Baterias de Testes sobre Direito das Obrigações

BATERIA 1: 1- (TJ/SC_2002) No que diz respeito à mora e aos seus efeitos, pode-se afirmar que: a) A renúncia dos direitos decorrentes da mora é forma de sua purgação; b) O devedor em mora responde pela impossibilidade da prestação, exceto nas hipóteses de caso fortuito e força maior; c) Ainda que agindo dolosamente, o devedor não tem responsabilidade pela conservação da coisa, na hipótese de mora do credor; d) A culpa do devedor não é requisito essencial à configuração da mora; e) Nas obrigações provenientes de delito, a mora se estabelece a partir da data da denúncia; 2- (TJ/ES_2003) Consoante as regras pertinentes ao direito obrigacional é correto afirmar que: A) O descumprimento de uma obrigação de fazer sempre se resolve em perdas e danos; B) O obrigação "propter rem" não possibilita a exoneração do devedor pelo abandono do direito real, renunciando o direito sobre a coisa; C) A solidariedade só pode resultar da vontade das partes; D) Incorre de pleno direito o devedor na cláusula penal, desde que, culposamente, deixe de cumprir a obrigação ou se constitua em mora; E) O fiador demandado pelo pagamento da dívida não tem o direito de exigir que primeiro seja excutidos os bens do afiançado; 3- (TJ/MT_2004) Acerca de responsabilidade civil, união estável e conflito de leis no tempo, julgue os itens abaixo. I Tratando-se de responsabilidade contratual, o termo inicial dos juros moratórios é o da data da citação do réu para responder a ação de reparação de danos. II Considere a seguinte situação hipotética. Meire, brasileira, solteira, diarista, foi vítima de atropelamento. Por ato culposo do condutor do veículo, Meire sofreu graves lesões corporais, que resultaram em deformidade permanente e conseqüente diminuição de sua capacidade laborativa. Nessa situação, o causador do dano deverá ser condenado ao pagamento dos danos materiais e morais, dos lucros cessantes e da pensão mensal. III Sobrevindo a morte do autor de uma herança em 13 de março de 2003, sendo ele convivente e não tendo deixado herdeiros necessários — à época descendentes e ascendentes —, o companheiro sobrevivente recolherá a herança em sua totalidade, não obstante a existência de herdeiros legítimos colaterais. IV No caso de situações jurídicas anteriormente constituídas e concluídas mas com efeitos pendentes , o u mesmo extintos, deve aplicar-se a lei nova, em

A quantidade de itens certos é igual a A 1. d) todas estão corretas. ou quando estiver em mora. II . b) desde a sentença c) desde o trânsito em julgado da sentença d) nenhuma das hipóteses acima. C 3. julgue as asserções abaixo e assinale a alternativa correta. d) mas não pode exceder a 2% (dois por cento) do valor da obrigação. d) Nenhuma das hipóteses acima. 5.(IX Concurso TRF 1ª Região) Em matéria obrigacional. não é necessário que o credor alegue prejuízo: a) por isto é sempre considerada como indenização máxima. c) somente a II e a IV estão corretas. que paga a dívida em nome e por conta do devedor.o terceiro não interessado. sendo inválida a cláusula prevendo ressarcimento suplementar. 6. b) somente a I e a IV estão corretas.a transmissibilidade automática constitui uma das características das obrigações ambulatórias. D 4. mesmo provando-se depois que não era credor. III . não pode pedir o reembolso.(XI Concurso TRF 3ª Região_2003) Para exigir a pena convencional por descumprimento de obrigação. B 2. 4. I .(X Concurso TRF 4ª Região_2001) Sobre cláusula penal. a) somente a I e a II estão corretas. . c) mas o Juiz deverá reduzi-la se o montante da penalidade for manifestamente excessivo.(X Concurso TRF 1ª Região_2004) Nas obrigações prevenientes do ato ilícito. 7. b) porém se o prejuízo exceder ao previsto na cláusula penal sempre o credor poderá exigir indenização suplementar.face da irretroatividade das leis.é válido o pagamento feito de boa-fé ao herdeiro aparente.(X Concurso TRF 1ª Região_2004) O Juiz pode reduzir a indenização: a) por analogia. tendo-se em vista a natureza e a finalidade do negócio.o devedor não responde pelos prejuízos resultantes de caso fortuito ou força maior. 8. b) por vontade própria c) houver excessiva desproporção entre a gravidade da culpa e o dano. assinalar a alternativa INCORRETA. IV . exceto quando se houver por eles responsabilizado. considera-se o devedor em mora: a) desde que praticou o ato.

