Você está na página 1de 14

MEMORIAL DESCRITIVO

 HABITAÇÃO
 EQUIPAMENTO COMUNITÁRIO

IDENTIFICAÇÃO:

Proponente : SINDUSCON
Construtora :
Empreendimento : PROJETO REFERENCIA
Endereço : Cidade: FORTALEZA

MEMORIAL DESCRITIVO
CONSIDERAÇÕES GERAIS
O presente memorial tem como objetivo apresentar os modos construtivos e materiais empregados para
que venham a servir de balizamento na execução de um bloco com oito apartamentos do programa PAR, vindo
assim a servir de projeto referencia da CAIXA ECONÔMICA FEDERAL. Foi considerado como um
empreendimento composto por 160 apartamentos distribuídos em 20 blocos com 08 apartamentos cada.

1 SERVIÇOS PRELIMINARES E GERAIS

1.1 SERVIÇOS TÉCNICOS


O projeto de Topografia deverá apresentar medidas reais do terreno com ângulos, curvas de níveis, arvores de grande porte,
localização de rede pública de água, esgoto, telefone e energia, nível de referência, localização em relação as ruas
próximas e cálculo de área total. Os serviços serão executados conforme projetos, especificações técnicas e normas
técnicas vigentes. Em caso de incompatibilidade entre peças técnicas (projetos, especificações, Quadros da NB ou
planilhas orçamentárias) prevalece o que for mais vantajoso para a CAIXA, a critério da GIDUR.

1.2 DESPESAS INICIAIS


Consiste nas cópias de projetos, especificações e demais documentos necessários ao bom desenvolvimento da obra e
acompanhamento por parte da CAIXA, assim como taxas e impostos exigidos pelos órgãos públicos.

1.3 INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS


Será implantado canteiro de obras dimensionado de acordo com o porte e necessidade da obra, com no mínimo sala
técnica administrativa, almoxarifado, depósito para guarda de cimento, sanitário, lavatório e refeitório. Placas conforme
modelo padronizado da CAIXA ECONÔMICA FEDERAL, a ser fixada em local frontal à obra e em posição de destaque.
Esta placa nunca poderá ser menor que a maior placa afixada. As placas serão em chapa de aço zincado, montadas em
molduras de madeira, constando de: placas com os nomes, atribuições e registros dos profissionais responsáveis
conforme exigência do CREA e Prefeitura Municipal.

1.5 MÁQUINAS E FERRAMENTAS


Serão fornecidos todos os equipamentos como betoneiras, serras circulares, vibradores, carros de mão e ferramentas
adequadas de modo a garantir o bom desempenho da obra.

1.6 CONSUMOS
Referente as despesas com o consumo das instalações provisórias de água, energia, telefone e outros.

1.7 LIMPEZA PERMANENTE DA OBRA


A obra será mantida permanentemente limpa.

1.9 ADMINISTRAÇÃO DA OBRA


A obra será gerenciada por um engenheiro residente que comandará e coordenará uma equipe constituída no mínimo por
um mestre geral, assistente administrativo e dois vigias. A obra será suprida de todas as providências, materiais e
equipamentos de proteção, necessários para garantir a saúde, segurança e higiene dos operários, de acordo com as NR-
Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho.

MEMORIAL DESCRITIVO HABITAÇÃO versão março/2005 1


2 INFRA ESTRUTURA

2.1 TRABALHOS EM TERRA


Quando houver demolições a serem feitas no terreno objetivo da construção, os escombros oriundos das mesmas
deverão serem retirados do canteiro de obra, não sendo permitido a utilização de materiais provenientes dos mesmos.

2.1.4 ESCAVAÇÕES MANUAIS


Compreende a escavação realizada com utilização de ferramentas manuais para execução de alvenaria de uma vez no
perímetro do bloco (baldrame), remoção de taludes e rampas resultantes da escavação mecânica. Será executada nos
limites e profundidade determinadas em projeto.

2.1.5 ATERRO E APILOAMENTO


Será executado com areia isenta de matéria orgânica conforme projeto, aplicado em camadas sucessivas de no máximo
20cm convenientemente aguadas e apiloadas. O apiloamento das camadas caso necessário e conveniente será
empregado o uso de compactador mecânico.

2.1.6 LOCAÇÃO DA OBRA


A locação da obra obedecerá aos afastamentos e alinhamentos projetados bem como os RN’S das ruas. Será utilizado o
processo de tábua corrida com auxílio de trena, escalas, esquadros, mangueira de nível e equipamentos de topografia.
Serão empregados para a fixação dos pregos definidores de alinhamento, tábuas de 1” x 10cm fixadas em estroncas
espaçadas a cada 2,50 m. A definição dos níveis de piso e outros, será feita com o emprego de mangueira de plástico. O
piso interno das habitações ficarão pelo menos a 0,20m acima do nível da rua interna.

2.2 FUNDAÇÕES E OUTROS SERVIÇOS

2.2.4 FUNDAÇÕES SUPERFICIAIS


Serão executas fundações superficiais corridas e diretas em Concreto Armado, conforme projeto estrutural. Assentes
sobre aterro contido por alvenarias de contenção (BALDRAMES). Sobre o aterro apiloado em camadas de no máximo
20 cm molhadas e compactadas manual e ou mecanicamente, será colocada lona de plástico sob as fundações, (com
objetivo de reter a água do concreto, bem como reter possíveis infiltrações do terreno), para só então ser executado o
concreto. As formas serão em madeira tipo virola com 1” de espessura. As armaduras serão em aço CA 50 e CA 60 tudo
rigorosamente em conformidade com o projeto estrutural.

2.2.5 VIGAS, BALDRAMES E ALAVANCAS


Com o objetivo de conter o aterro onde serão assentes as fundações, será executado baldrame em alvenaria de tijolo
cerâmico de uma vez, conforme projeto estrutural.

3 SUPRA ESTRUTURA
O tipo de sistema estrutural será convencional com alvenarias auto-portantes conforme projeto estrutural, com pilares e
vigas de concreto armado onde se fizer necessário, também especificado em projeto.

