P. 1
Algebra Vetorial

Algebra Vetorial

|Views: 769|Likes:
Publicado porInédito Taw

More info:

Published by: Inédito Taw on Dec 09, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

10/12/2014

pdf

text

original

NOTAS DE AULA

ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA
RETAS E PLANOS



ERON E ISABEL













SALVADOR – BA
2007



ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA ERON E ISABEL 1
EQUAÇÕES DA RETA
EQUAÇÃO VETORIAL DA RETA

DEF: Qualquer vetor não nulo paralelo a uma reta chama-se vetor diretor dessa reta.
Sejam v um vetor diretor de uma reta r e A um ponto de r.

R t v t AX ∈ = , ⇔ R t v t A X ∈ + = ,

Exemplos:

a) Uma equação vetorial da reta que passa pelos pontos A(-5, 2, 3) e B(4,-7,-6) é:
X = A + t AB ⇒ (x, y, z) = (-5, 2, 3) + t (9,-9, -9), t ∈ R
ou ainda, (x, y, z) = (-5, 2, 3) + t (1,-1, -1), t ∈ R

b) As equações vetoriais dos eixos coordenados são
X = O + t i , eixo das abscissas
X = O + t j , eixo das ordenadas
X = O + t k , eixo das cotas


INTERPRETAÇÃO FÍSICA DA EQUAÇÃO VETORIAL

Podemos interpretar a equação v t A X + = como o movimento descrito por um ponto
sobre a reta r, com velocidade constante (vetorial) igual a v , t indicando o tempo e A a
posição no instante inicial t = 0. Valores negativos de t indicam o “passado” do movimento,
em relação ao instante inicial. A cada valor de t temos uma posição bem determinada do
ponto móvel e fazendo t percorrer todo o conjunto R, a reta r é percorrida integralmente pelo
ponto (r representa a trajetória do movimento). Como há muitos movimentos retilíneos
uniformes com a mesma trajetória, fica fácil entender por que existem muitas equações
vetoriais para a mesma reta.

r
X
A
v
ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA ERON E ISABEL 2
EQUAÇÕES PARAMÉTRICAS DA RETA

Seja ( )
3 2 1
, , , O e e e um sistema de coordenadas cartesianas no espaço.
Consideremos em relação a este sistema:
X(x, y, z) um ponto genérico, A(x
0
, y
0
, z
0
) um ponto dado e v = (a, b, c) um vetor diretor
da reta r.
Escrevendo a equação vetorial da reta em coordenadas, obtemos

(x, y, z) = (x
0
, y
0
, z
0
) + t (a, b, c)

ou seja,
R t
ct z z
bt y y
at x x

¦
¹
¦
´
¦
+ =
+ =
+ =
,
0
0
0


que é o sistema de equações paramétricas da reta r.



Exemplo: As equações paramétricas do eixo coordenado y são
R t
z
t y
x
t z
t y
t x

¦
¹
¦
´
¦
=
=
=

¦
¹
¦
´
¦
⋅ + =
⋅ + =
⋅ + =
,
0
0
0 0
1 0
0 0






ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA ERON E ISABEL 3
EQUAÇÕES DA RETA NA FORMA SIMÉTRICA

Se nenhuma das coordenadas do vetor diretor é nula, podemos isolar t no primeiro membro de
cada uma das equações paramétricas da reta e obter
c
z z
b
y y
a
x x
0 0 0

=

=




Exercícios:
1) Seja r a reta determinada pelos pontos A(1,0,1) e B(3,-2,3).
a) Obtenha equações de r nas formas vetorial, paramétrica e simétrica.
b) Verifique se o ponto P(-9,10,-9) pertence à reta r.
c) Obtenha dois vetores diretores de r e dois pontos de r, distintos de A e B.

2) Mostre que as equações 1
2
1
3
1 2
+ =

=

z
y x
descrevem uma reta, escrevendo-as de modo
que possam ser reconhecidas como equações na forma simétrica. Exiba um ponto e um
vetor diretor da reta.

3) Escreva na forma simétrica a equação de uma reta no plano yz.
ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA ERON E ISABEL 4
PLANOS

POSTULADOS:

• Por uma reta pode-se traçar uma infinidade de planos.
• Por três pontos não alinhados passa um único plano.
• A reta que passa por dois pontos distintos de um plano está contida nesse plano.
• Toda reta pertencente a um plano divide-o em duas regiões chamadas semi-planos.

DETERMINAÇÃO:
• Por uma reta e um ponto não pertencente à reta, passa um único plano.
• Por duas retas paralelas (não coincidentes) passa um único plano.
• Por duas retas concorrentes passa um único plano.
• Por três pontos não alinhados passa um único plano.


EQUAÇÕES DO PLANO

DEF: Se u e v são LI e paralelos a um plano π , u e v são ditos vetores diretores de π .

EQUAÇÃO VETORIAL DO PLANO

Sejam u e v vetores diretores de um plano π , A um ponto fixo de π e X um ponto genérico
de π .
É claro que u , v e AX são LD, pois são coplanares.
Como u e v são LI, temos v u A X AX µ λ + = − = , ou seja,

, , X A u v R λ µ λ µ = + + ∈
r r






Exemplo: Dada uma reta r: X = A + v λ e um ponto r P∉ , podemos determinar o plano
. , , : R AP v A X ∈ + + = µ λ µ λ π

A
X

u

u v
v
ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA ERON E ISABEL 5
EQUAÇÕES PARAMÉTRICAS DO PLANO

Seja ( )
3 2 1
, , , O e e e um sistema de coordenadas cartesianas no espaço.
Consideremos em relação a este sistema:
X (x, y, z) um ponto genérico,
A (x
0
, y
0
, z
0
) um ponto dado,

( )
1 1, 1
, u a b c =
r
e
( )
2 2, 2
, v a b c =
r
vetores diretores de um plano π .

Escrevendo a equação vetorial do plano em coordenadas, obtemos

(x, y, z) = (x
0
, y
0
, z
0
) + λ (a
1
, b
1
, c
1
) + ) , , (
2 2 2
c b a µ

ou seja,
R
c c z z
b b y y
a a x x

¦
¹
¦
´
¦
+ + =
+ + =
+ + =
µ λ
µ λ
µ λ
µ λ
, ,
2 1 0
2 1 0
2 1 0


que é o sistema de equações paramétricas do plano π .

Exercício: Seja π o plano que contém o ponto A(3, 7, 1) e é paralelo a ( ) 1 , 1 , 1 = u e ( ) 0 , 1 , 1 = v .
a) Obtenha duas equações vetoriais de π.
b) Escreva equações paramétricas de π.
c) Verifique se o ponto (1, 2, 2) pertence a π.
d) Verifique se o vetor ( ) 5 , 2 , 2 = w é paralelo a π.


EQUAÇÃO GERAL DO PLANO

Considerando que u , v e AX são LD, temos que
0
2 2 2
1 1 1
0 0 0
=
− − −
c b a
c b a
z z y y x x
, isto é,
( ) ( ) ( ) 0
2 2
1 1
0
2 2
1 1
0
2 2
1 1
0
= ⋅ − + ⋅ − + ⋅ −
b a
b a
z z
a c
a c
y y
c b
c b
x x .
Sejam
2 2
1 1
2 2
1 1
2 2
1 1
e ,
b a
b a
c
a c
a c
b
c b
c b
a = = = e a equação acima poderá ser reescrita
como:
( ) ( ) ( )
( ) 0
0
0 0 0
0 0 0
= + + − + +
= − ⋅ + − ⋅ + − ⋅
cz by ax cz by ax
z z c y y b x x a


( )
0 0 0
onde , 0 cz by ax d d cz by ax + + − = = + + +
ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA ERON E ISABEL 6
Exercícios:
1) Obtenha a equação geral do plano π em cada caso.
a) π contém o ponto A(9,-1,0) e é paralelo aos vetores ( ) 1 , 1 , 1 = u e ( ) 0 , 1 , 0 = v .
b) π contém os pontos A(1,0,1), B(-1,0,1) e C(2,1,2).
c) π tem equações paramétricas
¦
¹
¦
´
¦
− − =
+ + =
− + =
µ λ
µ λ
µ λ
z
y
x
1
3 2 1
.
2) Obtenha equações paramétricas do plano π: 0 1 2 = − − + z y x .

INTERSEÇÃO DE UM PLANO COM OS EIXOS COORDENADOS
Seja α: 0 = + + + d cz by ax . O plano α intercepta:
o eixo das abscissas no ponto A(x,0,0), determinado ao se substituir y = z = 0 na equação
do plano;
o eixo das ordenadas no ponto B(0,y,0), determinado fazendo x = z = 0;
o eixo das cotas no ponto C(0,0,z), determinado ao se substituir x = y = 0.

Exemplo: Determine os pontos de interseção do plano α: 0 12 3 4 = − − + z y x com os eixos
coordenados. Faça os cálculos e observe abaixo a plotagem no sistema cartesiano.


ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA ERON E ISABEL 7
VETOR NORMAL A UM PLANO

• Se o plano é dado na forma vetorial R v u A X ∈ + + = µ λ µ λ , , , o vetor normal é dado
por v u w × = .
• Se o plano é dado na forma geral 0 = + + + d cz by ax , o vetor (a, b, c) é chamado
vetor coeficiente do plano π . Se estas coordenadas estão em relação a um sistema
ortogonal, (a, b, c) é um vetor normal ao plano π .


CASOS PARTICULARES DA EQUAÇÃO GERAL DO PLANO

A nulidade de um ou mais coeficientes na equação geral do plano fará com que este ocupe um
posicionamento particular em relação aos eixos coordenados.
Na equação 0 = + + + d cz by ax , se:
1º caso:
d = 0 ⇒ 0 = + + cz by ax , com 0 ≠ ⋅ ⋅ c b a ⇒ o plano contém a origem.
2º caso:
a) a = 0 ⇒ 0 = + + d cz by , com 0 ≠ ⋅ ⋅ d c b ⇒ o plano é paralelo ao eixo das abscissas.
b) b = 0 ⇒ 0 = + + d cz ax , com 0 ≠ ⋅ ⋅ d c a ⇒ o plano é paralelo ao eixo das ordenadas.
c) c = 0 ⇒ 0 = + + d by ax , com 0 ≠ ⋅ ⋅ d b a ⇒ o plano é paralelo ao eixo das cotas.
3º caso:
a) a= d = 0 ⇒ 0 = + cz by , com 0 ≠ ⋅ c b ⇒ o plano conterá o eixo das abscissas.
b) b= d = 0 ⇒ 0 = + cz ax , com 0 ≠ ⋅ c a ⇒ o plano conterá o eixo das ordenadas.
c) c= d = 0 ⇒ 0 = +by ax , com 0 ≠ ⋅ b a ⇒ o plano conterá o eixo das cotas.


Plano paralelo ao eixo 0x Plano que contem o eixo 0x
A
X
u

v
w
π
ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA ERON E ISABEL 8
4º caso:
a) a= b = 0 ⇒ 0 = + d cz , com 0 ≠ ⋅ d c ⇒ o plano é paralelo ao plano xy.
b) a= c = 0 ⇒ 0 = + d by , com 0 ≠ ⋅ d b ⇒ o plano é paralelo ao plano xz.
c) b= c = 0 ⇒ 0 = + d ax , com 0 ≠ ⋅ d a ⇒ o plano é paralelo ao plano yz.



Exemplo: Indique o posicionamento de cada plano em relação ao sistema cartesiano.
a) 3x + y – 4z = 0 ⇒ plano que passa pela origem.
b) 2x + 3z – 3 = 0 ⇒ plano paralelo ao eixo 0y.
c) 4x + 3y = 0 ⇒ plano que contem o eixo 0z.
d) x – 3 = 0 ⇒ plano paralelo ao plano yz.

OBS: No R² a equação 2x + 3y – 6 = 0 representa uma reta. Entretanto, no R³ tal equação
representa um plano paralelo ao eixo 0z. Observe a figura.













ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA ERON E ISABEL 9

POSIÇÕES RELATIVAS ENTRE RETAS E PLANOS NO ESPAÇO R
3



POSIÇÕES RELATIVAS ENTRE RETAS

Sejam r e s retas no R³. Elas podem ser:

• Coplanares
{ }
( )
¦
¦
¹
¦
¦
´
¦
¹
´
¦
= = ∩
Φ = ∩

¹
´
¦

= ∩


s r s r
s r
s r
s r
P s r
// paralelas
: particular caso
es concorrent





• Reversas: ⇒
¹
´
¦

Φ = ∩
s r
s r
: particular caso

não existe nenhum plano que contenha as duas
retas

CONDIÇÃO PARA RETAS COPLANARES:

Sejam
r
v t A X r
1
: + = e
s
v t B X s
2
: + = , R t t ∈
2 1
, , duas retas no R³.





Neste caso, ainda podemos ter:
( )
( ) ¦
¹
¦
´
¦

⇔ = ∩
LD são e // paralelas
LI são e es concorrent
s r
s r
v v s r
v v P s r


Se [ ] 0 , , ≠ AB v v
s r
, temos r e s retas reversas.

r e s são coplanares [ ] 0 , , = ⇔ AB v v
s r

ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA ERON E ISABEL 10
CONDIÇÃO DE ORTOGONALIDADE:





Se além dessa condição r e s têm um ponto comum elas são chamadas perpendiculares.


Exercício: Verifique se as retas
4
5
3 2
2
:

= =
− z y x
r e
3
6
3
1
5
:

= + =
+

z
y
x
s são
coplanares. Elas são concorrentes? Em caso afirmativo, determine o ponto de interseção.


POSIÇÕES RELATIVAS ENTRE UMA RETA E UM PLANO

Sejam r uma reta e π um plano. Temos:

¹
´
¦
⊂ = ∩
Φ = ∩

π π
π
π
r r r
r
r
, seja ou ,
//
• r não é paralela a π { } P r = ∩ ⇒ π



Sejam
r
v t A X r + = : e 0 : = + + + d cz by ax π , onde ( ) c b a w , , = é o vetor normal de π.
• r // π 0 = ⋅ ⇔ w v
r

Se além disso P (ponto de r) também pertence a π, temos π ⊂ r .
• 0 ≠ ⋅ w v
r
{ } P r = ∩ ⇔ π
π ⊥ ⇔r w v
r
LD são e

r e s são ortogonais 0 = ⋅ ⇔
s r
v v
ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA ERON E ISABEL 11
Exercício: Verifique se ) 4 , 1 , 1 ( ) 1 , 3 , 2 ( : − + = λ X r e ) 2 , 3 , 3 ( ) 3 , 1 , 2 ( ) 2 , 6 , 4 ( : µ λ π + + − − = X se
interceptam. Em caso afirmativo, obtenha a intersecção.



POSIÇÕES RELATIVAS ENTRE PLANOS


Sejam
1
π e
2
π dois planos. Eles podem ser:


¹
´
¦
Φ = ∩


2 1
2 1
2 1
//
π π
π π
π π
• r = ∩
2 1
π π




Sejam 0 :
1 1 1 1 1
= + + + d z c y b x a π e 0 :
2 2 2 2 2
= + + + d z c y b x a π as equações gerais dos dois
planos em relação ao sistema de coordenadas ( )
3 2 1
, , , O e e e .

1 2 1
// w ⇔ π π e
2
w são LD, ou seja,
¦
¹
¦
´
¦
=
=
=
⇔ ∈ =
2 1
2 1
2 1
2 1
,
tc c
tb b
ta a
R t w t w
Se além disso,
2 1 0 0 0
, ) , , ( π π ∈ = z y x P , temos:
( )
0 1 0 1 0 1 1
z c y b x a d + + − = e ( )
0 2 0 2 0 2 2
z c y b x a d + + − =
ou seja,
( )
0 2 0 2 0 2 1
z tc y tb x ta d + + − = e ( )
0 2 0 2 0 2 2
z c y b x a d + + − =
então,
=
1
d t
2
d

2 1
π π ≡ . ,
2 1
2 1
2 1
2 1
R t
td d
tc c
tb b
ta a

¦
¦
¹
¦
¦
´
¦
=
=
=
=





ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA ERON E ISABEL 12
Se
1
w e
2
w são LI, temos r = ∩
2 1
π π .

O sistema de equações
¹
´
¦
= + + +
= + + +
0
0
:
2 2 2 2
1 1 1 1
d z c y b x a
d z c y b x a
r define esta reta r e é chamado equação da
reta na forma planar, ou ainda, forma geral da reta.

Notemos que
2 1
w w v
r
× =

0
2 1 2 1
= ⋅ ⇔ ⊥ w w π π


Ex: Determine a intersecção dos planos
1
π e
2
π . Quando se tratar de uma reta, descreva-a por
equações paramétricas.
a) 0 1 3 2 :
1
= − + + z y x π e 0 2 :
2
= + − z y x π
b) 0 1 :
1
= − + + z y x π e 0 1 2 2 2 :
2
= − + + z y x π
c) 0 1 :
1
= − + + z y x π e 0 3 3 3 3 :
2
= − + + z y x π



ÂNGULOS

ÂNGULO ENTRE DUAS RETAS

Sejam r e s duas retas,
r
v um vetor diretor de r e
s
v um vetor diretor de s. O ângulo (ou
medida angular) entre as retas r e s é a medida angular entre os vetores
r
v e
s
v , se esta
pertence ao intervalo

2
, 0
π
(em radianos), e é a medida angular entre os vetores
r
v e –
s
v ,
se esta pertence ao intervalo

π
π
,
2
.





Para
s r
s r
v v
v v
s r


= = θ θ cos temos , ) , (


Ex: Calcule o ângulo entre as retas r: ( ) ( ) 1 , 1 , 0 9 , 1 , 1 − + = t X e s: x – y + 3 = z = 4.


ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA ERON E ISABEL 13
ÂNGULO ENTRE RETA E PLANO

Sejam r uma reta e π um plano. O ângulo formado entre r e π é o complemento do ângulo
entre as retas r e s, sendo s uma reta qualquer perpendicular a π.




