Você está na página 1de 2

Pedro

 Pedreiro  –  Betomenezes  

  Pedro   pedreiro,   por   todos   considerado   um   brasileiro   exemplar,   nunca   chegou   a   ouvir   a   poesia  
que   Chico   Buarque   fez   para   ele.   Não   chegou   na   sua   casa   um   exemplar   autografado   do   LP.   A   música   não  
tocou   no   rádio   do   porteiro   do   prédio   que   Pedro   pedreiro   construiu   e   não   morou.  Ah,   também   pode   ter  
até  tocado  na  TV,  mas  Pedro  pedreiro  chegava  com  tanto  sono  latente,  que  depois  da  sopa  de  pedras  
com   lingüiça,   descansava   suas   pernas,   seus   braços,   seus   ouvidos   para   o   dia   seguinte.   Que   sempre   se  
repetia  como  o  apito  cadenciado  do  trem:  o  dia  seguinte  já  vem,  já  vem,  já  vem,  já  vem...  

  Pedro  pedreiro  nunca  soube  onde  a  música  sobre  sua  pessoa  tocou  –  (ou  ainda  toca?).  (Vamos  
chegar  a  um  acordo  em  relação  aos  tempos  verbais,  daqui  pra  frente,  imaginemos  que  Pedro  pedreiro  
ainda   está   vivo,   mas   por   vias   de   dúvida,   usaremos   os   pretéritos).   A   música   tocou   nas   melhores   rodas  
intelectuais,   da   bossa   da   ditadura   nova,   entre   copos   de   uísques,   camisas   estampadas   com   Che,   sobre  
blazers   blasés.   Ao   redor   das   vitrolas,   prostrados   como   budistas   em   torno   de   um   rinponchê.   Lá  
chamavam  Pedreiro,  como  se  fosse  um  sobrenome  de  Pedro.  Como  se  ele  tivesse,  por  obrigação  divina,  
essa  missão  desde  o  nascimento,  mais  do  que  congênita,  missão  hereditária.  Um  título  monárquico  às  
avessas,  um  pedigree  de  vira-­‐latas.  Herdeiro  do  clã  dos  Pedreiros.  Eruditos  da  pá,  do  carro  de  mão,  do  
manejo  da  brita,  da  terra,  do  barro  e  da  colher,  obviamente,  de  pedreiro.    

  Há   quem   diga   que   Chico   voltou   a   falar   de   Pedro   pedreiro   noutra   música,   anos   depois,  
Construção.   Onde   um   operário,   se   não   ele,   muito   parecido,   cai   de   alto   andar   e   interrompe   o   tráfego,  
num  sábado,  na  contramão.  Os  motivos  da  queda  não  são  óbvios,  nem  foram  esclarecidos  pelo  autor,  
há  quem  diga  que  o  dito  cujo  escorregou  ao  se  escorar  de  mau  jeito  em  umas  das  vigas  de  proteção.  
Devido  a  tantas  vezes  que  fazia  as  mesmas  coisas,  seu  automatismo  faz  com  que  ele  perdesse  a  atenção.  
Outros   afirmam   que   não,   deram   a   isso   uma   explicação   mais   iconoclasta,   inconformado   com   a   atual  
situação   em   que   se   encontrava   o   país,   e   suas   condições   precárias   de   trabalho   e   salário,   o   dito   cujo  
jogou-­‐se  para  que  assim  percebessem,  em  seu  último  ato,  que  ninguém  estava  isento  a  culpa  das  atuais  
condições  políticas  e  sociais  do  país.  Argumentação  de  uns,  conceitos  doutros.  Pode  ter  sido  um  Zé  ou  
um  Jão  porque  o  certo  é  que  Pedro  pedreiro  continuou  vivo.  Forte.  Usando  de  sua  força,  o  seu  maior  
talento.   Acordando   cedo,   não   desistindo   nunca   de   sua   missão   de   mantenedor   do   lar,   de   fiel   marido,  
realizando  com  distinção  seu  papel  de  exemplar  brasileiro.  