3.1 CONCRETO ARMADO

Forma
Deverá ser seguido rigorosamente conforme projeto estrutural e será executado com tabuas de madeira do tipo virola. As
tabuas serão serradas com equipamentos adequado e terão suas emendas coincidindo com as escoras quando for o
caso. Serão utilizados pregos de 2” x 12 e 2.1/2” x 10 para a fixação das formas. Previamente a colocação das
armaduras toda a forma deverá ser limpa e antes da concretagem abundantemente molhada. A desforma deverá ser
executada sem choques agressivos, por pessoal treinado e orientado, usando ferramentas adequadas

Armação
Deverá ser obedecida rigorosamente as dimensões, bitolas,ângulos e dobramentos, quantidade e disposição na “forma”,
de acordo com o previsto no projeto estrutural. Todo ferro em rolo ou barras deverá ser estocado em galerias bem
definidas e sobre lastro de brita ou pontaletes de madeira, de forma a evitar o contato direto com o terreno para evitar a
oxidação. A disposição das armaduras na fôrma deverá reproduzir os espaçamentos, recobrimentos, distribuição e
quantidades previstas nos projetos. Para garantir o recobrimento das peças, será adotado o uso de “cocadas” (peças em
cimento e areia grossa 1:3 de 5 x 5 cm na espessura determinada pelo recobrimento) nas vigas, pilares, etc, quantas
forem necessárias. Antes da armação ser colocada nas fôrmas, deve-se ter o cuidado de verificar se ela está isenta de
qualquer impureza capaz de comprometer a boa qualidade dos serviços, tal como a existência de graxa, óleo, pintura,
lama e ferrugem solta.
MEMORIAL DESCRITIVO HABITAÇÃO versão março/2005 2
Concreto
Deverá obedecer dosagem racional determinada em laboratório para atingir o fck previsto no projeto estrutural. O
preparo do concreto na obra obedecerá a controle tecnológico próprio com traço previamente ensaiado e que assegure o
fck estabelecido pelo projeto. Quando destinados a peças esbeltas o agregado graúdo terá granulométria do tipo 0 e 1.
Previamente ao lançamento do concreto, todas as fôrmas deverão ser abundantemente molhadas. O adensamento do
concreto será mecânico, usando-se vibradores de imersão de 32mm. Durante o adensamento, cuidado especial deve ser
dado para manter as tubulações embutidas e passagens de instalações em seus locais de origem de forma a evitar
entupições ou reabertura de furos. Todas as superfícies expostas de concreto, deverão receber tratamento de cura tão
logo termine o processo de “pega”.

3.2 LAJES PRÉ-MOLDADA PISO


Serão executadas com lajes mistas do tipo volterrana. Obedecerá as recomendações do projeto estrutural quanto ao
tipo, quantidade de armaduras e resistência do concreto. A desforma das vigotas transporte para local de estocagem e
cura requer sérios cuidados tendo como objetivo evitar deformações, trincas, etc. O tempo mínimo de cura até a
utilização final é de 28 dias. Todos os vãos devem ser escorados com tábuas de virola 1” x 6”, colocadas a espelho sobre
pontaletes. A distancia máxima de escoramento entre guias é de 1,50m. A primeira fiada é iniciada sempre com lajota
apoiada sobre a parede. Quando do capeamento, as lajotas e vigotas devem ser bem molhadas antes da execução do
mesmo. O concreto deve ser bem adensado com colher de pedreiro para que penetre nas juntas entre as vigas e tijolos.
Nos três primeiros dias após o lançamento do concreto deve-se molhar bem a superfície da capa.

3.3 LAJES PRÉ-MOLDADA FORRO


Serão executadas com lajes mistas do tipo volterrana. Obedecerá as recomendações do projeto estrutural quanto ao
tipo, quantidade de armaduras e resistência do concreto. A desforma das vigotas transporte para local de estocagem e
cura requer sérios cuidados tendo como objetivo evitar deformações, trincas, etc. O tempo mínimo de cura até a
utilização final é de 28 dias. Todos os vãos devem ser escorados com tábuas de virola 1” x 6”, colocadas a espelho sobre
pontaletes. A distancia máxima de escoramento entre guias é de 1,50m. A primeira fiada é iniciada sempre com lajota
apoiada sobre a parede. Quando do capeamento, as lajotas e vigotas devem ser bem molhadas antes da execução do
mesmo. O concreto deve ser bem adensado com colher de pedreiro para que penetre nas juntas entre as vigas e tijolos.
Nos três primeiros dias após o lançamento do concreto deve-se molhar bem a superfície da capa.

3.4 CINTA DE CONCRETO


Terão todos os cuidados destinados ao concreto armado e serão executas em conformidade com o projeto estrutural.

3.5 ESCADA
Será executada conforme projeto especifico, com degraus em pré-moldados de concreto, apoiados em alvenaria.

3.6 PÉRGOLAS
Quando indicada a colocação de pérgolas entre blocos, estas deverão ser executadas e fixadas conforme detalhes.

4 PAREDES E PAINEIS

4.1 ALVENARIAS

4.1.1 TIJOLO FURADO


Serão executadas em alvenaria de tijolos cerâmicos de oito furos (9 x 18 x 18 cm), com arestas retas na espessura de ½
vez, assentados com argamassa no traço de 1 : 4 : 2 (Cimento : Areia Grossa : Areia Vermelha), locadas de acordo com
projetos e rigorosamente a prumo e niveladas com espessura uniforme de argamassa entre fiadas de aproximadamente
1,5cm.
Os resultados dos ensaios tecnológicos realizados devem demonstrar o atendimento das
normas brasileiras e ao projeto estrutural.

4.1.5 VERGAS E CONTRA-VERGAS DE CONCRETO


Serão executadas em concreto armado conforme projeto estrutural.

4.1.7 PORTADAS
Compreende o enchimento e regularização das testadas de abertura de portas destinadas a receber forramento.
Deverão ser identificados os pontos onde foram deixados os tufos. A execução das portadas precede a colocação dos
forramentos e será executada com a mesma argamassa do reboco. Serão assentados nas portadas tufos de madeira de
lei de 1ª qualidade nas dimensões de 4 x 4 x 1” chumbados a alvenaria com argamassa de cimento e areia grossa no
traço de 1:3. Os tufos serão isolados com pixe líquido e colocados 05 pregos asa de mosca em cada face. Serão
colocados 03 unidades em cada lateral nas alturas de 30, 100 e 180cm de baixo para cima respectivamente. Os tufos
ficarão faceando as portadas e deverão estar a prumo perfeito. A colocação dos tufos dar-se-á simultaneamente a
execução da alvenaria inclusive pelo mesmo pessoal.
MEMORIAL DESCRITIVO HABITAÇÃO versão março/2005 3
4.2 ESQUADRIAS METÁLICAS

4.2.1 ALUMÍNIO
Serão em alumínio anodizado fosco conforme projeto e deverão ser detalhada e relacionados os perfis pelo fabricante
fornecedor com detalhes de contra-marco e acabamentos.

