P. 1
CUSTOS PARA DECISAO

CUSTOS PARA DECISAO

|Views: 881|Likes:
Publicado porEduardo Melchior

More info:

Published by: Eduardo Melchior on Feb 21, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

07/19/2013

pdf

text

original

CUSTOS PARA

TOMADA DE DECISÃO
MATERIAL DE ESTUDO PARA A DISCIPLINA CONTABILIDADE GERENCIAL

Professor: ALAELSON CRUZ DOS SANTOS

CONTABILIDADE GERENCIAL
CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO
www.nead.unit.br/professor/alaelson

2

ALUNO (A):______________________________________________

SUMÁRIO
MÓDULO 1 – DEFINIÇÃO DOS OBJETIVOS
CENÁRIO 1 – VISÃO DE CUSTOS SOB ENFOQUE GLOBAL CENÁRIO 2 – A DEFINIÇÃO DOS OBJETIVOS A PARTIR DA APRECIAÇÃO DE UM CASO ATIVIDADE 1: Algumas reflexões sobre o caso apresentado:

03
03 04

MÓDULO 2 – INTRODUÇÃO DE CONCEITOS PRELIMINARES MÓDULO 3 – CONTROLE GERENCIAL
CENÁRIO 1: O CONTROLE GERENCIAL
1.1. OBJETIVOS DA APLICAÇÃO DE CONTROLES GERENCIAIS 1.2 - MISSÃO DO CONTROLE GERENCIAL 1.3 - A NECESSIDADE DE APLICAÇÃO DE CONTROLES GERENCIAIS, FRENTE AO MOMENTO ECONÔMICO ATUAL

07 09
14
14 14 14

1.4 - RISCOS PROVOCADOS PELA AUSÊNCIA DE CONTROLES GERENCIAIS CENÁRIO 2: CONTROLE GERENCIAL ENVOLVENDO CUSTOS 2.1 - OBJETIVOS DA APLICAÇÃO DOS CONTROLES DE CUSTOS 2.2 - O PAPEL BÁSICO DOS CONTROLES DE CUSTOS 2.3 - COMO AS EMPRESAS TRATAVAM SEUS CUSTOS NUM PASSADO RECENTE 2.4 - OS SISTEMAS DE CUSTOS NO CONTEXTO DAS EMPRESAS 2.5 - A TENDÊNCIA DE EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE CUSTOS 2.6 - RAZÕES PARA SE IMPLEMENTAR UM SISTEMA DE CUSTOS

15 15 16 16 16 16 16 17

MÓDULO 4 – TERMINOLOGIA DE CUSTOS MÓDULO 5 - SISTEMAS DE CUSTEAMENTO
A ESTAGNAÇÃO DOS SISTEMAS DE CUSTO CUSTEIO POR ABSORÇÃO CUSTEIO VARIÁVEL CUSTEIO POR ATIVIDADE (ABC - ACTIVTY BASED COSTING)

18 27
28 30 30 30

MÓDULO 6 - ANÁLISE DA RELAÇÃO CUSTO / LUCRO / VOLUME
PONTO DE EQUILÍBRIO CÁLCULO DO PONTO DE EQUILÍBRIO A ANÁLISE DO PONTO DE EQUILÍBRIO ALTERAÇÃO DAS RELAÇÕES DE CUSTOS E DO PONTO DE EQUILÍBRIO LIMITAÇÕES NA ANÁLISE DO PONTO DE EQUILÍBRIO ALAVANCAGEM OPERACIONAL A RELAÇÃO ENTRE OS CUSTOS FIXOS E VARIÁVEIS E A ALAVANCAGEM OPERACIONAL Alavancagem financeira: parâmetro para leitura do desempenho financeiro ANÁLISE DAS ALTERNATIVAS DE INVESTIMENTO ESTRUTURA DE CAPITAL ALAVANCAGEM FINANCEIRA

31
31 33 33 34 35 35 36 37 38 39 39

MÓDULO 7 - CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES
ALGUMAS CONSIDERAÇÕES QUE IDENTIFICAM O MÉTODO COMO EXPRESSIVO INSTRUMENTO GERENCIAL Periodicidade no uso do ABC
A felicidade é Jesus (79) 9972-8886

41
41 44
2006

CONTABILIDADE GERENCIAL
CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO
www.nead.unit.br/professor/alaelson

3

Etapas sugeridas para o desenho do ABC: Estratégia de implementação do ABC DEPOIMENTOS SOBRE O SISTEMA DE CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES

45 45 46

CUSTOS PARA DECISÃO – EXERCÍCIOS RESOLVIDOS EXERCÍCIOS SOBRE PONTO DE EQUILÍBRIO E ALAVANCAGEM

47 64

A felicidade é Jesus

(79) 9972-8886

2006

consequentemente. da qual não é exigida muita precisão já que estão incluídos em um conjunto de relatório que busca apresentar a situação econômico financeira da empresa. Este trabalho tem o compromisso de oferecer aos leitores alguns elementos que permitam ao final do estudo: Reconhecer a importância de CUSTOS como um valioso instrumento ao administrador. não seguem.unit.a contabilidade gerencial pretende satisfazer os sistemas de controle gerencial .geralmente.e dar suporte à gestão dos negócios direcionar a atenção. etc. decisões sobre preços de venda.br/professor/alaelson 4 GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS E PREÇOS MÓDULO 1 – DEFINIÇÃO DOS OBJETIVOS CENÁRIO 1 – VISÃO DE CUSTOS SOB ENFOQUE GLOBAL A contabilidade é hoje classificada em “financeira” e “gerencial”. A felicidade é Jesus (79) 9972-8886 2006 . fazer ou comprar. Os sistemas de custos atendem aos dois tipos de contabilidade.. o custo das vendas de produtos. Nesta abordagem.utilizados para medição dos resultados das áreas de negócios . incluem conceitos econômicos e. dirigidos a corretamente determinar resultados. O sistema de custeio por absorção é utilizado na contabilidade financeira para avaliar os estoques e. credores e acionistas/investidores . retorno sobre novos negócios. Enquanto que a contabilidade financeira tem como objetivo relatar informações da organização para o mundo externo . Os sistemas de custeio são mais variados.nead. os sistemas de custos atendem basicamente ao controle gerencial e às necessidades de tomada de decisão que envolvem informações de custo. Os serviços prestados pela contabilidade de custos à contabilidade gerencial são provavelmente mais complexos. finalmente. Reconhecer os principais conceitos e procedimentos utilizados em CUSTOS. ou não precisam seguir os princípios contábeis. tendo em vista os seus propósitos e atendimento às necessidades do usuário. Tem por isso mesmo uma utilidade mais genérica.CONTABILIDADE GERENCIAL CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO www. assim como procurar estabelecer de que forma serão orientadas decisões a partir das informações geradas por CUSTOS. criar e permitir o acompanhamento de controles gerenciais. buscam focalizar custos relacionados com o objetivo do usuário.

unit. Por exemplo: A felicidade é Jesus (79) 9972-8886 2006 . seu critério era.br/professor/alaelson 5 Será que um administrador que tem à sua disposição um eficiente sistema de custos. ao deixar o serviço público recebeu um bom dinheiro e decidiu abrir um restaurante de comidas típicas. providenciou algumas reformas e inaugurou o restaurante reunindo muita gente. funcionário público federal graduado. alugou um espaçoso imóvel em uma pacata rua da zona norte da cidade. Para determinar os preços. multiplicado por 2. sua preferência gastronômica. P. Os preços de cada prato servido eram calculados da seguinte forma: o preço de aquisição do produto principal utilizado na preparação do prato. Seu excelente relacionamento. segundo afirmava. Silva. simples e muito eficaz. herança da época em que exercia importante cargo público. Silva cuidava pessoalmente das compras dos materiais e da elaboração da tabela de preços. Como primeiro passo. terá mesmo informações úteis e essenciais à sua gestão ? A empresa que não dispuser de um confiável sistema de custos estará abrindo mão de um trunfo importante para torná-la mais competitiva ? Se isto for verdade. vamos acompanhar atentamente o relato a seguir apresentado: Título: A SORTE DA CONCORRÊNCIA O Sr. P.nead.CONTABILIDADE GERENCIAL CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO www. O negócio parecia ir muito bem e o Sr. atraindo logo nas primeiras semanas uma clientela considerável. muito colaborou na promoção do seu negócio. pois estamos diante de um tema essencial ao desenvolvimento dos negócios das empresas ! CENÁRIO 2 – A DEFINIÇÃO DOS OBJETIVOS A PARTIR DA APRECIAÇÃO DE UM CASO Com a finalidade de melhor definir os objetivos deste trabalho. então devemos nos dedicar seriamente ao estudo. tornava-se o próprio preço de venda do prato.

o Sr. tais como música ao vivo. cujo gerente era seu cliente habitual. por isso não posso perder tempo com simples burocracias.br/professor/alaelson 6 a) O preço do prato de bacalhau era igual ao dobro do preço pago por kg de bacalhau. através de novos empréstimos obtidos junto ao gerente do banco. tanto que o Sr. Com tantas preocupações voltadas à divulgação do seu negócio.unit. alugando um imóvel ao lado. Castro e Alencar.CONTABILIDADE GERENCIAL CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO www. etc. amigo e também assíduo cliente. Para contra atacar o seu concorrente. o restaurante precisou de maior espaço. o que obrigou o Sr. O plano do Sr. tais como a apuração do seu efetivo resultado no negócio e os controles físicos dos materiais estocados. Silva foi obrigado a fazer novos investimentos em expansão. além de um pequeno parque para a criançada. pois o restaurante foi alvo de uma reportagem de um jornal de grande circulação. conforme afirmava. A proposta dos sócios inicialmente era simples. Para estes investimentos não havia dinheiro. b) O preço dos pratos à base de carne era igual ao dobro do preço pago pelo kg da respectiva carne. mesas. atrações infantis. P. P. Tenho que estar sempre muito voltado para a promoção e o crescimento do negócio em si. Silva aumentou todos os seus preços em 15%. Essa grande notoriedade. atraiu a concorrência para o local. A felicidade é Jesus (79) 9972-8886 2006 . além de adquirir equipamentos. Para compensar a eminente queda do faturamento. E o negócio crescia em ritmo acelerado. instalações. P. Silva era pagar o empréstimo em 6 meses e após isso. P. Silva não se interessava por alguns dispositivos de controle.nead. como era de se esperar. Assim. atrair a clientela que formava longas filas à espera de uma mesa no restaurante do Sr. P. Silva a tomar dinheiro junto a um banco. do outro lado da rua foi estabelecido um restaurante com proposta semelhante e de propriedade dos Srs. o Sr. Com as novas atrações. o Sr. também aposentados. manobristas e recepcionistas. P. Silva. tudo seria lucro. o que fez com que fosse reduzido em 15% a quantidade de mesas disponíveis. fazendo obras para aumento da capacidade da cozinha. e que trabalharam ao longo de suas carreiras nas áreas de controladoria e financeira. A antes pacata rua ganhou notoriedade até na imprensa. um novo estacionamento. Ele enchia o peito e dizia: — Controlo o meu caixa e está muito bom. Além disso fez algumas reformas rápidas. Silva criou novidades. cadeiras. P. que o incluiu no roteiro gastronômico da cidade.

seis meses após. As atrações artísticas foram interrompidas por falta de pagamento. sua taxa de ocupação era de no máximo 60% das mesas. Castro e Alencar montaram um restaurante pequeno. Silva ironizava seus concorrentes: — Vão quebrar em 3 meses sufocados por tanta burocracia! Aos mais íntimos ele confidenciava: — medo. Algumas semanas após. um garçom demitido revelou os constantes desvios de mercadorias praticados por alguns empregados. o cenário tornou-se diferente. Silva resolveu reagir. fixação de preços a partir dos controles dos custos. P. Desta vez. muito pelo contrário. apenas para cumprir uma simples formalidade. O empréstimo venceu e o “amigo” gerente do banco e que não era mais cliente. não foi capaz de liquidar os empréstimos tomados junto ao banco. Foi quando ele resolveu procurar seus concorrentes. ameaçava executar a garantia.nead. são simples amadores! Meus concorrentes não me metem Entretanto. as coisas estavam ainda piores para o Sr. foi imediatamente verificado um aumento da clientela. O Sr. foi obrigado a dar em garantia da operação. Ao contrário do que previra meses atrás. dotado de controles físicos de estoques. que se aproveitavam da completa ausência de controles. segundo eles. Silva entrou em desespero. Castro e Alencar expandiram seu negócio. ou seja. Sua taxa de ocupação era de no máximo 30%. além de reduzir seus preços em 30%. o que obrigou-o a renovar as operações com taxas de juros maiores. Pelo lado do Sr. Mais três meses se passaram e o Sr. P. de forma ainda muito modesta. P.br/professor/alaelson 7 Do outro lado da rua. Não havia mais fila de clientes. utilizando recursos derivados dos lucros auferidos nos seis primeiros meses. conforme afirmava seu amigo e cliente. Silva. investindo forte em propaganda. O Sr. Além disso tudo. A felicidade é Jesus (79) 9972-8886 2006 . atraída pelos preços mais acessíveis.CONTABILIDADE GERENCIAL CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO www. o gerente do banco. tomar o imóvel que garantia as operações de empréstimo. apurações precisas dos custos dos produtos oferecidos. O restaurante de Castro e Alencar já contava com uma considerável clientela. Castro e Alencar. P. Silva a coisa já não ia tão bem. Mais três meses se passaram. além de uma apuração quinzenal do resultado.unit. o que fez com que Castro e Alencar revisassem sua tabela de preços e concedessem reduções. um imóvel de sua propriedade na região serrana. Com a expansão. P. absorvida com sobras pelo aumento do faturamento. sem contudo existir qualquer diferença na qualidade dos produtos oferecidos. para colocar o seu restaurante à venda.

pessoas ou fatos. ( ) Tinha bem definida uma estratégia de negócio. embora considerasse este critério muito eficaz. Silva na semana passada. Silva e com (CA) quando as características corresponderem ao empreendimento dos Srs. o antes modesto restaurante tem outra forma. fizeram proposta de comprar o restaurante pelo valor da dívida junto ao banco. Vive da aposentadoria. Qualquer semelhança com nomes. tivesse colocado todos os recursos à disposição. Seis meses após estive no local do antigo restaurante do Sr. P. ( ) Eficiente na promoção de seu negócio. convidado para a inauguração da cozinha industrial que Castro e Alencar haviam criado. ( ) O passado profissional credenciava como experientes administradores. P.br/professor/alaelson 8 Habilmente. ( ) Cuidava pessoalmente das compras e da elaboração da tabela de preços. Silva. muito embora um cliente e amigo. Silva não resistiu e entregou o negócio. Muito falante. P. concluindo sempre: — No comércio fica difícil brigar com concorrente protegido pela sorte! Esse relato é pura obra de ficção. Certamente você observará as razões do sucesso e insucesso de cada empreendimento. Do outro lado da rua. Tudo isso com recursos próprios. A felicidade é Jesus (79) 9972-8886 2006 . Castro e Alencar.unit. a escolha por restaurante de comidas típicas atendeu uma preferência pessoal.nead. terá sido mera coincidência. já com uma ocupação garantida de 85% da capacidade instalada. P. Silva. Indicar no espaço disponível com (PS) quando as características corresponderem ao empreendimento do Sr. conta a história do seu empreendimento.CONTABILIDADE GERENCIAL CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO www. muito embora o dia a dia dos negócios mostrenos situações com contornos bastante parecidos. O Sr. ( ) A criação do negócio não decorreu de qualquer avaliação técnica. P. aproveitando-se do total desespero do Sr. muito pelo contrário. ( ) Não acreditava na necessidade de acompanhar o resultado do seu negócio e nem em exercer controles físicos dos materiais estocados. Tive notícias do Sr. gerente de banco. ( ) Utilizava critério pouco científico para estabelecer seus preços. locais. esqueceu da vida de comerciante e diverte-se diariamente freqüentando bailes vespertinos da terceira idade. Castro e Alencar. ATIVIDADE 1: Algumas reflexões sobre o caso apresentado: A seguir você encontrará diversas características atribuíveis a cada um dos dois empreendimentos apresentados no caso. Foi ampliado e as instalações reformadas.

procurando tirar a máxima vantagem. sem contudo conhecer seus resultados.CONTABILIDADE GERENCIAL CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO www. ( ) Não respeitou a capacidade da concorrência. ( ) Financiou-se com dinheiro caro. $$$$$$$$$$$ A felicidade é Jesus (79) 9972-8886 2006 . algumas delas de porte considerável. ( ) Conformava-se em controlar o caixa. quanto pela qualidade do produto oferecido. explorando o conceito de ganho de escala. ( ) Ganhou notoriedade através da mídia. ( ) Utilizou os controles gerenciais como base de sustentação da gestão do seu negócio. fixação de preços a partir dos controles dos custos. ( ) Realizava investimentos de forma segura e com recursos gerados pelo próprio negócio. quando perdeu tudo. ( ) Manipulava preços sem qualquer base técnica.br/professor/alaelson 9 ( ) Considerava o acompanhamento dos resultados e o controle de estoques como simples burocracias. ( ) Considerava como vitais o exercício de controles físicos de estoques. ( ) Não conseguia reconhecer a eficiência da concorrência.unit. ( ) Experimentou expressivo crescimento numa época em que não enfrentava concorrência. ( ) Pagou um preço muito caro por não ter controles gerenciais. sem sequer cogitar se os resultados gerados pelo negócio seriam capazes de suportar os custos do financiamento. ( ) Atraiu a concorrência tanto pelo preço. além de uma apuração quinzenal do resultado.nead. apurações precisas dos custos dos produtos oferecidos. que o fariam perder tempo precioso. nem mesmo depois de quebrar. estão trabalhando com estimativas deturpadas do que lhes custa seus produtos. ( ) Manipulava preços com sustentação técnica. Quando a concorrência apareceu e de forma eficiente. não resistiu. mas nem por isso mostro-se eficiente na gestão de seus negócios. ( ) Criava novos custos de funcionamento de seu empreendimento. ( ) Realizava negócios de acordo com a situação. MÓDULO 2 – INTRODUÇÃO DE CONCEITOS PRELIMINARES É importante uma atenção especial a certa constatação comum entre importantes consultores de empresas: Muitas empresas. destinando o restante de seu tempo para a promoção e o crescimento do negócio. ( ) Realizou novos investimentos sem qualquer vestígio de planejamento prévio.

Ele diz: “Temos escondido de nós mesmos o panorama real ”. A empresa se retirou do negócio. e já não era sem tempo. porém. eles aparentemente auferem margens de lucro equivalentes. Assim sendo. 2º RELATO Outra grande empresa bastante diversificada em termos de produção costumava atuar no negócio de reconstrução de locomotivas. A empresa dispõe de sistema de contabilidade de custos.unit. Seu instinto lhe diz que alguns produtos de baixo volume estão fazendo com que a empresa perca dinheiro. oferece dezenas de versões de um dos seus produtos principais.br/professor/alaelson 10 Visando ratificar a afirmativa acima. Com a palavra o consultor que aconselhou a empresa: A felicidade é Jesus (79) 9972-8886 “Quanto mais contratos a empresa ganhava. mais dinheiro ela perdia”.CONTABILIDADE GERENCIAL CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO www. que responde por fatia expressiva de seu faturamento. O executivo principal da empresa sabe. até que uma consultoria constatou que os custos haviam sido significativamente subestimados. com destaque especial ao tema custos. que não é bem assim. 2006 . concebido de forma a seguir rigidamente regras estabelecidas pela legislação do imposto de renda. As informações básicas extraídas desse sistema sugerem que a produção de cada um dos produtos custa mais ou menos a mesma coisa.nead. Com base nesta premissa são estabelecidos preços similares para cada produto. Os gerentes da divisão que incluía essa operação pensavam que estivessem ganhando dinheiro. 1º RELATO Expressiva e bem conceituada empresa fabricante de bens de consumo popular. vamos acompanhar dois relatos envolvendo o ambiente de empresas.

( b ) Sérias dificuldades nos processos de priorização da produção. Os números nebulosos conseguem ainda levar as empresas a alocar capital de maneira inadequada. e milhares de outras.CONTABILIDADE GERENCIAL CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO www. a direção deixaria de A felicidade é Jesus (79) 9972-8886 2006 .br/professor/alaelson 11 COMENTÁRIOS : Estas duas empresas. ASSIM COMO DOS COMENTÁRIOS APRESENTADOS ( Assinalar a alternativa mais adequada ) Abordagem 1: Há em destaque uma afirmativa de que as empresas em geral apuram valores deturpados de seus custos. especialmente em situações de gargalos. As empresas. como resultado. por outro lado. afirmam consultores que de forma mais severa criticam os sistemas tradicionais de apuração de custos. A distribuição cautelosa de custos individualizados por produtos em nada alteraria este resultado. sofrem do mesmo problema : Os métodos de que se utilizam para alocar as custos entre as diversos produtos estão irremediavelmente obsoletos. “Muitas empresas não sabem onde estão ganhando dinheiro e onde estão tendo prejuízos”. bem como confundem a destinação dos esforços voltados à melhorar a eficiência. ( c ) Não haveriam conseqüências desastrosas uma vez que o importante é o resultado global que proporciona retorno para o acionista. produtos verdadeiramente lucrativos. Isso poderá trazer como conseqüências: ( a ) A definição de resultados globais também deturpados. Assim sendo. mas que tiveram seus custos super-avaliados. É HORA DE REFLETIRMOS UM POUCO MAIS A RESPEITO DOS DOIS RELATOS. mas que tiveram seus custos sub-avaliados e. ( d ) Divergências sérias entre os resultados alcançados e aqueles projetados. se por um lado a empresa tiver certos produtos verdadeiramente deficitários.nead. ( e ) Nenhuma visão objetiva dos resultados individuais dos produtos. acabam adotando preços para seus produtos que são altos demais em alguns casos e baixos demais em outros.unit.

quase que inexistem compromissos com as questões gerenciais. pode-se concluir que: ( a ) O consultor deveria privilegiar a visão do resultado como um todo e não particularizar o negócio específico das locomotivas.nead.CONTABILIDADE GERENCIAL CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO www. Abordagem 3: No 2º RELATO foi apresentado o caso de uma empresa com produção bastante diversificada e que tinha uma linha de produção de reconstrução de locomotivas. ou seja. Abordagem 2: No 2º parágrafo do 1º RELATO. Esse sistema sugere custos similares dos produtos. maiores eram os prejuízos. do ponto de vista contábil e fiscal. ( e ) Que os sistemas contábeis de custos. Diante deste panorama. os gerentes da divisão que incluía essa operação pensavam que estivessem ganhando dinheiro. Na opinião do consultor que examinou a situação da empresa.unit. além de ter como primeiro objetivo atender rigidamente regras impostas pelo fisco. estão voltadas para determinar uma correta. ( d ) Que a empresa está distanciada da prática do planejamento tributário. ( c ) Que os sistemas contábeis de custos concebidos de forma perfeitamente articulada com a legislação do imposto de renda. uma vez que no “bolo” o resultado positivo. valorização dos estoques e. Diante deste cenário. ficando impossibilitada de tomar decisões. que tipo de comentário seria aplicável ? ( a ) Que a empresa não tem interesse de sonegar tributos. quanto mais contratos de recuperação de locomotivas. A felicidade é Jesus (79) 9972-8886 2006 . que em linhas gerais consiste na economia lícita dos tributos. foi mencionado que a empresa dispõe de sistema de contabilidade de custos concebido de forma a seguir rigidamente regras estabelecidas pela legislação do imposto de renda. se houvesse. proporcionam informações seguras para a tomada de decisão. por conseqüência. Por outro lado. do sistema criar informações importantes voltadas à avaliação individual da rentabilidade de cada produto.br/professor/alaelson 12 identificar os resultados negativos. a apuração dos custos dos produtos vendidos. ( b ) Que o cumprimento da lei está acima de qualquer outro objetivo empresarial. concebidos de forma perfeitamente articulada com a legislação do imposto de renda. Assim sendo. esconderia qualquer má impressão quanto a performance da empresa. a partir da correta definição de seus custos.

Dentre as afirmativas abaixo. destacar aquela que reflete com maior propriedade a essência da crítica: ( a ) Os sistemas tradicionais de apuração de custos não podem ser adaptados à modernos programas informatizados.br/professor/alaelson 13 ( b ) O que está em discussão é o fato da empresa dispor de uma produção diversificada e que incluía a recuperação de locomotivas. ( c ) Os sistemas tradicionais de apuração de custos tem uma excessiva preocupação com uma abordagem gerencial. e muito menos com melhoria da eficiência. muito preocupados em fornecer dados para alimentar os registros contábeis e muito pouco voltados a prover a administração de informações revestidas de caráter gerencial que possibilitem a transparente avaliação dos negócios. A felicidade é Jesus (79) 9972-8886 IMAGENS FINAIS 2006 . pelo menos em função dos resultados constatados pela consultoria. Abordagem 4: Especificamente em relação aos comentários. como forma de criar base para a direção da empresa avaliar de forma transparente o resultado de suas operações. não dispunha de procedimentos que permitissem determinar de forma clara e precisa custos individuais de cada produto ou serviço. deixando a desejar quanto ao aspecto contábil. ( c ) Negócios com locomotivas nunca deram o retorno esperado. possibilitando a tomada de decisão. tanto do ponto de vista do mercado. Por este motivo foram detectados custos subestimados. o sistema de custos adotado.nead. ( b ) Os sistemas tradicionais de apuração de custos não conseguem gerar informações compatíveis com grandes volumes de uma produção diversificada.unit. é nítida a crítica envolvendo a obsolescência dos sistemas de custos adotados pela maioria das empresas. talvez por interesses pessoais. Em paralelo.CONTABILIDADE GERENCIAL CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO www. ( d ) A diversificação da produção é sempre uma alternativa perigosa. provavelmente pelo fato de alguns custos na recuperação das locomotivas estarem sendo absorvidos por outros produtos. ( e ) Todas as críticas voltam-se ao formato dos sistemas tradicionais de apuração de custos. ( e ) Os custos de recuperação de locomotivas foram subestimados pelos gerentes. ( d ) Os sistemas tradicionais de apuração de custos não estão comprometidos com a alocação adequada de recursos. como em relação à questões que envolvem as prioridades de produção. sustentando assim o processo de tomada de decisão.

seguindo PARÂMETROS GERENCIAIS. o enfoque básico deste trabalho será apresentar e debater conceitos voltados à apuração precisa. o tema CUSTOS foi natural e inconsequentemente relegado a um plano secundário. as empresas necessitam reviver conceitos e introduzir procedimentos envolvendo a GESTÃO de seus CUSTOS. A felicidade é Jesus (79) 9972-8886 2006 .unit. atualmente ganhando espaço em todo o mundo. proporcionar base segura para estabelecer preços e/ou medir margens de lucros. em muitos casos até como alternativa de sobrevivência.br/professor/alaelson 14 Fazendo uma breve retomada histórica. em que a COMPETITIVIDADE é presença marcante. conhecida como ABC (Activity . como também os indiretos (gerais e administrativos). visando. em detrimento a processos simplistas de custeio.Based Costing). historicamente praticados. e que certamente conduzem a distorções. prejudicando o processo de tomada de decisões. tarefa de fundamental importância no cenário atual. dos custos de operação das EMPRESAS. de forma correta e sem riscos de deformações. observaremos que durante o período de elevada inflação e intensa especulação.CONTABILIDADE GERENCIAL CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO www. cuja principal característica é atribuir corretamente aos produtos ou serviços tanto os custos diretos e perfeitamente sintonizados com a operação. Com a mudança radical dos rumos da economia.nead. Assim. A abordagem deste trabalho envolverá também uma nova estratégia empresarial de custeio baseado em ATIVIDADES.

o que será feito a seguir: 1. é importante a abordagem. A felicidade é Jesus (79) 9972-8886 2006 . criando assim base para tomada de decisão. VAMOS REVIVER NESTE MÓDULO ALGUNS CONCEITOS GERAIS ATRIBUÍVEIS A CONTROLES GERENCIAIS.1.3 . CENÁRIO 1: O CONTROLE GERENCIAL 1.A NECESSIDADE DE APLICAÇÃO DE CONTROLES GERENCIAIS.2 . 1. o processo de globalização da economia.nead. cada vez maior. motivo pelo qual as decisões devem ser baseadas em metas cuidadosamente escolhidas. O pensamento a seguir está inteiramente atrelado ao tema gestão empresarial sob um enfoque global e ao tema custos em particular: “O desenvolvimento tecnológico. em primeiro plano.uma única decisão errada ou omissão .br/professor/alaelson 15 MÓDULO 3 – CONTROLE GERENCIAL ANTES MESMO DE INGRESSARMOS NUMA SÉRIE DE CONCEITOS ENVOLVENDO O TEMA CUSTOS COMO INSTRUMENTO GERENCIAL. o que proporcionará a possibilidade de avaliação da performance da empresa. FRENTE AO MOMENTO ECONÔMICO ATUAL Estudos e observações no campo prático revelam que a aplicação dos princípios de controle gerencial tem sido uma necessidade crescente nas empresas. Na opinião de um consultor de sucesso em Gestão Empresarial: Já se foram os gloriosos tempos em que as empresas eram super-rentáveis e os lucros cobriam as falhas de falta de controle gerencial.pode ser fatal.MISSÃO DO CONTROLE GERENCIAL Habitualmente definido como um sistema ou processo que consiste de comparações entre os desempenhos padrão / orçado e real. OBJETIVOS DA APLICAÇÃO DE CONTROLES GERENCIAIS Para determinar os objetivos do tema.unit. de informações que auxiliem os administradores nas tomadas de decisões”. dos aspectos básicos relacionados aos controles gerenciais num âmbito global. um erro .CONTABILIDADE GERENCIAL CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO www. Atualmente. o crescimento das organizações e a complexidade do ambiente econômico têm dificultado a gestão dos negócios. servindo tais comparações como uma base para determinar respostas adequadas aos resultados operacionais alcançados. A conseqüência natural deste processo é a necessidade.

4 . acompanhamento dos dados e avaliações corretas.RISCOS PROVOCADOS PELA AUSÊNCIA DE CONTROLES GERENCIAIS A ausência de controles. por unidades. e administração. Novamente nosso consultor dá sua opinião: Os tempos agora são outros. a falha ou falta de previsões e acompanhamento das operações e a indevida avaliação do risco empresarial constituem características altamente negativas de uma empresa moderna. juntamente com medidas corretivas rápidas.OBJETIVOS DA APLICAÇÃO DOS CONTROLES DE CUSTOS • Determinar custos sob vários ângulos. instrumentos indispensáveis ao exercício de competente ação gerencial. comercialização. • Controlar custos relacionados com produção.unit. CENÁRIO 2: CONTROLE GERENCIAL ENVOLVENDO CUSTOS 2. por produtos. por tarefas.CONTABILIDADE GERENCIAL CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO www. • Prover as bases para a determinação de preços competitivos ou mesmo possibilitar a avaliação das margens de lucro em situações em que os preços são determinados pelo mercado. Exigem planejamento e controle rigoroso e sistemático. por processos. A felicidade é Jesus (79) 9972-8886 2006 .nead.1 . por atividades. ATRAVÉS TAMBÉM DA IDENTIFICAÇÃO DE ALGUMAS CARACTERÍSTICAS MARCANTES. ou seja. dentre outros. DEFINIDAS AS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DOS CONTROLES GERENCIAIS.br/professor/alaelson 16 1. adequadas e eficazes. VAMOS AGORA FOCALIZAR MAIS DETIDAMENTE O TEMA CUSTOS. por departamentos.

organização. seguindo parâmetros gerenciais.nead.O PAPEL BÁSICO DOS CONTROLES DE CUSTOS Prover a administração da empresa de informações relativas a custos históricos e futuros de tal forma a contribuir significativamente no planejamento e controle das operações. ou mesmo avaliação de margens. as empresas necessitam reviver conceitos e introduzir procedimentos envolvendo a gestão de seus custos.br/professor/alaelson 17 • Permitir a administração basear sua política operacional. 2.A TENDÊNCIA DE EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE CUSTOS Os sistemas de custos têm evoluído muito nos últimos anos. proporcionar base segura para a definição dos preços. se integrar aos sistemas de informações gerenciais que preparam o balanço da produtividade e o balanço da qualidade. 2.unit. De simples sistemas de coleta. evoluíram para sistemas muito mais amplos e complexos. e outros quadros destinados a atender acionistas e autoridades fiscais. de forma correta e sem riscos de deformações.CONTABILIDADE GERENCIAL CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO www. mas principalmente.5 . 2. as informações de todos os A felicidade é Jesus (79) 9972-8886 2006 . Tais sistemas objetivam. e destinados a atender acionistas e autoridades fiscais. dos custos de operação das empresas visando.2 .3 . correlacionando.COMO AS EMPRESAS TRATAVAM SEUS CUSTOS NUM PASSADO RECENTE A permanente observação das práticas de administração durante o período de elevada inflação e intensa especulação. permitiu identificar que o tema custos foi relegado a um plano secundário. em muitos casos até como alternativa de sobrevivência 2. com isso. Com a mudança radical dos rumos da economia. nas condições que os preços são impostos pelo mercado.OS SISTEMAS DE CUSTOS NO CONTEXTO DAS EMPRESAS Devem buscar a apuração precisa. não só a elaboração das demonstrações contábeis.4 . tendo como sustentação as informações dos controles de custos. situação comum em cenários de alta competitividade. processamento sobre custos para inclusão nas demonstrações contábeis.

CONTABILIDADE GERENCIAL
CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO
www.nead.unit.br/professor/alaelson

18

agentes que giram ao redor da empresa e integrando com informações seguras e precisas, empregados, fornecedores, clientes, administração, sociedade e acionistas. Concluindo, torna-se transparente que o objetivo dos sistemas de custos é coletar, organizar e registrar os recursos aplicados ao processo produtivo, permitindo o seu controle e produzindo informações úteis e necessárias ao processo de prestação de contas e tomada de decisões de usuários, tanto externos quanto internos. 2.6 - RAZÕES PARA SE IMPLEMENTAR UM SISTEMA DE CUSTOS Intimamente correlacionadas ao aspecto tomada de decisões gerenciais, funcionando o sistema como uma base sólida e transparente para essas decisões. Instrumentos de Apoio • • • • • • • • • • • • • Elaboração de demonstrações contábeis Controle dos custos de produção Tomada de decisões de comercialização Fixação de preços de venda Análise de margens de lucro Cálculo de lucratividade por produto, cliente, dentre outros focos Identificação do mais apropriado “MIX” de produtos Projeção de resultados Elaboração de orçamentos Atendimento de exigências fiscais Avaliação de produtividade Custo meta Identificação de custos que não agregam valor

MÓDULO 4 – TERMINOLOGIA DE CUSTOS O ponto inicial da exposição sobre custos está na terminologia utilizada. Infelizmente, encontramos em todas as áreas, principalmente nas sociais (e econômicas em particular), uma profusão de expressões representando um único conceito e, por outro lado, também conceitos diferentes representados por uma única expressão. Se o assunto em pauta é custos, torna-se extremamente importante fixarmos muito bem o conjunto de termos utilizados. Conforme destacado, a uniformização da nossa linguagem decorre do fato de que a gestão de custos tem uma terminologia própria e nem sempre uniforme. Além disso encontramos divergências de terminologia entre diferentes autores e
A felicidade é Jesus (79) 9972-8886 2006

CONTABILIDADE

Os conceitos apresentados neste módulo são de extrema importância para a seqüência do 19 trabalho. GERENCIAL

CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO
www.nead.unit.br/professor/alaelson

mesmo dentro das empresas. Para uniformizar as conceitos no decorrer deste trabalho, definiremos alguns termos que estaremos abordando nos próximos módulos. A abordagem inicial envolverá: Despesas – Custos – Gastos – Dispêndios – Pagamentos – Investimentos – Perdas – Desembolsos – Receitas – Recebimentos – Rendas

MUITOS TERMOS PARECEM TER O MESMO SIGNIFICADO! SERÁ TUDO A MESMA COISA?

