Você está na página 1de 27
Instruções 1- Você está recebendo o seguinte material: a) este caderno com o enunciado das
Instruções 1- Você está recebendo o seguinte material: a) este caderno com o enunciado das

Instruções

1- Você está recebendo o seguinte material:

a) este caderno com o enunciado das 5 (cinco) questões comuns a todos os formandos e de outras 15 (quinze) questões específicas, das quais você deverá responder a 3 (três), à sua escolha, e das questões relativas às suas impressões sobre a prova, assim distribuídas:

Partes

N os das Questões

N os das pp. neste Caderno

Valor de cada questão

Questões comuns

1 a 5

2 a 6

12,5*

Questões específicas

6 a 20

8 a 25

12,5*

Impressões sobre a prova

1 a 13

26

* Para facilitar a distribuição, os valores indicados em cada questão somam 10,0 pontos. Após a correção, será feito o ajuste para o valor 12,5, de forma a que o total da prova corresponda a 100,0.

b) 01 Caderno de Respostas em cuja capa existe, na parte inferior, um cartão destinado às respostas das questões relativas às impressões sobre a prova. O desenvolvimento e as respostas das questões discursivas deverão ser feitos a caneta esferográfica de tinta preta e dispostos nos espaços especificados nas páginas do Caderno de Respostas.

2 - Verifique se este material está em ordem e se o seu nome no Cartão-Resposta está correto. Caso contrário, notifique imediatamente a um dos Responsáveis pela sala.

3 - Após a conferência do seu nome no Cartão-Resposta, você deverá assiná-lo no espaço próprio, utilizando caneta esferográfica de tinta preta.

4 - Esta prova é individual. Você pode usar calculadora científica; entretanto são vedadas qualquer

comunicação e troca de material entre os presentes, consultas a material bibliográfico, cadernos ou anotações de qualquer espécie.

5 - Quando terminar, entregue a um dos Responsáveis pela sala o Cartão-Resposta grampeado ao

Caderno de Respostas e assine a Lista de Presença. Cabe esclarecer que nenhum graduando deverá retirar-se da sala antes de decorridos 90 (noventa) minutos do início do Exame. Após esse prazo, você

poderá sair e levar este Caderno de Questões.

prazo, você poderá sair e levar este Caderno de Questões. ATENÇÃO: Você poderá retirar o boletim

ATENÇÃO:

Você poderá retirar o boletim com seu desempenho individual pela Internet, mediante a utilização de uma senha pessoal e intransferível, a partir de novembro. A sua senha é o número de código que aparece no lado superior direito do Cartão-Resposta. Guarde bem esse número, que lhe permitirá conhecer o seu desempenho. Caso você não tenha condições de acesso à Internet, solicite o boletim ao INEP no endereço: Esplanada dos Ministérios, Bloco L, Anexo II, Sala 411 - Brasília/DF - CEP 70047-900, juntando à solicitação uma fotocópia de seu documento de identidade.

6 - Você terá 04 (quatro) horas para responder às questões discursivas e de impressões sobre a prova.

OBRIGADO PELA PARTICIPAÇÃO!

de impressões sobre a prova. OBRIGADO PELA PARTICIPAÇÃO! CADERNO DE QUESTÕES ENGENHARIA ELÉTRICA MEC INEP DAES

CADERNO

DE

QUESTÕES

ENGENHARIA ELÉTRICA

PARTICIPAÇÃO! CADERNO DE QUESTÕES ENGENHARIA ELÉTRICA MEC INEP DAES Consórcio Ministério da ENC 2003

MEC

INEP

DAES

Consórcio

Ministério da

ENC 2003

Educação

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais "Anísio Teixeira"

Diretoria de Estatísticas e Avaliação da Educação Superior

ENGENHARIA ELÉTRICA

Fundação Cesgranrio/Fundação Carlos Chagas

1

1 Um dispositivo muito útil nos carros modernos é o desembaçador de vidro traseiro. Ele
1 Um dispositivo muito útil nos carros modernos é o desembaçador de vidro traseiro. Ele

1

Um dispositivo muito útil nos carros modernos é o desembaçador de vidro traseiro. Ele é composto por condutores pintados sobre o vidro, usando tinta resistiva. A figura abaixo mostra o desenho do vidro traseiro com as dimensões da rede e, ao lado, o circuito equivalente. Ignore a resistência da fiação que liga a bateria aos pontos C e D.

Para cumprir uma exigência do projeto, é necessário que os segmentos AB , CD , EF , CA , CE , DB , DF dissipem a mesma potência por unidade de comprimento. Considerando essa dissipação igual a 1 W/cm, calcule:

a) o valor do resistor R1;

b) os valores dos resistores R2 e R3;

c) a resistência equivalente entre os pontos C e D.

VIDRO TRASEIRO A 1,0 m B 0,25 m 0,25 m C 1,0 m D 0,25
VIDRO
TRASEIRO
A 1,0 m
B
0,25 m
0,25 m
C 1,0 m
D
0,25 m
0,25 m
E 1,0 m
F
(valor: 3,0 pontos) (valor: 5,0 pontos) (valor: 2,0 pontos) A B R2 R3 R3 R1
(valor: 3,0 pontos)
(valor: 5,0 pontos)
(valor: 2,0 pontos)
A
B
R2
R3
R3
R1
C
D
R3
R3
R2
E
F
12V
2 Existem 16 possíveis funções para portas lógicas com duas entradas, como mostrado na tabela

2

Existem 16 possíveis funções para portas lógicas com duas entradas, como mostrado na tabela abaixo.

Tabela das possíveis funções lógicas para portas de duas entradas (A e B)

A

B

0

E

P

A

Q

B

OU-Ex

OU

OU

OU Ex

B

Q

A

P

E

1

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

1

1

1

1

1

1

1

1

0

1

0

0

0

0

1

1

1

1

0

0

0

0

1

1

1

1

1

0

0

0

1

1

0

0

1

1

0

0

1

1

0

0

1

1

1

1

0

1

0

1

0

1

0

1

0

1

0

1

0

1

0

1

As mais empregadas são as portas E, OU, Não-E, Não-OU e OU-Exclusivo. Dessas 16 funções, foram selecionadas duas, implementadas por meio das portas lógicas P e Q cujas tabelas-verdades são representadas a seguir. Observe que as entradas A e B não são comutativas e que os níveis lógicos 0 e 1 estão disponíveis para serem utilizados como entradas.