ou protesto.(X Concurso TRF 4ª Região_2001) Relativamente à mora debitoris.I e II B . são exeqüíveis desde logo. (E)) porém. a mora começa desde a interpelação.(26º Concurso MP/DFT_2003) Julgue os itens abaixo. sem prazo. 11. d) Nas obrigações de abstenção. a prestação se tornar inútil ao credor. independentemente de interpelação. 10.II e IV D . 9. exista ou não boa-fé. a mora só começa com a citação válida em ação de cobrança. o devedor incorre em mora ao praticar o ato de que devia abster-se.II e III E . a realização de obra no subsolo. c) O valor da cominação imposta na cláusula penal não pode exceder o da obrigação principal. 127 do Código Civil). b) A constituição em mora é essencial nas obrigações provenientes de ato ilícito.(V Concurso TRF 5ª Região_2001) Os atos entre vivos. (A) e desde a assinatura do contrato encontra-se o devedor em mora. Estão corretos apenas os itens A . b) Se a cláusula penal for estabelecida para o caso de inexecução de determinada cláusula especial. II A distinção entre inadimplemento absoluto e relativo baseia-se no critério da utilidade do cumprimento da obrigação. (C) mas não se admite a mora do credor. desde que se vença o prazo da obrigação e tenha ele sido constituído em mora pelo credor. por causa da mora. . o credor poderá exigir a satisfação da cláusula cumulativamente com a da obrigação principal. inviabilizando o cumprimento tardio da obrigação. o fato de. cinco anos. é necessário que ocorra retardamento culposo no cumprimento de obrigação possível de ser realizada. mas inadimplemento absoluto. excepcionalmente. o credor poderá escolher entre fazer valer a cláusula ou. d) Incorre de pleno direito o devedor na cláusula penal. o direito de superfície abrange o direito de construir ou de plantar no terreno e. IV De acordo com o Código Civil. não se admite a mora do devedor. (D) contudo. por parte do devedor. III A usucapião de bens móveis pressupõe posse de.III e IV. I A posse direta sobre bens imóveis exclui temporariamente a posse indireta. alternativamente. assinalar a alternativa INCORRETA. salvo se a execução tiver de ser feita em lugar diverso ou depender de tempo (art. a) Para que exista mora. (B) todavia. a obrigação.I e III C .a) Estipulada a cláusula penal para o caso de total inadimplemento da obrigação. no mínimo. c) Não constitui mora. notificação.

Diante da situação hipotética acima descrita. entre Pedro e João. devendo ser reconhecido à vendedora o direito de reter parte da quantia paga pelo devedor para indenizar-se das despesas com o negócio e pela rescisão contratual. A Diante da recusa do pagamento pelo promitente comprador. A posse do imóvel foi transferida ao comprador no ato da assinatura do mencionado contrato. independentemente de interpelação judicial. obriga o fornecedor que a fizer veicular e integra o contrato que vier a ser celebrado com o consumidor. financiado em 60 parcelas mensais. com devolução do bem e do preço pago.(27º Concurso MP/DFT) Considere que foi firmado um contrato particular de promessa de compra de um bem imóvel. sem direito a qualquer indenização. como conseqüência. I . B Como conseqüência da resolução do contrato de promessa de compra e venda.II e IV E . Estão corretos apenas os itens A .III e IV. junto à instituição financeira. figurando como intermediária a Imobiliária Morar Bem. o comprador perde a posse do bem adquirido.12. julgue os itens a seguir. conforme disposições do Código Civil e Código de Defesa do Consumidor. II . extinto o contrato. veiculada por qualquer forma ou meio de comunicação. ensejando a reivindicação do imóvel. restando ajustado que enquanto o financiamento permanecer em nome do cedente. Assim. suficientemente precisa.I e II B . no qual foi inserida cláusula resolutiva expressa. o contrato se resolve de pleno direito e. nos seus respectivos vencimentos. bem como promover a interpelação ou qualquer outra medida judicial para ver reconhecido o seu direito. IV . também. ou restituição. sob pena de perder o valor do ágio e ser obrigado a devolver o imóvel ao cedente.Toda informação ou publicidade. o cessionário compromete-se a efetuar o pagamento das prestações do imóvel. III .I e IV C . C A cláusula contratual que prevê a perda total da quantia paga pelo devedor inadimplente inserida no contrato interpreta-se como sendo uma cláusula penal . as partes são restituídas à situação anterior. 13. torna-se injusta a posse do comprador.Os contratos de adesão nas relações de consumo só possuem validade se houver a assinatura do consumidor ao lado das cláusulas que implicarem limitação de direitos. indicando a opção correta. Ficou acordado. que o contrato não era sujeito à revisão.II e III D .A cobrança de juros moratórios nos contratos bilaterais pressupõe a existência de cláusula específica. dispensando-se o credor de notificar a parte inadimplente acerca da rescisão. com relação a produtos e serviços oferecidos ou apresentados.(26º Concurso MP/DFT_2003) Julgue os itens abaixo.Nem todo fornecedor é empresário.

