P. 1
Análise Artigo - Psicoterapia Breve (Recensão)

Análise Artigo - Psicoterapia Breve (Recensão)

|Views: 309|Likes:
Publicado porDora Almeida
Recensão - Análise de Artigo de Daniel Sampaio
Recensão - Análise de Artigo de Daniel Sampaio

More info:

Published by: Dora Almeida on Feb 03, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF or read online from Scribd
See more
See less

09/24/2013

Aconselhamento e Psicoterapia

1. Breve Introdução

O artigo escolhido para a elaboração desta recensão foi da revista Psicologia (Associação para Psicólogos), volume I, publicada em 1988 pelas Edições Afrontamento, Lisboa. A escolha não foi difícil pois era já de meu agrado encontrar um artigo acerca da Psicoterapia Breve, ainda melhor se fosse um artigo feito neste caso pelo Professor Daniel Sampaio, auxiliar de Psiquiatria da Faculdade de Medicina de Lisboa e Terapeuta Familiar.

2. Resumo

O autor neste artigo define a Terapia Breve com a Família, descrevendo a sua prática e indicando as suas preferenciais indicações. O artigo é composto por cinco pontos que podem também ser considerados sub-temas dentro do grande tema da Terapia Breve com a Família., sendo o primeiro a Introdução onde se fala do movimento da Terapia Familiar e os seus cinco factores: A influência da Psicanálise e das Terapias de Grupo de Orientação Analítica, O desenvolvimento dos Centros de Saúde Mental Infantil, As novas perspectivas no Tratamento de Esquizofrenia, A evolução do conceito de Família e por fim A transformação do pensamento Cientifico. A partir do segundo sub-tema pode então dizer-se que se entra propriamente na Terapia Familiar em si - Terapia Familiar Sistémica, onde se estigmatizam os principais fundamentos teóricos da Terapia Familiar Sistémica e descreve ainda

Terapia Breve com a Família

1

Aconselhamento e Psicoterapia

três modelos de Intervenção em Terapia Familiar: a Teoria Geral dos Sistemas (TGS), a Teoria da Comunicação, a Família como sistema emocional, a Noção do Ciclo de Vida da Família e por fim a Noção de Estrutura. Ainda neste ponto são descritos três modelos de terapia familiar: Modelo Transgeracional, Modelo Estrutural e Modelo

Estratégico. O terceiro título é a Terapia Breve com a Família , onde o autor explica logo de início que este tipo de Terapia não é abreviada mas sim planificada previamente com o objectivo de ser breve. Neste ponto o autor explica também qual o objectivo da terapia (importante de referir) indicando que a “intervenção terapêutica visa destruir a natureza necessária da sequência, levando à libertação de comportamentos de outrora ligados ao padrão interactivo, mais tarde a novas alternativas familiares e á resolução da crise e do problema”. Mais à frente o autor define os pressupostos gerais da terapia familiar em seis pontos. No final são definidas sucintamente seis fases de uma Terapia Breve familiar isto só depois dos pressupostos ultrapassados. As fases são as seguintes 1.º) Definição do Problema; 2.º) Detecção dos

comportamentos familiares associados ao problema; 3.º) Definição de objectivos terapêuticos; 4.º)Escolha de estratégias terapêuticas; 5.º) Conclusão; e 6.º) Follow-up. No penúltimo ponto temos os Resultados Obtidos com a Terapia Breve, onde o autor refere que a Terapia Breve com a Família se tem revelado eficaz e útil em muitas situações na prática clínica e para muitos outros autores é um método de

intervenção com resultados nítidos que no final se revelam ser não

Terapia Breve com a Família

2

Aconselhamento e Psicoterapia

transitórios. No quinto e último ponto temos as Indicações Preferencias, onde são sugeridas e destacadas algumas das indicações preferencias para este modelo de intervenção. No final é ainda referido que é na Instituição de Saúde Mental onde este tipo de terapia breve tem privilegio de actuação e de trabalho propriamente dito junto das famílias.