π
π
ϕ ϕ
π
θ
w v
w v
r
r


= − = cos onde ,
2


π
π
θ
w v
w v
r
r


= arcsen


Ex: Obtenha o ângulo em radianos entre a reta ( ) ( ) 0 , 1 , 1 0 , 1 , 0 : − − + = t X r e o plano
0 10 : = − + z y π .



ÂNGULO ENTRE PLANOS

O ângulo entre os planos
2 1
e π π é o ângulo formado pelas suas respectivas retas normais.









2 1
2 1
cos
π π
π π
θ
w w
w w


=


Ex: Determine o ângulo entre os planos 0 1 2 3 : e 0 1 2 :
2 1
= + − = + − − y x z y x π π .







r
v

π
w

r
v

r
s
θ
ϕ
π
ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA ERON E ISABEL 14
DISTÂNCIAS

Consideremos ( ) k j i , , , 0 um sistema ortogonal.

DISTÂNCIA ENTRE DOIS PONTOS

Sejam ( )
1 1 1
, , z y x A = e ( )
2 2 2
, , z y x B = dois pontos.
( ) ( )
1 2 1 2 1 2
, , , z z y y x x AB B A d − − − = =
( ) ( ) ( ) ( )
2
1 2
2
1 2
2
1 2
, z z y y x x B A d − + − + − =


DISTÂNCIA ENTRE UM PONTO E UM PLANO

Sejam 0 : = + + + d cz by ax π um plano, ( )
0 0 0
, , P x y z um ponto no espaço e ( )
1 1 1
' , , P x y z
um ponto de π.
Temos que ( ) ( ) AP A P d P d = = , ,π


Seja r uma reta ortogonal ao plano π passando por P: { } A r = ∩ π .

( )
( )
( )
( )
2 2 2
1 1 1 0 0 0
2 2 2
1 0 1 0 1 0
2 2 2
1 0 1 0 1 0
, ,
, ,
'
' ' Proj ' Proj
c b a
cz by ax cz by ax
c b a
cz cz by by ax ax
c b a
c b a
z z y y x x
w w P P AP
w w P P P P P P AP
w v
r
+ +
+ + − + +
=
+ +
− + − + −
=
+ +
⋅ − − − =
° ⋅ ° ⋅ =
° ⋅ ° ⋅ = = =
° °
π π
π π
π



Como P’∈ π, temos 0
1 1 1
= + + + d cz by ax , ou seja, ( )
1 1 1
cz by ax d + + − = .

P
.P’ A
π
r
ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA ERON E ISABEL 15
Logo,
2 2 2
0 0 0
) , (
c b a
d cz by ax
P d
+ +
+ + +
= π


Exemplo: Determine a distância entre o plano 0 1 2 3 : = − + + z y x π e o ponto ( ) 1, 1, 2 P − .



DISTÂNCIA ENTRE UM PONTO E UMA RETA

Sejam R t v t A X r
r
∈ + = , : uma reta e ( )
0 0 0
, , P x y z um ponto no espaço.

d(P,r) = d(P,P’) = P P'
Temos
AP
P P'
sen = θ , onde ( ) AP AP, ' = θ .
Logo,
r
r
v
v AP
AP P P
θ
θ
sen
sen '
⋅ ⋅
= =
( )
r
r
v
v AP
r P d
×
= ,



Ex: Determine a distância entre o ponto P(3,2,1) e a reta ( ) ( ) 1 , 2 , 1 1 , 0 , 1 : t X r + − = .












P
P’ A
r
r
v
ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA ERON E ISABEL 16
APLICAÇÕES


Distância entre dois planos paralelos: ( ) ( )
2 2 1
, ,
1
π π π
π
P d d =
Distância entre duas retas paralelas: ( ) ( ) s P d s r d
r
, , =
Distância mínima entre duas retas reversas:
sendo π um plano que contém r e π // s , ( ) ( ) π , ,
s
P d s r d =




Ex: Determine a distância mínima entre as retas reversas
1
2
2
1
:


=
− y x
r e
¦
¹
¦
´
¦
− =
=

1
5
2
:
z y
z
x
s .
P
1
π

2
π

π

r
s
s
r
P P
ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA ERON E ISABEL 17
EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO

1. Dados A(1,2,3) e ( ) 3, 2,1 v =
r
, escreva equações da reta que contém A e é paralela a v
r
,
nas formas vetorial, paramétrica e simétrica. Supondo que o sistema de coordenadas seja
ortogonal, obtenha dois vetores diretores unitários dessa reta.

2. Obtenha dois pontos e dois vetores diretores da reta de equações paramétricas
1
,
4 2
x
y R
z
λ
λ λ
λ
= − ¦
¦
= ∈
´
¦
= +
¹
. Verifique se os pontos ( ) 1, 3, 3 P − e ( ) 3, 4,12 Q − pertencem à reta.

3. Obtenha equações paramétricas da reta que contém o ponto ( ) 1, 4, 7 − e é paralela à reta
de equações paramétricas
200
3 3 ,
0
x
y R
z
λ
λ λ
= − ¦
¦
= − ∈
´
¦
=
¹
.


4. Escreva equações nas formas paramétricas e simétricas da reta que contém o ponto
( ) 2, 0, 3 A − e é paralela à reta descrita pelas equações
1 3 3
5 4 6
x y z − +
= = .

5. Sejam ( ) 1, 2, 5 A e B(0,1,0). Determine o ponto P da reta AB tal que 3 PB PA =
uuur uuur
.

6. Sejam (1,1,1) A , B(0,0,1) e r: ( ) ( ) 1, 0, 0 1,1,1 X λ = + . Determine os pontos de r
eqüidistantes de A e B.

7. Obtenha equações paramétricas do plano que contém o ponto A(1,1,2) e é paralelo ao
plano
1 2
: 2
x
y
z
λ µ
π λ µ
λ
= + + ¦
¦
= +
´
¦
= −
¹
.

8. Obtenha equações paramétricas e gerais dos planos coordenados.

9. Decomponha (1, 2, 4) v =
r
como soma de um vetor paralelo à reta
( ) ( ) : 1, 9,18 2,1, 0 r X λ = + com outro paralelo ao plano
1
: 1
x
y
z
λ
π µ
λ µ
= + ¦
¦
= +
´
¦
= −
¹

10. Obtenha uma equação geral do plano π em cada caso:
a. π contém ( ) 1,1, 0 A e B(1,-1,-1) e é paralelo a ( ) 2,1, 0 v =
r
.
b. π contém ( ) 1, 0,1 A , B(2,1,-1) e C(1,-1,0).
c. π contém ( ) 1, 0, 1 P − e
1
: 2
2 3
x y
r z

= = −
d. π contém ( ) 1, 1,1 P − e ( ) ( ) : 0, 2, 2 1,1, 1 r X λ = + −

ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA ERON E ISABEL 18
11. Dadas as equações paramétricas, obtenha uma equação geral do plano:
a.
1
2
3
x
y
z
λ µ
λ µ
µ
= + − ¦
¦
= +
´
¦
= −
¹
b.
2
2 2
x
y
z
λ µ
λ µ
λ µ
= − + − ¦
¦
= +
´
¦
= +
¹


12. Dada uma equação geral, obtenha equações paramétricas do plano.
a. 4x + 2y – z + 5 = 0
b. 5x – y – 1 = 0
c. z – 3 = 0
d. y – z – 2 = 0

13. Determine a interseção da reta com o plano 2 9 0.
6 2
x y
z x y z = = − + + − =

14. Determine a equação do plano que passa pelo ponto (1 1 2) A , ,- e é perpendicular à reta
). 3 1 3 ( − − = , , t r: X


15. Obtenha a equação do plano que passa por P(1,2,1) e cujo traço com o plano z = 0 é a
reta
3 2
:
0
y x
r
z
= + ¦
´
=
¹

16. Obtenha a equação do plano que passa pela reta : e é perpendicular ao plano
2
x t
r y t
z t
= ¦
¦
= −
´
¦
= +
¹

0. 1 : = − + − z 2y x π

17.
1
Obtenha a equação do plano que passa pela reta e é paralelo à reta .
3 2
x z
r : x y - z s :
y z -
= + ¦
= =
´
=
¹

18. Dado o triedro cujas arestas são as retas x = 2y = z, – x = y = z e x = – 3y =2z, determine a
equação dos planos das faces.

19. Determine as equações da reta que passa pelo ponto ( ) 2,1, 1 P − e é perpendicular ao
plano ( ) ( ) 2 1 1 3 2 5 . X , , , , λ µ = − +

20. Determine as equações da reta que passa pela origem, é paralela ao plano
3 2 2 0 x y z − + − = e intercepta a reta
2
1 .
3
y
x z
+
− = =

21.
3 1 2
Dada a reta
2 5 1
x y z − + −
= =

, determine as coordenadas dos pontos de intersecção
com os planos coordenados.

