Você está na página 1de 23
N OTAS DE A ULA Á LGEBRA V ETORIAL E G EOMETRIA ANALÍTICA R ETAS
N OTAS DE A ULA Á LGEBRA V ETORIAL E G EOMETRIA ANALÍTICA R ETAS

NOTAS DE AULA

ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA RETAS E PLANOS

SALVADOR – BA

2007

ERON E ISABEL

EQUAÇÕES DA RETA

EQUAÇÃO VETORIAL DA RETA

DEF: Qualquer vetor não nulo paralelo a uma reta chama-se vetor diretor dessa reta.

Sejam v um vetor diretor de uma reta r e A um ponto de r.

r X A v AX = tv, t R € X = A + tv,
r
X
A
v
AX = tv, t
R
X = A + tv, t
R

Exemplos:

a) Uma equação vetorial da reta que passa pelos pontos A(-5, 2, 3) e B(4,-7,-6) é:

X = A + t

AB (x, y, z) = (-5, 2, 3) + t (9,-9, -9),

t

R

ou ainda,

(x, y, z) = (-5, 2, 3) + t (1,-1, -1),

t

R

b) As equações vetoriais dos eixos coordenados são

R b) As equações vetoriais dos eixos coordenados são X = O + t i ,

X

= O + t i , eixo das abscissas

X

= O + t j , eixo das ordenadas

X

= O + t k , eixo das cotas

INTERPRETAÇÃO FÍSICA DA EQUAÇÃO VETORIAL

Podemos interpretar a equação X = A + tv como o movimento descrito por um ponto

sobre a reta r, com velocidade constante (vetorial) igual a v , t indicando o tempo e A a

posição no instante inicial t = 0. Valores negativos de t indicam o “passado” do movimento,

em relação ao instante inicial. A cada valor de t temos uma posição bem determinada do

ponto móvel e fazendo t percorrer todo o conjunto R, a reta r é percorrida integralmente pelo

ponto (r representa a trajetória do movimento). Como há muitos movimentos retilíneos

uniformes com a mesma trajetória, fica fácil entender por que existem muitas equações

vetoriais para a mesma reta.

EQUAÇÕES PARAMÉTRICAS DA RETA

Seja (

Consideremos em relação a este sistema:

X(x, y, z) um ponto genérico, A(x 0 , y 0 , z 0 ) um ponto dado e v = (a, b, c) um vetor diretor da reta r. Escrevendo a equação vetorial da reta em coordenadas, obtemos

3

) um sistema de coordenadas cartesianas no espaço.

O, e , e , e

1

2

(x, y, z) = (x 0 , y 0 , z 0 ) + t (a, b, c)

ou seja,

x

=

y y

z z

=

x

0

0

0

=

+

+

+

at

bt

ct

,

t

R

que é o sistema de equações paramétricas da reta r.

R que é o sistema de equações paramétricas da reta r. Exemplo: As equações paramétricas do

Exemplo: As equações paramétricas do eixo coordenado y são

x

y

z

=

=

=

0

0

0

+

+

+

t

t

t

0

1

0

x

= 0

=

z = 0

y

t ,

t

R

EQUAÇÕES DA RETA NA FORMA SIMÉTRICA

Se nenhuma das coordenadas do vetor diretor é nula, podemos isolar t no primeiro membro de cada uma das equações paramétricas da reta e obter

x

x 0

a

=

y

y

0

b

=

z

z

0

c

Exercícios:

1)

Seja r a reta determinada pelos pontos A(1,0,1) e B(3,-2,3).

a) Obtenha equações de r nas formas vetorial, paramétrica e simétrica.

b) Verifique se o ponto P(-9,10,-9) pertence à reta r.

c) Obtenha dois vetores diretores de r e dois pontos de r, distintos de A e B.

2)

3)

2

x

1

1

descrevem uma reta, escrevendo-as de modo

que possam ser reconhecidas como equações na forma simétrica. Exiba um ponto e um

vetor diretor da reta.

Mostre que as equações

y

=

3

2

=

z

+

1

Escreva na forma simétrica a equação de uma reta no plano yz.

POSTULADOS:

PLANOS

Por uma reta pode-se traçar uma infinidade de planos.

Por três pontos não alinhados passa um único plano.

A reta que passa por dois pontos distintos de um plano está contida nesse plano.

Toda reta pertencente a um plano divide-o em duas regiões chamadas semi-planos.

DETERMINAÇÃO:

Por uma reta e um ponto não pertencente à reta, passa um único plano.

Por duas retas paralelas (não coincidentes) passa um único plano.

Por duas retas concorrentes passa um único plano.

Por três pontos não alinhados passa um único plano.

EQUAÇÕES DO PLANO

DEF: Se u e v são LI e paralelos a um plano

EQUAÇÃO VETORIAL DO PLANO

, u e v são ditos vetores diretores de

.

Sejam u e v vetores diretores de um plano , A um ponto fixo de e X um ponto genérico

de

É claro que u , v e AX são LD, pois são coplanares.

.

Como u e v são LI, temos

AX = X

A = u +

v , ou seja,

X = A+ u r +

v, r

,

R

u

u s e j a , X = A + u r + v , r
v
v
u v X A
u v
X
A

Exemplo: Dada uma reta r: X = A

: X = A + v +

AP, ,

R.

+ v

e um ponto P r , podemos determinar o plano

EQUAÇÕES PARAMÉTRICAS DO PLANO

Seja (

Consideremos em relação a este sistema:

2

3

) um sistema de coordenadas cartesianas no espaço.

O, e , e , e

1

X (x, y, z) um ponto genérico,

A (x 0 , y 0 , z 0 ) um ponto dado,

e

r

u =

(

a ,b c

1

1,

1

)

r

v =

(

a ,b

2

2,

c

2

)

vetores diretores de um plano .

Escrevendo a equação vetorial do plano em coordenadas, obtemos

ou seja,

(x, y, z) = (x 0 , y 0 , z 0 ) +

x

y

z

= x

=

= z

0

y

0

+

+

0

+

a

1

b

1

c

1

+

+

+

(a 1 , b 1 , c 1 ) +

a

2

b

2

,

,

c

2

(

a

2

R

,

b

2

,

c

2

)

que é o sistema de equações paramétricas do plano .

Exercício: Seja π o plano que contém o ponto A(3, 7, 1) e é paralelo a u = (1,1,1) e v = (1,1,0).

a) Obtenha duas equações vetoriais de π.

b) Escreva equações paramétricas de π.

c) Verifique se o ponto (1, 2, 2) pertence a π.

d) Verifique se o vetor w = (2,2,5) é paralelo a π.

EQUAÇÃO GERAL DO PLANO

Considerando que u , v e AX são LD, temos que

x

x

0

a

a

1

2

y

b

b

1

2

y

0

z

c

c

1

2

z

0

= 0

, isto é,

(

x

x

0

)

b 1 (

b

2

c

1

c

2

+

y

y

0

)

c

1

c

a

2 a

1

2

+

(

z

z

0 )

a b

a

b

1 = 0

1

2

2

.

Sejam

a =

como:

b

b

1

2

c

c

1

2

, b =

c

c

1

2

a

ax

a

a

1

2

(

x

+

e

x

0

by

+

c =

)

+

cz

b

(

a

a

1

2

(

y

ax

0

b

b

1

2

y

0

)

+

by

e a equação acima poderá ser reescrita

+

0

c

+

(

cz

z

0

)

z

0

)

= 0

= 0

ax + by + cz + d = 0,

onde

d =

(

ax + by

0

0

+ cz

0

)

Exercícios:

1) Obtenha a equação geral do plano π em cada caso.

a) π contém o ponto A(9,-1,0) e é paralelo aos vetores u = (1,1,1) e v = (0,1,0).

b) π contém os pontos A(1,0,1), B(-1,0,1) e C(2,1,2).

1

1

c) π tem equações paramétricas


x =

+

+

2

+

3

y

=

z =

.

2) Obtenha equações paramétricas do plano π: x + 2 y z 1 = 0 .

INTERSEÇÃO DE UM PLANO COM OS EIXOS COORDENADOS

Seja α: ax + by + cz + d = 0 . O plano α intercepta:

o eixo das abscissas no ponto A(x,0,0), determinado ao se substituir y = z = 0 na equação do plano; o eixo das ordenadas no ponto B(0,y,0), determinado fazendo x = z = 0; o eixo das cotas no ponto C(0,0,z), determinado ao se substituir x = y = 0.

C (0,0, z ), determinado ao se substituir x = y = 0. Exemplo: Determine os

Exemplo: Determine os pontos de interseção do plano α: 4x + 3y z 12 = 0 com os eixos coordenados. Faça os cálculos e observe abaixo a plotagem no sistema cartesiano.

cálculos e observe abaixo a plotagem no sistema cartesiano. ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA ERON E

VETOR NORMAL A UM PLANO

Se o plano é dado na forma vetorial

v .

Se o plano é dado na forma geral

R , o vetor normal é dado

por w = u

ax + by + cz + d = 0 , o vetor (a, b, c) é chamado

vetor coeficiente do plano . Se estas coordenadas estão em relação a um sistema ortogonal, (a, b, c) é um vetor normal ao plano .

X = A + u + v,

,

w u v X A
w
u
v
X
A

CASOS PARTICULARES DA EQUAÇÃO GERAL DO PLANO

A nulidade de um ou mais coeficientes na equação geral do plano fará com que este ocupe um

posicionamento particular em relação aos eixos coordenados.

Na equação ax + by + cz + d = 0 , se:

1º caso:

d = 0 ax + by + cz = 0 , com a b c π 0 o plano contém a origem. 2º caso:

a) a = 0 by + cz + d = 0 , com b c d π 0 o plano é paralelo ao eixo das abscissas.

b) b = 0 ax + cz + d = 0 , com a c d π 0 o plano é paralelo ao eixo das ordenadas.

c) c = 0 ax + by + d = 0 , com a b d π 0 o plano é paralelo ao eixo das cotas.

3º caso:

a) a= d = 0 by + cz = 0 , com b c π 0 o plano conterá o eixo das abscissas.

b) b= d = 0 ax + cz = 0 , com a c π 0 o plano conterá o eixo das ordenadas.

c) c= d = 0 ax + by = 0 , com a b π 0 o plano conterá o eixo das cotas.

a ◊ b π 0 ⇒ o plano conterá o eixo das cotas. Plano paralelo ao

Plano paralelo ao eixo 0x

plano conterá o eixo das cotas. Plano paralelo ao eixo 0 x Plano que contem o

Plano que contem o eixo 0x

4º caso:

a) a= b = 0 cz + d = 0 , com c d π 0 o plano é paralelo ao plano xy.

b) a= c = 0 by + d = 0 , com b d π 0 o plano é paralelo ao plano xz.

c) b= c = 0 ax + d = 0 , com a d π 0 o plano é paralelo ao plano yz.

com a ◊ d π 0 ⇒ o plano é paralelo ao plano yz. Exemplo: Indique

Exemplo: Indique o posicionamento de cada plano em relação ao sistema cartesiano.

a) 3x + y – 4z = 0 plano que passa pela origem.

b) 2x + 3z – 3 = 0 plano paralelo ao eixo 0y.

c) 4x + 3y = 0 plano que contem o eixo 0z.

d) x – 3 = 0 plano paralelo ao plano yz.

OBS: No R² a equação 2x + 3y – 6 = 0 representa uma reta. Entretanto, no R³ tal equação representa um plano paralelo ao eixo 0z. Observe a figura.

representa um plano paralelo ao eixo 0 z . Observe a figura. ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA

POSIÇÕES RELATIVAS ENTRE RETAS E PLANOS NO ESPAÇO R 3

POSIÇÕES RELATIVAS ENTRE RETAS

Sejam r e s retas no R³. Elas podem ser:

Coplanares

concorrentes

r

s

caso

paralelas

(

r

//

)

s

r

r

{

P

}

=

particular : r

s

s

=

=

r

=

s

s

⇒  r r   { P } = particular : r s s =
⇒  r r   { P } = particular : r s s =

Reversas:

r

s

=

caso particular : r

s

não existe nenhum plano que contenha as duas

retas

CONDIÇÃO PARA RETAS COPLANARES:

que contenha as duas retas CONDIÇÃO PARA RETAS COPLANARES: Sejam r : X = A +

Sejam

r

:

X

=

A

+

t v

1

r

e

s

:

X

=

B

+

t

2

v

s

,

t

1

,

t

2

R

 

r e s são coplanares [v

r

,v , AB]= 0

s

, duas retas no R³.

Neste caso, ainda podemos ter:


concorrentes

paralelas

(

r

//

(

r

s

)

s

=

v

r

P

e

)

v

s

e

v

são LD

v

s

r

Se [v

r

,v , AB]π 0 , temos r e s retas reversas.

s

são LI

CONDIÇÃO DE ORTOGONALIDADE:

r e s são ortogonais

v

r

v

s

= 0

Se além dessa condição r e s têm um ponto comum elas são chamadas perpendiculares.

s têm um ponto comum elas são chamadas perpendiculares . 6 Exercício: Verifique se as retas

6

Exercício: Verifique se as retas

coplanares. Elas são concorrentes? Em caso afirmativo, determine o ponto de interseção.