A B Porta P 0 0 0 0 1 0 1 0 1 1 1
A
B
Porta P
0
0
0
0
1
0
1
0
1
1
1
0
A B Porta Q 0 0 0 0 1 1 1 0 0 1 1
A
B
Porta Q
0
0
0
0
1
1
1
0
0
1
1
0

A

A

P

Q

B

B

a) Utilizando exclusivamente portas P, construa uma porta inversora.

(valor: 2,0 pontos)

b) Utilizando exclusivamente portas Q, construa uma porta inversora.

(valor: 2,0 pontos)

c) Utilizando exclusivamente portas P, construa uma porta E de duas entradas.

(valor: 3,0 pontos)

d) Utilizando exclusivamente portas Q, construa uma porta OU de duas entradas.

(valor: 3,0 pontos)

3 Trabalhando num laboratório de medidas, um engenheiro teve de solucionar dois problemas. a) Problema

3

Trabalhando num laboratório de medidas, um engenheiro teve de solucionar dois problemas.

a) Problema 1

Trata-se de um problema muito comum: medir o valor de um componente sem removê-lo do circuito, isto é, obter a medida do resistor R 1 , como mostrado nas duas figuras abaixo.

O engenheiro usou inicialmente o método M 1 que, conforme mostra a primeira figura, consiste em simplesmente medir com um

ohmímetro a resistência nos terminais de R 1 , mas concluiu que a medida obtida era falsa.

Ele optou, então, pelo método M 2 que consiste em usar um amplificador operacional, um resistor R f conhecido e uma fonte de

sinal V i compatível com o circuito.

C R 2 Circuito A Eletrônico R 1 Ohmímetro B
C
R
2
Circuito
A
Eletrônico
R
1
Ohmímetro
B

Método M 1

C R f R 2 Circuito A + Eletrônico R 1 B V i
C
R
f
R
2
Circuito
A
+
Eletrônico
R
1
B
V
i

Método M 2

V

O

Explique por que o método M 1 pode gerar uma medida falsa, por que o método M 2 é correto e, para este método, determine a

(valor: 5,0 pontos)

expressão para o resistor R 1 .

b) Problema 2

Foi levantada a curva corrente x tensão de um gerador fotovoltaico, como mostra a figura.

Corrente (A) 7 5 3 1 0 2 6 10 14 Tensão (V)
Corrente (A)
7
5
3
1
0
2
6
10
14
Tensão (V)

Com base nos dados da curva, calcule, com valores aproximados, a potência máxima (P max ) que o gerador pode fornecer e a

(valor: 5,0 pontos)

carga resistiva (R L ) que permite a operação do gerador no ponto de máxima potência.

4 O circuito a seguir realiza, através da eletrônica analógica, um sistema em malha fechada.

4

O circuito a seguir realiza, através da eletrônica analógica, um sistema em malha fechada.

R 2 R R 1 R R C 2 R - R 2 R -
R 2
R
R 1
R
R
C 2
R
-
R 2
R
-
+
-
-
+
z(t)
x(t)
+ w(t)
+
u(t)
y(t)
R

a) Calcule as expressões de K e T em termos dos componentes passivos do circuito, para que o diagrama de blocos a seguir represente o comportamento saída / entrada do circuito. Considere os amplificadores operacionais ideais. (valor: 5,0 pontos)

U(s) 1 Y(s) Σ K + 1 + T s - Y ( s )
U(s)
1 Y(s)
Σ
K
+
1
+ T
s
-
Y
(
s
)
b) Calcule a Função de Transferência
F
( s ) =
.
U
(
s
)

c) Analise a estabilidade do sistema em função do resistor R 1 .

Dados / Informações Técnicas

Z ( s ) s Para o circuito abaixo, tem-se V () s = −
Z
( s
)
s
Para o circuito abaixo, tem-se
V () s
= −
Vs ()
2
1
Z
( s
)
e
Z
s
Z -
e
+
V 2
V 1

(valor: 3,0 pontos)

(valor: 2,0 pontos)

5 Nos computadores modernos, a memória cache é um recurso de grande importância. A especificação

5

Nos computadores modernos, a memória cache é um recurso de grande importância. A especificação do seu tamanho (T) deve levar em conta o compromisso entre Taxa de Acertos (A) e Preço (P).

A Fig. 1 apresenta uma curva típica da Taxa de Acertos e a Fig. 2, o seu Preço, em função do tamanho da memória cache.

A (%)

Taxa de Acertos x Tamanho 100 90 80 70 60 50 40 30 20 10
Taxa de Acertos x Tamanho
100
90
80
70
60
50
40
30
20
10
0 0
10
20
30
40
50
60
70
80
90 100
T (%)
(
− 0,05 T
1 −
)
A = 100
e

Figura 1

Preço x Tamanho 50 45 P 40 35 30 25 20 15 10 5 0
Preço x Tamanho
50
45
P 40
35
30
25
20
15
10
5
0 0
10
20
30
40
50
60
70
80
90 100

P = 0,5 . T

Figura 2

T (%)

Os parâmetros podem ser relacionados por meio da seguinte função objetivo C:

C = K

A

.

AK

P

.

P

onde K A e K P são duas constantes cujos valores dependem das particularidades de cada problema.

Considerando K A = 1 e K P = 4 e com base na função objetivo, calcule T o (tamanho ótimo), isto é, o tamanho da memória para obter o melhor compromisso entre a Taxa de Acertos e o menor Preço.

Dados / Informações Técnicas

T é o tamanho da memória cache, medido percentualmente em relação ao tamanho da memória principal.

A é a taxa de acertos da memória cache. Por exemplo, A = 50% significa que 50% dos acessos ocorreram na memória cache.

P é o preço da memória cache, em centenas de reais.

K A é a constante de ponderação para a Taxa de Acertos.

K P é a constante de ponderação para o Preço.

