Você está na página 1de 29

ÍNDICE

Página

1. Introdução..................................................................................................2
2. Análise SWOT.............................................................................................3
2.1. EXPLICAÇÃO DO TERMO SWOT...................................................................3

2.2. ANÁLISE INTERNA...................................................................................4

2.3. ANÁLISE EXTERNA...................................................................................4

2.4. COMO FAZER UMA ANÁLISE SWOT..............................................................5

2.5. MATRIZ SWOT.......................................................................................6

2.6. BENEFÍCIOS DA MATRIZ SWOT...................................................................7

2.7. FORMULAÇÃO DE OBJECTIVOS....................................................................7

2.8. COMO TRANSFORMAR UMA AMEAÇA EM OPORTUNIDADE...................................8

3. Michael Porter............................................................................................9
3.1. MODELO DAS 5 FORÇAS DE PORTER...........................................................9

4. Anexos...................................................................................................12
4.1. ANÁLISE SWOT.....................................................................................12

4.2. EXCERTO DE JORNAL..............................................................................13

5. Exemplo de análise SWOT.....................................................................16


5.1. ANÁLISE SWOT DA REDE DE LOJAS VICTOR MÓVEIS....................................16
5.2. ANALISE SWOT DA APPLE.......................................................................17

5.3. ANÁLISE SWOT DA NIKE.........................................................................19

5.4. ANÁLISE SWOT DA NESTLÉ......................................................................21

5.5. ANÁLISE SWOT DA TATA MOTORS LIMITED..................................................23

6. Conclusão..............................................................................................25
7. Bibliografia.............................................................................................26
1. Introdução

A aplicação da análise SWOT permite sistematizar todas as


informações disponíveis e obter uma leitura transparente do ”campo de
batalha”, de modo a poder tomar uma decisão prudente.
SWOT é uma sigla que indica a primeira letra das palavras Strenghts,
Weaknesses, Opportunities e Threats (Pontos fortes, Pontos fracos,
Oportunidades e Ameaças) e é uma definição das fraquezas e fortalezas de
uma empresa, bem como as oportunidades e ameaças inseridos no seu
ambiente.

Seguem-se alguns exemplos de assuntos para a aplicação da análise SWOT:


○ A empresa (sua posição no mercado, viabilidade comercial, etc);
○ Um método de distribuição;
○ Uma marca ou produto;
○ Uma ideia de negócio;
○ Estratégias para entrar num novo mercado ou o lançamento de um
novo produto;
○ Uma oportunidade de expansão do negócio:
○ A escolha de um parceiro potencial;
○ A escolha de um fornecedor;
○ Uma estimativa de oportunidades de investimento.

Um SWOT é uma tabela feita de células onde se insere os pontos fortes e


fracos, bem como as oportunidades e ameaças.

2
2. Análise SWOT

A análise SWOT é uma forma muito difundida de fazer o diagnóstico


estratégico de uma empresa, com objectivo de definir as relações
existentes entre os pontos fortes e fracos da empresa com as tendências
mais importantes que se verificam na envolvente global da empresa, seja
ao nível do mercado global, do mercado específico, da conjuntura
económica, das imposições legais, etc. Assim, a análise SWOT corresponde
à identificação por parte de uma organização e de forma integrada dos
principais aspectos que caracterizam a sua posição estratégica num
determinado momento, tanto a nível interno como externo (forma como a
organização se relaciona com o seu meio envolvente).
Contudo, antes de iniciar uma análise SWOT é necessário clarificar os
objectivos que se pretendem alcançar, pois o que pode ser um ponto forte
no contexto de um objectivo, pode ser um ponto fraco se a empresa
persegue outro objectivo. Consideremos, por exemplo, uma empresa que
tem uma grande capacidade instalada de produção de um determinado
produto. Se o grande objectivo estratégico da empresa passar por utilizar
essa capacidade para entrar em novos mercados de potencial promissor, a
grande capacidade da empresa é considerada uma força. Por outro lado, se
a empresa prevê uma diminuição da procura dos seus produtos e procura
uma solução para o problema, a capacidade instalada pode ser excessiva e
constituir uma fraqueza grave.

2.1. EXPLICAÇÃO DO TERMO SWOT

O termo SWOT resulta da conjugação das iniciais das palavras anglo-


saxónicas Strengths (pontos fortes), Weaknesses (pontos fracos),
Opportunities (oportunidades) e Threats (ameaças). Os pontos fortes e
fracos são internos à organização, enquanto as oportunidades e ameaças se
referem à relação da empresa com o ambiente externo.

Pontos Fortes
○ Know-how patenteado de produção de um produto de grande
procura;
○ Uma conhecida marca de confiança;
○ Capacidade de inovação;
○ Contactos sólidos e frutuosos com um canal de distribuição que
funcione bem;
○ Excelentes relações com grandes clientes;
○ Gestão competente.
Pontos Fracos
○ A falta de conhecimentos ou capacidades técnicas;

3
○ Produtos e empresa não são conhecidos no mercado;
○ Falta de canal de distribuição ou rede de comercialização eficiente;
○ Problemas de qualidade e muitas reclamações;
○ Gestão sem talento;
○ Fraca imagem de mercado.
Oportunidades
○ Novas tecnologias oferecem a possibilidade de desenvolvimento de
produtos inovadores;
○ Integração vertical;
○ Aceleração do crescimento do mercado;
○ Mudanças nas condições de mercado aumentam a procura de um
produto da empresa;
○ Abolição de barreiras comerciais e abertura de novos mercados
internacionais;
○ Um novo canal de distribuição torna possível chegar a mercados de
grande dimensão.
Ameaças
○ Evolução de novas tecnologias tornam os produtos da empresa
relativamente caros;
○ Gostos do cliente alteram-se e reduzem a procura de um produto
fabricado pela empresa;
○ Políticas governamentais adversas;
○ Abolição das barreiras comerciais pode levar a inundação do mercado
com produtos concorrentes estrangeiros;
○ Crescimento da agressividade da concorrência;
○ Novos canais de distribuição tornam inviáveis os já estabelecidos.

2.1. ANÁLISE INTERN A

Na análise interna, a análise SWOT sugere a identificação dos principais


pontos fortes (Strengths) e pontos fracos (Weaknesses) caracterizadores de
uma organização num determinado momento.
Uma coisa é perceber que o ambiente externo está mudando, outra, é
ter competência para adaptar-se a estas mudanças, aproveitando as
oportunidades e/ou enfrentando as ameaças. Da mesma forma no que
ocorre em relação ao ambiente externo, o ambiente interno também deve
ser monitorizado permanentemente.
A importância da identificação das forças e das fraquezas é
particularmente importante para os aspectos mais directamente
relacionados com os factores críticos de sucesso de uma organização.
Sendo também importante referir que a consideração de uma determinada
característica da empresa como força ou fraqueza é sempre relativa e
potencialmente alterável, nomeadamente na medida em que se podem
verificar ao longo do tempo alterações importantes ao nível da concorrência
e do seu comportamento. A correcta listagem das suas forças e fraquezas
dá à organização uma orientação estratégica, que tenderá naturalmente a

4
tirar o maior partido possível das forças e a minorar ao máximo as
fraquezas.

2.2. ANÁLISE EXTERNA

No que respeita à análise externa, a análise SWOT tem como objectivo a


identificação das principais oportunidades (Opportunities) e ameaças
(Threats) que num determinado momento se colocam perante a
organização. Assim, pode-se dizer que a sua importância está associada à
necessidade de os gestores e outros responsáveis preverem eventuais
desenvolvimentos futuros que possam ter maior ou menor impacto futuro
nessa mesma organização.

A avaliação do ambiente externo costuma ser dividida em duas partes:


- Ambiente geral ou Macroambiente: nível exterior que afecta todas as
indústrias, embora de modo diferenciado;
- Ambiente da indústria ou Competitivo: diz respeito a todos os
intervenientes próximos e é tratado na análise de Porter.

Na prática, isto significa que as mudanças que estão totalmente fora do


controle da organização podem afectar (positiva ou negativamente) o seu
desempenho e a sua forma de actuação. Pois, as mudanças no ambiente
externo, sempre afectam de maneira homogénea todas as organizações
que actuam numa mesma área geográfica e num mesmo mercado e, desta
forma, representam oportunidades ou ameaças iguais para todo mundo.
Quando ocorre uma mudança na legislação, por exemplo, todas as
organizações são afectadas. Mas se uma organização perceber que o
ambiente externo está mudando e que tenha agilidade para se adaptar a
essa mudança, aproveitará melhor as oportunidades e sofrerá menos as
consequências das ameaças. É por isso que a análise do ambiente externo é
tão importante.

2.3. COMO FAZER UMA ANÁLISE SWOT

A análise SWOT deve ser feita e interpretada de forma integrada,


conjugando os elementos da análise interna e externa, para que o
diagnóstico que dela resulta seja fiável e constitua uma fonte de informação
e suporte adequada às necessidades da gestão estratégica, que se ocupa
das decisões que vão no fundo delinear o futuro a médio e longo prazo da
organização.

O ambiente interno pode ser controlado pelos dirigentes da organização,


já que ele é o resultado de estratégias de actuação definidas por nós. Desta

5
forma, quando percebemos da existência de um ponto forte, devemos
destacá-lo ainda mais, contudo a de um ponto fraco, devemos agir para
controlá-lo ou para minimizar o seu efeito.

Já o ambiente externo está totalmente fora do controle da organização.


Mas isso não significa que não seja útil conhecê-lo, porque apesar de não
podermos controlá-lo, podemos monitorizá-lo, ou seja, procurar aproveitar
as oportunidades da maneira mais ágil e eficiente, e evitar as ameaças
enquanto for possível.

Contudo antes de começar a fazer uma análise SWOT são necessárias


duas etapas:

- Descobrir os factores que são críticos de sucesso, que se relaciona


com as actividades e os elementos de gestão nos quais a empresa tem que
ser excelente, ou ter um desempenho acima dos concorrentes. Ou seja, a
empresa tem que identificar com precisão quais são as variáveis, dos
produtos ou dos serviços, às quais os clientes dão mais importância e que
estão, ou não, presentes nas propostas dos concorrentes. Assim, é
necessário, nesta fase, responder a duas questões:

○ Como e porque é que os clientes compram?


○ Com que propostas se posicionam os concorrentes no
sector?

- Identificar as competências centrais da empresa, analisando a


empresa, sendo importante saber como são avaliadas pelos clientes as suas
vantagens em relação aos concorrentes. Por exemplo, se os produtos
vendidos pela empresa têm uma embalagem de alta qualidade mas os
clientes não lhe dão importância, esta não é uma competência decisiva,
mas sim os itens a estudar. No entanto, há três características essenciais
que devem possuir as competências centrais:

○ Devem contribuir para criar valor para os clientes


○ Devem ser difíceis de imitar
○ Devem permitir e até facilitar o acesso a novos
mercados

2.1. MATRIZ SWOT

As conclusões da análise SWOT são normalmente retratadas na forma de


uma matriz com quatro quadrantes, representando as quatro categorias de
forças, fraquezas, oportunidades e ameaças. Esta representação gráfica
torna mais fácil retirar conclusões rápidas.
Um requisito essencial para o sucesso da análise SWOT consiste em
tornar a análise estratégica num processo contínuo. Assim, os resultados da
análise SWOT obtidos num determinado momento devem ser

6
conscientemente aplicados de forma a desenvolver um plano estratégico
consistente ao longo do tempo. Isto pode passar por:
○ focar a empresa numa oportunidade de alto potencial desenvolvendo
os seus pontos fortes;
○ desenvolver uma solução para ultrapassar as fraquezas que impedem
a prossecução de oportunidades;
○ decidir como utilizar as forças identificadas para minimizar a
vulnerabilidade da empresa face às ameaças identificadas;
○ desenvolver um plano, através de brainstorming por exemplo, para
assegurar que as ameaças não prejudicam seriamente a empresa
nem a maior vulnerabilidade de fraquezas.

Análise Interna
S (strengs) W (Weaknesses)

Pontos fortes Pontos fracos

A SO WO
n Tirar o máximo partido Desenvolver as estratégias
á dos pontos fortes para que minimizem os efeitos
l O aproveitar ao máximo as negativos dos pontos
(oportunitie oportunidades fracos e que em simultâneo
i
s) detectadas. aproveitem as
s oportunidades emergentes.
e Oportunidad
es

E ST WT
x Tirar o máximo partido As estratégias a
t dos pontos fortes para desenvolver devem
e T (Threats) minimizar os efeitos das minimizar ou ultrapassar os
ameaças detectadas. pontos fracos e, tanto
r Ameaças quanto possível, fazer face
n às ameaças.
a

Esta matriz sugere a escolha óbvia das estratégias que conduzem à


maximização das oportunidades do ambiente e construídas sobre os pontos
fortes da empresa e à minimização das ameaças bem como à redução dos
efeitos dos pontos fracos da empresa.

A análise SWOT deve ser dinâmica e permanente. Para além da análise


da situação actual, é importante confrontá-la com a situação no passado, a
sua evolução, a situação prevista e sua evolução futura.

7
2.1. BENEFÍCIOS DA MATRIZ SWOT

○ Simplicidade: pode ser conduzida sem habilidades técnicas


extensivas;

○ Custos Menores: a sua simplicidade elimina a necessidade e as


despesas envolvidas no treinamento formal;

○ Flexibilidade: pode ser desempenhada com ou sem sistema de


informações;

○ Integração: habilidade de integrar e sintetizar tipos diversos de


informações, quantitativas e qualitativas, de várias áreas da
empresa;

○ Colaboração: tem a habilidade de estimular a colaboração entre as


áreas funcionais da empresa que são interdependentes, mas com
pouco contacto entre si.

2.1. FORMULAÇÃO DE OBJECTIVOS

A elaboração do diagnóstico estratégico da empresa através do modelo


SWOT levara à formulação de objectivos estratégicos para a empresa. Os
objectivos que forem definidos devem ser adequados com as conclusões a
que se chegou.

Existem alguns princípios necessários para se elaborar e escolher as


metas a atingir:

○ Coerência horizontal: Os objectivos dos órgãos situados no mesmo


nível organizacional devem estar em acordo e ser coerentes entre
eles para evitar conflitos e incompatibilidades.
○ Coerência vertical: Os objectivos de um nível organizacional devem
ajudar à realização dos objectivos do nível organizacional
imediatamente superior.
○ Comunicação total: Os objectivos globais da organização devem ser
conhecidos e compreendidos por todos os níveis hierárquicos da
empresa.