4.2.1.1 JANELAS

JANELAS E BASCULANTES

Sala Alumínio Módulo Prático de Correr (Alumínio + Vidro) 2.00 x 1.20 m ALCOA
Anodizado Fecho Virgula para Esquadria de Correr FEC 882 CBA / METAL PLUS
Fosco / 885 fosco BELMETAL
Sala Alumínio Módulo Prático de Correr (Alumínio + Vidro) 1,20 x 1.20 m ALCOA
Apartamento Anodizado Fecho Virgula para Esquadria de Correr FEC 882 CBA / METAL PLUS
Térreo c/ Fosco / 885 fosco BELMETAL
Varanda

Dormitório 1 Alumínio Módulo Prático de Correr (Alumínio + Vidro) 1.05 X 1.20 m ALCOA
Anodizado Fecho Virgula para Esquadria de Correr FEC 882 CBA / METAL PLUS
Fosco / 885 fosco BELMETAL
Dormitório 2 Alumínio Módulo Prático de Correr (Alumínio + Vidro) 1.05 X 1.20 m ALCOA
Anodizado Fecho Virgula para Esquadria de Correr FEC 882 CBA / METAL PLUS
Fosco / 885 fosco BELMETAL
Cozinha/ Área Alumínio Módulo Prático de Correr (Alumínio + Vidro) 1.00 X 1.00 m ALCOA
de Serviço Anodizado Fecho Virgula para Esquadria de Correr FEC 882 CBA / METAL PLUS
Fosco / 885 fosco BELMETAL
Banheiro Alumínio Módulo Prático Maximar (Alumínio + Vidro) 0.60 X 0.50 m ALCOA
Social Anodizado Fecho Punho para Maximar FEC 123 Fosco CBA / METAL PLUS
Fosco BELMETAL
Hall de Escada Alumínio Módulo Prático Fixa (Alumínio + Vidro) 0.80 X 0.50 m ALCOA
Anodizado CBA / METAL PLUS
Fosco BELMETAL

4.2.2 ESQUADRIAS DE FERRO


Serão confeccionados de acordo com o detalhamento apresentado em projeto no que se refere a dimensões, tipos, locais e
perfis.

ESQUADRIAS ESPECIAIS, PORTÕES, GRADES, BOX, CORRIMÃOS, ARMADORES

AMBIENTE MATERIAL TIPO E MODELO DIMENSÃO MARCA

Casa de Gás Metálico Portão em grade de ferro de abrir 50 x 140 cm GERDAL


BELGO“MINEIRA
PERSICO
Escada de Metálico Escada de Marinheiro em tubo de Aço Industrial GERDAL
Acesso para BELGO“MINEIRA
Caixa d’água PERSICO

Caixa D’água Metálico Em Chapa de Ferro 60 x 60 cm GERDAL


BELGO“MINEIRA
Acesso e Tampa
PERSICO
Corre-Mão da Metálico Em Tubo de Ferro Tipo Metalon Fixado na Ø 1.1/2” GERDAL
Escada Alvenaria da Escada BELGO“MINEIRA
PERSICO

MEMORIAL DESCRITIVO HABITAÇÃO versão março/2005 4


4.3 ESQUADRIAS DE MADEIRA
Obedecerão rigorosamente as indicações e detalhes previstos nos projetos de arquitetura e projetos específicos. Quando
do recebimento serão recusadas as peças que apresentarem sinais de empenamento, descolamento, rachaduras, lascas
etc, ou que não correspondam ao tipo de madeira especificado. Previamente a colocação, todas as peças deverão
receber em todas as faces um tratamento anticupim que consistirá na aplicação com trincha de uma solução de Nitrosim
e água na proporção de 1:50.

ESQUADRIAS DE MADEIRA

AMBIENTE MATERIAL TIPO E MODELO DIMENSÃO MARCA

Estar/Jantar Madeira Maciça Veneziana móvel com almofada e = 3,0cm de abrir 80 x 210 cm MUIRACATIARA
Apto. Térreo c/ ANGELIM
Varanda. Porta CEDRO
de Entrada
Estar/Jantar. Madeira Maciça Almofadada e = 3,0 cm de abrir 80 x 210 cm MUIRACATIARA
Porta de ANGELIM
Entrada Interna CEDRO
Dormitório 1 Madeira Paraná e = 3,0 cm de abrir 70 x 210 cm MUIRACATIARA
Compensada ANGELIM
CEDRO
Dormitório 2 Madeira Paraná e = 3,0 cm de abrir 70 x 210 cm MUIRACATIARA
Compensada ANGELIM
CEDRO
Banheiro Madeira Paraná e = 3,0 cm de abrir 60 x 210 cm MUIRACATIARA
Social Compensada ANGELIM
CEDRO
Hall Superior Madeira Maciça Em ficha Macho/Fêmea de abrir 60 x60 cm MUIRACATIARA
Acesso ao Forro ANGELIM
Alçapão Madeira MASSARANDUBA

4.3.5 BATENTES
Serão em madeira de lei selecionada de primeira qualidade em Muiracatiara, Angelim ou Cedro, conforme projeto com
seção de 3 x 10cm. Inicialmente os forramentos serão engradados para posterior fixação nos locais definitivos e terão
medidas internas de rebaixo a rebaixo igual a largura da porta mais 5mm na horizontal e altura da porta mais 10mm na
vertical considerando piso acabado ao rebaixo superior. Os forramentos serão fixados aos tufos de madeira através de
parafusos 2 ½” x 10 sendo 05 unidades em cada perna (no tufo mais alto será colocado apenas um parafuso).
O assentamento dos forramentos será posterior ao emestramento de reboco e precede a execução do revestimento.
Inicialmente na sua colocação os forramentos serão apenas ponteados com pregos 2 ½” x 10 (dez unidades por
forramento) e sua fixação definitiva com parafusos acontecerá somente quando da colocação das folhas das portas.

4.3.6 ALIZAR
Serão em madeira de lei tipo, muiracatiara, angelim ou cedro, com dimensões conforme projeto especifico de arquitetura. A
fixação dos alizares ao forramento será através de prego 1 x 16 sem cabeça espaçados a cada 30cm. O alizar ficará
recuado em relação a borda do forramento em 5mm. É importante verificar o rebatimento das extremidades dos pregos
de forma que estes não ressaltem na pintura.

