P. 1
Matemática - Física - Resolução de Exercícios - Modulo1b

Matemática - Física - Resolução de Exercícios - Modulo1b

4.5

|Views: 2.956|Likes:
Publicado porCiencias PPT

More info:

Published by: Ciencias PPT on Aug 06, 2008
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

12/06/2012

pdf

text

original

Sections

MÓDULO ESPECIAL

DE
EXERCÍCIOS
(Resoluções)
Confira as soluções dos exercícios no
Portal Educacional: www www www www www.c7s.com.br .c7s.com.br .c7s.com.br .c7s.com.br .c7s.com.br
ou na sua biblioteca
MÓDULO ESPECIAL
DE
EXERCÍCIOS
(Resoluções)
Sumário
Supervisão Geral e Pedagógica - Clayton Lima
Coordenação Editorial e Design - Junior Gomes
Concepção e Projeto Editorial - Bookmaker Edições Ltda
Editoração Eletrônica - Bookmaker Edições Ltda e
FEMAG - Empreendimentos Editoriais Ltda.
Pesquisa e Coordenação de Produção - Solange Gomes
Capa - Rogers Tabosa
Revisão: Mauri Costa e Renata Kelly
Impressão - Tiprogresso
ANO 2006
Todos os direitos reservados à Editora Ipiranga
Av. do Imperador, 1262 - Centro - CEP 60015-052 – Fortaleza - CE.
Fones: (85) 3488-7885 / 3261-5066
4ª Edição
Matemática I ................................................................................................................................................. 3
Matemática II ................................................................................................................................................ 6
Matemática III ............................................................................................................................................... 8
Matemática IV .............................................................................................................................................. 11
Matemática V................................................................................................................................................ 13
Física I ......................................................................................................................................................... 16
Física II ........................................................................................................................................................ 19
Física III ....................................................................................................................................................... 22
Física IV ....................................................................................................................................................... 24
Física V ........................................................................................................................................................ 26
Química I ...................................................................................................................................................... 28
Química II ..................................................................................................................................................... 29
Química III .................................................................................................................................................... 33
Química IV ................................................................................................................................................... 36
Química V..................................................................................................................................................... 37
Biologia I ....................................................................................................................................................... 40
Biologia II ...................................................................................................................................................... 42
Biologia III ..................................................................................................................................................... 44
Biologia IV .................................................................................................................................................... 45
Biologia V...................................................................................................................................................... 46
Módulo Especial de Exercícios – Resoluções Módulo Especial de Exercícios – Resoluções
2006 3
Anotações
_____________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________
Matemática I
A AA AA
n +3 n – 1
n – 4
2 . 2 – 2 . 7
5 . 2
=
3 n
2 . 2 . 2
–1 n
– 2 . 2
n
. 7
5 . 2
–4
. 2
=
=
7
16 –
2
5
16
= =
25
2
5
16
8
= 25 x
8
5
= 5 x 8 = 40
A) n
o
hab: 6 . 10
9
pessoas
consumo por pessoa: 800 m
3
= 8 . 10
2
m
3
consumo mundial = 6 . 10
9
. 8 . 10
2
m
3
= 48 . 10
11
m
3
em km
3
=
11
9
48. 10
10
= 48 . 10
2
= 4800 km
3
B)
9000
3
km
4800
3
km
=
x
6 bilhões
48x = 6 . 90 → x =
6 . 90
48
8
=
11,25 bilhões
A AA AA
E =
2 4 8 2 2
2 6 3 1
ab . a . b . a . b
a . b . a . b . a . b
− − −
− − −
=
1 4 2 2 8 2
2 6 1 1 3 1
a . b
a . b
− + − + −
− + − − +
E =
1 4
3 1
a . b
a . b


= a
–4
. b
5
Substituindo a = 10
–3
e b = – 10
–2
na expressão E, temos:
E = (10
–3
)
–4
. (–10
–2
)
5
= 10
12
. (–1)
5
. 10
–10
= –10
2
= –100
C CC CC
(3
1
2
+ 3
2
3
– 3
4
6
) . 3
3
4
= (3
1
2
+
2
3
3 –
2
3
3 ) . 3
3
4
=
= 3
1 3
2 4
+
= 3
2 3
4
+
= 3
5
4
=
4 5
3 =
4 4
3 . 3
= 3 .
4
3
E = [10
2
+ 20
2
+ 30
2
+ ... + 100
2
] – [9
2
+ 19
2
+ 29
2
+ ... + 99
2
]
E = (10
2
– 9
2
) + (20
2
– 19
2
) + (30
2
– 29
2
) + ... + (100
2
– 99
2
)
E = (10 + 9) . (10 – 9) + (20 + 19) . (20 – 19) + (30 + 29) .
(30 – 29) + ... + (100 + 99) . (100 – 99)
E = 19 + 39 + 59 + ... + 199 =
10 . (19+199)
2
= 1090
D DD DD
ab (a +b) .


3 3
3 3
2 2
2 2
b a
a b
b a
a b
= ab (a + b) .
(b – a)
2 2
3
(b +ba +a )
a
3
b
.
.
2
a
2
b
(b – a) . (b +a)
= ab
( ) a+b .
2 2
b +ba+a
ab . (b +a)
=
= (a
2
+ ab + b
2
)
1
2
3
4
5
6
Módulo Especial de Exercícios – Resoluções Módulo Especial de Exercícios – Resoluções
4 2006
497 7
07 71
(0)
semanas
D DD DD
N = 5
4
. (3
5
)
x
. 5
4
. 3
5x
n
o
= [D + (N)] = (4 + 1) . (5x + 1) = 455 →
→ 5x + 1 = 91 → 5x = 90 → x = 18
200 2
100 2
50 2
25 5
5 5
1
120 2
60 2
30 2
15 3
3 3
1
A) 200 = 2
3
. 5
2
120 = 2
3
. 3
1
. 5
1
B) máximo divisor comum de 120 e 200.
mdc (120, 200) = mdc(2
3
. 3 . 5, 2
3
. 5
2
) = 2
3
. 5 = 40
40 caixas
120 : 40=3
200 : 40=5



40 caixas, cada uma c/ 3 chaveiros e 5 camisetas
B BB BB
n
o
ações: N, 30 < N < 40
n – 1 é múltiplo de 3
n – 3 é múltiplo de 4
N é m(3) + 1 → 31 31 31 31 31, 34, 37
N é m(4) + 3 → 31 31 31 31 31, 35, 39
São 31 ações
31 : 4 = 7 e sobram 3.
13
14
15
17
16
C CC CC
2
1
a +
a
⎛ ⎞
⎜ ⎟
⎝ ⎠
=
2
10
3
⎛ ⎞
⎜ ⎟
⎝ ⎠
a + 2 a .
1
a
+
1
a
=
100
9
a +
1
a
=
100
9
– 2
a + a
–1
=
82
9
E EE EE
I. (3x – 2y)
2
= 9x
2
– 12xy + 4y
2
(F)
II. 5x (y + 3m) + 3z (y + 3m) = (y + 3m) . (5x + 3z) (V)
III. 81x
6
– 49a
8
= (9x
3
– 7a
4
) (9x
3
+ 7a
4
) (V)
E EE EE
n + 1992
2
= 1993
2
n = 1993
2
– 1992
2
n = (1993 + 1992) . (1993 – 1992)
n = 3.985
Daí: 3 + 9 + 8 + 5 = (25)
B BB BB
E =
1. ( 1 2)
( 1 2) . ( 1 2)

+ −
+
1. ( 2 3)
( 2 3) . ( 2 3)

+ −
+
+
1. ( 3 4)
( 3 4) . ( 3 4)

+ −
+ ... +
+
1. ( 99 100)
( 99 100) . ( 99 100)

+ −
E =
1 2 −
( 1) −
+
( 2 3 − )
( 1) −
+
( 3 4 − )
( 1) −
+ ... +
+
99 100
( 1)


E =
1 100
( 1)


=
1 10
( 1)


= 9
C CC CC
n = 7 2 6 + – 7 2 6 − > 0, poi s 7 2 6 + >
> 7 2 6 −
n
2
= 7 + 2 6 – 2 . (7 2 6)(7 2 6) + − + 7 – 2 6
n
2
= 14 – 2 . 49 24 −
n
2
= 14 – 2 . (5)
n
2
= 4
n = 2 (n > 0)
C CC CC
2
48
– 1 = (2
24
+ 1) . (2
24
– 1) = (2
24
+ 1) . (2
12
+ 1) . (2
12 – 1
)
= (2
24
+ 1) . (2
12
+ 1) . (2
6
+ 1) . (2
6
– 1)
= (2
24
+ 1) . (2
12
+ 1) . 65 . 63
Logo os divisores de 2
48
– 1 procurados são 65 e 65
7
8
9
10
11
12
A AA AA
400 : 4 = 100
400 : 100 = 4
400 : 400 = 1
100 – 4 + 1 = 97 anos bissextos
400 x 52 = 20.800 semanas
365 dias 7
15 52
(1)

366 7
(2) 52
Cada ano de 365 sobra 1 dia e cada ano de 366 dias sobram
2 dias
97 x 2 dias = 194 dias
303 x 1 =
303 dias
497 dias
Total = 20800 + 71 = 20871
40 40 40 40 40
275
440
x
x x x x . . .
x
x
x
.
.
.
2
0 4 4 ' ´ 2 ' ó 0 ' '
' ó 0 ' ' } 0 ¦
Supondo que cada quadradinho tem lado x, a altura e a largura
da parede terão que ser divididas em partes iguais. Para que o n
o
de quadrados seja mínimo devemos tomar x = mdc (440, 275).
Então x = 55 e o menor n
o
de quadrados será igual a:
Área do retângulo
Área do quadrado
=
275 x 440
55 x 55
= 40
Módulo Especial de Exercícios – Resoluções Módulo Especial de Exercícios – Resoluções
2006 5
19
18 D DD DD
1260 2
630 2
315 3
105 3
35 5
7 7
1
9072 2
4536 2
2268 2
1134 2
567 3
189 3
63 3
21 3
7 7
1
2
2
. 3
2
. 5 . 7 2
4
. 3
4
. 7
mdc(1260, 9072) = 2
2
. 3
2
. 7
= 4 . 9 . 7 = 252
252 alunos
1260 : 252 = 5 bolas amarelas
9072 : 252 = 36 bolas verdes
Total: 41 bolas
C
Sejam x e (x + 2) dois números ímpares consecutivos e positivos,
em que:
(x + 2)
2
– x
2
= 40 →
2
x + 4x + 4 –
2
x = 40 → 4x = 36
→ x = 9 e (x + 2) = 11
Logo o intervalo [8, 14] contém 9 e 11.
C CC CC
2
4(x 2)
x 3x 2
+
+ +
+
2
3(x 1)
x 1


=
4 (x 2) +
(x 1)(x 2) + +
+
3 (x 1) −
(x 1) − (x 1) +
=
7
x 1 +
D DD DD
x
2
– 2rx + r
2
– 1 = 0
m
2
+ n
2
= (m + n)
2
– 2mn
=
2
b
a
⎛ ⎞
− ⎜ ⎟
⎝ ⎠
– 2 .
c
a
⎛ ⎞
⎜ ⎟
⎝ ⎠
= (2r)
2
– 2 . (r
2
– 1)
= 4r
2
– 2r
2
+ 2
= 2r
2
+ 2
= 2 (r
2
+ 1)
12
7
2
x
x 5x 6 − +
=
( )
2
2
x 9
x 3


= 1
( ) ( )
x
x 2 x 3 − −
+
( )
x 3 −
( )
( )
2
x 3
x 3
+

= 1
( ) ( )
( ) ( )
x x 2 x 3
x 2 x 3
+ − +
− −
=
( ) ( )
( ) ( )
x 2 x 3
x 2 x 3
− −
− −
x +
2
x + x – 6 =
2
x – 5x + 6
7x = 12
x =
12
7
1
a
Parte:
Seja x a largura do rio e ts o tempo para o barco A cruzar com o
B na 1
a
vez.
V
A
=
1
x 720
t

e V
B
=
1
720
t
A
B
V
V
=
x 720
720

2
a
Parte:
V
A
=
2
x x 400
t
+ −
e V
B
=
2
x 400
t
+
A
B
V
V
=
2x 400
x 400

+
. Portanto
2x 400
x 400

+
=
x 720
720

x
2
– 720x + 400x – 28000 = 1440x – 28000 ¨
x
2
– 1760 . x = 0
x = 1760
Sejam x o número de gafanhotos e y o número de pés de algodão.
x 100 . y 60
x 102 . y
= + ⎧

=

102y = 100y + 60
2y = 60
y = 30 → x = 3060 gafanhotos
Anotações
_____________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________
x
A
(x – 720)
720
B
x A
x – 400
400
B
20
21
22
23
24
Módulo Especial de Exercícios – Resoluções Módulo Especial de Exercícios – Resoluções
6 2006
} s o ¦ s o | c o |
o o |
} s o ¦ s o | c o |
| / ¹ C ¹
s o r | r o ` ó = v 0 ó
s o r | r o ` 4 ' = , -
| / ¹ C ¹ 0 ' 2 ' ´
n(B – V) = 25
n
( )
(B V)
C

U
= X (alunos que não gostam nem de vôlei nem de
basquete.
I. x + 25 + 7 + 10 = 50 → x = 8
Então:
I. Verdadeira
II. n(B ∪ V) = n(B) + n(V) – n(B ∩ V) = 32 + 17 – 7 = 42.
Verdadeira.
III. Verdadeira.
IV. Falsa, pois (B – V) ∪ (V – B) possui 35 elementos.
V. Verdadeira.
Conclusão: somente a (IV) é falsa.
B BB BB
10
I. 4 + y = 19 → y = 15
II. w + 4 = 10 → w = 6
III. n
o
de meninos = 6 + 10 = 16
IV. Total de crianças não-louras = 10 + 15 = 25 alunas
V. Total de alunos da classe = 10 + 25 = 35 alunas
Logo, o n
o
de crianças não-louras ou meninos = 25 + 6 = 31
Obs.: Sendo A = conjunto das crianças não-louras e
B = conjunto dos meninos, teremos:
n(A ∪ B) = n(A) + n(B) – n(A ∩ B)
= 25 + 16 – 10 = 31
E EE EE
1
20
+
1
30
+
1
42
+ ... +
1
132
=
1
4 x 5
+
1
5 x 6
+
+
1
6 x 7
+ ... +
1
11x 12
1
20
+
1
30
+
1
42
+ ... +
1
132
=
1 1
4 5

⎛ ⎞
⎜ ⎟
⎜ ⎟
⎝ ⎠
+
+
1
5
1
6

⎛ ⎞
⎜ ⎟
⎜ ⎟
⎝ ⎠
+
1
6
1
7

⎛ ⎞
⎜ ⎟
⎜ ⎟
⎝ ⎠
+ ... +
1
11
1
12
⎛ ⎞
− ⎜ ⎟
⎜ ⎟
⎝ ⎠
=
1
4

1
12
=
3 1
12

=
2
12
=
1
6
.
B BB BB
1
1
2
1
2
3
2


=
1
1
2
2
2
3


=
1
1
2
4
3

=
1
3
2
4

=
1
5
4
=
4
5
.
C CC CC
1 ≤ a ≤ 2 e 3 ≤ b ≤ 5
a
b
é mínimo quando a = 1 e b =5
min
a
b
⎛ ⎞
⎜ ⎟
⎝ ⎠
=
1
5
11
A B
1 2 3
40 homens
20% xadrez = 8
80% ñ xadrez = 32
14 jogam xadrez
8 homens
14 – 8 mulheres
8
6
32 24
14 – 8
ñ X
X
K = 70
Homem Mulher
25 10
B V
7
x
3
4
5
7
8
9
6
não jogam: x
20% das mulheres jogam:
20% – 6
80% – x
x = 24
D DD DD
Considere
V = Conjunto dos que jogam vôlei
B = Conjunto dos que jogam basquete
U = 50 alunos
n(V) = 17
n(B) = 32
Logo K = 40 + 30 = 70
80% das mulheres
Matemática II
C CC CC
Se X ⊂ A e X ⊂ B; então todo elemento de x pertence a A e B,
simultaneamente. Isto é, X ⊂ (A ∩ B).
Observando que A ∩ B = {d, e, f} e que X ⊄ C podemos concluir
que somente os conjuntos D e E satisfazem as condições.
2048 2048 2048 2048 2048
Sejam n(P(A)) = n
o
das partes de A = 2
n(A)
1
a
Parte: 120 < 2
n(A)
< 250 → 6 < n(A) < 8 → n(A) = 7
2
a
Parte: (n
o
de subconjuntos não-vazios de B) = 15
2
n(B)
– 1 = 15 → 2
n(B)
= 16 → n(B) = 4
3
a
Parte: n(C) = n(A) + n(B) = 7 + 4 → n(C) = 11
Logo n[P(C)] = 2
11
= 2048.
A AA AA
n[P(A)] = 2
2
= 4
n[P(P(A)] =
2
2
2 = 2
4
= 16 subconjuntos.
A AA AA
(A ∪ B) – (A ∩ B)
Considere os conjuntos
A ∪ B = {1, 2, 3}
A ∩ B = {2]
(A ∪ B) – (A ∩ B) = {1, 2, 3} – {2} = {1, 3}
D DD DD
n(A ∪ B) = 8
n(A ∪ C) = 9
n(B ∪ C) = 10
n(A ∪ B ∪ C) = 11
n(A ∩ B ∩ C) = 2
a = n(A ∪ B ∪ C) – n(B ∪ C) = 11 – 10 = 1
c = n(A ∪ B ∪ C) – n(A ∪ C) = 11 – 9 = 2
f = n(A ∪ B ∪ C) – n(A ∪ B) = 11 – 8 = 3
( )
11
n A B C ∪ ∪
¸¸¸_¸¸¸
= n(A) +n(B) +n(C) –
(b +2)
n(A B) ∩
¸¸_¸¸

(d+2)
n(A C) ∩
¸¸_¸¸


(e +2)
n(B C) ∩
¸¸_¸¸
+ n(A ∩ B ∩ C)
n(A) + n(B) + n(C) = 11 + b +d +e + 2 + 2 + 2 – 2
note que a + c + f + b + d + e + 2 = 11 → b + d + e = 3
então n(A) + n(B) + n(C) = 11 + 3 + 2 + 2 = 18
B BB BB
1
2
2
a = 1 c = 2 b
f = 3
d e
A B
C
Diagrama
Módulo Especial de Exercícios – Resoluções Módulo Especial de Exercícios – Resoluções
2006 7
– 3
2
1 0
0
A
B
– 3
3
0
(A –B)
C
0 0 2 2
B B
3
3
2 0
0
B
C
100
– 91
90
– 78
120
– 117
030
– 26
40
– 39
1
13
0, 076923076923....
Período
a
b
é máximo quando a = 2 e b = 3
max
a
b
⎛ ⎞
⎜ ⎟
⎝ ⎠
=
2
3
então
1
5

a
b

2
3
D DD DD
I.
3
4
< 3. x <
3
3

3
4
< 3x < 1
II.
4
3

> –2y >
6
4


3
2

< –2y <
4
3

Daí:
3
4

3
2
< 3x – 2y < 1 –
4
3
3
4

< (3x – 2y) < –
1
3
A)
12
13
14
A – B = {x ∈ A/x ∉ B} → A – B = [–3, 0]
Daí:
B)
Logo
(A – B) ∩ C = [–3, 0]
B ∩ C = ]–∝, 0] ∪ ]2, 3]
E EE EE
Observe que o período tem 6 algarismos, logo determinando o
resto da divisão de 200 por 6, encontraremos o dígito procurado.
200 6
20 33
2
Conclusão: Se o resto é 2, então o 2
o
dígito após o último
algarismo do período será o 200
o
dígito, isto é; este dígito é o 7.
B BB BB
A = {0, 1, 2, 3, 4}
B = {2, 8, 9}
(x, y) ∈ A x B/ x é divisor de y
R = {(1, 2), (1, 8), (1, 9), (2, 2), (2, 8), (3, 9), (4, 8)}
0
1
2
3
4
2
8
9
A B
x y
1
2
3
4
2
6
7
8
9
A B
x y
1 + 2 + 3 + 4 = 10
B BB BB
1
o
) (1, 2) * (x , 3) = (2 . 1 . x; 2 + 2 . 3) = (2x; 8)
Daí, (2x; 8) = (4, 8) → 2x = 4 → x = 2
A AA AA
x
2
– 5x + 6 ≠ 0
x’≠ 2 e x”≠ 3
{x ∈ R/ x ≠ 2 e x ≠ 3}
1
a
Parte: x ≤ 1
x
3
– 4x = 0 ↔ x . (x
2
– 4) = 0 ↔
↔ x = 0 ou x
2
– 4 = 0
x = ± 2
Daí, os zeros são x = 0 e x = – 2 para x ≤ 1.
2
a
Parte: x > 1
2x – 5 = 0 → x =
5
2
. Como x =
5
2
> 1, os zeros de f são:
5
2
, 0 e –2.
f(a + b) = f(a) . f(b)
1. a = 4 e b = 0 → f (4 + 0) = f(4) . f(0) →
→ 3 = 3 . f(0) → f(0) = 1
2. a = 4 e b = 5 → f(4 + 5) = f(4) + f(5) →
→ f(9) = 3 . 4 → f(9) = 12
3. f(9) + f(0) = 12 + 1 = 13.
y = ax + b
(0, 0) → b = 0 A) y =
4
5
x
(40, 50) 50a + b = 40 → a =
4
5
B) 30 =
4
5
x → x = 37,5 g
f(x) ∈ Reais ↔ (x – 2)
2
. (x – 3) . (x – 5) > 0
15
17
18
16 C CC CC
19
Para x > 5; por exemplo x = 7, temos que o produto (x – 2)
2
. (x – 3) .
. (x – 5) = (7 – 2)
2
. (7 – 3) . (7 – 5) > 0. Tomando 3 < x < 5, por
exemplo x = 4, o fator (x – 5) do produto será o único negativo,
então (x – 2)
2
. (x – 3) . (x – 5) < 0.
Se x = 2,5 então (x – 2)
2
. (x – 3) . (x – 5) > 0 e finalmente se x < 2;
em particular, x = 0 tem-se que:
(x – 2)
2
. (x – 3) . (x – 5) > 0.
Então, o mais amplo domínio real de f será:
D(f) = ] –∞, 2 [U] 2, 3 [U] 5, +∞ [.
1
a
Parte: O ponto de interssecção
A) C(q) = 3q + 90 e R(q) = 5q
20
2 3 5 x = 4 x = 7
+ + + –
21
22
23
Módulo Especial de Exercícios – Resoluções Módulo Especial de Exercícios – Resoluções
8 2006
d
c
a
b
Matemática III
B BB BB
2 (180
o
– x) – 3 (90
o
– x) = 120
o
360
o
– 2x – 270
o
+ 3x = 120
o
90
o
+ x = 120
o
∴ x = 30
o
, logo seu replemento será
360
o
– 30
o
= 330
o
20 20 20 20 20
o oo oo
a
2
=
b
3
=
c
5
=
d
8
=
a b c d
2 3 5 8
+ + +
+ + +
=
o
360
18
I.
a
2
= 20
o
→ a = 40
o
II.
b
3
= 20
o
→ b = 60
o
III.
c
5
= 20
o
→ c = 100
o
IV.
d
8
= 20
o
→ d = 160
o
Logo S(160
o
) = 180
o
– 160
o
= 20
o
B BB BB
1
2
3
3q + 90 = 5q → 2q = 90 → q = 45 →
R(45) = C(45) = 5 . 45 = 225
O Ponto break-even point será (45, 225)
Custo: C(q) = 3q + 90 e Receita: R(q) = 5q
q y
0 0 9
0 3 – 0
5 4 5 2 2
q y
0 0
1 5
5 4 5 2 2
45
225
y
90
Receita
Custo
q
D DD DD
Balanço = quantidade ingerida – quantidade excretada.
Sendo y a porcentagem e x a idade temos:
Y = ax + b
Idade %
( )
( )
60a b 90 . ( 1) 60,90
80a b 70 80,70
+ = − →⎧

+ = →

20a = –20 → a = –1
60 (–1) + b = 90 ⇒ b = 150
y = –1x + 150
p/ x = 76 → y = –76 + 150 ⇒ y = 74
c/ 76 anos leva 74% de massa óssea perdeu: 100% – 74% = 26%
Anotações
_____________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________
45º
45º
x
110º
z
w
y 45º
25º
25º
45º
α
90º
130º
β
q
120º
15º
30º
30º
60º
60º
60º= β
15º
r
u
t
s
α
1. x = 45
o
(ângulo reflexão)
2. x = y (alternos internos)
3. y = z (ângulo reflexão)
4. Z + 110
O
+ W = 180
O
∴ 45
O
+ 110
O
+ W = 180
O
∴ W = 25
O
5. w = q (ângulo de reflexão)
6. 45
o
+ 90
o
+ 130
o
+ β = 360
o
(quadrilátero) β = 95
o
7. α + β = 180
o
∴ α + 95 = 180
o
∴ α = 85
o
B BB BB
Se as retas r e s da figura são paralelas, então 3α + β vale:
1
o
Inicialmente, traçamos retas u e t paralelas a r e s pelos
vértices dos ângulos α e 90
o
, respectivamente, como mostra
a figura acima.
2
o
Sabendo que dois ângulos alternos internos são congruentes,
conclui-se que α = 30
o
+ 15
o
= 45
o
.
Logo, 3α + β = 135
o
+ 60
o
= 195
o
D DD DD
α
α
β
β
β
4
5
24
Módulo Especial de Exercícios – Resoluções Módulo Especial de Exercícios – Resoluções
2006 9
I. AB = BD (ΔABD é isósceles de base AD)
II. BD é bissetriz de
`
EBC .
III. BD = DE (ΔBDE é isósceles de base BE)
IV. No ΔEBD temos que α + 2β = 180
o
mas β = 2α (ângulo
externo do ΔABD)
Daí: α + 2(2α) = 180
o
5α = 180
o
∴ α = 36
o
V. O ângulo AÊB mede:
180
o
– 72
o
= 108
o
C CC CC
A
B C
18
5
α α

1) AS é bissetriz de A.
2) ΔASB ≅ ΔASC → ΔABC é isósceles; isto é AB = AC .
Sendo / a medida de AB , temos:
2/ + 18 = 38 → / = 10 cm
20 20 20 20 20
o oo oo
A
B C
D
θ θ
20º
1) Trace o segmento BC
2) ΔBDC é isósceles →
ˆ
BDC = θ =
ˆ
DCB
3) Se AB =AC → ΔABC é isósceles →
ˆ
ACD + θ = 20
o
+ θ →
ˆ
ACD = 20
o
B
O
C E
x
x
y
z z

6
6
3 3
P P´
F
D
Q
1) Assinale os pontos simétricos de B e P, respectivamente, B’ e
P’ em relação às semi-retas OC

e OD

.
2) Na figura acima, ΔBQE ≡ ΔEQB’ e ΔPRF ≅ ΔP’RF
Então, a distância entre B’ e P’ é o menor caminho procurado.
C
B
2
B
2
180
o
– C
2
180
o
– C
2
D
I. No ΔBCD temos:
B
2
+ c +
o
180 – c
2
+ 50
o
= 180
o
B + 2c + 180
o
– c + 100 = 360
o
B + c = 80
o
II. No ΔABC temos:
A +
¸
B +C = 180
o
∴ A + 80
o
= 180 ∴ A = 100
o
Seja x a medida do lado BC. Para que o ΔABC exista, devemos ter:
19 – 15 < x < 19 + 15 → 4 < x < 34.
Sendo x um número ímpar → x ∈ {5, 7, 9, 11, ..., 33}
D DD DD
A E
12
B
D C
β
β
β
α
θ
θ θ
Dados:
ˆ ˆ ˆ ˆ
A DEC e ADE BDC
AD DE eDC 12

= = θ = = β ⎪

= = ⎪

1. O ΔADE é isósceles → Â = θ = Ê
2. CÊB + 2θ = 180
o
= β + 2θ → CÊB = β
3. Sendo
ˆ
EDB = α, podemos afirmar que os triângulos CDE e
BDA são congruentes pelo caso ÂLÂ. Por conseguinte,
DB =DC = 12 cm.
A
D
B
C
α α θ
o
o
o
98
180
2 278

θ − α =


θ + α = +


θ =
θ = 139
o
e α = 41
o
I.
´
A +
`
D = 180
o
(colaterais internos) daí:
`
D = 30
o
.
II. BD é diagonal e bissetriz (propriedade do losango).
III. x + 90
o
+ 15
o
= 180
o
x = 75
o
15
o
Teoremas: AM =
BC
2
¨.
ΔAMC é isósceles e ΔABM é isósceles. Então α = 50
o
.
D DD DD
50º= α
A
B
C
M
40º
40º
50º
14
A
B
x
C
D
25º
50º
50º
25º
7
8
9
10
11
12
13
15
6
Módulo Especial de Exercícios – Resoluções Módulo Especial de Exercícios – Resoluções
10 2006
1. ΔACB é isósceles →
ˆ
A =
ˆ
B = 25
o
.
2.
ˆ
DCB =
ˆ
A +
ˆ
B (ângulo externo)
ˆˆ
DCB = 25
o
+ 25
o
= 50
o
.
3. ΔCBD é isósceles →
ˆ
BCD = 50
o
=
ˆ
BDC
4. x =
ˆ
A +
ˆ
D (ângulo externo do ΔABD)
x = 25
o
+ 50
o
x = 75
o
20
12
12
8
8
I. Se BQ = BP = 12 cm, então o ΔBPQ é isósceles (
´
BQP =
`
BPQ)
II.
´
BQP =
´
CQD (o.p.v)
III. Como AP // CD, temos que
`
APQ=
`
CDQ (alternos internos),
logo ΔCDQ é isósceles e CQ = CD = 8 cm
IV. Perímetro do paralelogramo = 20 + 20 + 8 + 8 = 56 cm
x
x
x
x
2x
2
. 2x
9
A
B
P
C
Sendo 2x a medida do ângulo interno do quadrilátero ABCP,
temos:
x + 2x + x +
2
9
. 2x = 360
o
40x = 360 . 9 → x =
360 . 9
40
= 81
o
daí: a
i
= 2(81
o
) = 162
o
e a
e
= 180
o
– 162
o
= 18
o
a
e
=
o
360
n
∴ 18
o
=
o
360
n
⇒ 18n = 360 ∴
n = 20
I. 2θ + 2θ + 2θ = 180
o
6θ = 180
o
∴ θ = 30
o
ângulo externo do polígono ABC...
II. a
e
= 30
o

o
360
n
= 30
o
∴ n = 12
III. D =
12 . 9
2
= 54

Ângulo
externo
Ângulo
externo


θ
θ
θ
θ
A
B
C
D
E
F
I. a
i
(p) = a
i
(Q) + 5
o
( )
o
n +1– 2 . 180
n +1
=
( )
o
n – 2 . 180
n
+ 5
o
( ) ( ) ( )
( )
2 o 2 o 2
n – n . 180 = n – n – 2 . 180 + n +n . 5
n n +1
n
2
+ n – 72 = 0



n =– 9
n =8
II. Poígono P (9 lados)
Dñc =
9. 6
2
= 27 diag.
III. Polígono Q (8 lados)
Dñc =
8 . 5
2

8
2
= 16 diag.
Resp: 27 + 16 = 43
E
A B
D C
x
15º
15º
60º
60º
y
Na figura, temos que ED = AD = DC . Logo o ΔEDC é
isósceles, conseqüentemente
ˆ
E =
ˆ
C .
Daí: 2 .
ˆ
E + 150
o
= 180
o

ˆ
E = 15
o
=
ˆ
C → x = 45
o
, pois ΔEAD
é equilátero.
B BB BB
D C
B E A
2x
3x
M
N
x
1
o
) Traçando a diagonal DB , esta interceptará AC no ponto N,
médio de AC e DB simultaneamente.
2
o
) Note que o ponto M é o baricentro do ΔADB, então sendo
MN = x teremos:
AM = 2x (propriedade do baricentro) e
NC
= 3x (N é ponto
médio de AC ).
Daí: 6x = 6,9 → x =
6, 9
6
=
2, 3
2
→ 2x = 2,3 → AM = 2,3
E EE EE
A
E F
B
C D
y
2
G
M N
x
17
19
20
18
21
22
16
Módulo Especial de Exercícios – Resoluções Módulo Especial de Exercícios – Resoluções
2006 11
1
o
)
MN
//
DC
2
o
) Trocando uma reta MN obtém-se os pontos E e F, médios de
AD e BC, respectivamente.
3
o
)
EF
=
x y
2
+
. (Base média do trapézio)
EF
=
10
2
= 5
4
o
)
EM
=
y
2
(Base média do ΔABD)
EN
=
x
2
(Base média do ΔADC)
Então
EN

EM
=
MN
= 2 →

x
2

y
2
= 2 → x – y = 4
Resolvendo o sistema
x y 10
x y 4
+ = ⎧

− =

Obtemos x = 7 e y = 3. Resposta: x = 7
1
o
) Seja θ o centro do círculo. Traçando os raios
OE
e
OF
obtém-se um quadrado CEOF de lado 2.
2
o
)
AP
=
AF
= 6 e
BE
=
BP
= 4
3
o
) Área ΔACB =
8 . 6
2
= 24 cm
2
.
A C 2 F
P
B
4
E
2
2
2
θ 6
6
4
D DD DD
I. Teorema da bissetriz interna.
x
3x
=
20 x
2

2x = 60 – 3x
5x = 60 x = 12cm
II. Teorema da bissetriz externa.
20 y
3x
+
=
y
2x
3y = 40 + 2y
x
20 – x
C
B
A
3x
3x
S
24
23
8 10 10 10 10 10 10 = 8.000.000
Matemática IV
D DD DD
T = 4 . 3 . 2 . 1 = 24
C CC CC
1
o
percurso: Sentido horário
T
1
=
a
1 etapa
1 .
a
2 etapa
3 .
a
3 etapa
3 = 9
2
o
percurso: Sentido Anti-horário
T
2
=
a
1 etapa
4 .
a
2 etapa
2 .
a
3 etapa
1 = 8
Logo T = T
1
+ T
2
= 17
E EE EE
T = 4 . 5 .
3
= 60
A) T =
Letras
26 x 26 x 26
x 9 x 10 x 10 x 10 =
= 26
3
. 9 . 10
3
B) T =
1 1
Letras
L L
x x
26 1 26
9 x 10 x 10 x 10 então
P =
1
26
=
100
26
%
D DD DD
24 . 23 . 22 = 12.144
1
2
3
4
5
algarismos: 0 ,1 , 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9
6
U = {0, 1, 2, 3, ..., 9}
1
a
parte: Números terminados em 2, 4, 6 ou 8.
T
1
=
U.M
8 x
C
8 x
D
7
U
4 =
Comentário: temos 4 escolhas para preencher a unidade e 8
escolhas pra preencher a unidade de milhar, pois não podemos
começar por zero e nem repetir algarismos.
Para a posição da centena temos 8 possibilidades, pois dos 10
elementos já usamos dois e o zero poderá ocupar agora esta
casa.
Como os algarismos são distintos a ordem das dezenas poderá
ser preechida de 7 modos distintos. Então, pelo princípio
multiplicativo, podemos afirmar que:
T = 8 x 8 x 7 x 4 = 1792 números terminando em 2, 4, 6 ou 8.
2
a
parte: Números terminando em zero.
T
2
=
U.M
9 x
C
8 x
D
7
U
0
4 = 504
Portanto T = 1792 + 504
T = 2.296
Geo Álg Trig Aritm
T = A
12,4
= 12 x 11 x 10 x 9 = 11.880
7
8
Módulo Especial de Exercícios – Resoluções Módulo Especial de Exercícios – Resoluções
12 2006
J P
P
2
P
5
S
1
S
2
S
3
T
2
= (P
8
) (P
3
)
1 + 7 elementos
Paulistas
Cabeça * *
C
6,2
6 times
1
a
chave
Cabeça
C
4,2
4 times
2
a
chave
Cabeça * *
C
2,2
3
a
chave
C
6,2
. C
4,2
. C
2,2
= 15 . 6 . 1 = 90
A) quina → 5 n
os
entre os 6 premiados e 1 número fora dos 6
(entre os outros 14)
C
6,5
. C
14,1
= 6 . 14 = 84
B) quadra → 4 n
os
entre os 6 premiados e 2 números entre os 14
ñ premiados.
C
6,4
. C
14,2
= 15 . 91 = 1365
Então, T
1
– T
2
= P
10
– P
8
x P
3
será o número que satisfaz ao
problema.
D DD DD
P
5
. P
2
= 5! . 2! = 240
c/ João e Pedro separados: 720 – 240 = 480
E EE EE
1
a
parte: (todas as sequências de julgamentos)
T
1
= P
10
= 10!
2
a
parte: (sequências que não convém ao problema)
T =
Embalagem1
12, 4
C
.
Embalagem 2
8, 4
C
.
Embalagem3
4, 4
C
T =
12!
4! 8!
.
8!
4! 4!
. 1 =
12!
3
(4!)
T = C
10,2
– 10 = 45 – 10 = 35 diagonais
9
10
frente
motorista
¸¸¸¸¸¸¸¸¸

meio
¸¸¸¸¸¸¸
traseiro
¸¸¸¸¸¸¸
A) T = 4 x 10 x 9 x 8 x 7 x 6 x 5 x 4 x 3 = 2 . (10!)
ou
T = 4 . A
10,2
.A
8,3
. A
5,3
T = 4 .
10!
8!
¨.
8!
5!
.
5!
2!
= 2 . (10!)
B) Para cada um dos modos distintos de preecher a lotação
com 9 pessoas como manda o item “a”, os dois colegas que
sobrarão podem escolher dois dos 6 lugares (meio ou atrás)
para sentar no colo. Esta escolha poderá ser feita por um
total de A
6,2
= 6 x 5 = 30 modos diferentes. Daí, para
acomodar os 11 colegas teremos 30 x (2) . (10!) = 60 . (10!)
maneiras distintas.
C CC CC
Total: P
6
= 6! = 720
n
o
de maneiras c/ João e Pedro juntos
15
11
12
13
14
B I O C I E N C I A S
P =
.1.1
3,2
9
9!
3! 2!
C CC CC
¸¸_¸¸
De A até B e de B até C
NNL L L L
2 vezes p/ o
Norte e 4 vezes
p/ o Leste
e NNNL L
3 vezes p/ o
Norte e 2 vezes
p/ o Leste
P
6
4,2
. P
5
3,2
=
6!
4! . 2!
.
5!
3! . 2!
= 15 . 10 = 150
. . . . . .
representando por um ponto (.) uma empada e por uma barra (/) a
separação entre elas temos:
Ex.:
1
: ¸ ¸ ¸ ¸
. . / . / . . / .
2 cam. 1frang. 2 leg. 1palmito
Ex.:
2
:
¸
¸
. . . . / .. /
2 frangos
4 camarões
0 legumes 0 palmito
O n
o
de maneiras diferentes é o n
o
de permutações a serem feitas
com as seis “bolinhas” e as três “barras”.
. ./. . /./. = P
9
6,3
=
9!
6! . 3!
=
9
3
. 8
4
. 7 . 6!
6! . 3 . 2
= 84
Se as 3 embalagens são idênticas, observe que a partir de um
modo para distribuir os botões, por exemplo:
1 2 3 4
{B B B B }
¸¸_¸¸
5 6 7 8
{B B B B }
¸¸_¸¸
9 10 11 12
{B B B B }
¸¸¸_¸¸¸
podemos obter um número de P
3
= 3! = 6 distribuições iguais,
incluindo o exemplo citado acima. Então, o total de distribuições
distintas será dado por:
T =
3
12!
(4!) . 3!
T =
6
1
⎛ ⎞
⎜ ⎟
⎝ ⎠
+
6
2
⎛ ⎞
⎜ ⎟
⎝ ⎠
+
6
3
⎛ ⎞
⎜ ⎟
⎝ ⎠
+ ... +
1
6
⎛ ⎞
⎜ ⎟
⎝ ⎠
= 2
6
– 1 = 63 modos
S =
7
0
⎛ ⎞
⎜ ⎟
⎝ ⎠
+
8
1
⎛ ⎞
⎜ ⎟
⎝ ⎠
+
9
2
⎛ ⎞
⎜ ⎟
⎝ ⎠
+ ... +
15
8
⎛ ⎞
⎜ ⎟
⎝ ⎠
=
16
8
⎛ ⎞
⎜ ⎟
⎝ ⎠
=
a
b
⎛ ⎞
⎜ ⎟
⎝ ⎠
7
0
⎛ ⎞
⎜ ⎟
⎝ ⎠
Se
a
b
⎛ ⎞
⎜ ⎟
⎝ ⎠
=
16
8
⎛ ⎞
⎜ ⎟
⎝ ⎠
temos que a = 16; b = 8 e a + b = 24

8
1
⎛ ⎞
⎜ ⎟
⎝ ⎠

9
2
⎛ ⎞
⎜ ⎟
⎝ ⎠

15
8
⎛ ⎞
⎜ ⎟
⎝ ⎠
|

15
8
⎛ ⎞
⎜ ⎟
⎝ ⎠
17
19
20
16
21
18
Módulo Especial de Exercícios – Resoluções Módulo Especial de Exercícios – Resoluções
2006 13
C CC CC
10
4
1
x
x
⎛ ⎞
+
⎜ ⎟
⎝ ⎠
p/ (x + a)
n
Þ T
P+1
=
n
p
⎛ ⎞
⎜ ⎟
⎝ ⎠
. x
n–p
. a
p
E EE EE
6
1
x
x
⎛ ⎞
+ ⎜ ⎟
⎝ ⎠
⇒ T
p+1
=
6
p
⎛ ⎞
⎜ ⎟
⎝ ⎠
. x
6–p
. (x
–1
)
p
T
P+1
=
6
p
⎛ ⎞
⎜ ⎟
⎝ ⎠
. x
6–p
. x
–p
T
p+1
=
6
p
⎛ ⎞
⎜ ⎟
⎝ ⎠
. x
6–2p
Como queremos x
0
temos:
6 – 2p = 0
p = 3
Então:
T
3+1
=
6
3
⎛ ⎞
⎜ ⎟
⎝ ⎠
. x
0
T
4
=
6!
3! 3!
= 20
Devemos determinar o maior valor de p ∈ {0, 1, 2, ..., 100} tal
que T
p+1
> T
p
, isto é:
100
p
⎛ ⎞
⎜ ⎟
⎝ ⎠
. 1
100–p
. (
3
)
p
>
100
p 1
⎛ ⎞
⎜ ⎟
− ⎝ ⎠
. 1
99–p
. (
3
)
p–1
1
100!
( ) p! 100 p ! −
.
( )
( )
p
p 1
3
3
− >
1
100!
( ) ( ) p 1! 101 p ! − −
( ) p 1 ! − ( ) ( ) 101 p . 100 p ! − −
( ) p . p 1! − ( ) 100 p ! −
. (
3
) > 1 →
(101 – p) .
3
> P → 101 .
3
> P + p
3
P . (1 +
3
) < 101 .
3
P <
101. 3
1 3 +
≅ 63,5
Então P ∈ {0, 1, 2, 3, ..., 63} teremos T
P + 1
> T
p
Sendo que o termo máximo é obtido quando p = 63, e será
igual a:
T
64
=
100
63
⎛ ⎞
⎜ ⎟
⎝ ⎠
. 1
37
. (
3
)
63
T
64
=
100
63
⎛ ⎞
⎜ ⎟
⎝ ⎠
. (
3
)
63
22
23
24
1
2
US$ bilhões
91
200
100
92 96 97 98 99 2000
o r / o ¸ r o | o | | |
- - 2 , ó 2
2 - - - , 0 0
ó - - , 4 0 2
´ - - 4 , 0 ´
o - - 2 , ' -
- - - ´ , 0
0 0 0 2 ´ , ´
Matemática V
B BB BB
A AA AA
Média =
8,4+9,1+7,2+6,8+8,7+7,2
6
= 7,9
Mediana =
8,4+7,2
2
= 7,8
Moda = 7,2
A AA AA
51x 38+49 x 36
100
=
3702
100
= 37,02
D DD DD
Total de funcionários = 30
Demitidas = x ganhando 3.600
Sobram = (12 – x)
* Considere os 30 funcionários:
¸¸¸¸¸¸¸¸¸
2.000
1 2 3 10
a , a , a , ..., a
¸¸¸¸¸¸¸
3.600
11 12 22
a , a , ..., a
¸¸¸¸¸
4.000
23 27
a , ..., a
¸¸¸¸¸¸¸
6.000
28 29 30
a , a , a
Para que a mediana seja igual a 2.800, devemos ter:
Med =
10 11
a +a
2
=
2.000 +3.600
2
. Logo devemos demitir
10 funcionários ganhando 3.600 para que o total passe a ser
de 20 funcionários.
D DD DD
Dados: aij =
i j; se i j
i . j; se i j
− ≤ ⎧

>

A = (aij)
3 x 4
A
t
= (bij)
4 x 3
onde bij = aij ∈ A, isto é:
b
32
= a
23
= 2 – 3 = – 1
E EE EE
A =
2 1 2y
x 0 z 1
4 3 2
− ⎡ ⎤
⎢ ⎥