Por outro lado, para ser eficaz e existir resultados úteis para a empresa, é
preciso que:

○ Esteja definido um horizonte temporal: os resultados devem ter


um timing preciso;
○ Seja escolhido um responsável;
○ Se defina uma unidade de medida para avaliar os avanços dos
vários objectivos;
○ Os objectivos estejam quantificados.

2.1. COMO TRANSFORMAR UMA AMEAÇA EM OPORTUNIDADE

8
Uma ameaça, um factor externo, pode afectar o funcionamento da
empresa, não sendo necessariamente uma má notícia, pois pode provocar o
aparecimento de um novo ponto forte na empresa. Para isso, os gestores
devem perceber como este novo facto (por exemplo, imposições legais mais
restritivas sobre os produtos vendidos pela empresa) pode ser explorado
pela empresa de modo a retirar um benefício real. O aparecimento de um
novo produto inovador por parte de um concorrente, tipicamente uma
ameaça à quota de mercado, pode tornar-se num novo conjunto de
capacidades da empresa. Normalmente são as empresas maiores que têm
mais capacidade para reagir de forma positiva às constantes ameaças que
se colocam. No entanto, muitas PME também podem ganhar neste jogo.

Assim, quais as condições para que uma ameaça possa ser transformada
em oportunidade?

○ A empresa tem que possuir visão estratégica para avaliar


correctamente as ameaças como sendo oportunidades escondidas;
○ A empresa precisa de possuir os recursos, financeiros, materiais e
humanos para poder executar as alterações necessárias (por
exemplo, o lançamento de um novo produto);
○ Finalmente, a empresa tem que reagir com rapidez. As empresas
concorrentes podem também ter visto a oportunidade latente.

9
3. Michael Porter
Economista e professor norte-americano,
Michael Porter nasceu em 1947, em Ann Harbour,
no estado de Michigan. Licenciou-se em Engenharia
Mecânica e Aeroespacial na Universidade de
Princeton, detém um MBA e um doutoramento em
Economia Empresarial, ambos da Harvard Business
School, instituição onde se tornou professor com
apenas 26 anos. Em termos profissionais é ainda de
destacar o seu papel como conselheiro e consultor
a nível da estratégia de empresas norte-
americanas, internacionais e ainda de países
diversos, entre os quais Portugal, além de ter um
papel activo na política económica dos EUA.
Os principais desenvolvimentos atribuídos a Porter situam-se a três
níveis fundamentais: análise da atractividade das indústrias, fontes
genéricas de vantagens competitivas e vantagens competitivas entre
nações.
Ao nível da análise da atractividade das indústrias, Porter criou o
denominado modelo das cinco forças, que tem como objectivo a explicação
das razões para o grau de 5 atractividade de uma indústria a longo prazo,
que segundo esse modelo, resulta da acção em conjunto de cinco factores:
potencial de novas entradas, pressão de produtos substitutos, poder
negocial dos fornecedores, poder negocial dos clientes e rivalidade entre
concorrentes actuais.

3.1. MODELO DAS 5 FORÇAS DE PORTER

A caracterização de uma indústria, do ponto de vista estratégico,


efectua-se pela caracterização dos factores de competitividade
determinantes da estrutura dessa indústria, da sua evolução e das relações
que se estabelecem entre eles. Porter aponta 5 factores, a que chama “as 5
forças competitivas”: a rivalidade entre empresas concorrentes, o
poder negocial dos fornecedores, o poder negocial dos clientes, a
ameaça de entrada de novos concorrentes e a ameaça do
aparecimento de produtos ou serviços substitutos. Este modelo
apresenta um notável dinamismo na caracterização de uma indústria.

10
Determinantes da rivalidade
Ameaças de novos
(Crescimento da indústria)
concorrentes (Barreiras à
- Número de concorrentes;
entrada)
- Custos fixos elevados;
- Economia de escala;
- Reduzida diferenciação;
- Diferenciação do produto;
- Custos de mudança;
- Imagem de marca;
- Sobrecapacidade intermitente;
- Necessidades de fundos;
- Diversidade de concorrentes;
- Custos de mudanças;
- Importância estratégica de
- Acesso aos canais de
negócio;
distribuição;
- Barreiras à saída:
- Know-how (patentes, …);
ƒ Activos específicos;
- Acesso favorável a matérias-
ƒ Custos fixos de saída;
primas;
ƒ Relações estratégicas;
- Curva da experiência;
ƒ Barreiras emocionais;
- Política do governo;
ƒ Restrições
- Retaliação esperada.
sociais/governamentais

Determinantes do poder
Determinantes do poder negocial negocial dos clientes
dos fornecedores - Concentração;
- Concentração de fornecedores; - Volume das suas compras;
- (Inexistência de) produtos - Inexistência de diferenciação;
substitutos; - Custo de mudança:
- Diferenciação das entradas; ƒ Reduzidos (p/cliente);
- Custos de mudança de ƒ Elevados (p/ empresa).
fornecedores; - Ameaça de integração a
- Importância do volume do montante;
fornecedor; - Informações disponíveis
- Custo em relação ao total (sobre preços, procura, etc);
comprado na indústria; - Produtos substitutos
- Riscos de integração a jusante.
Determinantes do risco de substituição
- Relação preço/rendimento
(desempenho);
- Custo de mudança;
- Propensão do comprador para
aquisição de produtos substitutos

O ponto relativo à rivalidade na indústria consiste na análise interna


ao sector, às oportunidades e ameaças que lhe são inerentes. No poder
negocial dos fornecedores e dos clientes pretende-se proceder a uma

11
análise externa relacionada com o sector, que conjugada com a análise do
ponto anterior explica o sistema de valor actualmente existente na
actividade da indústria. Nos pontos restantes pretende-se fazer uma análise
externa, não relacionada actualmente com o sector, e que conjugada com o
primeiro ponto evidencia as ameaças e oportunidades futuras da indústria.

A análise de Porter deve ser dirigida para uma decisão de


investimento concreta, por uma empresa específica, com horizonte
temporal e momento de decisão determinado, relativa a um negócio
específico num contexto geográfico bem definido.

Para uma empresa que vai entrar num novo negócio, a preocupação
essencial é como ultrapassar as barreiras à entrada, e como,
posteriormente, criar barreiras à entrada de concorrentes adicionais. A
orientação e análise por empresa e decisão devem ser claras e
consistentes, porém este modelo de análise é robusto em definições. Assim
se o negócio for definido de modo restrito, ter-se-á concorrência directa e
limitada, mas ameaças elevadas de entrada e/ou produtos substitutos,
passando-se o inverso se o negócio for definido de modo muito geral.

