Você está na página 1de 7

O PARVO (Joane)

Os parvos têm, no teatro vicentino, uma função cómica, ocasionada


pelos disparates que proferem (cómico de linguagem). Assim acontece neste
auto, embora, em certos passos, o Parvo se junte às personagens
sobrenaturais (Anjo e Diabo) para criticar / acusar os que pretendem embarcar
e sirva, algumas outras vezes de comentador.
Nos termos desarticulados e ilógicos, ditos pelo parvo, há por vezes
muito que reflectir e analisar. À pergunta do Diabo “Quem é?”, ele responde
“Eu sô.”, identificando-se logo de seguida como um tolo (250); à pergunta do
Anjo “Quem és tu?”, ele responde “Samica alguém”, isto é, talvez alguém. Esta
resposta revela a sua inocência e candura, a pouca importância social que o
Parvo atribui a si próprio.
A decisão do Anjo de acolher o Parvo, na sua barca, está na lógica da
doutrina católica: não pode ser responsabilizado pelos seus actos quem
nasceu irresponsável. É o que o Anjo exprime muito sinteticamente com a
palavra simpreza (302). Simplesmente, o Anjo não lhe ordena que embarque
imediatamente mas, pelo contrário, manda-o aguardar no cais os futuros
companheiros (“espera entanto per i,” verso 304).
O papel que o Parvo desempenha no Auto da Barca do Inferno
reconhece-se bem: exprime a candura dos pobres de espírito na sua
agressividade instintiva e injuriosa contra o Diabo e os pecadores orgulhosos.
Quando o Diabo o convida a entrar na Barca Infernal, ele dá a seguinte
resposta: De pulo ou de voo? /Oh pesar de meu avô / Soma vim a adoecer, / e
fui má hora morrer, / e nela para mim só. Repare-se, por um lado, que o
simples acto de embarcar pela prancha foi absurdamente posto fora de
questão: o Parvo encara a hipótese de embarcar por meio de um voo como se
isso fosse a coisa mais natural do mundo. Mas, sobretudo, repare-se nisto: ele
fala na hora da sua própria morte com o espanto existencial de quem a sentiu
na sua singularidade de morte para si só.

Significado da palavra “parvo”

Sabes o que significa a palavra “parvo”? Verifica no dicionário.

Esta palavra é de origem latina. Vamos ver o seu significado original:

Parvus – criança; pequeno; condição humilde; de categoria inferior... (in


dicionário de latim - português)

Como podes verificar, o adjectivo “parvo” tem, hoje, um sentido


diferente do original. Já não o utilizamos quando queremos dizer que alguém
é criança ou pequeno.

Quando o significado de uma palavra se modifica ao longo do tempo,


diz-se que há evolução semântica.
Exercício

1. Selecciona os adjectivos que melhor caracterizam a linguagem do


Parvo:

a) Petulante
b) Sentenciosa
c) Desbragada
d) Dengosa
e) Injuriosa

2. Como classificas a maneira de ser do Parvo?

a) Alegre e espertalhão
b) Sério e antipático
c) Ingénuo e irresponsável
d) Simpático e bonito

3. Classifica as afirmações de verdadeiras ou falsas, de forma a


explicares a ausência de elementos cénicos nesta cena:

a) O desapego aos bens materiais.


b) A preguiça do Parvo que não queria vir carregado.
c) O esquecimento dos seus bens na terra.
d) A simplicidade da personagem e a ausência de pecados.

4. Substitui a expressão “porto de Lúcifer” por um substantivo


equivalente.

Joa. – Aguardai, aguardai, houlá!


E onde havemos nós d´ir ter?
Dia. – Ao ___________________.

5. Explica a evolução fonética dos seguintes vocábulos.

a) nostram > nostra Sonorização


b) nostra > nossa Síncope
c) aliquem > alquem Apócope
d) alquem > alguém Assimilação
e) semper > sempre Consonantização
f) focu > fogo Palatalização
g) absente > ausente Sinérese
h) iesus > Jesus Vocalização
i) filiu > filho Prótese
j) i > aí Metátese
Saber mais

Função cómica

“O Parvo”, que se convertera em uma espécie de comentador,


independentemente da acção, punha à mostra, com os seus disparates, o ridículo das
personagens convencidas do seu papel.
Em Gil Vicente não é outra a sua função: o Parvo nunca se apresenta a si
próprio, e nunca é observado pelo interesse que em si mesmo possa oferecer. A sua
função constante é obter efeitos cómicos, a coberto da irresponsabilidade, de
situações alheias a ele.”

António José Saraiva, Gil Vicente e o fim do teatro medieval.

O discurso e o vocabulário insultuoso usado pelo Parvo em relação ao Diabo


provocam o riso.
Também a sua maneira de ser, ingénua e irresponsável, é jocosa.
Contrariamente às outras personagens, o Parvo não transporta nenhum
objecto, não havendo nenhum símbolo que o caracterize. Também não é feita
nenhuma crítica ao seu comportamento.
O Parvo tem, portanto, uma função cómica, ajudando a caracterizar
as outras personagens, a mostrar os vícios delas.

Formação de palavras: a derivação

Joa. – É esta a naviarra nossa?



Navio + arra
↓ ↓ ↔ DERIVAÇÃO
Forma de base + sufixo

Para saber

A derivação por prefixação e sufixação são processos de formação de palavras


através da adição de afixos a uma forma de base.

Se for acrescentado no início, o afixo é designado por prefixo, se for no final,


chama-se sufixo.
Exercício

1. Identifica os elementos que formam as palavras, escrevendo-as no


respectivo espaço e indica qual o processo de derivação utilizado:

a) desfazer = ______ + _____________ - palavra derivada por


_____________

b) desaguar = ________ + ____________ + _________ - palavra


derivada por __________________ e __________________.

c) Aguada = ____________ + ______________ - palavra derivada por


________________

PROCESSOS DE DERIVAÇÃO

Derivação por prefixação – quando se acrescenta um afixo no início da


palavra, ou seja, quando se adiciona um prefixo a uma forma de base.
Repara no sentido de alguns dos prefixos mais comuns na língua
portuguesa:

Prefixo Significado Exemplos


ante- anterioridade antecipar, antepassado
de- , des- separação, ideia contrária desfolhar, demitir
di- , dis dispersão difundir, distribuir
entre- posição intermédia entreabrir, entrelaçar
in-, im-, i- negação, ideia contrária injustiça, impossível, ilegítimo
mal-, male- sentido de mal malcriado, maldizer, malfeitor
pre- anterioridade previsão, precedente
retro- movimento para trás retrógrado, retrocesso
sub- posição de inferioridade subchefe, subalugar
re- repetição reler, renascer

Derivação por sufixação – quando se junta um afixo no final da palavra, isto


é, quando se adiciona um sufixo a uma forma de base.

Os sufixos podem originar:


 nomes e adjectivos – sufixos nominais
 verbos – sufixos verbais
 advérbios – sufixos adverbiais
Atenta em alguns dos sufixos mais frequentes e no seu respectivo sentido:

SUFIXOS NOMINAIS

Sufixo Significado Exemplos


-ada, -ado papelada, telhado
-agem, -ugem folhagem, penugem
-al abundância areal, laranjal
-ame vasilhame
-eiro cancioneiro,formigueiro
-aço, -aça ricaço, mulheraça
-alhão aumento, grandeza grandalhão
-ão, -arrão, -arra caldeirão, gatarrão, bocarra
-ázio copázio
-acho, ucho riacho, papelucho
-ebre diminuição, pequenez casebre
-eco jornaleco, livreco
-inho, -inha, -ino caixotinho, cadeirinha, pequenino
-ário, -eiro bibliotecário, engenheiro
-ão profissão escrivão
-ino bailarino
-ista jornalista

SUFIXOS VERBAIS

Sufixo Significado Exemplos


-ecer começo de acção escurecer, emagrecer
-açar espicaçar
-ear folhear
-ejar repetição pestanejar
-icar bebericar
-inhar escrevinhar
-itar dormitar
-iscar pouca intensidade namoriscar, chuviscar
-ear branquear
-entar mudança afugentar
-izar realizar

SUFIXOS ADVERBIAIS

Sufixo Significado Exemplos


alegremente
-mente modo facilmente
espontaneamente
Derivação regressiva ou não afixal – trata-se da formação de substantivos
através dos verbos por redução da palavra primitiva.
Observa-se também um acrescentamento de elementos.

caçar > caça atacar > ataque


chorar > choro cortar > corte
embarcar > embarque tocar > toque
armar > arma comprar > compra

Derivação imprópria ou conversão – consiste na mudança de classe ou de


subclasse de certas palavras e, simultaneamente, numa mudança de
significado, sem alteração da forma.

Nome próprio  Nome comum

Gosto de vinho do Porto. / Toma um porto?

Nome comum  Nome próprio

A margarida que apanhaste no jardim é linda. / A minha filha chama-se


Margarida.
Nome  Adjectivo

O burro está no prado. / Aquele rapaz é muito burro.

Verbo  Nome

Fui jantar com a Joana. / O jantar estava muito saboroso!

Derivação parassintética ou parassíntese ou circunfixação – é o processo


de formação de verbos por meio de um prefixo e um sufixo, em que os dois
afixos (prefixo e sufixo) se aglutinaram em simultâneo a uma forma de base,
uma vez que não existem as palavras sem o sufixo ou sem o prefixo.

Adormecer = a + dorm + ecer


Repatriar = re + patr + ar

Completa:
Emoldurar = ______ + ________________ +_______
Embelezar = _________ + _______________ + ___________
Esbracejar = _______ + ______________ + ______
Empobrecer = ______ + _______________ + ___________
Exercício

1. Observa os seguintes conjuntos de palavras e identifica o processo


responsável pela sua formação.

a) percorrer, renascimento, intervir, perseguir Derivação regressiva


b) pereira, justiceiro, escolar, ligadura Derivação por sufixação
c) sustento, corte, demora, pesca Derivação por prefixação

2. Associa as palavras da coluna esquerda aos sufixos e prefixos


utilizados na sua formação.

a) confraternizar -ício
b) natalício -ado
c) ultramoderna con-
d) professorado ultra-

3. Identifica o processo de formação das palavras destacadas nas


frases seguintes:

a) Ele quer sair de casa, quer vá quer não para a Universidade.


b) Vamos reler o texto!
c) Ele é de boa convivência.
d) O estudante não veio a casa neste fim-de-semana.
e) O ataque aconteceu de madrugada!
f) Encontramo-nos ao anoitecer em tua casa!

a) ________________________________________
b) ________________________________________
c) ____________________________________________
d) _____________________________________________
e) ___________________________________________
f) __________________________________________

Prof. Maria Filomena Ruivo Ferreira