Você está na página 1de 58

Avaliação da

Capacidade Física
CLASSIFICAÇÃO DAS
VARIÁVEIS DA PERFORMANCE

• VARIÁVEL CINEANTROPOMÉTRICA
proporcionalidade, composição corporal, somatotipo
• VARIÁVEL NEUROMUSCULAR
velocidade, força, agilidade, flexibilidade, equilíbrio,
técnica, rítmo, coordenação...
• VARIÁVEL PRODUÇÃO DE ENERGIA
metabolismo aeróbico, anaeróbico alático e lático
• VARIÁVEL PSICOLÓGICA (PSICO-SOCIAL)
inteligência, personalidade, motivação, socialização...
TESTE

é um instrumento, procedimento ou
técnica usados para se obter uma
informação

Formas: escrita, observação e "performance"


Exemplo: prova escrita, teste de corrida dos

12 minutos
MEDIDA
é o processo para coletar as informações
obtidas pelo teste:
• atribuindo um valor numérico aos resultados
• devem ser precisas e objetivas

Formas: pode ser formal ou

informal (sem conhecimento prévio)


Exemplo: pontos de uma prova, estatura,
tempo dos 50 m.
AVALIAÇÃO

determina a importância ou valor


da informação coletada

• classifica os avaliados
• reflete o progresso
• indica se os objetivos estão ou não sendo atingidos
• reflete a filosofia, metas e objetivos esperados
• comparação com algum padrão ou população

Exemplo: Conceito (SS)


TIPOS DE AVALIAÇÃO

• DIAGNÓSTICA
pontos fortes e fracos

• FORMATIVA
progresso da performance

• SOMATIVA
quadro evolutivo
OBJETIVOS da AVALIAÇÃO
• Determinar o progresso
• Classificar
• Selecionar
• Diagnosticar
• Motivar
• Manter padrões
• Experiência indivíduo/profissional
• Pesquisa (divulgação)
TÉCNICAS E INSTRUMENTOS
DE AVALIAÇÃO

• Observação
• Inquirição
• Testagem
CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DE
MEDIDAS E TESTES

• VALIDADE

• OBJETIVIDADE

• REPRODUTIBILIDADE
VALIDADE
É a determinação do grau em que o teste
mede aquilo que se propõe a medir

Forma de determinação:
• comparação com testes de validade conhecida
direto (referência = padrão ouro) x indireto
• definição a partir de opinião de pessoas de
reconhecido gabarito no assunto
• por conhecimentos teóricos fundamentados em
literatura
Reprodutibilidade / Fidedignidade

É o grau em que esperamos que os


resultados entre teste e reteste sejam
consistentes (reprodutivos)
- mesmo observador

Forma de determinação:
• comparação de resultados dependentes: teste x
reteste
• coeficiente de correlação de Pearson (r > 0,70)
• reprodutivo não significa válido
OBJETIVIDADE

É o grau em que esperamos consistência


nos resultados, quando o teste é aplicado
por diferentes avaliadores na mesma
amostra

Formas de determinação:
• comparação de resultados pelo coeficiente de
correlação de Pearson (r > 0,90)
Parâmetro para seleção de testes
SAFRIT (1981)

Validade Fidedignidade Objetividade

Excelente 0,80 – 1,00 0,90 – 1,00 0,95 – 1,00

Bom 0,70 – 0,79 0,80 – 0,89 0,85 – 0,94

Regular 0,50 – 0,69 0,60 – 0,79 0,70 – 0,84

Fraco 0,00 – 0,49 0,00 – 0,59 0,00 – 0,69


Objetividade e fidedignidade
podem ser aumentadas
quando:

• os aplicadores são bem treinados


• observância da padronização
TEMPO DE REAÇÃO

é o intervalo de tempo entre a


apresentação de um estímulo e o início
da resposta
(JOHSON & NELSON, 1979)

• Teste de Nelson de reação da mão e do pé


• Aparelho polirreaciógrafo
• Reflex
Teste de Nelson
VELOCIDADE

é a capacidade de realizar um movimento no


menor espaço de tempo possível
(BARBANTI, 1979)

• Corrida de 50 metros
• Corrida de 50 metros lançados
• Corrida de 30 m (parada e lançada)
• Corrida de 6 segundos ou 4 segundos
CORRIDA DE 50 METROS

Muito
Fraco Regular Bom Excelente
bom

Velocistas
5,7 5,6 5,5 5,4 < 5,4
Experientes

Velocistas
6,1 6,0 5,9 5,8 < 5,8
Novatos
ROCHA & CALDAS, 1978
VELOCIDADE DE MEMBROS

