Você está na página 1de 4

1

A IDEOLOGIA DOS DESENHOS ANIMADOS


Carla Cristina Nunes de Oliveira Carvalho (UCB)
http://www.filologia.org.br/viicnlf/anais/caderno12-02.html
Em toda sociedade, onde uma classe social é dona dos meios de produzir a vida, também essa mesma classe é
proprietária do modo de produzir as idéias, os sentimentos, as intuições, numa palavra, o sentido do mundo. (Dorfman; Mattelart,
1980, p. 127)
Na tentativa de compreender essa citação, a primeira pergunta que surge é: quais são estes meios capazes de produzir a
vida e apropriar-se do sentido do mundo?
Quando paramos para pesquisar quais são os meios que levam os indivíduos a se modificarem, influenciando na sua
maneira de pensar e agir, chegamos à resposta de que o único instrumento dotado de todo esse poderio é a linguagem que é
utilizada pelos meios de comunicação.
São palavras, gestos e imagens que levam os indivíduos a se modificarem, expressando os próprios sentimentos mais
profundos e os próprios pensamentos mais complexos. Entretanto, torna-se importante frisar que não se está apresentando nenhum
juízo de valor, pois a linguagem, além do conjunto de estímulos (sinais) visuais (como cores, sons, formas, movimentos,
materiais, etc.), compreende, ainda, o modo como eles se organizam. Assim, determinada organização dos elementos permite
certa leitura; caso se tomem elementos idênticos ou semelhantes e estes sejam reorganizados de modo diferente, serão abertas
outras possibilidades de leitura. Sendo assim, as conseqüências da linguagem podem ser negativas como positivas. Enfatizando
esse pensamento, BORDENAVE (1982, p. 76-77) explicita: “...a linguagem pode levar os homens à comunhão no amor e na
amizade, mas também pode ser utilizada para ocultar, enganar, separar, dominar e destruir.”
Todo esse sortilégio da linguagem tem muito haver com o uso da mesma, mas também dos meios que são utilizados para
transmiti-las. Pode-se constatar que, durante a história da humanidade, ocorreram diversas transformações no comportamento do
homem e, conseqüentemente, na forma de se expressar. Antigamente, essas mudanças eram motivadas, principalmente, pelas
obras literárias. Hoje em dia, essas transformações continuam a ocorrer. Agora, porém, aparece a televisão como um dos
principais instrumentos que vem influenciando o comportamento dos seres humanos, pois, além do fato dela ser acessível a todas
as classes da sociedade, o poder do discurso dos programas televisivos é ferrenho. No meio de tantas informações veiculadas pela
televisão, muitas delas visam, em primeiro lugar, à persuasão dos telespectadores. A linguagem tem uma função comunicativa,
isto é, por meio das palavras entramos em relação com os outros, dialogamos, argumentamos, persuadimos, relatamos, discutimos,
amamos e odiamos, ensinamos e aprendemos, etc.
Em geral, quem toma a palavra não quer apenas comunicar alguma coisa. Quer persuadir o outro. Quer convencê-lo de
que está certo ou de que suas razões são melhores (ou simplesmente boas) e interferir na ação do outro. Muitas vezes, pretende
vender uma idéia, uma imagem, um estilo de vida.
Para tanto, basta uma boa fórmula de “venda”, que quase sempre se resume na utilização de uma argumentação
convincente e de uma linguagem competente e adequada ao interlocutor. Assim, uma palavra é "cognominada chave" quando ela
excita o consumidor à compra, desperta sua curiosidade. Uma mesma notícia ou conhecimento pode ser transmitido de diferentes
maneiras, ou melhor, será aquela que vender mais. A palavra torna-se, além de transmissor de idéias, uma mercadoria.
Nos dias de hoje, somos bombardeados pelo discurso persuasivo na política, na propaganda, nos meios econômicos, nas
telenovelas, nos enlatados da TV. Essas produções vêm carregadas de ideologia: não desejam apenas mostrar produtos, expor
conceitos ou apresentar histórias, mas vender idéias e modos de viver. Nelas, não há apenas o desejo de convencer o leitor, o
consumidor ou cidadão de que uma idéia ou um produto é bom; a intenção é agir de tal forma que faça esse leitor consumir certo
produto ou assumir determinada idéia como verdadeiros e únicos. Em outras palavras, elas procuram atingir as pessoas em sua
vontade e ação.