I . pode pleitear. o princípio da força obrigatória dos contratos. E O contrato pactuado pelas partes caracteriza-se como um contrato preliminar. pelo término do prazo ou pela conclusão do negócio. bastando que escutem a leitura feita em voz alta pelo tabelião para eles e o testador. ainda. o de compra e venda. III e V. d) No regime de separação absoluta qualquer dos cônjuges. limitando a perda parcial da quantia paga pelo devedor. ocasião em que será realizado o contrato principal e definitivo. delegando-as a terceiros e prestando contas ao juiz. o testamenteiro exerce as funções. a) No testamento público a presença das testemunhas testamentárias a todo o ato não é exigido pela lei. imprescritíveis e intransmissíveis. enquanto o financiamento permanecer em nome do cedente. Estão CORRETAS: a) somente I. considerando-se. Na hipótese de ser convencionado valor excessivo da penalidade. 15. um contrato acessório que gera a obrigação de firmar um contrato principal. acerca de bens. e) todas as proposições. ou seja. IV e V.a finalidade da cláusula penal é prefixar as perdas e danos e não pode exceder o valor da obrigação principal. c) somente II. o contrato acessório foi feito com a condição de assim permanecer até a transferência do financiamento do imóvel. III . b) A cláusula penal moratória é exigível cumulativamente com a prestação e não exclui pedido de indenização a ser formulado pelo credor. c) As ações de estado dizem respeito ao ser humano.moratória.Na assunção de dívida não pode o novo devedor opor ao credor as exceções pessoais que competiam ao devedor primitivo. o vendedor não é obrigado a entregar a coisa antes de receber o preço. como autor ou réu. se improcedente. . Assim. enquanto sujeito de direitos e obrigações e. com a finalidade de garantir alternativamente o cumprimento da obrigação principal. o juiz pode proceder à redução.as despesas com o depósito. pela morte ou interdição de uma das partes.no contrato de compra e venda com pagamento à vista.(45º Concurso MP/MG) Assinale a opção INCORRETA. pela renúncia. isoladamente.cessa o mandato pela revogação. V . IV . sem qualquer vício do consentimento e não se tratando de relação de consumo e. II . II e III. D Tendo o negócio jurídico sido efetuado entre partes capazes. por isso são personalíssimas.(44º Concurso MP/MG) Analise as proposições abaixo. quando julgado procedente. por conta do devedor. IV e V. bem como prestar fiança. é válida a cláusula pela qual as partes ajustaram não pedir a revisão do contrato particular de promessa de compra e venda de imóvel financiado pelo sistema financeiro de habitação. d) somente III. 14. b) somente I. correrão por conta do credor e. e) Desempenhando de forma independente o “munus” público.

A 6.D 9. houve simplesmente confirmação da obrigação e não novação.A 2.(TJ/MG_2004/2005) João compra de Mário determinado bem.B 10. não havendo ressalva e não tendo intenção do credor de fazer circular o título. (B) Deve negar a rescisão. se houve mora.E 11.C 7.B 4.D 3. Não sendo pago o título na data aprazada. Vencido o prazo. (C) o pagamento é válido quando o recebedor tiver a aparência de credor e o . Contraída uma obrigação entre Clóvis e Miguel. sob fundamento de ter havido novação.C 12.C 14. fazendo circular o título. é INCORRETO afirmar que (A) o fiador do mutuário é terceiro interessado no pagamento do débito. com a emissão da nota promissória. apresentando a nota promissória nos autos.E 13.E 15. segundo ANTUNES VARELLA. com o vencimento do título. Assinale a decisão CORRETA do Juiz. mas Mário dele exigiu nota promissória. sendo o preço fixado para pagamento a prazo. necessário para caracterizá-la seria o protesto.(TJ/MG_2002/2003) Pagamento. sob fundamento de que. com a devolução do bem.Gabarito: 1. é a “realização real da prestação”. (C) Deve decretar a rescisão do negócio. João pediu prorrogação. (B) o terceiro interessado que paga a dívida sub-roga-se em todos os direitos do credor. mas sem qualquer ressalva. (A) Deve negar o pedido. entendendo que. 2. Mário pediu a rescisão do contrato.E BATERIA 2: 1. (E) Deve entender que a rescisão seria possível somente depois de o credor tentar o recebimento do título em execução frustrada. (D) Deve entender que o credor só poderia rescindir o contrato. se provasse ter tentado receber a importância.C 8.D 5. com o mesmo valor. com nova data de pagamento.