 

x

2

=

y

=

z

5

e

 

x + 5

=

r

:

2

3

4

s

:

1

y +

3

z

=

3

são

POSIÇÕES RELATIVAS ENTRE UMA RETA E UM PLANO

Sejam r uma reta e π um plano. Temos:

r

r

r não é paralela a π r

=

=

r

,ou seja,

r

= {P}

r //

r ∑ = = r ,ou seja, r = { P } r // ⇒ 
r ∑ = = r ,ou seja, r = { P } r // ⇒ 

Sejam

r : X = A + tv

r //

Se além disso P (ponto de r) também pertence a π, temos r

r

: ax + by + cz + d = 0 , onde w = (a,b,c) é

e

o vetor normal de π.

.

v

r

w = 0

v

r

v r

w π 0

r

= {P}

e

w

são LD

r

Exercício: Verifique se r : X = (2,3,1) + (1, 1,4)

interceptam. Em caso afirmativo, obtenha a intersecção.

e

: X

= ( 4, 6,2) + (2,1,3) + (3,3,2) se

POSIÇÕES RELATIVAS ENTRE PLANOS

Sejam

1 dois planos. Eles podem ser:

e

2

1

//

2

1

1

2

2

=

Eles podem ser: e 2 1 // 2 ⇒    1 1 ∫ 2

1

2

= r

ser: e 2 1 // 2 ⇒    1 1 ∫ 2 2 =

Sejam

planos em relação ao sistema de coordenadas (

1

:

a x +b y + c z + d

1

1

1

1

=

0

e

2

:

a

2

x + b

2

y + c z + d

2

O, e , e , e

1

2

3

)

.

2

2 x + b 2 y + c z + d 2 O, e , e

1 //

2

w

1

e

w

2

são LD, ou seja,

w

1

=

tw

2

t

,

R

=

0



as equações gerais dos dois

a

1

= ta

2

b 1 2

= tb

c

1

= tc

2

Se além disso,

ou seja,

então,

2 b 1 2 = tb c 1 = tc 2 Se além disso, ou seja,

1

2

P

= (x , y

0

0

d

1

=

d

1

=

(

, z

0

)

(

a x

1

0

ta

2

x

0

1

,

+ b y

1

2

0

+ tb

2

y

0

a

b

c

d

1

1

1

1

=

=

=

=

ta

tb

tc

2

2

2

td

2

,

t

R

.

, temos:

+ c z

1

+ tc

2

0

)

z

0

e

)

e

d

1

=

d

2

=

d

2

t d

2

=

(

a

2

x

(

a

2

0

x

+ b

2

y

0

+ b

2

0

y

+ c

2

z

0

)

0

+ c

2

z

0

)

Sew 1 e w 2 são LI, temos r :    a x

w

1 e

w

2

são LI, temos

r

:

a x

+

b y

1 1

a

2

x

+

b

2

y

1

+

2

c z +

1

= r

d

1

.

=

0

+

2

+

d

2

=

0

O sistema de equações

c z reta na forma planar, ou ainda, forma geral da reta.

define esta reta r e é chamado equação da

Notemos que

v

r =

w

1

w

2

r e é chamado equação da Notemos que v r = w 1 w 2 1

1

2

w w

1

2

=

0

Ex: Determine a intersecção dos planos equações paramétricas.

2

a) :

b)

c) 1

x +

2

y +

3

z

1

=

1

=

0

=

0

0

e

e

e

2

2

2

:

: 2

x

x +

:3

x +

1

y +

3

2

y +

y +

3

1

1

:

:

x + y + z

x + y + z

e

1

2 . Quando se tratar de uma reta, descreva-a por

z =

2

z

z

0

1

=

0

3

=

0

ÂNGULOS

ÂNGULO ENTRE DUAS RETAS

Sejam r e s duas retas,

medida angular) entre as retas r e s é a medida angular entre os vetores

v

r

um vetor diretor de r e

v

s

um vetor diretor de s. O ângulo (ou

, se esta

v

r

v

s

e

pertence ao intervalo

0,

2

se esta pertence ao intervalo

Para

= (

r s

,

) , temos cos

(em radianos), e é a medida angular entre os vetores

v

r

e

v

s

,

 , .     2  v ◊ v r s =
,
.
2
v
v
r
s
=
v
v
r
s
   2  v ◊ v r s = v ◊ v r s

Ex: Calcule o ângulo entre as retas r:

X = (1,1,9)+ t(0, 1,1) e

s: x – y + 3 = z = 4.

