P. 1
América Latina e Ásia: Modos de Desenvolvimento Capitalista - Luis Estenssoro/ Sedi Hirano

América Latina e Ásia: Modos de Desenvolvimento Capitalista - Luis Estenssoro/ Sedi Hirano

|Views: 702|Likes:
Publicado porLuis Estenssoro
UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO (USP) - NÚCLEO DE APOIO À PESQUISA EM DEMOCRATIZAÇÃO E DESENVOLVIMENTO (NADD). A AMÉRICA LATINA E OS PAÍSES ASIÁTICOS: UM PARALELO SOBRE OS MODOS DE DESENVOLVIMENTO CAPITALISTA - SÃO PAULO – 2003
UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO (USP) - NÚCLEO DE APOIO À PESQUISA EM DEMOCRATIZAÇÃO E DESENVOLVIMENTO (NADD). A AMÉRICA LATINA E OS PAÍSES ASIÁTICOS: UM PARALELO SOBRE OS MODOS DE DESENVOLVIMENTO CAPITALISTA - SÃO PAULO – 2003

More info:

Published by: Luis Estenssoro on Jan 21, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/24/2012

pdf

text

original

FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS (FFLCH) UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO (USP

)

NÚCLEO DE APOIO À PESQUISA EM DEMOCRATIZAÇÃO E DESENVOLVIMENTO (NADD)

A AMÉRICA LATINA E OS PAÍSES ASIÁTICOS: UM PARALELO SOBRE OS MODOS DE DESENVOLVIMENTO CAPITALISTA

SEDI HIRANO – Professor Doutor em Sociologia, FFLCH/ Universidade de São Paulo LUIS ESTENSSORO – Doutorando em Sociologia, FFLCH/ Universidade de São Paulo

SÃO PAULO – 2003

2 Este ensaio procura aprofundar a reflexão em torno dos modos de desenvolvimento capitalista existentes nas diferentes regiões do globo, nomeadamente o Leste Asiático e a América Latina. Trata-se de modalidades de desenvolvimento econômico-social que acontecem nas diversas regiões do planeta e que reúnem tipos semelhantes de formações sociais em cada região. Sabemos que a desigualdade (pobreza relativa) em nível internacional é marcada pelo desenvolvimento do capitalismo que produz uma crescente disparidade na distribuição da renda entre nações pobres e ricas. Este “argumento da divergência”1 é compartido por diversas interpretações: 1) a marxista, que retrata a desigualdade como um componente estrutural da acumulação capitalista na economia mundial; 2) a vertente ligada à CEPAL, que argumenta que uma deterioração nos termos de intercâmbio estaria levando a uma crescente desigualdade entre nações ricas e pobres; 3) os estudos da “dependência” e do “sistema-mundo”, que também enfatizam a existência de uma economia capitalista internacional, corporificada num comércio global e na divisão internacional do trabalho, que permite a contínua transferência de excedente da periferia para o centro da economia internacional. Entre estas opiniões, a explicação dos mecanismos que geram a persistente desigualdade pode variar, mas todas concordam que a desigualdade da distribuição da renda mundial tem crescido ao longo do tempo. Esta desigualdade sócio-econômica tem como produto um processo de exclusão social pela pobreza, isto é, a insuficiência de renda como impedimento da cidadania. Este processo acontece tanto dentro dos países, quanto na economia capitalista internacional, que se converte em principal causa da desigualdade mundial, dada a sua assimetria. Na verdade, da forma como se coloca a questão social nos marcos da formação econômico-social capitalista a sua resolução satisfatória torna-se mais complexa, e podemos perceber que pelo padrão de acumulação latino-americano ela corre o risco de tornar-se insolúvel. Isto ocorre na medida em que o sistema econômico estrutura-se a partir de uma situação econômica inicial desigual, a seguir passa por um processo de desigualdade crescente e finalmente constitui uma pobreza também crescente em números absolutos. A desigualdade inicial pode ser avaliada pela concentração de mais de 80% do PIB, do comércio mundial, dos empréstimos comerciais, da poupança privada e do investimento nas mãos de 20% da população mundial (PNUD, 1992). As tendências relativas aos indicadores de desigualdade mundial revelam que esta disparidade aumenta em todas as regiões, principalmente no sentido de distanciar os países desenvolvidos dos países em desenvolvimento. A pobreza passa a ser, portanto, um problema maciçamente concentrado no Terceiro Mundo. O fato é que o sistema capitalista está sendo incapaz de prover o sustento mínimo de toda a população do planeta, tarefa que deveria desempenhar com mais razão agora que o modo de produção capitalista se tornou hegemônico na maioria das formações sociais contemporâneas. Sustentamos que a estrutura de poder mundial funda-se em modos de desenvolvimento diferenciados nas diversas regiões do planeta, que se reportam a padrões de acumulação e inserção internacional das economias nacionais, e que são empiricamente verificados como semelhantes em uma determinada região e diferenciados estruturalmente de
1

Korzeniewicz, Roberto e Moran, Timothy. “World-Economic Trends in the Distribution of Income, 1965-1992”. American Journal of Sociology, vol 102, nº 4, jan 1997, pp. 1000-1039.

3 outra. Assim, podemos ter variados modelos de crescimento econômico, isto é, modelos de política econômica e de políticas públicas, dentro de um conjunto de economias de uma região que têm um padrão de acumulação diferenciado em relação a outras economias regionais existentes dentro do mesmo modo de produção capitalista hoje hegemônico. Nossa hipótese é formulada do seguinte modo: há uma relação estreita entre os modos de desenvolvimento capitalista, o nível de pobreza e o grau acentuado de desigualdades sociais existentes nos países desenvolvidos e nos países em desenvolvimento. Partimos do pressuposto de que o modo de desenvolvimento Anglo-Americano produz estruturalmente mais pobreza e desigualdade do que o modo de desenvolvimento Japonês-Asiático. A América Latina está contida no modo de desenvolvimento capitalista Anglo-Americano. Johnson denomina o modo de desenvolvimento Japonês-Asiático de padrão “Meiji-Bismarckiano” (C. Johnson, 1995), onde o mercado é metodicamente orientado aos interesses sociais por um Estado desenvolvimentista, que utiliza o mercado para alcançar objetivos coletivos. Constitui-se então um capitalismo regulado, onde o Estado tem uma presença forte como planejador econômico. Trata-se de um “capitalismo social” ou de uma “economia mista” (Tsuru, 1994) enquanto padrão de acumulação tecnologicamente sofisticado no qual os preços regulam-se em conformidade com as aspirações dos grupos sociais que compõe a sociedade. De fato, nota-se uma ênfase no grupo e não no indivíduo, o que privilegia os laços de solidariedade comunitária dentro das fábricas, onde tomou forma o toyotismo, isto é o relacionamento dentro de uma estrutura de poder descentralizada e com trabalho em equipe. No entanto, esta cultura empresarial diferenciada pode ser interpretada tanto como uma “hierarquia administrativa horizontal” (Castells, 1999) quanto como uma outra “harmonia administrativa” (Tragtenberg, 1992).2 Amartya Sen afirma que o exemplo pioneiro de intensificação do desenvolvimento econômico “por meio da oportunidade social especificamente na área de educação básica, é obviamente o Japão”. Segundo ele, este país, às vezes se esquece, “apresentava taxas de alfabetização mais elevadas do que a Europa mesmo na época da restauração Meiji, nas últimas décadas do século XIX”. Sen entende que o desenvolvimento econômico do Japão foi impulsionado pela progressão dos recursos humanos relacionada “com as oportunidades sociais que foram geradas. O denominado milagre do Leste Asiático, envolvendo outros países desta região, baseou-se em grande medida, em relações causais semelhantes”. E entre esses países estão a Coréia, a China, Taiwan e Cingapura (Sen, 2000). Nesse sentido, a construção de um sistema de oportunidades sociais potencializa o desenvolvimento humano através do processo de expansão da educação, dos serviços de saúde e de outras condições de vida humana. Para Sen, provavelmente o resultado mais importante alcançado pelas economias do Leste Asiático, começando pelo Japão, foi ter solapado totalmente o preconceito tácito de que a montagem do sistema de oportunidades
2

Para Paes de Paula, com a crise do padrão de acumulação, o paradigma fordista perde centralidade para o toyotismo. Este é baseado numa acumulação mais flexível, que maximiza ganhos a partir de diferentes formas de contratação de mão-deobra, produção de bens e serviços e investimentos do capital., decorrendo daí a “panacéia apologética das organizações enxutas e flexíveis”: reengenharia, downsizing, terceirização, etc. Valendo-se de novas tecnologias organizativas baseadas na filosofia just-in-time, o toyotismo torna os processos de produção mais eficientes e produtivos, barateando os custos, aumentando a qualidade e reinventando a especialização taylorista do trabalhador. Paes de Paula conclui que a tentativa de harmonizar o capital e o trabalho está longe de promover a liberdade do trabalhador, demonstrando assim a persistência de “harmonias administrativas” e do ethos burocrático denunciado por Maurício Tragtenberg. Paes de Paula, Ana Paula. “Tragtenberg Revisitado: as Inexoráveis Harmonias Administrativas” in: Anais do 24º ENANPAD, 2000, Florianópolis.

4 sociais seja realmente “um tipo de luxo que apenas os países ricos podem se dar”. Paralelamente, podemos citar o exemplo de Cuba e a importância da Revolução Cubana para a América Latina, nas palavras de Sader:
“A maior contribuição de Cuba tem sido a de provar que não é necessário que uma sociedade do Terceiro Mundo deixe de ser pobre para 3 que se instaure a justiça social”.

As economias do Leste Asiático buscaram “comparativamente mais cedo a expansão em massa da educação e mais tarde, também dos serviços de saúde, e o fizeram, em muitos casos antes de romper os grilhões da pobreza generalizada. E colheram o que semearam” (Sen, 2000: 58). Poderíamos dizer o mesmo de Cuba, que investiu em educação e saúde de forma massiva e democratizou esses direitos para a maioria da população cubana antes de vencer a pobreza. No entanto, hoje este processo se vê ameaçado pela falta de perspectivas econômicas para a economia cubana, ao contrário dos países do Leste Asiático. Nestes países, e particularmente na Coréia e no Japão, houve crescimento econômico com distribuição de renda relativamente igualitária o que “tem sido amplamente – e acertadamente – reconhecido” (Sen, 2000: 218). Há no modo asiático de desenvolvimento capitalista, inquestionavelmente, um sistema planejado de ampliação das oportunidades sociais e, portanto, de alargamento da cidadania. No modo de desenvolvimento Anglo-Americano, ao contrário, o mercado é primordial, tornando-se o espaço exclusivo das atividades econômicas e formalmente autonomizado das esferas sócio-políticas e culturais. Neste modo de desenvolvimento, que inclui o regime de acumulação dependente latino-americano, o Estado se distancia formalmente do mercado, cabendo-lhe apenas a planificação das políticas públicas. Não há no modo de desenvolvimento capitalista Anglo-Americano, aparentemente, uma espécie de nacionalismo empresarial como encontrado no capitalismo do Estado desenvolvimentista Japonês-Asiático, no qual se valoriza muito a empresa enquanto pátria e lar comunitário. Tal concepção, associada a uma produção de qualidade voltada para a exportação de manufaturados e com grande investimento em pesquisa e inovação tecnológica, torna-se altamente competitiva no mercado internacional. Foi este modo de desenvolvimento asiático, criador do toyotismo, que superou o fordismo do padrão anglo-americano de desenvolvimento.4 Se observarmos as tendências e os indicadores da economia mundial, perceberemos três processos relacionados que se somam para produzir uma situação crítica de exclusão das nações subdesenvolvidas nesta “Nova Ordem Mundial”. Os processos relacionados são: • • • a globalização: integração econômica; financeirização dos mercados; melhoria das comunicações; a Terceira Revolução Industrial: inovações na microeletrônica, informatização e biotecnologia; economia de matérias-primas e energia; busca de novos materiais; e a substituição do fordismo pelo toyotismo: nova modalidade de organização da produção; transformação da organização do trabalho.

3

Sader, Emir. “Cuba no Brasil: Influências da Revolução Cubana na Esquerda Brasileira” in: VVAA. História do Marxismo no Brasil. Rio de Janeiro, Paz e terra, 1991, Vol. I, pp. 159-183. Sobre toyotismo e fordismo ler Antunes, Ricardo. Os Sentidos do Trabalho. São Paulo. Boitempo, 1999, pp. 29 a 60.

4

5 Assim, a desigualdade inicial interna e externa; a troca desigual; transferência de recursos compulsória (dívida externa); as crises econômicas locais, regionais e internacionais; a deterioração dos termos de troca; os processos de concentração de capital, de renda, de riqueza, de poder e de saber são processos próprios deste sistema capitalista e da situação concreta do Terceiro Mundo que vão se acumulando para resultar numa deterioração da situação social e econômica desses países e de seus povos. Como resultado temos a extrema concentração de recursos nos países centrais, determinando uma hierarquização das economias no planeta. Segundo Hirano, os indicadores econômicos mostram que os mercados mundiais estão claramente hierarquizados: os países industrialmente avançados são o mercado preferencial vindo em seguida os países em desenvolvimento do Terceiro Mundo, sendo que a África e Oriente Médio são regiões esquecidas do ponto de vista da reprodução do capital. Vejamos alguns dados: 63,3% do comércio dos EUA entre 1985 e 1990 destinouse aos países ricos; os EUA receberam 44% dos investimentos externos diretos (IED) do Japão realizados entre 1951 e 1990, e a Europa recebeu 19%; a participação da América Latina no PIB mundial decresceu de 7,1% em 1982 para 4,4% em 1989, e as exportações latino-americanas representavam 6,4% do total mundial em 1960 e caíram para 3,8% em 1990.
“O quadro de indicadores macro-econômicos não deixa nenhum espaço para sonhos e utopias desenvolvimentistas: capitais e tecnologia migram para regiões onde a reprodução é altamente concentrada em valores agregados, ou seja, do ponto de [vista da] acumulação capitalista, 5 extremamente produtiva e rentável”.

Para Hirano, estamos diante de uma situação mundial caracterizada pela: • • • hierarquização dos mercados mundiais; hierarquização dos espaços geo-econômicos e tecnológicos; e hierarquização dos centros produtores de conhecimento e tecnologia de ponta.

Assim, as tendências e movimentos de comércio, tecnologia e investimentos estão beneficiando os países centrais em detrimento da periferia. O fenômeno pode ser observado no gráfico a seguir com relação aos esquemas de integração e aos continentes: a América do Norte e a Europa estão muito mais à frente em termos de PIB e PIB per capita do que a América Latina, Ásia e África, que têm mais população. Como podemos ver, o fato é que o Terceiro Mundo tem menos riqueza para distribuir entre mais pessoas. Ásia, África e América Latina têm 77% da população mundial e têm participação inferior a 10% do PIB mundial cada um; enquanto que Europa e América do Norte, com uma população bem menor, têm participação entre 20% e 30% cada um. Trata-se de uma concentração geo-econômica de recursos difícil de ser revertida.

5

Hirano, Sedi. “A América Latina Dentro da Hierarquização do Mercado Mundial” in: SOLAR V. América Latina e Caribe e os Desafios da Nova Ordem Mundial. São Paulo, PROLAM-USP, 1998, pp.139-150.

6

População (%) e PIB dos Continentes , 1998.

Porcentagem do PIB Mundial (%)

30%

Am érica do Norte; 5% Europa; 13%

20%

África América do Norte Ásia; 53% Ásia América Latina Am érica Latina; 9% África; 15% 3.000 8.000 13.000 18.000 23.000 Europa

10%

0% (2.000)

PIB per Capita (US$) Fonte: A partir de Banco Mundial, World Development Indicators (2000) Europa inclui Ásia Central; África inclui Oriente Médio; Ásia exclui Ásia Central e Oriente Médio, e inclui Oceania.

O pior é que o dinamismo da economia mundial tende a aumentar essa concentração de recursos. Abaixo vemos que o comércio total do Mercosul é praticamente insignificante diante dos blocos mais dinâmicos de integração econômica. A exceção parece ser exatamente o bloco asiático EAEC, China e Japão incluídos. O México também se descola, pois está neste gráfico anexado ao NAFTA. De resto, verificamos que as possibilidades dos países subdesenvolvidos criarem condições para conseguir um desenvolvimento que signifique inclusão para seus povos ficam reduzidas diante da dinâmica de acumulação e dos mecanismos de articulação que privilegiam os centros desenvolvidos.
Principais Blocos de Integração Econômica, 2000.
75,0% % das Exportações Totais do Bloco 65,0% 55,0% 45,0% 35,0% 25,0% 15,0% 5,0% -5,0% -$1 $2 $5 $8 $11 $14 $17 Exportações dentro do Bloco (US$ bilhões)
Fo nte: B anco M undial, Wo rld Develo pment Indicato rs, 2002. A o lado da sigla do s blo co s esté a po rcentagem relativa à participação do blo co nas expo rtaçõ es mundiais. CEFTA = Central Euro pean Free Trade A greement; EU= Euro pean Unio n; NA FTA = No rth A merica Free trade A rea; M ERCOSUR:= So uthern Co ne Co mmo n M arket; A SEA N= A sso ciatio n o f So uth-East A sian Natio ns; B A NGKOK= B angko k A greement; EA EC= East A sian Eco no mic Caucus.

EU; 35,9% CEFTA EAEC; 26,0% EU NAFTA MERCOSUR ASEAN ASEAN; 6,6% MERCOSUR; 1,4% CEFTA; 2,0% BANGKOK; 5,2% NAFTA; 19,1% BANGKOK EAEC

7 Entendemos a globalização6 como uma nova configuração do capitalismo nascida da desregulamentação e liberalização do comércio internacional, dos investimentos diretos e dos fluxos financeiros, juntamente com a internacionalização da produção, circulação e consumo - configuração esta que se coloca dentro de um processo de mundialização que remonta às cruzadas, passa pelos descobrimentos, conquista, colonização, imperialismo, transnacionalização de empresas, internacionalização dos mercados financeiros e, culmina agora com a formação de um espaço econômico, político, estratégico, informacional cada vez mais global, único e múltiplo simultaneamente. Este processo (mundialização) e sua atual configuração (globalização) revelam o extraordinário desenvolvimento do capitalismo, mas não escondem a sua incapacidade de prover o sustento da população mundial. Nisto consiste a crise. E esta é uma crise que se dá em três níveis:7 • • • crise do modelo neoliberal de crescimento econômico, crise do padrão de acumulação dependente e crise do modo de produção capitalista.

O processo de globalização8 se trata de uma aceleração do processo histórico, na medida em que é uma alteração quantitativa que está levando a uma alteração qualitativa. Processos sociais, econômicos, políticos e culturais que constituem a mundialização, são intensificados pelas forças deflagradas com a globalização do capitalismo, isto é, do capitalismo enquanto modo de produção global e também como processo civilizatório. O globalismo9 é exatamente a expressão dos novos desenvolvimentos da realidade social em termos da intensificação e da generalização das forças produtivas e das relações capitalistas de produção, configurando uma nova dinâmica no mercado, nas técnicas produtivas e nas formas de organização do trabalho social. Podemos falar ainda de uma gestão capitalista da crise comandada pelas instituições econômicas internacionais, pelos grandes conglomerados transnacionais e pelo sistema financeiro internacionalizado, que são responsáveis pela crescente transnacionalização do processo decisório, tanto o econômico quanto o político. Essas forças econômicas da globalização reduzem e até anulam a capacidade dos Estados Nacionais de se contraporem aos mercados em nome dos direitos sociais e do cidadão, criando o que se chamou de regimes globalitários10, onde não se admite outra política econômica que não seja subordinada à razão competitiva e onde os mercados financeiros têm a direção das sociedades.

6

Chesnais usa o termo mundialização no lugar de globalização. Aqui usamos o termo mundialização em outro sentido. Por globalização entendemos a recente configuração do capitalismo, que está inserido dentro de um processo histórico antigo de internacionalização dos acontecimentos sócio-econômicos ao qual denominamos mundialização. Ao assumirem um caráter internacional, os processos históricos se mundializam, e à sua atual configuração (Terceira Revolução Tecnológica, superação do fordismo, globalização dos mercados, etc.) denominamos globalização. Chesnais, François. A Mundialização do Capital. São Paulo, Xamã, 1996. Estenssoro, Luis. Capitalismo, Desigualdade e Pobreza na América Latina. São Paulo, Deptº de Sociologia da FFLCHUSP, 2003, (Tese de Doutorado). “A globalização pode ser definida como a interação de três processos distintos, que têm ocorrido ao longo dos últimos vinte anos, e afetam as dimensões financeira, produtivo-real, comercial e tecnológica das relações econômicas internacionais. Esses processos são: a expansão extraordinária dos fluxos internacionais de bens, serviços e capitais; o acirramento da concorrência nos mercados internacionais; e a maior integração entre os sistemas econômicos nacionais”. Gonçalves, Reinaldo. Globalização e Desnacionalização. São Paulo, Paz e Terra, 1999, pp. 24-25. Sobre o conceito de globalismo ver: Ianni, Octavio. A Era do Globalismo. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1998. Ramonet, Ignacio. “Régimes Globalitaires”. Le Monde Diplomatique, jan 1997, p.1.

7

8

9

10

8 Mais ainda, a gestão neoliberal da crise capitalista acontece nas últimas décadas de maneira a consolidar o processo de globalização financeira, iniciado com o rompimento dos acordos de Bretton Woods e com as políticas de desregulamentação financeira a partir desses governos conservadores. Isto é, este processo de financeirização da economia tem no seu eixo central as políticas neoliberais de ajuste estrutural e, em torno desse eixo, o movimento de formação das instituições do mercado global, a saber:
“Exemplos típicos são a centralização no Tesouro norte-americano e no seu braço operacional, o Fundo Monetário Internacional, da direção e gerenciamento dessas políticas [...]; a criação e hierarquização da Organização Mundial do Comércio, encarregada de impor e monitorar uma liberalização comercial assimétrica que protege os interesses dos países que integram o núcleo central do sistema capitalista mundial e garante as práticas monopolistas das grandes corporações; a extensão e regulamentação da área das patentes, que preserva o controle destes países e corporações sobre o progresso tecnológico e sua difusão; e a tentativa até agora relativamente frustrada, de estabelecimento de um acordo multilateral de investimentos de âmbito planetário”.11

Segundo Mercadante, complementarmente a este processo de construção de alicerces institucionais da “Nova Ordem”, temos o surgimento de mecanismos de articulação em escala global de interesses e influências da “comunidade de negócios”, por exemplo: o Fórum Econômico Mundial de Davos, criado em 1971; a difusão do pensamento único, que veicula o neoliberalismo como único caminho para o progresso econômico e social; o deslocamento das funções de regulação de economia do Estado para os mercados financeiros, subordinando as políticas de emprego, de rendas, de investimentos, de crescimento econômico e de desenvolvimento social, ao objetivo de ajustar e integrar as economias nacionais ao mercado global; o enfraquecimento das democracias, uma vez que o centro de decisões econômicas deixa de ser os governos ou os parlamentos e passam a ser os operadores privados que atuam em escala internacional; e, no caso da América Latina, a criação da Área de Livre Comércio das Américas (ALCA), que, da forma como está sendo colocada e por envolver temas diversos e estratégicos, representa primordialmente um projeto para consolidar a hegemonia norte-americana na região. Surge então um problema eminentemente político que entra na agenda das forças que lutam pela transformação da sociedade: como construir um projeto de desenvolvimento aplicável que promova o crescimento econômico bem como a distribuição eqüitativa dos seus benefícios, universalize os direitos sociais, aprofundando o processo de democratização econômica, social e política12 e resgatando a soberania e identidades nacionais? Em termos econômicos essa questão se coloca como a busca de soluções ou encaminhamentos para a questão social dentro dos marcos do capitalismo. Seria o modo de desenvolvimento asiático um padrão de acumulação mais adequado para a superação da pobreza e da desigualdade? No entanto, há indícios que denotam que o problema não se resume apenas aos padrões de inserção internacional. Na verdade, trata-se de uma questão sistêmica. Como tal, não pode ser resolvida apenas por políticas de estabilização e crescimento econômico. O fato

11 12

Mercadante, Aloizio. “Marco Histórico”. Teoria e Debate, ano 14, nº 47, fev-mar-abr 2001. Para Amin, a democracia é a verdadeira condição do desenvolvimento. Esta afirmação não tem a ver com o discurso dominante, como podemos deduzir. “Our proposition comes down to saying in effect: there can be no socialism (if we use that term to designate a better, post-capitalist alternative) without democracy, but also there can be no progress in democratization without a socialist transformation”. Amin, Samir. “Imperialism and Globalization” in: Monthly

Review, Vol. 53, nº 2, Jun 2001, http://www.monthlyreview.org/0601amin.htm .

9 deste fenômeno de concentração de renda e aumento da desigualdade ocorrer também nos países desenvolvidos13 contribui para reforçar o argumento. Assim, além da crise do padrão de acumulação dependente latino-americano, podemos visualizar uma crise econômica capitalista que atravessa a segunda metade do século XX como resultado da queda das taxas de lucro que se começa a verificar nos anos 1960, e que se traduz nas taxas baixas de investimento, poupança e crescimento. Por exemplo, o indicador de crescimento do produto mundial por habitante era de 4% entre 1960 e 1973, caiu para 2,4% entre 1973 e 1980 e 1,2% entre 1980 e 199314. Pela tabela abaixo vemos que o novo padrão de acumulação sob hegemonia financeira, isto é, com os ganhos de produtividade sendo apropriados pelo capital financeiro, se revela nos EUA e Europa, isto é, no modo de desenvolvimento Anglo-Americano, como um regime com menor crescimento do PIB, emprego, produtividade e acumulação, apesar destas regiões estarem no topo da hierarquia econômica mundial e apesar do imenso desenvolvimento tecnológico.
TAXAS MÉDIAS ANUAIS DE CRESCIMENTO DOS EUA E UE (1960-1999) PAÍS 1960-1973 1980-1999* ESTADOS UNIDOS PIB 3,9 2,5 Emprego 1,8 1,5 Produtividade** 2,6 0,9 Acumulação 4,5 2,9 UNIÃO EUROPÉIA PIB Emprego Produtividade** Acumulação 4,7 0,3 5,1 5,6 2,1 0,3 1,9 1,9

Fonte: A partir de dados do OECD Economic Outlook in: Mattoso, Jorge. O Brasil Desempregado. São Paulo, Fundação Perseu Abramo, 1999. * Dados estimados e projetados para 1998 e 1999; ** ref. Período 1979-1997.

Ou seja, além das crises financeiras cada vez mais freqüentes e das recessões15 que se verificaram em 1948-49, 1952-53, 1957-58, 1960-61, 1966-67, 1970-71, 1974-75, 1980-82 e 1990-94, agora há um agravante estrutural que evidencia a dificuldade que o capitalismo tem de se tornar um sistema que propicie condições de vida aceitáveis para todos. Abaixo temos dados fundamentais para avaliar as possibilidades da economia de cada um dos nove países mais populosos do mundo (mais Argentina) crescer a partir de certa base e com velocidade própria. Começamos a ver assim a concentração de recursos em alguns países. Esta concentração predomina na economia mundial bem como entre classes e
13

Nos EUA o índice de Gini, que mede a desigualdade na sociedade, aumentou 22,4% entre 1968 e 1994. No mesmo período a renda média do quintil mais rico cresceu 44%, enquanto que a renda média do quintil mais pobre cresceu somente 8%. Outro estudo mostra que entre 1967 e 1998 todos os quintis perderam participação na renda, exceto o quintil superior que aumentou de 43,8% para 49,2% sua participação. Nesse mesmo período, no qual o índice de Gini aumenta de 0,399 (1967) para 0,456 (1998), os 5% mais ricos aumentam sua participação na renda de 17,5% para 21,4%. As tendências da renda domiciliar dos períodos 1967-80 e 1980-92 são opostas: no primeiro período, os 20% mais pobres ganham 7,5% e os mais ricos perdem 9,7%; no período seguinte a tendência se inverte, os mais pobres perdem 11,6% e os 20% mais ricos ganham 17,7%. Weinberg, Daniel. A Brief Look at Postwar US Income Inequality. US Census Bureau, Current Population Reports, jun 1996; e _______ e Jones Jr., Arthur. The Changing Shape of the Nation’s Income Distribution. US Census Bureau, Current Population Reports, jun 2000. Chesnais, François. “A Fisionomia das Crises no Capitalismo Mundializado”. Novos Estudos Cebrap, nº 52, nov 1998. Recentemente pudemos observar a entrada dos EUA - último a entrar - numa nova recessão, que nada mais é do que a revelação de um sintoma clássico da crise capitalista: a superprodução, isto é, a incapacidade de absorção pelos consumidores da massa de bens produzidos. Isto se dá porque o próprio ciclo expansivo tem origem na intensificação da exploração do trabalho, e não simplesmente via avanços tecnológicos e incrementos de produtividade do capital. Ora, isto diminui o consumo agregado devido ao enxugamento da demanda monetária dos trabalhadores. Assim, está na própria lógica do ciclo expansivo a futura recessão.

14 15

10 entre pessoas. As disparidades que encontramos nesta primeira tabela nos dão um indicativo das diversas faces da situação social no capitalismo internacional hoje. São exatamente estas diferenças que permitem que se fale de “capitalismos” regionais (modos de desenvolvimento) de acordo com os padrões de acumulação Japonês-Asiático e Anglo-Americano.
População (milhões de hab.) 2000

ECONOMIA DOS PAÍSES MAIS POPULOSOS + ARGENTINA
PIB, PPP* (bilhões US$ intern. correntes) 1980 2000 PIB per capita, PPP US$ internacionais correntes 1980 2000 EUA=100

PAÍS CHINA ÍNDIA EUA INDONÉSIA BRASIL RÚSSIA PAQUISTÃO BANGLADESH NIGÉRIA JAPÃO MÉXICO ALEMANHA ARGENTINA

Crescimento médio anual (%) Produto Interno Investimento Bruto (PIB) interno bruto 1980-90 1990-00 1990-99

1.262 1.015 281 210 170 145 138 131 126 126 97 82 37

414 441 2.879 117 475 .. 50 43 35 1.054 286 .. 180

5.019 2.395 9.612 640 1.299 1.219 266 209 113 3.394 883 2.062 458

422 642 12.673 794 3.916 .. 614 479 494 9.028 4.241 .. 6.428

3.920 2.340 34.100 2.830 7.300 8.010 1.860 1.590 800 27.080 8.790 24.920 12.050

11,50 6,86 100,00 8,30 21,41 23,49 5,45 4,66 2,35 79,41 25,78 73,08 35,34

10,1 5,8 3,5 6,1 2,7 .. 6,3 4,3 1,6 4,1 1,1 2,3** -0,7

10,3 6,0 3,5 4,2 2,9 -4,8 3,7 4,8 2,4 1,3 3,1 1,5 4,3

12,8 7,4 7,0 5,1 3,1 -13,3 2,1 7,0 5,8 1,1 3,9 0,5 10,9***

Fonte: Banco Mundial. World Development Indicators 2000 on CD-ROM. Washington, Banco Mundial, 2000. *Dados expressos em termos de Paridade de Poder de Compra (PPC ou PPP em Inglês); ** Dados anteriores a 1990 são da R.. F. da Alemanha; *** Dados Até 1998.

Milanovic e Yitzhaki16 analisam a desigualdade de renda total de pessoas de 114 países em 1993, representando 5 bilhões de pessoas (91% do total) e 95% do PIB mundial. A África tinha 4,33% da renda mundial e um Gini de 0,5210, América Latina 10,13% (0,5549), Europa do Leste e ex-URSS 7,15% (0,4650), Ásia 31,28% (0,6149), e OCDE sem Japão 47,11% (0,3944). O Gini mundial era de 0,6590. A América Latina com uma renda média de US$ 3,640 (PPP) por pessoa por ano, é uma região homogênea, só perdendo para a OCDE, pois tem uma desigualdade entre países respondendo por 7% do total da desigualdade na região, enquanto que a desigualdade dentro dos países explicava 93% da desigualdade. Dividindo o mundo em três, com um Terceiro Mundo com renda igual ou menor que o Brasil (US$ 3.470 PPP), um Primeiro Mundo com renda superior ou igual que a Itália (US$ 8.000 PPP), e uma Classe Média com renda superior ao Brasil e inferior à Itália, percebemos que este último grupo ficaria com apenas 8% do total da população, significando que praticamente não existe classe média no mundo. A desigualdade entre esses três grupos explica 68% da desigualdade total mundial.
DESIGUALDADE NO MUNDO COM DIVISÃO EM TRÊS GRUPOS, 1993 Porcentagem da População Terceiro Mundo Classe Média Primeiro Mundo Mundo Gini entre grupos Gini dentro dos grupos 76% 8% 16% 100% Renda Média Anual por Pessoa (US$ PPP) 1.171,0 4.609,0 10.919,0 3.031,8 Índice de Gini 0,494 0,462 0,344 0,659 0,449 (68%) 0,210 (32%)

Fonte: Milanovic e Yitzhaki, Op Cit., p. 33.

16

Milanovic, Branco e Yitzhaki, Shlomo. Decomposing World Income Distribution: Does the World Have a Middle Class? Banco Mundial-Hebrew University, s/d.

11
“The between-group inequality between the ‘three worlds’ explains almost 70% of total world inequality. According to this ‘old-fashioned’ partition, 76 percent of world population lives in poor countries, 8 lives in middle class income countries (…), and 16 percent lives in rich countries. Now, if we keep the same income thresholds as implied in the previous division, and look at ‘true’ distribution of people according to their income (regardless where they live), we find a very similar result: 78 percent of the world population is poor, 11 percent belongs to the middle class, and 11 percent are rich. Thus, world seems – any way we consider it – to lack middle class”.17

Assim, se por um lado é possível estabelecer diferenças regionais entre os diversos padrões de acumulação e inserção internacional, estruturando-os em modos de desenvolvimento regionais com suas características institucionais e culturais, devemos sempre ter em conta que a proporção dos 20% mais ricos e dos 20% mais pobres aumentou continuadamente nas últimas décadas elevando a desigualdade social no mundo como um todo, o que evidencia uma tendência global, uma dinâmica do próprio capitalismo enquanto modo de produção hegemônico. Abaixo podemos perceber as diferenças de distribuição de renda regionais. A América Latina tem uma população mais pobre vivendo com menos do que a média mundial, e uma elite que recebe mais do que a média dos 20% mais ricos no mundo. No entanto, percebemos que na UE e na América do Norte os 20% mais ricos recebem muito mais. A Ásia do Sul é a região mais igualitária porém mais pobre, enquanto que a Ásia do Sudeste e Pacífico combina maior eqüidade com menos pobreza.
POBREZA E RENDIMENTO POR REGIÕES (1980-94)
PIB REAL PER CAPITA (PPP) POPULAÇÃO NA POBREZA US$ 1 POR DIA (PPP), 1989-94 24% 26% 43% 14% ... ... ...

REGIÕES
20% + POBRES AMÉRICA LATINA ÁSIA ORIENTAL ÁSIA DO SUL ÁSIA DO SUDESTE E PACÍFICO AMÉRICA DO NORTE UNIÃO EUROPÉIA MUNDO R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ 932,00 748,00 586,00 1.253,00 5.817,00 5.780,00 1.787,00 20% + RICOS R$ 17.391,00 R$ R$ R$ 5.342,00 2.833,00 8.269,00

R$ 50.769,00 R$ 36.137,00 R$ 12.747,00

Fonte: PNUD. Relatório do Desenvolvimento Humano, 1997.

Quanto a Ásia Oriental podemos nos referir ao caso especial da China.18 Como vemos pela tabela abaixo, a pobreza aumentou entre 1987 e 1998 em todo o mundo de maneira agregada, porém diminuiu na China no mesmo período, onde 90 milhões de pessoas superaram a linha de pobreza de um dólar por dia por pessoa. Calcula-se que o número de chineses que deixou de ser pobre – segundo esse critério – ultrapasse os 200 milhões desde o começo das reformas econômicas em 1978.19 Atribuir este decréscimo da pobreza apenas à
17 18 19

Op Cit., p. 35. Cf. Estenssoro (2003), Op Cit. As reformas na China se iniciaram com a substituição da agricultura coletiva pelo acesso do camponês ao uso da terra e passam pelas reformas institucionais, econômicas, etc. que permitiram, entre outras coisas, a entrada de capitais estrangeiros na China em quantidade excepcional. Shicheng sustenta que as reformas na China vêm para aperfeiçoar o sistema socialista chinês e desenvolver a “economia mercantil planificada socialista” ou socialismo de mercado na versão chinesa. Shicheng, Xu. Sobre la Reforma en China. São Paulo, Deptº de Ciência Política-FFLCH/USP, 1992, Série Política Internacional 10.

12 expansão do capitalismo naquele país continental seria certamente indevido, principalmente se considerarmos que, com o desmantelamento do comunismo burocrático,20 a penetração do sistema capitalista no Leste Europeu e na Rússia tem promovido até agora o efeito inverso.21
REGIÃO POBREZA POR REGIÃO, ANOS SELECIONADOS, 1987-98 PESSOAS VIVENDO COM MENOS DE US$1 POR DIA (MILHÕES) 1987 1990 1993 1996 417,5 452,4 431,9 265,1 1,1 63,7 9,3 474,4 217,2 879,8
CHINA

LESTE ASIÁTICO E PACÍFICO EUROPA E ÁSIA CENTRAL AMÉRICA LATINA E CARIBE ORIENTE MÉDIO E NORTE DA ÁFRICA SUL DA ÁSIA ÁFRICA SUB-SAHARIANA TOTAL EXCLUINDO CHINA TOTAL

1998 278,3 24,0 78,2 5,5 522,0 290,9 985,7 213,2 1.198,9

7,1 73,8 5,7 495,1 242,3 915,9 360,4 1.276,4

18,3 70,8 5,0 505,1 273,3 955,9 348,4 1.304,3

23,8 76,0 5,0 531,7 289,0 980,5 210,0 1.190,6

303,4 1.183,2

Fonte: Banco Mundial. World Development Report 2000/2001. Washington, Banco Mundial, 2001.

Na verdade, o crescimento econômico invejável da China22 pode ser atribuído em grande parte ao Estado e às empresas coletivas de vilas e comunidades (township and village enterprises, TVEs) nascidas a partir da reforma de 1978. Estas últimas compõem um setor público não-estatal que integra o sistema econômico misto do país. Este compreende, além das TVEs, as grandes empresas e bancos estatais (state-owned enterprises, SOEs) e o setor privado, incluindo as corporações transnacionais (Empresas Transnacionais, ETNs). Para entender a importância desses setores podemos dizer que, ao longo dos anos 1980, o investimento bruto acima de 35% do PIB era em 80% feito pelo setor público – TVEs (15%) e SOEs (65%).23 Uma das razões da diminuição da pobreza na China – que é basicamente uma pobreza rural – é certamente o crescimento espetacular (principalmente o agrícola, 7,4% entre 1978-84; comparado com 2,5% no período 1952-78)24 aliado ao desenvolvimento destas empresas rurais (TVEs), que criaram milhões de empregos. Hoje essas empresas empregam
20

Usamos comunismo burocrático como sinônimo de socialismo real. Max Weber utilizava a expressão socialismo de Estado ou socialismo burocrático. Tragtenberg usa coletivismo burocrático para caracterizar a formação econômico-social da URSS, do Bloco Oriental, China atual e Cuba. “O capitalismo de Estado, ou melhor, o processo de modernização levado a efeito por uma elite industrializante sob a direção de um partido único, implica nos seus inícios, já a burocracia. [...] Esta burocracia possui o Estado como propriedade privada.” Tragtenberg, Maurício. Burocracia e Ideologia. São Paulo, Ática, 1992, pp. 40-41, 86. Cornia, Giovanni Andrea. “Income Distribution, Poverty and Welfare in Transitional Economies: a Comparison Between Eastern Europe and China”. Journal of International Development. V.6, nº 5, 1994, pp. 569-607. O crescimento médio anual do PIB na década de 1980 foi de 10,1% e nos anos 1990 de 10,7% (Banco Mundial). Dado impressionante principalmente se levarmos em conta que antes das reformas, de 1952-1978, o crescimento médio anual foi de 4,4% (Maddison). Da mesma forma, entre 1978 e 1998 o PIB per capita cresceu a uma média anual de 8,8%. Depois das reformas as exportações de bens e serviços cresceram anualmente 21,1% e entre 1988 e 1998 cresceram 14,5% ao ano. Esta performance não tem paralelo nas economias dos países com um peso econômico comparável à China. Banco Mundial. World Development Indicators 2000 on CD-ROM. Washington, Banco Mundial, 2000; e Maddison citado em Medeiros, Carlos A. “China: entre os séculos XX e XXI” in: Fiori, José L. Estados e Moedas no Desenvolvimento das Nações. Petrópolis, Vozes, 1999. Medeiros, Carlos A. “Economia e Política do Desenvolvimento Recente na China”. Revista de Economia e Política. Vol. 19, nº 3 (75), jul-set 1999, p. 96. Zhang, Amei. “Poverty Alleviation in China: Commitment, Policies and Expenditures”. Mimeo, 1993.

21

22

23

24

13 mais de ¼ da força de trabalho rural e contribuem em 40% da renda per capita rural.25 Cabe assinalar, no entanto, que a desigualdade tem aumentado no país26 em grande parte pela dinâmica da economia das cidades em detrimento do campo (desigualdade urbano-rural) e pela pujança econômica de algumas regiões, principalmente as costeiras Zonas Econômicas Especiais (ZEEs) (desigualdade regional).27 Esta desigualdade brota de uma sociedade com uma base de igualdade prévia muito grande (socialização da educação, da saúde, etc.) que enfrentou um boom de produtividade28 a partir de reformas que transformaram a economia e as instituições chinesas, num esforço para inserir a economia do país no mercado mundial. Não está demais acrescentar que esta integração ao mercado mundial – simbolizada pela entrada da China na OMC em 2001 – está sendo conduzida na tentativa de preservar certos interesses nacionais, dos quais um deles parece ser a determinação em erradicar a pobreza no país, revertendo grande parte do crescimento econômico para esse fim por meio de economias de escala e políticas públicas. Talvez seja possível com um crescimento sustentado de 10% ao ano tirar os restantes 213,2 milhões de chineses da miséria em algumas décadas, apesar da desigualdade e do desemprego crescentes. Porém, não é certo que esse crescimento econômico seja sustentável, uma vez que grande parte desse processo se dá pelo enxugamento do Estado, tanto da sua regulamentação institucional quanto da sua base econômica (SOEs), causando inclusive desemprego e miséria nas cidades. Assim, até mesmo o processo de melhoria do desenvolvimento humano é posto em xeque pelo crescimento das desigualdades29, além da falta de democracia política30. Na verdade, o processo de melhorias sócio-econômicas não foi acompanhado por uma democratização do imenso aparato burocrático. De maneira pessimista podemos vislumbrar no desenvolvimento da sociedade chinesa um regime de Estado autocrático combinado com uma economia hegemonizada pelo processo de globalização comandado pelas corporações transnacionais.
25

Yao, Shujie. “Economic Growth, Income Inequality and Poverty in China under Economic Reforms”. Journal of Development Studies, vol. 35, n 6, ago 1999, pp. 104-130. O índice de Gini da China passou de 21,2 em 1978 para 32,0 em 1994 (Yao). Chen e Wang afirmam, após verificar diversos estudos, que: “There is a consensus among these studies that, even though about 270 million people were lifted out of poverty since the reforms started in 1978, the benefits of growth are unevenly distributed. Inequalities in income and consumption have been worsening, especially in the recent years. The Gini coefficient, a low 28.8 in 1981, reached 41.5 in 1995, a level similar to that of the United States. The rural-urban divide is increasing, regional disparities are widening and access to opportunities is becoming less equal”. Yao (1999), Op. Cit; e Chen, Shahoua e Wang, Yan. China' Growth and s Poverty Reduction: Recent Trends between 1990 and 1999. Washington, Banco Mundial, jul 2001. “To fully understand poverty in China, three important factors need to be examined: income inequality for the whole country, especially for the rural population (including those working in the cities but classified as rural people [by the Government]; rural-urban income inequality; and regional income inequality.” Yao, Shujie. “Economic Development and Poverty Reduction in China over 20 Years of Reforms”. Economic Development and Cultural Change, vol. 48, nº 3 (2000), pp. 447-474. “A sharp, sustained increase in productivity (that is, increased worker efficiency) was the driving force behind the economic boom.” (Hu e Kahn). Maddison estima que a taxa de crescimento anual da produtividade agrícola passou de 0,17 no período 1952-78 para 4,27 no período 1978-95. Ver Maddison in: Medeiros (1999), Op Cit; e Hu, Zuliu e Khan, Mohsin. Why is China Growing so Fast? Washington, FMI, 1997, pp. 01-10; Embora reconheça que as reformas na China quadruplicaram o PIB per capita de 1/5 da humanidade em 20 anos, Khan afirma que a preocupação do governo com a taxa de acumulação impede que se dê a devida atenção ao desperdício de recursos, à crescente desigualdade e ao correto combate da pobreza, que deveria inclusive tratar de problemas como o dos 72 milhões de migrantes internos em 1995. Khan, Azizur Rahman. Poverty in China in the Period of Globalization. New Evidence on Trend and Pattern. Genebra, OIT, 1998, Discussion Paper 22. Apesar do sistema experimental de eleições de chefes de vilas a partir de 1987, Lew afirma que “le ‘socialisme réel’ chinois repose sur une structure autoritaire, aujourd’hui plutôt décentralisée, où la tutelle de l’Etat (ou de l’Etat dans ses formes locales et regionales) s’exerce encore de façon arbitraire, souvent sans considération pour les besoins et exigences des habitants”. Lew, Roland. “En Chine, un Etat autoritaire mais faible”. Le Monde Diplomatique, out 1999, pp 18-19.

26

27

28

29

30

14 Enfim, a versão chinesa para socialismo de mercado e a participação pública nãoestatal das TVEs, últimas grandes promessas do “socialismo real”, podem não se firmar como alternativa real ao capitalismo monopolista, à dependência e à burocratização. Mesmo porquê os desafios ainda são consideráveis: o número de pessoas em torno da linha de pobreza na China é muito grande, como mostram os números da população abaixo de US$ 2 por dia por pessoa. Esta população de pobres (afinal, US$ 730 por ano não é uma fortuna) representa uma dívida social de uma magnitude cinco vezes maior do que a brecha de pobreza (poverty gap) da população abaixo de US$ 1 por dia por pessoa. Vemos pela tabela abaixo, que países como a Indonésia, Índia, Paquistão, Bangladesh e Nigéria estão ainda pior.
POBREZA NOS PAÍSES MAIS POPULOSOS DO TERCEIRO MUNDO + ARGENTINA PAÍS LINHA DE POBREZA NACIONAL LINHA DE POBREZA INTERNACIONAL
ANO POPULAÇÃO ABAIXO DA LINHA DE POBREZA (%) ANO POPULAÇÃO ABAIXO DA LINHA DE POBREZA (%) ANO POPULAÇÃO ABAIXO DE US$1 (%) BRECHA DE POBREZA A US$1** POPULAÇÃO ABAIXO DE US$2 (%) BRECHA DE POBREZA A US$2**

1996 1998 1999 6,0 4,6 18,8 4,4 52,6 20,9 1992 1994 1997 40,9 35,0 44,2 12,0 86,2 41,4 INDONÉSIA 1996 1999 1999 15,7 27,1 7,7 1,0 55,3 16,5 BRASIL 1990 1998 17,4 .. 11,6 3,9 26,5 11,6 RÚSSIA 1994 1998 30,9 .. 7,1 1,4 25,1 8,7 PAQUISTÃO 1991 1996 34,0 .. 31,0 6,2 84,7 35,0 BANGLADESH 1992 1996 1996 42,7 35,6 29,1 5,9 77,8 31,8 NIGERIA 1985 1993 1997 43,0 34,1 70,2 34,9 90,8 59,0 MÉXICO 1988 1998 10,1 .. 15,9 5,2 37,7 16,0 ARGENTINA 1991 1993 25,5 17,6 .. .. .. .. Fonte: Banco Mundial. World Development Indicators 2002 on CD-ROM. Washington, Banco Mundial, 2002. ** O conceito de hiato ou brecha de pobreza (Poverty Gap) é definido como o déficit de renda agregada dos pobres como porcentagem do consumo agregado. Mede, portanto, a transferência necessária para que a renda de cada pessoa pobre fique exatamente acima daquela determinada linha da pobreza que se está considerando.
CHINA ÍNDIA

A quantidade de pessoas abaixo da linha de pobreza de US$ 2 da China, Índia, Indonésia, Paquistão e Bangladesh é distinta para países como Brasil, México e Rússia, fazendo com que o patamar da brecha de pobreza seja bem menor nestes últimos. No entanto, como vemos na tabela abaixo, a desigualdade ou distribuição de renda neste último grupo de países (incluindo Argentina) é maior do que a do grupo anterior e supera o Índice de Gini de 48 (chegando a 60 no caso brasileiro). Já a Nigéria, representante do continente africano, tem ambos índices altos. Notemos também que são os paises latino-americanos (Brasil e México) e africanos (Nigéria) os que têm os 10% mais ricos com mais de 40% da renda nacional.
DISTRIBUIÇÃO DA RENDA NOS PAÍSES MAIS POPULOSOS + ARGENTINA PAÍS ANO GINI < 10% < 20% 2º 20% 3º 20% 4º 20% > 20% CHINA 1998 c,d 40,3 2,4 5,9 10,2 15,1 22,2 46,6 ÍNDIA 1997 a,b 37,8 3,5 8,1 11,6 15,0 19,3 46,1 EUA 1997 c,d 40,8 1,8 5,2 10,5 15,6 22,4 46,4 INDONÉSIA 1996 c,d 36,5 3,6 8,0 11,3 15,1 20,8 44,9 BRASIL 1996 c,d 60,0 0,9 2,5 5,5 10,0 18,3 63,8 RÚSSIA 1998 a,b 48,7 1,7 4,4 8,6 13,3 20,1 53,7 PAQUISTÃO 1997 a,b 31,2 4,1 9,5 12,9 16,0 20,5 41,1 JAPÃO 1993 c,d 24,9 4,8 10,6 14,2 17,6 22,0 35,7 BANGLADESH 1996 a,b 33,6 3,9 8,7 12,0 15,7 20,8 42,8 NIGÉRIA 1997 a,b 50,6 1,6 4,4 8,2 12,5 19,3 55,7 MÉXICO 1995 c,d 53,7 1,4 3,6 7,2 11,8 19,2 58,2 ALEMANHA 1994 c,d 30,0 3,3 8,2 13,2 17,5 22,7 38,5 ARGENTINA* 1996cde 48,0 1,5 4,3 8,6 13,2 20,8 52,9 > 10% 30,4 33,5 30,5 30,3 47,6 38,7 27,6 21,7 28,6 40,8 42,8 23,7 35,9

Fonte: Banco Mundial 2000, Op Cit.; * BID. Facing Up To Inequality in Latin America. BID, Washington, 1998, p. 25. a. Refere-se a partes de consumo por percentual da população. b. Ordenado pelo consumo per capita. c. Refere-se a partes de renda por percentual da população. d. Ordenado por renda per capita. e. Refere-se apenas à Grande Buenos Aires.

15 Abaixo temos uma comparação da desigualdade entre os cinco países mais populosos do planeta para podermos avaliar a disparidade do Brasil, proxy da América Latina, e a Ásia (China no Leste, Indonésia no Sudeste e Índia no Sul). Percebemos também que o Índice de Gini e a percela que cabe aos 20% mais ricos é maior também nos EUA do que na Ásia, mas nem se compara à desigualdade no Brasil.
Desigualdade nos Países mais Populosos, 1990
70 2,5% 60 Índice de Gini BRASIL CHINA 40 7,0% 4,6% 9,2% 9,1% ÍNDIA INDONÉSIA EUA

50

30

20 35%

40%

45%

50%

55%

60%

65%

70%

Parcela que cabe aos 20% m ais ricos Fonte: Banco Mundial. “World Development Indicators 1997 on CD-ROM”. Washington, Banco Mundial, 1997. As porcentagens ao lado das bolhas e o tamanho destas indicam a parcela que cabe aos 20% mais pobres.

Toda essa desigualdade se traduz em mais pobreza. As previsões otimistas de que o problema da pobreza seria resolvido pelo atual padrão de desenvolvimento do capitalismo financeiro não se confirmaram. No Relatório de Desenvolvimento Mundial de 1990, o Banco calculava que o número de pobres no mundo poderia ser reduzido em mais de 300 milhões até o ano 2000. Ora, como podemos ver pelo gráfico abaixo baseado em números do próprio Banco Mundial, decididamente não foi isso que aconteceu.
Número de Pobres (pessoas vivendo com menos de US$ 1,08 por dia, 1993 PPP)
1400 73,76 63,66 452,45 415,13 431,91 70,79 75,99 265,13 78,16 278,32

1200

1000

Latin America East Asia

milhões

800 217,22 242,31 273,29 288,97 290,87

sub-Saharan Africa South Asia East Europe & Central Asia Middle East & North Africa

600

400 474,41 200 495,11 505,08 531,65 522

0 1987 1990 1993 1996 1998

Fonte: A partir de Banco Mundial. World Development Report 2000/2001. Washington, Banco Mundial, 2001.

16 Para a visão liberal de Wade, a desigualdade mundial merece maior atenção, pois a evidência sugere que a desigualdade global está aumentando rapidamente. Explica ele que isto de deve às tendências de crescimento da economia que se chocam com as tendências de crescimento das populações.
“Why has global inequality increased? The answer is in four parts: (1) faster economic growth in developed OECD countries than developing countries as a group; (2) faster population growth in developing countries than in OECD countries; (3) slow growth of output in rural China, rural India, and Africa; and (4) rapidly widening output and income differences between urban China on the one hand, and rural China and rural India on the other. The income of urban China grew very fast during 1988-93, which reduced the gap between China’s average income and that of the middleincome and rich countries, and so reduced the world Gini coefficient; but the widening gaps between rural China and urban China and between urban China and rural India increased world inequality by even more”.31

Além disso o desenvolvimento tecnológico e a liberalização financeira provocam uma deterioração dos termos de troca entre os produtos intensivos em tecnologia e os intensivos em mão-de-obra, estes últimos provenientes dos países do Terceiro Mundo. Temos então dois tipos de desigualdade: por renda e por preços.
“The poorer countries and the poorer two-thirds of the world’s population therefore suffer a double marginalisation: once through incomes, again through prices”. (Idem Ibidem)

Para Salama e Valier,32 os padrões de inserção na economia mundial das regiões periféricas (basicamente, na América Latina: economia primário-exportadora e industrialização por substituição de importações) foram os responsáveis pela distribuição de renda vertical que deu origem à dinamização do crescimento. Isto é, houve a instauração de um regime de acumulação que harmonizava o perfil da distribuição de renda com o da produção: “uma distribuição de renda que favorecia as classes médias, excluindo ainda mais os de renda menor; uma produção dinamizada pela expansão do setor de bens de consumo duráveis destinados principalmente a essas classes médias [...] e as camadas superiores, bem como pela demanda induzida dirigida ao setor de bens de capital”. Ou seja, trata-se de um regime de acumulação excludente. A situação dos excluídos dos benefícios da acumulação se agravou com a inflação, as crises econômicas e a expansão do domínio financeiro. Segundo estes autores, a um saneamento liberal da situação econômica (estabilização e controle do déficit público, basicamente) corresponde um padrão de combate à pobreza que depende: a) do estado de saneamento das finanças públicas, b) dos recursos provenientes da privatização de empresas públicas e c) da destinação focalizada das despesas sociais do governo. Essas políticas permitem uma diminuição do empobrecimento crescente, embora aumentem a parcela da população concentrada em torno da linha de pobreza devido a dois processos: a) desigualdade crescente entre aqueles que se beneficiam da renda do trabalho com os que se beneficiam da renda do capital; e b) distribuição diferente da renda do trabalho entre os que são qualificados e os que não o são, e entre os que tem emprego e os desempregados. Além disso, os cortes no orçamento, resultantes do desmonte do Estado do Bem Estar Social promovido pelas políticas neoliberais, geralmente afetam setores como educação e saúde, que são voltados para as pessoas mais carentes. Veremos agora dados para essas populações destituídas na América Latina.
31

Wade, Robert. “Winners and Losers”. The Economist, 26 de abril de 2001; ver também os “reparos” feitos ao artigo de Wade no Economic Focus: The Economist . “Of Rich and Poor”. The Economist, 26 de abril de 2001. Salama, Pierre e Valier, Jacques. Pobrezas e Desigualdades no 3º Mundo. São Paulo, Nobel, 1997.

32

17 A CEPAL,33 usando linhas de pobreza baseadas nas necessidades básicas estimou que, por volta de 1960, 50% da população da América Latina era pobre. Essa porcentagem passou para 40% em 1970, quando o Brasil teria 49%, o México 34% e a Argentina 8%. Já em 1980, a CEPAL34 calculou que na América Latina 35% dos domicílios eram pobres e 15% indigentes. Depois de aumentar para 41% os domicílios pobres e 18% os indigentes em 1990, o quadro voltou a ser, em 1999, praticamente o mesmo que em 1980 em termos porcentuais. Porém, enquanto a pobreza rural cresceu pouco (59,9% para 63,7%), a pobreza urbana aumentou de 29,8% para 37,1% da população das cidades, o que, com o crescimento populacional significou a duplicação do número de pobres urbanos: de 62,9 milhões em 1980 para 134,2 milhões em 1999. Somados aos rurais, o número de pobres na América Latina em 1999, conforme calculado pela CEPAL,35 salta para 211,4 milhões. Então, se medida pela porcentagem de indivíduos abaixo da linha de pobreza há uma estagnação da pobreza, ou até uma melhoria se considerado o período 1990-1999. Mas o fato é que o número de pobres em termos absolutos saltou de 135,9 milhões em 1980 (40,5%) para 211,4 milhões em 1999 (43,8%). O número de indigentes aumentou de 62,4 milhões de pessoas em 1980 (18,6%) para 89,4 milhões em 1999 (18,5%). Dito de outra forma: 35% dos domicílios latino-americanos são pobres e 14% dos domicílios são indigentes. A CEPAL dividiu os países da América Latina em grupos de alta incidência de pobreza (Honduras, Nicarágua, Equador, Guatemala, Bolívia e Paraguai), média incidência de pobreza (Venezuela, Colômbia, El Salvador, República Dominicana, México, Brasil, Peru e Panamá) e baixa incidência de pobreza (Chile, Costa Rica, Argentina e Uruguai). Alta incidência de pobreza significa que uma porcentagem não inferior a 40% da população está vivendo na pobreza. Segundo a CEPAL esse grupo não poderia superar a pobreza sem “una decidida y especial cooperación internacional y particularmente regional”.36 Uma baixa incidência significa que menos de 20% da população é pobre. O restante (8 países, inclusive o Brasil) está na faixa intermediária (20%-40%). O Brasil diminuiu a população pobre de 41% para 29% entre 1990 e 1996, sendo que a pobreza rural diminuiu mais do que a urbana, o que é importante dado que a pobreza em números absolutos é um fenômeno urbano, mas a indigência é um fenômeno basicamente rural na América Latina. Foi o acelerado processo de urbanização na região que provocou a mudança espacial da pobreza do campo para a cidade. Pode-se apontar já para 1970 algumas tendências que perduram na caracterização da pobreza latino-americana:37 a) por volta de 55% do total de pobres eram menores de 15 anos, sendo que na época essa faixa etária representava 40% da população; b) um em cada quatro pobres era menor de 6 anos, e metade desta faixa etária era pobre; c) a renda dos domicílios pobres vem quase que exclusivamente do trabalho, existindo estreita relação entre pobreza e desemprego, e também entre pobreza e uma situação de subemprego; d) os domicílios encabeçados por mulheres têm alta probabilidade de serem indigentes; e) o nível de educação é uma variável altamente correlacionada com a pobreza, sendo que a maioria dos chefes de família pobres e indigentes tinha menos de 3 anos de estudo; f) a pobreza rural é mais intensa, afetando mais as populações indígenas e negra, além dos bóiasfrias; g) o crescimento econômico é uma condição necessária mas não suficiente para superar a pobreza. No quadro seguinte temos a evolução da pobreza na América Latina.
33 34 35 36 37

CEPAL. La Pobreza en América Latina: Dimensiones y Políticas. Santiago, ONU, 1985, pp. 11-49. CEPAL. Panorama Social de América Latina. Santiago, CEPAL, 1998. CEPAL. Panorama Social de América Latina 2000-2001. Santiago, CEPAL, 2001. CEPAL (1985), Op Cit., p. 48. Idem, pp. 28-49.

18

Evolução da pobreza e da desigualdade na América Latina
70.000 60.000 50.000 40.000 30.000 20.000 10.000 $112 1970 1975 1% + pobres 1980 1% + ricos 1985 pobreza 1990 1995 indigência $170 $184 51 $10.711 45 117 $46.556 $43.685 108 94 73 43 $193 $180 $159 75 $54.929 148 153 $64.948 $66.363 180 160 140 120 100 80 60 36 40 20 milhões de pessoas

Fonte: A partir de Londoño e Székely, Persistent Poverty and Excess Inequality Latin America, 1970-1995. Washington, BID, 1997. O estudo assume que os números de 13 países, correspondentes a 83% da população latino-americana, representam o total.

Abaixo podemos observar a disparidade na concentração de renda entre as diversas regiões do globo. A América Latina tem a maior concentração de recursos entre os 5% mais ricos e a menor alocação de renda para os 30% mais pobres, embora se situe em nível intermediário com relação ao PIB per capita. Já a Ásia do Sudeste e o resto da Ásia diferem em termos de renda per capita mas mantêm o mesmo padrão com relação à distribuição de renda. Os países industrializados são os mais igualitários e os que detêm maior renda per capita.

Esse padrão diferenciado de estrutura social pode ser constatado em dados por país como os que são mostrados a seguir. Verificamos como se traduz esta disparidade regional da distribuição de renda em termos do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) e do Índice de Pobreza Humana (IPH), elaborados pelo PNUD. A América Latina ocupa um claro lugar intermediário entre os países mais desenvolvidos da Ásia e os países asiáticos menos desenvolvidos.

US$

110

19

ÍNDICES DE DESENVOLVIMENTO HUMANO E POBREZA, 1990-2003
ÍNDICE DE POBREZA HUMANA* (IPH), 2003 VALOR DO IPH (%) 11,1** ... 6,3 ... ... 4,1 5 8,8 ... 8,2 11,4 12,9 11,4 14,2 19,9 17,9 33,1 42,6 40,2 34 ORDEM DO IPH 10** ... 6 ... ... 3 5 13 ... 10 18 24 19 26 39 33 53 72 65 54 ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH), 2001 VALOR DO IDH (%) 0,932 0,889 0,884 0,879 0,849 0,831 0,806 0,800 0,790 0,779 0,777 0,768 0,752 0,721 0,688 0,682 0,590 0,502 0,499 0,463 ORDEM DO IDH 9 26 28 30 34 43 52 55 58 64 65 74 82 104 109 112 127 139 144 152

POPULAÇÃO NA POBREZA (US$2 POR DIA) 1990-2001 ... ... ... <2 ... 8,7 ... 24,3 9,3 26,5 23,7 32,5 41,4 47,3 ! 63,7 ! 55,4 ! 79,9 ! 82,8 ! 65,6 ! 90,8 !

JAPÃO HONG KONG CINGAPURA CORÉIA DO SUL ARGENTINA CHILE CUBA MÉXICO MALÁSIA COLÔMBIA BRASIL TAILÂNDIA PERU CHINA VIETNAM INDONÉSIA ÍNDIA BANGLADESH PAQUISTÃO NIGÉRIA

Fonte: PNUD. Relatório do Desenvolvimento Humano, 2003; * o índice de pobreza humana leva em conta a privação de sobrevivência, a privação de educação e as privações econômicas; ** O Japão é classificado pelo IPH-2, índice de pobreza humana para países desenvolvidos.

Vale reparar nas performances dos países do comunismo burocrático: a redução da pobreza em Cuba e na China ocupa importante posição nas ações dos governos destes países, o que faz com que tenham um sensível melhor desempenho no IPH (índice de pobreza que não considera renda) do que no IDH (que leva em conta a renda). Por outro lado, países do Leste Asiático como Japão, Cingapura, Coréia do Sul e a antiga colônia inglesa de Hong Kong têm um desenvolvimento humano bem melhor do que o resto da Ásia. De fato, o modo de desenvolvimento Japonês-Asiático apresenta um sistema de oportunidades sociais e econômicas que o torna estruturalmente mais igualitário produzindo menos desigualdades sociais e menos pobreza. Este modelo carrega, mesmo dentro do contexto da crise financeira mundial, elementos estruturalmente eqüitativos, onde as metas sociais e coletivas têm preeminência e dominância, como uma marca histórica das sociedades do Leste Asiático, dando ao capitalismo desenvolvimentista de Estado um potencial de dinamismo qualitativamente diferenciado. Este elemento estrutural qualitativamente singular, por razões históricas, está na construção de instituições de oportunidades sociais e econômicas que dão ênfase à educação básica e à assistência elementar à saúde, para não falar da implantação de reformas agrárias eficazes. Estas instituições sociais ampliaram e facilitaram a participação econômica da população no Leste Asiático. O que não foi possível, no entender de Amartya Sen, no Brasil, Índia e Paquistão (Sen, 2000: 62). Nós incluiríamos, além do Brasil, todos os países da América Latina e do Caribe, com a já mencionada exceção de Cuba. “A expansão de oportunidades sociais serviu para facilitar o desenvolvimento econômico com alto nível de emprego, criando também circunstâncias favoráveis para a redução de taxas de mortalidade e para aumento da expectativa de vida. O contraste é nítido com outros países de crescimento elevado – como o Brasil – que apresentaram um crescimento de PNB per capita quase comparável, mas que também têm uma longa história de grave desigualdade social, desemprego e descaso com o serviço público de saúde” (Idem Ibidem)

20
“De fato, muitas economias asiáticas – primeiro o Japão, depois a Coréia do Sul, Taiwan, Hong Kong e Cingapura, e mais tarde a China pósreforma e a Tailândia bem como outros países do Leste e Sudeste Asiático – lograram um êxito notável na difusão das oportunidades econômicas graças a uma base social que proporcionava uma sustentação adequada, como altos índices de alfabetização e educação básica, bons serviços gerais de saúde, reformas agrárias concluídas, etc.” (Sen, 2000: 113).

Entretanto, para o próprio Sen, as influências de viagens, migrações, comércio e difusão cultural ao longo da história se fez sentir em diferentes direções, com a Europa absorvendo tecnologia e ciência chinesas e matemática árabe e indiana, e estas civilizações também recebendo marcantes influências européias. Por esse seu relativismo cultural, também descarta a influência dos valores asiáticos no atual crescimento econômico da Ásia Oriental. Se a cultura européia não é a única via para uma modernização bem sucedida, não se deve estabelecer uma nova assimetria dos valores, desta vez em função da Ásia.
“Naturellement, le développement de l’Asie orientale presente certaines particularités, notamment um rôle plus marqué de l’éducation et de la formation, ainsi que l’établissement de relations plus harmonieuses - et plus coopératives - entre le marché et l’État. Mais ce ne sont pas lá des aspects propes aux ‘valeurs asiatiques’ en tant que telles, ni des exemples que 38 d’autres pays ne puissent suivre aussi facilement’’.

Contudo, como podemos constatar abaixo, é possível afirmar que os problemas da desigualdade social, da pobreza, da saúde e da educação têm íntima relação com os modos de desenvolvimento capitalista, sendo que o modo asiático de desenvolvimento capitalista revela-se mais igualitário, com maior investimento na construção de uma base social mais sólida e, que tem como resultado a criação de um sistema de oportunidades sociais mais eqüitativo.
SAÚDE, EDUCAÇÃO, RENDA E DESIGUALDADE NA ÁSIA E AMÉRICA LATINA, 1995-2000
GASTOS COM SAÚDE PER CAPITA (US$) CHINA HONG KONG INDONÉSIA JAPÃO CORÉIA MALÁSIA SINGAPURA TAILÂNDIA ARGENTINA BRASIL CHILE COLÔMBIA MÉXICO PERU VENEZUELA MORTALIDADE INFANTIL (POR 1000 NASC.) INGRESSO NO SECUNDÁRIO (% TOTAL) ÁSIA PIB PER CAPITA, PPP (US$ INTERN. CORRENTES) ÍNDICE DE GINI

40 1.134 8 2.243 470 81 678 112 654 308 289 227 236 141 171

39 ... 51 5 10 11 6 33 22 39 12 23 36 41 24

62 72 56 102 102 98 67 88
AMÉRICA LATINA

3.976 25.153 3.043 26.755 17.380 9.068 23.356 6.402 12.377 7.625 9.417 6.248 9.023 4.799 5.794

40 52 32 25* ... 49 ... 41 48** 61 57 57 53 46 50

89 83 85 53 71 81 40

Fonte: Banco Mundial. World Development Indicators on CD-ROM. Washington, 2002; * Banco Mundial, 2000; ** BID, 1998.

38

Sen, Amartya. “Valeurs asiatiques et croissance économique”. Le Monde, 27 de outubro de 1998.

21 Assim, percebemos que a melhoria das condições de vida e o processo de inclusão de uma maior população na cidadania se dá no Leste Asiático em duas vias diferenciadas porém convergentes: o sistema de oportunidades sociais do Estado desenvolvimentista capitalista Japonês-Asiático; e a economia socialista de mercado do comunismo burocrático Chinês. Ambas possuem, definitivamente, um regime de acumulação mais igualitário e includente do que o observado na América Latina. Concluindo, é possível compreender o padrão de acumulação e inserção do Leste Asiático como uma alternativa – dentro do modo de produção capitalista – ao regime de acumulação dependente latino-americano e ao modo de desenvolvimento concentrador Anglo-Americano. Como questões finais temos indagações a respeito de se estes modelos de crescimento econômico do modo de desenvolvimento asiático se constroem para efetivamente promover a emancipação dos povos destes países ou não. Emancipação entendida como: 1) democratização da estrutura de poder social de modo a permitir uma maior participação popular no desenvolvimento social; e 2) construção de uma alternativa econômica regional a um capitalismo extremamente hierarquizado internacionalmente. Em suma, em que medida o desenvolvimento econômico observado no Leste Asiático pode servir para promover o desenvolvimento social das populações locais, estruturar mecanismos democráticos de emancipação social e permitir a construção da soberania das nações da região, constituindo-se num exemplo a ser seguido pela América Latina dentro dos marcos do desenvolvimento capitalista. Outra indagação diz respeito à globalização: até que ponto será possível manter modos de desenvolvimento capitalista regionais numa economia mundial que integra de maneira crescente as economias nacionais; até que ponto será possível manter a independência nas decisões políticas, sociais e econômicas num Sistema Internacional de Estados Nacionais cada vez mais integrado; e até que ponto as próprias sociedades nacionais do planeta – cada vez mais estruturadas como uma sociedade global – indicam a tendência de construção de uma alternativa não capitalista? Na verdade, uma alternativa ao capitalismo certamente não é uma realidade com suficiente massa crítica hoje em dia, porém uma alternativa dentro do capitalismo é o que está em questão. Isto é, políticas públicas propositivas como alternativas de resistência à crescente desigualdade nacional e internacional; ações mobilizadoras dos movimentos sociais e sindicais para pressionar por políticas regionais de desenvolvimento social e econômico; por fim, o modo pelo qual o Estado socialmente controlado pode contrapor-se ao poder econômico, pelo menos para evitar as crises recorrentes do capitalismo financeirizado.

22

BIBLIOGRAFIA • ABEL, Christopher e LEWIS, Colin (orgs.). Latin America, Economic Imperialism and the State: the Political Economy of the External Connection from Independence to the Present. Londres, ILAS, 1991. AKYÜZ, Yilmaz. “Debate sobre a arquitetura financeira internacional”. Política Externa, vol. 9, n° 4, mar-abr-mai 2001. AKYÜZ, Yilmaz. “Estate Asian Development: New Perspectives”. Journal of Development Studies, 1998. ALTIMIR, Oscar. “Distribución del Ingreso e Incidencia de la Pobreza a lo Largo del Ajuste”. In: Revista de La CEPAL, abr 1994. AMIN, Samir. “Imperialism and Globalization” in: Monthly Review, Vol. 53, nº 2, Jun 2001, http://www.monthlyreview.org/0601amin.htm . ANTUNES, Ricardo. Os Sentidos do Trabalho. São Paulo. Boitempo, 1999. ARRIGHI, Giovanni. A Ilusão do Desenvolvimento. Petrópolis, Vozes, 1997. BANCO MUNDIAL. China’s Economic Reform in the 1990s. Washington, Banco Mundial, 1997. BANCO MUNDIAL. Global Economic Prospects and the Developing Countries. Washington, Banco Mundial, 1996. BANCO MUNDIAL. Relatório sobre o Desenvolvimento Mundial 1995. O Trabalhador e o Processo de Integração Mundial. Washington, Banco Mundial, 1995. BANCO MUNDIAL. World Development Indicators 1997 on CD-ROM. Washington, Banco Mundial, 1997. BANCO MUNDIAL. World Development Indicators 2000 on CD-ROM. Washington, Banco Mundial, 2000. BANCO MUNDIAL. World Development Indicators 2002 on CD-ROM. Washington, Banco Mundial, 2002. BANCO MUNDIAL. World Development Report 1990. Poverty. Washington, Banco Mundial, 1990. BARROS, Ricardo Paes e MENDONÇA, Rosane. Os determinantes da desigualdade no Brasil. Rio de Janeiro, DIPES/IPEA, 1998. BID. Facing Up To Inequality in Latin America. BID, Washington, 1998. BIELSCHOWSKY, Ricardo. Cinqüenta Anos de Pensamento na CEPAL. São Paulo, Record-CEPAL, 2000. BOBBIO, Norberto. O conceito de Sociedade Civil. Rio de Janeiro, Graal, 1982. BULMER-THOMAS, Victor (org.). El Nuevo Modelo Económico en América Latina: su Efecto en la Distribución del Ingreso y en la Pobreza. México, Fondo de Cultura Económica, 1996.

• • • • • • • • • • • • • • • • • •

23 • • • • • • • • BULMER-THOMAS, Victor. The Economic History of Latin America since Independence. Cambridge, Cambridge University Press, 1994. CAMARGO, José e GIAMBIAGI, Fabio (orgs.). Distribuição de Renda no Brasil, Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1991. CANO, Wilson. “América Latina: do Desenvolvimento ao Neoliberalismo”. In: Estados e Moedas no Desenvolvimento das Nações. Rio de Janeiro, Vozes, 1999. CARDOSO,Eliana e HELWEDGE, Ann. La Economía Latinoamericana. Diversidad, Tendencias y Conflictos. México, Fondo de Cultura Económica, 1993. CASANOVA, Pablo G. (org.). No Intervención, Autodeterminación y Democracia en América Latina. México, Siglo XXI, 1983. CASTEL, Robert. Metamorfoses da Questão Social. São Paulo, Vozes, 1998. CASTELLS, Manuel. A Sociedade em Rede. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1999. CEPAL. “América Latina e Caribe: Políticas para Melhorar a Inserção na Economia Mundial”. In: BIELSCHOWSKY, Ricardo. Cinqüenta Anos de Pensamento na CEPAL. São Paulo, Record-CEPAL, 2000. CEPAL. Equidad y transformación productiva. Un enfoque integrado. Santiago, ONU, CEPAL, 1992. CEPAL. Estudio Económico de América Latina y del Caribe 1996-1997. Síntesis. Santiago, CEPAL, 1997. CEPAL. La Brecha de la Equidad. América Latina, El Caribe y la Cumbre Social. Resumen y Conclusiones. Mimeo, 1997. CEPAL. La Pobreza en América Latina: Dimensiones y Políticas. Santiago, ONU, 1985. CEPAL. Panorama Social de América Latina 1998. Santiago, CEPAL, 1998. CEPAL. Panorama Social de América Latina 1999-2000. Santiago, CEPAL, 2000. CEPAL. Panorama Social de América Latina 2000-2001. Santiago, CEPAL, 2001. CEPAL. Pobreza en América Latina: Dimensiones y Políticas. Santiago, CEPAL, 1985. CEPAL. Transformación Productiva con Equidad. Santiago, ONU/CEPAL, 1990. CHEN, Shahoua e WANG, Yan. China' Growth and Poverty Reduction: Recent s Trends between 1990 and 1999. Washington, Banco Mundial, jul 2001. CHESNAIS, François. (coord.). A Mudialização Financeira. Gênese, Custos e Riscos. São Paulo, Xamã, 1999. CHESNAIS, François. “A Emergência de um Regime de Acumulação Financeira”. Praga – Estudos Marxistas, n° 3, 1997. CHESNAIS, François. “A Fisionomia das Crises no Capitalismo Mundializado”. Novos Estudos Cebrap, nº 52, nov 1998. CHESNAIS, François. A Mundialização do Capital. São Paulo, Xamã, 1996.

• • • • • • • • • • • • • •

24 • • • • CHOI, Dae Won. O Pensamento Econômico Latino-Americano na Época da Globalização. São Paulo, FFLCH-USP, 1992. (Tese de Doutorado). CHOMSKY, Noam. Novas e Velhas Ordens Mundiais. São Paulo, Escrita, 1996. COHEN, Eliot. “Defendendo a América”. Política Externa, mar-abr-mai 2001. CORNIA, Giovanni Andrea. “Income Distribution, Poverty and Welfare in Transitional Economies: a Comparison Between Eastern Europe and China”. Journal of International Development, V.6, nº 5, 1994, pp. 569-607. COUTINHO, Luciano. « Coréia do Sul e Brasil : Paralelos, Sucessos e Desastres ». In: FIORI, Luis José (org.) Estados e Moedas no Desenvolvimento das Nações. Petrópolis, Vozes, 1999. DEL CAMPO, Julio (org.). Hegemonía y Alternativas Políticas en América Latina. México, Siglo XXI, 1985. DI FILIPPO, Armando e FRANCO, Rolando. “Processos de Integración Regional en Europa y América Latina: Empleo y Relaciones de Trabajo”. In: DIEESE. Emprego e Desenvolvimento Tecnológico. São Paulo, DIEESE/UNICAMP, 1999. DI FILIPPO, Armando. Desarollo y Desigualdad Social en la América Latina. México, Fondo de Cultura Económica, 1981. DIEESE. Emprego e Desenvolvimento Tecnológico. São Paulo. DIEESE/UNICAMP, 1999. DRAKE, Paul W. (Ed.). Money Doctor, Foreign Debts, and Economic Reforms in Latin America – From the 1890 to the Present. EUA, Jaguar Books on Latin America, 1994. ESTENSSORO, Luis. Capitalismo, Desigualdade e Pobreza na América Latina. São Paulo, Deptº de Sociologia da FFLCH-USP, 2003, (Tese de Doutorado). EVANS, Peter. “O Estado Como Problema e Solução”. Lua Nova, nº 28/29, pp. 107156, 1993. FAJNZYLBER, Fernando. “Industrialização na América Latina: da ‘caixa-preta’ ao ‘conjunto vazio’”. In: BIELSCHOWSKY, Ricardo. Cinqüenta Anos de Pensamento na CEPAL. São Paulo, Record-CEPAL, 2000. FALETTO, Enzo. “Problemas de la Transformación Social en América Latina”. In: KLIKSBERG, Bernardo (org.) Cómo Enfrentar la Pobreza? Aportes para la Acción. Buenos Aires, GEL, 1992. FIORI, “Estado, Moedas e Desenvolvimento”. In: FIORI, Luis José (org.) Estados e Moedas no Desenvolvimento das Nações. Petrópolis, Vozes, 1999. FIORI, José Luis. Em Busca do Dissenso Perdido – Ensaios Críticos sobre a Festejada Crise do Estado. Rio de Janeiro, Insight, 1995. FMI. Japan: Economic and Policy Development. Washington, FMI, nov 2000, IMF Staff Country Report, nº 00/143. FURTADO, Celso. “Globalização das Estruturas Econômicas”. Política Externa, vol. 1, n° 4 , mar-abr-mai 1993.

• •

• • •

• • •

• • • •

25 • • • • • GONÇALVES, Reinaldo. Globalização e Desnacionalização. São Paulo, Paz e Terra, 1999, pp. 24-25. GRAY, John. Falso Amanhecer. Os Equívocos do Capitalismo. Rio de Janeiro, Record, 1999. GRUPPI, Luciano. Tudo Começou com Maquiavel. As concepções de Estado em, Marx, Engels, Lênin e Gramsci. Porto Alegre, LPM, 1980. HABERMAS, Jüergen. A Crise de Legitimação no Capitalismo Tardio. Rio de Janeiro, Tempo Brasileiro, 1980. HEMMER, Hans-Rimbert. “Posibilidad de encarar una Política de Desarrollo Orientada a Superar la Pobreza: Visión General”. Contribuciones, Buenos Aires, vol.3, pp. 33-68, 1995. HIRANO, Sedi. “A América Latina Dentro da Hierarquização do Mercado Mundial” in: SOLAR V. América Latina e Caribe e os Desafios da Nova Ordem Mundial. São Paulo, PROLAM-USP, 1998, pp. 139-150. HOHATYN, Felix. “Estados Unidos: Uma Nova Economia?”. Política Externa ,vol. 1, n ° 2, set-out 1992. HOHATYN, Felix. “What Government Should Do”. New York Review of Books, Nova York, 1992. HOUNIE, Adela; PETTALUGA, Lúcia; PORCILE, Gabriel e SARTOLIN. “La CEPAL y las Nuevas Teorias del Crecimiento”. Revista de La CEPAL, ago 1999. HU, Zuliu e KHAN, Mohsin. Why is China Growing so Fast? Washington, FMI, 1997, pp. 01-10; HUNTINGTON, Samuel P. Choque de Civilizações e a Reconstrução da Ordem Mundial. Rio de Janeiro, Objetiva, 1997. IANNI, Octavio. A Era do Globalismo. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1998. IANNI, Octavio. Estado e Capitalismo. São Paulo, Brasiliense, 1988. IANNI, Octavio. Estado e Planejamento Econômico no Brasil. Rio de janeiro, Civilização Brasileira, 1991. IANNI, Octavio. Sociedade Global. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1999. IANNI, Octavio. Teoria da Globalização. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1999. IPEA/PNUD. Relatório sobre o Desenvolvimento Humano no Brasil 1996. Brasília, PNUD, 1996. JAGUARIBE, Helio e HUNTINGTON, Samuel e NOGUEIRA BATISTA Fº, Paulo e BRZEZINSKI, Zbigniew. “A Nova Ordem Mundial”. Política Externa, vol. 1, jun 1992. JANVRY, Alain de e SADOULET. Growth, Inequality and Poverty: A Causal Analysis: 1970-1994. Califórnia, Giannini Foundations, 1996. JAPAN ALMANAC 1995, 1996, 1997, 1998, 1999, 2000 e 2001. Ed. Asahi Shimbum, de 1995 a 2001, Japão.

• • • • • • • • • • • •

• •

26 • • • • • • • • JOHNSON, Chalmers. Japan: Who Governs? The Rise of the Developmental State. New York, Norton, 1995. JOHNSON, Chalmers. MITI and the Japanese Miracle. Stanford University, 1992. JOHNSTONE, Christopher. “Strained Alliance: US-Japan Diplomacy in the Asian Financial Crisis”. Survival, vol. 41, nº 2, 1999. JONES, R .J. Barry. Globalisation and Interdependence in the International Political Economy: Rethoric and Reality. Londres, Printer Publishers, 1995. KANBUR, Ravi e SQUIRE, Lyn. The Evolution of Thinking About Poverty: Exploring the Interactions. Washington, World Bank, 1999. KAPLAN, Marcos. Aspectos del Estado en América Latina. México, UNAM, 1989. KHAN, Azizur Rahman. Poverty in China in the Period of Globalization. New Evidence on Trend and Pattern. Genebra, OIT, 1998, Discussion Paper 22. KORZENIEWICZ, Roberto P. & MORAN, Timothy P. “World-Economic Trends in the Distribution of Income, 1965-1992”. American Journal of Sociology, vol. 102 n. 4, pp. 1000-1039, jan 1997. KOWARICK, Lúcio. Capitalismo e Marginalidade na América Latina. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1985. KRUGMAN, Paul. “America the Boastfull”. Foreign Affairs, vol. 77, n° 3, mai-jun 1998. LAUTIER, Bruno e SALAMA, Pierre. “De L Histoire de la Pauvreté en Europe a la Pauvreté dans le Tiers Monde ». Revue Tiers Monde, t. XXXVI, n° 142, pp. 245-255, abr-jun 1995. LEW, Roland. “En Chine, un Etat autoritaire mais faible”. Le Monde Diplomatique, out 1999, pp 18-19. LINCOLN, Edward. “Japan’s Financial Mess”. Foregn Affairs, vol. 77, nº 3, mai-jun 1998. LONDOÑO, J. L. e SZÉKELY, Miguel. Persistent Poverty and Excess Inequality Latin America, 1970-1995. Washington, BID, 1997. LONDOÑO, Juan Luis e SZÉKELY. “Sorpresas Distributivas Después de una Década de Reforma: América Latina en los Noventa”. Pensamento Iberoamericano, 1998. LOWENTHAL, Abraham e TREVERTON, Gregory F. Latin America in a New World. Oxford, Westview Press, 1994. MACHADO, Vera Barroin. “China: Desafios e a Crise Asiática”. Novos Estudos CEBRAP, nº 52, nov 1998. MALONEY, William F. Poverty Reduction and Economic Management Unit: Latin America and Caribbean Region. Washington, Banco Mundial, 2000. MCKINLEY, Terry. Macroeconomics and Poverty Reduction. SEPED/PNUD, Discussion Paper, 1997. MEDEIROS, Carlos A. “Economia e Política do Desenvolvimento Recente na China”. Revista de Economia e Política. Vol. 19, nº 3 (75), jul-set 1999, p. 96.

• • •

• • • •

• • • • •

27 • • • MEDEIROS, Carlos. “China: entre o Século XX e XXI”. In: FIORI, Luis José (org.) Estados e Moedas no Desenvolvimento das Nações. Petrópolis, Vozes, 1999. MERCADANTE, Aloizio. “Marco Histórico”. Teoria e Debate, ano 14, nº 47, fevmar-abr 2001. MILANOVIC, Branco e YITZHAKI, Shlomo. Decomposing World Income Distribution: Does the World Have a Middle Class? Banco Mundial - Hebrew University, s/d. MORRIS-SUZUKI, Tessa. The Tecnological Transformation os Japan. Cambridge, Cambridge University Press, 1994. NAKAMURA, Takafusa, The Postwar Japanese Economy – It’s Development an Structure, 1937-1944. Tokio, University of Tokio Press, 1994. OCDE, “Economic Survey of Japan”. OCDE Observer, 2000. OLIVEIRA, Amaury Porto. “Capitalismo Sul-Coreano”. Política Externa, vol. 9, nº 3, dez-jan-fev 2000 e 2001. PAES DE PAULA, Ana Paula. “Tragtenberg Revisitado: as Inexoráveis Harmonias Administrativas” in: Anais do 24º ENANPAD, 2000, Florianópolis, http://www.nobel.com.br/cdmt/tragtenberg_revisitado.htm. PETRAS, James e VIEUX, Steve. “Como Vender el Ajuste Estructural”. Nueva Sociedad, Caracas, n° 143, pp. 142-157, mai-jun 1996. PNUD, “Uma Estratégia para a Superação da Pobreza na América Latina”. Estudos Avançados, São Paulo, v. 6, n° 16, pp. 157-182, set-dez 1992. PNUD. Human Development Report 1992. Nova York, Oxford University Press, 1992. PNUD. Relatório de Desenvolvimento Humano 1996. Lisboa, Tricontinental, 1996. PNUD. Relatório de Desenvolvimento Humano 1997. Lisboa, Trinova, 1997. PORTES, Alejandro. “Social Capital and Pitfalls of it’s Role in Development”. Journal of Latin Studies, Cambridge, 2000. PURYEAR, Jeffrey M. Education in Latin America. Problems and Challenges. Nova York, Council on Foreign Relations, 1996. QUIJANO, Aníbal. La Economía Popular y sus Caminos en América Latina. Lima, Mosca Azul, 1998. RAMONET, Ignacio. “Régimes Globalitaires”. Le Monde Diplomatique, jan 1997. REICH, R. The Work of Nations. Nova York, Vintage Books, 1992. REYNA, José Luis (org.). América Latina a Fines del Siglo. México, Fondo de Cultura Económica, 1994. ROCHA, Sonia. Desigualdade Regional e Pobreza no Brasil: A Evolução – 1981 a 1995. Brasília, IPEA, 1998. ROUQUIÉ, Alain. O Extremo-Ocidente. Introdução à América Latina. São Paulo, EDUSP, 1991.

• • • • •

• • • • • • • • • • • • •

28 • SADER, Emir. “Cuba no Brasil: Influências da Revolução Cubana na Esquerda Brasileira” in: VVAA. História do Marxismo no Brasil. Rio de Janeiro, Paz e terra, 1991, Vol. I, pp. 159-183. SAKAIYA, Taichi. Japão: As Duas Faces do Gigante. Lisboa, Difusão Cultural, 1994. SALAMA, Pierre e VALIER, Jacques. Pobrezas e Desigualdades no 3º Mundo. São Paulo, Nobel, 1997. SATO, Eiiti. O Papel dos Países Periféricos na Ordem Econômica Internacional: Percepções em Mudança. São Paulo, FFLCH/USP, 199l. (Dissertação de Mestrado). SCHILLING, Voltaire. EUA X América Latina. As Etapas da Dominação. Porto Alegre, Mercado Aberto, 1984. SCHOLTE, Jan A. International Relations of Social Change. Buckinghan, Open University Press, 1993. SCHUBERT, Renate. “La Pobreza en los Países en Desarrollo: Concepto, Magnitud, Consecuencias”. Contribuciones, Buenos Aires, vol. 3, pp. 7-32, 1995. SEN, Amartya. “Valeurs asiatiques et croissance économique”. Le Monde, 27 de outubro de 1998. SEN, Amartya. Desenvolvimento como Liberdade. São Paulo, Cia. das Letras, 2000. SHEAHAN, John. Patterns of Development in Latin America. Poverty, Repression and Economic Estrategy. Princeton, Princeton University Press, 1987. SHICHENG, Xu. Sobre la Reforma en China. São Paulo, Deptº de Ciência Política FFLCH/USP, 1992, Série Política Internacional 10. SINGER, Paul. “Desemprego e Exclusão Social”. São Paulo em Perspectiva. São Paulo, vol. 10, n° l , pp. 3-12, jan-mar 1996. SINGER, Paul. Dominação e Desigualdade. Estrutura de Classes e Repartição de Renda no Brasil. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1981. SINGER, Paul. Repartição de Renda: Pobres e Ricos sob o Regime Militar. Rio de Janeiro, Zahar, 1995. SMITH, Peter H. Hegemony by Default. Departamento de Ciência Política, FFLCHUSP, junho de 1999. STALLINGS, Bárbara e SZÉKELY, Gabriel. Japan, the United States and Latin America. Baltimore, John Hopkins University Press, 1993. STIGLITZ, Joseph. “Rumo ao pós-Consenso de Washington”. Política Externa, vol. 8, n° 1, jun 1998. SUNKEL, Osvaldo. “Las Relaciones Centro-Periferia y la Transnacionalización”. Pensamiento Iberoamericano, n° 11, jan-jun 1987, pp. 31-57. TAVARES, Maria da Conceição. “Império, Território e Dinheiro”. In: FIORI, Luis José (org.) Estados e Moedas no Desenvolvimento das Nações. Petrópolis, Vozes, 1999. TELLES, Vera da S. “Direitos Sociais: Afinal do que se Trata?”. Revista USP, São Paulo, n° 37, pp. 34-45, mar-mai 1998.

• • • • • • • • • • • • • • • • • •

29 • • • • THUROW, L. “O Colapso e a Cura”. Política Externa, vol. 6, n° 4, mar-mai 1998. THUROW, L. Head to Head: The Coming Economic Battle between Japan and America. Nova York, William Morrow, 1992. THUROW, L. O Futuro do Capitalismo – Como as Forças Econômicas Moldam o Mundo de Amanhã. Rio de Janeiro, Rocco, 1997. TOKMAN , Victor E. “Pobreza y Homogeneización: Tareas para los Noventa”. In: REYNA, José Luis (org.) América Latina a Fines del Siglo. México, Fondo de Cultura Económica, 1994. TOKMAN, Victor E., GARCIA, Álvaro e INFANTE, Ricardo. “Paying Off the Social Debt in Latin America”. International Labour Review, vol. 128, nº4, pp. 467-483, 1989. TOMASSINI, Luciano (org.). Transnacionalización y Desarrollo Nacional en América Latina. Buenos Aires, GEL, 1984. TOURAINE, Alain. Palavra e Sangue – Política e Sociedade na América Latina. São Paulo, Trajetória Editorial, 1989. TRAGTENBERG, Maurício. Burocracia e Ideologia. São Paulo, Ática, 1992. TSURU, Shigeto. Japan’s Capitalism – Creative Defeat and Beyond. Cambridge, Cambridge University Press, 1994. TYSON, L. Who is Bashing Wham?. Trade Conflict in High-Tecnology Industries. Institute for International Economics, 1992. VALLADARES, Lícia e COELHO, Magda P. (orgs.). Governabilidade e Pobreza no Brasil. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1995. VVAA. Modernidade, Globalização e Exclusão. São Paulo, Imaginário, 1996. WADE, Robert. “Winners and Losers”. The Economist, 26 de abril de 2000. WALLERNSTEIN, Immanuel. “Possibilidades Globais, 1920-2025”. Praga – Estudos Marxistas, n° 5, mai 1998. WEFFORT, Francisco. Qual Democracia? São Paulo, Companhia das Letras, 1992. WEINBERG, Daniel e JONES Jr., Arthur. The Changing Shape of the Nation’s Income Distribution. US Census Bureau, Current Population Reports, jun 2000. WEINBERG, Daniel. A Brief Look at Postwar US Income Inequality. US Census Bureau, Current Population Reports, jun 1996. YAO, Shujie. “Economic Development and Poverty Reduction in China over 20 Years of Reforms”. Economic Development and Cultural Change, vol. 48, nº 3 (2000), pp. 447-474. YAO, Shujie. “Economic Growth, Income Inequality and Poverty in China under Economic Reforms”. Journal of Development Studies, vol. 35, n 6, ago 1999, pp. 104130. ZHANG, Amei. “Poverty Alleviation in China: Commitment, Policies and Expenditures”. Mimeo, 1993.

• • • • • • • • • • • • •

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->