P. 1
História do Livro

História do Livro

|Views: 436|Likes:
Publicado porAna Lopes

More info:

Published by: Ana Lopes on Jan 19, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

11/25/2013

pdf

text

original

História do Livro: do manuscrito ao digital

A história do livro em 30 minutos A história do livro em 30 minutos
Passagem da oralidade à escrita(Primeiros documentos encontrados Passagem da oralidade à escrita(Primeiros documentos encontrados são documentos avulso (rendas, tratados, etc.) ² documentos do tipo são documentos avulso (rendas, tratados, etc.) ² documentos do tipo social, económico ² são encontrados fundamentalmente na social, económico ² são encontrados fundamentalmente na Mesopotâmia.) Mesopotâmia.) Passagem do rolo ao códice(Momento mais oriental que o primeiro) Passagem do rolo ao códice(Momento mais oriental que o primeiro) Reprodução dos livros através da imprensa(Preço e difusão social Reprodução dos livros através da imprensa(Preço e difusão social mudam drasticamente) mudam drasticamente) Aparecimento do livro electrónico (Momento actual) Aparecimento do livro electrónico (Momento actual) A História do Livro é uma história de inovações técnicas que permitiram a melhora da conservação dos livros e do acesso à informação, da facilidade em manuseá -los e produzi-los. Na Antiguidade surge a escrita, posteriormente ao texto e ao livro. A escrita consiste de um código capaz de transmitir e conservar noções abstractas ou valores concretos, em resumo, palavras. Tabuinhas de Argila ² criaram todo um sistema de organização e escrita de livro.

PAPIRO
Planta que cresce nas margens do Nilo, de caule alto, fibrosa, que era prensada Egipto exportava para o resto do mediterrâneo Livro tinha aspecto de rolo (volumen) Exemplares mais antigos datam de 3000 a.C., tendo a produção praticamento parado da segunda parte do século X. Papiros Latinos ou Gregos ² não existem volumen, somente fragmentos de papiro, devido às condições climatéricas das zonas em questão. Tabuinhas enceradas ² Blocos de notas, escritos com estiletos, feitos com cera. São os primeiros elementos com formato de livro.

1

foi uma óptima tendência porque se conservava durante mais tempo.O códex surgiu entre os gregos como forma de codificar as leis. Designado em latim como membrana. o seu acervo passou a integrar a biblioteca de Alexandria. Usado como principal suporte de escrita na Idade Média: . O ´volumenµ também foi substituido pelo códex. Marco Aurélio ofereceu o espólio da biblioteca de Pérgamo a Cleópatra do Egito como presente de casam ento e. que era uma compilação de páginas. Mais fácil de arranjar . que era feito de couro de carneiro. o povo de Pérgamo criou uma alternativa ao papiro. o pergaminho. pois a partir de então tornou -se mais fácil distribuir informações em forma escrita. assim. O uso do formato códex (ou códice) e do pergaminho era complementar. bastante mais parecidas com aquilo a que chamamos livro hoje em dia. Diz a lenda que os egípcios.PERGAMINHO Suporte de escrita que destronou o papiro. Rolos escritos com linhas paralelas ao lado mais pequeno do pergaminho. Pequenos cadernos de pergaminho mencionados em textos anteriores à Era Cristã. Por vezes é dificil descobrir o animal de que é feito. Acredita-se que o sucesso da religião cristã se deve em grande parte ao surgimento do códice. deixaram de exportar papiro para lá e. É uma excerto de couro bovino ou de outros animais que é colocado em cal para tirar os pêlos. assim. esticada. O declínio da biblioteca teve início quando Pérgamo passou para o domínio romano. a sua maior rival. Maior resistência e durabilidade 2 . pois era muito mais fácil costurar códices de pergaminho do que de papiro. sob tensão para secar. mas foi aperfeiçoado pelos romanos nos primeiros anos da Era Cristã. com medo da dimensão que a biblioteca de Pérgamo vinha tomando. tinha maior capacidade de resistência e permitia a mais longa duração dos documentos.

Também surge a pontuação no texto. rompendo assim com o monopólio do latim na literatura. e passa a ser considerado em si como um objecto de salvação. Conhecido na Penínsla Ibérica desde o século X. Também aparecem índices. A característica mais marcante da Idade Média é o surgimento do monges copistas. por causa do excessivo fervor religioso. O papel produzido após a proclamação da invenção. misturados com água faziam a pasta de papel. Apareceram nessa época os textos didácticos. PAPEL Na China os livros eram feitos com conchas e cascos de tartaruga e posteriormente em bambu e seda. era metido numa forma e assim prensado e seco e depois impermeabilizado num banho de cola. II d. herdeiros dos escribas egípcios ou dos libraii romanos. e assim para a Europa. Estes dois últimos antecederam a descoberta do papel. Progressivamente aparecem livros em outras línguas. 3 . O livro continua a sua evolução com o aparecimento de margens e páginas em branco. O papel era fabricado da seguinte forma: pedaços de linho desfiados. unicamente pela matériaprima utilizada.C. destinados à formação dos religiosos. sumários e resumos. os chineses começaram a produzir um papel de seda branco próprio para pintura e para escrita. bem como o uso de letras maiúsculas. diferenciava -se desse. O papel passa a substituir o pergaminho.Idade Média Na Idade Média o livro sofre um pouco. homens dedicados em período integral a reproduzir as obras. Suporte de origem vegetal inventado na China (séc. na Europa. São os árabes que trazem o papel para a Península Ibérica. Designado na Idade Média por charta. Por volta do século VI a. charta papyri ou papiro. apanhava-se a ´polpaµ com uma peneira especial. através dos árabes que o difundem no Ocidente.) Conhecido fora da China em 751.C.

cal. desenvolvida porJohannes Gutenberg. a imprensa de caracteres móveis. composto por páginas encadernadas. a imprensa de caracteres móveis. Em Ciências da Informação o o livro tem o nome publicação unitária. er polido com pedra -pomes Texto original ² scriptio inferior ou antiquior Texto novo ² scriptio superior ou recentior Maioria dos palimpsestos latinos data de entre os séculos VII e IX 4 . de monografia. há um passo importante nafoi do livro. há um passo importante na história No fim tecnologia que provocaria XV. LIVRO volume transportável. que forma uma context texto manuscrito impresso e/ou imagens. Em Ciências da Informação livro tem o nome de monografia. que forma uma publicação unitária.século XV. context texto manuscrito ouou impresso e/ou imagens. etc. PALIMPSESTOS ou CODICES RESCRIPTI Etimologicamente ² raspado de novo Pergaminho raspado ou posto de molho em leite esfregado com uma esponja e coberto com uma substância em pó (farinh a.) quando seco.No fim da Idade Média.século uma revolução cultural moderna história do livro. composto por páginas encadernadas. Razões para a mudança de formato: Práticas: Facilidade de manejo e consulta Maior comodidade de leitua Maior capacidade de conteúdo textual Difusão do pergaminho favorece a sua adopção Sociológicas: Relacionado com o maior peso social de estratos de população de origem modesta Escasso nível cultural Volumen ² cultura estatal e pagã Códice ² forma de distinguir textos cristão de textos pagãos LIVRO ² ² volume transportável. a tecnologia que provocaria uma revolução cultural moderna foi desenvolvida porJohannes Gutenberg. a da Idade Média.

permitindo Contra-marca ² situados num dos ângulos da metade da folha. que trouxeram grandes danos aos códixes. Matéria subjectiva (suportes) : Matériap Papiro (suportes) : subjectiva p Papiro p Pergaminho p Pergaminho p Papel p Papel Matéria Aparente (tintas) : Matériap Tintas Negras : Aparente (tintas) p Tintas Negras p Tintas de Cor p Tintas de Matéria Instrumental : Cor Matériap Instrumentos usados para escrever. e auxiliares de escrita Instrumental : p Instrumentos usados para escrever. distinguir fabricantes que usem filigranas iguais. emblema ou marca do fabricante Filigrana ² origem italiana. filigranas de cada forma não são exactamente iguais.  Século XX ² fotografia com fluorescência  Século XXI ² restauração virtual Filigrana ² origem italiana. filigranas de cada Sinais Gémeos ² duas formas a ser usadas em simultâneo. permitindo distinguir fabricantes que usem filigranas iguais. em tempos de dificuldades económicas (Mosteiro de Bobbo. como as soluções de noz de galha. Sinais Gémeos ² duas formas a ser usadas em simultâneo. Processos para ler textos apagados:  Até ao século XIX ² uso de produtos químicos. forma não são exactamente iguais. e auxiliares de escrita 5 . emblema ou marca do fabricante Contra-marca ² situados num dos ângulos da metade da folha.Razões desta prática:  Perda de interesse pelo conteúdo ou incompreensão do texto  Existência de outros livros com idênticos conteúdos  Necessidade de aproveitar o suporte de livros deixados de usar para escrever obras necessárias. de onde provém metade dos palimpsestos conhecidos italianos).

minerais ou orgânicos 6 .Matéria Aparente p Tintas Negras ² tinta para escrever p Tintas de Cor ² tinta para decorar Tintas Negras Tintas de Carbono:  Compostas po elementos orgânicos calcinados + fixador  Não oxidam e são facilmente deléveis  Não atacam o suporte. s ó destronadas pelas tintas de fabrico industrial Tintas Incompletas:  Tintas de tipo metalo-gálicas a que falta algum elemento Tintas Mistas:  Associam elementos orgânicos calcinados às nozes de galha Tintas de Cor  Usadas sobretudo na decoração dos manuscritos e nos títulos e caldeirões  Obtidos através da adição de diversos corantes. ou no Ocidente para pintura. Tintas Metalo-gálicas:  Feitas com noz de galha + sal metálico + goma arábica + meio líquido. de preferência ácido (vinho branco ou vinagre)  Mais usadas no ocidente medieval e moderno. mas também não penetram profundamente nele  Usadas sobretudo no Oriente.

também. fora do mundo da igreja. 7 . que ultrapassa as fronteiras eclesiásticas e passa a ser feito.O Livro Manuscrito Medieval Período Monástico ² do inicio da Idade Média ao Século XII Os mosteiros em especial e as instituições eclesiásticas em geral detêm o monopólio quase integral da cultura librária e da produção do livro. Há todo um novo interesse na escrita o que faz com os leigos também se queiram instruir. Período Laico ² dos finais do Século XII ao Século XV A fundação das universidades e o desenvolvimento da instrução entre os leigos vai levar a uma maior difusão do livro.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->