Outras expressões importantes para o nosso estudo serão também aqui abordadas, tais como: Custos Diretos – Custos Indiretos – Custos Fixos – Custos Variáveis – Custos Semivariáveis – Custo Estimado – Custo Padrão Pois bem, vamos aos conceitos de cada um destes termos para dar embasamento e facilitar o prosseguimento do nosso estudo: GASTOS são todas as destinações de recursos, desembolsadas ou não, que traduzem o sacrifício financeiro que a entidade realiza para a obtenção de um produto ou serviço qualquer, sacrifício esse representado por entrega ou promessa de entrega de ativos (normalmente dinheiro). Por ser um conceito extremamente amplo abrange: despesas, custos e investimentos. INVESTIMENTOS são gastos ativados (registrados no ATIVO) em função de sua vida útil ou de benefícios atribuíveis a futuro (s) período (s). Exemplos: a) a matéria-prima é um gasto temporariamente contabilizado como investimento circulante; b) a máquina é um gasto que se transforma num investimento permanente;

A felicidade é Jesus

(79) 9972-8886

2006

CONTABILIDADE GERENCIAL
CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO
www.nead.unit.br/professor/alaelson

20

c) as despesas de instalação pré-operacionais são um gasto considerado como ativo diferido, porque podem trazer benefícios por vários períodos de operação. CUSTOS são recursos aplicados na transformação dos ativos, representados por gastos relativos à utilização de bem ou serviço aplicados para produção de outros bens e serviços. Assim sendo, os gastos são reconhecidos como custos no momento da utilização dos fatores de produção (bens e serviços) na fabricação de um produto ou execução de um serviço. Exemplo: a matéria-prima foi um gasto na ocasião de sua aquisição e que se tornou imediatamente um investimento (registrado no estoque). No momento de sua utilização na fabricação de um bem, surge o custo da matéria-prima como parte integrante do bem elaborado. DESPESAS são recursos empenhados em destinações que não transformam o ativo, mas que contribuem para esforço na geração de receitas. Exemplo: a comissão do vendedor é um gasto que se torna imediatamente uma despesa, o mesmo ocorrendo com juros pagos ou incorridos em virtude de financiamento bancário obtido. DISPÊNDIOS, PAGAMENTOS OU DESEMBOLSOS são saídas de caixa para atender a aquisição de um bem ou serviço. Pode ocorrer antes, durante ou após a entrada da utilidade comprada, portanto defasada ou não do gasto. PERDAS são recursos ou gastos que não contribuem para gerar ativos ou receitas, representadas por bem ou serviço consumido de forma anormal e involuntária. Exemplos comuns: perdas por incêndio, obsoletismos de estoques, gasto com mão-de-obra em períodos de greve. São itens que vão diretamente para os resultados, não devendo portanto ser considerados como custos. IMPORTANTE: Há entretanto que se estabelecer diferença em relação as chamadas perdas técnicas, que na realidade devem ser embutidas no custo. Exemplos: a) Uma indústria de bijuterias, na fabricação de seus produtos estampados em latão, aproveita apenas 90% da tira de latão utilizada, considerando 10% como perda técnica devidamente tratada como custo de fabricação;
A felicidade é Jesus (79) 9972-8886 2006

passam a ser considerados como custo daquele imobilizado. gastos gerais aplicados na transformação daquele imobilizado. definimos que do ponto de vista contábil estoques são custos acumulados. Naturalmente. também aplicar recursos na transformação ou produção de imobilizados . comerciais ou de serviços. que se relacionam às atividades voltadas ao esforço de vendas: descontos comerciais oferecidos.unit. A felicidade é Jesus (79) 9972-8886 2006 . Esses gastos precisam ser adequadamente analisados e separados. todos as esforços como materiais. sejam elas industriais. seja essa aplicação em mão-de-obra. mas podemos além de transformar estoques. efetuando um gasto que deve ser classificado como custo. Esses esforços para gerar receitas podem ser classificados em: a) despesas sobre vendas.nead. não se importando com os retalhos. se uma organização desenvolve e produz o seu próprio equipamento ela está acumulando custos para a formação daquele equipamento. nesse caso. porque se não forem corretamente classificados. Então. impostos sobre vendas. de volumes. Portanto. vejamos estes conceitos de uma outra forma! Todas as empresas. para operar realizam gastos. neste caso. estará distorcida e não poderá ser organizada para fornecer um relatório claro que permita a tomada de decisões. Assim.CONTABILIDADE GERENCIAL CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO www. garantias oferecidas ao produto etc. Visando uma melhor fixação. Em alguns casos admite-se considerar dias parados por motivo de greve como “ociosidade” e incluí-los nos gastos gerais de fabricação para rateio na formação do custo de todos os produtos. uma indústria de confecção considera o preço do tecido utilizado na fabricação de seus produtos como custo.br/professor/alaelson 21 b) Da mesma forma. estamos falando de transformação de ativos. toda a informação. seja em energia elétrica ou qualquer outro recurso necessário à transformação do produto estamos. publicidade. Quando retiramos recursos do caixa (desembolso) e compramos matéria-prima ou aplicamos na transformação da matéria-prima. seja financeira ou gerencial. mão-de-obra. comissões de vendas. enquanto que despesa é todo esforço aplicado para gerar receita.

VAMOS RECORDAR ALGUNS DOS CONCEITOS APRESENTADOS 1) Faça a correlação com os conceitos: 1 .Despesas 5 .Investimentos 3 . ele também pode ser uma perda. e uma perda técnica. Desvios de produtos dos almoxarifados também devem ser registrados como perdas. No processo da produção. Há que se fazer uma diferenciação entre uma perda desnecessária ao processo produtivo. A felicidade é Jesus (79) 9972-8886 2006 .CONTABILIDADE GERENCIAL CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO www. despesas financeiras que consistem na remuneração paga aos terceiros que emprestaram recursos para financiar o giro da operação. não podem ser mais vendidos. por alguma razão. c) AIém de um gasto ser classificado como custo ou despesa. se técnicas e necessárias. Perdas por ineficiências gerenciais do processo de produção devem ser consideradas e demonstradas separadamente. ocorrida ocasionalmente. produtos obsoletos. devem ser acumuladas ao custo do processo de transformação de ativos. Normalmente são recursos desperdiçados durante o processo produtivo. ou perdas que ocorrem por problemas no processo de armazenagem ou porque os produtos. As perdas que não podem ser consideradas como custos e nem como despesas são aqueles gastos que a organização não aplica nem na transformação de ativos.Custos 4 . Neste segundo caso. Pagamentos ou Desembolsos 6 – Perdas ( ) Por ser um conceito extremamente amplo abrange: despesas.nead. nem na geração de receitas.unit.Gastos 2 . estamos diante de um custo porque é necessária ao processo de transformação do ativo.Dispêndios.br/professor/alaelson 22 b) despesas administrativas que se referem a todo o conjunto de recursos que compõe a estrutura administrativa necessária ao suporte da operação. ( ) Gastos ativados (registrados no ATIVO) em função de sua vida útil ou de benefícios atribuíveis a futuro (s) período (s). As perdas correspondem a todo gasto que não contribui para transformar ativo e nem pode ser considerado como despesa. as perdas. Todos esses fatos se constituem em perdas que devem ser registradas separadamente de forma a indicar as suas naturezas. custos e investimentos.

CONTABILIDADE GERENCIAL CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO www.unit. ( ) Salários de empregados da produção ( ) Salários de empregados da administração ( ) Salários de empregados lotados na produção. Pode ocorrer antes.Despesas 5 – Perdas ( ) Aquisição de matérias primas para estocagem. que traduzem o sacrifício financeiro que a entidade realiza para a obtenção de um produto ou serviço qualquer.nead. ( ) Recursos ou gastos que não contribuem para gerar ativos ou receitas. portanto defasada ou não do gasto.Gastos 2 . mas que contribuem para esforço na geração de receitas. ( ) Aluguel do galpão industrial.Custos 4 . ( ) Recursos aplicados na transformação dos ativos. ( ) Saídas de caixa para atender a aquisição de um bem ou serviço. ( ) Recursos empenhados em destinações que não transformam o ativo. desembolsadas ou não. ( ) Aluguel do prédio da administração.Investimentos 3 . VAMOS RECORDAR ALGUNS DOS CONCEITOS APRESENTADOS 1) Faça a correlação com as situações específicas apresentadas: 1 . A felicidade é Jesus (79) 9972-8886 2006 . durante ou após a entrada da utilidade comprada. mas que participam da construção de novo galpão industrial. ( ) Consumo da matéria prima no processo produtivo. sacrifício esse representado por entrega ou promessa de entrega de ativos (normalmente dinheiro).br/professor/alaelson 23 ( ) Destinações de recursos. representados por gastos relativos à utilização de bem ou serviço aplicados para produção de outros bens e serviços. representadas por bem ou serviço consumido de forma anormal e involuntária.

CUSTO VARIÁVEL – é aquele que ocorre em função da quantidade produzida. Diz respeito ao valor que a empresa fixa como meta para o próximo período para um determinado produto ou serviço. Exemplos: aluguel. porém não direta e proporcionalmente. Necessita de critério de rateio para sua alocação. CUSTO INDIRETO – é aquele cuja associação direta ao produto não é possível. ( ) Roubo de produtos acabados em estoque. seguros. ( ) Energia elétrica consumida pela fábrica.br/professor/alaelson 24 ( ) Prejuízo com incêndio. ( ) Honorários da diretoria. depreciação.nead. Exemplos: matéria-prima. Vamos agora abordar outras expressões muito utilizadas na em custos. aluguel. Não necessita de qualquer critério de rateio para essa associação.unit. Exemplos: matéria-prima. ( ) Aquisição de um equipamento. CUSTO FIXO – é aquele que independe da quantidade produzida. ( ) Energia elétrica consumida pela administração. A felicidade é Jesus (79) 9972-8886 2006 . Exemplos: depreciação. embalagem. Muita atenção! CUSTO DIRETO – é aquele diretamente identificado e associado ao produto. mão-de-obra direta. mão-de-obra indireta mensalista.CONTABILIDADE GERENCIAL CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO www. combustível. mão-de-obra indireta. ( ) Propaganda e Marketing. CUSTO PADRÃO – é o custo “que deveria ser”. CUSTO SEMI-VARIÁVEL – varia com o nível de atividade. mão-de-obra para produção. ( ) Quebra normal no processo de fabricação.

etc. já que nos primários só estão incluídos MP + MOD. CUSTO ESTIMADO – é o custo “que deverá ser”. mão-de-obra. exceto os relativos a matérias-primas.Custos Diretos 2 . Na realidade. Não são a mesma coisa que custos diretos.Custos Primários 7 . OBS: Os encargos financeiros não podem ser considerados como custo de produção.Materiais Diretos 8 – Custos Semi Variáveis 9 – Custo Padrão 10 – Custo Estimado ( ) Diz respeito ao valor que a empresa fixa como meta para o próximo período para um determinado produto ou serviço.Custos Indiretos 3 . mesmo que facilmente identificados com financiamentos de matérias-primas ou outros fatores de produção (custos). A felicidade é Jesus (79) 9972-8886 2006 . ( ) Gastos que transformam ativos e que podem ser apropriados diretamente ao produto ou ao serviço.Custos Variáveis 4 . Representam o valor do esforço da empresa no processo de um determinado item (mão-de-obra) direta e indireta. embalagem é um custo direto.br/professor/alaelson 25 levando em conta as deficiências sabidamente existentes em termos de qualidade de materiais. fornecimento de energia. mas não é primário. VAMOS RECORDAR ALGUNS DOS CONCEITOS APRESENTADOS 1) Faça a correlação com os conceitos: 1 . CUSTOS DE TRANSFORMAÇÃO – soma de todos os custos de produção. considerando apenas algumas modificações esperadas. ( ) Gastos que transformam ativos e que não variam em função dos volumes produzidos.nead. equipamentos. Assim. energia. Assim. mudança de equipamentos.CONTABILIDADE GERENCIAL CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO www.Custos de Transformação 6 . tais como volume de atividade. OUTRAS NOMENCLATURAS DE CUSTOS: CUSTOS PRIMÁRIOS – soma de matéria-prima com mão-de-obra direta.unit. a partir da expectativa de que a média obtida no passado é um número válido para se obter novamente no futuro. consumo industrial. são gastos oriundos da falta de capital próprio e não gastos de produção.Custos Fixos 5 . deverão ser tratados diretamente como despesas. etc. etc.

( ) Esforço empregado no processo de produção do um item (só não inclui as matérias-primas). Uma outra classificação dos custos se divide em variáveis e fixos. Os custos variáveis são os gastos que transformam ativos e que variam em proporção aos volumes produzidos. ( ) É a soma dos custos de mão-de-obra direta e matéria-prima. ( ) Varia com o nível de atividade. ( ) Determinado a partir da expectativa de que a média obtida no passado é um número válido para se obter novamente no futuro.unit. Com outro formato. Não necessariamente correspondem a um custo direto. vamos rever alguns conceitos importantes. A felicidade é Jesus (79) 9972-8886 2006 .br/professor/alaelson 26 ( ) Gastos que transformam ativos mas que para serem incorporados aos produtos ou aos serviços utilizam um critério de rateio. ( ) São os gastos com materiais que se identificam diretamente com o produto. Como exemplos: a) a mão-de-obra que trabalha diretamente na transformação de um produto ou serviço.nead. Os custos indiretos são gastos que transformam ativos mas que para serem incorporados ao produto ou ao serviço.CONTABILIDADE GERENCIAL CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO www. Essa é uma mão-de-obra direta. porém não direta e proporcionalmente. Os custos podem ser classificados em diretos e indiretos. ( ) Gastos que transformam ativos e que variam proporcionalmente aos volumes produzidos. portanto. constitui mão de-obra indireta e. representa um custo indireto que precisará de um critério de rateio para ser distribuído ao produto. Os custos diretos são os gastos que transformam o ativo e podem ser apropriados diretamente ao produto ou ao serviço. utilizam-se de um critério de rateio. b) Já o funcionário que supervisiona a elaboração de diversos produtos.

os materiais diretos de um automóvel são todos os componentes físicos deste automóvel: o motor. Portanto.br/professor/alaelson 27 Podemos ter custos variáveis que não necessariamente são diretos ou custos diretos que não necessariamente são variáveis. o caso do supervisor de uma única linha de produção: o custo de sua mão-de-obra é direto em relação à linha de produção. mas não é um custo variável e sim fixo. as rodas. Quando trabalhamos com custos indiretos necessitamos de um critério de rateio para que os mesmos sejam incorporados ao produto. Se tivermos um processo industrial de montagem de um veículo. as tintas. porque não sofre variação com o aumento ou a diminuição da produção. depreciação e todos os outros componentes necessários à transformação de uma matéria-prima. energia elétrica. o chassi. custos fixos são gastos que transformam o ativo e que não variam em função dos volumes produzidos. Por exemplo.nead.unit. A felicidade é Jesus (79) 9972-8886 2006 .CONTABILIDADE GERENCIAL CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO www. Custos primários— é a soma da mão-de-obra direta e da matéria-prima aplicada ao produto. a estrutura. Materiais diretos — são as gastos com materiais que se identificam diretamente com o produto. tudo corresponde aos materiais diretos aplicados a este produto. Rateio é o critério de distribuição ou de alocação dos custos indiretos aos produtos ou serviços. Os custos podem ainda ser classificados como: Custos de transformação— correspondem ao esforço empregado no processo de produção de um item e só não incluem as matérias-primas como: mão-de-obra.

no aumento do tamanho e complexidade das organizações no início do século XX. O aumento da concorrência. A questão central dos sistemas de custos voltados para a contabilidade gerencial foi a de identificar os custos relevantes para o objetivo do usuário.SISTEMAS DE CUSTEAMENTO As razões para o interesse e conseqüente desenvolvimento dos sistemas de custos podem ser encontrados. também é apontado como o fator conjuntural que pressionou pela busca de sistemas mais elaborados para a fixação de preços. como nas empresas de serviços ou organizações que trabalham com tecnologia avançada. Entretanto. têxteis e ferrovias . de mineração. É razoável considerar que não existe um sistema de custeio superior. A necessidade de integração e coordenação das operações de empresas como as indústrias siderúrgicas .activity based costing. foi utilizado o “custeio variável” ou “direto” que identificava aos produtos ou operações somente os custos que variavam proporcionalmente às atividades. No final da década de 80 surgiu o “custeio por atividades” .balanço patrimonial e demonstração do resultado. com uma ótima relação de custo/benefício. A principal dificuldade ao longo do tempo foi identificar os chamados custos indiretos. é bom lembrar que nas estruturas de custos onde predominam custos fixos. mas situações em que é possível escolher um tipo de sistema capaz de satisfazer as necessidades do usuário. Casos existem em que um sistema de custeio por absorção atende perfeitamente à necessidades gerenciais. especialmente para produtos elaborados através de montagens “por ordem”. que tinham escassas referências de mercado. a semelhança do custeio por absorção. talvez. que busca incorporar todos os custos incorridos ao produto. ou seja. também chamado de full cost.que respondeu às necessidades de incluir todos os custos nas empresas com custos fixos muito altos.que envolviam investimentos elevados em ativos permanentes. este tipo de custeamento tem muito pouca utilidade.br/professor/alaelson 28 MÓDULO 5 . o mais importante fator neste desenvolvimento. A felicidade é Jesus (79) 9972-8886 2006 . A partir da década de 50. mas que procura superar as limitações de alocação de custos por rateio com a utilização de direcionadores de custos que pretendem apresentar de forma mais precisa o consumo de recursos pelos produtos e operações. Os sistemas de custeamento foram desenvolvidos a partir de meados do início do século XX para atender as necessidades de informações de custos para elaborar as demonstrações contábeis . O sistema de custeamento adotado para esta finalidade foi o chamado “custeio por absorção”. ABC . com a conseqüente redução nas margens de lucro. Este sistema é também considerado como full cost. os custos que não podem ser identificados diretamente ao produto. Destaque--se. e a crescente importância dos custos indiretos de fabricação ou overhead costs.CONTABILIDADE GERENCIAL CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO www. O sistema de custeio variável ao considerar somente os custos variáveis e tratar os custos fixos como despesas. a necessidade de estabelecer preços como. O sistema de custeio variável aparece geralmente como capaz de resolver boa parte dos problemas relacionados aos produtos. ainda. forçaram o desenvolvimento de sistemas de custos mais aperfeiçoados. minimizou o problema de identificação dos custos indiretos. que são fixos em sua maioria.nead.unit.

br/professor/alaelson 29 CONTABILIDADE GERENCIAL Custeio por Absorção Custeio Variável (Direto) Custeio por Atividade CONTABILIDADE FINANCEIRA Custeio por Absorção A ESTAGNAÇÃO DOS SISTEMAS DE CUSTO Os elaborados sistemas de custos desenvolvidos na passagem do século XIX e XX tinham o inconveniente de trazer um elevado custo de processamento. que foi marcadamente influenciada pelas simplificações metodológicas impostas pela contabilidade financeira. medições do desempenho das divisões e orçamentos de diversos tipos . foi desta forma internalizado.nead.cálculo de mão de obra. que auxiliaram os administradores na sua busca de racionalidade econômica. Ao focalizar a atenção na coordenação interna das trocas entre as divisões de uma empresa. os elementos hoje utilizados nos sistemas de custos . Existem evidências de que. Esta limitação foi superada em grande parte pela organização multidivisional que tornou possível a gestão das grandes corporações através da delegação aos gerentes do controle das atividades operacionais. levando à criação de um quase mercado de trocas no interior de uma firma comercial. já naquela época. comparativamente ao benefício que as informações produzidas pudessem ter para os administradores. transporte e distribuição confirmam. bastando que os totais estivessem corretos.unit.já haviam sido desenvolvidos. os custos eram agregados ao fluxo físico dos materiais que percorrem os processos e os pontos críticos resumiam-se na separação das despesas do período dos custos de estoque e na alocação dos custos indiretos aos produtos. que foi levada às últimas conseqüências no século XX. custos padrões e análise da variação. Os principais instrumentos de alocação de recursos interdivisionais disponíveis foram os mecanismos de preços de transferência e orçamento. os sistemas contábeis proporcionaram a criação de um processo interno pelo qual as empresas puderam expandir-se. a capacidade de distribuição do lucro por diferentes operações. Entretanto. por volta de 1925. matéria prima. enquanto concentra a atividade de planejamento ao nível da alta administração. o que provocou a denominada “perda de relevância” destes sistemas A felicidade é Jesus (79) 9972-8886 2006 . preços de transferência. custos gerais. objeto principal da contabilidade financeira. pouco se fez para o desenvolvimento da contabilidade de custos praticada no período 1920/1980. A estagnação no desenvolvimento de sistemas que deveriam ser capazes de produzir custos com maior precisão e medições dos respectivos processos ocorreu até a metade da década de 80.CONTABILIDADE GERENCIAL CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO www. Exemplos de sistemas contábeis de empresa no século XIX envolvidas em processo de fabricação. Como resultado desta influência. Para esta última tarefa não era necessária uma precisão maior. posta de maneira mais expressiva no objetivo de maximização de lucro. Os registros das trocas externas.