4.3.8 ALÇAPÃO DE MADEIRA


Serão colocados no hall do segundo pavimento para acesso ao barrilete e forro de coberta. Será executado em madeira de
lei de primeira qualidade conforme projeto tipo macho e fêmea, contornado por forramento também em madeira de lei e
ficará fixo ao mesmo por meio de encaixe.

MEMORIAL DESCRITIVO HABITAÇÃO versão março/2005 5


4.4 FERRAGENS

FECHADURAS E FERRAGENS

ESQUADRIA TIPO E MODELO MARCA

Porta Entrada Fechadura Externa de Cilindro com acabamento cromado ALIANÇA/SOPRANO


03 Dobradiças FC de 3” x 2 ½” c/ parafusos STAM
Portas Internas Fechadura Interna de Gorge com acabamento cromado ALIANÇA/SOPRANO
Dormitórios 03 Dobradiças FC de 3” x 2 ½” c/ parafusos STAM
Portas Internas Banheiro Fechadura Interna para banheiro, com tranqueta pela parte ALIANÇA/SOPRANO
Social interna e possibilidade de abertura externa com acabamento STAM
cromado. 03 Dobradiças FC de 3” x 2 ½” c/ parafusos

4.4.6 DOBRADIÇAS
Serão utilizadas três dobradiças FC de 3” x 2 1/2” por vão de porta nas marcas Rocha, Soprano ou Aliança.

4.5 VIDROS E PLÁSTICOS


Os vidros serão aplicados nas esquadrias de alumínio com borracha adequada a espessura dos mesmos.
A montagem dos vidros será executada por pessoal especializado da empresa fornecedora.
Cuidados a serem observados para recebimento de vidros montados:
Presença do mofo de vidro, de riscos, trincas, estrias ou mosca na peça.
Defeitos de fabricação com deformação das imagens vistas através do vidro.
Dimensões da peça de forma a não existir nenhum dos lados “curto”.
Completa colocação da borracha de vedação sem emendas, cortes, bordas viradas, etc.

VIDROS

VIDROS

ESQUADRIA ESPESSURA, MODELO E ASSENTAMENTO

Janela Sala Espessura de 4mm, Liso Transparente Assentado em Calha de Borracha e Fita Adesiva

Janela Dormitório 1 Espessura de 4mm, Liso Transparente Assentado em Calha de Borracha e Fita Adesiva

Janela Dormitório 2 Espessura de 4mm, Liso Transparente Assentado em Calha de Borracha e Fita Adesiva

Janela Cozinha/ Área de Espessura de 4mm, Liso Transparente Assentado em Calha de Borracha e Fita Adesiva
Serviço
Janela Escada Espessura de 4mm, Liso Transparente Assentado em Calha de Borracha e Fita Adesiva

Basculante Banheiro Espessura de 4mm, Jateado, Assentado em Calha de Borracha e Fita Adesiva

MEMORIAL DESCRITIVO HABITAÇÃO versão março/2005 6


5 COBERTURA E PROTEÇÕES

5.1 TELHADO

5.1.1 ESTRUTURA DE MADEIRA


A trama da coberta será executa em madeira de Lei do tipo, Massaranduba, isenta de defeitos que comprometam sua
durabilidade, resistência e aparência, serão imunizadas contra insetos e terão secções continuas, obedecendo os
espaçamentos dos apoios e seções conforme projeto especifico.

5.1.2 TELHAMENTO
Em telhas cerâmicas de 1ª qualidade, assentadas com esmero por profissionais com experiência tendo as capas e
canais das telhas em perfeito alinhamento e cobertura de telha evitando o retorno da água.

5.1.3 CUMEEIRA E VIRADA


Na cumeeira e laterais do telhamento serão colocadas telhas assentadas com argamassa de cimento e areia no traço de
1 : 4, para que seja dado o acabamento do telhado tampando todos os encontros das telhas e madeiras das laterais.

5.1.4 BEIRA E BICA


No beiral frontal do telhamento será executado beira e bica com argamassa de cimento e areia no traço de 1:4, tomando
todas as telhas e unindo as pontas das capas e canais das mesmas em uma faixa de aproximadamente 5cm alinhando e
nivelando o beira e bica.

5.2 IMPERMEABILIZAÇÕES
Os serviços previstos deverão serem realizados harmonizando-se estrita e integralmente com os projetos e os objetivos
e conceitos de engenharia, sejam eles aspectos funcionais, técnicos ou econômicos, para que a obra executada seja
uma concretização fiel do projeto como um todo.
A mão de obra a ser empregada deverá ser por pessoal especializado, devendo os arremates e acabamentos serem
fielmente respeitados de acordo com o projeto.
Durante a realização dos serviços de impermeabilização será estritamente vedada a passagem no local dos trabalhos,
de pessoal ou operários estranhos àqueles serviços.
Após a execução da impermeabilização deverá ser realizado um teste de estanqueidade nas áreas impermeabilizadas.
Este teste é indispensável e a sua execução será acompanhada pela fiscalização para as devidas correções, se for o
caso.
REGULARIZAÇÃO
Toda superfície a ser impermeabilizada receberá um cimentado de regularização no traço 1 : 4 de cimento e areia do
rio peneirada, sem uso de aditivo hidrofugante. Todos os cantos e arestas serão arredondados. As instalações
hidráulicas deverão estar rigidamente fixadas e outras instalações, nunca poderão ficar salientes na regularização,
ficando sempre embutidas e recobertas. Deverá existir um caimento mínimo de 1% em direção aos coletores de água.

5.2.1 TERRAÇOS E COBERTURAS


Considerado sobre laje de coberta das casas de gás, conforme projeto, executado em manta de 3mm, de fabricação
Viapol, Betumanta ou Denver.

5.2.3 CAIXA D’ÁGUA


Piso (fundo de caixa d’água), paredes e tampa da caixa d’água serão executados com manta pré-fabricadas de 3mm, de
fabricação Viapol, Betumanta ou Denver.

5.2.4 COZINHAS, ÁREAS DE SERVIÇO E BANHEIROS DO TÉRREO


Emulsão Asfáltica Betuminosa aplicada alternadamente nos dois sentidos conforme projeto, no térreo será empregada
em todas as áreas molhadas banheiro, cozinha e área de serviço e no pavimento superior nas cozinhas e áreas de
serviços.

