P. 1
03.2 - Caldeiras - Considerações Gerais

03.2 - Caldeiras - Considerações Gerais

|Views: 1.049|Likes:
Publicado porThiago R Ferreira

More info:

Published by: Thiago R Ferreira on Nov 19, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

12/12/2012

pdf

text

original

CALDEIRAS

HISTÓRIA DO VAPOR

História do vapor
• Não é de hoje que o homem percebeu que o vapor podia fazer as coisas se movimentarem. • No primeiro século da era cristã, portanto há mais de 1800 anos, um estudioso chamado Heron de Alexandria, construiu uma espécie de turbina a vapor, chamada eolípila.

invenção de Thomas Savery patenteada em 1698 e aperfeiçoada em 1712 por Thomas Newcomen e John Calley.

No fim do século XVIII, as máquinas a vapor produzidas por Watt e seu companheiro Matthew Boulton forneciam energia para fábricas, moinhos e bombas na Europa e na América.

retirava a água de poços de mina inundados.

1

Revolução Industrial
• máquina a vapor foi a primeira maneira eficiente de produzir energia independentemente da força muscular do homem e do animal, e da força do vento e das águas correntes.

O VAPOR NO SÉCULO XX

• No século XX, a máquina a vapor, como fornecedora de energia foi sendo substituída por:
– turbinas a vapor, para a geração de energia elétrica; – motores de combustão interna para transporte; – geradores para fontes portáteis de energia; – por motores elétricos, para uso industrial e doméstico.

• O vapor produzido em um gerador de vapor pode ser usado de diversas formas:
– em processos de fabricação e beneficiamento; – na geração de energia elétrica; – na geração de trabalho mecânico; – no aquecimento de linhas e reservatórios de óleo combustível; – na prestação de serviços.

• Nos processos de fabricação e de beneficiamento, o vapor é empregado em:
– Indústria de bebidas e conexos: nas lavadoras de garrafas, tanques de xarope pasteurizadoras. – Indústrias madeireiras: no cozimento de toras, secagem de tábuas ou lâminas em estufas, em prensas para compensados. – Indústria de papel e celulose: no cozimento de madeira nos digestores, na secagem com cilindros rotativos, na secagem de cola, na fabricação de papelão corrugado.

– Curtumes: no aquecimento de tanques de água, secagem de couros, estufas, prensas, prensas a vácuo. – Indústrias de laticínios: na pasteurização, na esterilização de recipientes, na fabricação de creme de leite, no aquecimento de tanques de água, na produção de queijos, iogurtes e requeijões (fermentação). – Frigoríficos: nas estufas para cozimento, nos digestores, nas prensas para extração de óleo.

2

– Indústria de doces em geral: no aquecimento do tanque de glicose, no cozimento de massa em panelas sob pressão, em mesas para o preparo de massa, em estufas. – Indústria de vulcanização e recauchutagem: na vulcanização, nas prensas. – Indústrias químicas: nas autoclaves, nos tanques de armazenamento, nos reatores, nos vasos de pressão, nos trocadores de calor.

– Indústria têxtil: utiliza vapor no aquecimento de grandes quantidades de água para alvejar e tingir tecidos, bem como para realizar a secagem em estufas. – Indústria de petróleo e seus derivados: nos refervedores, nos trocadores de calor, nas torres de fracionamento e destilação, nos fornos, nos vasos de pressão, no reatores e turbinas. – Indústria metalúrgica: nos banhos químicos, na secagem e pintura.

Classificação das caldeiras
• As caldeiras podem ser classificadas de acordo com:
– classes de pressão; – grau de automação; – tipo de energia empregada; – tipo de troca térmica.

