FLUXOGRAMA DE FABRICAÇÃO DE CELULOSE E PAPEL

Tambor descascador

Lavagem

Depósito de madeiras

Picadores

Silo de cavacos

Licor branco (NaOH/Na2CO3)

Digestor

Licor negro

Tanque de descarga

Peneira de nós

Filtro à vácuo

Alvejamento

Máquina de papel

Máquina de celulose

Papel Bobinado

Celulose enfardado

7.RÚSSIA TAPPI . 3. 2. 5.BRASIL APPITA . 3. Gramatura Resistência à tração e alongamento Resistência ao rasgo Resistência ao estouro Porosidade Absorção de água Espessura Rigidez Duplas pregas Ensaios Químicos 1. 6. 3.FRANÇA HCNN . 9. 4.CANADÁ CPBMA .INGLATERRA AFNOR .P-1/69 e P-4/70 (amostragem) Ensaios Mecânicos 1. 4. Umidade Cinza Acidez Exame microscópico Identificação das fibras Ensaios sobre o Aspecto 1. 8.ENSAIO EM PAPEL Normas : ABNT .USA .ALEMANHA SSR . 4.USA ASTM . 5.AUSTRÁLIA CPPA . 2. 2. Opacidade Alvura Teor de sujeira Maciez Normas Técnicas : ABCP e ABNT .MB-103R 1945 (métodos) ABCP .HOLANDA DIN .

RELATÓRIO a) tipo e demais características do papel.25% do peso total. . O papel curvará : o eixo de encurvamento é paralelo à direção de fabricação do papel. Amostra condicionadas : quando alcançam o equilíbrio em ambiente de temperatura e umidade relativa determinadas (psicômetro).Identificação do sentido de fabricação: ABCP P-12/72 .lado da tela : é o lado do papel que ficou em contato com a tela da máquina de papel. forma (dimensões) e condições do lote. .ACONDICIONAMENTO DAS AMOSTRAS : ABCP P-4/77 Objetivo : determinar as condições de temperatura e umidade relativa do ar. Ambiente de trabalho ( 4 horas) T = 20oC + 2oC U . com 50 mm de lado.direção transversal : é a direção do perpendicular ao sentido do movimento da tela.Identificação do lado da tela : ABCP P-13/68 . assim como a forma de condicionamento do papel antes e durante os ensaios. b) quantidade (peso ou área).65 + 2% Equilíbrio : pesar as amostras de 1 em 1 hora até que duas pesagens sucessivas não difiram de mais de 0.direção longitudinal : é a direção paralela ao sentido do movimento da tela na máquina formadora de papel. . papel Ex : flutuar um corpo de prova quadrado.lado do feltro : é o lado oposto da tela O lado da tela é mais regular que o do feltro. 2 . PROPRIEDADES SUPERFICIAIS 1 .

número de amostras. fardos. nome da pessoa responsável pela amostragem.c) d) e) f) g) h) i) j) k) data e local de onde foi retirada a amostra.99 100 . estrados. AMOSTRAGEM : Definições : LOTE : ABCP P-1/69 e 1/77 compreende unidades de um mesmo papel. ora do outro). ora de um lado. caixas ou resmas que formam o lote.é o maior múltiplo de 20 contido no número de unidades que formam o lote.399 400 ou mais N . no de amostras Modo de tomar Todas 5 Ao acaso N/20 Ao acaso 20 Ao acaso no de lotes 1 . conjunto de folhas representativas que se tomam de um lote.5 6 . método empregado para a amostragem. conclusões do relatório. resmas. nome e endereço do cliente e fornecedor. etc. pacotes. tem igual probabilidade de ser extraída (até a metade da largura do papel. no mesmo formato : bobinas. normas empregadas. LOTE UNIDADES AMOSTRAS CORPOS DE PROVA . UNIDADE : AMOSTRAS : CORPO DE PROVA : AMOSTRAGEM AO ACASO : é o sistema de amostragem pelo qual. pedaço de papel de dimensões padronizadas para o ensaio a que se destina. número de unidades que constituem o lote. local e data dos ensaios realizados. cada unidade que integra um conjunto. é cada uma das bobinas.

76 + 2 mm e 63 + 0. (Pt) = d = 1.15 mm ABCP P-9/69 ABCP P-37/77 Onde : E = 16 X L FR = E X 100 N G n = número de folhas ensaiadas de cada vez.000.000 = distância entre as garras em mm(d) e o peso da parte da tira compreendida entre as garras em gramas. 65 x 65 mm M = L .ENSAIOS MECÂNICOS 1. L = 250 mm 2.18 x 100 18 L = comprimento do cp na ruptura 18 = distância entre as garras (cm) 3. L = média das leituras E = resistência ao rasgo (gf) FR = fator de rasgo G = gramatura 4. RESISTÊNCIA AO ESTOURO : ABCP P-8/71 2 MULLER TEST (Kgf/cm ) Amostras : 10 cp.000. RESISTÊNCIA AO RASGO : ELMENDORF Amostras : 10 cp.1 mm. e = 15mm + 0. ALONGAMENTO À TRAÇÃO : (% do comprimento inicial) % alongamento = L . ER = M x 100 n G M = resistência ao estouro (Kgf/cm2) n = número de provas L = soma das leituras ER = estouro relativo G = gramatura (g/m2) onde : .000.1.000 G x L Onde : R = carga de ruptura (Kgf) G = gramatura (g/m2) L = largura da tira (mm) 1. RESISTÊNCIA À TRAÇÃO E ALONGAMENTO : ABCP P-7/70 Dinamômetro (Kgf) Comprimento de auto ruptura = CR = R x 1.000 Pt Amostras : 10 cp . GRAMATURA : g/m2 ABCP P-6/70 2.

o disco inferior é fixo e sua área cobre totalmente a face do disco superior.Pas P (%) x 100 . 7 x 7 cm (6. UMIDADE: estufa – 105oC + 3oC U = P . POROSIDADE : ABCP P-8/71 GURLEY ( segundos) . 1000xE 8.10 cp 20 x 25 cm ( 5 folhas) Papelão . Ve = 1 E Pe 3 -4 PESO ESPECÍFICO : Pe (g/cm3) = G . RIGIDEZ : ABCP P-33/75 CLARK SOFTNESS TEST (flexão do papel) Amostras : 5 cp . ABSORÇÃO DE ÁGUA : Onde : A = (P1 . o qual é móvel na direção perpendicular ao outro.5.teste em 120 segundos Amostras : 10 cp . ABCP P-40/79 SCHOPPER ( n de duplas pregas) 15 + 0.54 cm2) Porosidade (s) Reprodutibilidade (s) 40 5 100 6 200 8 300 10 ABCP P-14/71 COBB (g/m ) . 38.100 ml de ar Amostras : 10 cp .1 + 0.10 cp 20 x 25 cm ( 2 folhas) ABCP P-5/77 Da (g/cm ) = G x 10 .P) x 100 P = peso inicial da amostra P1 = peso final da amostra A = absorção de água ( g/m2) ABCP P-5/77 7. Amostras : Papel . ESPESSURA : MICRÔMETRO (mm) : dois discos planos e paralelos entre os quais se colocam os cp . 100 mm o ENSAIOS QUÍMICOS 1. 125 x 125 mm 2 6.3 mm .1 mm . RESISTÊNCIA AO PREGUEADO : Amostras : 10 cp. 70 + 1 mm 9.

adicionar 1 gota de solução indicadora universal(pH410).5 x 1.aquecer a 98 a 100oC por 1 h . 0.c.comparar a coloração com escala de cor e lê o pH ENSAIO SOBRE O ASPECTO EM PAPEL 1.) . 20 x 20cm . CINZAS: Onde : C = cinzas (% peso original) Pc = peso das cinzas P = peso absolutamente seco Amostras: 2 c.0cm de lado e pesar 1. OPACIDADE : ABCP P-18/73 Opacímetro (mede a refletância do c. .10 0. ACIDEZ : a) extração a quente: ABCP P-23/70 .30 3.Co89 = 100 x Rp Rb Onde: Co89 = relação de contraste Rp = leitura da refletância com fundo preto Rb = leitura da refletância com fundo branco .lê o pH b) solução indicadora: ABCP P-28/72 .p.Onde: U = umidade (% peso original) P = peso inicial (g) Pas = peso absolutamente seca (g) Amostras : umidade de refletância .c.01g . + 10 mg de cinzas Teor de cinzas (%) 5 5 .00 + 0.20 0.550 + 25oC a 925oC (%) C = Pc x 100 P 2.p.2g Umidade média de um lote .p.folhas (4 ao acaso) bobinas (10 e 50g das folhas) ABCP P-3/70 mufla .p.10 + 10 (g) Diferença máxima permissível (%) 0.transparência .

2. TEOR DE SUJEIRA: . MACIEZ: .tabela padrão de sujeira .% até a 1a casa decimal. ALVURA : ABCP P-16/73 Refletômetro (substância padrão de MgO) .arranjo de luz 4. 3.tempo médio (s) para passar 50 mL de ar ABCP P-26/72 ABCP P-29/72 .aparelho de GURLEY . da alvura do MgO considerada igual a 100.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful