Você está na página 1de 19

O Serviço Público de Televisão em Portugal: um anúncio de morte?

Cap. I – Introdução
“A TV permanece o meio de comunicação predominante em todo o mundo (…)”
Nuno Cintra Torres (2009: 334)

O presente trabalho procura estabelecer uma breve análise relativamente ao Serviço Público de
Televisão em Portugal, instigando à reflexão crítica sobre o passado, presente e provável futuro
daquele serviço.
Não existem dúvidas de que a forma de olhar para os media em Portugal e na Europa,
nomeadamente no tocante aos seus deveres ao nível do interesse público, detém não apenas
uma raiz científica mas, igualmente, uma raiz histórica, nela devendo salientar-se as relações
entre os mass media, o poder político e poder económico. De facto, os anos oitenta, marcados
pelos monopólios estatais, parecem deixar o saudosismo de uma era em que não era o
marketing (com fins económicos, pois havia-os ao nível político) a ditar os conteúdos
mediáticos do serviço estatal de televisão, mas antes o interesse comum. Já os anos noventa e a
sua abertura ao mercado privado, embora também prometessem o desejado aumento na
panóplia de conteúdos existentes e um (inicial) acréscimo da criatividade dos profissionais,
apenas tenderam para uma supremacia do económico sobre o social (Cuilenburg e Mcquail,
2003). Ainda que nenhuma destas duas fases se mostrasse perfeita, a verdade é que nos
encontramos ante uma terceira fase pautada pela confusão e orientada por regras
aparentemente opostas. Num momento de profunda crise, possível privatização de muitos dos
serviços públicos por parte do Estado e de desenfreada concorrência comercial, muitos se
questionam relativamente à manutenção dos canais televisivos “estatais”. Perante os péssimos
resultados financeiros da Rádio e Televisão de Portugal, S.A. e as permanentes acusações de
um deficitário cumprimento do interesse público, já se especulou relativamente à alienação da
RTP1. O debate, se já era premente, surge com novo vigor num contexto económico-financeiro
extremamente difícil para o Estado Português. Deverão os cidadãos manter um serviço que
parece falhar em todos os seus objectivos?
Também os grupos privados de media se insurgem contra a presente situação: o financiamento
misto da RTP S.A. constituirá, segundo aqueles, uma verdadeira situação de concorrência
desleal, criando deturpações de mercado. O que, obrigatoriamente, nos coloca ante a questão
do possível corte das apelidadas “indemnizações compensatórias” por parte do Estado ou, em
alternativa, da impossibilidade, por parte dos canais públicos, de se auto-financiarem através da
publicidade.
Se atentarmos às questões que se levantam, percebemos facilmente que todas elas exigem, na
sua génese, um necessário esclarecimento em dois campos distintos: o do interesse público e o
do financiamento. Afinal, em que consiste o interesse público? Onde poderemos aferir da sua
consentaneidade aquando das prestações de serviços de media? Estará a legislação portuguesa
a definir correctamente tal interesse? E qual será a melhor forma de, eventualmente, manter um
sistema público de televisão? Deverá ele ser financiado pelo erário público, pelo mercado
privado (publicidade, produtos financeiros e comerciais) ou por ambos?

Dada a curta dimensão da presente reflexão e o debate que actualmente se coloca, irei focar-me
essencialmente na RTP1, apenas apresentando dados relativamente à RTP2, SIC e TVI (ou
respectivos grupos) quando a análise comparativa se mostrar pertinente. Optarei, de igual
modo, por analisar a realidade até a ano de 2008, uma vez que este se afigura o último ano em
relação ao qual existem dados completos (Relatórios de Actividades e Contas dos vários
operadores, Relatórios de Regulação e Pluralismo da ERC, etc.).
Cap. II – Contextualização: a evolução da RTP e do mercado televisivo
“A sua estrutura inicial ruiu, perdeu a legitimidade de acção e inverteu os valores primários
presentes desde a sua concepção” (Sena, 2008:2507)

A RTP deu início às suas emissões em 1957, enquanto sociedade anónima concessionária de
serviço público de televisão: na altura, o Estado detinha apenas 30% do capital da empresa,
embora o seu controlo sobre a RTP fosse total, uma vez que o canal RTP1 vivia para cumprir
um papel político ao serviço do regime totalitário da altura (Oliveira Martins, 2006:91).
Após o 25 de Abril, tal como acontecia na vida social, política e económica, a estação passa
por uma fase de conturbação e procura de caminho próprio – o que apenas teria lugar no final
da década de 70. De facto, no decurso dos anos 80, assistimos a “evoluções qualitativas
importantes na programação da RTP”, tal como o lançamento das emissões a cores ou o
aparecimento da RTP Internacional (Oliveira Martins, 2006:92).O monopólio estatal manteve-
se, assim, durante décadas. Como afirma Joaquim Fidalgo, «era assumido tacitamente que a
um “serviço público” de televisão correspondia um “servidor público”, um operador de
propriedade, financiamento e controlo estatais, e a quem era reconhecido facilmente o
“estatuto formal de instituição do domínio público» (Fidalgo, 2003:14). Esta opção não foi
original, sendo, aliás, a normal decisão por parte de muitos países europeus.
Após uma fase de completa estatização, os governos de Cavaco Silva vieram abrir o mundo
televisivo à iniciativa privada. Primeiro, removendo da Constituição Portuguesa o preceito que
o impedia (1989) e, posteriormente, através da aprovação pelo Parlamento da comummente
denominada Lei da Televisão (1990). Obviamente gerando grande debate e controvérsia, o
concurso foi aberto no ano seguinte, sendo atribuídas duas frequências de televisão – à SIC e à
TVI nos anos de 1992 e 1993, respectivamente (Sousa & Santos:2003:10). Foi também em
1993 que o Governo assinou o contrato de concessão com a RTP, obrigando-a a prosseguir o
interesse público e assegurando o seu financiamento através da figura de “indemnizações
compensatórias”. Refira que é também nesta data que é abolida a taxa televisiva – aquela que
fora uma grande fonte de rendimento da RTP (Oliveira Martins, 2006:93).
Encontrava-se criado o sistema misto – sistema este, aliás, que se manifestava como a melhor
opção em muitos dos países da União Europeia já desde os anos 80 (Oliveira Martins,
2006:93). Conforme é apontado por diversos autores, este momento descurou todas as questões
satélite de uma qualquer decisão desta índole, tal como “a dimensão do mercado publicitário,
fontes alternativas de financiamento dos canais, clarificação das regras de concorrência,
limites e obrigações ao nível da informação e programação de canais públicos e privados”,
etc. (Sousa & Santos, 2003:10). Perante o abandono da confortável situação monopolista, as
reacções da RTP não se fizeram esperar:
o o alargamento das emissões – a partir do momento que as televisões privadas foram
apresentando tempos de emissão alargados, a RTP optou por seguir o mesmo caminho:
“(…) o tempo total de emissão da RTP em 1990 atingia 6073 horas, enquanto que em
2005 subiu 38,49%, isto é, a emissão atingiu 8760 horas.” – ainda que “(…) a
madrugada apresente características distintas das emissões diurnas ou mesmo do
horário-nobre e second time” (Sena,2008:2511). Será desnecessário explicar o facto de
tal decisão ter implicado um aumento dos custos de produção e emissão de conteúdos;
o a perda de exclusividade na transmissão de eventos – a RTP começou a ter que
concorrer no mercado da transmissão de eventos, em especial os desportivos. O que,
obviamente, fez diminuir em muito as audiências e aumentar os custos de transmissão;
o a partilha do mercado publicitário e desvio do interesse público – se esta situação
implicava, por si só, um decréscimo muito considerável do investimento publicitário na
emissora pública, dado o alargamento de canais no panorama televisivo português, a
verdade é que a luta por este investimento também acarretou, naturalmente, uma
inversão dos princípios orientadores da oferta pública, «deixando cada vez mais
desguarnecidas (…) áreas de programação menos susceptíveis de captar audiências
imediatas e os correlativos investimentos publicitários» (Fidalgo, 2003: 26). Tal como
Luís Oliveira Martins, poderemos afirmar que, desprovida dos financiamentos de
outrora, a televisão pública “(…) adoptou grelhas de ofertas de programas fortemente
comerciais, descurando várias vezes o seu estatuto de prestador de serviço público. E
pode dizer-se que esta situação configurou um cenário em que a RTP acabou por não
agradar “nem a gregos nem a troianos” (idem, 2006: 95).
No ano 2002 o sistema jurídico português viu surgir a obrigação, por parte do Tribunal de
Contas, de apreciar e efectuar o respectivo parecer relativamente ao trabalho prestado pela RTP
– o que, em si mesmo, em muito pouco adiantou, dado que, quer a lei, quer o contrato de
concessão do serviço público e a sua panóplia de conceitos dificilmente avaliáveis na prática
não permitem uma apreciação concreta das incumbências da empresa (Oliveira Martins,
2006:96).
Também já neste século, existiram iniciativas governamentais que procuraram reestruturar o
serviço prestado pela RTP. Falamos da reforma de 2002, iniciada pelo Governo de Durão
Barroso, ou do programa FÉNIX, que teve lugar no ano seguinte - este último, que pretendia,
essencialmente, a prestação de um verdadeiro serviço público e a redução dos custos da
empresa (Oliveira Martins, 2006:97). Se a contenção de custos foi algo melhorado nos anos
seguintes, já a concretização dos demais objectivos falharam. O mimetismo manteve-se e o
interesse público continuou descurado. Afinal, o que pretende a RTP?

