Você está na página 1de 2

Nomes: Elisa Messias de Figueiredo e Franciele Finck Curso: Comunicação Social

Nível: II Unidade: FAMECOS Data: 02/11/03


Disciplina: Dinâmica da Comunicação Coletiva

Análise do Filme “O Senhor dos Anéis – A Sociedade do Anel” de acordo


com os Mecanismos de Defesa

Muitos mecanismos de Defesa podem ser identificados na superprodução "O


Senhor dos Anéis - A Sociedade do Anel". Ao longo de três horas de filme podemos
identificar vários momentos em que esses Mecanismos de Defesa são postos à prova.
Podemos começar apontando o momento em que Gandalf (Ian McKellen) pergunta a Frodo
(Elijah Wood) se ele mantinha o Anel bem escondido e seguro. Depois de jogá-lo ao fogo o
mago pergunta a Frodo se ele vê o que está escrito no Anel e quando Frodo responde que
não, sua expressão adquire um ar bastante aliviado. Isso se dá porque o Mago já vinha
quase convicto de que aquele Anel se tratava do maligno Um Anel que trazia malefícios à
Terra-Média, mas seu inconsciente desejava que ele estivesse errado, vindo a ficar aliviado
ao saber de seu engano. No entanto, sua atitude se torna séria e desapontada porque sua
esperança de que aquele Anel não era o que o preocupava foi desperdiçada.
Na mesma cena, Frodo, ao ouvir a história do Um Anel e o fato de que Sauron, o
Senhor do Escuro, estaria ainda vivo e recobrando as forças (readquirindo poder), reage
com Negação à ameaça latente que assola seu Mundo. Ele precisa ser convencido de que
Sauron não foi derrotado, pois como disse o mago, o Anel sobreviveu, e o Anel e Sauron
são como uma unidade. Frodo acaba aceitando isso como verdade.
Ainda nesta cena, Frodo faz uso da Racionalidade ao deduzir que os inimigos
seriam levados ao Shire (Condado em português) quando Gollum (Andre Serkis -
computadorizado) é capturado pelos Orcs (criaturas vis) de Sauron e torturado, tendo
pronunciado as palavras: "Shire" e "Baggins" que é o sobrenome hobbit de Frodo e Bilbo
(Ian Holme) que podem ser encontrados no Condado. Frodo deduz que os inimigos viriam
em busca do Anel se ele ficasse.
Quando Frodo percebe que não pode esconder o Anel, nem sequer jogá-lo fora, ele
tenta entregar o Anel a Gandalf, com a esperança de se livrar daquele peso. Esse
comportamento se encaixa em Projeção, pois ele quer passar a Gandalf seu fardo, seu
motivo, a fim de se libertar da responsabilidade simbolizada pelo "inofensivo" objeto.
Porém, Gandalf faz uso da Dissonância Cognitiva ao negar-se a carregar o Anel, pelo
motivo de o Anel sendo confiado a ele poder gerar um poder muito grande através dele que
ele não sabe se pode resistir. Seu inconsciente deseja o Um Anel; mas seu consciente sabe
que ele não deve carregá-lo.
Em uma outra cena mais adiante, quando Gandalf procura Saruman (Christopher
Lee), ele faz uso da Negação quando percebe que foi traído pelo chefe de sua ordem, em
quem ele confiava muito, pela sua sabedoria. O modo como ele olha para Saruman quando
foi traído não exige nenhuma explicação ou palavra.
Merry e Pippin (Dominic Monaghan e Billy Boyd) fazem uso da Transferência de
Culpa quando tentam amenizar o furto realizado por eles em um certo período de tempo
transferindo a culpa para o fazendeiro, Magote (um hobbit). Eles afirmam que Magote
estaria exagerando.
Elrond (Hugo Weaving) faz uso do Pessimismo ao dizer que estão sem aliados e que
não há possibilidades de manter o Anel em Rivendell sem poder protegê-lo. Ele não aponta
o lado bom, mas o lado negativo, fazendo uma imagem de um mundo sem esperanças,
como se o bem já tivesse sido derrotado.
Há uma cena em que Boromir (Sean Bean) faz uso da Defesa Perceptiva ao não
admitir sentir/ter interesse pela antiga Espada Narsil, famosa na história por ter cortado o
Anel do dedo de Sauron três mil anos atrás, na Primeira Guerra do Anel. Ao perceber que
estava sendo observado por Aragorn (Viggo Mortensen) ele simplesmente lida com a
Espada como se fosse uma mera relíquia de tempos esquecidos, sem a menor importância.
Boromir faz uso da Justificativa para fundamentar sua crença de que o Anel possa
ser uma arma, enquanto seu inconsciente trabalha mais para adquirir o Anel para si. Em
outro momento, Boromir, ao saber que Aragorn era o herdeiro de sangue do Trono de
Gondor (cidade de Homens no Mundo do Senhor dos Anéis) , usa a Negação ao declarar
que Gondor não precisa de Rei. Ao afirmar isso ele nega que o herdeiro de Isildur está vivo
e que pode clamar o trono.
Ao explicar a ameaça de Mordor (Reino do Senhor do Escuro) Boromir faz uso da
Racionalidade e do Pessimismo, ao não dar margem a esperança de conseguir adentrar em
Mordor e sobreviver. Racionalidade ao explicar quais perigos espreitam e porquê evitá-los.
Pessimismo ao negar haver algum meio de enfrentar esses perigos descritos.
Enfim, "O Senhor dos Anéis" não é só mais um filme de Fantasia, pois mesmo a
Fantasia admite a Psicologia.