Você está na página 1de 13

ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO II fct - UNL

Estruturas de Betão Armado II


16 – Pré-Esforço – Traçado de Cabos

A. Ramos Nov. 2006 1


ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO II fct - UNL
16 – Pré-Esforço – Traçado de Cabos
Princípios base para a definição do traçado
dos cabos de pré-esforço
• Traçados simples: troços rectos ou parabólicos do 2º grau;
• Aproveitar a excentricidade máxima nas zonas de maiores
momentos;
• Sempre que possível, nas extremidades, os cabos deverão
situar-se dentro do núcleo central da secção;
• O traçado do cabo(ou a resultante dos vários cabos)
deverá passar no centro de gravidade da secção
transversal próximo da secção onde os momentos são
nulos, para as cargas exteriores;
• Devem respeitar-se as restrições de ordem prática da
construção e os limites correspondentes às dimensões
das ancoragens e resistência do betão.
• O ponto de inflexão do traçado dos cabos está sobre a
recta que une os pontos de excentricidade máxima.
• Os raios de curvatura devem respeitar os valores minimos,
e deve garantir-se o comprimento recto mínimo nos
extremos
A. Ramos Nov. 2006 2
ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO II fct - UNL
16 – Pré-Esforço – Traçado de Cabos
RAIOS MÍNIMOS DE DOBRAGEM E
COMPRIMENTOS RECTOS MÍNIMOS NOS EXTREMOS

Exemplo

A. Ramos Nov. 2006 3


ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO II fct - UNL
16 – Pré-Esforço – Traçado de Cabos
Cabos de Pré-Esforço com Traçado Parabólico

Equação geral da parábola de 2º grau

y = ax 2 + bx + c
y′ = 2ax + b inclinação
y′′ = 2a curvatura


⎪c = y ( x = 0)


⎨b = y′( x = 0)


⎪a = y′′
⎩ 2
A. Ramos Nov. 2006 4
ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO II fct - UNL
16 – Pré-Esforço – Traçado de Cabos
Cabos de Pré-Esforço com Traçado Parabólico

Flecha da parábola

y = ax 2
y′ = 2ax
y′′ = 2a
y ( x = v) = av 2 = f ( flecha)

y′( x = v) = 2av = tgα ( x = v)

a= f tgα = 2 f y′′ = 2 f
v 2 v v2

A. Ramos Nov. 2006 5


ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO II fct - UNL
16 – Pré-Esforço – Traçado de Cabos
Cabos de Pré-Esforço com Traçado Parabólico

Forças de desvio do cabo parabólico

2f
tgα =
v

A. Ramos Nov. 2006 6


ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO II fct - UNL
16 – Pré-Esforço – Traçado de Cabos
Ligação de um Troço Recto a um Troço Parabólico
r 2f
tgα = tgα =
v1 v2

r 2f
=
v1 v2

Ligação de dois Troços Parabólicos


2 f1 2 f2
tgα = tgα =
v1 v2
se r = f1 + f 2 e v = v1 + v2

f1 = v1 r e f 2 = v2 r
v v
O ponto de inflexão está sempre sobre a linha que une os pontos
A. Ramos Nov. 2006
extremos dos cabos 7
ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO II fct - UNL
16 – Pré-Esforço – Traçado de Cabos
Forças Equivalentes aos Efeitos do Pré-Esforço

As forças equivalentes aos efeitos do pré-esforço traduzem as


acções dos cabos de pré-esforço sobre o betão:
• nas ancoragens – forças nas ancoragens;
• nas zonas de mudança de direcção do cabo – forças de
desvio.

A. Ramos Nov. 2006 8


ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO II fct - UNL
16 – Pré-Esforço – Traçado de Cabos
Forças Equivalentes aos Efeitos do Pré-Esforço

As forças equivalentes aos efeitos do pré-esforço são


auto-equlibradas, sendo nulas as reacções em estruturas
isostáticas.

A. Ramos Nov. 2006 9


ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO II fct - UNL
16 – Pré-Esforço – Traçado de Cabos

Forças Equivalentes aos Efeitos do Pré-Esforço


(alguns exemplos)

A. Ramos Nov. 2006 10


ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO II fct - UNL
16 – Pré-Esforço – Traçado de Cabos

Forças Equivalentes aos Efeitos do Pré-Esforço


(alguns exemplos)

A. Ramos Nov. 2006 11


ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO II fct - UNL
16 – Pré-Esforço – Traçado de Cabos

Forças Equivalentes aos Efeitos do Pré-Esforço


(alguns exemplos)

A. Ramos Nov. 2006 12


ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO II fct - UNL
16 – Pré-Esforço – Traçado de Cabos

Forças Equivalentes aos Efeitos do Pré-Esforço


(alguns exemplos)

A. Ramos Nov. 2006 13