,02 4,55 1,96 19000 6000.2RSR 12 24 0,3
10 26 8 0,3 21,4 22,5 14,7 0,02 4,55 1,96 19000 S6000.2RSR.W203B 12 24 0,3

10 28 8 0,3 21,4 22,5 14,7 0,024 4,55 1,96 34000 16100 12 26 0,3

10 30 9 0,6 24 25 16,6 0,031 6 2,6 32000 26000 6200 14,2 25,8 0,6
10 30 9 0,6 24 25 16,6 0,031 6 2,6 32000 26000 S6200.W203B 14,2 25,8 0,6
10 30 9 0,6 24 25 16,6 0,032 6 2,6 26000 26000 6200.2ZR 14,2 25,8 0,6
10 30 9 0,6 24 25 16,6 0,032 6 2,6 17000 6200.2RSR 14,2 25,8 0,6
10 30 9 0,6 24 25 16,6 0,034 6 2,6 17000 S6200.2RSR.W203B 14,2 25,8 0,6

10 30 14 0,6 23,9 24,9 16,6 0,048 6 2,6 17000 62200.2RSR 14,2 25,8 0,6

10 35 11 0,6 27 28,6 18,1 0,055 8,15 3,45 56000 26000 6300 14,2 30,8 0,6
10 35 11 0,6 27 28,6 18,1 0,056 8,15 3,45 56000 26000 S6300.W203B 14,2 30,8 0,6
10 35 11 0,6 27 28,6 18,1 0,057 8,15 3,45 22000 26000 6300.2ZR 14,2 30,8 0,6
10 35 11 0,6 27 28,6 18,1 0,057 8,15 3,45 15000 6300.2RSR 14,2 30,8 0,6
10 35 11 0,6 27 28,6 18,1 0,058 8,15 3,45 15000 S6300.2RSR.W203B 14,2 30,8 0,6

12 12 28 8 0,3 23,5 24,4 16,6 0,02 5,1 2,36 32000 28000 6001 14 26 0,3
12 28 8 0,3 23,5 24,4 16,6 0,021 5,1 2,36 32000 28000 S6001.W203B 14 26 0,3
12 28 8 0,3 23,5 24,4 16,6 0,02 5,1 2,36 26000 28000 6001.2ZR 14 26 0,3
12 28 8 0,3 23,5 24,4 16,6 0,022 5,1 2,36 18000 6001.2RSR 14 26 0,3
12 28 8 0,3 23,5 24,4 16,6 0,023 5,1 2,36 18000 S6001.2RSR.W203B 14 26 0,3

12 30 8 0,3 23,5 24,4 16,6 0,026 5,1 2,36 32000 16101 14 28 0,3

12 32 10 0,6 25,8 27,4 18,3 0,037 6,95 3,1 30000 26000 6201 16,2 27,8 0,6
12 32 10 0,6 25,8 27,4 18,3 0,038 6,95 3,1 30000 26000 S6201.W203B 16,2 27,8 0,6
12 32 10 0,6 25,8 27,4 18,3 0,039 6,95 3,1 24000 26000 6201.2ZR 16,2 27,8 0,6
12 32 10 0,6 25,8 27,4 18,3 0,039 6,95 3,1 16000 6201.2RSR 16,2 27,8 0,6
12 32 10 0,6 25,8 27,4 18,3 0,04 6,95 3,1 16000 S6201.2RSR.W203B 16,2 27,8 0,6

12 32 14 0,6 25,8 27,4 18,3 0,052 6,95 3,1 16000 62201.2RSR 16,2 27,8 0,6

12 37 12 1 29,6 31,4 19,5 0,062 9,65 4,15 53000 24000 6301 17,6 31,4 1
12 37 12 1 29,6 31,4 19,5 0,063 9,65 4,15 53000 24000 S6301.W203B 17,6 31,4 1
12 37 12 1 29,6 31,4 19,5 0,064 9,65 4,15 20000 24000 6301.2ZR 17,6 31,4 1
12 37 12 1 29,6 31,4 19,5 0,064 9,65 4,15 13000 6301.2RSR 17,6 31,4 1
12 37 12 1 29,6 31,4 19,5 0,065 9,65 4,15 13000 S6301.2RSR.W203B 17,6 31,4 1

15 15 32 8 0,3 26,9 28,4 20,4 0,027 5,6 2,85 30000 22000 16002 17 30 0,3

15 32 9 0,3 26,9 28,4 20,4 0,031 5,6 2,85 30000 24000 6002 17 30 0,3
15 32 9 0,3 26,9 28,4 20,4 0,029 5,6 2,85 30000 24000 S6002.W203B 17 30 0,3
15 32 9 0,3 26,9 28,4 20,4 0,033 5,6 2,85 24000 24000 6002.2ZR 17 30 0,3
15 32 9 0,3 26,9 28,4 20,4 0,033 5,6 2,85 16000 6002.2RSR 17 30 0,3
15 32 9 0,3 26,9 28,4 20,4 0,031 5,6 2,85 16000 S6002.2RSR.W203B 17 30 0,3

Também podem ser fornecidas outras execuções, consulte-nos.


FAG 154 155 FAG
Rolamentos FAG fixos de esferas Os rolamentos podem atingir a durabilidade
permanente, desde que C0/P0*  8, vide pág. 41.
de uma carreira
rs rs rs rs rg
rg

rs rs rs rs
rg rg
H d J D H1 d J D H1 d J D H1 d J D
D1 D3 D1 D3

B B B B

2ZR 2RSR

Eixo Dimensão Peso Capacidade Limite de Rotação de Designação Medida de montagem


 de carga rotação referência
din. est.
d D B rs H H1 J C C0 Rolamento D1 D3 rg
min    min máx máx
mm kg kN rpm FAG mm

15 15 35 11 0,6 29,3 30,9 21,1 0,043 7,8 3,75 26000 24000 6202 19,2 30,8 0,6
15 35 11 0,6 29,3 30,9 21,1 0,043 7,8 3,75 26000 24000 S6202.W203B 19,2 30,8 0,6
15 35 11 0,6 29,3 30,9 21,1 0,045 7,8 3,75 20000 24000 6202.2ZR 19,2 30,8 0,6
15 35 11 0,6 29,3 30,9 21,1 0,045 7,8 3,75 14000 6202.2RSR 19,2 30,8 0,6
15 35 11 0,6 29,3 30,9 21,1 0,045 7,8 3,75 14000 S6202.2RSR.W203B 19,2 30,8 0,6

15 35 14 0,6 29,3 30,9 21,1 0,057 7,8 3,75 14000 62202.2RSR 19,2 30,8 0,6

15 42 13 1 33,5 35 23,6 0,088 11,4 5,4 43000 22000 6302 20,6 36,4 1
15 42 13 1 33,5 35 23,6 0,088 11,4 5,4 43000 22000 S6302.W203B 20,6 36,4 1
15 42 13 1 33,5 35 23,6 0,09 11,4 5,4 18000 22000 6302.2ZR 20,6 36,4 1
15 42 13 1 33,5 35 23,6 0,09 11,4 5,4 12000 6302.2RSR 20,6 36,4 1
15 42 13 1 33,5 35 23,6 0,09 11,4 5,4 12000 S6302.2RSR.W203B 20,6 36,4 1

15 42 17 1 33,5 35 23,6 0,114 11,4 5,4 12000 62302.2RSR 20,6 36,4 1

17 17 35 8 0,3 29,5 30,9 22,6 0,03 6 3,25 28000 20000 16003 19 33 0,3

17 35 10 0,3 29,4 30,8 22,6 0,038 6 3,25 28000 22000 6003 19 33 0,3
17 35 10 0,3 29,4 30,8 22,6 0,038 6 3,25 28000 22000 S6003.W203B 19 33 0,3
17 35 10 0,3 29,4 30,8 22,6 0,04 6 3,25 22000 22000 6003.2ZR 19 33 0,3
17 35 10 0,3 29,4 30,8 22,6 0,04 6 3,25 14000 6003.2RSR 19 33 0,3
17 35 10 0,3 29,4 30,8 22,6 0,04 6 3,25 14000 S6003.2RSR.W203B 19 33 0,3

17 40 12 0,6 33,1 34,4 24 0,065 9,5 4,75 22000 20000 6203 21,2 35,8 0,6
17 40 12 0,6 33,1 34,4 24 0,065 9,5 4,75 22000 20000 S6203.W203B 21,2 35,8 0,6
17 40 12 0,6 33,1 34,4 24 0,067 9,5 4,75 18000 20000 6203.2ZR 21,2 35,8 0,6
17 40 12 0,6 33,1 34,4 24 0,067 9,5 4,75 12000 6203.2RSR 21,2 35,8 0,6
17 40 12 0,6 33,1 34,4 24 0,067 9,5 4,75 12000 S6203.2RSR.W203B 21,2 35,8 0,6