. e é. treinamento.unit. tempo de preparação de máquina (setup).br/professor/alaelson 30 durante este período. Os obstáculos para os sistemas de custos convencionais apareceram de forma mais concreta quando os ciclos de vida dos produtos diminuíram. os investimentos no desenvolvimento destes produtos . etc. programas de computador. armazenagem. A substituição dos sistemas projetados para os relatórios da contabilidade financeira e o pagamento de impostos por sistemas contábeis modernos foi. podemos considerar que os SISTEMAS DE CUSTEAMENTO utilizam a seguinte classificação: A felicidade é Jesus (79) 9972-8886 2006 . planejamento e controle de entregas. etc. • Na transferência de custos indiretos de fabricação de produtos com baixo volume de mão de obra. necessidade inadiável das corporações para sobreviver no mercado atual. Além da influência da contabilidade financeira. contas a pagar.nead. Recapitulando e acrescentando alguns detalhes a mais. etc.. processos..CONTABILIDADE GERENCIAL CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO www. agregadas demais e distorcidas demais para que sejam relevantes para as decisões de planejamento e controle dos gerentes”..até o momento em que a tecnologia de informação e o desenvolvimento de novos conceitos começaram a ser aplicados . como nos exemplos citados: • A distorção na análise da subcontratação de produtos..na segunda metade dos anos 80 .tornaram-se mais significativos e os custos CIF mais relevantes em relação aos custos primários. portanto. mas com alto valor de movimentação de materiais. Assim.anos 60 . Para responder a este desafio os sistemas contábeis deveriam dar suporte adequado às decisões de lançamento. controle de qualidade. qualidade. para produtos com alto volume de mão de obra) que demandam relativamente menos dos serviços envolvidos nos CIF. O fato é que da época em que os computadores tornaram possível esta evolução . Como relatado a alocação convencional produziu efeitos indesejáveis. Diversas críticas são feitos ao não atendimento dos sistemas de contabilidade gerencial às necessidades dos usuários que fazem face ao progresso tecnológico. já que “atrasadas demais. aumentando as atividades de administração de contratos. • Não se consegue recompor os itens de custos aos produtos já que diluídos por sucessivos rateios e transferências departamentais. os sistemas de contabilidade gerencial são avaliados como de concepção inadequada. outra explicação para esta perda de substância pode ser a relação desfavorável de custo/benefício dos sistemas contábeis voltados para utilização dos gerentes.. competição global e mudanças bruscas de preços. abandono e desenvolvimento de produtos com o objetivo de informar de forma precisa sobre os recursos envolvidos nestas decisões.passou-se um bom tempo.pesquisa e desenvolvimento do projeto. • As informações de custos são geradas em um nível muito agregado e muito tarde para que sejam úteis na tomada de decisões relativas ao processo de fabricação. tempo de gerência. que pode obter ganhos comparativos em relação aos custos diretos mas não poupa despesas gerais.

neste sistema os custos dos produtos variáveis . a alocação das atividades aos produtos é feita de acordo com as medidas de consumo: horas homem. fretes. Não existem maiores problemas na alocação dos recursos as atividades. Existem também custos que são semi-variáveis.unit. identificar o consumo de recursos pelas atividades e objetos de custeio. a atividade e o produto. neste sistema os custos são relacionados com o volume de atividades num determinado período de tempo. número de alterações no processo. que variam.. etc. ◊ se transações causam custos indiretos pode ser possível alocar aos produtos de acordo com a demanda efetiva dos produtos por transações.. . CUSTEIO VARIÁVEL Os custos neste sistema de custeio são variáveis ou fixos de acordo com o nível de atividade . O direcionador de custo tem a mesma função do fator de rateio no custeio por absorção. número de itens.podem ser do ambiente de fabricação ou de gastos como: comissões sobre vendas.mão de obra direta..volume ou quantidade produzida. número de itens. A alocação das atividades aos produtos é feita. ou “custos mistos”. mas não em proporção direta ao volume de atividades.br/professor/alaelson 31 CUSTEIO POR ABSORÇÃO Este sistema classifica os custos em diretos e indiretos de acordo com a sua possibilidade de serem apropriados aos produtos. etc. unidades produzidas. portanto. mas sim na etapa de identificar o consumo de atividades pelos produtos.. ou seja. considera que todos os custos fabris foram alocados ao produto. não considera os gastos ocorridos fora da fábrica (custos não-fabris). As etapas no custeamento por atividade poderiam ser: ◊ identificação das atividades e a alocação do custo correspondente. como por exemplo: horas homem. ◊ identificação dos direcionadores de custos (cost drivers). custeiam-se atividades e depois custeiamse os produtos. “as atividades consomem recursos e os produtos consomem as atividades”.poderiam comportar-se de acordo com alguma outra variável. ◊ identificação dos objetos a serem custeados: produtos. administração e pesquisas e desenvolvimento.CONTABILIDADE GERENCIAL CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO www. A metodologia deste sistema compreende. A felicidade é Jesus (79) 9972-8886 2006 . ◊ cálculo do objeto (produto) a ser custeado a partir do cálculo feito utilizando-se os direcionadores de custos.ACTIVTY BASED COSTING): TAMBÉM CHAMADO DE SISTEMAS DE CUSTEAMENTO DO PROCESSO.. em uma primeira etapa. portanto. O direcionador de custo busca encontrar a relação mais lógica possível entre o recurso ($). existe uma relação permanente de consumo de custos e quantidades. O surgimento do sistema de custeio por atividade teve as seguintes idéias iniciais: ◊ custos indiretos alocados a produtos com base em medidas de volume .. No sistema de custeio.. que são custos do período: vendas. se o resultado se mantiver constante os custos são variáveis. ◊ é possível identificar através de direcionadores de custo a relação entre as transações e os recursos . etc. ou seja. CUSTEIO POR ATIVIDADE (ABC ..nead. etc. de acordo com as medidas de consumo. etc. número de alterações. clientes.

para mais e para menos.variam segundo a quantidade produzida. De acordo com esta análise. O conceito mais simples do Ponto de Equilíbrio ("Break Even Point") é o seguinte: “É o ponto da atividade operacional da empresa em que não há lucro nem prejuízo: a receita total é igual ao custo total. quais são as conseqüências nos resultados? g) Quais as conseqüências da variação. Se a empresa operar acima do Ponto de Equilíbrio terá lucro. devem ser estudados e comparados para ser detectada a alternativa mais viável ou as alternativas mais convenientes. O principal e mais divulgado desses instrumentos é o Ponto de Equilíbrio.não variam com a quantidade produzida.CONTABILIDADE GERENCIAL CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO www. de custos diferentes nos resultados da empresa? h) Quando se produz diferentes produtos em proporções diferentes. podemos lançar mão de diversos instrumentos de análise. quais são as conseqüências nos resultados da empresa? f) Reduzindo a produção da empresa. Definidos os principais tipos de custos. Variáveis . prejuízo.” A felicidade é Jesus (79) 9972-8886 2006 . PONTO DE EQUILÍBRIO Em toda empresa industrial um eficiente controle de custos é imprescindível para uma boa administração. que serão desenvolvidas e exercitadas neste módulo.ANÁLISE DA RELAÇÃO CUSTO / LUCRO / VOLUME Esta análise consiste na comparação dos diversos resultados que podem ser apresentados por um empreendimento.unit. aliados a algumas técnicas simples de análise. quais as conseqüências no ponto de equilíbrio? As perguntas formuladas podem ser respondidas com o conhecimento de alguns parâmetros. Isto significa que os vários níveis de produção. dentro da capacidade máxima instalada. A classificação indica dois grandes tipos de custos: Fixos . podem ser respondidas perguntas tais como: a) b) c) d) e) O empreendimento é viável? Qual o produto mais rentável? Qual o produto mais lucrativo? Quais as conseqüências da retirada de determinado produto de fabricação? Variando um tipo de custo.br/professor/alaelson 32 MÓDULO 6 . se abaixo. para mais ou para menos.nead.

000 8.nead. a empresa não tem lucro nem prejuízo quando está operando em um nível de produção igual ao seu ponto de equilíbrio.000 7. na medida em que identifica o ponto da atividade da empresa em que não há lucro nem prejuízo: a receita total é igual ao custo total.000 6.000 8. Este ponto é também chamado Ponto de Ruptura. prejuízo.000 4. Este ponto indica o mínimo de receita gerada pela produção para que a empresa não sofra prejuízo. No Ponto de Equilíbrio.000 4. O acompanhamento do ponto de equilíbrio é um eficiente controle de custos.unit. se abaixo. As empresas instalam-se na expectativa de gerar receita não só para remunerar os seus fatores de produção.000 Assim. este parâmetro determina o ponto em que a empresa equilibra custos com receitas.CONTABILIDADE GERENCIAL CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO www.000) (2. Se a empresa operar acima do ponto de equilíbrio terá lucro.000 4. ou seja.000 2.000 4.000 5.000) (3.000 5.000 6. A felicidade é Jesus (79) 9972-8886 2006 .000 4. Ponto Crítico ou Ponto de Quebra.000 9.000 CUSTO VARIÁVEL 1.000 LÍQUIDO (PREJUÍZO) (4.000 10.000 3.000) (1.000 VENDAS 2.000 CUSTO TOTAL 4. porque ela está gerando recursos suficientes apenas para remunerar os seus fatores de produção. mas também para proporcionar um excedente que permita distribuir lucro e constituir uma reserva para possibilitar a sua expansão.000 4.br/professor/alaelson 33 EXEMPLO: UNIDADES CUSTO FIXO 0 100 200 300 400 500 4.000 4. a empresa está produzindo o suficiente para gerar receita que se iguala ao custo.000) 0 1. Ponto de Nivelamento.

Por meio desse relacionamento teremos condições de detectar o mínimo que uma empresa precisa produzir e vender para não ter prejuízo.) Custos Variáveis = Margem de Contribuição = ( . com uma unidade a mais que se venda a empresa passa a ter lucro. Determinação Algébrica do Ponto de Equilíbrio O Ponto de Equilíbrio irá ocorrer exatamente onde as Receitas Totais (RT) forem iguais aos Custos Totais (CT): RT = CT Em função do LAJIR.unit.br/professor/alaelson 34 CÁLCULO DO PONTO DE EQUILÍBRIO Fórmula básica: ∴ PE CF MC Exemplo: Qual o ponto de equilíbrio tendo em vista a seguinte estrutura de custos: Custos fixos = Custos variáveis = Vendas = Operação acima do ponto de equilíbrio Vendas = ( . A partir daí. Volume e Lucro.000 60 % das vendas $ Operação abaixo do ponto de equilíbrio Vendas = ( . relacionamos três variáveis básicas: Custo. a saber: A felicidade é Jesus (79) 9972-8886 2006 . conclui-se algebricamente o volume de produção e ponto de equilíbrio da empresa.nead.) Custos Fixos = ( = ) Resultado = = = = Ponto de Equilíbrio ∑ Custos Fixos Margem de contribuição PE = CF MC A ANÁLISE DO PONTO DE EQUILÍBRIO No estudo do Ponto de equilíbrio.) Custos Variáveis = Margem de Contribuição = ( .CONTABILIDADE GERENCIAL CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO www. É exatamente no momento em que as Receitas Totais alcançam os Custos Totais. Pode-se fazer esta análise do ponto de equilíbrio de maneira algébrica ou gráfica.) Custos Fixos = ( = ) Resultado = 4.

assim como o ponto de ruptura. onde: P-cv P = preço unitário do produto Q = unidades produzidas cv = custo variável unitário e “Q” é o nível de produção que faz a empresa cobrir os seus custos fixos e variáveis. quando maior a proporção dos custos fixos nos custos totais. de modo que. ou ponto de ruptura do negócio.Q = CF Q= CF . custos variáveis e vendas.CONTABILIDADE GERENCIAL CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO www. quando maior a participação dos custos fixos. A felicidade é Jesus (79) 9972-8886 2006 . Custo/Receita Receita de Vendas LAIR Custo Operacional Total Lucro Ponto de Ruptura Custo Operacional Fixo Prejuízo Vendas Análise do ponto de ruptura (GITMAN. isto é . é peça importante de negociação para obtenção de empréstimos junto aos bancos e fornecedores. Por outro lado. 1994). O gráfico abaixo descreve o comportamento dos custos fixos. maior o risco operacional. ou seja. maior a alavancagem operacional. uma redução nos custos variáveis desloca o ponto de equilíbrio para baixo.nead. A minimização desses custos pode ser explicada pela otimização dos fatores variáveis. o lucro é zero.cv.unit.br/professor/alaelson 35 PQ = CF + cv. é alterado em função da mudança dos custos fixos que atuam mais acentuadamente no deslocamento do ponto de nivelamento. a quantidade do Ponto de Equilíbrio. ou seja. os encargos fixos podem ser diluídos pelo aumento de produção ocasionado pela elevação da capacidade de produção e do acréscimo do rendimento. a relação custo-volume-lucro. ALTERAÇÃO DAS RELAÇÕES DE CUSTOS E DO PONTO DE EQUILÍBRIO O Ponto de Equilíbrio. ou seja. Representação Gráfica do Ponto de Equilíbrio A análise do ponto de equilíbrio.Q Q(p-cv) = CF PQ . A apresentação do gráfico do ponto de equilíbrio. notadamente conhecido pelos provedores de capital. também chamado de ponto de ruptura ou break-even point. sendo o LAJIR igual a zero. consiste em determinar o volume de produção em que o faturamento se iguala aos custos. Entretanto.

.... destacam-se: * a suposição de linearidade dos custos.. além de obter alavancagem operacional positiva... LIMITAÇÕES NA ANÁLISE DO PONTO DE EQUILÍBRIO Dentre as principais críticas que se dirigem à técnica de análise de custo-volume-lucro.. A alavancagem operacional se define em termos da variação percentual do lucro operacional com relação à variação percentual das receitas correspondentes..00 Custos Fixos. Assim. Isto posto.= R$ 100.. assim....000. a sua aplicação no setor industrial. e vice-versa...nead..... Deste modo. Sabe-se que a alavancagem operacional está intimamente relacionada com a análise do custo-volume-lucro ou ponto de equilíbrio. que induzem à redução de ociosidade e de custos operacionais.. os diferentes graus de ALAVANCAGEM operacional são causados....= R$ 70. isto é... e maior o volume de vendas necessário para atingir o ponto de equilíbrio. que pode ser expresso como o nível de produção em que a receita total é igual ao custo total. maior será o grau de alavancagem operacional. que os custos variáveis totais e médios decrescem. Podemos melhor entender o conceito a partir de um exemplo simples..000.. menor insumo por unidade de produto processado..br/professor/alaelson 36 influenciados pelo aumento do rendimento. de conformidade com a lei dos rendimentos decrescentes. justificando..00 Custos Variáveis.... raciocinam os teóricos. A empresa deve operar a plena carga e com rendimento industrial máximo.. * a dificuldade de aplicação a produtos múltiplos...00 A felicidade é Jesus (79) 9972-8886 2006 ....CONTABILIDADE GERENCIAL CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO www.. Quanto à suposição de linearidade dos custos.. próximos à plena utilização da capacidade instalada... a empresa pode maximizar o lucro sobre o investimento....000. em decorrência das gradações dos rendimentos industriais.. * e a validade de uso no curto prazo... expressando o nível de produção necessário para cobrir os custos totais.unit... basicamente.. A alavancagem operacional mede as variações que ocorrem no lucro a partir de alterações ocorridas no volume de produção e vendas. = R$ 20.... * a classificação dos custos....... Qual das empresas você prefere? EMPRESA “A”: Receita. conclui-se que quanto maior os custos fixos operacionais da empresa.. em decorrência do aumento da produção.. pelas variações de rendimentos verificadas no setor. ALAVANCAGEM OPERACIONAL A alavancagem operacional está intimamente relacionada com a análise do custovolume-lucro ou ponto de equilíbrio.. atingem um mínimo e crescem em seguida...

....00 GAO-C2 8.CONTABILIDADE GERENCIAL CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO www. A RELAÇÃO ENTRE OS CUSTOS FIXOS E VARIÁVEIS E A OPERACIONAL ALAVANCAGEM Para se determinar essa relação.. que está intimamente relacionada com custovolume-lucro e na rentabilidade financeira. reduzindo-se... através de um aumento bem mais proporcional aos lucros operacionais do que o incremento ocorrido na produção e vendas....00 Lucro 10.000... diminui o risco nessa atividade agroindustrial...00 Custos Variáveis 20...000... a alavancagem operacional está intimamente relacionada com o risco do negócio empresarial. No entanto.000....000..= R$ 10.... recomenda-se utilizar o método de leverage operacional....000........00 Lucro 10..000...000.= R$ 100....br/professor/alaelson 37 Lucro ..00 Através desse exemplo é possível calcular o GAO – Grau de Alavancagem operacional....00 CENÁRIO 1 +20% nas vendas CENÁRIO 2 -20% nas vendas GAO-C1 3. um elevado nível da capacidade ociosa..000.........00 Custos Variáveis 70... Deste modo....000....... Na solução de tais problemas. a alavancagem operacional é determinada pela relação entre as receitas de vendas e o seu lucro operacional.... GAO = ( Variação % nos lucros / Variação % nas vendas)....= R$ 20..00 O termo “leverage” operacional mede a capacidade da empresa de cobrir os seus custos fixos..00 Custos Fixos 20......00 Custos Variáveis......000.... O que ocorre com o lucro das empresas? E se houver uma queda de 20% ou 10% nas vendas o que ocorre com o lucro? Qual é o GAO da empresa neste volume de custos e de vendas? O que acontece com o GAO se forem alterados os custos ou o patamar de vendas? O que tem a ver a distância do ponto de equilíbrio com o GAO? O que tem a ver o Risco Operacional com essa situação? EMPRESA “A” Vendas 100...00 CENÁRIO 1 +20% nas vendas CENÁRIO 2 -20% nas vendas GAO-C1 8..nead.. portanto. derivada da função dos rendimentos industriais..... que pode ser assim encontrado: A felicidade é Jesus (79) 9972-8886 2006 ...........= R$ 10.. que são derivados dos investimentos em ativos fixos. no que associado ao incremento de rendimento no setor agrícola e industrial..000...unit..000...00 GAO-C2 3.000.. Imagine uma variação positiva de 20% no volume de vendas. ou seja.. em algumas microrregiões do país..... uma carga acentuada dos custos fixos totais da empresa. o nível de ociosidade da planta.00 EMPRESA “B” Vendas 100.00 Custos Fixos 70... Em determinados setores da indústria pode-se notar.00 EMPRESA “B: Receita...... = R$ 70.00 Custos Fixos.... têm-se recomendado a minimização dos custos fixos unitários...00 Lucro .

