Você está na página 1de 34

ATUALIDADES NA NUTRIÇÃO DE FRANGOS DE CORTE

Prof Dr Sebastião Aparecido Borges Universidade Tuiuti PR borgessa@terra.com.br

Tiago Tedeschi dos Santos AB Vista Feed Ingredients tiago.santos@abbrasil.com.br

Tuiuti PR borgessa@terra.com.br Tiago Tedeschi dos Santos AB Vista Feed Ingredients tiago.santos@abbrasil.com.br
Tuiuti PR borgessa@terra.com.br Tiago Tedeschi dos Santos AB Vista Feed Ingredients tiago.santos@abbrasil.com.br

Impacto da nutrição sobre o custo de produção do frango

Composição do custo do Frango

100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% Meses Participação no Custo
100%
90%
80%
70%
60%
50%
40%
30%
20%
10%
0%
Meses
Participação no Custo
jan/05
fev/05
mar/05
abr/05
mai/05
jun/05
jul/05
ago/05
set/05
out/05
nov/05
dez/05
jan/06
fev/06
mar/06
Ração Produtor Frete Outros

Ração

Ração Produtor Frete Outros

Produtor

Ração Produtor Frete Outros

Frete

Ração Produtor Frete Outros

Outros

FONTE: Santos, 2006

Evolução do arraçoamento em frango de corte

Fases/Época

 

60-70

70-80

80-85

85-90

95

Pré-inicial

 

----

----

----

----

01-07

Inicial

01-35

01-28

01-21

01-18

08-18

Crescimento

 

36-70

29-56

22-42

19-35

19-28

Final

Cresc

II

----

----

43-49

36-42

29-35

Retirada/Abate

----

----

----

43

35

Conhecimentos necessários ao Nutricionista

INTRODUÇÃO

-Ingredientes;

-Animais;

-Processos;

-Granjas; -Manejo / Edificações / Sanidade

-Objetivos da industria;

Conhecimentos necessários ao Nutricionista -

Ingredientes

INTRODUÇÃO

-Controle de qualidade dos ingredientes;

-Seleçao de fornecedores de ingredientes;

-Estratégia de compra de ingredientes;

-Armazenamento ou estocagem de ingredientes;

-Definiçao da estratégia de uso de ingredientes;

-Estimaçao da digestibilidade dos ingredientes.

Conhecimentos necessários ao Nutricionista - Ingredientes

Milho X Qualidade

- Avaliação da qualidade do produto é feita basicamente por classificação física que, apesar de apresentar uma forte relação com características bromatológicas, não é uma medida direta;

- Qualidade bromatológica e avaliação da presença de micotoxinas ainda são fatores pouco utilizados no recebimento de cargas.

Conhecimentos necessários ao Nutricionista - Ingredientes

Milho X Qualidade

Controle prático de aflatoxina pelo método da “caixa escura com luz UV” (técnica da fluorescência amarelo-esverdeada brilhante)

30,00 25,00 20,00 15,00 10,00 5,00 0,00 Média de pontos na Luz UV Concentração média
30,00
25,00
20,00
15,00
10,00
5,00
0,00
Média de pontos na Luz UV
Concentração média de Aflatoxinas (ppb)
jan/05
fev/05
mar/05
abr/05
mai/05
jun/05
jul/05
ago/05
set/05
out/05
nov/05
dez/05
jan/06
fev/06
mar/06

FONTE: Santos 2006

Conhecimentos necessários ao Nutricionista - Ingredientes

Milho X Qualidade

Resultados de análises de milho coletado no Rio Grande do Sul

 

MS

PB

EE

Trp

Lis

Met

Thr

Mínimo %

76,96

6,83

2,45

0,05

0,25

0,26

0,17

Máximo %

93,91

12,33

5,29

0,14

0,28

0,31

0,40

Média %

86,60

9,09

3,97

0,09

0,27

0,29

0,28

Variação %

18

45

54

64

11

16

57

Conhecimentos necessários ao Nutricionista - Ingredientes

Milho X Qualidade

Composição química e valor energético de amostras de milho coletadas em Santa Catarina

