P. 1
ESTABILIDADE

ESTABILIDADE

|Views: 2.453|Likes:
Publicado porfernandozx10

More info:

Published by: fernandozx10 on Feb 08, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

05/03/2013

pdf

text

original

ESTABILIDADE Historia A estabilidade no emprego no Brasil surgiu com a Lei Elói Chaves, de 24 de janeiro de 1923, que instituiu a Caixa

de Aposentadoria e Pensões dos ferroviários, sob a justificativa de que a imperatividade do desenvolvimento do contrato individual de trabalho era necessária para prover os cofres desse instituto com os recursos decorrentes das contribuições previdenciárias do empregado e empregador.Antes disso somente os servidores públicos tinha direito a estabilidade com a lei nº 2.924, de 1915, que proibia a despedida, desde que tivesse10 anos de serviços. A estabilidade foi estendida a outras categorias, como ao pessoal das empresas de navegação marítima e fluvial,a os portuários, aos empregados em empre de transportes sas urbanos, luz, força, telefone,telégrafos, portos, águas e esgoto, estendeu a estabilidade aos empregados da industria e comercio, que ainda não tinham benefícios concedidos pela Previdência Social. A CLT, de 1934, disciplinou a estabilidade nos art.492ª 500.todo empregado que completasse 10 anos na empresa não poderia ser dispensado, salvo motivo de falta grave, devidamente verificada em inquérito judicial para sua apuração, ou força maior efetivamente comprovada. Denominação Estabilidade, tem o significado de solidez, firmeza, segurança. Existe, portanto dois tipos de estabilidade: a) estabilidade definitiva (absoluta): empregado decenal e empregado público. b) estabilidade temporária (provisória): dirigente sindical, representante dos trabalhadores no CNPS, dirigente de associação profissional; c) garantia de emprego (relativa): cipeiro e gestante; d) garantias especiais (híbridas): acidentado, menor aprendiz matriculado no SENAI ou no SENAC (DL 8.622/46), Lei 9.029/95 (art. 4) e NR-7, precedentes nomativos 80 (empregado alistando), 85 (empregado aposentando), 77 (empregado transferido) e as garantias de emprego provenientes de Sentenças normativas, acordos coletivos e convenções coletivas. Conceito A estabilidade a analisar é jurídica, prevista na legislação, é a estabilidade que impede a dispensa do empregado. Pode ser a estabilidade decorrente de norma coletiva, do regulamento de empresa ou do próprio contrato de trabalho, se as partes assim dispuseram como ocorre com a estabilidade do menor em época de serviço militar, do empregado às vésperas de sua aposentadoria etc. Estabilidade é o direito do emprego de continuar no emprego, mesmo contra a vontade do empregador, desde que inexistia uma causa objetiva a determinar sua despedida. Tem sim, o emprego o direito ao emprego, de não ser despedido, salvo determinação de lei em sentido contrario. Para o empregador, é a proibição de dispensar o trabalhador, exceto se houve alguma causa prevista em lei que permita a dispensa. O empregador incorre numa obrigação de não fazer, de manter o emprego de obreiro. A verdadeira estabilidade é a jurídica, prevista na legislação. É a estabilidade que impede a dispensa do empregado. Implica a aplicação do principio da continuidade do contrato de trabalho.