12
4.Anexos
4.1. ANÁLISE SWOT

ANÁLISE GERAL DE SUA EMPRESA /INSTITUIÇÃO

Forças: Fraquezas:
• •

Oportunidades: Ameaças:
• •

13
3.1. EXCERTO DE JORNAL

A escolha deste excerto de jornal foi feita para demonstrar que também
na nossa vida podemos fazer uma análise SWOT e com ela superar muitas
das dificuldades que nos vamos deparando. A vida é um prefeito jogo, e nós
como peças desse jogo temos de saber movimentarmo-nos, caso contrário
perdemos esse mesmo jogo! Uma pessoa que evidência isso mesmo é Jorge
Nuno Pinto da Costa. Que no dia 28 de Dezembro de 2010 completou o seu
73º aniversário com uma longevidade invejável e que advinha-se que
perdurará ainda por muitos mais anos. Em mais de 25 anos conseguiu
coisas no Futebol Clube do Porto que muito poucos ou quase nenhum
conseguiu até hoje, sendo para já o segundo presidente á mais tempo num
clube ultrapassado apenas por Santiago de Barnabeu (Ex-Presidente do Real
de Madrid), mas é o presidente que tem mais títulos no mundo, em que o
seu palmarés não se destaca apenas no futebol, mas também no basquete,
andebol, basquetebol, hóquei, boxe, etc. Em tudo a sua vida representa
uma verdadeira análise SWOT, pois ele faz uma análise interna
(introspectiva) e externa (para a sociedade) conseguindo detectar os pontos
fracos e as ameaças que tem para transformá-las em pontos fortes e numa
oportunidade em conseguir ainda mais. Consegue assim que na sua vida
familiar que na sua vida profissional sendo hoje um figura respeitada e
admirada. Aproveitando o excerto de uma noticia consegue-se facilmente
perceber como é que no dia-a-dia a análise SWOT consegue ter efeitos
práticos, ou seja, é um tipo de análise que não se remete só para as
empresas mas que também pode ser usado no quotidiano, e quando bem
usada tornamos nos mais fortes tal como uma empresa quando consegue
contornar as suas debilidades.

As escolhas da vida de Pinto da Costa


Não falta quem diga que é melhor dar que receber
sem nunca passar das palavras aos actos. Pinto da
Costa, presidente do FC Porto há mais de 28 anos
ilustra bem essa expressão. Algumas das escolhas
que foi fazendo ao longo do trajecto que o tornou
num dos presidentes mais bem-sucedidos da história
do futebol mundial e também num dos que registam
maior longevidade no cargo.
73 anos de vida e mais de três décadas de dirigismo
ao mais alto nível - foi director do departamento de
futebol antes de assumir a presidência do FC Porto -,
caucionados pelos quase 70 títulos acumulados só no
futebol e pelo convívio diário com alguns dos
melhores treinadores, jogadores e dirigentes de
sempre, garantem-lhe um crédito único no momento
de fazer uma lista com o seu "best of". Não é o caso
da presença de Eusébio entre os seus cinco melhores
jogadores de sempre, onde Maradona não coube
apenas por falta de espaço. Mas não haverá muita gente capaz de adivinhar qual é o
primeiro nome que o presidente do FC Porto menciona no momento de eleger os treinadores
com mais potencial. E também não haverá quem saiba porque é que uma vitória frente ao
Penafiel por 1-0 lhe merece o mesmo destaque dos históricos triunfos em Viena, Sevilha ou
Gelsenkirchen.
○ 73

14
Pela 20ª vez desde que chegou à presidência do FC Porto em 1982, Pinto da Costa celebra o
seu aniversário em primeiro lugar no campeonato.
Fonte: OJogo

O homem que existe para lá do presidente

Esta é uma verdadeira análise SWOT da vida. Pinto da costa tem a sua vida estruturada
de uma tal maneira que consegue que as ameaças e os seus pontos fracos sejam
transformados numa oportunidade e em pontos fortes. Obviamente prima de um tipo de
educação pouco usual, pois descende de uma família de sangue azul, mas neste excerto da
noticia demonstra a pessoa e carácter e que sem o titulo que ostenta de presidente.

○ Dinheiro
O dinheiro é importante para que as pessoas possam ter uma vida digna, possam manter
a sua independência e possam ajudar quem precisa e mereça. Agora, a obsessão pelo
dinheiro... às pessoas que estão obcecadas, costumo dizer que não dá para o levar no
caixão. As pessoas devem gozar a vida e proporcionar o bem-estar a quem as rodeia e é para
isso que o dinheiro serve.

○ Trabalho
O trabalho é um direito e uma obrigação de todas as pessoas e a sua falta é um dos
principais problemas da nossa sociedade. Pelo menos, daqueles que querem trabalhar,
porque há muitos que não querem e preferem viver de subsídios. Mas é dramático perceber
que há muita gente que quer trabalhar e não pode. E mais ainda quando, ao mesmo tempo,
ficam sem trabalho famílias inteiras. É um dos problemas que este país tem de encarar de
frente e ultrapassar.

○ Amizade
A amizade é um sentimento único e sublime. Traduz o lado positivo da vida. É, de facto,
raro e especial perceber que se tem uma pessoa de quem se pode dizer, no verdadeiro
sentido da palavra, que é nosso amigo. Por definição, um amigo não o é por interesse, mas
sim por se identificar com os interesses e o carácter do outro. Só o prazer de usufruir da sua
companhia e de, muitas vezes, ter o privilégio de lutar ao seu lado por aquilo em que ambos
acreditam é um privilégio. Especialmente quando as amizades perduram muitos e muitos
anos, como acontece sempre que são verdadeiras.

○ Amor
O amor também não é mau. Em muitos aspectos, é semelhante à amizade. O amor
fraternal pode ser fantástico, o amor no seio da família é muito importante e o amor entre
duas pessoas é especial. É algo que nos leva a fazer tudo o que está ao nosso alcance para
proporcionar o bem-estar às pessoas que amamos e também um sentimento que nos
proporciona uma felicidade ímpar. É um sentimento fundamental para a realização de
qualquer pessoa.

○ Sexo
O sexo do meu tempo, que é o que ainda mantenho, é algo de normal, mas que, para
mim, só tem significado, quando as duas pessoas se entregam totalmente e com amor.

○ Casamento
Há dois tipos de casamentos: um que eu não compreendo, embora tenha sido promulgado e,
portanto, sobre esse não falo. Sobre o casamento tradicional, entre homem e mulher, digo
que é um relacionamento especial que começa por ser muito bonito, mas pode acabar feio.
Quando uma pessoa toma a decisão de casar, naturalmente, está convencido que está a
tomar um passo importante e seguro, que muitas vezes não o é. Por isso é que há tantos
divórcios. Eu já tenho dois e não vou ficar por aqui porque estou a planear casar uma quarta
vez. Mas todos reconhecemos que um casamento que dure 50 anos é algo de fantástico.

○ Escola
A escola é absolutamente fundamental em qualquer sociedade que pretenda ter um
futuro. É com base naquilo que aprendemos na escola que partimos na aventura da vida e

15
por isso mesmo deve haver todo o investimento e todo o cuidado com essa área da
sociedade para dispensarmos à educação a atenção que merece.

○ Justiça
A Justiça é sempre atacada, por tudo e por todos, mas parece-me que exageradamente e
de uma forma injusta. Em todos os ramos e actividades há melhores e piores profissionais,
mas acho que a Justiça, mesmo tardando, ainda se faz neste país. E eu acredito na Justiça.

○ Fé
A fé ou se tem ou não se tem. Eu tenho. Fui criado no seio de uma família católica, o que
muitas vezes não é suficiente, porque muitas pessoas acabam por perdê-la. Eu mantenho a
minha fé e as minhas crenças e tenho motivos para isso porque nos momentos mais
complicados nunca a perdi e sempre senti que há uma ajuda que ultrapassa o aqui que é
explicável e natural.

○ Espírito de Missão
Todos nós temos obrigações perante os outros e, quando podemos ser úteis, muitas
vezes temos de colocar o nosso próprio interesse para trás das costas e fazer aquilo que é
mais importante para a comunidade.

○ Natal
Vejo sempre o Natal como um momento de felicidade. Ainda este Natal tive a felicidade
de estar com a pessoa que amo e com a minha filha. Não me restarão muitos Natais, mas
ainda espero poder passá-lo com a mulher que amo, com a minha filha e com o meu filho.
Gostava que nos pudéssemos juntar os quatro.

○ Família
A família é a base de uma sociedade saudável e funcional. É fundamental para o bem-
estar de cada um de nós, para nos sentirmos parte de algo maior e mais importante que nós
próprios.

Dias antes brincava-se com a idade e a suposta inexperiência de André Vilas Boas, e no
dia a seguir Jorge Nuno Pinto da Costa renovava contrato com o suposto inexperiente. Um
risco ou uma oportunidade? A diferença é que Pinto da Costa por norma corre riscos que se
tornam em mais-valias, em oportunidade como o caso de José Mourinho entre muitos outros.
Pinto da Costa tornou-se um grande líder e gestor por conseguir tornar as ameaças e pontos
fracos em oportunidades e em pontos fortes, e também por correr riscos e conseguir sempre
que esses riscos se tornem uma oportunidade e em sucesso.

16
3.Exemplo de análise SWOT

3.1. ANÁLISE SWOT DA REDE DE LOJAS VICTOR MÓVEIS


Pontos fortes:

○ Vantagem de custos: A avaliação dos custos dos produtos pode ser


um diferencial competitivo frente à concorrência, visto que a rede de
lojas centraliza o processo de compra dos produtos, adquire-os em
quantidades maiores para adquirir um desconto maior das indústrias
fornecedoras de produtos, além de formar parcerias compensatórias
com transportadoras.
○ Recursos Financeiros: Para manter e expandir a rede de lojas é
utilizado recursos próprios, independente de recursos externos, os
quais são extraídos dos lucros adquiridos com as vendas e com o
círculo de capital.
○ Fidelidade dos clientes: A rede de lojas tem por objectivo a alta
satisfação dos clientes, pois a partir do instante em que o cliente se
torna satisfeito há menor probabilidade de mudar de loja, de outro
modo, o processo de satisfação cria um vínculo capaz de torná-lo fiel,
embora haja controvérsias.
○ Público-alvo forte: A rede de lojas trabalha para manter sua boa
reputação e alto grau de conscientização dos clientes já conquistados
e esforça-se para continuar a conquistar a atenção de mais clientes.
○ Auxílio a entidades beneficentes: A administração da rede de lojas
busca diferenciar-se da concorrência, oferecendo aos seus clientes
produtos que não retorne lucro.
○ Abrangência regional: Com oito lojas no oeste catarinense podemos
verificar que a marca é abrangente facilitando o processo de
divulgação das mesmas.
○ Marcas conhecidas: A rede de lojas preza pela venda de produtos
com marcas que agradam a preferência dos clientes, fazendo com
que as mesmas auxiliem os clientes a identificar diferenças de
qualidade e efectuem a compra por meio de classificação de
preferências.
○ Liderança de produtos: Através da minuciosa estratégia de oferta de
produtos com alta percepção de qualidade.
○ Bom armazenamento de produto: Há locais de armazenamento que
protegem os produtos, ao mesmo tempo facilitam a montagem e
logística.

Oportunidades:

○ Incrementar uma nova linha de produtos: abarcar uma nova


oportunidade de mercado, visando satisfazer necessidades dos
clientes, ou seja, aumentar seu crescimento de mercado através de

17
um produto que possa corresponder às expectativas dos clientes,
antes que a concorrência o faça.
○ Adquirir produtos de empresas que possivelmente possam trabalhar
com exclusividade de representação: Ter exclusividade em
determinados produtos o que aumenta o processo de retenção dos
clientes, além de maximizar a probabilidade de reter maior número
de clientes.
○ Fornecimento de novos cursos aos funcionários: A qualidade de
atendimento ao cliente é um diferencial verificado em qualquer
empresa que anseia o crescimento e a expansão.
○ Maximização de propaganda: Aumento da divulgação e promoção
para maximizar o volume de vendas e distribuição em massa aos
clientes.

Pontos fracos:

○ Instalações não próprias: O alto custo com aluguer é verificado como


uma deficiência das lojas, pois esse custo deve ser extraído das
vendas, minimizando consideravelmente o lucro líquido. Uma das
alternativas seria projectar a aquisição de instalações, desde que as
lojas comportem financeiramente essa aquisição.
○ Dificuldade no lançamento de novos produtos: A empresa não
diferencia o preço do produto durante a introdução do mesmo no
mercado.
○ Fluxo de informações: As informações não são interligadas entre as
lojas, prejudicando o acesso a dados como stocks, conhecimento de
clientes, informações gerências, etc.
○ Não oferece um desconto maior em alto volume de vendas: Para os
clientes que costumeiramente compram grandes quantidades de
produtos, como na maioria das vezes as empresas, as lojas deveriam
oferecer um preço diferenciado, visto que movimentam o stock e
aumentam a circulação de dinheiro.
○ Problemas de controlo de stocks: As lojas possuem armazém
individual para cada uma das lojas, dificultando o acesso e controlo
dos produtos entre as mesmas.

Ameaças:

○ Provável entrada de novos concorrentes: A entrada de novos


concorrentes pode vir a prejudicar a retenção de clientes,
necessitando traçar novas estratégias organizacionais.
○ Lançamento de um novo produto pelo concorrente: Ciente de que é
natural aos consumidores a experimentação de novos produtos, caso
o concorrente lançar um novo produto, é possível que exista
infidelidade de alguns clientes.
○ Novas Políticas governamentais: Novas taxas de impostos e novas
leis governamentais podem prejudicar o andamento da empresa.
Sendo o cliente o mais prejudicado, pois acumula maior valor para o
produto final.

18
3.1. ANALISE SWOT DA APPLE

Pontos Fortes:

○Apple é uma empresa muito bem sucedida.


As vendas do player de música iPod tinham
aumentado os seus lucros no segundo
trimestre para US $ 320 (junho 2005). A
percepção de marca favorável também
aumentou as vendas de computadores
Macintosh. Então iPod dá à empresa o acesso
a toda uma nova série de segmentos que compram em outras partes
da marca Apple. As vendas dos seus produtos de notebooks também
são muito fortes, e representa uma enorme contribuição ao lucro
para a Apple.
○ A marca é muito importante. A Apple é uma das mais estabelecidas
e saudáveis marcas de TI no mundo, e tem um grupo muito leal de
clientes entusiasmados que defendem a marca.

Pontos fracos:

○ É relatado que o Apple iPod Nano pode ter uma tela defeituosa. A
empresa comentou que um lote do seu produto tem telas que
quebram sob o impacto, ea empresa está substituindo todos os itens
com defeito. Isto é, além de problemas com iPods cedo que tinha
baterias com defeito, segundo o qual a empresa ofereceu aos clientes
caixas de baterias gratuitamente.
○ Há uma pressão sobre a Apple para aumentar o preço do seu arquivo
de download da música, da indústria da música em si. Muitas dessas
empresas ganham mais dinheiro do iTunes (ou seja, arquivos de
música para download) do que as suas vendas de CD original. Apple
já vendeu aproximadamente 22 milhões de tocadores de música
digital iPod e mais de 500 milhões de músicas através da sua loja de
música iTunes. É responsável por 82% de toda a música baixada
legalmente em os EUA. A empresa está decidido, mas se dá para os
produtores de música, pode ser considerada como uma fraqueza
comercial.
○ No início de 2005 a Apple anunciou que estava a terminar a sua longa
relação com a IBM como fornecedora de chips, e que estava prestes a
mudar para a Intel.Alguns especialistas da indústria comentaram que
a troca poderia confundir os consumidores da Apple.

Oportunidades:

19
○ A Apple tem a oportunidade de desenvolver o seu iTunes e tecnologia
do leitor de música num formato de telefone celular. O Rokr
dispositivo de telefone móvel foi desenvolvido pela Motorola. Ele tem
uma tela colorida, alto-falantes estéreo e um sistema de câmara.
Uma versão da música da Apple iTunes, a loja foi desenvolvida para
o telefone que os usuários possam gerenciar as faixas que foram
armazenadas. Os downloads estão disponíveis através de um cabo
USB, ands software no telefone faz uma pausa da música se uma
chamada de telefone vem dentro Novas tecnologias e alianças
estratégicas oferecem oportunidades para a Apple.
○ Podcasts são programas de rádio para download que pode ser
baixado da Internet, e depois reproduzidas em iPods e outros
aparelhos de MP3 na conveniência do ouvinte. O ouvinte pode-se
inscrever para podcasts gratuitamente e, finalmente, as receitas
poderiam ser geradas a partir pagas para a subscrição ou através de
receitas geradas pelas vendas de outros downloads.

Ameaças:

○ A maior ameaça para as empresas de TI, como a Apple é o nível


muito elevado de concorrência nos mercados de tecnologia. Ser bem
sucedido atrai a concorrência, ea Apple trabalha muito em pesquisa e
desenvolvimento e comercialização a fim de manter sua posição
competitiva. A popularidade do iPod e do Apple Mac estão sujeitas a
procura, e serão afectados se as economias começam a oscilar e
queda da procura dos seus produtos.
○ Há também um efeito de substituição de alta do produto nas
inovadoras e de rápido movimento de TI do mercado de consumo.
Então, iPod e MP3 regra hoje, mas só ontem foi de CD, DAT, e vinil.
A tecnologia de amanhã pode ser completamente diferente. As
tecnologias sem fios podem substituir a necessidade de um leitor de
música física.
○ Em 2005, a Apple ganhou um processo judicial que obrigou
blogueiros para nomear as fontes de informação que antecipou o
lançamento de novos produtos da Apple. Ela era suspeita de que os
empregados da própria Apple havia despejado informações
confidenciais sobre o seu novo produto de Asteróides. Os três
indivíduos processados, todos os sites homenagem propriedade da
Apple, e eram grandes fãs de produtos da empresa. Os blogs
surgiram nos seus sites, e eles foram forçados a revelar a sua fonte.
A decisão viu sigilo comercial, mais importante que o direito de
expressão dos indivíduos.

3.1. ANÁLISE SWOT DA NIKE

Pontos Fortes:

20
○ A Nike é uma organização muito competitiva. Phil Knight (fundador e
CEO) é frequentemente citado como tendo dito que "Negócio é a
guerra sem balas". Nike tem uma disputa saudável com seus
concorrentes. Na Olimpíada de Atlanta, Reebok foi à custa de
patrocinar os jogos, enquanto que a Nike não. No entanto patrocinou
os atletas de topo e ganharam uma cobertura valiosa.
○ Nike não tem fábricas. Não amarrar dinheiro em edifícios e os
trabalhadores de fabricação, isso faz com que seja uma organização
muito magra. Nike é forte em pesquisa e desenvolvimento, como é
evidenciado pela sua gama de produtos em desenvolvimento e
inovação. Eles podem fabricar produtos de alta qualidade ao menor
preço possível. Se os preços sobem, e os produtos podem ser mais
barato em outro lugar (para a mesma especificação ou superior), a
Nike moverá a produção.
○ Nike é uma marca global. É a marca número um do desporto no
mundo. Os seus famosos “swoosh” são imediatamente
reconhecíveis.

Pontos fracos:

○ A organização tem uma gama diversificada de produtos desportivos.


No entanto, o rendimento do negócio é ainda pesadamente
dependente da sua participação no mercado de calçados. Isso pode
deixá-lo vulnerável se por qualquer razão perder participação de
mercado.
○ O sector de retalho é muito sensível a preço. Nike tem a sua própria
loja Nike Town. Entretanto, a maioria das suas receitas são derivadas
da venda no retalho. Os retalhistas tendem a oferecer uma
experiência muito similar ao consumidor.

Oportunidades:

○ Desenvolvimento de produtos Nike oferece muitas oportunidades. A


marca é defendida ferozmente pelos seus proprietários que
acreditam verdadeiramente que a Nike não é uma marca de moda.
No entanto os consumidores que usam produtos Nike nem sempre
compram a sua participação no desporto. Alguns argumentam que,
na cultura dos jovens, especialmente, a Nike é uma marca de moda.
Isso cria as suas próprias oportunidades, já que o produto pode-se
tornar fora de moda antes que ele se desgasta consumidores ou seja,
necessidade de substituir os sapatos.
○ Há também a oportunidade de desenvolver produtos, tais como
desgaste do desporto, óculos e jóias. Tais itens de alto valor tendem
a ter a eles associados, altos lucros.
○ O negócio pode ser desenvolvido internacionalmente, construído em
cima do seu forte reconhecimento de marca global. Há muitos
mercados que têm a renda disponível para gastar em artigos de
desporto de alto valor. Por exemplo, os mercados emergentes como a
China e a Índia têm uma nova geração de consumidores mais ricos.

21
Há também eventos de marketing global que pode ser utilizada para
apoiar a marca, como a Copa do Mundo (de futebol) e os Jogos
Olímpicos.

Ameaças:

○ Nike é exposto à natureza do comércio internacional. Ele compra e


vende em diferentes moedas e, assim os custos e as margens não
são estáveis durante longos períodos de tempo. Tal exposição
poderia significar que a Nike pode ser de fabricação e / ou vender
com prejuízo. Este é um problema que enfrenta todas as marcas
globais.
○ O mercado de calçados desportivos e de vestuário é muito
competitivo. O modelo desenvolvido por Phil Knight, em seu dia
Stamford Business School (produto de alto valor de marca fabricado a
um baixo custo) é agora de uso corrente e uma medida já não é uma
base para a vantagem competitiva sustentável. Os competidores
estão a desenvolver marcas alternativas para tirar partes da Nike no
mercado.
○ Como discutido acima nos pontos fracos, o sector de retalho está a
tornar-se o preço do competidor. Isso significa que os consumidores
estão a comprar em torno de um negócio melhor. Assim, se uma loja
de encargos de um preço para um par de calçados desportivos, o
consumidor pode ir até a loja na rua para comparar os preços para o
item exactamente igual, e comprar o mais barato dos dois. Tal
sensibilidade do preço do consumidor é uma potencial ameaça
externa para a Nike.

