P. 1
001 - EQUIPAMENTOS NR-10

001 - EQUIPAMENTOS NR-10

|Views: 2.957|Likes:
Publicado pormarcos_aaf

More info:

Published by: marcos_aaf on Dec 28, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

03/23/2013

pdf

text

original

- 1

-

Eng. Caetano Roberto Camardella Filho
Email: caetano.camardella@leal.com.br
Cel: 11-8371-7810
Indústria e Comércio Leal Ltda.












































APRE8ENTA:
SOLUÇÕES PARA
NR 10





- 2 -

Eng. Caetano Roberto Camardella Filho
Email: caetano.camardella@leal.com.br
Cel: 11-8371-7810
Indústria e Comércio Leal Ltda.
Capítulo 1
INTRODUÇÃO
PROTEÇÃO CONFORME NR10

- Trabalhos Energizados
Para que um trabalhador esteja equipado e protegido
conforme determina a nova NR 10 o mesmo deverá
estar protegido dos riscos provenientes de choque e
arco elétrico e não poderá portar qualquer
equipamento que possa provocar um acidente. No caso
de ferramentas, as mesmas deverão possuir uma
isolação que garanta a segurança do trabalhador não
podendo provocar um curto-circuito no caso de
contato com partes energizadas.

Equipamentos de proteção contra Choque elétrico:
0s -¡a|asm-a|as 1- ara|-tJa taa|rs t|a¡a-s -|t|r|tas 1-t-rJa s-r
1|m-as|aas1as 1- star1a tam s |-asJa sa||ts1s.

- EPI’s:

• Luvas Isolantes
• Mangas Isolantes
• Capacete classe B
• Botas Isolantes

- 3 -

Eng. Caetano Roberto Camardella Filho
Email: caetano.camardella@leal.com.br
Cel: 11-8371-7810
Indústria e Comércio Leal Ltda.


- EPC’s

• Mantas Isolantes
• Tapetes Isolantes




- Ferramentas:
• Ferramentas Isoladas



Equipamentos de proteção contra Arco Elétrico.
0s -¡a|asm-a|as 1- ara|-tJa taa|rs srta -|t|r|ta 1-t-rJa s-r 1|m-as|aas1as
1- star1a tam ss t|sss-s 1- r|stas 1-|-rm|as1ss a-|s aarms 1||Æ I1|


• Vestimenta Antichama
• Protetores faciais
• Luvas Isolantes Antichamas


- 4 -

Eng. Caetano Roberto Camardella Filho
Email: caetano.camardella@leal.com.br
Cel: 11-8371-7810
Indœstria e Comércio Leal Ltda.

Trabalhos desenergizados:
Para que uma instalação elétrica seja considerada
desenergizada a NR 10 estabelece a seguinte sequência
a ser seguida:

a) Seccionamento;
b) Impedimento de reenergizaç“o;
c) Constatação da ausência de tensão
d) Instalação de Aterramento temporário com
Equipotencialização dos condutores;
e) Proteção dos elementos energizados existentes na
zona controlada;
f) Instalação de sinalização para impedimento da
Energização.

Equipamentos necessários para desenergização:
Segue os equipamentos necessários em cada fase do processo de
desenergização lembrando que um sistema só é considerado
desenergizado quando o processo em questão estiver concluído.
Por esse motivo em todas as fases do processo o eletricista deverá
estar usando os equipamentos de proteção para choque e arco
elétrico discriminados no item anterior.

- 5 -

Eng. Caetano Roberto Camardella Filho
Email: caetano.camardella@leal.com.br
Cel: 11-8371-7810
Indústria e Comércio Leal Ltda.


- Seccionamento:
• Vara de manobra (Depende a situação)


- Impedimento de reenergização
• Bolqueadores





- Constatação da ausência de tensão
• Vara de manobra
• Detector de tensão







- Instalação de aterramento temporário
• Aterramento temporário


- 6 -

Eng. Caetano Roberto Camardella Filho
Email: caetano.camardella@leal.com.br
Cel: 11-8371-7810
Indústria e Comércio Leal Ltda.
Capitulo 2
ARCO ELÉTRICO

Arcos Elétricos:

O arco elétrico é um fenômeno da eletricidade inerente ao sistema elétrico
ou circuito elétrico. Podem existir de uma forma controlada como nos casos de solda
elétrica ou fornos industriais, ou com liberação de pequena quantidade de calor como nos
casos de interruptores para lâmpadas.

No caso de falhas elétricas ou curtos circuito é um fenômeno indesejável que libera uma
enorme quantidade de calor. Este fenômeno, além da liberação de calor, libera partículas de
metais ionizadas que eventualmente podem conduzir correntes, deslocamento de ar com
aparecimento de alta pressão, prejudicial ao sistema auditivo, e raios ultravioletas
prejudiciais à visão.

Normalmente os arcos elétricos em painéis aparecem por:

• Mau contato (por ex. Perda de pressão dos parafusos de conexão)
• Depreciação da isolação (sobretensão, sobrecarga e fim de vida do dielétrico)
• Defeito de fabricação de componentes ou equipamento (Quando não detectada no
início, o mesmo aparece ao longo da vida)
• Projeto e instalação inadequada ou mal dimensionada.
• Manutenção inadequada (Introdução de mudanças sutis, sem avaliação técnica
adequada).
• Contatos acidentais ou inadvertidos de ferramentas ou peças (Erro humano).

Como pode ser observado, a maioria das causas do aparecimento do arco é conhecido,
portanto é possível de tomar ações preventivas antes do seu aparecimento, seja ações
administrativas e ou preventivas. Essas ações podem e devem iniciar durante a elaboração
do projeto, montagem, controle de qualidade, manutenção preventiva e procedimentos
administrativos e operacionais.

É fácil de perceber que a responsabilidade da segurança é um esforço em conjunto da
Engenharia, Operação, Manutenção e Gerência administrativa coordenado pelo setor ou
Engenharia de segurança Industrial.

Insistindo, a proteção contra queimaduras por arco deve ser considerada como o último
recurso, e não como a proteção principal. A prática de segurança deve ser iniciada na
prevenção contra aparecimento do arco.




- 7 -

Eng. Caetano Roberto Camardella Filho
Email: caetano.camardella@leal.com.br
Cel: 11-8371-7810
Indústria e Comércio Leal Ltda.
Estimando a Energia (Calor do arco) num curto circuito:
O calor liberado num curto circuito pode ser determinado e estimado para cada ponto de
operação de um sistema elétrico, utilizando as ferramentas de cálculo de engenharia seja de
forma tradicional ou através de programas computacionais disponíveis no mercado. Os
seguintes dados e informações podem ser normalmente obtidos no setor de engenharia de
projeto ou de manutenção:

• Diagrama unifilar completo atualizado da instalação.
• Correntes de curto-circuito simétrico trifásico sólido disponível em cada ponto ou
equipamento que se pretende estimar a energia.
• Curvas de coordenação e seletividade de proteção do sistema elétrico ou curvas de
tempo x corrente com o respectivo tempo de atuação da proteção. Os mesmo devem
estar atualizados com o ajuste dos relés reais existente na instalação.
• Tempo total de abertura e extinção do arco dos dispositivos de proteção (fusíveis,
disjuntores etc.).

Com essas informações é possível se obter, através das fórmulas matemáticas fornecidas
pela norma NFPA 70E, a quantidade de energia incidente liberada em um arco elétrico e
com isso podemos dimensionar os equipamentos de proteção necessários conforme tabela
abaixo.

CATEGORIA
DE RISCO
NIVEL DE
EXPOSIÇÃ
O EM
CAL/CM2
DESCRIÇÃO DA VESTIMENTA LUVA ISOLANATE
PROTETOR
FACIAL
MÍNIMO DE
PROTEÇÃ0 DA
ROUPA
0 0
Algodão não tratado Não é necessário
Não é
necessário
0
1 >0 - 5
Calça e camisa ou macacão
confeccionado com uma camada de
tecido FLASH WEAR
Luva Isolante com
propriedade
antichama
(Salisbury)
Viseira AS
1000 HAT
15 cal/cm2
5
2 >5 - 8
Calça e camisa ou macacão
confeccionado com uma camada de
tecido FLASH WEAR
Luva Isolante com
propriedade
antichama
(Salisbury)
Viseira AS
1000 HAT
15 cal/cm2
8
3 >8 - 25
Calça e camisa ou macacão
confeccionado com uma camada de
tecido FLASH WEAR mais uma
capa 7/8 confeccionada com 1
camada de tecido FLASH WEAR
Luva Isolante com
propriedade
antichama
(Salisbury)
Viseira AS
1000 CAP
40 cal/cm2
25
4 >25 - 40
Calça e camisa ou macacão
confeccionado com uma camada de
tecido FLASH WEAR mais uma
capa 7/8 confeccionada com 2
camadaS de tecido FLASH WEAR
Luva Isolante com
propriedade
antichama
(Salisbury)
Viseira AS
1000 CAP
40 cal/cm2
40

- 8 -

Eng. Caetano Roberto Camardella Filho
Email: caetano.camardella@leal.com.br
Cel: 11-8371-7810
Indústria e Comércio Leal Ltda.
CAPÍTULO 3
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO CONTRA
ARCO ELÉTRICO













PROTEÇÃO PARA O CORPO
UNIFORME ANTICHAMA

.
PROTEÇÃO (1 CAMADA)

- ATPV: 8,5 CAL/CM2 CLASSE DE RISCO 2
- HAF: 72,7%
Obs: Com duas camadas o ATPV aferido é de 24,1 cal/cm² e o HAF é de 92% e
com 3 camadas o ATPV aferido é de 40,5 cal/cm² e o HAF é de 94,2%.

ATPV: Valor de proteção térmica do arco elétrico em cal/cm2. Quanto mais alto o valor do ATPV maior será a proteção.
HAF: Fator de atenuação de calor. Quanto mais alto o percentual do HAF mais o tecido bloqueará o calor


- 9 -

Eng. Caetano Roberto Camardella Filho
Email: caetano.camardella@leal.com.br
Cel: 11-8371-7810
Indústria e Comércio Leal Ltda.

COMPOSIÇÃO:

- 88% de algodão (Conforto e Suavidade)
- 12% de fibras sintéticas de alta resistência (Alta Resistência Mecânica)
- CONFECÇÃO COM QUALIDADE GARANTIDA LEAL
-
POLÍMERO ANTICHAMA

O Flash Wear não possui qualquer tipo de “banho” retardante. O tratamento é feito na fibra
do algodão através de um processo de polimerização que impregna com o polímero
antichama diretamente o interior de cada fibra de algodão, isolando-o através de um
processo de selamento por amoníaco.

LAVAGENS

O processo de isolar o polímero antichama no interior da fibra do algodão permite que o
Flash Wear possa ser lavado por diversas vezes (LAVAGENS CASEIRAS E
INDUSTRIAIS) sem que o polímero saia da fibra do algodão, garantindo assim a
propriedade antichama por toda vida útil da roupa.

O FLASH WEAR ATENDE AS SEGUINTES NORMAS:

NFPA 70E – Riscos Elétricos.

Para que a Vestimentas atenda a NFPA 70E, é exigido que o tecido atenda a seguinte
norma: ASTM F 1506-02 (Vestimentas para arco elétrico e perigos térmicos).

Ensaios exigidos pela ASTM F 1506-02:

- ATPV e HAF - ASTM F 1959M-99
- Flamabilidade Vertical - ASTM D 6413-99.
- Respirabilidade - ASTM D 737-96
- Resistência a Tração - ASTM D 5034
- Resistência a Ruptura - ASTM D 1424




- 10 -

Eng. Caetano Roberto Camardella Filho
Email: caetano.camardella@leal.com.br
Cel: 11-8371-7810
Indústria e Comércio Leal Ltda.
NFPA 2112 – Risco ao Fogo Repentino / Risco Secundário.

Para que a Vestimentas atenda a NFPA 2112 deverão ser feitos os seguintes ensaios:

- Flamabilidade Vertical - ASTM D 6413-99
- Flamabilidade com Manequim Instrumentado - ASTM F 1930-00
- Respirabilidade - ASTM D 737-96
- Resistência Mecânica - ASTM D 5034
- Resistência a Ruptura - ASTM D 1424

NFPA 1977 – 1998 – Incêndios Florestais.

Para que a Vestimentas atenda a NFPA 1977-1998 deverá ser feito o seguinte ensaio:
Ensaio:

- Flamabilidade Vertical - ASTM D6413-99

NFPA 70E – RISCOS ELÉTRICOS

A NFPA 70E trata dos requisitos de segurança elétrica necessários para garantir a
segurança dos trabalhadores em seus locais de trabalho. Esta norma é adotada como padrão
nas maiores empresas dos EUA para garantir a segurança de seus trabalhadores

QUADRO COMPARATIVO
ARCO ELÉTRICO (ASTM 1959)

Modelos
ATPV
(cal/cm2)
HAF
%
FLASH WEAR 8.5 72.7
OUTRO ALGODÃO*
8.2 72
ARAMIDA*
5.2 59

- 11 -

Eng. Caetano Roberto Camardella Filho
Email: caetano.camardella@leal.com.br
Cel: 11-8371-7810
Indústria e Comércio Leal Ltda.

FLASH WEAR: Classe de risco 2 com apenas 1 camada.

- ATPV: Valor de proteção térmica do arco elétrico em cal/cm2. Quanto mais
alto o valor do ATPV maior será a proteção.
-
- HAF: Fator de atenuação de calor. Quanto mais alto o percentual do HAF
mais o tecido bloqueará o calor.

* Informações dos modelos comercializados no Brasil.

Obs: As informações acima foram coletadas através de ensaios e/ou através de
publicações dos próprios fabricantes.

ASTM F1959M-99 – ATPV e HAF.

LOCAL: LABORATÓRIO DE KINECTRICS, CANADÁ.
DATA: 21 DE JULHO DE 2004

- Os ensaios realizados através do método ASTM F1959M-99 comprovaram que o
tecido Flash Wear atinge o ATPV (valor de proteção térmica do arco elétrico) de
8.5, e o HAF (fator de atenuação do calor) de 72.7%.
- O Fato de o Flash Wear atingir um nível de proteção de 8.5 ATPV permite que um
eletricista trabalhe exposto ao Rico 2 da NFPA 70E com apenas uma camada do
tecido, enquanto que um tecido de Aramida precisaria de 2 camadas para atingir o
mesmo nível de proteção, tornando o uniforme muito mais quente, desconfortável e
caro

NFPA 2112 – Risco ao Fogo Repentino.

A NFPA 2112 é uma norma americana que trata sobre os riscos de explosão(fogo
repentino). Esta norma é adotada como referencias em diversas empresas petroquímicas
como, por exemplo, a PETROBRÁS
.






- 12 -

Eng. Caetano Roberto Camardella Filho
Email: caetano.camardella@leal.com.br
Cel: 11-8371-7810
Indústria e Comércio Leal Ltda.
QUADRO COMPARATIVO
FOGO REPENTINO (NFPA 2112)

Modelos
%QUEIMADURAS
(MANEQUIM)
AFTER FLAME
(MANEQUIM)
AFTER FLAME
(FLA. VERTICAL)
ÁREA
QUEIMADA
(FLA.
VERTICAL)
FLASH WEAR 13.1% 2.3 segs 0 segundos 87mm
ARAMIDA 34.2% 4.3 segs 1.2 segundos 77mm
OUTRO
ALGODÃO***
35% 4.8 segs 0 segundos 91.44mm

% Queimaduras (manequim): quantidade de queimaduras na superfície do manequim
após 3 segundos de exposição a chamas
After Flame (Manequim): Tempo de propagação do tecido após o termino da exposição
de 3 segundos a chamas. Ensaio feito em manequim instrumentado
After Flame (Vertical): Tempo de propagação do tecido após o termino da exposição de
12 segundos a chamas. Ensaio feito somente no tecido.

Área Queimada: Área carbonizada durante 12 segundos de exposição a chamas. Ensaio
feito somente no tecido.

Obs: As informações acima foram coletadas através de ensaios e/ou através de
publicações dos próprios fabricantes.

Obs 2: Dados dos modelos comercializados no Brasil.

ASTM D 6413-99 – Ensaio de Flamabilidade Vertical.

LOCAL:Laboratório da Universidade de Alberta no Canadá
DATA: 13 de Julho de 2004.

Os ensaios realizados de acordo com o método ASTM D 6413-99, previsto na NFPA 2112,
NFPA 1977 –1998 e NFPA 70E comprovam que uma vez apagada a fonte de ignição de
chamas aplicada no tecido por 12 segundos, o tecido Flash Wear extingue a chama
imediatamente.



- 13 -

Eng. Caetano Roberto Camardella Filho
Email: caetano.camardella@leal.com.br
Cel: 11-8371-7810
Indústria e Comércio Leal Ltda.

Resultados:

- After Flame: 0 segundos.
- Total de queima do tecido: 87mm.

ASTM F 1930-00 – Ensaio de Flamabilidade com Manequim
Instrumentado.

Ensaio realizado no Laboratório da Universidade de Alberta no Canadá em 02 de
Dezembro de 2004.

Os ensaios realizados de acordo com o método ASTM D 1930-00 foram feitos de acordo
com as seguintes exigências da NFPA 2112:
- 3 segundos de exposição a chamas;
- Passa na prova quando a queimadura (em 3 segundos de exposição) for menor que
50% da superfície do manequim;
- Reprova quando a queimadura for superior a 50% da superfície do manequim.

O Tecido Flash Wear apresentou os seguintes resultados:

- % de queimaduras da área total do manequim, inclusive das áreas não
cobertas pelo Flash Wear como mãos e cabeça: 13.1%.
- % de queimaduras das áreas cobertas pelo Flash Wear: 7.5%.
- After Flame: 2.3 segundos.

PROTEÇÃO PARA A FACE
PROTETORES FACIAIS

Em um acidente com arco elétrico, uma das partes mais expostas a sofrer queimaduras é a
face do trabalhador. Além da queimadura provocada pela energia liberada pelo arco
elétrico, o eletricista está sujeito a sofrer lesões provenientes de objetos lançados pela
explosão. Ou seja, o protetor deve possuir proteção contra o calor radiante e contra
impacto.





- 14 -

Eng. Caetano Roberto Camardella Filho
Email: caetano.camardella@leal.com.br
Cel: 11-8371-7810
Indústria e Comércio Leal Ltda.

PROTETOR FACIAL PARA CATEGORIAS DE RISCOS 1 E 2

- Referência: AS 1000 HAT









- Características:

Protetor facial com lente protetora de propianato na cor verde com proteção contra infra-
vermelho, impacto e energia incidente de 15cal/cm² (Classe de risco 2) e grampos para
encaixe em capacetes North

PROTETOR FACIAL PARA CATEGORIAS DE RISCOS 3 E 4

- Referência: AS 1000 CAP






.



- Características:

Protetor facial com lente protetora de propianato na cor verde com proteção contra infra-
vermelho, impacto e energia incidente de 40 cal/cm² (Classe de risco 4). Utilizada com
capacete North e com 2 ou 3 camadas de tecido Flash Wear em forma de capuz colada por
velcro na lente da viseira..


