Você está na página 1de 20

Cálculo Financeiro

Licenciatura em Contabilidade e Administração

Guedes, A.M., Lopes, A.P., Monteiro, M.M. Cálculo Financeiro Aula 27- 1

Empréstimos Obrigacionistas

5. Empréstimos Obrigacionistas

5.1 Noções Gerais.


5.2 Caracterização.
5.3 Tipos de Obrigações.
5.4 Avaliação de Obrigações.
5.5 Modalidades de Amortização.

Guedes, A.M., Lopes, A.P., Monteiro, M.M. Cálculo Financeiro Aula 27 - 2

1
Empréstimos Obrigacionistas – Noções Gerais

Noção de Obrigação

Título de dívida negociável

Entidade emitente compromete-se a pagar ao seu


detentor:
-rendimento periódico (cupão/juro)
-reembolso do capital.

Condições a definir na data de emissão.

Nota: Habitualmente as obrigações garantem juro


periódico. Existem no entanto obrigações que não
o garantem (Taxa de cupão zero).

Guedes, A.M., Lopes, A.P., Monteiro, M.M. Cálculo Financeiro Aula 27 - 3

Empréstimos Obrigacionistas – Noções Gerais

Noção de Empréstimo Obrigacionista

Quando o montante do empréstimo é elevado, o


mutuário pode ter dificuldade em encontrar um único
mutuante disposto a ceder-lhe os fundos de que necessita.
Ao emitir um empréstimo por obrigações o mutuário
procura fundos de vários mutuantes, os obrigacionistas.

Guedes, A.M., Lopes, A.P., Monteiro, M.M. Cálculo Financeiro Aula 27 - 4

2
Empréstimos Obrigacionistas – Noções Gerais

Noção de Empréstimo Obrigacionista

Um empréstimo por obrigações é, para o mutuário, uma


fonte de financiamento a médio e longo prazo, que este irá
utilizar para cobrir necessidades relacionadas,
designadamente com investimentos de expansão, de
modernização da sua actividade empresarial, ou de
processos de reestruturação financeira.

Guedes, A.M., Lopes, A.P., Monteiro, M.M. Cálculo Financeiro Aula 27 - 5

Empréstimos Obrigacionistas - Caracterização

5. Empréstimos Obrigacionistas

5.1 Noções Gerais.


5.2 Caracterização.
5.2.1 Valor Nominal, Preço de Emissão.
5.2.2 Taxa de cupão, Valor de reembolso.
5.2.3 Ficha técnica.
5.3 Tipos de Obrigações.
5.4 Avaliação de Obrigações.
5.5 Modalidades de Amortização.

Guedes, A.M., Lopes, A.P., Monteiro, M.M. Cálculo Financeiro Aula 27 - 6

3
Empréstimos Obrigacionistas - Caracterização

Caracterização

Valor Nominal (C) ou Valor Facial


montante da dívida inscrito no título (obrigação ou grupo
de obrigações).

Preço de Emissão (Pe), montante que o primeiro


detentor de pagar para subscrever o título.
Pe > C – emissão acima do par
Pe = C – emissão ao par
Pe < C – emissão abaixo do par (desconto)

Guedes, A.M., Lopes, A.P., Monteiro, M.M. Cálculo Financeiro Aula 27 - 7

Empréstimos Obrigacionistas - Caracterização

Caracterização

Taxa de juro ou de cupão – i


Aplicada ao seu valor nominal, permite calcular o juro
periódico ou rendimento periódico do investidor.
Modadilidades:
-Fixa
-Variável
Valor de reembolso – VR
Valor a pagar pelo emitente para amortizar a dívida.
VR > C – reembolso acima do par (Prémio)
VR = C – reembolso ao Par
VR < C – reembolso abaixo do Par

Guedes, A.M., Lopes, A.P., Monteiro, M.M. Cálculo Financeiro Aula 27 - 8

4
Empréstimos Obrigacionistas - Caracterização

Caracterização

Maturidade de uma obrigação


Data de reembolso de uma obrigação.

YTM – Yeld to Maturity


Taxa de rendimento de uma obrigação obtida com
base no seu preço corrente (P), na sua maturidade e
nos rendimentos periódicos (j).