No primeiro caso temos uma ALAVANCAGEM operacional positiva. podemos concluir que a análise de alavancagem financeira nada mais é do que um estudo profundo da rentabilidade de um negócio. :: Retorno sobre o ativo (RSA): é a relação entre o lucro (antes das despesas financeiras) e ativo total.CONTABILIDADE GERENCIAL CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO www. neste caso. Assim: Variação percentual no LAJIR ≥ 1 Variação percentual na produção ≤ 1 Alavancagem financeira: parâmetro para leitura do desempenho financeiro Qual a composição ideal de capital próprio e de terceiros para sua empresa? A resposta mais adequada e prudente seria: ‘Depende da maneira pela qual os recursos foram ou serão aplicados’.br/professor/alaelson 38 Receita com Vendas (-) Custos Variáveis operacionais (=) Margem de Contribuição (-) Custos fixos operacionais (=)Lucro Antes de Juros e Imposto de Renda (LAJIR) De maneira que a alavancagem operacional só possa ocorrer nos seguintes casos: 1) quando um aumento no lucro resultar num acréscimo mais do que proporcional ao verificado na produção. amortecido pela taxa de retorno esperada nas aplicações. O próprio grau de alavancagem é medido pela relação entre o RSPL e o RSA. Desde que o custo do aporte de capital de terceiros seja amparado. indica o poder de geração de lucro de cada recurso aplicado. Quando o RSA>RSPL o analista deve revisar a estrutura de financiamento da empresa e rever aspectos da gestão financeira porque. Retorno Sobre o Patrimônio Líquido e Retorno Sobre o Ativo. :: Custo do capital de terceiros ou custo da dívida (CD): corresponde a remuneração paga pelo uso de recursos de terceiros. Grau de alavancagem = RSPL / RSA Quando o RSPL é maior que o RSA podemos interpretar que o capital de terceiros influencia positivamente o retorno sobre o PL através do aumento no resultado. Esta condição recebe o nome de “Alavancagem Financeira”. a participação de capital de terceiros não é degenerativa. 2) quando uma queda no lucro ocasionar uma diminuição mais do que proporcional ao verificado na produção. Se. se o RSPL é maior que o CD e o RSPL é superior ao RSA podemos dizer que a estrutura de financiamento do negócio consegue produzir resultado positivo. negativo. ou melhor dizendo. :: Retorno sobre o patrimônio líquido (RSPL): representa o ganho obtido pelos acionistas por cada recurso investido. por outro lado. Fórmulas: RSA = Lucro antes das despesas financeiras/Ativo Total RSPL = Lucro Líquido/Patrimônio Líquido CD = Despesas Financeiras / Passivo não oneroso Assim. o A felicidade é Jesus (79) 9972-8886 2006 . Diante do exposto. o passivo não está gerando resultado compensador. e no segundo.unit.nead. A análise de Alavancagem envolve três conceitos conhecidos e trabalhados na ‘análise contábil’: Custo do Capital de Terceiros.

sendo necessário fazer diversas mensurações e ter em mente os objetivos empresariais. Os recursos destinados aos investimentos apresentam um custo efetivo que deve ser explicitamente levado em consideração. sendo recomendável a empresa fazer uma criteriosa análise se utiliza recursos próprios ou de terceiros num determinado investimento. de que o endividamento é sempre degenerativo. como contadores. Utilizar recursos próprios ou buscar junto a terceiros? Qual das fontes de recursos podem trazer maior valor para a empresa? Que riscos a empresa está disposta a correr? Que taxa de juros pode ser considerada atraente? O mercado absorveria a emissão de novas ações? Qual a capacidade satisfatória do nível de endividamento? Questões como estas se tornam o maior desafio dos especialistas financeiros. que se constituem em instrumentos essenciais para o estudo da viabilidade econômica de uma empresa. os dividendos não o são.br/professor/alaelson 39 RSPL é menor que o RSA. E o capital próprio é isento de riscos? É forçoso lembrar que o capital próprio pode ser mais caro que o capital de externo porque enquanto que os juros pagos a terceiros são diminuídos da renda tributável do negócio. A estrutura de capital de uma empresa é determinada pela soma de recursos originários de terceiros e os recursos próprios. onde espera-se que proporcione retorno maior que o custo deste capital. A utilização de recursos próprios significa abrir a empresa para novos sócios ou sacrificar os atuais acionistas.ROI e da Alavancagem Financeira. o capital de terceiros está influenciando negativamente o retorno sobre o capital próprio do negócio. A avaliação do desempenho econômico pode ser processada por meio da formulação do Retorno sobre o Investimento . razão pela qual é necessário um estudo da alavancagem financeira para se determinar a viabilidade do investimento. que alguns ainda conservam. A utilização do capital de terceiros é muito questionada numa decisão de investimento. que são utilizados para financiar suas operações. A análise de alavancagem financeira é de essencial importância para apoio a decisões referente a aporte de capital de terceiros e estrutura de aplicações (ativos). A felicidade é Jesus (79) 9972-8886 2006 .nead. A determinação da estrutura de capital e da capacidade de endividamento são fatores fundamentais para se levar em consideração os investimentos futuros. além de pôr fim àquela ilusão.CONTABILIDADE GERENCIAL CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO www. sendo necessário que os gerentes. ANÁLISE DAS ALTERNATIVAS DE INVESTIMENTO A determinação da estrutura de capital de um empreendimento é primordial para seus resultados futuros. venham a determinar o custo do capital. Os recursos próprios também apresentam restrições. A alavancagem financeira permite ao gestor monitorar a qualidade das aplicações realizadas. utilizando técnicas de procedimentos analíticos adequados. que permitam mensurar a potencialidade ou não de remuneração satisfatória para um determinado investimento. Não existe resposta objetiva.unit. o que torna o indicador relevante parâmetro de desempenho financeiro e ressalta a importância da análise das demonstrações contábeis para fundamento do processo decisório.

trabalhar com um nível de endividamento menor. isto é. ALAVANCAGEM FINANCEIRA De grande relevância e complexidade. de forma a manter inalterado o valor de mercado da empresa. Empresas com risco de negócio elevado tendem. Quanto mais risco uma empresa deseja assumir. A este respeito Gitman (1987. Uma estrutura de capital deve ser determinada com cuidados a um eficiente controle e consistência sobre o risco do negócio e do nível de risco financeiro. A melhor estrutura de capital pode ser escolhida entre as alternativas disponíveis usando um modelo de avaliação para ligar os fatores de retorno e risco. portanto. 514) destaca que: “O grau de alavancagem financeira para uma empresa é sobretudo o resultado da atitude daquele que toma decisões perante o risco. um estudo como este evidencia sua relevância.” É neste contexto que os gestores financeiros tentam reduzir ou aumentar a proporção de capitais de terceiros na estrutura de capital das empresas. deve ser considerado o custo total dos componentes individualmente. mais cuidado deve ter a empresa ao estabelecer sua estrutura de capital. fluxo de caixa.nead.unit. indica se os recursos que estão sendo tomados por empréstimo pela entidade estão obtendo um retorno adequado pela sua aplicação no Ativo da mesma. 75): “podemos definir custo de capital como o preço que a empresa paga pelos fundos obtidos junto às suas fontes de capital. Na análise da estrutura de capital. mas a estrutura de capital deve ser elaborada em vista deste risco. maior será sua alvancagem financeira. perspectiva de vendas. determinando as participações relativas. Empresas dos diversos segmentos necessitam conhecer a utilização ótima de seus recursos a fim de alcançarem maiores retornos. O risco do negócio é definido como o resultado da alavancagem operacional (relação entre as vendas e os lucros antes de juros e imposto de renda).br/professor/alaelson 40 ESTRUTURA DE CAPITAL Uma estrutura de capital adequada é fator decisivo para manter a empresa em situação de liquidez suportável. p. p. A felicidade é Jesus (79) 9972-8886 2006 . p. não é afetado pelas decisões da estrutura de capital. a estruturas de capital menos alavancadas. metas da empresa.CONTABILIDADE GERENCIAL CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO www. Devido às dificuldades enumeradas para se estabelecer uma proporção adequada de estrutura de capital de uma empresa. obrigações. controle.” O custo de capital pode ser calculado através da média ponderada dos passivos e do patrimônio líquido de uma empresa e é admitido como sendo a taxa de retorno que deve ser obtida para que uma empresa não tenha seu valor decrescido. Quanto maior for o risco do negócio.” Segundo Sanvicente (1991. 479) afirma que “o custo de capital é a taxa de retorno que uma empresa precisa obter sobre seus investimentos. Outras considerações podem ser importantes como. Gitman (1987.

a diferença positiva encontrada promove uma elevação mais que proporcional nos resultados líquidos dos proprietários. os recursos de terceiros pordem “propulsionar” maiores lucros em benefício do acionista. alavancando a rentabilidade. Para efeito desse texto o Quociente será assim expresso: A comparação. Em princípio. tivéssemos podido contar com mais recursos dos acionistas. em vez de recursos captados com despesas financeiras. No fundo. Este efeito é denominado “alavancagem” . A felicidade é Jesus (79) 9972-8886 2006 . Resulta da participação de recursos de terceiros na estrutura de capital da empresa. de retorno sobre o Patrimônio Líquido e o que teríamos obtido se. A comparação entre o retorno sobre o patrimônio líquido obtido.nead. admite-se que interessa o endividamento sempre que seu custo for menor que o retorno produzido pela aplicação desses recursos. quantos Reais vão em benefício do Patrimônio Líquido. Em linguagem mais popular.unit. na realidade. quanto vai para o bolso (atual ou potencialmente) dos proprietários para cada Real ganho pela administração nas aplicações em Ativo? Existem várias maneiras de calcular o quociente supra citado e as vantagens são numerosas e complexas suas interpretações. deve ser entre o que obtivemos. indicando se os recursos que estão sendo tomados por empréstimo pela entidade geram um retorno adequado pela sua aplicação no ativo da mesma. os recursos de terceiros têm um efeito importante no retorno para os acionistas.br/professor/alaelson 41 De acordo com o grau e intensidade com que são utilizados. Bem utilizados. e o que teria sido obtido se os valores de empréstimos tivessem sido supridos pelos proprietários. para cada Real ganho no giro do Ativo.“leverage”. rigorosa.CONTABILIDADE GERENCIAL CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO www. na realidade. em inglês. Nessa situação em que o retorno do investimento do capital emprestado excede a seu custo de captação. o que o grau de alavancagem procura mensurar é.

pela menor dependência de tecnologia. podem ser apropriados com relativa precisão. em detrimento dos custos diretos de mão-de-obra.quando você pode medir o que está falando e expressá-lo através de números. • Qualquer das práticas de rateio utilizadas. sofrem da mesma característica. visto que o volume de gastos indiretos apresentava pouca representatividade em relação ao custo total. visando proporcionar às empresas apurações de custos dos seus produtos capazes de propiciar decisões empresariais bem fundamentadas. essas discrepâncias foram menos notadas ainda. distorcer significativamente os custos dos produtos. Ao contrário. mas. normalmente percentagens sobre as vendas. por sua característica. quando você não pode medí-lo e não pode expressá-lo em números. você sabe alguma coisa sobre ele. • As despesas não-fabris (vendas.nead. • No Brasil. muitas vezes significativas. Vivemos longo período em que a presença da especulação financeira distorceu os conceitos de administração. • Para equacionar essas dificuldades. a se perpetuar as metodologias tradicionais aplicadas para rateio e apuração dos custos indiretos. denominada ABC (activity-based costing). ou seja. por sua associação objetiva. • No passado essas discrepâncias eram pouco consideradas.ACTIVITY .br/professor/alaelson 42 MÓDULO 7 .BASED COSTING ALGUMAS CONSIDERAÇÕES QUE IDENTIFICAM O MÉTODO COMO EXPRESSIVO INSTRUMENTO GERENCIAL Segundo LORD KELVIN (1883) “. os custos indiretos. conduz a distorções. dentre outros. seja em função das horas trabalhadas (os rateios mais utilizados).CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES . • Atualmente a dependência cada vez maior de tecnologias avançadas é responsável pela existência de volume substancial de custos indiretos. em virtude de muitos gastos não se relacionarem aos fatores considerados para rateio. o que prejudicará seriamente o processo de tomada de decisão empresarial. As preocupações eram outras e o perseguido lucro tinha como origem operações pouco relacionadas com a atividade produtiva. Por longos anos estes custos foram apropriados a cada produto através de rateios proporcionais. dos volumes fabricados. • Neste panorama.” • Os custos diretos que incidem sobre os produtos. A felicidade é Jesus (79) 9972-8886 2006 . as empresas deixarão definitivamente de reconhecer de forma correta seus custos. vem ganhando espaço uma nova estratégia empresarial de custeio baseado em atividades. não poderão ser distribuídos pelos produtos com precisão. sendo o tema custos relegado a um plano secundário. pois poucos reflexos traziam para a gestão dos negócios. seu conhecimento sobre ele é inadequado e insatisfatório.CONTABILIDADE GERENCIAL CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO www. pelo caráter de subjetividade.unit. do faturamento. também rateadas por critérios subjetivos.. administrativas e financeiras)..

explosão tecnológica • Neste contexto ganha importância a economia de escopo. projeto do produto e utilização dos recursos gerais da atividade produtiva. • Custos deformados invariavelmente expõe as empresas à decisões equivocadas. falhas internas e externas. permite a otimização dos custos. • O sistema de Custeio Baseado em Atividades não é mais um sistema de acumulação de custos para fins contábeis. diante deste quadro. avaliação. com razoável precisão dos custos com a qualidade / má qualidade. o que acaba por tornar as operações mais eficientes e a empresa competitiva a longo prazo. o que somente será possível se estiverem dotadas de estruturas flexíveis e suficientemente ágeis. • Não há mais dúvidas que o processo de globalização da economia exige das empresas cada vez maior grau de competitividade. • Margens de lucro deterioram-se rapidamente. com a finalidade de sustentar sua posição no mercado. como nas atividades comerciais e de serviços. • Outra contribuição relevante do custeio por atividades foi a extensão de sua aplicação para outras funções além da produção.redução do ciclo de vida dos produtos . tem chamado a atenção dos profissionais por sua capacidade de medir o consumo de atividades por produtos em nível de unidades. deverá ser: A felicidade é Jesus (79) 9972-8886 2006 . fato que implica numa complexidade jamais imaginada para as empresas que pretendem continuar sobrevivendo com sucesso neste cenário de competitividade global. • A técnica de análise de valor dos processos.competição entre empresas em nível global . em substituição aos já existentes. agora determinados pelo mercado. sejam fatores preponderantes para definição dos custos. • A resposta das empresas. que possibilitem a mudança no curso das operações. • O custeio baseado em atividades. adicionalmente à economia de escala.CONTABILIDADE GERENCIAL CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO www. os métodos tradicionais de custeio têm suas áreas próprias e específicas de eficácia e são absolutamente insubstituíveis. • O Custeio Baseado em Atividades fundamenta-se no conceito de que as atividades consomem recursos e que produtos consomem atividades. prevenção. fazendo com que os preços. sem prejuízo da continuidade normal do negócio. lotes grandes ou pequenos. Num mercado altamente competitivo os papéis invertem-se. todos esses ocultados pelas práticas tradicionais de custeio. • No passado predominava o conceito do “custo como base de determinação dos preços”. principalmente devido às seguintes causas: . aplicada ao custo das atividades.nead.br/professor/alaelson 43 • O sistema ABC também é importante na determinação dos custos das atividades que compõem os processos de negócios que cortam transversalmente a empresa.unit. permitindo também a determinação. sempre que necessário.proliferação de linhas de produtos e serviços . O conceito é fundamental para uma visualização de como o sistema de operações se desenvolve e o que e como adiciona valor no sistema produtivo. elemento-chave na gestão por atividades.

contínuo aperfeiçoamento da qualidade de produtos e serviços. produção e entrega de produtos e serviços. fazendo negociações salariais que propiciam a redução de custos da mão-de-obra. ampliando as instalações da fábrica para aumentar a escala de produção. as empresas procuram reduzir os custos de seus produtos. .os rateios serem praticados com grande dose de arbitrariedade pessoal de quem os utiliza. . . .unit. . assim como os demais custos da operação (administração. No processo de rateio as distorções vêm sendo sentidas em razão de: . seja de projetos. quando esta se inseria em um ambiente de tecnologias avançadas de produção.br/professor/alaelson 44 .o sistema de Custeio Baseado em Atividades é um método de análise que busca rastrear os gastos de uma empresa para analisar e monitorar as diversas rotas de consumo dos recursos “diretamente identificáveis” com suas atividades mais relevantes. investindo em máquinas e equipamentos de maior produtividade. e destas para os produtos e serviços. através da eliminação dos desperdícios.assumir-se que os custos variam basicamente em função do volume de produção. . • A sistemática de apuração de custos para este modelo de gestão aparentemente sempre deu certo.nead.fomento às inovações.mudança na cultura organizacional. vendas e financeiros) terem apresentado proporcionalmente à mão-de-obra direta uma evolução superior. . pois são elas que supostamente consomem o maior volume de recursos. .compressão do tempo.melhoria no atendimento aos clientes.Começou-se a descobrir que os números contidos nos relatórios financeiros nem sempre representavam adequadamente os esforços que a diversidade de produtos e complexidade de processos requeriam da empresa.redução de custos através do uso eficiente e eficaz dos recursos. .os custos indiretos de fabricação. prejudicando a acurácia dos números relacionados com os custos finais dos produtos. enquanto que o sistema de Custeio Baseado em Atividades baseia-se no rastreamento. Por que razão recentemente vem sofrendo questionamentos? Basicamente pelas seguintes razões: . Esse conceito cria uma imagem fundamental para entendimento do ABC: ATIVIDADES CONSOMEM RECURSOS A felicidade é Jesus (79) 9972-8886 2006 . • O rastreamento dos gastos baseiam-se nas atividades mais importantes de uma empresa. • Na busca da competitividade.CONTABILIDADE GERENCIAL CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO www. sejam internos ou externos.Começou-se a perceber que faltava aos números dos relatórios financeiros uma certa acurácia que permitisse explicar melhor como os recursos da empresa eram consumidos no processo de produção • Os sistemas tradicionais de custeio utilizam-se de rateios.