C) A novação subjetiva ativa realiza-se por expromissão ou por delegação. pelo qual o proprietário pode conceder a outrem o direito de construir ou plantar em seu terreno.(173º Concurso TJ/SP) (A) A compensação é um modo de extinção de obrigação. no Registro de Títulos e Documentos do domicílio do devedor. por dívidas líquidas. (B) Quando o pagamento é efetuado em quotas periódicas. por tempo determinado. por força de sentença judicial que a atribui a outrem. a quitação da última estabelece a presunção “juris tantum” de estarem solvidas as anteriores. B) Se a dívida é querable não se aplica a regra dies interpellat pro homine. celebrado por instrumento público ou particular. (D) Tendo-se em consideração a autonomia de vontade e a liberdade contratual. (C) A propriedade fiduciária de bem móvel constitui-se com o registro do contrato. diante da recusa de Márcio em receber o pagamento de prestação devida em razão de contrato entre ambos. (D) o credor pode ser compelido a receber antecipadamente a prestação. de pleno direito. até onde se eqüivalerem.(24º Concurso MP/DFT) Álvaro. 5. entre pessoas que são. (C) Chama-se evicção a perda da coisa. em se tratando de veículos.(175º Concurso TJ/SP) Assinale a alternativa incorreta entre as seguintes afirmações sobre subrogação e constituição de direitos. por si só não constitui o devedor em mora. na repartição competente para o licenciamento. devedora e credora uma da outra. não comporta exceção. a totalidade. (A) A sub-rogação opera-se.(TJ/ES_2003) Assinale a alternativa correta: A) A obrigação de resultado é aquela em que o devedor se obriga a usar de prudência e diligência normais na prestação de certo serviço para atingir um resultado. 4. ainda assim é inoperante a cláusula de não indenizar. ao mesmo tempo. constituise mediante escritura pública devidamente registrada no Cartório de Registro de Imóveis. exigindo prévia notificação. estabelecida por empresa que explora estacionamento de veículos. E) O inadimplemento da obrigação no seu termo. que lhe serve de título. vencidas e infungíveis. ainda que o prazo tenha sido estabelecido em seu benefício. por direito anterior ao contrato. ou. reciprocamente credor e devedor. 3. de qualquer um dos outros fiadores. D) A exigência legal de que só caberá compensação entre pessoas que são entre si. fazendose a anotação no certificado de registro.pagador estiver de boa-fé. em favor do adquirente do imóvel hipotecado. que paga a credor hipotecário. bem como do terceiro que efetiva o pagamento para não ser privado do direito sobre o imóvel. propôs contra o credor ação de . 6. (E) a presunção de pagamento pela entrega do título ao devedor é relativa. (B) O fiador que pagar integralmente a dívida fica sub-rogado nos direitos do credor e poderá demandar. (D) O direito de superfície.

que era incabível a consignação. julgando procedente a ação.(43º Concurso MP/MG) Para que seja possível a imputação do pagamento. III A natureza jurídica da consignatória é de “execução às avessas”. pode o credor ajuizar ação ordinária para receber a diferença a que entende fazer jus.consignação em pagamento da importância da qual se considerava devedor. não podendo o devedor alegar coisa julgada. pois estava em desacordo com cláusula que previa expressamente a forma de incidência de juros e de taxa de variação cambial para o reajuste da prestação. . preliminarmente. IV e V. Em face dessa situação hipotética. já que os pedidos das ações não são idênticos. esgotando-se a cognição do juiz na questão relativa ao valor da prestação e à recusa do credor. Após a contestação. fundada no contrato firmado entre as partes. C) II. pois a propositura da ação de consignação não obsta a que o credor. um deles mais antigo que o(s) outro(s). sem que necessitasse obter alvará judicial autorizando o depósito. o juiz decidir que o valor do depósito é suficiente. V Se. e que a quantia ofertada era inferior àquela prevista no contrato. Não poderia. c) Dois ou mais débitos de um devedor a um só credor. daí porque a defesa do credor não é feita por contestação mas por embargos. de posse de título executivo. pois o autor estava em mora. Estão certos apenas os itens A) I. d) Dois ou mais débitos de um devedor a um só credor. ainda que ilíquidos. de igual valor. porque proposta pelo devedor. O réu contestou a ação. proponha contra o devedor execução daquela mesma dívida. D) III. b) Dois ou mais débitos de um devedor a um só credor. B) I. com vencimentos distintos. da mesma natureza. a discussão acerca da validade da cláusula contratual — suscitada pelo autor — ser objeto de exame na consignatória. II O juiz agiu equivocadamente ao determinar a suspensão da execução. em vez de propor ação judicial. uma vez não-recusado pelo credor. o cabimento da ação de consignação em pagamento. mas com vencimentos simultâneos. Compete ao órgão judicial fixar o entendimento correto e julgar procedente ou improcedente o pedido. importaria em liberação do devedor da obrigação. por ser esta ação de cognição sumária. julgue os itens a seguir. efetuar o depósito em favor do credor em conta com correção monetária em agência bancária. inexistindo litispendência na hipótese. o qual. positivos. IV Poderia o devedor. I A divergência das partes na interpretação de cláusula contratual relativa ao reajuste da prestação não exclui. na consignação. II e III. deverão concorrer os seguintes requisitos: a) Dois ou mais débitos de um devedor a um só credor. II e IV. porque nula a cláusula que previa a incidência de reajuste com base na variação cambial. alegando. conforme seja bastante ou não o depósito. assim. havendo o juiz determinado a suspensão da execução até o julgamento da consignatória. o credor ajuizou execução da prestação em atraso. IV e V. por si só. 7.

