Você está na página 1de 63

Gestão de Tesouraria

► Gestão Financeira de curto prazo,


abrange a gestão do capital circulante
total e a gestão das dívidas de curto
prazo.

1
Ciclo Operacional ou de
Exploração
Compras Pagamento

TMP

TMEMP TMEPCF TMEPA TMR

Consumos Produção Vendas Cobranças


terminada
Ciclo de Negócio

Ciclo de Tesouraria 2
Fundo de Maneio
► Tem uma natureza essencialmente estática pois representa
a situação de liquidez da empresa a num dado momento
localizado no tempo.
► Depende de variáveis de natureza estrutural, como a
política de investimentos em capital fixo (ITB); política de
amortizações (ITL); de rendibilidade global , política de
distribuição de dividendos e de financiamento (DtMLP e
cap. Soc.)
► Deverá ser comparado com o FMNT e a evolução da
Tesouraria a curto prazo.

3
Fundo de Maneio (Cont.)
► Fundo de Maneio Bruto – Capital circulante total, líquido de
provisões;
► Fundo de Maneio Líquido ou FM
 Em termos de Disponibilidades:
 FM Tesouraria ou Tesouraria Líquida=(Ccirc-Exist)-Div CP
► FM Próprio – parte do FM composto por capitais próprios;
► FM Alheio – parte do FM composto por capitais alheios de
MLP;
► FM Permanente -FM próprio + FM Alheio

4
Fundo de Maneio (Cont.)
FM = CcT – DtCP ou FM = CP + ITL

ITL CP

FM

DtCp
CcT
5
Liquidez Vs. Fundo de Maneio
► Liquidez Geral =
(Activo Circulante/Passivo Circulante) , ou
(CcT/DtCp)

► LG = 1  FM = 0

► LG < 1  FM < 0

► LG > 1  FM > 0

6
Necessidades e Recursos
financeiros
► Necessidades Financeiras e Recursos Financeiros :
 De Exploração – Resultantes do ciclo de exploração;
 Extra-exploração – Resultantes do ciclo de investimento
e financiamento;

► Necessidades Financeiras e Recursos Financeiros:


 Normais
 Anormais

7
Necessidades de Fundo de
Maneiofinanceiras de
► FMN – conjunto de necessidades
exploração cujo financiamento se encontra assegurado
pelos recursos financeiros de exploração normais, ou
seja, aqueles que são permanentemente renováveis e
não comportam custos explícitos.

► FMNEE= conjunto de necessidades financeiras extra-


exploração, anualmente renováveis, não financiadas
pelos recursos financeiros extra-exploração do mesmo
tipo.
► FMNT= soma algébrica dos FME e FMNEE, reflectindo o
conjunto das necessidades financeiras totais, líquidas
dos recursos financeiros totais que anteriormente
garantiram o seu financiamento
8
NFM: Determinação
► NFM = Necessidades Cíclicas – Recursos Cíclicos
► NC = Clientes + Existências + Adiantamentos a
Fornecedores + EOEP + Outros Devedores Exploração
► EX = MP + PCF + SR + PA + MERC
► RC = Fornecedores + Adiantamentos de Clientes +
EOEP + Outros Credores Exploração

NFM  (CL  MP  PCF  SR  PA  MERC  AF  EOEPR  ODE)  ( F  ACL  EOEPP  OCE)


NFM em termos de dias de Vendas :
NFM CL MP PCF SR PA MERC AF EOEPR ODE F ACL EOEPP OCE
(         )(    )
VND VND VND VND VND VND VND VND VND VND VND VND VND VND
VND  Vendas Médias Diárias
9
Relação fundamental de
Tesouraria
►A Tesouraria é, por natureza, um indicador
estático;

Ou
T  FM  FMNT
T  (CP  ITL)  FMNT
► Equilíbrio estrutural de Tesouraria existe quando T
=0

T  0  FM  FMNT
10
Relação fundamental de
Tesouraria (Cont.)
►O FM deverá estar ao nível do FMNT
► O nível de Capitais Permanentes Adequados que
a empresa deverá apresentar corresponde a:
CPA= ITL+FMNT
► Os desequilíbrios momentâneos ou estruturais
de tesouraria poderão ser explicados pela
existência de Elementos Activos e Passivos de
Tesouraria, não englobados no FMN ou FMNEE
donde:
ITL+FMNT+EAT=CP+EPT
11
Relação Fundamental de
I Tesouraria II
FMNT FM FMNT FM

Exced. Défice
Tesour. Tesour.