identificando oportunidades de melhorias . como também gestão de atividades. numa primeira etapa.br/professor/alaelson 45 PRODUTOS / SERVIÇOS CONSOMEM ATIVIDADES O “rastreamento” feito pelo ABC tem o significado de identificar. a análise da rentabilidade de clientes. atender aos princípios de simplicidade. • As formas de rastreamento do consumo de recursos pelas atividades e destas para os produtos devem.registros de tempos . quer no nível das operações (eliminação de desperdícios). numa segunda etapa. de modo a comunicar às pessoas as causas e taxas de consumo de recursos em seus principais processos de negócios. passando a incluir. a maneira como as atividades consomem recursos e.reunião com grupos de pessoas diretamente envolvidas . no desenho do ABC. a análise das atividades mais relevantes requer um detalhamento muito grande que poderá descer até a descrição de cada operação e tarefa. classificar e mensurar. na prática. durante a coleta de dados já se perceberá que terá que lidar com dezenas ou centenas de atividades. contudo.entrevistas • Ao se desenhar o ABC a escolha do nível de atividades é um dos aspectos mais importantes para o sucesso de sua implementação. • O principal papel do ABC é o de espelhar com a maior fidelidade e clareza possíveis as operações de uma empresa.nead. Periodicidade no uso do ABC Poucas empresa usam o ABC para gerar demonstrações contábeis para fins de publicação mensal ou relatórios gerenciais de análises de variações. quer no nível de projetos de produtos.questionários . • O uso do ABC.unit. mercados e canais de distribuição. Aliás.CONTABILIDADE GERENCIAL CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO www. • Coleta de informações para análise das atividades: . o grande desafio será sempre o da escolha dos vetores ou direcionadores de custos.observação . A felicidade é Jesus (79) 9972-8886 2006 . a relação de causa e efeito e a eficiência e eficácia com que os recursos são consumidos nas atividades mais relevantes de uma empresa constituem o objetivo da análise estratégica de custos do ABC. visibilidade e comunicabilidade. como os produtos consomem as atividades de uma empresa. • No nível de processos do modelo ABC. permitirá que o mesmo seja cada vez mais ampliado. • A quantidade. a fim de que todas as facetas do trabalho possam ser conhecidas e analisadas. por exemplo. porque só assim se chegará à conclusão de como se poderá eliminar ou minimizar as atividades que não adicionam valor aos produtos e aos clientes.

aumenta à medida que o mix de atividades. b) segregar os custos entre aqueles que são consumidos pelas atividades destinadas à produção de produtos. econômicos e financeiros. e i) escolher o número de cost drivers com base nos critérios já discutidos. em função da maior competitividade no mercado global. desde que sob condições normais de negócios e operações de produção. mensurações de tempo e de custos.br/professor/alaelson 46 A maioria delas usa o ABC trimestral. Esta análise deverá ser feita sob duas dimensões: potencial informativo e propensão ao uso do ABC. mas nunca isoladamente qualquer deles. para o que os gerentes usam um conjunto de métricas que incluem e combinam indicadores de qualidade. f) identificar os cost drivers (vetores de custos) relativos ao consumo de recursos pelas atividades. c) separar os departamentos das áreas de suporte por suas principais funções. são sugeridas as seguintes etapas: a) verificar com o controller as contas que compõem os itens classificáveis como custos indiretos de fabricação (CIF) e seus respectivos valores. se possível no nível de cada departamento. Etapas sugeridas para o desenho do ABC: Para se desenhar o ABC. A questão da periodicidade no uso do ABC está associada diretamente com a avaliação de desempenho das atividades.unit.nead. e) identificar os centros de atividades que deverão ser contemplados no desenho. A freqüência no uso do ABC. h) identificar os níveis das atividades. Antes de decidir implementá-lo. Estratégia de implementação do ABC A implementação do ABC está fortemente associada ao convencimento de que ele será um agente eficaz de mudanças da empresa.CONTABILIDADE GERENCIAL CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO www. é preciso analisar se o ABC é efetivamente adequado às necessidades da empresa. tornando-o mais ágil e proativa em face da nova visão de negócios que se impõe. embora sem o caráter de exclusividade. sendo que estas deverão ter um custo significativo e serem direcionadas por diferentes atividades. diante da pressão gerada pela competitividade global. em termos operacionais. daquelas destinadas ao atendimento de clientes. A felicidade é Jesus (79) 9972-8886 2006 . sua natureza e conteúdo passam a mudar rapidamente. entretanto. segregandoos pela característica de apresentarem homogeneidade de processos. semestral ou anualmente para custear os produtos ou introduzir aperfeiçoamentos em produtos e processos. g) identificar os cost drivers relativos à apropriação de atividades aos produtos e aos serviços prestados aos clientes. d) separar os custos dos departamentos transformando-os em centros de custos por funções. como vem acontecendo mais recentemente.

Com a utilização do sistema de Custeio Baseado em Atividades. uma vez que agora a empresa passa a trabalhar com custos próximos de seu verdadeiro valor. apresentando pois a transparência necessária para eventuais análises de valor de cada processo. historicamente praticados. O sistema de Custeio Baseado em Atividades distribui os custos para as atividades com base em um conjunto de direcionadores e. O sistema fornece uma visão clara dos custos e os problemas relevantes podem ser tratados prioritariamente. etc. cujo objetivo é otimizar custos e despesas. No dia-a-dia da empresa. os não fabris (Vendas. custos fixos. GERAL: O SISTEMA DE CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES. benefícios. podemos priorizar os esforços e fornecer uma nova forma de avaliação de desempenho da empresa.CONTABILIDADE GERENCIAL CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO www. ABC é uma forma de se medir os custos das atividades que compõem processos e subprocessos que cortam transversalmente vários departamentos e órgãos funcionais. ABC (Activity – Based Costing). É atualmente a técnica que permite a forma mais correta de se determinarem os custos indiretos que incidem nos produtos e serviços. Gerais e Administração). • • • • • A felicidade é Jesus (79) 9972-8886 2006 . depois de apurados os custos das atividades.. onde mudanças devem ser estimuladas. custos dos processos fundamentais e custos das atividades que não agregam valor. por seu turno.nead. Isso permite aos empresários e administradores uma maior segurança no que tange à estratégia a ser adotada para a otimização de seus diversos produtos. tem como principal missão atribuir corretamente aos produtos ou serviços os custos fabris e. e que certamente conduzem a distorções que prejudicam o processo de tomada de decisão empresarial. na estrutura. O custeio ABC. permitindo a identificação do balanço da qualidade e da produtividade e determinar o custo meta da empresa.br/professor/alaelson 47 DEPOIMENTOS SOBRE O SISTEMA DE CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES DA PARTE DE PROFISSIONAIS QUE PARTICIPARAM DE ESTUDOS E IMPLANTAÇÕES EM EMPRESAS. capta essas despesas por atividades e as compõe por processos/subprocessos. principalmente. pois o sistema aponta. em detrimento a processos simplistas de custeio.unit. o sistema tradicional de custos costuma reportar para cada departamento despesas como salários. dificultando sobremodo as eventuais análises do impacto de determinadas despesas nas atividades realizadas na respectiva função departamental. A seguir algumas observações e conclusões decorrentes de estudos e trabalhos realizados: • Dentre os sistemas aplicados. é necessário submeter o sistema a uma segunda bateria de direcionadores para distribuir os custos das atividades pelos produtos. é o que melhor atende às necessidades gerenciais de identificar: performance das atividades. suprimentos. como também o gerenciamento baseado em atividades. Essas atividades custeadas de forma horizontal permitem não só a determinação de custos próximos de seu verdadeiro valor.

Custos Fixos. eleva-se para atingir outro patamar em que ficará por mais algum tempo. margem de contribuição A felicidade é Jesus (79) 9972-8886 2006 . Semivariáveis e Semifixos. na melhor das hipóteses. a validade das definições de Custos Variáveis. Por exemplo. pois. ponto de equilíbrio 5. volume 11. 7 5 11 9 4 13 2 12 3 6 8 10 1 1. Solução: Custos e Despesas Variáveis: são os que variam na mesma proporção das variações ocorridas no volume de produção ou outra medida de atividade. função receita 2. existem categorias intermediárias entre variáveis e fixos. apenas didática e de ordem prático-simplificadora. Entretanto. função custo variável 13. por aproximados e sofríveis que possam ser. Semivariáveis e Semifixos: de acordo com alguns autores. abruptamente. área de prejuízo 7. Questão 2 Dê a denominação correspondente a cada número. em face das variações de volume.unit. área de lucro 6. nível de custo fixo 4. quantidade 9. possuem uma pequena parte fixa a partir da qual seu comportamento passa a ser variável.nead. Para operacionalizar as relações Custo/Volume/Lucro essas definições são vitais. o comportamento dos itens de custo é o mais variado possível.br/professor/alaelson 48 CUSTOS PARA DECISÃO – EXERCÍCIOS RESOLVIDOS Questão 1 Na verdade. intervalo relevante 8. Fixos. Já os custos semifixos mantém-se fixos dentro de certos intervalos de atividade e. os conceitos contábeis têm uma utilidade extraordinária na prática. Custos Semivariáveis e Custos Semifixos é.CONTABILIDADE GERENCIAL CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO www. dentro de certos limites. até dar um novo salto. Comente as definições de Custos Variáveis. função custo 3. nem sempre guarda relações de proporcionalidade direta com as flutuações de volume. custo/receita 10. independentemente das variações da atividade ou das vendas. no gráfico seguinte. custo/receita 12. Mão-de-obra Direta. tida como Custo Variável. Custos e Despesas Fixos: teoricamente definidos como os que se mantém inalterados. Os custos semivariáveis se aproximam mais dos custos variáveis do que dos fixos. na realidade.

Quantidade a ser vendida para um lucro de $ 15. a. Calcule o novo Ponto de Equilíbrio e.000 x 0. Se houver um acréscimo de 30% nos Custos Fixos. Calcule o Ponto de Equilíbrio em unidades. qual será o acréscimo no Ponto de Equilíbrio (sem considerar o acréscimo no Custo Fixo)? f.700 $ 266.000 = 1. unitariamente. Desequilibrada A Cia.000 (-) $ 5. Ponto de Equilíbrio em R$: $ 266.000.000.000 70% b.000: $ 15. Ponto de Equilíbrio em unidades: pv = $ 19.000. Ponto de Equilíbrio com acréscimo de 30% nos custos fixos: $ 266.000 (-) $ 5. c.700 = 20 un c.br/professor/alaelson 49 Questão 3 Cia.000 e que os Custos Variáveis passem a representar 50% em relação às vendas. Desequilibrada apresenta os seguintes dados fornecidos pelo seu Departamento de Custo: Custos Fixos Custos Variáveis 266.700 A felicidade é Jesus (79) 9972-8886 2006 . Após a obtenção dos percentuais de acréscimo nos novos Pontos de Equilíbrio.000 $ 19.30 = $ 5.unit. Se houver um acréscimo de 30% nos Custos Variáveis.000 = $ 380. para que o preço de venda seja R$ 19.nead.000 + $ 266.000. Calcule o Ponto de Equilíbrio da empresa. suponha um acréscimo de 30% e de 70% nos Custos Variáveis.000 cv = $ 19. Quanto deverá vender a empresa se deseja Ter um lucro de R$ 15.000.000.700 d.000.30 = 26 un $ 19. 30% em relação às vendas. Se houver um acréscimo de 70% nos Custos Variáveis. que os Custos Fixos permaneçam em R$ 266. compare com os itens (e) e (f) e formule uma conclusão em relação aos acréscimos nos Custos Variáveis.000 (-) $ 5.CONTABILIDADE GERENCIAL CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO www. qual será o acréscimo no Ponto de Equilíbrio (sem considerar os acréscimos nos itens (d) e (e))? g.000 x 1. agora. em reais.000? d. b. Suponha. Solução: a. qual será o acréscimo no Ponto de Equilíbrio? Qual é a conclusão que podemos tirar em relação a acréscimos nos Custos Fixos? e. em seguida.148 un $ 19.

000 x 0.70) Aumentando os custos variáveis em 70%. e. Novo Ponto de Equilíbrio com acréscimo de 70% nos custos variáveis: $ 266.br/professor/alaelson 50 Aumentando os custos fixos em 30% estaremos também aumentando o ponto de equilíbrio em 30%.000 (-) ($ 9.000 (-) ($ 5.700 x 1.nead.70) = 93 un Aumentando os custos variáveis em 70% o novo ponto de equilíbrio aumenta em 232%.30) Aumentando os custos variáveis em 30% teremos um aumento de 15% no ponto de equilíbrio.30) Aumentando os custos variáveis em 30% o novo ponto de equilíbrio aumenta em 43%.500 $ 266.000 cv = $ 19.000 (-) ($ 5. 43% e 232%.CONTABILIDADE GERENCIAL CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO www.unit.2.1. Conclusão: Podemos observar que com um aumento nos custos variáveis em 30% e 70% o ponto de equilíbrio se eleva em 15% e 45%.3. teremos um aumento de 45% no ponto de equilíbrio. respectivamente. Já quando aumentamos os custos variáveis em 50% do preço de venda elevamos o ponto de equilíbrio em 40% e.000 (-) ($ 9. Novo Ponto de Equilíbrio com acréscimo de 30% nos custos variáveis: $ 266.000 $ 19.4. respectivamente. Ponto de Equilíbrio com acréscimo de 30% nos custos variáveis: $ 266. g.500 x 1. Ponto de Equilíbrio com acréscimo de 70% nos custos variáveis: $ 266.000 (-) $ 9. podemos dizer que o ponto de equilíbrio aumenta na mesma proporção que os custos fixos.000 = 29 un $ 19.700 x 1. g. Novo Ponto de Equilíbrio: cf = $ 266. g. g.000 = 40un $ 19. comparando os novos aumentos no novo ponto de equilíbrio em 30% e 70% temos um aumento bastante elevado nos pontos de equilíbrio de.50 = $ 9.500 g. A felicidade é Jesus (79) 9972-8886 2006 .500 x 1. f.000 = 23 un $ 19.000 = 28 un $ 19.

atingir o mesmo Ponto de Equilíbrio. Fulgor porque os custos da primeira cia. Após passado o ponto de equilíbrio a Cia. c. Engarrafada Demonstração do Resultado do Exercício em 31-12-X8 por produto: A felicidade é Jesus (79) 9972-8886 2006 . b. os prejuízos serão os mesmos para ambas as empresas? Comente. Até atingir o ponto de equilíbrio os prejuízos serão diferentes para as duas empresas. Cia.br/professor/alaelson 51 Questão 4 Empresas Irmãs A Cia. Percebemos que esta área na Cia. Após superar o Ponto de Equilíbrio. Quais são os efeitos da participação de Custos Fixos e Variáveis na Alavancagem Operacional? Solução: a. conseguem. Ramalhete e sua subsidiária. Fulgor devido a seus custos crescerem em proporção menor que desta última. Ramalhete é maior que na Cia.nead. desde que o aumento nos custos fixos represente uma diminuição nos custos variáveis da empresa. Fulgor. após muitos esforços. Antes de atingir o Ponto de Equilíbrio. Não se elevam tanto quanto os da segunda cia. Fulgor Receita 9 Área de Prejuízo Área de Prejuízo Pergunta-se: a. Fulgor uma vez que os seus custos se iniciaram mais elevados que na Cia. pois observando a área de prejuízo destas Cias. Ramalhete tem maiores efeitos de alavancagem pelos acréscimos nas vendas que a Cia. d. a situação será a mesma para ambas as empresas? c. Qual a empresa terá efeitos maiores de alavancagem pelos acréscimos nas vendas? d. Ramalhete Receita Área de Lucro Custo R$ R$ Área de Lucro Custo Cia. Cia. Ramalhete terá receita maior que a Cia. Sob o ponto de vista da Alavancagem Operacional quanto maior forem os custos fixos em relação aos custos variáveis maior será a alavancagem operacional. Fulgor.CONTABILIDADE GERENCIAL CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO www. A Cia. conforme mostra o gráfico a seguir. Questão 5 Cia.unit. b.

000 1.220.000.000 220.000 2006 (79) 9972-8886 .000 150. segundo o Custeio por Absorção e pelo Custeio Direto.000.000 400.500 PREÇO UNITÁRIO 1.CONTABILIDADE GERENCIAL CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO www.000 ( .000 1.000 220.00 500.000 980.) Custos Fixos ( = ) Lucro Líquido Ranking dos produtos pelo Custeio Variável: 1º produto: água 2º produto: aguardente 3º produto: cerveja 4º produto: guaraná Questão 6 Cia.000 550.00 RECEITA 1.000 300.000 43.000 900.000 CUSTOS VARIÁVEIS 500.000 450.000 980. Custeio por Absorção: Ranking dos produtos pelo Custeio por Absorção: 1º produto: cerveja 2º produto: aguardente 3º produto: guaraná 4º produto: água b.br/professor/alaelson 52 CUSTO PRODUTO Cerveja Guaraná Aguardente Água TOTAL RECEITA 968.000 28.500 12.000.000 12.000 1.000 TOTAL 700.000 30. Fumo Quente A “Cia. Custeio Variável: Produto Cerveja Guaraná Aguardente Água Receita 968.000 250.000 580.220.000 748.000 230.nead.000 50.000 450.000 LUCRO 268.000 450.000.000 2.00 1.000 400.000 100.200.000 350.000 1.000 15.000 2.000 30.948.000 Custos Variáveis 500.000 Margem de Contribuição 468.000 748.000 1.500. Solução: a. Fumo Quente” apresenta a sua Demonstração do Resultado do Exercício em 31-12-Y8.000 50.500.000.728.000 530.000 180.unit.000 CUSTOS FIXOS RATEADOS 200. por produto como segue: PRODUTO Cigarro Morte Certa Cigarro Ilusão Cigarro Longa Vida TOTAL A felicidade é Jesus PACOTES 1.000.948.000 2.000 Faça uma listagem dos produtos em ordem decrescente de desempenho.000 580.