E ( ) Nas obrigações alternativas. se outra coisa não se estipulou.C 9. A ( ) É facultado a terceiro assumir a obrigação do devedor. exceto se for mais valiosa. (C) pode o credor exigir do devedor parte em uma prestação e parte em outra.A 5. 9.D 8. (B) pode o devedor obrigar o credor a receber parte em uma prestação e parte em outra. assinale a alternativa CORRETA.positivos e vencidos. era insolvente e o credor o ignorava. B ( ) A solidariedade não se presume.(TJ/SC_2002) Nas obrigações alternativas.(OAB/MG_2005) Quanto ao adimplemento e extinção das obrigações. com o consentimento expresso do credor. se outra coisa não se estipulou. Gabarito: 1. ficando exonerado o devedor primitivo.B 7. e) Dois ou mais débitos de um devedor a um só credor. (D) a escolha cabe ao devedor.(Polícia Civil/MG_2003) Considerando os dispositivos do Código Civil em vigor sobre o Direito das Obrigações. constituídos de capital e juros.B 4.D 3.C 2. resulta somente da lei. 8.(TJ/DFT_2003) Nas obrigações alternativas: (A) a escolha cabe ao credor. 2. é correto afirmar-se que: . c) A entrega do título ao devedor firma a presunção do pagamento. salvo se aquele. ao tempo da assunção. é CORRETO afirmar: a) O credor não é obrigado a receber prestação diversa da que lhe é devida.A BATERIA 3: 1. d) O pagamento cientemente feito a credor incapaz não é válido. D ( ) Dá-se a novação quando o credor aceita receber prestação diversa da que lhe é devida. de igual valor. o segundo mais antigo que o primeiro.B 6. a escolha cabe ao credor. se outra coisa não se estipulou. mesmo que o devedor prove que em beneficio dele efetivamente reverteu. b) A quitação somente poderá ser dada por instrumento público. C ( ) O pagamento reiteradamente feito em outro local não faz presumir renúncia do credor relativamente ao previsto no contrato.

não sendo o devedor culpado. alternativamente.Na obrigação de dar. aceitar a coisa.a) a escolha cabe sempre ao credor. se houver perda da coisa. (B) os devedores solidários não culpados respondem somente pelo encargo de pagar o equivalente. A . e) em se tratando de prestações anuais. a obrigação não se extingue. a opção. fica resolvida a obrigação para ambas as partes: tem aplicação o princípio res perit domino. deixe de cumprir a obrigação ou se constitua em mora. E . 5. sempre que lhe convier.As dívidas decorrentes de prática de jogo não proibido não obrigam o pagamento. desde que. uma vez feita. poderá o credor resolver a obrigação ou. (D) os devedores solidários não culpados respondem somente por perdas e danos decorrentes da impossibilidade. o credor poderá reclamar o valor de ambas. E) O fiador demandado pelo pagamento da dívida não tem o direito de exigir que primeiro seja excutidos os bens do afiançado.fiador poderá exonerar-se da fiança que tiver assinado sem limitação de tempo. sem culpa do devedor.A dação em pagamento constitui-se em recebimento de prestação diversa da que é devida. B) O obrigação "propter rem" não possibilita a exoneração do devedor pelo abandono do direito real. d) tornadas impossíveis as prestações. ainda que inexistente culpa do credor. ficando obrigado por todos os efeitos da fiança. (C) fica insubsistente a solidariedade passiva.(174º Concurso TJ/SP) Tornando-se impossível a prestação por culpa de um dos devedores solidários. C) A solidariedade só pode resultar da vontade das partes. renunciando o direito sobre a coisa. D . antes da tradição. c) inexeqüíveis ambas as obrigações. passando o devedor que impossibilitou a prestação a responder isoladamente pelo encargo de pagar o equivalente e pelas perdas e danos decorrentes. D) Incorre de pleno direito o devedor na cláusula penal. 4. pressupõe o consentimento do credor. culposamente. abatido de seu preço o valor que perdeu.(TJ/ES_2003) Consoante as regras pertinentes ao direito obrigacional é correto afirmar que: A) O descumprimento de uma obrigação de fazer sempre se resolve em perdas e danos. 3. . é obrigatória para todas as prestações.Na obrigação de dar. B . b) podem as partes convencionar que a escolha caiba ao credor. (A) subsiste para todos o encargo de pagar o equivalente e as perdas e danos decorrentes da impossibilidade.(26º Concurso MP/DFT) Assinale a alternativa incorreta. se houver deterioração da coisa. salvo quando o pagamento for em pecúnia e em substituição à entrega de coisa. antes da entrega. C .

