Você está na página 1de 10

Súmula Ciência dos Materiais

1. Introducao aos Materiais


2. Estrutura Atômica
3. Estrutura Cristalina
4. Microestrutura
5. Relacao: Estrutura x Propriedades
6. Degradacao dos Materiais

Avaliacao:
Prova 1: Capítulos 1, 2 e 3
Prova 2: Capítulo 4
Prova 3: Capítulos 5 e 6
Listas de exercícios

Nota < 4: Recuperacao da prova


Mais de uma abaixo de 4: Exame
Recuperação de conceito: Pode-se recuperar 1 prova no dia da recuperação

Conceitos:
Média (P1+P2+P3)/3 =
M<6–D
6 M < 7,5 – C
7,5 M < 9 – B
M≥9–A

Bibliografia
1. Callister Jr., W.D., Materials Science and Engineering an introduction, 3ª Edição,
New York, John Wiley & Sons, 1994.
2. Askeland, Donald R.: The Science and Engineering of Materials, 2ª Edição, London,
Chapman and Hall, 1991.
3. Shackeldford, James F. Introduction to Materials Science for Engineers. New Jersey,
Prentice-Hall, Inc., 4a. Ed. 1996.
4. van Vlack, Lawrence H.: Princípio de ciências dos materiais. São Paulo, Edgar Blücher,
1970.
5. van Vlack, Lawrence H.: Princípio de ciências e tecnologia dos materiais. 4º Edição, Rio de
Janeiro, Campus, 1984.
6. Anderson, J.C. et alli: Materials Science. 4º Edição, London, Chapman and Hall, 1990.
7. Meyers, Marc A. e Chawla, Krishan K.: Princípios de Metalurgia Mecânica. São Paulo,
Edgar Blücher, 1982.
8. Flinn, Richard A. e Trojan, Paul K.: Materiales de Ingeneria y sus Aplicaciones. Bogotá,
Editorial McGRaw-Hill Latino Americana S.A., 1979.
9. Smith, William F.: Materials Science and Engineering. New York, McGraw-Hill Publ. Co.,
2a. Ed. 1989.

1
1.1 INTRODUCAO

Conceitos Básicos

Ciência dos Materiais: A ciência investiga a relação entre a estrutura dos materiais a nível
molecular ou atômico e suas correspondentes propriedades a nível macroscópico. Isto inclui
elementos da física aplicada e química assim como também engenharia elétrica, química,
mecânica, civil.

Engenharia: Com base nas correlações entre estrutura e propriedade, a engenharia consiste
no projeto ou engenharia da estrutura de um material para produzir um conjunto
predeterminado de propriedades.

Estrutura: A estrutura de um material está geralmente relacionada ao arranjo de seus


componentes internos. A estrutura atômica envolve elétrons no interior dos átomos e as
interações com seus núcleos. Na estrutura cristalina, temos a organização dos átomos ou
moléculas em relação uns aos outros. A microestrutura engloba grandes grupos de átomos
normalmente conglomerados e pode ser observada usando algum tipo de microscópio. Já a
estrutura macroscópica ou macroestrutura pode ser vista a olho nu.

Propriedade: É uma peculariedade do material em termos do tipo e da intensidade da


resposta a um estímulo específico que lhe é imposto, ou seja, resposta do material a uma
solicitação externa ou de serviço, independente da geometria e tamanho. Propriedades
elétricas, térmicas, magnéticas, óticas...
Exceção: A nível nanométrico, fenômenos quânticos começam atuar e possibilitam a
obtenção de propriedades diferenciadas daquelas obtidas a partir de um mesmo material,
porém estruturado em escala de grandeza superior.

História dos materiais

Os materiais são utilizados desde os primórdios da civilização e a escolha de um material em


determinada era acabaram por definir esta: Idade da Pedra, Idade do Bronze, Idade do Ferro.

2
2 milhões de anos 5.000 anos 3.000 anos 300-400 anos 100 anos 60 anos

O desenvolvimento e o avanço das sociedades estão ligados às habilidades dos seus