00 0 15. Se simplesmente deixássemos de vender cigarro Morte Certa (que oferece menor margem de contribuição). de “qual produto cortar”. 4.000.999. Apurar o Resultado do Exercício. Por que a solução dada pelo Custeamento Direto puro é melhor do que a fornecida pelo Custeamento por Absorção puro? h.nead. 2.375.00 0 28. Calcule qual é o melhor mix por meio da margem de contribuição por fator limitativo de capacidade. Custeamento Direto: A felicidade é Jesus (79) 9972-8886 2006 .125.CONTABILIDADE GERENCIAL CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO www.br/professor/alaelson 53 ( .500.125.000 14.000 3.188 3. d.400 10. Solução: a. por produto.500 horas de mão-de-obra direta por ano. As quantidades máximas que o mercado absorveria de cada produto são: Morte Certa 1.) Custo Variável ( .000. b. pelo método do Custeamento Direto. teríamos condições? e. Como poderemos estar certos de que tenhamos escolhido o melhor mix.188 9.999.250. pelo método do Custeamento por Absorção. O Custo Fixo é alocado ao produto na base de pacotes de cigarros produzidos.000 6.412 7.588 600 Custos Variáveis 750.500. uma vez que se produz um pacote por hora e é possível trabalhar 43.000.400 Lucro 374.000 25.000 12. a empresa trabalhou com capacidade máxima). Custeamento por Absorção: Produto Morte Certa Ilusão Longa Vida Total Receita 1.000 10.812 2.000. A capacidade máxima de produção da empresa é de 43. Se quiséssemos tomar uma decisão.000 pacotes 5.412 14.000 pacotes Longa Vida 35. 3. seria interessante para a companhia? g. A quantidade vendida é a produzida no período.000 7.000. ou a melhor combinação de produtos? i.) Custo Fixo LUCRO Dados adicionais: 14. Se simplesmente deixássemos de vender o cigarro Longa Vida (que dá o menor lucro pelo Custeamento por Absorção). c. Indique o ranking dos produtos pelo Custeamento por Absorção e pelo Custeamento Direto.00 0 Custo Total 1. O Custo Variável significa 50% sobre o preço de venda por produto.000 1.unit. qual seria o lucro? Interessante esta alternativa? f.250.375. Pede-se: a. Apurar o Resultado do Exercício.000 3.499. por produto.000 b.875.500 pacotes de cigarros (portanto.500. neste momento.500 pacotes Ilusão 20.875.000 Custos Fixos Rateados 375.

i.000 e.000 Se deixássemos de vender o produto morte certa o lucro diminuiria em $ 750.000 7.000 14.625. seria um valor inferior à margem de contribuição do produto morte certa.875.000. e. Margem de Contribuição de Ilusão Margem de Contribuição de Longa Vida ( .000.000.000 7. Produto Margem de Contribuição Margem de Contribuição Unitária por Hora Morte Certa 500 500 Ilusão 500 500 Longa Vida 250 250 Ranking: A felicidade é Jesus (79) 9972-8886 2006 .000 3.000 10.br/professor/alaelson 54 Produto Morte Certa Ilusão Longa Vida Receita 1.) Custos Fixos ( = ) Lucro Líquido 6.500. Ranking: • Custeamento por Absorção: 1º produto: ilusão 2º produto: morte certa 3º produto: longa vida • Custeamento Direto: 1º produto: longa vida 2º produto: ilusão 3º produto: morte certa d.unit. Neste momento a melhor alternativa seria calcularmos também a margem de contribuição por fator limitativo de capacidade que sempre indica a melhor alternativa de produto a ser cortado. A solução dada pelo custeamento direto puro é melhor do que a fornecida pelo custeamento por absorção puro.000 Margem de Contribuição 750.000 10. f.000 13.375.000 28.500.250.000 12. pelo fato de que enquanto um produto tiver uma margem de contribuição positiva vale a pena continuarmos oferecendo o produto. Não seria interessante porque pelo custeamento direto o produto Longa Vida é o que possui maior margem de contribuição.000 7.000 14.500.500.000.000 c. por mais que os custos fixos também diminuíssem.nead.000 15. Para podermos estar certos de que escolhemos o melhor mix temos que usar o conceito de margem de contribuição total ou unitária em conjunto com o fator limitativo de capacidade.500. h.000 ( .) Custos Fixos ( = ) Lucro Líquido Custos Variáveis 750.CONTABILIDADE GERENCIAL CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO www.000.000 6. g.000 6.250.000 2.500.875.

O custeio variável apura um lucro que acompanha as vendas o que não ocorre no custeio variável. pode contra-argumentar o presidente da Cia. pois que nos levam a alocar a limitada capacidade que possuímos em relação aos produtos efetivamente mais lucrativos”.unit. pois auxilia o processo de tomada de decisão uma vez que se baseia na margem de contribuição de cada produto.” Em seguida.” Esta afirmação está totalmente errada porque o elemento crítico na decisão de qual produto cortar é a margem de contribuição por fator limitativo de capacidade e não a margem de contribuição unitária. Utiliza em nossa contabilidade o Custeio Variável? Você. o presidente da Cia. como um “bom defensor” da Contabilidade Gerencial em nossos dias. por que o Sr. Questão 9 Empresa Descomplicada A felicidade é Jesus (79) 9972-8886 2006 . resultando este rateio em alocações arbitrárias e até enganosas. Porém.CONTABILIDADE GERENCIAL CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO www. não é propriamente a simples Margem de Contribuição Total e. a Margem de Contribuição por Fator Limitativo de Capacidade. dentro das limitações de nossa capacidade instalada.Ora. Pesquisadora relaciona as seguintes premissas sobre o Custeio por Absorção. menos ainda. não tem sentido alocar tais custos à produção. independendo os custos fixos do volume de produção. a premissa é que. “O Custeio por Absorção é o método derivado da aplicação dos princípios de Contabilidade geralmente aceitos. não é aceito pela Auditoria Independente e pelo Imposto de Renda porque fere aos princípios contábeis da competência e da confrontação. Indique qual é e comente-a. se todos os fatores contribuem para a prática do Custeio por Absorção. a Margem de Contribuição por Fator Limitativo de Capacidade.nead.” “O Imposto de Renda costumeiramente o admite no Brasil. Questão 8 A Decisão “Verificamos que o elemento crítico na decisão de qual produto cortar é a Margem de Contribuição Unitária. Esta constatação permite que adotemos. Neste caso. o presidente convoca o seu contador gerencial e indaga: . Pesquisadora? No custeio variável ou direto apropriam-se ao produto todos os custos variáveis e os custos fixos são tratados como despesa ou custo do período. Tal custeio é utilizado para fins gerenciais.br/professor/alaelson 55 1º produto: 2º produto: Questão 7 morte certa e ilusão longa vida Cia. menos ainda. “Verificamos que o elemento crítico na decisão de qual produto cortar é a Margem de Contribuição Unitária. Pesquisadora Após a consulta de um livro de um famoso autor nacional na área contábil. não é propriamente a simples Margem de Contribuição Total e. não sendo alocados aos produtos. decisões que maximizam os lucros. Nesse texto há uma afirmação totalmente errada.” “A Auditoria Independente (externa) no Brasil o tem como básico.

” O contador de custo recorda-se que ele mesmo sugeriu uma forma de alocar aos produtos pelo menos uma parte dos custos fixos de fabricação.br/professor/alaelson 56 Após incessantes debates sobre as vantagens do Custeamento Variável. A Margem de Contribuição Unitária indica que devem ser vendidas tantas unidades do produto quantas forem necessárias para através da margem ganha em cada uma delas. O Ponto de Equilíbrio Econômico considera o lucro mínimo desejado. Deseja que o Departamento de Custo traga para a nossa próxima reunião os conceitos de Custeamento Direto Puro e da fórmula intermediária.nead. “Quando se calcula o ponto de equilíbrio. ou custo de período. 7. nem o Custeamento por Absorção. pis pode ser calculada através da fórmula: Receitas ( . Na fórmula intermediária podemos atribuir aos departamentos (e à produção) certos tipos de custos fixos perfeitamente identificados com e no departamento e deixar os demais como custo de período. Sua fórmula é : PEE = Custos e despesas fixos + lucro mínimo desejado Margem de contribuição unitária 6. o qual não entra no cálculo dos outros pontos de equilíbrio. um meio-termo entre os dois métodos de custeamento. pois as despesas fixas só interessam para o cálculo da Demonstração do Resultado do Exercício. ou seja. agora.” Para o cálculo do ponto de equilíbrio deve-se considerar tanto os custos como as despesas fixas e não apenas os custos fixos. O Ponto de Equilíbrio indica o ponto em que contabilmente não haveria nem lucro nem prejuízo. a apresentar um quadro conceitual desse método intermediário. A – Questões 1.unit. 5. pois a produção é igual à venda. Vamos ajudá-lo. No Custeamento Direto (Puro): apropriam-se ao produto todos os custos variáveis e somente os variáveis. o diretorpresidente da Empresa Descomplicada envia um bilhete ao contador de custo: “A partir do próximo ano não deveremos adotar nem Custeamento Variável (Direto) Puro. 4. O Custeio por Absorção apropria todos os custos de produção (fixos e variáveis) ao produto enquanto que o Custeio Variável apropria ao produto apenas os custos variáveis. de forma objetiva. A Margem de Contribuição representa o valor que ajudará a pagar os custos fixos. A felicidade é Jesus (79) 9972-8886 2006 . para que todos os demais diretores compreendam bem o nosso novo método. mas uma fórmula mista. não sendo alocados ao produto. cobrir os custos fixos e. 3.CONTABILIDADE GERENCIAL CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO www. considera-se apenas os custos fixos. Os custos fixos são tratados como despesa. A reta de custo fixos parte de certa altura no gráfico do ponto de equilíbrio porque os custo fixos independem do nível de atividade.) Custos Variáveis 2. atingir o ponto de equilíbrio.

000 x 30% (aumento) = $ 5. O Caso do Sr. A felicidade é Jesus (79) 9972-8886 2006 .000 Receita ( . devemos produzir 245 unidades.920. Exercícios 1.200 Receita = pv x q = $ 500 x 100l = $ 50.000 = $ 10.200 (30. se o Sr.000 = $ 9. pois interessa para a empresa produzir e vender o produto com o qual ela tenha maior lucro e é isso que o fator limitativo de capacidade fornece.$ 31.920. Neste caso.000) 12.800 $ 46. Equilíbrio PEC = CF Mcu = $ 10.800 $ 46.800 PEF = CF – Exaustão = $ 10.008. Podemos dizer que alguns custos fixos podem ser perfeitamente identificáveis com e no departamento como.000) 21.000 .4% para mantermos o mesmo lucro. Equilíbrio produzir apenas 234 unidades teremos que as suas vendas são iguais aos seus custos totais.000 24% 51.000 40% (8.000 = 212u Mcu $ 46. Empresa Beta aluguel = 50% x $ 8.912. A Margem de Contribuição por Fator Limitativo de Capacidade indica qual o melhor produto.) Custos Variáveis = Margem de Contribuição ( . depreciação de máquinas usado no departamento. porém quando calculamos o resultado contábil este não inclui o custo de oportunidade significando que a empresa está perdendo o juro do capital investido. 2. para considerá-lo.br/professor/alaelson 57 8.000 $ 46.unit.000) 20. os demais custos serão tratados como custo do período.000 Custos Variáveis = $ 300 x 100l = $ 30.nead. Caso tivesse que decidir qual produto cortar da linha de produção de determinada empresa o ideal seria utilizar o método de custeio direto porque calculando a margem de contribuição esta nos mostra qual produto contribuir mais para pagar os custos fixos.CONTABILIDADE GERENCIAL CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO www.$ 1.000 + $ 546. 10.000 (30.000 = 245u Mcu $ 46.200) 12.000 Considerando que os custos variáveis não aumentaram devemos aumentar o preço de venda em 2.000 = $ 11.920.000 = $ 4.000 = 234u $ 78.800 PEE = CF + Lucro desejado = $ 10. mas não consideramos o custo do capital e.920.000 . 9.200 (9. por exemplo.) Custos Fixos = Lucro Líquido 50.800 Através do cálculo do ponto de equilíbrio contábil sabemos quantas unidades do produto devemos fabricar para que as vendas se igualem aos custos totais.466.

Margem de Contribuição.512. 02) Que sistema de custeio. d) padrão.348. 3.000 $ 4. c) absorção.) Custos Fixos ( . para calcularmos o ponto de equilíbrio financeiro.000) $ 1. b) recuperar custos indiretos e formar o lucro.200.100 $ 255.000) $ 347. A felicidade é Jesus (79) 9972-8886 2006 .550 Margem de Contribuição ($ 660. que não representam desembolso de caixa.257.860. por exemplo. temos que deduzir itens como.636. na fabricação de cada produto. Na empresa do Sr. pois sua margem de contribuição é negativa e devemos incentivar as vendas do produto B que é o que possui a maior margem de contribuição. Industrial Tudo Bem-Feito Produto A B C ( .000 $5. d) fixar preço de venda.) Lucro Líquido Receita $ 4.250 Com base no Sistema de Custeio Direto devemos cortar o produto A. e) Total.150 $ 882. que exclui os custos que não representam desembolso de caixa. por exemplo. sendo que só este produto paga todos os custos fixos.800 Custos Variáveis $ 4. Margem de Segurança) 01) margem de contribuição é a ferramenta utilizada para: a) recuperar o lucro.br/professor/alaelson 58 Temos ainda que estes resultados não coincidem ainda com o resultado financeiro uma vez que incluímos nos custos fixos itens como depreciação de máquinas.300 $ 6.349. mas estará com prejuízo contábil e não conseguirá recuperar a parcela “consumida” do seu Ativo Imobilizado e estará perdendo os juros do capital investido. quando integrado. b) ABC.598 . Equilíbrio esse valor é de 212 unidades que significa que a empresa tem equilíbrio financeiro. b) área ocupada. 03) Quando as máquinas utilizadas na produção têm diferentes potências e são aplicadas. a depreciação.250 $ 15. cada uma. Então. c) valor de aquisição das máquinas.466.400 $ 16. e) determinar o custo de produção.287.CONTABILIDADE GERENCIAL CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO www.Regulamento do IR? a) variável. a melhor base para rateio do custo variável e indireto de energia elétrica é: a) potência das máquinas. d) número de unidades produzidas.nead. Métodos de Custeio (absorção e direto. pode atender ao DL 1. c) recuperar custos diretos e custos indiretos. Ponto de Equilíbrio.unit.250 ($ 535.400 $ 6.

e) receita mínima. c) volume de vendas. fazendo com que as exigências em relação aos sistemas de custeio sejam complexas. por exemplo. somente os custos variáveis são considerados na avaliação dos estoques em processo e acabados. c) custos máximos. produzir internamente ou terceirizar e adotar políticas de preços em função da relação custo-volume-lucro. d) O custo-padrão também é utilizado por inúmeras empresas para avaliação da produção e dos estoques. 05) Qual a modalidade utilizada para distribuição dos custos indiretos aos produtos e serviços.br/professor/alaelson 59 e) energia elétrica consumida. quando utilizado o sistema de custeio por absorção? a) indutores de custos. já que o custo dos produtos vendidos ou dos serviços prestados é elemento essencial da demonstração do resultado. sendo os custos fixos lançados diretamente nos resultados dos períodos em que ocorrerem. mas não é um bom instrumento para fins gerenciais. sem dúvida. e) O custo-padrão também é utilizado por inúmeras empresas para avaliação da margem de segurança e do ponto de equilíbrio. b) volume de matérias-primas. por permitir melhor análise do desempenho empresarial e auxiliar a administração em inúmeras decisões. Por outro lado. escolha a alternativa correta: a) Há inúmeros sistemas de custos e critérios de avaliação da produção e dos estoques.unit. têm necessidades gerenciais a serem supridas. o que apresenta o maior mérito na área gerencial. No exercício encerrado em 31 de dezembro de 2001. b) equilíbrio.CONTABILIDADE GERENCIAL CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO www. especialmente as de médio e grande porte. b) No sistema de custeio direto. 04) O ponto de interseção das retas de custo total e de receita total é denominado ponto de: a) receita máxima. c) O sistema de custeio por absorção é. d) custos mínimos. empresas.nead. o método de custeio real por absorção é o indicado. como. além da avaliação dos estoques. Considerando as necessidades de informações das empresas. d) taxas de despesas administrativas. é necessária a adoção de um sistema de custeio para atender às necessidades de preparação das demonstrações contábeis. QUESTÕES 01 . dentro dos Princípios Fundamentais de Contabilidade. apresentou os seguintes valores em sua demonstração de resultados: Companhia Santa Helena S/A Exercício encerrado em 31 de dezembro de 2001 (em reais) A felicidade é Jesus (79) 9972-8886 2006 . e) volume de custos. 06) Com relação ao custo de produção.A Companhia Santa Helena S/A é uma empresa líder no setor de produtos de cerâmica. mas não é um bom instrumento para fins gerenciais. sendo que.

..000....00 360..000 unidades durante o ano. 1.00 () CPV.. (valor: 7.... uma Receita com Vendas no montante de R$ 1........ respectivamente: a) b) c) d) Uma redução de R$ 90.000.640.000.600....unit.nead...00 cada.....000.33..000.... (valor: 3..000 unidades x R$ 20.800. para uma empresa do exterior...00. recebeu uma proposta para vender 15.. Sabendo-se que o custo variável unitário é de R$88.....00.00 e as despesas fixas de vendas e administração representam R$ 1...00 . R$ 48.CONTABILIDADE GERENCIAL CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO www..00 4 . 12.00 (80.. o Gerente de Contabilidade da Companhia Santa Helena não apoiou o fechamento do negócio por entender que o preço do pedido não era suficiente para cobrir os custos de produção... R$ .....000.00 270.000.120.........000. 2..650.00 Um aumento de R$ 70.628..Uma empresa vende 40 unidades de produtos.000...00 e um aumento de R$ 70... R$ ....00 (85..000.....00 a unidade).... R$ . Todavia.000...000 unidades ao preço de R$123...508.00 e um Custo Fixo de Fabricação de R$ 320.0 pontos) b) explique a abordagem mais adequada para subsidiar questões dessa natureza.. os custos e despesas variáveis unitários de R$ 3......000....000...000....530.00 Resultado Operacional.00.... 16. Vendas e Admin. abaixo de sua capacidade total...00 e os custos e despesas fixas mensais totais de R$ 36.... A Margem de Contribuição pelo Custeio Direto e o Resultado Bruto pelo Custeio por Absorção no semestre são........ ...........000.000.br/professor/alaelson 60 Vendas. uma Despesa Variável de Vendas de R$ 135.. Em meados do segundo semestre.000.000.... a) analise os motivos que levaram o Gerente a não concordar com a proposta....000.00 324.. A empresa havia produzido e vendido 83.600.... que é de 100....0 pontos) 02 ..o primeiro semestre de 2002 as vendas orçadas de uma determinada empresa foram de R$ 1.000.. no primeiro semestre de 2002....00 e uma redução de R$ 90.00 ()Desp...00 Os custos fixos de fabricação da empresa correspondem a R$5.000...00 a unidade).00.. O Ponto de Equilíbrio em unidades e o Resultado Operacional Líquido das operações normais na empresa são. 3........000.229. respectivamente: a) b ) c) d ) 3 4 unidades 4 unidades 30 unidades 30 unidades .00 Um aumento de R$ 160.......00....00 e um aumento de R$ 90.00 Uma redução de R$ 70..... porém. O preço unitário de venda é de R$ 12.. neste mesmo período.....00....00 e uma redução de R$ 160..00 Resultado Bruto........ e a despesa variável unitária é de R$10..308..73..000.000..000......000 unidades..ma empresa obteve...000 unidades x R$ 18..000. A diferença entre as vendas reais e as vendas orçadas devido ao fator quantidade e aos valores das vendas totais são..268.. um Custo Variável de Fabricação de R$ 720. as vendas efetivas totalizaram R$ 1. respectivamente: (79) 9972-8886 2006 A felicidade é Jesus .