3. Orientação Teórica

Depois de avaliados os diferentes quadros teóricos de referência em Psicoterapia e Aconselhamento, podemos então afirmar que a

orientação do autor neste artigo é o Modelo sistémico calcada na Teoria Geral dos Sistemas. No próprio artigo existe um ponto “Terapia familiar Sistémica” e um dos fundamentos teóricos a TGS. Embora a Terapia Familiar já tenha quatro décadas de história, tem vindo a parecer importante este tipo de enfoque terapêutico já que a década de setenta foi a grande fase de implantação da Terapia Familiar ao longo da Europa e Estados Unidos. Neste sentido a terapia familiar nasceu como uma resposta alternativa às limitações que sempre sofreram e sofrem os tratamentos individuais das pessoas que apresentam algum tipo de desequilíbrio emocional, afectando o seu curso normal de vida. A terapia familiar de modelo sistémico alimenta-se de raízes distintas às da maioria das terapias administradas aos indivíduos que apresentam problemas de adaptação às circunstancias em que vivem. Ainda importante de referir é que dentro do próprio Modelo Sistémico existem

Terapia Breve com a Família

3

Aconselhamento e Psicoterapia

diversos fundamentos teóricos da terapia familiar e também diversos modelos de intervenção para uma avaliação mais precisa adaptando cada intervenção ao caso em questão. Podemos ainda afirmar que a terapia familiar sistémica é de certa forma influenciada pela psicanálise partido do pressuposto que os terapeutas familiares, assim como os psicanalistas, reconhecem a atracção que o passado exerce sobre nós, e o facto de que, de algum modo, as pessoas vivem à sombra da família a qual pertenceram; mas ao contrário dos psicanalistas os terapeutas familiares, reconhecem também o poder do presente e encaram a influência em curso dessa mesma família. O principal objectivo da terapia familiar é conseguir mudanças na organização familiar, tendo como base o facto de que quando se transformam as relações do sistema familiar, a vida de cada membro também se vê,

consequentemente, transformada. A reunião dos membros da família e o trabalho terapêutico com eles facilita a elaboração dos conflitos, mas é, sobretudo, uma nova forma de abordar a compreensão da conduta humana em sua complexidade como formada fundamentalmente pelos contextos social e cultural.

4. Contributos Específicos e Áreas não Exploradas

Especificamente neste artigo podemos indicar alguns contributos como a eficácia deste tipo de terapia pois o seus resultados mostraram-se precisos, nítidos e não transitórios. O artigo fala de uma forma geral no entanto explicita, falando das diversas influências, pressupostos e

Terapia Breve com a Família

4

Aconselhamento e Psicoterapia

factores da terapia, os seus princípios fundamentais teóricos e suas características, e por fim as conclusões retiradas e as indicações preferenciais para este modelo de intervenção familiar. Relativamente às áreas que ficaram por explorar poderemos indicar especificamente alguns pontos existentes acerca deste mesmo tema que foram abordados por outros autores. Uma abordagem mais profunda acerca de outros pontos existentes na Terapia Familiar como a transferência (processo pelo qual o paciente se desloca), o tempo (e técnica tempo) de uma Psicoterapia breve, a actividade em si do terapeuta e a sua focalização relativamente ao membro da família definindo o foco a trabalhar e de o mesmo se alicerçar em teorias da personalidade coerentes e ainda as resistências existentes em psicoterapia breve que quando existem na relação terapêutica, ela pode acontecer em ambos os intervenientes . Contudo duma forma geral e dentro do âmbito da temática o artigo dá uma noção geral acerca da terapia breve com a família explicitando os essenciais pontos necessários numa terapia.

5. Apreciação Global

Podemos dizer de uma forma global que o artigo se mostrou interessante e construtivo numa perspectiva geral acerca da Terapia breve com a família. O autor (Daniel Sampaio) de uma forma especial esclareceu a prática deste tipo de intervenção, revendo vários

pressupostos teóricos e clarificando para que está indicada esta terapia, sobressaindo a sua aplicação na área da saúde a nível mental.

Terapia Breve com a Família

5

Aconselhamento e Psicoterapia

A sua estrutura é favorável a uma leitura simples pois está dividida em pontos que facilitam a compreensão de várias perspectivas que são abordadas e explicadas de uma forma clara. Podemos ainda referir a partir do artigo lido que os fins da Psicoterapia têm constituído o grande trabalho de investigação dos psicoterapeutas breves. As diversas teorias e diversos modelos procuram orientar o psicoterapeuta breve na sistematização dos fins da sua intervenção e de todo o processo de cura.

Terapia Breve com a Família

6

Aconselhamento e Psicoterapia

6. Referências Bibliográficas

Nunes, M. (1989). As Resistências em Psicoterapia Breve. Revista de Psicoterapias Breves, 3, (3), 4-8.

Ribeiro, M. (1988). A Transferência em psicoterapia Breve. Revista de Psicoterapia Breves, 3, (2), 11-14.

Ribeiro, P. (1988). O Foco. Revista de Psicoterapias Breves, 3, (2), 4-6.

Ribeiro, P. (1994). Tempo e Psicoterapia Breve. Revista de Psicoterapias Breves, 3, (2), 28-32.

Terapia Breve com a Família

7

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->