P. 1
Ferdinand Saussure e a Natureza do Signo Linguístico.

Ferdinand Saussure e a Natureza do Signo Linguístico.

|Views: 1.977|Likes:

More info:

Published by: Juliano Gustavo Santos Ozga Julik on Dec 15, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

03/14/2013

pdf

text

original

Trabalho sobre Natureza do Signo Linguístico. Professor: Gilson Ianinni – UFOP.

Por: Juliano Gustavo Ozga. Filosofia UFSM-UFOP.

Primeiramente devemos citar os conceitos principais expostos por Ferdinand de Saussure: a) Signo: conceito e uma imagem acústica. b) Significado: referente ao Conceito. c) Significante: referente à Imagem Acústica. A conclusão que se segue é a de que para certas pessoas “a língua é uma nomenclatura, uma lista de têrmos que correspondem a outras coisas”, donde decorre três críticas de Saussure: Crítica 1- “supõe idéias completamente feitas, preexistentes às palavras”; Crítica 2- “ela não nos diz se a palavra é de natureza vocal ou psíquica, pois arbor pode ser considerada sob um outro aspecto”; Crítica 3- “ela faz supor que um vínculo que une um nome a uma coisa constitui uma operação muito simples, o que está bem longe da verdade”. A conclusão de Saussure referente à Unidade Linguística é: “a unidade linguística é uma coisa dupla, constituída da união de dois têrmos”. Na sequência há uma referência ao Circuito da Fala, onde “os têrmos implicados no juízo lingüístico são ambos psíquicos e estão unidos, em nosso cérebro, por um vínculo de associação”. A definição usada para signo linguístico envolve um conceito e uma imagem acústica. A Imagem Acústica é definida como uma “impressão (empreite) psíquica dêsse som (som material), a representação que dêle nos dá o testemunho de nossos sentidos” ;é sensorial em oposição ao termo conceito, que é mais abstrato. Assim Saussure expõe o conceito de Caráter Psíquico de nossas imagens acústicas, definido como: “sem movermos os lábios nem a língua, podemos falar conosco ou recitar mentalmente um poema”. Sobre o fonema, definido como “uma idéia de ação vocal, não pode convir senão à palavra falada, à realização da imagem interior no discurso”. Desse modo as definições seguintes ficam mais claras:

1- Signo Linguístico: “é uma entidade psíquica de duas faces”- Conceito e Imagem Acústica; 2- Signo : conceito + imagem acústica; Para elucidar as definições, Saussure usa o exemplo do signo Arbor, onde “se chamamos..., é sòmente porque exprime o conceito “árvore”, de tal maneira que a idéia da parte sensorial implica a do total”, ou seja, o signo refere-se ao total, o significado ao conceito e o significante à imagem acústica da palavra. Posteriormente fica evidente oposição significado e significante, pelo fato de que “êstes dois têrmos têm a vantagem de assinalar a oposição que os separa, quer entre si, quer do total de que fazem parte”. Neste instante, irei tratar somente de uma das duas características primordiais do signo linguístico: Arbitrariedade e Caráter Linear do Significante. Um dos motivos da arbitrariedade do laço que une os termos significado e significante é o fato de que “entendemos por Signo o total resultante da associação de um significante com um significado”, ou seja, “O Signo Linguístico é arbitrário”. Nesse caso, o Princípio da Arbitrariedade é pouco contestado, e que em certas ocasiões é mais fácil descobrir uma verdade do que lhe assinalar o lugar que lhe cabe, sendo que esse princípio “domina tôda a lingüística da língua”. No entanto Saussure expõe uma observação relevante que abrange a Semiologia, onde muita coisa mudará “quando a Semiologia estiver organizada, deverá averiguar se os modos de expressão que se baseiam em signos inteiramente naturais - como a pantomima – lhe pertencem de direito”. Ao mesmo tempo essa observação é uma crítica, positiva a meu ver, à limitação de abrangência da Semiologia. A hipótese em foco faz menção ao critério que norteia as relações linguísticas em sociedade, onde “Todo meio de expressão aceito numa sociedade repousa em princípio num hábito coletivo ou, o que vem a dar na mesma, na convenção”. Assim sendo, Saussure expõe uma conclusão sobre a arbitrariedade dos signos: “Pode-se, pois, dizer que os signos inteiramente arbitrários realizam melhor que os outros o ideal do procedimento semiológico: eis porque a língua, o mais completo e mais difundido sistema de expressão, é também o mais característico de todos”. No entanto, uma característica fundamental do Símbolo é a seguinte: “O símbolo tem como característica não ser jamais completamente arbitrário; Ele não está vazio, existe um rudimento de vínculo natural entre o significante e o significado”, referindose ao vínculo entre a coisa nomeada (significante) e sua abrangência semântica (significado).

Assim, a segunda observação de Saussure sugere a limitação das mudanças subjetivas na linguagem, pelo fato de que “Não deve dar a idéia de que o significado dependa da livre escolha do que fala”. A conclusão exposta por Saussure sobre o significado é a seguinte: “o significado é imotivado, isto é, arbitrário em relação ao significado, com o qual não tem nenhum laço natural na realidade”.

Referência Bibliográfica: SAUSSURE, Ferdinand de. “CURSO DE LINGÜÍSTICA GERAL”. Organizado por: CHARLES BALLY e ALBERT SECHEHAYE. Ed. CULTRIX. São Paulo.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->