⎢ ⎥
⎢ ⎥
⎣ ⎦
= A
t
=
2 x 4
1 0 3
2y z 1 2
⎡ ⎤
⎢ ⎥

⎢ ⎥
⎢ ⎥

⎣ ⎦

x 1
2y 4 y 2
z 1 3 z 4

= −


= → =


− = → =


Logo x + y + z = –1 + 2 + 4 = 5
3
4
5
6
Módulo Especial de Exercícios – Resoluções Módulo Especial de Exercícios – Resoluções
14 2006
a
11
a
12
a
13
a
21
a
22
a
23
a
31
a
32
a
33
i = j
b
11
b
12
b
13
b
21
b
22
b
23
b
31
b
32
b
33
i + j = 4
e B = A =
D DD DD
A =
2
1
81
3
1
a
16
27 log
⎡ ⎤
⎢ ⎥
⎢ ⎥
⎢ ⎥
⎢ ⎥ −
⎣ ⎦
=
b
3
2 9
a c
⎡ ⎤
⎢ ⎥
⎢ ⎥
⎣ ⎦
1
o
2
b
=
1
16
= 2
–4
→ b = – 4 ;
2
o
a
2
= 9 → a = ± 3;
3
o
a
3
= –27 → a = –3
4
o
c = log
3
3
–4
→ c = –4
D DD DD
7
A =
⎡ ⎤
⎢ ⎥
⎢ ⎥
⎢ ⎥
⎣ ⎦
1 0 0
0 1 0
0 0 1
e B =
⎡ ⎤
⎢ ⎥
⎢ ⎥
⎢ ⎥
⎣ ⎦
0 0 1
0 1 0
1 0 0
A + B =
⎡ ⎤
⎢ ⎥
⎢ ⎥
⎢ ⎥
⎣ ⎦
1 0 1
0 2 0
1 0 1
A AA AA
⎡ ⎤
⎢ ⎥
⎢ ⎥
⎣ ⎦
3 q
n 3
.
⎡ ⎤
⎢ ⎥
⎢ ⎥
⎣ ⎦
3 n
q 3
=
⎡ ⎤
⎢ ⎥
⎣ ⎦
6 6
6 6
⎡ ⎤
⎢ ⎥
⎢ ⎥
⎣ ⎦
2
2
3+q 3n + 3q
3n + 3q n +3
=
⎡ ⎤
⎢ ⎥
⎣ ⎦
6 6
6 6
3 + q
2
= 6 → q
2
= 3 → q =
3
n
2
+ 3 = 6 → n
2
= 3 → n =
3
n
2
+ n . q =
( )
2
3 +
3
.
3
= 6
I. 2x y 3A B .(2)
II. x 2y A B
− = + ⎧

+ = −

~
4x 2y − 6A 2B
x 2y
= +
+ A B
5x 7A B



= − +


= +
Então: 5x =
0 14
21 7
⎡ ⎤
⎢ ⎥
⎣ ⎦
+
1 0
4 2
⎡ ⎤
⎢ ⎥

⎣ ⎦
5x =
1 14
17 9
⎡ ⎤
⎢ ⎥
⎣ ⎦
→ x =
1 14
15 5
17 9
5 5
⎡ ⎤
⎢ ⎥
⎢ ⎥
⎢ ⎥
⎢ ⎥
⎣ ⎦
Decodificação de y = (64, 107, 29) onde x =
a
b
c
⎛ ⎞
⎜ ⎟
⎜ ⎟
⎜ ⎟
⎝ ⎠
y =
2 2 0
3 3 1
1 0 1
⎡ ⎤
⎢ ⎥
⎢ ⎥
⎢ ⎥
⎣ ⎦
.
a
b
c
⎛ ⎞
⎜ ⎟
⎜ ⎟
⎜ ⎟
⎝ ⎠

→ (64, 107, 29) = (2a + 2b; 3a + 3b + c; a + c) →

2a 2b 64
3a 3b c 107
a c 29
+ = ⎧

+ + =


+ =

~
+ = ⎧

+ + =


+ =

I. (a b) 32
II. 3 . (a b) c 107
III. a c 29
Da II equação, obtemos que:
3 . (32) + c = 107 → c = 107 – 96
c = 11
Na III, tem-se que
a + 11 = 29 → a = 18
Na I, tem-se que:
18 + b = 32 → b = 14
Logo x =
a
b
c
⎛ ⎞
⎜ ⎟
⎜ ⎟
⎜ ⎟
⎝ ⎠
=
18
14
11
⎛ ⎞
⎜ ⎟
⎜ ⎟
⎜ ⎟
⎝ ⎠
=
S
O
L
⎛ ⎞
⎜ ⎟
⎜ ⎟
⎜ ⎟
⎝ ⎠
Resposta: y = (64, 107, 29) decodificada transforma-se na
palavra “SOL”.
A =
2 4
1 3
⎡ ⎤
⎢ ⎥
⎣ ⎦
; detA = 6 – 4 = 2 e
B =
4 2
5 3
⎡ ⎤
⎢ ⎥
⎣ ⎦
; detB = 12 – 10 = 2
Equação
1
A . A

¸¸_¸¸
.(x
t
)
–1
.
1
B . B

¸_¸
=
¸
A I . B
–1
I . (x
t
)
–1
. I = A . B
–1
((x
t
)
–1
)
–1
= ((A . B
–1
))
–1
→ x
t
= B . A
–1
→ (x
t
)
t
= (B . A
–1
)
t

x = (A
–1
)t . B
t
Cálculos auxiliares
A
–1
=
1
2
.
3 4
1 2
− ⎡ ⎤
⎢ ⎥

⎣ ⎦
=
3
2
2
1
1
2
⎡ ⎤

⎢ ⎥
⎢ ⎥
⎢ ⎥

⎢ ⎥
⎣ ⎦
→ (A
–1
)
t
=
3 1
2 2
2 1
⎡ ⎤

⎢ ⎥
⎢ ⎥
− ⎢ ⎥
⎣ ⎦
x =
3 1
2 2
2 1
⎡ ⎤

⎢ ⎥
⎢ ⎥
− ⎢ ⎥
⎣ ⎦
.
4 5
2 3
⎡ ⎤
⎢ ⎥
⎣ ⎦
=
15 3
6 1
2 2
6 7
⎡ ⎤
− −
⎢ ⎥
⎢ ⎥
− − ⎢ ⎥
⎣ ⎦
x =
5 6
6 7
⎡ ⎤
⎢ ⎥
− −
⎣ ⎦
A =
⎡ ⎤
⎢ ⎥
⎣ ⎦
– 5 – 3
3 2
A
t
=
⎡ ⎤
⎢ ⎥
⎣ ⎦
– 5 3
– 3 2
A
–1
= ?
detA = – 10 – (– 9) = – 1
A
–1
=
⎡ ⎤
⎢ ⎥
⎢ ⎥
⎢ ⎥
⎢ ⎥
⎣ ⎦
2 3
– 1 – 1
– 3 – 5
– 1 – 1
=
⎡ ⎤
⎢ ⎥
⎣ ⎦
– 2 – 3
3 5
A
t
+ A
–1
– I =
⎡ ⎤
⎢ ⎥
⎣ ⎦
– 5 3
– 3 2
+
⎡ ⎤
⎢ ⎥
⎣ ⎦
– 2 – 3
3 5

⎡ ⎤
⎢ ⎥
⎣ ⎦
1 0
0 1
=
⎡ ⎤
⎢ ⎥
⎣ ⎦
– 8 0
0 6
8
9
10
11
12
13
Módulo Especial de Exercícios – Resoluções Módulo Especial de Exercícios – Resoluções
2006 15
CHIÓ Aplicando CHIÓ
A
0 1
1 0
⎡ ⎤
⎢ ⎥
⎣ ⎦
+
1 0
2 1
⎡ ⎤
⎢ ⎥
⎢ ⎥
⎣ ⎦
.
1 2
0 1
⎡ ⎤
⎢ ⎥
⎢ ⎥
⎣ ⎦
=
0 1
1 0
⎡ ⎤
⎢ ⎥
⎣ ⎦
+
1 0 2 0
2 0 4 1
+ + ⎡ ⎤
⎢ ⎥
+ +
⎣ ⎦
=
0 1
1 0
⎡ ⎤
⎢ ⎥
⎣ ⎦
+
1 2
2 5
⎡ ⎤
⎢ ⎥
⎣ ⎦
=
1 3
3 5
⎡ ⎤
⎢ ⎥
⎣ ⎦
det = 5 – 9 = – 4
14 . 42
2 2
1 32 1
1 2 0
2 a 2
− = 0
Dividindo a 1
a
coluna por 14 e a 3
a
coluna por 42.
⇒ 14 . 42 (4 – a +64 – 4) = 0
–a + 64 = 0
a = 64
(–72)
Teor. de LAPLACE (escolhendo a 1
a
coluna)
detA = a
0
11
. A
11
. a
0
21
. A
21
. a
0
31
. A
31
. a
0
41
. A
41
. a
0
51
. A
51
detA = 1 . A
51
=
= 1 . (–1)
5+1
.
1 3 4 6
2 6 0 0
3 a 2 1
1 1 3 3 − −
= 1 .
6 6 0 6 0 12
9 9 2 12 1 18
1 3 3 4 3 6
− − −
− − −
+ + − +
= 1 .
4 3
0 6 12
0 10 17
4 7 3
0 12
− −
− −

= 408 – 480 = –72
B BB BB
3
1 2
2 3
3 1 3
1
m 1
m m 0
m m 0
m m m
m 0
⎡ ⎤
⎢ ⎥
⎢ ⎥
⎢ ⎥
⎢ ⎥
⎢ ⎥
⎢ ⎥
⎣ ⎦
= m
1
. m
3
.
2
2
m =
1
2
.
5
4
– (–1)
2
=
5
8
– 1 =
3
8

Cálculos
m
1
=
1
2
; 4 .
1
2
+ 2m
2
= 0 ; 3
1
2
⎛ ⎞
⎜ ⎟
⎝ ⎠
+ 4 (–1) + 2m
3
= 0
2m
2
= –2 2m
3
= 4 –
3
2
m
2
= –1 2m
3
=
5
2
⇒ m
3
=
5
4
(-1)
2a 3x 1
2b 3y 2
2c 3z 3



= –2 . 3
a x 1
b y 2
c z 3
= –6 x 4 = –24
det(A) = 0, pois a 1
a
e a 4
a
linhas são proporcionais.
Anotações
_____________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________________
14
15
17
19
20
18
21
22
23
24
16
¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸¸
Filhos proporcionais

+
1
a
ação
1 1 1 1
1 x 3 1 1
1 1 x 2 1
1 1 1 x 4

+
+
=

+
+
1 1 1 1
0 x 4 0 0
0 0 x 1 0
0 0 0 x 3
= 0
↔1 . (x – 4) . (x + 1) . (x + 3) = 0 x = 4 ou x = –1 ou x = –3
A soma das raízes será 4 + (–1) + (–3) = 0
Observe que as matrizes são triangulares, então
det(A . B) = det(A) . det (B)
= (a
11
. a
22
. a
33
) . (b
11
. b
22
. b
33
)
= (3 . 6 . 9) . (2 . 4 . 6)
= 7.776
E
a b b c c a
b c c a a b
c a a b b c
− − −
− − −
− − −
=
( ) ( )
( ) ( )
( ) ( )
a b b c c a
b c c a a b
c a a b b c
− − −
− − −
− − −
= 0
C
k + 2 – 1 – 6 = 2 ⇒ k – 5 = 2
3 3 5
3 4 k 2
3 2 3
+ = 3 . +
1 3 5
1 4 k 2
1 2 3
= 3 .
1 k 3
1 2

− −
=
= 3 (–2 + k – 3) = 3 . (k – 5)
= 3 2
Base (4, 9, x, x, x
2
)
det (V) = (9 – 4) . (x – 4) . (x
2
– 4) . (x
2
– 9) . (x
2
– x) = 0
↔ x = 4 ou x = 9 ou x = ±2 ou x = ±3 ou x = 0 ou x = 1
Soma das raízes positivas = 4 + 9 + 2 + 3 + 0 + 1 = 19
Módulo Especial de Exercícios – Resoluções Módulo Especial de Exercícios – Resoluções
16 2006
120
o
120
o
120
o
10 cm
10 cm
10 cm
12
9 3
6
10 2
8 4
11 1
7 5
V
B
V
B
= V
∆V V
A
|–V
A
| = V
|∆V|
2
= V
2
+ V
2
V
A
120
o
120
o
V
B
= V V = |–V
A
|
|∆V| = V
2x
2x
|R|
π/2 π θ (Rad) 2π 3π
2
A B
V
1
x x x
V
2
V
3
Observe o gráfico abaixo:
7
8
9
10
6
Cada 5 minutos corresponde a (30
o
). Portanto, o ângulo entre os
vetores vale (120
o
).
A soma dos três vetores é nula.
Resposta: zero
E EE EE
A variação de velocidade é:
V

Δ
=
B
V


A
V

=
B
V

+ (–
A
V

)
|
V

Δ
|
2
= V
2
+ V
2
|
V

Δ
|= V 2
A variação de velocidade é:
V

Δ
=
B
V


A
V

=
B
V

+ (–
A
V

)
Portanto: |
V

Δ
| = V
Resposta: ↑ V
A AA AA
Os vetores possuem módulos iguais a (x). Diga que o ângulo
entre os vetores é (θ).
|
R

|
2
= x
2
+ x
2
+ 2x
2
. cos θ
θ = 0
o
→ cos 0
o
= 1 → |
R

|
2
= 4x
2
→ |
R

| = 2x
θ =
2
π
→ cos
2
π
= 0 → |
R

|
2
= 2x
2
→ |
R

| = 2 . x
θ = π → cos π = – 1 → |
R

|
2
= 2x
2
– 2x
2
= 0
O gráfico que obedece os valores acima é (figura abaixo):
Observe a figura:
Δs = 3x
Δt =
1
x
V
+
2
x
V
+
3
x
V
V
m
=
3 x
x
1
x
+
V
2
x
+
V
3
V
V
m
=
2 3 1 3 1 2
1 2 3
3
V V +V V +VV
V V V
=
1 2 3
2 3 1 3 1 2
3V V V
V V +V V + V V
Resposta:
1 2 3
2 3 1 3 1 2
3V V V
V V +V V + V V
a
a
c
e
d
b
b
k
k
k
k
k =
k =
k k
a b
c
a b
c
c
R 2
R 2
R 2
R 2
S
F
1
F = 20N
F
2
y
x
F
1
= 2N
F
2
= 4N
F
3
= 4N
240
o
60
o
60
o
Física I
Transportando os vetores a

e b

como mostra a figura temos:
Da figura, quando transportamos os vetores a

e b

tiramos:
c

+ b

= e

a

+ d

= e

| e

| = 2 k
S = e

+ e

+ e

= 3 . 2 k = 6 k
Resposta: 6 K
A AA AA
Três vetores fechando um triângulo dando
resultante nula:
a

+ b

+ c

= 0
Trocando o sentido de c

:
c
a b

→ →
+
¸_¸
+ c

= c

+ c

= 2 c

Se invertermos o sentido de um deles a soma coincidirá com o
dobro do vetor invertido.
B BB BB
A soma dos quatro vetores que estão nos lados do quadrado é nula.
Sobram os dois vetores que estão nas diagonais, (ver figura)
1
2
3
4
5
No triângulo assinalado:
S
2
= (R 2 )
2
+ (R 2 )
2
S
2
= 2R
2
+ 2R
2
→ S
2
= 4R
2
→ S = 2R
Observe a figura:
F
1
2
+ F
2
2
= 400 (I)
1
2
F
F
=
3
4
→ F
1
=
3 2
4
→ F
1
=
3 x 16
4
= 12 N
Substituindo em (I)
2
2
9 F
16
+ F
2
2
= 400 →
2
2
25 F
16
= 400 → F
2
=
400 . 16
25
= 16 N
Resposta: 12 N e 16 N
C CC CC
Vamos identificar os vetores:
As forças F
2
e F
3
se anulam. Portanto,
a força resultante é a própria
F
1
= F
R
= 2 N.
Módulo Especial de Exercícios – Resoluções Módulo Especial de Exercícios – Resoluções
2006 17
20 m
R = 20 m
60
o
60
o 60
o
|∆d| = 20 m
A
B
b
a
∆d
20 m
M x y z y x z
60 m
180 m
d d
S
z
S
x
S
y
V
x

=

1
7
,
5

m
/
s
V
y

=

5
,
0

m
/
s
V
z

=

2
0
,
0

m
/
s
A AA AA
Observe a figura:
Período: T = 12s
Δt = 2,0s
Em:
12s → 360
o
2s → θ
→ θ = 60
o
|
d

Δ
| = 20 m Δt = 2,0 s
→ |
m
V

| =
20 m
2,0 s
= 10 m/s
11
12
13
De (A) para (B) o tempo gasto é
3
T
4
⎛ ⎞
⎜ ⎟
⎝ ⎠
.
|
d

Δ
| =
2 2
a +b
Δt =
3
4
T
Portanto:
|
m
V

| =
2 2
a +b
3
T
4
=
2 2
4 a +b
3T
Resposta:
2 2
4 a +b
3T
C CC CC
Observe a figura abaixo:
Concluímos na figura:
S
z
– S
x
= S
x
– S
y
2S
x
= S
z
+ S
y
S
x
= 20 + 17,5t
S
y
= 60 + 5t
S
x
= 180 + 20t
2(20 + 17,5t) = 240 + 25t
40 + 35t = 240 + 25t
10t = 200 ∴ t = 20s
Portanto:
S
x
= 20 + 17,5 x 20
S
x
= 20 + 350 = 370 m
E
V
V
R
60
o
30
o
30
o
60
o
60
o
60
o
V
V
V
P P'
40 cm 40 cm
s (m)
4
2
0
2
2
2
4
4
4
t (s)
A
B
θ
B
θ
A
A
B C
a 3
3
a
V
B
V
C
V
θ
θ
V
B
V
C
L
16
V = 0,50 m/s
A velocidade relativa (V
R
) é a resultante no paralelogramo
mostrado na figura.
Como os vetores possuem módulos iguais formando 120
o
entre
sistemos:
V
R
= V = 0,5 m/s
Observe o diagrama abaixo:
Encontremos as equações horárias de (A) e (B).
A) S
0
= 0 V
A
=
4
2
= 2 m/s → S
A
= 2t
B) S
0
= 2 m V
B
=
2
4
= 0,5 m/s → S
B
= 2 + 0,5t
Para t = 5s
S
A
= 2 x 5 = 10 m
S
B
= 2 + 0,5 x 5 = 4,5 m
Distância entre (A) e (B).
d
A,B
= 10 – 4,5 = 5,5 m
Resposta: 5,5 m
B BB BB
Veja a figura abaixo:
14
15
17
(V) será mínimo quando perpendicular à (AB).
No ΔABC
tg θ =
a 3
3
a
=
3
3
θ = 30
o
No triângulo formado com os vetores temos:
sen θ =
C
V
V
= sen30
o
=
C
V
V
1
2
=
C
V
V
→ V =
C
V
2
Resposta: V =
C
V
2
C CC CC
Vejamos as figuras:
Descendo
B C
L
V + V
= 2
Módulo Especial de Exercícios – Resoluções Módulo Especial de Exercícios – Resoluções
18 2006
V
B
V
C
L
V
B
+ V
C
=
L
2
L
2
L
4
L
4
–V
B
+ V
C
= –
2V
C
= 2V
C
=
L
4
+
– ∴
V
o
V
A A
C
R
R
D
B
E
18
Subindo
B C
L
V – V
= 4
B C
B C
L
V +V =
2
L
V V =
4








V
C
=
L
8
O barco com o motor desligado terá a mesma velocidade da
correnteza (V
C
).
O tempo para percorrer o mesmo trecho:
t =
L
L
8
= 8 horas
A rolagem é uma composição de translação com rotação:
ΔAEB ~ΔCDB
A
V
2R
=
C
V
R
V
A
= 2 V
0
Resposta: 2 V
0
C CC CC
Sendo
S = – 2 + 4t – 2t
2
V
o
= 4 m/s a = –4 m/s
2
Logo: V = 4 – 4t ⇒ 0 = 4 – 4t ∴ t =
4
4
= 1 s
B BB BB
Como: S = 5 – 2t + 5t
2
Então: V
0
= –2 m/s a = 10 m/s
2
V = –2 + 10t ⇒ 0 = – 2 + 10 t
t = 0,2 s
A AA AA
Observe o diagrama:
tg60
o
=
CH
V
1
∴ V
CH
= 1 x 1,7 = 1,7 m/s
19
20
21
60º
30º
1,0 m/s
V
CH
A AA AA
No sétimo segundo de movimento é entre
t = 6 s e t = 7 s
d =
1
2
2 . 7
2

1
2
2 .6
2
=
= 49 – 36 = 13 m
d
2m/s
2
6s 7s
d(7s)
d(6s)
22
23
24
C CC CC
A área do triângulo é numericamente igual a (ΔV):
2
10
ΔV =
2 x 10
2
= 10 m/s
Logo: V = V
0
+ ΔV
V = 10 + 10 ≅ 20 m/s
C CC CC
No diagrama temos:
V
obs/Terra
V
chuva/Terra
V
ch/obs
Logo, o vetor que se aproxima é o

C .
Anotações
_____________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
Módulo Especial de Exercícios – Resoluções Módulo Especial de Exercícios – Resoluções
2006 19
60
o
60
o
2 . cos 60
o
= 1 m
2 . sen 60
o
= 3 m
60
o
1 m
1 m
B
O'
O
2,0 m
C
x
A
D
α
α
β
β x
x
y y
B
D
E
1
E
2
A
C
Física II
D DD DD
O número de imagens fornecidas pelas 3 bailarinas será:
15 – 3 = 12 imagens
Cada bailarina fornece:
12
3
= 4 imagens
Logo:
N =
o
360
θ
– 1 ∴
o
360
θ
= 4 + 1
o
360
θ
= 5 ⇒ θ =
o
360
5
= 72
o
Se o objeto vê a imagem ela “vê” o objeto. Portanto, observe a
figura.
Na figura vemos que:
ΔO’AB ~ ΔO’CD
x
3
=
1
3
⇒ x =
3
3
≅ 0,58 m
Resp: 0,58 m
C CC CC
Na figura ao lado:
No ΔABC: α = x + y
No ΔABD: β + 2x + 2y = π
β = π – 2 (x + y)
β = π – 2α
1
2
3
P D
V = 4 m/s
3 m
3 m
1 m 1 m
O
A B
O'
6 m
E
E'
O
O'
B
20
o
90
o
2OB
α
C A V
45
o
r = 45
o
i = 45
o
I
C
V
F
F'
S
P.F
E.S
(R.R)
(R.I)
O deslocamento da imagem é o dobro do deslocamento do
espelho
Δd
espelho
= 1m
Δd
imagem
= 2 x 1 = 2 m = 200 cm
Resp.: 200 cm
C CC CC
4
5
7
8
9
6
A distância máxima entre o objeto e a imagem vale 2OB . Logo:
α = 90
o
– 20
o
= 70
o
O objeto permanecerá visível quando estiver dentro do campo
visual do espelho.
ΔO’PD ~ ΔO’AB
PD
2
=
9
3
⇒ PD = 6 m
Portanto:
Δt =
s
V
Δ
=
6 m
4 m/s
= 1,5s
Resp.: 1,5s
O espelho não é Gaussiano. O raio refletido não passa pelo
ponto (A), que seria o foco.
A AA AA
Observe a figura o lado.
Um raio que incide num espelho côncavo passando pelo foco
secundário (F’) reflete-se paralelo ao eixo secundário correspondente.
Dados:
Espelho convexo:
f = –
20
2
= – 10 cm p = 15 cm
H
o
= 5 cm
I
p'
H
= ?
Cálculo de p’:
f =
p . p'
p +p'
– 10
– 2
=
15
3
p'
15 +p'
⇒ 3p’ = – 30 – 2p’
5p’= – 30 ∴ p’= – 6 cm
Cálculo de HI
I
O
H
H
= –
– 6
15