17 40 16 0,6 33,1 34,4 24 0,087 9,5 4,75 12000 62203.2RSR 21,2 35,8 0,6

17 47 14 1 37,9 39,3 26,2 0,114 13,4 6,55 19000 20000 6303 22,6 41,4 1
17 47 14 1 37,9 39,3 26,2 0,111 13,4 6,55 19000 20000 S6303.W203B 22,6 41,4 1
17 47 14 1 37,9 39,3 26,2 0,117 13,4 6,55 16000 20000 6303.2ZR 22,6 41,4 1
17 47 14 1 37,9 39,3 26,2 0,118 13,4 6,55 11000 6303.2RSR 22,6 41,4 1
17 47 14 1 37,9 39,3 26,2 0,115 13,4 6,55 11000 S6303.2RSR.W203B 22,6 41,4 1

17 47 19 1 37,9 39,3 26,2 0,154 13,4 6,55 11000 62303.2RSR 22,6 41,4 1

17 62 17 1,1 50,2 52,5 36,4 0,269 22,4 11,4 28000 17000 6403 26 53 1

20 20 42 8 0,3 34,7 36,1 27,2 0,05 6,95 4,05 22000 16000 16004 22 40 0,3

20 42 12 0,6 35,5 37,4 26,6 0,068 9,3 5 20000 20000 6004 23,2 38,8 0,6
20 42 12 0,6 35,5 37,4 26,6 0,064 9,3 5 20000 20000 S6004.W203B 23,2 38,8 0,6
20 42 12 0,6 35,5 37,4 26,6 0,071 9,3 5 17000 20000 6004.2ZR 23,2 38,8 0,6
20 42 12 0,6 35,5 37,4 26,6 0,071 9,3 5 12000 6004.2RSR 23,2 38,8 0,6
20 42 12 0,6 35,5 37,4 26,6 0,067 9,3 5 12000 S6004.2RSR.W203B 23,2 38,8 0,6

Também podem ser fornecidas outras execuções, consulte-nos.


FAG 156 157 FAG
Rolamentos FAG fixos de esferas Os rolamentos podem atingir a durabilidade
permanente, desde que C0/P0*  8, vide pág. 41.
de uma carreira
rs rs rs rs rg
rg

rs rs rs rs
rg rg
H d J D H1 d J D H1 d J D H1 d J D
D1 D3 D1 D3

B B B B

2ZR 2RSR

Eixo Dimensão Peso Capacidade Limite de Rotação de Designação Medida de montagem


 de carga rotação referência
din. est.
d D B rs H H1 J C C0 Rolamento D1 D3 rg
min    min máx máx
mm kg kN rpm FAG mm

20 20 47 14 1 38,4 41 28,8 0,105 12,7 6,55 18000 19000 6204 25,6 41,4 1
20 47 14 1 38,4 41 28,8 0,105 12,7 6,55 18000 19000 S6204.W203B 25,6 41,4 1
20 47 14 1 38,4 41 28,8 0,109 12,7 6,55 15000 19000 6204.2ZR 25,6 41,4 1
20 47 14 1 38,4 41 28,8 0,109 12,7 6,55 10000 6204.2RSR 25,6 41,4 1
20 47 14 1 38,4 41 28,8 0,108 12,7 6,55 10000 S6204.2RSR.W203B 25,6 41,4 1

20 47 18 1 38,4 41 28,8 0,139 12,7 6,55 10000 62204.2RSR 25,6 41,4 1

20 52 15 1,1 41,9 44,4 30,3 0,151 16 7,8 34000 18000 6304 27 45 1


20 52 15 1,1 41,9 44,4 30,3 0,153 16 7,8 34000 18000 S6304.W203B 27 45 1
20 52 15 1,1 41,9 44,4 30,3 0,155 16 7,8 14000 18000 6304.2ZR 27 45 1
20 52 15 1,1 41,9 44,4 30,3 0,155 16 7,8 9500 6304.2RSR 27 45 1