Proteção de
infra-vermelho

- 15 -

Eng. Caetano Roberto Camardella Filho
Email: caetano.camardella@leal.com.br
Cel: 11-8371-7810
Indústria e Comércio Leal Ltda.
PROTEÇÃO PARA AS MÃOS
LUVAS ISOLANTES

- As luvas isolantes devem possuir duas características de proteção: Isolante e antichamas.
(Nós iremos ver a proteção isolante no Capítulo 4 que trata de equipamentos para choque
elétrico)

PROTEÇÃO ANTICHAMAS
- Para proteger as mãos de queimaduras provocadas por arco elétrico, o trabalhador deverá
utilizar uma luva isolante de borracha com características antichamas alem de uma luva de
cobertura de vaqueta ou couro para proteção mecânica.

As Luvas Isolantes da Salisbury são as únicas do mercado com proteção contra arco
elétrico. No caso de luvas isolantes sem a propriedade antichamas o trabalhador deverá
usar, além da luva de cobertura, uma luva de tecido antichama, totalizando três luvas.
(Antichama, isolante e de cobertura).

Para comprovar as características antichamas das luvas isolantes Salisbury, as mesmas
foram submetidas a ensaios em laboratório de exposição ao arco elétrico.


















Diferentemente das vestimentas e das viseiras, a luva isolante deverá ser
dimensionada de acordo com o nível de tensão e não de acordo com a classe de risco.

- 16 -

Eng. Caetano Roberto Camardella Filho
Email: caetano.camardella@leal.com.br
Cel: 11-8371-7810
Indústria e Comércio Leal Ltda.
CAPÍTULO 4
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO CONTRA CHOQUE
ELÉTRICO


Introdução:

O choque elétrico, geralmente causado por altas descargas, é sempre grave, podendo
causar distúrbios na circulação sanguínea e, em casos extremos, levar à parada cárdio-
respiratória.
Na pele, podem aparecer duas pequenas áreas de queimaduras (geralmente de 3º grau) -
a de entrada e de saída da corrente elétrica.

A pele humana é um bom isolante e apresenta, quando seca, uma resistência à passagem
da corrente elétrica de 100.000 Ohms. Quando molhada, porém, essa resistência cai
para apenas 1.000 Ohms. A energia elétrica de alta voltagem, rapidamente rompe a
pele, reduzindo a resistência do corpo para apenas 500 Ohms.


- Percurso da corrente elétrica:







O choque consiste em uma passagem de corrente pelo corpo humano, tendo um ponto de
entrada (Fonte) e um ponto de saída ( Terra).


- 17 -

Eng. Caetano Roberto Camardella Filho
Email: caetano.camardella@leal.com.br
Cel: 11-8371-7810
Indústria e Comércio Leal Ltda.
Classe das Tensão Tensão de Tensão mínima
Luvas máxima de uso ensaio de perfuração Luva de Luva de Luva de Luva de
(Valor eficaz) (Valor eficaz) (Valor eficaz) 267mm 356mm 406mm 457mm
(V) (V) (V) (comprimento) (comprimento) (comprimento) (comprimento)
OO 500 2500 4000 8 12 14 14
0 1000 5000 6000 8 12 14 16
1 7500 10000 20000 X 14 16 18
2 17000 20000 30000 X 16 18 20
3 26500 30000 40000 X 18 20 22
4 36000 40000 50000 X X 22 24
Corrente máxima de fuga (mA)

PROTEÇÃO CONTRA CHOQUE
LUVAS ISOLANTES

- As luvas isolantes são usadas em situações em que existam perigos de choque elétrico que
possam atingir os eletricistas quando em contato com condutores ou equipamentos elétricos
energizados

- As luvas são usadas para proteção pessoal, portanto ao autorizar seu uso deve ser dada
uma margem de segurança entre a tensão máxima na qual são usadas e a tensão de ensaio.

Classes de Tensão
São estabelecidas 6 classes de tensão:









ESPECIFICAÇÃO DE LUVAS ISOLANTES NORTH/SALISBURY
(LEAL)

- Composição
Borracha natural tipo I com a orla dobrada na extremidade;

- Processo de Fabricação
Por múltiplas imersões, com tratamento halógeno (clorinação);




- 18 -

Eng. Caetano Roberto Camardella Filho
Email: caetano.camardella@leal.com.br
Cel: 11-8371-7810
Indústria e Comércio Leal Ltda.

- Classes de Tensão




- Cor

A partir da classe 0 as luvas Salisbury são bicolores.

- Identificação contida nas luvas:

A identificação da luva é feita pelo rótulo impresso da NORTH, com a cor da
classe de tensão, contendo:

- Número da norma americana, marca, classe de tensão, tipo e número do
tamanho.
- Também possui identificação impressa por serigrafia, contendo a máxima
tensão AC RMS de uso.
- Número do CA : 9853

- Considerações :

As luvas de borracha devem ser usadas com luvas de proteção para evitar
furos e aumentar a sua durabilidade.
As luvas são vendidas em pares acondicionados em caixa de papelão.


- 19 -

Eng. Caetano Roberto Camardella Filho
Email: caetano.camardella@leal.com.br
Cel: 11-8371-7810
Indústria e Comércio Leal Ltda.


É OBRIGATÓRIO:

Fazer uma inspeção preliminar diariamente antes do uso. A inspeção deverá
ser feita com o uso de um insuflador específico.
O usuário deverá estar atento a furos e cavidades, oxidação, ataque de ozônio,
deterioração, sinais de envelhecimento, rachaduras, sulcos, cortes e desgastes
superficiais.
Havendo duvidas, suspeitas ou constatação de defeitos as luvas não poderão
ser utilizadas e deverão ser encaminhadas imediatamente para testes laboratoriais
de inspeção visual e ensaios de tensão.






Especificação Técnica

Inflador de Luvas Manual Portátil -
G99







REFERÊNCIA: G99 - SALISBURY
DESCRIÇÃO : Inflador de luvas tipo sanfona manual e portátil, com argola de
borracha e ou nylon com velcro
MATERIAL : Parte sanfonada e diafragma em borracha sintética, bocal em aço c/
revestimento de borracha, tira de nylon c/ velcro e argola de borracha
DIMENSÕES : diâmetro : 140mm ; altura : 250mm
PESO APROX.: 910g


- 20 -

Eng. Caetano Roberto Camardella Filho
Email: caetano.camardella@leal.com.br
Cel: 11-8371-7810
Indústria e Comércio Leal Ltda.
Capítulo 5
Ferramentas

FERRAMENTAS ISOLADAS
NR 10: 10.4.3 “Nos locais de trabalho só podem ser utilizados equipamentos,
dispositivos e ferramentas elétricas compatíveis com a instalação elétrica
existente, preservando-se as características de proteção, respeitadas as
recomendações do fabricante e as influências externas”.

Como estabelece a NR 10 no texto acima, nenhum equipamento que o eletricista
esteja portando poderá promover um risco de acidente.Se o eletricista estiver
portando alguma ferramenta sem uma proteção isolante ele estará sujeito a sofrer
um acidente com arco elétrico se a mesma fechar um curto circuito entre
elementos de diferentes potenciais.


NORMA INTERNACIONAL IEC900


I – DEFINIÇÕES

a) FERRAMENTA ISOLADA
♦ Ferramenta manual revestida de material isolante, para proteger o usuário de
contato elétrico e minimizar os riscos de curto circuito entre elementos de
potenciais diferentes.












- 21 -

Eng. Caetano Roberto Camardella Filho
Email: caetano.camardella@leal.com.br
Cel: 11-8371-7810
Indústria e Comércio Leal Ltda.
II - ENSAIOS
a) ENSAIO DIELÉTRICO















b) ENSAIO DE IMPACTO















c) ENSAIO DE PENETRAÇÃO








Depois de um acondicionamento de 24 horas
da ferramenta dentro de um balde d’água,
retira-se e seca-se a mesma. Logo inicia-se o
ensaio da seguinte maneira: colocamos a
parte isolada da ferramenta dentro do balde
d’água e aplica-se sobre a cabeça a tensão
de 10 kV durante 3 min. Mede-se a corrente
de fuga, que deve ser inferior a 1 mA por 200
mm de parte isolada.

A dureza do martelo deve ser de 20 HRC
(tratamento térmico). Seleciona-se 3 pontos de
ensaios suscetíveis a queda sobre uma
superfície plana. O ensaio é realizado sobre
estes pontos.
Coloca-se um aparato de prova
pontiagudo de 2 kg no centro da parte
isolada. Depois, coloca-se o conjunto
dentro de um forno programado a 70° °° °
durante 2 h. Após a saída do forno,
realiza-se um ensaio dielétrico de 5 kV
durante 3 min entre a ponta do aparato e a
cabeça não isolada da ferramenta.

- 22 -

Eng. Caetano Roberto Camardella Filho
Email: caetano.camardella@leal.com.br
Cel: 11-8371-7810
Indústria e Comércio Leal Ltda.
d) ENSAIO DE ADERÊNCIA DO REVESTIMENTO ISOLANTE















e) ENSAIO DE PROPAGAÇÃO DE CHAMAS















f) ENSAIO MECÂNICO











Depois do acondicionamento de 168 h
da ferramenta a uma temperatura de
70° °° ° realiza-se o ensaio de aderência
entre o 3° °° ° e o 5° °° ° min. A capa isolante
não pode despegar-se mais que 3 mm
da parte condutora em relação à sua
posição inicial. O peso adotado varia
de acordo com o tipo de ferramenta
ensaiada.
Logo após ajustar a chama para se
obter unicamente a parte azul, coloca-
se a ferramenta sobre a mesma a uma
distância de 20 mm durante 10 s e
retira-se a ferramenta. A propagação da
chama deve ser observada durante 20 s
e não superar os 120 mm de altura para
se obter o ensaio correto.
Refere-se à qualidade das partes
metálicas da ferramenta que devem
resistir a norma ISO.
As ferramentas seguem padrão
internacional da norma IEC 900

- 23 -

Eng. Caetano Roberto Camardella Filho
Email: caetano.camardella@leal.com.br
Cel: 11-8371-7810
Indústria e Comércio Leal Ltda.
III - DISPOSIÇÕES

a) PLACA DA FERRAMENTA

Deve conter:
♦ origem (identificação do fabricante com sua marca)
♦ referência do produto (exemplo: MS4)
♦ ano de fabricação (exemplo 98)
♦ símbolo da norma IEC900 (os triângulos) e a tensão de uso de 1000 V.










