P. 1
ESPIROMETRIA - Caso 3

ESPIROMETRIA - Caso 3

4.0

|Views: 2.144|Likes:
Material de apresentação de uma palestra em português de Dr. Paulo Gurgel Carlos da Silva, médico pneumologista em Fortaleza - Brasil e editor do Blog do PG.
Material de apresentação de uma palestra em português de Dr. Paulo Gurgel Carlos da Silva, médico pneumologista em Fortaleza - Brasil e editor do Blog do PG.

More info:

Published by: Paulo Gurgel Carlos da Silva on Jul 31, 2008
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PPT, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

08/07/2014

pdf

text

original

ESPIROMETRIA

Caso 3: avaliação funcional (em fumante com dispnéia)
Dr. Paulo Gurgel

Dados clínicos
• • • • PNS, sexo masculino, 62 anos Peso: 62 kg / Estatura: 158 cm Tabagista: 50 anos-maço Indicação da espirometria: dispnéia progressiva há 1 ano

Radiografia de tórax (PA)

VVM = 74%
LIN = 86,20

CVL = 108%

IVA = %VVM / %CVL = 74 / 108 = 0,68

Curvas VT

Curvas FV

Parâmetro CVF (L) VEF1 (L) VEF1/CVF FEF25-75%/CVF PFE (L/s)

Previsto 3,33 2,59 0,78 0,82 6,69

LIN 2,46 1,80 (90%) (60%)

Obtido 3,64 (109%) 2,48 (96%) 0,68 (88%) 0,37 (46%) 5,84 (87%)

Parâmetro CVF (L) VEF1 (L) VEF1/CVF FEF25-75%/CVF PFE (L/s)

Obtido Pré-BD 3,64 (109%) 2,48 (96%) 0,68 (88%) 0,37 (46%) 5,84 (87%)

Obtido Pós-BD 3,82 (115%) 2,50 (97%) 0,65 (84%) 0,29 (35%) 7,16 (107%)

Pré-BD – Pós-BD 0,18 0,02 (1%)

1,32

Diretrizes SBPT 2002 - Interpretação III
CV ou CVF normal VEF1/CV(F ) ⇓ Espirometria após BD Variação significativa VEF1 normal DVO * tabagismo, asma dispnéia, tosse crônica Correlação clínica (+) * Correlação clínica (-) ou CVF >120% ou estatura ⇑ Variante do normal Variação não significativa VEF1 ⇓ DVO

DVO

Laudo
• Distúrbio ventilatório obstrutivo
– Grau leve (SBPT) – Estágio I (GOLD)

• Sem variação significativa demonstrável após BD no momento do teste

Quantificação do distúrbio ventilatório
Disfunção CV(F) (% prev.) VEF1 (% prev.) VEF1/CV(F) (%) Na presença de FEF25-75%/CV(F) isoladamente reduzido o distúrbio será classificado como leve na presença de sintomas e/ou tabagismo Ausente > LI > LI > LI Leve 60 - LI 60 - LI 60 - LI Moderada 51 - 59 41 - 59 41 - 59 Grave < 50 < 40 < 40

Classificação por Gravidade UPTODATE 2003
Estádio
0: Em risco I: Leve II: Moderada III: Grave IV: Muito grave

Características
Espirometria normal , Sintomas crônicos ( tosse, expectoração) VEF1/CVF < 70%; VEF1 ≥ 80% do previsto. com ou sem sintomas (tosse, expectoração) VEF1/CVF < 70%; VEF1 ≥ 50% ≤80% do previsto Com ou sem sintomas (tosse, expectoração) VEF1/CVF < 70%; VEF1 ≥ 30% ≤ 50% do previsto com ou sem sintomas (tosse, expectoração) VEF1/CVF < 70%; VEF1 ≤ 30% do previsto Presença de sinais de falência respiratória, ou falencia cardíaca direita

Diretrizes SBPT 2002 Obstrução reversível por corticóide?
Espirometria basal Corticóide oral por 2 semanas Se ganho de VEF1 = 0,3 L ou 10% do VEF1 previsto Corticóide inalado

Conduta na DPOC Estádio I: Leve
Características recomendado • VEF1/CVF < 70 % • VEF1 > 80 % do previsto • Com ou sem sintomas • Cessação do tabagismo • Vacina antiinfluenza • Broncodilatador de curta duração, quando necessário Tratamento

GRATO PELA ATENÇÃO

pgcs@ig.com.br scribd.com

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->