Descolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia

Centro Universitário Jorge Amado Enfermagem na Saúde da Mulher II
Docente: Bárbara Discentes: Cássia Baltezan Cintia Santana Jaqueline Tito Thaileise Santos

Introdução 
Placenta é o órgão pelo qual acontece as trocas fisiológicas entre a mãe e o feto. Através dela o feto se alimenta, respira e excreta produtos do seu organismo. Uma placenta pode estar mal localizada ( Placenta Prévia ) ou soltar-se antes do tempo (Descolamento Prematuro de Placenta ) podendo trazer complicações para o binômio mãe-filho os quais discutiremos no desenvolvimento do trabalho.

Objetivo
Apresentar as patologias de DPP e PP, conceituando e caracterizando-as quanto a fisiopatologia, classificação, etiologia, manifestações clínicas, formas de diagnóstico e tratamento, complicações, enfatizando o papel da enfermagem frente às patologias.

DPP Conceito
´O Descolamento Prematuro da Placenta normalmente inserida é a separação intempestiva da placenta implantada no corpo do útero, antes do nascimento do feto, em gestação de 20 ou mais semanas completas. ´ (OMS, FIGO, 1976)

Fonte: Site Bebê 2000

DPP Classificação 
Grau I ou leve;  Grau II ou moderado;  Grau III ou grave;

Incidência 
    0,5-3,5% das gestações 15-25% de todas as mortes perinatais 50% antes de iniciado o trabalho de parto 40% durante o período de dilatação 10% no período expulsivo.

DPP Etiologia / Fatores de Risco 
Fatores Mecânicos 
    Traumatismos; Brevidade do cordão; Torção do útero; Retração uterina intensa; Hipertensão da veia cava inferior 

    

Tempo prolongado de rotura de membranas; Tabagismo, etilismo e outras drogas; DM, anemias, desnutrição; Idade avançada da mãe; Distensão uterina aumentada; Multiparidade

DPP Fisiopatologia
Alterações úteroplacentárias
1- Descolamento, hematoma retroplacentário e hemorragia

Hemorragia decidual

Descolamento

Hematoma Retroplacentário

Placenta

‡ animação

Alterações úteroplacentárias
2- Contratilidade Uterina
Hemorraria decidual Descolamento Hematoma retroplacentário Ação irritante do sangue sobre a musculatura uterina Contração Trabalho de Parto Hipertonia Aumento do descolamento Intensa infiltração sanguínea do miométrio Hipotonia Útero de Couvelaire

Alterações sanguíneas
1 - Discrasias sanguíneas

Hemorragia e Coágulo Retroplacentário Lesão tecidual libera a tromboplastina esencadeia a cascata de coagulação
Consumo dos Fatores de Coagulação Diminuição do Fibrinogênio Diminuição das plaquetas Fator Tecidual invade a circulação materna CID
Necrose Cortical Renal Cor Pulmonale

Ativação do sistema fibrinolítico HEMORRAGIA

DPP Sofrimento Fetal 
Discreto, ausente ou grave.  Tipicamente grave: ± comprometimento da respiração fetal; ± Hipertonia uterina; ± anemia aguda materna; ± hemorragia feral.

DPP Manifestações Clínicas 
          Palidez cutânea e mucosa Hipotensão Dor intensa e súbita de intensidade variável; Queda do débito URINÁRIO Irritabilidade, sensibilidade e/ou hipertonia Hemorragia externa ou oculta Hemoâmnio Anemia (dependendo do quadro) No concepto: ausência de BCF ou bradicardia, DIP II Na mãe ocorre taquicardia, sudorese e taquipneia Pulso paradoxal de Boero;

DPP Manifestações Clínicas 
O toque no início do DPP mostra:  Colo imaturo e longo e com dilatação mínima ;  A bolsa das águas tensa;  Feto, placenta e páreas expulsos em turbilhão, com o respectivo coágulo  O desenvolvimento do quadro do DPP é gradual e se faz em algumas horas

Imagem Ecográfica mostrando descolamento da placenta Fonte: UFPR HC

Aspecto macroscópico da placenta onde se observa extenso hematoma placentário.

Útero de Couvelaire: útero de coloração azul violácea

DPP Diagnóstico 
Diagnóstico clínico ± Sinais e Sintomas apresentados; ± Exame Obstétrico e Genital;  Ultra-sonografia ± hiperecóico (0-48h); ± isoecóico (3-7 dias); ± hipoecóico (1-2 semanas); ± anecóico (após 2 semanas)

DPP Diagnóstico 
Diagnóstico laboratorial;
± ± ± ± ± ± ± ± ± ± ± TIPAGEM SANGÜÍNEA HEMOGRAMA GASOMETRIA ARTERIAL ELETRÓLITOS SÉRICOS URÉIA, CREATININA FIBRINOGÊNIO PDF, TTPA, TP, PLAQUETAS 

Diagnóstico diferencial.

Inserção baixa de placenta; rotura de seio marginal, rotura uterina, rotura de vasa prévia; gestação ectópica avançada; outras intercorrências clínico-cirúrgicas

DPP Tratamento 
Profilático ± Planejamento familiar ± Pré-Natal  Curativo: Clínico e Obstétrico ± parturição rápida; ± adequada transfusão sangüínea e analgesia; ± monitorização da condição materna; ± avaliação da condição fetal.  Cirúrgico ± Cesária ± Histerectomia

DPP Complicações 
    Sangramento de fluxo perigoso; Choque hipovolêmico; Coagulação intravascular disseminada (CID); Insuficiência renal aguda; Síndrome de Sheehan.