III - DISPOSIÇÕES

b) CERTIFICADOS E LABORATÓRIO DE QUALIDADE

Estes certificados garantem o controle da fabricação de acordo com a norma
IEC900 por um laboratório de ensaios independentemente da empresa fabricante.

Internacional – IEC900
Francesa – AFNOR NF C 18-400
Espanhola – UNE EN 60900
Alemã – VDE 0680
Inglesa – ESI 26 – 3
Italiana – ENEL 11 – 16
Européia – EN60900

Os laboratórios de reputação internacional são os seguintes

♦ LABORATORIO LCIE E SUA MARCA NF (França)
♦ LABORATORIOS TUV E SUA MARCA GS

c) CONTROLE DE FABRICAÇÃO

Através da estampa do ano de fabricação da isolação é possível, em caso de uma
falha da ferramenta, levantar dados do processo de fabricação, tais como, os
componentes utilizados para fabricar as ferramentas ou levantar todos os clientes
que compraram a mesma ferramenta.


- 24 -

Eng. Caetano Roberto Camardella Filho
Email: caetano.camardella@leal.com.br
Cel: 11-8371-7810
Indústria e Comércio Leal Ltda.
DETECTOR DE TENSÃO TAG200 - LEAL

- Conforme estabelece a nova NR 10, sempre que for
trabalhar desenergizado, a detecção da ausência de tensão é
um processo obrigatório antes da realização de qualquer
atividade.

Descrição: Detector de tensão por contato com encaixe universal para vara de manobra –
TAG 200

Norma : IEC UNE EN 61243-1

Range de Tensões : pode ser fabricado para tensões de 1kV a 500kV , sendo a faixa para
cada aparelho dentro da relação 1/3 entre mínima e máxima tensões.

Sistema : Botão de teste Stand-By com Led piloto e sinalização sonora e visual de três
Leds
Resistência a temperatura : de -25 C a +55 C

Frequência : 60Hz
Alimentação : Bateria de 9V

Peso : 380g
Comprimento : 188mm
Diâmetro : 49mm

Acondicionamento : caixa metálica com forra de espuma
*Instruções de uso no corpo do detector

- 25 -

Eng. Caetano Roberto Camardella Filho
Email: caetano.camardella@leal.com.br
Cel: 11-8371-7810
Indústria e Comércio Leal Ltda.
VARA TELESCÓPICA

Para que se possa manusear o detector de tensão TAG 200 será necessário a utilização
de uma vara de manobra.

1 ) Descrição : Vara telescópica triangular seccionável de fibra de vidro na cor
amarela (isolamento 100kV a cada 30cm – ASTM), com elemento superior em cor
fluorescente preenchido com espuma de poliuretano e ponta com cabeçote em liga de
alumínio de encaixe universal com gravação indelével ” tested per OSHA”; sistema de
travamento por botões; base inferior com ponta revestida de borracha. Deve vir
acompanhada de cabeçote de manobra com encaixe universal para abertura de chave
fusível.

2 ) Identificações :
Deve vir indicado na vara:
nome do fabricante;
data de fabricação;
código de identificação:

Exemplo : HV-230
H – indica fabricação Hastings
V – modelo triangular
2 – segunda geração
30 – 30 '... trinta pés de comprimento extendida ( vide dimensionamentos );

recomendações de uso;
normas e laboratórios internacionais ( ASTM F711 / F1826 – OSHA )

3 ) Utilização : Utilizada para manobras, a partir do solo ou não, com ferramentas
universais ou adaptáveis em linhas energizadas ou não.

4 ) Dimensionamentos:
Modelo Comprimento
Extendida (média)
(m)
Comprimento
Fechada (média)
(m)
Diâmetro da Base Peso Total (kg)
HV-208* 2,43 0,67 44,40 1,40
HV-212 3,80 1,48 36,80 1,66
HV-216 5,00 1,53 40,90 2,26
HV-220 6,43 1,58 44,40 2,92
HV-225 7,80 1,63 48,50 3,68
HV-230 9,21 1,68 52,50 4,55
HV-235 10,60 1,72 56,40 5,50
HV-240 12,00 1,75 60,40 6,50

- 26 -

Eng. Caetano Roberto Camardella Filho
Email: caetano.camardella@leal.com.br
Cel: 11-8371-7810
Indústria e Comércio Leal Ltda.
*indicada para uso em cesto aéreo


5 ) Resultados de Testes mecânicos segundo ASTM F1826 /OSHA
( tolerância máxima de + 2% )

5.1 ) Deflexão Horizontal

Modelo Deflexão sem peso (mm) Deflexão com 22,3N (mm)
HV-208 7 20
HV-212 83 337
HV-216 248 845
HV-220 483 1474
HV-225 902 2280
HV-230 1499 3268
HV-235 2261 4318
HV-240 3099 5525

5.2 ) Deflexão Máxima Vertical (estendida )

Modelo Deflexão (mm)
HV-208 489
HV-212 775
HV-216 1080
HV-220 1591
HV-225 1982
HV-230 2439
HV-235 3036
HV-240 3671

5.3 ) Resistência ao Impacto

A vara extendida na vertical resiste ao impacto de queda livre vertical de
uma altura de 61cm em relação ao solo de concreto.

5.4 ) Resistência a Tensão mecânica

As varas extendidas suportam a tensão mecânica de 1,34kN durante 10min
sem alteração ou deterioração.

- 27 -

Eng. Caetano Roberto Camardella Filho
Email: caetano.camardella@leal.com.br
Cel: 11-8371-7810
Indústria e Comércio Leal Ltda.


DETECTOR POR APROCIMAÇÃO (GT-11)

- Conforme estabelece a nova NR 10, sempre que for
trabalhar desenergizado, a detecção da ausência de tensão é
um processo obrigatório antes da realização de qualquer
atividade.

O detector GT-11 é um detector de presença de tensão que atende à norma IEC 61010-1
categoria III, até 1000V

Especificações:

- Limites de detecção: 50V – 1000V
- Faixa de freqüência: 50 – 500Hz

Características:

- Fabricante: Greenlee
- Permite uma detecção rápida e fácil;
- Conveniente formato de caneta que possibilita guarda-la no bolso da camisa;
- Em caso de presença de tensão, os leds brilham e um alarme sonoro é acionado;
- Usado para detectar presença de voltagem em saídas, instalações de iluminação, fios
e cabos, etc;
- Acessórios inclusos: 2 baterias AAA 1,5 V.





- 28 -

Eng. Caetano Roberto Camardella Filho
Email: caetano.camardella@leal.com.br
Cel: 11-8371-7810
Indústria e Comércio Leal Ltda.

CAPÍTULO 6

Equipamentos necessários conforme categoria de risco e níveis de tensão.


Exemplos de situações:

EXEMPLOS DE CATEGORIAS DE RISCO
LOCAL
Seccionamento
Portas
Fechadas
Seccionamento
Portas
Abertas
Trabalhos em
partes
energizadas,
incluindo teste
de tensão
Aplicação
de
aterramento
temporário
Leitura
de
Medidor
do painel
Abertura de
tampas
articuladas
para expor
peças nuas,
energizadas
Remoção de
tampas
parafusadas
para expor
partes nuas
energizadas
Painéis até 240 V 0 0 1 x x 0 1
CCM's 380 e 440V
(para desarme de 30
a 100 ms conforme
Planilha de cálculo
em anexo)
0 2 2 2 0 2 2
CCM's 380 e 440V
(para desarme de até
30 ms)
0 1 2 2 0 1 2
Transformadores até
600 V (Corrente de
curto > 10 KA)
x x 2 2 x x x
Transformadores até
600 V (Corrente de
curto < 10 KA)
x x 1 1 x x x
Conj de Manobra até
600V ( Corrente de
curto até 25 KA)
0 1 1 1 0 1 2
Conj de Manobra até
600V ( Corrente de
curto 65 KA)
0 1 2 2 0 2 3
SE 13.8 KV
(blindada)
2 4 4 4 0 3 4
SE 13.8 KV
(Aberta)
x 4 4 4 x x




- 29 -

Eng. Caetano Roberto Camardella Filho
Email: caetano.camardella@leal.com.br
Cel: 11-8371-7810
Indústria e Comércio Leal Ltda.
EQUIPAMENTO QUANTIDADE LOCAL
UNIFORME FLASH WEAR
(UMA CAMADA)
( Três conjuntos por eletricista)
TODOS OS
LOCAIS
CAPA 7/8
(TRÊS CAMADAS)
Conforme número de locais com
necessidade de uso
Locais com risco
3 e 4
VISEIRA AS 1000 CAP
Conforme número de locais com
necessidade de uso
Locais com risco
3 e 4
LUVA ISOLANTE
(CLASSE 00)
(Uma para cada eletricista)
Todos locais em BT
LUVA ISOLANTE
(CLASSE 2)
Conforme número de locais com
necessidade de uso
SE's AT
VISEIRA AS 1000 HAT (Uma para cada eletricista)
Todos os locais em
BT com risco 2
FERRAMENTAS ISOLADAS (Uma para cada eletricista) Todos locais em BT
DETECTOR DE TENSÃO
TAG 200
Conforme número de locais com
necessidade de uso
SE's AT
DETECTOR DE TENSÃO
GT 11
(Um para cada eletricista)
Todos locais em BT
VARA DE MANOBRA
Conforme número de locais com
necessidade de uso
SE's AT
TAPETE ISOLANTE
Conforme número de locais com
necessidade de uso
SE's AT
CONJUNTO DE ATERRAMENTO
CCM
Conforme número de locais com
necessidade de uso
SE's BT
CONJUNTO DE ATERRAMENTO
CUBÍCULO
Conforme número de locais com
necessidade de uso
SE's BT
Legendas:
SE: Subestação
AT: Alta Tensão
BT: Baixa Tensão

Conclusão:
- Cada eletricista deverá estar usando um conjunto calça e camisa ou macacão
confeccionados com tecido Flashwear para todas as atividades onde houver
sistemas energizados dentro da zona de risco e zona controlada estabelecidas
pela NR 10. Esta vestimenta estará protegendo o eletricista até um grau de risco 2
estabelecido pela norma NFPA 70E. Quando eventualmente o trabalhador for
acessar ou trabalhar em um local onde o risco for de nível 3 ou 4 o mesmo deverá
colocar uma proteção adicional sobre o uniforme classe 2, capa7/8 conforme
mostra o quadro acima. Além da proteção do uniforme ao eletricista deverá estar
utilizando um protetor facial conforme o risco envolvido, AS 1000HAT para risco 1
e2 e AS 1000CAP para risco 3 e 4, e um par de luvas isolantes com luvas de
cobertura conforme o nível de tensão existente.
Para manutenção em painéis energizados o eletricista deverá ainda utilizar
ferramentas isoladas, varas de manobra, detectores de tensão, conjunto de
aterramento temporário, etc.

Indústria e Comércio Leal Ltda.

PROTEÇÃO CONFORME NR10
- Trabalhos Energizados Para que um trabalhador esteja equipado e protegido conforme determina a nova NR 10 o mesmo deverá estar protegido dos riscos provenientes de choque e arco elétrico e não poderá portar qualquer equipamento que possa provocar um acidente. No caso de ferramentas, as mesmas deverão possuir uma isolação que garanta a segurança do trabalhador não podendo provocar um curto-circuito no caso de contato com partes energizadas. Equipamentos de proteção contra Choque elétrico:

Capítulo 1 INTRODUÇÃO

- EPI’s: • • • • Luvas Isolantes Mangas Isolantes Capacete classe B Botas Isolantes
-2Eng. Caetano Roberto Camardella Filho Email: caetano.camardella@leal.com.br Cel: 11-8371-7810

Indústria e Comércio Leal Ltda.EPC’s • Mantas Isolantes • Tapetes Isolantes . Caetano Roberto Camardella Filho Email: caetano.com.br Cel: 11-8371-7810 .camardella@leal.Ferramentas: • Ferramentas Isoladas Equipamentos de proteção contra Arco Elétrico. . • Vestimenta Antichama • Protetores faciais • Luvas Isolantes Antichamas -3Eng.

.

Caetano Roberto Camardella Filho Email: caetano.Constatação da ausência de tensão • Vara de manobra • Detector de tensão .Indústria e Comércio Leal Ltda.Seccionamento: • Vara de manobra (Depende a situação) . .br Cel: 11-8371-7810 .Impedimento de reenergização • Bolqueadores .Instalação de aterramento temporário • Aterramento temporário -5Eng.com.camardella@leal.

Capitulo 2 ARCO ELÉTRICO Arcos Elétricos: O arco elétrico é um fenômeno da eletricidade inerente ao sistema elétrico ou circuito elétrico. manutenção preventiva e procedimentos administrativos e operacionais. o mesmo aparece ao longo da vida) Projeto e instalação inadequada ou mal dimensionada. Manutenção e Gerência administrativa coordenado pelo setor ou Engenharia de segurança Industrial. Manutenção inadequada (Introdução de mudanças sutis. -6Eng.br Cel: 11-8371-7810 . É fácil de perceber que a responsabilidade da segurança é um esforço em conjunto da Engenharia. Caetano Roberto Camardella Filho Email: caetano. No caso de falhas elétricas ou curtos circuito é um fenômeno indesejável que libera uma enorme quantidade de calor. montagem.com. Essas ações podem e devem iniciar durante a elaboração do projeto. ou com liberação de pequena quantidade de calor como nos casos de interruptores para lâmpadas. além da liberação de calor. e não como a proteção principal. Operação. Insistindo. a proteção contra queimaduras por arco deve ser considerada como o último recurso. Contatos acidentais ou inadvertidos de ferramentas ou peças (Erro humano). prejudicial ao sistema auditivo. a maioria das causas do aparecimento do arco é conhecido. libera partículas de metais ionizadas que eventualmente podem conduzir correntes. portanto é possível de tomar ações preventivas antes do seu aparecimento. A prática de segurança deve ser iniciada na prevenção contra aparecimento do arco. deslocamento de ar com aparecimento de alta pressão. sem avaliação técnica adequada). e raios ultravioletas prejudiciais à visão.Indústria e Comércio Leal Ltda. Este fenômeno. Podem existir de uma forma controlada como nos casos de solda elétrica ou fornos industriais. Normalmente os arcos elétricos em painéis aparecem por: • • • • • • Mau contato (por ex. sobrecarga e fim de vida do dielétrico) Defeito de fabricação de componentes ou equipamento (Quando não detectada no início. seja ações administrativas e ou preventivas. Como pode ser observado. controle de qualidade.camardella@leal. Perda de pressão dos parafusos de conexão) Depreciação da isolação (sobretensão.

Caetano Roberto Camardella Filho Email: caetano. Estimando a Energia (Calor do arco) num curto circuito: O calor liberado num curto circuito pode ser determinado e estimado para cada ponto de operação de um sistema elétrico.5 Algodão não tratado Calça e camisa ou macacão confeccionado com uma camada de tecido FLASH WEAR Calça e camisa ou macacão confeccionado com uma camada de tecido FLASH WEAR Calça e camisa ou macacão confeccionado com uma camada de tecido FLASH WEAR mais uma capa 7/8 confeccionada com 1 camada de tecido FLASH WEAR 2 >5 .40 tecido FLASH WEAR mais uma capa 7/8 confeccionada com 2 camadaS de tecido FLASH WEAR Viseira AS 1000 CAP 40 cal/cm2 40 -7Eng.com. Os seguintes dados e informações podem ser normalmente obtidos no setor de engenharia de projeto ou de manutenção: • • • • Diagrama unifilar completo atualizado da instalação.Indústria e Comércio Leal Ltda.8 Não é necessário Luva Isolante com propriedade antichama (Salisbury) Luva Isolante com propriedade antichama (Salisbury) Luva Isolante com propriedade antichama (Salisbury) Luva Isolante com propriedade antichama (Salisbury) Não é necessário Viseira AS 1000 HAT 15 cal/cm2 Viseira AS 1000 HAT 15 cal/cm2 Viseira AS 1000 CAP 40 cal/cm2 0 5 8 3 >8 . Correntes de curto-circuito simétrico trifásico sólido disponível em cada ponto ou equipamento que se pretende estimar a energia. a quantidade de energia incidente liberada em um arco elétrico e com isso podemos dimensionar os equipamentos de proteção necessários conforme tabela abaixo.camardella@leal.25 25 4 Calça e camisa ou macacão confeccionado com uma camada de >25 . disjuntores etc. através das fórmulas matemáticas fornecidas pela norma NFPA 70E.br Cel: 11-8371-7810 . Os mesmo devem estar atualizados com o ajuste dos relés reais existente na instalação.). Com essas informações é possível se obter. Curvas de coordenação e seletividade de proteção do sistema elétrico ou curvas de tempo x corrente com o respectivo tempo de atuação da proteção. Tempo total de abertura e extinção do arco dos dispositivos de proteção (fusíveis. CATEGORIA EXPOSIÇÃ O EM DE RISCO CAL/CM2 NIVEL DE MÍNIMO DE PROTEÇÃ0 DA ROUPA DESCRIÇÃO DA VESTIMENTA LUVA ISOLANATE PROTETOR FACIAL 0 1 0 >0 . utilizando as ferramentas de cálculo de engenharia seja de forma tradicional ou através de programas computacionais disponíveis no mercado.

ATPV: 8. HAF: Fator de atenuação de calor. Caetano Roberto Camardella Filho Email: caetano. PROTEÇÃO (1 CAMADA) .5 cal/cm² e o HAF é de 94. ATPV: Valor de proteção térmica do arco elétrico em cal/cm2.br Cel: 11-8371-7810 .5 CAL/CM2 . Quanto mais alto o valor do ATPV maior será a proteção. Quanto mais alto o percentual do HAF mais o tecido bloqueará o calor -8Eng.2%.Indústria e Comércio Leal Ltda.camardella@leal.1 cal/cm² e o HAF é de 92% e com 3 camadas o ATPV aferido é de 40.7% CLASSE DE RISCO 2 Obs: Com duas camadas o ATPV aferido é de 24.HAF: 72.com. CAPÍTULO 3 EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO CONTRA ARCO ELÉTRICO PROTEÇÃO PARA O CORPO UNIFORME ANTICHAMA .