22. Determine as equações paramétricas da reta que passa pelo ponto ( ) 1, 2, 1 P − − e
intercepta as retas reversas
1 2
.
2 3 1
x z x z
r : e s :
y z y z
= − = − ¦ ¦
´ ´
= − = − +
¹ ¹


ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA ERON E ISABEL 19
23. Determine as equações paramétricas da reta perpendicular comum às retas reversas
¦
¦
¹
¦
¦
´
¦

= =

=

= −

z
y
x
s:

z y
r: x
2 2
1 2
1
1


24. ( ) ( )
4 6
Verifique se as retas e 111 2 1 3 são coplanares.
3 2 5
x y z
X , , λ , ,
− −
= = = + −

25. ( ) Determine o ponto simétrico de 1 2 1 P , ,-
a. em relação à reta 1 x y z − = =
b. em relação ao plano 2 1 0 x y z − + − =

26. Determine o lugar geométrico dos pontos médios dos segmentos que se apóiam nas retas
reversas ( ) ( ) : 0 1 1 1, 0,1 r X , , λ = − + e ( ) : 3 1 4 (2,1, 3) s X , , µ = − + − .

27. Determine o plano que passa pela reta
2 3
:
3 2
x y
r z
− +
= = e pelo ponto comum aos três
planos
2 1 0
3 1 0
4 2 2 0
x y z
x y z
x y z
+ + + = ¦
¦
− + − =
´
¦
− + + =
¹
.
28. ( ) ( ) ( ) Dado um plano : 0,0,1 1, 1, 1 1, 2, 4 e a reta que passa por AB X r π λ µ = + − − + − − −
uuur
,
sendo ( ) ( ) A 0,0,0 e B 1,1,1 , determine a equação do plano que passa pelo ponto onde a
reta r intercepta o plano π e é paralelo ao plano
1
: 3 0 x π − = .

29. Decomponha o vetor ( ) 2, 1, 3 v = −
r
em dois vetores e u w
r r
, de modo que u
r
seja paralelo
ao plano : 2 3 0 x y z π − + − = e w
r
ortogonal ao plano π .

30. Considerando os pontos ( ) 1, 3, 4 A − − , ( ) ( ) 2,1, 4 e 3, 11, 5 B C − − − , mostre que o triângulo
ABC é isósceles.

31. Determine a distância entre o ponto P e a reta r nos seguintes casos.

1 2
a) (1,2, 1) e :
2 3
x z
P r y
− +
− = − = ;
2 0
b) (1, 1,0) e :
3 2 1 0
x y z
P r
x y z
− + = ¦

´
+ − + =
¹


32. Determine a distância entre o ponto P e o plano π nos seguintes casos :
( ) ( ) ( ) ( ) a) 2,1, 3 e : 1, 2, 1 3, 2, 1 1, 0, 0
2
b) (0,0, 1) e :
1 2
P X
x
P y
z
π λ µ
λ µ
π λ µ
µ
− = − + − +
= + ¦
¦
− = − −
´
¦
= −
¹


33. Determine o lugar geométrico dos pontos eqüidistantes dos dois planos dados:

¹
´
¦
= + − +
= − + −
0 2 :
0 1 2 :
2
1
z y x
z y x
π
π

ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA ERON E ISABEL 20
34. Determine o ângulo entre as retas
1
: e : (1, 0, 0) (2,1, 1).
2
x
r y z s X λ

= = − = + −

35. Determine o ângulo da reta : r x y z = − = com o plano : 2 1 0 x y z π − − − = .

36. Determine o ângulo entre os planos ( ) ( )
1
: (1,1,1) 2,1,3 1, 1, 2 X π λ µ = + + − e
2
: 2 0 x y z π − − = .

37. Obtenha as equações da reta que passa pelo ponto ( ) 1, 0,1 P e intercepta a reta
1 t : x y z = = + formando um ângulo de
3
π
radianos.

38. Pela reta PQ, (1, 1, 0), (0, 2, 1) P Q − − − , conduza o plano que faz um angulo de
3
π

radianos com o plano 2 3 2 0 x y z + − + = .

39. Dado o tetraedro de vértices A(1,2,1), B(2,–1,1), C(0, –1, –1) e D(3,1,0), calcule a
medida da altura baixada do vértice D ao plano da face ABC.

40. Do paralelepípedo dado a seguir sabe-se que:

i. O plano ABC: 6 0 x y z + − + = e a
reta DG: ( ) 1, 2, 3 , X t t R = − ∈ .
ii. O plano ABF é perpendicular ao
plano ABC e F(0,2,0).
Determine:
a. As equações simétricas da reta AF.
b. As equações paramétricas do plano ABF.
c. As coordenadas do ponto D.
d. A equação geral do plano EFG.


Respostas
1. X = (1,2,3) + (3, 2,1), t t R ∈ ,
1 3
2 2
3
x t
y t
z t
= + ¦
¦
= +
´
¦
= +
¹
,
1 2
3
3 2
x y
z
− −
= = − ,
3 2 1
, ,
14 14 14
v
| |
= ±
|
\ ¹
r

2. ( ) 1, 0, 4 A = , ( ) 0,1, 6 B = , ( ) 1,1, 2 u = −
r
e ( ) 2, 2, 4 v = − −
r
. P r ∉ eQ r ∈ .
3.
1
: 4 3 ,
7
x
r y R
z
λ
λ λ
= − ¦
¦
= − ∈
´
¦
= −
¹
4.
2 5
4 2 3
: , e
3 15 4 18
3 6
x
x y z
r y R
z
λ
λ λ
λ
= − ¦
¦
− + ¦
= ∈ = =
´

¦
= − + ¦
¹

5. P=
3 5 15
, ,
2 2 2
| |
|
\ ¹
ou P=
3 7 15
, ,
4 4 4
| |
|
\ ¹
6. P=( ) 1, 0, 0 7.
1 2
: 1 2 , ,
2
x
y R
z
λ µ
α λ µ λ µ
λ
= + + ¦
¦
= + + ∈
´
¦
= −
¹
.
ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA ERON E ISABEL 21
8. Plano x0y: z = 0 e
0
x
y
z
λ
µ
= ¦
¦
=
´
¦
=
¹
. Plano x0z: y = 0 e 0
x
y
z
λ
µ
= ¦
¦
=
´
¦
=
¹
. Plano y0z: x = 0 e
0 x
y
z
λ
µ
= ¦
¦
=
´
¦
=
¹
.
9. ( ) ( ) (1, 2, 4) 10, 5, 0 11, 7, 4 = − − +
10. a) 2 4 1 0 x y z − + + = ; b) 3 4 0 x y z − + − = ; c) 3 2 3 0 x y − − = ; d) 2 0 x z + − =
11. a) 2 3 7 0 x y z − − + = ; b) 2 0 y z − =
12. a)
5 4 2
x
y
z
λ
µ
λ µ
= ¦
¦
=
´
¦
= + +
¹
; b) 5 1
x
y
z
λ
λ
µ
= ¦
¦
= −
´
¦
=
¹
; c)
3
x
y
z
λ
µ
= ¦
¦
=
´
¦
=
¹
; d)
2
x
y
z
λ
µ
µ
= ¦
¦
=
´
¦
= − +
¹
,
. , R ∈ µ λ

13. ( ) 6, 2, 1 P = − . 14. : 3 3 8 0 x y z π − − − = 15. : 3 3 2 0 x y z π − − + = 16. : 2 0 x z π − + =
17. : 2 0 x y z π − + = 18.
1
: 4 3 0 x y z π + − = ,
2
: 5 9 4 0 x y z π + − = ,
3
: 7 6 10 0 x y z π + − =
19. ( ) ( ) 2 1 1 7 13 1 X , , t , , = − + − 20. ( ) 9 17 7 . X t , , =
21. ( )
1
7, 9, 0 P = ,
2
17 9
, 0,
5 5
P
| |
=
|
\ ¹
e
3
17 7
0, ,
2 2
P
| |
= −
|
\ ¹

22.
1
2
1 2
x t
y t
z t
= − ¦
¦
= − +
´
¦
= − +
¹
23. 0
x t
y
z t
= ¦
¦
=
´
¦
=
¹
24. Não 25. a)
5 4 5
' , ,
3 3 3
P
| |
= −
|
\ ¹
; b)
7 4 1
' , ,
3 3 3
P
| |
= −
|
\ ¹

26. O lugar geométrico é o plano de equações
3
2 2
: , ,
2
3 3
2 2 2
x
y R
z
λ
µ
µ
α λ µ
λ µ
¦
= + +
¦
¦
¦
= ∈
´
¦
¦
= + −
¦
¹
.
27. :16 5 38 47 0 x y z π − − − = . 28. : 4 3 0 x α + = 29.
2 1 5 8 4 4
, , , ,
3 3 3 3 3 3
v
| | | |
= − + −
| |
\ ¹ \ ¹
r

30. ( ) ( ) , , 9 d A B d A C = = e ( ) , 5 10 d B C = . 31. a)
69
14
b)
3 14
5 3