A T E N Ç Ã O ! 1 A seguir, serão apresentadas as questões

A T E N Ç Ã O !

1 A seguir, serão apresentadas as questões de números 6 a 20, relativas às matérias de Formação Profissional Específica, distribuídas de acordo com as seguintes ênfases:

ELETROTÉCNICA:

Questões 6, 7 e 8

ELETRÔNICA:

Questões 9, 10 e 11

TELECOMUNICAÇÕES:

Questões 12, 13 e 14

COMPUTAÇÃO:

Questões 15, 16 e 17

AUTOMAÇÃO E CONTROLE:

Questões 18, 19 e 20

2 Deste conjunto, você deverá responder a apenas 3 (três) questões, que deverão ser livremente selecionadas por você, podendo, inclusive, ser de ênfases (especialidades da Engenharia Elétrica) diferentes.

3 Você deve indicar as 3 (três) que escolheu no local apropriado no Caderno de Respostas.

4 Se você responder a mais de 3 (três) questões, só serão corrigidas as três primeiras respostas.

6 - ELETROTÉCNICA Os conversores de eletrônica de potência empregam dispositivos semicondutores que operam no

6 - ELETROTÉCNICA

Os conversores de eletrônica de potência empregam dispositivos semicondutores que operam no corte ou na saturação. Considere que estes dispositivos são tratados como chaves ideais e os conversores, como uma caixa de chaves operando repetitivamente conectando fontes com cargas, conforme sugerem as figuras abaixo. Dois, dos cinco circuitos apresentados na figura, violam as leis fundamentais de circuitos elétricos. Para cada um dos cinco circuitos, apresente uma justificativa para a violação, ou não, das referidas leis.

circuito 1

circuito 2

circuito 3

circuito 4

circuito 5

FONTE CHAVES CARGA L1 C1 R1 E FONTE CHAVES CARGA
FONTE
CHAVES
CARGA
L1
C1
R1
E
FONTE
CHAVES
CARGA
C1 R1 E FONTE CHAVES CARGA
C1
R1
E
FONTE
CHAVES
CARGA
L1 C1 R1 E
L1
C1
R1
E
FONTE CHAVES CARGA L1 L2 C1 R1 E
FONTE
CHAVES
CARGA
L1
L2
C1
R1
E
CHAVES FONTE CARGA E L1 R1
CHAVES
FONTE
CARGA
E
L1
R1
7 - ELETROTÉCNICA Considere o circuito equivalente, por fase, de um motor de indução trifásico

7 - ELETROTÉCNICA

Considere o circuito equivalente, por fase, de um motor de indução trifásico mostrado na figura.

de um motor de indução trifásico mostrado na figura. = ( ) Nesse circuito, a potência

=

(

)

Nesse circuito, a potência dissipada na resistência representa a parcela de potência elétrica convertida em potência mecânica de rotação.

Em uma primeira aproximação, válida para pequenos valores de escorregamento, a indutância de magnetização pode ser

considerada infinita, as indutâncias de dispersão, nulas e a perda na resistência do estator, desprezada. Portanto, além da

resistência , só a resistência do rotor permanece no modelo.

a) A partir das informações e simplificações acima, deduza uma expressão para o torque ( ) disponível no eixo da máquina em função

da tensão ( ), da freqüência de alimentação ( ) e da velocidade de escorregamento ( ) e demonstre que, mantidos os valores

(valor: 3,0 pontos)

de , e , o torque é proporcional à velocidade de escorregamento.

b) Para uma queda de tensão de alimentação de 30%, mantida a mesma freqüência de alimentação ( ), calcule a queda percentual

(valor: 3,0 pontos)

do torque, para a mesma velocidade de escorregamento.

c) Conversores eletrônicos permitem variar tanto a freqüência angular ( ) quanto a tensão ( ), utilizando modulação por largura

de pulso (PWM). Uma das técnicas mais empregadas atualmente para o controle de motores de indução consiste em manter a

relação

constante para velocidades abaixo da nominal. Qual a vantagem dessa técnica de controle em termos da capacidade

de torque do motor? Justifique sua resposta.

(valor: 4,0 pontos)

Dados / Informações Técnicas

é a resistência do estator.

é a resistência do rotor.

é a indutância de dispersão do estator.

é a indutância de dispersão do rotor.

é a indutância de magnetização.

é a freqüência angular da fonte de alimentação.

é a freqüência angular de rotação do rotor para uma máquina de dois pólos.

é a tensão da fonte de alimentação.

=

(

)

é o escorregamento.

= é a velocidade de escorregamento.

8 - ELETROTÉCNICA Nos circuitos trifásicos simétricos e equilibrados a quatro fios, que alimentam cargas

8 - ELETROTÉCNICA

Nos circuitos trifásicos simétricos e equilibrados a quatro fios, que alimentam cargas lineares, as correntes que circulam pelas fases são senoidais, defasadas de 2π/3 radianos, e oscilam na freqüência nominal da rede de alimentação. Com isso, a corrente que circula pelo neutro é nula. Atualmente, em algumas instalações comerciais com elevado número de computadores, reatores eletrônicos e outras cargas com característica não linear, o espectro de freqüência das correntes que circulam pelas fases possuem, também, componentes com freqüências harmônicas.

Admita que a corrente que circula pela fase 'a' de um circuito trifásico simétrico e equilibrado, alimentando uma carga não linear, tenha

a forma do gráfico abaixo.

uma carga não linear, tenha a forma do gráfico abaixo. i a (A) + B  

i a (A)

+ B

 
     
π 2 π 3 π

π

2π

3π

B

        π 2 π 3 π − B 120 π t (rad) As

120π t (rad)

As correntes das duas outras fases estão defasadas de 120 graus em relação a esta corrente e possuem a mesma forma de onda

e amplitude B.

a) Esboce um gráfico para cada corrente de fase.

( valor: 1,0 ponto )

b) Esboce um gráfico da corrente que circula pelo neutro, indicando a amplitude e o período dessa corrente.

(valor: 3,0 pontos)

c) Determine a ordem das freqüências harmônicas presentes na corrente de neutro. Justifique sua resposta.

(valor: 3,0 pontos)

d) Determine o valor eficaz das correntes de fase e da corrente de neutro.