EE

PB

%

%

EB

kcal/kg

Trp

Lis

Met

Thr

%

%

%

%

Mínimo %

3,61

8,31

4.319

0,07

0,25

0,29

0,24

Máximo %

6,87

13,66

4.693

0,11

0,27

0,32

0,36

Média %

5,13

10,90

4.500

0,09

0,26

0,31

0,30

Variação %

90

39

8

36

7

9

33

MS matéria seca; PB proteína bruta; EE extrato etéreo; Trp triptofano; Lis lisina; Met metionina Thr treonina Adaptado: LIMA, 2004

Conhecimentos necessários ao Nutricionista - Ingredientes

Milho X Qualidade

DALE, N. 1994

• Foi avaliado a EM de 29 amostras de milho, com variação em óleo entre 2,9 a 13,1%.

Foi desenvolvida equação para ajustar a EM, com base no conteúdo de óleo da amostra.

EM (kcal/kg) = 3203 + 53 (% de óleo) (r² = 0,81)

Conhecimentos necessários ao Nutricionista - Ingredientes

Farelo de soja X Qualidade

Efeito da qualidade do f soja na digestibilidade da energia e matéria seca para frangos de 03 a 07 e 28 a 35 dias

Tratamentos

Energia Digestível

Matéria Seca

03 a 07

28 a 35

03 a 07

28 a 35

F.

Soja 44%

76,4b

79,5b

70,6b

71,7b

F.

Soja 46%

76,7ab

81,0a

72,1a

73,8a

F.

Soja 48%

77,9a

80,8a

73,0a

73,3a

P<

0,04

0,01

0,003

0,02

FONTE: MONTEIRO (2004)

Conhecimentos necessários ao Nutricionista - Ingredientes

Farelo de soja X Qualidade

Variação do teor e coeficiente de variação da PB e Aa de farelos de soja de acordo com a qualidade

Nutriente

Baixa

Média

Alta

Proteína Bruta (%)

44,00

47,10

49,30

COEF. VARIAÇÃO

2,60

2,20

0,70

Lisina (%)

2,66

2,85

2,97

COEF. VARIAÇÃO

4,90

3,20

1,40

Met+Cis (%)

1,24

1,29

1,36

COEF. VARIAÇÃO

4,80

5,40

2,90

Lisina (%PB)*

6,05

6,05

6,02

Met+Cis (%PB)*

2,82

2,74

2,76

FONTE: DEGUSSA (2002)

Conhecimentos necessários ao Nutricionista - Ingredientes

Farelo de soja X Qualidade

Efeitos dos diferentes tipos de farelos de soja no desempenho de frangos, de 1 a 47 dias de idade

2,01 2,01 a 2 1,99 1,98 1,97 1,95 b 1,96 1,95 1,94 1,93 1,92 45,5
2,01
2,01 a
2
1,99
1,98
1,97
1,95 b
1,96
1,95
1,94
1,93
1,92
45,5
48
Conversão alimentar

Proteina Bruta no farelo, %

Farelos com menor teor protéico apresentam maior quantidade de polissacarídeos não amídicos

Conhecimentos necessários ao Nutricionista - Ingredientes

Farinhas X Qualidade

-90% de amostras de f. Carne com salmonella sp, 20% com coliformes, 20% com pelos, 40% com chifres e 60% com colágeno, além de contaminações com produtos estranhos (plástico, penas, fibras vegetais) (sartorelli, 2003).

- Aumento de contaminação em humanos com salmonella enterica nos EUA após 1970 está relacionada com a introdução desta bactéria nas rações fornecidas aos animais (crump, 2002).

Conhecimentos necessários ao Nutricionista - Ingredientes

Utilização de Matérias-primas “alternativas”

- Melhor alternativa para reduzir o custo de formulação;

- Pode modificar o custo dos nutrientes dentro da formulação (ex: custo do fósforo com e sem utilização de farinha de origem animal);

- Deve levar em consideração: possibilidade de utilização do produto na unidade fabril, período de uso, volume disponível e perspectiva de economia futura;

- Disponibilidade de uso dependente da região, época do ano, entre outros.