I
H
5
=
6
15
H
I
= 2 cm
Portanto:
– 6
2
= 3
Resp.: 3
D DD DD
O espelho é côncavo e o objeto
estará antes do centro.
E EE EE
De acordo com a figura, o ponto (P) é o foco do espelho.
f = VP ⇒ R = 2f = 2 VP
As leis da reflexão devem ser
observadas.
V F C
p'
P
H
I
H
o
O
20 cm
10
11
Módulo Especial de Exercícios – Resoluções Módulo Especial de Exercícios – Resoluções
20 2006
θ

= 30
o
α
60
o
N = 1
N = 3
60
o
R
C
N = 2
N
R/2
45
o
= i
d
θ
α
45
o
90
o
– i
i
N
R = 4,2 m ⇒ f =
4,2
2
= 2,1 m
A imagem (p’) dada pelo espelho plano serve de objeto para o
espelho côncavo.
A imagem de (p’) é (p”) que deve coincidir com (p).
p = 5 – x + 5 = 10 – x
p’ = x
f = 2,1
f =
p' . p
p' +p
2,1 =
x (10 – x)
x +10 – x
2,1 = 10x – x
2
x
2
– 10x + 21 = 0
Δ = 100 – 84 = 16 ∴
16
= 4
x =
10 ±4
2
⇒ x =
10 – 4
2
= 3 m
Resp.: 3 m
E EE EE
Vejamos a figura abaixo:
2
2
= n . cos i ⇒ cos i =
2
2n
sen
2
i + cos
2
i = 1 ⇒ sen
2
i = 1 –
2
2
4n
sen
2
i =
2
2
4n – 2
4n
⇒ sen i =
2
4n – 2
2n
Para que haja reflexão total na face vertical:
i > L
sen i > sen L
2
4n – 2
2n
>
1
n
(
2
4n – 2 )
2
> (2)
2
4n
2
– 2 > 4
4n
2
> 6 ⇒ 2n
2
> 3 ∴ n >
3
2
Observe que:
T
V
(tamanho visto)
T
R
(tamanho real)
n
o
(índice onde está o observador)
n
ob
(índice onde está o objeto)
T
V
=
o
ob
n
n
. T
R
para incidências próximas da normal
TV =
1
4
3
. 0,40 =
3
4
. 0,40 = 0,30 m
Resp.: 0,30 m
D DD DD
Vejamos as figuras a seguir:
13
14
15
17
16
1 . sen 60
o
=
3
. sen θ
3
2
= 3 . sen θ ∴ sen θ =
1
2
⇒ θ = 30
o
α + 30
o
+ 60
o
= 180
o
⇒ α = 90
o
No triângulo assinalado: cos α =
R
2
R
=
1
2
⇒ α = 60
o
Portanto:
θ = 30
o
Lei de Snell:
1 . sen i =
2
. sen 30
o
sen i =
2
2
⇒ i = 45
o
O desvio mostrado na figura será:
d = i – θ = 45
o
– 30
o
= 15
o
Resp.: 15
o
A AA AA
Observe as condições na figura a seguir:
Lei de Snell:
1 . sen 45
o
= n . sen(90
o
– i)
V F C
P'
p ≅ p"
x = p'
p
5 – x 5 – x
E
5 m
12
I
o I
I
H 1
H =3H a = =
3 H 3
p p' =20 (I)






– –

a =
p'

p

1

3
= –
p'
p
⇒ p = 3 p’ ⇒ p = 3 x 10 = 30 cm
Substituindo em (I):
3p’ – p’= 20 ⇒ 2p’= 20 ⇒ p’= 10 cm
R = 2 .
p' . p
p' +p
= 2 .
10 x 30
10 +30
= 2
300
40
= 15 cm
Montando a figura abaixo:
Observe a figura abaixo:
Módulo Especial de Exercícios – Resoluções Módulo Especial de Exercícios – Resoluções
2006 21
Ar
3
3
3 5
θ θ
α = 45
o
α = 45
o 4
N
r = 30
o
45
o
i = 45
o
I
I' J N
e
N = 2
e – 10
10 cm
18
Equação de Snell
1 . sen α = n . sen θ
1 .
2
2
= n .
3
5
⇒ n =
5 2
6
Observe a figura abaixo:
sen θ =
3
5
tg α = 1 ⇒ α = 45
o
sen 45
o
=
2
2
Lei de Snell:
1 . sen 45
o
=
2
. sen r
2
2
= 2 . sen r ⇒ r = 30
o
No triângulo: (INI’)
tg 45
o
=
NI'
e
⇒ 1 =
NI'
e
⇒ e = NI’
Logo: NJ = e – 10
No triângulo (INJ) temos:
tg30
o
=
e – 10
e
3
3
= 1 –
10
e
10
e
= 1 –
3
3
10
e
= 0,423 ⇒ e =
10
0,423
≅ 23,64
Resp.: 23,64 cm
B BB BB
Sendo a imagem real, invertida e menor, o objeto real deve se
encontrar antes do centro.
Logo p > 2 f
A AA AA
Observe o esquema:
A criança aproxima-se da sua
imagem com 6 m/s
A AA AA
Veja o esquema:
3 m/s
3 m/s 3 m/s
3 m/s
6 m/s
E
Zero
O I
E
H
O
10H
O
O
P
220 cm = P'
a =
f – p´
f
∴ – 10 =
f – 220
f
–10 f = f – 220
–11 f = – 220
f = 20 cm
Logo: R = 2 x 20 = 40 cm
A AA AA
Côncavo f =
p . p´
p + p´
p = 20 cm
f = 30 cm

=
20 + p´
20
30
p’ = ? 60 + 3p’= 2p’
a = ? p’ = – 60 cm (imagem virtual)
a =
f
f – p
∴ a =
30
30 – 20
= 3
A AA AA
Observe a figura
S
1
S
2
N
ar
P
q
P = 3,0cm
P'
n
L
=1,5
n
L
q =
AR
L
n
n
. p ∴ q =
1
1, 5
. 3 = 2,0 cm
D DD DD
Observe o esquema:
3mm = q
P' n
L
5mm = P
P
N
ar
= 1,0
q =
AR
L
n
n
. p ⇒ 3 =
L
1
n
. 5 ∴ n
L
=
5
3
19
20
21
22
23
24
Anotações
_____________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
Módulo Especial de Exercícios – Resoluções Módulo Especial de Exercícios – Resoluções
22 2006
Q
1
= mcΔt
Q
1
= 300 . 0,5 . (0 – (–30))
Q
1
= 4500 cal = 4,5 kcal
Q
2
= m . L
Q
2
= 300 . 80
Q
2
= 24000 cal = 24 kcal
Q
3
= mcΔT
Q
3
= 300 . 1 . (100 – 0)
Q
3
= 30000 cal = 30 kcal
Q
4
= m . L
Q
4
= 300 . 540
Q
4
= 162000 cal = 162 kcal
Q
5
= mcΔT
Q
5
= 300 . 0,5 . (140 – 100)
Q
5
= 6000 cal = 6 kcal
C CC CC
No gráfico vê-se que a fusão iniciou em t = 10 s e terminou em
t = 50 s, durando Δt = 50 – 10 = 40 s.
Pot . Δt = m . L
20 . 40 = 100 . L
L = 8 cal/g
D DD DD
Se o suor congelar por dentro das roupas, ele atuará como uma
lixa, causando ferimentos, que podem infeccionar levando ao
agravamento das lesões.
11
12
T
x
t
c
80
140
100
- 30
4,5
28,5 58,5 162 168
T(ºC)
Q(cal)
Q
1
Q
2
Q
3
Q
4
Q
5
A
74
x
22
B
70
x
20
x
200
–392
k
373
T
x
T
k
0 273
?
A AA AA
tg 45
o
=
Tx – 80
tc – 0
1 =
Tx – 80
tc
tc = tx – 80 ou tx = tc + 80
C CC CC
As telhas aquecidas irradiam calor (infra-vermelho) para dentro da
casa. O olumínio da embalagem reflete este calor de volta para as
telhas, impedindo que ele se propague para dentro da casa.
E EE EE
I. (verdadeiro) – a convecção ocorre em fluidos.
II. (falso) – corpos escuros absorvem mais calor.
III. (verdadeiro) – para impedir queimaduras.
IV. (verdadeiro) – quanto mais rápida a perda de calor, mais frio
sentimos.
D DD DD
O ferro é melhor condutor de calor que a madeira. Quando o tocamos
ele absorve calor rapidamente nos dando a sensação de frio.
3
4
5
7
8
9
10
6
Física III
D DD DD
x – 22
74 – 22
=
x – 20
70 – 20
x – 22
26
=
x – 20
25
x = –30
o
C ⇔ –30 + 273 = 243 K
B BB BB
Tx – 0
200 – 0
=
Tk – 273
373 – 273
Tx = 2Tk – 546
p/ Tx = –392
–392 = 2Tk – 546
Tk = 77 k
1
2
A AA AA
Pot . Δt = Q
Pot . Δt = mcΔt
7200 . 2 = 2000 . 0,2 . Δt
14400 = 400 Δt
Δt = 36
o
C
Logo, T = To + ΔT
T = 20 + 36 = 56
o
C
Se 1 cal = 4J:
7200 cal
min

7200 . 4J
60s
= 480 W =4,8 . 10
2
W ≅ 5,0 . 10
2
W
B BB BB
Água
Pot . Δt = mcΔt
Pot . 30 = m . 1 . (50 – 20)
Pot = m
Líquido
Pot . Δt’ = 2 mc’ΔT’
m . 40 = 2 m . c’ . (60 – 20)
c’ = 0,5 cal/g
o
C
E EE EE
Pot . Δt = mcΔt
Pot . 4 . 3600 = 600 . 1 . (42 – 90)
Pot = 2 cal/s
Módulo Especial de Exercícios – Resoluções Módulo Especial de Exercícios – Resoluções
2006 23
13
14
15
17
18
16
C CC CC
Inicialmente devemos determinar a capacidade térmica dos corpos.
I. Q = mcΔt
–5000 = m
b
. C
b
. (80 – 180)
C
b
=
5000
100
= 50 J/PC
II. 9000 = m
L
. C
L
. (60 – 0)
C
L
=
9000
60
= 150 J/
o
C
No equilíbrio:
Q
B
+ Q
L
= 0
C
B
ΔT + C
L
ΔT = 0
50(T – 100) + 150 (T – 20) = 0
T – 100 + 3T – 60 = 0
T = 40
o
C
A AA AA
∑Q = 0
Q
C
+ Q
A
= 0
100 . 1 (T – 80) + 400 . 1 . (T – 5) = 0
100T – 8000 + 400T – 2000 = 0
T = 20
o
C
A) ∑Q = 0
mcΔT
1
+ mcΔT
2
= 0
25000 . 4 . (40 – 30) + m . 4 . (40 – 65) = 0
100 m = 1000000
m = 10000 g = 10 kg
B) ∑Q = 0
Q
1
+ Q
2
+ Q
L
= 0
mcΔT
1
+ mcΔt + m . L = 0
25000 . 4 . (20 – 30) + m . 4 . (20 – 0) + m . 320 = 0
400 m = 1000000
m = 2500 g = 2,5 kg
A) Observando o gráfico vemos que as curvas são crescentes.
Quando a substância apresenta curva de fusão crescente (PF
de pressão) ela não apresenta anomalia na fusão e é mais
densa na fase sólida. O sólido da substância em questão
não flutua em sua fase líquida.
B) líquido
C) vaporização ou condensação
D) fusão
E) vaporização
A AA AA
A) correto
B) há vaporização
C) vapor vira líquido
D) líquido pode virar vapor
E) não necessariamente
E EE EE
A temperatura crítica é aquela acima da qual temos um gás,
que não pode ser liquefeito por simples compressão.
d x
A d + x = 30
P
0
V
0
= P´V´
1 . ( 30 . A ) = 3 ( A ) . x
x = 10 cm
como d = 30 – x
d = 30 – 10 = 20 cm
0 0
0
P V
T
=
P V
T
´ ´
´
1. 300
3 00
=
0, 01.
223

V´ = 22300 m
3
A AA AA
Na compressão isotérmica o volume diminui e a temperatura se
mantém.
No aquecimento isobárico, a razão
V
T
se mantém constante,
reta crescente.
No resfriamento isotérmico, a temperatura cai e o volume se
mantém.
E EE EE
19
20
21
22
23
24
+ 40J
– 10J
200J
ΔU = Q – τ
ΔU = (40 – 10) – 200
ΔU = – 170 J
Se ΔU < 0 ⇒ ΔT < 0
D DD DD
Se é compressão, W < 0
Se é adiabática, Q = 0
Logo, ΔU = Q – W ⇒ ΔU > 0
A AA AA
I. Verdadeiro. Em todo ciclo ΔU = 0
II. Falso. O τ < 0, pois o ciclo é anti-horário. Se ΔU = 0 ⇒ Q = τ,
logo Q < 0, isto é, calor saiu do sistema.
III. PV = nRT
24900 . 0,1 = 1 . 83 T
T = 300 k
Anotações
_____________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________
Módulo Especial de Exercícios – Resoluções Módulo Especial de Exercícios – Resoluções
24 2006
E
o
–q
+q
60
o
E"
E'
E'
E"
E
T
P
F
el
q q
R
30
o
Vamos observar a figura ao
lado e lembrar que, para
uma carga puntiforme, a
i ntensi dade do campo
el étri co é i nversamente
proporcional ao quadrado
da di stânci a. Assi m,
teremos:
E’ = 4 . E”
E
0
= 2 x E’ = 2 x 4 x E”
E
0
= 8 . E ⇒ E =
0
E
8
Obs.: o ângulo entre os vetores E” mede 120
o
. Desse modo E” = E.
14
D DD DD
As cargas negativas de E permanecem no local em virtude da
força de atração exercida pelo bastão positivo. Todavia, elétrons
da terra sobem para o eletroscópio e vão neutralizar as lâminas.
D DD DD
Por causa da repulsão, a concentração de cargas de mesmo sinal
nas lâminas aumentará, aumentando também, a intensidade da
força de repulsão. Logo, as lâminas irão se separar ainda mais.
B BB BB
Devemos lembrar que tanto a força gravitacional, quando a força
eletrostática variam inversamente com o quadrado da distância.
Assim, a nuvem de poeira ficaria equilibrada em qualquer distância.
7
8
9
10
11
12
13
6
F
1
–Q +Q +4Q F
2
5 8
Física IV
B BB BB
No 1
o
contato entre C e A teremos: q
A
= q
C
=
12 2
2
− +
= –5nC
No 1
o
contato entre C e B teremos: q
C
= q
B
=
5 7
2
− +
= +1nC
no 2
o
contato entre C e A teremos: q
C
= q
A
=
5 1
2
− +
= –2nC
no 2
o
contato entre C e B teremos: q
C
= q
B
=
2 1
2
− +
= –
1
2
nC
Assim teremos:q
A
= –2nC; q
B
= q
C
= –1/2 nC
C CC CC
Vamos, inicialmente, encontrar o número de elétrons que
devemos reunir para obtermos uma carga Q = 3,2 x 10
–9
C.
Assim, N =
Q
e
=
–9
–19
3,2 x 10 C
1,6 x 10 C
= 2,0 x 10
10
elétrons
Dividindo o número total de elétrons existentes no pedaço de
cobre pel o val or de N, determi naremos o número de
agrupamentos de elétrons que deveríamos formar.
Veja, n =
22
10
2 x 10
2 x 10
= 10
12
grupos.
C CC CC
A força elétrica entre o próton e o elétron fará o papel da resultante
centrípeta.
Assim teremos:
2
e
m . v
R
=
2
k . e . e
R
⇒ V
2
=
9 19 2
31 10
9 . 10 . (1,6 . 10 )
9,1.10 . 10

− −
⇒ v = 1,6 . 10
6
m/s
A) Devido a indução, a esfera A ficará com carga negativa e a
esfera B com carga positiva.
B) As esferas A e B terão cargas de mesmo módulo, pois houve
apenas transferência de elétrons da esfera B para a esfera A.
A) Pelo contato, as bolinhas ficarão com cargas de mesmo
sinal.
B) Consideremos a seguinte situação inicial:
Q
A
= – Q e Q
B
= 3Q. Sabendo que F = 27 x 10
–5
N e que
d = 4 cm, teremos:
A B
2
k . Q . Q
d
= F ⇒ 9 . 10
9
. Q . 3Q = 27 x 10
–5
x (4 x 10
–2
)
2
Q
2
= 16 x 10
–9
x 10
–9
⇒ Q = 4 x 10
–9
C
Logo, Q
A
= – 4 x 10
–9
C e Q
B
= 12 x 10
–9
C.
Depois do contato entre as esferas A e B, teremos: Q’
A
= Q’
B
=
–9 –9
– 4 x 10 +12 x 10
2
= 4 . 10
–9
C
1
2
3
4
5
A) Após colocarmos as forças elétricas sobre a carga (+ Q),
concluiremos que ela deverá ficar na região III.
B) Observe a figura.
Para que a carga (+ Q) fique em equilíbrio, devemos ter:
F
1
= F
2
. Assim,
2
k . Q. Q
(x – 8)
= 2
k . 4Q. Q
(x – 5)
⇒ 4(x – 8)
2
= (x – 5)
2
2(x – 8) = x – 5 ⇒ x = 11
A) Aplicando a lei de Coulomb, temos:
F =
1 2
2
k . q . q
d
=
9 –7 –7
2
9 . 10 . 5. 10 . 5 . 10
1
2
⎛ ⎞
⎜ ⎟
⎝ ⎠
= 9 . 10
–3
N
B) Como a distância foi reduzida 10 vezes, a intensidade da
força de atração aumenta 100 vezes, assim teremos:
F’= 100 . F = 10
2
. 9 . 10
–3
= 0,9 N.
Logo, a tração máxima será 0,9 N.
Observe que a 2
a
carga, para exercer a mesma força que a 1
a
carga, deverá ser colocada numa distância 2 vezes maior. Assim,
sua carga elétrica deverá ser 4 vezes maior que a carga elétrica
da primeira.
D DD DD
– Devemos lembrar que por atrito x e y terão sinais contrários.
– Por contato z com x terão o mesmo sinal.
– Por indução w com y terão sinais opostos.
Assim, poderíamos ter as seqüências:
(+ – + + ) ou ( – + – – )
Representando as forças que atuam na
esfera e lembrando que a resultante é
centrípeta, temos:
o
o
el cp
T . cos 30 =P
T . sen 30 – F =F





* Na figura da questão observa-se que
R = L . sen θ é o raio da trajetória da pequena esfera.
Resolvendo o sistema de equações encontraremos:
m . w
2
. r = mg .tg θ –
2
2
k . q
R
w
2
=
g . tg
L . sen
θ
θ

2
3
k . q
m(L . sen ) θ
w
2
=
10 x 0,58
1x 0,5

9 –6 2
–3 3
9 x 10 x (1,5 x 10 )
65 x 10 (1x 0,5)
w
2
= 11,6 – 2,5 ⇒ w ≅ 3,0 rad/s
Módulo Especial de Exercícios – Resoluções Módulo Especial de Exercícios – Resoluções
2006 25
E
1
P E
2
T
P
F'
d
1
T . senα
α
α
T . cosα
E
1
=
2
2
k . Q
d
=
( )
9 –6
2
–1
9 x 10 x 18 x 10
3 x 10
= 18 x 10
5
N/C
E
2
=
2
2
k . Q
d
=
( )
9 –6
2
–1
9 x 10 x 8 x 10
10
= 72 x 10
5
N/C
O campo elétrico resultante em P, será:
E
P
= 72 x 10
5
– 18 x 10
5
⇒ E
P
= 5,4 x 10
6
N/C
C CC CC
Na primeira experiência temos: F =
2
k . Q. Q
d
Na segunda experiência temos: F’ = 2
1
k . Q. Q
d
T . cos =mg (I)
T . sen F' (II)
α ⎧

α =

Dividindo (I) por (II) e substituindo F’, temos:
cotg (α) =
2
2
1
mg
d
F .
d
⇒ cotg (α) =
2
1
2
m. g . d
F . d
C CC CC
O campo elétrico gerado pela placa irá deslicar elétrons da
esfera para sua proximidade (indulção).
D DD DD
Fazendo a razão entre as forças gravitacional e elástica
encontraremos:
g
e
F
F
=
p e
2
2
g . m . m
d
k . e . e
d
=
11 27 31
9 19 2
6,67. 10 . 1,67. 10 . 9,11. 10
9 . 10 . (1,6 . 10 )
− − −

=
= 4,4 . 10
–40
15
17
18
16
E EE EE
Como a carga q é positiva, podemos dizer que a força elétrica
F

tem o mesmo sentido de E

. Assim, temos:
E =
F
q
=
–6
10
2 x 10
= 5 x 10
6
N/C, para o norte.
C CC CC
Lembrando que o campo de uma carga punti forme é
proporcional a Q e inversamente proporcional a d
2
, teremos:
E
2
= 2
k . 4Q
(2d)
=
2
k . Q
d
⇒ E
2
= E
1
= x
C CC CC
Traçando os vetores
1
E

e
2
E

em P, teremos:
D DD DD
A justificativa ideal seria mostrar que as esferas apresentam o
mesmo potencial, o que impede ocorrer transferência de elétrons
entre as esferas. Porém, como o conteúdo não foi dado ainda,
poderíamos dizer que as cargas iniciais são proporcionais aos
raios das esferas.
A AA AA
Temos o efeito fotoelétrico. Elétrons são retirados da placa
metálica pela incidência de luz violeta; a placa fica positiva e
atrai a esfera por indução; ao tocar na placa metálica a esfera
perde elétrons para a placa ficando com carga positiva; a placa
e a esfera se repelem.
A) Deveríamos ter F
elétrica
= F
gravitacional
.
T S
2
k.Q .Q
d
=
T S
2
G . M . M
d
⇒ 9 . 10
9
. 1 . Q
S
=
= 6,7 . 10
–11
. 6 . 10
24
. 2 . 10
30
⇒ Q
S
= 8,9 . 10
34
C
Assim, a ordem de grandeza da carga do Sol seria
O. G. = 10
35
coulombos.
B) Porque a ausência destas forças impossibilitaria a formação
coesa de matéria.
A AA AA
Temos:
a
y
=
el
P F
m

