ANDRÉ LUIZ MONÉZI ANDRADE1, ALFREDO LÖHR JUNIOR2

1 2

Graduando do Curso de Psicologia do Centro Universitário Positivo. Neuropediatra, Mestre em Medicina Interna- UFPR, Professor Adjunto do Centro de Ciências Biológicas de da Saúde da PUC-PR e do Centro Universitário Positivo. Chefe da Unidade de Neuropediatria do Hospital Pequeno Príncipe.

RESUMO A neuroplasticidade é uma propriedade natural do sistema nervoso dos indivíduos caracterizada por alterações funcionais e/ou morfológicas nos neurônios em resposta a lesões, hormônios, drogas ou estímulos ambientais. Existem cinco tipos de plasticidade neural: regeneração, plasticidade axônica, dendrítica, somática e sináptica. Esta última possui fundamental importância na formação de redes neurais, permitindo o desenvolvimento adequado da capacidade cognitiva dos indivíduos. Dessa forma, o presente artigo objetiva uma revisão de literatura das implicações da plasticidade neural nos processos da memória e aprendizagem. Palavras- chave: neuroplasticidade; memória; aprendizagem. 1 INTRODUÇÃO Durante o processo evolutivo, o desenvolvimento de interações sociais e a relação com eventos ambientais só foram possíveis graças à ação sinérgica de diferentes órgãos, coordenados pelo Sistema Nervoso Central (SNC). Esta ação ocorre por meio de um fenômeno chamado plasticidade, de forma que, quando ocorre com neurônios, é chamada de plasticidade neural. Esta pode ser definida como sendo a capacidade cerebral de alterar funcionalmente e morfologicamente estruturas em resposta a experiências, drogas, hormônios e lesões.(1,2) Habilidades para aprender, recordar e esquecer também ocorrem em decorrência destas alterações, cuja função é de caráter adaptativo dos organismos. Os mecanismos pelos quais ocorrem os fenôme1 2

nos de plasticidade podem incluir modificações sinápticas do receptor, da membrana e neuroquímicas.(3) Estas últimas, também chamadas de fatores neurotróficos, possuem um papel-chave nos fenômenos de plasticidade, sendo caracterizadas como uma classe de moléculas que agem para dar apoio ao crescimento e à diferenciação nos neurônios em desenvolvimento. Os fatores neurotróficos são produzidos em grandes quantidades no cérebro, tanto pelos neurônios quanto pela neuróglia, e podem afetar os neurônios regulando seu crescimento e proporcionando um padrão adequado das conexões entre as células neurais.(4) As ações por meio desses fatores podem ocorrer desde a vida embrionária até a idade adulta, com redução progressiva de acordo com o aumento da idade.(3) Atualmen-

andreandrade@unicenp.edu.br; a.lohrjunior@unicenp.edu.br

RUBS, Curitiba, v.1, n.3, p.12-16, abril/jun. 2005

artigo original \ a plasticidade neural e suas implicações nos processos de ...
27

A PLASTICIDADE NEURAL E SUAS IMPLICAÇÕES NOS PROCESSOS DE MEMÓRIA E APRENDIZAGEM. THE IMPLICATIONS OF THE NEURAL PLASTICITY IN THE PROCESS OF THE MEMORY AND LEARNING.

