Você está na página 1de 5

FACULDADE MAURÍCIO DE NASSAU

Direito Administrativo I

Professora Angélika Veríssimo

Exercícios – Avaliação II

01) (Magistratura/SP) É elemento característico do regime jurídico das


concessões de serviços públicos, nos termos da Lei nº. 8.987/95, a
possibilidade

a) de o poder concedente intervir na concessão, por ato da autoridade que seja a


responsável pelo contrato, sem necessariamente com esse ato acarretar a extinção
da concessão;

b) da transferência do controle acionário da concessionário, sem prévia anuência do


poder concedente, desde que mantidas as condições de habilitação e classificação
que haviam sido exigidas na licitação;

c) de a concessionária promover desapropriações, declarando de utilidade pública


os bens necessários à execução do serviço;

d) de o poder concedente promover a encampação, retomando o serviço durante o


prazo da concessão, por motivo de interesse público, desde que mediante lei
autorizativa específica e com prévio pagamento de indenização nos termos da lei.

02) (Delegado de Polícia/PE) Na concessão de serviços públicos:

a) a empresa concessionária que tomar a iniciativa da rescisão judicial do contrato,


no caso de descumprimento das normas contratuais pelo poder concedente, não
pode, por força da Lei nº. 8.987/95, interromper ou paralisar os serviços prestados,
até a decisão judicial transitada em julgado;

b) a encampação implica a retomada do serviço público pelo poder concedente


quando a concessionária presta o serviço de forma inadequada ou deficiente,
dispensada a edição de lei autorizativa específica;
c) ainda que haja autorização expressa do poder concedente, não é permitida a
subconcessão de serviços públicos, sob pena de se burlar a licitação, afrontando-se
o princípio da competitividade que impera nas licitações públicas;

d) na fixação de tarifas a serem cobradas dos usuários, não é possível a fixação de


tarifas diferenciadas em função das características técnicas e dos custos específicos
provenientes do atendimento aos distintos segmentos de usuários.

03) (Ministério Público/GO) Sobre os serviços públicos, é incorreto afirmar


que:

a) serviços administrativos são aqueles que o Estado executa para melhor compor
sua organização;

b) serviços coletivos (uti universi) são aqueles prestados a grupamentos


determinados de indivíduos, de acordo com as opções e prioridades da
Administração;

c) serviços singulares (uti singuli) preordenam-se a destinatários individualizados,


sendo mensurável a utilização por cada um indivíduos;

d) os serviços de utilidade pública se destinam diretamente aos indivíduos, ou seja,


são proporcionados para sua fruição direta.

04) (OAB/SP – 129º) Um secretário municipal, sob o argumento de reestruturar


o sistema de ensino no Município, removeu uma diretora de escola municipal
para um bairro distante. Inconformada, a diretora recorreu ao Prefeito,
alegando que a sua remoção ocorrera unicamente porque seu marido teria
brigado com o secretário. O que deve o Prefeito fazer, se confirmado o alegado
pela diretora?

a) editar ato administrativo avocatório, desconcentrando a eficácia doa ato de


remoção.

b) convalidar o ato, com efeito retroativo, corrigindo o desvio de poder.

c) revogar o ato, com efeito retroativo.

d) declarar nulo o ato de remoção, com efeito retroativo.


05) (Técnico Judiciário TRT/SP) No que concerne aos atributos do ato
administrativo, é INCORRETO afirmar que a

a) presunção de legitimidade depende de previsão legal;

b) presunção de legitimidade do ato administrativo é relativa;

c) imperatividade implica que a imposição do ato independe da anuência do


administrado;

d) autoexecutoriedade consiste na possibilidade que certos atos administrativos


ensejam de imediata e direta execução pela própria Administração;

e) presunção de legitimidade não impede o questionamento do ato administrativo


perante o Poder Judiciário.

06) (Analista Judiciário TRT/SP 2008) Atos normativos são:

a) aqueles editados em situações nas quais uma determinada pretensão do


particular coincide com a manifestação de vontade da Administração;

b) atos administrativos internos, endereçados aos servidores públicos, que veiculam


determinações atinentes ao adequado desempenho de suas funções;

c) os que contêm comandos gerais e abstratos aplicáveis a todos os administrados


que se enquadrem nas situações nele previstas;

d) atos que não contêm uma manifestação de vontade da Administração;

e) aqueles pelos quais a Administração pode impor diretamente sanções a seus


servidores ou aos administrados em geral.

07) (Técnico Judiciário – TRT/PB – Prova FCC) É certo que o poder de polícia

a) é a atividade do Estado consistente em limitar o exercício dos direitos individuais


em benefício do interesse público;

b) preordena-se a descobrir e conduzir ao Judiciário os infratores da ordem jurídica


penal;
c) caracteriza-se pela faculdade de que dispõe o administrador para distribuir e
escalonar suas funções;

d) é aquele conferido à Administração Pública para aplicar penalidades a seus


agentes, em razão da prática de infrações de caráter funcional;

e) se efetiva por atos administrativos expedidos por meio do exercício de uma


competência vinculada, sendo incabível a discricionária.

08) (Analista Judiciário – TRT/SC – Prova FCC) Poder regrado é aquele que o
direito positivo – a lei – confere à Administração Pública para a prática de ato
de sua competência, determinando os elementos e requisitos necessários à
sua formalização. Na hipótese, o texto está discorrendo sobre o poder

a) de polícia;

b) discricionário;

c) regulamentar;

d) vinculado;

e) disciplinar.