5.2.8 BANHEIROS DO PAVIMENTO SUPERIOR


Manta asfáltica pré-fabricada espessura de 3mm, de fabricação Viapol, Betumanta ou Denver, assentada conforme
projeto especifico nos banheiros do pavimento superior.

5.2.9 RUFOS
No contorno do reservatório superior no encontro da coberta com as paredes deste serão executados rufos conforme
projeto.

5.2.10 SITUAÇÕES ESPECIAIS


Quando ocorrer desnível na implantação de blocos conjugados, deverão ser feitas as impermeabilizações e adaptações
previstas em projeto.
MEMORIAL DESCRITIVO HABITAÇÃO versão março/2005 7
5.3 TRATAMENTOS

5.3.4 CHAPIM DE CONCRETO


Conforme projeto será executado chapim de concreto no perímetro da tampa da caixa d’água.

6 REVESTIMENTO ELEMENTOS DECORATIVOS E PINTURA


É uma etapa onde o nível de qualidade deve ser ainda mais ressaltado, tendo em vista, que qualquer defeito atinge
visualmente o aspecto estético e agride a sensibilidade do cliente final. Previamente à aplicação de chapisco, emboço e
reboco, deverá ser colocada uma tábua de virola, ao longa das paredes, para coleta de material não aderido. O material
coletado sobre as tábuas será recolocado nos caixotes de argamassa e adicionado água para imediato
reaproveitamento.

6.1 REVESTIMENTOS INTERNOS


Precede à execução dos serviços de reboco, emboço, etc., o emestramento de paredes que consiste na colocação de
mestras em todas as paredes e tetos (se rebocados), devidamente alinhadas, em prumo, em esquadro e nivelados
(quando no teto). Deve ser realizado por uma única equipe especialmente orientada e treinada de forma a assegurar que
todos os trabalhos posteriores e vinculados ao emestramento estarão em níveis, esquadros, prumos e alinhamentos
perfeitos. Os pontos de níveis deverão ser identificados nas paredes próximos as portadas.

6.1.1 CHAPISCO
Todas as alvenarias que venham a receber revestimento interno receberão antes chapisco interno com argamassa de
cimento e areia grossa no traço de 1 : 4.

6.1.3 REBOCO
Será aplicado nos locais identificados em projeto como as superfícies com acabamento final em pintura. A argamassa
utilizada será no traço 1 : 6 : 2 (cimento, areia grossa, areia vermelha), com acabamento esponjado.

6.1.4 CHAPISCO DE TETO


Todas as lajes do tipo volterrana que receberão como acabamento final reboco receberão chapisco como base de aderência,
confeccionado da mesma forma do item 6.1.1.

6.1.5 REBOCO DE TETO


Sobre o chapisco de teto, onde no projeto constar como acabamento pintura. Será executado reboco no traço 1 : 4 : 2
(cimento, areia grossa e areia vermelha), com acabamento esponjado.

6.2 AZULEJOS

6.2.2 EMBOÇO
Sob os locais identificados em projeto com o acabamento em cerâmica, será aplicado emboço executado com
argamassa no traço 1 : 6 (cimento e areia grossa), com acabamento sarrafeado para melhor aderência das cerâmicas.

6.2.8 CERÂMICA
Serão aplicadas sobre emboço desempenado utilizando argamassa pronta. Cerâmica esmaltada 20 x 20cm de primeira
qualidade PEI4, de fabricação; Elizabeth, Cecrisa, Eliane, nos locais determinados em projeto. Serão assentadas com
juntas corridas de nível e a prumo.

6.3 REVESTIMENTO EXTERNO


A alvenaria de uma vez que serve de contenção do aterro terá sua face externa revestida com chapisco e reboco.

6.3.1 CHAPISCO
Toda a face externa das alvenarias, serão tamponadas com argamassa de cimento e areia grossa no traço de 1 : 5, para
que seja evitada possíveis infiltrações futuras. E posteriormente a este serviço será aplicado chapisco no traço de 1 : 3
(cimento e Areia Grossa)

6.3.3 REBOCO PAULISTA


Sobre o Chapisco será aplicado Reboco Paulista na espessura de 2 cm com argamassa no traço 1 : 6 (cimento e areia
média) , que deverá ter superfície lisa e esponjada, para que se obtenha uma superfície uniforme livre de imperfeições
de reentrâncias, saliências, arestamento de canto, etc.
OBS: Todos os traços estão de acordo com as normas da ABNT.

MEMORIAL DESCRITIVO HABITAÇÃO versão março/2005 8


6.4 FORROS

6.4.4 FORRO DE PVC


Será conforme projeto especifico em réguas de PVC com seção de 100 x 12mm, de fabricação Anflo, Comfibra,
Medabil.

6.5 PINTURAS
A pintura nas edificações visa proporcionar ambientes esteticamente agradáveis e higiênicos Embora a pintura seja uma
das últimas etapas na execução de uma obra ela deve ser pensada desde a fase de projeto. Os cuidados prévios antes
da pintura são fundamentais para um bom resultado final. Todas as superfícies a serem pintadas deverão ser
cuidadosamente limpas e preparadas de acordo com o tipo de pintura a que se destina.
A preparação das superfícies tem por objetivo melhorar as condições para recebimento da tinta. A superfície para ser
considerada bem preparada deve estar limpa, lisa, plana, isenta de graxas, óleos, ceras, resinas, sais solúveis e
ferrugem. A porosidade, quando exagerada deve ser corrigida.
A eliminação da poeira deverá ser completa, tomando-se precauções especiais contra o levantamento de pó durante os
trabalhos até que as tintas sequem inteiramente.

6.5.5 CAIAÇÃO
Será aplicada pintura a cal nos locais indicados em projeto. A superfície na qual se aplica a pintura deve ser previamente
limpa para que não apresente poeira que, de certo modo, irá impedir a perfeita aderência da cal à superfície, assim como
falta de descontinuidade na camada.
A primeira demão é dada horizontalmente, ao passo que a Segunda é dada verticalmente, depois de secar a primeira. As
camadas seguintes serão dadas alternadamente; horizontal vertical até se obter um acabamento perfeito. Serão de
fabricação Hidrotintas, Quimindustria ou Tintas e Texturas Terra Nova.