=
1 0, 8
0,1

= 2 m/s
2
t =
y
2h
a
=
2 . 0, 25
2
= 0,5 s
X = v
0
. t = 4 . 0,5 = 2,0 m
F
el
V
0
P
25 cm
x
Anotações
_____________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________
19
20
21
22
23
24
Módulo Especial de Exercícios – Resoluções Módulo Especial de Exercícios – Resoluções
26 2006
Física V
C CC CC
η =
–4
–10
10
10
= 10
6
átomos
D DD DD
[ ] = [F] . [d] = [m] . [a] . [d] =
= M . L
2
T
–2
⇒ unid ( ) = kgm
2
/s
2
[a] =
V
T
⎡ ⎤
⎣ ⎦
⎡ ⎤
⎣ ⎦
=
–1
LT
T
= LT
–2
⇒ unid (a) = m/s
2
[ ] = [ ] = ML
2
T
–2
⇒ unid ( ) = kg m
2
/s
2
A) A medida errada foi 2,1 . 10
5
pés
1 pé ________ 0,3 m
2,1 . 10
5
_______ x
x = 0,63 . 10
5
m
B) Se V ~
1
R
⇒ V
1
R
1
= V
S
R
S
assim:
1
S
V
V
=
S
1
R
R

1
S
V
V
=
5
5
2,1. 10
0,63 . 10
= 3,3
B BB BB
Q
f
=
16 0
2
+
= 8 μC para cada
2
o
contato:
–3
9 . 10
1
=
11
D
1,5. 10
D = 1,35 . 10
9
m
B BB BB
1
2
3
4
5
7
8
9
10
11
12
13
6 A AA AA
Um meio translúcido não permite a propagação regular do feixe
de luz. Raios que incidem paralelos não saem mais paralelos.
B BB BB
Se Q > 0, ela perdeu elétrons
Q = n . e
4 . 10
–15
= n . 1,6 . 10
–19
n = 2,5 . 10
4
elétrons.
E EE EE
Se B repele C, ambas têm cargas de mesmo sinal, que é oposto
ao de A.
B BB BB
1
o
contato :
Q’ =
4 8
2
+
= 6 μC para cada
Como o fluxo é constante através da placa:
0
1
= 0 2
1 1
1
k . A . T
e
Δ
=
2 2
2
k . A . T
e
Δ
40 . A ( ) . 200 – T
20
=
80 . A ( ) . T – 40
40
200 – T = T – 40
T = 120
o
C
Em regime estacionário
0
1
= 0
2
k . A ( ) . 120 – T
1
L
3
=
k . A ( ) . T – 0
2
L
3
2 . (120 – T) = T ⇒ T = 80
o
C
0 =
k . A . T
e
Δ
=
( )
–2
2 . 100 . 47 – 27
5 . 10
(Δk = Δc)
0 = 8 . 10
4
J/s
01. (F) – Se D = 670 mm ⇒ R = 335 mm ⇒ f =
R
2
= 167,5 mm
02. (F) – podem ser direitas para objetos com d < 167,5 mm
04. (F) – podem ser virtuais para objetos com d < 167,5 mm
08. (V) –
1
167, 5
=
1
105
+
1
p'
105 – 167,5
167,5 . 105
=
1
p'
p’ =
17587,5
–62,5
= –281,4
d = |p| + |p’| = 105 + 281,4 = 386,4
16. (F) – A ampliação depende da posição do objeto.
Soma: 08
1 m
1,5 . 10
11
m
9 . 10
–3
m
D
Luz
Penumbra
Sombra
A C
O
16µC
B C
4µC 8µC

1

2
120ºC 0ºC T
L
1
3
L
2
3
Módulo Especial de Exercícios – Resoluções Módulo Especial de Exercícios – Resoluções
2006 27
C CC CC
O tamanho da imagem no espelho plano não varia com a
posição do objeto e, em relação ao espelho, desloca-se com a
mesma velocidade (em módulo) que o objeto.
A) ˆ ˆ x y = , pois o ângulo de incidência deve ser igual ao de
reflexão. Logo
x
y
= 1
B)
14
15
por semelhança:
10
CB
=
60
120
CB = 20 cm ⇒ AC = 100 cm
D DD DD
Para que os raios saiam paralelos ao eixo do espelho, a fonte de
luz (filamento) deve estar no foco (F).
Logo:
filamento I em F.
Com os raios saindo divergentes (Fig II) temos uma imagem
virtual do filamento.
A C
B
10
50
CB
120
2
1
2
´
B BB BB
Como F =
1 2
2
k(Q )(Q )
d
, se a distância for duplicada a força cai
4 vezes, ou seja, passa a valer 1N.
B BB BB
II' II
O que só é obtido se o filamento II estiver entre V e F.
A AA AA
O espelho convexo só fornece imagens reduzidas de objetos
reais, assim o espelho deve ser côncavo, pois ele pode fornecer
uma imagem virtual, direita e maior de objetos reais colocados
entre seu foco e seu vértice.
D DD DD
Pelo enunciado:
f = – 5 cm (R/2)
p= 20 cm
1
f
=
1
P
+
1

1
–5
=
1
20
+
1

⇒ P’= – 4 cm
Como
⇒ ⎧



P´ < 0 imagem virtual e direita
|P´| < |P| imagem reduzida
C CC CC
Decompondo o campo resul tante
apresentado temos:
O que pede cargas positivas nas posições
indicadas
17
19
20
18
21
22
23
24
16
E
y
E
x
+
+
4µC
4µC 4µC
4µC
4µC 1µC
x
Os campos gerados pelas cargas iguais que ocupam vértices
opostos se anulam mutuamente. Restam apenas os campos
gerados pelas cargas no eixo x da figura:
E
R
= E
4
– E
1
E
R
=
2
k
d
(Q
4
– Q
1
)
E
R
=
9
–1 2
9 . 10
(3 . 10 )
. (4 – 1) . 10
–6
E
R
= 3 . 10
5
N/C
F
1
=
1 2
2
1
kQ Q
d
F
2
=
. 4
1 2
2
2
kQ Q
d
Como F
1
= F
2
:
k
1
Q
2
Q
2
1
d
=
k
1
Q . 4
2
Q
2
2
d
d
2
2
= 4d
2
1
d
2
= 2d1
A distância deve ser duplicada.
01. (F) para a esquerda
02. (F) o campo resultante será para a direita independen-
temente dos módulos de Q
2
e Q
3
.
04. (F)
08. (V)
16. (V) forma um par de ação e reação.
Soma: 24
Como |Q
1
| = |Q
2
| teremos
|

1
F | = |

2
F | ⇒ |

R
F | = |

1
F | 2 :
F
1
=
1 2
2
kQQ
d
⇒ F
1
=
9 –6 –6
–1 2
9 . 10 . 2 . 10 . 3 . 10
(3 . 10 )
F
1
= 6 . 10
–1
= 0,6 N ∴ F
R
= 0,6 2 N
Q
1
= 2µC
Q
2
= –2µC
F
R
Q
3
= +3µC
F
2
F
1
30 cm
Módulo Especial de Exercícios – Resoluções Módulo Especial de Exercícios – Resoluções
28 2006
Química I
E EE EE
Para que água e sal de cozinha formem um sistema homogêneo,
é preciso considerar a quantidade de sal em relação à
quantidade de água e também a temperatura da água.
Considerando temperatura ambiente e pouco sal, o sistema é
homogêneo. A água e o etanol ou metanol (ambos álcoois)
são miscíveis em qualquer proporção e sempre formam sistema
homogêneo (porém álcoois como o butanol ou pentanol são
praticamente insolúveis na água e formariam um sistema
heterogêneo). A mistura de dois ou mais gases é homogênea
em qualquer situação.
C CC CC
O primeiro processo é a extração das substâncias responsáveis
pela cor do repolho roxo, feita com solvente a quente.
O segundo processo é uma decantação para separar totalmente
o líquido sobrenadante do resíduo sólido.
Na verdade não há uma única substância responsável pela
coloração do repolho roxo, mas sim uma mistura de substâncias
que atuam como pigmentos vegetais roxos e azuis pertencentes
à classe das antocianinas e das antocianidinas. Essas substâncias
têm a propriedade de atuar como indicador ácido-base, uma
vez que a cor da solução se modifica conforme a acidez ou
alcalinidade do meio.
A AA AA
O vácuo realizado dentro do kitassato obriga o ar atmosférico
a passar pelo filtro e a arrastar o líquido, tornando a filtração
mais rápida.
B BB BB
O ponto de ebulição do etanol é menor que o da água; em
função disso, as moléculas de etanol são destiladas mais
rapidamente que as de água, resultando um volume maior de
etanol no destilado. A destilação, no entanto, não consegue
separar totalmente o etanol da água. Para obter este álcool
anidro (etanol 100%), recorre-se a um processo químico:
adiciona-se cal virgem, CaO, à mistura de etanol e água. A cal
virgem reage com a água formando a cal extinta, Ca(OH)
2
, que
é insolúvel e pode ser separada do etanol por filtração.
CaO
(s)
+ H
2
O
(l)
→ Ca(OH)
2(s)
D DD DD
Conceito de orbital
B BB BB
Trata-se da equação de De Broglie λ =
h
mv
.
Conceito de orbital, associado aos princípios modernos atômicos.
B BB BB
Modelo de Bohr. Conceito de estado estacionário.
A) [Xe] 6s
2
4f
14
5d
4
B) 2 e

na u.c.
26
Fe: [Ar] ¸
2
u.c.
4s
¸
65
energético
3d
logo:
26
Fe
3+
: [Ar] 3d
5
. O subnível “d” quando está semipreenchido fica
mais estável. Logo, o íon Fe
3+
é o mais estável.
121
Ubu: 1s
2
2s
2
...... 8s
2
¸
1
energético
ou
diferenciador
5g
o
n 5 (5 nível)
=4 (subnível g)
= ⎧


/
Logo: E = n + / ⇒ E = 5 + 4 ⇒ E = 9 unidades de energia
A AA AA
Conceito de orbital: região do espaço em torno do núcleo
atômico, com maior probabilidade de se encontrar um elétron.
E EE EE
Definição do Princípio de Pauli
A AA AA
Definição do Princípio de Pauli
C CC CC
Os átomos podem ser ionizados. Este fato mostra a grande
mobilidade dos elétrons em torno do núcleo.
B BB BB
Dalton → átomo indivisível
Demócrito → utilizou a palavra átomo na Grécia antiga.
Thomson → descoberta dos elétrons
Rutheford → modelo planetário.
Bohr → introdução dos conceitos de níveis de energia.
E EE EE
Princípio de De Brogli (Dualidade partícula-onda)
Se a água (H
2
O) fosse formada por átomos de
¸
3
1
maior isótopo
de hidrogênio
H e
8
O
16
teríamos:
n(
1
H
3
) = 3 – 1 = 2
n(
8
O
16
) = 16 – 8 = 8
n(H
2
O) = 2 . 2 + 8 = 12 (número máximo de nêutrons)
Pelo fato do ouro ser o metal mais maleável conhecido, ou seja,
facilidade de se transformar em lâminas.
n = 1 (1 orbital s: 1
2
)
n = 2 (4 orbitais: 2
2
(1s + 3p))
n = 3 (9 orbitais (1s + 3p + 5d)
.
n = n (n
2
orbitais)
Logo: 1 orbital 2 elétrons
n
2
orbitais x elétrons
x = 2n
2
elétrons (equação de Rydberg)
A 50
o
C e 1 atm as substâncias se encontram principalmente na
fase: clorofórmio - líquida; éter etílico - gasosa; etanol - líquida;
fenol - líquida; pentano - gasosa.
1
2
3
4
5
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
6
18
16
19
20
21
22
78,4
–112
S
S –

– g
g
Tempo (S)
T(ºC)

– g
g
S
S –
Tempo (S)
T(ºC)
Módulo Especial de Exercícios – Resoluções Módulo Especial de Exercícios – Resoluções
2006 29
Química II
A AA AA
MA(Co) =
1 2
1 2
m . P + m . P
100
=
60 . 48+58 . 52
100
=
=
2880 +3016
100
= 58,96 u
D DD DD
MA(Li) =
1 2
1 2
m . P + m . P
100
=
6,02 . 7,4+7,02 . 92,6
100
=
=
44,5+650,1
100
=
694,6
100
= 6,946 u
B BB BB
MA(Eu) = 152 u MA(Bi) = 209 u
63
Eu = (63 prótons)
83
Bi (83 prótons)
209 átomos de Eu=209 . 152 u=31.768u
152 átomos de Bi =152 . 209 u=31.768 u



152 g de Eu (1 mol de átomos) ocupam um volume diferente de
209 g de Bi (1 mol de átomos), pois possuem densidades
diferentes.
B BB BB
( ) 1mL de uísque +1 mL de água 1kg
x mL da mistura 70 kg

⎯⎯→


⎯⎯⎯⎯⎯⎯⎯⎯⎯→ ⎪

x =
2 mL +70 kg
1 kg
= 140 mL da mistura a cada hora.
140 mL da mistura 1h
y mL da mistura 12h

⎯⎯→ ⎪

⎯⎯⎯→ ⎪

y = 140 x 12 = 1680 mL da mistura
y = 1,68 L da mistura
A AA AA
Composto X
B C D
4 átomos 2 átomos 7 átomos



0,2408 . 10
23
átomos
1,12 g
23
4 átomos
0,2408 . 10 átomos
=
7 átomos
x átomos
x = 0,4214 . 10
23
átomos de D
23
23
1,12 g de D 0,4214 . 10 átomos
y g de D 6,02 . 10 átomos

⎯⎯→ ⎪

⎯⎯⎯→ ⎪

y =
23
23
1,12 . 6,02 . 10
0,4214 . 10
= 16 g de D
Massa molar de D = 16 g/mol
Massa molecular de D = 16 u
1
2
3
4
5
A) Alotropia é a propriedade de um mesmo elemento químico
formar substâncias simples diferentes. Oxigênio, O
2(g)
, e
ozônio, O
3(g)
.
B) Com liberação de energia porque o O
2(g)
é mais estável que
o O
3(g)
.
C) Os chamados clorofluocarbonos, utilizados em embalagens
aerossol, gases refrigerantes de ar-condicionado e geladeira.
A destruição da camada de ozônio que protege a Terra dos
raios ultravioleta do Sol.
Os aparelhos graduados medem volumes variáveis de líquidos
sem grande precisão. Os aparelhos volumétricos foram
calibrados durante sua fabricação para medir uma quantidade
única de líquidos, com grande precisão.
23
24
Anotações
_____________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
D DD DD
Ca(H
2
PO
2
)
2
= 40 + 4 + 62 + 64 = 170 g/mol
2 2 2
2 2 2
170 g de Ca(H PO ) 64 g de O
x g de Ca(H PO ) 192 g de O

⎯⎯→ ⎪

⎯⎯⎯→ ⎪

6
Módulo Especial de Exercícios – Resoluções Módulo Especial de Exercícios – Resoluções
30 2006
D DD DD
Fórmula molecular C
9
H
13
O
3
N
108 + 13 + 48 + 14 = 183 g/mol
* 183 g de adrenalina → 9 mols de C
12
13
14
7
8
9
10
11
x =
170 x 192
64
= 510 g
2 2 2
2 2 2
1mol de Ca(H PO ) 170 g
y mol de Ca(H PO ) 510 g

⎯⎯→ ⎪

⎯⎯→ ⎪

y =
510
170
= 3 mols
B BB BB
Na
5
P
3
O
10
= 5 x 23 + 3 x 31 + 10 x 16 = 115 + 93 + 160 = 368 g/mol
368 g de Na
5
P
3
O
10
→ 160 g de O
23
5 3 10
25
5 3 10
368 g de Na P O 10 x 6,02. 10 átomos de O
x g de Na P O 3,01. 10 átomos de O

⎯⎯→


⎯⎯⎯→ ⎪

x =
25
23
368 x 3,01. 10
10 x 6,02. 10
= 1840 g de Na
5
P
3
O
10
x = 1,84 kg de Na
5
P
3
O
10
1 mol de Na
5
P
3
O
10
possui 18 mols de átomos
B BB BB
Dose ingerida (d
i
):
–2
1mol de vitamina C 176 g
2,1. 10 mol de vitamina C x

⎯⎯⎯⎯⎯⎯⎯→ ⎪

⎯⎯⎯→ ⎪

X = 3,696 g de
vitamina C
i
r
d
d
=
3,696 mg de vitamina C
62 mg de vitamina C
d
i
= 60 dr
(d
r
= dose recomendada)
A AA AA
NaHS = 23 + 1 + 32 = 56 g/mol
Na
56 g 100%
23 g x%

⎯⎯→ ⎪

⎯⎯→ ⎪

x =
23 x 100
56
= 41,07%
A AA AA
K
2
Mo
2
O
7
= 2MoO
3
+ K
2
O
78+192+112
¸¸¸_¸¸¸
= 2 x 144 + 94
382 g = 288 g + 94 g
MoO
3

382 g 100%
288 g x%

⎯⎯→ ⎪

⎯⎯→ ⎪

K
2
O
382 g 100%
94 g y%

⎯⎯→ ⎪

⎯⎯⎯→ ⎪

x = 75,39% y = 24,61%
7,98 g de Po
4
3–

3–
5 4 3 4
3–
5 4 3 4
500 g de Ca (PO ) OH 285 g de PO
x g de Ca (PO ) OH 7,98 g de PO

⎯⎯→


⎯⎯⎯→ ⎪

1 dente = 14 g
x =
500 x 7,98
285
= 14 g de Ca
5
(PO
4
)
3
OH
O boticário precisa, portanto, de 1 dente para obter a quantidade
de fosfato de que necessita.
23
183 g de adrenalina 9 . 6,02 . 10 átomos de C
10 g de adrenalina x átomos de C

⎯⎯→ ⎪

⎯⎯⎯→ ⎪

x =
23
10 . 9 . 6,02 . 10
183
= 2,96 . 10
23
átomos de C
* %H
183 g 100%
13 g x%

⎯⎯→ ⎪

⎯⎯⎯→ ⎪

x = 7,10%
*
N
O
=
14 g
48 g
=
7
24
* 1 mol de C
9
H
13
O
3
N → 26 mols de átomos
23
9 13 3
9 13 3
1mol de C H O N 26 x 6,02 . 10 átomos
10 mols de C H O N x

⎯⎯⎯→


⎯⎯→ ⎪

x = 260 x 6,02 x 10
23
= 1.565,2 . 10
23
átomos
x = 15,652 . 10
25
átomos
C CC CC
Fórmula molecular: C
9
H
13
O
3
N
Massa molar = 183 g (108 + 13 + 48 + 14)
% C
183 g 100%
108 g x%

⎯⎯→ ⎪

⎯⎯⎯→ ⎪

x = 59,02%
%H
183 g 100%
13 g y%

⎯⎯→ ⎪

⎯⎯⎯→ ⎪

y = 7,10%
%O
183 g 100%
48 g z%

⎯⎯→ ⎪

⎯⎯⎯→ ⎪

z = 26,23%
%N
183 g 100%
14 g w%

⎯⎯→ ⎪

⎯⎯⎯→ ⎪

w = 7,65%
* 1 mol de C
9
H
13
O
3
N → 9 mols de C
9 13 3
9 13 3
183 gde C H O N 9 mols de C
x g de C H O N 3 mols de C

⎯⎯→


⎯⎯→ ⎪

x =
183 x 3
9
= 61 g de C
9
H
13
O
3
N
*1 mol de C
9
H
13
O
3
N → 13 mols de H
23
9 13 3
23
9 13 3
6,02. 10 moléculas de C H O N 13 x 1g
9,03. 10 moléculas de C H O N x g

⎯⎯→


⎯⎯→ ⎪

x =
23
9,03 . 10
23
. 13
6,02 . 10
= 19,5 g de H
200 mg de vit. C
massa molar = 176 g/mol
A)
23
–3
176 g de vitamina C 6,02 . 10 moléculas
200 . 10 g de vitamina C x moléculas

⎯⎯⎯⎯⎯→ ⎪

⎯⎯→ ⎪

x =
–3 23
200 . 10 . 6,02 . 10
176
= 6,84 . 10
20
moléculas de vitamina C
Módulo Especial de Exercícios – Resoluções Módulo Especial de Exercícios – Resoluções
2006 31
15
17
16
C)
7 2
–22
1 mol de A F 7 mols de grãos de arroz
x 3,5 . 10 mol de grãos de arroz

⎯⎯→ ⎪

⎯⎯⎯⎯⎯⎯⎯→ ⎪

x = 5,0 . 10
–23
mol de A
7
F
2
Observação: Como em alguns compostos iônicos o cátion
pode ser maior do que o ânion, a fórmula do referido composto
também poderia ser F
2
A
7
.
A)
23
1 mol de grãos de arroz 6,02. 10 grãos de arroz
210 mols de grãos de arroz x

⎯⎯⎯⎯→ ⎪

⎯⎯→ ⎪

x = 1,3 . 10
26
grãos de arroz
26
1 grão de arroz 0,02 g
1,3 . 10 grãos de arroz x

⎯⎯⎯⎯⎯⎯→ ⎪

⎯⎯→ ⎪

x = 2,52 . 10
24
g de
grãos de arroz
∴ x = 2,52 . 10
18
t de grãos de arroz
B)
8
18
3 . 10 toneladas 1ano
2,52 . 10 toneladas x

⎯⎯⎯⎯→ ⎪

⎯⎯→ ⎪

x = 8,4 . 10
9
anos
(Ou seja, oito bilhões e quatrocentos milhões de anos)
B BB BB
Cálculo da quantidade em mols de enxofre:
1 mol de enxofre
⎯⎯⎯⎯→
produz
1 mol de H
2
SO
4
x -------------- 2,00 . 10
–3
mol
x = 2,00 . 10
–3
mol de enxofre
Cálculo da massa de enxofre:
1 mol -------------------------- 32 g
2,00 . 10
–3
mol --------------- y
y = 6,40 . 10
–2
g
Cálculo da porcentagem de enxofre
10,0 g ------------------- 100%
6,40 . 10
–2
g ------------ z
z = 0,640%
E EE EE
Lindano M = 290,85 g . mol
–1
Car bono Car bono Car bono Car bono Car bono


⎭ C
100 g 24, 78 gC
290, 85 g m
m
C
= 72,07 g ∴
n
c
=
72, 07 g
12 g/mol
≅ 6 mol C
Hi dr ogêni o Hi dr ogêni o Hi dr ogêni o Hi dr ogêni o Hi dr ogêni o


⎭ H
100 g 2, 08 gH
290, 85 g m
m
H
= 6,04 g ∴
n
H
=
6, 04 g
1g/mol
≅ 6 mol H
Cl or o Cl or o Cl or o Cl or o Cl or o


⎭ / C
100 g 73,14 gH
290, 85 g m
M
C/
= 212 g ∴
n
C/
=
212 g
35, 5 g/mol
≅ 6 molC/
Fórmula Molecular C
6
H
6
C/
6
18
19
20
B)
C H O
40,91% 4,58% 54,51%
40,91g
12 g/mol
4,58 g
1g/mol
54,51g
16 g/mol
3,4 mols 4,58 mols 3,4 mols
3,4 3,4 3,4
1mol 1,34 mol 1mol
x 3 x 3 x 3
3 mols 4 mols 3 mols
C
3
H
4
O
3
→ Fórmula mínima (36 + 4 + 48 = 88u)
n =
massa molecular
massa da f. mínima
=
176 u
88 u
= 2
F. molecular = (f. mínima) x n
F. molecular = (C
3
H
4
O
3
) x 2
F. molecular = C
6
H
8
O
6
C H
92,31% 7,69%
92,31g 7,69 g
12 g/mol 1g/mol
7,69 mols 7,69 mols
7,69 7,69
1mol 1mol
CH
N = 6
F. mínima: CH
F. molecular = (f. mínima) x n
F. molecular = (CH) x 6
F. molecular = C
6
H
6
Massa molecular = 72 + 6 = 78 u
A)
23
23
C H O
72 g 12 . 10 átomos
12 mols
12 g/mol 6 . 10
6 mols 12 mols 2 mols
2 mols 2 mols 2 mols
3 mols 6 mols 1mol
C
3
H
6
O → Fórmula mínima
Como 1 mol do composto possui 12 mols de H, precisamos
multiplicar a fórmula mínima por 2:
C
6
H
12
O
2
→ fórmula molecular
B) C
3
H
6
O
A) Como sabemos, os cátions são menores do que os seus
respectivos átomos, ao contrário dos ânions, que são maiores
que seus respectivos átomos. É bastante comum termos
compostos iônicos com cátions menores do que ânions. Portanto:
grão de arroz = cátion (A)
grão de feijão = ânion (B)
7A : 2F ∴ A
7
F
2
B)
7 grãos de arroz 2 grãos de feijão
x 60 grãos de feijão

⎯⎯→ ⎪

⎯⎯⎯⎯⎯⎯⎯⎯→ ⎪

x = 210 grãos de arroz
23
1 mol de grãos de arroz 6,02 . 10 grãos de arroz
x 210 grãos de arroz

⎯⎯→ ⎪

⎯⎯⎯⎯⎯⎯⎯⎯→ ⎪

x = 3,5 . 10
–22
mol de grãos de arroz.
Módulo Especial de Exercícios – Resoluções Módulo Especial de Exercícios – Resoluções
32 2006
D DD DD
• Supondo-se a formação do N
2
O
3
, citado nas alternativas A A A A A e E EE EE.





