P. 1
Apostila Materiais

Apostila Materiais

|Views: 357|Likes:
Publicado porRenan Figueiredo

More info:

Published by: Renan Figueiredo on Jan 02, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

08/09/2013

pdf

text

original

Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais

MATERIAIS

Alexandre Rangel

Belo Horizonte 2009

como o arado. que implicou em vantagens em guerras. por exemplo. Quando o cobre foi descoberto e que podia-se torná-lo mais duro pela formação de ligas. após a pedra lascada. que foram. estanho. como a pedra. e são até hoje. Na origem da vida humana na terra. A cultura moderna na segunda metade do século 20 é algumas vezes denominada de “plástica”. que permitiu a construção das estradas de ferro e da infraestrutura moderna do mundo industrial. descobriram materiais que facilitariam a vida do homem moderno. A próxima grande etapa foi a descoberta de um processo barato para fazer aço cerca de 1850 depois de cristo. como. que permitiu a criação de recipientes para armazenar alimentos e facilitar o transporte de objetos. prata. uma referência não tão cortês aos materiais poliméricos econômicos e de baixo peso 2 . teve-se notícia dos primeiros utensílios a partir de metais e ligas. chumbo.1 Perspectiva Histórica Os materiais são tão importantes no desenvolvimento da civilização que nós associamos as Eras com eles. teve-se início a idade do bronze. iniciou cerca de 1200 antes de cristo. A combinação da física e química e o foco no relacionamento entre estrutura e propriedades de um material e sua microestrutura é o domínio da ciência dos materiais. a Idade da Pedra. No princípio da era cristã o homem já conhecia sete metais: cobre. cerca de 3000 anos antes de cristo. o homem de Neandertal1. Nosso ancestral. sendo totalmente empíricos. O desenvolvimento desta ciência permitiu o design de materiais e providenciou uma base de conhecimento para as aplicações de engenharia (Engenharia de Materiais). a argila. pessoas usavam apenas materiais naturais. Aproximadamente no ano 5. ferro. mercúrio e ouro. "Idade do Ferro" e assim por diante. que foi o primeiro impulso para o desenvolvimento das cerâmicas. tanto é que vários períodos do progresso humano recebem os nomes de "Idade da Pedra". que são o início de grandes descobertas. Com a curiosidade e muitas vezes por acidente o homem foi descobrindo novos materiais. peles e madeira.000 AC. "Idade do Bronze". para criar instrumentos que lhe facilitavam a caça e os trabalhos do dia a dia. a base de desenvolvimento de centenas de aplicações que utilizamos em nossa vida. estaria alicerçando o primeiro passo de tantas outras gerações que. pois todos estudos eram essencialmente fruto de muita boa vontade dos alquimistas da época. a carroça e as embarcações a vela. nunca imaginou que ao lascar e polir pedaços de pedra. como o ferro. Milênios depois nossos antepassados descobriram os materiais metálicos. Os primeiros estudos e registros dos costumes das antigas tribos humanas já apontavam a relação de nossa espécie com os materiais. O uso do ferro e aço. mas as informações sobre os mesmos e suas possibilidades de aplicação ainda eram muito restritas. ouro e prata. argila. O entendimento de como os materiais os materiais se comportam e porque eles diferem em termos de propriedades só foi possível com o entendimento atomístico possibilitado pela mecânica quântica. um material mais resistente. bronze.

zoologia e geologia foram os criadores dos sistemas de classificação. 3 . o alumínio. bastando apenas algumas operações simples para se obter o produto final: a madeira é um exemplo.dos quais muitos produtos são feitos. metais considerados puros contem na verdade alguma quantidade de impureza. que são: metais. os materiais resultantes da nanotecnologia. O granito. A ligação química pode ser entre átomos iguais. para o ferro se faz necessário submeter matérias-primas existentes na natureza que são ricas em ferro. o tungstênio. Muitos materiais de engenharia já estão disponíveis “prontos” na natureza. A classificação segrega uma população inicialmente desordenada em grupos que apresentam algum tipo de similaridade. cerâmicas. como por exemplo. Os metais puros são formados pelos elementos metálicos da tabela periódica. Por exemplo. com outros átomos. são as substâncias cujas propriedades as tornam utilizáveis em estruturas. ou produtos consumíveis.1 Metais Os materiais metálicos compreendem os metais puros e as ligas metálicas. Em outros casos faz-se necessária a modificação de substancias existentes na natureza para se obter um determinado material. Mas quando o teor de impureza é bem baixo pode-se denominá-lo de puro. o cobre. dispositivos. entre outros. em que bastam apenas algumas operações de corte e polimento. Alguns observadores sugerem a denominação “Idade do silício” devido ao grande impacto da eletrônica moderna toda baseada na tecnologia do silício. os quais são a maioria. o magnésio. A tabela periódica é um exemplo. Quanto aos materiais de engenharia. polímeros e compósitos. máquinas. os óxidos de ferro a reações químicas de maneira a separar o ferro (produto que se deseja) do oxigênio (elemento combinado ao ferro formando o óxido). Poderíamos atribuir ou nomes devido aos materiais novos como a fibra de carbono. existem 4 classes principais de materiais. 2. Tudo que existe na natureza é composto por átomos. A ligação química entre os átomos ocorre para se buscar uma maior estabilidade do produto resultante em relação aos átomos não combinados. 2 Classificação A classificação é a primeira etapa na tentativa de colocar ordem em qualquer ciência. mediante ligações atômicas. Exemplos são o ferro. Comercialmente. Os fundadores da biologia. o cobalto e o titânio. pois pode-se dizer que é impossível obter um metal totalmente puro pelos meios atuais. Os átomos quase sempre se encontram combinados. O que são materiais? Uma parte da matéria do universo. bastando operações de corte e algumas outras para se obter um produto.

Ou seja. em que as macromoléculas se caracterizam pela repetição de um mesmo tipo de unidade (grupo de átomos). 4 . Importante lembrar que também existem polímeros que não são a base do carbono. amido. como na construção de equipamentos. Reações químicas desses derivados petróleo implicam na obtenção das macromoléculas poliméricas. máquinas. indústria de armamentos. material que é constituído de ferro (principal) e carbono (ametal). automóveis. apresentam boa resistência mecânica. polímeros são compostos macromoleculares. isolantes. estirados. aço rápido que além do ferro e do carbono pode conter na composição o tungstênio. de níquel. Exceto os metais nobres. etc. nos animais em geral. poli(cloreto de vinila) (PVC). Portanto. Alguns exemplos de polímeros: polietileno (PE). o oxigênio. quase sempre se faz necessário realizar algumas reações químicas para se obter um metal. O latão. Os metais são usados em aplicações diversas na atualidade. outros elementos são comuns. inúmeros setores. O material disponível na natureza a partir do qual o metal é obtido é o minério. o nitrogênio. o flúor. 2. pois na natureza eles estão combinados quimicamente com ametais. Os polímeros estão presentes nas plantas. Para todos os metais comerciais existem as suas respectivas ligas. como o hidrogênio. de alumínio. possuem baixo ponto de fusão (o que facilita a transformação em produtos. Para se obter os polímeros sintéticos utiliza-se como matéria-prima derivados do petróleo. De maneira geral. tem-se as ligas de magnésio. por exemplo. ou seja. os polímeros de silício. o carbono. podendo mudar de forma a partir de um esforço mecânico aplicado. celulose.2 Polímeros O termo polímero é a junção de “poli” que significa muitos. Alguns exemplos são o aço carbono. os polímeros são considerados materiais leves (baixa densidade). Os materiais metálicos são em geral bons condutores elétricos e térmicos. na construção civil. mas limita a temperatura de uso). podem ser dobrados. e “mero” que significa unidades de repetição. Os polímeros são naturais ou sintéticos. de titânio. entre outros (praticamente apenas ametais). uma liga de cobre e zinco. ferramentas de corte. Além do carbono. etc. de cobre.As ligas metálicas são formadas por um elemento metálico (o principal e em maior quantidade) e outro(s) elementos(s) que pode(m) ser metálico(s) ou não. o molibdênio e o cromo. principalmente o oxigênio. poliestireno (PS). o enxofre. poli(etileno tereftalato) (PET). Apresentam plasticidade. apresentam superfície brilhosa quando recentemente cortada. borracha natural. Devido aos polímeros serem constituintes de matéria-orgânica (naturais) ou serem obtidos a partir de derivados do petróleo (sintéticos) pode-se deduzir que o carbono é um dos seus principais átomos. etc.

entre outros. são frágeis (não se deformam muito antes de fraturar quando um esforço mecânico é aplicado). para adquirirem resistência mecânica adequada. A partir dos exemplos citados pode-se concluir que. As temperaturas utilizadas são bem elevadas. Isto porque 74% da massa da crosta terrestre é formada por estes dois elementos químicos. os nitretos (nitrogênio + metal). 5 . etc. telhas. a areia são todos materiais cerâmicos. estabilidade química. barcos. de titânio. O alumínio é um metal. como sódio. de cálcio. As rochas podem ser utilizadas na construção civil. em que se obtém um produto com uma combinação das propriedades dos dois componentes (um polímero com uma cerâmica). podendo ter outros elementos metálicos na composição. Os compostos a base de silício e oxigênio são chamados de silicatos.3 Cerâmicos Os solos. cálcio. etc. Um exemplo é a resina epóxi reforçada com fibra de vidro. entre outros. louças sanitárias etc. em relação aos átomos constituintes. a areia também é um tipo de silicato. o óxido de alumínio (Al2O3). As argilas são silicatos. Podem citados: óxidos diversos. de magnésio. compostos de carbono com elementos metálicos. ou seja. as matérias-primas cerâmicas são quase sempre combinações de átomos metálicos e metalóides com ametais. os sulfetos de metais (enxofre + metal). A areia pode ser usada na construção civil. telhas. O óxido de ferro a partir do qual o ferro é obtido. Os compósitos: . para fazer vidro. 2. Existem também os carbetos de metais. Este produto é usado para fazer piscinas. etc.2. é cerâmico. faz-se necessário elevar a temperatura para que as partículas de argila se unam. mas o material a partir do qual ele é obtido é cerâmico. (cerâmica-cerâmica). As argilas são compostos contendo óxidos de silício (um metalóide) e alumínio. de ferro. as argilas são usadas para obtenção dos tijolos. as argilas. Aspectos relacionados aos materiais cerâmicos são o alto ponto de fusão. Para se obter o vidro. Produtos cerâmicos como tijolos. jet-skis. as rochas. (polímero-polímero). (metal-polímero). magnésio. A areia é composta de óxido de silício. a areia tem que sofrer fusão e o vidro é obtido com o resfriamento da massa fundida.são materiais compostos de mais de um tipo de material: (cerâmica-polímero). Este quarto grupo denomina-se compósitos. Um aspecto importante é que muitos materiais cerâmicos contem na composição o silício e o oxigênio. (metalcerâmica).4 Compósitos Outra importante classe de materiais é composta de algumas combinações de materiais individuais das categorias prévias. como o de alumínio.

Os avanços dos compósitos criaram novas oportunidades para estruturas de alto desempenho e com baixo peso. formado pela mistura de cimento. Havendo tal transferência de 6 .Eles são projetados para se conseguir as melhores propriedades ou combinações de propriedades de cada um dos componentes. e fibras de aço ou metal. . os átomos do metal estão interligados. Quando eles estão um pouco mais próximos pode-se falar que a ligação é parcialmente iônica e parcialmente covalente (discutida a seguir). covalente e metálica. O concreto é um material compósito. A partir da década de 60. os compósitos carbono/carbono (compósitos de Carbono Reforçados com Fibras de Carbono-CRFC) e tecidos de fibras de quartzo foram desenvolvidos e submetidos a severas condições térmicas e de erosão. A ligação química entre átomos ocorre em busca de uma estabilidade do produto formado em comparação aos átomos isolados. Então quando falamos de um metal sólido como o titânio. As propriedades exibidas pelos materiais dependem em grande medida do tipo de ligação existente. O desenvolvimento de fibras de carbono. existe uma ligação entre os átomos. Em paralelo. favorecendo o desenvolvimento de sistemas estratégicos. Quando mais a esquerda da tabela periódica o elemento metálico estiver e quanto mais à direita o ametal estiver mais iônica será a ligação entre eles. atendendo as necessidades de desempenho em vôo de aeronaves e veículos de reentrada. Os principais tipos de ligações interatômicas. os materiais compósitos de alto desempenho foram introduzidos de maneira definitiva na indústria aeroespacial. Os elétrons da camada externa dos átomos (camada de valência) são os responsáveis pela formação das ligações químicas. como na área de mísseis. Por exemplo. que envolve a participação de elétrons são as seguintes: iônica. 3 Ligações atômicas Nas páginas anteriores foi falado que a matéria é composta de átomos. em partes externas de veículos submetidos à reentrada na atmosfera terrestre e em aviões supersônicos. boro. areia e aço. uma mistura de borracha. O tipo de ligação vai depender do tipo de átomo. Pode-se pensar na ligação iônica da seguinte forma: átomos metálicos tendem a doar os elétrons da última camada..1 Iônica: é uma ligação típica entre átomos do grupo dos metais com átomos do grupo dos ametais. foguetes e aeronaves de geometrias complexas. 3. resultando em produto forte. quartzo ofereceram ao projetista a oportunidade de flexibilizar os projetos estruturais. pneu. em cones dianteiros de foguetes. brita. com partículas de carbono.Eles são projetados levando em conta os objetivos típicos dos materiais de engenharia. resultando no sólido que conhecemos. Os ametais tendem a receber elétrons. Quando falamos da areia e sabendo que ela é formada por átomos de silício e oxigênio. Os átomos estão quase sempre combinados por ligações químicas.

Por exemplo. nesse caso a molécula de oxigênio age como uma entidade independente. Um aspecto importante relacionado à ligação iônica é que ela é uma ligação não-direcional. mas apenas separar uma molécula de outra. no entanto. um material de alto ponto de fusão e duro. portanto. Uma medida do quão forte é uma ligação é a energia de ligação. Ela se da pelo compartilhamento de elétrons entre os átomos em busca de uma configuração mais estável. 3. Quando o material como um todo é formado apenas por ligações covalentes ele será rígido porque a ligação covalente é considerada forte. devido à inexistência de doação ou compartilhamento de elétrons entre elas. quando uma molécula de oxigênio é formada (O2). diferente do gás oxigênio. Portanto. Para sólidos iônicos esta energia é considerada alta e um reflexo direto disso é o alto ponto de fusão destes materiais. em que apesar de existir uma forte ligação covalente entre os átomos formando uma macromolécula. Muitos materiais cerâmicos são formados por ligações iônicas (total ou parcial). Os polímeros. Isso significa que no momento que o átomo se transforma em um cátion (após doar elétrons) ou anion (após receber elétrons). e sim um sólido covalente. A valência que vai definir o número de vizinhos de cada átomo. em que cada átomo de carbono se liga covalentemente a quatro outros átomos de carbono.elétrons entre os átomos. Nesse tipo de ligação os elétrons participantes da ligação ficam entre os núcleos dos átomos. a ligação iônica favorece a formação de redes de átomos. são sólidos na temperatura ambiente. que necessita de pouca energia. uma rede formada covalentemente.2 Covalente: A ligação covalente ocorre entre átomos ametais. o diamante não é um sólido molecular como os polímeros. Portanto. 3. se atraem formando a ligação iônica. a interação entre as macromoléculas. o que explica esta substância ser um gás na temperatura ambiente. que ficam entre os núcleos. Então para promover a fusão do oxigênio não é necessário superar a ligação covalente. eles se transformam em cargas elétricas de sinais opostos que. Pode-se pensar nessa ligação como sendo uma rede de cátions metálicos em um mar de elétrons (ou nuvem 7 . a carga elétrica atrai o máximo possível de cargas de sinal oposto. os dois átomos compartilham 2 elétrons. isso porque as moléculas de polímero são muito grandes e as interações entre elas são suficientes para estes materiais serem sólidos. formando uma rede. As interações existentes entre as moléculas são chamadas de ligações secundárias. e resulta em uma forte ligação. e não apenas uma. e uma molécula de O2 exercerá uma fraca interação sobre outra molécula de O2. A limitação da quantidade de vizinhos vai ser devido à neutralidade elétrica necessária e a diferença de tamanho entre as cargas. é bem mais fraca.3 Metálica: a ligação metálica é a ligação referente aos materiais metálicos. Diferente da ligação iônica em que cada átomo atrai fortemente diversos átomos de carga oposta em volta deles. Esta explicação serve para a maioria dos polímeros. Um exemplo é o diamante. o que caracteriza esta ligação ser direcional.

4 A estrutura dos metais Os materiais sólidos podem ser classificados quanto à regularidade com que os átomos ou íons são arranjados. O termo rede é usado no contexto de estrutura cristalina e significa o arranjo tridimensional de pontos coincidentes com as posições atômicas. e o material é denominado não-cristalino ou amorfo. Quando um fio metálico é conectado aos terminais de uma bateria. Eles estão uniformemente distribuídos na estrutura. Entretanto. A ligação metálica também é não direcional. ou seja.eletrônica) de valência. Considerando um metal puro.1 Célula unitária: A ordem atômica em sólidos cristalinos indica que pequenos grupos de átomos formam um padrão repetitivo. Para 8 . os átomos são considerados esferas rígidas. em que se verificam. Eles formam um padrão tridimensional repetitivo no estado sólido. Os átomos tocam os vizinhos mais próximos. Algumas das propriedades dos sólidos cristalinos dependem da estrutura cristalina do material. os elétrons fluem pelo metal no sentido do terminal positivo para dentro do metal a partir da bateria no terminal negativo. em alguns casos. diferentemente dos materiais cerâmicos e poliméricos. os elementos metálicos no estado sólido são os de maior empacotamento atômico. que permite a rápida transferência de energia pelo sólido. um em relação ao outro. Há um grande número de estruturas cristalinas possíveis. cada átomo tem uma grande quantidade de vizinhos e o espaço é ocupado de maneira eficiente por átomos. A alta condutividade térmica dos metais também é explicada pela mobilidade dos elétrons. os elétrons são móveis e nenhum elétron de valência individual está confinado a qualquer íon metálico específico. Os metais. Nos modelos para descrição de estruturas cristalinas. 4. Para os que não cristalizam a ordem atômica a longas distâncias está ausente. o centro dos átomos. Para os metais elas são mais simples. Os elétrons estão confinados ao metal por meio de atrações eletrostáticas aos cátions. geralmente é conveniente subdividir a estrutura em pequenas unidades de repetição chamadas de células unitárias. a maneira como os átomos. íons ou moléculas são arranjados espacialmente. Um material cristalino é aquele em que os átomos são arranjados de forma repetitiva ou periódica por distâncias correspondentes a várias distâncias atômicas (ordem a longas distâncias). ao descrever estruturas cristalinas. em que cada átomo se liga a seus vizinhos mais próximos. estruturas complexas. Então. muitas cerâmicas e alguns polímeros formam estruturas cristalinas sob certas condições de solidificação.

Diferentes combinações entre as dimensões e os ângulos implicam em 7 diferentes combinações. Um exemplo que auxilia a importância da estrutura no comportamento de um material é quando se compara o diamante e a grafita: os dois são feitos de carbono. tetragonal. b e c) e os ângulos entre os eixos cristalográficos (α. compressão. cúbica de face centrada e hexagonal compacta. bem como as condições do ambiente.2 Estrutura cristalina dos metais A ligação metálica é não direcional. O engenheiro utiliza de vários artifícios para controlar a estrutura de um material metálico. Todas as estruturas possíveis reduzem a um pequeno número de geometrias de células unitárias básicas. e assim ampliando as propriedades exibidas o que possibilita diferentes aplicações. Não há restrições quanto ao número e localização de vizinhos mais próximos. A descrição de estruturas cristalinas por meio de células unitárias tem uma importante vantagem. β e γ) são denominados de constantes de rede ou parâmetros de rede. 4. mas o arranjo dos átomos de maneira diferente em cada uma das estruturas faz com eles se comportem distintamente. que reproduzem o mais próximo possível as condições de serviço.3 Propriedades Mecânicas: As propriedades mecânicas de materiais são medidas por realizar experimentos em laboratório. torção. ortorrômbico. tem alto empacotamento atômico. A geometria da célula unitária é completamente definida em termos destes 6 parâmetros de rede. 4. A maioria das estruturas cristalinas metálicas. O comprimento das arestas da célula unitária (a. romboédrico. portanto. A carga pode ser de tração. A maioria dos metais cristaliza mediante as seguintes estruturas cristalinas: cúbica de corpo centrado. cisalhamento. hexagonal. O tempo de 9 . pois a estrutura completa pode ser gerada pelo empilhamento repetitivo de células unitárias adjacentes face a face por todo o espaço tridimensional. monoclínico e triclínico. portanto. Usa-se o modelo de esferas rígidas e cada íon representa uma esfera. A estrutura do material. cuidadosamente.a maioria das estruturas as células unitárias são paralelepípedos ou prismas tendo três conjuntos de faces paralelas. as quais são demonstradas de duas formas. refere-se ao arranjo dos átomos. sete sistemas cristalinos: cúbico. O aspecto chave das células unitárias é que elas fornecem uma descrição geral da estrutura. e sua magnitude pode ser constante com o tempo ou flutuar (variar) continuamente. Fatores a serem considerados incluem a natureza da carga aplicada e sua duração. ou seja.

quando uma trinca está presente. o comportamento mecânico pode ser medido por um teste simples de tensão-deformação. Outros metais possuem o ponto de escoamento bem definido (fenômeno do ponto de escoamento). 0. ou durar anos.002 de alongamento). Para uma situação estática. O valor inferior (média) é geralmente considerado como a tensão de escoamento. de maneira simplificada significa a medida da habilidade de um material absorver energia até fraturar. nestes casos. Um material que sofre 10 . Um material pode apresentar maior resistência e ser menos tenaz do que outro que é menos resistente. a tenacidade sob entalhe é medida por meio de um ensaio de impacto. Para um material ser considerado tenaz ele deve reunir uma alta resistência com ductilidade. ou seja. No valor de tensão máxima surge um pescoço no corpo-de-prova (a peça de teste). Tenacidade: é um termo da mecânica usado em vários contextos. A tensão correspondente é denominada de tensão de escoamento. Para alguns metais a transição entre região elástica e região plástica é gradual e por isso convenciona-se um valor (por exemplo. estes testes são mais comumente conduzidos para metais na temperatura ambiente.aplicação pode ser de apenas uma fração de segundo. Ductilidade: é outra propriedade mecânica importante. É uma medida do grau de deformação plástica sofrido por um material submetido ao esforço até sofrer ruptura. Se este valor de tensão for aplicado e mantido ocorrerá a fratura. saber quando o escoamento inicia. Escoamento e resistência ao escoamento: muitas estruturas são projetadas para sofrerem apenas deformações elásticas. um indicativo de tenacidade é a área sob a curva Tensão x Deformação. porém mais dúctil. Para condições de carregamento dinâmico e quando um entalhe está presente. Já a tenacidade à fratura é uma propriedade indicativa da resistência do material à fratura. É então importante conhecer o nível de tensão em que a deformação plástica começa. A temperatura de serviço pode ser um fator importante. A magnitude da resistência ao escoamento é uma medida da resistência a deformação plástica. Tensão x deformação: Se uma carga é estática ou muda lentamente com o tempo e é aplicada uniformemente sobre uma seção transversal ou superfície de uma peça. Resistência a tração (limite de resistência): é o valor máximo de tensão de engenharia na curva Tensão x Deformação. Corresponde à máxima tensão que pode ser suportada pela estrutura.

Em relação aos metais puros.000 vezes maior do que a observada em ensaios. A ductilidade pode ser expressa quantitativamente como a (%) de deformação ou (%) de redução de área.pouca deformação plástica antes de sofrer ruptura é considerado frágil. que é uma medida da resistência do material à deformação plástica localizada. lo é o comprimento inicial. Se suportar grandes deformações é considerado dúctil. Materiais resilientes são os que reúnem alta resistência ao escoamento e baixo módulo de elasticidade. 5 Estrutura x Propriedades Qualquer propriedade de um metal depende da composição do metal (ou liga metálica) e da estrutura. tais ligas são apropriadas para construção de molas. Na época a explicação dada foi que existiam defeitos na estrutura cristalina dos metais que 11 . tem correlação com as propriedades de tração do metal. 4. Resistência a oxidação: resistência que o material oferece a ação ambiental. Soldabilidade: habilidade de ser soldado. Dureza a quente: manutenção da dureza de um metal em temperaturas elevadas. ou seja. utilizando um penetrador. A percentagem de elongação é a (%) de deformação plástica na fratura. após a remoção da carga. Alguns ensaios são baseados na profundidade alcançada pelo penetrador (Rockwell) e outros são baseados na área formada na superfície pelo penetrador (Brinell e Vickers).4 Outras propriedades importantes Temperabilidade: relacionada aos aços. sobre a superfície do material de teste. de ser oxidado pelo ambiente. Relaciona-se a facilidade com que um aço tem de ser temperado. Dureza: outra propriedade mecânica que é importante destacar é a dureza. Um material é considerado frágil quando apresenta deformação na ruptura inferior a 5%. estudos teóricos indicavam que os metais deveriam ter resistência mecânica cerca de 1000 a 10. Resiliência: é a capacidade de um material absorver energia quando deformado elasticamente e. % el = 100 x (lf – lo)/lo lf é o comprimento na fratura. Esta propriedade é avaliada por ensaio de dureza que implica na aplicação de uma carga padronizada. ter a energia recuperada.

ou seja. Dentro de cada grão tem-se milhares de células unitárias. O aço. exatamente por ter mais de um grão. A adição de elementos de liga pode favorecer a formação de fases que vão modificar a estrutura do metal e conseqüentemente as propriedades. Quando se adiciona níquel ao cobre para formar uma liga cobre-níquel. Em ligas com mais de uma fase. O resto do carbono. para aumentar a resistência de um metal deve-se criar mecanismos que dificultem o movimento destes defeitos. Devido à grande diferença entre os átomos de ferro e carbono. Portanto. A fronteira entre dois grãos é chamada de contorno de grão.Porção homogênea. se uma das fases formadas tem alta dureza. existem duas fases nesse aço. Quando o metal está solidificando.um cristal de um metal. Considerando um metal puro. aumentar a resistência mecânica. Considerando o aço com 0. Algumas formas de aumentar a dificuldade de as discordâncias se movimentarem e. dos átomos de carbono fica entre os átomos de ferro. a deformação dos metais ocorre pelo movimento de discordâncias. devido a semelhança entre estes dois átomos. Fase . Esses defeitos são semi-planos extras na estrutura que facilitam a deformação. 6 Alguns conceitos Grão . Aumentar a resistência mecânica pelas formas citadas implica em aumentar a dureza. quando vários grãos são formados diz-se que ele é policristalino. as fases de equilíbrio. Quando se solidifica um metal ou uma liga metálica lentamente. apenas uma quantidade muito pequena. Posteriormente foi comprovado que tais defeitos realmente existiam e eles foram denominados de discordâncias. esta liga tem uma fase apenas. portanto. haverá uma tendência natural de se formar determinadas fases. O tratamento térmico é uma forma bastante utilizada de controle da estrutura dos metais. não solúvel no ferro.5% de carbono. ou seja.facilitavam a deformação. Quando o tamanho de grão é pequeno a área de contorno de grão aumenta e esta região é uma barreira ao movimento das discordâncias. acaba formando outro componente rico em carbono. Parte distinta de uma microestrutura. portanto. aumentar o número de discordâncias até que as discordâncias em excesso atrapalhem o movimento das discordâncias vizinhas (encruamento . bem inferior aos 0. são: diminuir o tamanho de grão. será formado por uma fase rica em ferro (ferro quase puro) e outra com mais carbono do que a primeira. adicionar impureza (ligas). mas todos eles tendem a ter a mesma composição e mesma estrutura cristalina.deformação a frio). Eles existem na estrutura dos metais e se formam durante a solidificação. portanto. Se o metal é solidificado muito rapidamente pode-se favorecer que os átomos se arranjem de outras formas e a fase formada 12 .5%. ela pode atuar como agente de aumento da resistência da liga. vários grãos serão observados. e finalmente eles se encontram quando a solidificação é concluída. vários grãos começam a crescer em regiões distintas. quando o sólido é formado. Então.

Isso vai depender da liga. Muitas vezes uma peça sólida se aquecida até certos valores de temperatura (mesmo no estado sólido) e resfriada rapidamente também sofre tais mudanças estruturais.terá propriedades diferentes. é um recurso bastante utilizado para o controle de propriedades dos materiais metálicos. 13 . Mas o tratamento térmico. é importante enfatizar que existem diversos tipos.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->