Você está na página 1de 1

Modelo de Auto-Avaliação da Biblioteca Escolar: Metodologias de operacionalização (Parte II) 5ª Sessão online

Acções Futuras
Duas coisas que a BE deve…

… deixar de fazer … continuar a fazer … começar a fazer

1- Incluir na equipa professores sem a 1- Potenciar o SABE. 1- Informatizar o sistema de empréstimos.


mínima motivação para o trabalho e
missão da BE Não devemos limitar-nos a reunir mensalmente e Até à data ainda não tivemos oportunidade (verba)
a organizar conjuntamente algumas actividades para adquirir os suportes tecnológicos para
É difícil desenvolver um trabalho consistente e pontuais. Pelo contrário, devemos fazer do SABE informatizar o sistema de empréstimo. Penso que
continuado, gerir três bibliotecas e ainda dar uma autêntica boa prática: partilhar experiências, além de agilizar o processo, ainda oferece a
apoio a duas escolas sem biblioteca quando trabalhar, de facto, de forma colaborativa, vantagem de disponibilizar os dados para realizar as
temos de gerir uma equipa com docentes que não partilhar recursos e meios, desenvolver estatísticas automaticamente e controlar a colecção
alinham no “espírito de missão” estratégias conjuntas. de forma mais eficaz.

2- Receber alunos “de castigo” expulsos 2- Aumentar a frequência da BE pela 2- Acções de formação específica em
da sala de aula. comunidade. bibliotecas para os elementos da equipa.

Geralmente, estes alunos não levam uma Continuar a criar condições para que mais pais, Para além de a equipa, a maior parte das vezes,
actividade ou um plano de trabalho definido para encarregados de educação e outros elementos da incluir pessoas pouco ou nada motivadas para o
desenvolverem na BE, não aceitam as instruções comunidade frequentem a BE e participem nas trabalho e missão da BE, muitas delas ou porque
da equipa da BE, acabando por perturbar o suas actividades, de forma a aumentar e melhorar “não têm jeito” ou porque têm poucas horas acabam
trabalho que aí se realiza e quem lá se encontra. os níveis de leitura, literacia e de cultura em geral por não constituir nenhuma mais-valia para a BE,
dos alunos e familiares. ficando o PB mais sobrecarregado. A formação em
bibliotecas para os membros da equipa talvez
contribuísse para que vissem a BE de outra forma e
canalizassem os seus esforços na direcção certa:
libertar o PB para as funções que lhe são exclusivas e
dinamizar a BE com mais frequência.

Cristina Romba