O discurso persuasivo quer levar-nos a conclusões definitivas, prescreve-nos o que devemos desejar, compreender, temer,
querer e não querer. O discurso persuasivo tende a nos fazer chorar, a estimular nossas lágrimas, como pode acontecer com uma
fotonovela.
Para entender sobre ideologia torna-se necessário compreender sua aparição no campo social. A ideologia é algo inerente
a qualquer sociedade humana, já que os homens precisam, sempre, de uma explicação ou conjunto de crenças quaisquer que dê
sentido a si mesmos e a sua presença no mundo. Por isso são imaginadas explicações e justificativas para a realidade percebida e
vivida. É nessa elaboração intelectual incorporada pelo senso comum que surge a ideologia. Por meio dela, as idéias (pontos de
vista, opiniões) da classe dominante se tornam idéias de todas as classes sociais e de toda sociedade fazendo com que os
dominados não consigam perceber essa dominação.
A ideologia se constrói sobre o real, porém como uma miragem que apresenta uma imagem invertida da realidade. Nessa
distorção da realidade, as idéias oferecem como uma explicação das aparências das coisas como se estas fossem as essências das
próprias coisas, ou seja, o que é causa parece ser efeito, o que é efeito parece ser causa.
Um fator que favorece nessa influência é a capacidade de discernimento do receptor, no caso o telespectador. Chega-se,
então, ao público alvo mais susceptível a essas influências: a criança. Por conseguinte, chega-se aos tipos de programas que mais
podem influenciá-las: os desenhos animados.
2

A televisão modela a criança desde o início da vida. Ela cativa o espírito de forma total, já que nenhuma experiência
direta consegue contrariar os seus efeitos, limitados unicamente pela intervenção dos adultos.
Os desenhos animados exercem sobre as crianças uma ação de captura, sedução e condicionamento, de tal ordem que, ao
vê-los, se comparam às necessidades fundamentais, como alimentar-se e descontrair-se.
As crianças passam cada vez mais tempo em frente à televisão, não só devido ao fato desta oferecer-lhes programas que
muito apreciam, mas também por culpa dos pais que não incentivam os filhos para outras atividades. O resultado pode ser um
tanto ou quanto alarmante, como, por exemplo, pode atrasar o desenvolvimento físico-motor das crianças.
A criança experimenta desde muito cedo estados de fascínio, expectativa, excitação, inibição, entorpecimento e, às vezes,
medo, os quais se tornam modos quotidianos de reação. Estes estados fazem parte da sua relação com o mundo, uma vez que a
televisão constitui uma boa parte do seu universo existencial. É através do contato com a televisão que as crianças começam a
percepcionar o mundo que as rodeia. Tudo isto se reflete na formação da sua personalidade, uma personalidade despojada de
capacidade de escolha e de iniciativa, tornando-se por isso pouco ativa.
A programação destinada às crianças canaliza os gostos, especializa-os e dá-lhes ideais comuns. A massificação do
público infantil, através da programação da TV, torna-o mais homogêneo, consoante os grupos etários. A dependência é variável,
e os fatores mais importantes para essa variabilidade são o tempo passado em frente ao televisor e a possibilidade de escolha de
diferentes ocupações que devem ter por base a ação familiar. A má influência dos desenhos animados pode ser causadora de
violência, mas também se perceber até que ponto a vivência televisiva torna possível os fenômenos, como a imitação, primeira
individual depois coletiva, e descobrir, ainda, até que ponto o telespectador infantil pode sofrer influências pelo que vê,
regularmente, identificando-se (in)voluntariamente com os modelos que lhe são impostos.
O público infantil fica fascinado pelas imagens da televisão sem conseguir, de início, separar o real do que é apresentado
na televisão. A criança não consegue delimitar o que é real e o que é fantasia. É seduzida pelas imagens que fazem parte de seu
imaginário, impregnando sua forma de ver o mundo (a leitura que a criança faz das imagens é a busca de significações).
Ao fazer uma análise da relação criança e televisão, Analice Dutra Pillar afirma que “a criança tem que encontrar sentido para
distintas formas da realidade”; e acrescenta: “a criança tende a considerar tudo o que vê na televisão - filmes, desenhos animados,
fotografias, fantasias ou notícias - como reais. A realidade é o pano de fundo sobre o qual se destaca a fantasia”. (PILLAR, 2001,
p. 14)
Os desenhos animados, além da função de entretenimento e lazer, têm também a função mítica e fabuladora característica
das obras de ficção. Os desenhos, ao mesmo tempo, que podem servir à consciência, servem à alienação, tanto pode levar ao
conhecimento como a escamoteação da realidade; tanto é criativa como também paralisadora. Pesquisas desenvolvidas na década
de 80 (PACHECO, 1985; FUSARI, 1985) apontavam os desenhos animados como os líderes de preferência entre crianças de
diferentes faixas etárias. Entre um sortido repertório de temas, os desenhos veiculam imagens de ciência, violência e expressão de
poder. Com esses argumentos, pode-se notar que os desenhos, assim como as histórias em quadrinhos foram conquistando um
público mais velho que inclui adolescentes e adultos.
Seguindo a lógica da indústria cultural que produz os desenhos, periodicamente, novos personagens e enredos são
lançados. Como modismo, os de maior sucesso ganham versão para cinema e vídeo e passam a ilustrar uma série de outros
produtos: capas de cadernos, mochilas, chaveiros, camisetas e bonés. Os personagens principais tornam-se bonecos. Assim, vem
ocorrendo com vários desenhos, como: U.S. Manga, Smurfs, He-Man, She-Ra, Cavalheiros do Zodíaco, X-Men, Street Fighter,
Dragon Ball, Digimon, Pokémon, Power Rangers, Os Super-heróis e os personagens da Disney.
Trazendo embutidos padrões culturais e de consumo, os desenhos animados fazem parte de quadro pertinente em um
contexto cultural que se expressa como “globalizante” e no qual a televisão revela sua importância, à medida que a imagem
assegura espaço como elemento fundamental na cultura. Nesse contexto, a metáfora “aldeia global”, traçada por Marshall Mc
Luhan, ganha novos contornos, em que a imagem se torna predominante como forma de comunicação e de transmissão de
informação.
Em Para ler o Pato Donald: comunicação de massa e colonialismo, Ariel Dorfman e Armand Mattelart defenderam a
tese de que a leitura das histórias em quadrinhos não era tão inocente assim como se pensava. Fizeram impiedosa crítica aos
quadrinhos, da qual não escaparam desde os super-heróis até os aparentemente inofensivos personagens da Disney. O que os
autores mostram é que, através desse produto cultural, podem-se enviar mensagens ideológicas que estimulam a dependência
cultural e reforçam valores típicos da economia capitalista.
Esses autores denunciam a ideologia subjacente aos quadrinhos, à medida que confirmam os valores da classe dominante,
escamoteiam os conflitos, transmitem uma visão deformada do trabalho e levam à passividade política. E, segundo os autores, as
representações transmitidas pelas imagens estereotipadas isolam os leitores de outros que sofrem os mesmos tipos de exploração:
“estamos separados pela representação que fazemos dos demais e que é a nossa própria imagem refletida no espelho”
(DORFMAN; MATTELART, 1980, p. 63). De acordo com eles, "O imaginário infantil é a utopia política de uma classe".
Nas histórias em quadrinhos de Disney, jamais se poderá encontrar um trabalhador ou um proletário, jamais alguém
produz industrialmente algo. Mas isto não significa que esteja ausente a classe proletária, ao contrário, está presente sob às
máscaras, como selvagem-bonzinho e como lumpen-criminoso. Ambos os personagens destroem o proletariado como classe, mas
3

resgatam desta classe certos mitos que a burguesia tem construído desde o princípio de sua aparição e até seu acesso ao poder,
para ocultar e domesticar seu inimigo, para evitar sua solidariedade e fazê-lo funcionar fluidamente dentro do sistema,
participando de sua própria escravidão ideológica. (Dorfman; Mattelart 1980, p. 69). Geralmente, a classe proletária não é
representada por nenhuma personagem, da mesma forma que a vida no campo é enfatizada sobretudo no seu aspecto de lazer e
não no da produção.
Mais adiante, os autores sintetizam suas idéias colocando que nas histórias infantis está implícito todo o conceito da
cultura de massa contemporânea. O entretenimento, neste sentido, promoveria a liberação de angústias e de contradições sociais.
A diversão, tal como a entende a cultura de massa, trata de conciliar o trabalho com o ócio, o cotidiano com o imaginário, o social
com o extra-social, o corpo com a alma, a produção com o consumo, a cidade com o campo, esquecendo as contradições que
subsistem dentro dos primeiros termos. Cada um destes antagonismos, pontos nevrálgicos da sociedade burguesa, fica absorvido
no mundo do entretenimento sempre que passe antes pela purificação da fantasia. (id. 1980, p. 97).
A sociedade é representada como una, estática e harmônica, sem antagonismo de classes, e a "ordem natural" do mundo é
quebrada apenas pelos vilões, que, encarnando o mal, atentam geralmente contra o patrimônio (bancos, jóias e caixas-fortes). A
defesa da legalidade dada e não questionada é feita pelos "bons", com a morte dos "maus" ou com a integração desses à norma
estabelecida. Resultando daí um maniqueísmo simplista, que reduz todo conflito à luta entre o bem e o mal, sem considerar
quaisquer nuanças de uma sociedade em que as pessoas e os grupos possam ter opiniões e interesses divergentes.
Além disso, ao lidar com categorias abstratas entre o bem e o mal, o conflito é reduzido ao nível individual, psicológico,
como se tudo fosse resultante de problemas morais, e não políticos e sociais. A ênfase no aspecto moral da ação neutraliza o
conflito social, ocultando que o homem vive numa sociedade de classes quando é "restabelecida a ordem", ninguém questiona esta
"ordem", que, na verdade, nada tem de natural, já que construída pelo homem, nem este "bem", que representa os interesses de
determinada classe.
Em geral, as crianças começam a ver desenhos animados aos dois anos. A partir dos 6 anos, aproximadamente, 90% das
crianças já são clientes habituais da Televisão. Segundo o Relatório do Núcleo de Estudos Psicológicos (UNICAMP, 1993) “As
crianças de 6 a 10 anos encontram-se na fase que, em Psicanálise, é chamada de latência (período de reorganização e preparo para
a puberdade). A estimulação e a exposição precoce ao erotismo leva a criança ‘queimar uma etapa’, ou seja, a passar pela latência
sem elaboração e organização. Na prática clínica, especialmente tem-se visto conseqüências negativas dessa inadequação dos
programas oferecidos às crianças.”
Os programas infantis, que freqüentemente mostram dançarinas seminuas, apresentadoras sensuais, entrevistas maliciosas
e piadas picantes, geralmente relacionadas a sexo, induzem as crianças à imitação e terem um comportamento semelhante.
A Academia Norte Americana de Pediatria divulgou que a TV pode afetar a saúde física e social dos jovens. De acordo com o
estudo a TV não é indicada para os bebês, pois é uma atividade na qual há pouca interatividade com os pais e com outras pessoas.
A Educadora Peggy Charren, da Ação pela TV das Crianças, entidade que luta por uma melhora na qualidade da programação da
televisão dos EUA, recomenda aos pais que não deixem seus filhos ver TV antes dos 2 anos.
Enunciando um princípio da Medicina de enorme alcance para a formação da infância, o Dr. Bernardino Mendonça
Carleial (Psicólogo e Clínico) explica: “As primeiras experiências sensoriais na infância são tão importantes e marcantes, que tais
impressões são as últimas a sobreviverem, quando o cérebro se desorganiza diante da senilidade, apoplexia, traumatismos físicos e
mentais e outros acontecimentos psicofísicos. São também as primeiras a voltarem à recordação, após o período de amnésia.
