P. 1
A Revolução de 30 no Pará e A Interventoria de Magalhães de Barata

A Revolução de 30 no Pará e A Interventoria de Magalhães de Barata

|Views: 2.817|Likes:
Publicado porh2carlos

More info:

Published by: h2carlos on Dec 10, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

11/22/2012

pdf

text

original

A Revolução de 30 e o fim da revolução oligárquica A Primeira República brasileira, que teve por base a Constituição de 1891 definiu seu

padrão político no final da década de 1890. Seu principal mecanismo foi a política dos governadores , que teve como base o seguinte acordo: o governo federal garantia ampla autonomia aos grupos oligárquicos dominantes de cada estado, e em troca as bancadas estaduais lhe davam apoio político no Congresso. O resultado desse pacto foi o enfraquecimento das oposições, a fraude eleitoral e a exclusão da maior parte da população de qualquer participação política. O controle político oligárquico também era assegurado pelo voto aberto e pelo reconhecimento dos candidatos eleitos não pelo Poder Judiciário, mas pelo próprio Poder Legislativo. Como o Congresso sofria a influência do presidente e dos governadores, esse mecanismo dava margem à chamada degola dos candidatos indesejáveis. A política dos governadores , no entanto, não impedia a luta dos grupos oligárquicos pela presidência da República. Para regular a disputa, chegou-se a um novo acordo informal: o revezamento de São Paulo e Minas Gerais na chefia do Poder Executivo. Esses dois estados elegeram 8 dos 13 presidentes na Primeira República. Os estados de menor força política ficavam praticamente à margem nesse jogo de cartas marcadas. Já estados de importância mediana, como Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Pernambuco e Bahia, buscavam ocupar espaços atuando individualmente ou em conjunto. Nas eleições presidenciais de 1922 esses estados de segunda grandeza se uniram com o intuito de romper com o predomínio de Minas Gerais e São Paulo. Foi criado um movimento político de oposição - a Reação Republicana - que lançou o nome do fluminense Nilo Peçanha contra o candidato oficial, o mineiro Artur Bernardes. O programa oposicionista defendia a maior independência do Poder Legislativo frente ao Executivo, o fortalecimento das Forças Armadas e alguns direitos sociais do proletariado urbano. Todas essas propostas eram apresentadas num discurso liberal de defesa da regeneração da República brasileira. Até aí não havia grandes novidades. Parecia que a lei de ferro das sucessões presidenciais na Primeira República iria se manter, isto é, a oposição iria concorrer, perder e reclamar das fraudes sem resultado. A história, no entanto, foi um pouco diferente. Para começar porque pela primeira vez organizava-se uma chapa de oposição forte com o apoio de importantes grupos regionais. Além disso, o movimento contou com a adesão de diversos militares descontentes com o presidente Epitácio Pessoa, que nomeara um civil para a chefi a do Ministério da Guerra. Finalmente, a Reação Republicana conseguiu, em uma estratégia praticamente inédita na história brasileira, desenvolver uma campanha baseada em comícios populares nos maiores centros do país. O mais importante deles foi o comício na capital federal, quando Nilo Peçanha foi ovacionado pelas massas. No mês de outubro de 1921 a campanha eleitoral esquentou. Foram publicadas na imprensa carioca cartas atribuídas a Artur Bernardes em que este fazia comentários desrespeitosos sobre os militares. Apesar de Bernardes negar a autoria das cartas, o episódio - mais tarde chamado das cartas falsas - acirrou os ânimos e abriu caminho para que alguns oficiais iniciassem movimentos no sentido de impedir, a t odo custo, a vitória do candidato oficial.