20 52 21 1,1 42,1 44,4 30,3 0,209 16 7,8 9500 62304.2RSR 27 45 1

20 72 19 1,1 55 37 0,415 30,5 15 26000 15000 6404 29 63 1

25 25 47 8 0,3 39,7 41,1 32,2 0,055 7,2 4,65 19000 14000 16005 27 45 0,3

25 47 12 0,6 40,2 42,5 32 0,08 10 5,85 36000 17000 6005 28,2 43,8 0,6
25 47 12 0,6 40,2 42,5 32 0,082 10 5,85 36000 17000 S6005.W203B 28,2 43,8 0,6
25 47 12 0,6 40,2 42,5 32 0,083 10 5,85 15000 17000 6005.2ZR 28,2 43,8 0,6
25 47 12 0,6 40,2 42,5 32 0,084 10 5,85 10000 6005.2RSR 28,2 43,8 0,6
25 47 12 0,6 40,2 42,5 32 0,083 10 5,85 10000 S6005.2RSR.W203B 28,2 43,8 0,6

25 52 15 1 43,6 45,4 33,5 0,128 14 7,8 17000 17000 6205 30,6 46,4 1
25 52 15 1 43,6 45,4 33,5 0,128 14 7,8 17000 17000 S6205.W203B 30,6 46,4 1
25 52 15 1 43,6 45,4 33,5 0,132 14 7,8 14000 17000 6205.2ZR 30,6 46,4 1
25 52 15 1 43,6 45,4 33,5 0,132 14 7,8 9000 6205.2RSR 30,6 46,4 1
25 52 15 1 43,6 45,4 33,5 0,132 14 7,8 9000 S6205.2RSR.W203B 30,6 46,4 1

25 52 18 1 43,6 45,4 33,5 0,156 14 7,8 9000 62205.2RSR 30,6 46,4 1

25 62 17 1,1 50,2 52,5 36,4 0,234 22,4 11,4 28000 15000 6305 32 55 1
25 62 17 1,1 50,2 52,5 36,4 0,237 22,4 11,4 28000 15000 S6305.W203B 32 55 1
25 62 17 1,1 50,2 52,5 36,4 0,24 22,4 11,4 11000 15000 6305.2ZR 32 55 1
25 62 17 1,1 50,2 52,5 36,4 0,242 22,4 11,4 7500 6305.2RSR 32 55 1
25 62 17 1,1 50,2 52,5 36,4 0,245 22,4 11,4 7500 S6305.2RSR.W203B 32 55 1

25 62 24 1,1 50,2 52,5 36,4 0,272 22,4 11,4 7500 62305.2RSR 32 55 1

25 80 21 1,5 63,1 45,4 0,56 36 19,3 22000 14000 6405 36 69 1,5

30 30 55 9 0,3 47,5 48,8 37,7 0,082 11,2 7,35 16000 12000 16006 32 53 0,3

30 55 13 1 47,2 49,2 38,3 0,122 12,7 8 32000 15000 6006 34,6 50,4 1
30 55 13 1 47,2 49,2 38,3 0,109 12,7 8 32000 15000 S6006.W203B 34,6 50,4 1
30 55 13 1 47,2 49,2 38,3 0,125 12,7 8 13000 15000 6006.2ZR 34,6 50,4 1
30 55 13 1 47,2 49,2 38,3 0,125 12,7 8 8500 6006.2RSR 34,6 50,4 1

Também podem ser fornecidas outras execuções, consulte-nos.


FAG 158 159 FAG
Rolamentos FAG fixos de esferas Os rolamentos podem atingir a durabilidade
permanente, desde que C0/P0*  8, vide pág. 41.
de uma carreira
rs rs rs rs rg
rg

rs rs rs rs
rg rg
H d J D H1 d J D H1 d J D H1 d J D
D1 D3 D1 D3

B B B B

2ZR 2RSR

Eixo Dimensão Peso Capacidade Limite de Rotação de Designação Medida de montagem


 de carga rotação referência
din. est.
d D B rs H H1 J C C0 Rolamento D1 D3 rg
min    min máx máx
mm kg kN rpm FAG mm

30 30 62 16 1 52,1 54,9 40 0,195 19,3 11,2 14000 14000 6206 35,6 56,4 1
30 62 16 1 52,1 54,9 40 0,205 19,3 11,2 14000 14000 S6206.W203B 35,6 56,4 1
30 62 16 1 52,1 54,9 40 0,201 19,3 11,2 11000 14000 6206.2ZR 35,6 56,4 1
30 62 16 1 52,1 54,9 40 0,201 19,3 11,2 7500 6206.2RSR 35,6 56,4 1
30 62 16 1 52,1 54,9 40 0,211 19,3 11,2 7500 S6206.2RSR.W203B 35,6 56,4 1