DPP Consequências para binômio mãe-filho mãe Prognóstico do concepto mais grave que materno;  Fetal: ± 90% dos casos, ‡ 100% nos graves, nos moderados em 65% e nos leves em 25%.  Materna: ± 3% dos casos. ± Necrose hipofisária (Síndrome de Sheehan)

DPP Conduta dos profissionais de enfermagem 
Conduta individualizada dependendo das seguintes condições ± gravidade do quadro ± idade gestacional ± grau de comprometimento materno-fetal

‡ JAQUELINE FAZER

DPP Caso Clínico
‡ ‡ ‡ ‡ ‡ JAQUELINE FAZER Nega Aqui tem um caso clinico www.scielo.br/pdf/rbgo/v24n3/a09v24n3.pdf E te mandei por email algumas condutas

PP Conceito
É a implantação de qualquer parte da placenta no segmento inferior da cavidade uterina, cobrindo parcial ou completamente a abertura do colo uterino.

PP Classificação 
Placenta Prévia total;  Placenta prévia parcial;  Placenta prévia-marginal;

PP Incidência 
0,5 a 1,0% das gestações.  1 em cada 200 nascimentos ²  a cada gestação: 
1:1500 primigravidas  1:20 pluríparas

PP Etiologia / Fatores de Risco
Multiparidade; Idade avançada; Tabagismo; História de abortamentos, cesarianas, operações ginecológicas anteriores;  Gravidez gemelar;  Malformações fetais; 

  

PP Fisiopatologia

PP Manifestações clínicas 
Hemorragia: sinal mais importante ± Geralmente ocorre no terceiro trimestre da gestação; ± Sangue vermelho vivo rutilante; ± Indolor; ± Noturna, na maioria dos casos; ± Surge e cessa espontaneamente; ± Intensidade variável; ± Sem causa aparente; ± Sem fatores desencadeantes identificáveis; ± Aumenta com os sucessivos episódios

PP Diagnóstico 
     Exame clínico Ultrassonografia transvaginal Ressonância magnética Exame dos anexos delivrados Toque vaginal é contra-indicado Diagnóstico diferencial
± ± ± ± ± ± Descolamento prematuro da placenta; Rotura uterina; Rotura do seio marginal; Placenta circunvalada; Lesões cervicais ² cervicite, câncer,etc. Lesões vaginais e vulvares.

US de placenta prévia

PP Tratamento

PP Complicações

PP Consequências para binômio mãe-filho mãe-

PP Conduta dos profissionais de enfermagem

PP Caso clínico

Quadro comparativo PP x DPP
Placenta prévia
Manifestações clínicas Sangramento Instalação insidiosa Hemorragia indolor, exceto durante as contrações 1º hemorragia moderada Hemorragia de repetição hemorragia externa, sangue vermelho brilhante hemorragia de surgimento inesperado hemorragia após amniotomia e com metrossístoles Útero Útero mole Contorno uterino preservado

DPP
Começo tempestuoso Dor forte Hemorragia grave Hemorragia única hemorragia interna inicialmente, depois exteriorizada, sangue escuro hemorragia vinculada à toxemia ou traumatismo hemorragia continua após amniotomia, com metrossístoles Utero hipertônico útero , contorno modificado dependendo da hemorragia oculta

Quadro comparativo PP x DPP
Placenta prévia
Apresentação BCF US Parcial de urina Tratamento Não insinuada (a placenta está obstruindo a insinuação) Presente e normal Faz o diagnóstico Normal CST (com feto vivo ou morto)

DPP
a altura da apresentação não tem significado no quadro clínico BCF presente ou ausente, cardiotoco anormal (sofrimento fetal) pode ser normal proteinúria e cilindros (Doença Hipertensiva Específica da Gestação) Feto vivo: CST; dúvida: CST; feto morto: vaginal

Referências Bibliográficas
‡ ‡ ‡ Batista de Souza, Ana Carolina; Prestes de Oliveira, Anny Cristyni; et al. - Descolamento Prematuro da Placenta "Abruptio Placentae³. Disponível em <http://www.epuc.com.br/JBM/Artigo.asp?cd_Edicao=92&ds_Numero=1&cd_Artigos=10 > Acesso em 03/10/09. REZENDE, J. MONTENEGRO Obstetrícia fundamental. 10. ed., Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, 2005. BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. SECRETARIA DE POLÍTICAS DE SAÚDE. ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE DA MULHER Urgências e emergências maternas: guia para diagnóstico e conduta em situações de risco de morte materna. Brasília, Ministério da Saúde, 2000. Souza E; Camano L - Descolamento Prematuro da Placenta. Rev. Assoc. Med. Bras. vol.52 no.3 São Paulo May/June 2006. Disponível em < http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-42302006000300008&script=sci_arttext> Acesso em 01/10/09. Descolamento Prematuro da Placenta. Disponível em <http://medmap.uff.br/index.php?option=com_content&task=view&id=228> Acesso em 01/10/09. Baracat, Edmund Chada; Zugaib, Marcelo ; Bernardo, Wanderley Marques. Atualização em diagnóstico e tratamento do descolamento prematuro da placenta (DPP), baseada em evidências e centrada no paciente. Rev. Assoc. Med. Bras. vol.52 no.5 São Paulo Sept./Oct. 2006. Disponível em < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010442302006000500011> Acesso em 01/10/09.

‡

‡ ‡

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful