Você está na página 1de 1

Proposta de escrita

Tema: Num texto de 200 a 300 palavras exponha o seu ponto de vista sobre o
tema que aseguir se transcreve.
Use dois argumentos e pelo menos um exemplo para cada um dos argumentos.

“Todos aspiramos a ser felizes, mas todos sabemos como é frágil


e efémera a felicidade, depende das circunstâncias de cada um,
das oportunidade de vida, mas também, de uma atitude.”

Ainda que ninguém saiba definir felicidade com clareza, todos nós a
aspiramos e temos, ao longo de toda a nossa vida, como um objectivo fixo.
Depende de múltiplos factores que se vão diferenciando de pessoa para pessoa
e daí ser uma palavra tão amplamente diversificada.
O conceito de felicidade é ambíguo e por isso é de esperar que o motivo
de felicidade de uma pessoa seja o motivo de descontentamento de outra,
porque a felicidade decorre naturalmente de experiências que associamos a
boas ou más ao longo da nossa vida e dependente de factores pessoais, como
as oportunidades de vida. Um exemplo simples mas representativo desta
situação, é, por exemplo, o aniversário de duas pessoas, uma com grandes
posses económicas e outra com menos capacidades económicas lidarem com a
felicidade de um modo muito diferente, enquanto que para a primeira o ideal
de felicidade nesse dia passará talvez por ter um carro luxuoso ou uma
panóplia de requintes e caprichos, para a segunda, será talvez a simples
oportunidade de poder reunir os familiares e amigos e poder festejar com eles
um dia importante para si.
Por outro lado e subjacente ao exemplo anterior concluímos que a
felicidade passa grandemente pelo assumir de uma atitude. É justo dizer que a
felicidade tem um sentido múltiplo e que portanto está dependente de pessoa
para pessoa, mas, a visão simplista da pessoa com menos posses económicas,
que opta por reunir os seus familiares e amigos, acaba por (talvez para a
maioria das pessoas) se aproximar do sentido mais real de felicidade, porque
amigos e convívio estão para a maioria das pessoas associados a alegria,
felicidade e bem-estar, contrariamente ao dinheiro que é um paralelo à
felicidade que muita gente tenta cruzar.
Deste modo, infere-se que a felicidade, esse enorme conceito
multidiversificado, está receptivo ao sentido que cada um lhe atribui, mas que
para lá de depender de factores económicos, sociais e políticos (que podem
mudar) varia essencialmente com o ser humano, e que portanto, deveria
obrigar a uma atitude, necessariamente, humana.