30 62 20 1 52,1 54,9 40 0,245 19,3 11,2 7500 62206.2RSR 35,6 56,4 1

30 72 19 1,1 59,6 61,6 44,6 0,355 29 16,3 24000 13000 6306 37 65 1


30 72 19 1,1 59,6 61,6 44,6 0,355 29 16,3 24000 13000 S6306.W203B 37 65 1
30 72 19 1,1 59,6 61,6 44,6 0,363 29 16,3 9500 13000 6306.2ZR 37 65 1
30 72 19 1,1 59,6 61,6 44,6 0,365 29 16,3 6300 6306.2RSR 37 65 1
30 72 19 1,1 59,6 61,6 44,6 0,365 29 16,3 6300 S6306.2RSR.W203B 37 65 1

30 72 27 1,1 59,6 61,6 44,6 0,499 29 16,3 6300 62306.2RSR 37 65 1

30 90 23 1,5 70,1 50,1 0,76 42,5 23,2 19000 12000 6406 41 79 1,5

35 35 62 9 0,3 53,5 54,8 43,7 0,105 12,2 8,8 14000 10000 16007 37 60 0,3

35 62 14 1 53,3 55,4 43,2 0,157 16 10,2 28000 13000 6007 39,6 57,4 1
35 62 14 1 53,3 55,4 43,2 0,157 16 10,2 28000 13000 S6007.W203B 39,6 57,4 1
35 62 14 1 53,3 55,4 43,2 0,163 16 10,2 11000 13000 6007.2ZR 39,6 57,4 1
35 62 14 1 53,3 55,4 43,2 0,163 16 10,2 7500 6007.2RSR 39,6 57,4 1
35 62 14 1 53,3 55,4 43,2 0,163 16 10,2 7500 S6007.2RSR.W203B 39,6 57,4 1

35 72 17 1,1 60,7 63,3 47,2 0,291 25,5 15,3 24000 12000 6207 42 65 1
35 72 17 1,1 60,7 63,3 47,2 0,285 25,5 15,3 24000 12000 S6207.W203B 42 65 1
35 72 17 1,1 60,7 63,3 47,2 0,299 25,5 15,3 9500 12000 6207.2ZR 42 65 1
35 72 17 1,1 60,7 63,3 47,2 0,301 25,5 15,3 6300 6207.2RSR 42 65 1
35 72 17 1,1 60,7 63,3 47,2 0,303 25,5 15,3 6300 S6207.2RSR.W203B 42 65 1

35 72 23 1,1 60,7 63,3 47,2 0,393 25,5 15,3 6300 62207.2RSR 42 65 1

35 80 21 1,5 65,5 67,6 49,3 0,471 33,5 19 20000 12000 6307 44 71 1,5
35 80 21 1,5 65,5 67,6 49,3 0,471 33,5 19 20000 12000 S6307.W203B 44 71 1,5
35 80 21 1,5 65,5 67,6 49,3 0,481 33,5 19 8500 12000 6307.2ZR 44 71 1,5
35 80 21 1,5 65,5 67,6 49,3 0,483 33,5 19 5600 6307.2RSR 44 71 1,5
35 80 21 1,5 65,5 67,6 49,3 0,483 33,5 19 5600 S6307.2RSR.W203B 44 71 1,5

35 80 31 1,5 65,5 67,6 49,3 0,687 33,5 19 5600 62307.2RSR 44 71 1,5

35 100 25 1,5 83,3 85,6 62 0,971 53 31,5 16000 11000 6407 46 89 1,5

40 40 68 9 0,3 59,3 49,4 0,12 13,2 10,2 13000 9000 16008 42 66 0,3

40 68 15 1 59,1 61,6 49,3 0,194 16,6 11,6 26000 12000 6008 44,6 63,4 1
40 68 15 1 59,1 61,6 49,3 0,196 16,6 11,6 26000 12000 S6008.W203B 44,6 63,4 1
40 68 15 1 59,1 61,6 49,3 0,2 16,6 11,6 10000 12000 6008.2ZR 44,6 63,4 1
40 68 15 1 59,1 61,6 49,3 0,202 16,6 11,6 6700 6008.2RSR 44,6 63,4 1

Também podem ser fornecidas outras execuções, consulte-nos.