membros em produzir e manipular materiais para atender suas necessidades. Nos primórdios
das civilizações, um número limitado de materiais era utilizado, como a pedra, madeira,
argilas e peles. A partir do desenvolvimento de técnicas de produção e processamento de
materiais, pôde-se obter materiais com melhores propriedades, como as cerâmicas e os
metais. Com o avanço no campo dos materiais, procurou-se modificar as propriedades básicas
destes, seja pela combinação de materiais, por meio de tratamentos térmicos, adição de novas
substâncias, etc.
Nos últimos 30-40 anos a pesquisa mundial tem o foco voltado para a Nanotecnologia. A
Nanotecnoliga envolve basicamente três pontos: a pesquisa e o desenvolvimento de materiais
nanoestruturados, ou seja, materiais da ordem de 1 a 100 nm; criação e uso de estruturas,
dispositivos e sistemas que possuam propriedades e funções inovadoras devido ao seu
tamanho reduzido; habilidade em controlar ou manipular a matéria em escala atômica.
Nos materiais nanoestruturados, fenômenos quânticos começam atuar e possibilitam a
obtenção de propriedades diferentes daquelas obtidas pelo mesmo material, porém em escala
maior. Devido à finíssima espessura, o número de átomos na superfície, com relação ao
número de átomos totais, é bastante elevado, possibilitando o aparecimento de fenômenos de
superfície. Ainda, as discordâncias (defeitos de empilhamento dos átomos) nestes materiais
são raras, podendo levar a tensão de escoamento deste material muito próxima à tensão
teórica. Exemplo: filmes finos magnéticos.
Novos materiais, com melhores propriedades, destinados a uma variedade de aplicações
→ seleção de materiais em função de suas características e das exigências do projeto.

3
Ciclo Global dos Materiais

1.2 INTERRELACAO: Processamento x Estrutura x Propriedades x Desempenho

A figura abaixo mostra a inter-relação de quatro importante componentes em ciência dos


materiais. Ainda, esta apresenta um quinto elemento que é a caracterização do material, que
possibilita interrelacionarmos estes componentes.

Como mostra a figura, todos os componentes estão interrelacionados, a estrutura de


um material vai depender da maneira como ele é processado. Além disso, o desempenho ou
performance do material será função de suas propriedades que estão intimamente relacionadas
com a estrutura provinda de seu processamento. O desempenho dos materiais pode ser

4
analisado em laboratório, pode ser acompanhado e avaliado durante a vida útil do mesmo ou
ainda fazendo uma análise post-mortem.
Exemplo desta interrelacao: Barra de alumínio laminada:

Estrutura:

Podemos dividir a estrutura em quatro principais:


- Estrutura atômica
- Estrutura Cristalina
- Microestrutura
- Macroestrutura

5
Propriedades:

As propriedades podem ser de superfície ou de corpo.


As propriedades de corpo são as propriedades de material como um todo enquanto que
as propriedades de superfície ocorrem na superfície dos corpos e podem oferecer vantagens
adicionais sem que se precise alterar as propriedades de corpo. Exemplo: Pecas decorativas
revestidas com cromo, pecas nitretadas, pecas com revestimento metálico e partículas
cerâmicas...

Mecânicas:
- Resistência à tração, compressão, flexão;
- Resistência ao escoamento: resistência à deformação plástica.
- Resistência ao desgaste: resistência à remoção e material de superfícies
sólidas como resultado de uma superfície movendo-se em contato com
outra.
- Módulo de elasticidade: razão entre a tensão e a deformação quando a
deformação é totalmente elástica; também é uma medida da rigidez do
material.
- Ductilidade: medida da habilidade de um material em ser submetido a uma
deformação plástica apreciável antes de sofrer uma fratura.
Físicas:
- Propriedades elétricas
- Magnéticas
- Térmicas
- Opticas

Químicas:
- Resistências à corrosao.
- Fragilizarão por hidrogênio: algumas ligas sofrem redução em suas
propriedades mecânicas quando hidrogênio atômico penetra no interior do
material.

6
Processamento:

O processamento de um material é definido em função das propriedades iniciais do


material e das propriedades necessárias para fazer frente às condições de serviço da peca ou
componente. Diferentes processos de fabricação originam diferentes microestruturas, como
pode ser verificado na figura abaixo:

Através do processamento, os materiais adquirem forma e dimensões para serem


utilizados na indústria.
Exemplos de processos: moldagem por injeção, deposição química de vapor, fundição,
conformação, compactação e sinterização, crescimento de cristais, eletrodeposição.....

1.3 TIPOS DE MATERIAIS

Classificacao dos Materiais

Critérios:
1. Aplicação pela indústria: metais, cerâmicos, polímeros, compósitos e
semicondutores.
2. Grau de desenvolvimento tecnológico: naturais, empíricos, desenvolvimento
científico e projetados.
3. Morfologia estrutural: monoestruturados, recobrimentos, gradiente e aleatório.

1. Aplicacao pela indústria

METAIS:
São normalmente combinações de elementos metálicos. Estes possuem um grande
número de elétrons não ligados a qualquer átomo em particular e por isto, são bons
condutores de eletricidade e calor, não são transparentes à luz visível. São materiais

7
resistentes e ainda assim deformáveis, o que é responsável pelo seu uso em aplicações
estruturais. Exemplos: Fe, Au, aço (liga Fe-C), latão (liga Cu-Zn)...