(43º Concurso MP/MG) A compromissou-se em face de B. da espécie obrigação de dar. por descuido de “X”. o qual contratou uma cara festa para a exibição do quadro adquirido. por negligência do devedor. (B) solidária. A. da espécie obrigação de fazer. titular do direito subjetivo. às vésperas do prazo avençado. para o efeito da satisfação do interesse jurídico do credor. cuja inexecução deve-se ao perecimento culposo da coisa. por conseqüência. funcionário de “A” e “B”. incumbindo-lhe. divisível com o perecimento do objeto da prestação. sendo indivisível a prestação.(123º Exame OAB/SP) “A” e “B” obrigaram-se a entregar a “C” e “D” um boi de raça. sempre com direito à indenização por perdas e danos. desde que este lhe dê caução de . bem como à devolução do preço pago. Analise a situação e assinale a alternativa correta: a) Trata-se de dívida portável. d) Trata-se de dívida quesível. da espécie obrigação de dar. em face da impossibilidade de proceder à entrega. respondendo objetivamente “A” e “B” pela culpa de seu empregado “X”. negligentemente.(OAB/PB_2004) O Código Civil estabelece. restando o devedor obrigado à entrega de outra. cujo devedor culposo. obrigando-se a proceder à tradição da coisa no próprio domicílio do credor. Ocorre que. ao tentar limpá-la. tornando-se divisível com o perecimento do objeto. 6. 8. inutilizou a obra de arte. relativamente à entrega de um quadro pintado por artista plástico consagrado. cuja impossibilidade de adimplir obrigará o devedor culposo ao pagamento do equivalente em dinheiro. 7. (C) indivisível. de igual qualidade e quantidade. sem culpa dos devedores “A” e “B” e sem responsabilidade destes. c) Trata-se de dívida quesível. antes da tradição. b) Trata-se de dívida portável. o devedor se desobrigará pagando a apenas um deles. com relação às obrigações divisíveis e indivisíveis que: (A) diante da pluralidade de credores. mais perdas e danos. objeto da prestação. sendo certo que a ocorrência da perda total do objeto. da espécie obrigação de dar. com responsabilidade dos devedores “A” e “B”. cujo objeto pereceu por culpa do devedor. e) Trata-se de dívida portável. que se tornou divisível pela perda do objeto da prestação. estará obrigado. da espécie obrigação de fazer. com responsabilidade dos devedores “A” e “B”.durante 60 (sessenta) dias após a notificação do credor. ou exigir o equivalente. pela culpa de “X”. tão apenas. por culpa de seu funcionário. seu funcionário. o dever de responder pelo equivalente. implicará na dupla possibilidade de o credor aceitá-la no estado em que se acha. (D) simplesmente. por inteiro. ante a perda do objeto da obrigação. que fugiu por ter sido deixada aberta a porteira. Pode-se dizer que a obrigação é (A) indivisível. à indenização por perdas e danos ao credor. de caráter imaterial (infungível a coisa).