  E  será  que  no  futuro  (ou  até  agora)  ainda  irão  lembrar  do  Pedro  pedreiro,  ou  apenas  da  música  
que   Chico   fez   para   ele?   Ah,   ninguém   ao   fundo   chegou   a   conhecer   o   Pedro   pedreiro.   Será   que   Chico  
conheceu   algo   do   Pedro   pedreiro?   Foi   na   casa   dele,   bebeu   de   seu   suco   de   manga,   comeu   do   seu  
combinado  feijão,  arroz  e  galinha.  Pedro  nunca  ouviu  falar  de  Chico,  então  Chico  não  foi,  mas  bem  que  
deveria  ter  ido,  pois  tudo  deveria  ser  feito  assim,  em  duas  vias.    

No  futuro,  isso  é  certo,  Chico  Buarque  vai  ser  lembrado  pela  obra  incontestável  que  construiu,  
anos   após   ano.   Ortodoxo,   cimentou   tijolo   em   cima   de   tijolo,   numa   carreira   com   poucas   falhas,   com  
mínimos  pontos   negativos   a   serem   apontados.   A   posteridade   assim   por   ele   será   alcançada   através   de  
sua  obra.  Os  vindouros  que  conhecerão  suas  músicas  manterão  Chico  eterno.  E  assim,  estará  cumprida  
sua  missão  no  terceiro  planeta  do  sol  para  cá.      

Pedro  pedreiro  quando  sol  se  punha  agradecia  a  Deus  e  a  Nossa  Senhora  quando  ele  apontava  
na  rua  e  estavam  todos  a  espera  dele.  Eram  dez  filhinhos,  muito  pouco,  quase  nada,  mas  não  tinham  
filhos  melhores  em  nenhum  lugar.  Neste  ponto  do  texto  é  inevitável  a  referência  ao  cancioneiro  popular  
que  Pedro  pedreiro,  talvez,  sempre  escutava  nas  folgas  dos  feriados,  ou  quando  tinha  tempo  livre,  ao  
ser  dispensado  nas  várias  crises  econômicas  nacionais.  Pedro  pedreiro  era  um  popular.  Um  desses  sem  
rostos   que   nunca   foram   à   França,   que   nunca   chegarão   a   ver   a   torre   Eifel.   “É   alto   que   só”,   diria.     Vez   por  
outra  Pedro  pedreiro  ia  ao  Maracanã,  e  o  mais  engraçado  é  que  assim,  como  Chico,  ele  também  torcia  
para  o  Fluminense,  mas  nunca,  nesses  anos  todos,  chamaram  o  pedreiro  para  dar  entrevista.    

Mas  deixando  de  lado  a  necessidade  humana  de  atenção,  e  voltando  aos  dez  filhinhos  de  Pedro  
pedreiro,  é  redundante  dizer  que  eles  cresceram,  mas  certamente  com  o  tempo  eles  crescerem  e  por  aí  
se   espalharam.   Um   virou   bispo   que   combatia   os   ídolos   pagões   e   era   idolatrado   pelos   fiéis,   outro  
biscateiro   que   estava   sempre   trabalhando   e   sempre   em   casa.   Outro   vendedor   de   Viagra   que   tinha   na  
cama  uma  mulher  frígida.  Outro  bicho  solto  que  com  um  revólver  no  coldre  controlava  daqui  até  o  outro  
lado  de  lá  perto  de  Centro.    

Os   restantes,   viraram   pedreiros.   Meio   que   confirmando   a   tese   daqueles:   o   clã   dos   Pedreiros   não  
podia  parar  no  Pedro  pedreiro.    