2 3
N O
28 g : 48 g
xg : 32 g
x =
28 x 32
48
=
56
3
= 18,7
Excesso de N
2
= 20 – 18,7 = 1,3 g
Conclusão: há excesso de 1,3 g de N
2
, logo as alternativas A AA AA
e E EE EE estão incorretas.
• Supondo-se a formação do NO citado nas alternativas B BB BB e C CC CC.





N O
14 g : 16 g
20 g: xg
x =
20 x 16
14
= 22,8
Excesso de O
2
= 32 – 22,8 = 9,2 g
Se o óxido formado fosse NO, haveria excesso de 9,2 g de O
2
.
Portanto, as alternativas B B B B B e C CC CC são incorretas.
• Supondo-se a formação do NO
2
citado na alternativa D DD DD.
N O
2
14g : 32 g
14 g de N
2
reagem com 32 g de O
2
, originando 46 g de NO
2
,
restando um excesso de (20 – 14) = 6 g de N
2
. Portanto, a
alternativa D DD DD é a correta.
A) 1
( g)
12g
C + 1
2(g)
32g
O → 1
2( g)
44g
CO
1
( s)
12g
C +
2
3
3(g)
32g
O → 1
2(g)
44g
CO
As massas de CO
2(g)
produzidas serão iguais em decorrência
da Lei de Proust, assim as proporções em massa entre o C
(s)
e
o CO
2(g)
serão constantes.
B) Não, pois como vimos no item anterior foi necessário um
mol de O
2(g)
para reagir com 12g de C
(s)
, enquanto foi
necessário
2
3
de mol de O
(3)
para reagir com 12g de C
(s)
.
1) Mudança de cor do cobre;
Redução do volume do ar;
2) Cu
(s)
+
1
2
O
2(g)
→ CuO
(s)
AVERMELHADO PRETO
1Cu
(s)
+
1
2
O
2(g)
→ CuO
(s)
1 mol 11,2L 1 mol
1 . 10
–3
mol . L
x =
3
1. 10 mol . 11, 2L
1mol

= 11,2 . 10
–3
L = 11,2 cm
3
de O
2(g)
V
AR
= 1000 cm
3
– 11,2 cm
3
= 89,8 cm
3
de AR
C CC CC
Considerando-se como padrão para a resolução da questão as
condições de P e T do gás X : P = 2 atm e T = 327 + 273 = 600k.
Temos:
y y
y
P .V
T
=
P . V
T

3 . 40
360
=
2 . V
600
⇒ V = 100L (y)
w w
w
P .V
T
=
P . V
T

4 . 16
480
=
2 . V
600
⇒ V = 40L (w)
X
(g)
+ Y
(g)
→ W
(g)
+ R
(/)
40L
40

100L
40

40L
40
1
x2
2:

1,25
x2
5:

1
x2
2
21
22
23
24
Anotações
_____________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________________________
Módulo Especial de Exercícios – Resoluções Módulo Especial de Exercícios – Resoluções
2006 33
Química III
B
e d s o p i T
s e õ s r e p s i d
s e õ ç u l o S s e õ ç u l o S s e õ ç u l o S s e õ ç u l o S s e õ ç u l o S
s a r i e d a d r e v s a r i e d a d r e v s a r i e d a d r e v s a r i e d a d r e v s a r i e d a d r e v
s e õ s r e p s i D s e õ s r e p s i D s e õ s r e p s i D s e õ s r e p s i D s e õ s r e p s i D
s i a d i o l o c s i a d i o l o c s i a d i o l o c s i a d i o l o c s i a d i o l o c
s e õ s n e p s u S s e õ s n e p s u S s e õ s n e p s u S s e õ s n e p s u S s e õ s n e p s u S
à o t n a u Q
o ã ç a t n e m i d e s
s a l u c í t r a p s a d
s a s r e p s i d
o ã n
m a t n e m i d e s
s a n o m s e m (
) s a g u f í r t n e c a r t l u
m a t n e m i d e s
a m o c (
e d o ã ç a z i l i t u
) s a g u f í r t n e c a r t l u
m a t n e m i d e s
- n e m a e n a t n o p s e (
e t e d s é v a r t a u o
s a g u f í r t n e c
) s n u m o c
à o t n a u Q
r o p o ã ç a r a p e s
o ã ç a r t l i f
e s o ã n
m e ( m a r a p e s
o p i t m u h n e n
) o r t l i f e d
e s - m a r a p e s
a m o c (
e d o ã ç a z i l i t u
) s o r t l i f a r t l u
e s - m a r a p e s
a m o c (
e d o ã ç a z i l i t u
) s n u m o c s o r t l i f
B BB BB
Cs(NaC/) = 37 g de NaC// 100g H
2
O (50
o
C)
Cs(NaC/) = 39,8 g de NaC// 100g H
2
O (100
o
C)
Solução I: 39 g de NaC/ dissolvidos em 100 g de H
2
O a 100
o
C
= solução insaturada
Solução II: 39 g de NaC/ dissolvidos em 100 g de H
2
O a 50
o
C
= solução supersaturada.
Solução III:
37 g de NaC dissolvidos
2 g de NaC precipitado
⎧ ⎫
⎨ ⎬
⎩ ⎭
/
/
solução saturada (com
precipitado)
A) O nitrato de potássio, KNO
3
, o nitrato de sódio, NaNO
3
, o
cloreto de amônio, NH
4
C/, e o cloreto de sódio, NaC/.
B) O sulfato de cério, Ce
2
(SO
4
)
3
.
C) No intervalo de 0
o
C a 10
o
C: maior massa NaNO
3
; menor
massa KNO
3
. No intervalo de 50
o
C a 60
o
C: maior massa
KNO
3
: menor massa NaC/.
C CC CC
HC/ + H
2
O → H
3
O
+
+ C/

(ionização)
1
2
3
4
NaC/ 2
H O
⎯⎯⎯→
Na
+
+ C/

(dissociação iônica)
Ionização é a formação de íons (que antes não existiam) que
ocorre quando um composto covalente reage com a água. (A
água atua como um reagente). Dissociação iônica é a separação
de íons (que já existiam), que ocorre quando um composto
iônico é dissolvido em água. (a água atua como solvente).
30
o
C: 220 g de sacarose → 100 g de H
2
O
220 g de sacarose 320 g de solução
x g de sacarose 160 g de solução

⎯⎯→ ⎪

⎯⎯⎯→ ⎪

x = 110 de sacarose
y = 50 g de água
0
o
C
2
2
180 g de sacarose 100 g de H O
y g de sacarose 50 g de H O

⎯⎯→ ⎪

⎯⎯⎯→ ⎪

y = 90 g de sacarose
continuam dissolvidos
* Precipitam: 110 g – 90 g =
= 20 g de sacarose
A) Amostra 1 a 90
o
C:
5 g de ácido benzóico em 100 g de água.
25 g de ácido benzóico em x
5
25
=
100
x
⇒ x =
25. 100
5
⇒ x = 500 g de H
2
O
(/)
Amostra 2 a 60
o
C:
2,5 g de ácido benzóico em 100 g de água
25 g de ácido benzóico em y
5
7
6
2,5
25
=
100
y
⇒ y =
25 . 100
2,5
⇒ y = 1000 g de H
2
O
(/)
B) Amostra 1 a 20
o
C:
0,5 g de ácido benzóico em 100 g de água
z em 500 g de água
0,5
z
=
100
500
⇒ z =
500 . 0,5
100
⇒ z = 2,5 g de ácido
m
amostra 1
= 25 g
(iniciais)
– 2,5 g
(dissolvidas)
⇒ m
amostra 1
= 22,5 g de
cristais
Amostra 2 a 30
o
C:
0,8 g de ácido benzóico em 100 g de água
w em 1000 g de água
0,8
w
=
100
1000
⇒ w =
1000 . 0,8
100
w = 8 g de ácido benzóico
m
amostra 2
= 25 g
(iniciais)
– 8 g
(dissolvidas)
⇒ m
amostra 2
= 17 g de
cristais
A amostra 1 forneceu maior quantidade de cristais. (Os valores
obtidos são aproximados devido à imprecisão do gráfico).
A) No ponto A
Região de solução supersaturada (instável), contendo excesso
do soluto, cujo coeficiente de solubilidade na temperatura
de 30
o
C é 10 g/ 100 g de H
2
O.
No ponto B
Solução saturada, contendo 30 g do sal por 100 g de H
2
O a
40
o
C (coeficiente de solubilidade nesta temperatura).
No ponto C
Solução insaturada contendo 40 g do sal por 100 g de água
a 50
o
C, podendo dissolver um pouco mais de soluto.
B) Resfriando a temperatura de 40 a 30
o
C:
40
o
C ............ 30 g/ 100 g de H
2
O
30
o
C ............ 10 g/ 100 g de H
2
O
logo precipitará 30 – 10 = 20 g de sal
C) Evaporando 20 g do solvente água
40
o
C
2
2
30 g do sal 100 g de H O
x 80 g de H O
⎧ ⎫
⎨ ⎬
⎩ ⎭
x = 24 g continuam dissolvidos
Precipitam: 40 g – 24 g = 16 g do sal
B BB BB
• A solubilidade dos gases nos líquidos é maior em altas pressões
e baixas temperaturas.
• O estado gasoso é caracterizado pelo fato de que as moléculas
estão isoladas uma das outras por possuírem fracas interações
intermoleculares.
• A dissolução de um sólido num líquido pode ser endotérmica
ou exotérmica.
• O aumento da pressão aumenta a solubilidade do gás no líquido,
pois desloca o equilíbrio químico para a direita, favorecendo a
dissolução do gás no líquido (Princípio de Le Chatelier). O único
item falso é o B.
D DD DD
2(g) 2 ( ) 2 3(aq)
2(g) 2 ( ) 2 3(aq)
CO +H O H CO
SO +H O H SO





/
/
÷÷÷÷
÷÷÷÷
÷÷÷÷
÷÷÷÷
2
2
CO =apolar: dipolo induzido (mais fraca)
SO =polar: dipolo permanente (mais forte)



A molécula do O
2(g)
é apolar e não reage com a água sendo
por isso a sua solubilidade na água muito pequena.
Solvente(polar) – soluto(polar): interações fortes.
Solvente(polar) – soluto(apolar): interações fracas.
8
9
Módulo Especial de Exercícios – Resoluções Módulo Especial de Exercícios – Resoluções
34 2006
13
14
15
17
18
16
10
11
12
A AA AA
V = 1 L
m
1
= 37,25 g de NaOC//L
Mol1(NaOC/) = 74,5 g/mol
37,25 g de NaOC 1000 mL
x g de NaOC 10 mL

⎯⎯→ ⎪

⎯⎯⎯⎯→ ⎪

/
/
x = 0,3725 g de NaOC/
M =
1
m
mol 1. V(L)
=
0,3725 g
74,5 g/mol x 1L
= 0,005 mol/L
D DD DD
2
6
2
500 L de H O 1Habitante
x L de H O 2. 10 de habitantes

⎯⎯→ ⎪

⎯⎯⎯→ ⎪

x = 1 . 10
9
L de H
2
O diariamente
x = 1 . 10
9
x 365 = 3,65 . 10
11
L de H
2
O em um ano.
1 g de F → 10
6
g de água
ou
6
11 3
1g de F 10 de água
z g de F 3,65 . 10 . 10 mL de água

⎯⎯⎯→ ⎪

⎯⎯⎯→ ⎪

Z =
14
6
3,65 . 10
10
= 3,65 . 10
8
g de F
8
100 g de NaF 36,5 g de F
T g de NaF 3,65 . 10 g de F

⎯⎯→ ⎪

⎯⎯⎯→ ⎪

T = 1 . 10
9
g de NaF = 10
6
kg de NaF
m
1
= ? C
2
H
6
O m
2
= ? H
2
O m = 750 g
x
1
= 0,25 x
2
= 0,75
x
1
=
1
1 2
n
n +n
⇒ 0,25 =
1
1
1 2
1 2
m
Mol
m m
+
Mol Mol
⇒ 0,25 =
1
1 2
m
46
m m
+
46 18

0,25 =
1
1 2
m
46
18 m +46 m
(46 . 18)
⇒ 0,25 =
1
m
46
1
.
46
1
1 2
. 18
18 m +46 m

0,25 =
1
1 2
m . 18
18 m +46 m
⇒ 18 m
1
= 4,5 m
1
+ 11,5 m
2
13,5 m
1
= 11,5 m
2
⇒ m
1
=
2
11,5 m
13,5
m
1
= 0,85 m
2
⇒ m
1
= 750 – 405 ⇒ m
1
= 345 g C
2
H
6
O
m = m
1
+ m
2
750 = 0,85 m
2
+ m
2
⇒ 750 = 1,85 m
2
⇒ m
2
=
750
1,85

m
2
= 405 g
D DD DD
A diferença de concentração entre a dose de intoxicação e a
fatal é de 0,004 g/(mL de sangue), e a massa de álcool em 6,0
litros de sangue corresponde a 4 x 10
–3
g/mL x 6,0 x 10
3
mL = 24
g de C
2
H
5
OH. Tendo C
2
H
5
OH densidade de 0,80 g/mL.
0,80 g/mL =
2 5
2 5
24 g de C H OH
volume de C H OH
Volume de C
2
H
5
OH = 30 mL
Sendo a concentração do álcool no uísque de 40% por volume,
podemos calcular o volume que corresponde à diferença entre
intoxicação e dose fatal.
30 mL → 40%
x mL → 100%
x = 75 mL de uísque.
A) I ZnO
(s)
+ 2 HC/
(aq)
→ 1 ZnC/
2(aq)
+ H
2
O
(/)
B) M =
1
1
m
mol V (L) .
⇒ V =
1
1
m
M. mol
V =
0,016
0,10 . 81,39
⇒ V = 2 . 10
–3
L
A) C =
1
m
V(L)
⇒ C =
–3
–3
0,9 . 10 g
0,5 . 10 L
⇒ C = 1,8 g/L
1800 mg de glicose em 1000 mL e soro
x em 100 mL de soro
x =
100 . 1800
1000
⇒ x = 180 mg de glicose
O indivíduo é diabético.
B) M =
1
C
mol
⇒ M =
1,8
180
⇒ M = 0,01 mol/L
A) Cálculo da fração em quantidade de matéria:
Massa molar da glicose: 180 g/mol.
X
1
=
1
1
1 2
1 2
m
mol
m m
+
mol mol
⇒ X
1
=
1,50
180
1,50 64,0
+
180 18
X
1
= 0,0023
X
1
+ X
2
= 1 ⇒ X
2
= 1 – X
1
⇒ X
2
= 0,9977
B) Cálculo da molalidade:
W =
1
1 2
m
mol m (kg)
⇒ W =
1,50
180 . 0,064
W = 0,13 mol de glicose/kg de água
M = 6,5 M
H
3
CCH
2
OH
H
2
O
d = 0,95 g/cm
3
W = ?
X
1
= ?
M . mol
1
= 1000d . t
6,5 . 46 = 1000 x 0,95 x T
T = 0,315
T% = 31,5%
Para 100 g de solução:
1
2
31,5
m =31,5 g =0,7 mol
46
68,5
m =68,5 g =3,8 mol
18









X
1
=
1
1 2
n
n +n
=
0,7
4,5
= 0,15
X
2
= 0,85 pois X
1
+ X
2
= 1
W =
1
1 2
1000 . m
mol . m
=
1000 . 31,5
46 . 68,5
= 9,99 molal
A AA AA
HNO
3
Mol
1
= 63 g/mol
T = 0,6
Módulo Especial de Exercícios – Resoluções Módulo Especial de Exercícios – Resoluções
2006 35
21
22
23
24
d = ?
w = ?
M = 5 mol/L
M . mol
1
= 1000d . T
5 x 63 = 1000 x d x 0,6
d =
315
600
= 0,525 g/mL
Considerando-se m = 100 g (T% = 60%)
1
2
m =60 g
m =40 g



W =
1
1 2
1000 . m
mol . m
=
1000 . 60
63 . 40
= 23,81 mol/ kg
C CC CC
• Cálculo da concentração do suco M
C =
m
V
=
mg
L
20
0, 05
= 400 mg/L
• Diluição do suco M
C
1
V
1
= C
2
V
2
400 mg/L . V
1
= C
2
. 4 . V
1
C
2
=
400
4
= 100 mg/L
• Cálculo da massa de vitamina C em 200 mL
1000 mL --------------- 100 mg
200 mL ---------------- x
x = 20 mg
• Cálculo da concentração do suco T
C =
m
V
=
75 mg
1L
= 75 mg/L
• Cálculo da massa de vitamina C em 200 mL
1000 mL ------------------ 75 mg
200 mL ------------------ y
y = 15 mg
A) No rótulo, temos 390 g de H
2
SO
4
em 1,0 L de solução.
Massa molar H
2
SO
4
= 98 g mol
–1
.
2 4
H SO
n =
–1
390 g
98 gmol
= 3,98 mol de H
2
SO
4
Como o volume é de 1,0 L [H
2
SO
4
] = 3,98 mol L
–1
, na
titulação:
V
solução do ácido
= 4,0 mL = 4,0 . 10
–3
L
NaOH
V = 40,0 mL = 40,0 . 10
–3
L
M = 0,8 mol L–1
n
NaOH
= 0,8 mol L
–1
. 40,0 . 10
–3
L = 32,0 . 10
–3
mol NaOH
NaOH → Na
+
+ OH

32,0 . 10
–3
mol ———–— 32,0 . 10
–3
mol
B BB BB
Cálculo da concentração de CaF
2
em uma solução aquosa
saturada (admitindo-se 1,0 L de solução):
massa da sol ução massa da sol ução massa da sol ução massa da sol ução massa da sol ução
Se d= 1g . cm
–3
, o volume de 1000 cm
3
terá massa igual a 1000g.
massa de CaF massa de CaF massa de CaF massa de CaF massa de CaF
2 22 22
1000g solução -------- 100%
m(sal) -------- 0,0016%
m(sal) = 0,016g CaF
2
19
20
massa de íons fluoreto (F massa de íons fluoreto (F massa de íons fluoreto (F massa de íons fluoreto (F massa de íons fluoreto (F
– –– ––
) em 1,0 L de solução saturada ) em 1,0 L de solução saturada ) em 1,0 L de solução saturada ) em 1,0 L de solução saturada ) em 1,0 L de solução saturada
massa molar CaF
2
--------- 78 g/mol --------- 2(19g/mol)F

0,016g ------------ x
x = 0,0078g de F

= 0,0078 . 10
3
mg = 7,8 mg
Ou seja, tem-se 7,8 mg/L de íons F

. Essa concentração é cerca
de 8 vezes maior que o valor de VMP.
D DD DD
Cálculo da massa de água fluoretada em 2L, admitindo
densidade igual a 1 g/mL.
1g de H
2
O ------------- 1 mL
x ------------- 2000 mL
x = 2000 g de H
2
O
Cálculo da massa de flúor nesses 2 litros dessa água
0,9 g de flúor ------------------- 10
6
g de água
y -------------------------------- 2000 g de água
y =
6
0, 9 . 2000
10
g = 1,8 . 10
–3
g de flúor = 1,8 mg de flúor
B BB BB
A interação entre álcool e água é mais intensa, portanto ocorre
passagem do álcool presente na gasolina para a solução aquosa
de NaC/.
Vinicial de gasolina = 50 mL (gasolina + álcool)
Vfinal de gasolina = 37 mL gasolina
Quantidade de álcool na gasolina inicial = 13 mL
50 mL -------- 100%
13 mL ------- x
x = 26% teor de álcool
18 18 18 18 18
• Cálculo da massa de solução em 1 litro:
1 mL → 1,86 g
1L → 1000 mL → x x = 1860 g de solução
• Cálculo da massa de soluto em 1 litro de solução:
100 g solução → 95 g soluto
1860 g solução → y y = 1767 g/L de H
2
SO
4
• Cálculo da molaridade (mols por litro) da solução:
H
2
SO
4