pois não teme ser dispensado. O salário é a forma que o empregado tem para subsistir e também sua família. mantendo os direitos do trabalhador. Garante a estabilidade o emprego. mas o direito de não dispensar o obreiro sem justa. Impede a estabilidade a dispensar do empregado. salvo nas hipóteses previstas na lei. com a estabilidade. Não há. pois a lei permite a dispensa em certos casos A estabilidade imprópria ou relativa permite a dispensa do empregado. b) legal prevista na legislação ordinária. pois normalmente ele era dispensado antes de atingir 10 anos de empresa. O empregador muitas vezes queria dispensar o empregado para contratar outro com salário inferior. A estabilidade não é exatamente uma limitação econômica ao poder de despedir do empregador. sendo decorrente do direito ao trabalho. c)contratual: prevista no contrato de trabalho. Classificação A estabilidade pode ser classificada como: a) constitucional. da grávida. A dispensa obstativa é que trazia desembolso desnecessário à empresa. encarecendo a produção. Este garante o salário do empregado. Estabilidade voluntária é a que tem origem no contrato de trabalho. em convenções ou acordos coletivos. que é consubstanciado pela estabilidade. passa a ter segurança econômica. justamente para não adquiri-la. não poderá dispensar o obreiro. isto é. justamente por ser temporária. portanto. Seria a estabilidade uma das formas de verificar a função social da empresa. em que são exemplos a do dirigente sindical. O direito ao emprego importa na continuidade do contrato de trabalho. Representa. pois. Vantagem e desvantagem Para a empresa. portanto. uma estabilidade absoluta. no regulamento de empresa ou em qualquer outro ato do empregador Estabilidade própria ou absoluta ocorre quando o empregador não pode dispensa o empregado. o empregador.com a estabilidade. A escolha do trabalhador err ado pode trazer-lhe prejuízos. deste que o funcionário fosse bom empregado. que é também dar empregos e mantê-los no decorrer do tempo. Critica Contatava-se que a estabilidade. . Fundamentos A estabilidade tem fundamento no principio da justiça social. a garantia econômica de o trabalhador poder continuar recebendo seus salários. a estabilidade Taz um papel muito importante a seu departamento de pessoal ou dos recursos humanos. porém a garantia de emprego não importa estabilidade. Impossibilita o exercício do direito potestativo de dispensa do empregador. de acordo com a previsão legal. no regulamento de empresa. As dispensas determinadas nesse sentido é que causavam insegurança ao trabalhador.Na estabilidade. o empregado tem mais segurança de pleitear juridicamente direitos sonegados pelo empregador. em vez de proteger o empregado. porém há necessidade do pagamento de indenização. do cipeiro. É um obstáculo à dispensa. prejudicava-o. para poder subsistir e poder honrar os compromissos assumidos.

452 de 1º. 165 da CLT (decreto-lei n. são considerados estáveis no serviço públicos. I. dos Estados. Cumpre observar. Esta disposição estende aos -se trabalhadores rurais atendidas as condições estabelecidas pelo art. devidamente comprovado.Reduz à estabilidade a retroatividade da mão de obra. Os 10 anos de serviços na empresa poderiam ser contados em razão do trabalho do empregado no grupo de empresas. nem ser transferido para local ou cargo que lhe dificulte ou torne impossível o desempenho de suas atribuições sindicais.1943): "os titulares da representação dos empregados nas CIPA(s) não poderão sofrer despedida arbitrária. Garantias de emprego Dirigente sindical Nos termos do art. faz-se necessário descrever dois dispositivos legais. econômico ou financeiro". 8. eleito.499 da CLT reza que não haverá estabilidade no exercício de cargos de diretoria. re ssalvando-se apenas o cômputo do tempo de serviço para todos os efeitos legais. autarquia e das fundações públicas. O empregado dirigente sindical não poderá ser impedido de prestar suas funções. perante a autoridade local do Ministério do Trabalho ou da Justiça do trabalho. do Distrito Federal e dos Municípios da administração direta.492 da CLT ao empregado que tivesse mais de 10 anos de serviço na mesma empresa. caso seja. Estabilidade por tempo de serviço A estabilidade por tempo de serviço era garantida pelo art. O pedido de demissão do empregado estável só será valido quando feito com assistência do sindicato da categoria e. fica . Reza o inciso II. 19 do ADCT Os servidores públicos civis da União. Exclusão do direito à estabilidade O art. 7º. que não poderia ser dispensado a não ser por motivo de falta grave ou força maior. VIII da CF/88 e do parágrafo 543 da CLT: é vedada a dispensa do empregado sindicalizado. salvo se cometer falta grave. implicando menores custos para recrutamento ou treinamento do emprego. do art. ficando passível de dispensa arbitrária. Acaba. entendendo-se como tal a que não se fundar em motivo disciplinar. da C onstituição. não estendendo a categoria -se profissional diversa. gerencia. 10 do ato das disposições constitucionais transitórias que "até que seja promulgada a lei complementar a que se refere o art. nos termos da Lei (art. senão vejamos: Dispõe o caput do art. O empregado que renunciar à sua função de dirigente sindical. ainda. técnico.889/73. ou outros de confiança imediata do empregador. há pelo menos cinco anos continuados e que não tenham prestado concurso publico. Membro da cipa Para analisarmos esta hipótese de estabilidade provisória.º 5. a partir do registro de sua candidatura a cargo de direção ou representação sindical até um ano após o final de seu mandato. se não houver. Art.05. 482 da CLT). consequentemente. nesse ponto. sua estabilidade. estará renunciando. que esta estabilidade abrange somente aos dirigentes sindicais da categoria a que pertencerem os empregados. 1 da Lei 5. em exercício na data da promulgação da Constituição .