Comprova-se assim quão fortes e persistentes são as imagens e impressões vivenciadas e presenciadas na infância.”
As crianças mais novas vêem os desenhos animados porque eles são "codificados" de uma forma nítida, isto é, cada ação
é sublinhada por efeitos sonoros particulares, que visam ajudar a sua compreensão e captar a sua atenção. E, como as crianças têm
dificuldades para fixarem sua atenção, os códigos sonoros vêm ajudá-las a estar atentas.
Na maior parte do tempo, se a atenção das crianças tem dificuldade em fixar-se é porque o conteúdo dos programas não
lhes é totalmente compreensível. As crianças captam apenas uma parte do que vêem. Não conseguem compreender as seqüências
longas; as motivações e intenções dos diferentes personagens escapam-lhes em parte. Mas, sobretudo, não são capazes de fazer
deduções nem de compreender o que está implícito.
Em geral, a lógica dos meios de comunicação é reforçada pelo suposto caráter eminentemente passivo da criança, que,
por ser criança, não teria ainda o instrumental que lhe permitiria ser crítica, o que tornaria, necessariamente, favorável às
mensagens televisivas, uma vez que "somente a partir de uma postura crítica é possível absorvê-la [a TV] com isenção e perceber
suas sutilezas, seus efeitos, suas possibilidades" (CASTRO. 1975 apud CRIPPA. 1984, p. 68). Considerar a criança como criança,
aqui, não é tomá-la em sua especificidade, mas como uma miniatura do mundo adulto.
Existem autores para quem o simples fato de assistir televisão favorece na criança, uma "atividade mental passiva"
(CRIPPA, 1984, p. 65). Deitada, imóvel, a criança consome tudo que aparece e absorve como uma esponja os conteúdos emitidos
pela TV: “Na realidade, podemos observar que as crianças vêem TV e nem discutem a informação. Recebem passivamente as
mensagens sem analisar profundamente o que estão assistindo. Nem dizem se gostam ou não do que estão vendo. Ninguém
comenta o que assiste. Simplesmente vêem e observam, consomem sem fazer uma análise. Muitas vezes, as crianças se 'desligam'
4

do mundo real e entram para o mundo da TV... Estão absortas no que a TV está 'ordenando'... Esquecem o paladar como se a TV
fosse um anestésico”. (id. 1984, p. 66)
Quando assistem a cenas de violência, por exemplo, é provável que incluam à sua maneira que "é o mais forte que tem
razão". Em contrapartida, têm dificuldades em compreender as mensagens mais sutis e em perceber que certas ações são mais
justificadas do que outras. Inversamente, compreendem sem dificuldade que se obtém o que se pretende quando se detém o
"poder". Esta mensagem é, ainda, mais marcada nos Desenhos Animados "de ação e de aventura". Demonstrou-se, amplamente,
que a quantidade de violência presente nesses desenhos era, consideravelmente, mais elevada do que nos programas destinados a
adultos em horários de grande audiência. Um estudo recente feito pela ONU, que fez o mapeamento estatístico da violência
apresentada nos desenhos animados veiculados pelos canais abertos da televisão brasileira, revelou uma média de 20 crimes por
hora nos desenhos animados. Os desenhos animados "de ação e de aventura" relatam, de fato, "questões de poder". Esses
programas influenciarão o comportamento das crianças? Centenas de pesquisas, realizadas a partir dos anos 60 - estudos
experimentais em pequenos grupos de crianças, bem como vastas investigações efetuadas em meios diversos, utilizando técnicas
muito variadas - convergem na conclusão de que as crianças que vêem muita televisão são mais agressivas do que as que vêem
pouca televisão. As horas de exposição à telinha tornam as crianças vulneráveis ao consumo, aos conteúdos violentos, a uma
formação emocional e sexual precoce Os espetáculos violentos não afetam apenas o seu comportamento, mas também as suas
crenças e valores. Por exemplo, em geral, as crianças que vêem muita televisão temem mais a violência do mundo real. Em
contrapartida, outras ficam insensíveis a essa violência; diante uma situação real de violência reagem a ela com menor intensidade
do que o esperado.
Mais grave que os conteúdos violentos apresentados nos desenhos animados e a sua influência na formação emocional e
sexual precoce das crianças, são os conteúdos que abrangem pontos de vistas sociológicos, políticos, culturais, poder/autoridade,
enfim; muitas vezes, esse tipo de conteúdo visa o aculturamento, ou pior, pretende dominar a massa a fim de perpetuar o sistema
político e econômico hegemônico. E como ressalta Elza Dias Pacheco, no livro O Pica-Pau: herói ou vilão? Representação social
da criança e reprodução da ideologia dominante, desenvolve um trabalho preocupado com a reprodução da ideologia dominante
através dos mitos veiculados pelos desenhos. Como escreveu Pacheco, "a comunicação de massa será um bem ou mal conforme
quem a use, como a use e para que a use" (1985, p.17).
A influência social dos meios de comunicação aumentou à medida que há uma penetração e difusão. A televisão juntou o
alcance geográfico do rádio às potencialidades visuais do cinema e se converteu numa “magia a domicílio”.
Através da manipulação da linguagem, a televisão possui a maior margem de reconstrução da realidade, levando o
público a perceber os fatos da maneira que eles desejam; padronizando, assim, os comportamentos.
Segundo André Lwoff (Prêmio Nobel de Medicina e Fisiologia, 1965) a televisão é “o principal fator de retardamento intelectual e
afetivo do mundo contemporâneo”.
Obviamente, a TV é de extrema importância, seja no entretenimento ou na gama de informações que ela transmite;
entretanto, já está comprovado pela ciência que alguns tipos de programas trazem grandes prejuízos na formação da
personalidade, em especial, quando se trata da personalidade infantil.
Para Eugênio Bucci (Professor de Ética Jornalística na Faculdade Casper Líbero) "não é mais na escola que a criança
aprende a separar o feio do bonito, o certo do errado, a virtude do vício. É na mídia que ela aprende isso".
Ocorre uma espécie de cópia dos padrões consagrados pela televisão. É um desenho feito com lápis de cor que reproduz
as figuras de desenhos animados, é a roupa da menina que tenta imitar a cantora adolescente, são os garotos que falam as gírias
dos auditórios e das incontáveis "casas dos artistas" e outros shows de "realidades". Daí que as crianças copiam a TV. E elas
copiam porque aquilo que é mostrado na tela aparece como algo socialmente consagrado, como um caminho para o
reconhecimento e para o sucesso. A situação da cultura tal como ela é posta pela mídia não premia a originalidade, mas a cópia do
medíocre. Por isso, todos os grupos de pagode são parecidos e todos os programas de auditório, também.
Pesquisas indicaram que a televisão em geral, e as telenovelas em particular, exercem uma série de influências sobre os
telespectadores, algumas "positivas" e outras "negativas". Destas investigações depreende-se a idéia de que os meios
desempenham certas funções importantes na vida das pessoas. Comprova-se, ainda, através da análise dos programas veiculados,
que por falta de conteúdo e pela pragmática estratégica de que conquistará audiência com cenas de violência e sexo pesado, se
transformou num “clip”, assanhado e desregrado, em que as imagens deixaram de se relacionar diretamente com o que está sendo
dito, espelho de sua indigência conceitual. Segundo uma pesquisa do Jornal da Tarde, grande parte das cenas de violência, sexo,
drogas e comportamentos anti-sociais é levada ao ar em horários em que o público é predominantemente infantil.
Visando burlar as leis, geralmente, a mídia utiliza-se de mensagens subliminares para vender produtos, crimes e também
ideologias. Seja às claras ou através de mensagens subliminares, as crianças são as que mais sofrem com essas influências.
Importa, então, conversar com a criança sobre o que ela assiste na televisão, procurando entender que leitura ela faz dos
programas e ajudando-a a construir uma postura crítica, saindo do puro encantamento ou de uma oposição a esta mídia. Baseado
nisso, deseja-se colocar o poder da comunicação a serviço da construção de uma sociedade onde a participação e o diálogo
transformantes sejam possíveis.