Cotação de uma obrigação


P
Valor de mercado, em percentagem C o ta çã o% =
C

Guedes, A.M., Lopes, A.P., Monteiro, M.M. Cálculo Financeiro Aula 27 - 9

Empréstimos Obrigacionistas - Caracterização

Caracterização

Vida do Empréstimo
É a duração do empréstimo, tempo que decorre entre
a emissão das obrigações e o pagamento da última
prestação.

Prémio de reembolso.
Valor que acresce ao valor nominal, com o objectivo
de incentivar a compra. VR=C+Prémio.

Guedes, A.M., Lopes, A.P., Monteiro, M.M. Cálculo Financeiro Aula 27 - 10

5
Empréstimos Obrigacionistas - Caracterização

Caracterização
Exemplo 1.

Guedes, A.M., Lopes, A.P., Monteiro, M.M. Cálculo Financeiro Aula 27 - 11

Empréstimos Obrigacionistas

5. Empréstimos Obrigacionistas

5.1 Noções Gerais


5.2 Caracterização.
5.3 Tipos de Obrigações.
5.4 Avaliação de Obrigações.
5.5 Modalidades de Amortização.

Guedes, A.M., Lopes, A.P., Monteiro, M.M. Cálculo Financeiro Aula 27 - 12

6
Empréstimos Obrigacionistas – Tipos de Obrigações

Alguns Tipos de Obrigações

Obrigações Clássicas
Títulos de dívida de médio e longo prazo,
transmissíveis, indivisíveis de rendimento fixo.

Obrigações Convertíveis
Títulos que possuem os elementos das obrigações
clássicas e conferem aos titulares o direito de
conversão em acções.

Obrigações de caixa
Títulos de curto prazo. São equiparados às
obrigações em geral.

Guedes, A.M., Lopes, A.P., Monteiro, M.M. Cálculo Financeiro Aula 27 - 13

Empréstimos Obrigacionistas – Tipos de Obrigações

Alguns Tipos de Obrigações

Obrigações de cupão Zero


São reembolsadas ao valor nominal no fim de um
prazo, não havendo pagamento de juros periódicos e
emitidas abaixo do par.

Obrigações de Taxa Fixa


A taxa de cupão permanece constante.

Obrigações de Taxa Variável


A taxa de cupão varia ao longo do tempo.

Guedes, A.M., Lopes, A.P., Monteiro, M.M. Cálculo Financeiro Aula 27 - 14

7
Empréstimos Obrigacionistas

5. Empréstimos Obrigacionistas

5.1 Noções Gerais


5.2 Caracterização.
5.3 Tipos de Obrigações.
5.4 Avaliação de Obrigações.
5.4.1 Valor de uma obrigação.
5.4.2 ytm - Yield to Maturity.
5.5 Modalidades de Amortização.

Guedes, A.M., Lopes, A.P., Monteiro, M.M. Cálculo Financeiro Aula 28 - 15

Empréstimos Obrigacionistas – Avaliação de obrigações

Valor de uma Obrigação (V)

Princípio de avaliação:
Valor de uma obrigação = Valor actual (V) dos Cash
Flows futuros, a uma taxa adequada ao nível de risco
da obrigação.

Cash Flows de uma obrigação de taxa fixa i e valor


nominal C

V j j j j+VR

0 1 2 3 .….. n
J=C.i
Guedes, A.M., Lopes, A.P., Monteiro, M.M. Cálculo Financeiro Aula 28 - 16

8
Empréstimos Obrigacionistas – Avaliação de obrigações

Valor de uma Obrigação (V)

Para uma taxa efectiva r, adequada ao nível de risco da


obrigação, com a mesma periodicidade dos Cash Flows,
obtemos o valor de uma obrigação (V), efectuando a
actualização dos Cash Flows à taxa r considerada.

−n
1 − (1 + r ) −n
V = j× + V R × (1 + r )
r

ou

−n
V = j × an r + V R × (1 + r )

Guedes, A.M., Lopes, A.P., Monteiro, M.M. Cálculo Financeiro Aula 28 - 17

Empréstimos Obrigacionistas – Avaliação de obrigações

Yield to Maturity- ytm

A taxa de rendimento de uma obrigação calcula-se através


da equação:
−n
1 − (1 + ytm ) −n
P = j× + V R × (1 + ytm )
ytm
ou
−n
V = j × an ytm + VR × (1 + ytm)
P é o preço corrente, j os rendimentos periódicos e VR o
valor de reembolso de uma obrigação.
Para obter esta equação actualizam-se os Cash Flows para
a data do preço corrente.

Guedes, A.M., Lopes, A.P., Monteiro, M.M. Cálculo Financeiro Aula 28 - 18

9
Empréstimos Obrigacionistas – Avaliação de obrigações

Exemplo 2
Qual é o valor de uma obrigação de taxa fixa anual 5% com
valor nominal 10,00 €, prémio de reembolso de 1,00 € e cuja
maturidade é de 10 anos?.Considere uma taxa de
actualização de 4,5% anual.

Resolução

V 0,50 0,50 0,50 ……. 0,50+11,00

0 1 2 3 …. 10 anos
−10
1 − (1 + 0, 045 ) −10
V = 10 × 0, 05 + 11 × (1 + 0, 045 )
0, 045
V = 11, 04 €
Guedes, A.M., Lopes, A.P., Monteiro, M.M. Cálculo Financeiro Aula 28 - 19

Empréstimos Obrigacionistas – Avaliação de obrigações

Exemplo 3
Qual é o valor de uma obrigação de cupão zero com valor
nominal 10,00 €, cuja maturidade é de 5 anos? Considere
uma taxa de actualização de 6% anual.

Resolução.

V 0 0 0 0 10,00

0 1 2 3 4 5 anos

−5
V = 1 0 × (1 + 0 , 0 6 )
V = 7, 4 7 €

Guedes, A.M., Lopes, A.P., Monteiro, M.M. Cálculo Financeiro Aula 28 - 20

10
Empréstimos Obrigacionistas – Avaliação de obrigações

Exemplo 4
Admita que o preço de mercado de uma obrigação é de
16,80 €, com maturidade de hoje a 6 anos, com valor
nominal de 20,00 €, reembolso ao par e taxa de cupão
zero. Qual é a ytm corrente?

Resolução

16,8 20,00

0 …… 6 anos
−6
16, 80 = 20 × (1 + ytm )
1
 20  6
ytm =   − 1 = 2, 9485%
 16, 80 
Guedes, A.M., Lopes, A.P., Monteiro, M.M. Cálculo Financeiro Aula 28 - 21

Empréstimos Obrigacionistas – Avaliação de obrigações

Exemplo 5
Admita que o preço de mercado de uma obrigação é de
16,80 €, com maturidade de hoje a 6 anos, com valor
nominal de 20,00 €, reembolso ao par e taxa de cupão anual
de 4%. Qual é a ytm corrente?

Resolução

P 0,80 0,80 0,80 ……. 0,80+20,00

0 1 2 3 …. 6 anos
−6
1 − (1 + ytm ) −6
16, 80 = 0, 80 × + 20 × (1 + ytm )
ytm
ytm = ?
Guedes, A.M., Lopes, A.P., Monteiro, M.M. Cálculo Financeiro Aula 28 - 22

11
Empréstimos Obrigacionistas – Avaliação de obrigações

Exemplo 5

Equação do problema:

−6
1 − (1 + ytm ) −6
0, 80 × + 20 × (1 + ytm ) − 16, 80 = 0
ytm

Esta equação pode ser resolvida através das funções


financeiras do Excel, TIR ou Taxa, ou ainda por interpolação
linear.

Utilizando a função TIR do Excel.

Guedes, A.M., Lopes, A.P., Monteiro, M.M. Cálculo Financeiro Aula 28 - 23

Empréstimos Obrigacionistas – Avaliação de obrigações

Exemplo 5

ytm = 7,3981%

Guedes, A.M., Lopes, A.P., Monteiro, M.M. Cálculo Financeiro Aula 28 - 24

12
Empréstimos Obrigacionistas

5. Empréstimos Obrigacionistas

5.1 Noções Gerais


5.2 Caracterização.
5.3 Tipos de Obrigações.
5.4 Avaliação de Obrigações.
5.5 Modalidades de Amortização.
5.5.1 Amortização de uma só vez.
5.5.2 Amortização no sistema de Amortizações
Constantes.
5.5.3 Amortização no sistema de Prestações
Constantes

Guedes, A.M., Lopes, A.P., Monteiro, M.M. Cálculo Financeiro Aula 29 - 25

Empréstimos Obrigacionistas – Modalidades de Amortização

Terminologia utilizada

Valor nominal de uma obrigação C

Número de “título vivos” no fim da νk


época k do empréstimo

Número de títulos emitidos ν0

Valor do empréstimo V0

“Títulos vivos” são os títulos ainda no mercado, aqueles que


ainda não foram reembolsados. Deve ser um número inteiro.

Guedes, A.M., Lopes, A.P., Monteiro, M.M. Cálculo Financeiro Aula 29 - 26

13
Empréstimos Obrigacionistas – Modalidades de Amortização

Terminologia utilizada

Número de obrigações a amortizar no fim da época k dk

Valor de reembolso de uma obrigação VR

Valor da amortização, no fim da época k D k

Capital em dívida após a amortização k Vk

O número de obrigações a amortizar deve ser um número


inteiro.
Guedes, A.M., Lopes, A.P., Monteiro, M.M. Cálculo Financeiro Aula 29 - 27

Empréstimos Obrigacionistas – Modalidades de Amortização

Amortização de uma só vez

Reembolso por valor igual ao nominal, VR=C, à taxa


periódica i.

Valor do empréstimo V0 =ν0 ×C

Juro periódico jk = ν0 × C×i

Valor da amortização D = ν0 × C

Guedes, A.M., Lopes, A.P., Monteiro, M.M. Cálculo Financeiro Aula 29 - 28

14
Empréstimos Obrigacionistas – Modalidades de Amortização

Exemplo 6
Elabore o quadro de amortização de um empréstimo
obrigacionista, de 10 000 obrigações de taxa variável,
cuja ficha técnica é a do exemplo 1.

ν 0 = ν1 = ν 2 = ν 3 = ν 4 = 10 000, ν 5 = 0

Guedes, A.M., Lopes, A.P., Monteiro, M.M. Cálculo Financeiro Aula 29 - 29

Empréstimos Obrigacionistas – Modalidades de Amortização

Amortização de uma só vez

Reembolso por valor diferente do nominal VR, à taxa de juro


periódica i.
Valor da amortização D = ν × VR 0

Relativamente ao caso VR=C a única diferença é no cálculo


do valor de reembolso.

Considerando o exemplo 2 com a seguinte alteração


VR=6,00 €, a amortização no fim do 5ºano seria

D5 = ν 4.Vr = 10000 × 6, 00 = 60 000, 00€

Guedes, A.M., Lopes, A.P., Monteiro, M.M. Cálculo Financeiro Aula 29 - 30

15
Empréstimos Obrigacionistas – Modalidades de Amortização

Reembolso na modalidade de amortizações constantes

Reembolso ao par VR = C

Número de obrigações a amortizar no fim da época k, dk = d

Valor da amortização no fim da época k, Dk = d× C = D


Capital em dívida após a amortização k,
Vk =νk ×C
Relação entre o número de títulos a amortizar e o número
de “Títulos vivos”
ν0 = n× d, νk = (n − k) × d
n representa o número de termos da renda.

Guedes, A.M., Lopes, A.P., Monteiro, M.M. Cálculo Financeiro Aula 29 - 31

Empréstimos Obrigacionistas – Modalidades de Amortização

Exemplo 7
Mantendo os dados do exemplo 1, alterando somente a
modalidade de amortização para amortizações
constantes, obtemos o seguinte quadro de amortização.

jk = νk −1.C.i A k = νk −1.C.i + d.C


vk −1 D = d.C
Guedes, A.M., Lopes, A.P., Monteiro, M.M. Cálculo Financeiro Aula 29 - 32

16
Empréstimos Obrigacionistas – Modalidades de Amortização

Reembolso por valor diferente do valor nominal, VR


O reembolso ao par difere do reembolso por valor
diferente do par, no cálculo do valor do prémio de reembolso.

Exemplo 8
Com os dados do exemplo 1, obtemos o seguinte
quadro de amortização, considerando um prémio
de reembolso de 1,00 €:

Guedes, A.M., Lopes, A.P., Monteiro, M.M. Cálculo Financeiro Aula 29 - 33

Empréstimos Obrigacionistas – Modalidades de Amortização

Reembolso na modalidade de Prestações Constantes

É uma forma de reembolso semelhante ao Sistema Francês


dos empréstimos normais.
As expressões que relacionam as várias variáveis são
obtidas a partir das do sistema Francês.

Reembolso ao par VR = C, sem prémio de reembolso

Termo da renda que faz o serviço do empréstimo

Ak = νk−1 × C.i + dk × C = a

Valor de cada amortização


k −p
dk = dp × (1 + i )
D k = dk × C
Guedes, A.M., Lopes, A.P., Monteiro, M.M. Cálculo Financeiro Aula 29 - 34

17
Empréstimos Obrigacionistas – Modalidades de Amortização

Valor do empréstimo em função do termo da renda (valor


teórico).
−n
1 − (1 + i)
V0 = ν0 × C = a ×
i

Relação entre o número (teórico) de obrigações da primeira


amortização e o número de obrigações emitidas

ν 0 = d 1 + d 2 + d 3 + ... + d n = d 1 ×
(1 + i ) −1
i

O valor efectivo de a obtêm-se considerando

Ak = νk −1 × C × i + dk × C, νk −1 ,dk ∈ »

Guedes, A.M., Lopes, A.P., Monteiro, M.M. Cálculo Financeiro Aula 29 - 35

Empréstimos Obrigacionistas – Modalidades de Amortização

Exemplo 9
Considere um empréstimo obrigacionista de 10 000
obrigações de C= 5,00€, sem prémio de reembolso,
com juros anuais à taxa anual i=4%, com duração de 5
anos, reembolsadas no sistema de prestações
constantes.
a) Calcule o valor da anuidade.
-5
1 - (1 + 0, 04 )
50000 = a × ⇒ a = 11231, 36 €
0, 04
b) Calcule o número de obrigações da 1ª tiragem.
5

10000 = d1
(1 + 0, 04 )
⇒ d1 =1846, 2711
×
−1
0, 04
Número teórico de obrigações 1846,2711
Número efectivo de obrigações 1846
Guedes, A.M., Lopes, A.P., Monteiro, M.M. Cálculo Financeiro Aula 29 - 36

18
Empréstimos Obrigacionistas – Modalidades de Amortização

Exemplo 9

c) Calcule o valor da 3ª anuidade efectiva.


2
d3 = d1. (1 + 0, 04) = 1846, 2711 × 1, 042
d3 = 1996, 99268
A 3 = ν 2 × 5 × 0, 04 + 1997 × 5

Progressão geométrica de razão (1+0,04)


3
0, 0 4 ) − 1
(1 +
ν2 = d3 + d4 + d5 = d3
0, 0 4
ν2 = 1 9 9 6 , 9 9 2 6 8 × 3,1 2 1 6 = 6 2 3 3, 8 1 2 3 5

Guedes, A.M., Lopes, A.P., Monteiro, M.M. Cálculo Financeiro Aula 29 - 37

Empréstimos Obrigacionistas – Modalidades de Amortização

Exemplo 9

Número efectivo de obrigações vivas ν 2 = 6234

A3 = 6234 × 5 × 0, 04 + 1997 × 5 = 11231,80 €

Anuidade teórica calculada em a) a = 11 231, 36 €

Anuidade efectiva A 3 = 11 231,80 €

d) elaborar o quadro de amortização da dívida.

Guedes, A.M., Lopes, A.P., Monteiro, M.M. Cálculo Financeiro Aula 29 - 38

19
Empréstimos Obrigacionistas – Modalidades de Amortização

Exemplo 9 Quadro de Amortização

Como se pode
observar as prestações
são aproximadamente
constantes

Guedes, A.M., Lopes, A.P., Monteiro, M.M. Cálculo Financeiro Aula 29 - 39

Empréstimos Obrigacionistas – Modalidades de Amortização

Reembolso por valor diferente do valor nominal

Quando há prémio de reembolso podemos considerar duas


situações:
- O prémio de reembolso é calculado separadamente,
traduzindo assim um situação similar à anteriormente
tratada.
- O prémio de reembolso é considerado na prestação
constante, neste caso devemos efectuar a “normalização
do empréstimo”, que consiste fundamentalmente na
substituição da taxa i por uma taxa j, de forma a que
C.i=VR.j, e assim utilizar as expressões utilizadas no
sistemas de prestações constantes e reembolso ao par,
substituindo i por j, e C por VR.

Guedes, A.M., Lopes, A.P., Monteiro, M.M. Cálculo Financeiro Aula 29 - 40

20

Você também pode gostar