Cap. III – Serviço e interesse públicos: diferentes noções, práticas distintas

1- O interesse público
“Ora, se me perguntassem quais os critérios para verificar a qualidade a que me refiro (…)
ver-me-ia obrigado a ficar calado”
Theodor Adorno, 2003.

Não poderei avançar na análise do serviço público de televisão a que aqui me proponho sem,
previamente, tentar uma aproximação à noção que lhe subjaz: a de interesse público. De facto,
em todas as opiniões científicas, textos legais ou contratos de concessão celebrados somos
confrontados com tal expressão.
A definição de interesse público não constitui uma tarefa fácil e pode ser alvo de diferentes
avaliações e perspectivas. De facto, muitos autores acreditam ser mais fácil afirmar o que o
interesse público não é do que aquilo que contempla (Croteau, 2005). Não obstante, acredito
que os apelidados Modelo de Mercado e Modelo da Esfera Pública permitem uma aproximação
às duas grandes correntes que enformam o modo de olhar o interesse público. Cada um dos
modelos defende noções completamente distintas, dado que também distintas são as suas
formas de olhar os media, as suas funções, responsabilidades e fins últimos. Os defensores do
Modelo de Mercado afiançam que “o interesse público é aquilo em que o público está
interessado” (Croteau, 2005: 33 segs.). Alicerçado na ideia do lucro como objectivo último e
dos cidadãos enquanto consumidores, este modelo defende que um meio que atinja elevadas
audiências se encontra a cumprir o interesse público. Ou seja, e como muito oportunamente
sugere o autor, segundo esta visão: “(…) os fait divers e o crime, ao serem populares, serão
necessariamente de interesse público” (Croteau, 2005: 33 e segs.). Perante tal conspecção,
pouco mais haverá a esclarecer: não existe definição possível senão a medida financeira.
Já o Modelo de Esfera Pública, assim apelidado devido a Habermas, pretende sublinhar o valor
próprio dos media, defendendo que não podem ser tratados como um mero produto, igual a
tantos outros. A noção de esfera pública, na qual os indivíduos considerados como seres
privados se reuniam para discutirem, entre si, assuntos relacionados com a regulação da
sociedade civil e a conduta do Estado”, faz crer que os mass media não só devem permitir a
divulgação da informação como incorporar as diferentes perspectivas sobre as temáticas
difundidas, permitindo a construção de um debate plural, típico das democracias baseadas na
igualdade. (Croteau, 2005; Habermas, 1962: 37-41).
No tocante àqueles que vêem nos media uma responsabilidade social, educativa e de
democrática (i.e., seguidores de um modelo mais próximo do ideal de esfera pública) posso
adiantar não ter encontrado uma definição concreta para o conceito de “interesse público”. Não
obstante, a enunciação de critérios a cumprir para que os media actuem segundo aquele
interesse ou no sentido de uma “informação de qualidade” acaba por se repetir. São eles:
• Universalidade: os media deverão encontrar-se acessíveis a todos os cidadãos. É
salientada a importância de um serviço público ao nível dos mass media, que garanta o
cumprimento deste direito (Blumer, 1992:7);
• Diversidade e Pluralismo de ideias e conteúdos: os media apenas cumprirão o seu papel
de informadores e educadores da sociedade se apresentarem temáticas e formatos diversos. Ou
seja, prosseguir o interesse público equivale a incluir o maior número de perspectivas possíveis
nas matérias apresentadas, sem menosprezar qualquer raça, classe, género ou preferências
ideológicas (Croteau, 2005; Blumer, 1992:7). Mas não serão apenas os temas a demonstrar a
existência de pluralismo: o seu conteúdo, a forma de os apresentar e os horários em que tal
ocorrerá também se tornam extremamente relevantes. Como afirma Macquail: “(…) a
informação deve ser equilibrada e justa (imparcial), descrevendo as perspectivas alternativas
de maneira não sensacionalista nem tendenciosa” (2003: 117). Desta forma, o interesse
público será prosseguido pelos media e, em especial, pelos media de serviço público, se estes
se constituírem enquanto palco onde ideias antigas podem ser examinadas e onde novas ideias
podem surgir e ser debatidas, acolhendo a discordância e contribuindo para a vida pública
democrática (Croteau, 2005);
• Informação substantiva e contextualizada: enquanto quarto poder, os media devem
contribuir para o desenvolvimento democrático da sociedade, nomeadamente através de
conteúdos com substância e recorrendo a formas inovadoras de comunicação, tornando-a mais
inclusiva. Um dos elementos essenciais à substância da informação reside, a meu ver, na
contextualização dos factos divulgados. Segundo Macquail, relativamente aos principais
requisitos de uma informação de “qualidade”, “os media (especialmente a imprensa e o
audiovisual) devem providenciar um manancial compreensível de notícias relevantes de
informação contextualizada sobre acontecimentos na sociedade e no mundo” (2003: 117).
Passível de ser apresentada das mais diversas formas, as mensagens mediáticas devem pugnar
pelo engrandecimento cultural dos cidadãos;
• Promoção da cidadania e de uma democracia participativa: trata-se de uma vertente
incontornável para que os media possam ser considerados elementos mediadores do poder
político e da sociedade civil. Ainda que acarretando todos os princípios anteriormente
invocados, poderemos dizer que apenas com uma informação diversa, plural e contextualizada
os cidadãos poderão consciencializar-se do essencial exercício de uma cidadania esclarecida
(Blumer, 1992:7);
• Desenvolvimento da literacia mediática: nesta categoria, torna-se imprescindível
enquadrar a educação para os media como um dos elementos integrantes do desenvolvimento
do interesse público. Mencionada de forma incansável num proliferar de recomendações
programáticas internacionais, europeias e nacionais, parece essencial para que os cidadãos
acedam às informações desejadas, sob pontos de vista diferentes e utilizando uma razão crítica
essencial à compreensão de uma qualquer comunicação.

