P. 1
Óleo de Coco - Todo o poder do coco - Emagrece, protege o coração e fortalece o organismo

Óleo de Coco - Todo o poder do coco - Emagrece, protege o coração e fortalece o organismo

4.0

|Views: 48.127|Likes:
Publicado porpraialuz

More info:

Published by: praialuz on Aug 08, 2008
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

07/10/2013

pdf

text

original

ÓLEO DE COCO – EMAGRECE, PROTEGE O CORAÇÃO E FORTALECE O ORGANISMO

Todo o poder do óleo de coco
Óleo do fruto aumenta defesas do organismo, melhora o metabolismo, tem efeito antioxidante, protege o coração e ajuda a perder peso! Por Pamela Leme, Quando se fala em adotar o coco na dieta, muitos olham desconfiados. Além do alto valor calórico, o alimento é rico em gordura saturada, aquela que aumenta os riscos de doenças cardiovasculares. Por incrível que pareça, o óleo extraído do fruto faz maravilhas pelo corpo e, inclusive, ajuda a emagrecer! “O óleo de coco é considerado o mais saudável para cozinhar. Não apresenta gordura trans, gerada pelo processo de hidrogenação, que está presente em todos os óleos de origem vegetal, como os de soja, canola, milho e até o de oliva, que é considerado o mais saudável”, garanta a nutricionista e farmacêutica Luciana Kalluf, do Instituto Alpha de Saúde Integral. Enquanto o azeite de oliva e o óleo de canola são fornecedores de gordura monoinsaturada, os óleos de milho e girassol têm boas quantidades de ácidos graxos poliinsaturados. Todos esses tipos são interessantes para diminuir os níveis de colesterol, por exemplo. AMIGO DO CORAÇÃO As gorduras saturadas do coco conseguem ser resistentes e estáveis a altas temperaturas (como as utilizadas no preparo de alimentos). “As gorduras mono e poliinsaturadas são sensíveis ao calor e acabam se tornando noviças à saúde no final do cozimento”, explica a nutricionista Tatiana Ogheri, diretora da Nutrir Assessoria. “A escolha do óleo varia de acordo com a aplicação, visto que um óleo bom para temperar saladas não é necessariamente bom também para o cozimento”, aponta. “Uma pequena quantidade de ácidos graxos saturados complementa a alimentação, por isso foi demonstrado que uma mjistura de óleo de coco com óleo de girassol [esse último rico em ácidos graxos poliinsaturados], é uma boa base para lipídeos na

dieta”, completa o clínico geral e estudioso de plantas medicinais Alex Botsaris, autor de e autor de livros como Medicina Complementar (Editora Nova Era). Até pouco tempo, havia a suspeita de que o óleo de coco hidrogenado, extraído com temperaturas bem altas, podeira culminar em bloqueio das artérias e doenças cardiovasculares. Muitas pesquisas depois, esse óleo passou de vilão a mocinho. “Alguns estudos demonstraram que este óleo tem efeito positivo no aumento do HDL-colesterol (bom colesterol), o que ajuda a prevenir a arteriosclerose e as doenças do coração”, ressalta Tatiana. ALIADO DA SAÚDE Fácil de digerir, perfeito para dar energia e fortalecedor do sistema imunológico, o óleo de coco extravirgem tem sido classificado por estudos e publicações científicas como candidato à família dos alimentos funcionais*. Tudo graças ao ácido láurico, utilizado pelo organismo para fabricar um outro tipo de gordura (ou ácido graxo), a monolaurina, que tem ações antibacteriana, antiviral e antiprotozoária. Assim, o uso do óleo de coco também não afeta as bactérias benéficas da flora intestinal, o que o torna também eficaz para a normalização do funcionamento gastrointestinal. Graças às boas quantidades de vitamina E, ainda funciona como antioxidante – sem contar que seus ácidos graxos saturados são de fácil metabolização e baixa capacidade de oxidação, tanto no organismo como no ambiente. Dá até para perder peso com o óleo! Poucos sabem, mas nem toda gordura engorda. No caso desse óleo, que também é composto por triglicerídeos de cadeia média (absorvidos diretamente para o sangue), a gordura é facilmente absorvida e, em vez de se depositar nos tecidos em forma de gordura, é rapidamente transformado em energia, porque aumenta o metabolismo do organismo e a função tireoidiana. EM ESTUDO Acredita-se que a combinação de certos vírus e bactérias, associadas a alguns fatores podem ser a causa de anormalidades como a Síndrome da Fadiga Crônica e fibromialgia. Como a gordura saturada do coco, em especial o ácido láurico, tem efeito antibacteriano e antiviral, melhorando o sistema imunológico, é dessa maneira que o óleo é indicado para combater ou prevenir essas patologias. No entanto, mais estudos são necessários para confirmar esses poderes.