III

FMNT FM

12
Tesouraria Superavitária
► Se o FM>FMNT a Tesouraria é superavitária
► FM excessivo  Existência de capitais
permanentes em níveis excessivos  Excesso
de Recursos

Efeitos negativos sobre a rendibilidade (CFF)

Efeitos positivos s/ o risco financeiro cp (CP)

13
Tesouraria Superavitária (Cont.)
Superavites Crónicos:
1.Elevados níveis de Autofinanciamento anual
Por via de redução do ITL, ou aumento do Cap.Próprio
acompanhado por fraco investimento em Capital Fixo
2. Excesso de amortizações anuais
Diminuição dos RL sem correspondente diminuição do FM
3. Política de financiamento do capital circulante
demasiadamente conservadoras
Retenção excessiva de lucros ou excessivo recurso a
crédito de MLP
4.Permanente preocupação com a redução do FMNT
Secundado pela manutenção de C Perm. elevados

14
Tesouraria Deficitária
► Se o FM<FMNT a Tesouraria é deficitária
► FM insuficiente  Existência de problemas de
tesouraria  insuficiência de Recursos

Efeitos positivos sobre a rendibilidade

Efeitos positivos s/ o risco financeiro a curto prazo
(financiamento, etc.)

15
Tesouraria Deficitária (Cont.)
Défices Crónicos:
1.Elevados níveis de Autofinanciamento anual
Por via de redução do ITL, ou aumento do Cap.Próprio
acompanhado por fraco investimento em Capital Fixo
2. Excesso de amortizações anuais
Diminuição dos RL sem correspondente diminuição do FM
3. Política de financiamento do capital circulante
demasiadamente conservadoras
Retenção excessiva de lucros ou excessivo recurso a
crédito de MLP
4.Permanente preocupação com a redução do FMNT
Secundado pela manutenção de C Perm. elevados

16
Tesouraria Deficitária (Cont.)
Défices Conjunturais:
1.Aumento do crédito concedido a clientes,
por um prazo um curto prazo de tempo
2. Aumento das existências de Matérias –
Primas, devido a motivos especulativos
ou sazonalidades
3. Diminuição súbita e temporária do TMP a
fornecedores
4.Diminuição sazonal das vendas e da
rendibilidade, que origina MLB negativos
17
Gestão do Capital Circulante

I. Gestão do Disponível
II. Gestão do Realizável
III. Gestão das Existências
IV. Gestão do Exigível a Curto Prazo

18
Regras Básicas de gestão do
Activo e Passivo circulante de
exploração
1. Reduzir ao mínimo possível as disponibilidades totais
2. Receber dos clientes o mais rapidamente possível, sem
prejudicar a rendibilidade, o nível de actividade e quota
de mercado
3. Acelerar ao máximo a rotação dos stocks, sem prejuízo
do aprovisionamento e produção normais e da
comercialização
4. Atrasar ao máximo os pagamentos aos fornecedores
correntes, sem descredibilizar a imagem e crédito da
empresa

19
Gestão do Activo Circulante
► Composição do Activo total de Exploração
 Influencia a rendibilidade global
 Influencia o risco global
► Quantomaior for o Activo Circulante Total e o
seu peso no Activo Total
 Menor propensão para gerar lucros
 Menor risco financeiro
► Quanto menor for o Activo Circulante Total e
o seu peso no Activo Total
 Maior propensão para gerar lucros
 Maior risco financeiro
20
I. Gestão do Disponível
► Disponível
 Caixa
 Bancos
►DO, DP, Depósitos com aviso prévio
 Clientes
►C/c, Títulos a receber (desde que mobilizáveis)
 Empréstimos Bancários já negociados e ainda
não utilizados
 Obrigações e outros títulos negociáveis

21
Gestão do Disponível ( Cont.)
► Ciclo Financeiro de Exploração
 Inicia-se com a aquisição de MP (despesa) e conclui-se
com os recebimentos efectivos de Clientes
► Ciclo de Tesouraria de Exploração
 Inicia-se com os pagamentos e termina com os
recebimentos efectivos de Clientes

Compra MP Pagamento Venda Recebimento


CTE
CFE
► Distinguem-se devido ao volume de créditos de exploração obtidos
22
Reserva de Segurança de
Tesouraria
► Para evitar rupturas durante este período, dever-se-á
incutir alguma precaução na tesouraria da empresa e
constituir uma RST
Pagamentos Anuais
RST 
Rotação Anual do Disponível
sendo :
360
Rotação Anual do Disponível 
Ciclo Tesouraria Exploração
Pagamentos Anuais : pagamentos previsionais desse ano

