Você está na página 1de 5

Imagens de Rafael Bordalo Pinheiro

imagens
Rafael Bordalo Pinheiro
• Rafael Bordalo Pinheiro
• Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
• Retrato de Raphael Bordallo-Pinheiro.
• Rafael Augusto Prostes Bordalo Pinheiro (Lisboa, 21 de Março de 1846 —
23 de Janeiro de 1905) foi um artista português, de obra vasta dispersa
por largas dezenas de livros e publicações, precursor do cartaz artístico em
Portugal, desenhador, aguarelista, ilustrador,
decorador, caricaturista político e social, jornalista, ceramista e professor.
O seu nome está intimamente ligado à caricatura portuguesa, à qual deu
um grande impulso, imprimindo-lhe um estilo próprio que a levou a uma
visibilidade nunca antes atingida. É o autor da representação popular
do Zé Povinho, que se veio a tornar num símbolo do povo português.
Entre seus irmãos estava o pintor Columbano Bordalo Pinheiro.
• O Museu Rafael Bordalo Pinheiro, em Lisboa, reúne a sua obra.
A Cerâmica
• O ceramista
• Imagem em barro do Zé Povinho.
• Tendo aceitado o convite para chefiar o sector artístico da Fábrica de Faianças das Caldas da
Rainha (1884), aí criou o segundo momento de renovação da cerâmica Caldense[1]. Raphael
Bordallo-Pinheiro dedicou-se à produção de peças de cerâmica que, nas suas mãos, rapidamente,
adquiriram um cunho original. Jarras, vasos, bilhas, jarrões, pratos e outras peças demonstram um
labor tão frenético e criativo quanto barroco e decorativista, características, aliás, também
presentes nos seus trabalhos gráficos. Mas Bordalo não se restringiu apenas à fabricação de loiça
ornamental. Além de ter desenhado uma baixela de prata da qual se destaca um originalíssimo
faqueiro que executou para o 3º visconde de S. João da Pesqueira, satisfez dezenas de pequenas e
grandes encomendas para a decoração de palacetes: azulejos, painéis, frisos, placas decorativas,
floreiras, fontes – lavatório, centros de mesa, bustos, molduras, caixas, e também broches,
alfinetes, perfumadores, etc.
• No entanto, a cerâmica também não poderia excluir as figuras do seu repertório. A par das
esculturas que modelou para as capelas do Buçaco representando cinquenta e duas figuras da Via
Sacra, Bordalo apostou sobretudo nas que lhe eram mais gratas: O Zé Povinho (que será
representado em inúmeras atitudes), a Maria Paciência, a mamuda ama das Caldas, o polícia, o
padre tomando rapé e o sacristão de incensório nas mãos, a par de muitos outros.
• Embora financeiramente, a fábrica se ter revelado um fracasso, a genialidade deste trabalho
notável teve expressão nos prémios conquistados: uma medalha de ouro na Exposição Colombiana
de Madrid em 1892, em Antuérpia (1894), novamente em Madrid (1895), em Paris (1900), e
nos Estados Unidos, em St. Louis (1904