P. 1
supervisão, supervisores e supervisionados

supervisão, supervisores e supervisionados

|Views: 452|Likes:
Publicado porHélder Wafunga

More info:

Categories:Types, Research
Published by: Hélder Wafunga on Nov 18, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PPTX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

11/07/2012

pdf

text

original

A SUPERVISÃO EDUCATIVA, O SUPERVISOR E O DOCENTE

Por: Hélder Wafunga

BENGUELA, Novembro de 2010

SUPERVISÃO
Alarcão e Tavares (2007) definem Supervisão de professores como o ´processo em que um professor, em princípio mais experiente e mais informado, orienta um outro professor ou candidato a professor no seu desenvolvimento humano e profissionalµ

É uma actividade de assessoria e monitorização da actividade do professor no sentido de melhorar o seu desempenho profissional e, consequentemente a qualidade do processo de ensino/aprendizagem, através de procedimentos de reflexão e experimentação.

Hélder Wafunga

2

Supervisão Pedagógica
A Supervisão tem como objectivo principal o desenvolvimento profissional do professor, devendo estar presente em todas as etapas da sua formação:  Formação inicial,  Formação contínua.

No âmbito do plano mestre de formação de professores, a supervisão pedagógica tem como objectivo fundamental a introdução de correcções no processo ensino-aprendizagem, com base na auto-reflexão e na auto-avaliação.

Hélder Wafunga

3

Supervisão Pedagógica
Para quê? 
Promover a alteração de concepções e processos de pensamento. 

Proporcionar condições para os professores reflectirem sobre as suas práticas.  Promover a aquisição e o aperfeiçoamento de competências de ensino.  Promover a colegialidade, um espírito de abertura, e a comunicação entre os professores.  Reduzir a ansiedade e o mal estar profissional.  Promover a autonomia e o desenvolvimento pessoal.  Modificar atitudes.  Melhorar a qualidade do ensino e da aprendizagem

Hélder Wafunga

4

Intervenientes no processo
No processo de Supervisão intervêm os seguintes elementos:  O Supervisor  O Docente ou candidato a professor O Supervisor propõe e participa na execução de políticas educacionais sendo, ao mesmo tempo, elemento de articulação e de mediação entre essas políticas e as propostas pedagógicas desenvolvidas nas escolas. O supervisor tem como primeira meta facilitar o desenvolvimento do professor, mas ao fazê-lo, também o supervisor se desenvolve porque aprende ensinando; por outro lado, o desenvolvimento profissional do professor tem por objectivo a aprendizagem e o desenvolvimento dos alunos.

Hélder Wafunga

5

,

supervisor

Professor

Melhoria das aprendizagens dos alunos

Hélder Wafunga

6

O Supervisor
Na visão de Alarcão e Tavares (2003), os objectivos de um supervisor devem apontar para desenvolver nos formandos as seguintes capacidades e atitudes: 1. Espírito de autoformação e desenvolvimento; 2. Capacidade de identificar, aprofundar, mobilizar e integrar os conhecimentos subjacentes ao exercício da docência; 3. Capacidade de resolver problemas e tomar decisões esclarecidas e acertadas; 4. Capacidade de experimentar e inovar numa dialética entre a prática e a teoria; 5. Capacidade de reflectir e fazer críticas e autocríticas de modo construtivo;
Hélder Wafunga 7

O Supervisor
6. Consciência da responsabilidade que cabe ao professor no sucesso, ou no insucesso dos seus alunos; 7. Entusiasmo pela profissão que exerce e empenhamento nas tarefas inerentes; 8. Capacidade de trabalhar com os outros elementos envolvidos no processo educativo

Hélder Wafunga

8

CARACTERÍSTICAS DO SUPERVISOR
Mosher e Purpel (1972) identificam seis áreas de características que o supervisor deve manifestar:  sensibilidade para se aperceber dos problemas e das suas causas;  capacidade para analisar, dissecar e conceptualizar os problemas e hierarquizar as causas que lhes deram origem,  capacidade para estabelecer uma comunicação eficaz a fim de perceber as opiniões e os sentimentos dos professores e exprimir as suas próprias opiniões e sentimentos;

