P. 1
Anexo I Proposta Tecnica 05mai2010 (2)

Anexo I Proposta Tecnica 05mai2010 (2)

|Views: 3.767|Likes:
Publicado porjubilene

More info:

Published by: jubilene on Jan 12, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

08/11/2013

pdf

text

original

PROPOSTA TÉCNICA OI Anexo 01 Escopo Técnico Detalhado PRO 189/10.

SMV-SP Revisão I – 05mai10

Página 1 de 26 Rua Dom Aguirre, 438 – Jd. Marajoara - (+5511) 2195- 8700 – São Paulo- SP – Brasil – CEP - 04671-903

PROPOSTA TÉCNICA

São Paulo, 05 de maio de 2010 À OI At.: Diretoria de Strategic Sourcing Gerencia de Contratações de Serviços

REF:

PRO 189/10.SMV-SP Revisão I PROPOSTA TÉCNICA DE MANUTENÇÃO E GESTÃO

A seguir, apresentamos nossa revisão da proposta técnica para prestação de serviços de gestão e execução de manutenção predial, conforme escopo técnico detalhado abaixo e solicitações de time realizado na reunião técnica.

Esperamos ter atingido às expectativas da OI e desde já ressaltamos o nosso interesse em tê-los como cliente estratégico da empresa.

Atenciosamente,

__________________________ Tatiane Brito Waight Gerente de Des. Negócios

_________________________ Rita Veronesi Key Account

ISS FACILITY SERVICES CNPJ : 04.874.751/0001-98 Uma Empresa do Grupo ISS http://www.ISS-smv.com.br http://www.ISS.com.br (55)-11-2195-8724 (55)-11-2195-8700
isso com o MEIO AMBIENTE!

Página 2 de 26 Rua Dom Aguirre, 438 – Jd. Marajoara - (+5511) 2195- 8700 – São Paulo- SP – Brasil – CEP - 04671-903

ESCOPO DA PROPOSTA A presente proposta contempla a prestação de serviços de gestão e execução de manutenção predial nas unidades da OI mencionadas em edital, bem como o apoio e coordenação no gerenciamento de subcontratados, conforme descrito nos itens que seguem: Manutenção civil Manutenção do Mobiliário Manutenção de Acessórios Prediais Manutenção de bebedouros Limpeza, Higienização e desinfecção dos reservatórios de água Manutenção Elétrica de Baixa Tensão Combate a Incêndio Manutenção de Bombas Manutenção de equipamentos de levantamento de Carga Controle de Documentos Controle de pragas Medição de temperatura Inspeção técnica Organização de Ambientes 1. OBJETIVO: Atender ao escopo solicitado, levando em consideração o edital, respectivos anexos e questionamentos respondidos pelo cliente. No caso de qualquer expansão, mudanças no contrato ou no escopo, todo o projeto será revisado em relação a custos e equipe.

2. DIMENSIONAMENTO DAS EQUIPES Concebemos a proposta para atender ao escopo de serviços especificados, de acordo com os SLA recebidos, assim como o quadro solicitado pelo time técnico na reunião de esclarecimentos do projeto. Desta forma, o dimensionamento das equipes para a realização dos trabalhos consideramos: 2.1 GESTÃO: Equipe especializada durante o horário comercial. Após esse horário, o atendimento sempre ocorrerá via equipe dos sites e/ou equipe volante. No entanto, a equipe de gestão nível gerencial sempre atuará por meio de sobre aviso em casos emergenciais. Estamos incluindo nossa central de atendimento CORPORATIVA, que possui abrangência nacional, bem como nosso software de gestão. Dessa forma, os chamados poderão ser atendidos: - pela equipe de gestão no horário administrativo e finais de semana por meio dos plantonistas nas unidades que possuam esse plantão; - nos sites com operação volante, por meio da nossa central 24 horas que acionará a equipe volante mais próxima do chamado.

Página 3 de 26 Rua Dom Aguirre, 438 – Jd. Marajoara - (+5511) 2195- 8700 – São Paulo- SP – Brasil – CEP - 04671-903

2.2 MANUTENÇÃO: 1. Visitas técnicas realizadas; 2. Rotinas para realização das manutenções preventivas aplicando modelo ISS e melhores práticas; 3. Substituições de peças e equipamentos conforme necessidade da OI, fornecidos via LPU. 4. Escalas de trabalho 5x2, 6x1, 12x 36 atendendo os sites call centers somente 24 horas, o restante atuará de segunda a sexta em horário comercial. 5. Consideradas equipes 24 horas somente para os sites call centers sinalizados no edital, para esse pacote o 24 horas somente o call centes de Goiânia.

3. PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS: Todos os procedimentos operacionais serão executados pela ISS levando em consideração a equipe de gestão, equipe operacional alocada para realização das preventivas/corretivas e freqüências. Para tanto, consideramos as melhores práticas existentes e rotinas, e apresentaremos um plano de preventivas para a manutenção conforme solicitado em edital, de forma programada. Após 180 dias do início das operações, apresentaremos à OI todos os manuais técnicos e procedimentos operacionais. Qualquer adequação solicitada pela OI será negociada. Antes de iniciarmos nossas operações, montaremos para a OI um relatório de diagnóstico de cada unidade, mostrando a primeira visão das instalações. Posteriormente, em até 120 dias do início do contrato, entregaremos uma análise da situação das instalações do site de forma detalhada com os respectivos orçamentos e possíveis soluções para eventuais necessidades levantadas. 4. FREQÜÊNCIAS PARA EXECUÇÃO DE MANUTENÇÃO E RESPECTIVOS INSUMOS: Consideramos a manutenção preventiva e corretiva das instalações da OI, levando em consideração os seguintes pontos: - equipe alocada e carga horária sem geração de horas extras (fixa e volante apoio emergencial); - recursos alocados da equipe gerencial; - quantidade dos equipamentos existentes e 100% das instalações em funcionamento; - programação para atendimento das solicitações do cliente, diferenciadas em emergenciais e rotineiras; - cumprimento dos SLA’s conforme rotina da equipe e acordo que deverá ser feito entre as partes; - horário de funcionamento da OI conforme se aplicará em cada unidade, no horário comercial; 5. QUANTIDADES/FREQUENCIAS DOS SITES: Para a elaboração desta proposta, consideramos as quantidades informadas no edital, conforme quadros resumidos abaixo. Havendo inclusões/exclusões de sites e/ou alterações no escopo, os custos deverão ser reavaliados. Nos prédios com atendimento volante, foram consideradas as freqüências de manutenção preventiva solicitadas em edital.

Página 4 de 26 Rua Dom Aguirre, 438 – Jd. Marajoara - (+5511) 2195- 8700 – São Paulo- SP – Brasil – CEP - 04671-903

5.1

SITES COM EQUIPE FIXA - todos os sites cuja freqüência de manutenção é diária:

GEO

UF BA BA SE DF DF GO TO RJ RJ SP SP TOTAIS

Qtde de sites
2 1 4 3 1 22 5

Área m²
15990 4214 24067 34815 2396 153009 22438

38

256929

5.2

SITES COM ATENDIMENTO VOLANTE - Frequência de acordo com anexo II

GEO BA

UF BA SE DF GO TO MS MT RO

Qdte de sites 1 1 1 6 2 1 3 0 1 7 23

Área m² 5176 2511 155 3838 1430 463 509 0 120 6653 20855

DF

RJ SP

RJ SP

TOTAIS

5.3

SITES SOB DEMANDA - Atendimento por demanda Qtde de site 4 4 8 Área m² 4.067,00 36.477,96 40544,96

GEO UF BA BA RJ RJ TOTAIS

Página 5 de 26 Rua Dom Aguirre, 438 – Jd. Marajoara - (+5511) 2195- 8700 – São Paulo- SP – Brasil – CEP - 04671-903

5.4

ATENDIMENTOS CORRETIVOS

Consideramos as quantidades de atendimentos corretivos no custo da proposta, conforme solicitado na ETC, assim como consideramos a limitação enviada de serviços de pequena monta. Todos os serviços de manutenção (pequena monta e outros), serão executados pelo nosso time conforme freqüência ETC e todos os insumos serão fornecidos pela OI, por meio de LPU. 1) No combate a incêndio atuaremos em testes hidrostáticos em mangueiras, checagem de hidrantes, recargas de extintores e gestão do subcontratado para manutenção do sistema de combate a incêndio, pago diretamente pela OI, onde se aplicar. A avaliação de saídas de emergências e rotas de fugas, montagem de brigada de incêndio, SDAI, e os respectivos treinamentos, não esta no custo ISS. Cabendo a ISS a gestão do contrato de brigadistas locais (bombeiros), informando a OI se os procedimentos, time, quadro e treinamentos estão sendo realizados pela empresa contratada OI. Dessa forma, a ISS não será responsável pelo AVCB. Caso o quadro de brigadistas (bombeiros), não cumpra a legislação e não seja o suficiente para execução das atividades, a ISS montará um relatório para a OI para as respectivas providencias. Todos os equipamentos, uniformes deverão ser fornecidos pela empresa de combate a incêndio contratada pela OI sem custos para a ISS. A empresa contratada pela OI, deverá ter em seu time toda comunicação, estrutura administrativa e operacional e comunicação para a prestação de serviços, cabendo a ISS somente a gestão do contrato de forma Global e checagem do cumprimento de contrato desta determinada empresa com a OI. 2) Não estão considerados serviços de manutenção e sim apenas gestão de subcontratados para elevadores e coleta de lixo. 3) Não considerada manutenção e operação de sistema BMS. 4) Não considerada manutenção de equipamentos em geral, tais como geradores e ar condicionado e todos os assuntos técnicos e manutenções inerentes ao sistema de refrigeração. 5) Considerada manutenção elétrica em baixa tensão. Média e alta tensão estão fora do escopo. 6) Considerada medição de temperatura conforme a freqüência de manutenção do ETC.

7) Para orçamento de subcontratados incluídos na proposta foram utilizadas as áreas construídas informadas no anexo II, porém, nos itens cujas quantidades foram estimadas por m², a ISS fará um ajuste de valor, caso constatadas discrepâncias em relação ao quantitativo real. Exemplo: quantidade de lâmpadas para descontaminação, quantidade de mangueiras para testes hidrostáticos, quantidade de extintores, limpeza de caixa d’água, caixa de gorduras entre outros que constam nessa proposta.

Página 6 de 26 Rua Dom Aguirre, 438 – Jd. Marajoara - (+5511) 2195- 8700 – São Paulo- SP – Brasil – CEP - 04671-903

8) Considerada periodicidade conforme ETC para os serviços de controle de pragas. 9) Incluído serviço de chaveiros. 10) Não considerada manutenção no SPDA e No Breaks. 11) Considerada a limpeza de caixa de gordura. 12) Não consideramos serviços de subcontratados para os sites SOD DEMANDA. 13) Lay out de pequeno porte com a equipe nos sites que possuem time fixo está dentro do nosso escopo, no entanto, mudanças de lay out necessitarão de um orçamento à parte e programação prévia e serão executadas por meio da Manutenção Volante ISS. 14) A limpeza de dutos internos e externos de ar condicionado está excluída. Podemos orçar a parte quando da necessidade. 15) Considerado o tratamento mensal de água potável (dosagem de cloro por exemplo) e tratamento dos reservatórios de água do subsolo. 16) A termografia semestral não consta em nosso escopo. 17) Parada anual de cabine de subestação e/ou primárias não consta em nosso escopo. 18) Análise e/ou troca de óleo dos trafos está excluída de nosso escopo. 19) Horas Extras por serviços executados fora do horário, deverão ser orçado a parte, quando tratar-se de assuntos fora do nosso escopo. 20) Caso a instalação esteja com passivo existente e ou oculto, a ISS não deverá ser penalizada via SLA entrando em acordo para o conserto e ou reforma da respectiva instalação, desde que a ISS, mostre esses itens em relatório de diagnóstico. 21) Controle de demanda Elétrica: não seremos responsáveis por multa por estouro de demanda. Porém atuaremos com nosso time e engenharia para localizar possíveis pontos de eficiência energética e negociações com a concessionária, visando diminuição de custos para o cliente. 22) Consta em nossa proposta o software de gerenciamento e programação da manutenção como grande diferencial.

23) A ISS deverá apresentar modelos de relatórios, levantamento cadastral, formulários e atestados, para que sejam previamente aprovados pela OI.

24) Verificar junto aos Órgãos Oficiais de Meio Ambiente, as providências que forem necessárias para a eliminação de restos de materiais tóxicos ou radioativos, que eventualmente sejam
Página 7 de 26 Rua Dom Aguirre, 438 – Jd. Marajoara - (+5511) 2195- 8700 – São Paulo- SP – Brasil – CEP - 04671-903

removidos na execução dos serviços. 25) Caberá à ISS pesquisar e obter documentação técnica, que permita a adequada execução dos serviços objeto desta contratação, em adição ou na falta de dados técnicos da OI, de modo a impedir que qualquer sistema, ou parte dele fique inoperante além dos prazos previstos neste documento. Caso haja custos para essas documentações faltantes pela OI, deverão ser pagos à parte. 26) Sempre que for necessário, a OI poderá solicitar a presença da ISS na edificação, a fim de dirimir dúvidas, adotar procedimentos executivos e prestar esclarecimentos necessários. Desde que agendados com a periodicidade de 48 horas para sites que não forem críticos. 27) A ISS deverá executar à suas expensas, revisões, reparos e substituições nos serviços realizados, sempre que forem constatadas falhas motivadas por imperícia ou vícios de execução. Porém a ISS não assumirá passivos existentes, vícios ocultos e equipamentos com vida útil vencida. 28) Os projetos, laudos técnicos e documentos legais deverão ser assinados por profissionais que possuam vínculos empregatícios com a ISS, bem como, deverão ser registrados junto ao CREA como responsáveis técnicos pela empresa. 29) Todas as equipes da ISS deverão dispor de meios de comunicação de modo a permitir a sua pronta localização, nos casos de emergências (por exemplo, pager ou celular). 30) O recolhimento de taxas junto ao Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura - CREA é de responsabilidade da ISS considerando uma ART para cada especialidade para todos os sites, não de forma individual. 31) No caso de férias ou afastamento dos funcionários que fazem a manutenção, a ISS deverá prever e repor o funcionário de imediato, igualmente qualificado. Este procedimento deverá ter o de acordo da OI. No caso de faltas pontuais a ISS vendendo serviços apresentará a melhor solução a OI. 32) Não considerado o fornecimento de válvulas ou peças para bebedouros. 33) PMOC excluído. Medição de temperatura conforme periodicidade de manutenção considerada no ETC, 34) Incluída análise de potabilidade e excluída análise do ar, executando somente a gestão. 35) Prazo de mobilização de 30 dias para todas as geografias, de forma simultânea. 36) Para a gestão de elevadores consideramos supervisores técnicos nas sub-gestões regionais e um engenheiro para assinatura de ART na gestão geral. Esclarecendo alguns pontos para o fornecimento dessa ART; A manutenção dos elevadores deverão estar ocorrendo mensalmente com a empresa
Página 8 de 26 Rua Dom Aguirre, 438 – Jd. Marajoara - (+5511) 2195- 8700 – São Paulo- SP – Brasil – CEP - 04671-903

fabricante do equipamento; O fornecimento de peças não pode ser glosado pela OI, for falta de orçamentos ou budget, visto que, estamos lidando com item de criticidade máxima; Os contratos de manutenções atuais pagos pela OI, devem estar em dia com os fornecedores e contendo atendimento emergencial nos mesmos; O estado dos elevadores deverão constar em bom estado e manutenção em dia;

37) O dissídio da categoria foi considerado em nossa proposta massa salarial. 6. ESCOPO E ROTINAS PREVENTIVAS DOS SITES Consideradas as rotinas apresentadas no anexo III Plano mínimo de manutenção, com periodicidade de acordo com as categorias dos prédios, por tipo de serviço. Porém, algumas considerações foram feitas no item acima em relação ao escopo e devem ser observadas. NOTAS Falta de Água: Verificar se o problema é oriundo da Concessionária ou interno. Se for da Concessionária, ligar de imediato para a Central de Atendimento da Concessionária, informando o ocorrido e solicitando providências e prazo para restabelecimento do abastecimento. Informar a resposta para a fiscalização da OI. Passado o período estabelecido pela Concessionária e continuando a falta d’água, acionar os caminhões-pipa no caso de água, em quantidade suficiente para atendimento às necessidades das instalações. Informar ao órgão gestor / administração predial da OI sobre o ocorrido. Como medida paliativa imediata, fechar os registros gerais de metade das colunas de água para descarga de vasos sanitários. No caso do problema ser interno, como por exemplo: Bomba d’água danificada, ar na tubulação de recalque, bóia presa, etc., resolvê-lo de imediato, dando ciência do ocorrido ao órgão gestor / administração predial da OI. O fornecimento de caminhão pipa deverá ser por meio de LPU o pagamento para a ISS. Falta de Energia: Havendo falta de energia, tomar as seguintes providências: Verificar de imediato se é oriunda da concessionária local e acionar quem atua em alta tensão para checar (disjuntores de alta tensão, seccionadoras, transformadores, relês de alta tensão e quadros gerais de baixa tensão), informando o ocorrido à fiscalização da OI. Se for da concessionária, manter contato imediato com a subestação que fornece energia, para se inteirar do ocorrido, de quando será o retorno da energia e pedir param empresa que atua em alta tensão a manobrar a linha de entrada. Nosso time não atuará em alta tensão e não manobrará, a linha de entrada para restabelecimento de energia, e informar a Fiscalização da OI. Se for interna, avisar de imediato a Fiscalização da OI, informando do ocorrido, se é possível resolver o problema em curto prazo e a previsão de apronto. Se necessário aluguel de um gerador para retorno de energia de sites críticos, essa locação deverá ser paga por meio de LPU para a ISS.

Página 9 de 26 Rua Dom Aguirre, 438 – Jd. Marajoara - (+5511) 2195- 8700 – São Paulo- SP – Brasil – CEP - 04671-903

7. GESTÃO DOS SUBCONTRATADOS: A ISS fará a gestão dos sub-contratados, desenvolvendo, acompanhando e realizando auditoria nas operações, apenas daqueles que fazem parte do escopo do edital. As multas de SLA’s sobre as empresas que faremos a gestão serão.: Elevadores; Brigada/Bombeiros; Analise de Ar; Colete de Lixo; SDAI; No entanto para aceitarmos essas multas, conforme ETC, (Para serviços gerenciados e não fornecidos, metade dos pontos percentuais que estiverem abaixo do índice de 90% serão convertidos em multa que será descontada do valor integral e mensal do contrato, limitado a 10% do valor integral contratual mensal), deveremos considerar que os contratos atuais fechados diretamente com a OI, cumpram todas as normas técnicas exigidas no mercado, que o preço esteja compatível com o serviço solicitado, que cumpram todas as normas e legislações existentes.

8. COMPRAS E OBRAS/PROJETOS No caso de compras, esta no escopo ISS sendo realizadas pelo time de gestão conforme apresentado no organograma da equipe de gestão e sub-gestões regionais. Apresentada no Anexo organograma. (Power point). O acompanhamento de obras e atualização de projetos mudanças de lay out consta em nosso escopo, as das obras prioritárias, realizando fiscalização técnica inicial e emitir relatórios de fiscalização. Documentação, execução deverão ser realizados pela empresa contratada para nessa respectiva obra. 9. HORAS EXTRAS E SOBRE AVISO DA EQUIPE Nossa proposta não contempla horas extras para itens fora de nosso escopo. Caso necessárias e/ou solicitadas pelo cliente, serão cobradas à parte. 10. MELHORIAS NOS PROCESSOS ATUAIS No contrato global foi alocada uma equipe de gestão geral para focar melhorias nos processos atuais e execução de reengenharias de processos, tais como: melhorias na manutenção predial e ações para reduções de custos operacionais. Quaisquer outras análises em que a operação detecte novas possibilidades de melhorias na relação “custo x qualidade” serão efetuadas com o uso da equipe local, com apoio corporativo da engenharia da ISS. 11. IDENTIFICAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS A equipe atuará para que, no 1º ano, a OI tenha toda a listagem dos equipamentos no sistema, devidamente identificados (tagueamento) e lançados no sistema.

Página 10 de 26 Rua Dom Aguirre, 438 – Jd. Marajoara - (+5511) 2195- 8700 – São Paulo- SP – Brasil – CEP - 04671-903

12. INTERVENÇÕES DAS EQUIPES Trabalharemos com as intervenções iniciais em até 30 minutos para equipes fixas e até 4 horas para equipes volantes nas grandes capitais e até 6 horas para equipe volantes no interior. Porém, o diagnóstico e soluções para cada caso dependerão da gravidade da intervenção e todos esses KPIs serão definidos até 90 dias da implementação do contrato, levando em consideração:  equipe alocada no contrato  recursos x chamadas  estado das instalações

13. TEMPO DE ATENDIMENTO o Atendimento Emergencial: Em até 30 minutos para manutenção fixa e até 4 horas para manutenção volante – Aqueles que comprometem a segurança ou funcionamento total da unidade. Atendimento Urgente: Em até 2 horas para equipe fixa e até 6 horas para equipe volante – Aqueles que comprometem o funcionamento parcial ou de áreas essenciais da unidade. Atendimento Normal: Aqueles que não comprometem o funcionamento da unidade. Podem ser atendidos: - Em até 72 horas - Ou durante as preventivas, se a programação for feita em conjunto com a unidade reclamante (Ex. pequenos serviços não emergenciais). Após levantamento técnico e diagnóstico, a OI e ISS juntas irão estabelecer os SLA para atendimento, considerando que:  atraso nos serviços por falta de peças não liberadas para compra pela OI não gerará penalidade ou multa para a ISS.  Passivos existentes e vícios ocultos não serão objeto de penalidade ou multa para a ISS, desde que diagnosticado nos relatório de entrada. 14. CENTRAL DE ATENDIMENTO Disponibilizaremos uma Central de Atendimento 24 horas que realizada o recebimento das solicitações bem como o gerenciamento dos serviços de manutenção. 15.1 Chamados excluídos Chamados que por ventura sejam gerados por ações de vandalismo, roubo, furto, depredação, fenômenos da natureza e irregularidades na instalação/projeto que causaram a quebra antecipada dos componentes, não estão considerados e serão orçados e submetidos à aprovação prévia.

o

o

Página 11 de 26 Rua Dom Aguirre, 438 – Jd. Marajoara - (+5511) 2195- 8700 – São Paulo- SP – Brasil – CEP - 04671-903

15. SISTEMA DE GESTÃO Será disponibilizado para a Oi, cujo valor já está incluso na proposta, o acesso ao Sistema ISS VBMS, durante o período contratual, para acompanhamento de todas as intervenções, assim como terá uma senha de gerenciamento e acompanhamento em tempo real de todo o processo de manutenção preventiva e corretiva 16.1 Relatórios O relatório Gerencial será apresentado com freqüência mensal e analisado em conjunto com o cliente, para validação de plano de ação, estudos de melhorias, etc. Relatórios de Auditoria técnica são realizados no início do contrato (Back log informado) e também semestralmente, pelos supervisores operacionais.

16. SOFTWARE VBMS ISS PROPERTY SERVICES A ISS Property Services utiliza um sistema desenvolvido internamente, denominado Sistema VBMS de Gerenciamento de Manutenção, criado para atender as necessidades do mercado de manutenção atual no modelo de atendimento multifuncional e não segmentado. O Sistema VBMS foi desenvolvido em plataforma WEB (Linguagem ASP e ASP.net com Banco de Dados SQL) e é utilizado por todas as nossas bases operacionais, no país inteiro. Diferenciais do Sistema VBMS • Programação e controle de intervenções preventivas por equipamento; • Help Desk (Abertura, controle e fechamento de intervenções corretivas); • Controle de custos de materiais e serviços aplicados por unidade; • Controle e gerenciamento de orçamentos e pendências • Gerenciamento do Tempo de atendimento e conclusão de intervenção; • Emissão de Relatórios Gerenciais, gráficos e índices operacionais; • Plataforma WEB para a visualização da operação para o Cliente, com interface gráfica e de fácil utilização, com opção de interação para a mudança de prioridades de chamados, enviar comentários entre outros. • Gerenciamento de informações de custos operacionais; • Controle logístico visual de chamados por região; • Interação automática para posicionamento de sistema do cliente através de e-mail ou sincronismo de dado; • Programa de redução de custos de médio e longo prazo • Suporte de análise e tomada de decisão de consumo de energia e outros. Algumas características do software • • • • • Linguagem de programação ASP / ASP.NET / Banco de Dados Microsoft SQL Server. Desenvolvido por equipe própria. Ferramentas adaptadas às necessidades de cada cliente. Permite o acesso a "qualquer pessoa/momento/qualquer lugar" a todas as informações importantes relativas à instalação de serviços. Apresenta ferramenta de gerenciamento permanente de acompanhamento dos custos de
Página 12 de 26 Rua Dom Aguirre, 438 – Jd. Marajoara - (+5511) 2195- 8700 – São Paulo- SP – Brasil – CEP - 04671-903

• •

Facilities Services. Portal permite segurança à privacidade do cliente. O nível de informação disponível a partir do VBMS é sem precedentes no mercado de Facilities Services do Brasil.

Além disso, não há necessidade de instalar nenhum tipo de novos aplicativos no computador para fazer uso do software. Qualquer Windows, MAC ou Linux PC com quase qualquer navegador pode usar todos os recursos do sistema e até mesmo celulares e PDAs habilitados para web também podem utilizá-lo.

Todas as alterações no sistema são visíveis na tela através de uma simples atualização, não havendo necessidade de fazer correções no computador do cliente. Utilizamos dois servidores para gerenciar os pedidos dos clientes. Num primeiro momento dispomos de um servidor de Web que hospeda nossa página. Todos os dados são então armazenados em um segundo servidor, que atua como nosso Banco de Dados. Nossos clientes acessam o portal através da Internet. Qualquer equipamento conectado a internet pode acessar nosso portal.

Integração e Sincronização Existem várias maneiras de sincronizar dados com o sistema ISS SMV, tais como: • XML (Extensible Markup Language) usando serviço de Internet; • E-mail, via um provedor; • Conexão SQL direta entre servidores via Réplica ou Método de Servidores linkados. A sincronização utilizando o formato XML pode ser feita usando Web Services, que são soluções baseadas no formato XML, os quais podem permitir o acesso a dados a serem pesquisados e importados, entre os diferentes sistemas. Para sincronizar mensagens de e-mail, é necessário estabelecer um padrão de layout de dados para envio e recebimento de e-mails, para que um aplicativo atue como um agente que irá "ler" a informação dentro da mensagem, e trabalhar em cima delas. A conexão direta entre servidores permite que dados sejam manipulados diretamente entre os dois sistemas. Para isso, é necessário configurar ambos para que possam comunicar-se entre si. É necessário também que ambos os sistemas processem seu banco de dados sobre uma plataforma Microsoft SQL Server.

Página 13 de 26 Rua Dom Aguirre, 438 – Jd. Marajoara - (+5511) 2195- 8700 – São Paulo- SP – Brasil – CEP - 04671-903

Tecnologias Agregadas Portal WAP • • • Acionamento e posicionamento via WAP Consulta em campo (on-line) das intervenções Não necessita de notebook ou handheld

Handheld
• • • • Acionamento e posicionamento via Palm OS Consulta em campo das intervenções, histórico Upload de imagens e videos de equipamentos Leitor de Tag, Relatórios, etc.

Monitoramento Remoto • Monitoração de No-breaks de unidades em tempo real • Monitoração de outros equipamentos através do no-break • Operação de equipamentos ligados ao no-break à distância Monitoramento de Energia • • • Monitoração paralela dos medidores de energia das unidades Controle efetivo da demanda ISS Acionamento Remoto para corte de áreas não essenciais ou e-mail*

URA (Unidade de Resposta Audível) • • • • Acionamento e posicionamento via 0800 Atendimento / Posicionamento / Fechamento Não necessita de sinal de celular ou comunicação Comunicação com a Central de Operações

17. MODELO DE GESTÃO Objetivo: estabelecer diretrizes para a definição da estrutura organizacional do site, o dimensionamento de equipes e a interação com a organização do Cliente e com os demais órgãos da ISS. A. Campo de Aplicação Aplica-se a todos os contratos de Gestão IFS (Integrated Facilities Services), desde a fase de prospecção até a fase de consolidação e entrega dos serviços. B. Definições e Terminologias UN - Unidade de Negócio - Site OS - Ordem de Serviço SS – Solicitação de Serviço

Página 14 de 26 Rua Dom Aguirre, 438 – Jd. Marajoara - (+5511) 2195- 8700 – São Paulo- SP – Brasil – CEP - 04671-903

C. Descrição Organização dos Sites - Unidades de Negócio (UN) A organização utilizada para o Contrato de gestão tem como referência a estrutura apresentada no modelo de organograma representado abaixo, porém pode ser personalizada para cada site - UN conforme características e condições do mesmo.
Coordenador

Organograma básico macro
Materiais/Almox.

Adm/Financeiro

Call Center corporativo

Planejamento

Recursos humanos

Supervisor área 1

Supervisor área 2

Supervisor área 3

O organograma básico propõe: Existência de um Coordenador e ou Gestor de contrato por site – U.N. Existência das seguintes especialidades de apoio, para atividades fora da linha direta de execução, necessárias para a boa performance na gestão, que podem ser corporativos ou não, sempre levando a característica de cada cliente e principalmente o tamanho de cada equipe: Administrativo Planejamento Administração de Materiais Call Center Recursos Humanos A especialidade de planejamento deve ser estruturada de forma a atender a atividade de programação dos serviços de cada site e pode ser executado por um supervisor e ou líder. Dependendo do tamanho do site, esse especialista passará a ser dedicado, devido à demanda e escopo do cliente. O grupo de materiais deve ser constituído apenas nos sites em que a gestão de materiais de aplicação é de responsabilidade da ISS. D. Dimensionamento da Equipe O dimensionamento inicial das equipes para cada site - UN, que é vital para o sucesso da gestão, deve levar em consideração: o histórico de cada modalidade de serviço e as características do site, como quantidade de subcontratados, terceiros residentes, regime de trabalho, etc. Experiências apresentadas pelo Cliente, bem como informações da base de dados da ISS são informações complementares para esse dimensionamento.

Página 15 de 26 Rua Dom Aguirre, 438 – Jd. Marajoara - (+5511) 2195- 8700 – São Paulo- SP – Brasil – CEP - 04671-903

E. Atribuições e responsabilidades e.1) Coordenador Ponto de contato para o Cliente. Responsável geral pela administração e gestão. Liderança e motivação da equipe de gestão. Busca contínua da qualidade e da melhora nos processos operacionais. Coordenar e supervisionar o trabalho da equipe de gestão. Preparar os relatórios gerenciais dos serviços. Avaliar a qualidade dos serviços terceirizados. Analisar os custos da operação como um todo. Assegurar o cumprimento de metas e objetivos definidos. Responsável pelo suporte técnico de toda operação. Coordenar a implementação do software de gerenciamento. Divulgar e implementar a política da qualidade do Grupo ISS e gerir o processo e manutenção de acordo com esta política. Prover os recursos necessários para a prestação de serviços adequados. Definir com o Gerente de Operações os itens de controle para avaliação do desempenho da gestão, negociar as metas e desdobrá-las com sua equipe. Definir prioridades para as atividades de melhoria. Promover permanentemente o desenvolvimento técnico e gerencial da sua equipe. Coordenar a implementação da manutenção preventiva e corretiva. Supervisionar as atividades técnicas de maior importância. Recomendar investimentos em equipamentos e sistemas técnicos. Supervisionar, orientar e priorizar os serviços terceirizados. Coordenar e delegar responsabilidades às equipes de trabalho. Planejar a estratégia e a logística da execução dos serviços. Melhorar os níveis de qualidade dos serviços. Acompanhar os serviços com alto nível de dificuldade e responsabilidade. Fazer cumprir a logística operacional. Identificar e corrigir as falhas ocorridas na operação. Controlar e acompanhar obras e serviços. Conduzir o planejamento da gestão e sistemas operacionais sob sua responsabilidade. Desenvolver os processos de contratação de serviços de manutenção, preparando-os para as aprovações competentes. Diagnosticar necessidades de treinamento da sua equipe e incentivar a sua realização. e.2) Apoio Administrativo Auxiliar o Coordenador nas atividades administrativas e financeiras. Controle de compras e estoque de materiais administrativos. Controle de notas fiscais e de pagamento de serviços terceirizados. Acompanhar o plano de treinamento e manter o Coordenador informado. Administrar os serviços de controle de pessoal, assistência médica e segurança patrimonial. Administrar os serviços de apoio, tais como alimentação e transporte. Administrar processos de compra relativos a ferramentas, EPI, materiais de consumo e serviços. Elaborar Boletins de Medição e administrar documentos e informações relativas aos processos contábil e financeiros. Administrar o arquivo de documentação técnica quanto a movimentação e organização. e.3) Call Center (Corporativo ou não) Operacionalizar o software de gerenciamento. Controlar e priorizar as OS. Direcionar e distribuir os serviços solicitados (planejador e ou supervisor). Dar retorno das OS aos solicitantes (satisfação do Cliente). Controlar as informações geradas para emISSão de relatórios.
Página 16 de 26 Rua Dom Aguirre, 438 – Jd. Marajoara - (+5511) 2195- 8700 – São Paulo- SP – Brasil – CEP - 04671-903

Coordenar pesquisa de satisfação dos usuários. e.4) Planejamento Planejar e programar os serviços decorrentes de SS. Acionar visitas sistemáticas de empresas subcontratadas ISS conforme periodicidades definidas na contratação. Planejar e programar os serviços decorrentes dos planos de manutenção. Emitir check list de serviços conforme programação. e.5) Recursos Humanos Elaborar treinamentos (comportamentais, liderança, etc). Ministrar os treinamentos. Mapear perfis da equipe. Elaborar campanhas motivacionais e de valorização. Atuar como interface entre a equipe e o coordenador de contrato. F. Interface com o Cliente e equipe corporativa O sucesso de um contrato está associado à visão do Cliente da estrutura organizacional do seu contratado. É essencial que além do bom atendimento local, haja a percepção efetiva do suporte praticado pela organização da sede e equipe local. A qualidade das relações precisam ser permanentemente avaliadas, por meio de itens de controle negociados entre as partes, de forma a permitir a prática da melhoria contínua. A observação dos procedimentos administrativos que cobrem todo o processo é fundamental para o sucesso. A figura mostra as interfaces existentes e sugere a integração necessária.

Equipe Dedicada

Equipe Corporativa
Gerente Geral Compras Gerentes de Processos - Comercial - Contabilidade - Engenharia - Financeiro - Jurídico - Gestão - RH - Segurança - Suprimentos

Cliente

Coordenador

Adm./Financeiro Call Center

Planejamento

RH

Supervisor área 1

Supervisor área 2

G. Implementação do modelo ISS nos sites - UNs A implementação do modelo ISS, preconizado neste procedimento, deve ser conduzida mediante cronograma elaborado pelo Gerente de Operações, considerando as necessidades apresentadas pelo Cliente, as particularidades de cada site -UN e os recursos disponíveis.

Página 17 de 26 Rua Dom Aguirre, 438 – Jd. Marajoara - (+5511) 2195- 8700 – São Paulo- SP – Brasil – CEP - 04671-903

18. AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO Objetivo O objetivo é estabelecer a sistemática adotada para monitorar e avaliar o desempenho do sistema de gestão praticado nos contratos gerenciados pela ISS. Aplicação Aplica-se a todos os contratos da ISS, considerando-se particularidades como porte e escopo do contrato na escolha dos indicadores e freqüência das avaliações. PDCA Modelo de abordagem para encaminhamento de processos de melhoria. O gerenciamento eficiente do sistema de manutenção, assim como o gerenciamento de qualquer processo, exige o levantamento e tratamento sistemático de itens de controle que permitam indicar a evolução e a tendência de cada um dos processos envolvidos e avaliar a eficácia com que os mesmos estão sendo tratados. Os conceitos do gerenciamento da Qualidade Total e particularmente a ferramenta PDCA orientam o processo de melhoria contínua.

Action = Agir

Atuação em função dos resultados

Definição de metas Definição de métodos Educação e Treinamento Execução e Coleta de dados

Plan = Planejar

Verificação do trabalho realizado

Check = Verificar

Do = Executar

Figura 1 – O ciclo PDCA

Os itens de controle representativos dos processos são identificados com o Cliente e as metas são negociadas periodicamente. Os valores numéricos dos itens de controle são coletados com base em informações geradas pelo software de gestão de facilidades e por dados fornecidos pela Operação, além de outros instrumentos como auditorias e avaliação da satisfação do Cliente. Os resultados e evolução dos itens de controle devem ser apresentados no relatório mensal de desempenho. Operacionalização do Processo A avaliação do sistema de gestão é feita por meio dos seguintes instrumentos: Relatório mensal de desempenho;
Página 18 de 26 Rua Dom Aguirre, 438 – Jd. Marajoara - (+5511) 2195- 8700 – São Paulo- SP – Brasil – CEP - 04671-903

Reunião de avaliação; Avaliação da satisfação do Cliente; Auditorias.

A avaliação ocorre segundo a seguinte lógica:

1n

2n

1
n+1

2
n+1

4 n-1

3n

4n

3
n+1

4
n+1

competência mês n

competência mês n+1

realização mês n+1

realização mês n+2

Figura 2 – Avaliação e a Seqüência de Eventos Legenda: 1 2 3 4 – – – – Relatório Mensal de Desempenho Avaliação da Satisfação do Cliente Reunião de Avaliação Ata de Reunião Relatório Mensal de Desempenho

1-

O relatório mensal de desempenho contém substancialmente informações sobre: Gerenciamento da Rotina Gerenciamento das Melhorias a) Gerenciamento da Rotina O Gerenciamento da Rotina é feito com base nos itens de controle (KPI), identificados como representativos dos processos que compõem o sistema de gestão e definidos de comum acordo com o Cliente. Os itens de controle das atividades são obtidos durante o período do mês avaliado e apresentados
Página 19 de 26 Rua Dom Aguirre, 438 – Jd. Marajoara - (+5511) 2195- 8700 – São Paulo- SP – Brasil – CEP - 04671-903

numa malha contendo os últimos doze meses. Para itens de controle que têm variação diária (como back log por exemplo), os números representam a posição do último dia do mês analisado. A apresentação dos dados dos últimos doze meses permite calcular médias móveis, o que é muito valioso para análise de tendências. b) Gerenciamento das Melhorias Compreende o gerenciamento das ações desenvolvidas em atendimento ao planejamento estratégico desdobrado para o contrato. De maneira geral, devem ser registradas todas as ações de estruturação do contrato, de acordo com o cronograma de implementação. Além disso, devem ser registradas as melhorias desenvolvidas no contrato, que o elevam para outros patamares de desempenho. As melhorias relativas aos seguintes processos devem ser relatadas: Estruturação da Manutenção Planejada Educação e Capacitação das Pessoas Procedimentos Técnicos Estudos de Engenharia e Modificação de Projetos 2Avaliação da Satisfação do Cliente

A avaliação da satisfação do Cliente é realizada conforme procedimento. A periodicidade, em princípio mensal, poderá ser alterada com o tempo e decidida nova freqüência nas reuniões de avaliação. As avaliações devem ser feitas individualmente pelo gestor do contrato (Cliente). 3Reunião de Avaliação

A reunião de avaliação é feita, em princípio, com a mesma periodicidade da avaliação da satisfação do Cliente, também de acordo com acertos prévios. Para facilitar a agenda, sugere-se que as reuniões aconteçam sempre num determinado dia (por exemplo: 2ª quarta feira do mês, 3ª terça feira do mês, etc.) A reunião de avaliação é feita com os seguintes propósitos: esclarecer e reforçar os temas abordados no relatório mensal de desempenho; dar conhecimento das ações corretivas referentes aos pontos fracos da avaliação anterior; receber os esclarecimentos relativos à avaliação da satisfação do Cliente; nivelar informações sobre assuntos de interesse comum. As reuniões de avaliação, coordenadas pelo Coordenador do Contrato, devem contar com as participações dos Gestores do Contrato. A participação dos supervisores pode ser solicitada quando requerer algum esclarecimento especial. A reunião de avaliação deve gerar uma ata, distribuída no mesmo dia da reunião, para facilitar o encaminhamento e acompanhamento das ações definidas. 19. MANUAL DE GESTÃO Objetivo Estabelecer a sistemática para elaboração, treinamento, aplicação e revisão dos procedimentos de execução de serviços de manutenção, com a finalidade de padronizar as atividades e melhorar a qualidade dos serviços executados.

Página 20 de 26 Rua Dom Aguirre, 438 – Jd. Marajoara - (+5511) 2195- 8700 – São Paulo- SP – Brasil – CEP - 04671-903

Campo de Aplicação Aplicável aos sites -UN, onde haja a função supervisão seja exercida pela ISS. Definições e Terminologias LPP - Lição Ponto a Ponto Procedimento Operacional - Procedimento de execução de serviços técnicos Responsável pela DT - Colaborador indicado pelo Coordenador/Supervisor do site para gestão da documentação técnica UN - Site - Unidade de Negócio Considerações Gerais A introdução da sistemática de elaboração e utilização de procedimentos escritos para a execução de serviços é uma das ferramentas utilizadas para a obtenção de índices crescentes de qualidade e produtividade. A sua adoção garante uma maior previsibilidade de resultados, devido à uniformidade de atuação, além de propiciar a introdução contínua de melhorias, através do domínio dos processos de trabalho e de garantir a preservação da memória técnica da empresa. O sistema de padrões operacionais da ISS está alicerçado em dois tipos de documentos do sistema da qualidade: Instrução de Trabalho para elaboração de procedimentos operacionais Instrução de Trabalho para elaboração de lições Instrução de Trabalho para elaboração de Lições Ponto a Ponto Explicação das Etapas Etapa 1 A elaboração de procedimentos operacionais é uma atividade de rotina do site. A determinação das atividades que necessitam ser padronizadas deve levar em conta a garantia de um certo resultado final desejado, alcançável por meio de um método e da forma de executá-la com qualidade, segurança e menor custo. O levantamento inicial das necessidades é conduzido pelo grupo de engenharia de manutenção, via consulta aos supervisores e executantes. Posteriormente, a lista é atualizada com a inclusão de necessidades identificadas no dia a dia. Alguns fatos são condicionantes para a inclusão de procedimentos a serem elaborados: 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. Serviços que afetam fortemente a segurança, meio ambiente e/ou qualidade Serviços com grande repercussão ao Cliente Serviços com elevada freqüência de execução Serviços de alto custo Re-serviços ou não conformidades de qualquer natureza Carência de habilidades na equipe Reclamações do Cliente

Além disso, qualquer colaborador pode propor a elaboração de procedimentos que afetem o seu trabalho ou da sua equipe. Etapa 2 O profissional ou equipe encarregada da elaboração do procedimento operacional deve ter domínio técnico pleno do assunto. A engenharia de manutenção pode e deve ser utilizada como consultora, com respeito a forma e conteúdo dos procedimentos. A formação da equipe é necessária pois propicia o comprometimento das pessoas e a soma de suas experiências. O estabelecimento do padrão deve ser baseado em um consenso, resguardando a segurança, a qualidade e o menor custo. Assim, a união dessas pessoas garante que todos estarão comprometidos e empenhados com o padrão definido.

Página 21 de 26 Rua Dom Aguirre, 438 – Jd. Marajoara - (+5511) 2195- 8700 – São Paulo- SP – Brasil – CEP - 04671-903

Etapa 3 Na elaboração do procedimento operacional o líder deve respeitar os seguintes passos: Reunir as pessoas envolvidas Verificar como cada operador está executando a atividade (use um check-list) Discutir as divergências encontradas Obter o consenso sobre a seqüência certa para a atividade, não perdendo o foco da segurança, qualidade e menor custo Escolher um dos modelos padronizados Passar a seqüência certa para o modelo escolhido A escolha do modelo é livre, buscando o que melhor se adeque ao objetivo da equipe. Etapa 4 A análise para aprovação se dá pelo preenchimento e assinatura do Coordenador ou do representante da Engenharia por meio do Roteiro para Análise Crítica de Documentos. Etapa 5 Recomenda-se que uma cópia atualizada do procedimento esteja disponível para os executantes no quadro de atividades ou junto ao posto de trabalho, após aprovação da Engenharia. Etapa 6 O processo de treinamento é composto de exposição teórica e prática do assunto. A parte prática deve ser conduzida preferencialmente pelo supervisor. O treinamento deve ser ministrado a cada nova revisão do procedimento. O instrutor também pode utilizar o recurso das Lições Ponto a Ponto para facilitar o treinamento. O treinamento deve ser registrado em lista de presença, permitindo identificar quem já foi treinado em determinado procedimento. Uma cópia da lista de presença deve ser encaminhada à área de Recursos Humanos, para controle e estatística dos treinamentos executados na empresa. 20. TREINAMENTOS Todos os técnicos, mecânicos, eletricistas, oficiais de manutenção e supervisores são contratados através de um sistema de RH que visa a busca de talentos. O Grupo ISS Property Services é reconhecido no mercado por ser preocupado com os seus empregados, e por investir no bem estar social dos mesmos e em treinamento. Todos os nossos empregados passam por um programa de treinamento interno ou externo de, no mínimo 88 horas/ano. Treinamentos que requerem certificação de um órgão independente, como por exemplo: trabalho a quente, serviço em altura, etc, são realizados por empresas / consultores externos. Os outros tipos, como Ar Condicionado, Elétrica, No-break, são realizados internamente pelos Laboratórios ou pelos profissionais chamados na organização de “multiplicadores”. Os principais cursos são (depende da modalidade de atendimento de cada funcionário): Treinamentos Técnicos: • Manutenção de condicionadores de ar (Chiller, Self-contained, Split-System, Torres de refrigeração, bombas, dentre outros); • Manutenção elétrica (alta e baixa tensão);

Página 22 de 26 Rua Dom Aguirre, 438 – Jd. Marajoara - (+5511) 2195- 8700 – São Paulo- SP – Brasil – CEP - 04671-903

• • • • • • • •

Instalações elétricas (comerciais e industriais); Hidráulica (residencial e comercial); Manutenção em No-Break e equipamentos eletrônicos; Manutenção em geradores; Pequenos reparos civis e manutenção hidráulica; Treinamentos de especialização em equipamentos específicos dos contratos; Treinamento de Serviço em Altura, à quente, etc; Treinamento de NR 10, NR 33 e outras normas Atendimento ao cliente; Relacionamento interpessoal; Supervisão e tomada de decisão; Gerenciamento da manutenção; Sistema de Qualidade e Meio Ambiente; Higiene e Segurança no trabalho e Utilização de EPIs.

Treinamentos Comportamentais: • • • • • •

21. SEGURANÇA DO TRABALHO A Política e o Programa de Segurança e Medicina do Trabalho da ISS tem por objetivo: Atendimento aos requisitos Legais Definir/atribuir responsabilidades aos colaboradores, em todos os níveis hierárquicos Padronizar e fornecer orientações para a prevenção e gerenciamento dos riscos de acidentes do trabalho e doenças ocupacionais Neutralizar ou minimizar riscos que possam causar lesões pessoais ou danos à saúde dos trabalhadores e à propriedade decorrentes de acidentes, incêndios, explosões ou outros sinistros. Em atendimento a legislação, NR 4, da Portaria 3.214/78, do Ministério do Trabalho, a ISS do Brasil Ltda., desenvolveu um programa de Segurança e Medicina do Trabalho, visando sempre o bem-estar de funcionários e clientes. Para administração e controle de todo sistema de Segurança, Medicina e Saúde no Trabalho mantemos um Programa de Gestão, coordenada pelo SESMT e acompanhada pelos Gerentes, Diretores e Presidência. Esse programa de gerenciamento dos riscos é composto dos seguintes trabalhos: Política de Segurança e Saúde no Trabalho; Programa de Segurança e Medicina do Trabalho, com atribuições de responsabilidades a todos os níveis;

Página 23 de 26 Rua Dom Aguirre, 438 – Jd. Marajoara - (+5511) 2195- 8700 – São Paulo- SP – Brasil – CEP - 04671-903

Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Gestores; Manual de Integração para novos colaboradores, com reciclagem anual; Manual de OS/ART especifico para cada cliente, com definição de EPI/EPC obrigatórios em cada fase da operação; Manual de Diálogos de Segurança - DDS; Manual de Primeiros Socorros e Cuidados à Saúde; Manual de especificação de EPI/EPC e fabricantes aprovados para fornecimento; Manual de Durabilidade Média dos EPI/EPC; Laudo Técnico das Condições Ambientais de Trabalho – LTCAT; Programa de Prevenção de Riscos Ambientais – PPRA; Programa de Controle Médico e Saúde Ocupacional – PCMSO; Programa de Conservação Auditiva – PCA; Programa de Proteção Respiratória – PPR; Perfil profissiográfico Previdenciário – PPP e outros O Departamento de Segurança e Medicina do Trabalho deve atuar de forma preventiva, com o apoio e suporte técnico aos Gestores. Deverá ainda realizar inspeções periódicas nos Setores, para assegurar o cumprimento dos requisitos legais, da Política e Programa de Segurança da ISS e dos Procedimentos internos da ISS e de seus clientes. Cada trabalhador é responsável pela sua segurança e pela segurança de seus colegas, cabe a cada colaborador identificar os riscos de acidentes ou a saúde, comunicar aos Setores competentes e ser persistente em sua solução. O cumprimento desta Política de Segurança e Saúde no Trabalho é uma atribuição inerente às funções de cada um. Aferição dos resultados e cumprimento do Programa: Todo programa é aferido por meio de: Inspeções e Auditorias periódicas, realizadas pelo SESMT da ISS, utilizando-se de Check List. As irregularidades encontradas são registradas em relatório complementar de inspeção, onde será definido prazo e responsável pela correção; Estatísticas de acidentes e doenças do trabalho; Reunião mensal com Gerentes Operacionais, Diretores e Presidência, para apresentação de resultados.

Página 24 de 26 Rua Dom Aguirre, 438 – Jd. Marajoara - (+5511) 2195- 8700 – São Paulo- SP – Brasil – CEP - 04671-903

A participação e execução do programa são de responsabilidade de todos colaboradores, com apoio da CIPA e do SESMT. Cabendo aos Gestores, Gerentes, Diretores e Presidência, participar, apoiar, gerar recursos e aferir resultados.

Página 25 de 26 Rua Dom Aguirre, 438 – Jd. Marajoara - (+5511) 2195- 8700 – São Paulo- SP – Brasil – CEP - 04671-903

22. TERMO DE ACEITAÇÃO Aceitamos os termos do edital e respectivos anexos recebidos da OI para a elaboração da proposta referente a esta concorrência, porém salientando as considerações descritas neste documento escopo detalhado proposta técnica MNT, visto que, existem observações por falta de informações e ou por não estarem mencionados no edital de forma especifica, a proposta comercial, organogramas enviados e nos demais documentos da proposta apresentada.

ISS FACILITY SERVICES CNPJ : 04.874.751/0001-98 Uma Empresa do Grupo ISS http://www.ISS-smv.com.br http://www.ISS.com.br

Página 26 de 26 Rua Dom Aguirre, 438 – Jd. Marajoara - (+5511) 2195- 8700 – São Paulo- SP – Brasil – CEP - 04671-903

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->