23
Composição da RST
► Deverá ser composta por vários tipos de
disponibilidades
 Caixa e DO devem ser reduzidas ao mínimo
 Os Depósitos a Prazo geram receitas
atractivas (líquidas de impostos) mas há
alternativas mais rendíveis
 Retenção das letras em carteira, em vez do
recurso ao desconto bancário, poupa à
empresa custos financeiros, nem sempre
imputáveis aos clientes

24
Composição da RST (Cont.)
 Aquisição de Tít. Negociáveis (OT, BT, ...)
confere segurança (isenção de risco) e
receitas líquidas a considerar
 Negociação antecipada de crédito bancário
evita outras modalidades de crédito mais
onerosas
Notas:
► A RST deve ser considerada como uma necessidade
financeira a ter em conta no cálculo do FMN
► Os títulos negociáveis são EAT e, por isso, não
deverão ser considerados para o cálculo do NFM
25
Rotação do Disponível
► Procedimentos:
i. Cruzamento dos cheques  < endosso
ii. Depósito no banco sobre o qual os cheques
são emitidos  recebimento imediato
iii. Utilização de cartões de crédito para
pagamento de despesas de representação 
Crédito grátis
iv. Pagamentos a terceiros deverão ser feitos
através de transferência bancária ou por
cheque  atrasar o pagamento

26
Rotação do Disponível (Cont.)
► Procedimentos:
v. Estabelecer uma relação de confiança
com os bancos
vi. Análise e controlo dos orçamentos de
tesouraria  evitar rupturas
vii. Controlo permanente das contas
bancárias

27
II. Gestão do Realizável
► Realizável a curto prazo
 Clientes C/c
 Clientes -Títulos a receber
► Letras em carteira, descontadas, remetidas à cobrança
 Devedores diversos ligados ao ciclo de exploração
► Fornecedores C/c, adiantamentos a fornecedores, EOEP
 Outros devedores não ligados ao ciclo de
exploração
► Empréstimos concedidos a empresas associadas, EOEP,
sócios, fornecedores imobilizado C/c, adiantamentos a
fornecedores de imobilizado, etc. ...
28
Clientes –Títulos a receber
► Política de desconto de títulos em carteira:
1. Custo do desconto
2. Tesouraria da empresa
3. Possibilidade de mobilização dos títulos em
carteira

29
Política de desconto de títulos
em carteira
1. Custo do desconto é geralmente elevado
 Taxa de juro nominal
 Imposto de selo
 Comissões e despesas administrativas
 Pagamento antecipado dos juros
2. Evolução da Tesouraria Global
 Dependendo da sua evolução, o desconto dos títulos
poderá ser uma necessidade para a empresa (excesso
de pagamentos ou insuficiência de recebimentos)

30
Política de desconto de títulos
em carteira (Cont.)
3. Mobilização junto dos bancos
 Prazos de vencimento
 Plafonds negociados ou impostos pelos bancos
 Possibilidade do banco recusar certos títulos
► Vencimento superior a 180 dias
► Não resultem de operações efectivas
► Que envolvam entidades duvidosas
► Que excedam o Plafond

31
Disponibilidade dos títulos a
receber
► De entre os títulos em carteira, devem
distinguir-se:
 Títulos facilmente mobilizáveis (até 8 dias)
►Constituemdisponibilidades
►São Elementos Activos de Tesouraria (EAT)

 Títulos não mobilizáveis


►Representam necessidades financeiras
►Devem ser considerados para o cálculo do FMNE

32
Clientes – Conta corrente
► Exprime o conjunto dos créditos não titulados da
empresa sobre os seus clientes
► Tem grau de disponibilidade reduzido
► Envolve custos explícitos e implícitos
► Envolve risco económico e financeiro
► Deve manter-se no nível mínimo possível,
atendendo ás características do mercado em que a
empresa opera