CERÂMICOS:
São compostos entre elementos metálicos e nao-metálicos (O, N, C, P, S); eles são
geralmente óxidos, nitretos e carbetos. São tipicamente isolantes à passagem de eletricidade e
calor, e são mais resistentes a altas temperaturas e ambientes abrasivos que os metais e
polímeros. Com relação ao comportamento mecânico, são duros, porém quebradiços (frágeis).
Exemplos: Vidros, argilas, cimento...

POLÍMEROS:
São geralmente compostos orgânicos baseados em carbono, hidrogênio e outros
elementos não metálicos. São constituídos de moléculas grandes (macro-moléculas). Possuem
tipicamente baixa densidade e podem ser extremamente flexíveis. Exemplos: plásticos e
borrachas.

COMPÓSITOS:
São constituídos de mais de um tipo de material insolúveis entre si. Estes materiais são
projetados para mostrar uma combinação das melhores propriedades de cada um dos materiais
que o compõe e que não estão presentes no material monofásico. Exemplo: matriz polimérica
com fibra de vidro, matriz metálica com partículas cerâmicas...

SEMICONDUTORES:
Possuem propriedades elétricas que são intermediárias entre aquelas apresentadas
pelos condutores elétricos e pelos isolantes. Além disto, as características elétricas destes
materiais são extremamente sensíveis à presença de minúsculas concentrações de átomos de
impurezas (dopantes). São a base da tecnologia eletrônica e óptica, com suas aplicações em
lasers, detectores, células solares, circuitos integrados e muitas outras aplicações. Exemplos:
Si, GaAs, InGaAsP.

2. Grau de desenvolvimento tecnológico

NATURAIS: utilizados como se encontram na natureza. Ex: madeira

8
EMPIRICAMENTE DESENVOLVIDOS: sem conhecimento tecnológico prévio. Ex: argila
vermelha para tijolos.
DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO: a ciência participando do desenvolvimento destes
materiais.
MATERIAIS PROJETADOS: fabricados com grau de conhecimento elevado. Ex: lâmpada
de sódio com alumina translúcida.

3. Morfologia estrutural

MONOESTRUTURADOS: único conjunto de propriedades. Ex: isolante de vela automotiva


(alumina densa), silício monocristalino, tijolos de argila vermelha.
RECOBRIMENTO: propriedades de superfície diferente das de corpo. Ex: torneiras
revestidas, palhetas de turbina aspergidas com materiais cerâmicos, pintura automotiva.
GRADIENTE: multicamadas com gradiente de propriedades. Ex: multicamadas de material
magnético e não-magnético, embalagens tetrapack, MDF.
ALEATÓRIO: reforço por uma segunda fase. Ex: níquel com partículas cerâmicas, carbeto de
tungstênio-cobalto.

1.4 EFEITO DO MEIO SOBRE O COMPORTAMENTO DO MATERIAL

TEMPERATURA
A tendência é que, com o aumento da temperatura, ocorra uma diminuição na resistência
mecânica dos materiais.

CORROSAO
Metais: Nos metais existe uma perda de material, seja pela dissolução ou pela
formação de uma incrustação ou película de material não-metálico (óxido).

9
Cerâmicos: são bastante resistentes à corrosão, que pode ocorrer a temperaturas
elevadas ou ambientes extremos. Podem ser atacados por outros líquidos cerâmicos
Polímeros: para estes materiais, o termo degradação é utilizado com mais freqüência.
Os polímeros podem dissolver quando estão expostos a um solvente líquido ou podem
absorver o solvente e sofre inchamento; ainda, o intemperismo e o calor podem causar
alterações e rompimento na estrutura molecular.

RADIACAO: Certos tipos de radiação possuem energia suficiente para penetrar em materiais
e afetar a estrutura interna destes, diminuindo a resistência mecânica e fragilizado o mesmo.

DESGASTE: Superfícies deslizando uma sobre as outras, acabam removendo partículas das
mesmas e provocando desgaste. Ex: pisos cerâmicos com tráfego de pessoas.

1.5 SELECAO DE MATERIAIS

Quais os critérios para seleção um material?


1. Apresentar as propriedades adequadas para as condições de serviço a que será submetido o
material.
Dificilmente um material apresenta uma combinação ideal de propriedades, muitas vezes é
necessário reduzir uma em benefício da outra → Compromisso entre propriedades.
Deve-se saber qual o desempenho e restrições no uso dos materiais selecionados →
Confiabilidade
2. Possa ser processado na forma desejável.
3. Seja economicamente viável: disponibilidade de matéria-prima, processo de fabricação →
Custo total.
4. Possa ser produzido com baixo impacto ambiental e posa ser reciclado.

10

Você também pode gostar