CLASSIFICAÇÃO DAS CALDEIRAS

NR-13
• Categoria A: caldeira cuja pressão de operação é superior a 1960 kPa (19, 98kgf/cm ); • Categoria C: caldeiras com pressão de operação igual ou inferior a 588 kPa (5,99kgf/cm ) e volume interno igual ou inferior a 100 litros; • Categoria B: caldeiras que não se enquadram nas categorias anteriores.
2 2

TIPOS DE CALDEIRAS
1
EXISTEM DIVERSAS FORMAS DE CLASSIFICAÇÃO DAS CALDEIRAS:

QUANTO À LOCALIZAÇÃO ÁGUA-GASES
A) FLAMOTUBULARES
VERTICAIS HORIZONTAIS FORNALHAS CORRUGADAS FORNALHAS LISAS TRASEIRA SECA TRASEIRA MOLHADA
* TODOS OS TIPOS COM 1, 2 OU 3 PASSES

B) AQUOTUBULARES
TUBOS RETOS TUBOS CURVOS PERFIL A PERFIL D PERFIL O

C) MISTAS

3

CALDEIRA FLAMOTUBULAR
• Caldeiras flamotubulares ou fogotubulares são aquelas em que os gases provenientes da combustão (gases quentes) circulam no interior dos tubos e a água a ser aquecida ou vaporizada circula pelo lado de fora. • Os tubos podem estar dispostos na vertical ou na horizontal.

Um fabricante de caldeiras Bastante conhecido a AALBORG, comprou A antiga ATA COMBUSTÃO TÉCNICA S/A

4

5

CALDEIRA FLAMOTUBULAR VERTICAL À GAS

FORNALHA LISA E CORRUGADA

FORNALHA CORRUGADA FORNALHA LISA

CALDEIRA FLAMOTUBULAR HORIZONTAL DE TRES PASSAGENS TRASEIRA MOLHADA(H3NMOLHADA(H3N-WET BACK)

TUBOS DE ÁGUA

TUBOS ESPIRALADOS

6

CALDEIRA AQUOTUBULAR
• os tubos que, nas caldeiras flamotubulares, conduziam gases aquecidos, passaram a conduzir a água, o que aumentou muito a superfície de aquecimento, aumentando bastante a capacidade de produção de vapor.

7

TUBULÃO PARA CALDEIRA

TUBULÃO PARA CALDEIRA

FLAMOTUBULARES X AQUATUBULARES
REALIZANDO-SE UMA COMPARAÇÃO ENTRE AS CARACTERÍSTICAS DOS DOIS TIPOS PRINCIPAIS DE CALDEIRAS, ENCONTRAMOS VANTAGENS E DESVANTAGENS DE UMA E OUTRA. NÃO SE TRATA DE DEFINIR QUAL DELAS É A MELHOR E SIM A MAIS APROPRIADA PARA O SERVIÇO A QUE SE PROPÕE, VERIFICANDO-SE OS DIVERSOS ASPECTOS ENVOLVIDOS: ECONÔMICOS, PRÁTICOS, OPERACIONAIS, ETC.

FLAMOTUBULARES X AQUATUBULARES
INSTALAÇÃO E INSPEÇÃO
FACILIDADE DE INSTALAÇÃO E INSPEÇÃO(MAIS COMPACTAS) DIFICULDADE DE INSTALAÇÃO E INSPEÇÃO(MENOS COMPACTAS)

CAPACIDADE DE PRODUÇÃO DE VAPOR

FLAMOTUBULARES
NÃO NECESSITAM DE ÁGUA COM TRATAMENTO RIGOROSO(MENOR CUSTO) OPERAÇÃO MAIS FÁCIL(MENOS PESSOAL ENVOLVIDO) MANUTENÇÃO MAIS SIMPLES E COMPACTAS, FÁCIL MANUTENÇÃO COMO REMOÇÃO DE FULIGEM E TROCA DE TUBOS ÁGUA ALIMENTAÇÃO

AQUATUBULARES
DE NECESSITAM DE ÁGUA COM TRATAMENTO RIGOROSO (MAIOR CUSTO) MAIS DIFÍCIL(MAIS PESSOAL ENVOLVIDO)

MENORES SUPERFÍCIES DE AQUECIMENTO, LIMITADAS A PRODUÇÕES DE VAPOR DE ATÉ 40.000kg/h(40 ton/h)

MAIORES SUPERFÍCIES DE AQUECIMENTO, PRODUÇÕES DE VAPOR DE ATÉ 4.000.000kg/h(4.000 ton/h)