33
Gestão administrativa e
comercial do crédito concedido
► Objectivos:
 Reduzir o seu volume
 Maximização da rotação dos créditos
 Redução do risco
► Compreende uma:
1. Definição correcta das condições de venda
2. Selecção permanente dos clientes
3. Ligação permanente entre a gestão
comercial e a gestão financeira da empresa
4. Eficaz gestão administrativa dos créditos
34
1. Definição das condições de venda
► Rendibilidade de produtos e clientes
► Descontos de pronto pagamento
 Redução do Prazo Médio de Recebimentos
 Diminuição do risco da concessão de crédito
 Dever-se-á ter em conta a taxa de juro vigente
no mercado para operações com prazo idêntico
► Titulação das vendas
 Confere uma melhor garantia de pagamento e
facilita o procedimento judicial
 Aumenta o grau de disponibilidade do crédito
concedido
35
2. Selecção de Clientes
► Acompanhamento da solvabilidade dos clientes
► Obtenção de informações junto de instituições
financeiras, acerca da situação financeira dos
clientes
► Averiguação do risco de cada um dos clientes
► Nos casos que apresentem maior risco dever-
se-á exigir garantias pessoais (avales e fianças)
ou reais (hipotecas), ou fazer seguros de
crédito

36
3. Ligação entre a gestão
comercial e financeira
► Questões ligadas com a política de descontos,
circuitos de informação e PMR
C  Lr  Ld  Lc
PMR  * 365
Vendas anuais C/ IVA
C  Clientes C/C
Lr  Clientes - Letras a receber
Ld  Clientes - Letras descontadas
Lc  Clientes - Letras enviadas à cobrança

► Crédito temporário em excesso- não conta


para o cálculo do FMN
37
4 – Gestão Administrativa dos
créditos
► Conjunto de procedimentos para encurtar o
período de tempo que decorre entre a emissão
da guia de remessa e a efectiva cobrança da
factura
► Visa igualmente o controlo da idade dos créditos
dos clientes, bem como das suas
responsabilidades individuais

38
Devedores diversos
► Devedores relacionados com o ciclo de
exploração (exº adiantamentos a fornecedores)
► Deverão ser reduzidas ao mínimo
► Seresultam de condições de pagamento
inalteráveis a curto prazo: Têm carácter de
renovabilidade  Consideram-se para o FMN
► Seresultam de condições anormais ou
esporádicas: São EAT  Não se consideram
para o FMN
39
Acréscimos e Diferimentos
► Custos Diferidos
 Se ligados ao ciclo de exploração e renováveis 
integram o FMN
 Se não ligados ao ciclo de exploração mas têm
elevada renovabilidade  integram o FMNEE
► Acréscimo de Proveitos
 Se ligados ao ciclo de exploração e renováveis 
integram o FMN
 Se não ligados ao ciclo de exploração mas têm
elevada renovabilidade  integram o FMNEE

40
Provisões para Cobranças
Duvidosas
► Destinam-se a cobrir riscos potenciais que
decorrem da incobrabilidade dos créditos
concedidos
► Dever-se-á constituir atendendo à idade dos
créditos, independentemente da sua titulação
ou situação dos saques
► A sua constituição, dentro dos limites legais,
poderá levar à diminuição do imposto a pagar,
aumentando assim o autofinanciamento anual
e a tesouraria extra-exploração
41
III Gestão das Existências
► As Existências compreendem os stocks de MP, MS, PCF,
PA, Mercadorias, Vasilhame e Subprodutos
► Dever-se-á minimizar o investimento em Existências:
 Diminuição dos custos implícitos e explícitos para o seu
financiamento
 Melhoria da tesouraria de exploração
 Diminuição da RST
► Há que ter em conta a necessidade de maximizar a
rendibilidade e a segurança
► Negociação entre gestor financeiro, gestor comercial e
de produção

42
III Gestão das Existências (Cont.)
► Dever-se-á planear o aprovisionamento das
matérias e das produções
► Análise da duração de cada encomenda
► Controlo de qualidade das matérias e produtos
► Minimizar os preços de aquisição e de posse
dos stocks
► Maximizar a rotação de matérias e produtos

Prazo Médio de Rotação de Stocks


Stocks Médios
RPA  * 365
Vendas anuais (custo) 43
III Gestão das Existências (Cont.)
► Os critérios valorimétricos são susceptíveis de
afectar o FMN, sem afectar a tesouraria
► Os stocks a considerar para o FMN são os reais,
incluindo aqueles acima do normal, se estruturais
► Quando os stocks reais são inferiores aos
normais, dever-se-ão considerar estes últimos
► Os stocks anormais e temporários (especulativos,
etc...) deverão ser considerados como EAT

44
Provisões para Depreciação de
Existências
► Destinam-se a cobrir riscos futuros,
decorrentes de depreciações físicas ou
valorimétricas dos stocks
► A sua constituição, dentro dos limites legais,
poderá levar à diminuição do imposto a
pagar, aumentando assim o
autofinanciamento anual e a tesouraria
extra-exploração