O   pai   passou   aos   que   lhe   acompanharam   no   batente   os   truques,   os   traquejos   com   a   massa.  
Ensinou  a  sempre  usar  o  capacete  com  a  correia  atarraxada,  como  guardar  a  marmita  para  a  bóia  não  
esfriar,  como  caminhar  pelo  andaime  para  de  lá  não  se  estrepar  como  fez  um  outro  Zé  ou  Jão  que  outro  
dia  foi  ao  chão.  É  vero  que,  assim  como  Chico,  que  em  cada  música  gravada  em  estúdio  barganhava  sua  
imortalidade,  na  mente  dos  filhos,  Pedro  pedreiro  se  eternizava.    Aquele,  à  larga  escala,  este  à  pequena.  
Contudo,  o  macro  e  o  micro  é  a  mesma  coisa  dependendo  de  quão  perto  ou  quão  longe  se  olha.  Chico  
preferiu  subir,  como  diz  Fernando  Pessoa,  subir  ao  terraço  e  observar  tudo  de  longe.  Pedro,  por  sua  vez,  
fez   de   um   pedaço   de   lar   sua   missão.   Aquele   com   o   macro,   este   com   o   micro.   E   qualquer   um   que  
chegasse,  com  boa  lupa,  naquele  núcleo  familiar  veria  que  através  da  comunicação  oral  Pedro  pedreiro  
fomentou  seus  princípios,  tijolo  em  cima  de  tijolo:  seja  um  bom  pai,  proteja  sua  família  e  traga  o  pão  
suado  para  casa,  mesmo  que  o  diabo  amasse  depois  que  asse.  Nem  todos  aprenderam,  pois  ainda  está  
para  nascer  no  mundo  um  ser  que  consiga,  tudo.  Porém  sua  missão  nesse  terceiro  planeta  estava  mais  
que  cumprida,  sua  semente  perpetuada  para  os  vindouros.        

E   se   perguntam:   Alguém   sabe   o   paradeiro   de   Pedro   Pedreiro?   Virou   concreto?   Virou   pele   pra  
pandeiro?   Voltando   agora   a   indagar   pelo   paradeiro   do   Pedro   pedreiro.   Pelas   contas,   ele   já   deve   ter  
aposentado,  por  sorte,  morto,  enterrado  embaixo  de  uma  laje  de  pedra.  Entretanto  tanta  coisa  pode  ter  
acontecido   com   Pedro   de   1965   para   cá   que   podemos   simplesmente   inventar   uma   possibilidade   para  
assim  satisfazer  a  necessidade  de  uns  que  prezam  por  uma  segura  leitura  linear  com  começo  meio  e  fim  
(e  temperada  com  uma  boa  lição  de  moral).  Então  daremos  um  fim  ao  Pedro  pedreiro,  um  brasileiro:  ele  
sucumbiu,  era  de  noite,  em  um  sonho  de  fevereiro.  Fim.  

Mas  torna-­‐se  inconcebível  que  o  Pedro  pedreiro  vá  embora  assim,  no  último  trem  pelo  qual  ele  
esperou  a  vida  inteira  –  por  inferno  ou  céu,  sabe-­‐se  lá  –  e  que  só  seja  visitado  no  cemitério  local  nos  dias  
de  Finados.    Correndo  o  risco  de  cair  em  falácias  com  o  que  foi  falado  assim,  querendo  caracterizar  a  
Pedro   o   status   de   um   imortal,   que   é   o   que   fazem   com   os   grandes   poetas,   escritores,   compositores,   é  
inevitável  também  ponderar  outra  possibilidade:  

   Pedro   pedreiro   nunca   envelheceu,   durante   essas   décadas,   nunca   faltou   a   um   dia   de   batente.  
Está  lá,  no  mesmo  posto,  na  mesma  obra,  com  o  mesmo  salário,  come  a  mesma  comida.  Conjectura  o  
mundo,   ignora   a   ordem   dos   planetas,   a   ordem   mundial   e   sua   própria   ordem.   Pedro   pedreiro   faz   a  
mesma   rota   diária   de   casa   para   o   trabalho   e   vice-­‐versa.   Vai   ver   se   um   dia   um   de   nós   possamos   nos  
esbarrar  com  ele.  No  meio  do  caminho  sempre  tem  um  Pedro  pedreiro.  Sempre  tem  um  Pedro  pedreiro.  
O  tempo  todo.