Você está na página 1de 4

________________________________________________________________

EXMO SR DOUTOR JUIZ DDE DIREITO DA VARA DA FAZENDA PÚBLICA DA COMARCA DE


SALVADOR (BA)

Processo nº xxxx

<JOÃO DA SILVA, nos autos em evidência, por seu patrono, vem à presença deste M.M.
Juízo, apresentar>

EXCEÇÃO DE PRÉ EXECUTIVIDADE

Tudo fazendo, conforme a razões de fato e de direito adiante ventiladas:

Consta dos autos que a presente execução fiscal foi proposta na data de 29.05.1998,
tendo sido seu curso, por força da norma prevista no art 40 da LEF (Lei 6830/1980),
suspenso desde a data de 07.01.2001. Ato-contínuo, e de acordo com o despacho
constante Às fls 29 e a certidão constante no seu próprio verso, o processo foi arquivado
desde a data de 05.04.2001, tempo distante XX dias sem que houvesse qualquer
manifestação da Autora.

Nos termos do §4° do artigo 40 da Lei de Execução Fiscal, ao julgador é dado decretar
ex officio a prescrição intercorrente do crédito tributário executado, cumprindo notar que
tal decretação está condicionada tão-somente à prévia intimação da Fazenda pública,
permitindo-se que a mesma suscite eventuais causas suspensivas ou interruptivas do
prazo prescricional.

E esta dicção encontra completa ressonância na jurisprudência consolidada nas


Instâncias Superiores. Senão, vejamos:

PROCESSO: AC 2000.33.00.006140-0/BA; APELAÇÃO CÍVEL


RELATOR: DESEMBARGADOR FEDERAL CARLOS FERNANDO MATHIAS
________________________________________________________________

CONVOCADO: JUIZ FEDERAL OSMANE ANTÔNIO DOS SANTOS


ÓRGÃO JULGADOR: OITAVA TURMA
PUBLICAÇÃO: 08/08/2008 e-DJF1 p.477
DATA DA DECISÃO: A TURMA NEGOU PROVIMENTO À APELAÇÃO, POR
UNANIMIDADE.
EMENTA: EXECUÇÃO FISCAL. NÃO LOCALIZAÇÃO DO DEVEDOR OU
BENS PENHORÁVEIS. CONTRIBUIÇÃO SOCIAL. SUSPENSÃO E
ARQUIVAMENTO PROVISÓRIO POR MAIS DE 5 ANOS.
DESARQUIVAMENTO COM VISTAS PARA A FAZENDA. AUSÊNCIA DE
FATOS NOVOS. RECONHECIMENTO E DECRETAÇÃO DA PRESCRIÇÃO
INTERCORRENTE. ART 40 §§ DA LEI 6.830/80. MEDIDA PROVISÓRIA
N. 2.095-73. SÚMULA VINCULANTE N° 08. I. Não localizado o devedor
ou bens penhoráveis, permanecendo a execução fiscal com o seu
andamento paralisado por mais de cinco anos, é legal o
reconhecimento da ocorrência da prescrição intercorrente, após
intimação pessoal da Fazenda Nacional, que nada apresentou
capaz de afastar os efeitos do tempo sobre o seu direito )art.40 e
§§ da Lei n. 6.830/80, alterado pela Lei n. 11.051/2004). II. À
míngua de norma que disponha sobre a suspensão do prazo prescricional
em caso de arquivamento com base no art. 20 da MP 2.095-73 e suas
reedições, deve seguir-se a mesma solução dada à hipótese de
suspensão da execução por não ter sido localizado o devedor ou seus
bens. Portanto, paralisado o feito por mais de cinco anos, forçoso é
reconhecer a ocorrência da prescrição intercorrente, sob pena de
admitir-se a imprescritibilidade do crédito tributário
(2006.01.99.039849-6/MG, dju de 12/01/2007, 8ª Turma). Iii.
Nos termos da Súmula Vinculante n° 08 do STF, “são inconstitucionais o
parágrafo único do artigo 5° do Decreto-Lei 1.569/77 e os artigos 45 e
46 da Lei n° 8.212/1991, que tratam da prescrição e decadência do
crédito tributário.” IV. Apelação não provida.

Processo
REsp 906403 / SC
RECURSO ESPECIAL
2006/0260090-1
Relator(a)
Ministra ELIANA CALMON (1114)
Órgão Julgador
T2 - SEGUNDA TURMA
Data do Julgamento
________________________________________________________________

19/06/2008
Data da Publicação/Fonte
DJe 07/08/2008
Ementa
PROCESSUAL CIVIL E TRIBUTÁRIO – EXECUÇÃO FISCAL –
PRESCRIÇÃO INTERCORRENTE – DECRETAÇÃO EX OFFICIO –
POSSIBILIDADE – ART. 40, § 4º DA LEI 6.830/80(REDAÇÃO DA LEI
11.051/2004) - PRECEDENTES STJ.
1. Na execução fiscal, interrompida a prescrição e não
havendo bens a penhorar, pode a Fazenda Pública valer-se do
art. 40 da LEF para suspender o processo pelo prazo de um
ano, ao término do qual e começa a fluir a contagem até que
se complete cinco anos, caso permaneça inerte a exeqüente
durante esse período.
2. Predomina na jurisprudência desta Corte o entendimento de que,
na execução fiscal, a partir da Lei nº 11.051/04, que acrescentou o §
4º ao artigo 40 da Lei nº 6.830/80, pode o juiz decretar, de ofício, a
prescrição, após ouvida a Fazenda Pública exeqüente.
3. Recurso especial não provido.

Processo
REsp 944561 / MG
RECURSO ESPECIAL
2007/0091472-5
Relator(a)
Ministro CARLOS FERNANDO MATHIAS (JUIZ FEDERAL
CONVOCADO DO TRF 1ª REGIÃO) (8135)
Órgão Julgador
T2 - SEGUNDA TURMA
Data do Julgamento
19/06/2008
Data da Publicação/Fonte
DJe 07/08/2008
Ementa
PROCESSUAL CIVIL. TRIBUTÁRIO. EXECUÇÃO FISCAL. EMBARGOS DE
DECLARAÇÃO. PRESCRIÇÃO INTERCORRENTE. DECRETAÇÃO DE
OFÍCIO. LEI N.º 11.051/2004. LEI DE EXECUÇÕES FISCAIS. ART. 174
DO CÓDIGO TRIBUTÁRIO NACIONAL. DESPACHO CITATÓRIO. ART.
8º, § 2.º, DA LEI Nº 6.830/80. ART. 219, § 5.º, DO CPC. ART. 174,
DO CTN. INTERPRETAÇÃO SISTEMÁTICA. LEGITIMIDADE. REEXAME
DO CONJUNTO FÁTICO-PROBATÓRIO. IMPOSSIBILIDADE. SÚMULA
07/STJ.
________________________________________________________________

1. Consoante o entendimento pacífico de ambas as Turmas que


compõem a e. Primeira Seção desta Corte Superior, o art. 40 da Lei
n.º 6.830/80 deve ser aplicado em harmonia com o art. 174 do Código
Tributário Nacional.
2. Impõe-se, assim, a interpretação sistemática do art. 8.º, § 2.º, da
LEF, em combinação com os arts. 219, § 4.º e 174, parágrafo único,
do CTN, pelo que a mera prolação do despacho que ordena a citação
do executado, pelo menos até a vigência da Lei Complementar n.º
118/2005, não produz, por si só, o efeito de interromper a prescrição.
E mais, não prevalece a suspensão do lustro prescricional em virtude
da inscrição em dívida ativa prevista no art. 2.º, § 3.º, da Lei n.º
6.830/80.
3. A decretação ex officio da prescrição tornou-se possível ao juiz a
partir do advento da Lei n.º 11.051, de 29/12/2004, sendo exigido,
para tanto, tão-somente a prévia oitiva do representante da Fazenda
Pública.
4. In casu, consta dos autos que a r. sentença extintiva do executivo
fiscal fora proferida em 14/02/2005, ou seja, na vigência da Lei n.º
11.051/2004, que alterou a redação do art. 40 da LEF, tendo sido
previamente oportunizado à Fazenda Pública manifestar-se nos autos.
5. A análise acerca da responsabilidade pela paralisação do feito
executivo, quando não aferida esta pelas instâncias de cognição plena,
demanda o reexame do conjunto fático-probatório carreado nos autos,
tarefa proscrita a esta Corte Superior, na via especial, consoante o
disposto no enunciado sumular n.º 07/STJ.
6. Recurso especial desprovido.

Em face do exposto, e com fulcro na expressa dicção do art.40 e seu §4°, da lei que rege
os executivos fiscais, requer seja reconhecida a prescrição intercorrente e, por
conseqüência, extinta a presente execução fiscal, condenando-se, ainda, a
Exeqüente aos conseqüentes da sucumbência.

Termos em que pede e


Espera deferimento.