45
IV Gestão do Exígível a Curto
Prazo
► Constituiuma das principais fontes de
financiamento a curto prazo
► A escolha de entre as várias fontes depende
de:
 Custo total
 Natureza das aplicações
 Risco financeiro

46
Custo Total
► Compreende:
 Custos directos Cd = Kn + Kx + Ki
► Kn – custo nominal (taxa de juro nominal)
► Kx – custos explícitos (comissões, despesas,
impostos,...)
► Ki – Custos implícitos (perda de descontos pp ou
financeiros ou de oportunidade)
 Custos indirectos Ci (natureza qualitativa)
► Elevação do risco financeiro da empresa
► Concessão de garantias reais que se traduzam na
diminuição de recurso ao crédito a longo prazo
► Custos de oportunidade
47
Natureza das Aplicações de
Fundos
► Activofixo Vs. Activo Circulante líquido
► Em termos ideais
Capitais Permanentes = FMNT + Imobilizado Total
Líquido
 O Passivo circulante irá financiar parte do Capital
Circulante de Exploração
►A empresa procura maximizar o rácio:
Passivo Circulante
Activo Total Líquido
 Contudo, ao elevar a rendibilidade, eleva também
o risco financeiro
48
Risco Financeiro
► Cada fonte de financiamento apresenta um
determinado risco financeiro
► Este risco poderá ser minimizado se existir
na empresa um adequado planeamento
financeiro a curto e médio prazo ou um
permanente controlo do orçamento de
tesouraria

49
Fontes de financiamento a CP
► Trabalhadores
► Adiantamentos de clientes
► Fornecedores
► Empréstimos bancários e papel comercial
► Garantias bancárias
► EOEP
► Credores diversos
► Provisões para riscos e encargos
► Acréscimo e diferimentos

50
Trabalhadores e
Adiantamentos
► Trabalhadores
de Clientes
 Como recebem no fim do mês, concedem um volume
considerável de crédito à empresa
 Ignora-se para o cálculo do FMN
► Adiantamentos de Clientes
 Normais
► Correntes no sector, sem descontos comerciais ou
financeiros exagerados
► São recursos financeiros a considerar no FMN

 Anormais
► Resultam de problemas de tesouraria
► São EPT 51
Fornecedores
► Corresponde ao volume de crédito normal
(titlulado ou não)
► Dever-se-á negociar com os fornecedores o
prazo normal de pagamento ou os descontos
financeiros a obter (antecipação de pagamento)
► Custo do crédito
 Explícito ( Taxa juro nominal, despesas,...)
 Implícito Ki  Df * 360
D
Df  valor do desconto financeiro
D - número de dias de crédito
Corrigido dos efeitos fiscais, vem
KiC  Ki * (1  t ) 52
Fornecedores (Cont.)
►A gestão dos Fornecedores envolve:
 Retardar ao máximo os pagamentos, sem prejudicar
a imagem da empresa e elevar os custos financeiros
explícitos
 Evitar a titulação das compras
 Minimizar os custos implícitos através do aumento
dos descontos financeiros obtidos e da obtenção de
recursos financeiros alternativos de custo mais baixo
 Controlo dos PMP
Fc  Ftp
PMP  * 365
Compras Anuais (C / IVA )
Fc - Fornecedores C/c
Ftp - Fornecedores - títulos a pagar 53
Fornecedores (Cont.)
►O volume de crédito normal obtido dos
Fornecedores correntes deve ser
considerado para cálculo do FMN
► O volume de crédito anormal obtido dos
Fornecedores correntes (titulado ou não)
origina custos explícitos, logo deverá ser
considerado como EPT

54
Empréstimos Bancários
► Empréstimos directos
 Apenas duas entidades (empresa e banco)
 Empréstimos em conta corrente, desconto de
livranças e warrants, aceites bancários
 São recursos financeiros extra-exploração
► Empréstimos indirectos
 Envolvem três entidades (vendedor, comprador e
banco)
 São recursos financeiros de exploração
 Descontos ao cedente, ao fornecedor, de facturas,
garantias prestadas,...