(valor: 3,0 pontos)

Dados / Informações Técnicas

Sinais com simetria de meia onda, ou seja, v (ωt) = v (ωt+π) , apresentam apenas harmônicos de ordem ímpar.

O valor eficaz de um sinal v(t) de período T é dado por: V eficaz =

1 2 ∫ T v (t) dt T 0
1
2
∫ T
v (t) dt
T
0

.

9 - ELETRÔNICA Um receptor para radiodifusão sonora em FM utiliza a técnica de laço

9 - ELETRÔNICA

Um receptor para radiodifusão sonora em FM utiliza a técnica de laço de fase amarrada Phase-Locked Loop (PLL) para permitir a sintonia das diversas emissoras. O diagrama de blocos a seguir apresenta um sintonizador com base em PLL, onde o N é programado para um dado canal.

f OL VCO Divisor de (Oscilador Divisor de Freqüência Controlado Freqüência Digital Oscilador a Cristal
f OL
VCO
Divisor de
(Oscilador
Divisor de
Freqüência
Controlado
Freqüência
Digital
Oscilador a
Cristal
em 1,28 MHz
à Tensão)
Digital
Programável
20
N
Divisor de
Freqüência
Digital
Fixo
128
Comparador
Y
de
Fase

a) Determine a faixa de valores de N no divisor de freqüência digital programável que permite a sintonia de todas as emissoras. (valor: 6,0 pontos)

b) Explique a razão principal pela qual é empregado um oscilador a cristal como referência para o comparador de fase. (valor: 2,0 pontos)

c) Identifique o estágio Y.

Dados / Informações Técnicas

(valor: 2,0 pontos)

A faixa de operação da radiodifusão sonora em FM é de 87,9 MHz a 107,9 MHz, com 100 canais de 200 kHz de largura de banda.

A tabela abaixo mostra a banda do canal, os valores das freqüências geradas pelo PLL (f OL ) e os valores das freqüências de

operação (f OP ) dos canais de radiodifusão sonora FM.

CANAL

FAIXA (MHz)

f OP (MHz)

f OL (MHz)

 

1 87,9 a 88,1

88,0

98,6

 

2 88,1 a 88,3

88,2

98,8

 

3 88,3 a 88,5

88,4

99,0

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

 

99 107,5 a 107,7

107,6

118,2

 

100 107,7 a 107,9

107,8

118,4

10 - ELETRÔNICA O diodo Zener é um dispositivo muito empregado no projeto de reguladores

10 - ELETRÔNICA

O diodo Zener é um dispositivo muito empregado no projeto de reguladores de tensão. A Fig. 1 apresenta o símbolo, a curva caracterísitca simplificada e o modelo de um diodo Zener de 10 V.

10,5 V 10 V 9,51 V Tensão Reversa I = 1 mA zk + I
10,5 V
10 V
9,51 V
Tensão Reversa
I
= 1 mA
zk
+
I
= 50 mA
z
R
z
V
z
_
I zm
= 100 mA
Símbolo do
Corrente Reversa
Diodo Zener
Modelo para
o Diodo Zener
Curva Característica simplificada do Diodo Zener *
* Não está em escala.

Figura 1

a) Usando a Curva Característica, calcule os valores de V z e R z apresentados no modelo.

(valor: 3,0 pontos)

b) Para o circuito da Fig. 2, apresentada a seguir, calcule a faixa de valores de V i dentro da qual o diodo Zener mantém a regulagem

e indique a tensão de saída V o para os extremos dessa faixa.

V

i

100 V o
100
V
o

Figura 2

(valor: 3,0 pontos) 100 V o R L
(valor: 3,0 pontos)
100
V
o
R
L

22 V

Figura 3

c) Para o esquema da Fig. 3, acima, calcule a faixa de valores em que R L pode excursionar sem que o Zener saia de sua faixa ativa. (valor: 4,0 pontos)

Dados / Informações Técnicas

I zk = corrente mínima para o diodo Zener operar em sua faixa linear.

I zm = corrente máxima que o diodo Zener suporta.

R z = resistência interna do diodo Zener.

11 - ELETRÔNICA A figura apresenta o diagrama de blocos de uma câmera fotográfica acionada

11 - ELETRÔNICA

A figura apresenta o diagrama de blocos de uma câmera fotográfica acionada por um controlador digital para o qual foi proposta a

seguinte lógica:

Fls = F B C

Obt = P B (F C)

A experimentação da câmera, entretanto, indicou que havia erros no projeto.

F Fotômetro Obt Botão de B Controlador Obturador Disparo Digital Fls Flash Circuito de C
F
Fotômetro
Obt
Botão de
B
Controlador
Obturador
Disparo
Digital
Fls
Flash
Circuito de
C
Carga do
P
Flash
Protetor da
Objetiva
(Tampa)

a) Indique a condição lógica de entrada para a qual o controlador digital apresenta um erro no comando do flash. (valor: 3,0 pontos)

b) Indique a condição lógica de entrada para a qual o controlador digital apresenta um erro no comando do obturador. (valor: 3,0 pontos)

c) Obtenha as expressões de Obt e Fls para o projeto corrigido do controlador digital, empregando Mapas de Karnaugh. (valor: 4,0 pontos)

Dados / Informações Técnicas

Enquanto a máquina estiver ligada, o circuito de carga do flash estará acionado.

Entradas:

F=0

Luz insuficiente

B=0

 

Botão não acionado

F=1

Luz suficiente

B=1

 

Botão acionado

C=0

Flash sem carga

P=0

 

Sem protetor

C=1

Flash carregado

P=1

 

Com protetor

Saídas:

Obt=0

Não aciona o obturador

Fls = 0

Não aciona o flash

Obt=1

Aciona o obturador

Fls = 1

Aciona o flash

O símbolo indica operação ou - exclusivo.

Mapa de Karnaugh a ser utilizado na solução:

FB PC 00 01 11 10 00 01 11 10
FB
PC
00
01
11
10
00
01
11
10

Obturador é o dispositivo que abre para entrada de luz na câmera quando o botão de disparo é acionado.

O carregamento do flash é iniciado automaticamente após o disparo.