por sua vez. Quando o sistema nervoso sofre uma lesão estrutural ou funcional. dentre elas a síndrome do X Frágil. o qual é liberado nas conexões interneurais. além de gerar cópias idênticas de si mesmas.(13) Este sistema possui um papel fundamental nos processos do aprendizado e memória.(6) Dessa forma.10) As espinhas dendríticas constituemse de micropetídeos privilegiados que concentram íons e pequenas moléculas influentes na transmissão de informações entre os neurônios. os quais serão detalhados adiante. 2005 . O padrão das espinhas dendríticas se modifica dinamicamente com a aprendizagem. tendo em vista que esta é facilitada por um ambiente favorável composto por mielina que. possuindo um importante papel nas funções neurais altas. Existe uma etapa da vida em que há um período de maior neuroplasticidade. podem obter uma recuperação das funções de maneira parcial ou completa caso haja uma intervenção rápida.28 te. (11. somática e sináptica. A plasticidade dendrítica é caracterizada por alterações no número. sabe-se que a plasticidade neural. resultando em disfunções entre as conexões interneurais.. síndrome de Rett. constituindo diferentes tecidos no organismo. entre outros.9) A plasticidade somática pode ser entendida como a capacidade de regular a proliferação ou a morte de células nervosas. uma das esperanças na recuperação somática está na utilização de células-tronco. Curitiba. no futuro.3.(5. sob a forma de regeneração. funcionar como células substitutas em tecidos nervosos lesionados ou doentes. ocorre principalmente no sistema nervoso periférico (SNP). abril/jun. v.(3) Na maioria das sinapses. Retardo Mental. Parkinson.(5) Existem 5 tipos de neuroplasticidade: regeneração. n. e ele não responde a influências do meio externo.12-16. A plasticidade sináptica é caracterizada por alterações nas sinapses entre as células nervosas.(6) Indivíduos que sofreram traumatismos envolvendo secção de nervos periféricos. sabe-se que elas passam a ser sintetizadas em maior quantidade pelo tecido nervoso submetido a traumas. Estas alterações estão relacionadas a diversas patologias. no comprimento. Este tipo de célula pode se diferenciar. este experimenta mudanças no intuito de restaurar estas lesões. principalmente nas fases iniciais de desenvolvimento do indivíduo. Acidentes Vasculares Cerebrais . que ocorre por meio da plasticidade axônica ou ontogenética. sendo fundamental para um desenvolvimento normal do sistema nervoso. é produzida pelas células de Schwann. Atualmente. RUBS. Dessa forma.(9.12. por exemplo.. o qual orienta o crescimento axonal. como nos casos da doença de Alzheimer . dendrítica. Esta transformação da informação em elétrica-química-elétrica pode acarretar alterações duradouras nas conexões interneuronais por meio da plasticidade sináptica. p. Neurofibrimatose e Epilepsia. Na membrana pós-sináptica. Somente o sistema nervoso central embrionário é dotado de tal capacidade. um ambiente rico em estímulos é fundamental para a aquisição de várias capacidades cerebrais. pois poderiam.(4) Este período compreende a fase que vai dos 0 aos 2 anos de idade.8) Em alguns casos este padrão pode se modificar. este sinal químico é convertido novamente em elétrico. na disposição espacial e na densidade das espinhas dendríticas.1. As sinapses são conexões especializadas que permitem transmitir informação desde um neurônio a outro. as células-tronco são objetos de intensas pesquisas.(7) Segundo Lent(8). artigo original \ a plasticidade neural e suas implicações nos processos de . chamado período crítico. a informação que viaja na forma de impulsos elétricos ao longo de um axônio é convertida em um sinal químico. uma vez que eles proporcionam a excitação necessária para a modificação permanente dos circuitos neurais. plasticidade axônica. o desenvolvimento da linguagem humana é um exemplo de plasticidade axônica em que a recuperação das funções lingüísticas decorrentes de lesões cerebrais na infância são mais facilmente recuperáveis do que em adultos em decorrência da neuroplasticidade axônica. Por causa dessas duas capacidades.

