P. 1
"Guerra do Fogo"

"Guerra do Fogo"

|Views: 2.664|Likes:
Publicado porFátima Fonseca
Grelha fílmica da "Guerra do fogo"
Grelha fílmica da "Guerra do fogo"

More info:

Published by: Fátima Fonseca on Jan 18, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

03/21/2013

pdf

text

original

Curso: Unidade Curricular: Professor: Estudante: Obra cinematográfica

:

Licenciatura em Educação Socioprofissional Técnicas de Animação de Grupo Carlos Jorge De Sá Pinto Correia Fátima Fonseca “A Guerra do fogo” Grelha de Observação e Análise de Sequências Fílmicas

Considere as sequências de imagens como… Uma linguagem; um produto histórico e um veículo de comunicação Ficha Técnica Grelha de observação e análise de sequências fílmicas. Análise Globalizante Exposição das O filme decorre nos tempos pré – históricos em torno da descoberta do fogo, da sua utilização e do seu ideias fabrico, a luta pela sobrevivência, a alimentação, a relação entre os grupos, a hierarquia no seio do próprio principais grupo, a evolução de cada grupo, a cultura, a comunicação, as emoções, os instintos, os afectos e as aprendizagens sociais.

Apresentação dos aspectos positivos / negativos

Os principais aspectos positivos retratados no filme são o fogo e toda a técnica envolvente, a linguagem e o afecto como descoberta e como dinâmica de relações emocionais. Através do fogo e da capacidade que os indivíduos adquiriram para o produzir surge a técnica que todo este procedimento envolvia. O uso do fogo permitiu ao homem um maior domínio sobre a natureza assegurando assim o seu conforto e a sua sobrevivência, através do calor, do cozinhar os alimentos e do afastar os animais selvagens. A linguagem surge na eminência da necessidade de comunicar. Havendo uma forma de comunicação, é possível fluir o pensamento, as ideias, os acontecimentos e as vontades tornando assim comum a todos. Isto é socializar. Com a comunicação estabelece-se coesão no grupo, implantando-se assim o espírito de solidariedade e cooperação. Com este tipo de esforço conjunto dá-se inicio a um longo percurso que se chama progresso humano. Um outro aspecto positivo no filme é a questão do afecto. Inicialmente começou como uma relação de domínio e forma de atingir algo e termina num estado afectivo e de reprodução. A luta pela sobrevivência, a agressividade, o domínio territorial e a procura pela alimentação, não podem ser considerados aspectos negativos. No entanto, são as características menos positivas, assim como, as relações sexuais que era meramente factor reprodutor sem qualquer envolvência afectiva sendo meramente uma descarga energética.

Pertinência pedagógica

No filme visionado é-nos retratado as nossas origens, os primeiros passos para a evolução que se segui até aos dias de hoje. No decorrer do filme surge perguntas quanto à nossa diferença dos restantes animais e o porquê da diferença comportamental entre indivíduos se somos todos membros constituintes da humanidade? A resposta surge. É a cultura, a forma como cada um interpreta e transforma o meio envolvente e no qual está inserido. Podemos ainda perceber que o fim que damos ás descobertas é que constitui perigo para a humanidade e não a descoberta em si. A visualização do filme faz-nos perceber de forma clara e objectiva as nossas origens sem grande apelo à imaginação, assim como, os processos de aprendizagem. Tempo primitivo; O fogo; Aprendizagens sociais e luta pela sobrevivência.

Palavras-chave Descrição do contexto e das situações/ reconstrução da temática (história)

Análise Concentrada O filme a guerra do fogo retrata inicialmente as vivencias de dois grupos hominídeos. O primeiro grupo era composto por elementos pouco mais evoluídos que os macacos, o seu corpo era coberto de pêlo. Comunicavam através de grunhidos e gestos. Viviam numa caverna, algo cedido pela natureza e viam no fogo algo sobrenatural, não sabiam o que era nem como se produzia. O segundo grupo, por sua vez, era um pouco mais evoluído. Possuía alguma comunicação, ainda que rudimentar e tinham capacidade de produzir fogo, verificando-se, portanto, algumas práticas mais complexas. Nas primeiras cenas do filme, o primeiro grupo, que até então habitavam a sua caverna natural tendo como principal actividade manter a chama acesa é atacado pelo segundo grupo. Trava-se então uma guerra sangrenta que quando terminada estes apercebem-se de que o fogo se apagou. É então que após momentos de troca de impressões são eleitos três elementos para irem em busca de fogo. Aqui verifica-se a existência de alguma hierarquia dentro do grupo, assim como de liderança. Iniciada a busca estes são expostos a perigos recorrendo a determinada altura ao cume de uma árvore para assegurar a sua sobrevivência. Passada esta etapa, conhecem uma fêmea de um grupo mais evoluído. O quarto elemento veio permitir aos homens novas aprendizagens. A mulher é dotada de uma linguagem mais elaborada e permite novas aprendizagens sociais - o riso! Pelo facto da linguagem ser mais elaborada, permite que ao grupo do qual a mulher faz parte ser mais evoluído e mais organizado, havendo um entendimento mútuo. É um grupo que detém várias técnicas ao nível da caça, de defesa pessoal, armadilhas (areias movediças), arquitectura. Quanto à saúde detinham conhecimento de como aplicar cataplasmas e na alimentação já tinham recipientes que lhes permitia armazenar a comida. A convivência permitiu à rapariga e a um elemento masculino do primeiro grupo desenvolver uma empatia afectiva, culminando no acto sexual. Este ao invés de ser algo animalesco com a mulher a ser tomada de uma forma fria, foi um momento de ternura, onde a mulher lhe demonstrou afecto e uma outra forma de copular sendo com o rosto virado um para o outro onde as emoções e o prazer nutrido de afecto esteve presente. Quando os três elementos têm contacto com o grupo da mulher apercebem-se das diferenças existentes. Para além da linguagem constatam que também as construções eram diferentes e que os seus corpos não eram cobertos de pêlo mas sim pintados, havendo assim a presença de uma preocupação estética. Apercebem-se, também, do uso de novas ferramentas e da produção do fogo. Que era possível produzi-lo através da fricção de uma vareta de madeira e uma base do mesmo material. O filme para além de representar a descoberta do fogo sensibiliza-nos para o inicio da nossa civilização, das aprendizagens, do choque de culturas, da luta pela sobrevivência, a família, a tecnologia, a demarcação de território, os afectos como meio de abolição do sexo animalesco pela ternura da maternidade.

Autoavaliação

O filme dá-nos a conhecer toda a evolução da espécie humana ao longo dos séculos, desde que começou a ser evidente as diferencias dos outros animais, nomeadamente dos macacos, a evolução da comunicação, numa primeira fase entre os membros do grupo, e em seguida a comunicação entre os vários grupos de hominídeos. A procura de alimento para assegurar a sobrevivência, através de plantas e animais, isto é os recursos disponíveis na natureza. Numa visão mais ampla, a ideia principal que fica é de que o homem adaptou-se ao meio conforme as necessidades que sentia, e encontrou, também, novas maneiras e técnicas para superar essas mesmas dificuldades, criando-se assim várias culturas. A ideia que fica é que a principal preocupação do Homem, ao longo da sua existência, foi assegurar a sua sobrevivência e através dos métodos escolhidos evoluiu. Actualmente o Homem mantém essa preocupação em manter a sua sobrevivência, a sua segurança e o seu bem - estar. No entanto a descoberta do Homem é uma constante que acaba por em causa a teoria de Charles Darwin quanto à selecção natural da espécie.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->