O flash não pode disparar e o obturador não pode ser acionado quando a objetiva estiver tampada.

O flash só pode disparar quando a luminosidade do ambiente for insuficiente.

12 - TELECOMUNICAÇÕES Um sistema digital de comunicação de dados com sinalização ternária é estabelecido

12 - TELECOMUNICAÇÕES

Um sistema digital de comunicação de dados com sinalização ternária é estabelecido entre um satélite geoestacionário e uma estação terrena, na freqüência de operação de 4,0 GHz. Sendo a potência de saída do transmissor do satélite de 100 W, determine:

a) o ganho, em dB, da antena transmissora do satélite, em relação à antena isotrópica;

(valor: 1,0 ponto)

b) o máximo valor da taxa de bits C capaz de garantir, na entrada do receptor da estação terrena, uma relação mínima

(valor: 9,0 pontos)

E b /N o (energia de bit / densidade espectral de potência de ruído) de 10 dB.

Dados / Informações Técnicas

Distância entre o satélite e a estação terrena: d = 36.000 km.

Potência efetivamente irradiada pelo satélite: P ERP = 37 dBW.

Ganho da antena receptora da estação terrena: G R = 39 dBi.

Temperatura de ruído na entrada do receptor: T R = 300 K.

Constante de Boltzmann: k B = 1,38 x 10 23 (W/Hz)/ K.

Sinalização ternária: 8 níveis.

Perda básica (perda em espaço livre): L (dB) = 32,44 + 20 log d (km) + 20 log f (MHz) .

Densidade espectral de potência de ruído aditivo branco gaussiano: N o = k B T , em W /Hz, onde T é a temperatura em Kelvin.

Energia de bit: E b = S.D , onde S é a potência do sinal e D é a duração do bit.

dB / m

dB / m 13 - TELECOMUNICAÇÕES Um sistema de microondas operando em 11 GHz emprega um

13 - TELECOMUNICAÇÕES

Um sistema de microondas operando em 11 GHz emprega um guia de ondas retangular com dimensões 0,9" x 0,4". A Fig. 1 fornece curvas de atenuação, em dB/m, em função de freqüência, para uma onda que se propaga ao longo dos guias especificados cujas paredes apresentam condutividade finita.

0,6

0,5

0,4

0,3

0,2

0,1

0

Curva 1 Curva 3 Curva 2 5 10 15 20 25 30 Freqüência (GHz) 6,56
Curva 1
Curva 3
Curva 2
5
10
15
20
25
30
Freqüência (GHz)
6,56
16,1

Curva 1

 

Curva 2

TE 10

TE 10

a = 0,9" , b = 0,04"

a = 0,9" , b = 0,4"

0,04”
0,04”
0,4”
0,4”
 

Curva 3

 

TM 11

a = 0,9" , b = 0,4"

0,4”
0,4”
 

Figura 1

a) Determine o maior comprimento possível para o guia empregado, na condição de que a potência entregue à carga não sofra uma

(valor: 7,0 pontos)

queda maior que 40% da potência de alimentação.

b) Calcule o fator de acoplamento do acoplador direcional mostrado na Fig. 2, inserido entre os terminais do guia e da carga, de maneira que 1/3 da potência que chega à entrada do acoplador seja desviada pelo ramo auxiliar. (valor: 3,0 pontos)

Pi Ramo auxiliar Z L Acoplador
Pi
Ramo
auxiliar
Z L
Acoplador

Dados/ Informações Técnicas

P L = P i e 2 α z [ 1 | σ L | 2 ]

σ L = (Z L Z o ) / (Z L + Z o )

P

L : potência entregue à carga [W].

P

i : potência de alimentação [W].

α : constante de atenuação [NP/m].

z : comprimento do guia [m].

σ L : coeficiente de reflexão na carga.

Figura 2

direcional

Z

L : impedância da carga [].

Z

o : impedância intrínseca da onda para o modo de operação [].

14 - TELECOMUNICAÇÕES Um enlace de dados half-duplex opera com base em um protocolo síncrono

14 - TELECOMUNICAÇÕES

Um enlace de dados half-duplex opera com base em um protocolo síncrono cujo bloco é
Um enlace de dados half-duplex opera com base em um protocolo síncrono cujo bloco é representado pelo seguinte quadro:
verificação
início de
fim de
início de
fim de
sincronismo
texto (informação)
de erro
texto
texto
quadro
quadro
do quadro
1 byte
4 bytes
1 byte
200 bytes
1 byte
2 bytes
1 byte

O protocolo funciona da seguinte maneira:

para cada bloco transmitido resulta, obrigatoriamente, um retorno de dados, com apenas 8 bytes, chamado acknowledge, para informar se o bloco foi recebido como correto (ACK) ou como incorreto (NAK);

se o acknowledge indicar que o bloco foi recebido como incorreto (NAK), deverá haver uma nova transmissão deste mesmo bloco.

Determine:

a) o tempo total para a transmissão completa de 8.000 blocos, sob as condições do protocolo descrito, supondo que todos os

(valor: 6,0 pontos)

blocos tenham sido recebidos como corretos (ACK);

b) o tempo total para a transmissão de 8.000 blocos, sob as condições do protocolo descrito, para uma taxa de erros de bloco

(valor: 2,0 pontos)

BLER de 1,0 %;

c) o valor da taxa de transferência de bits de informação TTBI para a transmissão de 8.000 blocos, considerando a taxa de erros de

(valor: 2,0 pontos)

bloco BLER nula.

Dados / Informações Técnicas

Todos os blocos transmitidos pela segunda vez são recebidos como corretos (ACK).

Em cada um dos dois sentidos de propagação ocorre um retardo de tempo adicional de 10 ms entre a transmissão de cada bloco,

incluindo os de informação, ACK e NAK.

Distância entre os terminais: d = 10.000 km.

Velocidade de propagação: v = 250.000 km/s.

Taxa de bits para a transmissão do bloco: C B = 9.600 bps.

Taxa de bits para a transmissão do acknowledge: C A = 4.800 bps.

Taxa de erros de bloco BLER:

BLER = número de blocos errados / número total de blocos transmitidos.

