Você está na página 1de 2

Psicologia/Hipnopsicoterapia Clínica

Dr. Octávio Escolástico/Tel. 967 986 671


Consultas em:
FARO - LOULÉ - LISBOA
Clínica do Carmo
Largo do Carmo, nº 77 - 2º A-B-C, 8000-148 FARO ………………….... Tel. 289 889 560
Avª José da Costa Mealha, nº 94 - 1º Andar, 8100-501 LOULÉ …...…… Tel. 289 463 508
Avª Almirante Reis, nº 75 - r/c E, 1150-012 LISBOA ……………...…… Tel. 213 191 640

Web Site: www.omneclinic.net

Autor:
Octávio Escolástico
saude@omneclinic.net

O que é a síndrome da fadiga crónica?


A Fibromialgia é comummente descrita como uma síndroma dolorosa não-
inflamatória, caracterizada por dor muscular difusa associada à pressão de pontos
superficiais específicos e fadiga crónica. Outras manifestações associadas, são as
perturbações do sono e os distúrbios emocionais, podendo, ainda, ocorrer algumas
perturbações gastrointestinais.

Quanto às causas, referem algumas doutas opiniões que a fibromialgia não está
perfeitamente esclarecida, o que torna difícil o seu enquadramento. Apesar da hesitação,
vão-se admitindo algumas teorias de que a doença possa ser causada por lesões
músculo-esqueletais que se vão acumulando com o decorrer do tempo ou, então, que a
doença se deve à diminuição da serotonina e/ou aumento dos neurotransmissores. A
verdade é que a fibromialgia está classificada como Doença Reumática, apesar de não
existirem exames laboratoriais que possam validar este enquadramento clínico. O
paradoxo assume contornos mais preocupantes quando vemos estes doentes a serem
prescritos com ansiolíticos e antidepressivos, ou seja, se a doença é reumática por que
razão se opta pela prescrição psiquiátrica?

Claro que a medicação psiquiátrica faz algum sentido, atendendo que a fibromialgia não
é uma doença reumática e os sintomas tendem a minimizar com as drogas psiquiátricas.
Contudo, levanta-se outra questão: não sendo uma doença reumática e não havendo
forma de se proceder ao seu diagnóstico, de onde vem a fadiga crónica, as dores
musculares e todas as manifestações que lhe estão associadas?

É com base nestes factos e outros que eu afirmo insistentemente que existe uma grande
ignorância em torno da mente humana. Senão, vejamos: as doutas opiniões admitem
que a fibromialgia não tem cura, apesar de não saberem explicar a sua origem (tudo isto
é confirmado na Web Site da Associação Portuguesa de Doentes com Fibromialgia). No
entanto, estes doentes são literalmente curados nas minhas consultas. Será milagre?

Bem, quando desbravamos a mente humana com mestria descobrimos que os milagres
não existem e tudo quanto se manifesta tem uma explicação lógica, o mesmo ocorre
com a fibromialgia e os restantes distúrbios de natureza emocional. Concentremo-nos,
então, no que tem sido dito a respeito da doença: “A fibromialgia é uma doença dos
tempos modernos e pode acontecer a qualquer pessoa”. Concordo em absoluto com esta
afirmação, e a razão da minha concordância resulta das observações clínicas, que passo
a explicar:

Quase todas as pessoas que padecem de fibromialgia tiveram experiências traumáticas


em criança, ocorridas na praia, na piscina, rios, etc., ou seja, experimentaram momentos
de aflição à beira do afogamento. Resulta claro, que essa foi uma experiência dramática,
de profundo medo, em que a criança lutou com todas as suas forças para não sufocar e
perecer. O medo é brutal e despersonaliza, há como que uma sensação de desrealização,
e toda a força muscular exercida provoca intensa fadiga. Esse acontecimento fica
inevitavelmente registado nas profundezas do subconsciente para toda a vida e com o
evoluir da idade surge a somatização, ou seja, tudo aquilo que está aninhado na mente
se vai manifestar ao nível físico. Os sintomas fazem-se sentir ao longo do tempo, mas é
na idade adulta que as manifestações atingem maior relevância, e não é por mero acaso
que estas pessoas acordam sobressaltadas durante a noite com a boca seca, com tosse ou
engasgadas, como se tivessem bebido água salgada. Também não será de estranhar a
sensação de frio, pois está associado ao momento de intenso medo em que estiveram
mergulhadas na água à beira do afogamento. É comummente descrito por estas pessoas
que acordam exaustas e com dores musculares, isto é, tendem a levantar-se da cama
muito mais cansadas do que estavam antes de adormecer. Isto sucede na fase do sono
profundo, em que tudo aquilo que foi vivido de forma traumática em criança se
manifesta nesse período do sono (estado sonambúlico).

É exactamente ao estado de sono profundo que os pacientes têm que ser conduzidos,
porque as vivências traumáticas encontram-se alojadas nos recessos do subconsciente e
a catarse só ocorre se esse estado inconsciente for sabiamente operado. Se tal acontecer,
a cura é radical. Contudo, sempre existem as outras alternativas que afirmam não haver
cura e prescrevem químicos até o doente mergulhar na incapacidade física e mental.

Volto a sublinhar: nunca devemos esquecer que os medos paralisantes, experimentados


em criança, deixam sequelas profundas ao nível da memória subconsciente para toda a
vida.

Você também pode gostar