1mol 98 g
z 1767 g/L Z =18, 03 mol/litro
Anotações
_____________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________________________
Módulo Especial de Exercícios – Resoluções Módulo Especial de Exercícios – Resoluções
36 2006
C CC CC
OH CH
2
OCH
3
CH H
2
C
1 2 3
4
9 8
5 6
7
10
Os carbonos secundários são: 2, 3, 5, 6, 7, 8 e 9, portanto, no
total são 7.
B BB BB
O único composto saturado que apresenta apenas carbonos
secundários é o II.
E EE EE
1. Aldeído →
2. Álcool →
3. Ácido carboxílico →
4. éter →
5. cetona →
C CC CC Ácido carboxílico
Não possui grupo éter.
CH
3
CH
3
CH
2
CH
OH
CH
3
CH
2
C
H
O
O
CH
3
CH
2
C
O
OH
O
O C CH
3
O
COOH
Éster
A AA AA
CH
3
– O – CH
3
→ Éter CH
3
CHO → Aldeído
CH
3
CH
2
COCH
3
→ Cetona CH
3
COOCH
3
→ Éster
C CC CC
CH
2
CH
3
CH
2
CH
3
OCH
2
CH
3
HO
N
O
Amida
Fenol
Éter
C CC CC
CH
3
HO
N
H
C
O
Fenol
Amida
NH
2
HO CH
2
O
OH
CH C
Fenol
Amina
Ácido
carboxílico
E EE EE
B BB BB
CH
2
CH
2
CH
2
CH
2
CH
2
CH
3
CH C
CH
3
CH
2
CH
2
CH
3
CH
3
H
3
C
1 2 3
4
5 6 7 8 9 10
4,5–dimetil–4–etil–decano
A) B)
CH
2
CH
2
CH
2
CH
3
H
3
C
Pentano
CH
3
CH CH CH
3
H
3
C CH
3
CH
2
3 2 1
4
5
2,3–dimetil–pentano
C) D) CH
3
CH CH CH
3
CH
2
CH
2
CH
3
CH
3
1
2
4
5
6
3,4–dimetil–hexano
3
CH
3
CH
3
CH
3
CH
CH
2
C CH
2
CH
3
CH
3
1
2
3
4 5
6
2, 3, 3–trimetil–hexano
E EE EE
Uma série isóloga é uma seqüência de compostos que diferem
de H
2
.
C
4
H
10
, C
4
H
8
, C
4
H
6
, C
4
H
4
.
C CC CC
Horizontais: são homólogas
Verticais: são isólogas.
A AA AA
Na série homóloga o pentano tem como antecedente o C
4
H
10
e
na série isóloga o pentano tem como antecedente C
5
H
10
.
Mirceno C
10
H
16
O índice de deficiência de hidrogênio determina-se pela diferença
dos hi drogêni os do composto em questão e o al cano
correspondente. Desta forma, o alcano tem fórmula C
10
H
22
.
Portanto, a diferença é de 6H. Este 6H é dividido por 2(dois)
para encontrar o IDH.
IDH = 3
Este composto possui a fórmula
molecular igual a C
13
H
24
O.
Neste caso, o al cano
correspondente é C
13
H
28
. Como o
composto possui 1 ciclo e 1 ligação
π, subtrai-se 4H da fórmula do
alcano, ficando C
13
H
24
O.
CH
2
+ C CH
3
CH
3
CH
3
H
3
C
CH
2
C CH
3
CH
3
CH
3
H
3
C
2,2–dimetil–butano
1 2 3 4
OH
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12 13
2
3
4
5
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
6
16
Química IV
A)
C C
C
C
C C C
C C C
C
C
1
9
2 3 4 5 6 7
8
10 11 12
5 6
C C C C
C C
2 1
3
4
1
Carbono primário: 1, 9, 10, 11, 12, 8, 7
Carbono secundário: 3
Carbono terciário: 2, 4, 5
Carbono quaternário: 6
B)
Carbono primário: 6
Carbono secundário: 2, 3, 4, 5
Carbono terciário: 1
A AA AA
Módulo Especial de Exercícios – Resoluções Módulo Especial de Exercícios – Resoluções
2006 37
18 Química V
A AA AA
A precipitação da chuva é um fenômeno físico pois ocorre a
passagem da água da fase de vapor para a fase líquida.
Os outros itens contêm fenômenos químicos, pois neles ocorrem
reações químicas.
1
E EE EE
96 g(C)/ 12 = 8 C
8 g(H)/ 1 = 8 H
48(O)/ 3 = 3
F.M. = C
8
H
8
O
3
F.Mín = C
8
H
8
O
3
D DD DD
O composto IV é um álcool porque apresenta hidroxila ligado a
carbono saturado.
A AA AA
Solução aquosa de
açúcar + MgCO
3(s)
MgCO
3(s)
Filtração
Solução aquosa
de açúcar
H
2
O()
Destilação
simples
Açúcar
D DD DD
A explosão de uma panela de pressão constitui um fenômeno
físico, pois a expansão do ar no interior da panela ocorre devido
ao aumento da temperatura.
Os outros itens contêm fenômenos químicos, pois neles ocorrem
reações químicas.
B BB BB
As alterações que um medicamento pode sofrer, de acordo com
o texto, são:
I. Evaporação: fenômeno físico.
II. Decomposição: fenômeno químico.
III. Formação de compostos: fenômeno químico.
D DD DD
Em III o termo oxigênio significa átomo de oxigênio (elemento
químico), pois os alótropos do átomo de oxigênio são o O
2(g)
e
o O
3(g)
. Em IV o termo oxigênio significa molécula de oxigênio
(O
2(g)
), pois para formar água ocorre a seguinte reação:
H
2(g)
+
1
2
O
2(g)
→ H
2
O
(/)
B BB BB
I. N
2(g)
e O
2(g)




sistema homogêneo
substância simples
II. C
2
H
6
O
(/)
e H
2
O
(/)



sistema homogêneo
substância composta
III. Hg
(/)
e H
2
O
(/)








/
/
( )
2 ( )
sistema heterogêneo
Substância simples (Hg )
substância composta (H O )
C CC CC
Uma mistura eutética apresenta ponto de fusão (P.F), mas
apresenta uma variação de temperatura durante a vaporização.
Isto está corretamente representado no gráfico do item C (a =
substância pura; b = mistura comum; d = mistura azeotrópica).
E EE EE
2
3
4
5
7
6
A AA AA
Uma solução aquosa de cloreto de sódio ao ser submetida a
uma destilação simples, ocorre a evaporação da água, seguida
de sua condensação e posterior acúmulo no erlenmeyer. O NaC/
(s)
fica no balcão de destilação.
O item A é correto.
A AA AA
Cetanolanídeo
etanol + água
Sistema
homogêneo
Etanol +
Ca(OH)
2(s)
Sistema
heterogêneo
Filtração
CaO
(s)
Etanol
Ca(OH)
2(s)
8
9
1
2
3
4
5
6
CH
3
OH
C
C CC CC
Os éteres são menos densos que a água, mas apresentam uma
discreta solubilidade em água.
B BB BB
H
3
C CH CH CH
2
CH
3
CH
3
1 3 4 5 2
C
2-cloro-4metil-pentano 2-cloro-4metil-pentano 2-cloro-4metil-pentano 2-cloro-4metil-pentano 2-cloro-4metil-pentano
B BB BB
H
3
C C CH
3
O
O
H
3
C CH
2
H
3
C CH
2
CH
2
C
H
OH
H
3
C CH
CH CH
3
CH
2
CH
2
CH
3
CH
3
HC HC H
2
C C
O
H
1 2 3 4 5
6
7 8
Anotações
_____________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
19
20
21
22
23
24
Cloro-3-metil-fenol
Estudante 1: Estudante 1: Estudante 1: Estudante 1: Estudante 1: C
3
H
6
O
Estudante 2: Estudante 2: Estudante 2: Estudante 2: Estudante 2: C
3
H
6
O
Estudante 3: Estudante 3: Estudante 3: Estudante 3: Estudante 3: C
3
H
6
O
A AA AA
3-fenil-5-isopropil-6-metil-octanal
Módulo Especial de Exercícios – Resoluções Módulo Especial de Exercícios – Resoluções
38 2006
De acordo com o gráfico:
energia radiogênica na época inicial = 9,5
energia radiogênica após 4,55 bilhões de anos (hoje) = 1,9
9,5
1, 9
= 5,0. Assim, a produção de energia radiogênica era 5
vezes maior.
B) O elemento urânio, na forma do isótopo
235
U, e o elemento
potássio, na forma do isótopo
40
K.
C) O elemento urânio, na forma do isótopo
238
U, e o thório, na
forma de isótopo
232
Th.
A) A equação da reação nuclear em questão é:
131
53
I →
131
54
Xe +
0
–1
β +
0
0
γ
131
53
I: p
+
= 53; n
0
= 78.
131
54
Xe: p
+
= 54; n
0
= 77.
B) A espécie que possui menor meia-vida emite, por mol de
átomos, maior quantidade de radiação em um determinado
intervalo de tempo. Portanto, a quantidade de
123
53
I necessária
para se realizar o teste (obter a mesma leitura) será menor.
D DD DD
Os cabonatos são os sais que, em contato com ácidos do
estômago (HC/ é o principal), liberam CO
2(g)
.
CO
2–
3
+ 2 H
+
(aq)
→ CO
2(g)
+ H
2
O
(/)
cabonat o est ômago cabonat o est ômago cabonat o est ômago cabonat o est ômago cabonat o est ômago
O metal Me pode ser identificado pelo balanceamento da
equação da reação nuclear de fissão do urânio-235:
1
0
n +
235
92
U →
142
56
Me +
91
36
Kr + 3
1
0
n
Então, o metal Me de número atômico 56 é o Bário (Ba).
Portanto, concluímos que o sal presente é o carbonato de bário
(BaCO
3
).
E EE EE
I. (F): Isótopos



número atômico (Z) : iguais
número de massa (A) : diferentes
II. (V): ns
2
np
5
: família 17 (7A): holagênios
III. (V(: água e NaC/, por exemplo, podem ter os seus constituintes
separados por destilação simples.
IV. (V): geometria linear
V. (V):
238
92
U →
234
90
Th +
+
4
2
α
F, V, V, V, F
(F)
99
42
Mo →
99
43
Tc +
0
–1
β
n = 57 n = 56
(V)
0
–1
β =
0
–1
e
(V)
9
F = 1s
2
2s
2
sp
5
(Família: 17(7A)): Halogênio
(V)
18
9
F →
18
8
X +
+
0
1
e
(F) A meia-vida do
18
9
F é de aproximadamente 2 horas, assim a
massa da amostra e consequentemente a intensidade da
radiação reduz-se à metade em aproximadamente 2 horas.
C CC CC
partículas alfa (
2
α
4
) ⇒ 2 prótons e 2 nêutrons = núcleo de Hélio
partículas β (
–1
β
0
) ⇒ elétron
radiação γ (
0
γ
0
) ⇒ ondas eletromagnéticas = fótons
15
17
18
16
H H C C
SP SP
A
()
+ B
()
C
()
C
()
A
()
B
()
Decantação
Destilação
Fracionada
A
()
+ B
()
V, F, V, F
1. (V): I = polar
II = polar
III = apolar
IV = polar
2. (F): A temperatura influencia na solubilidade.
3. (V): II + água = mistura homogênea: (destilação simples)
III + água = mistura heterogênea (S + /): (filtração)
4. (F): somente pelo fato de serem solúveis em água, não
necessariamente se tratam da mesma substância.
E EE EE
A AA AA
A) (V); d = 2,1 g/cm
3




flutuam: ossos e carvão
afundam: areia, solo e pedras
B) (F): ossos, areia, solo e pedras afundarão.
C) (F): d = 1,0 g/cm
3
: carvão flutua na água.
D) (F): d = 2,5 g/cm
3




flutuam: carvão, ossos e areia
afundam: solo e pedras
E) (F) d = 2,2 g/cm
3
: pedra e solo afundarão.
A) Caso a pol ui ção esti vesse sendo provocada pel a
decomposição de animais ou plantas mortos recentemente,
a relação
14
C/
12
C seria praticamente igual à de um ser vivo.
Como matéria-prima a indústria petroquímica utiliza material
fóssil, originado de organismos vivos que morreram há
milhares de anos. Por isso, a poluição produzida pela indústria
petroquímica apresentará uma relação
14
C/
12
C menor que a
de um ser vivo.
B) a decomposição da matéria orgânica que contamina o riacho
consome o gás oxigênio dissolvido na água, fazendo com
que os peixes morram por hipóxia (falta de oxigênio).
O material orgânico também bloqueia a passagem de luz,
impedindo que seja realizado o processo de fotossíntese pelos
vegetais do riacho. Dessa forma, há uma menor produção
de gás oxigênio e, conseqüentemente, uma menor oferta de
O
2
aos peixes.
A) 10
9
8
7
6
5
5
4
4
3
3
Tempo / (bilhões de anos)
2
Total
40
K
238
U
232
Th
235
U
E
n
e
r
g
i
a

/

(
u
n
i
d
a
d
e
s

a
r
b
i
t
r
á
r
i
a
s
)
2
1
1
0
10
11
12
13
14
19
Módulo Especial de Exercícios – Resoluções Módulo Especial de Exercícios – Resoluções
2006 39
20
C
6
H
6
O – F. mínima
B
No hidrocarboneto em questão a proporção entre os átomos de
C e H é de 1 : 2.
O item B é correto.
21
22
23
A
Assim o item A é correto.
24
Anotações
_____________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
Módulo Especial de Exercícios – Resoluções Módulo Especial de Exercícios – Resoluções
40 2006
C CC CC
Como o gene para o sangue O é recessivo, os indivíduos ii
(sangue O), quando cruzados produzirão sempre indivíduos O,
por essa razão observou-se um crescimento na população de
indivíduos O.
AABbCCDDLl x AaBbCcddLL
AA x Aa → AA Aa AA Aa → P (Aa) =
1
2
Bb x Bb → BB Bb Bb bb → P (bb) =
1
4
CC x Cc → CC Cc CC Cc → P (CC) =
1
2
DD x dd → Dd Dd Dd Dd → P (Dd) = 1
Ll x LL → LL Ll LL Ll → P (Ll) =
1
2
Logo, a probabilidade final para o filho ser AabbCCDdLl é
1
2
x
1
4
x
1
2
x 1 x
1
2
=
1
32
, porém o problema impõe que
esta criança tem que ser do sexo masculino (
1
2
). Assim sendo,
a probabilidade do filho ter o genótipo exigido e do sexo
masculino é
1
32
x
1
2
=
1
64
.
AABbCCDDLl x AaBbCcddLL
AA x Aa → AA Aa AA Aa → um só fenótipo (1)
Bb x Bb → BB Bb Bb bb → dois fenótipos (2)
CC x Cc → CC Cc CC Cc → um só fenótipo (1)
DD x dd → Dd Dd Dd Dd → um só tipo de fenótipo (1)
Ll x LL → LL LL Ll Ll → um só tipo de fenótipo (1)
Total de classes fenotípicas = 1 x 2 x 1 x 1 x 1 = 2 tipos diferentes
de fenótipos.
Número de genótipos =
n (n +1)
2
= 15
n (n + 1) = 30 ∴ n
2
+ n = 30 → n
2
+ n – 30 = 0 ∴
8
9
10
11
12
13
XXLL PP cc dd

XL Pc d
xx ll pp CC DD

x ll p C D
x
Xx Ll Pp Cc Dd
Número de gametas diferentes
2
5
= 32 tipos de gametas
14
n
2
+ n – 30 = 0
n' = 5
n" = –6
Número de genótipos heterozigotos =
n (n 1)
2


5 (5 – 1)
2
= 10
A) P
1
– Lisos e amarelos x rugoso e preto
RRPP rrpp
ou
lisos e pretos x rugoso e amarelo
RRpp rrPP
B) 100% lisos e amarelos (RrPp)
C) Esperamos que 40 grãos sejam (rugosos e pretos) de um total
de 640
⎛ ⎞
⎜ ⎟
⎝ ⎠
640
16
= 40.
Biologia I
I. (F) O filho herda dos pais os genes, isto é, o genótipo, o
fenótipo é conseqüência da interação do genótipo com o
ambiente. Os pais podem ter os olhos escuros (fenótipo) e o
filho olhos claros.
C D
Aa

A
a
x Aa

A
a
AA Aa Aa aa
aa → 25%
AA → 25%
Aa → 50%
aa → 0%
AA → 50%
Aa → 50%
Aa

A
a
x AA

A
AA e Aa
A B
aa

a
x AA

A
a
100% Aa
AA → 0%
Aa → 100%
aa → 0%
aa → 50%
AA → 0%
Aa → 50%
aa

a
x Aa

A
a
Aa e aa
B BB BB
D DD DD
Quando o gene se manifesta mesmo em heterozigose é dito
dominante.
Quando a manifestação ocorre somente em homozigose é dito
recessivo.
Quando o heterozi goto desenvol ve uma caracterí sti ca
intermediária, fala-se em co-dominância.
Genótipos Fenótipos

AA
m
Aa cor preta
Aa









m m
a a
cor marrom
m
a a






aa → cor branca
C CC CC
O fenótipo é resultante da ação conjunta do genótipo com o
meio ambiente.
Porque os gametas são haplóides, isto é, são portadores de um
gene de cada par de alelos. O indivíduo para ser heterozigoto
tem que ter os dois genes pareados.
AA aa
Aa
Aa
AA
Aa
AA
1
2
1
2
1
2
Bisneto
portador do
gene (a)
Aa
50%
100%
50%
II. (V) Qualquer pedaço de DNA que contenha uma informação
genética, podemos chamá-lo de gene.
III. (F) O fenótipo revela característica visível, como a forma do
cabelo, como também característica invisível como o tipo
sangüíneo.
IV. (F) Alossomos são os cromossomos sexuais, cromossomos
que apresentam genes alelos são chamados de homólogos.
V. (V) Realmente genótipo é a bagagem gênica do indivíduo.
1
2
3
4
5
7
6
Módulo Especial de Exercícios – Resoluções Módulo Especial de Exercícios – Resoluções
2006 41
D)
15
17
18
16
F
1
x duplo recessivo

RrPp x rrpp

RP rp
Rp
rP
rp
Rr Pp (1 liso e amarelo)
Rr pp (1 liso e preto)
rr Pp (1 rugoso e amarelo)
rr pp (1 rugoso e preto)
A) Orlando x Leila
I
A
i I
B
i
B) Filhos de Orlando com Leila
¸
A B
1
4
I I

¸
A
1
4
I i

¸
B
1
4
I i

¸
1
4
ii
Que aglutina nos dois tipos de soro, sangue AB, logo a
probabilidade é
1
4
.
A) A eritroblastose fetal é uma incompatibilidade sangüínea
materno-fetal para o sistema Rh.
Ocorre quando a mãe é Rh

e o filho Rh
+
, geralmente em
uma segunda gestação de filho com Rh
+
ou em mães
sensibilizadas anteriormente por transfusão sangüínea (Rh
+
).
No momento do primeiro parto, ao haver o deslocamento da
placenta, hemácias do filho podem passar para o sangue da
mãe. Essas hemácias desencadeiam a síntese de anticorpos
anti-Rh que ficarão no plasma da mãe.
Em uma segunda gestação de filho Rh
+
, esses anticorpos
anti-Rh produzidos anteriormente pela mãe, passam para o
2
o
filho via placenta e promoverão a destruição das hemácias
desse segundo filho. Esse procedimento, isto é, a eritroblastose
fetal, causa no filho: anemia, icterícia, hepatoesplenomegalia
e outros problemas, podendo levar à morte.
B) Pode-se evitar a eritroblastose fetal aplicando anticorpos anti-
Rh na mãe Rh

que pariu um filho Rh
+
até 72 horas após o
nascimento.
Estes anticorpos irão destruir as hemácias Rh
+
que passaram
do 1
o
filho para a mãe na ocasião do parto. Essas hemácias
sendo destruídas, o sistema imunológico da mãe não
produzirá mais anticorpos anti-Rh, e o nascimento do
próximo filho não estará mais ameaçado.
C) É fazer a transfusão total do sangue do recém-nascido que
tem Rh
+
para Rh