32. a) 5 b)
2
21
33. Os planos
( ) ( ) ( ) ( )
( ) ( ) ( ) ( )
: 2 2 1 2 1 2 1 2 2 0
: 2 2 2 1 1 2 1 2 2 0
x y z
x y z
α
β
¦
− − + + + − + =
¦
´
+ + − + − − − = ¦
¹

34. 0 α = . r // s coincidentes. 35.
2
arcsen
3
α = 36.
210
arccos
15
α =
37.
( )
2 3 2 3 2
: 1 0 1 , ,
3 3 3
r X , , t
| |
− − −
= + −
|
|
\ ¹
ou
( )
2 3 2 2 3
' : 1 0 1 , ,
3 3 3
r X , , t
| |
+ −
= +
|
|
\ ¹

38.
1 2
: 2 3 5 0, : 3 2 4 0 x y z x y z π π − + − = − − − = .
39.
8 19
19

40. a) AF:
2
2 3
y z
x

= =

b) ABF: 2 2
3
x
y
z
λ µ
λ µ
λ µ
= + ¦
¦
= + +
´
¦
= − −
¹
c) ( ) 1, 2, 3 D − −
d) EFG: 2 0 x y z + − − =

ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA ERON E ISABEL 22
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS


1. CAMARGO, Ivan de, BOULOS, Paulo. Geometria Analítica. 3ª ed. revisada e ampliada
– São Paulo: Prentice Hall, 2005.

2. STEINBRUCH, Alfredo, WINTERLE Paulo, Geometria Analítica, Makron Books.

3. CAROLI, Alésio, CALLIOLI Carlos A., FEITOSA Miguel O., Matrizes, Vetores e
Geometria Analítica, Ed. Nobel, 1991.

4. VENTURINI, Jacir J., Álgebra Vetorial e Geometria Analítica, 8ª edição (atualizada)
disponível no site www.geometriaanalítica.com.br .

5. SANTOS, Reginaldo. Um Curso de Geometria Analítica e Álgebra Linear, disponível no
site www.mat.ufmg.br/~regi .

6. LEHMANN, Charles H. Geometria Analítica, Editora Globo.

7. Apostilas Cálculo Vetorial – Professoras do Departamento de Matemática – UFBA
disponível no site www.dmat.ufba.br .

EQUAÇÕES DA RETA EQUAÇÃO VETORIAL DA RETA DEF: Qualquer vetor não nulo paralelo a uma reta chama-se vetor diretor dessa reta. Sejam v um vetor diretor de uma reta r e A um ponto de r. r X A

v

AX = t v, t ∈ R
Exemplos:

X = A + t v, t ∈ R

a) Uma equação vetorial da reta que passa pelos pontos A(-5, 2, 3) e B(4,-7,-6) é: X = A + t AB ⇒ (x, y, z) = (-5, 2, 3) + t (9,-9, -9), t ∈ R ou ainda, (x, y, z) = (-5, 2, 3) + t (1,-1, -1), t ∈ R b) As equações vetoriais dos eixos coordenados são X = O + t i , eixo das abscissas X = O + t j , eixo das ordenadas X = O + t k , eixo das cotas

INTERPRETAÇÃO FÍSICA DA EQUAÇÃO VETORIAL

Podemos interpretar a equação X = A + t v como o movimento descrito por um ponto sobre a reta r, com velocidade constante (vetorial) igual a v , t indicando o tempo e A a posição no instante inicial t = 0. Valores negativos de t indicam o “passado” do movimento, em relação ao instante inicial. A cada valor de t temos uma posição bem determinada do ponto móvel e fazendo t percorrer todo o conjunto R, a reta r é percorrida integralmente pelo ponto (r representa a trajetória do movimento). Como há muitos movimentos retilíneos uniformes com a mesma trajetória, fica fácil entender por que existem muitas equações vetoriais para a mesma reta.

ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA

ERON E ISABEL

1

c) ou seja. z0) + t (a. Exemplo: As equações paramétricas do eixo coordenado y são x = 0 + t ⋅ 0   y = 0 + t ⋅1 z = 0 + t ⋅ 0  x = 0  ⇒ y = t . y0. A(x0. e1 . Escrevendo a equação vetorial da reta em coordenadas. z) = (x0. y. t ∈ R z = 0  ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA ERON E ISABEL 2 . b. c) um vetor diretor da reta r. b. e2 . e3 um sistema de coordenadas cartesianas no espaço. y0. t∈R que é o sistema de equações paramétricas da reta r. y. obtemos (x. z) um ponto genérico. ( )  x = x0 + at   y = y0 + bt  z = z + ct 0  . Consideremos em relação a este sistema: X(x. z0) um ponto dado e v = (a.EQUAÇÕES PARAMÉTRICAS DA RETA Seja O.

ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA ERON E ISABEL 3 . paramétrica e simétrica.10. b) Verifique se o ponto P(-9.-2. c) Obtenha dois vetores diretores de r e dois pontos de r. Exiba um ponto e um vetor diretor da reta.1) e B(3.EQUAÇÕES DA RETA NA FORMA SIMÉTRICA Se nenhuma das coordenadas do vetor diretor é nula. 2) Mostre que as equações 2x −1 1 − y = z + 1 descrevem uma reta. escrevendo-as de modo = 3 2 que possam ser reconhecidas como equações na forma simétrica. a) Obtenha equações de r nas formas vetorial. podemos isolar t no primeiro membro de cada uma das equações paramétricas da reta e obter x − x0 y − y 0 z − z 0 = = a b c Exercícios: 1) Seja r a reta determinada pelos pontos A(1.0.3). 3) Escreva na forma simétrica a equação de uma reta no plano yz.-9) pertence à reta r. distintos de A e B.

v e AX são LD. λ . pois são coplanares. podemos determinar o plano π : X = A + λ v + µ AP. Toda reta pertencente a um plano divide-o em duas regiões chamadas semi-planos. µ ∈ R. ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA ERON E ISABEL 4 . Por duas retas concorrentes passa um único plano. É claro que u . A reta que passa por dois pontos distintos de um plano está contida nesse plano. ou seja. Por três pontos não alinhados passa um único plano. µ ∈ R u v u v X A Exemplo: Dada uma reta r: X = A + λ v e um ponto P ∉ r . A um ponto fixo de π e X um ponto genérico de π . temos AX = X − A = λ u + µ v . Por três pontos não alinhados passa um único plano. EQUAÇÃO VETORIAL DO PLANO Sejam u e v vetores diretores de um plano π . passa um único plano. DETERMINAÇÃO: • • • • Por uma reta e um ponto não pertencente à reta.PLANOS POSTULADOS: • • • • Por uma reta pode-se traçar uma infinidade de planos. r r X = A + λu + µ v . Por duas retas paralelas (não coincidentes) passa um único plano. EQUAÇÕES DO PLANO DEF: Se u e v são LI e paralelos a um plano π . λ . Como u e v são LI. u e v são ditos vetores diretores de π .

a) Obtenha duas equações vetoriais de π.1) e v = (1. b2. e3 um sistema de coordenadas cartesianas no espaço. 2. obtemos (x. temos que x − x0 y − y0 z − z0 a1 a2 b1 b2 c1 c2 = 0 . b2 e a equação acima poderá ser reescrita Sejam a = como: a1 a e c= 1 a2 a2 a ⋅ ( x − x0 ) + b ⋅ ( y − y 0 ) + c ⋅ ( z − z 0 ) = 0 ax + by + cz − (ax0 + by 0 + cz 0 ) = 0 ax + by + cz + d = 0.2. Exercício: Seja π o plano que contém o ponto A(3. e1 . isto é.b= 1 c2 c2 a1 a + ( z − z0 ) ⋅ 1 a2 a2 b1 b2 b1 = 0. y0.1. c1) + µ (a2 . c2 ) ou seja. Consideremos em relação a este sistema: X (x. Escrevendo a equação vetorial do plano em coordenadas. v e AX são LD. y.1. b1. r r u = ( a1 . c) Verifique se o ponto (1. ( )  x = x0 + λa1 + µa 2   y = y 0 + λb1 + µb2  z = z + λc + µc 0 1 2  .5) é paralelo a π. y. EQUAÇÃO GERAL DO PLANO Considerando que u . d) Verifique se o vetor w = (2. b2 . µ ∈ R que é o sistema de equações paramétricas do plano π . λ.EQUAÇÕES PARAMÉTRICAS DO PLANO Seja O. onde d = −(ax0 + by0 + cz0 ) ERON E ISABEL ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA 5 . (x − x0 ) ⋅ b1 b2 c1 c + ( y − y0 ) ⋅ 1 c2 c2 b1 b2 c1 c . 2) pertence a π. 7. z0) + λ (a1. b1. e2 . c1 ) e v = ( a2 . c2 ) vetores diretores de um plano π . z) = (x0. y0. 1) e é paralelo a u = (1. z0) um ponto dado. z) um ponto genérico.0) . b) Escreva equações paramétricas de π. A (x0.