Com os grupos dissidentes vigiados e controlados. Governo e setores da sociedade começaram então a dar maior atenção às Forças Armadas. cavalos. coube aos militares a vanguarda das ações contra o governo. e grupos oposicionistas civis e militares começaram a conspirar. O govern o reagiu decretando o estado de sítio. Dois anos depois eclodiram os levantes de 1924 e pouco mais tarde formou-se a Coluna Prestes. principalmente. Faltava de tudo: armamento. O clima de tensão política permaneceu durante toda a gestão do presidente Artur Bernardes. A crise política apenas ganharia fôlego novamente na sucessão presidencial de 1930. . A Primeira Guerra Mundial colocou na ordem do dia a questão da defesa nacional. Como era de se esperar. e por diversos outros setores civis e militares. Em março de 1930 realizaram-se as eleições. A chapa foi apoiada também pela dissidência paulista. A imprensa foi censurada e centenas de oposicionistas civis e militares foram presos e desterrados para campos de internamento no norte do país. Era o início do movimento tenentista. e a história mais uma vez foi a mesma: venceu a candidatura oficial. a vitória foi de Artur Bernardes. Mas agora a oposição estava mais forte e articulada. O problema foi que nem a Reação Republicana n em os militares aceitaram o resultado. Mas com isso rompeuse a aliança que havia dominado por décadas a política brasileira. Como o governo se manteve inflexível e não aceitou a proposta da oposição de rever o resultado eleitoral. Algumas medidas concretas de modernização foram adotadas: o recrutamento universal e a vinda da Missão Francesa para melhor formar os oficiais brasileiros. Como resultado direto do rompimento do pacto Minas-São Paulo. medicamentos. No governo seguinte. e não. algumas unidades militares no Rio de Janeiro e em Mato Grosso se levantaram contra o governo. A grande maioria dos grupos oligárquicos regionais manteve-se fi el à orientação do presidente da República. pela cisão causada pela atitude de Washington Luís de indicar para a sua sucessão o paulista Júlio Prestes. mas a candidatura de Júlio Prestes manteve-se como favorita. Foram derrotadas. eas eleições puderam transcorrer normalmente em março de 1922. Só que no começo dos anos 1920 a situação continuava desalentadora no Exército. a oposição reaglutinou-se. Foi formada a Aliança Liberal. o mineiro Antônio Carlos. o confronto se tornou apenas uma questão de tempo. E foi motivada. As denúncias de fraude ganharam a imprensa. como se esperava. Repetia-se o que havia ocorrido no ano de 1922. instrução para a tropa.A conspiração não teve maiores consequências. agora com apoio da poderosa oligarquia mineira. O presidente Washington Luís levantou o estado de sítio com a promessa de reduzir a repressão política. que lançou as candidaturas do gaúcho Getúlio Vargas para a presidência e do paraibano João Pessoa para a vice-presidência. De março a outubro foram sete meses de tensão política que tiveram como desfecho a derrubada de Washington Luís na Revolução de 1930. O nome de Getúlio Vargas cresceu durante a campanha. No mês de julho de 1922. mas serviu de detonadora para outros levantes militares nos anos seguintes. a situação se acalmou um pouco. A rebelião mostrouse desarticulada e sem base política. organizada no Partido Democrático. Interessava a Washington Luís que seu sucessor mantivesse o seu plano de estabilização financeira.