.
A) A medula original de Eugênio foi destruída e substituída
integralmente pela medula de seu irmão. Assim, essa medula
transplantada produzirá hemácias do grupo B BB BB, e Eugênio
passará a ter sangue do tipo B BB BB, logo após o transplante.
B) As células germinativas de Eugênio não sofreram alterações
com o transplante de medula. Elas continuam a ter genes
para o grupo sangüíneo A AA AA. Como ele é filho de mãe O O O O O (ii),
certamente é heterozigoto I
A
i. Sua
esposa é do grupo O OO OO (ii). Assim, só
podem ter filhos do grupo O O O O O ou A AA AA,
com igual probabilidade. Não
podem ter filhos do grupo B BB BB ou AB.
Assim, a probabilidade de ter filho
A AA AA é 50% e de ter filho B BB BB é zero.
Observe o esquema ilustrativo ao
lado.
A) Sim. De acordo com a 2
a
lei de Mendel, quando cruzam-se
dois diíbridos em F
i
se obtem a proporção 9 : 3 : 3 : 1, veja
que a tabela nos mostra uma proporção.
B) Casal I – (Aa Ee x Aa Ee) – os pais são de fenótipos dominantes
e tiveram filhos totalmente recessivos.
Casal II – (aa Ee x aa Ee) –não se observou na prole filhos de
pêlos negros.
ii
50% grupo A 50% grupo O
I
A
i ii
I
A
i ii
P(normais) =
2
3
.
2
3
.
3
4
=
12
36
=
1
3
P(albino) =
2
3
.
2
3
.
1
4
=
4
36
=
1
9
P(2 normais e 1 albino) =
⎛ ⎞
⎜ ⎟
⎝ ⎠
2 1
3
NA
2
=
3!
2! 1!
⎛ ⎞
⎜ ⎟
⎝ ⎠
2
1
3
.
⎛ ⎞
⎜ ⎟
⎝ ⎠
1
1
9
=
3 . 2!
2! 1!
.
1
9
.
1
9
= 3 .
1
81
=
3
81
=
1
27
O criador deveria cruzar um macho, com uma fêmea; ambos
apresentando problemas nos chifres. Caso os descendentes
apresentassem a característica dos parentais, o criador poderia
confirmar que houve uma mutação genética. Se os descendentes
fossem normais, a característica seria adquirida.
Herança com 4 alelos múltiplos
N(6) =
4(4+1)
2
= 10 genótipos
Herança com 6 alelos múltiplos
N(6) =
6(6 +1)
2
= 21 genótipos
Número de genótipos em estudo simultâneo: 10 x 21 = 210
genótipos
Sendo sangue da mulher de Rh
+
, não haverá produção de
anticorpos anti-Rh, o que impedirá a sua sensibilização mesmo
sendo contaminada pelo sangue do filho.
A) Observe que um galo noz cruzado com uma galinha rosa
(primeira) não terá nenhum descendente ervilha é porque a
galinha é RR RR RR RR RRee ee ee ee ee. Veja também que esse mesmo galo cruzando
com a galinha ervilha (a segunda) não produziu nenhum
pinto rosa, a galinha é rrEE rrEE rrEE rrEE rrEE.
Para que esse galo tenha filhos nessas condições com essas
duas galinhas ele tem que ser RrEe.
B) O galo cruzado com a galinha crista simples, produzirá
pintos noz, rosa, ervilha e simples na proporção 25% para
cada fenótipo.
A AA AA
Analisando-se os cruzamentos
Normais Normais
Aa
AA Aa Aa aa
Aa Albino Albina
2
3
2
3
?
19
20
21
22
23
Creme Creme
20
Amarelos
18
Brancos
30
Creme
X
Conclusão: proporção
fenotípica 1 amarelo:
2 creme: 1 branco.
Essas proporções são típicas de uma codominância.
Logo, o gene para o amarelo não domina o gene que determina
a cor creme.
24
Módulo Especial de Exercícios – Resoluções Módulo Especial de Exercícios – Resoluções
42 2006
Biologia II
(A – III) e (A – IV),
(B – I), (B – II) e (B – V),
(C – VI) e (C – VII).
C CC CC
Comunidade é o conjunto de todas as populações de um
ecossistema.
População é o conjunto de todos os indivíduos de mesma espécie
vivendo em uma mesma área.
Ecossistema é o conjunto de interações entre todos os seres vivos
(comunidade) entre si e com o meio físico.
Bioma refere-se a comunidades clímax dos ecossistemas terrestres,
ou seja, exemplos de biomas brasileiros: Caatinga, Zona da
Mata etc.
D DD DD
Veja conceito de população na questão 02.
D DD DD
As abelhas se beneficiam ao mesmo tempo que fazem
polinização, beneficiando também a planta.
C CC CC
Na protocooperação ambas as espécies se beneficiam, embora
possam sobreviver separadas. Não é uma relação com
especificidade, não é obrigatória.
A) Cada uma das três espéci es de esqui l os ocupa
preferencialmente um certo nível de altura nas árvores, isso
proporciona dietas diferentes, não havendo competição entre
as espécies.
Espécie 1 – invertebrados.
Espécie 2 – cascas da planta
Espécie 3 – frutos
O alimento disputado pelas duas espécies é o mesmo; se elas se
servissem desse alimento ao mesmo tempo, haveria uma
competição intraespecífica. Então, cada uma das espécies
desenvolveu habilidades adaptativas para se alimentar em
temperaturas, clima e umidade relativa, diferentes da outra
espécie, criando assim condições de sobrevivência para ambas.
Por exemplo: em ambiente quente e úmido, a espécie A AA AA prolifera
e a B BB BB não. Em ambiente quente e seco ocorre o contrário.
A AA AA
gavião x carrapatos → predatismo
gavião x gado → protocooperação
cruzeiras x rãs e preás → predatismo
gado x carrapatos → parasitismo
quero-quero x seriemas → competição
C CC CC
O nitrogênio é importante para a planta (pasto) produzir os
aminoácidos e em seguida as proteínas. Como a vegetação que
serve de alimento para o gado terá maior teor protéico,
logicamente o gado, que é o consumidor primário, irá adquirir
mais peso.
A) As moléculas de CO
2
são utilizadas para a síntese de matéria
orgânica no ciclo de Calvin da fotossíntese. Logo, o
18
O do
gás carbôni co é encontrado na matéri a orgâni ca,
principalmente na glicose.
B) O oxigênio liberado na fotossíntese é proveniente da água,
assim sendo o
18
O será liberado para o ambiente.
E EE EE
I. (F) – Veja você que a interferência do homem matando lobos,
pumas e coiotes provocou um crescimento vertical da população.
Logo, estes animais eram naquele ecossistema os únicos
predadores dos veados.
1
2
3
4
5
7
8
9
10
11
6
Essas proporções nos garantem que o gene para o caráter curto
é dominante sobre o gene para o caráter longo. Os parentais
são heterozigotos.
Curto Curto
50
Curtos
18
Longo
X
Conclusão: proporção
fenotípica 3 curtos
para 1 longo (3:1)
Anotações
_____________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
Módulo Especial de Exercícios – Resoluções Módulo Especial de Exercícios – Resoluções
2006 43
II. (F) – A falta de alimentos provocou uma queda violenta no
número de indivíduos, mostrando que este acontecimento é
mais significante que a ação predatória.
III. (V) – A ação predatória é realmente uma forma de controlar
o crescimento da população, é portanto uma resistência
ambiental.
IV. (V) – O homem matou os predadores, diminuiu ação
ambiental, assim a população de veados cresceu livremente
que chegou a superar a capacidade de sustentação do
ambiente, provocando a morte dos indivíduos.
A energia comporta-se nos ecossistemas de forma unidirecional
dos produtores em direção aos consumidores. Como há
diminuição na quantidade de energia disponível a cada nível
trófico, a pirâmide de energia não pode ser invertida.
D DD DD
A pirâmide de energia jamais poderá ser invertida, pois o fluxo
energético é unidirecional.
E EE EE
O carbono é fixado pelos seres fotossintetizantes e devolvido ao
meio ambiente nos processos de respiração que liberam CO
2
e
na combustão dos combustíveis fósseis, e ainda pelas
queimadas.
B BB BB
O efeito estufa está relacionado com o acúmulo de poluentes
na atmosfera, como CO
2
, CH
4
etc.
Não. A Mata Amazônica é uma comunidade clímax, está em
pleno equilíbrio, isto é, todo o O
2
produzido na fotossíntese é
consumido na respiração. A verdade dos fatos, é que a renovação
do O
2
na atmosfera é feita pela ação fotossintética do fitoplâncton.
Fixar o CO
2
através da fotossíntese e também devolvê-lo para o
ambiente, pois as plantas também fazem respiração.
O ciclo do O
2
não estava presente na atmosfera primitiva, pois
este gás não compunha os ecossistemas primitivos, isto é, durante
os primórdios da vida no nosso planeta.
D DD DD
Pés de milho produtores, gafanhotos consumidores primários,
em ecossitemas terrestres. Nos ecossistemas aquáticos os
produtores são as algas do fitoplâncton e consumidores
secundários são os microcrustáceos (zooplancton).
C CC CC
Os produtores porque são capazes de absorver energia e repassar
para os outros níveis e os decompositores porque fazem a
reciclagem da matéria (fecham o ciclo da matéria, devolvendo-a
aos produtores)
A) A quantidade de energia obtida pela diferenciação do total
assimilado, menos a energia disponível para o nível seguinte,
representa a energia utilizada no nível anterior em suas
atividades metabólicas e o teor energético dissipado para o
ambiente em forma de calor.
B) Para esse perfil energético apresentado, o nível quartenário
não se sustentaria por falta de energia disponível.
D DD DD
Nos ecótonos encontramos animais com características
adaptativas a ambos os ecossistemas vizinhos. Nos mangues
encontramos a diversidade da fauna muito grande, porém a
diversidade da flora é baixa.
B BB BB
Nos estágios iniciais a produtividade bruta é crescente e a taxa
de respiração cresce mais lentamente, isto é, a razão
P
R
> 1.
12
13
14
15
17
18
16
Nos estágios próximos do clímax a produtividade bruta tende a
se igualar com a taxa de respiração.
Logo
P
R
tende a um.
A AA AA
Ecesis são as comunidades pioneiras.
Seres são comunidades temporárias que surgem ao longo da
sucessão.
Clímax é o estágio final, de equilíbrio, de maturidade, de sucesso
ecológico
19
20
21
22
23
24
Anotações
_____________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
Módulo Especial de Exercícios – Resoluções Módulo Especial de Exercícios – Resoluções
44 2006
5
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
6
18
16
Biologia III
D DD DD
Na atmosfera primitiva não havia O
2
e da forma como se
presume que ocorreu a evolução dos sistemas químicos, o O
3
(ozônio) não seria essencial.
B BB BB
A atmosfera primitiva era provavelmente formada de H
2
O, CH
4
,
H
2
e NH
3
, estes gases sob o efeito ionizante das formas de energia,
tiveram as suas ligações químicas quebradas, e os íons ali
formados se reorganizaram aleatoriamente formando as
pri mei ras mol écul as orgâni cas no nosso pl aneta, os
aminoácidos.
O antibiótico B é o menos indicado para o tratamento, visto
que ao seu redor não existe formação de halo claro, indicativo
da ausência de crescimento da população de bactérias.
1. Lamarckismo: como no intestino o alimento já se encontra
digerido pelo hospedeiro e pronto para ser absorvido, a taenia
não tem necessidade de usar um sistema digestório, que, por
esta razão, foi se atrofiando até desaparecer. Esta característica
adquirida foi sendo transmitida para os descendentes.
2. Darwinismo: os indivíduos que não possuíam sistema
digestório, foram selecionados para aquele modo de vida e
essa característica foi transmitida para os descendentes.
A AA AA, B BB BB e C CC CC estão corretos.
O único item errado é o D, pois a evolução no planeta Terra é
conseqüência do ambiente terráqueo, das mutações etc.
A AA AA
Para Lamarck, o ambiente era importante pois era o fator que
provocava a evolução. Para Darwin, o ambiente também era
importante, mas como fator selecionador das características a
ele adaptadas.
A, B A, B A, B A, B A, B, E , E , E , E , E e F FF FF.
Todo fator que altera a freqüência gênica de uma população, é
determinante da evolução, entre eles a migração, seleção natural
etc. Assim sendo, os itens C e D estão errados.
D DD DD
A convergência adaptativa caracteriza-se pelo fato de seres de
espécies variadas, por uma razão qualquer, passarem a viver em
um mesmo ambiente, propiciando o desenvolvimento de órgãos
análogos.
E EE EE
Os itens I, II e III revelam idéias lamarckistas, isto é: o ambiente
induzindo o aparecimento de características para adaptação ao
ambiente e estas características adquiridas por imposição do
meio sendo transmitidas para os descendentes.
E EE EE
A recombinação gênica é uma característica da reprodução
sexuada e leva a um aumento da variabilidade genética da
população, porém as mutações também representam uma forma
de variabilidade.
A AA AA
O texto retrata claramente um pensamento lamarckista, isto é, a
Lei do uso e do desuso, e a transmissão de caracteres adquiridos.
D DD DD
A teoria sintética da evolução esclarece as causas das
variabilidades defendidas por Darwin, ou seja, as mutações e
recombinação dos genes, que, associadas à seleção natural,
levam à evolução.
1
2
3
4
A AA AA
Em pequenas populações, a probabilidade dos genes recessivos
se encontrarem é maior e logicamente a incidência de fenótipos
recessivos é grande, o que em muito auxilia ao pesquisador.
Na realidade, bactérias não adquirem resistência. Acontece,
porém, é que na população da bactérias existem variabilidades,
isto é, há bactérias resistentes e bactérias sensíveis, o antibiótico
irá eliminar as bactérias sensíveis e sobreviverão as bactérias
resistentes. Dessa forma, o antibiótico fez a vez do ambiente
selecionador.
A característica resistência ao antibiótico será transmitida aos
descendentes, surgindo assim uma população de bactérias
resistentes ao antibiótico.
A AA AA
As asas dos insetos e das aves são órgãos análogos, resultado de
uma adaptação convergente. Por essa razão, não há
ancestralidade comum entre esses animais.
A AA AA
I. (V) As mutações são as origens primárias da variabilidade.
II. (V) De acordo com Darwin, as características vantajosas em
um certo ambiente são preservadas pela seleção natural e
transmitidas para os descendentes.
III. (V) Havendo modificações nas condições ambientais, a
seleção natural continuará agindo, porém tomará outra
orientação.
C CC CC
Tanto para Lamarck como para Darwin o ambiente exercia papel
importante no processo de evolução.
B BB BB
As afirmativas I e III são lamarckistas, apenas a indicada pelo
algarismo II é darwinista.
C CC CC
Os peixes cegos não têm como fugir dos predadores, nem
como competir com eles em ambientes iluminados, então eles
migraram para as cavernas, ambiente em que a luz os colocava
em pé de igualdade.
E EE EE
Predatismo e competição são fatores de seleção natural, que
juntamente com as mutações favorecem aos mecanismos
evolutivos.
A) mutações
B) fecundação, crossing-over
C) seleção natural
E EE EE
Observe que quando houve o primeiro processo cladogênico a
espécie (J) permaneceu, no segundo processo, a espécie (J)
continuou firme, isto é prova de que esta espécie nos dois
processos resistiu a ação do ambiente. Logo, mais adaptada.
E EE EE
Os organismos citados não protozoários do mesmo gênero,
porém de espécies diferentes. Logo, possuem todas as outras
classes taxonômicas em comum.
C CC CC
O gênero deve ser escrito com inicial maiúscula e o nome
designativo da espécie em inicial minúscula.
19
20
21
22
23
24
Anotações
_____________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
Módulo Especial de Exercícios – Resoluções Módulo Especial de Exercícios – Resoluções
2006 45
Biologia IV
O ferro é indispensável para a produção de hemoglobina e,
logicamente, de hemácias. Ao tomar dose extra de ferro, haverá
produção adequada de hemácias que irão propiciar um aumento
no transporte de oxigênio, aliviando, portanto, a falta de ar.
A quantidade de água em um tecido depende da atividade
metabólica deste tecido, ou seja, quanto maior a atividade
metabólica, maior o teor de água.
No gráfico apresentado, o tecido 1 demonstra grande atividade
metabólica, terá maior teor de água, logo o tecido 1 poderá ser o
tecido nervoso tecido nervoso tecido nervoso tecido nervoso tecido nervoso, o tecido 2 a dentina dentina dentina dentina dentina, o tecido 3 o músculo músculo músculo músculo músculo, o tecido
4 é o ósseo o ósseo o ósseo o ósseo o ósseo.
A AA AA
O teor de água nos seres vivos varia em função de alguns
fatores, entre eles está a atividade metabólica e a idade. Quanto
maior a atividade metabólica, maior o teor de água e quanto
mais velho, menor a quantidade de água.
C CC CC
A sacarose ao ser quebrada pela enzima produzirá glicose e
frutose, na proporção de 1 molécula de sacarose quebrada para
1 de glicose formada.
A AA AA
Os carboidratos representam a fonte preferencial de energia
para o organismo. O atleta precisará de muita energia para
competir, assim sendo, deverá consumir o alimento com maior
teor de carboidrato.
A explicação para tal fato, deve-se às diferentes configurações
espaciais e aos diferentes arranjos das ligações químicas dessas
moléculas.
D DD DD
A sacarose é um dissacarídeo formado de glicose + frutose. Ao
ser quebrada pela enzima sacarose, fornecerá estes dois
monossacarídeos.
D DD DD
Juntando-se as peças 4 com 2 e com 6, nesta ordem, montamos
uma molécula de aminoácido.
B BB BB
O leite materno, além de nutrir/hidratar a criança, contêm grande
quantidade de anticorpos que farão a imunização passiva da
criança.
B
O soro faz imunização passiva, devido conter anticorpos.
As proteínas dependem de sua forma para reagir quimicamente
com outras substâncias. Veja o caso das enzimas que precisam
ter um centro ativo configurado com o substrato, só assim estas
maravilhosas proteínas podem participar das reações químicas.
A AA AA
Nicholson e Singer propuseram o modelo do mosaico fluido,
isto é, as membranas celulares são constituídas por uma bicamada
de fosfolipídios fluida, com proteínas inseridas nessa bicamada,
em constante movimentação.
E EE EE
Todas as membranas que constituem as células têm constituição
fosfolipoprotéica.
E EE EE
A letra A: mostra o arranjo da bicamada de fosfolipídios.
A letra B: mostra as cabeças de fostato, polares e hidrofílicas.
A letra C: mostra a parte lipídica propriamente dita, apolar e
hidrófoba.
A letra D: indica as proteínas.
1
2
3
4
5
7
8
9
10
11
6
A) Erro 1: toda e qualquer célula tem membrana plasmática.
Os procariontes não seriam excluídos.
Erro 2: O complexo de Golgi está presente nas células
animais.
Erro 3: As células dos vegetais superiores não possuem
centríolos.
Erro 4: nas células vegetais há mitocôndrias.
B) A permeabilidade seletiva relaciona-se com a membrana
plasmática.
A divisão celular relaciona-se mais diretamente com a
cromatina e carioteca.
Quando se bebe água do mar, estamos ingerindo grande
quantidade de sal, para excretar esse sal precisamos produzir
muita urina, o que acarreta grande perda de água, isto, por sua
vez, provocaria mais sede. Tendo mais sede o náufrago beberia
mais água do mar e tudo se repetiria, até a morte por
desidratação.
A) Substância (1): Sendo solúvel em lipídios, essa substância se
difundiria lentamente pelos espaços intermoleculares da
bicamada de fosfolipídios.
B) Substância (2): Sendo a substância 2 insolúvel em lipídios e
de pequeno diâmetro, irá difundir-se através dos poros ou
canais da membrana, como é o caso da água.
Temperatura, espessura da membrana, concentração da
substância difusa, quantidade de proteínas de canal presente
na membrana e o grau de solubilidade em lipídios, o diâmetro
da substância difusora.
C CC CC
A mistura das proteínas na membrana, demonstrada no
experimento, indica que a bicamada lipídica apresenta a
propriedade de fluidez.
B BB BB
A difusão facilitada é um mecanismo passivo, não há gasto de
energia pela célula.
D DD DD
Substâncias solúveis em lipídios, se difundem a favor de um
gradiente de concentração através dos espaços intermoleculares
da bicamada de fosfolipídios, isto é, por difusão simples.
A AA AA
Substâncias de grande tamanho e insolúveis em lipídios, se
difundem a favor de um gradiente de soluto através de proteínas
integrais do tipo permeases, isto é, difusão facilitada.
C CC CC
As hemácias possuem concentração 0,9M, o meio em questão é
1M, logo haverá difusão de solvente (osmose) do citoplasma de
hemácia em direção ao meio. Com isso a hemácia diminuirá o
seu volume (plasmólise).
E EE EE
A bomba de sódio e potássio gera uma polarização na
membrana, pois bombeia sódio para o meio extracelular e
potássio para o meio intracelular, logo mantém maior a
concentração de sódio no meio extra e de potássio no meio
intracelular.
12
13
14
15
17
18
16
19
20
21
22
23
Anotações
_____________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
24
Módulo Especial de Exercícios – Resoluções Módulo Especial de Exercícios – Resoluções
46 2006
Biologia V
B BB BB
As reações metabólicas são degradativas, liberam energia, ou
seja, são exergônicas. Assim sendo o nível de energia dos produtos
é inferior ao nível dos reagentes, o que implica em uma variação
de energia menor do que zero.
ΔE = E
F
– E
0
; com E
F
< E
0
∴ ΔE < 0
D DD DD
As reações anabólicas são endergônicas, ou seja, absorvem
energia para que a célula possa sintetizar substâncias vitais.
A AA AA
Durante o crescimento e desenvolvimento do ser vivo, as reações
de síntese superam as reações degradativas, para o organismo
poder crescer e desenvolver-se.
D DD DD
Na glicólise como um todo, o monossacarídeo glicose é
quebrado produzindo ácido perúvico e liberando energia para
produzir 4 ATP.
E EE EE
Os sistemas são constituídos por um conjunto de órgãos
especializados.
D DD DD
O linfócito B após a sua estimulação por um patógeno,
diferencia-se em plasmócitos e células de memória.
E EE EE
As células de memória imunológica formam-se a partir dos
linfócitos B ativados por um patógeno.
A AA AA
Quanto maior for a distância entre os genes em linkage maior
será a frequência de crossing-over, ou seja, de permutação.
C CC CC
A troca de pedaços cromossômicos, que ocorre entre homólogos
é o crossing over.
E EE EE
Cromossomo 6 não é homólogo do cromossomo 8, veja que em
6 ocorreu uma deleção e o pedaço deletado translocou-se para
o cromossomo 8. Logo, ocorreu uma deleção em 6 que gerou
uma translocação para o 8.
Observe o mapa gênico.
D DD DD
Através de fatores químicos táticos, os leucócitos migram em
direção a áreas infectadas por movimentos de diapedese.
Dois processos da imunização estimulam a formação de células
imunocompetentes: A imunização ativa adaptativa e imunização
ativa por vacinação.
Doenças auto-imune, como por exemplo a febre reumática.
A) linfócito B → produzir plasmócitos e células de memória.
B) linfócito T citotóxico → induzir a morte das células invasoras
por apoptose e destruir células cancerosas, ou células
invadidas por vírus através da lise de suas membranas.
Os genes das características adaptativas da espécie B, devem
está mais distantes, o que levou a uma maior taxa de
recombinação e consequentemente a uma maior variabilidade
genética.
A) O número 1, indica que houve um processo de cladogênese,
isto é, um isolamento geográfico seguido de mecanismos
anagênicos, culminando em um isolamento reprodutivo e a
conseqüente formação de duas espécies diferentes (E
1
e E
2
).
O número 2 está indicando características derivadas
altamente adaptativas, responsáveis pelo sucesso da espécie
2 no ambiente.
B) A espécie 2 (E
2
) desenvolveu características derivadas mais
favoráveis ao ambiente, obtendo assim mais sucesso
adaptativo. Por essa razão a população E
2
se desenvolveu
adequadamente, enquanto a E
1
foi eliminada por seleção
natural.
A seleção natural.
É o processo cirúrgico para a retirada do Baço.
É o processo responsável pela destruição de hemácias velhas do
nosso sangue.
O timo é responsável pela diferenciação do linfócito T e produz
hormônios que estimulam outros órgãos linfáticos.
Heparina e histamina, a heparina é anticoagulante e a histamina
é vasodilatora.
1
2
3
4
5
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
19
20
6
18
21
22
23
24
16
85 U
B B C A
15
30
Como a distância entre BD é maior, a taxa de recombinação
entre eles é também maior. Por outro lado, a distância entre AB
é 15 u, a menor de todos, taxa de recombinação é a menor.
Os gametas AA e BB só produziam a uma taxa de 30% (0,3). Logo
a probabilidade do gameta AA fecundar ou ser fecundado pelo
gameta BB, para resultar em um genótipo AABB é: 0,3 x 0,3 = 0,09
ou 9%.
⎧ ⎧
⎪ ⎨
⎪ ⎩





⎩ ⎩
AB 45%
Parentais
ab 45%
AB/ab
Ab 5%
recombinantes
aB 5%
Anotações
_____________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->