P. 1
A pragmática

A pragmática

|Views: 387|Likes:

More info:

Published by: Nelysson Kassio Praseres on Feb 22, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

08/25/2013

pdf

text

original

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CURSO DE LETRAS DISCIPLINA: TÓPICOS ESPECIAIS EM LINGUÍSTICA PROFESSORA: MÔNICA CRUZ ALUNO: NELYSSON KÁSSIO

PRASERES MENDONÇA (7º PERÍODO) RESUMO DO TEXTO: MUSSALIM, Fernanda; BENTES, Anna Christina (orgs). Introdução a lingüística: domínios e fronteiras, vol.2. 2ªedição. SP: Cortez, 2001. A Pragmática foi analisada em 1977 como o lado concreto da linguagem, ou seja, vendo-se como os usuários e usuárias de uma língua a usam em sua prática linguística por um lado e por outro o estudo das condições que governam essa prática. Estuda-se primeiramente o uso da linguagem, partindo-se dos estudos de Saussure que defende que a língua é objeto de estudo da Linguística e a Pragmática leva em conta a fala, a língua em uso. Estuda-se então a sociedade e sua comunicação, como a linguagem funciona nas trocas de linguagem entre seus usuários. Pode-se afirmar que esse estudo é ainda relativo aos problemas relativos ao uso da linguagem. As pessoas que a estudam esperam explicar antes a linguagem do que a língua. Essa afirmação é decorrente da dicotomia clássica saussureana língua/fala. A Pragmática aposta nos estudos da linguagem, levando também em conta a fala, e nunca nos estudos da língua isolada de sua produção social. Outro ponto estudado são os fenômenos lingüísticos que não são puramente convencionais, mas sim compostos também por elementos criativos que se alteram e interagem durante o processo de uso da linguagem. O estudo de Peirce, que fez um trabalho prolongado para explicar a teoria do signo, definiu e subdividiu suas explicações em dez classes principais. Seus principais seguidores foram William James e Charles W. Morris,e este fundamenta a doutrina da ciência unitária, ao passo que James inaugura o que ficou conhecido como o Pragmatismo americano, ficando mais tarde seus estudos vinculados às aplicações práticas voltadas para a ação. Relativiza a noção de verdade ao atingir o discurso sobre a possibilidade de conhecimento de fato. Uma das discussões entre diversos estudiosos dos assuntos linguísticos tem a ver com a formulação gramatical das frases, quer dizer, a maior preocupação seria os falantes de uma língua expressarem-se de acordo com as normas gramaticais vigentes e que não poderiam incorrer em construções gramaticais que fosse mal

a relaç o entre o que se diz e o que se faz. Quem estuda esses atos é Searle e. a Sociolinguística e a Análise da Conversaç o estudam a comunicaç o linguística na complexidade de seus contextos. ou seja. O estudo da comunicaç o se caracteriza por ser um híbrido dos dois grupos anteriores. Segundo a Pragm tica o contexto dentro do qual a comunicaç o foi efetivada influi na compreens o do enunciado emitido. J. assim se uma pessoa diz à outra: Como está frio aqui se pode entender pelo contexto um pedido para qu e a janela seja fec ada. s o relativos ao contexto de fala e as pessoas que f alam. Finalizando. Um tema comumente levantado pelos estudos pragm ticos s o os funcionamentos e efeitos d e atos de fala. Seus estu dos procuraram refletir sobre a possibilidade de uma teoria que explicasse questões. a Pragmática. Isso vai depender das condiç es que de dom nio da linguagem do interlocutor dessa pessoa. O que os torna diferentes dos demais é o crédito a teorias filosóficas histo ricistas que estavam em situaç o de ausência ou de pouca expressividade nas duas correntes anteriores. e s o interpretáveis com uma amplitude muitas vezes difícil de ser descrita nos limites de uma análise lingüística. como regra constitutiva. seg undo ele. sendo que a Pragmática tra balha com enunciados construídos e se concentra no estudo dos processos de inferência pelos quais compreendemos o que está implícito. Austin foi quem melhor propôs um conceito para esse tema a fim de debater a realidade de aç o da fala. s o unidades da comunicaç o linguística e se realizam de acordo com regras. exclamações e sentenças que expressam comandos. a frase conota o ato linguístico de pedir e o ouvinte pode ser capaz de fazer o que é pedido. Os atos de um enunciado ocorrem simultaneamente. No exemplo citado anteriormente. desejos e concessões.form s o que converteria a Pragm tica em um ³depósito de todo tipo de consideraç es extragramaticais e dos efeitos desses fat ores na forma gramatical e léxica´. acrescentados muitas vezes de renovadas leituras do Pragmati smo Americano ou da Teoria dos Atos de Fala. Hibrido porque podemos encontrar neste grupo autores que utilizam ambos os métodos descrito s anteriormente. § § ¨ § § § ¥ © § § § ¦ ¦ ¥ § ¤ ¢ £¢   ¡ § § § § ¥ .

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->