2). INTERSEÇÃO DE UM PLANO COM OS EIXOS COORDENADOS Seja α: ax + by + cz + d = 0 . Faça os cálculos e observe abaixo a plotagem no sistema cartesiano.1.0.0) e é paralelo aos vetores u = (1. Exemplo: Determine os pontos de interseção do plano α: 4 x + 3 y − z − 12 = 0 com os eixos coordenados. O plano α intercepta: o eixo das abscissas no ponto A(x.0). o eixo das cotas no ponto C(0.0. o eixo das ordenadas no ponto B(0.1) e v = (0.0.1. determinado ao se substituir y = z = 0 na equação do plano.0). determinado ao se substituir x = y = 0.y. B(-1.Exercícios: 1) Obtenha a equação geral do plano π em cada caso.1.1) e C(2.0) .1). determinado fazendo x = z = 0. ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA ERON E ISABEL 6 .-1. b) π contém os pontos A(1.0.z).  x = 1 + 2λ − 3µ  c) π tem equações paramétricas  y = 1 + λ + µ . a) π contém o ponto A(9.  z = −λ − µ  2) Obtenha equações paramétricas do plano π: x + 2 y − z − 1 = 0 .

Na equação ax + by + cz + d = 0 . 2º caso: a) a = 0 ⇒ by + cz + d = 0 . b.VETOR NORMAL A UM PLANO • • Se o plano é dado na forma vetorial X = A + λ u + µ v. com b ⋅ c ⋅ d ≠ 0 ⇒ o plano é paralelo ao eixo das abscissas. se: 1º caso: d = 0 ⇒ ax + by + cz = 0 . com a ⋅ b ⋅ d ≠ 0 ⇒ o plano é paralelo ao eixo das cotas. b. b) b= d = 0 ⇒ ax + cz = 0 . w u A v X π CASOS PARTICULARES DA EQUAÇÃO GERAL DO PLANO A nulidade de um ou mais coeficientes na equação geral do plano fará com que este ocupe um posicionamento particular em relação aos eixos coordenados. Se estas coordenadas estão em relação a um sistema ortogonal. com a ⋅b ≠ 0 ⇒ o plano conterá o eixo das cotas. c) é um vetor normal ao plano π . (a. c) é chamado vetor coeficiente do plano π . Plano paralelo ao eixo 0x ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA Plano que contem o eixo 0x ERON E ISABEL 7 . Se o plano é dado na forma geral ax + by + cz + d = 0 . λ . µ ∈ R . o vetor (a. com a ⋅ c ≠ 0 ⇒ o plano conterá o eixo das ordenadas. 3º caso: a) a= d = 0 ⇒ by + cz = 0 . com a ⋅ b ⋅ c ≠ 0 ⇒ o plano contém a origem. c) c = 0 ⇒ ax + by + d = 0 . com a ⋅ c ⋅ d ≠ 0 ⇒ o plano é paralelo ao eixo das ordenadas. c) c= d = 0 ⇒ ax + by = 0 . o vetor normal é dado por w = u × v . com b ⋅ c ≠ 0 ⇒ o plano conterá o eixo das abscissas. b) b = 0 ⇒ ax + cz + d = 0 .

com a ⋅ d ≠ 0 ⇒ o plano é paralelo ao plano yz. no R³ tal equação representa um plano paralelo ao eixo 0z. ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA ERON E ISABEL 8 . d) x – 3 = 0 ⇒ plano paralelo ao plano yz. OBS: No R² a equação 2x + 3y – 6 = 0 representa uma reta. com b ⋅ d ≠ 0 ⇒ o plano é paralelo ao plano xz. c) b= c = 0 ⇒ ax + d = 0 .4º caso: a) a= b = 0 ⇒ cz + d = 0 . b) 2x + 3z – 3 = 0 ⇒ plano paralelo ao eixo 0y. b) a= c = 0 ⇒ by + d = 0 . com c ⋅ d ≠ 0 ⇒ o plano é paralelo ao plano xy. a) 3x + y – 4z = 0 ⇒ plano que passa pela origem. Observe a figura. Exemplo: Indique o posicionamento de cada plano em relação ao sistema cartesiano. c) 4x + 3y = 0 ⇒ plano que contem o eixo 0z. Entretanto.

r e s são coplanares ⇔ vr .POSIÇÕES RELATIVAS ENTRE RETAS E PLANOS NO ESPAÇO R3 POSIÇÕES RELATIVAS ENTRE RETAS Sejam r e s retas no R³. vs . v s . duas retas no R³. ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA ERON E ISABEL [ ] 9 . AB ≠ 0 . ainda podemos ter:  paralelas (r // s ) ⇔ vr e vs são LD  Se vr . AB = 0 [ ] concorrentes (r ∩ s = P ) ⇔ vr e v s são LI  Neste caso. t 2 ∈ R . temos r e s retas reversas. Elas podem ser: •  r ∩ s = {P} concorrentes ⇒   caso particular : r ⊥ s Coplanares ⇒  paralelas (r // s ) ⇒ r ∩ s = Φ   r ∩ s = r = s  • r ∩ s = Φ Reversas: ⇒  caso particular : r ⊥ s não existe nenhum plano que contenha as duas retas CONDIÇÃO PARA RETAS COPLANARES: Sejam r : X = A + t1 vr e s : X = B + t 2 v s . t1 .

• • r // π ⇔ vr ⋅ w = 0 Se além disso P (ponto de r) também pertence a π. ou seja . determine o ponto de interseção. Temos: r ∩ π = Φ • r // π ⇒  r ∩ π = r . c ) é o vetor normal de π.CONDIÇÃO DE ORTOGONALIDADE: r e s são ortogonais ⇔ vr ⋅ vs = 0 Se além dessa condição r e s têm um ponto comum elas são chamadas perpendiculares. r ⊂ π • r não é paralela a π ⇒ r ∩ π = {P} Sejam r : X = A + t vr e π : ax + by + cz + d = 0 . Exercício: Verifique se as retas r : x+5 z −6 x−2 y z −5 = = = y+3= são e s:− 2 3 4 1 3 coplanares. onde w = (a. b. vr ⋅ w ≠ 0 ⇔ r ∩ π = {P} vr e w são LD ⇔ r ⊥ π ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA ERON E ISABEL 10 . POSIÇÕES RELATIVAS ENTRE UMA RETA E UM PLANO Sejam r uma reta e π um plano. temos r ⊂ π . Elas são concorrentes? Em caso afirmativo.

t ∈ R ⇔ b1 = tb2 c = tc 2 1 Se além disso. POSIÇÕES RELATIVAS ENTRE PLANOS Sejam π 1 e π 2 dois planos.2) + λ (2. t ∈ R. Eles podem ser: • π ≡ π 2 π 1 // π 2 ⇒  1 π 1 ∩ π 2 = Φ • π1 ∩π 2 = r Sejam π 1 : a1 x + b1 y + c1 z + d1 = 0 e π 2 : a2 x + b2 y + c2 z + d 2 = 0 as equações gerais dos dois planos em relação ao sistema de coordenadas O. ou seja. Em caso afirmativo. ( ) a1 = ta2  π 1 // π 2 ⇔ w1 e w2 são LD.1.2) se interceptam. P = ( x0 . e2 . obtenha a intersecção.Exercício: Verifique se r : X = (2. e3 .3) + µ (3. temos: d1 = −(a1 x0 + b1 y0 + c1 z 0 ) e d 2 = −(a 2 x0 + b2 y0 + c2 z 0 ) ou seja. e1 . c1 = tc2  d1 = td 2  ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA ERON E ISABEL 11 .−1.4) e π : X = (−4. π 2 . z 0 ) ∈ π 1 .−6. w1 = t w2 . d1 = −(ta 2 x0 + tb2 y 0 + tc2 z 0 ) e d 2 = −(a 2 x0 + b2 y0 + c2 z 0 ) então.1) + λ (1.3.3. y0 . d1 = t d 2 a1 = ta2 b = tb  2 π1 ≡ π 2 ⇔  1 .

ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA ERON E ISABEL 12 . vr um vetor diretor de r e v s um vetor diretor de s.1) e s: x – y + 3 = z = 4. s ) . Notemos que vr = w1 × w 2 π 1 ⊥ π 2 ⇔ w1 ⋅ w 2 = 0 Ex: Determine a intersecção dos planos π 1 e π 2 . descreva-a por equações paramétricas.Se w1 e w2 são LI. forma geral da reta. 2  Para θ = (r . ou ainda. Quando se tratar de uma reta. se esta  π pertence ao intervalo 0. π  . a1 x + b1 y + c1 z + d1 = 0 O sistema de equações r :  define esta reta r e é chamado equação da a2 x + b2 y + c2 z + d 2 = 0 reta na forma planar.  2 π  se esta pertence ao intervalo  . e é a medida angular entre os vetores vr e – v s . temos cosθ = vr ⋅ vs vr ⋅ v s Ex: Calcule o ângulo entre as retas r: X = (1.  (em radianos). O ângulo (ou medida angular) entre as retas r e s é a medida angular entre os vetores vr e v s . a) π 1 : x + 2 y + 3z − 1 = 0 e π 2 : x − y + 2 z = 0 b) π 1 : x + y + z − 1 = 0 e π 2 : 2 x + 2 y + 2 z − 1 = 0 c) π 1 : x + y + z − 1 = 0 e π 2 : 3x + 3 y + 3 z − 3 = 0 ÂNGULOS ÂNGULO ENTRE DUAS RETAS Sejam r e s duas retas. temos π 1 ∩ π 2 = r .1.9) + t (0.−1.

onde cosϕ = vr ⋅ wπ vr ⋅ wπ vr ⋅ wπ vr ⋅ wπ π θ = arcsen Ex: Obtenha o ângulo em radianos entre a reta r : X = (0. ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA ERON E ISABEL 13 . s r wπ ϕ θ vr θ= π 2 −ϕ . sendo s uma reta qualquer perpendicular a π.−1.ÂNGULO ENTRE RETA E PLANO Sejam r uma reta e π um plano. O ângulo formado entre r e π é o complemento do ângulo entre as retas r e s. ÂNGULO ENTRE PLANOS O ângulo entre os planos π 1 e π 2 é o ângulo formado pelas suas respectivas retas normais.0) + t (− 1.1.0) e o plano π : y + z − 10 = 0 . cosθ = wπ 1 ⋅ wπ 2 wπ 1 ⋅ wπ 2 Ex: Determine o ângulo entre os planos π 1 : 2 x − y − z + 1 = 0 e π 2 : 3x − 2 y + 1 = 0 .

y0 − y1 . temos ax1 + by1 + cz1 + d = 0 . z1 ) e B = ( x2 . k um sistema ortogonal. ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA ERON E ISABEL 14 .P’ π r Seja r uma reta ortogonal ao plano π passando por P: π ∩ r = {A}. π ) = d (P. AP = Proj P' P = Proj P' P = P' P ⋅ wπ ° ⋅ wπ ° vr ° wπ ° ( ) AP = P' P ⋅ wπ ° ⋅ wπ ° = ( x0 − x1 . Temos que d (P. z2 ) dois pontos. A) = AP P A . y2 . c ) a2 + b2 + c2 ax0 − ax1 + by0 − by1 + cz 0 − cz1 a2 + b2 + c2 ax0 + by 0 + cz 0 − (ax1 + by1 + cz1 ) a2 + b2 + c2 Como P’∈ π. d = −(ax1 + by1 + cz1 ) . d ( A. ( ) DISTÂNCIA ENTRE DOIS PONTOS Sejam A = ( x1 . y1. j . z 0 − z1 ) ⋅ = = (a. i. B ) = AB = ( x2 − x1. z2 − z1 ) d ( A. P ( x0 .DISTÂNCIAS Consideremos 0. z1 ) um ponto de π. b. y1 . z0 ) um ponto no espaço e P ' ( x1 . ou seja. y0 . y2 − y1. B ) = (x2 − x1 )2 + ( y2 − y1 )2 + (z2 − z1 )2 DISTÂNCIA ENTRE UM PONTO E UM PLANO Sejam π : ax + by + cz + d = 0 um plano.

−1.1) e a reta r : X = (1. z0 ) um ponto no espaço. AP .0. vr ( ) P' P = AP sen θ = AP ⋅ vr ⋅ sen θ vr d (P. onde θ = AP'. r ) = AP × vr vr Ex: Determine a distância entre o ponto P(3. ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA ERON E ISABEL 15 .Logo. P A P’ r d(P.−1) + t (1. π ) = ax0 + by0 + cz0 + d a2 + b2 + c2 Exemplo: Determine a distância entre o plano π : 3 x + 2 y + z − 1 = 0 e o ponto P (1. t ∈ R uma reta e P ( x0 .P’) = P' P Temos sen θ = Logo.2. P' P AP .r) = d(P. d ( P.2. DISTÂNCIA ENTRE UM PONTO E UMA RETA Sejam r : X = A + t vr .1) . 2 ) . y0 .

s ) = d (Ps . π 2 ) = d Pπ 1 . π ) ( ) r P π1 P s P s π2 r π x −2 =z x −1 y − 2  Ex: Determine a distância mínima entre as retas reversas r : = e s: 5 .APLICAÇÕES Distância entre dois planos paralelos: d (π 1 . s ) Distância mínima entre duas retas reversas: sendo π um plano que contém r e s // π . π 2 Distância entre duas retas paralelas: d (r . d (r . 2 −1  y = z −1  ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA ERON E ISABEL 16 . s ) = d (Pr .

2) e é paralelo ao  x = 1 + λ + 2µ  plano π :  y = 2λ + µ .1. Escreva equações nas formas paramétricas e simétricas da reta que contém o ponto 1− x 3y z + 3 A ( 2.1. paramétrica e simétrica.-1.1. 4) como soma de um vetor paralelo à reta x = 1+ λ  r : X = (1. escreva equações da reta que contém A e é paralela a v . λ ∈ R .5) e B(0.0.1) .3) e v = ( 3. Verifique se os pontos P (1. Obtenha uma equação geral do plano π em cada caso: r a.-1) e C(1. nas formas vetorial.1. Sejam A(1.1) . −3) e é paralela à reta descrita pelas equações = = . Determine os pontos de r 7. 5 4 6 uuu r uuu r 5.1.1. π contém P (1. 0.2. 9.9. 0 ) e B(1. 2. −1.1) . Sejam A (1. 2 ) + λ (1. B(0. −1) e r : x −1 y = = 2− z 2 3 d.  z = −λ  8.18 ) + λ ( 2. 0. −1) ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA ERON E ISABEL 17 . 0 ) com outro paralelo ao plano π :  y = 1 + µ z = λ − µ  10.-1) e é paralelo a v = ( 2. 2. X = (1. 2. Supondo que o sistema de coordenadas seja ortogonal.0). 0 ) . Obtenha equações paramétricas do plano que contém o ponto A(1. c. 2. 6.12 ) pertencem à reta.0). Obtenha dois pontos e dois vetores diretores da reta de equações paramétricas x = 1− λ  . b. z = 0  4. −7 ) e é paralela à reta  x = 200 − λ  de equações paramétricas  y = 3 − 3λ . 0.3. Obtenha equações paramétricas e gerais dos planos coordenados.1. Dados A(1. π contém P (1. π contém A (1. B(2.-1. λ ∈ R . 4. 0 ) + λ (1.1) e r : X = ( 0.1. Obtenha equações paramétricas da reta que contém o ponto (1. 4. π contém A (1.1. 2. obtenha dois vetores diretores unitários dessa reta.EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO r r 1. Decomponha r v = (1.1) . −3) e Q ( −3. y = λ  z = 4 + 2λ  3. Determine o ponto P da reta AB tal que PB = 3 PA . 0.1) e r: eqüidistantes de A e B.

−1) + µ ( 3.z e é paralelo à reta s :  . Obtenha a equação do plano que passa pela reta r : x = y = .  y = 2λ + 2µ z = 3 − µ z = λ + µ   12.5 ) . 15. 4x + 2y – z + 5 = 0 b. −1) e intercepta as retas reversas r :  x = z −1  y = 2z − 3 x = z − 2 . Obtenha a equação do plano que passa por P(1. Dadas as equações paramétricas.1) e cujo traço com o plano z = 0 é a  y = 3x + 2 reta r:  z = 0 x = t  16.  y = 2λ + µ b. Determine as equações da reta que passa pelo ponto P ( 2. 19. obtenha equações paramétricas do plano. 3 21.1. 20.11. 2 . Obtenha a equação do plano que passa pela reta r:  y = −t e é perpendicular ao plano z = 2 + t  π : x − 2y + z − 1 = 0. Determine as equações paramétricas da reta que passa pelo ponto P (1. − 3). −2. obtenha uma equação geral do plano: x = 1+ λ − µ  x = −2 + λ − µ   a. e s :  y = −z +1 ERON E ISABEL ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA 18 . x = z +1 17. 22. – x = y = z e x = – 3y =2z.2.2 18.1. Determine as equações da reta que passa pela origem. Dado o triedro cujas arestas são as retas x = 2y = z. z – 3 = 0 d. determine as coordenadas dos pontos de intersecção 2 5 −1 com os planos coordenados.  y = 3z . Dada a reta x − 3 y +1 z − 2 = = .-2) e é perpendicular à reta r: X = t (3. −1) e é perpendicular ao plano X = λ ( 2 . a. Determine a interseção da reta x y = = − z com o plano x + 2 y + z − 9 = 0. é paralela ao plano y+2 3 x − 2 y + z − 2 = 0 e intercepta a reta x − 1 = = z. 6 2 14. Determine a equação do plano que passa pelo ponto A(1. y – z – 2 = 0 13.1. determine a equação dos planos das faces. 5x – y – 1 = 0 c. Dada uma equação geral. − 1.

