Você está na página 1de 3

TEMPOS CIRÚRGICOS

Definições.
Cirurgia é a parte do processo terapêutico em que o cirurgião realiza uma
intervenção manual ou instrumental no corpo do paciente.

Fases ou Tempos Cirúrgicos


Diérese – Hemostasia - Exérese – Síntese

DIÉRESE
É o rompimento da continuidade dos tecidos, ou planos anatômicos, para
atingir uma região ou órgão. Pode ser classificada em mecânica ou física.

Diérese em cirurgia, é o nome dado ao processo de divisão dos tecidos que


possibilita o acesso a região a ser operada.Consiste na primeira etapa da
cirurgia, sendo seguida pela hemostasia e síntese.

Diérese Mecânica

 Diérese mecânica

Bisturi / tesoura / serras / osteótomos / trocartes

Punção: realizada através da introdução de uma agulha ou trocarte nos


tecidos, sem, contudo, seccioná-los, com várias finalidades como drenagem de
coleção líquida das cavidades ou do interior dos órgãos, colheita de fragmentos
de tecidos e de líquidos para exame diagnóstico, injeção de contraste e
medicamentos.

Secção: consiste na segmentação dos tecidos com o uso de material cortante,


como tesouras, serras, lâminas ou bisturi elétrico.

Divulsão: realizada através do afastamento dos tecidos nos planos anatômicos


com tesouras de bordas rombas, tentacânulas ou afastadores.

Curetagem: consiste na raspagem de superfície de um órgão com auxílio de


cureta.

Dilatação: realizada com a finalidade de aumentar a luz de um órgão tubular.

Diérese Física

Térmica: realizada com o uso de calor, cuja fonte é a energia elétrica, por
intermédio do bisturi elétrico.
Crioterapia: consiste no resfriamento intenso e repentino da área em que vai
ser realizada a intervenção cirúrgica. Normalmente é utilizado o nitrogênio
liquefeito por ser uma substância criogênica potente.

Raio laser: o aparelho de raio laser consiste em um bisturi que emprega um


feixe de radiação infravermelha de alta intensidade. Existem vários sistemas
laser, mas o mais utilizado na cirurgia é o laser de dióxido de carbono (CO2).

HEMOSTASIA

É o processo que consiste em impedir, deter ou prevenir o sangramento, pode


ser feito simultâneo ou individualmente por meio de pinçamento e ligadura de
vasos, eletrocoagulação ou compressão. Na realidade a hemostasia começa
antes da cirurgia, quando se realizam, no pré-operatório imediato, os exames
de tempo de coagulação e dosagem de prótrombina.

Observação.
Substâncias ativadoras como TROMBOPLASTINA (parede traumatizada e
plaquetas) Inicia-se uma reação em cascata ou cadeia que na presença de
íons cálcio, culmina a conversão da proteína plasmática PROTOMBINA em
enzima ativa
TROMBINA. A trombina, por sua vez, converte o FIBRINOGÊNIO em FIBRINA,
que forma uma rede de filamentos que retém plaquetas, células sangüíneas e
plasma, formando o coágulo.

Classificação

Preventiva - Urgência – Curativa

Preventiva
Hemostasia que pode ser medicamentosa e cirúrgica.

Hemostasia medicamentosa é baseada nos exames laboratoriais pré-


operatórios

Hemostasia cirúrgica é realizada com a finalidade de interromper a circulação


durante o ato operatório, temporária ou definitiva.

Urgência
Hemostasia realizada quase sempre em condições não favoráveis e com
material muitas vezes improvisado, como, por exemplo, compressão digital,
garrotes e torniquetes.

Curativa
Consiste na hemostasia realizada durante a intervenção cirúrgica:
Medicamentosa (drogas que diminuem o sangramento por vasoconstrição),
Mecânica (compressão e esponjas sintéticas), Física (bisturi) Biológica
(absorventes).
EXÉRESE
Cirurgia propriamente dita .

Curativa: Remover tumoração ou removido um apêndice inflamado

Paliativa: realizada para alívio da dor, fornecer via alimentar ou outras


complicações que vêm com câncer avançado. Cirurgia paliativa pode melhorar
a qualidade de vida, mas não é uma cura para o câncer.
Estética/Corretiva: Múltiplos ferimentos que precisam ser reparadas, no caso
de mamoplastia ou plástica de face.
Diagnóstico: No caso de biópsia ou de uma laparotomia

SÍNTESE
É a união de tecidos, que será mais perfeita quanto mais anatômica for a
separação, para facilitar o processo de cicatrização e restabelecer a
continuidade tecidual por primeira intenção.

Síntese é uma das etapas do processo cirúrgico no qual ocorre a


reaproximação das extremidades dos tecidos seccionados ou ressecados com
a posterior sutura com a finalidade de acelerar a cicatrização por acelerar as
suas fases iniciais, favorecendo o restabelecimento da contiguidade tecidual.
Na síntese cirúrgica, faz-se uso de agulhas, pinças e fios.

Tipos

Cruenta: a união de tecidos é realizada por meio de instrumentos apropriados


como agulhas de sutura e fios cirúrgicos permanentes ou removíveis.

Incruenta: consiste na aproximação dos tecidos com auxílio de gesso,


adesivos (esparadrapos) ou ataduras.

Completa: a união ou aproximação dos tecidos, realizada em toda a extensão


da incisão cirúrgica.

Incompleta: consiste na aproximação incompleta em toda a extensão da ferida


em conseqüência da colocação de dreno em determinado local da incisão
cirúrgica.

Imediata: ocorre imediatamente após a segmentação deles por traumatismos.

Mediata: Consiste na união dos tecidos após algum tempo depois do


rompimento da continuidade ou contigüidade deles