além de salivarem diante de estímulos. Para que o LTP ocorra. Estes eventos intracelulares são responsáveis pelas alterações sinápticas nesses dois sistemas de aprendizagem .. Quando existe uma estimulação elétrica mais forte. A habituação é uma maneira simples de aprendizado em que a força de uma resposta a um determinado estímulo diminui com as suas apresentações repetidas. iniciando uma cascata de eventos bioquímicos em que esta célula nervosa gera estímulos mais intensos para outras. A sensibilização corresponde ao processo inverso da habituação. Um indivíduo que se muda para o centro de uma cidade agitada. como alimentos. Esse é um sistema adaptativo em termos evolutivos. Pavlov notou que os animais. O inverso acontece na sensibilização. resultando em menos neurotransmissores liberados na membrana pré. uma vez que. p.2. é necessário que um neurônio receba estimulações elétricas mais fortes que o comum como forma de aumentar o tamanho dos potenciais de campo na célula. em geral. atualmente sabe-se que a base do condicionamento clássico é a associação entre estímulos. na qual o influxo de íons Ca2+ aumenta em decorrência de um potencial de ação prolongado causado pela redução do efluxo de íons K+ na membrana pré-sináptica. acontece um processo de crescimento ou alterações metabólicas em uma ou em ambas as células. Esta abertura permite um influxo de íons de Ca2+ no neurônio pós-sináptico. o que acaba por aumentar a eficiência das sinapses. conhecidos como habituação. abril/jun. ao invés de serem mensurados diretamente. n. No decurso de seu estudo da fisiologia das secreções digestivas em cães. sensibilização.. o qual permite. Com a habituação. Os receptores AMPA são mediadores das respostas produzidas quando o glutamato é liberado de uma membrana présináptica. o influxo de íons Ca2+ em resposta ao potencial de ação diminui.1. condicionamento clássico e condicionamento operante. (11.(14) Esse aumento da carga elétrica na célula faz com que esta envie estímulos mais fortes para as outras e assim sucessivamente. ela acaba por abrir os canais do receptor NMDA. ao passo que os receptores NMDA permanecem com seus canais bloqueados. e inicialmente possui dificuldades para dormir em decorrência do barulho. como resultado da experiência ou aquisição de novos conhecimentos acerca do meio.2 Classificação dos Processos de Aprendizagem e Memória . por exemplo. de forma que o estímulo tem sua resposta acentuada à medida que é apresentado. também o faziam quando viam a pessoa que os ali- RUBS. (18) A classificação dos processos de aprendizagem guarda íntima relação com os procedimentos experimentais de laboratório.(16) Esta série de eventos intracelulares pode durar de horas a dias e possui funções importantes nos processos da memória e aprendizagem. O glutamato é um neurotransmissor que desempenha um papel-chave na plasticidade neural.(18) Uma das definições correntes indica que a aprendizagem é a modificação do comportamento. NMDA e AMPA. quando um axônio de uma célula A está próximo o suficiente para excitar uma célula B.(15) Ele age sobre dois tipos de receptores. estes processos são inferidos a partir de alterações comportamentais. Curitiba.12-16. gerando um estímulo mais fraco na membrana pós-sináptica.Uma maneira de se entenderem os processos de plasticidade é por meio da teoria proposta por Hebb. e esta excitação se mantém de maneira persistente por meio de potenciais de longa duração (LTP). com o tempo deixa de perceber a maior parte dos ruídos através do processo de habituação. o reforço de memórias importantes para a sobrevivência. e a memória é a retenção deste conhecimento por um tempo determinado.(5) Segundo o autor.sináptica. A partir de seus estudos.17) A definição de memória e aprendizagem é extremamente difícil. 2005 artigo original \ a plasticidade neural e suas implicações nos processos de . v.3. 29 1.1 O Processo da Plasticidade Neural 1. A história dos estudos com condicionamento clássico começou com o fisiologista russo Ivan Pavlov.