6.5.9 ESQUADRIAS DE MADEIRA


Todas as esquadrias de madeira (portas internas e externas), receberão imunização e deverão remover respingos de
argamassa existentes, usando para tal uma espátula de 4”. Eliminar a poeira agregada, usando esponja embebida em
água ou pano úmido. Lixar toda a área com lixa Nº 100, utilizando suporte de madeira, e remover o pó resultante
conforme descrito anteriormente. Aplicar uma demão de verniz diluído 1 : 1 com thinner.
Aplicar a 2ª demão de verniz diluído em 25% com thinner. Proceder a uma revisão no emassamento, reaplicando a
massa nos locais que apresentarem defeitos. Quando da aplicação da 2ª demão de verniz os defeitos da superfície são
facilmente identificados.
Aplicar a 3ª demão de verniz diluído em 25% com thinner. As portas externas deverão receber em seu acabamento
verniz filtro solar. O verniz empregado será de fabricação FORTEX, FORTFIX ou FORTCOLOR.

6.5.10 ESQUADRIA DE FERRO


As superfícies metálicas serão lixadas com lixa para ferro nº 150 e receberão desoxidante metálico. Posteriormente
aplicar uma demão de primer para garantir a fixação da pintura de acabamento. Serão emassados e após o lixamento
final receberão em duas demãos pintura à Óleo nas marcas; FORTEX, FORTFIX ou FORTCOLOR.

6.5.15 TEXTURIZADA/GRANILHA EXTERNA


Sobre todo reboco externo, será aplicado textura de fabricação TINTAS E TEXTURAS TERRA NOVA, FORTFIX ou
FORTCOLOR.

“Antes da aplicação da pintura, as cores definidas devem ser apresentadas, com paginação e catálogos, para
aprovação prévia da CAIXA.”

7 PAVIMENTAÇÃO
Os materiais a serem empregados como acabamento de pisos serão objeto do projeto de arquitetura. Nos locais onde se
faça necessário a impermeabilização a pavimentação será precedida de teste de estanqueidade a ser executado por
pessoal especializado.
Deverá ser observado atentamente a inclinação dos pisos em direção aos drenos, bem como, os níveis de assentamento
mostrado na planta baixa de arquitetura.
Os serviços de pavimentação serão precedidos sempre do emestramento, sendo iniciado somente após liberação do
engenheiro residente ou alguém designado por este.

MEMORIAL DESCRITIVO HABITAÇÃO versão março/2005 9


7.2 CERÂMICA

7.2.1 CONTRAPISO
Será executado em concreto simples sobre aterro compactado, entre as fundações corridas, conforme projeto especifico.

7.2.2 LISA
Será executada nos locais definidos em projeto assentadas com argamassa pronta sobre camada niveladora
abundantemente molhada para melhor aderência, cerâmica 20 x 20cm esmaltada de primeira qualidade PEI4 nas
marcas ELIANE, CECRISA ou ELIZABETH.

7.2.3 CAMADA DE NIVELAMENTO


Será executada camada de nivelamento com argamassa 1 : 4 (cimento : areia grossa) que tem por objetivo regularizar as
imperfeições do nivelamento da laje, bem como, definir os caimentos em direção aos pontos de drenagem se for o caso.

7.5 RODAPÉS, SOLEIRAS E PEITORIS

7.5.2 SOLEIRAS
7.5.2.1 MÁRMORE
Serão utilizadas conforme indicados em projeto em mármore branco.

7.5.3 PEITORIS
7.5.3.1 MÁRMORE
Serão utilizados conforme indicados em projeto em mármore branco.

8 INSTALAÇÕES E APARELHOS

8.1 ELÉTRICAS E TELEFÔNICAS

CONSIDERAÇÕES GERAIS
As instalações elétricas, telefônicas e de interfone serão consideradas da caixa de alvenaria que encontra-se próxima a
área de serviço do apartamento térreo (alimentação do quadro de distribuição), para o interior do bloco. A interligação
entre caixas bem como quadros medidores, alimentação elétrica, quadros de telefone e interfone como suas
alimentações, deverão ser objeto da infra-estrutura, quando do projeto especifico de cada empreendimento.
ELÉTRICA
Obedecerá rigorosamente ao projeto de instalações elétricas e deverão serem observadas as exigências da CAIXA,
seguir as normas de dimensionamento da NBR 5410 e observar as normas da COELCE.

8.1.1 TUBULAÇÃO E CAIXAS NAS LAJES E FORROS


Os pontos de luz ficarão embutidos nas lajes e forros de PVC, em caixas de PVC hexagonais de 3” x 3” e conduletes top
PVC, de fabricação; ASTRA, FORTILIT ou TIGRE. Serão utilizados nas interligações das caixas embutidos nas lajes e
sobre o forro de PVC do pavimento superior, eletrodutos de PVC rígido de fabricação, FORTILIT, CANDE OU TIGRE. Os
eletrodutos utilizados sobre o forro de PVC no pavimento superior serão em PVC rígido conectados a conduletes TOP e
deverão serem fixados ao madeiramento da coberta por meio de braçadeiras fixadas a fios e hastes metálicas da fixação
dos forros. Tudo em conformidade com o projeto especifico.

8.1.2 TUBULAÇÃO E CAIXAS NAS ALVENARIAS


Os interruptores, tomadas elétricas e tomadas para antena, ficarão embutidos nas alvenarias, em caixas de PVC de 4” x
2” de fabricação; ASTRA, FORTILIT ou TIGRE. Serão utilizados nas interligações das caixas embutidas nas alvenarias
eletrodutos de PVC flexível de fabricação, FORTILIT, CANDE OU TIGRE. Tudo em conformidade com o projeto
especifico.

8.1.3 PRUMADAS GERAIS


Serão executas conforme projeto as alimentações elétricas, telefônicas e de antenas dos apartamentos em eletrodutos
de PVC rígido de fabricação, FORTILIT, CANDE OU TIGRE.

8.1.4 ENFIAÇÃO ÁREAS PRIVATIVAS


Toda a fiação será executada em fios e cabos de cobre, com recobrimento plástico conforme bitolas indicadas no projeto,
nas marcas FURUKAWA, FICAP ou PIRELLE, não sendo permitida a emenda dos condutores no interior dos eletrodutos
e somente nas caixas, onde deverão serem isoladas com fita apropriada para recompor a cobertura plástica. Será feita
identificação colorida dos fios, conforme código de cores: FASE – (Vermelho, Preto ou Branco), NEUTRO – (Azul ou
Cinza) TERRA – (Verde).