Taxa de transferência de bits de informação TTBI:

TTBI = total de bits de informação transmitidos / tempo total gasto para a transmissão.

15 - COMPUTAÇÃO No algoritmo a seguir, as variáveis HENRY e FARAD recebem valores por

15 - COMPUTAÇÃO

No algoritmo a seguir, as variáveis HENRY e FARAD recebem valores por meio da passagem de parâmetros por valor e por referência, respectivamente.

Algoritmo

ELETRIC2003;

Variáveis

VOLT, AMPERE : numérico;

Procedimento

Início-do-procedimento

Variável

CIRCUITO(HENRY:numérico;var FARAD:numérico);

MAXWELL : lógica;

Atribuir 3 a HENRY; Atribuir 7 a FARAD; Atribuir FALSO a MAXWELL;

Repetir Atribuir (HENRY – 1)

a

HENRY;

Atribuir (FARAD – HENRY)

Se

a

FARAD;

HENRY = 0 MAXWELL;

então

Atribuir VERDADEIRO a MAXWELL;

Até que

Fim-do-procedimento

{ Corpo do algoritmo }

Início

Atribuir 8 a VOLT; Atribuir 2 a AMPERE;

CIRCUITO(VOLT, AMPERE); imprimir(VOLT,AMPERE); Fim-algoritmo.

a) Indique, justificando, os valores que as variáveis VOLT e AMPERE assumirão após a execução do algoritmo.

(valor: 6,0 pontos)

b) Apresente um algoritmo para o procedimento CIRCUITO, substituindo a estrutura de controle Repetir

estrutura Enquanto

Faça.

Até que pela (valor: 4,0 pontos)

16 - COMPUTAÇÃO A figura abaixo mostra uma rede de computadores de uma empresa. Essa

16 - COMPUTAÇÃO

A figura abaixo mostra uma rede de computadores de uma empresa. Essa rede permite o acesso remoto a partir das residências dos funcionários. Verificou-se que a sub-rede SUN Solaris apresenta sobrecarga devido ao alto tráfego entre as estações, o que resulta em elevado índice de colisões.

Servidor L401 Estação L402 Servidor W201 Hub Rede Linux Hub Equipamento para Interconexão
Servidor L401
Estação L402
Servidor W201
Hub
Rede Linux
Hub
Equipamento
para Interconexão
Estação W202
Estação W202

Rede Windows 2000

Estação W203

de redes

Hub Laptop S303 Servidor S301 Estação Multimídia S302 Rede SUN Solaris
Hub
Laptop S303
Servidor S301 Estação Multimídia S302
Rede SUN Solaris

Laptop L403

Scanner

a) Indique, justificando, o equipamento para interconexão de redes mais adequado para integrar à Internet o ambiente constituído

(valor: 3,0 pontos)

pelas três sub-redes.

b) Apresente, justificando, a solução mais indicada para o problema de sobrecarga de tráfego na sub-rede SUN Solaris. (valor: 3,0 pontos)

c) Indique o protocolo de linha discada para acessar a rede a partir das residências. Apresente três vantagens desse protocolo em

(valor: 4,0 pontos)

relação ao SLIP Serial Line Internet Protocol.

Dados / Informações Técnicas

O protocolo empregado é o TCP/IP.

O acesso por linha discada é realizado por meio da rede Windows 2000.

17 - COMPUTAÇÃO Você é o engenheiro contratado para integrar o Suporte Técnico de Informática

17 - COMPUTAÇÃO

Você é o engenheiro contratado para integrar o Suporte Técnico de Informática de uma empresa e tem como atribuição apresentar soluções para a modernização dos recursos existentes no ambiente de trabalho, no que diz respeito às tendências de mercado relacionadas aos componentes de hardware e de software.

a) Analise as configurações I, II e III, apresentadas abaixo, e indique, justificando, aquela(s) que possui(em) maior capacidade de

(valor: 4,0 pontos)

armazenamento de informações em disco rígido.

b) Conceitue os barramentos USB e Firewire e faça uma análise comparativa dos dois, considerando os seguintes aspectos: topologia de conexão, iniciador / alvo, disponibilidade comercial nos equipamentos e taxas de transferência. (valor: 5,0 pontos)

c) Indique, justificando, se é possível instalar o sistema operacional Windows XP Professional nas configurações I, II e III. (valor: 1,0 ponto)

Dados / Informações Técnicas

O quadro a seguir apresenta as configurações I, II e III para microcomputadores.

 

CONFIGURAÇÕES

I

II

 

III

32 MB DIMM RAM

128 MB DDR RAM

MB DDR RAM

256

CD-ROM 52X

Barramento USB versão 1.1

CD_RW de 48X

Barramento USB versão 1.1

HD com as seguintes características:

Barramento USB versão 2.0

HD com as seguintes características:

38792 cilindros, 24 cabeçotes, 126 setores

HD com as seguintes características:

38792 cilindros, 16 cabeçotes, 63 setores

19396 cilindros, 32 cabeçotes,

 

126

setores

Componentes comuns nas configurações:

Placa-mãe “Asus”

Processador Pentium IV 1.70 GHz

Fax/Modem 56k V.92

Placa de rede 10/100 MB onboard

Interface para redes sem fio

Drive de 3 ½ pol – 1.44 MB

Interfaces serial e paralela

Gabinete ATX

Monitor de Vídeo de 15 pol

Teclado

Mouse

Obs: Cada setor corresponde a 512 bytes

18 - AUTOMAÇÃO E CONTROLE O diagrama em blocos da figura corresponde ao modelo de

18 -

AUTOMAÇÃO E CONTROLE

O diagrama em blocos da figura corresponde ao modelo de um sistema de controle de velocidade de um motor CC. A Função de

Transferência do motor foi obtida a partir de um ensaio de malha aberta, desprezando sua constante de tempo elétrica

, considerada

τ

E

muito pequena, se comparada à constante de tempo mecânica τ = 0,5 segundo. L R(s)
muito pequena, se comparada à constante de tempo mecânica
τ
=
0,5
segundo.
L
R(s)
10 (s)
C(s)
1 + 0,5s

a) Projete um controlador proporcional-integral do tipo

(

C s

)

=

K

(1

+

Ts

)

s

, para que o sistema apresente:

o erro em regime permanente nulo, para entrada de referência em degrau;

a Função de Transferência de malha fechada de 1ª ordem;

o tempo de acomodação a 5% do valor final

t

r 5%

0,1 segundo.

(valor: 3,0 pontos)

b) Um ensaio realizado no sistema, com referência em degrau unitário

R ( s ) =

1

s

e considerando o controlador

 

1, 56 (1

+

0, 50

s

)

(

C s

)

=

 
 

,

 

s

revelou uma resposta ω ( t ) como mostrado no gráfico, onde se observa um sobressinal (overshoot) de 25% e um tempo de

acomodação

o que, para o modelo considerado, acarretaria uma Função de Transferência de 1ª ordem, apresente uma justificativa razoável

segundo. Considerando que este controlador emprega a técnica de cancelamento de pólos e zeros,

t

r 5%

0, 6

τ para o resultado oscilatório exibido no gráfico. Identifique a constante de tempo elétrica E
τ
para o resultado oscilatório exibido no gráfico. Identifique a constante de tempo elétrica
E do motor.
(valor: 4,0 pontos)
Resposta ao degrau unitário
1,4
1,25
1,05
1
0,95
0
0 0,2
0,4
0,6
0,8
1 1,2
velocidade (rad/s)

tempo (s)

c)

Esboce

a

forma

do

K

(1

lugar

+

0,5

s

das

)

raízes

=

KC s G s

()

() =

s

(1

0,5 )(1

++

s

τ

E

ss )

(1

do

K

+

τ

E

sistema

para

uma

Função

de

Transferência

de

malha

aberta

s

)

, identificando aproximadamente o(s) ponto(s) do lugar das

raízes que corresponde(m) aos pólos do sistema, para o ganho K = 1, 56 usado no ensaio.

(valor: 3,0 pontos)

Dados / Informações Técnicas

A • Sistema de 1ª ordem: P ( s ) = , 1 t r
A
• Sistema de 1ª ordem:
P
( s )
=
,
1
t r 5%
1 +
τ s
2
A
ω
n
P
( s ) =
• Sistema de 2ª ordem:
2
2
2
s
+
2 ξω
s
+
ω
n
n
Pólos no plano s:
2
j
1
n
n
n

Relação amortecimento X sobressinal

=

,

3

τ

t

r 5%

3

ξω

n

cos( )

Amortecimento ξ

0,9

0,8

0,7

0,6

0,5

0,4

0,3

% de sobressinal

0,2

1,5

5,0

9,5

16

25

37

19 - AUTOMAÇÃO E CONTROLE Considere o sistema trocador de calor apresentado na Fig. 1.

19 - AUTOMAÇÃO E CONTROLE

Considere o sistema trocador de calor apresentado na Fig. 1.

Fluxo de

Vapor

Válvula de

controle Sensor de temperatura Fluxo de Figura 1 Vapor
controle
Sensor de
temperatura
Fluxo de
Figura 1
Vapor

Produto

A temperatura θ do produto é controlada pelo ajuste do fluxo de vapor w, efetuado por uma válvula de controle. A posição do sensor de temperatura introduz um atraso de transporte a no sistema.

a) Um modelo refinado do sistema é dado por

(

Gs

) =

Θ ( s )

1

()

W s

1 +

bs

=

e

as

Com base na resposta temporal de G(s) mostrada a seguir, para uma entrada w (t) em degrau de amplitude 10 graus Celsius

(valor: 3,0 pontos)

aplicado em t = 0 , identifique os parâmetros a e b de G(s).

Resposta ao degrau de amplitude 10

10 9 8 7 6 5 4 3 2 1 0 0 5 10 15
10
9
8
7
6
5
4
3
2
1
0
0
5
10
15
20
25
30
35
40
45
50
55
60
temperatura (graus)

tempo (s)

b)

Seja o sistema de controle em malha fechada ilustrado a seguir, para um trocador de calor similar ao considerado na Fig. 1,

com atraso a = 2 segundos e constante de tempo b = 10 segundos.

R ( s ) W ( s ) Σ K G ( s ) +
R ( s )
W ( s )
Σ K
G ( s )
+
-

O diagrama que se segue corresponde à resposta em freqüência de G ( jω ) . Foram considerados o diagrama de fase exato e aquele

obtido de uma aproximação de Padé de 2ª ordem para G ( s ) . Estime, a partir do diagrama correspondente à aproximação de Padé,

o ganho máximo

K

MAX

que preserva a estabilidade do sistema.

(valor: 4,0 pontos)

0 5 10 15 20 25 30 magnitude (dB)
0
5
10
15
20
25
30
magnitude (dB)
1 0 10 10 10 1 0 50 120 180 aproximação de Padé de 2
1
0
10
10
10 1
0
50
120
180
aproximação de
Padé de 2 ordem
a
250
curva real de fase
400
0
10 1
10
10 1
fase (graus)

freqüência (rad/s)

c)

Com base no diagrama, comente a adequação ou não da aproximação para ajustes de ganho baseados em especificações

(valor: 3,0 pontos)

de margem de fase e de ganho do sistema.

Dados / Informações Técnicas

Sistema de 1ª ordem:

P 1 ( s ) =

A

1 +

τ s

t

r 5%

=

3

τ

20 - AUTOMAÇÃO E CONTROLE A figura abaixo ilustra uma linha automatizada de produção, que

20 - AUTOMAÇÃO E CONTROLE

A figura abaixo ilustra uma linha automatizada de produção, que constitui parte de um sistema
A
figura abaixo ilustra uma linha automatizada de produção, que constitui parte de um sistema de fabricação de refrigerantes.
A
linha é supervisionada por um CLP (Controlador Lógico Programável) através de uma rede do tipo barramento de campo (Fieldbus).
CLP
Fieldbus
Bomba
Tampador
Atuador
Robô
Entrada
Saída
Esteira
O
método mestre-escravo é empregado para o acesso ao meio de comunicação. Neste, o CLP (mestre) varre ciclicamente n = 5

dispositivos (escravos) de sensoriamento e controle da linha. A cada operação de troca de informação mestre-escravo, um quadro “requisição” é enviado pelo CLP ao dispositivo e um quadro “resposta” é enviado pelo dispositivo ao CLP. Suponha que a resposta seja imediata.