Curitiba. O condicionamento operante ocorre sempre que os efeitos que se seguem a um comportamento aumentam ou diminuem sua probabilidade de voltar a ser desempenhado em uma situação similar. As memórias também podem ser classificadas de acordo com o seu conteúdo em memórias declarativas e procedurais. que é chamada de resposta condicionada (RC). O condicionamento ocorre quando um estímulo neutro (EN) (o som de uma campainha. ainda há muito por se entender e compreender. como núcleo caudado. este tende a ser repetido com menos freqüência. entre outras tarefas. putâmen. Um indivíduo que retém in- formações sobre uma determinada matéria o faz por meio da memória declarativa. (19) Como conseqüência. Estudos realizados com pacientes que apresentavam déficits de memória em decorrência de lesões cerebrais identificáveis através de modernas técnicas de neuro-imagem. A evocação de uma memória ocorre por meio da reativação de redes sinápticas para cada uma armazenada. Dentro dessa perspectiva.. p. (6. que é a resposta incondicionada (RI).. tais como as emoções.1. córtex parietal e o hipocampo.3. é emparelhado com o EI. sendo que o acesso a estas informações ocorre de maneira consciente.12-16. incluindo a tomografia por emissão de pósitrons (PET) e ressonância magnética funcional (MRI). A primeira dura poucos minutos.21) Apesar de os avanços na área das neurociências oferecerem um conhecimento cada vez maior acerca da plasticidade neural e dos princípios que regem seu funcionamento e adaptação aos processos da memória e aprendizagem. pelo menos. por exemplo). se o comportamento for geralmente seguido de conseqüências desagradáveis. ao passo que a formação das memórias procedurais se daria através de regiões. Nas condições experimentais de laboratório. o armazenamento de uma informação ocorre por meio de modificações permanentes ou. Dessa forma. que é o estímulo incondicionado (EI) a um animal. A primeira refere-se a recordações de experiências sobre fatos e eventos passados. 2005 . v. 2 DISCUSSÃO Está bem estabelecido que existem dois tipos diferentes de armazenamento de informações: a memória de curto prazo e a memória de longo prazo. não-consciente. enquanto que no condicionamento operante a base é a associação entre o estímulo e o comportamento do animal. Em geral. seriam exemplos de informações relacionadas a este sistema de memória. a apresentação de alimento. provocou a salivação. Saber andar de bicicleta. principalmente. costurar. das declarativas. sob condições semelhantes. justamente o tempo suficiente para que as memórias de longa duração sejam consolidadas por meio de alterações morfológicas das sinapses ou pelo fortalecimento das já existentes. dirigir. RUBS. a base do condicionamento clássico é a associação entre estímulos. sobretudo. pelo córtex pré-frontal. n. os níveis de consciência e o estado de ânimo. As memórias procedurais estão relacionados aos procedimentos e habilidades aprendidas gradualmente ao longo da vida. desencadeando uma reação similar à RI. Este processo pode ser inibido por mecanismos variados. estas habilidades são adquiridas de maneira automática.30 mentava ou quando ouviam os passos dessa mesma pessoa. abril/jun. a formação das memórias declarativas seriam permeadas. Se um comportamento é repetidamente seguido de resultados agradáveis ao indivíduo. proporcionaram um entendimento anátomo-funcional mais preciso das memórias procedurais e. o que faz com que o indivíduo não perceba de forma clara cada passo da aprendizagem das tarefas em contato com ele. ele tende a ser desempenhado com maior freqüência sob condições similares. Entretanto. muito duradouras da forma e função das sinapses das redes neurais de cada memória.20. cerebelo e amígdala cerebral. Conforme se avança no conhecimento dos mecanismos neuroquími- artigo original \ a plasticidade neural e suas implicações nos processos de .

Worley P. p. . determinando alterações constantes nos circuitos cerebrais principalmente no hipocampo.. 2002. 8 Johnston MV. REFERÊNCIAS 1 Ferrari AM. Brain Dev 2004 Mai 12. Wishaw I. 2005 artigo original \ a plasticidade neural e suas implicações nos processos de . n. J neurosci 2005 July 13. jannus C. E desta forma que tais modificações permitem a adaptação constante dos seres vivos frente às demandas do meio ambiente e o meio interno garantido assim a sobrevivência das espécies. 31 cos e neuroanatômicos que dirigem a plasticidade sináptica. 2002. Adaptative learning interventions for verbal e motor deficits. 2004. Estímulos constantes. 2 Maren S. Rev bras psiquiatr 2004 Set. 63(1):1-18. 9 Steward O. Local synthesis of proteins at synaptic sites on dendrites: role in synaptic plasticity and memory consolidation? Neurobiol learn mem 2002 Nov. Jia Z.17(2):187-94. futuramente podem-se desenhar novas estratégias de atuação em indivíduos com diferentes graus de dificuldades no processo de memorização e aprendizagem. 11 Meng J.3 CONCLUSÃO A aprendizagem e a memória requerem mecanismos neuronais mediados principalmente pelas sinapses nervosas. Neurociências desvendando o sistema nervoso. Meng Y. Neurobiol learn mem 1995 Jan.6(2):17176. Toyoda MSS. São Paulo: Atheneu. Carvalho J. 12 Bear MF. Neurociência do comportamento. Aprendizado e memória.1. Curitiba. 14(3):159-69. 4 Cheung ME. Connors BW. Plasticidade neural: relações com o comportamento e abordagens experimentais. Hanna A. 6 Yang CH. v. Abnormal long-lasting synaptic plasticity and cognition in mice lacking the mental retardation gene park 3. 10 Lombroso P.25(28):6641-50. assim como também os receptores de N-metil-aspartato NMDA e os subtipos de aspartato são fundamentais nos fenômenos da plasticidade cerebral.3. 7 Blows WT. mediados pelas alterações sinápticas através dos mecanismos de potenciação de longa duração e de depressão de longa depressão. 5 Kolb B. Clinical disorders of brain plasticity. Hsu KS. Faleiros L.12-16.26(3): 207-10. Cerutti SM.Lent R. Neurorehabilitation neural repair 2000. Cem bilhões de neurônios: conceitos fundamentais de neurociência.78(3): 508-27. Paradiso MA. Child brain development. Sant’ana DMG. Barueri: Manole. pois. J neurosci 2004 Dez 8. Broman SH. 2 ed. Plasticidade e regeneração funcional do sistema nervoso: contribuição ao estudo de revisão. farmacológicos bem como a genética molecular alteram as sinapses nervosas. Huang CC. abril/jun. 3 Oda JY. RUBS.24(49):11029-34. Nurs times 2003. Baudry M. agem continuamente sobre a memória e a aprendizagem. Arq ciências saúde UNIPAR 2002.99(17):28-31. Um pequeno estímulo pode determinar uma alteração persistente nos circuitos cerebrais e que podem permanecer por toda vida.26 (2):73-80. Psicol teor pesqui 2001 Mai/ Ago. Assim sendo estímulos neuropsicológicos. eletrofisiológicos. Properties and mechanisms of long-term synaptic plasticity in the mammalian.. Behavioral stress modifies hippocampal synaptic plasticity through corticosterone-induced sustained extracellular signal-regulated kinase/mitogen-activated protein kinase activation. São Paulo: Artmed.

The origin synaptic neuroplasticity: crucual molecules or a dynamical cascade? Pediatr neurol 1994. J neurosci 2003 Ago 27. 2. dendritic. this article aims at a literature revision of the implications of the neural plasticity in the process of the memory and learning.23(21):7737-41. J neurosci 2004 Ago 18. Yamada RX. Yamada MK. 18 Baudry M. abril/jun. Neurobiol learn mem 1998 Jul. Deacon RMJ.1. J neurosci 2004 Abr 7. Corticotropin releasing factor induced synaptic plasticity in the amigdala translates stress into emotional disorders. drugs or environmental stimulators.12-16. Yasui T. v. The role of hippocampal glutamate receptor-A-dependent synaptic plasticity in conditional learning: the importance of spatiotemporal discontiguity. Lanius RA. p. Sajdy TJ. Psychobiology 1997 Mar.artigo original \ a plasticidade neural e suas implicações nos processos de . Nishiyama N et al. This last one has a fundamental importance in the formation of neural nets. Sprengel R. axo-axonic. ABSTRACT The neuroplasticity is a natural characteristic of the nervous system of the individuals characterized by functional and/or morphologic alterations in the neurons in reaction to lesions. 32 RUBS. 15 Baba A. Activityevoked capacitative Ca2+ entry: implications in synaptic plasticity.24(14):3471-79. allowing the adequate development of the cognitive capacity of the individuals. 2005 . 2002.19(3):241-65. There are five types of neural plasticity as following: regeneration. Seeburg PH. Rawlins NP et al. São Paulo: Atheneu.3.2(8):456-57. Medina JH. Key words: neuroplasticity.. Neuropharmacological key to cortical plasticity found. In this way. 16 Hayward P. Van den Doel K. Bergeron R.70(2):113-18. 14 Shaw CA. 25(1): 1-9. Shekhar A. Synaptic plasticity and learning and memory: 15 years of progress. The biochemistry of memory formation and its regulation by hormones and neuromodulators. 20 Izquierdo I. n. Patil M. 17 Brandão ML. Curitiba.. Psicofisiologia: as bases fisiológicas do comportamento. somatic and synaptic. Fujisawa S. memory.ed. Gehlert DR. 24(33):7277-82. hormones. Arianpour R. 13 Schmitt WB. learning. 19 Rainnie DG. Lancet neurol 2003 Ago1.