a obrigação resolvida em perdas e danos não se descaracteriza como tal. em beneficio do credor ou de terceira pessoa. parcial ou totalmente. b) A um dos credores solidários pode o devedor opor exceções pessoais oponíveis aos outros. no contrato de consignação. o credor deverá recebê-la por partes do devedor. (C) quando se trata de obrigação divisível. independente de Ter pago ou não integralmente o preço. 10.A 7.A 8. mais perdas e danos.B 4. d) A obrigação de fazer é aquela que vincula o devedor à prestação de um serviço ou à realização de um ato positivo. cada um será responsável pela dívida toda.B 3.D 2. Gabarito: 1. só incorre na pena (cláusula penal) o devedor ou herdeiro do devedor que a infringir. a dívida. d) O consignatário. importará renúncia da solidariedade a propositura de ação pelo credor contra um ou alguns dos devedores. material ou imaterial.(OAB/PR_2003) Assinale a alternativa INCORRETA: a) Obrigação é a relação jurídica na qual um determinado sujeito se obriga a realizar uma prestação em favor de outro. c) O credor tem direito a exigir e receber de um ou de alguns dos devedores. (D) quando indivisível. se esta se perder por culpa do devedor. este responderá pelo equivalente. Trata-se de uma obrigação positiva. está sujeito a sofrer penhora por parte de seus credores sobre a coisa que está em seu poder. 9.D 6.ratificação dos outros credores.(OAB/MS_2004) Assinale a questão correta: a) Quando a obrigação for divisível. pois existem obrigações cuja prestação não é de caráter patrimonial.A . c) A solidariedade não se presume.D 5. (B) havendo dois ou mais devedores. e proporcionalmente à sua parte na obrigação. b) Nas obrigações de dar a coisa certa. e o conteúdo desta prestação não é necessariamente patrimonial. resulta da lei ou da vontade das partes. mesmo que a prestação seja divisível. seu ou de terceiro.

(D) a resolução judicial só será admissível se o autor comprovar que já cumpriu . c. (D)) no domicílio do devedor.(Defensoria Pública/MA_2003) Salvo disposição legal ou contratual em contrário ou diferente. (E) no domicílio do credor. para não ferir o princípio da autonomia da vontade. 3. (C) indistintamente no domicílio do credor ou do devedor. considerando-se as disposições do Código Civil/2002: a.A BATERIA 4: 1. (B)) os efeitos de sua resolução judicial retroagirão à data da citação. mas se reiteradamente feito em outro local faz presumir renúncia do credor relativamente ao previsto no contrato. não fazendo isto presumir renúncia a disposição contratual.A 10. independe da anuência expressa do credor. A assunção da dívida não exonera o devedor primitivo. exceções essas que se transferem ao assuntor como efeito da própria assunção da dívida. 2. a resolução não poderá ser evitada. em virtude de acontecimentos extraordinários e imprevisíveis. a critério deste. validando-se a transferência do débito se o credor. notificado. As garantias especiais. ainda que reiteradamente feito em outro local. com extrema vantagem para a outra. ficando a sua obrigação intacta até que o assuntor cumpra a obrigação. (B) no domicílio do credor. (A) por se tratar de direito potestativo da parte prejudicada. b.(TJ/SC_2003) Assinale. desde que não haja prejuízo para aquele. (C) o Juiz só poderá acolher o pedido de resolução se houver concordância do réu. d. e.9. podendo porém o devedor fazê-lo noutro local. o pagamento efetuar-se-á (A) em se tratando de prestações periódicas alternadamente no domicílio do devedor e do credor. A validade da assunção de uma dívida.(Defensoria Pública/MA_2003) Nos contratos de execução continuada ou diferida. entre as afirmações a seguir. qual a correta. não impugnar essa transferência no prazo de 30 (trinta) dias. ou em razão da natureza da obrigação. por terceiro. O novo devedor pode opor ao credor as exceções pessoais que cabiam ao devedor primitivo. originariamente dadas pelo devedor primitivo ao credor extinguem-se a partir da assunção por terceiro da dívida garantida. se a prestação de uma das partes se tornar excessivamente onerosa. não subsistindo mesmo que o devedor primitivo concorde expressamente com ela. Em se tratando de imóvel hipotecado aquele que o adquirir pode tomar a seu cargo o pagamento do débito garantido. ainda que o réu na ação de resolução ofereça modificar eqüitativamente as condições do contrato.