Hélder Wafunga

9

CARACTERÍSTICAS DO SUPERVISOR 
competência em desenvolvimento curricular e em teoria e prática de ensino;  skills de relacionamento interpessoal;  responsabilidade social assente em noções bem claras sobre os fins da educação

Hélder Wafunga

10

CARACTERÍSTICAS DO SUPERVISOR
Outras características menos gerais, destacadas por vários autores são as seguintes:  Capacidade de prestar atenção e saber escutar,  Capacidade de compreender, de manifestar uma atitude de resposta adequada,  Capacidade de integrar as perspectivas dos formandos,  Capacidade de buscar a clarificação de sentidos e a construção de uma linguagem comum,  Capacidade de comunicar verbal e não verbalmente,  Capacidade de parafrasear e interpretar, de cooperar de interrogar

Hélder Wafunga

11

Competências do Supervisor
A tarefa complexa do supervisor desenvolve-se, pois, em duas dimensões fundamentais: ‡ a dimensão analítica, referente aos processos de operacionalização da monitorização da prática pedagógica; ‡ a dimensão interpessoal, relativa aos processos de interacção entre os sujeitos envolvidos. Estas dimensões interpenetram-se de tal modo que não é possível desenvolver uma independentemente da outra, considerando-se, no entanto, que a dimensão interpessoal exerce um papel regulador no processo de supervisão.

12

Competências do Supervisor
No contexto de uma perspectiva colaborativa do papel do supervisor, poderemos definir as suas competências e funções, exercidas por referência a três áreas de reflexão / experimentação: - área da supervisão; - área da observação; - área da didáctica. 1. Área da supervisão ² refere o processo de monitorização da prática nas dimensões analítica e interpessoal. Inclui (a) as regras e os princípios da supervisão; (b) os papéis do supervisor e do professor na relação de supervisão; (c) os estilos e modelos de supervisão; (d) a sua operacionalização

13

Competências do Supervisor
2. Área da observação ² refere o processo de observação como estratégia de formação, ainda que este possa ser considerado parte integrante da área de supervisão. Inclui aspectos referentes às finalidades, objectos e formas de observação da prática pedagógica. 3. Área da didáctica ² refere o campo especializado de

reflexão/experimentação do professor. Inclui aspectos relativos ao processo de ensino-aprendizagem de uma dada disciplina em contexto escolar (planificação, execução e avaliação) e abrange o conhecimento dessa disciplina.

14

Funções do Supervisor
1. Informar ² fornecer informação, relevante e actualizada, no âmbito das três áreas, em função dos objectivos e necessidades de formação dos professores (supervisor enquanto pessoa informada). 2. Questionar ² problematizar o saber e a experiência: colocar em questão o que parece óbvio, interrogar-se sobre a realidade do que observa, equacionar os problemas da prática, confrontar opções alternativas (supervisor enquanto prático reflexivo, encorajando o professor a assumir uma postura reflexiva).

15

Funções do Supervisor
3. Sugerir ² a partir da informação e da problematização, propor ideias, práticas e soluções. 4. Encorajar ² no âmbito do relacionamento interpessoal, o encorajamento assume um papel inestimável na relação de supervisão. 5.Avaliar ² avaliar, no sentido lato do termo, fazer juízos de valor. A avaliação, enquanto processo formativo e não de classificação.

Hélder Wafunga

16

Actividades do supervisor
Para a realização dessas funções, o supervisor deverá realizar as seguintes actividades:  Observar o funcionamento da escola e as práticas em salas de aula;  Realçar os pontos fortes das aulas;  Identificar as dificuldades e diagnosticar as necessidades de formação dos professores;  Ajudar o professor a planificar, preparar e animar as actividades pedagógicas com base nos recursos disponíveis;  Ajudar o professor a consciencializar-se dos pontos fortes e dos aspectos a serem melhorados nas suas práticas;  Analisar as aulas numa perspectiva reflexiva;
Hélder Wafunga 17

Actividades do Supervisor 
Apoiar o professor na construção de instrumentos de regulação, 

Organizar e planificar o processo de avaliação;  Diversificar as metodologias transformando a actuação dos professores de acordo com os diferentes cenários da aula;  Transferir as aprendizagens realizadas;  Estabelecer a ligação entre o director e os professores;  Informar ao director da escola e aos superiores hierarquicos sobre os resultados da supervisão;  Dar o feedback ao professor como forma de melhorar o seu desempenho

Hélder Wafunga

18

Relação Supervisor/professor
Entre esses dois elementos deverá existir uma relação de colaboração, na medida em que, da mesma forma que o supervisionado (professor ou candidato a professor) aprende com o supervisor, o inverso também acontece. O professor deverá fornecer ao supervisor todas as informações necessárias para o bom andamento da supervisão.