Conhecimentos necessários ao Nutricionista –

INTRODUÇÃO

Animais

-Definição de um padrão nutricional:

O pacote genético
O pacote genético

-Especie

-Linhagem

-Sexo

-Idade

de um padrão nutricional: O pacote genético - Especie - Linhagem - Sexo - Idade Exigencias

Exigencias ou necessidades nutricionais

Conhecimentos necessários ao Nutricionista –

INTRODUÇÃO

Animais

Linhagens genéticas atuais oferecem diferentes estratégias de ganho de peso

90 80 70 60 50 40 30 20 10 0 1 4 7 10 13
90
80
70
60
50
40
30
20
10
0
1
4
7
10
13
16
19
22
25
28
31
34
37
40
43
46
49
Ganho diário (g)

Idade (dias)

Linhagem A Linhagem B

Linhagem A

Linhagem A Linhagem B

Linhagem B

FONTE: MANUAIS DE LINHAGEM

Conhecimentos necessários ao Nutricionista –

INTRODUÇÃO

Animais

Níveis de energia utilizados em rações para frangos de corte em função da idade

3350 3300 3250 3200 3150 3100 3050 3000 2950 2900 2850 1 3 5 7
3350
3300
3250
3200
3150
3100
3050
3000
2950
2900
2850
1 3
5
7
9
11 13 15 17 19 21 23 25 27 29 31 33 35 37 39 41 43 45
Energia Metabolizável (kcal/kg)

Idade (dias)

25% Menor Média 25% Maior

25% Menor

Média

25% Menor Média 25% Maior

25% Maior

NASCIMENTO, 2005

Conhecimentos necessários ao Nutricionista –

INTRODUÇÃO

Animais

Machos X Fêmeas

Fatores que interferem na uniformidade das aves dentro de um lote:

Condições sanitárias deficientes, Desequilíbrios nutricionais, Manejo inadequado, Pintos provenientes de matrizes com idades distintas, etc

O fator com maior efeito sobre a variabilidade é o sexo.

O macho cresce mais rapidamente que as fêmeas, notadamente a partir do 21º dia de vida, resultando numa maior desuniformidade do plantel quando criadas sem separação de sexo.

Conhecimentos necessários ao Nutricionista –

INTRODUÇÃO

Animais

3000 Curva de crescimento de duas linhagens de 2900 2800 frango de corte moderno 2700
3000
Curva de crescimento de duas linhagens de
2900
2800
frango de corte moderno
2700
2600
2500
2400
2300
2200
2100
2000
1900
1800
Machos necessitam, em média, de 5% mais Aa.
1700
1600
Energia varia de 30 a 60 kcal/kg.
1500
1400
1300
1200
1100
1000
900
Macho/Ross
800
Fêmea/Ross
700
600
Macho/Cobb
500
Fêmea/Cobb
400
Misto/Ross
300
200
Misto/Cobb
100
0
0
2
4
6
8
10
12
14
16
18
20
22
24
26
28
30
32
34
36
38
40
42
44
46
48
Peso (g)

Idade (dias)

Conhecimentos necessários ao Nutricionista - Processos

-Definição de processos de produção de ração

-Impactos dos processos sobre a digestibilidade dos ingredientes

-Impacto dos processos sobre o desempenho zootecnico

Conhecimentos necessários ao Nutricionista - Processos

Granulometria dos ingredientes

- Granulometria deve variar de acordo com a espécie e a idade animal -

dificuldade no processo de produção

varias especies e varias fases de produçao

fabricas

;

que produzem para

- Para frangos o aumento na granulometria do milho reduz a velocidade de trânsito intestinal devido ao aumento do retro-peristaltismo intestinal e o refluxo de partículas para a moela.

Conhecimentos necessários ao Nutricionista - Processos

Granulometria dos ingredientes

-A utilização de valores crescentes de DGM da ração aumentaram o peso

da moela e do intestino delgado (

profundidade das criptas intestinais (Dahlke, 2003);

)

aumento no tamanho dos villus e na

-Ribeiro (2004) observou que em aves até 7 dias, a utilização de uma ração contendo granulometria de 0,783mm obteve um maior ganho de peso e consumo de ração em comparação com aves recebendo rações mais grossas (0,997mm) e mais finas (0,561mm);

Conhecimentos necessários ao Nutricionista - Processos

Granulometria dos ingredientes

Efeito do DGM da dieta nas respostas metabólicas de frangos de 7 dias de idade

DGM (µm)

EMAn (kcal/kg)

Retenção de N (%)

Retenção de MS (%)

561

2.782 b

50 c

72 c

783

2.779 b

57 b

75 b

997

2.844 a

59 a

77 a

Prob.