COMO ESCOLHER Para usufruir dos benefícios do óleo, é preciso saber escolher. Na hora de ir às compras, certifique-se de que está adquirindo um alimento de origem orgânica e extraído a frio – do tipo “virgem”. Dispense produtos refinados. No mercado nacional pode ser difícil encontrar um produto com as melhores características, mas vale a pena procurar em lojas de produtos naturais e grandes redes de supermercados. 6 MOTIVOS PARA CONSUMIR ÓLEO DE COCO Antes rejeitado pelo alto teor de gordura saturada, o óleo de coco agora é considerado opção saudável para preparar alimentos Tem ação antioxidante – O óleo colabora na diminuição da produção de radicais livres e estresse oxidativo por ser rico em vitamina E. Para ser absorvida, essa vitamina precisa do lipídio (gordura), ou seja, é uma vitamina lipossulúvel (solúvel em gordura). Atualmente, sabe-se também que essa vitamina tem importante papel na recuperação do sistema imunológico, principalmente em idosos, e aumenta a resistência muscular. Controla o colesterol – “Ele contribui para a redução do mau colesterol (LDL), evitando que oxide. É capaz ainda de elevar os níveis do bom colesterol (HDL), ainda como um ‘detergente das artérias’. Previne, assim, tanto doenças cardiovasculares quanto cerebrais”, afirma a nutricionista Lucyanna Kalluf. Esse efeito já foi comprovado em publicações no Life Science Research Office da Federação das Sociedades de Biologia Experimental dos Estados Unidos e Food and Drug Administration (FDA), órgão americano de controle de alimentos. Aumenta a resistência insulínica – a gordura de coco proporciona uma sensação de saciedade ainda maior e, acima de tudo, não estimula a liberação de glicose no sangue. “Dessa forma, ele ajuda a diminuir a compulsão por carboidratos, principalmente doces”, sinaliza Lucyanna. Contrário aos demais óleos poliinsaturados que dificultam a entrada da insulina e nutrientes nas células, a gordura de coco abre as membranas das células não somente permitindo que os níveis de glicose e insulina se normalizem, mas também

melhorando sua nutrição, restabelecendo os níveis normais de energia. Queima gorduras – A gordura de coco é considerada “termogênica”, ou seja, capaz de gerar calor e queimar calorias. Isso porque não precisa de enzimas para sua digestão e metabolismo. O alimento é rico em triglicerídeos de cadeia média (ácidos graxos de fácil digestão, capazes de fornecer energia e não se depositam no organismo. Essa propriedade, aliada à capacidade que a gordura de coco tem de estimular a glândula tireóide, aumenta o metabolismo basal e ajuda a perder peso com mais facilidade. “É importante lembrar que o emagrecimento envolve diversos fatores. Por isso, a utilização desse óleo deve ser indicada e quantificada por um profissional nutricionista ou médico”, diz a nutricionista Tatiana Ogheri. Melhora a imunidade – A gordura presente no coco tem a maior concentração de ácido láurico entre todas as gorduras vegetais! Esse é o mesmo ácido graxo do leite materno, elemento indispensável para estimular o equilíbrio imunológico. No organismo, é convertido em monolaurina, tipo de gordura capaz de combater inúmeras infecções. “Entre centenas de trabalhos científicos, hoje sabemos que a gordura de coco extravirgem é capaz de ajudar a combater uma infinidade de bactérias, leveduras, fungos e vírus”, aponta Lucyanna. Ajuda no trânsito intestinal – Tanto nos casos de prisão de ventre ou mesmo nas diarréias, os componentes da gordura de coco agem normalizando as funções intestinais. Novamente, graças ao ácido láurico, que ajuda a eliminar as bactérias patogênicas (inimigas), protegendo e favorecendo o equilíbrio da flora intestinal. TOMATES RECHEADOS COM CARNE MOIDA
INGREDIENTES