= = 3 2 5 25. Determine o lugar geométrico dos pontos eqüidistantes dos dois planos dados: π 1 : 2 x − y + z − 1 = 0  π 2 : x + y − z + 2 = 0 ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA ERON E ISABEL 19 .2. −2.0 ) e B (1. Determine as equações paramétricas da reta perpendicular comum às retas reversas y −1 z  r: x − 1 = 2 = − 1   s: x = y = z  2  −2 24. em relação à reta x − 1 = y = z b. b) P (1.1) + λ ( 2 . − 1. 0.0. −1. x + y + 2z + 1 = 0  planos 3x − y + z − 1 = 0 . −3 ) são coplanares. Decomponha o vetor v = ( 2. de modo que u seja paralelo r ao plano π : 2 x − y + z − 3 = 0 e w ortogonal ao plano π . − 3) e π : X = (1. Determine o ponto simétrico de P (1. em relação ao plano 2 x − y + z − 1 = 0 26. −1. −4 ) e C ( 3. 31. 2 .23. x − 4 y + 2z + 2 = 0  sendo A ( 0. determine a equação do plano que passa pelo ponto onde a r r r r 29. −3) . 4 ) . Determine o lugar geométrico dos pontos médios dos segmentos que se apóiam nas retas reversas r : X = ( 0.1) + λ (1.1) e s: X = ( 3.1. −11.1) .0. Determine o plano que passa pela reta r: x−2 y+3 = = z e pelo ponto comum aos três 3 2 uuu r 28. 2.0) e r:  2 3 3 x + y − 2 z + 1 = 0 32. 2 x − y + z = 0 x −1 z+2 a) P (1. 30. 0 )  x = 2λ + µ  b) P (0. Dado um plano π : X = ( 0.-1) a. −1) + λ (1.1. −1) + µ (1. 2. mostre que o triângulo ABC é isósceles. − 1) e π :  y = −λ − µ  z = 1 − 2µ  33. 0.5) . −1) + λ ( 3. reta r intercepta o plano π e é paralelo ao plano π 1 : x − 3 = 0 . −3. B ( −2.1. −1) + µ ( −1.1.1. Verifique se as retas x−4 y z−6 e X = (1. Determine a distância entre o ponto P e a reta r nos seguintes casos. Considerando os pontos A ( −1. − 1) e r: = −y = . −4 ) e a reta r que passa por AB .3) em dois vetores u e w . Determine a distância entre o ponto P e o plano π nos seguintes casos : a) P ( 2. 4 ) + µ (2.0. 27.1.1. −1.

–1) e D(3. . Q (0. v = ± . t ∈ R . 36.1) e intercepta a reta t : x = y = z + 1 formando um ângulo de π 3 radianos.1). As coordenadas do ponto D. 0.  3 2  14 14 14  z = 3 + t  r r 2.  ou P=  . z = 2 − λ  λ.0).1) + λ ( 2. 38. c. P ∉ r e Q ∈ r . Obtenha as equações da reta que passa pelo ponto P (1. ii.1).3) + µ (1. As equações paramétricas do plano ABF.1. calcule a medida da altura baixada do vértice D ao plano da face ABC. B = ( 0. Respostas  x = 1 + 3t x −1 y − 2 2 1  r  3  1. 4 ) . O plano ABF é perpendicular ao plano ABC e F(0. O plano ABC : x + y − z + 6 = 0 e a Determine: a. −1.1. −4 ) . Determine o ângulo entre as retas r : x −1 = y = − z e s : X = (1. Pela reta PQ. Determine o ângulo da reta r : x = − y = z com o plano π : 2 x − y − z − 1 = 0 . −1.1. 0). −1). λ ∈ R  z = −7   3 5 15   3 7 15  P=  . 2 ) e v = ( 2.1. u = ( −1.3) + t (3. conduza o plano que faz um angulo de radianos com o plano x + 2 y − 3 z + 2 = 0 . B(2. As equações simétricas da reta AF.0). 0. Dado o tetraedro de vértices A(1. 2.1. 2 ) e π 2 : 2x − y − z = 0 .2. C(0.–1. −2. . 2. x = 1− λ  3. α :  y = 1 + 2λ + µ . P (1. −2. 0) + λ (2. 6 ) . P= (1.2. Do paralelepípedo dado a seguir sabe-se que: reta DG: X = t (1. 40. r :  y = 4 − 3λ . π 3 39. d. X = (1. . 0. Determine o ângulo entre os planos π1 : X = (1.  y = 2 + 2t . 0. 0 ) 5. –1.2. −3) . b. 2 35.34.λ ∈ R e = = 3 −15 4 18   z = −3 + 6λ  6. i. µ ∈ R . A equação geral do plano EFG.1.  2 2 2  4 4 4   x = 2 − 5λ  4 x−2 y z +3  4. A = (1.1). −1) . = = z −3.  x = 1 + λ + 2µ  7. 37. r :  y = λ . ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA ERON E ISABEL 20 . t ∈ R .

B ) = d ( A. a) P ' =  . 0 . π : x − z + 2 = 0 18. 2. − . −  22. c) 3 x − 2 y − 3 = 0 . . Os planos   β : 2 + 2 x + 2 −1 y + 1 − 2 z − 1 − 2 2 = 0  ( ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ) 34. −13.  +  . π 2 : 3 x − y − 2 z − 4 = 0 .  1 5 2 2  5  x = 1− t x = t   5 4 5 7 4 1 23. π 3 : 7 x + 6 y − 10 z = 0 20. 0 ) + (11. 28.  y = −2 + t 3 3 3  3 3 3  z = −1 + 2t z = t   3 λ  x = 2 + 2 + µ  O lugar geométrico é o plano de equações α :  y = µ . λ . a) 5 b) 2 21 α : 2 − 2 x − 1 + 2 y + 1 + 2 z − 1 + 2 2 = 0 33. π : 3 x − y − 3 z − 8 = 0 17. . b) 3 x − y + z − 4 = 0 . 2. v =  − . b) y − 2 z = 0 x = λ x = λ   . Plano x0y: z = 0 e  y = µ . a) 2 x − y − 3 z + 7 = 0 .  y = 0 24. P2 =  . π : 3 x − y − 3 z + 2 = 0 16. 8 19 19 y−2 z 40. Plano y0z: x = 0 e z = µ  x = 0  y = λ .1) x = λ  y = µ . λ.x = λ  8. b) P ' =  . π 1 : x + 4 y − 3 z = 0 . C ) = 9 e d ( B. −2. µ ∈ R . a) AF: x = = 2 −3 x = λ + µ  b) ABF:  y = 2 + 2λ + µ  z = −3λ − µ  c) D ( −1. α = arcsen 2 3 36. 14. X = ( 2. 37. Não 25. C ) = 5 10 .1. z = µ  10. X = t ( 9. 3 . α = 0 . (1.  e P3 =  0.17 . 4) = ( −10. 0 .  . z = 3  x = λ  d)  y = µ . P = ( 6.  2  3 λ 3µ  z = 2 + 2 − 2  26. c) 12. π : 2 x − y + z = 0 19. 0. − . d) x + z − 2 = 0 11. µ ∈ R. a) 69 b) ⋅ 5 3 14 3 3 30.  ou r ' : X = (1. b)  y = 5λ − 1 . π 2 : 5 x + 9 y − 4 z = 0 .3) d) EFG : x + y − z − 2 = 0 ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA ERON E ISABEL 21 . 38. −1) + t ( 7 .       3 3 3 3 3 14 31.7 ) . 0 ) . 27. . Plano x0z: y = 0 e z = 0  9. 7. α = arccos 210 15   2 3+ 2 2 −3 2 3 − 2 −3 − 2  r : X = (1.1) + t  − . π :16 x − 5 y − 38z − 47 = 0 . a)  y = µ  z = 5 + 4λ + 2µ z = µ   13. −5. r // s coincidentes.9. 32. 3   3 3     π 1 : 2 x − 3 y + z − 5 = 0. α : 4 x + 3 = 0 2 1 5 8 4 4 r 29.  z = −2 + µ  15. P = ( 7. a) x − 2 y + 4 z + 1 = 0 . 39. − . 17 7   17 9   21. 4 ) x = λ   y = 0 . 35.1) + t   3   3 . d ( A. −1) .

.mat.com. CAMARGO. Ed. revisada e ampliada – São Paulo: Prentice Hall.br . Geometria Analítica.REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. 2005. Um Curso de Geometria Analítica e Álgebra Linear. Geometria Analítica. Paulo. 2. VENTURINI..dmat. Vetores e Geometria Analítica. FEITOSA Miguel O. CAROLI. disponível no site www. Geometria Analítica. Matrizes. BOULOS.br/~regi .ufba. 3ª ed.geometriaanalítica. Apostilas Cálculo Vetorial – Professoras do Departamento de Matemática – UFBA disponível no site www. Jacir J. Nobel. Alfredo. SANTOS. STEINBRUCH. 4.. LEHMANN. 8ª edição (atualizada) disponível no site www. Makron Books. 3.ufmg. Álgebra Vetorial e Geometria Analítica. Alésio. WINTERLE Paulo. Editora Globo.br . Reginaldo. Ivan de. 7. Charles H. CALLIOLI Carlos A. 5. 1991. ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA ERON E ISABEL 22 . 6.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->