FAG 160 161 FAG
Rolamentos FAG fixos de esferas Os rolamentos podem atingir a durabilidade
permanente, desde que C0/P0*  8, vide pág. 41.
de uma carreira
rs rs rs rs rg
rg

rs rs rs rs
rg rg
H d J D H1 d J D H1 d J D H1 d J D
D1 D3 D1 D3

B B B B

2ZR 2RSR

Eixo Dimensão Peso Capacidade Limite de Rotação de Designação Medida de montagem


 de carga rotação referência
din. est.
d D B rs H H1 J C C0 Rolamento D1 D3 rg
min    min máx máx
mm kg kN rpm FAG mm

40 40 80 18 1,1 67,5 70,4 53 0,371 29 18 20000 11000 6208 47 73 1


40 80 18 1,1 67,5 70,4 53 0,371 29 18 20000 11000 S6208.W203B 47 73 1
40 80 18 1,1 67,5 70,4 53 0,382 29 18 8500 11000 6208.2ZR 47 73 1
40 80 18 1,1 67,5 70,4 53 0,384 29 18 5600 6208.2RSR 47 73 1
40 80 18 1,1 67,5 70,4 53 0,384 29 18 5600 S6208.2RSR.W203B 47 73 1

40 80 23 1,1 67,5 70,4 53 0,477 29 18 5600 62208.2RSR 47 73 1

40 90 23 1,5 74,6 76,5 55,5 0,64 42,5 25 18000 11000 6308 49 81 1,5
40 90 23 1,5 74,6 76,5 55,5 0,641 42,5 25 18000 11000 S6308.W203B 49 81 1,5
40 90 23 1,5 74,6 76,5 55,5 0,654 42,5 25 7500 11000 6308.2ZR 49 81 1,5
40 90 23 1,5 74,6 76,5 55,5 0,654 42,5 25 5000 6308.2RSR 49 81 1,5

40 90 33 1,5 74,6 76,5 55,5 0,903 42,5 25 5000 62308.2RSR 49 81 1,5

40 110 27 2 91,6 95,1 68 1,12 62 38 14000 10000 6408 53 97 2

45 45 75 10 0,6 65,6 55 0,167 15,6 12,2 22000 8500 16009 48,2 71,8 0,6

45 75 16 1 65,5 68 54,2 0,247 20 14,3 22000 11000 6009 49,6 70,4 1


45 75 16 1 65,5 67,9 54,2 0,234 20 14,3 22000 11000 S6009.W203B 49,6 70,4 1
45 75 16 1 65,5 68 54,2 0,253 20 14,3 9000 11000 6009.2ZR 49,6 70,4 1
45 75 16 1 65,5 68 54,2 0,257 20 14,3 6000 6009.2RSR 49,6 70,4 1
45 75 16 1 65,5 67,9 54,2 0,244 20 14,3 6000 S6009.2RSR.W203B 49,6 70,4 1

45 85 19 1,1 71,8 74,6 57,2 0,429 31 20,4 19000 10000 6209 52 78 1


45 85 19 1,1 71,8 74,6 57,2 0,429 31 20,4 19000 10000 S6209.W203B 52 78 1
45 85 19 1,1 71,8 74,6 57,2 0,441 31 20,4 8000 10000 6209.2ZR 52 78 1
45 85 19 1,1 71,8 74,6 57,2 0,441 31 20,4 5300 6209.2RSR 52 78 1
45 85 19 1,1 71,8 74,6 57,2 0,441 31 20,4 5300 S6209.2RSR.W203B 52 78 1

45 85 23 1,1 71,8 74,6 57,2 0,522 31 20,4 5300 62209.2RSR 52 78 1

45 100 25 1,5 83,3 85,6 62 0,847 53 31,5 16000 10000 6309 54 91 1,5
45 100 25 1,5 83,3 85,6 62 0,859 53 31,5 16000 10000 S6309.W203B 54 91 1,5
45 100 25 1,5 83,3 85,6 62 0,869 53 31,5 6700 10000 6309.2ZR 54 91 1,5
45 100 25 1,5 83,3 85,6 62 0,867 53 31,5 4500 6309.2RSR 54 91 1,5
45 100 25 1,5 83,3 85,6 62 0,879 53 31,5 4500 S6309.2RSR.W203B 54 91 1,5

45 100 36 1,5 83,3 85,6 62 1,2 53 31,5 4500 62309.2RSR 54 91 1,5

45 120 29 2 100,9 104,3 75,2 1,97 76,5 47,5 13000 9500 6409 58 107 2

50 50 80 10 0,6 70,5 60,1 0,181 16 13,2 20000 7500 16010 53,2 76,8 0,6

50 80 16 1 70,1 72,9 59,8 0,272 20,8 15,6 20000 10000 6010 54,6 75,4 1
50 80 16 1 70,1 72,9 59,8 0,26 20,8 15,6 20000 10000 S6010.W203B 54,6 75,4 1
50 80 16 1 70,1 72,9 59,8 0,282 20,8 15,6 8500 10000 6010.2ZR 54,6 75,4 1
50 80 16 1 70,1 72,9 59,8 0,283 20,8 15,6 5600 6010.2RSR 54,6 75,4 1
50 80 16 1 70,1 72,9 59,8 0,271 20,8 15,6 5600 S6010.2RSR.W203B 54,6 75,4 1

Também podem ser fornecidas outras execuções, consulte-nos.


FAG 162 163 FAG
Rolamentos FAG fixos de esferas Os rolamentos podem atingir a durabilidade
permanente, desde que C0/P0*  8, vide pág. 41.
de uma carreira
rs rs rs rs rg
rg

rs rs rs rs
rg rg
H d J D H1 d J D H1 d J D H1 d J D
D1 D3 D1 D3

B B B B

2ZR 2RSR

Eixo Dimensão Peso Capacidade Limite de Rotação de Designação Medida de montagem


 de carga rotação referência
din. est.
d D B rs H H1 J C C0 Rolamento D1 D3 rg
min    min máx máx
mm kg kN rpm FAG mm

50 50 90 20 1,1 77,9 80 62 0,466 36,5 24 18000 9500 6210 57 83 1


50 90 20 1,1 77,9 80 62 0,469 36,5 24 18000 9500 S6210.W203B 57 83 1
50 90 20 1,1 77,9 80 62 0,478 36,5 24 7500 9500 6210.2ZR 57 83 1
50 90 20 1,1 77,9 80 62 0,48 36,5 24 4800 6210.2RSR 57 83 1

50 90 23 1,1 77,9 80 62 0,543 36,5 24 4800 62210.2RSR 57 83 1

50 110 27 2 91,6 95,1 68 1,1 62 38 14000 9500 6310 61 99 2


50 110 27 2 91,6 95,1 68 1,12 62 38 6000 9500 6310.2ZR 61 99 2
50 110 27 2 91,6 95,1 68 1,12 62 38 4000 6310.2RSR 61 99 2
50 110 27 2 91,6 95,1 68 1,11 62 38 4000 S6310.2RSR.W203B 61 99 2

50 110 40 2 91,6 95,1 68 1,59 62 38 4000 62310.2RSR 61 99 2

50 130 31 2,1 108,4 113,1 81,6 1,96 81,5 52 12000 9000 6410 64 116 2,1

55 55 90 11 0,6 78 67,1 0,266 19,3 16,3 18000 7000 16011 58,2 86,8 0,6

55 90 18 1,1 78,9 81,5 66,2 0,397 28,5 21,2 18000 9500 6011 61 84 1
55 90 18 1,1 78,9 81,5 66,2 0,403 28,5 21,2 18000 9500 S6011.W203B 61 84 1
55 90 18 1,1 78,9 81,5 66,2 0,408 28,5 21,2 7500 9500 6011.2ZR 61 84 1
55 90 18 1,1 78,9 81,5 66,2 0,41 28,5 21,2 5000 6011.2RSR 61 84 1

55 100 21 1,5 86,1 88,2 68,7 0,616 43 29 16000 8500 6211 64 91 1,5
55 100 21 1,5 86,1 88,2 68,7 0,617 43 29 16000 8500 S6211.W203B 64 91 1,5
55 100 21 1,5 86,1 88,2 68,7 0,632 43 29 6700 8500 6211.2ZR 64 91 1,5
55 100 21 1,5 86,1 88,2 68,7 0,632 43 29 4300 6211.2RSR 64 91 1,5

55 120 29 2 100,9 104,3 75,2 1,39 76,5 47,5 13000 9000 6311 66 109 2
55 120 29 2 100,9 104,3 75,2 1,43 76,5 47,5 5300 9000 6311.2ZR 66 109 2
55 120 29 2 100,9 104,3 75,2 1,43 76,5 47,5 3600 6311.2RSR 66 109 2