3.1. ANÁLISE SWOT DA NESTLÉ

Pontos Fortes:

○ Produtor mundial de alimentos,


localizadas em mais de 100
países. Consistentemente um dos
maiores produtores mundiais de
alimentos, com vendas nos EUA
em 2008 de US $ 10 bilhões, as
vendas e lucros em 2008 foram
melhores que o esperado, mesmo

22
numa economia voltada para baixo. As vendas globais em 2008
atingiram US $ 101 bilhões.
○ Classificada como a empresa maior do mundo de água engarrafada e
criaram facilidades para operar os recursos hídricos de forma
responsável.
○ Em 2008, a Nestlé foi nomeada um dos "America's Most Empresas
Alimentos Admiradas" da revista Fortune para o décimo segundo ano
consecutivo.
○ Nestlé oferece marcas e produtos de qualidade e extensões de linha
que são bem conhecidas e mais vendidas, incluindo: Lean Cuisine,
Yoplait, Maggi, do secador / Edy's, Haagen-Dazs, Stouffer, Boost,
Dibs, Hot Pockets; Chocolate e doces: Kit Kat, Toll House,
Butterfinger, Baby Ruth, Crunch Bar, o Willy Wonka linha Candy;
Produtos Pet: Purina Alpo, Cat Chow, Festa Fantasia, Friskies, Cat
Tidy; Bebidas: Cravos, Perrier, Nesquik, S. Pellegrino, Nescafé,
coffeemate, suco Taster's Choice, Juicy; General Mills: filial que faz
Betty Crocker, Bisquick, hambúrgueres, Pillsbury, Old El Paso, cereais,
frutas lanches, pizzas congeladas, sopas enlatadas, legumes
congelados, refeições prontas congeladas; Gerber: fórmulas infantis,
alimentos para bebés preparados, cereais bebê, água, suco, iogurte,
alimentos para lactentes, crianças e pré-escolares.
○ Profissional marcas vendidas para restaurantes, faculdades, hotéis e
profissionais do alimento, incluindo refeições Jenny Craig, refeições
Impacto líquido para pacientes vítimas de trauma, refeições líquidas
para diabéticos e produtos da perda de peso Optifast.
○ Afortunada, devido em parte à sua capacidade inquestionável de
manter as principais marcas de forma consistente na vanguarda da
mente do consumidor (e nos carrinhos de compras), mediante a
renovação de linhas de produtos existentes, mantendo as principais
marcas de deslizar em saturação / declínio e ter acesso a canais de
distribuição.

Pontos fracos:

○ Uma das suas divisões não foi tão bem sucedido como pensavam
quando a construíram em frança. Na década de 1980, Danone entrou
no mercado com um iogurte de saúde de base, tornando a marca
mais vendida de iogurte; mais tarde, lançamento da Nestlé, em 1994,
num mercado já maduro não conseguindo competir com uma marca
forte e já estabelecida.
○ Crescimento orgânico em sua divisão de vendas de alimentos
manteve-se estável em 2008, embora a indústria tivesse crescido
8,9%.
○ Desde 2004, a indústria de cereais de pequeno-almoço tem estado
sob o fogo do FDA e da American Medical Association, os quais dizem
que as falsas alegações de "coração saudável" e "diminuir o
colesterol" precisam ser removidos da embalagem e na
publicidade. Eles também têm sido forçados a reduzir a quantidade

23
de açúcar em seus produtos, como grupos de pais advogados
alegaram que estavam contribuindo para a epidemia de diabetes
entre as crianças americanas.
○ General Mills é uma marca estabelecida e experiente, é o líder de
mercado nos EUA, no entanto, eles têm faltado na inovação, não
lucram com a mania de expansão de alimentos saudáveis e ficaram
atrás na criação de produtos de nicho, de novo, especialmente em
suas divisões, iogurte Yoplait, onde é a única marca de fins lucrativos.

Oportunidades:

○ Nas sociedades de hoje, conscientes da saúde, que podem introduzir


mais produtos de saúde de base, e porque eles são um líder de
mercado, que provavelmente seria mais bem sucedido.
○ Fornecer alérgeno alimentos livres, como livres de glúten e
amendoim livre.
○ Eles lançaram uma nova linha premium de maior teor de cacau
chocolates Nestlé apelidado tesouros de ouro, a fim de lucrar com a
"economia da recessão", no qual os consumidores cortados para trás
em bens de luxo, mas regularmente deliciarem com os doces e
chocolates. Os americanos querem chocolates de luxo, e chocolate
de alta qualidade está imune à recessão (até agora), porque é uma
indulgência barata.
○ Inaugurado Nestlé Café nas grandes cidades a característica de
produtos Nestlé.

Ameaças:

○ Qualquer contaminação do abastecimento de alimentos,


especialmente e-coli. Sua Toll House massa de biscoito da marca foi
lembrada em março de 2009 por causa de e-coli. Surtos estavam
associados a 28 estados e do produto tiveram de ser retiradas a nível
mundial. A Nestlé tem ainda para descobrir como isso aconteceu, e
ainda está investigando.
○ Eles foram afetados pelo recall de alimentos para animais de
estimação em 2007, em que 95 diferentes marcas de alimentos para
cães e gatos foram recolhidos devido a contaminação com o veneno
de rato. Também em 2007, o FDA aprendeu que certos alimentos
para animais estavam adoecendo e matando cães e gatos. FDA
contaminantes encontrados nas proteínas vegetais importados para
os Estados Unidos da China e as utilizadas como ingredientes em
alimentos para animais de estimação. Os preços Raw ingrediente do
chocolate estão em alta, custos de vacas leiteiras subiram 50% em
2008, este corta pesadamente em suas margens de lucro e, muitas
vezes são repassadas aos consumidores, pela redução das
embalagens de uma forma que é quase imperceptível, pois o
consumidor está pagando o mesmo preço para menos produto.

24
○ Eles têm grandes concorrentes, como Hershey's, a Cadbury-
Schweppes (de propriedade da Pepsi), Lindt e Ghirardelli, Kellogg's,
Correios, Starbucks, Beech-Nut, Quaker, Kraft Foods, Danone, Del-
Monte, Iams, Earth's Best, Heinz, Frito -Lay (de propriedade da Pepsi).

3.1. ANÁLISE SWOT DA TATA MOTORS LIMITED

Pontos Fortes:

○ A estratégia de internacionalização
tem sido até agora para manter os
gestores locais em novas aquisições, e
somente um transplante de dois
gerentes sénior da Índia para o novo
mercado. A vantagem é que a Tata
tem sido capaz de trocar experiências.
Por exemplo, após a aquisição da
empresa indiana Daewoo, melhorou-se
a disciplina do trabalho e como obter o produto final de uma forma
mais sustentável.
○ A empresa tem uma estratégia para a próxima etapa da sua
expansão. Não é apenas centrados em novos produtos e aquisições,
mas também tem um programa de desenvolvimento intensivo em
gestão local, a fim de estabelecer os seus líderes para o mais breve
possível.
○ A empresa teve uma aliança de sucesso com a marca italiana Fiat,
em massa de produtores desde 2006. Isso tem reforçado o portfólio
de produtos para a Tata e a Fiat em termos de produção e troca de
conhecimentos. Por exemplo, o Fiat Palio Style foi lançado pela Tata
em 2007, e as empresas têm um acordo para construir uma pick-up
destinados à América Central e do Sul.

Pontos fracos:

○ Os produtos da empresa de automóveis de passageiros são baseados


em 3 ª e 4 ª geração de plataformas, o que colocou a Tata Motors
Limited em desvantagem com os fabricantes de automóveis
concorrentes.
○ Apesar da compra das marcas Jaguar e Land Rover ; a Tata não tem
uma posição no segmento de carros de luxo no seu mercado interno
indiano. É uma marca associada a veículos comerciais e automóveis
de passageiros de baixo custo, na medida em que se isolou em
segmentos lucrativos no Brasil
○ Uma fraqueza que muitas vezes não é reconhecida é que no Inglês a
palavra "olho" significa “lixo”.

Oportunidades:

25
○ No verão de 2008, a Tata Motors anunciou que tinha comprado com
sucesso as marcas Jaguar e Land Rover da Ford Motors no Reino
Unido, £ 2.300.000. Dois carros de luxo do mundo da marca foram
adicionados ao seu portfolio de marcas, e sem dúvida fora da
empresa a oportunidade de veículos de mercado nos segmentos de
luxo.
○ Tata Motors Limited adquiriu a Daewoo Motor negócio de veículos
comerciais em 2004 para cerca de R $ 16 milhões.
○ Nano é o carro mais barato do mundo. Enquanto o mundo está
ficando pronto para alternativas mais ecológicas aos consumidores
de gasolina, o Nano é uma possível resposta.
○ A plataforma nova faixa global está prestes a ser lançado a partir do
seu coreano (anteriormente Daewoo) da planta. Mais uma vez, num
momento em que o Mundo está à procura de alternativas de
transporte respeitadores do ambiente, agora é o momento certo para
avançar para este

Ameaças:

○ Outros fabricantes de automóveis têm sido concorrentes no negócio


do carro de passageiros para 40, 50 ou mais anos, portanto, a Tata
Motors Limited tem de desenvolver constantemente em termos de
qualidade e produção enxuta.
○ Sustentabilidade e ambientalismo poderiam significar custos
adicionais para o produtor de baixo custo. Isso pode impactar a
vantagem competitiva subjacente. Obviamente, como a Tata
mundializa e compra noutras marcas, este problema poderia ser
atenuado.
○ Desde que a companhia tem se concentrado sobre os segmentos de
veículos comerciais e pequenas, que se deixou aberta à concorrência
de empresas estrangeiras para o emergente segmento de luxo da
Índia.
○ O aumento dos preços na economia global poderia representar uma
ameaça para a Tata Motors Limited. O preço do aço e do alumínio é
crescente e a pressão sobre os custos de produção amenta
consequentemente. Muitos dos produtos da Tata movidos a gasóleo
diesel estão-se a tornar caros a nível mundial e no seu mercado
tradicional.

26
3.Conclusão
Conclui-se, deste modo, que a análise SWOT, ou seja, a análise dos
pontos fortes e fracos da empresa e das oportunidades e ameaças, é um
instrumento precioso para qualquer organização, não necessariamente uma
empresa: permite-lhe identificar e localizar a sua situação, com o grau de
profundidade de que necessita, e construir uma ferramenta para as
decisões estratégicas a tomar, no presente e no futuro.

Logo, após ter realizado uma Análise SWOT uma pessoa é capaz de
observar as vantagens e os pontos fracos da sua organização de maneira
mais transparente, bem como a sua situação perante o mercado.
O uso da técnica de mapeamento mental para desenvolver uma
Análise SWOT ajuda a estruturar a informação disponível da sua companhia
ou um produto no mercado, bem como ter uma boa visão de sua situação
actual e do desenvolvimento dos seus prospectos.
Este trabalho ajuda a obter o melhor caminho para o desenvolvimento,
evitar danos e fazer uso dos recursos disponíveis de forma eficiente e
eficaz, utilizando as oportunidades apresentadas.

A análise SWOT é assim um instrumento precioso para o


desenvolvimento de uma estratégia empresarial, através das conclusões
retiradas das análises externa e interna. Tendo por base o impacto no
negócio e as tendências futuras, a análise SWOT permite-lhe ter ao seu
dispor uma grelha para identificar os elementos chave que permitem
estabelecer prioridades e tomar decisões estratégicas.

27
4.Bibliografia
TEXTO:
○ http://prof.santana-e-
silva.pt/gestao_de_empreendimentos/trabalhos_alunos/word/Modelo
%20de%20Porter%20e%20An%C3%A1lise%20SWOT_DOC.pdf
○ http://www.pmelink.pt/article/pmelink_public/EC/0,1655,1005_39755-
3_41097--View_429,00.html
○ http://portal-gestao.com/gestao/2414-a-analise-swot-e-o-processo-de-
planeamento-estrategico.html
○ http://www.alvarestech.com/lillian/Planejamento/Modulo3/Aula31SWO
T.pdf
○ www.intelimap.com.br
○ Jornal: O Jogo
○ http://www.marketingteacher.com/lesson-store/lesson-swot-
portuguese.html

IMAGEM:
○ http://www.google.pt/imgres?
imgurl=http://www.nndb.com/people/468/000094186/michael-porter-
2.jpg&imgrefurl=http://www.nndb.com/people/468/000094186/&usg=
__Vvis9HmGwT7CQftaDqQ2lPvuVoc=&h=309&w=249&sz=23&hl=pt-
pt&start=0&sig2=8Lpu206BpfNpODET8yQgDA&zoom=1&tbnid=o_kN
wIKeB-
IqRM:&tbnh=147&tbnw=118&ei=EgISTavjFsGV4AbQ9dyEAg&prev=/i
mages%3Fq%3Dmichael%2Bporter%26um%3D1%26hl%3Dpt-pt
%26biw%3D1280%26bih%3D737%26tbs
%3Disch:1&um=1&itbs=1&iact=hc&vpx=327&vpy=57&dur=14&hov
h=247&hovw=199&tx=126&ty=134&oei=EgISTavjFsGV4AbQ9dyEAg
&esq=1&page=1&ndsp=26&ved=1t:429,r:1,s:0
○ http://www.google.pt/imgres?
imgurl=http://www.macmaniacos.com/blog/wp-
content/uploads/2009/12/apple-
logo.jpg&imgrefurl=http://www.macmaniacos.com/blog/2009/12/appl
e-entre-os-10-sites-mais-visitados-de-
novembro/&usg=__rVeQyzWbVa6MXlANOi2tEn3WqvA=&h=300&w=3
00&sz=20&hl=pt-pt&start=0&sig2=lHcRbNOe_I-
h5F1sunbYLQ&zoom=1&tbnid=etxQRsVy8MceLM:&tbnh=134&tbnw=
116&ei=RfkZTdiiHYKN4gbYjPGEAg&prev=/images%3Fq%3Dapple
%26hl%3Dpt-pt%26biw%3D1280%26bih%3D737%26gbv
%3D2%26tbs
%3Disch:1&itbs=1&iact=hc&vpx=116&vpy=98&dur=71&hovh=225

28
&hovw=225&tx=126&ty=145&oei=RfkZTdiiHYKN4gbYjPGEAg&esq=1
&page=1&ndsp=26&ved=1t:429,r:0,s:0
○ http://www.teamfenson.com/images/nike-logo2.gif
○ http://2.bp.blogspot.com/_I-
5etFR4Mn4/TJz0rTmqs3I/AAAAAAAABRU/wKiQWv_XfXY/s1600/BWR-
Nestle-Logo.gif
○ http://www.topnews.in/files/Tata%20Motors_0.jpg
○ Jornal: O Jogo

29