A Revolução de 30 no Pará e A Interventori a de Magalhães de Barata (1930 1935) O episódio que levaria ao processo de formação e desenvolvimento da Revolução seria a questão da sucessão do presidente Washington Luís. A oposição à candidatura de Júlio Prestes. mas não o fez. que eclodiram diversos levantes militares. a independência do Poder Judiciário e um Estado mais forte. os levantes de 1924. Rio Grande do Sul e Paraíba (governado por João Pessoa) a formarem a chamada Aliança .Os oficiais brasileiros se ressentiam de uma política mais eficaz e mostravam-se descontentes com a nomeação do civil Pandiá Calógeras para o Ministério da Guerra pelo presidente Epitácio Pessoa. tinham o dever de intervir na vida política brasileira em caso de grave ameaça à organização nacional. No lugar de Antônio Carlos. levou os Estados de Minas Gerais. eles assumiam bandeiras de luta próximas às das oligarquias regionais que se opunham ao predomínio de Minas Gerais e São Paulo. Não havia um programa muito claro. Seus principais formuladores foram Bertoldo Klinger e o tenente-coronel Góes Monteiro. Segundo essa concepção. foi tomando cor po uma proposta que concebia a intervenção na vida política do país como algo que deveria ser feito não por um grupo ou facção. Os soldos permaneciam baixos e o governo não fazia menção de aumentá-los. o Exército e a Marinha. e a Coluna Prestes. defendiam o voto secreto. Entre meados da década de 1920 e o início dos anos 1930. Nesse ponto. apenas algumas idéias gerais. mas achavam que os métodos de ação dos tenentes dividiam e enfraqueciam o Exército. Entre outras reformas. Suas formulações derivavam principalmente dessa situação. representada pelo seu estado-maior. Eram homens formados na caserna. Os movimentos tenentistas foram combatidos por outras correntes no interior do Exército que defendiam a legalidade e a profissionalização. Eram pródigos na ação e na crítica mas econômicos na proposição. de acordo com a lógica da política do café com leite . Esta situação afetava particularmente os tenentes. Os principais movimentos tenentistas da década de 1920 foram os 18 do Forte. Washington Luís indicou para a sua sucessão outro paulista Júlio Prestes. marcado pelo avanço do nacionalismo e da centralização política. Acreditavam que sua ação era parte de uma missão que salvaria o país. que não fazia muita coisa para alterar a situação geral da instituição. deveria indicar para presidência o mineiro Antônio Carlos Ribeiro de Andrade (presidente do Estado de Minas Gerais). Havia um grande número deles. mas pela própria instituição militar. As propostas políticas dos tenentes de uma maneira geral se vinculavam ao clima do pós-Primeira Guerra Mundial. com as condições do Exército e com a política do governo. O principal objetivo dos tenentes era derrubar o governo. Este. como instituições nacionais. e as promoções eram muito lentas. Muitos oficiais continuavam descontentes com o governo federal. Um segundo-tenente podia demorar dez anos para alcançar a patente de capitão. Foi nesse quadro de crescente insatisfação. A presença significativa de tenentes na condução desses movimentos deu origem ao termo tenentismo . Mas que tipo de governo desejavam implantar no país? Em suas formulações percebe-se que nem eles mesmos sabiam muito bem o que queriam.

que concedia isenção de impostos por 10 anos à Fabrica de Cerveja Paraense. Magalhães Barata promoveu uma reforma tributária aumentando e agilizando a cobrança de impostos. horários adequados.) sanear o ambiente moral do Estado.. que dá inteligibilidade àquilo que se processou no Pará materializado na figura de Joaquim de Magalhães Cardoso Barata.. Objetivando essa aproximação. Magalhães Barata desenvolveu uma política visando uma aproximação com as camadas populares além de preconizar o saneamento e a restauração do Estado. Um exemplo foi a revogação da lei Estadual n° 2. Tentando solucionar a relação CAPITAL X TRABALHO. A máquina eleitoral montada pelo governo marcada pela fraude e violência favoreceu a vitória do paulista Júlio Prestes na eleição. Interveio na questão operária ao mesmo tempo em que reformulava o processo da educação atr avés da alteração dos currículos e do policiamento dos professores.840. Segundo Denise Rodrigues. A não aceitação do resultado do resultado eleitoral por parte da Aliança Liberal. No dia 3 de novembro de 1930 o poder foi entregue a Getúlio Vargas iniciando -se assim o chamado Governo Provisório. o interventor concedeu a abertura das portas do palácio do governo para que a população tivesse acesso direto ao governante. Buscaram. Barata procurou implementar uma política de amparo ao operariado com a criação da Liga Nacionalista do Pará. Em 1933. de 7 de novembro de 1929. a partir daquele momento. lançando assim uma chapa que apresentava Getúlio Vargas como presidente e João Pessoa como vice. o interventor interditou bens de políticos tradicionais do Estado e rastreou várias firmas comerciais acusadas de sonegação de impostos. além de percorrer o interior do Estado desenvolvendo uma significativa política assistencialista. uma das marcas de Barata foi a sua condição de líder das massas populares. que já haviam grevado por falta de condições dos locais de trabalho e pelos baixos salários pagos. Estes foram investigados com o objetivo de terem sua idoneidade moral apurada. principalmente para os operárias. melhores condições de trabalho. No que diz respeito à população. mudar à força aquilo que não haviam mudado pelos meios legais. encontrada no seio do movimento de 30. Para alcançar o saneamento das finanças do Estado. É essa relação de poder e interesses. construção de obras públicas e a redução e congelamento de aluguéis fizeram com que o interventor ganhasse uma grande popularidade no seio das camadas populares. buscava-se melhores salários.Liberal. restaurar os direitos postergados pela prepotência das oligarquias e a fortuna arruinada pela inépcia dos governantes. no ano de 1930. levou-a a tramar a reversão da situação não através da via Institucional. Barata revogou vários contratos firmados entre fábricas e o poder público que estabeleciam a isenção do pagamento de impostos por parte de tais empresas. Correio da Manhã (RJ) que foi transcrita no Pará em janeiro de 1931. além de reduzir o número de funcionários. Numa entrevista concedida ao jornal. Após assumir a interventoria no Pará. que foi realizada no dia 1º de março de 1930. Barata defendia a ideia de que o Estado seria o responsável pela regulação das relações de trabalho para evitar o antagonismo entre as classes . Barata afirmava que iria (. dívidas do Estado. Além disso.

Na mesma entrevista concedida ao Correio da Manhã. que nomeou como interventor o major Roberto C arneiro de Mendonça. A disputa pelo poder materializava-se no antagonismo entre BARATISTAS E NÃOBARATISTAS. O novo chefe de Estado governou até 1943. pois considerava que o povo brasileiro. penso que a questão se reduz a dois únicos fatores: maior possibilidade de trabalho e assistência social compreendendo saúde. deveria ocorrer a sucessão no governo do Pará no ano de 1935. a dissidência dentro do seu próprio partido: o Partido Liberal. esta sociedade era pré-requisito para a obtenção dos trabalhadores ideais. Segundo Iracy Ritzmann e Conceição de Almeida. . as concepções políticas de Magalhães Barata caracterizavam-se por um forte caráter positivista. desentendimentos com comerciantes e. sem preparo cívico. A situação na qual havia mergulhado o Pará levou à intervenção do próprio presidente Getúlio Vargas. pois estava mergulhando nos vícios cultivados pelo regime anterior. Houve a união do ensino municipal e estadual para permitir um eficaz controle e gerenciamento. educação e seguro contra acidentes invalidez e morte. Este garantiu a reunião da Assembleia Constituinte de 28 de abril de 1935 que elegeu José Carneiro da Gama Malcher como governador do Pará. Defensor do governo ditatorial. empreenderei todos os esforços. quando Magalhães Barata retornou à interventoria governando até 1945 e voltando depois no período de 1956 a 1959. que recaem sobre as diversas indústrias para o fim de lhes dar novos impulsos e maior números de braços. tônica maior da formação dos militares no Brasil. não poderia arcar com as liberdades constitucionais. principalmente. construtores do Estado brasileiro moderno. Sobre a questão educacional. ale de afastar professores que não tinham idoneidade moral para exercer a profissão.) a índole do operário nacional e as suas aspirações de momento não são a de seus pares estrangeiros. e assim promover a paz social. Magalhães Barata desejava a permanência no poder mas alguns problemas inviabilizaram a sua estada no governo. Contribuíram para isso a grande agitação de trabalhadores.. no qual os desmandos e as improbidades eram comuns. a qual tinha como seu porta-voz o jornal liderado por Paula Maranhão: a Folha do Norte . jornal que citei anteriormente. os sindicatos foram organizados em federações e controlados por elementos ligados ao governo. Com o processo da reconstitucionalização do país. Neste sentido.. A oposição ganhava espaço na Frente Única Paraense. Percebe-se assim que a educação constituía-se como um elemento imprescindível na formação cívica da sociedade. não só tornando efetiva aquela assistência como revendo impostos. O embate entre baratistas e não baratistas ganhou as ruas de Belém resultando em grande convulsão Social. como também habitação.. Para o historiador Alves Jr.(empregadores e empregados). o interventor dizia que (. a construção de uma sociedade educada e saneada deveria ser o objetivo maior do exército de professoras que atuavam nos mais distantes municípios do Estado. No entendimento dos ideólogos de 30. Para isso. Barata criou a Secretaria de Educação e Saúde Pública realizando uma reforma no ensino a partir da alteração de currículos.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->