Hélder Wafunga

19

O ciclo de Supervisão

Encontro de préobservação

Observação propriamente dita

Encontro de Pósobservação
Hélder Wafunga 20

Fases do ciclo de supervisão Encontro pré-observação
a) Ajudar o formando na análise e tentativa de resolução dos problemas ou inquietações que se lhe deparam; clarificar as tarefas de ensino (objectivos, estratégias); decidir que aspectos vão ser observados; antecipar possíveis problemas de aprendizagem. b) Feedback da planificação das aulas a observar; clarificar que aspectos irão ser observados e estratégias a utilizar. c) Contribui para aumentar o grau de confiança do formando, quando assente num clima de colaboração e inter-ajuda.

Hélder Wafunga

21

Fases do ciclo de supervisão Observação propriamente dita
Observação ² Conjunto de actividades destinadas a recolher dados e informações sobre o que se passa no processo de ensino-aprendizagem com a finalidade de, mais tarde, proceder a uma análise do processo .

Hélder Wafunga

22

Fases do ciclo de supervisão Encontro pós-observação 
Supervisor, professor e outros colegas que tenham observado, analisam o que aconteceu durante a aula  O professor deve reflectir sobre o seu ´euµ  Faz-se a análise dos pontos sobre os quais se decidiu centrar a observação, de acordo com as necessidades do formando  Discute-se a relação entre intenções e realizações, procurando identificar os aspectos a modificar e conducentes ao novo plano de acção a executar  São definidos novos objectivos e estratégias de ensino e de observação, podendo coincidir este encontro com o de pré-observação.

Hélder Wafunga

23

Relação Supervisor/Professor
Blumberg (1980) definiu quatro tipos de relação Supervisor/professor, com base nas percepções que os professores têm da sua relação com os supervisores: ‡ Uma relação muito directa e muito indirecta ² em que o supervisor tanto se socorre de afirmações e críticas suas como faz perguntas e escuta o professor; ‡ Uma relação muito directa e pouco indirecta ² em que o supervisor faz afirmações e críticas sem praticamente fazer perguntas ou prestar atenção às poucas respostas possíveis;

Hélder Wafunga

24

Relação Supervisor/Professor
‡ Uma relação pouco directa e muito indirecta ² em que o supervisor presta atenção ao que o professor diz, deixa-o falar, faz-lhe perguntas, aproveita as ideias que ele apresenta e não passa em claro os sentimentos que manifesta; ‡ Uma relação pouco directa e pouco indirecta ² em que o supervisor assume um papel passivo.

Hélder Wafunga

25

Relação Supervisor/Professor
Muito Indirecta Muito Directa Pouco Directa a c (2) (1) Pouco Indirecta b d (4) (3)

Hélder Wafunga

26

Concluindo
Numa realidade como a nossa, em que existem professores sem agregação pedagógica, professores com agregação pedagógica mas que leccionam disciplinas diferentes da sua área de formação e ainda professores que perderam a motivação para a profissão, a Supervisão pode ser um instrumento para garantir a melhoria da formação contínua dos professores e assegurar que os mesmos coloquem todo o seu saber científico para melhorar a aprendizagem dos alunos.

Na formação inicial, nas Escolas de Formação de Professores, a Supervisão permitirá garantir melhor qualidade dos professores formados nessas escolas e, consequentemente, melhores professores para as nossas escolas
Hélder Wafunga 27

Numa sociedade em constante mudança é preciso que os professores não adormeçam sobre os conhecimentos que adquirem durante a sua formação inicial. É preciso que se actualizem constantemente, tanto sobre os conhecimentos inerentes à disciplina que leccionam como também das metodologias de ensino, para promover uma aprendizagem eficaz nos seus alunos.

Hélder Wafunga

28

Os supervisores do ensino terão que ir ao baile e conduzir a dança. (Harris, 2002)

MUITO OBRIGADO

Hélder Wafunga

29

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->