ainda que anulada a substituição.(TJ/MG_2002/2003) A transmissibilidade das obrigações pode se dar por vontade das partes. (A) subsiste para todos o encargo de pagar o equivalente e as perdas e danos decorrentes da impossibilidade. (D) Todas as proposições são falsas. (C) os créditos inalienáveis por natureza. nesta hipótese. se a parte que as recebeu não executar o contrato. Sobre esta cessão é INCORRETO afirmar que (A) pode ocorrer a título oneroso ou gratuito. IV) Nas arras penitenciais.(TJ/MG_2003/2004) Leia com ATENÇÃO as proposições abaixo. 4. juros e honorários de advogado. exonerado definitivamente o devedor primitivo e extintas. III e IV são verdadeiras. tal como contraído. e exigir sua devolução mais o equivalente. nas cessões onerosas. Considerando as proposições supra. todas as garantias que não se restabelecem. estando revogadas as exceções antes previstas na legislação especial. III) Segundo o novo Código Civil brasileiro.(174º Concurso TJ/SP) Tornando-se impossível a prestação por culpa de um dos devedores solidários. (E) a resolução judicial só produzirá efeitos a partir do trânsito em julgado da sentença. ficando. (B) os devedores solidários não culpados respondem somente pelo encargo de . marque a alternativa CORRETA. Não é admissível indenização suplementar. (E) As proposições I.pelo menos 40% (quarenta por cento) de sua obrigação. com atualização monetária segundo índices oficiais regularmente estabelecidos. por força de lei ou por convenção entre credor e devedor não podem ser objeto de cessão. 6. “A cessão de crédito enfoca a substituição. (C) As proposições I.” (Sílvio de Salvo Venosa). com o consentimento expresso do credor. (B) o crédito é transferido intacto. é nula toda e qualquer convenção de pagamento em ouro e moeda estrangeira. (E) o cessionário não pode tomar medidas protetivas de seu crédito. II e IV são verdadeiras. antes de notificar o devedor. poderá a que as deu haver o contrato por desfeito. II) Pode terceiro assumir a obrigação do devedor. da figura do credor. 5. pode o devedor opor a um dos credores solidários as exceções pessoais oponíveis aos outros. (B) As proposições I e II são verdadeiras. por ato entre vivos. automaticamente. bem como para compensar a diferença entre o valor desta e o da moeda nacional. (D) o cedente garante ao cessionário a existência do crédito. (A) Todas as proposições são verdadeiras. I) Nas obrigações em que há solidariedade ativa.

O devedor pode opor a todos os credores solidários as exceções pessoais que tiver contra um deles. assinale a alternativa correta: a. (D)I e V. o julgamento favorável a um dos credores solidários aproveita os demais credores solidários. Na obrigação de dar coisa certa. e.(Procuradoria/BA_2002) I. O devedor só pode compensar com o credor o que este lhe deve.(IX Concurso TRF 1ª Região) Em matéria obrigacional. ocorre no momento da escolha da prestação devida. O pagamento feito ao credor aparente é válido. ou quando estiver em mora. (C)I e II. III. mas o fiador não pode compensar sua dívida com a de seu credor ao afiançado. 8. APENAS está correto o que se afirma em (A)III e IV. julgue as asserções abaixo e assinale a alternativa correta. V. Mesmo que o julgamento favorável a um dos credores solidários se funde em exceção pessoal ao credor que o obteve. I . exceto quando se houver por eles responsabilizado.(TJ/SC_2003) Considerando os dispositivos do Código Civil de 2002. A concentração de débito. De regra. (D) os devedores solidários não culpados respondem somente por perdas e danos decorrentes da impossibilidade. II. aproveita aos demais credores solidários. IV. (C) fica insubsistente a solidariedade passiva. (B)IV e V. na obrigação de dar coisa incerta. 7.pagar o equivalente. O julgamento contrário a um dos credores solidários atinge todos os demais credores solidários. (E)II e III. A conversão da prestação em perdas e danos faz desaparecer a solidariedade ativa. d. ainda que quando haja prova subseqüente da sua condição. c. 9. b. .o devedor não responde pelos prejuízos resultantes de caso fortuito ou força maior. Uma das características da transação é a sua divisibilidade. o devedor só pode substituir a prestação oferecendo uma mais valiosa ao credor. passando o devedor que impossibilitou a prestação a responder isoladamente pelo encargo de pagar o equivalente e pelas perdas e danos decorrentes.

é válido o pagamento feito de boa-fé ao herdeiro aparente. (d) a obrigação resultante da relação paciente-médico é sempre de meio.C 2. quanto à relação paciente-médico e à relação paciente-hospital.B 7.o terceiro não interessado. que paga a dívida em nome e por conta do devedor.D 3.C 8. salvo prova de intervenção de fator imprevisível. IV .D 5. a) somente a I e a II estão corretas. nas cirurgias plásticas de correção de defeito físico e embelezamento.C .D 10. b) somente a I e a IV estão corretas. é correto afirmar-se que: (a) a relação paciente-hospital é regulada pela responsabilidade civil subjetiva. força maior ou caso fortuito. mesmo provando-se depois que não era credor. 10.E 6. não pode pedir o reembolso.II . III . (e) nenhuma das alternativas anteriores está correta.E 9.a transmissibilidade automática constitui uma das características das obrigações ambulatórias. Gabarito: 1.B 4. c) somente a II e a IV estão corretas. (b) a relação paciente-médico não é contratual.(XLII Concurso MP/RS) À solução de questões que envolvem danos decorrentes de erro médico. d) todas estão corretas. (c) a obrigação resultante da relação paciente-médico é de resultado.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful