P. 1
Prevenção de Acidentes Tst

Prevenção de Acidentes Tst

1.0

|Views: 39.795|Likes:
Publicado porFernanda Olívia
Segurança do trabalho
Segurança do trabalho

More info:

Published by: Fernanda Olívia on Jan 02, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

02/06/2014

pdf

text

original

As inspeções de segurança e as campanhas de Segurança, São as duas
maneiras mais eficazes de se praticar prevenção de acidentes.

Vamos inicialmente enfocar a Inspeção de Segurança permite detectar riscos de
acidentes possibilitando a determinação de medidas preventivas.

A inspeção de segurança permite detectar riscos de acidentes possibilitando a
determinação de medidas preventivas.

É portanto a forma mais antiga de evitar acidentes.

A quem cabe realizar uma Inspeção de Segurança?
Aos próprios empregados;
Aos supervisores imediatos;
Membros da CIPA ou designados;
Órgão de Segurança;
Companhias de seguro;
Örgãos oficiais;

1. Empregados: Devem se habituar à quando iniciar suas tarefas diárias,
executarem uma vistoria prévia nas suas ferramentas, nos equipamentos, nas
condições de trabalho.

2. Supervisores: Os supervisores tem a responsabilidade de representarem a
Empresa e como tal devem estar atentos às condições de segurança de seu
local de trabalho, para tanto devem proceder inspeções periódicas dos seus
locais e condições de trabalho.

3. CIPA: A CIPA, de conformidade com a legislação em vigor, tem entre outras
atribuições efetuar inspeções em locais de trabalho. Os problemas levantados
serão discutidos com os representantes da área periciada e se não
apresentarem condições de solução, os mesmos serão levados a plenária da
CIPA. É importante que nas empresas que não tem CIPA. Os designados, de
acordo com a NR5, devem cumprir as mesmas tarefas.

4. Órgão de Segurança(SESMT): É o responsável na empresa pelas realizações
das inspeções em todas as suas dependências, levantando os problemas de
segurança, procurando equacioná-los, encaminhando relatórios à quem de
direito e acompanhando as soluções.

5. Companhias de Seguros: São executadas visando atenderem as necessidades
de seus segurados. São mais intensas quanto maior for o prêmio do Seguro.

6. Órgão Oficiais: Basicamente realizada pelo ministério do trabalho, em busca de
fiscalizar o cumprimento das normas de segurança.

32

Após vermos quem faz a Inspeção de segurança. Devemos estudar as modalidades de
inspeções de segurança:

• Inspeções Gerais
• Inspeções parciais
• Inspeções periódicas
• Inspeções eventuais
• Inspeções Oficiais
• Inspeções Especiais

1. Inspeções Gerais: São as inspeções feitas em toda a área da empresa,de
maneira a vistoriar todos os aspectos relativos à higiene e segurança do
trabalho. Muitas vezes é conveniente que a mesma seja realizada em conjunto,
participando além do engenheiro e técnicos de segurança, os médicos,
enfermeiros e supervisores da área.

O órgão de segurança do trabalho (SESMT), coordena sempre tais inspeções e
emite relatórios para que cada responsável preocupe-se com a solução do
problema de sua área de atuação

Tais inspeções devem ser rotineiras e em empresas onde não haja SESMT, a
atribuição de tais exames compete a CIPA. Atualmente tais inspeções
naturalmente fazem parte do PPRA (Programa de prevenção de riscos
ambientais).

2. Inspeções Parciais: São as que limitam apenas a alguma parte da empresa, a
determinadas atividades ou a certos equipamentos existentes.

Este tipo de inspeção envolve a participação de cada setor da empresa
devidamente conscientizadonpara a prevenção de acidentes em sua tarefa de
inspecionar.

Senão vejamos: Os supervisores fazem inspeção de segurança no desempenho
de suas atividades, sem se aperceberem, com essência do que é segurança do
trabalho, apenas usando sua consciência prevencionistas.

Os trabalhadores por sua vez devem ser treinados e abituados a inspecionarem
rotineiramente suas ferramentas, seus equipamentos e máquinas, a fim de
descobrir quaisquer irregularidades que, corrigidas a tempo evitam os acidentes.

3. Inspeções Periódicas: São aquelas que são realizadas conforme uma prévia
programação e obedecem a uma periodicidade, que pode ser: anual, semestral,
trimestral, mensal, quinzenal ou semanal.

São inspeções que visam apontar riscos previstos, que podem surgir de quando
em quando, devido a desgastes, fadiga, exposição a certas agressividades do
ambiente à que estão submetidas máquinas, ferramentas, instalações etc.

33

Algumas destas inspeções são obrigatórias por lei. São os casos dos extintores.
Equipamentos de combate a incêndio, caldeiras e elevadores.

4. Inspeções Eventuais: São esporádicas sem dia ou período estabelecido. São
feitas junto com médicos, engenheiros ou pessoal da manutenção, visando
determinados aspectos importantes.

5. Inspeções Oficiais: São efetuadas por órgãos governamentais do trabalho ou
securitários.

Dentre as inspeções oficiais existem aquelas realizadas pelos próprios órgãos,
através de incursões de rotina ou denúncia, bem como aquela para atender a
legislação vigente.

De coformidade com a portaria 3214 de 08 de junho de 1978, foram
estabelecidas as normas relativas à Segurança e Medicina do Trabalho; num
total de 28 NR’s e 5NRR’s. Atualmenta jé existem 33 NR’s ou seja já
aumentaram cinco NR’s e as NRR’s foram revogadas e substiuídas, pela NR-31.

A NR-02 estabelece a inspeção prévia em todo o estabelecimento novo, o qual
antes de iniciar suas atividades, deverá solicitar aprovaçào de suas instalações
ao Ministério de Trabalho e Emprego (MTE).

O MTE fará a inspeção prévia e emitirá o Certificado de Aprovação das
Instalações(CAI).

Todavia a Empresa poderá realizar a inspeção e encaminhar ao MTE uma
Declaração das Instalações, assumindo que suas instalações não oferecem
riscos aos trabalhadores.

Isto ocorrerá quando não for possível, ao MTE efetuar a inspeção Prévia.

6. Inspeções Especiais: São aquelas que requerem conhecimentos ou aparelhos
especializados. São os casos das inspeções das condições ambientais.

Normalmente para se avaliar níveis de ruídos, de iluminamento, calor para os
quais são necessários o uso de equipamentos especiais. A exemplo das
inspeções Gerais, as Especiais fazem parte principalmente do PPRA, neste caso
especificamente na fase da avaliação, esta avaliação e conhecida como
quantitativa.

OBJETIVO DA INSPEÇÃO

34

As inspeções têm como objetivo:

• Possibilitar a determinação dos meios preventivos, antes da ocorrência dos
acidentes;
• Ajudar a fixar nos operários a mentalidade prevencionista.
• Encorajar os próprios operários a agirem como profissionais de segurança e os
demais setores da empresa.
• Despertar nos empregados a necessária confiança na administração e angariar
a colaboração de todos na prevenção de acidentes

Antes de desencadearmos uma inspeção alguns pontos básicos devem ser
estabelecidos:

• O que inspenionar;
• Qual a frequência;
• Quem será o responsável;
• Quem irá acompanhar;
• Quais os informes que serão necessários;
• A quem serão encaminhadas as recomendações;

1. O que inspecionar?

Este ponto deve ser definido com clareza, pois sabemos que os profissionas de
segurança tem tempo limitado, portanto deve ser distribuído cuidadosamente o
tempo que dispõe para lograr o seu propósito.

2. Qual a frequência?

Em função do que foi observado e gerado em termos de recomendação iremos
estabelecer a frequência das instalações.

3. Quem será o responsável?
Normalmente cabe ao srviço de segurança (SESMT), a responsabilidade da
inspeção, ou ao engenheiro ou ao técnico de segurança do trabalho.

4. Quem irá acompanhar?
O envolvimento dos responsáveis da área a ser inspecionada é fundamental,
para o retorno e cumprimento das recomendações.

Deve-se acertar uma entrevista com o gerente do local antes de realizarmos
uma inspeção.

Nesta entrevista, alguns pontos devem ficar claros:
• Dar uma explicação franca do propósito da visita;
• Avaliar caso seja possível, o interesse do gerente pela segurança e dos
conhecimentos que tenha acerca do funcionamento da segurança em seu
local de trabalho.
• Se o gerente estáà par do retrospecto de acidentes da sua área;
• Verificar como se encontram os indicadores de segurança daquela área;

35

• Se for possível, o profissional de segurança deve sugerir ao gerente, a
fazer um rápido giro pelo estabelecimento apresentando-o aos
supervisores e colocando-os a par dos objetivos da inspeção.
• Solicitar ao gerente que nomeie alguém, com competência para
acompanhar a inspeção.
• Após a inspeção retornar ao gerente e se possível, com os supervisores
presentes, apresentando um relato do que foi encontrado.

Atenção!

O engenheiro e/ou o técnico de segurança do trabalho devem ter em mente a
necessidade de adotar, uma conduta durante a inspeção de não assumir uma atitude
de superioridade junto ao gerente e supervisores do estabelecimento inspecionado.

Nunca se deve partir do suposto de que a gerência não está disposta a obedecer a lei
ou que se mostre indiferente à segurança dos operários.

Sua missão consiste em determinar as condições de cada um dos locais de trabalho
inspecionados e lutar para que se implantem as melhorias necessárias.

5. Quais os informes que serão necessários?
Quem estiver efetuando a inspeção, engenheiro ou técnico de segurança do
trabalho, deve comunicar qualquer irregularidade ao responsável pela atividade
onde ela foi detectada. A informação imediata, quase sempre verbal, pode
muitas vezes abreviar o processo de solução de um problema, com a aplicação
de medidas que se anteciparão a ocorrências desagradáveis. É a verdadeira
prevenção. O inspetor não deve, deixar para depois. Deve informar o supervisor,
mostrar-lhe a irregularidade e discutir na hora, se for o caso, qual a melhor
medida a ser tomada. Entretanto não pode deixar de registrar as observações
surgidas na inspeção a fim de se avaliar a necessidade e oportunidade de
discutir o assunto no momento. A prática mostra que quanto mais o assunto for
discutido e examinado “ïn loco”, maior chance se tem de alcançar os objetivos
da inspeção.

Os tópicos observados nas inspeçòes devem ser registrados em formulário
especial – Relatório de Inspeção – ou outro nome que lhes queiram dar. Vale
ressaltar a necessidade de existirem formulários diferenciados para os diversos
tipos de inspeção ou local a inspecionar.

Neste registro devem existir: o que foi observado; o local onde foi observado, de
modo a facilitar a socialização; a recomendação do que se espera e seja feita
alguma sugestão. É oportuno lembrar a necessidade dos registros serem claros,
sem dupla interpretações, para que não haja motivo de críticas ou mal
interpretado, de uma inspeção sem registros dos fatos nem sempre pode se
esperar um bom resultado, pois se torna difícil encaminhar as reivindicações e
acompanhar seu desenvolvimento.
6. A quem serão encaminhadas as recomendações?

36

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->