º 339 do TST. da CF/88 dispõe como direito do trabalhador urbano e rural "relação de emprego protegida contra despedida arbitrária ou sem justa causa. da guarida a este eentendimento. Assim é porque. não é contemplado com a garantia de emprego durante o período acima indicado. surgirá impossibilidade de cumprir-se a lei no caso de um titular da CIPA ficar impedido de prosseguir no desempenho de seu mandato. do ADCT que possui garantia de emprego da confirmação da sua gravidez até cinco meses após o parto. sendo constantemente utilizado como tese de defesa ser carente de lei complementar. devidamente apurada por meio de processo sindical. sua reparação se resolve pelo pagame de salários nto e todas as demais vantagens correspondentes ao período do afastamento ilegal. antes de sua expiração. O Enunciado n. Gestante Dispõe o art. Predomina na jurisprudência atual o entendimento de que tal estabilidade entende se ao suplente da CIPA fundamentando-se sobretudo porque se os suplentes forem dispensados livremente pelo empregador. a garantia referida independe de ter. ou não. Assim. baseado no fato de não ter a CF/88 conferido expressamente alcance a outros membros. e não sua comprovação. Sinale-se que a base de início da estabilidade é a confirmação da gravidez. 165 da CLT) ou somente aos que exercem cargos de direção (art.vedada a dispensa arbitrária ou sem justa causa do empregado eleito para cargo de direção de comissões internas de prevenção de acidentes. II. a empresa. o emprego por 12 meses após a cessão do auxílio-doença acidentário.1994. é bom dizer-se. nos termos da lei específica. "b". posiciona-se favorável ao alcance limitado aos membros eleitos para cargos de direção da CIPA. pois sua curta duração não permitirá a reintegração no emprego. de 22. nos termos de lei complementar. vítima de acidente do trabalho. têm direitos à garantias de emprego. efetivos e suplentes. se houver despedida injusta ou arbitrária pelo empregador. Membros do CNPS . que preverá indenização compensatória. "a" do ADCT) na CIPA. Quem se acidenta e volta ao serviço.213/91 garante ao empregado. desde o registro de sua candidatura até um ano após o final de seu mandato". I. a estabilidade da gestante tem muito de relativa. Destaca-se que essa garantia só favorece ao suplente do representante dos empregados. Membro do conselho curador do FGTS Os representantes dos trabalhadores no Conselho Curador do FGTS. somente podendo ser dispensado por motivo de falta grave. 10. nos primeiros quinze dias de afastamento remunerado pela empresa. desde a nomeação até o termino do mandato de representação. 7º. ciência do alegado fato. Acidentado O art. Na prática. o pressuposto da questionada garantia é a percepção do auxílio-doença acidentário a qual só se efetua a partir do 16º dia após o acidente. 10. dada a reconhecida demora na tramitação dos processos de dissídios trabalhistas. O entendimento predominante a esse respeito. Outra questão acerca deste assunto que suscita dúvida de interpretação da lei é em relação ao alcance da estabilidade a todos os membros titulares (art.12. Lavra controvérsia sobre a extensão. dessa proteção aos suplentes dos membros empregados da CIPA. Esse assunto suscita dúvida pois o art. geralmente não obtendo êxito. 118 da Lei 8. reconhecido o direito da empregada gestante. e estando terminando o prazo de garantia. dentre outros direitos".