10 tomares grandes 250g de carne moída ½ xícara (chá) de vinho 2 cebolas picadas ½ xícara (chá) de queijo ralado ½ xícara (chá) de pão torrado e moído 3 colheres (sopa) de salsinha bem picada

½ xícara (chá) de óleo de coco extravirgem Pimenta-do-reino e sal a gosto
PREPARO

Corte uma “tampinha” na parte de cima dos tomates. Retire o miolo, passe em uma peneira e reserve. Coloque uma pitada de sal em cada tomate e deixe-os de cabeça para baixo em cima de um prato. Em uma frigideira coloque metade do óleo de coco extravirgem e doure a cebola. Acrescente a carne moída e frite um pouco, mexendo. Junte o vinho e o miolo de tomate, peneirado. Tempere com sal, pimenta e salsa picada. Se precisar, junte ½ xícara de água. Tampe a frigideira ou panela e deixe cozinhar em fogo lento por uma hora ou até que todo o líquido evapore. Tire do fogo, junte o pão torrado e moído, mais o queijo e misture bem. Com uma colherinha, recheie os tomates. Se quiser, cubra-os com suas tampas e jogue por cima o restante do óleo de coco extravirgem e um pouco de molho de tomate. Salpique com queijo ralado e pão torrado e moído. Leve ao forno médio para gratinar. Sirva como entrada ou prato principal acompanhado de arroz branco.
RENDIMENTO

10 porções

Saiba mais!
“O Uso Medicinal De Óleos Vegetais”, Katharina Wolfram, Editora Pensamento COPRA – Indústria Alimentícia: WWW.copraalimenticia.com.br Fonte: Revista Vida Natural & Equilíbrio, Nº 15, páginas 14 a 17 -------------------------------------* abaixo, texto mostrando que o “coco” já foi classificado como alimento funcional:

Coco é classificado como alimento funcional.
Classificados recentemente como alimentos funcionais, o óleo de coco extra virgem, proveniente do coco da praia ou coco Bahia, se destaca em função das suas propriedades nutricionais. Já existe no Brasil uma preocupação com a saúde digestiva e campanha nacional de conscientização sobre a Nutrição para Saúde Digestiva. A iniciativa faz parte da ação global da Organização Mundial de Gastroenterologia (WGO), com apoio no Brasil da Federação Brasileira de Gastroenterologia (FBG).O Dr. Sérgio Puppin, MD. Cardiologista e Nutrólogo, Membro da Academia de Ciências de Nova York; Professor do Curso da Associação Brasileira de Medicina Biomolecular e Professor de Pós Graduação na Universidade Moderna de Lisboa, defende a importância do consumo de frutas e vegetais, ricos em fontes de vitaminas, sais minerais e fibras. “É possível encontrar nas frutas e nos vegetais propriedades que funcionam como verdadeiros medicamentos”, afirma o cardiologista e nutrólogo Sérgio Puppin. Segundo Puppin, o conceito moderno de nutrologia classifica os alimentos como funcionais e nutracêuticos, em função de suas propriedades farmacológicas, quando os alimentos são ingeridos no estado natural, ou seja, frescos. Entre os principais alimentos, que foram classificados recentemente como alimentos funcionais, o óleo de coco extra virgem, proveniente do coco da praia ou coco Bahia, se destaca em função das suas propriedades nutricionais, por se tratar de um alimento completo e por poder substituir a carne, o queijo, o ovo e o leite, rico em proteínas, gorduras, calorias, sais, hidratos de carbono e vitaminas”, destaca o cardiologista e nutrólogo Sergio Puppin. O consumir o óleo possui a função age na função tireoidiana, no sistema cardiovascular e imunológico e proporciona mais energia ao organismo. Fonte: Redação Saúde em Movimento Publicado em: 01/08/2008 http://www.saudeemmovimento.com.br/reportagem/noticia _exibe.asp?cod_noticia=2688 -----------------------------

PREVENÇÃO

Um óleo muito rico – “Óleo de coco”
Embora rejeitado por algumas correntes, pelo alto teor de gordura saturada, o óleo de coco é uma opção saudável para o preparo de alimentos.