2- O serviço público de televisão: a aparente coincidência entre os conceitos científicos e


as opções legislativas
“O operador público de televisão diferencia-se dos outros operadores pelo conjunto de
exigências profissionais e de exemplaridade que o tornam estação referencial em termos de
qualidade”. Sena, 2008: 2517)

Teoricamente, as preocupações estatais parecem não ter abandonado este último critério (na
acepção defendida pelo Modelo da Esfera Pública) enquanto fim último dos mass media, em
especial dos media públicos.
A título de exemplo, no Contrato de Concessão celebrado em 1993 pode ler-se que o Serviço
Público de Televisão é obrigado a “pautar a sua programação pelo respeito pelo interesse
público, por exigências de qualidade e de diversidade para assim promover o esclarecimento,
formação e participação cívica e política dos cidadão(…)”, devendo ainda “(…)contribuir
para a informação, recreio e promoção educacional e cultural do público em geral, no
respeito pela identidade nacional(…)”, para além da “(…) incumbência de promover a
produção e emissão de programas educativos ou formativos, especialmente os dirigidos a
crianças, minorias e deficientes auditivos” (v.g. Cláusula 5ª do Contrato de Concessão de
Serviço Público de Televisão).
De facto, os meios de comunicação deverão manter os cidadãos informados relativamente aos
assuntos públicos, de forma a que aqueles se encontrem devidamente integrados num processo
democrático de decisão, servindo, de igual modo, enquanto plataforma de debate aberto que
facilite a formação da opinião pública (Curran, 2005). Também todos parecem concordar que a
visão de um serviço público não pode ser medido unicamente pelas suas audiências, sendo
mais importante vê-lo como “o protótipo mais próximo do ideal de televisão generalista, onde
cabem todos os géneros ao encontro de todos os públicos” (Sena, N. M., 2008: 2509). E o
mesmo parece ser defendido pela Lei da Televisão (v.g. artº 52 nº3, alíneas a) e b)).
Claro está que as cláusulas programáticas, pejadas de conceitos indeterminados, pouco
auxiliam no estabelecimento das verdadeiras tarefas de uma estação televisiva de interesse
público. O que, inexoravelmente, conduz à continuidade das praticas passadas, não existindo
qualquer procura, por parte da RTP, de “desenvolver a sua estratégia de programação em
função dos cidadãos”, mantendo-a “muito próxima dos interesses governamentais” (Sousa, H.
e Santos, L. A., 2003: 12).
Joaquim Fidalgo apresenta alguns objectivos que, a serem plenamente atingidos, justificariam a
existência do serviço público de televisão:

1. A existência de um “projecto editorial” que contenha uma “linha condutora própria e


objectivos bem definidos”: informação, formação e entretenimento deverão cumprir sempre
um plano editorial, rigorosamente definido, que fuja aos sempre convenientes conceitos
indeterminados (Fidalgo, 2003:28).
É certo que a exigência da apresentação de um plano editorial é algo que se aplica a qualquer
operador que procure iniciar a sua actividade em Portugal: aliás, o não cumprimento do
projecto licenciado/ autorizado poderá inibir o exercício da actividade de televisão (v.g. artº
21º da Lei da Televisão). Contudo, falamos aqui de algo mais: de um projecto que, a todo o
momento, cumpra as obrigações advenientes de um serviço público – i.e., cuja programação e
linhas de conduta sejam sempre regidas pelo o interesse público, coincida ele ou não com os
interesses comerciais do operador.
2. A tónica deverá ser colocada no público: um verdadeiro serviço público será aquele que se
dirija aos cidadãos, sem quaisquer limites sócio-económicos, que leve os seus ensejos e
interesses em consideração, sendo financiado pelo próprio público (Rumphorst, 1998). Assim,
mais que uma audiência, teremos cidadãos e um serviço universal que assegure “estruturas de
acompanhamento que dêem a palavra à diversidade (…) e afastem o SPT de tentações
instrumentalizadoras por parte do poder político” (Fidalgo, 2003:27). Claro está que tal
atitude acarreta a responsabilidade de ser impopular (Collins, 2002: 22). Mas, uma vez que tal
se entende como inaceitável para as estações privadas, imbuídas na concorrência típica de um
sistema de mercado, terá que ser o serviço público a assumir a posição de risco (Fidalgo,
2003:28-29).
Neste campo, parece-me relevante salientar as diferenças legais existentes no serviço público
televisivo português. De facto, a Lei da Televisão estabelece que a concessão do serviço
público deverá incluir, necessariamente:
a)“Um serviço de programas generalista distribuído em simultâneo em todo o território
nacional, incluindo as Regiões Autónomas, com o objectivo de satisfazer as necessidades
formativas, informativas, culturais e recreativas do grande público” (v.g. artº 52 nº3, alínea
a). Teremos aqui, como é óbvio, a actual RTP1;
b) “Um segundo serviço de programas generalista distribuído em simultâneo em todo o
território nacional, incluindo as Regiões Autónomas, aberto à participação da sociedade civil
e com o objectivo de satisfazer as necessidades informativas, recreativas e, em especial,
educativas, formativas e culturais dos diversos segmentos do público, incluindo as minorias”
(v.g. artº 52 nº3, alínea b). Será este o caso da RTP2.
Se atentarmos às diferenças de conceitos e determinações legais, poderemos verificar que:
- à RTP1 se exige que satisfaça as necessidades do “grande público”, enquanto que à RTP2 se
exige que satisfaça as necessidades dos “diversos segmentos do público”;
- a RTP1 detém obrigações relativas a uma qualquer definição de media: em suma, deverá
formar, informar e entreter, o que, em regra, é aplicável, a qualquer operador televisivo (v.g.
artº 9º nº1, alínea a) e artº 53º, ambos da Lei da Televisão). Já a RTP2 assume
responsabilidades mais vastas e minuciosamente descritas pela lei. Terá que compreender
“(…) uma programação de forte componente cultural e formativa, devendo valorizar a
educação, a ciência, a investigação, as artes, a inovação, a acção social, a divulgação de
causas humanitárias, o desporto amador e o desporto escolar, as confissões religiosas, a
produção independente de obras criativas, o cinema português, o ambiente, a defesa do
consumidor e o experimentalismo áudio –visual” (v.g. artº 54º nº1 da Lei da Televisão);
- apenas em relação à RTP2 se afirma que deverá assegurar “(…)uma programação de grande
qualidade, coerente e distinta dos demais serviços de programas televisivos de serviço público
(…)” (v.g. artº 54º nº2 da Lei da Televisão). Tal exigência não se aplica à RTP1.
Parece impossível deixar de questionar se, de facto, as características de serviço público de
televisão não residem, apenas, nas disposições relativas à RTP2.

3. Afigura-se muito importante que se afira da coerência do serviço público: de facto, incluir na
programação “alguns” conteúdos de interesse público não equivale a deter uma programação
desse cariz. Como afirma Joaquim Fidalgo, “o serviço público não é uma função em que se
ande “fora e dentro”, conforme as horas, os programas, as audiências” (Fidalgo, 2003:29).
Deste modo, manter a situação actual de relegar para horas tardias os programas de real
interesse cívico parecerá inaceitável. No fundo, o que se pretende é a fuga da repetição daquilo
que é emitido pelas estações comerciais, embora sem proibir que algumas das suas
programações possam coincidir nos pontos de verdadeiro interesse público (Moragas e Prado,
s/d).
4. Defendendo a existência do serviço de televisão que siga verdadeiramente o interesse
público, há que tentar estabelecer, antes de mais, como deverá ser estruturado. Falamos de um
canal que surja como uma alternativa aos conteúdos dos privados ou antes de algo de cariz
supletivo e “mais ou menos pontual” (Fidalgo, 2003:20)? Parece existir alguma unanimidade
quanto ao facto de ser necessária a criação de um verdadeiro serviço público, que cumpra um
lugar na diferença – ou, como afirmam Moragas e Prado, “pode dizer-se que na era digital se
precisa de uma televisão pública, mas só se, previamente, se lhe atribuir uma missão
específica de comunicação” (s/d). Missão esta que jamais poderá passar pela cópia dos
conteúdos das estações privadas, em especial no tocante à sua desvalorização de conteúdos de
índole cultural, educativa, histórica e de participação democrática. Em suma, há que fugir à
ideia de “serviço mínimo”, de “complemento” ou de “ghetto cultural”, procurando antes um
verdadeiro canal de “serviço-padrão”, “alternativo e exemplar”, em especial no tocante ao
cumprimento das regras éticas, ao pluralismo e aos direitos das minorias (Fidalgo, 2003:29-
30). Ideia esta que se encontra plasmada no ordenamento jurídico nacional, nomeadamente
quando se advoga que a concessionária de serviço público de televisão deverá “(…) fornecer
uma programação variada e abrangente, que promova a diversidade cultural e tenha em
conta os interesses das minorias (…)” (v.g. artº 51º, nº2, alínea a) da Lei da Televisão).

5. Ao cumprir a lógica anterior, o serviço de interesse público estará a fomentar a literacia


mediática, podendo, deste modo, influenciar o nível de exigência e participação dos seus
cidadãos (Fidalgo, 2003:30). Na senda de Collins, poderemos afirmar que “a presença de um
fornecedor de serviço público efectivo e eficiente pode (…) melhorar a qualidade de todos os
bens e serviços relevantes no mercado, beneficiando todos os consumidores – mesmo aqueles
que não usam directamente o serviço público” (Collins, 2002: 10) Não obstante, a
responsabilidade não advém unicamente deste serviço. Como afirma Traquina, “(…) os
próprios cidadãos precisam de se envolver nos assuntos cívicos, e não se esconderem por
detrás de uma crítica generalizada que é muitas vezes uma máscara para esconder a sua
incompetência” (2002). Assim, os cidadãos necessitam, cada vez mais, de deter as
competências essenciais para descodificar as mensagens pré-orientadas, assim como para
exigir mais daqueles que as remetem, assumindo um papel activo e responsável na sociedade.
Acrescente-se que o fomento à literacia se encontra plasmado em diversos diplomas
comunitários e nacionais, com especial relevo na Lei da Televisão (v.g. artº 51º nº1, alínea f)).

6. Obviamente que o cumprimento destas posturas exigirá a necessária independência ante os


poderes político e económico. De outro modo, a propaganda encapotada ou a substituição do
cidadão pelos shares será sempre uma realidade presente (Fidalgo, 2003:30). E não bastará a
proibição de exercício ou financiamento “(…) por partidos ou associações políticas,
autarquias locais ou suas associações, organizações sindicais, patronais ou profissionais,
directa ou indirectamente, através de entidades em que detenham capital ou por si subsidiadas
(…)” (v.g. artº 12º da Lei da Televisão). É necessário ir mais longe e garantir o pluralismo de
ideias e a isenção jornalística (v.g. artº artº 50º nº1 e 2 da Lei da Televisão).

Tal como ficou bem claro, cada um dos princípios enformadores do Serviço Público de
Televisão normalmente apontados pelos autores encontra-se plasmado na lei portuguesa –
embora, alguns deles, apenas pareçam aplicar-se a parte do serviço público de televisão
(RTP2). Pegando nas palavras de Cádima, no que concerne à RTP, “confrontando a realidade
com o que está estabelecido no Contrato de Concessão, a verdade é que sentiremos uma certa
dificuldade em verificar, na prática, o cumprimento destes pressupostos que – esses sim –
fariam da RTP uma verdadeira televisão de serviço público” (idem:2002).
Cap. IV- A questão do financiamento do Serviço Público de Televisão e respectivas
consequências
“By remaining outside of market influences, public service broadcasting provides a much
needed public forum within which information dissemination can occur, aiding in the
stimulation of public debate” (Hartley, 2004: 190).

Se bem atentarmos a todas os dilemas em debate perante o actual estado do serviço público de
televisão, ser-nos-á relativamente fácil perceber que muito residirá num aspecto crucial: o do
financiamento.
Nos primeiros sistemas de Serviço Público de Televisão, o financiamento público constituía
um dos principais factores de identificação do serviço em questão. Assim, o pagamento de uma
taxa, por parte do cidadão, ou a afectação directa de parte do Orçamento de Estado para
suportar as despesas inerentes constituía um dos principais elementos de um Serviço Público
(Fidalgo, 2003: 14). A pouco e pouco, esta noção começou a ser questionada. Na verdade, a
efectivação do serviço público de televisão poderá passar por uma de três opções:
financiamento do Estado, financiamento através da publicidade e produtos televisivos e,
finalmente, financiamento através de um sistema misto, tal como aquele que existe,
actualmente, em Portugal (v.g. artº 57º nº1 da Lei da Televisão; artº 1ºnº 1, 2 e 3 da Lei de
Financiamento; cláusula 24ª do Contrato de Concessão do Serviço Público de Televisão). A
Europa parece oscilar entre estes três sistemas (Sena, 2008: 2508), o que coloca questões
deveras pertinentes:

1- Como se efectiva a concorrência?


Se falarmos de um sistema de televisão de interesse público que concorre aberta e unicamente
no mercado privado pela publicidade existente, teremos não mais que uma actividade corrente
e aceite por todas as regras comunitárias, baseadas num sistema livre de mercado. Se optarmos
por um sistema de televisão de interesse público financiado apenas pelo erário público,
poderemos equipará-lo, por exemplo, ao sistema educativo português: trata-se de garantir um
direito inalienável dos cidadãos através do Orçamento de Estado, ainda que existam
estabelecimentos privados da mesma índole. A ideia basilar não reside no lucro mas na
garantia do acesso à comunicação. A terceira opção, i.e., o recorrer da estação televisiva
pública quer ao financiamento estatal, quer a proventos publicitários, poderá conduzir a um
sistema pouco igualitário. Na verdade, existe como que uma segurança financeira extra que não
é garantida àqueles que concorrem no mesmo mercado. Teremos uma verdadeira situação de
concorrência desleal (Cádima, 1995), situação esta apontada inclusivamente por Miguel Paes
do Amaral, Presidente do Grupo Media Capital em 2003 (Oliveira Martins, 2006:95). Alguns
poderão argumentar que se trata, apenas, de garantir o serviço público, com todas as mais
valias que daí advêm. Contudo, se os conteúdos daquele se assemelharem aos propagados
pelos privados, como justificar a sua posição preferencial?

2- Como deverá o serviço público olhar os telespectadores?


A situação anteriormente descrita conduz, inexoravelmente, a esta questão: o serviço público
de televisão deverá encarar o seu público enquanto cidadãos ou como audiência? Tudo
depende, na verdade, do modelo de financiamento adoptado. Desde que a emissora pública
entre no mercado da publicidade, será impossível não cair na tentação de aumento de
audiências, negligenciando os conteúdos de real interesse para os cidadãos. Afinal, apenas
interessará “o que vende” e não o que “informa, forma ou entretém”. No fundo, e uma vez
mais, estaremos ante a opção entre a noção de interesse público debatida entre os defensores do
Modelo de Mercado e aqueles que optam por uma noção baseada no Modelo da Esfera Pública
– “interesse público” ou “interesse do público”?

3- A emissora de televisão de serviço público deverá procurar o lucro?


Ao optar somente por um financiamento público, acredito que esta exigência pouco sentido
fará. Ninguém pede a um Ministério que apresente contas positivas no final do ano: ele existe
para servir os cidadãos, que o sustentam através das receitas fiscais. Claro está que, tal como
qualquer serviço público, terá que cumprir os objectivos para os quais foi criado.
A questão será completamente alterada se o financiamento do operador for, também ele, de
índole privada. Deixando de parte situações de mecenato, a verdade é que a luta pelo
investimento de publicitários transformará o operador numa empresa igual a tantas outras. E,
nesse momento, o gerar de receitas acima das despesas efectuadas constituirá,
obrigatoriamente, um dos seus objectivos. Acrescente-se que, uma vez mais, os países que
optarem pelo sistema de tipo “misto” criarão, a priori, as condições para uma gestão
“facilitada”: se as receitas publicitárias não forem suficientes, os impostos/taxas pagos pelos
cidadãos garantirão a subsistência da sociedade concessionária, afastando uma eventual
situação de insolvência. Já as emissoras privadas terão que satisfazer os seus accionistas, o que
aumenta o esforço na procura e shares e, não raro, diminui a qualidade dos conteúdos.
Uma das consequências ainda apontadas por alguns autores passa pelo facto destas “garantias”
estatais deturparem o mercado, nomeadamente no que toca a remunerações de trabalhadores:
para além dos normais frutos de um sistema de oferta/procura, a realidade é que, não se
encontrando a emissora pública obrigada a coadunar ordenados de funcionários aos lucros da
empresa, estes poderão sofrer majorações, criando perturbações nos mercados de trabalho.

4- A quem deverá pertencer a propriedade da emissora?


Portugal optou por um regime de concessão do serviço público de televisão, sendo que atribui
a responsabilidade daquele serviço a uma sociedade comercial (Rádio e Televisão de Portugal,
S.A.). Não obstante, outras opções surgem como possíveis: a constituição de uma empresa
pública para a concretização do serviço público, ou a concessão parcial, a várias entidades
privadas, desse mesmo serviço. Alguns autores questionam-se se a primeira será a melhor
opção, uma vez que, inicialmente, a propriedade constituía uma das características basilares de
um serviço público de media. Actualmente, a ideia de concessão é aceite de forma generalizada
embora, como bem sublinha Adriano Duarte Rodrigues, “a persistência, nos países latinos, da
confusão entre serviço público e empresa estatal é particularmente reveladora [da] incipiente
emancipação dos cidadãos perante o exercício do poder”.