MEMORIAL DESCRITIVO HABITAÇÃO versão março/2005 10


8.1.6 QUADROS DE DISTRIBUIÇÃO
Será utilizado um quadro de distribuição por apartamento, conforme projeto com tamanho suficiente para abrigar todos
os disjuntores previstos, serão de fabricação ASTRA, FORTILIT ou TIGRE.

8.1.7 TOMADAS, INTERRUPTORES E DISJUNTORES


Interruptores e tomadas embutidos nas caixas assentadas nas alvenarias e serão nas marcas PIAL, FAME ou
PRIMELETRICA, as tomadas serão do tipo universal. Além dos medidores individuais cada apartamento será provido de
proteção conforme projeto com disjuntores termomagnéticos de fabricação GE, ELETROMAR ou SIEMENS. Cada
unidade habitacional receberá um quadro de distribuição conforme projeto. O aterramento das massas será feito junto
ao centro de medição e será objeto quando da instalação geral.

8.1.9 LUMINÁRIAS
Nos pontos de luz serão instaladas luminárias do tipo PVC pronto nas marcas Rizza, Tachibrar ou Romaza. As
luminárias externas serão a prova de tempo ref. IE 010 de fabricação Fort-Light, Cemart ou Montalto.

8.1.14 INTERFONE
Haverá tubulação seca para instalação de interfone conforme projeto. Toda a tubulação será executada em eletroduto de
PVC rígido nas marcas, CANDE, FORTILITE ou TIGRE.

8.2 HIDRAULICAS GÁS E INCÊNDIO

CONSIDERAÇÕES GERAIS
As instalações hidráulicas serão consideradas para os blocos apartir do recalque, sendo que a rede de alimentação
desde a CAGECE será objeto da infra-estrutura. As instalações de Gás e Incêndio dizem respeito somente a um bloco
como consta no projeto.

8.2.1 ÁGUA FRIA


Será rigorosamente de acordo com o projeto, memorial de cálculos e as normas da ABNT. A alimentação dos blocos se
fará diretamente da rede publica, para reservatório superior conforme projeto. As tubulações e conexões serão em PVC
soldável classe 15, nas marcas FORTILIT, CANDE ou TIGRE sendo que as conexões extremas que sejam conectadas
aos metais deverão ter bucha de latão. Será executado teste de carga e fumaça, utilizando as caixas superiores, com as
tubulações ainda aparentes.

8.2.1.2 BARRILETE
Será executado conforme projeto. As tubulações e conexões serão em PVC soldável classe 15, nas marcas FORTILIT,
CANDE ou TIGRE. Os registros de gaveta terão acabamento bruto de fabricação ORIENTE, MEBER ou JED METAIS.

8.1.2.3 PRUMADAS
A prumada de alimentação se fará diretamente da rede pública, para reservatório superior. Foi considerada a instalação
apartir do registro de gaveta bruto instalado no térreo de cada bloco, conforme projeto. Os apartamentos serão
alimentados individualmente por colunas de água fria provenientes da caixa d’água tudo conforme projeto, em PVC
soldável classe 15, nas marcas FORTILIT, CANDE ou TIGRE.

8.1.2.4 DISTRIBUIÇÃO
A distribuição de cada apartamento será executada apartir de um registro de gaveta em metal cromado de fabricação
ORIENTE, MEBER, ou JED METAIS, que alimentado desde a prumada controlará toda a unidade. As tubulações e
conexões serão em PVC soldável classe 15, nas marcas FORTILIT, CANDE ou TIGRE sendo que as conexões extremas
que sejam conectadas aos metais deverão ter bucha de latão. Os pontos do filtro, ducha e maquina de lavar, por não
serem entregues e todos os pontos antes de terem assentado o acabamento final, terão bujão de PVC como
acabamento. Os registros de pressão serão em metal cromado de fabricação ORIENTE, MEBER, ou JED METAIS.

8.2.3 GÁS
Haverá ambientes de estocagem de cilindros de gás em botijões de 13 kg, localizados na parte descoberta do pavimento
térreo, conforme projeto.

8.2.3.1 PRUMADAS
Todas as instalações serão executadas de acordo com projeto aprovado pelo Corpo de Bombeiros e serão envelopadas
quando for o caso no mínimo com pintura emborrachada. Partirá da casa de gás tubulação de cobre classe A sem
costura, respeitando-se a espessura mínima de 0,8mm de parede e serão de fabricação RIO TERMO ou ELUMA e
registros de fecho rápido de fabricação VALMICRO, JACWAL ou ITALY.

MEMORIAL DESCRITIVO HABITAÇÃO versão março/2005 11


8.2.3.2 DISTRIBUIÇÃO
A distribuição para cada apartamento se fará em tubos embutidos de cobre classe A, respeitando-se a espessura mínima
de 0,8mm de parede e serão de fabricação RIO TERMO ou ELUMA e registros de fecho rápido de fabricação
VALMICRO, JACWAL ou ITALY. Todas as instalações serão executadas de acordo com projeto aprovado pelo Corpo de
Bombeiros e serão envelopadas quando for o caso no mínimo com pintura emborrachada.

8.2.4 INCÊNDIO
“As instalações de combate a incêndio serão executadas de acordo com projeto aprovado pelo Corpo de Bombeiros”.

8.2.4.7 EXTINTORES
Serão distribuídos conforme projeto do tipo Pó Químico no térreo próximo a casa de gás e no hall do pavimento superior
de fabricação YANES, MECREL ou BUKSPIRO.

8.3 ESGOTO E ÁGUAS PLUVIAIS

CONSIDERAÇÕES GERAIS
As instalações sanitárias serão consideradas desde o interior dos blocos até a caixa de inspeção no exterior dos
mesmos. A interligação entre caixas, deverão ser objeto da infra-estrutura, quando do projeto especifico de cada
empreendimento.

SANITÁRIAS
Será rigorosamente de acordo com o projeto, memorial de cálculos e as normas da ABNT. As tubulações, conexões e
caixas sifonadas e ralos, serão em PVC soldável leve, nas marcas FORTILIT, CANDE ou TIGRE. As tubulações de
esgoto comum não atravessará compartimentos de apartamentos térreos. As caixas de gordura serão desacopladas da
caixa de inspeção, com dimensões adequadas ao volume, conforme projeto. As colunas de ventilação seguirão
rigorosamente as normas e partirão dos desconectores até a parte superior da coberta.. As tubulações tanto primárias
quanto secundárias seguirão rigorosamente os projetos. Executando toda a tubulação com os caimentos necessários e
indicados por norma.