0,06

0,01

0,01

Adaptado de Krabbe, 2000

Conhecimentos necessários ao Nutricionista - Processos

Peletização

Efeito da peletização e da energia sobre o desempenho de frangos

 

2900 kcal/kg EMA

3200kcal/kg EMA

Forma

Far.

Pel

Trit.

Far.

Pelet.

Trit.

Cons.

2745e

3357a

3242b

2830d

3130c

3083c

Ganho

1280e

1646ab

1566c

1442d

1703a

1632b

Conv.

2,15a

2,04a

2,07a

1,96b

1,84b

1,89b

Co.Cal*

6219

5914

6004

6280

5881

6045

*Cálculo pessoal

Fonte: Klein, 1996

- Peletização interfere na quantidade do alimento consumido e diminui o tempo de consumo, reduzindo o gasto de energia para consumo.

Conhecimentos necessários ao Nutricionista - Processos

Peletização

Efeito da concentração e peletes na ração sobre o desempenho de frangos dos 38 a 45 dias de idade

Tratamentos

100

80

60

40

20

1.348

1.306

1.312

1.316

1.213

1.280

725

a

701 ab

687 ab

685 ab

675 bc

643 c

1.87

a

1.88 a

1,92 a

1,93 ab

1,95 ab

2,02 b

Farelada

Cons.Ração (g) Ganh. Peso (g) Conv.Alim. (g/g)

Adaptado de McKinney e Teeter, 2004

Conhecimentos necessários ao Nutricionista - Processos

Peletização Impacto da peletização no valor calórico da dieta

225 150 75 0 0 20 40 60 80 100 Economia de energia (kcalEMn/kg)
225
150
75
0
0
20
40
60
80
100
Economia de energia (kcalEMn/kg)

% de pelet

Fonte: Mckinney,2002.

Conhecimentos necessários ao Nutricionista – Granjas

-Equipamentos utilizados pela integração;

-Manejo adotado na integração;

-Grau de desafio sanitário e impacto sobre as necessidades nutricionais;

-Ambiência e seus impactos sobre as necessidades nutricionais.

Conhecimentos necessários ao Nutricionista – Granjas

Manejo, Sanidade, Ambiência X Nutrição

Tentar conhecer os desafios presentes na integração e de que forma a nutrição pode auxiliar esse processo.

-

e de que forma a nutrição pode auxiliar esse processo. - - Ajuste pode ser feito

- Ajuste pode ser feito em aminoácidos, vitaminas,

minerais, nível de energia

aditivos

Conhecimentos necessários ao Nutricionista – objetivos da indústria

-Peso esperado para abate;

-Objetivos da industria (cortes/carcaça);

-Interação entre os vários fatores que compoêm o resultado zootécnico;

-Compreender os objetivos da empresa e as ferramentas para atingí-los.

Conhecimentos necessários ao Nutricionista – objetivos da indústria

Objetivos da Indústria X Nutrição

Níveis de aminoácidos utilizados em rações para frangos de corte em função da idade

O aumento do teor de aminoácidos das dietas aumenta o rendimento de carcaça de frangos de corte

Pode-se definir uma exigência, não como uma característica do animal, mas como o nível de nutriente que vai maximizar o lucro em uma circunstância específica de alimentação

Considerações finais

Dominar conceitos e Ferramentas aplicadas à nutrição;

Conhecer as variáveis que interferem no desempenho zootécnico;

Conhecer as variáveis que interferem no desempenho econômico da empresa;

Ser ousado.

Considerações finais

FormularFormular éé

Estudar Estudar

Estudar Estudar

Estudar Estudar

Praticar Praticar

Praticar Praticar

Praticar Praticar