PRESSÃO DE TRABALHO
LIMITE DE CAPACIDADE E PRESSÃO NÃO TRABALHAM COM PRESSÕES MAIORES DO QUE 20 kgf/cm2(300lbs/pol2) TRABALHAM COM ALTAS PRESSÕES DE SERVIÇO, CHEGANDO A 225 kgf/cm2 (3200lbs/pol2)QUE É A CHAMADA PRESSÃO CRÍTICA ONDE NÃO OCORRE A VAPORIZAÇÃO DA ÁGUA

MAIS COMPLEXAS E MAIORES COM MANUTENÇÃO MAIS DIFÍCIL E DIFICULDADE DE SUBSTITUIÇÃO DE TUBOS

EM PRINCÍPIO PODERIA SE DIZER QUE A CALDEIRA AQUATUBULAR É MELHOR DO QUE A FLAMOTUBULAR, E NA REALIDADE NÃO OCORRE POIS AMBAS TEM A SUA APLICAÇÃO E MERCADO, SENDO AS CALDEIRAS FLAMOTUBULARES DE USO DIFUNDIDO EM VIRTUDE DE NA MAIORIA DAS APLICAÇÕES INDUSTRIAIS SE NECESSITAR DE PEQUENAS PRODUÇÕES DE VAPOR A PRESSÕES BAIXAS ATÉ 10,5 kgf/cm2(150 lbs/pol2)

CALDEIRA MISTA

8

• A caldeira elétrica é um equipamento que transforma energia elétrica em energia térmica, transmitindo-a para um fluido apropriado (geralmente água) e transformando-o em vapor.

CALDEIRAS ELÉTRICAS DE RESISTÊNCIAS
HÁ MAIS DE SETENTA ANOS FORAM INTRODUZIDAS AS CALDEIRAS ELÉTRICAS E OS GERADORES DE ÁGUA QUENTE. PORÉM SOMENTE A PARTIR DOS ANOS 70, QUANDO OS PREÇOS DO PETRÓLEO E GÁS SUBIRAM VERTIGINOSAMENTE E O INÍCIO DA CAMPANHA DE CONTROLE DO MEIO AMBIENTE, É QUE ELAS SE TORNARAM ATRAENTES ECONOMICAMENTE NO MEIO INDUSTRIAL. NESTAS CALDEIRAS A CORRENTE ELÉTRICA PASSA ATRAVÉS DE VÁRIAS RESISTÊNCIAS IMERSAS NA ÁGUA E POR EFEITO JOULE AQUECEM A ÁGUA ATÉ A SUA VAPORIZAÇÃO DENTRO DE UM VASO DE PRESSÃO

Caldeiras Nucleares

Central nuclear de Valencia na Espanha

9

USINA NUCLEAR
Chamam-se Nucleares por que utilizam a fissão nuclear, isto é, os átomos são quebrados numa máquima chamada reator, emitindo uma grande quantidade de calor. Esse calor é usado para aquecer a água. Além do calor, produzem um produto chamado Rejeito Nuclear, material que contém altíssimas quantidades de radioatividade, extremamente nociva para todas as formas de vida, cancerígena, causa leucemia e outras formas de câncer e demoram cerca de 100.000 anos para diminuirem sua carga tóxica.

Usina Nuclear Angra 2
Usina Nuclear Angra 2 com reator Siemens a Água Pressurizada, com potência elétrica de 1300 MW

1 2 3 4 5

A Energia Elétrica é produzida por um Gerador. O Gerador possui um eixo que é movido por uma Turbina. A Turbina é movida por um Jato de Vapor sob forte pressão. Depois do uso, o vapor é jogado fora na atmosfera. O Vapor é produzido por um Caldeira. A Caldeira é aquecida com a fissão nuclear. O resíduo da reação vai poluir o meio ambiente durante 150.000 anos.

O reator é a parte da usina nuclear onde o calor é gerado pela fissão de nucleos atômicos, sendo utilizado para a produção de vapor. O vapor aciona um conjunto turbinagerador elétrico. Assim, este sistema nuclear gerador de vapor equivale às caldeiras de carvão, a óleo combustível ou a gás das usinas termoelétricas convencionais

10

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->