Você está na página 1de 7

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE QUÍMICA E BIOLOGIA


BACHARELADO EM QUÍMICA TECNOLÓGICA / LICENCIATURA EM QUÍMICA

GUILHERME LEMOS KOSTECZKA


JOÃO MARCOS LENHARDT SILVA
LUIS GUSTAVO DE LIMA BUENO

ANÁLISE DOS CÁTIONS DO GRUPO 1

TRABALHO ACADÊMICO

CURITIBA
2009
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ
DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE QUÍMICA E BIOLOGIA
BACHARELADO EM QUÍMICA TECNOLÓGICA / LICENCIATURA EM QUÍMICA

GUILHERME LEMOS KOSTECZKA


JOÃO MARCOS LENHARDT SILVA
LUIS GUSTAVO DE LIMA BUENO

ANÁLISE DOS CÁTIONS DO GRUPO 1

Trabalho acadêmico, apresentado à disciplina de Química


Analítica, do Curso Superior de Bacharelado em Química
Tecnológica/ Licenciatura em Química do Departamento
Acadêmico de Química e Biologia -DAQBI- da
Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR
como meio de avaliação da capacidade dos estudantes
registrarem e organizarem dados resultantes de
experimentos, bem como a habilidade em obtenção de
conhecimentos e aplicação dos mesmos na explicação e
compreensão dos fenômenos ocorridos.

Prof. Alessandro Feitosa Machado

CURITIBA
2009
INTRODUÇÃO

Os íons deste grupo são precipitados na forma de cloretos insolúveis


pela adição de um leve excesso de ácido clorídrico. Na presença de ácido
clorídrico diluído, os íons Ag+ , Pb+ e Hg22+ irão formar um precipitado branco
de cloreto de prata, cloreto de chumbo e cloreto de mercúrio.É importante
salientar também que os nitratos são muito solúveis, e que o sulfato de chumbo
é praticamente insolúvel (A.VOGEL, 1981).
A exceção, porém, diz respeito ao cloreto de chumbo já que este
apresenta solubilidade notável em água. Por esse motivo não é completamente
removido na precipitação do grupo I.
Os íons cobre I, ouro I e Tálio I podem também ser incluídos neste
grupo, pois formam cloretos insolúveis.
Os objetivos desse trabalho são a análise qualitativa de reações por
meio do deslocamento do equilíbrio químico e o comportamento dos cátions
frente a vários reagentes diferentes.

EXPERIMENTAL

Reagentes

Solução dos cátions do grupo I


Solução de HCl 6,0 mol/L
Solução de CH3COOH 6,0 mol/L
K2CrO4 1,0 mol/L
NH4OH 6,0 mol/L
HNO3 6,0 mol/L
Todos os reagentes estavam prontos desde o início do experimento.

Instrumental
As observações da presença dos cátions do grupo I foram feitas em tubos de
ensaio. A separação da parte precipitada da parte liquida foram realizadas em uma
centrifuga, em velocidade 2, com tubos para centrifuga.
O banho-maria foi feito em um béquer de 250 mL. Na lavagem dos sólidos foi
utilizada uma pipeta de Pasteur e para medição de pH papel indicador(QUAL???).

Procedimento

Colocou-se 10 gotas da solução de cátions do grupo I em um tubo para


centrifuga e em seguida foram adicionadas 10 gotas de HCl 6,0 mol/L. Centrifugou-se a
solução e depois se adicionou mais 1 gota de HCl 6,0 mol/L ao sistema heterogêneo
formado.
Após isso, realizou-se por duas vezes a adição de 2 mL de água destilada com 3
gotas de HCl 6,0 mol/L. Misturou-se esta solução e a centrifugou. Depois separou-se a
parte sobrenadante do precipitado e descartou-se a primeira. Ao precipitado restante
adicionou-se 4,0 mL de água destilada e aqueceu-se a solução em banho-maria em
béquer de 250 mL durante 3 minutos.
Depois, centrifugou-se esta solução e se separou o liquido sobrenadante,
colocando-o em outro tubo de ensaio. A esta solução sobrenadante retirada foram
acrescentadas 2 gotas de ácido acético 6,0 mol/L e 4 gotas de K2CrO4 e depois
centrifugou-se a solução, obteve-se precipitado amarelo.
Ao último precipitado separado lavou-se ele com 4 mL de água destilada e
aqueceu-se em banho-maria. Em seguida foram adicionados 2 mL de NH4OH
6,0 mol/L e centrifugou-se, obteve-se um precipitado preto e um liquido sobrenadante, o
qual foi separado e adicionado 3 mL da solução de HNO3 6 Mol/L, o que formou um
precipitado branco.

RESULTADOS E DISCUSSÕES

Resultados Obtidos
Os precipitados obtidos estão representados no quadro abaixo por ordem de
precipitação.
Quadro 1: Cores dos precipitados obtidos
Ordem de Precipitação Cor do precipitado
1º Amarelo
2º Preto
3º Branco

A cor amarela do primeiro precipitado a se formar era causado pela presença do


composto PbCrO4, sendo que “PbCrO4 é usado como forte pigmento amarelo em sinais
de transito” (LEE, 1996, p 174). Outra confirmação aparece como “ Chumbo:
precipitação como ... ou PbCrO4(amarelo), insolúvel”( O’CONNOR,1977, p 397).
O precipitado preto formado continha mercúrio, já que “... a presença de Hg2Cl2
em solução é confirmada pela formação de um precipitado preto, mediante tratamento
com NH4OH...” (LEE, 1996, p 368). No entanto, o resíduo preto não é devido ao
mercúrio metálico, mas sim a um complexo ou um conjunto deles, fato explicado na
literatura do seguinte modo: “O resíduo preto pode ser Hg(NH3)2Cl2, HgNh2Cl ou
Hg2NCl.H2O, ou então uma mistura dos três compostos de Hg” (LEE, 1996. P 368).
O precipitado de cor branca foi formado pela reação do liquido sobrenadante
com o HNO3, comprovando que o cátion na solução era a prata, pois “Na análise
qualitativa, testa-se a presença de íons Cl-... adicionando uma solução de HNO3. Um
precipitado branco de AgCl indica a presença de Cl - “(LEE, 1996, p 359).

Reações Ocorridas

O excesso de HCl 6,0 mol/L foi empregado porque os cloretos de prata e


mercúrio tem solubilidade muito baixa em água, mesmo em água quente, enquanto que
o cloreto de chumbo é mais solúvel, por isso este elemento foi retirado primeiro. Outra
função do HCl é, por efeito do íon comum, deslocar o equilíbrio no sentido de formação
dos precipitados.
O aquecimento da solução aumentou a solubilidade do PbCl2, por isso antes da
centrifugação aqueceu-se a solução.
Adicionou-se NH4OH ao precipitado lavado pelo motivo de que o AgCl é
solúvel em amônia, enquanto que o HgCl2 reagiu com ela.
A reação do AgCl com a amônia está representada abaixo.
AgCl(s) + 2NH4OH  Ag(NH3)2(aq) + Cl-(aq) + H2O(l)
Adicionou-se HNO3, pois este libera o H+ que reagiu com a amônia presente no
sal de prata e gerou o íon amônio, NH4+, o que deslocou o sentido do equilíbrio no
sentido de formação de AgCl. Esta reação aparece a seguir.

Ag(NH3)2+ (aq) + Cl-(aq) + 2H+(aq)  AgCl(s) + 2NH4+(aq)

Na determinação da presença de Hg, o HgCl2 foi reagido com NH4OH em


excesso, o que formou mercúrio metálico finamente dividido, que é preto, e
amidocloreto de mercúrio II, HgNH2Cl, ambos insolúveis.
Hg2Cl2(s) + 2NH3(aq)  Hg(s) + HgNH2Cl(s) + NH4+(aq) + Cl-(aq)

CONCLUSÃO

A determinação dos cátions do grupo I não requer aparelhos sofisticados, como a


centrifuga, pois a decantação ocorre naturalmente, ela foi apenas acelerada.
Também foram observadas as diferenças de solubilidade desses cátions com o
mesmo ânion, sendo o chumbo o mais solúvel, e, por último, as cores que os sais desses
metais assumiram facilitaram seus diagnósticos de presença na solução.
O equilíbrio químico foi deslocado nas reações que foram adicionados íons
comuns às soluções. Sobre a solubilidade, observou-se que os compostos analisados
possuem diferentes interações com determinados compostos, o que causa a maior ou
menor solubilização dos compostos que continham os cátions estudados.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

 LEE, J. D., Química Inorgânica não tão concisa, 4ª Edição, editora Edgard
Blucher Ltda., São Paulo, SP, 1996.

 O’CONNOR, Rod, Fundamentos de Química, 1ª Edição, Editora Harbra Ltda.,


São Paulo,1977.

 VOGEL, Arthur I. Química analítica qualitativa. 5. ed. São Paulo: Mestre Jou,
1981.
Sites relacionados

 COSTA, Manoel Quaresma; Análise sistêmica dos cátions do grupo da prata,


UFPA, acesso em 18/09/2009 às 21:26 h.
(http://www.ufpa.br/ccen/quimica/analise%20sistematica%20dos%20cations%20do%2
0grupo%20da%20prata.htm.)