Iria morrer, quem sabe naquela noite mesmo? E que tinha ele feito de sua vida? Nada.

Levara toda ela atrás da miragem de estudar a pátria, por amá-la e querê-la muito, no intuito de contribuir para a sua felicidade e prosperidade. Gastara a sua mocidade nisso, a sua virilidade também; e, agora que estava na velhice, como ela o recompensava, como ela o premiava, como ela o condecorava? Matando-o. E o que não deixara de ver, de gozar, de fruir, na sua vida? Tudo. Não brincara, não pandegara, não amara - todo esse lado da existência que parece fugir um pouco à sua tristeza necessária, ele não vira, ele não provara, ele não experimentara. Desde dezoito anos que o tal patriotismo lhe absorvia e por ele fizera a tolice de estudar inutilidades. Que lhe importavam os rios? Eram grandes? Pois se fossem... Em que lhe contribuiria para a felicidade saber o nome dos heróis do Brasil? Em nada... O importante é que ele tivesse sido feliz. Foi? Não. Lembrou-se das suas causas de tupi, do folklore, das suas tentativas agrícolas... Restava disso tudo em sua alma uma satisfação? Nenhuma! Nenhuma! Lima Barreto O trecho acima pertence ao romance O TRISTE FIM DE POLICARPO QUARESMA, de Lima Barreto. Da personagem que dá título ao romance, podemos afirmar que: a) foi um nacionalista extremado, mas nunca estudou com afinco as coisas brasileiras. b) perpetrou seu suicídio, porque se sentia decepcionado com a realidade brasileira. c) defendeu os valores nacionais, brigou por eles a vida toda e foi condenado à morte justamente pelos valores que defendia. d) foi considerado traidor da pátria, porque participou da conspiração contra Floriano Peixoto. e) era um louco e, por isso, não foi levado a sério pelas pessoas que o cercavam. C "... por ocasião do seu lançamento, o movimento literário, entre nós, pelo menos com referência aos prosadores, caracterizava-se por uma absoluta e completa estagnação. Não se escrevia nem se publicava nada que valesse realmente a pena." (Edgar Cavalheiro). Trata-se de alusão a a) "Urupês". b) "Mar Morto". c) "O Seminarista". d) "O Minotauro". e) "Sagarana". A "Só ele não fala, não canta, não ri, não ama. Só ele, no meio de tanta vida, não vive. " Os comentários acima são endereçados, por Monteiro Lobato, a) ao nordestino. b) ao menor. c) ao sertão.

sua angústia em face de problemas pessoais e das incertezas do novo século que despontava. b) a adoção da linguagem coloquial das camadas populares do sertão. . d) Monteiro Lobato. retrata a vida no subúrbio carioca. C "Caso raro: fazendo uma poesia formalmente trabalhada. b) L. entre outras coisas. e) o estilo conservador do antigo regionalismo romântico. as obras de Euclides da Cunha e de Lima Barreto. romance de grande densidade critica e carregado de uma visão agressiva e realista que. têm como elemento comum: a) a intenção de retratar o Brasil de modo otimista e idealizante. c) a expressão de aspectos até então negligenciados da realidade brasileira. através de uma linguagem rica de comunicações e de recursos expressivos". atingiu uma popularidade acima das expectativas. e) Otto L. D Leia com atenção: "Data de 1915 a publicação de "Triste Fim de Policarpo Quaresma". D "Hoje ainda há perigo em bulir no vespeiro: o caboclo é o 'Ai Jesus!' nacional".d) ao caboclo. elaborado em linguagem cientificista-naturalista. Trata-se de uma obra de a) Dalton Trevisan. tão diferentes entre si. F. b) pré-modernista. em função de seu pessimismo. c) João Antonio. O autor desse romance é: a) Monteiro Lobato b) Euclides da Cunha c) Graça Aranha d) Alcântara Machado e) Lima Barreto E Nas duas primeiras décadas de nosso século." O autor a que se refere o trecho acima é considerado um: a) romântico. Resende. e) ao paulistano. d) a prática de um experimentalismo lingüístico radical. Verísimo.

Nenhuma ferretoada o põe de pé. se a natureza os dotou de sólidos. o caboclo olha. em todos os atos da vida. que ainda o obrigaria a nivelar o chão. e) Monteiro Lobato. respectivamente: a) Monarquia .Presidencialismo . acocora-se. E Quando Pedro I lança aos ecos o seu grito histórico e o país desperta esturvinhado à crise de uma mudança de dono. adquirir a força do colonizador. coça a cabeça. portanto. O caboclo não dá pela coisa.c) modernista. mal esvoaça o florido decreto da Princesa e o negro exausto larga num uf! o cabo da enxada. Nada o desperta. meter a quarta. o caboclo ergue-se. Social.Libertação dos Escravos . a modorrar. O caboclo continua de cócoras. imagina e deixa que do velho mundo venha quem nele pegue de novo. inútil. d) barroco. Jeca antes de agir.Posse de Floriano d) Parlamentarismo . Para que assentos. O país bestifica-se ante o inopinado da mudança. c) Euclides da Cunha. MONTEIRO LOBATO É nesta crônica que Monteiro Lobato fotografa a imagem do caipira.para os hóspedes. como individualmente.Posse de Floriano c) Maioridade .Eleição de Floriano b) Regência . Incitatus derranca o país. A crônica foi extraída do livro: a) "Negrinha" b) "O Macaco que se fez Homem" c) "Urupês" d) "O Presidente Negro" e) "O Escândalo do Petróleo" C O texto fala de fatos históricos. Pelo 13 de maio.Lei do Ventre Livre . espia e acocora-se. d) Aluísio de Azevedo. que perdeu o primitivismo do índio sem. Vem Floriano: estouram as granadas de Custódio. no entanto. Gumercindo bate às portas de Roma. rachados calcanhares sobre os quais se sentam?" O trecho anterior é claramente representativo da obra de: a) Lima Barreto.Libertação dos Escravos . apresentado como uma "raça intermediária"..Tráfego Negro . b) Augusto dos Anjos. B "Às vezes se dá ao luxo de um banquinho de três pernas . e) parnasiano. Três pernas permitem o equilíbrio. de novo. A 15 de novembro troca-se um trono vitalício pela cadeira quadrienal..

.Libertação dos Escravos – República E Jeca Tatu de Monteiro inspirou um cantor brasileiro a compor: JECA TOTAL: "Jeca total deve ser Jeca Tatu presente... Trata-se de: a) Policarpo Quaresma..e) Independência . b) Brás Cubas. representante da gente no Senado. das suas tentativas agrícolas . Advogado.. Que lhe importavam os rios? Eram grandes? Pois que fossem! . c) Quincas Borba.. Restava disso tudo em sua alma uma satisfação? Nenhuma! Nenhuma! O trecho anterior apresenta reflexões de importante personagem da literatura brasileira.. Em que lhe contribuiria para a felicidade saber os nomes dos heróis do Brasil? Em nada . passado. Lembrou-se das suas coisas de tupi. do folclore. Promotor Público. exila-se na Argentina e) Crítico veemente do sistema agrícola brasileiro na figura de Jeca Tatu." Estamos falando de: a) Chico Buarque b) Caetano Veloso c) Gilberto Gil d) Roberto Carlos e) Milton Nascimento C A crítica é unânime em classificar o escritor Monteiro Lobato ligado ao movimento: a) pré-modernismo b) surrealismo c) futurismo d) dadaísmo e) cubismo A Sobre Monteiro Lobato não procede a seguinte afirmação: a) Nasceu em Taubaté e morreu em São Paulo. O importante é que ele tivesse sido feliz. símbolo da miséria e do atraso a que foram relegados nossos caipiras B Desde os dezoito anos que o tal patriotismo o absorvia e por ele fizera a tolice de estudar inutilidades. Foi? Não. Fundou a Companhia de Petróleos do Brasil b) Inovador quando defende a arte de Anita Malfatti em famoso artigo publicado pelo Estado: "Paranóia ou Mistificação" c) Avançado quando satiriza o purismo da linguagem no conto também famoso: "O Colocador de Pronomes" d) Promoveu campanhas nacionais em favor do ferro e petróleo: Preso pelo Governo Vargas em 1941.

é INCORRETO afirmar que: a) o autor. c) generosidade. d) o seu final dramático determinado pela sua trajetória de vida. e) a sua trajetória de vida reveladora de um destino trágico. b) cientificismo triunfante que.d) Paulo Honório. d) esteticismo que depurava a forma de seus sonetos à perfeição. b) apresenta certa dificuldade em termos de enquadramento em um único gênero literário. A É correto afirmar que Augusto dos Anjos foi o poeta do a) pessimismo aliado à ciência que acusava a degradação humana mediante associações e comparações com processos químicos e biológicos. d) origina-se de reportagens para "O Estado de São Paulo". d) disciplina. e) Diadorim. D Sobre "Os Sertões". nas quais o autor expõe fatos relacionados à Guerra de Canudos. c) a sua morte terrível motivada pela loucura. A Só NÃO compõe a personalidade de Policarpo Quaresma: a) desvairismo. C . desaprova a causa dos sertanejos. a crítica literária e arquitetura para retirar o caráter subjetivo da poesia. marcou boa parte da lírica contemporânea aos primeiros anos da República. reproduzindo na poesia as preocupações e temas de Lima Barreto. b) o fim de vida em um hospício no qual o enclausuraram. b) falsidade. aliado à idéia de progresso. e) ufanismo. com vocabulário erudito e tom grandiloqüente. B O título da obra de Lima Barreto. e) cientificismo militante disposto a abranger temas como o cálculo algébrico. c) sua linguagem tende ao solene. e) Euclides da Cunha segue um esquema determinista na estrutura das três partes da obra. sem jamais fazer concessões a temas considerados prosaicos ou de mau gosto. c) pessimismo acusatório que denunciou o latifúndio e a política oligárquica. militar em sua origem. antecipa ao leitor sobre o protagonista: a) a indiferença com que passou a lidar com a pátria. TRISTE FIM DE POLICARPO QUARESMA.