Cap. V – RTP: audiências, conteúdos e funções mediáticas


“Só a diferença salvará o serviço público de uma morte anunciada”
(Hugues Le Paige:32)
1 - As audiências
Desde 1993, as audiências da RTP têm vindo a decrescer: a RTP1 apenas contrariou esta
tendência nos anos de 2003 e 2004, que muitos atribuem ao aumento de transmissão de jogos
de futebol (Oliveira Martins, 2006:101). Não obstante tal recuperação, continuou atrás da SIC
e da TVI.
Em 2008, na senda de resultados anteriores, a TVI continuou a liderar as audiências, com
30,5%, seguindo-se a SIC com 24,9%, a RTP1 com 23,8% e a RTP2 com 5,6%. A TVI regista,
de igual forma, o mais elevado share em horário nobre (34,4%) (v.g. Relatório de Regulação
da ERC: Sumário Executivo, 2008).
Ainda que a proximidade da RTP1 à SIC seja evidente, é impossível não colocar a seguinte
questão: se a qualidade tem decrescido em virtude da concorrência comercial, o terceiro lugar
não será algo pouco meritório? Afinal, em que é que a RTP1 pode ser considerada “a
primeira”?
Tal como já se referiu, a questão da audiometria e da aferição da qualidade pelas audiências
não deveria ser algo relevante para um televisão pública, uma vez que deverá olhar o seu
público enquanto cidadãos e não como clientela. Não obstante, e enquanto o canal público de
televisão for parcialmente financiado pela publicidade, será impossível fracturar com esta
realidade, como afirma Luís Oliveira Martins: “(…) a mediação da adesão dos públicos à
programação dos canais assume uma importância fulcral para a avaliação do sucesso ou
insucesso dos vários projectos televisivos” (2006:96). O que, por seu turno, nos conduz ao
universo dos conteúdos.

2 – Os conteúdos
“E assim o orçamento destinado a programação comercial ou de fluxo inútil é orçamento que
não se aplica em programação de interesse para a educação e para a cultura, para o
desenvolvimento de competências, para a autonomia do indivíduo. (…)”
(Cintra Torres,2009:81)

Poderemos afirmar que a liberalização do mercado televisivo não originou, ao contrário do que
se esperava, um aumento na diversidade de conteúdos – argumento este não raro invocado por
aqueles que defendiam a produção e emissão privadas (Collins, 2002). Para além disso,
também a responsabilidade tripartida deste media (informar, formar e entreter) parece ter sido
sempre parcialmente negligenciada. Não podendo entrar em grande detalhe, atentemos apenas
a alguns dados levantados por diferentes autores relativamente aos conteúdos televisivos em
Portugal:

a) A RTP1 em Horário Nobre: de 1990 a 2005


Tendo por base o estudo efectuado por Sena, relativamente à distribuição de tempos de
emissão por grupos de programas em horário-nobre e second time na RTP1 num período de 16
anos, poderemos assistir a números que desmentem todas os princípios de génese de um
serviço público:

Fig. 1: Distribuição de tempos de emissão por grupos de programas em horário-nobre e second time (valores
em %) Base – Tempo total de emissão em horário-nobre e second time.

Anos Informaçã Entretenimento Documentários e Desporto Diversos não Publicidade


o divulgação cultural discriminados

1990 24,6 41,2 2,0 8,8 11,8 11,5


1991 28,1 43,3 1,6 7,1 7,7 12,1
1992 23,9 42,2 0,9 3,6 14,3 15,1
1993 19,8 41,6 0,8 1,7 21,1 15,0
1994 20,0 46,0 0,3 15,3 2,6 15,8
1995 23,5 40,9 0,0 17,4 0,0 18,3
1996 17,5 38,0 0,2 21,7 0,0 22,7
1997 19,4 38,5 0,0 17,3 0,0 24,7
1998 21,0 34,3 0,4 17,8 0,0 26,6
1999 27,3 41,1 0,1 14,3 0,0 17,2
2000 24,0 43,5 0,5 17,7 0,0 14,3
2001 25,5 47,2 0,0 14,4 0,0 12,8
2002 32,0 42,8 0,8 13,1 0,0 11,3
2003 30,6 45,5 0,6 12,0 0,0 11,3
2004 29,8 40,2 2,4 15,6 0,0 12,0
2005 31,0 44,6 3,1 9,7 0,0 11,6
Total 25,1 42,0 0,9 13,3 3,1 15,7
Fonte: Sena, 2008:2513

Não querendo, de modo algum, esgotar a leitura dos presentes dados, urge deixar algumas
considerações sobre os mesmos:
• Não existem dúvidas quanto à vertente maioritariamente recreativa dos conteúdos da
RTP1 no horário-nobre e second time no período estudado. Desde 1993 até 2005 que se
assiste ao decréscimo das emissões de ficção e ao aumento dos programas recreativos,
numa tentativa de igualar a programação emitida pela SIC (Sena, 2008:2516);
• A informação constitui o segundo grupo de conteúdos a deter maior tempo de emissão
por parte da operadora pública;
• Em relação aos documentários e informação cultural, se já eram alvo de parca atenção
por parte da emissora estatal, tal atenção foi diminuindo, sendo que apenas nos anos de
2004 e 2005 se recuperaram os níveis de 1990. A rivalização com os privados conduziu
a uma “(…) redução dos programas mais exigentes ao nível intelectual, como
documentários e programas de índole cultural e pedagógica (…)” (Sena, 2008:2518).
Pense-se que, nem com o incremento do tempo de emissão tal realidade foi corrigida;
• Nos anos de 1996, 1997 e 1998, o tempo de emissão publicitária registou níveis
bastante elevados, sendo superiores ao dispendido para a informação.

Estes dados e a consequente observância do status quo do sistema público de televisão levaram
os defensores daquele sistema a criticar algumas das decisões da RTP, entre as quais a
displicência perante a ficção nacional, os programas de conteúdo cultural e relativo às minorias
(Oliveira Martins, 2006:95).

b) Os géneros televisivos e a sua duração nos quatro canais portugueses em 2008


Um outro estudo, desta feita elaborado pela ERC, deu a conhecer, entre outras realidades, a
forma como a RTP1, a RTP2, a SIC e a TVI ocuparam o seu tempo de emissão no ano de
2008:

Figura 2.: Duração dos Programas em 2008


Género RTP1 RTP2 SIC TVI
Televisivo
Informativo 30,4% 26,6% 19,6% 20,8%
Desportivo 5,3% 12,2% 1,6% 3,3%
Ficção 22,0% 9,7% 35,7% 33,0%
Infantil/Juvenil 1,8% 26,9% 11,4% 10,9%
Entretenimento 32,3% 1,2% 29,0% 28,8%
Cultural/ 5,8% 17,1% 2,6% 1,5%
Conhecimento
Institucional/ 2,4% 9,7% 0,0% 1,7%
Religioso
Fonte: Relatório de Regulação da ERC – Televisão, 2008.

Tendo em conta os macrogéneros apresentados, poderemos apontar, de modo muito geral:


- a maior atenção da RTP1 e da RTP2 aos conteúdos de carácter informativo, em comparação
com os canais privados;
- a grande preponderância da ficção e do entretenimento em todos os canais, com excepção da
RTP2 – a título de exemplo, na SIC dominaram os serviços noticiosos (18,4%), seguidos das
telenovelas (17,2%) e talk shows (13,7%).
- os níveis extremamente baixos de conteúdos culturais e/ou de conhecimento, uma vez mais
exceptuando o caso da RTP2 - “O peso dos programas culturais/conhecimento (…) é
diminuto e advém sobretudo da exibição de documentários. Os programas de artes e média
são residuais, tanto em frequência como em duração, o mesmo sucedendo relativamente a
programas educativos e de espectáculos (exibição). A informação cultural (magazines
culturais) foi a categoria menos representada nas grelhas de programação da RTP1, em 2008.
Em termos de duração, a última posição é ocupada por programas relacionados com
humanidades.” (v.g. Relatório de Regulação da ERC: Sumário Executivo, 2008: 18). De facto,
parece que toda a função de educar/ formar os cidadãos fica nas mãos da RTP2, cujos
programas de culturais/ de conhecimento correspondem a mais de um quinto da sua
programação, devendo realçar-se a influência dos 1285 documentários transmitidos naquele
ano (ibidem).
Claro está que análises quantitativas não dizem tudo. A título de exemplo, através daquelas,
não nos apercebemos do facto dos conteúdos de carácter informativo estarem a “aligeirar-se”,
cruzando-se com as formas de entretenimento (Oliveira Martins, 2006:95). E se algum do
infotainment é bem vindo, dado o seu carácter crítico e, muitas vezes, alternativo, já a
espectacularização de conteúdos de informação em nada acrescenta à cultura mediática do
cidadão comum.

3 - As funções mediáticas no ano de 2008


“Os media «reproduzem» a «ordem social» da estrutura que lhes dá suporte. Por isso nem
são dissociáveis da Democracia que os funda nem são inimputáveis face à Democracia que
ajudam a construir”
(Paquete de Oliveira, 2002:62)

Em virtude desta realidade, e tendo em contas as funções normalmente relacionadas com os


media, no seu geral, tivemos o seguinte quadro em 2008:

Fig. 3: Funções da programação


Funções RTP1 RTP2 SIC TVI
Entreter 54,1% 29,0% 78,3% 63,6%
Informar 31,8% 47,0% 19,9% 34,9%
Formar 8,9% 14,0% 1,7% 0,0%
Promover/Divulgar 5,2% 10% 0,1% 1,5%
Fonte: Relatório de Regulação da ERC – Televisão, 2008.

Parecem ser evidentes as intenções editoriais de cada canal, com a perigosa proximidade do
“canal generalista” de serviço público aos canais privados: “na análise das funções
predominantes nos programas da RTP1, verifica-se que a função entreter (54,1%) é a mais
relevante, seguida da função informar (31,8%), sendo que um em cada dez programas tem
formar como função predominante” (v.g. Relatório de Regulação da ERC: Sumário Executivo,
2008).

4 – O pluralismo democrático
“(…) a intensidade democrática tem a ver com uma equilibrada representação dos grupos
sociais e com a participação no debate público”
José Ricardo Carvalheiro (2000)

Uma das bases de existência do Estado democrático reside na capacidade dos media de
respeitar e cumprir o necessário pluralismo de informação, zelando pela representação de todas
as ideias e interesses dos cidadãos. Aliás, tal é afirmado pela lei, relativamente a todos os
operadores e, naturalmente, em especial no que toca ao serviço público de televisão (v.g. artº
9º nº1, alínea c); artº 34º nº2, alínea b); artº 50º nº1 e 2; artº 51º nº2, alínea a) e j), todos eles
da Lei da Televisão).
Ora, no que respeita a esta matéria, e tendo em conta as funções prosseguidas pelos programas
apresentados, os números respeitantes a conteúdos concernentes a questões de pluralismo e
diversidade no ano de 2008 foram os seguintes:

Fig. 4 – Pluralismo e diversidade


Canal Número de Programas Duração
RTP1 7153 7528h52m
RTP2 9096 8415h11m
SIC 6424 6653h46m
TVI 7302 6459h23m
Fonte: Relatório de Regulação da ERC: Sumário Executivo, 2008

Em termos muito gerais, poderemos verificar que a RTP2 foi o canal que mais dedicou os seus
conteúdos a estas matérias, assegurando o dito pluralismo, seguido da TVI. O primeiro canal
generalista do Estado ficou em terceiro lugar, sendo a SIC o canal que menos interesse
demonstrou por assegurar uma programação plural e diversa.
De entre as inúmeras temáticas que se incluem nas noções aqui apresentadas, surgem duas que
me parecem de extrema relevância:

a) Minorias:
A obrigação de atender aos interesses das minorias é algo exigido a todos os operadores – uma
vez mais, com maior ênfase no que toca aos canais públicos. De acordo com o Relatório de
Regulação da ERC, a RTP1 apenas transmitiu regularmente (nos dias de semana às 06h00 da
manhã) um programa especificamente dirigido a grupos minoritários: o programa “Nós”,
produzido pelo Alto Comissariado para as Imigrações e Diálogo Intercultural (ACIDI) v.g.
Relatório de Regulação da ERC: Sumário Executivo). O que, curiosamente, iguala a
preocupação da SIC neste contexto, que também se dedicou a apenas um programa desta
índole: o programa Etnias (v.g. Relatório de Regulação da ERC: Sumário Executivo, 2008:
18). De assinalar, de forma extremamente negativa, o horário de transmissão do programa
“Nós”: zelar pelos direitos, interesses e esclarecimentos das minorias exige fornecer,
efectivamente, informação àquelas. E não fazê-lo quando grande parte da população não
poderá aceder a tal informação.
Uma vez mais, é a RTP2 a demonstrar verdadeiro interesse nestas questões: trata-se do
“serviço de programas que apresenta a oferta mais regular e mais ampla de programação
dirigida a grupos minoritários presentes na sociedade portuguesa, sejam minorias étnicas,
culturais, sociais ou religiosas. Os dez programas identificados nesta categoria distribuem-se
de forma variada pelas grelhas de programação, abrangendo diferentes dias e períodos
horários, diferentes géneros e diferentes públicos” (v.g. Relatório de Regulação da ERC:
Sumário Executivo, 2008: 18). Não poderei deixar de salientar o facto deste canal público
também se dedicar ao incentivo da inclusão de pessoas com deficiência ou incapacidade física
e motora, através do programa “Consigo” (ibidem).

b) Pluralismo Político
Falamos aqui de uma questão fulcral de toda a actividade dos media e de extrema relevância,
quer para o exercício da democracia, quer para a aquisição de uma verdadeira literacia
mediática por parte dos cidadãos. Não obstante, a realidade demonstra-nos resultados algo
inquietantes.
Segundo dados da ERC para o ano de 2008, no que toca aos actores políticos presentes nos
conteúdos informativos de política nacional, apercebemo-nos que são os membros do Governo
aqueles que detêm maior protagonismo na RTP1, SIC e TVI. No que toca a peças político-
partidárias, também aqueles surgem como os actores políticos mais vistos, seguidos de
membros do PSD, com maior representatividade nos operadores privados do que no operador
público. Surgem, em terceiro lugar, os protagonistas do PS nos três operadores, em particular
na RTP1, seguidos dos membros do PCP/CDU. Finalmente, os protagonistas do CDS/PP
representam a quinta categoria nos três canais, ficando o BE como o partido com assento
parlamentar menos representado nesta categoria. Já todos os demais partidos detêm uma
“(…)expressão residual nos três operadores” (v.g. Relatório de Regulação da ERC: Sumário
Executivo, 2008: 25-26). Perante estes e outros dados, o Presidente da ERC, num outro
relatório, afirma que” o serviço público de televisão incumpriu – mais uma vez – durante o ano
de 2008 as suas obrigações no campo da representação plural da opinião política” (v.g.
Relatório do Pluralismo Político-Partidário no Serviço Público de Televisão- ERC, 2008:05).
Contudo, o pluralismo não reside apenas no protagonista da notícia, mas igualmente no número
de fontes auscultadas, nomeadamente de forma a garantir o direito ao contraditório. Deste
modo, no tocante à informação política, a principal fonte nos três operadores foi o Governo
nacional, em especial no que respeita à RTP1 e à TVI. Também estes dois operadores foram
aqueles que mais frequentemente apresentaram várias fontes informativas na mesma peça (v.g.
Relatório de Regulação da ERC: Sumário Executivo, 2008: 25-26).
Perante todos os presentes dados, sou obrigada a concordar com Sousa & Santos, quando
afirmam que, ainda hoje, a RTP é “(…) incapaz de garantir um tratamento equilibrado dos
diversos actores políticos” (idem, 2003:10). De facto, ouvir várias fontes não equivale a dar
oportunidade a diferentes agentes de demonstrarem o seu ponto de vista. E dar voz aos mesmos
agentes de sempre apenas se traduz num empobrecimento democrático, bem longe dos
princípios resultantes de uma televisão que se pretende plural.

Capítulo VI - Os Resultados Financeiros em 2008

O desfasamento entre receitas e custos, em virtude do aumento dos tempos de emissão, do


mercado de publicidade agora partilhado, da abolição da taxa de televisão, das perdas de
exclusivos e do agravamento dos custos das produções fizeram com que a RTP começasse
(apenas) em 2001, a procurar o equilíbrio das suas contas (Sena, 2008:2518; Oliveira Martins,
2006: 98-99). Equilíbrio este que, refira-se sempre, os privados conseguem atingir sem o
acesso a indemnizações compensatórias ou receitas provenientes da contribuição audiovisual.

Em 2008, os proveitos operacionais e os resultados do Grupo RTP foram os seguintes:

Fig. 5 - Proveitos Operacionais da RTP (Unid: milhões)


Tipo 2008 2007 %
Proveitos Operacionais 298,4 314,9 -5,2%
Fundos Públicos 227,5 240,3 -5,3%
Indemnizações 117,5 125,9 -6,6%
Compensatórias
Contribuição do 110,0 114,4 -3,9%
Audiovisual
Contribuição Regiões 0,0 0,0 0,0%
Autónomas
Receitas Comerciais 70,9 74,6 -4,9%
Publicidade 51,5 54,2 -5,0%
Distribuição e 11,1 10,8 2,7%
Multimédia
Outras 8,3 9,6 -12,9%
Fonte: Relatório e Contas da RTP - 2008
Fig. 6 - Resultados Líquidos (Unid: milhões)
Tipo 2008 2007 %
Passivo Bancário 881,3 880,3 0,1%
Resultado Financeiro -60,8 -49,5 -22,8%
Resultado Operacional 8,8 6,9 27,8%
Resultado Extraordinário 5,5 6,7 -18,1%
Resultado Líquido -46,9 -36,1 -29,9%
Cash Flow Operacional 26,4 23,8 10,8%
Fonte: Relatório e Contas da RTP - 2008

Infelizmente, não parece ser muito difícil a leitura basilar dos presentes dados: com um
resultado líquido de -46,9 milhões de euros (-29,9%, que no ano anterior), uma redução
constante de proveitos das mais diversas índoles e um passivo bancário assustador, torna-se
óbvio que urge uma alteração da realidade. Em especial quando pensamos que se trata de um
grupo de media que sobrevive parcialmente à custa do erário público, deturpando o mercado
privado e incumprindo os seus fins últimos.
É bem verdade que nos encontramos ante uma crise económica e financeira, que tem vindo a
reduzir o investimento publicitário - com a excepção da Media Capital (v.g. Relatório de
Regulação da ERC: Sumário Executivo, 2008). A título de exemplo, as receitas consolidadas
do Grupo Impresa desceram 2,5% face a 2007, tendo as receitas de televisão atingido menos
17% que o ano anterior. Contudo, este grupo não obteve resultados negativos como aconteceu
com a RTP, conseguindo chegar aos 177.000 euros de resultados líquidos ajustados num ano
muito difícil (v.g. Relatório de Contas 2008 – Impresa). Mais ainda: o Grupo Media Capital
apresentou um total de receitas publicitárias na televisão de mais de 5% num ano em que o
total de proveitos consolidados atingiu os 287.4 milhões, o que representa um crescimento de
29% em relação ao ano anterior (v.g. Relatório de Contas da Media Capital-2008).
Sabemos que estes grupos são formados por diferentes media e detêm diferentes formas de
inserção no mercado. Mas a verdade é que, tal como o actual grupo RTP, buscam o lucro. E se
os privados conseguem atingir tal propósito, já o grupo público fica muito aquém das
expectativas.

VII - Conclusão
“À primeira vista, tudo parece estar contra a esperança de que alguma coisa desse tipo possa
ser bem sucedida. E, contudo, essa esperança tem uma probabilidade muito real de
efectivação.”
(Adorno, 2003)

No início do presente artigo, mencionei as duas formas de olhar os media: através do modelo
de mercado ou mediante o modelo da esfera pública. A realidade é que, sob qualquer um dos
prismas, o serviço público – em especial, a RTP1- nos surge como um projecto falhado.
Sabemos que “(…) a comercialização das mensagens e o entretenimento light são hoje a
única opção testada de os operadores públicos manterem um nível de audiência que os
poderes públicos considerem razoável, isto é, que justifique a despesa perante a
sociedade(…)” (Cintra Torres: 2009:80). Ora, no tocante à RTP1, as audiências não são as
mais elevadas, assim como o não são, consequentemente, os proveitos oriundos do mundo
publicitário. A gestão do grupo, em geral, também não parece ser a mais eficiente, quiçá muito
em prol das alterações de administração ao sabor de decisões políticas.
Já no que respeita ao interesse público, a verdadeira razão de ser do serviço estatal de televisão,
parece ter ficado claro que o primeiro canal generalista olvida de forma gritante pilares
basilares da sua concretização. Actualmente, e com bem aponta Joaquim Fidalgo, os “(…)
operadores públicos reagem à concorrência com uma cópia da receita cozinhada para atrair
audiências, pondo assim em dúvida o próprio papel de agentes do ‘serviço público” (Traquina,
1997: 18).
Deste modo, torna-se impossível contornar a questão: deverá ser mantido um serviço público
televisivo? Muitos autores defendem que a solução para o presente problema passa pela
reestruturação do actual sistema, nunca pelo abandono do mesmo. Isto porque, como afirma
Joaquim Fidalgo, “(…) as necessidades dos cidadãos no que toca à televisão devem colocar-
se essencialmente no mesmo plano dos serviços públicos de educação, de saúde, de segurança
social, etc.” (Fidalgo, 2003:21). O âmbito de implementação deste media na sociedade, a sua
acessibilidade, a sua força e poder aos mais variados níveis obriga a que o Estado o encare
como um direito a assegurar, que não poderá residir somente nas mãos privadas. Torna-se
fulcral que o serviço público se baseie num “(…) princípio de resistência crítica face à
mediocridade audiovisual, uma força de dissidência diante de todas as tutelas, políticas,
ideológicas e mercantis, e uma chancela de criatividade que assegure as possibilidades da
(a)ventura humana” (Martins, 2005: 11/12).
E deverá o serviço público manter canais como a RTP1? De facto, o segundo canal generalista
parece cumprir de forma mais razoável (embora não a desejável) os objectivos a que se propõe.
A manter o primeiro canal, haverá, acima de tudo, que garantir a sua idoneidade, qualidade,
pluralismo e diversidade, não deixando que um das suas funções (entretenimento) se
sobreponha às demais - até porque, como realça Cintra Torres, tornou-se impensável a
utilização de dinheiros públicos para oferecer aos cidadãos exactamente aquilo que todos os
demais operadores lhes oferecem: “fazer serviço público actualmente deveria ser fazer o que
os outros não podem ou não querem fazer” (Idem, 2009: 80). Claro está que a efectivação
deste ideal apenas será possível mediante o terminus do financiamento da RTP através de
receitas publicitárias. De outro modo, a luta pela conquista fácil de audiências minará sempre
qualquer propósito cultural, educacional ou de formação cívica que possa (e deva) advir de um
operador público. Apenas assim o bem público será assegurado e o mercado privado
encontrará o equilíbrio que lhe é devido, dentro das funções sociais que os media exigem a
qualquer operador.
Mais: torna-se imperativo que a lei portuguesa estabeleça de forma mais concisa as obrigações
de um operador público, dado que, como pudemos observar, a determinação abstracta de
deveres apenas conduz ao eterno incumprimento impune e desresponsabilizado.
BIBLIOGRAFIA