• Velocidade de membro superior


(JOHNSON & NELSON, 1979)

• Teste de toque da mão (EUROFIT, 1988)


• Teste de toque do pé (FLEISHMAN, 1964)
FORÇA
é a capacidade de exercer tensão muscular
contra uma resistência, envolvendo fatores
mecânicos e fisiológicos, que determinam a
força em algum movimento particular
(BARBANTI, 1979)

• Teste de dinamometria dorsal


• Teste de prensão manual (handgrip)
• Teste de barra fixa - MASC e FEM (AAHPER, 1976)
• Força abdominal (AAHPER, 1976)
• Teste de carga máxima e de carga de
repetição (BITTENCOURT, 1986)
PRENSÃO MANUAL

FORÇA TOTAL = DIREITA + ESQUERDA

EXCELENTE MAIS DE 122 KgW


BOA 105 A 122 KgW
ACEITÁVEL 87 A 104 KgW
FRACA 68 A 86 KgW
MUITO FRACA MENOS DE 67 KgW

OBS: 20 a 29 ANOS (CHPA, 1977)


Teste Abdominal (repetições em 1 min)
(POLLOCK et al, 1978)
HOMENS
IDADE EXCELENTE BOM MÉDIO REGULAR FRACO
20-29 acima de 48 43-47 37-42 33-36 0-32
30-39 acima de 40 35-39 29-34 25-38 0-24
40-49 acima de 35 30-34 24-29 20-23 0-19
50-59 acima de 30 25-29 19-24 15-18 0-14
60-69 acima de 25 20-24 14-19 10-13 0-09
MULHERES

IDADE EXCELENTE BOM MÉDIO REGULAR FRACO


20-29 acima de 44 39-43 33-38 29-32 0-38
30-39 acima de 36 31-35 25-30 21-24 0-20
40-49 acima de 31 26-30 19-25 16-18 0-15
50-59 acima de 26 21-25 15-20 11-14 0-10
60-69 acima de 21 16-20 10-15 06-09 0-05
Abdominal em 1 minuto (YMCA 1989)
GRUPOS DE IDADE
SEXO P
18-25 26-30 46-55 36-45 56-65 > 65
95 54 50 46 41 32 33
75 45 41 36 29 26 22
MASCULINO 50 37 33 29 22 18 17
25 30 28 22 17 12 10
5 17 12 9 8 4 4
95 48 42 38 30 29 26
75 37 33 27 22 18 18
FEMININO 50 30 26 21 16 11 12
25 24 20 14 9 6 4
5 10 2 2 1 1 0
FORÇA EXPLOSIVA
é o tipo de força que pode ser
explicada pela capacidade de exercer
o máximo de energia num ato
explosivo (TUBINO, 1969)

• Salto vertical
• Salto horizontal
• Arremesso da Bola Medicinal
• Teste de potência máxima em dez saltos
sucessivos – Teste de Fletcher
COORDENAÇÃO GERAL
é a qualidade física que permite ao homem
assumir a consciência e a execução,
levando a uma integração progressiva de
aquisições e favorecendo uma ação
ótima dos diversos grupos musculares na
realização de uma seqüência de
movimentos com um máximo de eficiência
e economia (TUBINO, 1979)

• Burpee
FLEXIBILIDADE
é a habilidade de mover o corpo e suas
partes dentro de seus limites
máximos sem causar danos nas
articulações e nos músculos
envolvidos (JOHNSON & NELSON, 1969)
• Testes angulares  goniometria
• Testes lineares  Sentar e alcançar
• Testes adimencionais  Flexiteste
(ARAÚJO, 1987)
FLEXIBILIDADE - Banco de Wells -
homens de 18 a 25 anos YMCA(1986)

EXCELENTE mais de 51 cm
BOA 46 a 51 cm
ACIMA DA MÉDIA 43 a 45 cm
MÉDIA 38 a 42 cm
ABAIXO DE MÉDIA 33 a 37 cm
FRACA 25 a 32 cm
MUITO FRACA menos de 25 cm
FLEXIBILIDADE (POLLOCK, 1986)

CLASSIFICAÇÃO Polegadas cm
EXCELENTE 22 OU MAIS 54
BOM 19 A 21 48 a 53
MÉDIO 14 A 18 35 a 47
REGULAR 12 A 13 30 a 34
FRACO 11 ou menos 29 ou menos
EQUILÍBRIO
é a qualidade física conseguida por uma
combinação de ações musculares com
o propósito de assumir e sustentar o
corpo sobre uma base, contra a lei da
gravidade (TUBINO, 1979)
• Equilíbrio do flamingo (EUROFIT, 1988)
• Estabilômetro (NETO, 1982)
• Teste de equilíbrio de Nelson
PERCEPÇÃO MOTORA E
CINESTESIA

é a habilidade de perceber a posição,


esforço e movimentos das partes do
corpo, ou do corpo inteiro, durante uma
ação muscular. É tida como sendo o sexto
sentido (JOHSON & NELSON, 1979)

• Salto da percepção da distância


(JOHSON & NELSON, 1979)
AGILIDADE
variável neuro-motora caracterizada pela
capacidade de realizar trocas rápidas de
direção, sentido e deslocamento da altura
do centro de gravidade de todo o corpo ou
parte dele (STANZIOLA & PRADO, 1983)

• Corrida do vai e vem – Shuttle run


• Passo lateral – Side step
• Teste do quadrado
SHUTTLE RUN (AAHPER, 1976)
PERCENTIL/ IDADE
SEXO
CLASSIFICACAO 9-10 11 12 13 14 15 16 17
95 / EXCELENTE 10 9.7 9.6 9.3 8.9 8.9 8.6 8.6
75 / BOM 10.6 10.4 10.2 10.0 9.6 9.4 9.3 9.2
MAS 50 / MEDIO 11.2 10.9 10.7 10.4 10.1 9.9 9.9 9.8
25 / REGULAR 12.0 11.5 11.4 11.0 10.7 10.4 10.5 10.4
5 / FRACO 13.1 12.9 12.4 12.4 11.9 11.7 11.9 11.7
95 / EXCELENTE 10.2 10.0 9.9 9.9 9.7 9.9 10.0 9.6
75 / BOM 11.1 10.8 10.8 10.5 10.3 10.4 10.6 10.4
FEM 50 / MEDIO 11.8 11.5 11.4 11.2 11.0 11.0 11.2 11.1
25 / REGULAR 12.5 12.1 12.0 12.0 12.0 11.8 12.0 12.0
5 / FRACO 14.3 14.0 13.3 13.2 13.1 13.3 13.7 14.0
POTÊNCIA ANAERÓBICA
ALÁTICA
METODOLOGIA DIRETA:
• Ressonância Nuclear Magnética (ATP-CP)
• Biópsia Muscular

• Componente rápido do débito de O


2

METODOLOGIA INDIRETA:
• Teste de escada de MARGARIA
• Teste de corrida dos 50 metros
• Teste de Impulsão Vertical

• Teste de Impulsão Horizontal


CP: Espectofotometria Ressonância Magnética
POTÊNCIA ANAERÓBIA TOTAL
METODOLOGIA DIRETA:
• Dosagem plasmática do ÁCIDO LÁTICO
• Método fotocolorimétrico x enzimático
• Depleção de glicogênio biópsia muscular
• Componente lento do débito de O2

METODOLOGIA INDIRETA:
• Teste de WINGATE
• Teste de 40 segundos
• Teste de corrida dos 400 m (300 m)
Limiar de Lactato
Teste de Corrida de 40 segundos
(Matsudo, 1979)

Idade Masculino Feminina Idade Masculino Feminina


7 178.03 166,42 13 221.48 201.78
 12.24  11.91  15.93  25.79
8 191.95 169.50 14 230.29 204.85
 19.37  12.89  23.23  20.11
9 197.29 186.42 15 246.54 202.16
 13.72  17.50  12.76  18.96
10 200.21 189.93 16 250.70 197.29
 17.01  10.52  16.56  15.64
11 203.34 195.09 17 240.20 197.12
 19.24  24.33  17.32  10.01
12 213.15 195.82 18 261.67 201.09
 19.37  16.16  19.85  10.98
Valores Médios de atletas de alto
nível – Teste de 40 s (MATSUDO, 1988)
MODALIDADE MASCULINO FEMININO
Natação 208,16 ± 12,32 232,61 ± 34,12
Atletismo 258,83 ± 25,21 295,90 ± 17,70
Basquetebol 228,61 ± 16,96 266,01 ± 15,93
Ginástica 216,91 ± 13,70 261,10 ± 19,93
Volibol 227,21 ± 17,44 267,10 ± 14,22
Pugilismo 272,69 ± 11,04
Sel Bras. Volibol 279,98 ± 14,20
Sel. Bras. Basquete 275,30 ± 21,60

Você também pode gostar