A figura a seguir ilustra uma operação mestre-escravo.

Mestre Escravo Requisição resposta imediata Resposta tempo
Mestre
Escravo
Requisição
resposta
imediata
Resposta
tempo

Consideram-se os seguintes dados do barramento:

a estrutura dos quadros é feita com 8 caracteres de dados mais 6 caracteres de controle;

a codificação de um caractere utiliza 11 bits;

a taxa de transmissão do barramento (BR) é 500 kbits/s.

a)

Calcule

T

C

, o tempo total de ciclo de varredura do barramento pelo CLP. Para garantir um controle preciso e seguro do sistema,

requer-se um tempo máximo de reação do sistema

é atendido pelo sistema.

T

MAX

=

10

ms. Com base no valor de

T

C

obtido, informe se este requisito

(valor: 3,0 pontos)

b) Considere que, a cada operação de troca de informação mestre-escravo, o mestre (CLP) espera pela resposta do escravo um

tempo

T SL

. Se este tempo expira, a transmissão é considerada como falha e o quadro requisição é reenviado. Calcule qual

deve ser o tempo de espera

de uma falha por operação.

T

SL

para que o tempo de reação do sistema não exceda

T

MAX

=

10 ms, supondo o máximo

(valor: 4,0 pontos)

c) Os gráficos abaixo mostram dados da linha automatizada de produção operando em regime, observados durante um período de funcionamento de 10 horas. Com base nas informações dadas pelos gráficos, estime:

a produtividade P da linha;

o tempo médio M para a produção de um item;

a eficiência E da linha.

(valor: 3,0 pontos)

Itens produzidos Estado da linha 600 500 400 operacional 300 200 em pane 100 1
Itens produzidos
Estado da linha
600
500
400
operacional
300
200
em pane
100
1
2
3
45
6
7
8
9
10
1
2
3
45
6
7
8
9
10
tempo (h)
tempo (h)

Dados / Informações Técnicas

Produtividade P = itens produzidos por unidade de tempo

Eficiência

E

=

P

 

P

I

P I é a produtividade em condições de 100% de operacionalidade.

IMPRESSÕES SOBRE A PROVA

As questões abaixo visam a levantar sua opinião sobre a qualidade e a adequação da prova que você acabou de realizar e também sobre o seu desempenho na prova. Assinale, nos espaços próprios (parte inferior) do Cartão-Res- posta, as alternativas correspondentes à sua opinião e à razão que explica o seu desempenho. Agradecemos sua colaboração.

explica o seu desempenho. Agradecemos sua colaboração. 1 Qual o ano de conclusão deste seu curso

1

Qual o ano de conclusão deste seu curso de graduação?

(A)

2003.

(B)

2002.

(C)

2001.

(D)

2000.

(E)

Outro.

2002. (C) 2001. (D) 2000. (E) Outro. 2 Qual o grau de dificuldade desta prova? (A)

2

Qual o grau de dificuldade desta prova?

(A)

Muito fácil.

(B)

Fácil.

(C)

Médio.

(D)

Difícil.

(E)

Muito difícil.

Médio. (D) Difícil. (E) Muito difícil. 3 Quanto à extensão, como você considera a prova? (A)

3

Quanto à extensão, como você considera a prova?

(A) Muito longa. (B) Longa. (C) Adequada. (D) Curta. (E) Muito curta. 4
(A)
Muito longa.
(B)
Longa.
(C)
Adequada.
(D)
Curta.
(E)
Muito curta.
4

Para você, como foi o tempo destinado à resolução da prova?

(A)

Excessivo.

(B)

Pouco mais que suficiente.

(C)

Suficiente.

(D)

Quase suficiente.

(E)

Insuficiente.

(D) Quase suficiente. (E) Insuficiente. 5 A que horas você concluiu a prova? (A) Antes das

5

A que horas você concluiu a prova?

(A)

Antes das 14h30min.

(B)

Aproximadamente às 14h30min.

(C)

Entre 14h30min e 15h30min.

(D)

Entre 15h30min e 16h30min.

(E)

Entre 16h30min e 17h.

Entre 15h30min e 16h30min. (E) Entre 16h30min e 17h. 6 As questões da prova apresentam enunciados

6

As questões da prova apresentam enunciados claros e objetivos?

(A)

Sim, todas apresentam.

(B)

Sim, a maioria apresenta.

(C)

Sim, mas apenas cerca de metade apresenta.

(D)

Não, poucas apresentam.

(E)

Não, nenhuma apresenta.

Não, poucas apresentam. (E) Não, nenhuma apresenta. 7 Como você considera as informações fornecidas em cada

7

Como você considera as informações fornecidas em cada questão para a sua resolução?

(A)

Sempre excessivas.

(B)

Sempre suficientes.

(C)

Suficientes na maioria das vezes.

(D)

Suficientes somente em alguns casos.

(E)

Sempre insuficientes.

somente em alguns casos. (E) Sempre insuficientes. 8 Com que tipo de problema você se deparou

8

Com que tipo de problema você se deparou mais freqüentemente ao responder a esta prova?

(A)

Desconhecimento do conteúdo.

(B)

Forma de abordagem do conteúdo diferente daquela a que estou habituado.

(C)

Falta de motivação para fazer a prova.

(D)

Espaço insuficiente para responder às questões.

(E)

Não tive qualquer tipo de dificuldade para responder à prova.

Como você explicaria o seu desempenho em cada questão da parte comum da prova?

Números das questões da prova.

Q1

Q2

Q3

Q4

Q5

 

Números dos campos correspondentes no CARTÃO-RESPOSTA.

9

10

11

12

13

O conteúdo

         

(A)

não foi ensinado; nunca o estudei.

         

(B)

não foi ensinado; mas o estudei por conta própria.

         

(C)

foi ensinado de forma inadequada ou superficial.

         

(D)

foi ensinado há muito tempo e não me lembro mais.

         

(E)

foi ensinado com profundidade adequada e suficiente.