Rico em gorduras saturadas, o óleo de coco foi banido das chamadas dietas saudáveis porque, em tese, favoreceria o bloqueio de artérias e o risco de doenças coronarianas. A evolução das pesquisas, porém, vem mostrando que uma alimentação pobre em gorduras não é a resposta para prevenir problemas cardiovasculares. E, embora a mídia insista em dar voz a uma mania antigordura, muitos cientistas já começam a cobrar a definição de novas diretrizes alimentares. Nesse novo cenário, o óleo de coco tem tudo para sair da posição de vilão diretamente para o papel de herói. Motivos não faltam. Suas altas concentrações de ácido láurico, por exemplo, têm efeito antiviral, antibacteriano e antifúngico. Ele também é rico em vitamina e e possui um poderoso efeito antioxidante. Além disso, conserva-se por longos períodos, sem necessidade de refrigeração ou de outros cuidados especiais. Mas… e a gordura saturada? De fato, o óleo de coco é pródigo nessa substância, mas quase 2/3 de sua gordura saturada é composto por ácidos graxos de cadeia média – os mesmos do leite materno. Significa que ela é de fácil digestão pelo organismo, gera energia rapidamente e tem efeito benéfico sobre o sistema imunológico. Portanto, longe de prejudicar o organismo, a gordura saturada do óleo de coco é uma promotora da saúde. Além de motivos mercadológicos, o conceito negativo que se criou em torno do óleo de coco tem a ver com pesquisas realizadas com gordura de coco hidrogenada – esta, sim, tremendamente nociva. Como todo óleo que passa por processo de hidrogenação (o mesmo usado para a produção das margarinas), também o de coco torna-se rico em gorduras trans, que causam oxidação e prejudicam o equilíbrio entre o bom e o mau colesterol. Para usufruir dos seus benefícios, portanto, é preciso saber escolher. Na hora de comprar,

certifique-se de que está adquirindo um óleo de origem orgânica e extraído a frio – do tipo “virgem”. Dispense produtos refinados e que tenham passado por processo de desodorização. No mercado nacional, pode ser difícil encontrar um produto com as melhores características, mas vale a pena procurar em lojas de produtos naturais e grandes supermercados.

A melhor escolha na hora de cozinhar

Sensíveis ao aquecimento, a maioria dos óleos vegetais tem suas moléculas prejudicadas pelo calor, tornando-se nocivos à saúde. O calor é um dos maiores inimigos dos óleos vegetais. Os chamados óleos poliinsaturados – como os de girassol, soja e milho – sofrem alterações e acabam apresentando altos níveis de gordura trans no final do cozimento, assim como também o de canola. Tido como mais saudável por ser do tipo monoinsaturado, o óleo de oliva se ressente ainda mais com o aquecimento. Entre todos os tipos de gordura, as saturadas são as mais resistentes e estáveis. Por isso, para cozinhar, a melhor escolha é mesmo o óleo de coco – além, é claro, de manteiga e de outras gorduras de origem animal. Aplicado sobre a pele, o óleo de coco virgem atua na prevenção de rugas e seu consumo sistemático é um poderoso agente antioxidante.

Fonte: http://www.drrondo.com/js/13/especial.htm -------------------------------------

Visite o site “W. Rondó medical center”
Fonte: http://www.drrondo.com/index.htm Artigos – Jornal da Saúde – eLetter – Guia de suplementos – Doenças de A a Z – Problemas Vasculares Livros recomendados:- wrj

“Fazendo as Pazes com Seu Peso”, Obesidade e Emagrecimento: entendendo um dos grandes problemas deste século, Dr. Wilson Rondó Jr., Editora Gaia, São Paulo, 3ª Edição, 2003. “Prevenção: A Medicina do Século XXI”, A Guerra ao Envelhecimento e às Doenças, A terapia molecular irá diminuir a incidência de câncer, doenças cardiovasculares, envelhecimento e muito mais; Dr. Wilson Rondó Junior, 240 páginas, Editora Gaia, São Paulo, 2000. “O Atleta no Século XXI”, Dr. Wilson Rondó Junior – O leitor conhecerá a importância da atividade esportiva na vida de qualquer ser humano do ponto de vista médico. Editora Gaia, São Paulo, 2000. “Emagreça & Apareça!”, Descubra seu Tipo Metabólico. Viva melhor e com mais saúde! Dr. Wilson Rondó Juni8or, Editora Gaia, São Paulo, 2007. -------------------

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->