55
Empréstimos Bancários (Cont.)
► Emp. em conta corrente
 Recursos extra-exploraçãointegrar no FMNE se
renováveis
► Crédito por desconto de livranças
 Se renováveis FMNE
 Se não renováveis  EPT
► Crédito por desconto ao cedente ou ao fornecedor
 Se renováveis FMN
► Crédito por aceite
 Como não são renováveis  não entra no FMNE
56
Empréstimos Bancários (Cont.)
► Crédito por desconto de facturas
 Se renováveis FMN
 Se não renováveis  EPT
► Desconto de Warrants
 Como não são renováveis  EPT
► Créditos documentários
 Como não são renováveis  EPT
► Garantias Prestadas
 As garantias (custos c/ ) são EPT
57
Estado e Outros Entes Públicos
► Recursos financeiros facultados pela Administração
Central, local e SS
► IRC
 Recursos extra-exploração  EPT
 Se a empresa conceder crédito ao Estado  EAT
► IRS
 Recurso de exploração  FMN
► IVA
 Se relacionado com exploração (MP,MS,FSE) FMN
 Se relacionado com EE (imobilizado)  FMNE
► SS
 Recurso de exploração  FMN
58
Credores Diversos e outros
empréstimos
► Referem-se a recursos obtidos de outros credores,
sócios, etc.
► São recursos Extra-exploração
► Se têm permanência acentuada e renovabilidade
assegurada (empréstimos de empresas associadas
ou de fornecedores de imobilizado)  FMNE
► Se têm permanência reduzida  EPT

59
Provisões para Riscos e
Encargos
► Provisões respeitantes a potenciais riscos ou
encargos futuros, de exploração ou extra-
exploração
► Se respeitam à exploração FMN
► Se não respeitam à exploração  FMNE
► Se não forem renováveis  EPT

60
Acréscimos e Diferimentos
► Proveitos Diferidos
► Acréscimos de Custos
► Se respeitam à exploração FMN
► Se não respeitam à exploração  FMNE
► Se não forem renováveis  EPT

61
Balanço Esquemático
Contos
1. - Capitais Próprios x
2. - Dívidas a médio e longo prazos x
3. - Capitais Permanentes (1+2) x
4. - Imobilizado Total Líquido x
5. - Fundo de Maneio (FM) (3 - 4) x
6. - Necessidades Financeiras de Exploração x
7. - Recursos Financeiros de Exploração x
8. - Fundo de Maneio Necessário de Exploração (FMN) (6 - 7) x
9. - Necessidades Financeiras de Extra-Exploração x
10. - Recursos Financeiros de Extra-Exploração x
11. - Fundo de Maneio Necessário Extra-Exploração (FMNE) (9-10) x
12. - Fundo de Maneio Necessário Total (FMNT) (8 + 11) x
13. - Tesouraria Global (TG) (5 - 12) x
14. - Representação da Tesouraria Global: x
14.1- Elementos Activos de Tesouraria (EAT) x
14.1- Elementos Passivos de Tesouraria (EPT) x
14.3- Tesouraria Global (14.114.2) x

62
Mapa de Fluxos Financeiros
1. - Vendas Líquidas
Contos
x
2. - Variação do crédito concedido () x
3. - Recebimentos de Exploração (12) x
4. - Custo das Existências Vendidas e Consumidas x
5. - Custos de distribuição x
6. - Custos administrativos x
7. - Custos financeiros de funcionamento x
8. - Outros custos de exploração x
9. - Custos de exploração totais (4+5+6+7+8) x
10. - Amortizações (exploração) (x)
11. - Provisões Líquidas (exploração) (x)
12. - Variação das existências totais () x
13. - Variação dos adiantamentos a Fornecedores () x
14. - Despesas de Exploração (9-10-11)(12+13) x
15. - Variação no crédito obtido () x
16. - Variação das despesas de exploração a pagar () x
17. - Pagamentos de exploração (14)(15+16) x
18. - TESOURARIA DE EXPLORAÇÃO x
19. - Recebimentos extra-exploração x
20. - Custos Financeiros de Financiamento (CFF) x
21. - Investimentos (capital fixo e outros) x
22. - Imposto Sobre o Rendimento do Exercício (ISRE) x
23. - Reembolso de empréstimos x
24. - Lucros distribuídos x
25. - Outros reembolsos x
26. - Pagamentos extra-exploração (20+21+22+23+24+25) x
27. - TESOURARIA EXTRA-EXPLORAÇÃO (19-26) x
28. - TESOURARIA GLOBAL (18+27) x
29. - DISPONÍVEL INICIAL x
63
30. - SALDO ACUMULADO DE TESOURARIA (28+29) x

Você também pode gostar