500 unidades e um estoque desejado no final do ano de 49.280.500 unidades 3.Uma indústria produz e vende apenas dois tipos de lancheira.00 por mês.000.000. apresenta uma contribuição unitária de R$ 30.500 unidades 528.00 610.00 80.000.00.00 . de R$ 50.00 795.000 unidades.000. indicada no orçamento de produção.00 475.000 unidades.000.00 Com base nesses dados.000 unidades a) b) c) d) 06 . Diante destes fatos o Ponto de Equilíbrio Econômico esperado é de: a) b) c) d) 2.000. a) b) c) d) 5 unidades 40 unidades 5 unidades 40 unidades e e e e R$ R$ R$ R$ 640.00 640.00 1.A.500 unidades 461. em unidades e .00 e a do tipo nacional. indique respectivamente: .00 num empreendimento novo e deseja um lucro correspondente a 6% ao mês.667 unidades 8.000.00 16. .000. em unidades.280. Os custos A felicidade é Jesus (79) 9972-8886 2006 .00 Uma empresa apresenta seu orçamento de produção estimado para 2003.00 610.00.000.500 unidades 544. Os dados projetados são os seguintes: Preço de Venda unitário R$ 7.000.00 795.00 80. produz e vende 40 unidades mensais de um determinado produto. um estoque estimado no início do ano de 82.00 640.000.Uma empresa investiu R$ 150.000.o ponto de equilíbrio.nead.A Empresa Tauru’s S.o valor da receita necessária para se obter um lucro líquido de 10% sobre a Receita de Vendas.000. A do tipo exportação. A produção anual total.000.br/professor/alaelson 61 a) b) c) d) R$ R$ R$ R$ 5 475. .00 200.000. apurando os dados abaixo: Preço de venda unitário R$ Custos e despesas variáveis unitários R$ Custos e despesas fixas R$ Demonstração de Resultados Receita de Vendas R$ R$ ( − ) Custos e Despesas Variáveis ( = ) Margem de Contribuição R$ R$ ( − ) Custos e Despesas Fixas ( = ) Resultado Operacional R$ 32.000.00 795.00 1.00. . Despesas Variáveis 20% do Preço de Venda e Custos Fixos e Despesas Fixas num total de R$ 5.000.000.00 08 .CONTABILIDADE GERENCIAL CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO www.000. será de: 363. R$ R$ R$ R$ 610.000.000.182 unidades 4.unit. com um total de receita de 495.000. Custo Variável unitário R$ 4.00 560.750 unidades 07 .00 640.

21.........br/professor/alaelson 62 fixos totalizam R$ 2.600....000 unidades......... sua capacidade ociosa é de 800 unidades............... Lancheira tipo nacional.......... 10 .200........000 unidades....000 unidades deste produto de um cliente no exterior...... D) Lancheira tipo exportação .000 unidades..000 unidades...000... nas seguintes quantidades mensais: Lancheira tipo exportação.................... 09. Lancheira tipo nacional ...000 unidades mensais do produto X e que apresenta os seguintes custos unitários para esta produção: Custos variáveis = R$ 18... o que não lhe comprometeria futuramente...... Lancheira tipo nacional ...........600............ 42..... B) 90................00. C) 60....00 por mês........ 28.. D) 50... C) Lancheira tipo exportação ... B) Lancheira tipo exportação ...............750 unidades... Lancheira tipo nacional ......... o lucro do mês será: A) B) C) D) R$ 35..........00 R$ 45....................00 O preço de venda unitário é R$ 35.....000 unidades...000 unidades...... 14.000 unidades.........00..........00 Custo total = R$ 28....000 unidades.............. A indústria tem vendido seus produtos conjuntamente..... são incorridos custos variáveis de R$ 1...000 unidades. Lancheira tipo nacional ..... sendo os custos fixos de R$ 900.....750 unidades....000 unidades.......00 Considerando as informações abaixo responda às questões 11............... 22...........000 unidades...... 21.. recebe um pedido de 1...000 unidades de um produto X..100.000... Total .......000 unidades...........00 Custos fixos = R$ 10............... Indique o ponto de equilíbrio: A) 120..... no início de março.00 a unidade..... 14.. Considerando os dados acima.....00 R$ 31..800 unidades as vendas no mercado interno..42. Total .000..unit.Considere uma empresa que fabrica 5...000 unidades. 56.....500....... teria que reduzir......... 14. de cada tipo de produto....nead... No entanto......000.. Caso aceite o pedido......000 unidades........... 35.. Total .... Total ....00 Esta empresa..................00 R$ 38. o ponto de equilíbrio de cada produto é: A) Lancheira tipo exportação .... 12 e 13: A felicidade é Jesus (79) 9972-8886 2006 ......... temporariamente para 4......... O preço de venda que o cliente está disposto a pagar por este pedido é de R$ 25...70.Na produção de 100........ 21.000 unidades. 8....CONTABILIDADE GERENCIAL CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO www.000 unidades... Para atender esse pedido.00 e o preço unitário de venda de R$ 25.... rateados de acordo com a margem de contribuição total....

909.000.00 R$236. R$ R$ R$ R$ 20.00 11.000 unidades por mês e apresenta os seguintes custos unitários de produção: Custos Variáveis Proporcionais Custos Fixos Custo Total Preço de Venda Unitário R$46.67.616.00 R$328.98.920.80% 98.00 R$574.nead.520.000.386.00 13 O lucro do mês. o que não lhe compromete no futuro.00 13.256.18.CONTABILIDADE GERENCIAL CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO www. no mês de agosto de 2000.20% 53. a empresa teria que reduzir para 12.496.br/professor/alaelson 63 Uma determinada empresa recebe um pedido de 2. 44.936. A empresa fabrica 13. será de: a) b) c) d) R$213.000.09. 24. 46.00 100% 45% 55% 30% 25% a) b) c) d) 2.384.210.00 14 A administração de uma empresa apresentou em 01.000.00 20. caso a empresa aceite o pedido de encomenda especial. a Margem de Segurança e o Percentual da Margem de Segurança da previsão feita pela empresa para a tomada de decisão sobre 2004 é: Orçamento 2004 Vendas R$ Custos Variáveis R$ Margem de Contribuição R$ Custos e Despesas Fixas R$ Lucro Líquido R$ 45. 2. O preço de venda que o cliente está disposto a pagar por este pedido é de R$65.00 R$351.00 R$308.00 12 O lucro do mês. caso a empresa não aceite o pedido de encomenda especial.70% (79) 9972-8886 2006 A felicidade é Jesus .316.00 24.2003 as informações gerenciais para o ano de 2004.536. caso a empresa venda toda a capacidade de produção a preços normais.09.090.666.00 a unidade.00 R$551.080 unidades.00 R$283.000. 24.00.91. será de: a) b) c) d) R$260.00 R$72. A alternativa CORRETA que indica o Grau de Alavancagem Operacional.80 R$26.O lucro do mês.00 11 .unit.616. 3. Sua capacidade ociosa é de 2.00 R$260. de um cliente tradicional.98.480 unidades as vendas no mercado interno.600 unidades do produto “P”.300.936.616.789.616. 3.000.536. será de: a) b) c) d) R$132.00 R$328. Para atender esse pedido.64% 54.600.80 R$91.600.000.18.

571 unidades para cobrir seus custos fixos e despesas.nead.235 unidades para cobrir um lucro desejado de 25% numa política sobre os custos além de levar em conta o custo de oportunidade.00 20.000. é financeiramente mais vantajoso manter a sua produção que deixar de produzi-lo.500. 2. 16 .000.00 Resultado Operacional R$ 27. 10. vencendo a primeira neste ano e uma depreciação no montante de 25% dos custos e despesas fixas.000 unidades adicionais mensais.000.05 100.00. considerando que o produto A seja produzido na base de 50% da capacidade instalada para sua produção.00 Com base nessas informações. Considera-se que o aumento na produção de qualquer um desses produtos dentro da capacidade instalada para sua produção não provoca alteração nos custos e despesas fixas mensais.Se considerar que o produto C contribui para a venda de mais de 10% dos outros dois produtos. A felicidade é Jesus (79) 9972-8886 2006 .00 6.000.000.00 Custos e Despesas Fixas R$ 11.000. ao preço de venda líquido unitário de R$ 8.00 5.00 3.CONTABILIDADE GERENCIAL CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO www.000 Preço de venda liquido unitário (em R$) Custos e despesas variáveis unitários (em R$) Margem de contribuição (em R$) Custos fixos identificáveis unitários (em R$) Margem de contribuição II (em R$) Quantidade produzida e vendida mensalmente Margem total mensal (em R$) Custos e despesas fixas mensais (em R$) Resultado operacional (em R$) 150.000. 1.000 160. caso esta empresa recebesse uma oferta de compra de 20. d) O Ponto de Equilíbrio Econômico demonstra que a empresa precisa vender 1.00 (-) Custos e Despesas Variáveis de Produtos Vendidos R$ 60.unit.000 -5. apresentando o seguinte resultado: Receita Total R$ 99. numa política sobre os custos e não levando em conta o custo de oportunidade.000.00 Margem de Contribuição R$ 38. b) O Ponto de Equilíbrio Financeiro demonstra que a empresa precisa vender 1.000.00 65.br/professor/alaelson 64 15 No primeiro semestre de 2003 uma empresa produziu e vendeu 5.00 5.50 2.500.00 3.335 unidades para obter um lucro desejado de 30%.35 -0.000 60.000.550 unidades para cobrir uma dívida total de R$ 13.00 16.00 19. c) O Ponto de Equilíbrio Econômico demonstra que a empresa precisa vender 3. seria financeiramente vantajoso aceitá-la.20 0.00 2.000 2.00 10.A tabela a seguir ilustra o resultado operacional mensal de uma companhia que fabrica e comercializa os produtos A.000 25.00 pagável em 5 parcelas.00 A alternativa INCORRETA baseada nos dados acima é: a) O Ponto de Equilíbrio Contábil demonstra que a empresa precisa vender 1.500.000.500 unidades de um determinado produto.30 0. B e C. julgue os seguintes itens.

500 e 15.A margem de contribuição I dos produtos acima apresentados poderia ser reduzida.unit. Presuma uma alíquota de 40% de importo de renda. caso a empresa reduzisse as taxas de depreciação praticadas pelo método linear para sua planta industrial.CONTABILIDADE GERENCIAL CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO www. seria possível aumentar a sua produção e reduzir o seu preço unitário de venda visando à ampliação da rentabilidade. no qual são considerados apenas os custos variáveis e fixos identificáveis com os produtos. EXERCÍCIOS SOBRE PONTO DE EQUILÍBRIO E ALAVANCAGEM 01 – A empresa Central Canning tem LAJIR de $ 67. DE RENDA LUCRO LÍQUIDO Nº AÇÕES ORDINÁRIAS LUCRO POR AÇÃO 2 . 1 . LAJIR (-) JUROS LAIR (-) IMP. DE RENDA LDIR (-) DIVIDENDO ANUAL LUCRO LÍQUIDO Nº AÇÕES ORDINÁRIAS A felicidade é Jesus (79) 9972-8886 2006 . 4.000 Ações Preferenciais pagando dividendos de $ 6 por ação.nead. qual é o novo GAF ? LAJIR (-) JUROS LAIR (-) IMP. O conceito de margem de contribuição acima utilizado está associado e em conformidade com o sistema de custeio por absorção. A empresa tem gastos anuais de juros de $ 22.500. 5.br/professor/alaelson 65 3.000 Ações Ordinárias em circulação.Presumindo que a empresa também tem 1.Calcule o Grau de Alavancagem Financeira (GAF) da empresa.Se a capacidade instalada para a produção do produto B assim permitisse.

000 Ações Ordinárias.000 unidades a $ 2. A empresa R tem vendas de 100. Financeira e Total de cada empresa tomando-se por base o nível atual de vendas e o respectivo LAJIR. DE RENDA LUCRO LÍQUIDO Nº AÇÕES ORDINÁRIAS LUCRO POR AÇÃO EMPRESA “R” VENDAS (-) CUSTO VARIÁVEL MARGEM CONTRIBUIÇÃO A felicidade é Jesus (79) 9972-8886 2006 .000 por ano.000. Os juros são de $ 10.CONTABILIDADE GERENCIAL CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO www. 2 – Para qual das empresas o risco operacional é maior? Justifique. 3 – Para qual das empresas o risco financeiro é maior? Justifique.500. Custos Variáveis de $ 1.00 por unidade e Custos Fixos de $ 62.nead.br/professor/alaelson 66 LUCRO POR AÇÃO 02 - A empresa J tem vendas de 100.00 por unidade.50 por unidade. 1 – Calcule o Grau de Alavancagem Operacional. Os juros são de $ 17.000 unidades a $ 2.500 por ano. Custos Variáveis de $ 1. EMPRESA “J” VENDAS (-) CUSTO VARIÁVEL MARGEM CONTRIBUIÇÃO (-) CUSTO FIXO LAJIR (-) JUROS LAIR (-) IMP.70 por unidade e Custos Fixos de $ 6.unit. Presuma que ambas as empresas estão na faixa de alíquota de 40% de importo de renda e possuem cada uma 1.

A e B.000.000.nead. 1.000 a 17% de juros 2. vendendo 400.000. Os Custos Fixos são de $ 28. DE RENDA LUCRO LÍQUIDO Nº AÇÕES LUCRO POR AÇÃO 04 - A empresa Musk Oil Cosmetics fabrica produtos de beleza.000. Cada unidade produzida tem um Custo Variável de $ 0. A empresa tem gastos anuais de juros de $ 6.CONTABILIDADE GERENCIAL CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO www.00.000 Ações Ordinárias Estrutura B Dívida a Longo Prazo de $ 200.000 unidades por ano.84 e é vendida por $ 100. Estrutura A Dívida a Longo Prazo de $ 100.unit.000.000 a 16% de juros 4.br/professor/alaelson 67 (-) CUSTO FIXO LAJIR (-) JUROS LAIR (-) IMP. VENDAS (-) CUSTO VARIÁVEL MARGEM CONTRIBUIÇÃO (-) CUSTO FIXO LAJIR (-) JUROS LAIR A felicidade é Jesus (79) 9972-8886 2006 . qual estrutura você recomendaria? Por que? Estrutura A Estrutura B LAJIR (-) JUROS LAIR (-) IMP. mostradas na tabela seguinte. Calcule o Grau de Alavancagem Operacional. Financeira e Total da empresa tomando-se por base o nível atual de vendas e o respectivo LAJIR. DE RENDA LUCRO LÍQUIDO Nº AÇÕES ORDINÁRIAS LUCRO POR AÇÃO 03 - A empresa Parker Petroleum está considerando duas estruturas de capitais possíveis.000 de Ações Ordinárias e uma alíquota de 40% de importo de renda. dividendos preferenciais de $ 2.000 Ações Ordinárias Se a empresa está certa de que seu LAJIR será de $ 75. Presuma uma alíquota de 40% de importo de renda.

Embalagem 105 .unit.000 . A Cia.Comissões de Vendedores 30 25.Despesas com Vendas 7. DE RENDA LDIR (-) DIVIDENDO ANUAL LUCRO LÍQUIDO Nº AÇÕES ORDINÁRIAS LUCRO POR AÇÃO 05 – Com base nos elementos a seguir.000 120. em seus livros contábeis e registros auxiliares de custos: Custos e Despesas fixos durante o ano em $: Custos e Despesas Variáveis por unidade em $: .nead.Impostos e Seguros da Fábrica .Outros Custos e Despesas TOTAL 15 600 TOTAL O preço de venda de cada unidade é de $1. 1 – Qual o Grau de Alavancagem Operacional da empresa tomando-se por base o nível atual de vendas (1.000 UNIDADES)? 2.Depreciação de Equipamentos . "IMAGINAÇÃO" apresenta os seguintes saldos.br/professor/alaelson 68 (-) IMP.CONTABILIDADE GERENCIAL CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO www.000.000 .000 .Avalie o nível de risco operacional desta empresa. responda as perguntas de 1 a 2. A felicidade é Jesus (79) 9972-8886 2006 .Mão-de-Obra Direta e Indireta 18.Materiais Diretos 450 70.000 .

.A alavanca financeira não deve ser considerada como um fator que afete a riqueza dos acionistas V( ) F ( ) 5. quando a atividade econômica é boa e. V( ) F ( )..... MINITESTE I: 1...... V ( ) F ( ) REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1 . V ( ) F ( ) .75 por unidade e um preço de venda de $ 9..... custos operacionais variáveis de $ 6..nead..br/professor/alaelson 69 06 - A empresa Zandy tem custos operacionais fixos de $ 72..Em geral.. também.... 1 – Compute o Grau de Alavancagem Operacional da empresa para os níveis de vendas de 30 mil e 40 mil unidades.Uma empresa com alto risco financeiro apresenta um baixo índice de endividamento V ( ) F ( ) MINITESTE II: 1..... Atualmente. quando os projetos são financiados através da emissão de debêntures. trabalho apresentado no III ENCONTRO NORDESTINO DE CONTABILIDADE Aracaju/SE.unit. V( ) F ( )....... V( ) F ( ) 2.......O risco financeiro depende da estrutura de ativos da empresa . 2 – Analise a situação específica desta empresa.. níveis de lucro operacional acima do nível de equilíbrio geram maiores lucros por ação.CONTABILIDADE GERENCIAL CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO www. V ( ) F ( ) 3. V( ) F ( ) 5...A administração da alavanca financeira exige um planejamento a longo prazo.Estrutura financeira menos exigibilidades correntes é igual a estrutura de capital..... A felicidade é Jesus (79) 9972-8886 2006 .O grau de alavanca financeira é a variação absoluta no lucro líquido devida a uma variação no lucro operacional V ( ) F ( ) ..A alavanca financeira pode ser vista como uma medida operacional do risco financeiro....75 por unidade. ....-A análise do ponto de equilíbrio aplicada ao planejamento da alavanca financeira destaca a relação funcional entre lucro operacional e lucro por ação.-Baixo risco do negócio acarreta alto risco financeiro.. out. 2. MINITESTE III: 1.V ( )F ( ) 2....-A análise do ponto de equilíbrio serve de guia na determinação do impacto de alternativas de financiamento sobre o lucro operacional. MINITESTE IV: 1. V( ) F ( ) 4........ a empresa vende 25 mil unidades...-A alavanca financeira pode ser medida. V( ) F ( ) 4... V( ) F ( ) 3.. comparadas às variações no lucro operacional.......O risco financeiro amplia as variações no lucro líquido. V ( ) F ( ) 2....O grau de alavanca financeira é uma medida do risco financeiro... Anailson Marcio ./1997...Análise da Estrutura de Capital X Decisão de Investimento.... quando os produtos da empresa têm boa aceitação junto aos consumidores.000.GOMES..-A alavanca financeira é benéfica para a empresa.. 3......

br/professor/alaelson 70 2 .GITMAN.FGV . Alexandre.IUDÍCIBUS Sérgio de. 1986.MARTINS. Contabilidade de Custos. A felicidade é Jesus (79) 9972-8886 2006 . São Paulo: Atlas. Princípios de administração financeira.ASSAF NETO.7 . 1991.MARTINS. 4 . 5 . São Paulo: Atlas.Alguns Aspectos relevantes do rendimento na redução dos custos de produção na agroindústria açucareira. Alexandre.unit. MARION. 6 . Curso de Contabilidade para não Contadores.IUDÍCIBUS Sérgio de. 8 . 1997.as finanças das empresas sob condições inflacionarias. Eliseu. 1976. Contabilidade gerencial.PEREIRA. Estrutura e análise de balanços: um enfoque econômico-financeiro.Textos e Artigos para Consulta . São Paulo: Harbra. São Paulo: Atlas. Dissertação defendida na FEA/USP Abril . José Carlos. 3 . 7ª ed. Andrade . Lawrence J. A. São Paulo: Atlas.CONTABILIDADE GERENCIAL CUSTOS PARA TOMADA DE DECISÃO www. 1987. Eliseu.nead. Fernando O.1983 9 . São Paulo: Atlas. ASSAF NETO. Administração financeira .

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->