55 140 33 2,1 117,5 122,2 88,6 1,38 93 60 11000 8500 6411 69 126 2,1

60 60 95 11 0,6 82,9 72,1 0,283 20 17,6 17000 6300 16012 63,2 91,8 0,6

60 95 18 1,1 83,9 86 71,3 0,419 29 23,2 17000 8500 6012 66 89 1


60 95 18 1,1 83,8 71,3 0,416 29 23,2 16000 8500 S6012.W203B 66 89 1
60 95 18 1,1 83,9 86 71,3 0,431 29 23,2 7000 8500 6012.2ZR 66 89 1
60 95 18 1,1 83,9 86 71,3 0,432 29 23,2 4500 6012.2RSR 66 89 1

60 110 22 1,5 95,6 97,7 75,8 0,789 52 36 14000 8000 6212 69 101 1,5
60 110 22 1,5 95,6 97,7 75,8 0,795 52 36 14000 8000 S6212.W203B 69 101 1,5
60 110 22 1,5 95,6 97,7 75,8 0,807 52 36 6000 8000 6212.2ZR 69 101 1,5
60 110 22 1,5 95,6 97,7 75,8 0,809 52 36 4000 6212.2RSR 69 101 1,5

60 130 31 2,1 108,4 113,1 81,3 1,75 81,5 52 12000 8500 6312 72 118 2,1
60 130 31 2,1 108,4 113,1 81,3 1,79 81,5 52 5000 8500 6312.2ZR 72 118 2,1
60 130 31 2,1 108,4 113,1 81,3 1,79 81,5 52 3400 6312.2RSR 72 118 2,1

60 150 35 2,1 124,9 130,2 95,1 2,89 104 68 10000 8000 6412 74 136 2,1

Também podem ser fornecidas outras execuções, consulte-nos.


FAG 164 165 FAG
Rolamentos FAG fixos de esferas Os rolamentos podem atingir a durabilidade
permanente, desde que C0/P0*  8, vide pág. 41.
de uma carreira
rs rs rs rs rg
rg

rs rs rs rs
rg rg
H d J D H1 d J D H1 d J D H1 d J D
D1 D3 D1 D3

B B B B

2ZR 2RSR

Eixo Dimensão Peso Capacidade Limite de Rotação de Designação Medida de montagem


 de carga rotação referência
din. est.
d D B rs H H1 J C C0 Rolamento D1 D3 rg
min    min máx máx
mm kg kN rpm FAG mm

65 65 100 11 0,6 87,9 77,1 0,302 21,2 19,6 16000 6000 16013 68,2 96,8 0,6

65 100 18 1,1 88,8 91,5 76,2 0,448 30,5 25 15000 8000 6013 71 94 1
65 100 18 1,1 88,8 91,5 76,2 0,464 30,5 25 6300 8000 6013.2ZR 71 94 1
65 100 18 1,1 88,8 91,5 76,2 0,463 30,5 25 4300 6013.2RSR 71 94 1

65 120 23 1,5 103,1 106,3 82 1 60 41,5 13000 7500 6213 74 111 1,5
65 120 23 1,5 103,1 106,3 82 1,03 60 41,5 5300 7500 6213.2ZR 74 111 1,5
65 120 23 1,5 103,1 106,3 82 1,03 60 41,5 3600 6213.2RSR 74 111 1,5

65 140 33 2,1 117,5 122,2 88,6 2,14 93 60 11000 8000 6313 77 128 2,1
65 140 33 2,1 117,5 122,2 88,3 2,18 93 60 4500 8000 6313.2ZR 77 128 2,1
65 140 33 2,1 117,5 122,2 88,3 2,18 93 60 3000 6313.2RSR 77 128 2,1

65 160 37 2,1 133,2 101,7 3,49 114 76,5 9500 7500 6413 79 146 2,1

70 70 110 13 0,6 96,2 83,7 0,438 28 25 14000 6000 16014 73,2 106,8 0,6

70 110 20 1,1 97,3 100 82,8 0,622 38 31 14000 7500 6014 76 104 1
70 110 20 1,1 97,3 100 82,8 0,642 38 31 6000 7500 6014.2ZR 76 104 1
70 110 20 1,1 97,3 100 82,8 0,64 38 31 4000 6014.2RSR 76 104 1

70 125 24 1,5 108 110,7 86,8 1,09 62 44 12000 7000 6214 79 116 1,5
70 125 24 1,5 108 110,7 86,8 1,11 62 44 5000 7000 6214.2ZR 79 116 1,5
70 125 24 1,5 108 110,7 86,8 1,11 62 44 3400 6214.2RSR 79 116 1,5

70 150 35 2,1 124,9 130,2 95,1 2,61 104 68 10000