Indústria e Comércio Leal Ltda.camardella@leal.br Cel: 11-8371-7810 .ASTM F 1959M-99 Flamabilidade Vertical .ASTM D 1424 -9Eng. LAVAGENS O processo de isolar o polímero antichama no interior da fibra do algodão permite que o Flash Wear possa ser lavado por diversas vezes (LAVAGENS CASEIRAS E INDUSTRIAIS) sem que o polímero saia da fibra do algodão.ASTM D 5034 Resistência a Ruptura . Para que a Vestimentas atenda a NFPA 70E. garantindo assim a propriedade antichama por toda vida útil da roupa.com. COMPOSIÇÃO: 88% de algodão (Conforto e Suavidade) 12% de fibras sintéticas de alta resistência (Alta Resistência Mecânica) CONFECÇÃO COM QUALIDADE GARANTIDA LEAL POLÍMERO ANTICHAMA O Flash Wear não possui qualquer tipo de “banho” retardante. Ensaios exigidos pela ASTM F 1506-02: ATPV e HAF . isolando-o através de um processo de selamento por amoníaco. O tratamento é feito na fibra do algodão através de um processo de polimerização que impregna com o polímero antichama diretamente o interior de cada fibra de algodão. Respirabilidade .ASTM D 737-96 Resistência a Tração . é exigido que o tecido atenda a seguinte norma: ASTM F 1506-02 (Vestimentas para arco elétrico e perigos térmicos).ASTM D 6413-99. O FLASH WEAR ATENDE AS SEGUINTES NORMAS: NFPA 70E – Riscos Elétricos. Caetano Roberto Camardella Filho Email: caetano.

10 - HAF % 72. Para que a Vestimentas atenda a NFPA 2112 deverão ser feitos os seguintes ensaios: Flamabilidade Vertical .2 . Esta norma é adotada como padrão nas maiores empresas dos EUA para garantir a segurança de seus trabalhadores QUADRO COMPARATIVO ARCO ELÉTRICO (ASTM 1959) Modelos FLASH WEAR OUTRO ALGODÃO* ARAMIDA* ATPV (cal/cm2) 8.ASTM D 737-96 Resistência Mecânica .ASTM F 1930-00 Respirabilidade .ASTM D6413-99 NFPA 70E – RISCOS ELÉTRICOS A NFPA 70E trata dos requisitos de segurança elétrica necessários para garantir a segurança dos trabalhadores em seus locais de trabalho.2 5.7 72 59 Eng.ASTM D 1424 NFPA 1977 – 1998 – Incêndios Florestais.ASTM D 5034 Resistência a Ruptura . Caetano Roberto Camardella Filho Email: caetano.com. NFPA 2112 – Risco ao Fogo Repentino / Risco Secundário.br Cel: 11-8371-7810 .5 8.ASTM D 6413-99 Flamabilidade com Manequim Instrumentado .Indústria e Comércio Leal Ltda. Para que a Vestimentas atenda a NFPA 1977-1998 deverá ser feito o seguinte ensaio: Ensaio: .camardella@leal.Flamabilidade Vertical .

e o HAF (fator de atenuação do calor) de 72.5. FLASH WEAR: Classe de risco 2 com apenas 1 camada.5 ATPV permite que um eletricista trabalhe exposto ao Rico 2 da NFPA 70E com apenas uma camada do tecido. . desconfortável e caro NFPA 2112 – Risco ao Fogo Repentino. LOCAL: LABORATÓRIO DE KINECTRICS. * Informações dos modelos comercializados no Brasil. Caetano Roberto Camardella Filho Email: caetano. A NFPA 2112 é uma norma americana que trata sobre os riscos de explosão(fogo repentino). enquanto que um tecido de Aramida precisaria de 2 camadas para atingir o mesmo nível de proteção. Quanto mais alto o valor do ATPV maior será a proteção. a PETROBRÁS .7%.com. por exemplo. O Fato de o Flash Wear atingir um nível de proteção de 8.camardella@leal. ASTM F1959M-99 – ATPV e HAF. Obs: As informações acima foram coletadas através de ensaios e/ou através de publicações dos próprios fabricantes. DATA: 21 DE JULHO DE 2004 Os ensaios realizados através do método ASTM F1959M-99 comprovaram que o tecido Flash Wear atinge o ATPV (valor de proteção térmica do arco elétrico) de 8.11 Eng.br Cel: 11-8371-7810 . ATPV: Valor de proteção térmica do arco elétrico em cal/cm2. CANADÁ. tornando o uniforme muito mais quente. Quanto mais alto o percentual do HAF mais o tecido bloqueará o calor. Esta norma é adotada como referencias em diversas empresas petroquímicas como. HAF: Fator de atenuação de calor.Indústria e Comércio Leal Ltda.

VERTICAL) 13. NFPA 1977 –1998 e NFPA 70E comprovam que uma vez apagada a fonte de ignição de chamas aplicada no tecido por 12 segundos. ASTM D 6413-99 – Ensaio de Flamabilidade Vertical. Ensaio feito somente no tecido.2% 35% 2.1% 34. QUADRO COMPARATIVO FOGO REPENTINO (NFPA 2112) AFTER FLAME (MANEQUIM) Modelos %QUEIMADURAS (MANEQUIM) FLASH WEAR ARAMIDA OUTRO ALGODÃO*** AFTER FLAME (FLA. Obs 2: Dados dos modelos comercializados no Brasil.br Cel: 11-8371-7810 . o tecido Flash Wear extingue a chama imediatamente.com. Caetano Roberto Camardella Filho Email: caetano.8 segs 0 segundos 1. Ensaio feito somente no tecido.2 segundos 0 segundos 87mm 77mm 91. Área Queimada: Área carbonizada durante 12 segundos de exposição a chamas. . VERTICAL) ÁREA QUEIMADA (FLA.44mm % Queimaduras (manequim): quantidade de queimaduras na superfície do manequim após 3 segundos de exposição a chamas After Flame (Manequim): Tempo de propagação do tecido após o termino da exposição de 3 segundos a chamas. Os ensaios realizados de acordo com o método ASTM D 6413-99.Indústria e Comércio Leal Ltda.3 segs 4.3 segs 4. Ensaio feito em manequim instrumentado After Flame (Vertical): Tempo de propagação do tecido após o termino da exposição de 12 segundos a chamas.camardella@leal. previsto na NFPA 2112.12 Eng. Obs: As informações acima foram coletadas através de ensaios e/ou através de publicações dos próprios fabricantes. LOCAL:Laboratório da Universidade de Alberta no Canadá DATA: 13 de Julho de 2004.

ASTM F 1930-00 – Ensaio de Flamabilidade com Manequim Instrumentado.1%. % de queimaduras das áreas cobertas pelo Flash Wear: 7. Caetano Roberto Camardella Filho Email: caetano. o eletricista está sujeito a sofrer lesões provenientes de objetos lançados pela explosão. inclusive das áreas não cobertas pelo Flash Wear como mãos e cabeça: 13.Reprova quando a queimadura for superior a 50% da superfície do manequim. Ou seja. Além da queimadura provocada pela energia liberada pelo arco elétrico. o protetor deve possuir proteção contra o calor radiante e contra impacto.camardella@leal.br Cel: 11-8371-7810 .3 segundos. . uma das partes mais expostas a sofrer queimaduras é a face do trabalhador.Passa na prova quando a queimadura (em 3 segundos de exposição) for menor que 50% da superfície do manequim. Resultados: After Flame: 0 segundos.Indústria e Comércio Leal Ltda.5%.13 Eng.3 segundos de exposição a chamas. . Ensaio realizado no Laboratório da Universidade de Alberta no Canadá em 02 de Dezembro de 2004.com. O Tecido Flash Wear apresentou os seguintes resultados: % de queimaduras da área total do manequim. Total de queima do tecido: 87mm. Os ensaios realizados de acordo com o método ASTM D 1930-00 foram feitos de acordo com as seguintes exigências da NFPA 2112: . After Flame: 2. . PROTEÇÃO PARA A FACE PROTETORES FACIAIS Em um acidente com arco elétrico.

Indústria e Comércio Leal Ltda. impacto e energia incidente de 40 cal/cm² (Classe de risco 4). impacto e energia incidente de 15cal/cm² (Classe de risco 2) e grampos para encaixe em capacetes North PROTETOR FACIAL PARA CATEGORIAS DE RISCOS 3 E 4 .com.. Utilizada com capacete North e com 2 ou 3 camadas de tecido Flash Wear em forma de capuz colada por velcro na lente da viseira.Referência: AS 1000 HAT Proteção de infra-vermelho .camardella@leal.br Cel: 11-8371-7810 .Características: Protetor facial com lente protetora de propianato na cor verde com proteção contra infravermelho. Caetano Roberto Camardella Filho Email: caetano.Características: Protetor facial com lente protetora de propianato na cor verde com proteção contra infravermelho. . PROTETOR FACIAL PARA CATEGORIAS DE RISCOS 1 E 2 . .14 Eng.Referência: AS 1000 CAP .

isolante e de cobertura). .15 Eng.com. além da luva de cobertura. a luva isolante deverá ser dimensionada de acordo com o nível de tensão e não de acordo com a classe de risco. As Luvas Isolantes da Salisbury são as únicas do mercado com proteção contra arco elétrico. Para comprovar as características antichamas das luvas isolantes Salisbury. PROTEÇÃO ANTICHAMAS Diferentemente das vestimentas e das viseiras. uma luva de tecido antichama. as mesmas foram submetidas a ensaios em laboratório de exposição ao arco elétrico. No caso de luvas isolantes sem a propriedade antichamas o trabalhador deverá usar. o trabalhador deverá utilizar uma luva isolante de borracha com características antichamas alem de uma luva de cobertura de vaqueta ou couro para proteção mecânica.camardella@leal.Indústria e Comércio Leal Ltda. Caetano Roberto Camardella Filho Email: caetano. (Nós iremos ver a proteção isolante no Capítulo 4 que trata de equipamentos para choque elétrico) . totalizando três luvas. (Antichama.br Cel: 11-8371-7810 .Para proteger as mãos de queimaduras provocadas por arco elétrico. PROTEÇÃO PARA AS MÃOS LUVAS ISOLANTES .As luvas isolantes devem possuir duas características de proteção: Isolante e antichamas.

essa resistência cai para apenas 1.br Cel: 11-8371-7810 .Percurso da corrente elétrica: CAPÍTULO 4 O choque consiste em uma passagem de corrente pelo corpo humano. podendo causar distúrbios na circulação sanguínea e. em casos extremos. rapidamente rompe a pele. . geralmente causado por altas descargas. quando seca.camardella@leal. uma resistência à passagem da corrente elétrica de 100.com. tendo um ponto de entrada (Fonte) e um ponto de saída ( Terra). A pele humana é um bom isolante e apresenta. podem aparecer duas pequenas áreas de queimaduras (geralmente de 3º grau) a de entrada e de saída da corrente elétrica.000 Ohms.Indústria e Comércio Leal Ltda. levar à parada cárdiorespiratória. é sempre grave. .000 Ohms. EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO CONTRA CHOQUE ELÉTRICO Introdução: O choque elétrico. Caetano Roberto Camardella Filho Email: caetano. reduzindo a resistência do corpo para apenas 500 Ohms. porém.16 Eng. Na pele. A energia elétrica de alta voltagem. Quando molhada.

Indústria e Comércio Leal Ltda. . .br Cel: 11-8371-7810 . PROTEÇÃO CONTRA CHOQUE LUVAS ISOLANTES .Processo de Fabricação Por múltiplas imersões. portanto ao autorizar seu uso deve ser dada uma margem de segurança entre a tensão máxima na qual são usadas e a tensão de ensaio.As luvas isolantes são usadas em situações em que existam perigos de choque elétrico que possam atingir os eletricistas quando em contato com condutores ou equipamentos elétricos energizados .As luvas são usadas para proteção pessoal. Caetano Roberto Camardella Filho Email: caetano.com. Classes de Tensão São estabelecidas 6 classes de tensão: Classe das Luvas Tensão Tensão de Tensão mínima Corrente máxima de fuga (mA) máxima de uso ensaio de perfuração Luva de Luva de Luva de Luva de (Valor eficaz) (Valor eficaz) (Valor eficaz) 267mm 356mm 406mm 457mm (V) (V) (V) (comprimento) (comprimento) (comprimento) (comprimento) 500 2500 4000 8 12 14 14 1000 5000 6000 8 12 14 16 7500 10000 20000 X 14 16 18 17000 20000 30000 X 16 18 20 26500 30000 40000 X 18 20 22 36000 40000 50000 X X 22 24 OO 0 1 2 3 4 ESPECIFICAÇÃO DE LUVAS ISOLANTES NORTH/SALISBURY (LEAL) .17 Eng.Composição Borracha natural tipo I com a orla dobrada na extremidade.camardella@leal. com tratamento halógeno (clorinação).

contendo a máxima tensão AC RMS de uso. . classe de tensão. tipo e número do tamanho. As luvas são vendidas em pares acondicionados em caixa de papelão. - Classes de Tensão - Cor A partir da classe 0 as luvas Salisbury são bicolores. Identificação contida nas luvas: A identificação da luva é feita pelo rótulo impresso da NORTH. Também possui identificação impressa por serigrafia. com a cor da classe de tensão.Indústria e Comércio Leal Ltda.18 Eng.com. Número do CA : 9853 Considerações : As luvas de borracha devem ser usadas com luvas de proteção para evitar furos e aumentar a sua durabilidade. marca.br Cel: 11-8371-7810 . contendo: Número da norma americana. Caetano Roberto Camardella Filho Email: caetano.camardella@leal.

altura : 250mm PESO APROX.SALISBURY DESCRIÇÃO : Inflador de luvas tipo sanfona manual e portátil. A inspeção deverá ser feita com o uso de um insuflador específico. tira de nylon c/ velcro e argola de borracha DIMENSÕES : diâmetro : 140mm . Caetano Roberto Camardella Filho Email: caetano. O usuário deverá estar atento a furos e cavidades. rachaduras.: 910g . bocal em aço c/ revestimento de borracha.camardella@leal.19 Eng. cortes e desgastes superficiais. sulcos.br Cel: 11-8371-7810 . com argola de borracha e ou nylon com velcro MATERIAL : Parte sanfonada e diafragma em borracha sintética. suspeitas ou constatação de defeitos as luvas não poderão ser utilizadas e deverão ser encaminhadas imediatamente para testes laboratoriais de inspeção visual e ensaios de tensão. Especificação Técnica Inflador de Luvas Manual Portátil G99 REFERÊNCIA: G99 . É OBRIGATÓRIO: Fazer uma inspeção preliminar diariamente antes do uso. Havendo duvidas. deterioração.com. sinais de envelhecimento. oxidação.Indústria e Comércio Leal Ltda. ataque de ozônio.

Se o eletricista estiver portando alguma ferramenta sem uma proteção isolante ele estará sujeito a sofrer um acidente com arco elétrico se a mesma fechar um curto circuito entre elementos de diferentes potenciais. FERRAMENTAS ISOLADAS . NORMA INTERNACIONAL IEC900 I – DEFINIÇÕES a) FERRAMENTA ISOLADA ♦ Ferramenta manual revestida de material isolante. respeitadas as recomendações do fabricante e as influências externas”. nenhum equipamento que o eletricista esteja portando poderá promover um risco de acidente. Como estabelece a NR 10 no texto acima.20 Eng. Capítulo 5 Ferramentas NR 10: 10.Indústria e Comércio Leal Ltda.camardella@leal. para proteger o usuário de contato elétrico e minimizar os riscos de curto circuito entre elementos de potenciais diferentes.3 “Nos locais de trabalho só podem ser utilizados equipamentos.com.br Cel: 11-8371-7810 . dispositivos e ferramentas elétricas compatíveis com a instalação elétrica existente. preservando-se as características de proteção.4. Caetano Roberto Camardella Filho Email: caetano.

coloca-se o conjunto dentro de um forno programado a 70° ° durante 2 h. Seleciona-se 3 pontos de ensaios suscetíveis a queda sobre uma superfície plana.Indústria e Comércio Leal Ltda.ENSAIOS a) ENSAIO DIELÉTRICO Depois de um acondicionamento de 24 horas da ferramenta dentro de um balde d’água.camardella@leal. Depois.com. . II .21 Eng. b) ENSAIO DE IMPACTO A dureza do martelo deve ser de 20 HRC (tratamento térmico). c) ENSAIO DE PENETRAÇÃO Coloca-se um aparato de prova pontiagudo de 2 kg no centro da parte isolada. realiza-se um ensaio dielétrico de 5 kV durante 3 min entre a ponta do aparato e a cabeça não isolada da ferramenta. que deve ser inferior a 1 mA por 200 mm de parte isolada. O ensaio é realizado sobre estes pontos.br Cel: 11-8371-7810 . retira-se e seca-se a mesma. Caetano Roberto Camardella Filho Email: caetano. Mede-se a corrente de fuga. Após a saída do forno. Logo inicia-se o ensaio da seguinte maneira: colocamos a parte isolada da ferramenta dentro do balde d’água e aplica-se sobre a cabeça a tensão de 10 kV durante 3 min.

camardella@leal. A capa isolante ° ° não pode despegar-se mais que 3 mm da parte condutora em relação à sua posição inicial.22 Eng. A propagação da chama deve ser observada durante 20 s e não superar os 120 mm de altura para se obter o ensaio correto. d) ENSAIO DE ADERÊNCIA DO REVESTIMENTO ISOLANTE Depois do acondicionamento de 168 h da ferramenta a uma temperatura de 70° realiza-se o ensaio de aderência ° entre o 3° e o 5° min. As ferramentas seguem padrão internacional da norma IEC 900 .com. O peso adotado varia de acordo com o tipo de ferramenta ensaiada. colocase a ferramenta sobre a mesma a uma distância de 20 mm durante 10 s e retira-se a ferramenta. e) ENSAIO DE PROPAGAÇÃO DE CHAMAS Logo após ajustar a chama para se obter unicamente a parte azul. f) ENSAIO MECÂNICO Refere-se à qualidade das partes metálicas da ferramenta que devem resistir a norma ISO.br Cel: 11-8371-7810 . Caetano Roberto Camardella Filho Email: caetano.Indústria e Comércio Leal Ltda.

tais como. III . Caetano Roberto Camardella Filho Email: caetano.23 Eng. Internacional – IEC900 – AFNOR NF C 18-400 Francesa Espanhola – UNE EN 60900 Alemã – VDE 0680 Inglesa – ESI 26 – 3 Italiana – ENEL 11 – 16 Européia – EN60900 Os laboratórios de reputação internacional são os seguintes ♦ LABORATORIO LCIE E SUA MARCA NF (França) ♦ LABORATORIOS TUV E SUA MARCA GS c) CONTROLE DE FABRICAÇÃO Através da estampa do ano de fabricação da isolação é possível. III . em caso de uma falha da ferramenta.DISPOSIÇÕES b) CERTIFICADOS E LABORATÓRIO DE QUALIDADE Estes certificados garantem o controle da fabricação de acordo com a norma IEC900 por um laboratório de ensaios independentemente da empresa fabricante.camardella@leal.com. os componentes utilizados para fabricar as ferramentas ou levantar todos os clientes que compraram a mesma ferramenta.Indústria e Comércio Leal Ltda. .br Cel: 11-8371-7810 .DISPOSIÇÕES a) PLACA DA FERRAMENTA Deve conter: ♦ origem (identificação do fabricante com sua marca) ♦ referência do produto (exemplo: MS4) ♦ ano de fabricação (exemplo 98) ♦ símbolo da norma IEC900 (os triângulos) e a tensão de uso de 1000 V. levantar dados do processo de fabricação.

24 Eng. sendo a faixa para cada aparelho dentro da relação 1/3 entre mínima e máxima tensões. a detecção da ausência de tensão é um processo obrigatório antes da realização de qualquer atividade.Conforme estabelece a nova NR 10.br Cel: 11-8371-7810 .Indústria e Comércio Leal Ltda. Caetano Roberto Camardella Filho Email: caetano. DETECTOR DE TENSÃO TAG200 .com.camardella@leal.LEAL . Sistema : Botão de teste Stand-By com Led piloto e sinalização sonora e visual de três Leds Resistência a temperatura : de -25 C a +55 C Frequência : 60Hz Alimentação : Bateria de 9V Peso : 380g Comprimento : 188mm Diâmetro : 49mm Acondicionamento : caixa metálica com forra de espuma *Instruções de uso no corpo do detector . Descrição: Detector de tensão por contato com encaixe universal para vara de manobra – TAG 200 Norma : IEC UNE EN 61243-1 Range de Tensões : pode ser fabricado para tensões de 1kV a 500kV . sempre que for trabalhar desenergizado.

40 HV-212 3.25 Eng.com. recomendações de uso.75 60.21 1.90 2.. 4 ) Dimensionamentos: Modelo Comprimento Comprimento Diâmetro da Base Peso Total (kg) Extendida (média) Fechada (média) (m) (m) HV-208* 2.92 HV-225 7. 2 ) Identificações : Deve vir indicado na vara: nome do fabricante. com elemento superior em cor fluorescente preenchido com espuma de poliuretano e ponta com cabeçote em liga de alumínio de encaixe universal com gravação indelével ” tested per OSHA”. sistema de travamento por botões.camardella@leal.43 0. com ferramentas universais ou adaptáveis em linhas energizadas ou não.50 HV-240 12.50 .40 6.50 4.br Cel: 11-8371-7810 .58 44.67 44. normas e laboratórios internacionais ( ASTM F711 / F1826 – OSHA ) 3 ) Utilização : Utilizada para manobras.00 1.60 1.53 40. a partir do solo ou não. Deve vir acompanhada de cabeçote de manobra com encaixe universal para abertura de chave fusível.80 1.63 48.26 HV-220 6. 1 ) Descrição : Vara telescópica triangular seccionável de fibra de vidro na cor amarela (isolamento 100kV a cada 30cm – ASTM). VARA TELESCÓPICA Para que se possa manusear o detector de tensão TAG 200 será necessário a utilização de uma vara de manobra.80 1. base inferior com ponta revestida de borracha.66 HV-216 5.43 1.Indústria e Comércio Leal Ltda.48 36.00 1.40 1.40 5.50 3.40 2. código de identificação: Exemplo : HV-230 H – indica fabricação Hastings V – modelo triangular 2 – segunda geração 30 – 30 '.68 HV-230 9.80 1.72 56.55 HV-235 10..68 52. Caetano Roberto Camardella Filho Email: caetano. trinta pés de comprimento extendida ( vide dimensionamentos ). data de fabricação.

Deflexão (mm) 489 775 1080 1591 1982 2439 3036 3671 .3N (mm) 20 337 845 1474 2280 3268 4318 5525 5.34kN durante 10min sem alteração ou deterioração. Caetano Roberto Camardella Filho Email: caetano.4 ) Resistência a Tensão mecânica As varas extendidas suportam a tensão mecânica de 1.br Cel: 11-8371-7810 . *indicada para uso em cesto aéreo 5 ) Resultados de Testes mecânicos segundo ASTM F1826 /OSHA ( tolerância máxima de + 2% ) 5.camardella@leal.1 ) Deflexão Horizontal Modelo HV-208 HV-212 HV-216 HV-220 HV-225 HV-230 HV-235 HV-240 Deflexão sem peso (mm) 7 83 248 483 902 1499 2261 3099 Deflexão com 22.2 ) Deflexão Máxima Vertical (estendida ) Modelo HV-208 HV-212 HV-216 HV-220 HV-225 HV-230 HV-235 HV-240 5.com.3 ) Resistência ao Impacto A vara extendida na vertical resiste ao impacto de queda livre vertical de uma altura de 61cm em relação ao solo de concreto. 5.26 Eng.Indústria e Comércio Leal Ltda.

Usado para detectar presença de voltagem em saídas. até 1000V Especificações: Limites de detecção: 50V – 1000V Faixa de freqüência: 50 – 500Hz Características: Fabricante: Greenlee Permite uma detecção rápida e fácil. Conveniente formato de caneta que possibilita guarda-la no bolso da camisa. sempre que for trabalhar desenergizado. DETECTOR POR APROCIMAÇÃO (GT-11) .Indústria e Comércio Leal Ltda.27 Eng.Conforme estabelece a nova NR 10. O detector GT-11 é um detector de presença de tensão que atende à norma IEC 61010-1 categoria III. Em caso de presença de tensão.com. os leds brilham e um alarme sonoro é acionado. Caetano Roberto Camardella Filho Email: caetano. .br Cel: 11-8371-7810 .camardella@leal. etc. fios e cabos. Acessórios inclusos: 2 baterias AAA 1. instalações de iluminação.5 V. a detecção da ausência de tensão é um processo obrigatório antes da realização de qualquer atividade.

8 KV (blindada) SE 13.br Cel: 11-8371-7810 . Exemplos de situações: EXEMPLOS DE CATEGORIAS DE RISCO Trabalhos em Aplicação Leitura Seccionamento Seccionamento partes de de Portas Portas energizadas.Indústria e Comércio Leal Ltda.camardella@leal. Caetano Roberto Camardella Filho Email: caetano. energizadas 0 Remoção de tampas parafusadas para expor partes nuas energizadas 1 LOCAL Painéis até 240 V CCM' 380 e 440V s (para desarme de 30 a 100 ms conforme Planilha de cálculo em anexo) CCM' 380 e 440V s (para desarme de até 30 ms) Transformadores até 600 V (Corrente de curto > 10 KA) Transformadores até 600 V (Corrente de curto < 10 KA) Conj de Manobra até 600V ( Corrente de curto até 25 KA) Conj de Manobra até 600V ( Corrente de curto 65 KA) SE 13.com. aterramento Medidor Fechadas Abertas incluindo teste temporário do painel de tensão 0 0 1 x x Abertura de tampas articuladas para expor peças nuas. CAPÍTULO 6 Equipamentos necessários conforme categoria de risco e níveis de tensão.28 Eng.8 KV (Aberta) 0 2 2 2 0 2 2 0 1 2 2 0 1 2 x x 2 2 x x x x x 1 1 x x x 0 1 1 1 0 1 2 0 2 x 1 4 4 2 4 4 2 4 4 0 0 x 2 3 3 4 x .

etc. e um par de luvas isolantes com luvas de cobertura conforme o nível de tensão existente.Cada eletricista deverá estar usando um conjunto calça e camisa ou macacão confeccionados com tecido Flashwear para todas as atividades onde houver sistemas energizados dentro da zona de risco e zona controlada estabelecidas pela NR 10. AS 1000HAT para risco 1 e2 e AS 1000CAP para risco 3 e 4. detectores de tensão. conjunto de aterramento temporário.29 Eng. EQUIPAMENTO UNIFORME FLASH WEAR (UMA CAMADA) CAPA 7/8 (TRÊS CAMADAS) VISEIRA AS 1000 CAP LUVA ISOLANTE (CLASSE 00) LUVA ISOLANTE (CLASSE 2) VISEIRA AS 1000 HAT FERRAMENTAS ISOLADAS DETECTOR DE TENSÃO TAG 200 DETECTOR DE TENSÃO GT 11 VARA DE MANOBRA TAPETE ISOLANTE CONJUNTO DE ATERRAMENTO CCM CONJUNTO DE ATERRAMENTO CUBÍCULO Legendas: SE: Subestação AT: Alta Tensão BT: Baixa Tensão QUANTIDADE ( Três conjuntos por eletricista) Conforme número de locais com necessidade de uso Conforme número de locais com necessidade de uso (Uma para cada eletricista) Conforme número de locais com necessidade de uso (Uma para cada eletricista) (Uma para cada eletricista) Conforme número de locais com necessidade de uso (Um para cada eletricista) Conforme número de locais com necessidade de uso Conforme número de locais com necessidade de uso Conforme número de locais com necessidade de uso Conforme número de locais com necessidade de uso LOCAL TODOS OS LOCAIS Locais com risco 3e4 Locais com risco 3e4 Todos locais em BT SE' AT s Todos os locais em BT com risco 2 Todos locais em BT SE' AT s Todos locais em BT SE' AT s SE' AT s SE' BT s SE' BT s Conclusão: . capa7/8 conforme mostra o quadro acima.camardella@leal. . Caetano Roberto Camardella Filho Email: caetano. Além da proteção do uniforme ao eletricista deverá estar utilizando um protetor facial conforme o risco envolvido. Para manutenção em painéis energizados o eletricista deverá ainda utilizar ferramentas isoladas.Indústria e Comércio Leal Ltda.com.br Cel: 11-8371-7810 . varas de manobra. Esta vestimenta estará protegendo o eletricista até um grau de risco 2 estabelecido pela norma NFPA 70E. Quando eventualmente o trabalhador for acessar ou trabalhar em um local onde o risco for de nível 3 ou 4 o mesmo deverá colocar uma proteção adicional sobre o uniforme classe 2.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->