Sifões e Válvulas.
Os sifões e válvulas serão em plástico de fabricação; CIPLA, ASTRA ou AKROS, e serão assentes nos lavatórios, pias e
tanques.

PLUVIAIS
Será executada conforme projeto e terá ralo tipo abacaxi em PVC de fabricação FORTILITE, CANDE ou TIGRE para
escoamento das águas pluviais da tampa da caixa d’água.

8.5 APARELHOS SANITÁRIOS

8.5.1 LOUÇAS E METAIS

Caixas de Descarga
Serão de sobrepor completa para atender as bacias sanitárias nas marcas; CIPLA, ASTRA ou AKROS.

Engates e Chuveiros
Os engates serão de PVC utilizados na ligação da caixa de descarga e torneiras de bancada. No box dos banheiros
serão utilizados chuveiros de PVC, ambos de fabricação, CIPLA, ASTRA ou AKROS.

Metais Sanitários
Serão de fabricação JED METAIS, ORIENTE ou MEBER, em metal cromado e canopla nos registros aparentes das
unidades; nos banheiros serão usados Registros de Gaveta, Registro de Pressão e Torneira para Lavatório. Na cozinha
será utilizada torneira para pia de cozinha e na área de serviço Torneira para Tanque de Lavar Roupas. Os pontos de
água que não forem ser utilizados como ducha e filtro e os que venham a receber torneiras no final da obra, receberão
bujão de PVC. No barrilete os registros de gaveta serão do tipo bruto com bitolas indicadas no projeto.

Louças
Serão na cor branca de fabricação ICASA, LOGASA ou CELITE, e serão assentes nos banheiros um lavatório médio
sem coluna e uma bacia autosifonada. Na cozinha será assentada pia em resina com dimensões de 1,20 x 0,60 m e na
área de serviço tanque de lavar roupa, médio também em resina ambos de fabricação DECORALIT, RESILINEA ou
ARTICA. Todas as louças e acessórios serão fixados e localizados conforme detalhe em projeto.

8.5.1.6 BALCÃO
Será executado conforme projeto, balcão em alvenaria com tampo em mármore branco.

MEMORIAL DESCRITIVO HABITAÇÃO versão março/2005 12


8.5.2 COMPLEMENTOS
Acessórios de Banheiro
Nos banheiros serão colocados; 01 papeleira, 01 meia saboneteira (7,5cm), 01 porta-toalhas e 01 cabide simples, todos em
louça na cor branca de fabricação, ICASA, LOGASA ou CELITE. Não serão entregues assentos sanitários.

9 COMPLEMENTAÇÃO DA OBRA

9.1 CALAFETE E LIMPEZA FINAL


Durante a execução, a obra será mantida em condições adequadas de limpeza de forma a permitir a boa execução dos
demais serviços.
Todos os entulhos produzidos na obra serão removidos periodicamente de forma a mantê-la em condições normais de
funcionamento.
Todos os pisos, Revestimentos, Vidros e Louças das unidades serão completamente limpos e todas as instalações testadas
e entregues em perfeitas condições de uso.

9.2 LIGAÇÕES E “HABITE-SE”


As obras serão entregues devidamente regularizadas com habite-se, e as ligações solicitadas e testadas, com o
pagamento de todas as taxas pertinentes ao assunto.

9.3 OUTROS

ARMADORES
Nos dormitórios serão assentados três armadores e na sala dois conforme projeto nas marcas RECORD, ALIANÇA, ou
PAVA, do tipo “batom”.

CALÇADAS DE CONTORNO
As calçadas de contorno serão em cimentado.

IDENTIFICAÇÃO
Cada bloco e cada apartamento serão identificados por placas, a serem confeccionadas com materiais apropriados e
duradouros, não sendo permitida a simples pintura para identificação de qualquer dos elementos.
Serão utilizadas plaquetas de acrílico ou alumínio para identificação dos apartamentos e dos blocos, conforme projeto.
A identificação dos apartamentos deverá ser fixada sobre a porta de acesso. A identificação dos blocos será fixada nas
proximidades do acesso. Havendo mais de um acesso, deve ser prevista uma placa para cada um.

10 DECLARAÇÕES FINAIS

10.1 “A obra obedecerá à boa técnica, atendendo às recomendações da ABNT e das Concessionárias locais”.

10.2 “Esta empresa tem ciência das exigências do Manual Técnico de Empreendimento da CAIXA, mais precisamente, das
exigências em Memorial Descritivo, comprometendo-se a cumprir tais instruções”.

10.3 “Em caso de divergência entre as exigências constantes no Memorial Descritivo do Manual Técnico de Empreendimento da
CAIXA e os projetos ou especificações apresentados pela Construtora, prevalece o Manual da CAIXA, sem quaisquer
ônus financeiro para a CAIXA.”

10.4 "Esta empresa responsabiliza-se pela execução e ônus financeiro de eventuais serviços extras, indispensáveis à perfeita
habitabilidade das Unidades Habitacionais, mesmo que não constem no projeto, memorial e orçamento”.

10.5 “A obra será entregue completamente limpa, com cerâmicas e azulejos totalmente rejuntados e lavados, com aparelhos,
vidros, bancadas e peitoris isentos de respingos. A obra oferecerá total condição de habitabilidade, comprovada com a
expedição do “habite-se” pela Prefeitura Municipal”.

10.6 “Estará disponibilizada em canteiro a seguinte documentação: todos os projetos (inclusive complementares), orçamento,
cronograma, memorial, diário de obra e alvará de construção”.

MEMORIAL DESCRITIVO HABITAÇÃO versão março/2005 13


10.7 “Em função da diversidade de marcas existentes no mercado, eventuais substituições serão possíveis, desde que
apresentadas com antecedência à CAIXA, devendo os produtos apresentarem desempenho técnico equivalente àqueles
anteriormente especificados, mediante comprovação através de ensaios desenvolvidos pelos fabricantes, de acordo com
as Normas Brasileiras”.

10.8 “ Em caso de incompatibilidade entre peças técnicas (projetos,especificações, quadros da NBR 12.721 ou orçamento)
prevalece o que for mais vantajoso para a CAIXA, a critério da GIDUR”.

Fortaleza(Ce),
Local e data

SINDUSCON SINDUSCON

Construtora Proponente

______________________________________
CAIXA - Visto do Engenheiro

MEMORIAL DESCRITIVO HABITAÇÃO versão março/2005 14