Autores:
• ADORNO, Theodor W. (2003), “Sobre a indústria da cultura”, Coimbra, Angelus
Novus, Lda;
• BLUMER, J. G (1992), “Television and the Public Interest”, London: Sage
Publications in Nilza Mouzinho de Sena (2008), “Programação de Serviço Público: o
caso português”, Braga: Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade;
• BLUMER, J. G. e M. Gurevitch (1995), “The crisis of Public Communication” in
Kees Brants (1998), “Who's Afraid of Infotainment?”, European Journal of
Communication, Vol. 13, No. 3, 315-335, disponível em
http://ejc.sagepub.com/cgi/content/abstract/13/3/315, consultado a 15/12/2009;
• CÁDIMA, Francisco Rui (2002), “O Fenómeno Televisivo”, Lisboa: Círculo de
Leitores in Luís Oliveira Martins (2006): “Mercados Televisivos Europeus: Causas e
Efeitos das Novas Formas de Organização Empresarial”, Porto: Porto Editora;
• CARDOSO, G., CÁDIMA, R. e CARDOSO, L. L. (2009): “Media, Redes e
Comunicação: Futuros Presentes”, Lisboa: Quimera Editores, Lda., ISBN: 978-972-
589-204-6;
• CARVALHEIRO, José Ricardo (2000), “Media e Cidadania na periferia portuguesa:
o caso da Beira Interior”, disponível em www.bocc.ubi.pt, consultado a 11/12/2009;
• CINTRA TORRES, Eduardo (2009): “Utopia, determinismo e Usos Sociais Daquilo a
Que Chamamos Media” in “Media, Redes e Comunicação: Futuros Presentes”, coord.
Gustavo Cardoso, Francisco Rui Cádima, Luís Laderset Cardoso (2009), Quimera
Editores, Lda., ISBN: 978-972-589-204-6;
• CINTRA TORRES, Nuno (2009): “I-Pátio” in “Media, Redes e Comunicação: Futuros
Presentes”, coord. Gustavo Cardoso, Francisco Rui Cádima, Luís Laderset Cardoso
(2009), Quimera Editores, Lda., ISBN: 978-972-589-204-6;
• COLLINS, Richard (2002), “The contemporary broadcasting market and the role of
the public service broadcaster. A view from the UK” in Joaquim Fidalgo “De que é
que se fala quando se fala em Serviço Público de Televisão?” in Pinto, M. & Sousa. H.
(coord.) (2003), Televisão e Cidadania – Contributos para o Debate sobre o Serviço
Público. Braga: Instituto de Ciências Sociais / Universidade do Minho;
• CROTEAU, David, & HOYNES, William (2005), “Media, Markets, and the Public
Sphere”, CHAP. 1 of The Business Of Media: Corporate Media And The Public
Interest, Pine Forge Press, disponível em www.sagepub.com/upm-
data/5830_Chapter_1_Croteau_Page_Proofs.pdf, acedido a 10/01/2010;
• CUILENBURG, Jan van & MCQUAIL, Denis (2003), Media Policy Paradigm Shifts.
Towards a New Communications Policy Paradigm, European Journal of
Communication, SAGE Publications, disponível em
http://ejc.sagepub.com/cgi/reprint/18/2/181, acedido a 10/01/2010;
• CURRAN, James (2005), What Democracy Requires of the Media, in Geneva
Overholser and Kathleen Jamieson (eds.), The Press: Institutions of American
Democracy (Oxford University Press, 2005) pp. 120-140, disponível em
http://www.johnkeane.net/pdf_docs/teaching_sources/curran/curr_media.pdf, acedido a
10/01/2010;
• DOYLE, Gilian (2002), Media Ownership, 1ª Edição, Londres, Sage Publications in
MARTINS, Luís Oliveira (2006) “Mercados televisivos Europeus – causas e efeitos
das novas formas de organização empresarial”, Porto, Porto Editora;
• FIDALGO, Joaquim, “De que é que se fala quando se fala em Serviço Público de
Televisão?” in Pinto, M. & Sousa. H. (coord.) (2003), Televisão e Cidadania –
Contributos para o Debate sobre o Serviço Público. Braga: Instituto de Ciências Sociais
/ Universidade do Minho;
• HARTLEY, John (2004), “Communication, Cultural and Media Studies, The key
concepts”, London: Taylor & Francis e-Library;
• MARTINS, Luís Oliveira (2006) “Mercados televisivos Europeus – causas e efeitos
das novas formas de organização empresarial”, Porto, Porto Editora;
• MARTINS, M. L. (2005), “Por uma Democracia a Vir. A Televisão de Serviço Público
e a Sociedade Civil”, in Sena, “Comunicação e Cidadania - Actas do 5º Congresso da
Associação Portuguesa de Ciências da Comunicação 6 - 8 Setembro 2007”, Braga:
Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade (Universidade do Minho) ISBN 978-
989-95500-1-8;
• MCQUAIL, Denis (2003), “Teoria da Comunicação de Massas”, Lisboa, Fundação
Calouste Gulbenkian;
• MORAGAS, M. de & PRADO, E. (s/ data), Repensar la televisión publica en el
contexto digital in FIDALGO, Joaquim, “De que é que se fala quando se fala em
Serviço Público de Televisão?” in Pinto, M. & Sousa. H. (coord.) (2003), Televisão e
Cidadania – Contributos para o Debate sobre o Serviço Público. Braga: Instituto de
Ciências Sociais / Universidade do Minho;
• OLIVEIRA MARTINS, L. (2006): “Mercados Televisivos Europeus: Causas e Efeitos
das Novas Formas de Organização Empresarial”, Porto: Porto Editora;
• PATTERSON, Thomas E. (2002), “Os media como actores políticos” in Media,
Jornalismo e Democracia – Comunicações apresentadas ao seminário Internacional”,
Lisboa: Livros Horizonte;
• RUMPHORST, Werner (1998), “Model Public Service Broadcasting Law” in Joaquim
Fidalgo, “De que é que se fala quando se fala em Serviço Público de Televisão?” in
Pinto, M. & Sousa. H. (coord.) (2003), “Televisão e Cidadania – Contributos para o
Debate sobre o Serviço Público”, Braga: Instituto de Ciências Sociais / Universidade
do Minho;
• SENA, N. M.(2008), “Comunicação e Cidadania” in Actas do 5º Congresso da
Associação Portuguesa de Ciências da Comunicação 6 - 8 Setembro 2007” (2008),
Braga: Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade (Universidade do Minho) ISBN
978-989-95500-1-8;
• SOUSA, H. & SANTOS, L. A. (2003) «RTP e Serviço Público, Um Percurso de
inultrapassável dependência e contradição» in Pinto, Manuel et. al. A Televisão e a
Cidadania, Contributos para o debate sobre o Serviço Público, Braga: Departamento de
Ciências da Comunicação da Universidade do Minho;
• TRAQUINA, N. (1997), “Big Show Media − Viagem pelo Mundo Audiovisual
Português”, Lisboa: Editorial Notícias in Sena, “Comunicação e Cidadania - Actas do
5º Congresso da Associação Portuguesa de Ciências da Comunicação 6 - 8 Setembro
2007”, Braga: Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade (Universidade do
Minho) ISBN 978-989-95500-1-8;
• TRAQUINA, N. (2002) “Quem vigia o quarto poder?” In “Media, Jornalismo e
Democracia – Comunicações apresentadas ao seminário Internacional”, Lisboa: Livros
Horizonte.
Legislação/ Outros:
• Contrato de Concessão de Serviço Público de Televisão, 1993, disponível em
http://www.gmcs.pt/index.php?op=fs&cid=1148&lang=pt, acedido em 23/04/10;
• Lei 27/2007, de 30 de Julho (Lei da Televisão) disponível em
http://www.gmcs.pt/index.php?op=cont&cid=79&sid=361, acedida a 23/04/10;
• Lei 30/2003, de 22 de Agosto (Lei de Financiamento), disponível em
http://www.gmcs.pt/index.php?
op=cont&cid=1&sid=187&from=pesquisa&keywords=financiamento, acedida a
23/04/10;
• Adriano Duarte Rodrigues (2002), “Modelos de Serviço Público”, in Expresso, ed. de
15/6/02;
• Relatório de Contas da Impresa-2008, disponível em http://www.impresa.pt/, acedido a
23/04/10;
• Relatório de Contas da Media Capital-2008, disponível em
http://www.mediacapital.pt/finacialResults.aspx?hMenuID=31&vMenuID=159,
acedido a 23/04/10;
• Relatório de Contas da RTP – 2008, disponível em
http://ww1.rtp.pt/wportal/grupo/relatorio_contas.php, acedido a 23/04/10;
• Relatório do Pluralismo Político-Partidário no Serviço Público de Televisão- ERC,
2008, disponível em http://www.erc.pt/documentos/RPP-1.pdf., acedido a 23/04/10;
• Relatório de Regulação da ERC – Televisão, 2008, disponível em
http://www.erc.pt/documentos/Relatorios/2008ERCRelatorioRegulacaoVolume2final.p
df , acedido a 23/04/10;
• Relatório de Regulação da ERC: Sumário Executivo, 2008, disponível em
http://www.erc.pt/documentos/Relatorios/SUMARIOEXECUTIVOsite.pdf, acedido a
23/04/10;