regulamente comprovada por intermédio de processo judicial. contados da suspensão. Reabilitados A dispensa de trabalhador reabilitado ou de deficiente habilitado ao final de contrato por prazo determinado de mais de 90 dias só poderá ocorrer após a contratação de substituto de condição semelhante. somente podendo ser dispensado por motivos de falta grave. entende-se que há perdão tácito nos termos do art. embora. nomear. na circuntacia do pleito. nos termos da lei. É importante ressaltar que se o empregador não suspender o empregado e requerer o inquérito judicial no prazo de até trinta dias. 453 da CLT. caso seja eleito. so pena de b nulidade. contratar ou de qualquer forma admitir. transferir ou exonerar servidor publico. Membros da comissão de conciliação previam E vedada à dispensa dos representantes dos empregados Membros da Comissão de Conciliação Previa. Extinção da estabilidade O direito de estabilidade no emprego visa a impedir. devendo ser reintegrado no emprego. mas terá de provar. o empregado só poderá transferi-lo sem a sua anuência. Mesmo quando ocorrer extinção do estabelecimento em que o estável trabalha e haverem outras filiais em funcionamento. decaindo tal direito Baseado no princípio fundamental do Direito do Trabalho da Irrenunciabilidade de Direitos o empregado não pode renunciar direito de estabilidade. não podendo dele ser despedido senão nas hipóteses expressamente previstas em lei. servidor ou n ao. remover. terão direitos à garantia de emprego desde a nomeação até um ano após o termino do mandato de representação. ate um ano após o final dês eu mandato. 494 e 652. Se o empregado estável praticar uma falta grave. no três meses que antecedem e ate a posse dos eleitos. no Conselho Nacional de Previdência Social. a prática dessa falta dela obter a prévia autorização para resolver o contrato de trabalho (arts. letra "b". a indenização proporcional ao tempo de serviço. inclusive como suplente. salvo se cometer falta grave devidamente apurada nos termos da consolidação. . ate um ano após o final do mandato. Daí dizer-se que o empregado estável tem direito ao emprego. perante a Justiça do Trabalho. que o empregador. Empregados eleitos diretores de sociedades cooperativas Fica vedada a dispensa do empregado sindicalizado ou associando. seu empregador poderá demiti lo. a partir do momento do registro da sua candidatura a cargo de direção ou representação de entidade sindical ou de associação profissional. titulares e suplentes. que estivessem em atividades. ressalvada a nomeação ou exoneração de cargos de comissão e designação ou dispensa de funções de confiança. titulares e suplentes. dispensar sem justa causa. quando lhe convier. Período eleitoral E proibido ao agente publico. salvo se cometerem falta grave. como já registramos.Os representantes dos trabalhadores. ao empregado. Doentes de Aids Os portadores de Aids não pode ser despedidos pelo empregador. pagando. denuncie o respectivo contrato de trabalho. que o empregador não der causa. se ocorrer motivo de força maior (acontecimento extraordinário e imprevisível. da CLT). na forma e nas condições que ela estabelecer.

na homologação final. perante autoridade local competente do Ministério do Trabalho (Delegacias Regionais). só é válida a rescisão contratual de empregado estável quando o mesmo pede demissão sendo assistido por seu respectivo sindicato. entretanto. nos termos do art. fazer constar que o trabalhador tem ciência de que está abrindo mão dos direitos decorrentes da estabilidade. Desta forma. Caso contrário o empregador deverá indenizá-lo em dobro (art. Esta anotação. . servindo apenas para evitar futura ação judicial com base em fraude. ou pela Justiça do Trabalho. não se faz obrigatório. ou se não houver. 498 da CLT. enchente). 497 da CLT). de forma a estar se demitindo conscientemente.: incêndio. na forma do art. É recomendável.ex. 500 da CLT.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->