P. 1
DEFESA DE HITLER

DEFESA DE HITLER

5.0

|Views: 13.334|Likes:
Publicado porvulcanobh
Aegumentos Pro e Contra Hitler para ser utilizado em debates e julgamentos simulados em escolas
Aegumentos Pro e Contra Hitler para ser utilizado em debates e julgamentos simulados em escolas

More info:

Published by: vulcanobh on Aug 12, 2008
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

04/03/2013

pdf

text

original

DEFESA DE HITLER

1) Panorama Histórico: Um julgamento predispõe um procedimento, uma maneira de fazer algo, cercado do mínimo de justiça possível e pautado em límpida lógica. Não podemos então julgar uma personalidade histórica sem antes compreender o tempo em que viveu. Para tanto, devemos pesquisar nas diversas fontes quais as circunstâncias, os fatos relevantes, a mentalidade de um povo e suas necessidades em determinado momento. Julgar Hitler hoje esconde em si um problema. Considerando que a história sempre é contada pelo vitorioso, temos que nossas fontes históricas podem ter sido direcionadas a uma versão: a versão do vitorioso. No entanto, devemos admitir que é possível encontrar versões dos perdedores. O que não se faz com grande facilidade em virtude do alcance e da profundidade que nos propomos no início deste trabalho. Como fatores relevantes ao momento em que pretendemos voltar, podemos enumerá-los da seguinte forma:
I. Com o fim da I Grande Guerra, a Alemanha ficou sujeita a uma política de indenizações e reparações insuportável, injusta e maquiavélica. II. O dito Tratado de Versalhes não foi um tratado, como entendemos hoje. Um tratado para ser considerado como tal deve partir da livre e espontânea vontade dos seus contratantes, o que não ocorreu em Versalhes, onde os representantes alemães foram coagidos a assinálo. III. Em virtude do crescente endividamento alemão, da política de indenizações desonesta, somado aos prejuízos naturalmente advindos do envolvimento na I Grande Guerra, a economia alemã encontravase em ruínas. Os registros apontam para a inflação na ordem de 1500% ao ano, confluindo para uma situação onde queimar dinheiro para se aquecer era melhor do que comprar lenha. E o dinheiro valia mais vendido como papel, do que com o próprio valor monetário. IV. Considerando o cenário crítico em que a Alemanha se encontrava, fértil era o terreno para uma ideologia que apontasse no sentido de que a bonança para o povo alemão viria a partir da sua união. Relembrando os tópicos anteriores, ficou fácil de atribuir a culpa de todos os problemas da Alemanha a elementos estrangeiros. A ideologia nacionalista fortificou-se à medida que alcançava o respaldo de intelectuais alemães, para logo em seguida ser distorcida em um nacionalismo exacerbado, onde os próprios nacionais que se enquadravam como estrangeiros (homossexuais, aleijados, doentes mentais bem como os judeus) deveriam ser extirpados. V. Lebensraun (espaço vital) – Esta doutrina consistia na justificativa para expansão alemã por todo o território que desejasse. Se o povo alemão, o ariano puro, era considerado a melhor raça humana do planeta, esta tinha o dever de liderar a evolução mundial. Para tal, era plenamente justificável apoderar-se dos recursos e matérias-prima que pertenciam a outros povos, notadamente, não arianos. VI. Socialismo de direita – Com a ascensão do partido nazista, a doutrina do socialismo estatizante moldou a ascensão política de Hitler. De forma diversa do socialismo soviético que pregava todo poder ao estado e inclusive o domínio dos meios de produção, o socialismo alemão, embora fosse estatizante, reconhecia a propriedade privada bem como a produção industrial capitalista (lembrar do filme A Lista de Schindler).

2) Argumentos: Defesa
I. Humanizar Hitler, apagar a imagem de monstro mostrando que ele era filho de alguém, também ficava doente, era católico, tinha família, era artista e tinha muitos amigos.

Hitler, desde pequeno, era um sonhador. Com suas tendências artísticas, ele sonhava ingressar na Academia de Belas-Artes de Viena. Tinha um pai, Alois Hitler, que tratava sua família com a mesma tirania que trabalhava na Alfândega, o que refletiu seriamente em seu comportamento. Foi reprovado 2 (duas) vezes pela Academia de Belas-Artes de Viena. Na 2ª reprovação, estava tão certo da aprovação, que a notícia foi como uma punhalada no seu coração. Uma decepção que foi seguida de outra bastante pior, a morte de sua mãe, Klara Pöltz. Isso tudo ocorreu antes que Hitler, sequer, completasse seus 18 anos, deixando seu lado emocional fortemente abalado. Muitos podem dizer que isso é apenas uma desculpa ou uma ideologia para inocentar Hitler, mas, para esses mesmos, “Do rio, que tudo arrasta, se diz violento. Mas, não dizem violentas, as margens que o oprimem” – Bertolt Brecht. Hitler se destacou no Exército alemão por ser sempre os voluntários para os piores trabalhos. Além disso, todos os registros do Exército alemão o qualificavam como dedicado, leal e corajoso. Ele lutava por uma causa e nenhum soldado luta tão bem quanto aquele que realmente acredita em sua missão. Foi promovido a cabo e condecorado duas vezes com a Cruz de Ferro.
II. Hitler foi um bode expiatório de uma ideologia que ele não criou, foi apenas o porta-voz. Por trás dele, estão os verdadeiros culpados. Lembrar que Hitler foi um Chanceler eleito, e não um ditador que impôs suas idéias. Hitler convenceu as pessoas e não as obrigou a acreditar nele. Quem é mais responsável: o líder ou quem o elegeu?

É interessante notar que as pessoas gostam de afirmar que Hitler era maquiavélico por criar a teoria ariana e aplicá-la. Mal sabem estas pessoas que esta teoria foi criada em 257 e que já era um preconceito comum naquela época, sobretudo entre quem se considerava parte de uma sociedade bem-educada e de respeitabilidade da Alemanha e da Áustria. Inclusive, um importante meio de comunicação dos tempos de criança de Hitler, a revista Ostara, abordava o tema freqüentemente em que afirmava ser o louro povo alemão (os arianos, como eram então chamados) uma raça superior, e que todos os problemas da sociedade eram por causa da contaminação dessa com outras mais escuras. Portanto, prezado júri, se engana quem acha que Hitler era um homem inigualável por sua crueldade. Se não fosse ele, algum outro austríaco ou alemão assumiria o Governo e perseguiria os judeus da

mesma forma, com risco de não fazer a metade do que Hitler fez pela Alemanha. A maioria das pessoas realmente acredita que foi Hitler o culpado pelo genocídio dos judeus. O que falta nessas pessoas é, certamente, um estudo mais aprofundado sobre a II Guerra Mundial, que vai muito além de apenas programas de TV. Hitler inspirou e ordenou a famosa “solução final para a questão judaica”. Mas foi o quieto, metódico e bem-educado dr. Joseph Goebbels quem definiu o significado da “solução”. De acordo com o historiador Robert Herzstein, “Goebbels sempre havia sido o ÚNICO alto líder nazista a insistir na necessidade de realmente se promover o extermínio dos judeus”. Abaixo está transcrito a opinião de um cidadão do que Hitler significava para o povo alemão: “(Hitler) ergueu-se da nossa necessidade mais profunda, quando o povo alemão estava a beira de um colapso total. Ele é uma daquelas figuras brilhantes que sempre surgem no mundo germânico, quando este chegou a uma crise final do corpo, da mente e da alma.”
III. Indicadores econômicos e sociais da Alemanha melhoraram com sua ascensão ao poder: educação, lazer, saúde.

Além disso, é fato incontestável que Hitler, quando assumiu o Governo, cumpriu muito do que havia prometido. As reformas que empreendeu foram amplamente bem-sucedidas, resolvendo muitos dos grandes problemas do país. Em apenas três anos de governo, a renda nacional dobrou, o desemprego quase desapareceu e a produção aumentou em cerca de um terço. Com essa gloriosa recuperação econômica da Alemanha, que há menos de 5 anos tinha uma moeda que valia 1/70.000 dólar, muitos alemães começaram a encará-lo como um predestinado.
IV. Toda defesa boa tem uma parte da acusação. Aqui é que reside a genialidade do defensor. Deve-se procurar ao máximo e sempre que possível informar aos jurados que o exercício da defesa é feito aqui, nunca como sinônimo de simpatia pela conduta do acusado. (Dizer o seguinte: Estou defendendo Hitler apenas para que ela tenha um julgamento justo, o que não quer dizer que eu concorde com o que ele fez). Sabemos das atrocidades cometidas pelo Exército Alemão, mas atribuí-las todas a um único homem seria um exercício de ignorância e estupidez. De quem não conhece a história e os fatos.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->