Você está na página 1de 9

Ensaio sobre a Dádiva de Marcel Mauss

Resumo para estudo

Ao examinar as formas de circulação dos bens em diferentes sociedades, Mauss se


dedicou em compreender o caráter livre e gratuito, mas ao mesmo tempo obrigatório e
interessado, dos atos de dar, receber e retribuir. Para Mauss a antítese do dom não é o
Mercado: as interações sociais são movidas por razões que ultrapassam os interesses
estritamente materiais.

O fio condutor dessa ótica é a noção de aliança que a dádiva produz, tanto as
matrimoniais quanto as políticas (trocas de chefes ou diferentes camadas sociais), religiosas
(como nos sacrifícios, entendidos como um relacionamento com os deuses), econômicas,
jurídicas e diplomáticas (incluindo-se aqui as relações pessoais de etiqueta e hospitalidade).

A Dádiva não inclui só presentes como também visitas, festas, comunhões, esmolas,
heranças, um sem número de “prestações” que podem ser “totais” ou “ agonísticas”. Neste
ensaio postula-se um entendimento da constituição da vida social por um constante dar-e-
receber, universalmente estas são obrigatórias, mas organizadas de modo particular em cada
caso (as variadas formas vão desde a retribuição pessoal à redistribuição de tributos).

Algumas trocas são, para Mauss, prerrogativas de chefias, receber tributo, por
exemplo, podendo ser socialmente construídas de modo diferente, como privilégios e
obrigações, etc. Sendo que, da chefia, freqüentemente, emanam valores que se estendem à
sociedade como um todo generalizando-se. A dádiva da palavra ou objetos é frequentemente
um dever da chefia, em um sentido ontológico: mais que condição necessária da sua
existência, são manifestações particulares da chefia que se criaram por diferentes formas de
troca.

Já na epígrafe do Ensaio exprime a dialética inerente à dádiva: A mesma troca que me


faz anfitrião faz-me também um hóspede em potencial. Isto ocorre porque “dar e receber”
implica não só uma troca material, mas também uma troca espiritual. É ainda neste sentido
ontológico que toda troca pressupõe, em maior ou menor gral, certa alienabilidade. Ao dar,
dou sempre algo de mim mesmo. Ao aceitar, o receber aceita ao do doador: a dádiva
aproxima-os, torna-os semelhantes.

O estudo de Mauss, debruça-se sobre “tragédias distributivas” fazendo uma crítica ao


paradigma utilitarista, no entanto, recusa alguns fundamentos como a noção de escassez. É
fundamental a sua contribuição, de que a vida social não é só circulação de bens, mas também
de pessoas (mulheres concebidas como dádivas em praticamente todos os sistemas de
parentesco conhecidos), nomes, palavras, visitas, títulos, festas, etc.

A noção de contrato seria universal, mas, ao contrário dos contratualistas anglo-


saxões, concebe os contratos como não individuais. Não se trata assim de acordos entre
indivíduos racionais, mas de regras da organização social primitiva. Mauss generaliza a noção
de contrato ao mesmo tempo em que a reformula. (Ele não utiliza o sentido de contrato entre
indivíduos, como faziam os filósofos dos séculos XVII e XVIII, e é exatamente esse contrato
maussiano que Lévi-Strauss substituirá pelo princípio de reciprocidade.)

Mauss também generaliza a noção de mercado. Ele supõe que o “mercado” sempre
existiu, recaindo sua atenção na diversidade das formas de troca. (É claro que o autor tem
consciência da importância de se pensar na especificidade do mercado ocidental.)

Entre suas maiores contribuições talvez estejam:

a) Mostrar os fatos que revelam que trocar é mesclar almas, permitindo a


comunicação entre os homens, a inter-subjetividade, a sociabilidade.
b) Regras estas que manifestam simultaneamente na moral, na literatura, no direito,
na religião, na economia, na política, na organização do parentesco e na estética.
Sendo assim a troca um fato social “total”.
c) As trocas são simultaneamente voluntárias e obrigatórias, interessadas e
desinteressadas, como eu dizia, mas também simultaneamente úteis e simbólicas.

Neste ínterim, como vimos, as trocas incluem bens mais ou menos alienáveis, assim
como bens economicamente úteis ou não. Podendo incluir “serviços militares, danças, festas,
gentilezas, banquetes, mulheres” em resumo, qualquer “circulação de riquezas” (incluindo-se
aqui as mulheres) é apenas um momento de um “contrato mais geral e muito mais
permanente” (MAUSS, 1974, p. 65).

Mauss chama esses diversos tipos de dádivas de “totais”. Uma forma, para ele,
“evoluída” e “agonística” de “prestação total”, seria o potlatch dos índios da costa noroeste da
América do Norte.

A troca também pode ai assumir a forma de destruição de riquezas, os escudos


brasonados de cobre jogados ao mar. No Potlatch, a troca de certo modo, substitui a guerra,
mas guardando um sentido de rivalidade: vence quem dá ou destrói mais, a “luta dos nobres”
é a luta dos grupos. Maus (1974, p. 47) reserva ao Potlatch a denominação: “prestação total de
tipo agonístico”, isto é, implica um desenvolvimento da rivalidade, uma maior
institucionalização da competição.

A OBRIGAÇÃO DE RETRIBUIR

Maus inicia seu estudo sobre a obrigação de retribuir na Polinésia, nesta interessa
especialmente ao autor a noção de mana. (noção também importante em partes da
Melanésia, tendo noções semelhantes, também, no Potlatch da costa noroeste americana,
implicando honra, prestígio e autoridade: não retribuir implica perda do mana).

Em Samoa (Polinésia) salienta-se a presença de uma classificação de bens e pessoas


em:
i) Tonga: feminino (são as esteiras de casamento herdadas pelas filhas, e
também, os tesouros, talismãs, brasões, tradições, cultos, rituais). Estes
poucos circulam. Proibições os impedem de serem repassados à qualquer um.
São bens de prestígios, carregados de mana. Estendemos aqui como os bens
móveis.
ii) Oloa: masculino. Entendemos estes aqui como os bens imóveis.
iii) Inalienável: alienável
iv) Autóctone: extrangeiro
v) Hau: o espírito das coisas
vi) Utu: o pagamento.

Analisando as noções nativas de mana e hau Mauss conclui que: “ o que, no presente
recebido e trocado, cria uma obrigação, é o fato que a coisa recebida não é inerte”. Neste
sistema, “ o doador tem uma ascendência sobre o beneficiário” (MAUSS, 1974, p. 54). A
transmissão cria um vínculo jurídico, moral, político, econômico, religioso e espiritual.

Maus observa também, que o sistema de Potlatch teria a finalidade de “fixar por
instantes” uma hierarquia. Sendo que em monarquias estáveis (como na maioria das
sociedades polinésias) não necessitam de instituições como o Potlatch . Assim os índios da
costa noroeste evoluíram da prestação total simples à prestação total agonística, os da
Polinésia teriam evoluído desta última à monarquia. Não sendo este raciocínio puramente
evolucionista, pois concede que uma sociedade pode se desenvolver em diferentes sentidos,
institucionalizando ora a dádiva, ora a centralização política.

Mauss ambiciona mostrar a generalidade da lógica da dádiva, por ele esboçada


anteriormente. Comenta que comparar civilizações não implica desvendar as “conexões” entre
elas.

No que trata-se a moeda, Mauss observa apenas a sua função de meio-de-troca (meio
de pagamento), mas não vê sua função de padrão geral de valor (medida de uso), isto é, não
parece estar ciente da especificidade da moeda capitalista como um “valor que generaliza” de
modo não hierárquico, concepção criticada por Malinowski (MAUSS, 1974, p. 75). Talvez seja
porque nas sociedades não-capitalistas, os valores só se generalizam de modo hierárquico (no
sentido de Dumont). Isto é, o valor de certos objeto pode não ser no sentido de sua
generalização quantitativa, como padrão ou medida de troca. Por exemplo, seu valor pode
estar em uma capacidade regenerativa milagrosa ou em uma capacidade emblemática para
representar todo um clã ou linhagem.

O que distingue a moeda capitalista das “moedas” hierárquicas é que estas são menos
alienáveis. (Talvez possamos dizer assim: possuem menos liquidez). No capitalismo a moeda
destrói as esferas de troca, acabando com a possibilidade de uma dessas esferas vir a ser
hierarquicamente superior. A divisão fundamental passa a ser entre o que é ou não é
mercadoria, isto é, passível de compra e venda, ser trocado por dinheiro; no mercado, a
moeda passa a ser uma medida geral. No capitalismo, a própria alienabilidade passa a ser um
valor; todos desejam a moeda por esta ser aquilo que pode, potencialmente, tudo alienar.
Quando Mauss refere-se em seu ensaio sobre as sociedades Melanésias, observa que
eles “não tem a idéia de venda [...] e contudo fazem operações jurídicas e econômicas que tem
idêntica função”. (apud SAPIR, 1994, P. 91). Diz-se o mesmo dos índios da costa noroeste da
América, que desenvolveram uma rica civilização material e espiritual, como demonstram, por
exemplo, suas esculturas, mas curiosamente, não conheciam nem a agricultura nem a
cerâmica.

Duas noções, no entanto, são mais bem evidenciadas que o potlatch melanésio ou que
nas instituições mais evoluídas ou mais decompostas da polinésia: é a noção de crédito, de
termo, e também a de honra.

“As dádivas circulam, como nós vimos, na Melanésia e na Polinésia, com a certeza de
que serão distribuídas, tendo como “garantia” a virtude da coisa dada que é, ela própria, essa
“garantia”. Mas, em toda a sociedade possível, é da natureza da dádiva obrigar a termo. Por
definição, uma refeição em comum, uma distribuição em kava, um talismã que se leva não
podem ser retribuídos imediatamente. O “tempo” é necessário para executar qualquer
contraprestação. A noção de termo está portanto logicamente implicada quando se trata de
retribuir visitas, contrair casamentos, alianças, estabelecer uma paz, participar de jogos e
combates regulamentados, celebrar festas alternativas, retribuir serviços rituais e de honra,
“manifestar respeitos” recíprocos, coisas que se trocam juntamente com coisas cada vez mais
numerosas e preciosas, à medida que essas sociedades são mais ricas.” (MAUSS, 2003, p. 236-
237).

JUROS

O fato de trocas tipo potlatch obedecerem a um “crescendo” foi entendido como uma
manifestação daquilo que concebemos como empréstimos a juros: deve-se sempre dar mais
do que se recebeu em um potlatch anterior. Mauss sugere substituir os termos dívidas,
pagamento, reembolso e empréstimo, mas mantém o de juros _ chega a falar em “taxas”
(apud SAPIR, 1994, p. 112). “Normalmente, o potlatch deve sempre ser retribuído com juros,
aliás toda dádiva deve ser retribuída dessa forma. As taxas são em Geral de 30% a 100% ao
ano.” (MAUSS, 2003, p. 249).

OUTROS INSIGHTS

O Potlatch sugere a Mauss outros insights, como o de jogo e aposta, mesmo entre nós,
são formas de potlatch: neles “empenham-se a honra e o crédito, não obstante faz-se circular
a riqueza”. Mauss supõe ainda haver uma associação universal entre troca e sacrifício (MAUSS,
1974, p. 99). Destruir seria uma forma de dar, uma forma muito específica porque evita a
retribuição (idem, p. 100). Do ponto de vista do doador, “dar já é destruir”, um sacrifício, logo
um modo de dar vida, da regeneração social. Ao destruir, tira-se a vida do objeto, mas recria-
se a vida do doador. (No noroeste da América a destruição pode ser pelo fogo (queimam-se as
casas do próprio grupo) ou atiram-se os cobres ao mar. Ao analisar o potlatch Mauss nota
ainda a associação entre troca e circulação de nomes. Dá-se um potlatch para ganhar, manter
ou recuperar um nome, geralmente nome de linhagem. Assim ganha-se reputação.
Os insights de Mauss não se limitam ao potlatch. O estudo das trocas permitem-no
relacionar o mana polinésio e melanésio ao “homem largo” da costa noroeste da América e à
autoridade romana. Nos três casos trata-se da associação entre honra e magia, prestígio e
riqueza.

Ao mesmo tempo o potlatch pode gerar escravidão (idem, p. 105), ou ainda, dá-se um
potlatch para se “resgatar cativos” (idem, p. 107). Em resumo, o potlatch indica como a dádiva
pode se ligar simultaneamente ao sacrifício, ao nome e à escravidão. Isso indica, entre outras
coisas, sua relevância para o entendimento das mais variadas sociedades, dos indígenas
amazônicos à Roma antiga. A autoridade é um conceito romano que não apenas ou não
fortuitamente lembra o de mana: há em torno de ambos semelhantes “arcabouços
institucionais”. Assim o nexum (idem, p. 112) é um conceito romano que lembra a “escravidão
por dívida” da costa noroeste; em ambas “empenha-se o nome”.

Mauss está consciente que apenas inicia comparações possíveis a partir da noção de
dádiva. As comparações que faz são bastante intuitivas e também bastante ousadas. Sugere
que o potlatch nos permite repensar o feudalismo europeu. Perder um potlach é tornar-se
escravo, ora vassalo. Em alguns casos, estabelece-se que para vencer um potlatch, torna-se
suserano, deve-se antes ter perdido, ter sido vassalo, recebido bens que seriam futuramente
dados (idem, p. 105). O entanto um chefe que perde um potlatch não perde totalmente sua
autoridade, pois é um intermediário; ele está então em condições de passar adiante algo da
alma, da identidade, do ser vencedor. O perdedor tem assim duas possibilidades: a primeira
seria, a partir dos valores que recebe e de outros que pode vir a acumular, tentar ganhar outro
potlatch no futuro; a segunda seria ainda passar a ser um representante do vitorioso, ainda
que tendo seu prestígio diminuído em relação a este.

DIREITOS E ECONOMIAS ANTIGAS

Mauss apóia-se neste capítulo, na filologia, mas reconhece os limites desse


empreendimento quando indica que não irá aprofundar sua “tentativa de reconstrução por
etimologia” (MAUSS, 1974, p. 147) e mostra-se consciente dos limites de sua preocupação com
origens (idem, p. 143-144) afirmando adiante que “nossa demonstração atual não nos obriga a
dosar estas múltiplas origens e a reconstituir hipoteticamente o sistema completo” (idem, p.
147).

Surge neste capítulo, a idéia que na sociedade capitalista, “entre nós”, a dádiva se
enfraquece, ao opor-se à obrigação e a prestação não-gratuita. Supõe-se que, do ponto de
vista moderno, a dádiva seria “demasiado dispendiosa e suntuária, assoberbada por
considerações pessoais, incompatível com o desenvolvimento do mercado e da produção”.
(idem, p. 143-144).

Ao mesmo tempo, ao abordar a instituição romana do nexum. Mauss nota que ela
fundaria as noções de crédito e penhor, estando a meio caminho entre a economia capitalista
e a da dádiva. Mauss (1974, p. 134) mostra que, no nexum romano, o credor se vincula ao
devedor como recipiente de uma dádiva ao seu doador: em uma relação de empréstimo, “o
indivíduo que recebeu a coisa é ele mesmo, ainda mais que comprado, aceito pelo
empréstimo; ou ainda, “o mero fato de ter aceito algo de alguém torna o indivíduo obrigado”
(ibidem)

Em Roma a moeda teria sido antes um “penhor”, depois um “valor”. Num primeiro
momento, não teríamos ainda a compra e a venda, mas a entrega de um bastão (de cobre)
junto com a coisa emprestada. Esse bastão foi posteriormente substituído pela moeda,
representando um título que empenhava o gado das gentes, e que tinha cunhada sua face.
Mauss apóia-se ainda, na etimologia e não instituição sociológica: vendere foi “originariamente
venum-dare” (idem, p.142).

Mauss sugere associarmos esses aspectos do vínculo (nexum) com o potlatch, ao fato
da família romana incluir os escravos e as coisas. Estas “coisas” se dividiam em res mancipi e
res nec mancipi, isto é, alienáveis ou não. Mauss afirma que a pecúnia, o gado, que ser tornou
moeda, pecúlio, era o bem alienável por excelência, isto é, o que menos representava a família
e a casa. Este estaria, segundo a classificação romana, mais do que qualquer outro bem da
família, próximo das “coisas que passam”, comerciáveis.

TRADIÇÃO

Mauss nota a associação entre essas “coisas que passam” e a idéia de tradição. Sendo
a raiz dessa palavra a mesma que significa “comércio” em inglês (trade). A idéia é que as
coisas criam vínculos espirituais: tradição. Neste sentido, tradição é o que fica daquilo que
passa.

Mauss, também, nota que a noção romana de réu, antes de assumir o sentido de
“culpado”, indicava o homem possuído pela coisa. A “inferioridade espiritual” que
caracterizaria aquele que recebe algo seria uma “quase culpa”. (idem, p. 140).

O autor comenta sobre a distinção dos direitos pessoais e direitos reais, dizendo que
estes foram inventados pelos romanos e os gregos, talvez depois dos semitas do Norte e do
Oeste, separaram a venda da dádiva e da troca, isolaram a obrigação moral e o contrato, e
sobretudo, conceberam a diferença entre ritos, direitos e interesses. Foram estes que, “por
uma verdadeira, grande e venerável revolução ultrapassaram uma moralidade envelhecida e
uma economia da dádiva [... ]” (MAUSS, 2003, p. 276)

Mauss, aborda ainda adiante o direito hindu clássico (idem, p. 277-287), do qual há
numerosas fontes escritas, verdadeiras “epopéias da dádiva”, até hoje “extremamente
populares na índia” (idem, p. 144-145). Aborda o direito germânico, dizendo que “a civilização
germânica, existiu por muito tempo sem mercados, nela a noção e mesmo as palavras preço
de compra e venda parecem ser de origem recente. Mas antigamente, ela desenvolveu ao
extremo todo o sistema de potlatch, mas sobretudo o sistema de dádivas[...]” (idem, p. 288).
Umas das instituições germânicas mais importantes é a necessidade de caução em todo tipo
de contratos, sendo que “ a caução permite aos contratantes do direito germânico agir um
sobre o outro, já que possui algo do outro, já que o outro, tendo sido proprietário da coisa,
pode tê-la enfeitiçado, e já que a caução, com freqüência um objeto cortado em dois, era
guardada em metade por cada um dos contratantes”. (idem, p. 290). “[...] outro aspecto
demonstra o perigo que há em receber a caução. Pois não é somente quem dá que se
compromete, quem recebe também se obriga. [...] (idem, p. 291). Sendo que este penhor teria
dado origem a própria palavra salário (wadium, wage).

Também na civilização chinesa reconhece o vínculo entre o doador e o bem dado


“mesmo hoje em dia” (MAUSS, 1974, p. 161). Também lá “aceitar um presente é perigoso”. No
que tange a civilização chinesa Mauss se aproxima das reflexões de Karl Polanyi (1980) a
respeito da mercantilização da terra, quando observa que “na história humana a venda
definitiva da terra é muito recente” sento por isto “normal que a terra escape ao direito e à
economia do capital” (1974, p. 161, nota 125). Isso explicaria, em parte, a força do movimento
comunista chinês e da nossa reforma agrária: nada menos capitalista que uma dádiva do
Estado.

SOCIEDADES MODERNAS

Para nosso autor (tanto para Marx) estas se definem pelo papel central das relações de
compra e venda. No entanto Mauss ressalta que “não temos apenas uma moral de
comerciantes” Não é apenas o hábito de presentear, oferecer hospitalidade ou dar festas que
permanece entre nós, mas toda uma moral, derivada da intersubjetividade que estas relações
implicam. Que haveria para ele um resquício da moralidade da dádiva no fato de os
trabalhadores _ denominados para ele “produtores” _ terem “vontade de seguir a coisa que
produziram” e “ a sensação aguda de que seu trabalho é revendido sem que tomem parte no
lucro” (neste momento do texto Mauss faz uma defesa do socialismo).

A sugestão da “conclusão” do Ensaio é a de que o trabalho é sempre uma dádiva, em


qualquer sociedade, capitalista (onde ele é também uma mercadoria) ou não. Essa tese segue
a tradição da escola de Durkheim de se opor às análises de Marx da sociedade capitalista, pois,
se verdadeira, implicaria a possibilidade de o operário ser ele mesmo o agente
_simultaneamente voluntário e involuntário_ da entrega de uma parte de si mesmo ao
industrial. (Para Marx a entrega não deixa de ocorrer, mas não se trata de dádiva e sim algum
tipo de apropriação, que talvez merecesse ser lida como extorsão). Maus, fomenta maiores
estudos na questão de haver realmente um aspecto da dádiva na lógica da mercadoria, do
trabalho e de suas representações nas sociedades capitalistas.

Entre sua concepção de socialismo implicaria:

a) A defesa de mecanismos de legislação social e de redistribuição social estatal, da


importação e arrecadação de tributos. (que segundo Lanna (1995) não deixam de
ser prestações totais, assemelhados assim às dádivas)
b) Um pedido (talvez ingênuo) para “os ricos” terem “boa fé”, sensibilidade e
generosidade nos contratos de aluguel, ou “caridade, solidariedade”,
reconhecerem “ o interesse que existe no dar” e o fato de que, “voltem a
considerar-se como espécie de tesoureiros de seus concidadãos” apela-se para
que “os ricos” voltem às práticas de “despesa nobre” (MAUSS, 1974, p. 167)
c) O argumento de que “os grupos devem agir” , isto é, os sindicatos devem,
enquanto associação voluntária, defender “seus interesses” (idem, p. 168), devem
participar do progresso, da lógica individualista. Da mesma forma, os artistas
devem assumir seu direito a posse de suas criações, estas não sendo apenas
dádivas, mas algo que pode ser vendido. Há uma defesa da arte; ela não perderia
seu valor mágico se se tornasse cada vez mais, uma mercadoria.
d) Uma defesa da previdência privada e de que “o custo da segurança trabalhista
fizesse parte das despesas gerais de cada indústria em particular” (idem, p. 166)
(Este pensamento é mais liberal do que socialista, no entanto, liga à percepção de
que os trabalhadores merecem mais do que o seu salário).

Mauss nos ensina a não associar o econômico à circulação do útil. Há “instituições


econômicas”, como a “divisão do trabalho”, mesmo em “sociedades infinitamente menos
evoluídas” (idem, p. 173). Mesmo assim não devemos supor a inexistência de uma esfera da
economia com um desenvolvimento caracteristicamente moderno: o mercado, como nos
ensina Dumont (1977)

Mauss também relata a que a teoria comparada, econômica ou não, deve antes
demais nada iniciar-se pela etnografia. Nada seria mais urgente e frutífero do que encontrar
fatos novos para enriquecer o estudo comparativo. Este seria o elogio maussiano ao estudo
concreto.

Para finalizar, Mauss argumenta que a dádiva implicaria mais felicidade e menos
seriedade (idem, p. 182). Neste sentido, o paralelo entre Mauss e Marx é evidente: para este o
capitalismo se autodestruiria, e seria sucedido por uma sociedade mais igualitária. Para Mauss,
trata-se menos de substituir as formas capitalistas de produção de desigualdades e muito mais
de estimular a produção de desigualdades a partir da dádiva, de tal forma que estas se
sobrepusessem gradualmente àquelas. (Se Mauss é, de certo modo, mais pessimista que Marx,
Lévi-Strauss o é ainda mais que ambos: para o último, quanto mais troca, seja ela de qual tipo
for, mais exploração).

Para Lanna (2000, p. 192) “[...] o tom otimista da “Conclusão” parece se justificar
minimamente pelo fato de Mauss nos ensinar algo, ao meu ver, absolutamente funda-mental:
a felicidade humana não está em outra parte que não no dar e receber, “ no respeito mútuo e
na generosidade recíproca”.

REFERÊNCIAS

FREITAS, Alexandre Simão de. As contribuições de Marcel Mauss para uma sociologia crítica da
formação humana.

LANNA, Marcos. Nota sobre Marcel Mauss e o Ensaio sobre a Dádiva. Rev. Sociol. Polít.
Curitiba, 14: p. 173-194. Jun. 2000.
MAUSS, Marcel. Ensaio sobre a dádiva. In:______________. Sociologia e Antropologia. São
Paulo: Cosac Naify, 2003. p. 183-314.

MAUSS, M. 1974 [1923-23]. Ensaio sobre a dádiva. Forma e razão da troca nas sociedades
arcaicas. In: ___________ . Sociologia e Antropologia. v. II. São Paulo: Edusp.

Você também pode gostar