ÂNGULO ENTRE RETA E PLANO

Sejam r uma reta e π um plano. O ângulo formado entre r e π é o complemento do ângulo entre as retas r e s, sendo s uma reta qualquer perpendicular a π.

s r w v v r r Ex: o : y + z 10 =
s
r
w
v v
r r
Ex:
o
: y + z 10 = 0 .
Obtenha
ângulo
em
radianos
entre

a

reta

 

onde cos

=

2

,

= arcsen

v ◊ w r v ◊ w r
v
w
r
v
◊ w
r

r : X = (0,1,0)+ t( 1, 1,0)

=

e

v ◊ w r v ◊ w r
v
w
r
v
◊ w
r

o

plano

ÂNGULO ENTRE PLANOS

O ângulo entre os planos

1

e

2

é o ângulo formado pelas suas respectivas retas normais.

2 é o ângulo formado pelas suas respectivas retas normais. cos = w ◊ w 1

cos

=

w ◊ w 1 2 w ◊ w 1 2
w
w
1
2
w
◊ w
1
2

Ex: Determine o ângulo entre os planos

1

: 2

x

y

z +

1

=

0

e

2

: 3

x

2

y +

1

=

0

.

DISTÂNCIAS

Consideremos (0, i, j, k) um sistema ortogonal.

Consideremos ( 0, i , j , k ) um sistema ortogonal. DISTÂNCIA ENTRE DOIS PONTOS

DISTÂNCIA ENTRE DOIS PONTOS

Sejam

d

d

(

(

A B

,

A, B

A =

=

(

x , y , z

1

1

1

)

e

B =

(

x , y , z

2

2

2

)

dois pontos.

)

)

=

AB = ( x 2
AB
=
(
x
2

(

x

2

x

1

,

y

2

y

1

,

z

2

z

1

)

 

)

2

1

)

2

 

(

 

) 2

x

1

 

+

(

y

2

y

+

z

2

z

1

DISTÂNCIA ENTRE UM PONTO E UM PLANO

Sejam : ax + by + cz + d = 0 um plano, um ponto de π.

Temos que

P

(

x , y , z

0

0

0

)

um ponto no espaço e

d

(

P,

)

= d

(

P, A

)

=

AP P A .P’ π r
AP
P
A
.P’
π
r

Seja r uma reta ortogonal ao plano π passando por P:

r = {A}.

Como P’

π, temos

AP = Proj P P ' = Proj P P ' v ∞ w ∞
AP
= Proj
P P
'
=
Proj
P P
'
v
w
r
AP
= P P
'
◊ w
∞ ◊
w ∞
(
x
x
,
y
y
,
z
= 0
1
0
1
0

=

(

'

P P

w

 

)

∞◊

w

 

z

1

)

( a , b , c ) ◊ 2 2 2 a + b +
(
a , b , c
)
2
2
2
a
+
b
+
c
 

=

ax

0

ax

1

+

by

0

by

1

+

cz

0

 

cz

1

 
   
a 2

a

2

+

b

2

+

c

2

 
 

=

ax

0

+

by

0

+

cz

0

(

ax

1

+

by

1

+

cz

1

)

 
   
a

a

2

+

b

2

+

 

c

2

ax + by

1

1

+ cz

1

 

+ d =

0

, ou seja,

d =

(

ax + by

1

1

+ cz

1

)

.

P'

(

x , y , z

1

1

1

)

Logo,

d

(

P

,

)

=

ax + by + cz + d 0 0 0 2 2 2 a +
ax
+
by
+
cz
+
d
0
0
0
2
2
2
a
+
b
+
c

Exemplo: Determine a distância entre o plano

: 3 x + 2 y + z 1 = 0 e o ponto

P (1, 1, 2 ) .

DISTÂNCIA ENTRE UM PONTO E UMA RETA

Sejam r : X = A + tv , t R uma reta e P
Sejam r
:
X
=
A
+
tv
,
t
R
uma reta e
P (
x , y , z
)
um ponto no espaço.
r
0
0
0
P
A
P’
r
d(P,r) = d(P,P’) =
P'P
v r
P'P
Temos
sen
=
, onde = (AP', AP).
AP
Logo,
P P ' = AP sen d ( P r , )
P P
'
= AP
sen
d
(
P r
,
)

=

AP ◊ v ◊ sen r = v r AP v r v r
AP
◊ v
◊ sen
r
=
v
r
AP
v
r
v
r

Ex: Determine a distância entre o ponto P(3,2,1) e a reta r : X = (1,0, 1)+ t(1,2,1).

APLICAÇÕES

( ( Distância entre dois planos paralelos: d , ) = d P , 1
(
(
Distância entre dois planos paralelos:
d
,
)
= d P
,
1
)
1
2
2
Distância entre duas retas paralelas: d(r s)
,
=
d(P s)
,
r
Distância mínima entre duas retas reversas:
sendo π um plano que contém r e s // ,
d r
(
,
s
)
= d
(
P
,
)
s
r
P
s
1
P
P
s
r
2
 x
2
x
1
y
Ex: Determine a distância mínima entre as retas reversas
r
:
=
2
2 z
1 
=
e
s
:
5
=
z
1
  y

.

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO

r

1. Dados A(1,2,3) e v

, escreva equações da reta que contém A e é paralela a v r ,

nas formas vetorial, paramétrica e simétrica. Supondo que o sistema de coordenadas seja ortogonal, obtenha dois vetores diretores unitários dessa reta.

= (3,2,1)

2. Obtenha

dois

pontos

e

dois

vetores

diretores

da

reta

de

equações

paramétricas

x =

y =

=

z

4

+

2

R

1

,

. Verifique se os pontos P(1,3, 3)e Q( 3,4,12) pertencem à reta.

3. Obtenha equações paramétricas da reta que contém o ponto (1,4, 7) e é paralela à reta

de equações paramétricas

x

y

=

=

z = 0

200

3
3



3

,

R

.

4. Escreva equações nas formas paramétricas e simétricas da reta que contém o ponto

A(2,0, 3)e é paralela à reta descrita pelas equações 1

5

x

3

y

z+

3

4

6

uuur

PB

=

=

5. Sejam A (1, 2,5) e B (0,1,0). Determine o ponto P da reta AB tal que

.

= 3

uuur

PA

.

6. Sejam A(1,1,1) , B(0,0,1) e r: X = (1,0,0) + (1,1,1) . Determine os pontos de r eqüidistantes de A e B.

7. Obtenha equações paramétricas do plano que contém o ponto A(1,1,2) e é paralelo ao

plano

:

x

y

z

=

=

=

1

+

2

+

+

2

.

8. Obtenha equações paramétricas e gerais dos planos coordenados.

9. Decomponha

r

v = (1,2,4)

como

soma

de

um

r : X = (1,9,18)+ (2,1,0) com outro paralelo ao plano

vetor

:

x

y

z

=

=

=

1

1

+

+

paralelo

à

reta

10. Obtenha uma equação geral do plano π em cada caso:

r

a. π contém A(1,1,0) e B(1,-1,-1) e é paralelo a v

b. π contém A(1,0,1), B(2,1,-1) e C(1,-1,0).

= (2,1,0)

c.

d.

π contém

π

contém

P(1,0, 1) e

r

:

x

1

y

=

2

3

=

2

P (1, 1,1) e r : X = ( 0,2,2 ) +

z

(1,1, 1)

.

11.

Dadas as equações paramétricas, obtenha uma equação geral do plano:

a.

=

y =

x

z =

1

+

2

3

+

b.

x

=

2

+

y

=

2

+

2

+

z

=

 

12.

Dada uma equação geral, obtenha equações paramétricas do plano.

a. 4x + 2y – z + 5 = 0

b. 5x y – 1 = 0

c. z – 3 = 0

d. y – z – 2 = 0

13.

14.

15.

16.

17.

18.

19.

Determine a interseção da reta

x

6

=

y

2

= z

com o plano

x+

2

y+

z

9

=

0.

Determine a equação do plano que passa pelo ponto A(1,1,-2) e é perpendicular à reta

r: X =

t (3,

1,

3).

Obtenha a equação do plano que passa por P(1,2,1) e cujo traço com o plano z = 0 é a

reta

r

:

y


=

z = 0

3

x

+

2

Obtenha a equação do plano que passa pela reta :

r

x

y

z

t

=

=

=

2

t

+

e é perpendicular ao plano

t

: