Você está na página 1de 7

DAYC

DEVELOPMENTAL ASSESSMENT OF YOUNG CHILDREN


Judith K. Voress, Taddy Maddox

pro.ed
8700 Shoal Creek Boulevard
Austin, TEXAS 78757-6897

INTRODUÇÃO

O DAYC foi concebido para avaliar cinco áreas importantes do


desenvolvimento: cognição, comunicação, desenvolvimento social-emocional,
desenvolvimento físico e comportamento adaptativo. O principal objectivo é
servir de base à intervenção precoce pelos profissionais do pré-escolar, em
crianças com grande variedade de perturbações ou com risco importante de as
vir a desenvolver. É do conhecimento geral a importância da detecção precoce
dos problemas para início de intervenção o mais precocemente possível.

Os testes de rastreio anteriores (Denver), apresentam baixa sensibilidade


e não identificam 80% das crianças que desenvolvem posteriormente atraso no
desenvolvimento académico. E mesmo as versões revistas mantém estas
falhas. Além disso os restantes testes eram de aplicação limitada abaixo dos 3
anos, geralmente com poucos itens por idade ou avaliando poucas áreas. Além
disso os autores do DAYC consideram importante encorajar mais a participação
dos pais no julgamento e avaliação das capacidades dos seus filhos.
COMPOSIÇÃO DO TESTE:

O DAYC consiste numa bateria de cinco sub-testes que avaliam as


diferentes, mas interrelacionadas competências em desenvolvimento. É
aplicável, desde o nascimento até aos 5 anos e 11meses.

♦ Sub-teste cognitivo: tem 78 itens e avalia competências de natureza


conceptual e a sua aplicação no dia-a-dia. Inclui a capacidade de atenção,
memória, planeamento, decisão e discriminação.

♦ Sub-teste de comunicação: um total de 78 itens que avaliam a


comunicação em sentido lato, envolvendo troca de ideias, informação e
sentimentos. As competências de comunicação envolvem a linguagem
expressiva e receptiva e a expressão verbal e não verbal.

♦ Sub-teste social-emocional: com 58 itens são avaliadas a consciência


social, trocas sociais, e competência social. As emoções referem-se à
capacidade de expressar sentimentos. Estas competências sociais-
emocionais permitem às crianças estabelecer trocas sociais significativas
com os pais, amigos e outros indivíduos na sociedade.

♦ Sub-teste de desenvolvimento físico: consiste em 87 itens que avaliam o


desenvolvimento motor. Engloba uso de músculos da motricidade grosseira e
fina para desempenhar movimentos básicos.

♦ Sub-teste do comportamento adaptativo: com 62 itens avalia o


funcionamento independente da criança no seu meio ambiente. A autonomia
inclui higiene pessoal, alimentação, vestir, e responsabilidade.
APLICAÇÕES DO DAYC:

• Identificar crianças com desenvolvimento normal e crianças com


desenvolvimento abaixo da média.
• Determinar as forças e fraquezas específicas da criança avaliada.
• Documentar o progresso nas competências em consequência dos programas
de intervenção em curso.
• Avaliar competências para estudos de investigação

EXAMINADORES:

Os examinadores que administram e interpretam o DAYC devem ter


treino em avaliação. É fundamental a compreensão total das estatísticas do
teste, procedimentos gerais de administração, pontuação e interpretação e ter
prática na aplicação de testes a crianças.

Ao usar pela primeira vez deve ler cuidadosamente o manual e pedir


esclarecimentos das dúvidas; em seguida, deve praticar a aplicação e
pontuação várias vezes antes de o fazer em situação real.

DURAÇÃO DO TESTE:

Cada sub-teste deve ser aplicado o mais rapidamente possível evitando


cansar a criança, não devendo ultrapassar 10-20 minutos.
PONTOS DE INÍCIO, BASES E TECTOS

São utilizados para reduzir o tempo de aplicação do teste. A idade da


criança determina o item em que inicia o sub-teste (discriminado na folha), ou
ponto de início. Designa-se por tecto quando falha 3 em 5 itens sucessivos.
Designa-se por base quando cumpre 3 itens sucessivos.

Inicia-se pelo ponto de início e aplica-se os itens seguintes até a crianças


atingir um tecto ou até ao último item. Mesmo que passe itens acima do tecto
são informativos, mas não contabilizados.

Estabelecido o tecto, tenta-se encontrar uma base, se ainda não


aconteceu, voltando ao ponto de entrada e testando para trás até acertar três
sucessivos ou até ao item n.º 1. Todos os itens abaixo da base são
contabilizados como certos.

Quando há, por distracção na aplicação, duas bases, a verdadeira é a


mais próxima do tecto e vice-versa. Aplicado correctamente nunca há uma falsa
base e um falso tecto.

A pontuação é dada por 1 - passou; 0 - não passou. O teste é feito por


observação directa da criança. entrevista aos pais e educadores e testando a
criança. Deve ser administrado sempre individualmente, com materiais simples,
do dia-a-dia, que devem estar previamente escolhidos e à mão do examinador,
num ambiente adequado, estando atento e registando os factores do ambiente
ou da criança que possam estar a prejudicar a aplicação do teste.
ITEM A B C D ITEM
1 0 1
2 1 2
3 1 3
4 0 4
5 1 5
6 1 1 6
7 1 Base 0 7
8 1 1 8
9 0 0 9
10 1 1 1 1 10
11 1 0 1 1 11
12 1 1 0 0 12
13 0 1 1 1 13
14 0 0 0 Tecto 1 14
15 1 1 Tecto 0 0 15
16 1 0 1 1 16
17 1 0 1 Base 17
18 1 Base 1 18
19 1 0 19
20 0 1 20
21 1 1 Tecto 21
22 1 0 22
23 0 0 23
24 1 Tecto 1 24
25 0 0 25
26 0 0 26
27 0 27
Total bruto 22 12 9 20

Nota: No caso A, a base é a mais próxima do tecto, logo o item 13 e 14 pontuam correctamente;
no caso B a base está atrás do ponto de início e deve ser procurada; no caso C não se encontra
base; no caso D o item 24 não pontua por estar além do tecto.

PREENCHIMENTO DAS FOLHAS DE RESULTADOS:

É importante escrever o nome e sexo da criança, se frequente


escola/creche, nome do pai ou de quem fornece a informação, relação com a
criança e duração da mesma. Deve também constar o nome do examinador.
A idade é a idade cronológica que se obtém subtraindo a data de
nascimento à data do teste e convertendo em meses (idade em meses = ano x
12 + meses):

ex.: Ano Mês Dia


Data de teste 98 5 10
Data de nascimento 97 1 6
Idade 1 4 4
Idade em meses 16
Através da soma dos itens obtém-se a Pontuação Bruta. Com as tabelas
normativas constantes do manual converte-se em Pontuação Padrão; Percentil
ou Idade Equivalente.

♦ A Pontuação Bruta não tem valor comparativo entre os sub-testes e só é


usada para obter as outras.

♦ A Idade Equivalente (Idade Mental), embora muito popular, resulta de uma


comparação com um valor médio que é muito variável e deve ser
desaconselhado o seu uso.

♦ As Pontuações Padrão de cada sub-teste dão indicações mais claras sobre


o desempenho. Usa valor médio de 100 com DP 15, e pode ser comparada
entre sub-testes ou com outros testes com igual média e DP ou após
conversão conforme indicado no manual. Os valores das Pontuações Padrão
são lançados num quadro na folha de resultados obtendo-se um perfil de
desempenho. O Coeficiente de Desenvolvimento Global resulta da soma
das cinco Pontuações Padrão e é convertido num valor padronizado pela
tabela de conversão constante do manual.
♦ Os Percentis comparam com a distribuição de uma população usada como
amostra e são resultados também populares e mais fáceis de compreender.

INFORMAÇÃO NORMATIVA

O DAYC foi normalizado usando uma amostra de 1269 crianças de vários


estados dos EUA e do Canadá. A fiabilidade do teste varia entre 94-99% e a
validade está descrita no manual. Recomenda-se a leitura do manual.
NOTA FINAL

Por último gostaria de salientar a importância da utilização correcta dos


instrumentos, particularmente dos testes e da sua interpretação correcta. Não
esquecer que os testes não diagnosticam, as pessoas é que o fazem!

Traduzido e adaptado, em Nov. 1999, por:


Mónica Pinto e Miguel Palha